Você está na página 1de 38

 Visa a eliminação de transudato e exudato de

uma cavidade com a finalidade de manter


este local limpo.

 É um meio mecânico de remoção de líquidos


dos órgãos, cavidades ou tecidos do corpo.
Os drenos torácicos são multifrenestrados,
transparentes e com marcadores radiopacos.

São classificados em pleurais e mediastinais. Seu


tamanho varia entre 10 a 36 Fr, sendo que os maiores (
20 a 36Fr) são usados para a drenagem de sangue ou
líquidos espessos e os menores (10 a 20 Fr), para drenar
ar.

A drenagem torácica fechada significa que o sistema de


drenagem está isolado da pressão atmosférica.
INDICAÇÃO:

 Remoção de ar: pneumotorax

 Remoção de líquidos: quilotórax e piotorax.

 Remoção de sangue do espaço pleural: hemotórax.


Instalação:

Após a introdução do dreno a extremidade do


dreno é conectada em uma unidade de drenagem.

O sistema de drenagem mais usado é o de um


frasco, que tem uma tampa vedada, que tem duas
aberturas: uma para a saída de ar ( respiro) e a
outra permite a passagem de um tubo que se
estende até o fundo do frasco, abaixo do nível do
selo d'água.
 Pode se fazer a aspiração continua do sistema
de drenagem torácica facilitando a drenagem
de liquido ou ar do espaço pleural
cateteres edrenos
1- Preparar material; orientar o paciente e
posicioná-lo;
2- Auxiliar o médico durante o procedimento;
3- Manter frasco de drenagem abaixo do nível
de instalação;
4- Avaliar oscilação do líquido no sistema de
drenagem;
5- Manter selo d´água (acima do nível do
respiro);
6- Avaliar quantidade e aspecto da drenagem;
7- Manter curativo oclusivo compressivo no
local de inserção do dreno;
8- Não deixar o dreno preso na grade da cama.
 curativo diário e s/n

 Observar sinais flogísticos no local de


inserção do dreno

 presença de enfisema subcutâneo

 presença de borbulhamento no selo d'água.

 só pinçar o dreno as trocas do selo d'água

 trocar selo d’água diariamente colocando


água destilada.
 Os drenos abdominais estão presentes em
pacientes que foram submetidos à cirurgia
abdominal.

 São recomendados sempre que encontre ou


preveja o acumulo de material infectado, linfa,
sangue, exudato ou transudato e líquidos na
cavidade abdominal.

 Os drenos mais utilizados são: laminares e


tubulares.
Dreno laminar:

 Dreno de penrose que possuí 40 cm de


comprimento e pode ser cortado quando necessário,
é utilizado para a drenagem de secreção espessa
viscosas.

 Dreno Medi-drain: possuí as mesmas


características do penrose é transparente e tem uma
fita radiopaca. cateteres e drenos
Dreno Tubular
 Feito de borracha, látex, plástico, polivinil
siliconizado (pvc), ou silicone, é mais rígido e
impede que sua luz colabe a compressão dos
tecidos que o circundam.
 Fica situado na cavidade peritoneal facilitando
assim a remoção do conteúdo líquido e pode ser
acoplado em um sistema de aspiração continua e a
instilação de antibióticos para irrigação.

 Tipos: tubular em T ou Kher: feito de látex,


tubular formado por 3 hastes, usado nas
drenagens biliares.
Dreno tubular MalecotMalecot

Dreno de sucção
(Portovac)

Dreno tipo JP
OSTOMIAS
O QUE É?

A ostomia é uma intervenção cirúrgica que


permite criar uma comunicação entre o órgão
e o exterior, com a finalidade de construir
um novo trajeto para saída das fezes e da
urina ou para entrada de alimentos e
medicações.
Indicações para as Ostomias
Desvio do trânsito fecal em intervenções cirúrgicas
para tratamento de ferimentos anorretocólicos;
Quando há obstruções do cólon terminal ocasionados
por imperfuração anal, neoplasias ou processos
inflamatórios;
 Como paliativo nos casos de neoplasia inoperável do
cólon distal com obstrução;
 Amputação abdominoperineal do reto;
 Câncer;
Fístulas reto-vaginais;
Perfurações não traumáticas de segmentos cólicos,
como na diverticulite;
 Lesões perineais extensas como na síndrome de
Fournier;
Malformações congênitas;
Traumatismos.
Tipos de Ostomias:

As ostomias são classificadas segundo a função,


permanência e órgão.
 Função: estomas de nutrição(gastrostomia e
jejunostomia), drenagem (traqueostomia)
e eliminação (colostomia, ileostomia,
urostomia/ cistostomia);
 Permanência:temporárias e definitivas;
 Órgão: Traquéia, estômago, intestino, Bexiga.
Traqueostomia

 É um procedimento cirúrgico no pescoço que


estabelece um orifício artificial na
traquéia,abaixo da laringe,indicado em
emergências e nas intubações prolongadas;
 A incisão é feita,entre o 2º e o 3º anel traqueal;
 Realizado em pacientes que necessitam de
ventilação mecânica prolongada.
Cânulas de Traqueostomia
(diferentes tamanhos)

Cânula de traqueostomia metálica;


Cânula de traqueostomia plástica sem balão;
Cânula de traqueostomia plástica com balão.

Gastrostomia

É um procedimento cirúrgico para a fixação de


uma sonda alimentar;
É recomendado quando há a necessidade de
alimentação por longo prazo, ao menos 3 a 6
meses
Intestino delgado
Jejunostomia

 Administração de medicações ou administração


de nutrição enteral.

Colostomia

 É uma abertura criada cirurgicamente no cólon


através do abdome. A finalidade da colostomia é
permitir que as fezes não passem por um parte
doente ou danificada do cólon.
 A colostomia não tem um músculo esfíncter, de
modo que uma pessoa que tem uma colostomia não
possui controle voluntário sobre sua evacuação
intestinal.
Colostomia Ascendente
 O estoma é feito na alça ascendente,lado
direito do abdome.As fezes têm consistência semi-
sólida.

Colostomia Transverso
 O estoma é feito na alça do transverso,no lado
esquerdo ou direito do abdome.As fezes têm
consistência pastosa.
Colostomia Descendente

 O estoma é feito na alça descendente, no lado


esquerdo do abdome. As fezes têm
consistência semi-sólida.
Ileostomia
 É uma abertura criada cirurgicamente no
intestino delgado, através do abdome.
 A finalidade é permitir que as fezes não
passem pelo cólon.
Urostomia
 É uma abertura criada cirurgicamente para
permitir a exteriorização de condutos urinários
para a parede adominal, em alguns casos
clínicos, para a manutenção da filtração renal.
 As urostomias cutâneas são as mais comuns e
incluem a ureterostomia cutânea (estoma criado
a partir do ureter, a vesicostomia (estoma a
partir da bexiga) e a nefrostomia ( a drenagem
da urina começa a partir do rim)
 A urostomia será nos casos de câncer de bexiga,
incontinência (atrofia da bexiga, atrofia vesical,
carcinoma uretral e cistite intersticial).
 Será temporária nos casos de atrofia e aumento
da uretra e refluxo vesículo- uretral.
Cistostomia
 A cistostomia é a formação de uma abertura
na bexiga urinária, por onde sairá a urina.

 É realizada em casos de obstrução da bexiga,


distúrbios neurológicos da micção, cirurgia de
bexiga ou de uretra, controle específico da
micção, inflamação e/ou distúrbios da próstata
/uretra, priapismo.
Bolsas para Ostomias

São recipientes que recolhem as fezes e urina


do estoma.

 Não é doloroso
 Sempre vermelho e
úmido
 Pode sangrar
facilmente
Características das bolsas:

 Discretas pela cor e forma;


 Seguras e de fácil utilização;
 Flexíveis e descartáveis;
 Tem ajuste à medida do estoma;
 Pode ser aberta e fechada com proteção para
pele.
Limpeza da Bolsa de Ostomia

 Dispositivos para ileostomias e urostomias


deverão ser esvaziados quando estiverem com
pelo menos 1/3 de seu espaço preenchido ou
sempre que necessário, geralmente uma ou duas
vezes por dia.

 É necessário esvaziar constantemente para ele


não pese muito e descole da pele.
Cuidados de enfermagem
Higiene:

 Lavar a pele ao redor do estoma delicadamente,


com um sabonete neutro;
 Observar o estoma com regularidade: a pele à
sua volta deve estar úmida, lisa,de cor
avermelhada, livre de coceiras e/ou feridas;
 Caso não esteja normal, procurar atendimento
especializado.
Cuidados com a pele
 A limpeza da pele ao redor do estoma deve ser
feita com água e sabonete neutro.
 Os pelos ao redor do estoma devem ser aparados
bem curtos, com a tesoura;
 Exponha a pele ao redor do estoma ao sol da
manhã, de 15 a 20 minutos por dia;
 Sempre proteger o estoma com gaze umedecida;
 Evitar que a bolsa coletora fique em contato
direto com a pele.
Orientar o paciente a:
 Evitar alimentos que produzam gazes e/ou
odores fortes;
 Consumir legumes, frutas e beber muito
líquido;
 Mastigar bem os alimentos.
 Evitar carregar peso excessivo;
 Evitar praticar esportes que exijam muito
esforço;
 Evitar cintos,fivelas ou outros artigos que
comprimam o estoma.
Retração
Obrigada pela atenção!!!