Você está na página 1de 49

USINAS HIDRELÉTRICAS

Antônio João – Carlos Alberto


Construção
No mundo todo, as usinas hidrelétricas produziram
19% da eletricidade consumida em 2005, segundo o
Renewables Global Status Report 2006. As usinas
hidrelétricas produzem um total de 930 mil
megawatts, energia equivalente a cerca de 5 bilhões
de barris de petróleo.
Construção
 O Brasil está entre os cinco maiores produtores de
energia hidrelétrica no mundo, segundo Banco de
Informações da Geração(BIG) da Aneel.
Atualmente operam no país 159 usinas
hidrelétricas, que produzem um total de 74,632 mil
MW (novembro/2008).
 Em novembro de 2008, as usinas hidrelétricas,
independentemente de seu porte, respondem,
portanto, por 75,68% da potência total instalada
no país, de 102,262 mil MW
Construção
 A viabilidade técnica de cada caso deve ser
analisada individualmente por especialistas em
engenharia ambiental e especialista em engenharia
hidráulica, que geralmente para seus estudos e
projetos utilizam modelos matemáticos, modelos
físicos e modelos geográficos.
Construção
 O cálculo da potência instalada de uma usina é
efetuado através de estudos energéticos que são
realizados por engenheiros mecânicos, eletricistas e
civis. A energia hidráulica é convertida em energia
mecânica por meio de uma turbina hidráulica, que por
sua vez é convertida em energia elétrica por meio de
um gerador, sendo a energia elétrica transmitida para
uma ou mais linhas de transmissão que é interligada à
rede de distribuição.
Construção
 Primeiro, é necessário desviar o rio de seu curso
natural e secar seu leito, para depois iniciar o
trabalho de erguer a barragem e a usina de força.
Nessas realizações, geralmente a quantidade de
mão de obra empregada é muito grande.
Área alagada
com a construção
da Usina
Hidrelétrica de
Jirau.
Construção
 A hidrelétrica de Itaipu, por exemplo, na fronteira
entre o Brasil e o Paraguai, mobilizou cerca de
80.000 pessoas, desde operários, técnicos e seus
familiares, até comerciantes e outros profissionais.
Construção
 A construção dessa usina (com capacidade para
gerar 12,6 milhões de quilowatts, obtidos através
do represamento de uma área de 1400 km2 )
exigiu sete anos de trabalho, a cooperação entre o
Brasil e o Paraguai, e um investimento de mais de 2
bilhões de dólares.
Construção
 Para transformar a força das águas em energia
elétrica, a água represada passa por dutos
forçados, gira a turbina que, por estar interligada
ao eixo do gerador, faz com que este entre em
movimento, gerando a eletricidade.
Tipos de turbinas hidráulicas.
 A turbina hidráulica possui uma grande
variedade de formas e tamanhos, efetua a
transformação da energia hidráulica em
energia mecânica. E dividem-se entre quatro
tipos principais: Pelton, Francis, Kaplan, Bulbo.
Tipos de turbinas hidráulicas.
 Cada um destes tipos é adaptado para funcionar em
usinas, como uma determinada faixa de altura de
queda. As vazões volumétricas podem ser igualmente
grandes em qualquer uma delas, mas a potência será
proporcional ao produto da queda (H) e da vazão
volumétrica (Q).

16
Tipos de turbinas hidráulicas.
 Em todos os tipos há alguns princípios de
funcionamento comuns. A água entra pela
tomada d´àgua, a montante da usina que está
numa nível maior, e é levada através de um
conduto forçado até a entrada da turbina.

17
Tipos de turbinas hidráulicas.
 Lá a agua passa por um sistema de
palhetas guias móveis, que controlam a
vazão volumétrica fornecida à turbina.
Para se aumentar a potência as
palhetas se abrem, para diminuir a
potência elas se fecham. Após passar
por este mecanismo a água chega ao
rotor da turbina.
18
Classificação dos Tipos de turbinas
hidráulicas.
 De acordo com a queda dágua os principais tipos de
turbina hidráulica são respectivamente:
 Pelton
 Francis
 Kaplan
 Bulbo
19
Turbina Pelton.
 Essa turbina foi idealizada por volta de 1880
pelo americano Pelton de onde se originou o
nome.
 São adequadas para operar entre quedas de

350 m até 1100 m, sendo por isto muito


mais comuns em países montanhosos.
20
Turbina Pelton.
 Este modelo de turbina opera com
velocidades de rotação maiores que os
outros, e tem o rotor de característica
bastante distintas. O que se vê é o rotor ao
centro, cercado por bocais.

21
Turbina Pelton.
 Cada um bocal é controlado por um servo
motor e tem uma válvula na forma de
agulha para o controle da vazão. Os jatos
de água ao se chocarem com as "conchas"
do rotor geram o impulso.

22
Turbina Pelton.
Um dos maiores problemas destas turbinas, devido à alta
velocidade com que a água se choca com o rotor, é a
erosão provocada pelo efeito abrasivo da areia
misturada com a água, comum em rios de montanhas. As
turbinas pelton, devido a possibilidade de acionamento
independente nos diferentes bocais, tem uma curva geral
de eficiência plana, que lhe garante boa performance em
diversas condições de operação.

23
Turbina Pelton.

24
Turbina Pelton.

25
Turbina Pelton.

26
Turbina Pelton.

27
Turbina Francis.
 A turbina Francis foi idealizada em 1849, tendo o nome do
seu inventor, sendo que a primeira turbina foi construída
pela firma J.M. Voith em 1873, passando desde então por
aperfeiçoamentos constantes.

28
Turbina Francis.
 Tem sido aplicada largamente, pelo fato das
suas características cobrirem um grande
campo de rotação específica. Atualmente se
constroem para grandes aproveitamentos,
podendo ultrapassar a potência unitária de
750 MW.
29
Turbina Francis.
 A roda Francis apresenta um íntimo contato com a
água que percorre os seus canais, não sendo, por
isto, recomendável o seu emprego em usinas cuja
água possua alto teor de sólidos em suspensão, que
acarretam excessivo desgaste da roda por erosão.
 As turbinas Francis podem ser instaladas de eixo
horizontal ou vertical, sendo este último mais comum
nas usinas de grande potencia.
30
Turbina Francis.

31
Turbina Francis.

32
Turbina Kaplan.
 O conceito de máquinas Kaplan verticais é
possível dentro de uma faixa de queda entre
20 m e 70 m e rotores de 3 a 8 pás cobrem
toda esta faixa operacional.

33
Turbina Kaplan.
 As turbinas deste tipo, com pás móveis no rotor,
passaram a ser chamadas de turbinas Kaplan,
enquanto as pás fixas receberam o nome de
turbinas Hélice.
 Cada pá está individualmente presa à ogiva,
possuindo movimento de rotação em torno de seus
próprio eixo, mudando de ângulo. Este movimento
é simultâneo para todas as pás.
34
Turbina Kaplan.

35
Turbina Bulbo.
 A turbina bulbo apresenta-se como uma
solução compacta da turbina Kaplan, podendo
ser utilizada tanto para pequenos quanto para
grandes aproveitamentos. Se caracteriza por ter
o gerador montado na mesma linha da turbina
em posição quase horizontal e envolto por um
casulo que o protege do fluxo normal da água.
36
Turbina Bulbo.
 É empregada na maioria das vezes para
aproveitamentos de baixa queda e quase
sempre a fio d’água. Sua concepção compacta
de uma turbina Kaplan reduz
consideravelmente o volume das obras civis,
tornando a mesma de menor custo.
37
Turbina Bulbo.

38
Custo de instalação da UHE
 O preço de uma hidrelétrica pode variar muito, de
acordo com a localização da construção, a
capacidade de geração de energia, o tamanho do
vertedouro, a necessidade de terraplenagem entre
outras coisas, tendo em vista que uma hidrelétrica é
composta por diversas obras.

39
Custo de instalação da UHE Belo Monte
 Os estudos de viabilidade técnica e econômica informam um
investimento global, nos termos do Orçamento Padrão
Eletrobrás (OPE), de R$ 17, 3 bilhões. Esse valor estava
cotado a preços de dezembro de 2008, sem juros durante
a construção e sem incluir custos do sistema de transmissão.
A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) definiu, em março
de 2010, o custo das obras em R$ 19 bilhões, valor
ratificado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

40
Custo do MWh
 O preço do MWh a ser gerado em Belo está
associado, basicamente, ao custo da usina e do
correspondente sistema de transmissão de uso
exclusivo. Naturalmente, o preço final da energia,
nos centros de consumo, envolve também as tarifas
de uso dos sistemas de transmissão e distribuição
(TUST e TUSD).
41
 Quanto mais distante estiver o aproveitamento
hidrelétrico dos centros de consumo, maior será o custo
do sistema de transmissão. O Brasil já utilizou os
principais aproveitamentos hidrelétricos mais próximos
aos centros de consumo. Com isso, a tendência é que
haja um aumento progressivo no valor devido ao
aproveitamento de rios mais distantes. No caso da UHE
de Belo Monte, o Ministério de Minas e Energia (MME)
definiu o preço mínimo em R$ 83 por MWh.
42
UHE Jirau
 Valor total do empreendimento foi definido em R$ 8,7
bilhões pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE)
 O aporte de garantias dos investidores para
participação no leilão corresponde a 1% do valor do
investimento, ou seja, aproximadamente R$ 87 milhões.,
com data de referência de outubro de 2007.

43
Processo de geração
 A energia potencial associada a um certo volume
de água e a uma certa altura de queda é
convertida em energia cinética pela passagem
por uma tubulação.
 Ao incidir nas pás da turbina esta energia cinética
é convertida em energia mecânica, resultando no
movimento rotativo do conjunto turbina-gerador.
44
Diagrama Geral de uma Usina Hidrelétrica

45
O Processo de Conversão de Energia

46
Energia Potencial Energia Mecânica

47
 No gerador a energia mecânica é
transformada em energia elétrica por meio de
fenômenos eletromagnéticos.

48