Você está na página 1de 20

Neste guia rápido, você encontrará uma revisão das habilidades que visam as áreas

centrais do trabalho clínico, conforme apresentado nos Capítulos 4–7. Cada seção é
ilustrada por exemplos de frases típicas que você pode dizer ao seu cliente neste
contexto. Nós encorajamos você a usar este guia rápido como uma folha de cola
enquanto pratica habilidades em dramatizações e supervisões, ou antes de uma
sessão com um cliente.
Em nossa experiência, a melhor maneira de integrar novas habilidades em sua
clínica O repertório é escolher um e praticá-lo repetidamente até um nível
satisfatório de o domínio foi alcançado. Por exemplo, se seu objetivo é melhorar sua
capacidade ajudar os clientes a observar e descrever suas experiências por meio de
uma perspectiva você pode querer classificar sua competência na linha de base em
uma escala de 10, perspectiva prática tendo para este fim em dramatizações ou em
sessões reais, e avalie-se a cada vez, até atingir sistematicamente uma pontuação
de pelo menos 8.
Então, você pode passar para outra habilidade, usando a mesma abordagem.

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA (CAPÍTULO 4)

Criando um Contexto Experiencial para Avaliação

Concentre-se na experiência do cliente


• ​Incentive o cliente a fazer sua própria observação e descrição.
○ ​Faça perguntas que evoquem observação e descrição (por exemplo, “Como ​você
estava se sentindo naquele momento? ”; “Como você respondeu a esta situação?”;
"O que você sente vontade de fazer a seguir?"
○ ​Ofereça reformulações que refinem a observação e descrição do cliente
(por exemplo, "Então, você está dizendo que... Isso está certo?").
○ ​Permaneça claramente aberto à visão do cliente enquanto compartilha suas
próprias
observações (por exemplo, "estou notando muita ansiedade agora. É isso que você
está experimentando? ”; "Eu notei que você nunca fala sobre sua esposa, e eu
estava perguntando se é um tópico que você preferiria evitar. É esse o caso? ”).
• ​Melhorar a compreensão mútua.
○ ​Parafrasear (por exemplo, "parece que o que você está dizendo é ... é isso
mesmo​? ”; “Eu gostaria de ter certeza de que entendi o que você está dizendo.
Posso parafrasear o que você acabou de dizer? ”).
○ ​Use a perspectiva (por exemplo, ​“Se eu estivesse no seu lugar, eu me sentiria
bem ​ansioso. É assim que você está se sentindo? ”; “Eu gostaria de ver essa
situação da sua perspectiva. Você pode me ajudar a imaginar como é para você? ”).

Conecte o Processo Terapêutico à Vida do Cliente


• ​Use o enquadramento de coordenação para chamar a atenção para experiências
semelhantes (por exemplo, ​o que você está sentindo agora é semelhante ao que
você experimentou na situação que você descreveu anteriormente? ”; "Eu notei que
você muda o tema da nossa conversa algumas vezes. É isso que você também faz
quando fala com seus amigos sobre sua vida pessoal? ”).
• ​Use o enquadramento analógico para chamar a atenção para funções
semelhantes (por exemplo, “Então, se ​você evita olhar para mim, então fica menos
preocupado com o que eu possa pensar. Será que beber álcool tem um efeito
similar em sua ansiedade sobre trabalhos?").
• ​Use a tomada de perspectiva para trazer diferentes situações para a sala de
terapia.
○ ​Enquadramento dêitico interpessoal ​(por exemplo, “Imagine que eu sou seu
parceiro e nós estamos ​tendo uma conversa casual. Como seria o tom da sua
voz? agora? Você pode me mostrar?").
○ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Imagine que você está sozinho em
seu apartamento ​agora mesmo. Como você está se sentindo agora?").

Avaliando a sensibilidade do contexto


Avaliar a sensibilidade a antecedentes
• ​Use o enquadramento temporal para identificar o que acontece antes de uma
resposta (por exemplo, ​“O que aconteceu logo antes de você começar a se sentir
assim?”; "O que você nota em seu corpo antes de sair da sala? ”; “Quando você
tende a ter estas reações? ”).
• ​Use o enquadramento espacial para identificar situações (por exemplo, “Onde
você tem essas ​tipos de desejos? ”; “Em que lugares você tende a se sentir
assim?”.
• ​Use o enquadramento condicional para identificar os gatilhos de uma resposta (por
exemplo, “O que ​você se sentiria se alguém criticasse você? ”; ​"Como você
responde a sua esposa se ela diz que te ama? ”).
• ​Use o enquadramento temporal para identificar o que acontece após uma resposta
(por exemplo, ​“E ​então o que aconteceu?"; “O que você notou depois de fazer
isso?”).
• ​Use o enquadramento condicional para identificar as consequências de uma
resposta (por exemplo ​“O que acontece como resultado de evitar falar sobre
lembranças dolorosas?”; “Qual o impacto que o cancelamento do seu encontro
teve?”).
• ​Use distinção ou enquadramento de comparação para identificar alterações
resultantes de ​ações (por exemplo, “O que é diferente depois de beber álcool?”;
“Você se sente mais ou menos deprimido depois de assistir televisão? ”).
• ​Use o enquadramento temporal para explorar as consequências a longo e a curto
prazo ​(por exemplo, "E então, o que aconteceu?"; "E a longo prazo?").
• ​Use o enquadramento temporal para explorar a variabilidade das consequências
(por exemplo, “Como ​freqüentemente isso acontece como resultado de fazer isso? ”;
"Você diria que o que acontece depois que você faz isso sempre, frequentemente
ou de tempos em tempos? ”).
• ​Use o enquadramento espacial para explorar as consequências em diferentes
domínios (por exemplo, “Então, ​Não confiar em outras pessoas impede que você
seja ferido no trabalho. E o quê acontece em seus relacionamentos íntimos? ”;
“Você está dizendo que fazendo esses rituais diminui sua ansiedade quando você
está em casa. O que acontece quando você está no trabalho?").

Avaliando a coerência

Avalie a fluência e flexibilidade relacional


• ​Avaliar o enquadramento de coordenação (por exemplo, “O que mais está
acontecendo neste ​momento?"; “Essas duas coisas podem vir juntas?”; “Você vê
qualquer similaridade entre o que você está sentindo aqui e o que você está
sentindo quando está cercado por estranhos? ”).
• ​Avaliar o enquadramento de distinção (por exemplo, “Você percebe alguma
diferença?”; “O que é ​não está lá?"; ​"Como você sabe quando você não está
feliz?"
• ​Avaliar o enquadramento da oposição ​(por exemplo, “Qual é o oposto de você ficar
entediado​?"; "O que você poderia fazer em vez de sair?").
• ​Avalie o enquadramento de comparação ​(“Há momentos em que você está menos
confiante?"; “Você se sente mais ou menos ansioso agora?”).
• Avaliar o enquadramento temporal e espacial (por exemplo, “Onde você se sente
essas sensações? ”; "Quando você tem esses desejos?"
• ​Avalie o enquadramento condicional (por exemplo, “​O que aconteceria se você
passasse mais ​tempo com sua esposa? ”; “O que você faria se tivesse todo o tempo
no mundo?").
• ​Avaliar o enquadramento deítico (por exemplo, “Se você fosse eu, como
responderia a ​essa questão?"; “Se você fosse você daqui a 10 anos, qual seria a
sua vida? gostar?").
• ​Avaliar o enquadramento hierárquico ​(ex .: “Existe algo maior que inclui ​este
objetivo?"; “Que parte de você mesmo diz isso?”).
• ​Avaliar o enquadramento analógico (por exemplo, “​Se este trabalho fosse uma
jornada, você ​viajaria sozinho ou com um companheiro? ”; “Parece que você está
em uma encruzilhada. Que direção você quer tomar? ”; “Existe uma imagem que
possa representar como você está se sentindo agora? ”​).

Avaliar regras e seguir regras


• ​Explorar regras.
○ ​Pergunte o que o cliente está pensando antes / durante / após um comportamento
(por exemplo, O ​você tinha em mente quando estava prestes a sair do quarto? ”; "O
que você está pensando agora? ”; “Que pensamentos vêm à sua mente enquanto
você reflete sobre o que você fez?").
○ ​Pergunte como o cliente explica ou justifica um comportamento (por exemplo, “Por
que você ​quer que ela saiba como você estava se sentindo? ”; "Por que você
decidiu ficar na cama ao invés de ir trabalhar? ”; “Estou curioso para saber mais
sobre o que levou você a fazer isso. ”).
• ​Explorar a sequência de regras.
○ ​Pliance.
∎ ​Use enquadramento de distinção / oposição para remover a influência social (por
exemplo, ​“Se ​ninguém se importasse com o que você deveria fazer, você ainda
tomaria essa decisão?").
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para tornar a influência social não
contingente (por exemplo, ​"Se seus pais estivessem felizes, não importa o que você
fizesse com sua vida, você ainda acha que deveria ir para a faculdade? ”).
∎ ​Use a tomada de perspectiva para explorar contextos com menor influência social:
□ ​Enquadramento dêitico interpessoal (por exemplo, “Se você fosse alguém que não
se importasse com o que as pessoas pensam, você ainda acredita que isso é a
coisa certa para fazer?").
□ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Se você estivesse em uma
comunidade onde pessoas ​nunca julgassem o que você faz ou acredita, você ainda
gostaria de fazer isso?").
□ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “Imagine que você está daqui a 60
anos. ​Você não é um adolescente que ouve seus pais mais, mas o avô velho que é
ouvido por seus filhos. O que você sente está agora? ”).
○ ​Acompanhamento não aplicável.
∎ ​Use o enquadramento condicional para avaliar a viabilidade de seguir a regra
(por exemplo, "Se isto é certo, então o que você deve fazer a seguir?" realmente faz
isso? ”; “Você já tentou fazer isso?”).
∎ ​Use o quadro dêitico interpessoal para distinguir as regras que ​outros ​podem
seguir ​das regras que ​o cliente pode seguir (por exemplo, "isso é algo que você
deve fazer ou algo que outras pessoas deveriam fazer? ”; “Então, se você fosse ela,
você lidaria com esta situação de forma diferente? O que você quer fazer então? ”).
○ ​Acompanhamento impreciso.
∎ ​Use o enquadramento condicional para identificar as conseqüências de seguir
regra (por exemplo, “E quando você usa essa estratégia, o que você experimenta
como consequência?"; “Funciona para seguir esta regra?”).
∎ ​Use o enquadramento temporal para identificar as conseqüências de seguir a
regra ​ao longo do tempo (por exemplo, "Então, quando você segue essa estratégia,
parece funcionar no momento. E a longo prazo? ”)
∎ ​Use o enquadramento temporal para explorar as conseqüências variáveis ​de
seguir ​a regra (por exemplo, "Há momentos em que seguir esta estratégia não
funciona?").
∎ ​Use o enquadramento espacial para explorar as conseqüências de seguir a regra
entre situações (por exemplo, “Então, você sente que compartilhar sua opinião com
seus colegas não é apreciado. Que tal com o seu amigos?").
∎ ​Use a perspectiva para mudar o contexto da sequência de regras.
□ ​Enquadramento Dêitico Interpessoal (por exemplo, “Você aconselharia o seu
melhor ​amigo para seguir a mesma estratégia? ”).
□ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “Se você tomasse decisões na sua
vida seguindo esta crença, você acha que daqui 10 anos, você vai olhar para trás e
dizer que você estava certo? ”).
○ ​Acompanhamento levando a picos adaptativos.
∎ ​Use o enquadramento espacial e temporal para explorar o custo de seguir o ​regra
através de situações e ao longo do tempo (por exemplo, "existem áreas da sua vida
que sofrem por viver assim? ”; “Então, usar drogas ajuda você a melhor no trabalho.
Que impacto isso terá em sua saúde a longo prazo?").
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para explorar outras fontes de satisfação
negligenciada por seguir a regra (por exemplo, ​“há outras coisas que podem trazer
satisfação em sua vida que você não pode ter ou fazer porque você está vivendo
sua vida desse jeito? ”).
∎ ​Use o enquadramento de comparação para explorar maiores fontes de satisfação
negligenciada seguindo a regra (por exemplo, ​“é como você sonhava, ou você
deseja que sua vida fosse mais excitante? ”).

ATIVANDO E MOLDANDO A MUDANÇA DE COMPORTAMENTO (CAPÍTULO 5)


Aumentando a Consciência Contextual Funcional

Forma de Observação de Experiências


• ​Use orientação não-verbal.
○ ​Dicas visuais (por exemplo, apontando para partes do corpo, expressões faciais).
○ ​Sugestões auditivas (por exemplo, ritmo, tom e volume da voz; campainha).
○ ​Dicas táteis (por exemplo, tocar uma parte do corpo).
• ​Use orientação verbal.
○ ​Dicas espaciais (por exemplo, “Observe o que está acontecendo aqui”; “Observe a
sensações em ​seu corpo. ”; “Concentre-se em sua respiração.”; “Imagine sua casa e
como você se sente quando está lá. ”
○ ​Sinais temporais (por exemplo, “Observe como você está se sentindo agora”.
“Você pode se lembrar? ​como você estava se sentindo então? ”; "Observe o que
está passando pela sua mente neste momento. ”; “Lembre-se de como você
experimentou se sentir sozinho quando você era jovem.").
• ​Se o cliente ficar preso:
○ ​Use o enquadramento analógico para tornar a observação mais concreta (por
exemplo, ​você está ouvindo essa sensação. ”; "Olhe para este pensamento como se
fosse um pintura.").
○ ​Use a perspectiva para obter insight.
□ ​Enquadramento Dêitico Interpessoal (por exemplo, “Pense num momento em que
a sua esposa ficou triste e observe o que você pode ver no rosto dela ”; "Imagine
você era uma das pessoas que viu você ter um desses pânico ataques. ”).
□ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Vamos mudar de lugar em nossas
mentes e ​observe o que podemos ver desses diferentes pontos de vista ”.
□ ​Enquadramento Dêitico temporal (por ex., “Imagine que você esteja daqui a 2
horas ​e você se lembra desse momento. ”
Forma Descrição das Experiências
• ​Incentive a descrição neutra.
○ ​Use o enquadramento de coordenação para nomear experiências (“O que você
sente?”; ​“O que você ouve?”; “O que você estava pensando naquele momento?”; "O
que é essa sensação como? ”).
○ ​Use o enquadramento hierárquico para categorizar e rotular experiências (por
exemplo, "Você está tendo ​uma emoção. . . ”; “Que pensamentos você percebe?”;
“É uma sensação de cansaço ou excitação? ”).
• ​Incentive uma descrição mais precisa.
○ ​Use o enquadramento de distinção para explorar as diferenças (por exemplo,
“Como esta sensação é​ diferente daquela?"
○ ​Use o enquadramento de comparação para explorar as diferenças ao longo das
dimensões (por exemplo, ​mais ou menos intenso? ”; “Está mais perto de irritação ou
raiva?”; "Você sente esta sensação mais em seu peito ou em sua garganta? ”).
• ​Se o cliente ficar preso:
○ ​Use o enquadramento analógico para tornar a descrição mais concreta (por
exemplo, “Se essa emoção tivesse ​um tamanho, uma forma e uma cor, o que seria?
”; "Imagine esse sentimento era uma cena, como você descreveria? ”; "Você pode
tomar um postura que representa esse sentimento? ”; "Você pode desenhar essa
emoção que você está tendo?"; "Que música representaria melhor como você está
se sentindo?").
○ ​Use a perspectiva para obter insight.
∎ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “Quando você sai do meu
escritório e você ​lembre-se desses sentimentos que você está tendo durante nossas
conversas, o que palavras vêm à mente? ”).
∎ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Se você estivesse sentado lá
olhando para ​você agora, o que você veria? ”).
Rastreamento de Forma de Relações Funcionais entre Experiências
• ​Incentivar a observação e descrição da contingência (antecedente → ​resposta →
conseqüência).
○ ​Use o enquadramento temporal para identificar correlações entre experiências
(por exemplo, ​“Como você se sente antes de sair da sala?”; "O que acontece
quando você olha para ela desse jeito? ”; "O que você notou depois que você
decidiu para ficar em casa?").
○ ​Use o enquadramento condicional para identificar relações causais (por exemplo,
“O que ​canetas se você beber álcool quando se sentir ansioso? ”; “O que
desencadeia isso sentindo-me?"; “O que acontece como resultado de não falar?”).
• ​Incentive uma descrição mais precisa.
○ ​Use o enquadramento de distinção para explorar as diferenças (por exemplo, “o
que você não ​experiência depois de ligar para o seu amigo pedindo ajuda? ”; “O que
é diferente depois você responde dessa maneira? ”).
○ ​Use o enquadramento de comparação para explorar as diferenças ao longo das
dimensões (por exemplo, ​“Você se sentiu mais ou menos deprimido depois de
cancelar sua reunião?”).
○ ​Use o enquadramento temporal para extrair consequências adicionais (por
exemplo, “E ​então o que acontece? ”; “E a longo prazo?”).
○ ​Use o enquadramento espacial para explorar várias situações (por exemplo, “Em
intera-​No trabalho, você se sente assustado e fica quieto. E em interações sociais
ções fora do trabalho? ”; “Em que situações você está mais propenso a responder
ao seu medo escapando? ”).
• ​Se o cliente ficar preso:
○ ​Use o enquadramento analógico para facilitar a observação das relações
funcionais ​e descreva.
∎ ​Metáforas (por exemplo, ​“Se sentir ansioso era como pisar em areia movediça,
qual seria o seu próximo passo? ”; “Se você tivesse filmado esse momento com
uma câmera, o que veríamos nesse filme? ”).
∎ ​gestos (por exemplo, mover uma mão da esquerda para a direita enquanto
reformulações ​a contingência).
○ ​Use a perspectiva para obter insight.
∎ ​Enquadramento Dêitico Interpessoal (por exemplo, “Se alguém disse isso a você,
como ​você estaria se sentindo? ”; “Se eu perguntasse a sua esposa, o que ela diria
a você? quando você se sente desconfortável? ”).
∎ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Imagine que você estava do outro
lado do ​mesa durante essa reunião. O que você viu acontecer? Tente descreva a
cena passo a passo. ”).
∎ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “Imagine que você poderia viajar
no tempo. ​você gostaria de ter feito diferente no ano passado? ”; "Fazer o que você
acha que sua vida será em 10 anos se você fizesse isso decisão?").

Fazendo Sentido Funcional


Normalize as Experiências Psicológicas
• ​Use o enquadramento de coordenação para transformar perturbações psicológicas
perturbadoras ou confusas. ​experiências em experiências normais da vida humana
(por exemplo, "Isso é normal reação."; “Claro que você se sente triste!”; "Sim, é
difícil".
• ​Use o enquadramento condicional para vincular respostas ao contexto histórico e
atual ​(por exemplo, "Eu posso entender por que você pensaria que, com base no
feedback você chega no trabalho. ”; “Essa resposta ajudou você a evitar problemas
quando estava uma criança. ”).
• ​Use a tomada de perspectiva para estabelecer aspectos comuns (por exemplo, “eu
sentiria que ​também se eu tivesse passado por essas experiências de vida ”;
“Qualquer um que tenha crescido em torno de tanta violência ficaria com medo
nessa situação ”; “Se o seu melhor amiga tinha perdido o marido também, você
acha que ela ficaria chateada? Seria isso é compreensível? ”).

Incentivar a avaliação da eficácia da resposta


• ​Use um enquadramento condicional com consequências para avaliar a eficácia de
respostas (por exemplo, "E quando você faz isso, que impacto isso tem sobre ...?");
"Isso ajuda?"; “Que resultado você obteve com essa estratégia até agora?”).
• ​Use o enquadramento comparativo para avaliar a eficácia das opções alternativas
(por exemplo, “Por um lado, você pode fazer [ação A] e [conseqüência A] canetas;
por outro lado, você pode fazer [ação B] e [conseqüência B] acontece. Qual opção
funciona melhor para você? ”).
• ​Use o enquadramento hierárquico para conectar as respostas a um objetivo maior
(por exemplo, ​fazendo isso uma maneira de servir uma parte importante da sua
vida? ”; "Quando você faz você se sente conectado aos seus valores? ”).

Aumentando a flexibilidade de resposta


Mude o contexto em torno da fonte de influência
• ​Altere o contexto sem nenhum enquadramento adicional (por exemplo, repetição
do Word, ​pensou em voz alta com outra voz, com um tom ou ritmo diferente).
• ​Use o enquadramento de coordenação para tornar as experiências
psicológicas compatíveis ​com ações significativas (por exemplo, "Você quer
dizer a ela que você a ama e a você sentir medo. ”).
• ​Use enquadramento de oposição para criar um contexto mais leve (por exemplo,
irreverência, humor: ​“Que grande experiência!”; “Eu vejo que você está ansioso para
fazer alguma exposição!”; “Quem não gostaria de se sentir tão assustado!”).
• ​Use o enquadramento hierárquico para transformar a experiência em rótulos e
categorias ​(por exemplo, "Pensamento interessante!"; "Esse é o tipo de emoções
que podemos sentir essas situações. ”).
• ​Use o enquadramento analógico para importar funções úteis de outras situações
(por exemplo, Metáforas: “Tente imaginar seus pensamentos como folhas em um
riacho”; “Vamos surfar nessa onda emocional”.
• ​Use a tomada de perspectiva para criar distância (por exemplo, “Se você ouviu o
que disse ​de outra pessoa, o que você acha? ”; "O que você vai pensar sobre esse
pensamento em 5 anos? ”).

Alterar o contexto em torno da resposta


• ​Altere o contexto sem enquadramento adicional (por exemplo, escuta reflexiva,
silêncios, mudanças de postura).
• ​Use o enquadramento de coordenação para evocar respostas adicionais (por
exemplo, ​“Enquanto você ​do [resposta atual], você também pode fazer
[resposta diferente]? ”; “E como que faz você se sentir, quando você percebe
que você não quer falar sobre isso. . . ? ”).
• ​Use o enquadramento de distinção para evocar respostas diferentes (por
exemplo, “E se tentássemos ​algo diferente?").
• ​Use o enquadramento temporal / condicional para tornar a fonte atual de influência
para uma nova resposta (por exemplo, "Toda vez que [a origem da influência]
aparece, vamos tente fazer algo significativo. ”).
• ​Use o enquadramento analógico para definir um contexto de curiosidade e
ludicidade (por exemplo, ​“Vamos abordar isso como um jogo.”; "Vamos começar
esta jornada juntos."

Reforçando o Progresso
Reforçar Passo a Passo​ 1
• ​Use o enquadramento de coordenação para tornar as qualidades positivas de ação
mais saliente ​(por exemplo, "Isso é ótimo"; "Bom para você!"; "Esse foi um grande
passo, você não pensar?"; "É bom ver você progredir".
• ​Use o enquadramento de distinção para diferenciar respostas eficazes de
problemas ​respostas (por exemplo, "Estou feliz por você me dizer que está com
raiva porque eu me importo você sente, mas quando você grita, é difícil para mim
ouvir você. ”; "Então, você estava capaz de levantar todos os dias. Isso é uma
grande melhora, parabéns. Vamos veja se podemos ajudá-lo a sair do seu
apartamento um pouco da próxima vez. o que Você acha que?"
• ​Use enquadramento condicional e temporal para vincular a ação a conseqüências
desejáveis. ​(por exemplo, “Então, parece que você se sentiu mais perto de seu
parceiro como resultado para ela. Isso esta certo?"; “Quando você desacelerar, eu
entendo melhor você.”)

Reforce o rastreamento sobre o Pliance​ 2


• ​Incentivar a observação dos benefícios associados a novas ações efetivas.
○ ​Use o enquadramento de coordenação para notar experiências positivas (por
exemplo, ​que gostaria de dar esse novo passo? ”; “Como se sente ao pegar o
ônibus? você mesmo agora? ”).
○ ​Use o enquadramento condicional para perceber as conseqüências desejáveis
​(por exemplo, ​melhoria você notou como resultado de ir dormir mais cedo? ”; "O que
conseqüência teve em seu relacionamento quando você decidiu gastar as férias
com seu marido? ”; "Como é a sua saúde melhor como resultado de parar de
fumar? ”).
○ ​Use a tomada de perspectiva para aumentar a conscientização sobre as
consequências desejáveis.
∎ ​Enquadramento deicítico interpessoal (por exemplo, “O que você acha que foi
para seus filhos serem abraçados? ”; "Se você observou alguém mais fazer esse
grande esforço, o que você gostaria de dizer a eles? ”).
∎ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Imagine que você esteve lá
quando ​os pais abriram o cartão que você mandou para o Natal. O que você faz
acho que você teria visto? ”).
∎ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “Se você olhar para trás no tempo,
começou a fazer essas mudanças em sua vida, que melhoria você aviso prévio?").
• ​Incentivar a verificação da correspondência entre previsão e experiência
contingência contingencial (antecedente → resposta → conseqüência).
1 Veja também as seções sobre como executar e debriefing em “Fostering Meaning
and Motivação ”.
2 Veja também as seções "Observação, descrição e rastreamento".

○ ​Use o enquadramento analógico para comparar as expectativas com a


experiência real ​(por exemplo, "Na semana passada, você disse que queria
continuar com sua agenda para evitar a procrastinação. Este plano funcionou como
você esperava? ”; "Última vez,você decidiu que iria dar um passeio se você
começasse a ficar com raiva para poder não escalar argumentos com sua esposa.
Isso foi tão útil quanto você na esperança?").
○ ​Use a tomada de perspectiva para avaliar o valor de uma regra, conselho ou ideia.
∎ ​Enquadramento Déptico Interpessoal (por exemplo, ​“Você daria o mesmo
conselho para ​seu melhor amigo em uma situação semelhante, então? ”).
∎ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “O que você diria ao 'você' que
achei que seria uma boa idéia começar a se exercitar novamente no mês passado?
Você estava certo ou você estava errado? ”).

Enfraquecendo Comportamentos Problemáticos

Entregar e orientar para conseqüências indesejáveis


• ​Use o enquadramento de coordenação para tornar as qualidades negativas de
ação mais salientes ​(por exemplo, "Isso pode ser problemático". "Eu vejo como isso
pode ser prejudicial.").
• ​Use enquadramento condicional ou temporal para vincular uma ação a uma
indesejável ​conseqüência (por exemplo, “Quando você se retira, fica difícil para mim
ajudar você."; "Você se lembra de que sua esposa disse que você não será capaz
de ver o seu filha, se você beber de novo? Isso seria um problema para você? ”).
• ​Use a tomada de perspectiva para aumentar a conscientização sobre
consequências indesejáveis.
○ ​Enquadramento dêitico interpessoal (por exemplo, “Como você acha que se
sentiria se ​você foi gritado pelo seu chefe na frente de seus colegas? ”).
○ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Imagine que você estava em casa
quando ​esposa recebeu seu texto áspero em seu telefone. Como você acha que
faria tê-la visto reagir? ”).
○ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “Imagine que daqui a um ano você
está ​ainda evitando ver seus pais. Como você acha que seu relacionamento com
eles será então? ”).
Bloco​ 3
• ​Use o enquadramento de coordenação para manter contato com os contextos
relevantes (“O que ​se ficamos com esse tópico por um momento? ”; "Eu fiz uma
pergunta antes, e acho que nos desviamos um pouco. Você se importa se voltarmos
a esta pergunta? novamente? ”).
• ​Use enquadramento de distinção / oposição para redirecionar para contextos mais
úteis ​(por exemplo, “sugiro que não tentemos resolver este problema agora e, em
vez disso, abrandar por um momento ”).
3 Veja também a seção “Aumentando a flexibilidade de resposta”.

Extinguir
• ​Use respostas não verbais (por exemplo, Silêncio; sem contato visual; expressão
facial ​que não corresponde à expectativa do cliente).
• ​Use respostas verbais (por exemplo, alterando o tópico da conversa; respondendo
ignorando intencionalmente a ação problemática do cliente).
CONSTRUINDO UM SENSO FLEXÍVEL DE SI (CAPÍTULO 6)
Encontrando Variabilidade na Consciência das Experiências
Estabilize a tomada de perspectiva
• ​Incentivar a observação de experiências pessoais no aqui e agora (por exemplo,
"Como você se sente agora?"; "Você se sente como se estivesse [auto-conceito]
comigo agora? ”).
➢ ​Em seguida, incentive a observação de mudanças e a variedade de experiências.
○ ​Use o enquadramento de distinção para chamar a atenção para as diferenças (por
exemplo, ​mesmo ou diferente agora? ”; “Você percebe mudanças ou variações?”).
○ ​Use o enquadramento de comparação para explorar as diferenças ao longo das
dimensões (por exemplo ​“Você está se sentindo mais cansado agora?”; "Você está
com menos dor neste momento?"
Shift Perspective Taking
• ​Encoraje a observação de experiências pessoais em vários contextos.
○ ​Use o quadro de interceptação interpessoal para explorar diferentes contextos
sociais (por exemplo, ​“Como você se sente quando é o líder do grupo?”; "Como
você sentir quando você não está no comando? ”; “Quais são os três adjetivos
típicos que descrever como você é quando seu papel principal é ser pai, marido ou
mulher banda, um amigo, um colega de trabalho? ”).
○ ​Use o enquadramento dêitico temporal para explorar tempos diferentes (por
exemplo, ​você está se sentindo esta manhã? ”; "O que você acha que estará
experimentando em seu corpo no final deste longo dia de trabalho? ”)​.
○ ​Use o enquadramento deictico espacial para explorar diferentes locais (por
exemplo, “Como ​você se sente quando está em casa? ”; “Como interagir com os
outros quando você estão ao redor de pessoas que você conhece? ”).
➢ ​Encorajar a observação de mudanças e variedade de experiências.
○ ​Use o enquadramento de distinção para chamar a atenção para as diferenças (por
exemplo, ​o mesmo ou diferente nessas diferentes situações? Nestes diferentes
momentos? ”; “Você percebe variações? Alterar?").
○ ​Use o enquadramento de comparação para explorar as diferenças ao longo das
dimensões (por exemplo, ​“Você se sente mais ou menos triste quando está nesse
contexto diferente?”).
• ​Encoraje a observação da mesma experiência de diferentes pontos de vista.
○ ​Use o quadro de interceptação interpessoal para explorar diferentes contextos
sociais (por exemplo, ​"Se você fosse eu e você ouviu o que você está dizendo
agora, o que seria você pensa / sente? ”).
○ ​Use o enquadramento deictic temporal para explorar diferentes tempos (por
exemplo, “Um ano atrás, ​como você imaginou que seria hoje? ”; "Amanhã,
lembre-se como você se sente agora, o que você estará pensando? ”).
○ ​Use o enquadramento deictico espacial para explorar diferentes locais (por
exemplo, “Imagine você ​estavam sentados ali, observando-se bem aqui. O que você
veria? ”).
➢ ​Em seguida, incentive a observação da experiência transformada.
○ ​Use o enquadramento de distinção para chamar a atenção para as diferenças (por
exemplo, “Quando você ​olhar para isto de outro ponto de vista, esta sensação é a
mesma ou difeferente? ”; “Você se vê da mesma maneira ou de maneira diferente
quando você esses diferentes pontos de vista? ”).
○ ​Use o enquadramento de comparação para explorar as diferenças ao longo das
dimensões (por exemplo, ​“Você se sente mais ou menos crítico quando se observa
de uma forma diferente? momentos? ”).

Encontrando estabilidade em perspectiva


Encorajar a Observação da Perspectiva Comum - Atividade através de experiências
• ​Use o enquadramento de coordenação para chamar a atenção para semelhanças
(por exemplo, ​continua o mesmo?"; “O que não muda?”; “O que é comum em todos
os essas experiências? ”; “Existe algo que você sempre faz nessas situações?
independentemente do que você pensa e experimenta? ”).
Encorajar a​ Observação da Perspectiva Comum - Atividade através dos pontos de
vista
• ​Use o enquadramento de coordenação para chamar a atenção para semelhanças
(por exemplo, “O que é comum em todos esses pontos de vista? ”; “Existe algo que
você sempre não importa onde você esteja? ”).
Encontrando Coerência no Contexto
Enfatize a dimensão hierárquica do self
• ​Use um enquadramento hierárquico entre o self e a experiência (por exemplo,
“You estava pensando que você era idiota? ”; "Há uma parte de você quenão se
sente confortável aqui? ”; "Você está dizendo que um dos papéis que você tem na
sua vida é ser mãe ”.
• ​Use o enquadramento analógico para tornar a dimensão hierárquica do eu mais
concreto (por exemplo, “E se você fosse como o céu e seus pensamentos e
sensações
eram como o tempo? ”).

Enfatize a Distinção entre o Ser e as Experiências


• ​Use o enquadramento de distinção entre o eu e as experiências ​(por exemplo, “Se
você Pode sentir essa sensação, então você não é essa sensação, ou pelo menos
não apenas essa sensação, né? Então, qual é a parte de você que não é essa
sensação? ”).
• ​Use o enquadramento de coordenação para redirecionar as autoavaliações para
as experiências ​(por exemplo: "Você disse que era idiota. O que você fez que achou
idiota?";
"Que tipo de sensações você sente quando é esmagado?"

Encontrando Responsabilidade na Interação


Incentivar a observação do impacto das variáveis c​ ontextuais
• ​Use o enquadramento condicional para explorar antecedentes e histórico (por
exemplo, “O que você acha que te levou a agir assim? ”; “O que aconteceu pouco
antes?”; "O que na sua história pode explicar essa reação? ”).
• ​Use a tomada de perspectiva para melhorar a conscientização dos antecedentes e
da história:
○ ​Enquadramento dêitico interpessoal (por exemplo, “Se você fosse eu, o que você
acha que causou o seu comportamento? ”; “Se o seu melhor amigo reagisse do
mesmo jeito, como você explicaria isso? ”).
○ ​Enquadramento dêitico temporal (por ex .: “Lembra quando você era criança e
você teve a mesma reação nesse tipo de situação. O que você diria que foi a causa
dessa reação? ”).
○ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Se você estivesse na platéia
ouvindo próprio discurso, qual é a primeira coisa que você pensaria que explica por
que sua voz estava tremendo? ”).

Incentivar a observação do impacto dos comportamentos


• ​Use o enquadramento condicional para explorar as relações ação-conseqüência
(por exemplo,
“O que acontece quando você faz? ”; “Como você consegue Faz? ”; "É difícil? O que
você faz para fazer isso de qualquer maneira? ”).
• ​Use a tomada de perspectiva para melhorar a conscientização sobre as
consequências.
○ ​Enquadramento dêitico interpessoal (por exemplo, “Se a sua mulher falou consigo
da forma como​ acabei de falar com ela, como você se sentiria? ”).
○ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “O que você acha que verá um
ano?
a partir de agora, quando você olha para o que aconteceu desde que você fez essa
decisão
sion? ”).
○ ​Enquadramento dêitico espacial (por exemplo, “Imagine que você está assistindo
a um filme que mostra aquele dia inteiro quando você decidiu se levantar e ir
trabalhar. o que conseqüências de se levantar você veria naquele filme? ”).

PROMOVER O SIGNIFICADO E A MOTIVAÇÃO (CAPÍTULO 7)

Construindo o significado da vida


Ajudar a identificar e construir fontes de significado duradouras (qualidades de ação
e metas abrangentes)
• ​Explorar fontes de significado.
○ ​Incentivar a derivação de fontes duradouras de significado a partir de ações e
metas.
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para chamar a atenção para semelhanças
(por​ todas essas ações / metas / interesses têm em comum? ”).
∎ ​Use o enquadramento de distinção para chamar a atenção para as diferenças (por
esse objetivo e não outro? ”).
∎ ​Use o enquadramento comparativo para explorar as diferenças ao longo das
dimensões (por exemplo, ​“E essa ação é mais gratificante do que essa ação?”).
∎ ​Use o enquadramento analógico para explorar funções semelhantes e diferentes
(por exemplo, ​“Como o propósito desta ação é semelhante / diferente da função
desta outra ação? ”).
∎ ​Use o enquadramento condicional para identificar a função das ações e metas
(por exemplo,​ ​“Se você atingisse esse objetivo, como sua vida seria melhorada?”).
∎ ​Use o enquadramento hierárquico para identificar uma finalidade mais alta (por
exemplo, “​O que é isto?​ ação parte de? O que isso contribui para? ”).
○ ​Incentive a reconexão com fontes de significado através da perspectiva​ levando.
∎ ​Use o quadro de interceptação interpessoal para explorar diferentes contextos
sociais ​(por exemplo, “​Quando você estava segurando seu bebê recém-nascido, o
que você desejava para ela?"; “Se eu perguntei ao seu melhor amigo o que é mais
importante para você, eles diriam? ”; “Se você fosse [alguém que o cliente admira],
como sua vida é diferente? ”).
∎ ​Use o quadro deictic temporal para explorar diferentes momentos (por exemplo,
“Quando você era criança, o que você imaginou para si mesmo como um adulto? ”;
"E se você poderia viajar no tempo e visitar a si mesmo em 10 anos, o que você
faria quero ver?"; "Leve-me de volta a um tempo em sua vida quando você estava
mais satisfeito. ”).
○ ​Incentivar a criação de fontes de significado explorando o potencial ações e
metas.
∎ ​Use enquadramento condicional para estimular a imaginação (por exemplo, “E se
coisa era possível? ”; “Se você tivesse um bilhão de dólares para doar ou investir,
onde você colocaria seu dinheiro? ”).
∎ ​Use enquadramento condicional e comparativo para estimular a imaginação
através da comparação (por exemplo, "Se sua vida ficou maior, o que você teria
espaço para?"; “Se você tivesse mais tempo para si mesmo, o que você seria
fazendo? ”).

• ​Enfatize o reforço intrínseco.


○ ​minar o equilíbrio.
∎ ​Use enquadramento de distinção / oposição para remover a influência social (por
exemplo, “​Se ninguém sabia que você tinha esse diploma, você ainda trabalharia
para conseguir
isto?"; “Se ninguém estivesse assistindo, o que você estaria fazendo?”).
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para tornar a influência social não
contingente (por exemplo,
"Se todo mundo amava você, não importa o que você escolheu, o que você quer
fazer com a sua vida? ”).
○ ​Minar a influência de consequências externas e autoconceitos.
∎ ​Use enquadramento de distinção / oposição para remover os resultados (por
exemplo, “Se
melhor para o seu parceiro não a fez querer passar mais tempo com você ainda
gostaria de ser legal com ela? ”).
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para tornar os resultados não contingentes
(por você pode ganhar muito dinheiro, independentemente do trabalho que você fez,
que trabalho você escolheria? ”).
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para transformar os autoconceitos em
qualidades de ações (por exemplo, "Então, você gostaria de ser um cara legal.
Como você agiria?"como um cara legal? ”).
• ​Enfatize o reforço positivo.
○ ​Use o enquadramento de coordenação para chamar a atenção para experiências
adicionais (por exemplo, ​“O que é positivo em fazer essa ação / alcançar esse
objetivo?”; "Existem outras coisas além do alívio que você experimenta quando faz
essa ação? ”;
“Existem coisas que são adicionadas à sua experiência?”).
○ ​Use enquadramento de oposição / distinção para remover fontes de reinicialização
negativa. forcement (por exemplo, “De que maneira sua vida seria melhor se essa
carga
foram removidos?"; “O que você estaria fazendo se não fosse incomodado por
essas coisas? ”).
○ ​Use enquadramento analógico e de oposição para importar funções úteis de
outras situações (por exemplo, “Se a dor era um lado de uma moeda, o que você
acha você encontraria se virasse tudo? ”).

Construindo Padrões de Ações Significativas


• ​Incentive a conexão entre as ações e o topo da hierarquia.
○ ​Use o enquadramento hierárquico para derivar partes de um todo (por exemplo,
“O que as coisas que você poderia fazer isso seria parte de viver uma vida com
[qualidade de açao]?").
○ ​Use o enquadramento condicional para identificar etapas em direção a amplas
qualidades de ação e metas abrangentes (por exemplo, “Se você estivesse sendo
[qualidade de ação], o que você estaria fazendo? ”; "O que é uma ação que você
poderia tomar agora que seria levá-lo na direção desse objetivo? ”).

○ ​Use a tomada de perspectiva para aumentar a conscientização sobre ações em


potencial.
∎ ​Enquadramento dêitico temporal (por exemplo, “Se você olhar para trás em sua
vida um ano a partir de agora, como você saberá se estava vivendo com
compaixão? ”).
∎ ​Enquadramento deicítico interpessoal (por exemplo, “Quem é a pessoa mais
paciente​ conhecer? O que eles fazem para admirar a paciência deles? ”).
• ​Ajudar a criar variabilidade na base da hierarquia.
○ ​Use o enquadramento de coordenação para descobrir uma gama de ações com
um função superior (por exemplo, "Que outras coisas você poderia fazer no serviço
do . . . ? ”; “O que mais você poderia fazer que ainda faria parte. . . ? ”).
○ ​Use o enquadramento de comparação para identificar ações com várias
amplitudes (por exemplo, ​"Existe algo que você pode fazer que leva 5 minutos em
vez de 1 dia, e ainda serviria. . . ? ”; “Se você tivesse menos dinheiro, o que você
poderia fazer que serve o mesmo propósito? ”).
○ ​Usar enquadramento de distinção / oposição para descobrir ações alternativas
(por exemplo, ​“O que ainda seria possível se você estivesse doente e não pudesse
fazer. . . ? ”;
"Como você pode agir com amor para com o seu cônjuge, mesmo que você não se
sinta
amoroso?"; “Se você estivesse ferido e não pudesse fazer uma caminhada, o que
mais poderia você faz para se conectar com a natureza? ”).
Promovendo a Motivação Sustentável
Preparando Ações

• ​Ajudar a rastrear e aumentar o reforço.


○ ​Encoraje a conexão entre ações futuras e fontes de significado.
∎ ​Use o enquadramento hierárquico para conectar uma possível ação a fontes de
significado (por exemplo, “Se você fez isso, o que isso contribuiria?”; chamaria sua
mãe estar a serviço de? ”; “Se essa ação fosse como adicionando um tijolo na
parede de uma casa que você está construindo, o que issocasa estar em sua vida?
”).
∎ ​Use o enquadramento condicional para conectar uma possível ação a um objetivo
específico vinculado a um objetivo abrangente (por exemplo, “Se você fizer essa
ação, será como dando um passo mais perto do seu objetivo? Qual meta? Este
objetivo está ligado a algo ainda maior em sua vida? ”).
○ ​Incentivar a conexão entre experiências positivas e futuras​ ações.
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para chamar a atenção para experiências
positivas
(por exemplo, "Como você acha que será conversar com sua mãe pela primeira
vez?" tempo em 2 anos? ”; “Quais são algumas sensações positivas que você
lembra tendo a última vez que você passou algum tempo com seu marido? ”).
∎ ​Use enquadramento de distinção / oposição para chamar a atenção para as
diferenças
(por exemplo, “Quais são alguns sentimentos agradáveis ​que você costuma ter
quando compartilhar seus sentimentos com seu parceiro que você não tem quando
você
guardá-los para si mesmo? ”).

∎ ​Use um enquadramento comparativo para chamar a atenção para as diferenças


ao longo
(por exemplo, “o que você espera experimentar mais no trabalho se você mudar de
emprego?").
∎ ​Use o enquadramento analógico para importar funções úteis de outras situações
(por exemplo, “​Que imagem ou música pode representar o que você sente quando
segure seu filho em seus braços? ”).
∎ ​Use o enquadramento deítico para explorar diferentes interpessoais, temporais e
contextos espaciais (por exemplo, “o que você acha que sua filha vai sentir quando
você diz a ela que você estará lá para o seu jogo de futebol? ”; "O que você acha
você vai se sentir em nossa próxima sessão, se você voltar me dizendo que você
tem foi a essa entrevista de emprego? ”).
• ​Explorando e superando barreiras 4
○ ​Incentivar a observação / descrição / rastreamento.
○ ​Encoraje a criação de sentido funcional.
○ ​Aumentar a flexibilidade de resposta, transformando barreiras em oportunidades
para ação e em marcadores de progresso (por exemplo, “E se as críticas de seu
parceiro foi uma oportunidade para promulgar compaixão? ”; “Talvez o seu o medo
é um sinal de que você se importa em fazer isso? ”).
Executando Ações
• ​Ajudar a rastrear e aumentar o reforço.
○ ​Incentivar a conexão entre a ação atual e as fontes de significado​ing.
∎ ​Use o enquadramento hierárquico para conectar a ação a metas abrangentes e
qualidades de ações (por exemplo, "Você pode me dizer novamente por que ficar
em contato com sujeira sem fazer o seu ritual é importante para você? ”).
∎ ​Use o enquadramento condicional para conectar a ação às etapas da meta
vinculadas a fontes de significado (por exemplo, "Como é compartilhar seus
sentimentos comigo agora passo em direção à construção de intimidade com sua
esposa? ”).
○ ​Incentivar a conexão entre experiências positivas e atuais​ ações.
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para chamar a atenção para experiências
positivas
(por exemplo, “Como é estar fazendo algo que é importante para você? agora?"; "O
que você sente em seu corpo?"
∎ ​Use enquadramento de distinção / oposição para chamar a atenção para as
diferenças ​(por exemplo, "Quais são alguns sentimentos positivos que você está
tendo agora que você
não teve um momento atrás? ”).
∎ ​Use um enquadramento comparativo para chamar a atenção para as diferenças
dimensões (por exemplo, “há algo que você está sentindo mais do quelier? ”; “As
sensações que você sente em seu corpo são mais agradáveis ​do que antes?").
∎ ​Use o enquadramento analógico para chamar a atenção para funções úteis de
outros
situações (por exemplo, “Se o que você está sentindo agora fosse uma foto ou uma
música,
o que seria aquilo?").
∎ ​Use o enquadramento deítico para explorar diferentes interpessoais, temporais e
contextos espaciais (por exemplo, “daqui a 2 horas, como você acha que sente por
ter feito este passo? ”)
• ​Ajudar a superar barreiras.​ ​5
○ ​Encoraje a criação de sentido funcional.
○ ​Aumentar a flexibilidade de resposta, transformando barreiras em oportunidades
para ação e em marcadores de progresso (por exemplo, “E se essa vontade de
argumentar fosse um sinal para ouvir? ”; “Somente uma pessoa com muita
qualidade de ação fazer [ação significativa] mesmo que [barreira]. ”).

Ações de Discussão
• ​Ajudar a rastrear e aumentar o reforço.
○ ​Incentive a conexão entre as ações concluídas e as fontes de​ significado.
∎ ​Use o enquadramento hierárquico para conectar ações a metas abrangentes e
qualidades de ação (por exemplo, “o que pedia ajuda em vez de prejudicar a si
mesmo a serviço de? ”).
∎ ​Use o enquadramento condicional para conectar a ação às etapas da meta
vinculadas a fontes de significado (por exemplo: “Que objetivo você estava
perseguindo ao fazer essa ação? Como essa meta está conectada a um de seus
valores? ”).
○ ​Incentivar a conexão entre experiências positivas e conclusão​açao.
∎ ​Use o enquadramento de coordenação para chamar a atenção para experiências
positivas
(por exemplo: “Como foi dizer ao seu filho que você o ama?”; você estava se
sentindo quando estava conversando com seus amigos? ”).
∎ ​Use enquadramento de distinção / oposição para chamar a atenção para as
diferenças
(por exemplo, “Que experiências diferentes você teve ao ter esta momento cial para
si mesmo? ”).
∎ ​Use um enquadramento comparativo para chamar a atenção para as diferenças
ao longo
(por exemplo, “houve algum sentimento ou sensação que fosse mais agradável
ter quando você se levantou em vez de ficar na cama? ”).

∎ ​Use o enquadramento analógico para importar funções úteis de outras situações


(por exemplo, “Se o momento em que você fez aquela ação foi um episódio da sua
programa favorito, seria um episódio agradável para assistir? ”).
∎ ​Use o enquadramento deítico para explorar diferentes interpessoais, temporais e
contextos espaciais (por exemplo, “se houvesse uma foto sua enquanto você
fazendo essa ação e poderíamos olhar agora, que expressão facial nós veríamos
em seu rosto? ”).
• ​Ajudar a superar barreiras.​ ​6
○ ​Incentivar a observação / descrição / rastreamento.
○ ​Encoraje a criação de sentido funcional.
○ ​Aumentar a flexibilidade de resposta, transformando barreiras em oportunidades
para ação e em marcadores de progresso (por exemplo, “Você mostrou muita
qualidade de ação quando você fez [ação] na presença de [barreira] ”; "Isso é como
dor muscular após levantar pesos; um sinal de ganhar força. ”)

Você também pode gostar