Você está na página 1de 1

SOLTEI O PUM NA ESCOLA!

Autor: Blandina Franco e José Carlos Lollo

Este mês a gente pode levar nossos bichos de estimação para a escola e todo mundo entrou
na fila pra marcar o seu dia.
Eu também, lógico!
Não vou perder a oportunidade de mostrar o meu melhor amigo, que é o mais legal, divertido,
fedido e barulhento de todos, o Pum.
Ontem a Mirela levou a Gertrudes pra escola e soltou ela no meio do pátio.
Eu não achei muito legal, porque a Gertrudes não fez barulho, nem correu, nem brincou muito
com a gente.
Mas acho que isso é normal em tartarugas.
Mas amanhã é a minha vez, e vai ser o melhor dia de todos!
Estou tão animado que resolvi caprichar no Pum. Quero ele bem cheiroso.
Minha mãe disse que é normal ficar nervoso no primeiro dia de aula e que provavelmente eu
não ia conseguir segurar o Pum no caminho.
Então ela foi junto pra me ajudar, e mesmo assim ele quase escapou.
Eu acho que o Pum estava nervoso mesmo, porque nas duas primeiras aulas ele ficou
quietinho atrás de mim.
Pode ser também que ele estava tímido porque ainda não conhecia seus novos colegas de
classe.
Mas quando chegou a hora do recreio, o Pum se soltou e fez o que todo mundo faz quando
toca o sinal: saiu que nem um rojão pelo corredor.
Todo mundo gostou dele.
Depois a gente foi brincar no tanque de areia das crianças pequenas. Foi a maior bagunça,
porque o Pum adorava cavar e espalhou areia pra tudo quando foi lado.
Depois do recreio a gente voltou pra sala. Só que dessa vez o Pum não queria obedecer a
dona Liniz e não parava.
Eu acho que ele não gostou de geografia.
Por causa disso, o Pum teve que ir pra sala da diretora.
Eu achei uma grande injustiça. Ele não estava fazendo nada de tão errado assim pra precisar
ficar de castigo logo no primeiro dia de aula dele.
E todo mundo sabe que não há Pum que aguente uma hora inteirinha sentado ouvindo a dona
Liniz falar sobre o mapa-múndi.
A diretora me disse pra não ficar triste, porque o Pum não estava de castigo: ela só queria
ensinar coisas diferentes pra ele.
Mas acontece que ela deixou o Pum escapar bem no meio do pátio e todo mundo morreu de
rir!
E eu passei o resto da aula pensando que ia levar uma bronca da minha mãe porque fiz a
diretora passar vergonha por causa do Pum.
Mas minha mãe ficou presa no trabalho, e quem veio me buscar foi a tia Clotilde.
Eu acho que ela e a minha diretora são amigas, porque, em vez de me darem bronca, as
duas ficaram rindo, falando sobre o quanto o Pum é legal. E eu ali, esperando e segurando o Pum
de novo!
Quando eu cheguei em casa, contei para o meu pai que o primeiro dia de aula do Pum foi
muito bom.
Contei que ele fez um monte de amigos e que a gente aprendeu várias coisas novas.
Contei também que a minha diretora deixou o Pum escapar na frente de todo mundo e que eu
fiquei com medo de levar bronca da mamã por causa disso.
Ele achou muito engraçado e disse que, às vezes também tem medo de levar bronca da
mamãe quando deixa o Pum escapar.
Mas eu não entendi direito. Sempre achei que os adultos podiam soltar o Pum quando
quisessem.
A tia Clotilde solta!

Você também pode gostar