Você está na página 1de 15

FACULDADE ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE

RYANNE FOGAÇA CASTELLANI MARTINEZ

INDUSTRIALIZAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL: SISTEMAS


CONSTRUTIVOS EM PAINÉIS PRÉ-FABRICADOS DE
CONCRETO

Campo Grande
2018
RYANNE FOGAÇA CASTELLANI MARTINEZ

INDUSTRIALIZAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL: SISTEMAS


CONSTRUTIVOS EM PAINÉIS PRÉ-FABRICADOS DE
CONCRETO

Projeto apresentado ao Curso de Engenharia


Civil da Instituição Anhanguera Educacional.

Orientador: Vitor Tanno

Campo Grande
2018
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 4

1. O PROBLEMA......................................................................................................... 5

2. OBJETIVOS ............................................................................................................ 5

2.1 OBJETIVO GERAL OU PRIMÁRIO ...................................................................... 5

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS OU SECUNDÁRIOS ................................................ 5

3. JUSTIFICATIVA ...................................................................................................... 5

4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ............................................................................... 6

4.1 PRÉ-FABRICADOS E SUAS UTILIZAÇÕES ........................................................ 6

4.2 SISTEMAS DE FECHAMENTO EM PRÉ-FABRICADO........................................ 8

4.3 SISTEMA DE FECHAMENTO EM CONCRETO ................................................. 11

5. METODOLOGIA.................................................................................................... 12

6. CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO ......................................................... 13

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................... 14


4

INTRODUÇÃO

A industrialização e modernização dos processos e sistemas estão cada vez


mais presentes em nossas vidas, e a população se depara com essa nova realidade.
A construção civil acompanhando essas mudanças e objetivando sempre a busca
pelo melhor custo benefício, em menos prazo, diminuindo custos e melhorando cada
vez mais a qualidade, vem apresentando projetos e processos cada vez mais
desenvolvidos tecnologicamente.

Como há uma necessidade crescente para a construção habitacional, que


vem acontecendo em grande escala nos países em desenvolvimento, foi necessário
a modernização dos sistemas construtivos, que vem contribuindo para a diminuição
do déficit habitacional, e uma das alternativas foi inserir o uso dos pré-fabricados.

A construção pré-fabricada, após sucessivas revoluções e desenvolvimento


da indústria que influenciaram os processos construtivos, se consolidou como uma
das formas mais viáveis e difundidas para gerar a industrialização da construção,
tendo como uma das principais vantagens agilizar o processo de produção, que
proscreve etapas de execução, e diminui os custos fixos com trabalhadores.

O grande impulso que promoveu amplamente a aplicação dos painéis pré-


fabricados foi após a segunda guerra Mundial, que encontrou neste sistema a
solução econômica que atendia as necessidades de reconstrução da Europa, e hoje
se estendeu aos países da América Latina e Ásia. Essa pesquisa com o propósito
de diferenciar e apresentar os sistemas construtivos em painéis pré-fabricados de
concreto, com aplicação em edifícios habitacionais.
5

1. O PROBLEMA

Como os sistemas de fechamento em painéis pré-fabricados de concreto,


contribuem para o desenvolvimento da industrialização na construção civil?

2. OBJETIVOS

2.1 OBJETIVO GERAL OU PRIMÁRIO

Entender como os sistemas de fechamento em painéis pré-fabricados de


concreto, contribuem para o desenvolvimento da industrialização na construção civil.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS OU SECUNDÁRIOS

2.2.1 Conceituar o pré-fabricado, e apresentar como é utilizado.


2.2.2 Explicar como funciona o sistema de fechamento em painéis pré-
fabricados de concreto e como pode ser empregado na construção civil.
2.2.3 Quais são e como são utilizados os sistemas industrializados em
concreto, cadastrados na ABCIC (Associação Brasileira da Construção
industrializada de Concreto).
2.2.4 Apresentar como a integração entre sistemas industrializados com
diferentes materiais e sistemas é possível obter uma otimização de desempenho,
facilitar a construção e sustentabilidade da edificação.

3. JUSTIFICATIVA

A Construção Civil tem sido considerada uma indústria atrasada quando


comparada a outros ramos industriais. A razão disso está no fato de ela apresentar,
de uma maneira geral, baixa produtividade, grande desperdício de materiais,
morosidade e baixo controle de qualidade. (EL DEBS, 2000).
6

A industrialização dos sistemas na construção civil é uma das maneiras


apresentadas para diminuir esse atraso, que apresenta uma série de vantagens
como redução nos custos, economia essa que se dá pelas peças serem produzidas
em série com a rapidez da produção pode suprir as necessidades de
desenvolvimento.
A racionalização e a industrialização são a modernização da construção civil.
Compreende-se por industrialização da construção o “processo evolutivo que,
através de ações organizacionais e da implementação de inovações tecnológicas,
métodos de trabalho, técnicas de planejamento e controle objetiva incrementar a
produtividade e o nível de produção e aprimorar o desempenho da atividade
construtiva” (FRANCO, 1992).
Com o objetivo de atender as exigências da busca constante por melhor custo
benefício, os processos industrializados, os sistemas de fechamento em pré-
fabricado, vêm obtendo grande expansão. A pesquisa visa aumentar a aplicação de
sistemas de fechamento pré-fabricados, com aplicação em edifícios habitacionais
afim de diminuir o déficit habitacional que existe no país hoje e desta maneira
acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do país, contribuindo para a
modernização a racionalização da construção civil.

4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

4.1 PRÉ-FABRICADOS E SUAS UTILIZAÇÕES

O pré-fabricado é um elemento pré-moldado, executado industrialmente,


descrito pela norma como:

A NBR 9062 - Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado (ABNT –


Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2006) define elemento pré-moldado
como elemento moldado previamente e fora do local de utilização definitiva na
estrutura, conforme especificações estabelecidas; elemento pré-fabricado como
elemento pré-moldado executado industrialmente, em instalações permanentes de
empresa destinada para este fim, que se enquadram e atendem aos requisitos
mínimos das especificações como a matéria-prima previamente qualificada por
ocasião da aquisição e posteriormente através da avaliação de seu desempenho com
base em inspeções de recebimento e ensaios. Estrutura específica para controle de
qualidade, laboratório e inspeção das etapas do processo produtivo.
7

O pré-fabricado se originou no século XX, após a Segunda Guerra Mundial foi


amplamente utilizado para suprir a necessidade de uma rápida reconstrução de
todos os segmentos, já que os países europeus foram atingidos pela guerra, e havia
necessidade para uma rápida reconstrução, o pré-fabricado foi bem aceito, pois
enquanto o pré-fabricado estava sendo produzido outras etapas da construção
estavam em andamento, gerando um aumento na velocidade das construções. No
Brasil, não houve devastação causada pela guerra, sendo assim, sua aplicação foi
morosa, já que não houve esse impulso pela necessidade, teve início no fim da
década dos anos 50, e o incentivo foi com a aplicação da industrialização nos
sistemas construtivos e a racionalização dos processos.
Segundo Vasconcelos (2002) “o primeiro marco da pré-fabricação de concreto
corresponde à obra do Hipódromo da Gávea no Rio de Janeiro em 1926”. Porém,
somente na década de 50 que os primeiros projetos pontuais em pré-fabricação
começaram a ser desenvolvidos nas construções de galpões. Tal procedimento
economizava tempo e espaço no canteiro, podendo ser empilhadas até 10 peças.
Segundo Ordóñez (1974 apud PERES, 2006): “„[...] a industrialização da
construção é o emprego, de forma racional e mecanizada, de materiais, meios de
transporte e técnicas construtivas, para se conseguir uma maior produtividade‟”. A
industrialização é um processo que visa técnicas mais aprimoradas, maior
produtividade, com o intuito de maior lucro e mais sustentabilidade, sendo um
processo histórico e pessoal, características essas que se identificam com o sistema
do pré-fabricado. A aplicação da industrialização na construção civil tem por
consequência o propósito da aplicação da tecnologia à produção e ao produto
obtido.
Mesmo com um sistema de pré-fabricados sendo vantajoso, e muito bem
empregado na Europa e na América, que apresenta desde o início até os dias
atuais, por meio dos avanços tecnológicos, um crescimento vertiginoso e criações de
soluções com a interação com outros sistemas, tais como as instalações, hidráulica,
elétrica, etc., tem sua aplicação comprometida no Brasil, pelo uso amplo da mão de
obra para empregar os trabalhadores da área em praticamente todas as etapas de
construção, isso é tido como um indicativo da falta de industrialização da construção
8

civil no Brasil, além disso há as questões macroeconômicas, as questões culturais


dificultam o emprego da pré-fabricação no Brasil.
El Debs (2000) ressalta que no Brasil existe um ciclo vicioso que é
responsável pela não exploração da potencialidade do concreto pré-fabricado, onde
alguns afirmam que não se constrói, pois não existem insumos tecnológicos e outros
afirmam que não existe insumos tecnológicos, pois não se constrói.
Para melhor elaborar o projeto de estruturas pré-fabricadas, deve ter sua
concepção com a aplicação e o uso de sistema de pré-fabricados, além disso o
projetista deve conhecer todas as etapas da construção podendo assim, satisfazer
cada solicitação existente ou soluções que podem ser adotadas nas estruturas,
entretanto Van Acker (2002) salienta que essas possibilidades, na verdade, são
variantes de um número limitado de sistemas básicos, como as estruturas
aporticadas, estruturas em esqueleto, estruturas em painéis estruturais, estruturas
para piso, sistemas para fachadas e sistemas celulares.

4.2 SISTEMAS DE FECHAMENTO EM PRÉ-FABRICADO

Segundo Oliveira (2002), o edifício é considerado um conjunto de


subsistemas formando um organismo.

O subsistema vedação vertical tem, predominantemente, a função de criar,


juntamente com as esquadrias e os revestimentos, condições de habitabilidade para o
edifício, ou seja, de servir como mediadora entre os meios externo e interno do
edifício, de modificar as condições interiores como requerido pelo usuário e,
também, função estrutural e estética (ELDER9, 1977 apud OLIVEIRA, 2002).

Segundo Sabbatini e Franco (2001, apud OLIVEIRA, 2002), esse subsistema


pode ser classificado:

a) quanto à posição no edifício:

 externa (de fachadas): vedação envoltória do edifício, sendo que uma das
faces está sempre em contato com o meio ambiente externo ao edifício;
9

 interna: vedação interna ao edifício.

b) quanto à técnica de execução:

 por conformação: vedações obtidas por moldagem a úmido no local;

 por acoplamento a seco: vedações obtidas por montagem através de


dispositivos de fixação (pregos, parafusos, rebites etc.);

 por acoplamento úmido: vedações obtidas por montagem a seco de


componentes com solidarização posterior com argamassa ou concreto.

c) quanto à densidade superficial:

 leve: vedação de baixa densidade superficial. A Associação Brasileira de


Normas Técnicas – ABNT – (1990) expõe que são consideradas leves as vedações
que estão num intervalo entre 60 e 100 kg/m² e que não podem ter função estrutural;

 pesada: vedação com densidade superior ao limite convencionado, que


pode ou não ter função estrutural.

d) quanto à estruturação:

 auto suporte: não possui uma estrutura complementar, pois a vedação se


auto suporta;

 estruturada: possui uma estrutura reticular para suporte dos componentes


de vedação;

e) quanto à continuidade do pano (em relação à distribuição de esforços):

 contínua: a absorção dos esforços se dá no pano como um todo;

 descontínua: a absorção dos esforços é feita pelos componentes (placas ou


painéis) e distribuídos por entre a estrutura da própria vedação e, necessariamente,
existem juntas entre os componentes, que podem ser aparentes ou não.

f) quanto à continuidade superficial (em relação à visibilidade das juntas):


10

 monolítica: sem juntas aparentes;

 modular: com juntas aparentes.


Segundo Oliveira (2002), o edifício é considerado um conjunto de
subsistemas formando um organismo.

O PCI12 – Precast/Prestressed Concrete Institute (1989) define como painéis pré-


fabricados arquitetônicos aqueles que se referem a uma unidade pré-fabricada em
fôrma especial ou padronizada que, por meio de um tratamento em uma de suas
faces, atinge um acabamento superficial que contribui para a arquitetura e
acabamento do edifício. E expõe, ainda, que essas unidades podem ter função
estrutural, de fechamento ou somente de recobrimento. (OLIVEIRA, 2002, p. 19)

Os sistemas para fachadas e painéis podem ser utilizados restritamente como


fechamento ou como elemento integrante da estrutura de um edifício. Conforme se
busca racionalizar a construção, a pré-fabricação, é uma possibilidade que se torna
viável a construção de moradias em grande escala, o que é uma alternativa para
suprir a necessidade crescente que os países em desenvolvimento têm de construir
habitações. Os sistemas de sistemas pré-fabricados podem ser de ciclo fechado
(completamente pré-fabricados) e com sistemas abertos (que permitem
composições mistas com diferentes materiais e tecnologias distintas, abrindo
inúmeras possibilidades de projeto), o que possibilita a adequação para cada projeto
em particular aliado ao concreto que apresenta diversas vantagens úteis para a
construção civil proporciona, maior durabilidade implica menor custo de manutenção,
bom desempenho térmico pode ser associado à sua função estrutural, e o uso de
bom acabamento possibilitado pela tecnologia.

Conhecendo as necessidades e os aspectos apresentados, a Comissão de


pré-fabricação da FIB (Fédération Internationale du Béton - Federação Internacional
do Concreto) com o intuito de colaborar, e de levar soluções aos diversos países e
que ainda não dispõem dessa prática construtiva industrializada., realizou um
trabalho pesquisa, de busca pelo desenvolvimento das soluções existentes em pré-
fabricação de concreto. Iniciado em 2004, os trabalhos foram especificados com
base em sua tipologia, localização geográfica, capacidade técnica e econômica
necessárias para a construção, identificando a deficiências e os pontos positivos de
cada país.
11

4.3 SISTEMA DE FECHAMENTO EM CONCRETO

Segundo o artigo Industrialização em concreto publicado na revista Concreto


nº59 – solução para o desenvolvimento habitacional no Brasil (p. 23), para atender a
essa demanda e cadastrados junto à fib, temos os sistemas de painel maciço, painel
alveolar, paredes duplas, painéis e lajes pré-moldada e painéis portantes. Tais
sistemas possuem a mais alta tecnologia, possibilitando a viabilização dos
empreendimentos em construções mistas.

Para atender a demanda e difundir de maneira segura e com condições para


que sejam produzidos corretamente, foi criada uma norma regulamentadora
NBR16475 de 03/2017 - Painéis de parede de concreto pré-moldado - Requisitos e
procedimentos, que estabelece os requisitos e procedimentos a serem atendidos no
projeto, na produção e na montagem de painéis de parede pré-moldados.
Abrangendo, além dos sistemas habitacionais, a utilização em segmentos como
shoppings, centro de distribuição logística, edifícios verticais, entre outros.

É relevante que o sucesso do empreendimento tenha a idealização


racionalizada dos projetos estrutural em conjunto com o arquitetônico e de maneira
organizada, visto que essa combinação promove a redução do peso da estrutura,
fator que agrega valor ao projeto, além de baratear o transporte, facilitar e acelerar a
montagem, entre outros. E considerar o número de unidades que serão construídas,
tendo em vista que a eficácia da racionalização decorre enormemente das
repetições das peças que serão produzidas.

4.4 Vantagens dos sistemas industrializados na construção civil.

Schokker (2010 apud DONIAK; GUTSTEIN, 2012) enumera uma série de


benefícios obtidos através da construção racionalizada, entre elas:

 a possibilidade de reutilização e reciclagem de elementos pré-moldados;


12

 redução de formas e resíduos em canteiro;

 otimização de peças através de melhor dimensionamento graças ao


concreto protendido;

 melhorias na eficiência energética do edifício, entre outras.

Weber (2011) afirma que o desafio da sustentabilidade nas habitações é o


equilíbrio entre proteção ambiental, justiça social e viabilidade econômica para a
redução do déficit habitacional e requalificação urbana, fator que remete a outro
aspecto relevante no emprego dos sistemas racionalizados de construção, já que em
seu processo controlado de produção é possível minimizar os impactos ao meio
ambiente através de projetos e materiais específicos.

5. METODOLOGIA

Para o desenvolvimento dessa dissertação, serão realizadas pesquisas


exploratórias em caráter qualitativo, contemplando a revisão da literatura. Por
intermédio de pesquisa documentais como normas, manuais e leis e pesquisa
bibliográfica de livros e artigos.

Palavras-chave: Concreto Pré-Moldado, Painéis, Painéis de fechamento, Pré-


fabricação, Habitações, Sistemas Construtivos.
13

6. CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO
Quadro 1 – Cronograma de execução das atividades do Projeto e do Trabalho de
Conclusão de Curso.
2018 2018
ATIVIDADES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
Escolha do tema.
Definição do problema
de pesquisa X X X
Definição dos objetivos,
justificativa. X X X
Definição da
metodologia. X
Pesquisa bibliográfica e
elaboração da
fundamentação teórica. X
Entrega da primeira
versão do projeto. X
Entrega da versão final
do projeto. X
Revisão das
referências para
elaboração do TCC. X
Elaboração do Capítulo
1. X
Revisão e
reestruturação do
Capítulo 1 e elaboração
do Capítulo 2. X X
Revisão e
reestruturação dos
Capítulos 1 e 2.
Elaboração do Capítulo
3. X X
Elaboração das
considerações finais.
Revisão da Introdução. X
Reestruturação e
revisão de todo o texto.
Verificação das
referências utilizadas. X X
Elaboração de todos os
elementos pré e pós-
textuais. X
Entrega da monografia. X
Defesa da monografia. X
14

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9062 de 15/03/2017:


Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR16475 de 03/2017: -


Painéis de parede de concreto pré-moldado.

ACKER, ARNOLD VAN. Manual de sistemas de pré-fabricados de


concreto. FIP 2002, Tradução Marcelo Ferreira, ABCIC 2003.

EL DEBS, MOUNIR KHALIL. Concreto pré-moldado: fundamentos e aplicações.


São Carlos: EESC-USP, 2000.

FRANCO, L.S. Aplicação de diretrizes de racionalização construtiva p319. Tese


(Doutorado) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, 1992.

FÉDÉRATION INTERNATIONALE DO BÉTON (FIB). Guide to Good Practice:


Precast Insulated Sandwich Panels – Draft. October, 2012.

ORDÓNEZ, David Férnandéz DONIAK, Íria Lícia Oliva Doniak - Industrialização em


concreto – solução para o desenvolvimento habitacional Disponível em: <http://
://ibracon.org.br/publicacoes/revistas_ibracon/rev_construcao/pdf/Revista_Concreto_
59.pdf>. Acesso em: março. 2018.

SABBATINI, F. H; FRANCO, L. Notas de aula da disciplina de Tecnologia de


produção de vedações verticais – TG 04 e PCC2435. São Paulo: EPUSP, 2001.
Disponível em:
<http://www.pcc.usp.br/Graduação/PCC2435/pdf/PCC2435-aula18a.pdf> Acesso
em: abril. 2018.

SCHOKKER, A. J. The Sustainable Concrete Guide – Applications. 2 ed.


Farmington Hills: US
Green Concrete Council (USGCC), 2010.
15

STRABEL, Giovana Innocenti STRABEL. Diretrizes para projeto e desempenho


de sistemas construtivos em painéis pré-moldados de concreto: Edifícios
<http://www.netpre.ufscar.br/wp-
content/uploads/2016/04/Disserta%C3%A7%C3%A3o_Giovana_2015.pdf>. Acesso
em: março. 2018.

VASCONCELOS, A. C. O concreto no Brasil. v. 3: Pré-Fabricação – Monumentos –


Fundações. São Paulo: Studio Nobel, 2012

WEBER, M. S. C. Brazilian Housing Policy and Sustainable Building


Initiatives. In: UNEP Sustainable Buildings and Climate Initiative – Fall
Symposium. Philadelphia. October, 2011.