Você está na página 1de 56

Ano: 2018 Banca: FCCÓrgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista

Judiciário - Área Judiciária


Considere as afirmações abaixo.

I. Matheus trabalha na filial da empresa X, na cidade de Caruaru. Em 25 de abril de 2017 foi eleito membro daCIPA. Entretanto,
no dia 28 de outubro de 2017, o estabelecimento em que trabalhava foi extinto e ele foi dispensado sem justa causa. A dispensa
é válida, em razão da extinção do estabelecimento.
II. Uma empregada gestante foi despedida sem justa causa no primeiro mês de gravidez. O empregador desconhecia a
gravidez da empregada. A dispensa é válida, em razão do desconhecimento do estado gravídico pelo empregador.
III. Uma empresa constituiu em 15 de setembro de 2017 Comissão de Conciliação Prévia com atribuição de tentarconciliar os
conflitos individuais de trabalho havidos em seu âmbito. Um dos representantes que a compõe, eleito pelos empregados, foi
dispensado sem justa causa em 23 de janeiro de 2018. A dispensa é válida porque somente são detentores de estabilidade no
emprego, até o término do mandato, os integrantes de Comissão de Conciliação Prévia instituída no âmbito do sindicato.
IV. Uma empresa que possui 500 empregados promoveu, em 23 de janeiro de 2018, eleição para a composição einstituição
de comissão de representação dos trabalhadores. Um dos três membros que compõem a comissão foi dispensado arbitrariamente
dois dias após a eleição e um dia antes de tomar posse. A dispensa é inválida, tendo em vista que os integrantes da comissão
têm estabilidade no emprego desde o registro da candidatura até um ano após o término do mandato.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) I e III.

b) I e IV.

c) III e IV.

d) II e III.

e) II e IV.

Ano: 2018 Banca: FCCÓrgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Área Judiciária
Invocando a regra da condição mais benéfica ao empregado, que se insere no princípio da proteção peculiar ao Direito do
Trabalho, é correto afirmar:

a) Havendo conflito entre duas normas jurídicas, prevalece a mais favorável ao empregado.

b) Havendo dúvida quanto ao alcance da norma tutelar, julga-se a favor do empregado.

c) As normas legais não prevalecem diante de normas instituídas por convenção ou acordo coletivo, por terem estas
destinação mais específica.

d) A supressão de direitos trabalhistas instituídos por regulamento de empresa só alcança os empregados admitidos
posteriormente.

e) As condições estabelecidas em convenção coletiva de trabalho, quando mais favoráveis, prevalecem sobre as
estipuladas em acordo.
Ano: 2018Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Área Judiciária

José Henrique, vendedor de uma fábrica de geladeiras e outros eletrodomésticos do Paraná, foi transferido em 01 de fevereiro
de 2018 para trabalhar na mais nova filial da fábrica em Cabo de Santo Agostinho, mudando-se com a família e passando a viver
naquele Município. Além de seu salário fixo, recebeu ao final do mês de fevereiro comissão pelas vendas realizadas, ajuda de
custo no valor correspondente a 40% da sua remuneração mensal e prêmio do dia do "representante de eletrodomésticos" (paga
todo ano no mês de fevereiro). Possui plano de saúde médico e odontológico e um curso de inglês totalmente pagos pela empresa.
O empregado foi reclamar com seu gerente o não pagamento do adicional de transferência. Nesse caso, têm natureza salarial as
comissões,

a) a ajuda de custo e o prêmio do dia do “representante de eletrodomésticos”; o plano de saúde e o curso de inglês
caracterizam salário utilidade; o empregado tem direito ao adicional de transferência.

b) a ajuda de custo e o prêmio do dia do “representante de eletrodomésticos”; o plano de saúde e o curso de inglês não
caracterizam salário utilidade; o empregado tem direito ao adicional de transferência.

c) o que não ocorre com a ajuda de custo e com o prêmio; o plano de saúde e o curso de inglês não caracterizam salário
utilidade; o empregado não tem direito ao adicional de transferência.

d) e a ajuda de custo, o que não ocorre com o prêmio; o plano de saúde e o curso de inglês caracterizam salário utilidade;
o empregado não tem direito ao adicional de transferência.

e) e o prêmio, o que não ocorre com a ajuda de custo; o plano de saúde e o curso de inglês não caracterizam salário
utilidade; o empregado tem direito ao adicional de transferência.

Ano: 2018 Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova:


Analista Judiciário - Área Judiciária
Visando apurar desvios que estão ocorrendo no setor de compras da empresa, o Gerente responsável contrata empresa de
auditoria e a autoriza a utilizar um polígrafo (detector de mentiras) para apurar quais empregados estavam prestando informações
erradas à investigação. A situação concreta apontada

a) inclui-se no poder de direção do empregador, mais especificamente no poder de controle, sendo autorizada pelo
ordenamento jurídico, desde que não exponha os empregados a situação vexatória.

b) inclui-se no poder de direção do empregador, mais especificamente no poder disciplinar, sendo autorizada pelo
ordenamento jurídico de forma ampla.

c) inclui-se no poder de direção do empregador, mais especificamente no poder de organização, mas somente terá
validade se os questionamentos realizados por meio do polígrafo restringirem-se a questões de trabalho, não
abrangendo questionamentos sobre a vida privada dos empregados.

d) viola a intimidade e a vida privada dos empregados, tendo em vista que a utilização do polígrafo está sendo feita por
terceiro, alheio à relação de emprego, a quem não é atribuído o poder de direção, que é inerente à figura do
empregador.

e) viola a intimidade e a vida privada dos empregados, causando danos à sua honra e à sua imagem, uma vez que a
utilização do polígrafo extrapola o exercício do poder diretivo do empregador, por não ser reconhecido pelo
ordenamento jurídico brasileiro como forma de controle de empregados.
Ano: 2018 Banca: FCCÓrgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Área Judiciária
Em relação ao teletrabalho,

a) a responsabilidade pela aquisição, manutenção ou fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura


necessária e adequada à prestação do trabalho remoto, bem como ao reembolso de despesas arcadas pelo
empregado, serão acordadas entre empregado e empregador, através de previsão em contrato escrito.

b) o comparecimento do empregado às dependências do empregador para a realização de atividades específicas


descaracteriza o regime de teletrabalho.

c) o fato de o empregador instruir os empregados, de maneira expressa e ostensiva, quanto às precauções a tomar a
fim de evitar doenças e acidentes do trabalho, impede a responsabilização do mesmo em caso de infortúnio com o
teletrabalhador.

d) a alteração do regime de teletrabalho para o presencial depende da concordância do empregado sob pena de nulidade.

e) é considerada como teletrabalho a prestação de serviços fora das dependências do empregador, com a utilização de
tecnologias de informação e de comunicação de propriedade do empregado, que também tem a responsabilidade em
relação à sua conservação e manutenção.

Ano: 2018Banca: FCC - Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Área Judiciária
Em relação ao trabalho noturno,

a) o direito ao adicional noturno não é assegurado ao vigia sujeito ao trabalho noturno, tendo em vista a regulamentação
própria e a especificidade do serviço realizado que prevê que este é inerente ao horário de trabalho.

b) não se aplica a hora reduzida de 52 minutos e 30 segundos ao trabalho noturno dos empregados nas atividades de
exploração, perfuração, produção e refinação do petróleo, industrialização do xisto, indústria petroquímica e
transporte de petróleo e seus derivados, por meio de dutos, que é regulado por lei própria.

c) o adicional noturno pago com habitualidade incorpora-se ao salário do empregado, não podendo deixar de ser pago
ainda que o empregado deixe de trabalhar no horário noturno, tratando-se de direito adquirido.

d) as gorjetas, cobradas pelo empregador na nota de serviço ou oferecidas espontaneamente pelos clientes, integram a
remuneração do empregado, servindo de base de cálculo para o adicional noturno.

e) o empregado que trabalha em horários mistos, assim entendidos os que abrangem períodos diurnos e noturnos, não
faz jus ao adicional noturno.
Ano: 2018 Banca: FCCÓrgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Área Judiciária
De acordo com a reforma trabalhista, NÃO integram a remuneração do empregado não constituindo bases de incidência de
encargos trabalhista e previdenciário, entre outros:

a) as gratificações de função e o auxílio-alimentação, vedado o seu pagamento em dinheiro.

b) as gorjetas e as ajudas de custo com valor maior do que cinquenta por cento da remuneração mensal.

c) as gratificações legais e o auxílio-alimentação, mesmo que pago em dinheiro.

d) ajudas de custo limitadas a cinquenta por cento da remuneração mensal e o auxílio-alimentação, vedado o seu
pagamento em dinheiro.

e) as diárias para viagem e as ajudas de custo com valor maior do que cinquenta por cento da remuneração mensal.

Ano: 2018- Banca: FCCÓrgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Área Administrativa
Maurício e a empresa LXG Tratores Ltda. chegaram a um acordo para rescindirem o contrato de trabalho, em vigor há cinco anos.
A empresa pagou a Maurício, a título de verbas rescisórias, metade do aviso prévio indenizado e das férias proporcionais + 1/3;
já o saldo de salário, as férias vencidas + 1/3 e o 13º salário proporcional foram pagos integralmente, com o saque de 50% dos
depósitos do FGTS acrescidos da multa de
20%. Sobre as verbas rescisórias

a) foram pagas de forma errada, uma vez que o 13º salário proporcional também é devido pela metade e não
integralmente.

b) foram pagas corretamente, não tendo direito o obreiro a gozar do Programa do Seguro-Desemprego.

c) foram pagas corretamente, mas tendo direito o obreiro a gozar do Programa do Seguro-Desemprego, devendo o
empregador lhe entregar as respectivas guias.

d) foram pagas de forma errada, uma vez que são devidas as férias proporcionais + 1/3 de forma integral e o saque de
80% dos depósitos do FGTS.

e) não existe esta modalidade de rescisão do contrato de trabalho na legislação vigente, tendo em vista a impossibilidade
de saque de apenas 50% dos depósitos.
Ano: 2018Banca: FCCÓrgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Área Administrativa
Lucas vendeu sua parte na sociedade Posto de Gasolina Boa Viagem Ltda. em 17/02/2017, data em que foi feita a averbação
da modificação do contrato. Tendo em vista a responsabilidade do sócio retirante e esgotados os meios de execução da pessoa
jurídica e dos sócios atuais, responde

a) subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao período em que figurou como sócio, somente
em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato.

b) solidariamente pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao período em que figurou como sócio, somente
em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato.

c) subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao período dos últimos dois anos em que figurou
como sócio, somente em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato.

d) solidariamente pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao período dos últimos dois anos em que figurou
como sócio, somente em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato.

e) subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao período em que figurou como sócio, somente
em ações ajuizadas até cinco anos depois de averbada a modificação do contrato.

Ano: 2018 - Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Área Administrativa
Nestor foi eleito representante dos empregados na comissão para representá-los junto à sua empresa, que conta com mais de
duzentos empregados. Neste caso,

a) o mandato de Nestor implica em suspensão do contrato de trabalho, para que possa desempenhar a contento seus
afazeres na comissão.

b) Nestor não poderá sofrer despedida arbitrária, desde o registro da candidatura até um ano após o fim do mandato.

c) o mandato de Nestor implica em interrupção do contrato de trabalho, para que possa desempenhar a

contento seus afazeres na comissão.

d) faz parte das atribuições de Nestor, entre outras, representar os empregados perante a administração da empresa, o
Ministério Público do Trabalho e perante o INSS.

e) Nestor não poderá ser candidato novamente no período subsequente àquele em que houver exercido a função de
representante dos empregados na comissão.
Ano: 2018Banca: FCC - Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Área Administrativa
No tocante ao aviso prévio, considere:

I. O aviso prévio proporcional ao tempo de serviço é aquele de trinta dias para os empregados com até um anode serviço na
mesma empresa, acrescidos de três dias por ano de serviço até o máximo de sessenta dias, perfazendo um total de noventa
dias.
II. O pagamento relativo ao período do aviso prévio indenizado não está sujeito à contribuição do FGTS.
III. Em caso de aviso prévio cumprido em casa, o prazo para pagamento das verbas rescisórias é até o décimo diada notificação
da demissão.

Está correto o que se afirma em

a) II e III, apenas.

b) I, II e III.

c) I e III, apenas.

d) I e II, apenas.

e) I, apenas.

Ano: 2018 -Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Área Administrativa
A Empresa Céu Azul Cobertores Ltda., sem qualquer comunicado prévio, descontou de todos os seus empregados, sindicalizados
e não sindicalizados, contribuição confederativa de 1,5% sobre o salário-base nos meses de janeiro e fevereiro, conforme cláusula
de Convenção Coletiva da categoria, destinando tais valores ao sindicato que representa os trabalhadores. A empresa agiu

a) corretamente, podendo efetuar tal desconto com base na Convenção Coletiva da categoria, cujas cláusulas foram
amplamente debatidas e aprovadas.

b) incorretamente, só podendo efetuar tal desconto dos empregados sindicalizados, devendo restituir tais valores aos
não sindicalizados.

c) incorretamente, pois o desconto de todos os empregados é legítimo se tivesse sido celebrado através de Acordo
Coletivo de Trabalho, uma vez que teria sido aprovado pela maioria dos empregados da empresa.

d) incorretamente, pois, somente mediante autorização prévia e expressa de todos os empregados, a empresa poderia
descontar a contribuição confederativa, devendo restituir tais valores aos trabalhadores.

e) corretamente, equiparando-se a contribuição confederativa à contribuição sindical, esta referente a um dia de salário
por ano do empregado, que pode ser descontada de todos, sem qualquer comunicado prévio e destinada ao sindicato
que representa os trabalhadores.
Ano: 2018 Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Área Administrativa
No tocante ao trabalho noturno, considere:

I. Joana é empregada urbana da Empresa SEG Ltda., prestando serviços de faxina em escritórios das 22h às 5hdo dia seguinte.
Neste caso, tem direito ao adicional noturno de 25% sobre a remuneração normal e hora noturna reduzida, equivalente a 52
minutos e trinta segundos.
II. Ivete é empregada rural das Fazendas Leite Bom Ltda. e ordenha as vacas. Para ter direito ao adicionalnoturno, deve
trabalhar entre 20h de um dia e 4h do dia seguinte, com adicional de 25% sobre a remuneração normal de trabalho, sem direito
a hora noturna reduzida.
III. Solange prestou serviços na Fábrica LWA Ltda. durante dez anos no período noturno, recebendo adicionalnoturno. Por
motivo de escalonamento de pessoal, Solange concordou em ser transferida para o período diurno, razão pela qual perdeu o
direito ao adicional noturno recebido habitualmente por tantos anos.

Está correto o que se afirma em

a) I, apenas.

b) I, II e III.

c) I e III, apenas.

d) II, apenas.

e) II e III, apenas.

Ano: 2018 - Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Área Administrativa
Considere:

I. O trabalho em regime de tempo parcial é considerado aquele cuja duração não exceda a trinta horas semanais,sem a
possibilidade de horas suplementares semanais, ou aquele cuja duração não exceda a vinte e seis horas semanais, com a
possibilidade de acréscimo de até seis horas suplementares.
II. Quando o intervalo para repouso e alimentação não for concedido ou for concedido de forma parcial, implicaráo pagamento,
de natureza indenizatória, apenas do período suprimido, com acréscimo de 50% sobre o valor da remuneração da hora normal
de trabalho.
III. As dispensas imotivadas individuais, plúrimas ou coletivas, equiparam-se para todos os fins, não havendonecessidade de
autorização prévia de entidade sindical ou de celebração de convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho para sua efetivação.
o
Tendo em vista a Lei n 13.467/2017, que trouxe alterações à Consolidação das Leis do Trabalho, em relação às afirmativas
acima é correto afirmar que a reforma trabalhista introduziu o que consta de:

a) I, apenas.

b) I e II, apenas.

c) I e III, apenas.

d) II e III, apenas.

e) I, II e III.
Ano: 2018 Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Área Administrativa
Marcela, supervisora do setor de embalagens da Empresa de Lâmpadas CTMR Ltda. foi injustamente dispensada, sendo contratada
uma empresa de serviços terceirizados. Marcela foi contratada imediatamente como empregada da empresa terceirizada. Neste
caso, é correto afirmar que Marcela

a) não poderá prestar serviços para sua antiga empregadora na qualidade de empregada da empresa prestadora de
serviços terceirizados, podendo, entretanto, prestar serviços para outras tomadoras de serviços da terceirizada.

b) não poderá prestar serviços para sua antiga empregadora na qualidade de empregada da empresa prestadora de
serviços terceirizados, em hipótese alguma, sob pena de configuração de fraude às leis trabalhistas.

c) poderá prestar serviços para a Empresa de Lâmpadas, na qualidade de empregada da empresa prestadora de serviços
terceirizados, desde que cumpra o prazo de carência de doze meses, contados a partir de sua demissão.

d) poderá prestar serviços para a Empresa de Lâmpadas, na qualidade de empregada da empresa prestadora de serviços
terceirizados, desde que cumpra o prazo de carência de dezoito meses, contados a partir de sua demissão.

e) poderá prestar serviços para a Empresa de Lâmpadas, mas não na qualidade de empregada da empresa prestadora
de serviços terceirizados, e, sim, através de pessoa jurídica própria, abrindo uma empresa.

Ano: 2018 Banca: FCC - Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova:


Técnico Judiciário - Área Administrativa
O liame que se estabelece entre o empregador e seu empregado possui natureza jurídica contratual. Conforme previsões contidas
na Consolidação das Leis do Trabalho sobre o contrato individual de trabalho e os sujeitos que o compõem,

a) considera-se empregado toda pessoa física ou jurídica que prestar serviços de natureza não eventual a empregador,
sob a dependência deste e mediante pagamento de valor fixo mensal.

b) diante do princípio da tutela ao trabalhador a lei prevê que o contrato somente será válido se for acordado
expressamente e por escrito.

c) para configuração do contrato de trabalho distingue-se entre o trabalho realizado no estabelecimento do empregador
e o executado no domicílio do empregado, ainda que presentes os pressupostos da relação de emprego.

d) para fins de contratação, o empregador não exigirá do candidato a emprego comprovação de experiência prévia por
tempo superior a seis meses no mesmo tipo de atividade.

e) o contrato de trabalho por prazo determinado não poderá ser estipulado por mais de um ano, admitindo-se, dentro
deste prazo, até duas prorrogações, sob pena de passar a vigorar sem determinação de prazo.
Ano: 2018-Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Técnico
Judiciário - Área Administrativa
O artigo 8º da Consolidação das Leis do Trabalho elenca algumas fontes subsidiárias ou supletivas do Direito do trabalho, NÃO
se incluindo

a) direito comparado.

b) jurisprudência.

c) analogia.

d) usos e costumes.

e) convenção coletiva de trabalho.

Ano: 2018 Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova:


Técnico Judiciário - Área Administrativa
Sobre a situação do grupo econômico e a sucessão de empregadores, e suas implicações no contrato individual de trabalho,
conforme dispositivos contidos na Consolidação das Leis do Trabalho:

a) a mera identidade de sócios caracteriza o grupo econômico que gera a responsabilidade comum de todas as empresas
deste grupo, havendo apenas a vinculação ao valor do capital social de cada empresa.

b) a empresa principal será responsável subsidiária em relação às subordinadas em caso de formação de grupo
econômico para os efeitos da relação de emprego.

c) caracterizada a sucessão empresarial ou de empregadores, as obrigações trabalhistas contraídas à época em que os


empregados trabalhavam para a empresa sucedida continuarão por conta desta empresa, não se transferindo para a
responsabilidade do sucessor.

d) se uma ou mais empresas estiverem sob a direção, controle ou administração de outra, de forma a integrarem um
grupo econômico, serão responsáveis solidariamente pelas obrigações decorrentes da relação de emprego.

e) o sócio retirante responde subsidiariamente com os demais sócios quando ficar comprovada fraude na alteração
societária decorrente de modificação do contrato.
Ano: 2018 - Banca: FCC - Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Técnico
Judiciário - Área Administrativa
O requisito essencial previsto em lei para caracterizar uma relação como sendo de emprego e que não precisa se verificar em
qualquer relação de trabalho é a

a) exclusividade.

b) ausência de onerosidade.

c) subordinação jurídica.

d) boa-fé contratual objetiva.

e) autonomia privada coletiva.

Ano: 2018- Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Técnico


Judiciário - Área Administrativa
Thor, na vigência do seu contrato de trabalho com a empresa Delta Produções, vem descumprindo regulamento da empresa que
proíbe o ingresso de pessoas, exceto se protegidas por equipamentos de segurança, no laboratório da empresa. Tal determinação
está afixada no portal de entrada do laboratório. Nessa situação, fica caracterizada a justa causa para rescisão do contrato pelo
empregador na capitulação prevista na Consolidação das Leis do Trabalho como

a) ato de improbidade.

b) desídia.

c) injúria desleal.

d) incontinência de conduta.

e) indisciplina.
Ano: 2018 Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova:
Técnico Judiciário - Área Administrativa
Interrupção e suspensão do contrato empregatício são institutos que tratam da sustação, restrita ou ampliada, dos efeitos
contratuais durante certo lapso temporal. Assim, enquadram-se como modalidades de interrupção e suspensão, respectivamente:

o
a) afastamento por doença até o 15 dia − aposentadoria por invalidez.

b) descanso semanal remunerado − depoimento como testemunha judicial ao tempo que for necessário.

c) qualificação profissional para participação do empregado promovido pelo empregador − férias anuais.
d) dias em que estiver realizando exame vestibular para ingresso no ensino superior − licença paternidade.

e) encargo público não obrigatório − doação de sangue voluntária por um dia a cada 12 meses.
Ano: 2018 - Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Técnico
Judiciário - Área Administrativa
Em relação ao instituto jurídico denominado aviso prévio, as normas da Consolidação das Leis do Trabalho estipulam que

a) a parte que, sem justo motivo, quiser rescindir o contrato por prazo determinado, deverá avisar a outra da sua resolução
com a antecedência mínima de 30 dias.

b) o horário normal de trabalho do empregado, durante o prazo do aviso e se a rescisão tiver sido promovida pelo
empregador, será reduzido de duas horas diárias, sem prejuízo do salário integral.

c) será proporcional pela metade na despedida indireta, salvo se houver ajuste em contrário.

d) a falta do aviso prévio por parte do empregador dá ao empregado o direito aos salários correspondentes ao prazo do
aviso, sem a integração do período no seu tempo de serviço.

e) o empregado que cometer falta grave por desídia, considerada como justa para a rescisão, durante o prazo do aviso
prévio, não perde o direito ao restante do respectivo prazo.

Ano: 2018 - Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Técnico


Judiciário - Área Administrativa
Para proteção ao trabalho da mulher, a lei prevê que a empregada grávida tem estabilidade no emprego

a) da concepção até cento e vinte dias após o parto.

b) da confirmação da gravidez até cento e oitenta dias após o parto.

c) da confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.

d) da comunicação da gravidez ao empregador até sete meses após o parto.

e) de treze meses, considerada a licença de cento e vinte dias somada com nove meses de gestação.
Ano: 2018-Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Técnico
Judiciário - Área Administrativa
Em consonância com o regramento contido na Consolidação das Leis do Trabalho,

a) categoria econômica é aquela constituída da similitude de condições de vida oriunda da profissão ou trabalho em
comum, em situação de emprego na mesma atividade econômica ou em atividades econômicas similares ou conexas.

b) constitui objeto ilícito de convenção coletiva ou de acordo coletivo de trabalho, exclusivamente, a supressão ou a
redução ao direito de igualdade jurídica entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador
avulso.

c) categoria profissional diferenciada é aquela que se forma da solidariedade de interesses econômicos dos que
empreendem atividades idênticas, similares ou conexas.

d) a contribuição sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou
profissional, ou de uma profissão liberal, em favor do Sindicato representativo da mesma categoria ou profissão.

e) as condições estabelecidas em convenção coletiva de trabalho, quando mais favoráveis, prevalecerão sobre as
estipuladas em acordo coletivo de trabalho.

Ano: 2018-Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Aristóteles é empregado da empresa Grécia Iluminada Ltda., recebendo como salário a importância de R$ 2.800,00 mensais.
Possui na sua conta vinculada do FGTS o montante de R$ 4.000,00. Aristóteles e sua empregadora pretendem celebrar acordo
para a rescisão contratual. Nesse caso, o empregado terá direito de receber aviso prévio indenizado, indenização sobre o saldo
do FGTS e saque do FGTS, respectivamente, nos valores de

a) R$ 1.400,00; R$ 1.600,00; R$ 2.000,00.

b) R$ 2.240,00; R$ 800,00; R$ 3.200,00.

c) R$ 2.800,00; R$ 800,00; R$ 4.000,00.

d) R$ 1.400,00; R$ 1.280,00; R$ 3.200,00.

e) R$ 1.400,00; R$ 800,00; R$ 3.200,00.


Ano: 2018-Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Considere as afirmativas abaixo a respeito da modalidade de teletrabalho, introduzida no ordenamento jurídico trabalhista pela
Lei n° 13.467/2017.

I. Considera-se teletrabalho a prestação de serviços exclusivamente fora das dependências do empregador, com autilização
de tecnologias de informação e de comunicação que, por sua natureza, não se constituam como trabalho externo.
II. Poderá ser realizada a alteração do regime de teletrabalho para o presencial por determinação do
empregador,independente da concordância do empregado, desde que garantido prazo de transição mínimo de quinze dias, não
sendo necessário aditivo contratual.
III. O comparecimento do empregado às dependências do empregador para a realização de atividades específicasque exijam
a presença do empregado no estabelecimento não descaracteriza o regime de teletrabalho.
IV. As disposições relativas à responsabilidade pela aquisição, manutenção ou fornecimento dos equipamentostecnológicos e
da infraestrutura necessária e adequada à prestação do trabalho remoto, bem como ao reembolso de despesas arcadas pelo
empregado, serão previstas em contrato escrito.
Está correto o que se afirma APENAS em
a) I, III e IV.

b) I, II e III.

c) III e IV.
d) II, III e IV.

e) I e II.

Ano: 2018-Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Com relação à jornada de trabalho do Jornalista Profissional, conforme previsão da Consolidação das Leis do
Trabalho,

a) o intervalo mínimo entre duas jornadas de trabalho será de 10 horas.

b) a duração normal do trabalho não deverá exceder de 5 horas, desde que em período noturno.

c) a duração normal do trabalho não deverá exceder de 4 horas, tanto em período noturno, como diurno.

d) o intervalo mínimo entre duas jornadas de trabalho será de 11 horas.

e) a duração normal do trabalho poderá ser elevada a 8 horas, mediante acordo escrito.
Ano: 2018 Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Considere as afirmativas abaixo a respeito da equiparação salarial.

I. Sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor, prestado ao mesmo empregador, no mesmo estabelecimento
empresarial, ou dentro da mesma região metropolitana, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, etnia, nacionalidade
ou idade.
II. Para efeito de se aferir trabalho de igual valor, para fins de equiparação salarial, considera-se o feito com igualprodutividade
e com a mesma perfeição técnica, entre pessoas cuja diferença de tempo de serviço para o mesmo empregador não seja superior
a quatro anos e a diferença de tempo na função não seja superior a dois anos.
III. Não se poderá falar em equiparação salarial quando o empregador tiver pessoal organizado em quadro decarreira ou
adotar, por meio de norma interna da empresa ou de negociação coletiva, plano de cargos e salários, devidamente homologado
no Ministério do Trabalho.
IV. No caso de comprovada discriminação por motivo de sexo ou etnia, o juízo determinará, além do pagamentodas diferenças
salariais devidas, multa, em favor do empregado discriminado, no valor de 50% do limite máximo dos benefícios do Regime Geral
de Previdência Social.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) I e III.

b) I, II e III.

c) II e IV.

d) II, III e IV.

e) I, III e IV.

Ano: 2018-Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista


Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Nas empresas com mais de duzentos empregados, é assegurada a eleição de uma comissão para representá-los, com a finalidade
de promover-lhes o entendimento direto com os empregadores. Referida comissão será composta de um número mínimo e
máximo de membros, com mandato, respectivamente, de

a) 7 e 9; 1 ano.

b) 3 e 7; 1 ano.

c) 3 e 5; 2 anos.

d) 5 e 7; 1 ano.

e) 3 e 7; 2 anos.
Ano: 2018 - Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)Prova: Analista
Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
A convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre o disposto em lei, de acordo com a recente alteração
da CLT promovida pela Lei n° 13.467/2017 e Medida Provisória n° 808/2017. Constitui objeto lícito da convenção coletiva ou do
acordo coletivo a

a) redução do intervalo intrajornada, desde que observe o intervalo mínimo de 15 minutos para jornada superior a 6 horas.

b) definição da modalidade de registro da jornada de trabalho.

c) redução temporária, limitada a 6 meses, do percentual de depósito do FGTS.

d) redução do prazo do aviso prévio, podendo ser inferior a 30 dias, com no mínimo 23 dias.

e) diminuição do número de dias de férias, podendo ser inferior a 30 dias, com no mínimo 15 dias.

Ano: 2018-Banca: FCC-Órgão: ALESEProva: Analista Legislativo


Considere:

I. Helena foi injustamente dispensada, sendo informada que seu aviso prévio seria indenizado, razão pela qual deixou de prestar
serviços imediatamente. Ocorre que, passados dois meses, descobriu que estava grávida de aproximadamente dez semanas,
ficando configurada que a gravidez se deu no curso do aviso prévio indenizado. II. Tomás e Jonas integraram a Comissão Interna
de Prevenção de Acidentes - CIPA de sua empresa, sendo que Tomás foi eleito pelos empregados e Jonas designado pelo
empregador.
III. João trabalha numa empresa, situada em Alagoas, com 250 empregados e registrou sua candidatura à eleição para compor
Comissão de Representantes de Empregados, com a finalidade de promover o entendimento direto com seu empregador, dentre
os quais, buscar soluções para os conflitos decorrentes da relação de trabalho, de forma rápida e eficaz, visando à efetiva
aplicação das normas legais e contratuais.

De acordo com a legislação vigente e o entendimento sumulado do Tribunal Superior do Trabalho, possuem estabilidade provisória
no emprego

a) Tomás e Jonas, apenas.

b) Helena, Tomás, Jonas e João.

c) Helena, Tomás e João, apenas.

d) Jonas e João, apenas.

e) Helena e João, apenas.


Ano: 2018 Banca: FCC Órgão: ALESEProva: Analista
Legislativo Processo Legislativo
No tocante à extinção do contrato de trabalho por mútuo acordo entre empregado e empregador, considere:

I. O aviso prévio, se indenizado, deverá ser pago pela metade, bem como a multa sobre o FGTS e o 13° salário proporcional.
II . O empregado poderá sacar 80% do valor de seus depósitos fundiários e não estará autorizado a ingressar noPrograma
do Seguro-Desemprego.
III . O aviso prévio, se trabalhado, o saldo de salário, as férias proporcionais e as férias vencidas, ambas acrescidas de 1/3,
serão pagos em sua integralidade.
IV. Para validade deste tipo de rescisão para contratos de trabalho com mais de uma ano de vigência, é obrigatória a homologação
perante o sindicato do empregado ou autoridade do Ministério do Trabalho e Previdência Social.

Está correto o que se afirma em

a) II e III , apenas.

b) I e II , apenas.

c) II e IV, apenas.

d) I, II , III e IV.

e) II , III e IV, apenas.

Ano: 2018-Banca: FCC - Órgão: PGE-TOProva: Procurador do Estado


Os princípios exercem um papel constitutivo da ordem jurídica, cuja interpretação leva em consideração os valores que os
compõem. Nesse sentido, o entendimento jurisprudencial adotado pelo Tribunal Superior do Trabalho de que o encargo de provar
o término do contrato de trabalho, quando negados a prestação de serviço e o despedimento é do empregador está embasado
no princípio

a) protetor.

b) da primazia da realidade.

c) da irrenunciabilidade.

d) da continuidade da relação de emprego.

e) da boa-fé contratual subjetiva.


Ano: 2018 Banca: FCC - Órgão: PGE-TOProva: Procurador do Estado
Em relação aos sujeitos do contrato de trabalho, conforme previsão contida na Consolidação das Leis do
Trabalho,

a) para caracterização da figura do empregado levar-se-ão em conta distinções relativas à espécie de emprego e à
condição de trabalhador, bem como entre o trabalho intelectual, técnico e manual.

b) o trabalho realizado no estabelecimento do empregador se distingue daquele executado no domicílio do empregado


e do realizado a distância para efeitos da caracterização da relação de emprego, mesmo caracterizados os
pressupostos da relação de emprego.

c) não caracteriza grupo econômico a mera identidade de sócios, sendo necessárias, para a configuração do grupo, a
demonstração do interesse integrado, a efetiva comunhão de interesses e a atuação conjunta das empresas dele
integrantes.

d) as instituições de beneficência e as associações recreativas não se equiparam ao empregador, para os efeitos


exclusivos da relação de emprego, em razão da ausência de finalidade lucrativa. e)

a empresa que estiver sob a direção, controle ou administração de outra e integre grupo econômico, será responsável
subsidiariamente pelas obrigações decorrentes da relação de emprego da empresa controladora.

Ano: 2018-Banca: FCC-Órgão: PGE-TOProva: Procurador do Estado


Conforme regras insculpidas no Título referente às normas gerais de tutela do trabalho contidas na Consolidação das Leis do
Trabalho sobre segurança e medicina no trabalho,

a) o adicional de periculosidade será de 10% para atividades que envolvam risco de roubos ou outras espécies de
violência física, 20% para atividades com energia elétrica e 40% para serviços com uso de motocicleta, sempre
calculados sobre o salário-base do trabalhador.

b) as atividades insalubres são aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente
com inflamáveis ou explosivos em condição de risco acentuado.

c) o trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos por norma, assegura ao empregado
o adicional de 30% sobre o salário contratual.

d) é obrigatória a constituição de CIPA − Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, conforme instruções do Ministério
do Trabalho nos estabelecimentos nelas especificadas, sendo composta apenas por representantes dos empregados
cujo mandato dos membros titulares será de um ano, sem direito a reeleição.

e) o direito do empregado ao adicional de insalubridade ou de periculosidade cessará com a eliminação do risco à sua
saúde ou integridade física, nos termos da CLT e das normas expedidas pelo Ministério do Trabalho.
Ano: 2018-Banca: FCC -Órgão: PGE-TOProva: Procurador do
Estado
Hermes pretende propor reclamação trabalhista em face de sua empregadora Empresa Alpha para postular indenização por danos
morais em razão de humilhação sofrida por xingamentos proferidos por seu superior, além do pagamento de horas
extraordinárias. Neste caso, o prazo prescricional será de

a) dois anos contados da data em que ocorreu o fato que gerou o dano moral e cinco anos para as horas extras contados
do encerramento do contrato.

b) dois anos na vigência do contrato, até o limite de cinco anos após a extinção para ambos os pedidos.

c) cinco anos na vigência do contrato, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho para ambos os
pedidos.

d) dois anos para o dano moral e cinco anos para as horas extras, sempre contados da extinção do contrato de trabalho.

e) cinco anos para o dano moral e dois anos para as horas extras, sempre contados após a extinção do contrato de trabalho.

Ano: 2018-Banca: FCC-Órgão: PGE-TOProva: Procurador do Estado


Conforme regras previstas na Consolidação das Leis do Trabalho sobre o contrato individual de trabalho,

a) no tempo de serviço do empregado, quando readmitido, serão computados os períodos, ainda que não contínuos,
em que tiver trabalhado anteriormente na empresa, mesmo que houver sido despedido por falta grave ou aposentado
espontaneamente.

b) para fins de contratação, o empregador não exigirá do candidato a emprego comprovação de experiência prévia por

tempo superior a 6 meses no mesmo tipo de atividade. c)

o contrato de trabalho intermitente poderá ser celebrado verbalmente, sem a necessidade de ser registrado na CTPS, quando
for previsto em acordo ou convenção coletiva de trabalho.

d) os contratos por prazo determinado terão prazo mínimo de 30 dias e máximo de um ano, exceto o contrato de trabalho
intermitente, cujo prazo máximo será de 3 anos.

e) o contrato de experiência não poderá exceder de 120 dias, permitidos duas prorrogações durante esse período.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:
Analista Judiciário - Área Judiciária
Depois de trabalhar por oito anos na empresa Dukilo Atacadista Ltda., Romeu está se sentindo desmotivado e pretende procurar
um novo trabalho. No entanto, não quer pedir demissão e, explicando a situação para o empregador, pede para ser dispensado.
O empregador afirma que não tem intensão de dispensá-lo. Diante desse impasse, e considerando as hipóteses de rescisão do
contrato de trabalho previstas em lei, com as inovações da
Lei n° 13.467/2017,

a) a única solução é Romeu pedir demissão, perdendo o direito à multa de 40% do FGTS, ao aviso prévio e não podendo
levantar os depósitos do FGTS.

b) Romeu pode pleitear a rescisão indireta do contrato de trabalho, tendo em vista que o ato do empregador caracteriza
justa causa, com o recebimento de todas as verbas rescisórias e levantamento integral dos depósitos do FGTS.

c) Romeu e Dukilo Atacadista Ltda. podem fazer um acordo para a rescisão do contrato de trabalho, sendo que o
empregado receberá multa de 20% do FGTS, metade do aviso prévio indenizado e a integralidade das demais verbas
trabalhistas, e poderá movimentar 80% do valor dos depósitos do FGTS.

d) o desinteresse de Romeu pelo trabalho caracteriza insubordinação, podendo o empregador dispensálo por justa causa,
com a perda dos direitos rescisórios.

e) Romeu e Dukilo Atacadista Ltda. podem fazer um acordo para rescisão do contrato de trabalho, o que precisa ser
homologado perante o sindicato, com o pagamento de metade das verbas trabalhistas, metade do aviso prévio e da
multa do FGTS, e com a possibilidade de levantamento integral dos depósitos do FGTS.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:


Analista Judiciário - Área Judiciária
Nilza trabalha na empresa Conta Corrente Contabilidade desde 17/08/2010. Em razão do volume de trabalho nos dois primeiros
anos do contrato de trabalho, Nilza ficou sem tirar os dois períodos de férias correspondentes a esses anos. Dispensada sem
justa causa em 17/08/2016, ajuizou reclamação trabalhista em 20/08/2017, pleiteando as férias não gozadas. Considerando essa
situação, as férias

a) podem ser reclamadas, tendo em vista tratar-se de direito indisponível do trabalhador e, portanto, imprescritível.

b) do primeiro período não podem ser reclamadas, pois prescreveram em 17/08/2012; as do segundo período podem ser
reclamadas.

c) não podem ser reclamadas, pois ambas estão prescritas, tendo a primeira prescrito em 17/08/2016 e a segunda em
17/08/2017.

d) não podem ser reclamadas, pois ambas estão prescritas, tendo a primeira prescrito em 17/08/2013 e a segunda em
17/08/2014.

e) não podem ser reclamadas, pois ambas estão prescritas, tendo a primeira prescrito em 17/08/2014 e a segunda em
17/08/2015.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN) - Prova:
Analista Judiciário - Área Judiciária
Em relação à representação dos empregados na empresa, prevista no art. 11 da Constituição Federal e regulamentada pela Lei
n° 13.467/2017,

a) a composição da comissão de representação depende do número total de empregados da empresa, sendo no máximo
de dez membros para as empresas com mais de cinco mil empregados.

b) entre as atribuições da comissão está a de promover o diálogo e o entendimento no ambiente de trabalho, visando
uma facilitação na solução de conflitos e a assinatura de acordo coletivo de trabalho.

c) a eleição da comissão será convocada com antecedência mínima de trinta dias, contados do término do mandato
anterior, por meio de assembleia, durante a qual os candidatos deverão fazer sua inscrição para o pleito.

d) a comissão eleitoral será integrada por cinco empregados, não candidatos, para a organização e o acompanhamento
do processo eleitoral, vedada a interferência da empresa e do sindicato da categoria.

e) a votação será secreta, permitido o voto por representação, e serão considerados eleitos os mais votados, a partir de
critério de maioria absoluta.
Ano: 2017-Banca: FCC-Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova: Analista
A partir das disposições introduzidas pela Lei n° 13.467/2017, sobre prorrogação e compensação de jornada de trabalho,
considere:

I. Em se tratando de trabalho em regime de tempo parcial, as horas suplementares da jornada de trabalho normalpoderão
ser compensadas diretamente até a semana imediatamente posterior à da sua execução, devendo ser feita a sua quitação na
folha de pagamento do mês subsequente, caso não sejam compensadas.
II. Caso não seja computado na jornada de trabalho, o tempo despendido pelo empregado desde a sua residênciaaté a efetiva
ocupação do posto de trabalho e para o seu retorno, caminhando ou por qualquer meio de transporte fornecido pelo empregador,
é considerado como jornada extraordinária.
III. O banco de horas anual pode ser pactuado por acordo individual escrito, acordo coletivo ou convençãocoletiva de trabalho.
IV. É lícito o regime de compensação de jornada estabelecido por acordo individual, tácito ou escrito, desde que acompensação
se dê no mesmo mês.

Está correto o que consta APENAS em

a) I e II.

b) II e IV.

c) III e IV.

d) II e III.

e) I e IV.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:
Analista Judiciário - Área Judiciária
Considerando as diversas hipóteses de responsabilização pelos direitos trabalhistas dos empregados, previstas em
lei,

a) o sócio retirante responde subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao período em que
figurou como sócio, somente em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato,
observada a ordem de preferência estabelecida em lei: a empresa devedora, os sócios atuais e os sócios retirantes.

b) as empresas integrantes do grupo econômico, por se caracterizarem como empregador único, com interesses e
atuação conjunta, têm responsabilidade solidária pelas obrigações decorrentes da relação de emprego.

c) a empresa contratante é subsidiariamente responsável pelas obrigações trabalhistas dos empregados da contratada,
desde que os serviços terceirizados sejam determinados e específicos.

d) o sócio retirante responderá de forma exclusiva quando comprovada fraude na alteração societária para sua saída,
ainda que tenha havido a correta averbação da modificação do contrato.

e) a empresa sucedida responderá subsidiariamente com a empresa sucessora, quando ficar comprovada fraude na
transferência da empresa.

Ano: 2017 - Banca: FCC - Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova: Analista
Judiciário - Área Judiciária
Considerando as regras de proteção ao trabalho do menor, em relação ao contrato de aprendizagem,

a) para os fins do contrato de aprendizagem, a comprovação da escolaridade de aprendiz com deficiência é dispensável.

b) considerada como formação técnico profissional metódica, a aprendizagem pode ser desenvolvida entre os 14 e os
18 anos, sendo que a validade do contrato de aprendizagem pressupõe anotação na Carteira de Trabalho e Previdência
Social, matrícula e frequência do aprendiz na escola.

c) os estabelecimentos poderão destinar o equivalente a até 10% de sua cota de aprendizes à formação técnico-
profissional metódica em áreas relacionadas a práticas de atividades desportivas, à prestação de serviços relacionados
à infraestrutura, incluindo as atividades de construção, ampliação, recuperação e manutenção de instalações
esportivas e à organização e promoção de eventos esportivos.

d) a duração do trabalho do aprendiz não excederá de oito horas diárias, sendo vedadas a prorrogação e a compensação
de jornada.

e) o contrato de aprendizagem extinguir-se-á no seu termo ou quando o aprendiz completar 18 anos, ou no caso de
desempenho insuficiente ou inadaptação do aprendiz, salvo para o aprendiz com deficiência quando desprovido de
recursos de acessibilidade, de tecnologias assistivas e de apoio necessário ao desempenho de suas atividades.
Ano: 2017 - Banca: FCC - Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova: Analista
Judiciário - Área Judiciária
Dorival trabalha para empresa Excellence Tecnologia, exercendo as funções de desenvolvedor de sistemas. Como contraprestação
pelos serviços recebe salário fixo mensal. O empregador concede a Dorival assistência médica, reembolso de despesas com
medicamentos e seguro de vida e acidentes pessoais. Visando melhorar a produtividade da empresa, o empregador instituiu um
programa de premiação por desempenho, o que vem sendo recebido mensalmente por Dorival há mais de seis meses.

Considerando a Lei n° 13.467/2017,

a) os benefícios não têm natureza salarial e o prêmio por desempenho, em razão da habitualidade, integra o salário de
Dorival, para todos os efeitos legais.

b) a assistência médica e o seguro de vida e acidentes pessoais não têm natureza salarial, mas o reembolso de
medicamentos, por ausência de previsão legal, é considerado salário. O prêmio por desempenho, em razão da
habitualidade no pagamento, integra o salário de Dorival para todos os efeitos legais.

c) a assistência médica e o seguro de vida e acidentes pessoais não têm natureza salarial, mas o reembolso de
medicamentos, por ausência de previsão legal, é considerado salário. O prêmio por desempenho, mesmo pago com
habitualidade, não integra o salário de Dorival para qualquer efeito.

d) os benefícios não têm natureza salarial e o prêmio por desempenho, mesmo pago com habitualidade, não integra o
salário de Dorival para efeitos trabalhistas, mas é base de cálculo para a contribuição previdenciária incidente.

e) os benefícios não têm natureza salarial e o prêmio por desempenho, mesmo pago com habitualidade, não integra a
remuneração de Dorival, não se incorpora ao contrato de trabalho e não constitui base de incidência de qualquer
encargo trabalhista e previdenciário.

Ano: 2017- Banca: FCC-Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova: Analista


Judiciário - Área Judiciária
Considerando as alterações da Lei n° 13.467/2017,

a) a convenção e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre a lei quando, entre outros, dispuserem sobre os
locais destinados à guarda dos filhos das empregadas durante o período de amamentação.

b) a convenção e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre a lei quando, entre outros, dispuserem sobre
duração do trabalho e intervalos, tendo em vista que não são consideradas como normas de saúde, higiene e
segurança do trabalho.

c) não será permitido estipular duração de convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho superior a dois anos, sendo
permitida sua ultratividade em relação às cláusulas que assegurem vantagens pessoais.

d) as condições estabelecidas em convenção quando mais favoráveis, prevalecerão sobre as estipuladas em acordo, com
exceção das cláusulas econômicas que, em razão das peculiaridades de cada empresa, se estipuladas em acordo
coletivo, sempre prevalecerão.

e) a celebração de convenção coletiva e de acordo coletivo de trabalho é prerrogativa das entidades sindicais de base,
não se incluindo nas atribuições das federações e das confederações, que são entidades sindicais de cúpula
responsáveis pela coordenação do movimento sindical e não podem participar diretamente das negociações coletivas.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:
Analista Judiciário - Área Judiciária
De acordo com a Lei n° 13.467/2017, para fins de contribuição à Previdência Social,

a) o total das diárias para viagem pagas pelo empregador, quando excedente a cinquenta por cento do salário mensal,
integra o salário de contribuição.

b) as diárias para viagem pagas pelo empregador, em nenhuma hipótese, integram o salário de contribuição.

c) apenas o percentual das diárias para viagem que exceder cinquenta por cento do salário mensal do empregado integra
o salário de contribuição.

d) os prêmios e abonos integram o salário de contribuição, desde que decorram de regulamento interno da empresa.

e) o valor relativo à assistência prestada por serviço médico ou odontológico conveniado pela empresa integra o salário
de contribuição, desde que concedido a todos os empregados.

Ano: 2017- Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:


Técnico Judiciário - Área Administrativa
Osmar, Pintor a pistola, trabalha na Metalúrgica 2 Pinos S/A, que possui trezentos empregados. Pretende se candidatar ao cargo
de representante dos empregados na nova modalidade de comissão de representação de empregados, com a finalidade de
promover o entendimento direto com seu empregador. Tendo em vista a Lei n°
13.467/2017,

a) nesta modalidade não está prevista a estabilidade provisória no emprego, razão pela qual, mesmo eleito, Osmar
poderá ser despedido a qualquer momento.

b) Osmar não poderá sofrer despedida arbitrária somente se for eleito para o cargo de representante dos empregados,
até um ano após o fim do mandato.

c) Osmar não poderá sofrer despedida arbitrária, desde o registro de sua candidatura até um ano após o fim do mandato.

d) Osmar poderá sofrer despedida arbitrária, desde que eleito e homologada a rescisão contratual pelo sindicato
profissional.

e) Osmar não poderá sofrer despedida arbitrária, desde o registro de sua candidatura até dois anos após o fim do
mandato.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:
Técnico Judiciário - Área Administrativa
No tocante ao trabalho em regime de tempo parcial e de acordo com as alterações introduzidas pela Lei n° 13.467/2017,
considere:

I. Entende-se por trabalho em regime de tempo parcial aquele cuja duração não exceda a trinta horas semanais,sem a
possibilidade de horas suplementares semanais.
II. Pode haver a prestação de horas extras neste regime desde que a duração não exceda a vinte e seis horassemanais, com
a possibilidade de acréscimo de até seis horas suplementares semanais.
III. Não é facultado ao empregado contratado sob regime de tempo parcial converter um terço do período deférias a que tiver
direito em abono pecuniário.
IV. As horas suplementares da jornada de trabalho normal poderão ser compensadas diretamente até a semanaimediatamente
posterior à da sua execução, devendo ser feita a sua quitação na folha de pagamento do mês subsequente, caso não sejam
compensadas.

Está correto o que consta APENAS em

a) I e III.

b) I, III e IV.

c) II, III e IV.

d) II e IV.

e) I, II e IV.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:


Técnico Judiciário - Área Administrativa
Luiz, marceneiro, 59 anos de idade, foi informado pela sua empregadora, a Fábrica de Cadeiras Xaxá Ltda., que gozaria suas
férias vencidas de forma fracionada em três períodos, sendo o primeiro de 14 dias, com início em 13/11/2017, uma 2ª feira.
Sabendo que Luiz labora oito horas diárias e quarenta e quatro horas semanais, de acordo com a CLT, alterada pela Lei n°
13.467/2017,

a) Luiz deve concordar com o fracionamento de suas férias, sendo que os demais períodos não poderão ser inferiores a
cinco dias corridos, cada um.

b) Luiz, mesmo concordando com o fracionamento, não poderá gozá-las desta forma, uma vez que aos maiores de 50
anos somente é possível o gozo de férias concedidas de uma só vez.

c) Luiz deve concordar com o fracionamento de suas férias, e também que o início em dois dias que antecedem feriado
não é óbice para gozá-las.

d) o pagamento das férias, de cada período, bem como do abono pecuniário, será efetuado até cinco dias antes do início
do respectivo período.

e) Luiz não precisa concordar com o fracionamento e só terá direito de gozar trinta dias de férias se contar com até seis
faltas injustificadas em seu período aquisitivo de férias.
Ano: 2017- Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:
Técnico Judiciário - Área Administrativa
Determinada categoria econômica e profissional está em fase de negociação coletiva, e, nesta hipótese, estão sendo debatidas
as cláusulas da convenção coletiva a ser celebrada. Considerando o que dispõe a Lei n° 13.467/2017, constitui(em) objeto ilícito
de convenção coletiva e de acordo coletivo de trabalho, a supressão ou a redução do(s) seguinte(s) direito(s):

a) banco de horas anual.

b) teletrabalho, regime de sobreaviso e trabalho intermitente.

c) remuneração do trabalho noturno superior à do diurno.

d) enquadramento do grau de insalubridade.

e) participação nos lucros ou resultados da empresa.

Ano: 2017 - Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:


Técnico Judiciário - Área Administrativa
Considerando a Lei n° 13.467/2017, NÃO integram a remuneração do empregado, não se incorporando ao contrato de trabalho
e não constituindo base de incidência de qualquer encargo trabalhista, EXCETO

a) o auxílio-alimentação, vedado seu pagamento em dinheiro.

b) as gratificações legais.

c) as diárias para viagem.

d) os prêmios.

e) a ajuda de custo.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:
Técnico Judiciário - Área Administrativa
Mario presta serviços com subordinação, mas sem continuidade, havendo alternância de períodos de prestação de serviços e
inatividade, determinados em horas, dias ou meses. Ênio assume os riscos de sua atividade econômica, não possui subordinação
e presta serviços sem exclusividade, de forma contínua ou não. Finalmente, Joaquim foi contratado verbalmente, possuindo
subordinação, horário de trabalho a cumprir e salário fixo mensal, prestando serviços no local do contratante.

Considerando a legislação vigente e as alterações introduzidas pela Lei n° 13.467/2017, as modalidades de trabalho de Mario,
Ênio e Joaquim são classificadas, respectivamente, como sendo

a) trabalho em regime de tempo parcial, avulsa e contrato individual de trabalho.

b) autônoma, intermitente e contrato individual de trabalho.

c) contrato individual de trabalho, intermitente e autônoma.

d) avulsa, autônoma e intermitente.

e) intermitente, autônoma e contrato individual de trabalho.

Ano: 2017Banca: FCC-Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova: Técnico


Judiciário -Área Administrativa

Leôncio é vendedor da loja de Auto Peças Sorte Sua Ltda., sendo obrigado pelo seu empregador a usar uniforme com a logomarca
da loja, que consiste em uma camisa que muda de cor a cada mês: pode ser azul, verde, vermelha, rosa ou laranja. O empregado
recebe a vestimenta sem qualquer ônus. No mês em que o uniforme possui cor da qual desgosta, Leôncio recusa- se a usá-lo,
utilizando sua própria vestimenta no local de trabalho. Tendo em vista a doutrina, a legislação vigente, bem como as alterações
introduzidas pela Lei n° 13.467/2017,

a) o uso obrigatório de uniforme deve fazer parte do regulamento interno da empresa, com registro no Ministério do
Trabalho, razão pela qual, se não estiverem satisfeitas tais exigências, pode Leôncio se recusar a utilizá-lo.

b) Leôncio pode se recusar a usar o uniforme da empresa se assim preferir, uma vez que a definição da vestimenta no
meio ambiente laboral deve ser tomada em conjunto, entre empregado e empregador.

c) Leôncio é obrigado a usar o uniforme imposto pelo empregador, desde que este seja o responsável pela sua
higienização, ou seja, arque com os custos da lavagem. d)

cabe ao empregador definir o padrão de vestimenta no meio ambiente laboral, sendo lícita a inclusão no uniforme de
logomarcas da própria empresa, razão pela qual Leôncio não pode se recusar a utilizálo.

e) Leôncio pode se recusar a utilizar o uniforme se, além da logomarca da empresa, constarem outras de empresas

parceiras, uma vez que não é empregado destas.


Ano: 2017- Banca: FCC Órgão: TRT - 21ª Região (RN)Prova:
Técnico Judiciário - Área Administrativa
Alice, repositora no Supermercado Alegria Ltda. manifestou sua intenção de rescindir seu contrato de trabalho por prazo
indeterminado, pedindo para ser feito um acordo com seu empregador. Tendo em vista as novas disposições introduzidas pela
Lei nº 13.467/2017, o contrato de trabalho

a) poderá ser extinto por acordo entre empregado e empregador, sendo devido apenas o saldo de salário e as férias
vencidas acrescidas de 1/3, podendo Alice sacar 80% do valor dos depósitos do FGTS e ingressar no Programa de
Seguro-Desemprego.

b) não poderá ser extinto por acordo entre empregado e empregador, uma vez que as verbas trabalhistas representam
direitos indisponíveis.

c) poderá ser extinto por acordo entre empregado e empregador, não sendo devido o aviso prévio, sendo que as demais
verbas trabalhistas serão devidas em sua integralidade, podendo Alice sacar 80% do valor dos depósitos do FGTS,
sem direito à indenização sobre o seu saldo e não podendo ingressar no Programa de Seguro-Desemprego.

d) poderá ser extinto por acordo entre empregado e empregador, sendo devido metade do aviso prévio, se indenizado,
e metade da indenização sobre o saldo do FGTS e as demais verbas trabalhistas em sua integralidade, podendo sacar
80% do valor dos depósitos do FGTS, não podendo ingressar no Programa de Seguro-Desemprego.

e) não poderá ser extinto por acordo entre empregado e empregador, necessitando, para tanto, obrigatoriamente de
autorização do Ministério do Trabalho para sua homologação.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Área Administrativa
Empregado de certa empresa privada foi eleito membro suplente de diretoria de sindicato de sua categoria, tendo sido demitido
de seu emprego quatro meses após o término do mandato sindical, sem que tenha cometido qualquer falta. A demissão desse
empregado mostra-se

a) incompatível com a Constituição Federal, que veda a dispensa do empregado sindicalizado desde a posse em cargo
de direção ou representação sindical, até um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos termos
da lei.

b) incompatível com a Constituição Federal, que veda a dispensa do empregado sindicalizado, na situação retratada,
desde o registro da candidatura a cargo de direção ou representação sindical e, se eleito, ainda que suplente, até um
ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.

c) incompatível com a Constituição Federal, que veda a dispensa do empregado sindicalizado, na situação retratada,
desde o registro da candidatura a cargo de direção ou representação sindical e, se eleito, ainda que suplente, até seis
meses após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.

d) compatível com a Constituição Federal, que permite a dispensa do empregado sindicalizado eleito membro titular ou
suplente de diretoria de sindicato ou de entidade de representação sindical, na situação retratada.

e) compatível com a Constituição Federal, que não garante estabilidade no emprego àquele que tenha sido eleito membro
suplente de diretoria de sindicato ou de entidade de representação sindical.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Administrativa
Atenção: Para responder à questão, considere também o texto da Lei n° 13.467/2017.

Os sócios das empresas Turismo Maravilha Ltda. e Festa de Arromba Promoções e Eventos Ltda. são os mesmos. A primeira delas
é sediada em Maceió e a segunda tem sede em Belo Horizonte, desenvolvendo suas atividades exclusivamente nessas cidades.
Em todos os eventos realizados pela Festa de Arromba são sorteados pacotes turísticos da Turismo Maravilha, sendo esse o meio
encontrado pelos sócios para o desenvolvimento das atividades dessa última, que foi inaugurada há pouco tempo. Essa integração
tem se mostrado muito importante para o desenvolvimento da Turismo Maravilha, sendo os sorteios a única forma de divulgação
e publicidade da empresa. Em relação à situação descrita,

a) as empresas não integram grupo econômico, tendo em vista que exercem atividades completamente distintas, não
havendo integração entre as mesmas, sendo que a mera identidade de sócios não é suficiente para caracterizar grupo
econômico.

b) não há formação de grupo econômico pois, além das atividades das empresas serem completamente distintas, as
mesmas localizam-se em cidades diferentes, não havendo interesses integrados.

c) embora as empresas tenham atividades distintas, a identidade de sócios, aliada ao interesse integrado, à efetiva
comunhão de interesses e a atuação conjunta das mesmas, leva à caracterização do grupo econômico.

d) há formação de grupo econômico, tendo em vista que a simples existência de sócios em comum é fator suficiente
para tal caracterização.

e) há formação de grupo econômico em razão da existência de sócios comuns e de interesses integrados, sendo que as
empresas são subsidiariamente responsáveis pelas obrigações decorrentes da relação de emprego.

Ano: 2017- Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Área Administrativa
Entre as diversas verbas que podem ser pagas pelo empregador ao empregado, integram o salário do empregado:

a) as gratificações legais.

b) as diárias para viagem.

c) os prêmios.

d) os abonos.

e) a ajuda de custo.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Administrativa
As férias constituem um período de descanso anual remunerado. No entanto, não se trata de um direito incondicional, sendo
certo que algumas circunstâncias fazem com que o empregado perca o direito a férias, entre elas

a) mais de 24 faltas injustificadas ao serviço durante o período aquisitivo.

b) a suspensão preventiva para responder a inquérito administrativo.

c) a prisão preventiva, mesmo em caso de impronúncia ou absolvição.

d) gozo de licença, com percepção de salários, por mais de trinta dias.

e) percepção de prestações de acidente de trabalho ou de auxílio doença por mais de cento e vinte dias contínuos.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Área Administrativa
Catarina ficou afastada do trabalho por 120 dias em razão de licença maternidade. Ao retornar às suas funções, escorregou em
uma escada da empresa, sofrendo fraturas que exigiram seu afastamento do trabalho por 45 dias. Recebeu auxílio doença
acidentário. Após a alta do INNS retornou às suas atividades, mas um mês depois a empresa lhe concedeu férias, tendo em vista
que o término do período concessivo estava próximo. Em relação ao contrato de trabalho, os períodos de afastamento de Catarina
caracterizam, respectivamente

a) interrupção, interrupção durante 15 dias, suspensão durante 30 dias e interrupção.

b) suspensão, suspensão durante 15 dias, interrupção durante 30 dias e suspensão.

c) suspensão, suspensão durante 45 dias e suspensão.

d) interrupção, interrupção durante 45 dias e interrupção.

e) interrupção, suspensão durante 15 dias, interrupção durante 30 dias e interrupção.


Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Administrativa
Florence foi contratada como gerente de comércio exterior pela empresa Internacional Comércio e Exportação Ltda. Após dois
anos da contratação, foi eleita para o cargo de diretora, sendo-lhe informado que se tratava de cargo de confiança a ser ocupado
interinamente. Após ser diretora por doze anos, foi revertida pelo empregador para o cargo de gerente de comércio exterior,
deixando o exercício da função de confiança. Em relação à situação de Florence,

a) após ocupar cargo de confiança, principalmente o de diretor, o empregado não pode ser revertido para o cargo
anteriormente ocupado, pois isso caracteriza rebaixamento de função, que é vedado pelo ordenamento jurídico.

b) após ocupar cargo de confiança, o empregado pode ser revertido para o cargo anteriormente ocupado, com ou sem
justo motivo, não lhe sendo assegurado o direito à manutenção do pagamento da gratificação correspondente, que
não será incorporada, independentemente do tempo de exercício da respectiva função.

c) após ocupar cargo de confiança, o empregado pode ser revertido para o cargo anteriormente ocupado e, se tal
reversão não decorreu de justo motivo e o cargo foi ocupado por dez ou mais anos, o empregado tem assegurado o
direito à manutenção da gratificação correspondente.

d) trata-se de hipótese de rebaixamento de função que somente pode ser considerada válida se houver a concordância
do empregado, devendo-lhe ser assegurado o direito à manutenção da gratificação correspondente se ocupou o cargo
por dez ou mais anos.

e) trata-se de hipótese de rebaixamento de função que somente pode ser considerada válida se houver a concordância
do empregado, mas, em nenhum caso, lhe é assegurada a manutenção do direito à gratificação correspondente.
Ano: 2017 - Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Administrativa
Atenção: Para responder à questão, considere também o texto da Lei n° 13.467/2017.

Entre as finalidades do FGTS está a de permitir ao trabalhador a formação de um patrimônio que poderá ser sacado em momentos
especiais e em situações de dificuldade. Nesse contexto, constitui hipótese autorizada por lei para o saque do FGTS:

a) quando o trabalhador com deficiência, por prescrição médica, necessite fazer implante.

b) necessidade pessoal, cuja urgência e gravidade decorram de prescrição médica.

c) suspensão total do trabalho avulso por período igual ou superior a 120 dias, comprovada por declaração do sindicato
representativo da categoria profissional.

d) quando o trabalhador tiver idade igual ou superior a 60 anos, se mulher, e 65 anos, se homem.

e) despedida sem justa causa, inclusive a indireta, de culpa recíproca, de força maior e extinção do contrato de trabalho
em decorrência de acordo entre empregado e empregador.
Ano: 2017- Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Administrativa
Após ter dispensado o empregado Glauber, que trabalhou na empresa por 8 anos, Flecha de Ouro Transportes Ltda. resolve
reconsiderar o aviso prévio, informando ao empregado que, em razão disso, o contrato de trabalho permanecerá vigorando
normalmente. Glauber não concorda com o empregador e, considerando o contrato de trabalho rescindido, requer que o mesmo
lhe pague as verbas rescisórias devidas. Em relação à situação de
Glauber

a) considerando que o contrato de trabalho dele é por prazo indeterminado, não há que se falar em reconsideração do
aviso prévio, eis que tal possibilidade refere-se aos contratos por prazo determinado, em relação aos quais o legislador
privilegia seu cumprimento até o prazo fixado pelas partes quando da contratação.

b) dado o aviso prévio, não há que se falar em reconsideração do mesmo, pois o contrato de trabalho é considerado
extinto quando da concessão do aviso, sendo que a projeção do seu prazo se refere apenas a pagamentos de verbas
trabalhistas e rescisórias.

c) a reconsideração do aviso prévio é possível e caracteriza ato unilateral da parte que teve a iniciativa na rescisão do
contrato de trabalho, não havendo que se falar em aceitação da outra parte.

d) a reconsideração do aviso prévio pelo empregador é possível e independe da concordância do empregado, tendo em
vista que revela situação mais benéfica ao trabalhador e privilegia o princípio da continuidade da relação de emprego.

e) a aceitação da reconsideração do aviso prévio dado por uma das partes é faculdade da outra parte e, portanto, com
a recusa de Glauber o contrato de trabalho será extinto ao término do período do aviso prévio, sendo devidas as
verbas rescisórias.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Área Administrativa
Entre as diversas regras de proteção à mulher gestante e lactante estão as relativas a restrições para o exercício de atividades
em condições insalubres e a concessão de intervalos para amamentação do bebê, entre as quais:

a) Para amamentar o próprio filho, até que este complete 6 meses de idade, a mulher terá direito, durante a jornada
de trabalho, a 2 descansos de meia hora cada um, sendo que os horários de gozo
dos mesmos são definidos pelo empregador, de acordo com as possibilidades da produção.

b) Quando não for possível que a gestante seja afastada de atividades consideradas insalubres em grau máximo,
enquanto durar a gestação, o contrato de trabalho deverá ser rescindido, com pagamento de uma indenização
equivalente ao salário-maternidade, não havendo que se falar em estabilidade.

c) Sem prejuízo de sua remuneração, nesta incluído o valor do adicional de insalubridade, a empregada deverá ser
afastada de atividades consideradas insalubres, em qualquer grau, quando apresentar atestado de saúde, emitido
por médico de confiança da mulher, que recomende o afastamento durante a gestação.

d) O período de 6 meses, no qual, durante a jornada de trabalho, devem ser concedidos 2 descansos de meia hora cada
um para amamentação do bebê, poderá ser dilatado, a critério da autoridade competente, quando o exigir a saúde
do filho.

e) Sem prejuízo de sua remuneração, nesta incluído o valor do adicional de insalubridade, a empregada deverá ser
afastada de atividades consideradas insalubres em grau máximo durante o período em que estiver amamentando o
bebê, desde que haja recomendação por escrito de médico da Previdência
Social.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Administrativa
A Lei n° 13.467/2017 ampliou a abrangência da negociação coletiva de trabalho, fixando novas regras acerca da convenção
coletiva e do acordo coletivo de trabalho, entre as quais:

a) A inexistência de expressa indicação de contrapartidas recíprocas em convenção coletiva ou acordo coletivo de


trabalho ensejará sua nulidade por caracterizar um vício do negócio jurídico.

b) Constitui objeto ilícito de convenção coletiva ou de acordo coletivo de trabalho o enquadramento do grau de
insalubridade.

c) Se for pactuada cláusula que reduza o salário ou a jornada, a convenção coletiva ou o acordo coletivo de trabalho
deverão prever a proteção dos empregados contra dispensa imotivada durante o prazo de vigência do instrumento
coletivo.

d) Não será permitido estipular duração de convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho superior a dois anos, salvo
quando se tratar de direitos individualmente adquiridos.

e) Os empregados contratados sob o regime de tempo parcial não poderão prestar horas extras, salvo previsão em
sentido contrário em convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Área Administrativa
As Comissões de Conciliação Prévia têm como atribuição tentar conciliar os conflitos individuais de trabalho, podendo ser
constituídas por grupos de empresas ou ter caráter intersindical. Quanto à Comissão instituída no âmbito da empresa,

a) será composta de, no mínimo, 4 e, no máximo, 12 membros.

b) haverá na Comissão tantos suplentes quantos forem os representantes titulares.

c) todos os membros da Comissão serão eleitos pelos trabalhadores da empresa, sendo a eleição fiscalizada pelo
sindicato da categoria profissional.

d) o mandato dos membros da Comissão, titulares e suplentes, é de dois anos, permitida uma recondução.

e) o representante dos empregados ficará afastado de suas atividades normais para poder exercer as atribuições na
Comissão.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Técnico Judiciário -
Área Administrativa
Na nova modalidade de rescisão do contrato de trabalho, introduzida pela Lei n° 13.467/2017, havendo extinção por acordo entre
empregado e empregador, serão devidas as seguintes verbas rescisórias:

a) metade do aviso prévio, se indenizado e metade das férias vencidas + 1/3, se tiver, com a integralidade da
indenização sobre o saldo do FGTS e das demais verbas trabalhistas, podendo sacar 80% do valor dos depósitos do
FGTS, além de poder ingressar no Programa de Seguro-Desemprego.

b) metade do aviso prévio, se indenizado e metade da indenização sobre o saldo do FGTS e as demais verbas trabalhistas
em sua integralidade, podendo sacar 80% do valor dos depósitos do FGTS, além de poder ingressar no Programa de
Seguro-Desemprego.

c) metade da indenização sobre o saldo do FGTS e as demais verbas trabalhistas em sua integralidade, podendo sacar
100% do valor dos depósitos do FGTS, não podendo ingressar no Programa de Seguro-Desemprego, e sem percepção
de aviso prévio.

d) metade do aviso prévio, se indenizado e metade das férias vencidas + 1/3, se tiver, com a integralidade da
indenização sobre o saldo do FGTS e das demais verbas trabalhistas, podendo sacar 100% do valor dos depósitos do
FGTS, não podendo ingressar no Programa de Seguro-Desemprego.

e) metade do aviso prévio, se indenizado e metade da indenização sobre o saldo do FGTS e as demais verbas trabalhistas
em sua integralidade, podendo sacar 80% do valor dos depósitos do FGTS, não podendo ingressar no Programa de
Seguro-Desemprego.

Ano: 2017- Banca: FCC Órgão: TSTProva: Técnico Judiciário -


Área Administrativa
Antonio é empregado da Empresa X e, em determinado mês, recebeu diárias para viagem no importe de 70% do seu salário. De
acordo com a CLT, alterada pela Lei n° 13.467/2017,

a) tendo em vista que ultrapassou 50% do salário, a regra é que metade do valor recebido terá natureza salarial, logo
35%, no caso.

b) somente o que ultrapassar 50% do salário terá natureza salarial, logo, 20%, no caso.

c) tendo em vista que ultrapassou 50% do salário, a integralidade da diária para viagem terá natureza salarial.

d) as diárias para viagem, ainda que habituais não integram a remuneração do empregado, não constituindo base de
incidência de qualquer encargo trabalhista e previdenciário.

e) as diárias para viagem sempre integram a remuneração do empregado, servindo de base de incidência de encargos
trabalhistas e previdenciários.
Ano: 2017- Banca: FCC Órgão: TSTProva: Técnico Judiciário -
Área Administrativa
Ana, tem 17 anos de idade; Teresa, tem 53 anos e Solange, está com 35 anos de idade. Trabalham na Empresa S como Ajudantes
de Produção, cumprindo o horário de trabalho de 2ª à 5ª feiras, das 7 h às 17 h e, às 6ª feiras, das 7 h às 16 h, com uma hora
de intervalo para refeição. Tendo em vista que todas têm direito a férias vencidas, de acordo com a CLT, alterada pela Lei n°
13.467/2017, é INCORRETO afirmar que

a) somente Solange tem direito ao fracionamento das férias em 3 períodos, sendo obrigatório que Ana e Teresa
usufruam suas férias de uma só vez.

b) todas podem fracionar suas férias em três períodos, desde que um dos períodos não seja inferior a quatorze dias
corridos e os demais não poderão ser inferiores a cinco dias corridos, cada um.

c) é facultada a todas a conversão de 1/3 do período de férias em abono pecuniário, no valor da remuneração que seria
devida nos dias correspondentes, acrescido do terço constitucional. d)

o pagamento das férias, de cada período, bem como do abono pecuniário será efetuado até dois dias antes do início
do respectivo período.

e) a empregada que contar com dez faltas injustificadas em seu período aquisitivo de férias, terá direito a férias na
proporção de vinte e quatro dias corridos

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Técnico Judiciário -


Área Administrativa
Conforme nova redação dada à CLT, por força da Lei n° 13.467/2017, considere:

I. A convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre a lei quando dispuserem sobreremuneração
por produtividade, incluídas as gorjetas percebidas pelo empregado, e remuneração por desempenho individual.
II. Se for pactuada cláusula que reduza o salário ou a jornada, a convenção coletiva ou o acordo coletivo detrabalho deverão
prever a proteção dos empregados contra dispensa imotivada durante o prazo de vigência do instrumento coletivo.
III. Constitui objeto ilícito de convenção coletiva ou de acordo coletivo de trabalho a supressão ou a redução dovalor nominal
do décimo terceiro salário.
IV. Os empregadores ficam obrigados a descontar da folha de pagamento dos seus empregados, desde que poreles
devidamente autorizados, as contribuições devidas ao sindicato, quando por este notificados.

Está correto o que consta em

a) II, III e IV, apenas.

b) I, II e III, apenas.

c) I, II, III e IV.

d) I, III e IV, apenas.

e) I, II e IV, apenas.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Técnico Judiciário -
Área Administrativa
José foi dispensado sem justa causa, após 11 meses de serviço. Passou a cumprir o aviso prévio trabalhando, optando pela
redução de duas horas diárias do seu horário normal de trabalho. Entretanto, neste período, registrou sua candidatura para
eleição a cargo de dirigente sindical. De acordo com a legislação e o entendimento sumulado do TST, neste caso a empregadora
de José deverá

a) cancelar a dispensa e aguardar a eleição, pois o registro da candidatura do empregado a cargo de dirigente sindical
durante o período do aviso prévio trabalhado com a redução de duas horas diárias de seu horário de trabalho lhe
assegura a estabilidade.

b) manter a dispensa, tendo em vista que o registro da candidatura do empregado a cargo de dirigente sindical durante
o período do aviso prévio não lhe assegura a estabilidade.

c) manter a dispensa, tendo em vista que o registro da candidatura do empregado a cargo de dirigente sindical somente
lhe assegura a estabilidade se fosse feita na modalidade do aviso prévio indenizado.

d) cancelar a dispensa e aguardar a eleição, pois o registro da candidatura do empregado a cargo de dirigente sindical
durante o período do aviso prévio trabalhado se equipara às regras dos contratos de trabalho por prazo determinado,
assegurando-lhe a estabilidade.

e) manter a dispensa, tendo em vista que o registro da candidatura do empregado a cargo de dirigente sindical somente
lhe assegura a estabilidade se fosse feita na modalidade do aviso prévio trabalhado com opção de manter a jornada
normal de trabalho, podendo faltar ao serviço, sem prejuízo do salário, por sete dias corridos.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Técnico Judiciário -


Área Administrativa
No tocante à prescrição, considere:

I. Quanto aos depósitos do FGTS, para os casos em que o prazo prescricional já estava em curso em 13/11/2014,aplica-se o
prazo prescricional que se consumar primeiro: trinta anos, contados do termo inicial, ou cinco anos, a partir de 13/11/2014.
II. Quanto a créditos resultantes das relações de trabalho, a interrupção da prescrição somente ocorrerá peloajuizamento de
reclamação trabalhista, mesmo que em juízo incompetente, ainda que venha a ser extinta sem resolução do mérito, produzindo
efeitos apenas em relação aos pedidos idênticos.
III. Respeitado o biênio subsequente à cessação contratual, a prescrição da ação trabalhista concerne às pretensões
imediatamente anteriores a cinco anos, contados da data da extinção do contrato de trabalho.

Tendo em vista a CLT, alterada pela Lei n° 13.467/2017, e o entendimento sumulado do TST, está correto o que consta em

a) I, II e III.

b) I e II, apenas.

c) II e III, apenas.

d) I, apenas.

e) III, apenas.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Técnico Judiciário -
Área Administrativa
Nas empresas com mais de duzentos empregados, é assegurada a eleição de uma comissão para representá-los, com a finalidade
de promover-lhes o entendimento direto com os empregadores. De acordo com as alterações da CLT, introduzidas pela Lei n°
13.467/2017, são atribuições da referida comissão de empregados, EXCETO

a) acompanhar o cumprimento das leis trabalhistas, previdenciárias e das convenções e acordos coletivos de trabalho.

b) promover o diálogo e o entendimento no ambiente de trabalho com o fim de prevenir conflitos.

c) encaminhar reivindicações específicas dos empregados de seu âmbito de representação.

d) solicitar a comprovação da empresa dos recolhimentos fiscais, previdenciários e depósitos do FGTS.

e) representar os empregados perante a administração da empresa.

Ano: 2017- Banca: FCC Órgão: TSTProva: Técnico Judiciário -


Área Administrativa
De acordo com a nova redação dada à CLT, por força da Lei n° 13.467/2017, para a caracterização de grupo econômico e,
consequentemente, sua responsabilidade solidária pelas obrigações decorrentes da relação de emprego, deve ser considerado,
dentre outros requisitos, a

a) mera identidade de sócios.

b) demonstração do interesse independente do grupo.

c) efetiva comunhão de interesses, desde que não ligados a meramente financeiro.

d) atuação autônoma das empresas integrantes do grupo.

e) existência de personalidade jurídicas próprias e, as empresas estiverem sob a direção, controle ou administração de
outra empresa do grupo.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Judiciária
A respeito da terceirização de serviços, conforme legislação vigente:

a) não se configura vínculo empregatício entre os trabalhadores, ou sócios das empresas prestadoras de serviços e a
empresa contratante, desde que os serviços contratados sejam ligados à atividade-meio da contratante.

b) o capital social da empresa prestadora de serviços constitui requisito para o seu regular funcionamento, não bastando
somente que a mesma esteja devidamente inscrita no CNPJ e registrada na Junta Comercial.

c) empresa prestadora de serviços a terceiros é a pessoa jurídica de direito privado destinada a prestar à contratante
serviços determinados e específicos, não sendo permitida a subcontratação para empresas diversas.

d) a contratante deverá estender ao trabalhador da empresa de prestação de serviços o mesmo atendimento médico,
ambulatorial e de refeição destinado aos seus empregados, existente nas dependências da contratante, ou local por
ela designado.

e) é lícita a celebração de contrato geral de prestação de serviços entre a tomadora e a empresa prestadora de serviços,
não sendo exigido que no termo esteja determinado expressa e especificamente os serviços a serem desempenhados.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Área Judiciária
Sobre a legislação que regula o trabalho doméstico:

a) é lícita a contratação por prazo determinado de empregado para substituir temporariamente outro com contrato
interrompido ou suspenso, não podendo ser firmado por prazo superior a 1 ano.

b) o acompanhamento do empregador em viagem pelo seu empregado deve ser previamente pactuado por escrito entre
eles, sendo que a remuneração do salário-hora em viagem será de, no mínimo, 50% do salário-hora normal.

c) o período de férias poderá, desde que haja acordo escrito entre empregado e empregador, ser fracionado em até 2
períodos, sendo 1 deles de, no mínimo, 14 dias corridos.

d) é facultado ao empregador efetuar descontos no salário do empregado, mediante acordo escrito entre as partes, para
a inclusão do empregado em planos de previdência privada, não podendo a dedução ultrapassar 30% do salário.

e) poderão ser descontadas do salário do empregado as despesas com moradia quando essa se referir a local diverso
da residência em que ocorrer a prestação de serviço, desde que essa possibilidade tenha sido expressamente
acordada entre as partes.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Judiciária
Com relação aos institutos da estabilidade e garantias provisórias de emprego, e considerando a legislação vigente e a
jurisprudência sumulada do Tribunal Superior do Trabalho,

a) cessa a estabilidade provisória do Presidente da CIPA com a extinção do estabelecimento da empresa, sendo que nessa

hipótese não se considera arbitrária a sua despedida pelo empregador. b)

a estabilidade do empregado eleito dirigente sindical compreende o período desde o registro da candidatura, até 1 ano
após o término do mandato, desde que tenha sido eleito membro titular.

c) o registro da candidatura do empregado a cargo de dirigente sindical durante o período de aviso prévio, ainda que
indenizado, não afasta o direito à estabilidade, posto que o mesmo integra o contrato de trabalho para todos os
efeitos.

d) para as empresas com mais de 60 empregados, gozarão de garantia de emprego, empregados eleitos representantes
de comissão incumbidas de acompanhar e fiscalizar a regular cobrança e distribuição de gorjetas, vinculada ao
desempenho das funções para que foram eleitos.

e) a falta de comunicação da entidade sindical ao empregador acerca do registro de candidatura de empregado e,


eventualmente, a sua posse, se eleito, sempre será causa que inviabiliza a estabilidade provisória.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Área Judiciária
A respeito do teletrabalho previsto na Lei n° 13.467 de 2017, considere:

I. Entende-se teletrabalho a prestação de serviços exclusivamente fora das dependências do empregador, com autilização de
tecnologias de informação e de comunicação que, por sua natureza, não se constituam como trabalho externo.
II. Por determinação do empregador, poderá haver o retorno do empregado em regime de teletrabalho para amodalidade
presencial, respeitado o período de transição de, no mínimo, 15 dias, constando de aditivo contratual. III. A alteração contratual
atinente à mudança do regime presencial para o de teletrabalho só pode ser efetivada se houver acordo mútuo entre empregado
e empregador, devendo ser formalizada mediante aditivo contratual. IV. O comparecimento às dependências do empregador para
a realização de atividades específicas que exijam a presença do empregado no estabelecimento descaracteriza o regime de
teletrabalho.
V. A prestação de serviços na modalidade de teletrabalho deverá constar expressamente do contrato individual de trabalho, não
sendo exigida a especificação das atividades que serão realizadas pelo empregado.

Está correto o que consta APENAS em

a) II, III e IV.

b) I, II e V.

c) III, IV e V.

d) II e III.

e) I e IV.
Ano: 2017- Banca: FCC-Órgão: TSTProva: Analista Judiciário - Área
Judiciária
Vênus é empregada da empresa Raio de Luar Indústria e Comércio de Embalagens Ltda. que fornece condução para os 30
empregados irem e voltarem da fábrica, descontando do salário dos empregados a quantia de R$ 20,00 mensais, para custos
operacionais. A rede de transporte público regular é insuficiente para atender à localidade onde está situada a empresa.
Considerando a Lei n° 13.467 de 2017, Vênus

a) faz jus às horas in itinere nos percursos de ida e volta, na medida em que o fornecimento de transporte pela
empregadora é sempre causa ensejadora do direito em questão, ainda que haja cobrança parcial por parte do
empregador.

b) não faz jus às horas in itinere nos percursos de ida e volta, na medida que, no percurso de ida e volta, não se considera
à disposição do empregador, ainda que este forneça a condução.

c) não faz jus às horas in itinere nos percursos de ida e volta, na medida em que há desconto por parte do empregador
da quantia de R$ 20,00 mensais, o que indica não ser o fornecimento gratuito, que é requisito essencial para a
hipótese.

d) faz jus às horas in itinere nos percursos de ida e volta, na medida em que a insuficiência de transporte público regular
equipara-se, para os efeitos pretendidos pela legislação, ao local de difícil acesso, ensejando a pertinência do direito
em questão.

e) faz jus às horas in itinere nos percursos de ida e volta, na medida em que a insuficiência de transporte público regular
equipara-se, para os efeitos pretendidos pela legislação, à ausência de transporte público regular, ensejando a
pertinência do direito em questão.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Área Judiciária
A respeito da interrupção e suspensão do contrato de trabalho,

a) é causa de suspensão do contrato de trabalho o afastamento do empregado para cumprimento das exigências do
serviço militar sendo que, implementada a baixa do respectivo encargo, o empregado deverá reassumir
imediatamente o seu emprego, sob pena de se caracterizar abandono.

b) o empregado tem direito de faltar, sem prejuízo do salário, por até dois dias consecutivos em virtude de falecimento
de primo de primeiro grau, desde que referido parente residisse com o mesmo, independente de ciência do
empregador desta condição.

c) considera-se justificada a ausência do empregado por 1 dia por ano para acompanhar filho de até 6 anos em consulta
médica e de até dois dias para acompanhar cônjuge ou companheira gestante em exames e consultas médicas

d) na suspensão do contrato de trabalho para participação do empregado em curso de qualificação profissional oferecido
pelo empregador, poderá este conceder ao trabalhador ajuda de custo mensal sem prejuízo da suspensão contratual,
desde que inferior a 50% do salário.

e) nos dias em que estiver comprovadamente realizando provas de exame vestibular para ingresso em estabelecimento
de ensino superior, não poderá o empregado deixar de comparecer na empresa.
Ano: 2017-Banca: FCC-Órgão: TSTProva: Analista Judiciário - Área
Judiciária
Considere as situações abaixo descritas.
Sócrates é comissário de bordo de empresa aérea Céu de Brigadeiro S/A e permanece dentro da aeronave nosperíodos de
abastecimento.
I. Mercúrio é motorista da empresa Astro Rei Ltda. e realiza entregas utilizando habitualmente carro.
Esporadicamente, na ausência do carro, realiza as entregas de motocicleta.
II. Netuno é vigilante bancário, trabalhando em escala 12 × 36, portando arma de fogo.
III. Zeus é empregado da empresa Atenas Geradora de Energia Elétrica S/A, trabalhando na função de eletricitário, adentrando
em área considerada de risco uma vez ao dia, lá permanecendo por cinco minutos.

Levando em consideração a legislação trabalhista em vigor e a jurisprudência sumulada do Tribunal Superior do


Trabalho,

a) apenas Netuno e Zeus devem receber adicional de periculosidade, ambos de forma integral.

b) apenas Sócrates não é credor de adicional de periculosidade, sendo que Mercúrio, Netuno e Zeus devem recebê-lo
de forma proporcional ao tempo de exposição.

c) todos fazem jus ao adicional de periculosidade, sendo o pagamento proporcional ao tempo de exposição ao risco
apenas para Zeus.

d) apenas Mercúrio não faz jus ao adicional de periculosidade e os demais devem recebê-lo de forma proporcional ao
tempo de exposição.

e) nenhum dos empregados faz jus ao adicional de periculosidade, considerando que, em todas as situações, está
ausente o requisito essencial da habitualidade de exposição ao risco.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário –
Taquigrafia
Considerando a nova modalidade de rescisão do contrato de trabalho, introduzida pela Lei n°13.467/2017, em havendo extinção
por acordo entre empregado e empregador, será permitido o saque pelo empregado do valor dos depósitos do FGTS, bem como
será devida pelo empregador a indenização sobre seu saldo, nas seguintes proporções, respectivamente:

a) 100% e a metade.

b) 80% e a metade.

c) 50% e a integralidade.

d) 100% e a integralidade.

e) 20% e a metade.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Taquigrafia
João ingressou com reclamação trabalhista contra a Empresa B pleiteando equiparação salarial com o paradigma

Antonio, alegando que este ganha salário 10% a maior. De acordo com a CLT, alterada pela Lei n° 13.467/2017,

a) sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor, prestado ao mesmo empregador, no mesmo estabelecimento
empresarial, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, etnia, nacionalidade ou idade, entre pessoas, entre
outros requisitos, cuja diferença do tempo de serviço para o mesmo empregador não seja superior a quatro anos e a
diferença de tempo na função não seja superior a dois anos.

b) sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor, prestado ao mesmo empregador, no mesmo estabelecimento
empresarial, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, etnia, nacionalidade ou idade, entre pessoas, entre
outros requisitos, cuja diferença do tempo de serviço para o mesmo empregador não seja superior a dois anos e a
diferença de tempo na função não seja superior a
quatro anos.

c) a equiparação salarial prevalecerá mesmo quando o empregador tiver pessoal organizado em quadro de carreira ou
adotar, por meio de norma interna da empresa ou de negociação coletiva, plano de cargos e salários dispensada
qualquer forma de homologação ou registro em órgão público.

d) trabalho de igual valor, para fins de equiparação salarial, será o que for feito com, pelo menos, 80% da produtividade
e com a mesma perfeição técnica, entre pessoas cuja diferença de tempo de serviço para o mesmo empregador não
seja superior a quatro anos e a diferença de tempo na função não seja superior a dois anos.

e) no caso de comprovada discriminação por motivo de sexo ou etnia, o juízo determinará, além do pagamento das
diferenças salariais devidas, multa, em favor do empregado discriminado, no valor de 20% do limite máximo dos
benefícios do regime geral da previdência social.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário –
Taquigrafia
No tocante às férias, de acordo com a CLT, alterada pela Lei n° 13.467/2017 e pelo entendimento sumulado do TST, considere:

I. Desde que haja concordância do empregado, as férias poderão ser usufruídas em até três períodos, sendo queum deles não
poderá ser inferior a dez dias corridos e os demais não poderão ser inferiores a cinco dias corridos, cada um.
II. É vedado o início das férias no período de dois dias que antecede feriado ou dia de repouso semanal remunerado.
III. Na modalidade do regime de tempo parcial, após cada período de doze meses de vigência do contrato detrabalho, o
empregado terá direito a férias de, no máximo, dezoito dias, para a duração do trabalho semanal superior a vinte e duas
horas, até vinte e cinco horas.
IV. O empregado que se demite antes de complementar doze meses de serviço tem direito a férias proporcionais.

Está correto o que consta APENAS em

a) I e II.

b) I e III.

c) II e IV.

d) II, III e IV.

e) III e IV.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário –


Taquigrafia
A convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre a lei, podendo ser livremente acordado, inclusive com
a redução ou a supressão, quando dispuserem sobre:

a) seguro contra acidentes do trabalho, a cargo do empregador, plano de cargos, salários e funções compatíveis com a
condição pessoal do empregado, bem como identificação dos cargos que se enquadram como funções de confiança.

b) teletrabalho, regime de sobreaviso e trabalho intermitente e valor nominal do décimo terceiro salário.

c) remuneração do trabalho noturno superior à do diurno, regulamento empresarial e participação nos lucros ou
resultados da empresa.

d) adesão ao Programa Seguro-Emprego − PSE, repouso semanal remunerado, remuneração por produtividade, incluídas
gorjetas percebidas pelo empregado, e remuneração por desempenho individual.

e) banco de horas anual, intervalo intrajornada, respeitado o limite mínimo de trinta minutos para jornadas superiores a
seis horas e troca do dia de feriado.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário –
Taquigrafia
A empresa Flor da Manhã Ltda. contratou Elisa como secretária, celebrando contrato de experiência de 45 dias.

Ao término do período, dispensou-a sob alegação de corte de pessoal. Um ano e onze meses após a dispensa, Elisa comprovou
à empresa que estava grávida na data da rescisão do contrato de trabalho, mas que não sabia, somente tendo confirmação da
gravidez três meses após a rescisão. Neste caso, de acordo com entendimento sumulado do TST,

a) a empresa deverá pagar os salários e demais direitos desde a dispensa até o término da estabilidade, uma vez que a
garantia de emprego à gestante não autoriza a reintegração, tendo em vista o ingresso com a reclamação após o
período da estabilidade.

b) Elisa não tem direito aos salários e demais direitos referentes à estabilidade provisória no emprego, uma vez que
deveria deixar a opção ao empregador de reintegrá-la ao emprego, avisando sobre a gestação somente após expirado
o prazo da estabilidade.

c) a empresa deverá pagar somente os salários e demais direitos relativos à licença-maternidade, protegendo o direito
do nascituro, uma vez que Elisa somente avisou a empresa após expirado o prazo da estabilidade.

d) Elisa não tem direito aos salários e demais direitos desde a dispensa até o término da estabilidade, pois nem mesmo
ela tinha conhecimento de sua gravidez na data da rescisão, o que, no caso, exclui a responsabilidade do empregador.

e) não existe estabilidade provisória no emprego neste caso porque a gravidez ocorreu dentro do contrato de experiência,
sendo uma das modalidade de contrato por prazo determinado.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -


Taquigrafia
Alberto e Ênio eram sócios do Auto Posto Viagem Tranquila Ltda., sendo que em 01/04/2015 Alberto vendeu sua parte na
sociedade para Leonor, tendo efetuado, nesta data, todas as alterações contratuais e registros pertinentes, indo morar fora do
país com a família. Ocorre que os sócios remanescentes passaram por dificuldades financeiras e acabaram encerrando as
atividades da empresa, sem pagar corretamente as verbas rescisórias dos três frentistas empregados do Auto Posto, não
possuindo mais nenhum patrimônio, nem seus sócios, para saldar qualquer dívida da sociedade. Neste caso,

a) Alberto responde solidariamente pelas obrigações trabalhistas do Auto Posto relativas ao período em que figurou
como sócio, somente em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato.

b) Alberto responde subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas do Auto Posto relativas ao período em que figurou
como sócio, somente em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato.

c) tendo em vista que a empresa não possui mais patrimônio, todos os sócios respondem pelas dívidas trabalhistas, sem
limite de tempo de retirada da sociedade, pois o crédito trabalhista possui natureza alimentar.

d) tendo em vista que a empresa não possui mais patrimônio, todos os sócios respondem pelas dívidas trabalhistas, mas
somente para ações ajuizadas até cinco anos depois de averbada a modificação do contrato social.

e) Alberto não possui mais nenhuma responsabilidade após sua saída da sociedade, tendo em vista que mudou-se do
país.
Ano: 2017-Banca: FCC-Órgão: TSTProva: Analista Judiciário
Taquigrafia
No tocante à representação dos empregados, considere:

I. Nas empresas, independentemente do número de empregados, é assegurada a eleição de uma comissão pararepresentá-
los, com a finalidade de promover-lhes o entendimento direto com os empregadores.
II. No caso de a empresa possuir empregados em vários Estados da Federação e no Distrito Federal, seráassegurada a eleição
de uma comissão de representantes de empregados por Estado ou no Distrito Federal. III. São atribuições dos representantes
dos empregados além de encaminhar reivindicações específicas dos empregados de seu âmbito de representação, acompanhar
o cumprimento das leis trabalhistas, previdenciárias e das convenções e acordos coletivos de trabalho.
IV. A eleição será convocada, com antecedência mínima de noventa dias, contados do término do mandato anterior, por meio de
edital que deverá ser fixado na empresa, com ampla publicidade, para inscrição da candidatura.

Tendo em vista a CLT, com as alterações introduzidas pela Lei n° 13.467/2017, está correto o que consta APENAS em

a) I e IV.

b) I e III.

c) II e III.

d) II, III e IV.

e) I, II e IV.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário –


Taquigrafia
Silvana celebrou acordo individual de banco de horas com sua empregadora Atitude Supermercado Ltda. com duração de seis
meses, sendo que prestava duas horas extras por dia, sem remuneração, para compensá-las posteriormente. Após cinco meses
de trabalho, quando existiam ainda horas excedentes prestadas, sem a devida compensação, Silvana pediu demissão,
comprovando novo emprego. Neste caso, de acordo com a CLT alterada pela Lei n°13.467/2017,

a) Silvana terá direito ao pagamento de todas as horas extras prestadas, uma vez que o banco de horas só pode ser
celebrado com prazo de um ano de duração, não produzindo efeitos jurídicos da forma como foi feito.

b) Silvana não terá direito ao pagamento das horas extras não compensadas, tendo em vista que pediu demissão e o
pagamento só dá direito no caso de rescisão do contrato de trabalho por dispensa sem justa causa.

c) Silvana terá direito ao pagamento de todas as horas extras prestadas, uma vez que o banco de horas só pode ser
celebrado por meio de convenção ou acordo coletivo de trabalho e não por acordo individual, não produzindo efeitos
jurídicos.

d) por ter pedido demissão, comprovando novo emprego, Silvana terá direito ao pagamento de, somente, metade das
horas extras não compensadas, calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão.

e) Silvana terá direito ao pagamento das horas extras não compensadas, calculadas sobre o valor da remuneração na
data da rescisão, uma vez que ocorreu a ruptura do contrato de trabalho com menos de seis meses da celebração do
banco de horas.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário –
Taquigrafia
No tocante à prestação de serviços pelo empregado em regime de teletrabalho, considere:

I. Considera-se teletrabalho a prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador,com a


utilização de tecnologias de informação e de comunicação que, por sua natureza, não se constituam como trabalho externo.
II. Poderá ser realizada a alteração entre regime presencial e de teletrabalho desde que haja mútuo acordo entreas partes,
registrado em aditivo contratual.
III. O comparecimento às dependências do empregador, para a realização de atividades específicas que exijam apresença do
empregado no estabelecimento, descaracteriza o regime de teletrabalho.
IV. O empregador não terá como instruir o empregado quanto às precauções a tomar, a fim de evitar doenças eacidentes do
trabalho, uma vez que não terá como fiscalizar o ambiente de trabalho do empregado.

Tendo em vista as alterações da CLT pela Lei n° 13.467/2017, está correto o que consta APENAS em a) I e IV.

b) I, II e III.
c) II e III.
d) I e II.
e) III e IV.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário –


Taquigrafia
No tocante à rescisão do contrato de trabalho, considere:

I. Nas dispensas imotivadas plúrimas há necessidade de autorização prévia de entidade sindical ou de celebraçãode convenção
ou acordo coletivo de trabalho para sua efetivação.
II. As dispensas imotivadas individuais, plúrimas ou coletivas equiparam-se para todos os fins, não havendonecessidade de
autorização prévia de entidade sindical ou de celebração de convenção coletiva ou acordo de trabalho para sua efetivação.
III. O pagamento dos valores constantes do instrumento de rescisão ou recibo de quitação deverá ser efetuadoaté dez dias
contados após o término do contrato de trabalho, já a entrega ao empregado dos documentos que comprovem a comunicação
da extinção contratual aos órgãos competentes pode ser feita em até trinta dias contados após o término do contrato de trabalho.
IV. Tanto a entrega dos documentos que comprovem a comunicação da extinção contratual aos órgãos competentes quanto
o pagamento dos valores constantes do instrumento de rescisão ou recibo de quitação deverão ser efetuados até dez dias
contados a partir do término do contrato.

De acordo com a CLT e com as alterações feitas pela Lei n° 13.467/2017, está correto o que consta APENAS em a) III.

b) I e III.

c) II.

d) II e IV.

e) IV.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Judiciária
Com relação à remuneração do empregado, considerando a legislação trabalhista em vigor, analise:

I. Compreendem-se, na remuneração do empregado, para todos os efeitos legais, além do salário devido e pagodiretamente
pelo empregador, como contraprestação do serviço, as gorjetas que receber, desde pagas espontaneamente pelo cliente.
II. Integram o salário não só a importância fixa estipulada, como também as comissões, percentagens, gratificações ajustadas,
diárias para viagens que não excedam 50% do salário, e abonos pagos pelo empregador. III. Cessada pela empresa a cobrança
da gorjeta, desde que cobrada por mais de doze meses, essa se incorporará ao salário do empregado, tendo como base a média
dos últimos doze meses, salvo o estabelecido em convenção ou acordo coletivo de trabalho.
IV. Constitui obrigação do empregador anotar em CTPS e nos contracheques dos empregados o percentualrecebido a título
de gorjetas, tanto as espontâneas, como aquelas cobradas pela empresa como serviço ou adicional.
V. Constitui salário do empregado o custeio pelo empregador de educação, em estabelecimento de ensino próprioou de
terceiros, compreendendo os valores relativos a matrícula, mensalidade, anuidade, livros e material didático.

Está correto o que consta APENAS em


a) II, IV e V.
b) I, II e V.
c) III e IV.
d) I, III e IV.
e) III e V.

Ano: 2017-Banca: FCC-Órgão: TSTProva: Analista Judiciário Área


Administrativa
Atenção: Para responder à questão, considere também o texto da Lei n° 13.467/2017.

Gosto Bom Ltda., indústria alimentícia, terceirizou os serviços do setor de embalagens dos seus produtos e, para tanto, contratou
a empresa Pacote Forte Embalagens Ltda., de propriedade de seu antigo gerente industrial, que pediu demissão exatamente para
fundar esta empresa. Esse é o primeiro contrato de prestação de serviços firmado pela Pacote Forte Embalagens Ltda., quatro
meses depois de iniciar suas atividades. No contrato de prestação de serviços pactuado restou previsto que os empregados da
contratada farão jus a salário equivalente ao pago aos empregados da contratante. Os serviços contratados são executados nas
dependências da tomadora.
Considerando as regras legais sobre terceirização de serviços,

a) a embalagem dos produtos faz parte da cadeia de produção da empresa, caracterizando-se como atividade fim e,
portanto, é ilegal a terceirização realizada.

b) a pactuação de salário para os empregados da contratada igual ao que é pago aos empregados da contratante
descaracteriza a terceirização, tornando-a ilegal e levando à formação do vínculo de emprego diretamente com a
contratante.

c) o fato de a empresa Pacote Forte Embalagens Ltda. ser de propriedade de um antigo gerente e de a contratação ter
ocorrido apenas quatro meses após o início das atividades dessa empresa, não implica em ilegalidade da terceirização
realizada.

d) os empregados da Pacote Forte Embalagens Ltda. que prestam serviços à Gosto Bom Ltda. têm asseguradas as
mesmas condições relativas a atendimento médico ou ambulatorial existente nas dependências da contratante ou
local por ela designado.

e) o contrato de prestação de serviços conterá a qualificação das partes, a especificação do serviço a ser prestado, o
prazo para realização do serviço, quando for o caso, e a indicação expressa do nome de cada um dos empregados da
contratada que irão prestar os serviços, não podendo haver substituição até final duração do contrato.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Analista Judiciário -
Área Administrativa
Ulisses foi contratado pela empresa Copo de Leite Laticínios Ltda. como auxiliar de produção, para o cumprimento de jornada de
8 horas diárias de segunda à sexta-feira, com intervalo de 1 hora para repouso e alimentação. Alegando necessidades da
produção, duas vezes por semana o empregador passou a fracionar o intervalo intrajornada de Ulisses em três períodos de 20
minutos cada um e, nos outros três dias da semana, passou a conceder apenas 40 minutos de intervalo. Em relação a essa
situação, o fracionamento do intervalo intrajornada

a) não é permitido para as atividades exercidas por Ulisses e a redução do intervalo implica no pagamento pelo
empregador dos minutos suprimidos, com um acréscimo de 50% sobre o valor da remuneração da hora normal de
trabalho, tendo tal pagamento natureza indenizatória.

b) não é permitido para as atividades exercidas por Ulisses e a redução do intervalo implica no pagamento pelo
empregador do período total do intervalo, com acréscimo de 50% sobre o valor da remuneração da hora normal de
trabalho, tendo tal pagamento natureza salarial.

c) é permitido para as atividades exercidas por Ulisses no caso de necessidade de produção, mas somente em dois
períodos de 30 minutos cada um e a redução do intervalo implica no pagamento pelo empregador do período total
do intervalo, com acréscimo de 50% sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho, tendo tal pagamento
natureza salarial.

d) é permitido para as atividades exercidas por Ulisses no caso de necessidade de produção e a redução do intervalo
implica no pagamento pelo empregador dos minutos suprimidos, com um acréscimo de 50% sobre o valor da
remuneração da hora normal de trabalho, tendo tal pagamento natureza indenizatória.

e) é permitido para as atividades exercidas por Ulisses no caso de necessidade de produção e a redução do intervalo
implica no pagamento pelo empregador do período total do intervalo, com acréscimo de 50% sobre o valor da
remuneração da hora normal de trabalho, tendo tal pagamento natureza indenizatória.

Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Juiz do trabalho


A respeito das formas de invalidade do contrato de emprego, a doutrina e a jurisprudência prevalentes estabelecem que

a) o reconhecimento de relação empregatícia do apontador de jogo do bicho é possível, uma vez que não se trata de
objeto ilícito, mas sim de um vício que gera nulidade relativa.

b) a contratação do serviço suplementar do trabalhador bancário, seja na admissão ou no curso do contrato, não é
considerada nula, logo, não gera efeito pecuniário em razão do princípio da livre autonomia da vontade contratual
que determina que as relações contratuais de trabalho podem ser objeto de livre estipulação das partes interessadas.

c) se convalidam os efeitos do contrato de trabalho que, considerado nulo por ausência de concurso público, quando
celebrado originalmente com ente da Administração pública indireta, continua a existir após a sua privatização.

d) a contratação de servidor público, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no art. 37, II e § 2° ,
da Constituição Federal, sendo afastada a teoria trabalhista das nulidades e restando negada qualquer repercussão
justrabalhista, porque o valor protegido é a realização da ordem pública.

e) o reconhecimento de relação de emprego entre policial militar e empresa privada não é legítimo, mesmo que presentes
os requisitos previstos em lei trabalhista, em razão de exercício de trabalho ilícito por expressa vedação legal, cabendo
penalidade disciplinar prevista no estatuto administrativo da corporação militar.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Juiz do trabalho
Em relação à formação histórica do Direito do Trabalho, considere:

I. Nas formações socioeconômicas centrais, como no caso da Europa Ocidental, a legislação trabalhista, desde seunascedouro,
cumpriu a importante missão de generalizar ao conjunto do mercado de trabalho aquelas condutas e direitos alcançados pelos
trabalhadores nos segmentos mais avançados da economia, impondo, a partir desse modelo, condições mais modernas, ágeis e
civilizadas de gestão de força de trabalho.
II. O Direito do Trabalho deve ser considerado produto cultural do século XIX e das transformações e condiçõessociais,
econômicas e políticas que colocam a relação de trabalho subordinada como núcleo do processo produtivo característico daquela
sociedade e que tornaram possível o aparecimento deste ramo novo da ciência jurídica, com características próprias e autonomia
doutrinária.
III. A doutrina clássica informa que o surgimento do Direito do Trabalho no Brasil se deu apenas por influênciasexógenas, a
saber: as transformações que ocorreram na Europa, ocasionando a crescente elaboração legislativa de proteção ao trabalhador
e o compromisso assumido pelo Brasil em ingressar na Organização Internacional do Trabalho, criada em 1919. Neste contexto,
o Código Civil de 1916 não apresentou nenhum instituto que tenha servido de supedâneo para elaboração do Direito do Trabalho
pátrio.
IV. A Constituição Federal de 1988 inovou ao trazer princípios básicos de organização sindical que não estavampresentes nas
Cartas Magnas de 1937 e 1967, como a unicidade sindical compulsória por categoria profissional ou econômica e a contribuição
sindical obrigatória às empresas e aos trabalhadores.

Está correto o que se afirma APENAS em


a) III e IV.
b) I.
c) I e II.
d) II e IV.
e) III.

Ano: 2017-Banca: FCC-Órgão: TSTProva: Juiz do trabalho


Sobre os princípios norteadores do Direito do Trabalho, considere:

I. O princípio da primazia da realidade ou do contrato realidade autoriza a descaracterização de uma pactuadarelação civil de
prestação de serviços, instrumentalizada em documento escrito, desde que, no cumprimento do contrato, despontem,
objetivamente, todos os elementos fático-jurídicos da relação de emprego.
II. O princípio da intangibilidade salarial deve ser analisado de forma absoluta, admitindo-se exceção única quando se verificar
a anuência expressa do trabalhador, por escrito, em razão da efetiva possibilidade de manutenção de seu emprego.
III. O princípio da continuidade do qual o contrato de trabalho constitui presunção favorável ao empregador emrazão da
segurança jurídica contratual, razão pela o ônus da prova, quanto ao término do contrato de trabalho, é do trabalhador, nas
hipóteses em que são negadas a prestação dos serviços e o despedimento.
IV. Em consonância com o princípio da intangibilidade contratual objetiva, a mudança subjetiva perpetrada nosujeito
empregador não se configura apta a produzir mudança no corpo do contrato, em seus direitos e obrigações.

Está correto o que se afirma APENAS em


a) II, III e IV.
b) I e II.
c) II e III.
d) I, III e IV.
e) I e IV.
Ano: 2017-Banca: FCC Órgão: TSTProva: Juiz do trabalho
A respeito de profissões com regulamentação especial, nos termos da legislação específica e da jurisprudência sumulada do
Tribunal Superior do Trabalho,

a) aos ferroviários que trabalham em estação do interior, assim classificada por autoridade competente, não são devidas
horas extras, sendo-lhes, entretanto, assegurado o repouso contínuo de onze horas, no mínimo, entre dois períodos
de trabalho, conforme previsto no artigo 66 da CLT, além do descanso semanal.

b) é vedado aos professores, aos domingos, a regência de aulas e o trabalho em exames, sendo que, no período de
exames, não será exigida a prestação de mais de seis horas de trabalho diário, ainda que mediante pagamento
complementar de cada hora excedente pelo preço correspondente ao de uma aula, acrescida de adicional de 50%.

c) o vínculo empregatício entre o salão-parceiro e o profissional-parceiro ficará configurado quando, mesmo havendo
contrato de parceria por escrito, com homologação sindical ou, na ausência, pelo órgão do Ministério do Trabalho e
Emprego, perante duas testemunhas, o profissional-parceiro desempenhar funções diferentes das descritas no
contrato de parceria.

d) a jornada de trabalho especial e reduzida para os engenheiros, prevista em lei, é de seis horas diárias e trinta horas
semanais, devendo ser pagas como extraordinárias as excedentes deste limite, respeitado o salário mínimo/horário
da categoria.

e) o contrato de trabalho do atleta profissional terá prazo determinado com vigência entre três meses e cinco anos,
ficando caracterizada a mora salarial contumaz pelo atraso do salário, no todo ou em parte, igual ou superior a três
meses, não sendo considerados para este efeito o atraso no direito de imagem e o não recolhimento do FGTS e das
contribuições previdenciárias.

Ano: 2017-Banca: FCC-Órgão: TSTProva: Juiz do trabalho


A Lei n° 12.815/2013 trouxe algumas alterações para o trabalho portuário, considerado pela doutrina como uma relação de
trabalho lato sensu. Nessa modalidade, conforme legislação aplicável,

a) caso celebrado contrato, acordo ou convenção coletiva de trabalho entre trabalhadores e tomadores de serviços, o
disposto no instrumento precederá o órgão gestor e dispensará sua intervenção nas relações entre capital e trabalho
no porto.

b) o trabalho portuário exercido pelas categorias previstas em lei não detém o enquadramento jurídico coletivo
denominado categoria profissional diferenciada, em razão da ausência de dispositivo legal neste sentido.

c) o porto organizado poderá contratar trabalhadores portuários avulsos ou com vínculo empregatício, sendo que, neste
último caso, não há óbice legal para seleção de pessoal que não esteja registrado no Órgão Gestor de Mão de Obra
− OGMO como avulso.

d) o operador portuário poderá locar ou tomar mão de obra sob o regime de trabalho temporário de que trata a Lei n°
6.019/1974 nas atividades de bloco ou vigilância de embarcações, mas não poderá fazêlo nas atividades de capatazia,
estiva, conferência de carga e conserto de carga.

e) o Órgão Gestor de Mão de Obra − OGMO responde solidariamente com os operadores portuários pela remuneração
devida ao trabalhador portuário avulso, pelas contribuições e impostos não recolhidos, mas não por indenizações
decorrentes de acidente de trabalho.
Ano: 2017-Banca: FCC-Órgão: TSTProva: Juiz do trabalho
Conforme previsões contidas na Lei do Trabalho Rural − Lei n° 5.889/1973 é INCORRETO afirmar:

a) A cessão pelo empregador de moradia e de sua infraestrutura básica, assim como a de bens destinados à produção
para sua subsistência e de sua família, não integram o salário do trabalhador rural, desde que caracterizados como
tais, em contrato escrito celebrado entre as partes, com testemunhas e notificação obrigatória ao respectivo sindicato
de trabalhadores rurais.

b) Considera-se empregador rural a pessoa física ou jurídica, desde que proprietária de área rural ou prédio rústico, que
explore, com auxílio de empregados, atividade agroeconômica, nela não incluindo a exploração industrial em
estabelecimento agrário e a exploração do turismo rural ancilar.

c) A contratação de trabalhador rural por pequeno prazo que, dentro do período de um ano, superar dois meses fica
convertida em contrato de trabalho por prazo indeterminado, observando-se os termos da legislação aplicável.

d) Toda propriedade rural que mantenha a seu serviço ou trabalhando em seus limites mais de cinquenta famílias de
trabalhadores de qualquer natureza, é obrigada a possuir e conservar em funcionamento escola primária, inteiramente
gratuita, para os filhos destes, com tantas classes quanto sejam os grupos de quarenta crianças em idade escolar.

e) Embora devendo integrar o resultado anual a que tiver direito o empregado rural, a plantação subsidiária ou intercalar
não poderá compor a parte correspondente ao salário mínimo na remuneração geral do empregado, durante o ano
agrícola.

Ano: 2017-Banca: FCC -Órgão: TSTProva: Juiz do trabalho


A constatação de que a execução de atividades profissionais podem gerar riscos à saúde e à integridade física do trabalhador
construiu um arcabouço de proteção, elevando a questão relativa à saúde e segurança do trabalho ao patamar de direito
fundamental do empregado. Nesse aspecto, à luz da legislação e da jurisprudência consolidada do Tribunal Superior do Trabalho,

a) o adicional de periculosidade será devido ao trabalhador exposto de forma permanente à violência física na execução
de atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial, mas serão descontados ou compensados do adicional
outros da mesma natureza eventualmente já concedidos ao vigilante por meio de acordo coletivo.

b) o direito do trabalhador ao adicional de insalubridade ou de periculosidade cessará com a eliminação do risco à sua
saúde ou integridade física, entretanto, havendo percepção por dez anos ou mais, haverá incorporação do adicional
ao salário do empregado para reparar os riscos sofridos.

c) o adicional de periculosidade, pago em caráter permanente, integra o cálculo de indenização de horas extras e horas
de sobreaviso, como forma de reparação integral do risco à vida sofrido pelo trabalhador.

d) o mero fornecimento gratuito do equipamento de proteção individual − EPI, com a devida indicação do Certificado de
Aprovação do órgão ministerial do trabalho, exime o empregador do pagamento do adicional de insalubridade.

e) a constatação da insalubridade por meio de laudo pericial oficial é suficiente para que o empregado tenha direito ao
respectivo adicional em razão da exigência legal da realização da perícia a cargo de médico ou engenheiro do trabalho,
ainda que a atividade não se insira na relação oficial exemplificativa elaborada pelo Ministério do Trabalho e Emprego.