Você está na página 1de 3

DIVISÃO DE ENSINO

COORDENADORIA DO CURSO DE HISTÓRIA

PLANO DE ENSINO
ANO: 2015 SEMESTRE: Segundo
DISCIPLINA: CÓDIGO: CARGA HORÁRIA PRÉ-REQUISITOS:
"”História Medieval” 72 horas Nenhum
TOTAL: SEMANAL
72 horas
PROFESSOR: Moisés Romanazzi Tôrres DEPARTAMENTO:
Doutor DECIS
EMENTA:

Após a Queda do Império Romano do Ocidente e a formação dos diversos Reinos Romano-
Germânicos, verifica-se em um deles, o Reino Franco, o processo de ascensão da casa carolíngia que levará
ao estabelecimento de uma nova grande unidade política – o Império Carolíngio. Entretanto a própria
unidade do novo Império não foi muito longe. Após a morte do filho de Carlos Magno, Luís, o Piedoso, ele
foi dividido em três partes, Francia Occidentalis, Lotaríngia e Francia Orientalis, pelo Tratado de Verdum
(843). Esta divisão inicial, mediante as vicissitudes que se seguiram (as invasões de escandinavos, magiares
e sarracenos; querelas dinásticas), foi seguida por um processo de fragmentação política que deu origem,
no início do século XI, à sociedade feudal.
Com o advento do feudalismo (início do século XI), observamos o surgimento de uma sociedade
caracterizada pelo sistema agrário, pela fragmentação política e do poder, pelas relações pessoais de caráter
feudal (no seio da aristocracia guerreira) e senhorial (entre senhores e camponeses), pela cultura
clericalizada, pelo pensar sacramental, entre outros aspectos. Tal sociedade que, ao longo dos séculos XII e
XIII vai sofrer modificações profundas em sua estrutura inicial, entretanto, marginaliza ou deixa de fora
diversos grupos minoritários: judeus, hereges, homossexuais, leprosos. Também, basicamente a partir do
século XII, o desenvolvimento do comércio permitiu a revitalização urbana e ascensão social dos
mercadores. Devemos observar inclusive a evolução que conduziu a formação dos Estados Monárquicos na
Península Ibérica, França e Inglaterra fundamentalmente. A Igreja, no curso da Reforma, tinha então uma
participação de primeiro plano em todos estes processos.
A época correspondente aos séculos XIV e XV, tempos de crise para muitos historiadores, de
infortúnios e calamidades irreparáveis para outros tantos, constitui-se num período determinante para a
formação da Idade Moderna. Mas será que podemos estender tal estado de coisas ao conjunto do
Ocidente? Será que a reestruturação social que caracterizou tais séculos e que, em muitos de seus aspectos,
prolongou-se pela modernidade, pode mesmo ser taxada sob tais rótulos?
OBJETIVOS

O curso irá proporcionar uma visão de conjunto do Ocidente medieval do século V ao século XV,
enfatizando às dimensões política, sócio-econômica e religiosa, e determinados recortes espaciais e
temporais.

CONTEÚDO

Os Germanos e as Migrações Germânicas (Séculos IV e V).


A Queda do Império Romano no Ocidente e a Formação dos Reinos Romano-Germânicos (Séculos V e VI).
Os Reinos Romano-Germânicos – Aspectos Políticos e Sócio-Culturais (Séculos V a VIII).
A Ascensão Carolíngia e a Formação do Império de Carlos Magno (Séculos VIII e IX).
A Decadência do Mundo Carolíngio e as Invasões da Magiares, Sarracenos e Escandinavos (Séculos X e
XI).
As Relações Senhoriais e Feudo-Vassálicas na Sociedade Feudal (Séculos XI a XIII).
A Reforma “Gregoriana” e suas Conseqüências (Início: século XI).
Os Marginalizados e Excluídos da Sociedade Feudal (Séculos XI a XIII).
A Expansão Feudal: As Cruzadas, a Reconquista Ibérica e a Expansão Alemã para Leste (Início: Século XI).
O “Ressurgimento” Urbano e o Desenvolvimento do Comércio (Séculos XII e XIII).
As Heresias e as Novas Ordens Religiosas (Séculos XII e XIII).
O Desenvolvimento dos Estados Monárquicos (Séculos XII e XIII).
Houve uma Crise no Fim da Idade Média? (Séculos XIV e XV).
A Evolução das Estruturas Políticas, Socioeconômicas e Socioculturais no Período Tardo-Medieval.

METODOLOGIA E RECURSOS AUXILIARES

Aulas expositivas contextualizadas por discussão de textos previamente escolhidos e análise de


passagens de fontes primárias.

Possível utilização de Retro-Projeções e/ou de Películas Cinematográficas.

AVALIAÇÃO
Trabalho escrito em grupo.
Questionário respondido em sala de aula, individualmente ou em duplas, a partir das aulas expositivas e
das leituras indicadas.
BIBLIOGRAFIA
ANTONETTI, Guy. A Economia Medieval. São Paulo, Atlas, 1977.
BLOCH, Marc. A Sociedade Feudal. Lisboa, Edições 70, 1979.
CLARAMUNT, Salvador et aliii. Historia de la Edad Media. Barcelona, Ariel, 1995.
DUBY, Georges. As Três Ordens ou o Imaginário do Feudalismo. Lisboa, Estampa, 1982.
-------------------- O Tempo das Catedrais. Lisboa, Estampa, 1979.
-------------------- Economia Rural e Vida no Campo no Ocidente Medieval. Lisboa, Edições 70, s/d, 2 vols.
-------------------- A Sociedade Cavaleiresca. São Paulo, Martins Fontes, 1989.
FOURQUIN, GUY. Senhorio e Feudalidade na Idade Média. Lisboa, Edições 70, 1978
FRANCO, Jr., Hilário. A Idade Média. Nascimento do Ocidente. São Paulo, Brasiliense,1988.
---------------------- As Cruzadas. São Paulo, Moderna, 1999.
---------------------- Feudalismo. São Paulo, Moderna, 1999.
GOMES, Francisco José Silva. “A Igreja e o Poder: Representações e Discursos.” In: RI-
BEIRO, Maria Eurydice de Barros. A Vida na Idade Média. Brasília, UnB,1997, pp. 34 à 60.
GOUREVICHT, Aaron. As Categorias da Cultura Medieval. Lisboa, Caminho, 1990.
HEERS, Jacques. História Medieval. São Paulo, Bertrand Brasil, 1991.
LE GOFF, Jacques. A Civilização do Ocidente Medieval. Lisboa, Estampa, 1983, 2 vols.
----------------------- Os Intelectuais na Idade Média. São Paulo, Brasiliense, 1988.
----------------------- A Bolsa e a Vida. São Paulo, Brasiliense, 1998.
-- -------------------- Mercadores e Banqueiros na Idade Média. Lisboa, Gradiva, 1982.
----------------------- O Apogeu da Cidade Medieval. São Paulo, Martins Fontes, 1992.
----------------------- Para um novo Conceito de Idade Média. Lisboa, Estampa, 1980.
LOYN, H. R. Dicionário da Idade Média. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1992.
MC EVEDY, Colin. Atlas da História Medieval. Lisboa, Ulisseia, 1973.
PEDRERO- SÁNCHEZ, Maria Guadalupe. História da Idade Média. Textos e Testemunhas, São Paulo,
UnESP, 1999.
QUILLET, Jeannine. Les Clefs du Pouvoir au Moyen Âge. Tours, Flammarion, 1972.
SKINNER, Quentin. As Fundações do Pensamento Político Moderno. São Paulo, Companhia das Letras,
1996.
SOUTHERN, R. W. A Igreja Medieval. Lisboa, Ulisseia, s/d.
TEJADA, Manuel Teruel Gregorio de. Vocabulario Básico de la Historia de la Iglesia.Barcelona, Crítica,
1993.
ULLMANN, Walter. Historia del Pensamiento Politico en la Edad Media. Barcelona, Ariel 1983.
VAUCHEZ, André A Espiritualidade na Idade Média Ocidental (Séculos VIII-XIII). Rio
De Janeiro, Jorge Zahar, 1995.
Obs:. Entre muitos outros.

___________________________________ ___________________________________
Assinatura do Professor Assinatura do Coordenador
Data: ___/ ___/___ Data: ___/ ___/ ___

Você também pode gostar