Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE

 EDUARDO  MONDLANE  
Faculdade  de  Letras  e  Ciências  Sociais  
Departamento  de  Arqueologia  e  Antropologia  
Curso  de  Graduação  em  Arqueologia  e  Gestão  do  Património  Cultural  
Disciplina:  Gestão  do  Património  Cultural  em  Moçambique  
 
Por:  Albino  Jopela  
TEMA  I  -­‐  PATRIMÓNIO  CULTURAL  
 
1.  Conceitos  de  Património  Cultural  
 
Segundo  Clara  Cabral  (2011:25),  a  palavra  património  passou  actualmente  a  fazer  parte  
do   nosso   dia-­‐   a   -­‐dia.   Usado   na   área   da   cultura,   do   ambiente,   do   turismo   e   em   muitos  
outros   contextos,   o   património   é   percebido   como   algo   positivo   e   relevante   na   nossa  
vida,   um   bem   precioso   que   devemos   preservar   a   todo   o   custo.   Mas,   afinal,   o   que   é   o  
património?    

A   noção   de   património   evoluiu   ao   longo   do   tempo,   tendo   partido   de   um   foco   nas  


manifestação  materiais  da  cultura  para  uma  concepção  mais  holística,  que  inclui  os  seus  
elementos  intangíveis.  O  sentido  de  património  como  uma  construção  física  começou  a  
estabelecer-­‐se  institucionalmente  na  França,  no  final  do  século  XVIII,  com  a  Revolução  
Francesa   e   a   formação   dos   Estados   Nacionais   (Choay   2006).   O   século   XIX   e   parte   do  
século   XX   foi   um   período   marcado   por   uma   grande   preocupação   em   relação   á  
preservação   e   restauração,   tendo   resultado   apenas   em   uma   ampliação   dos   bens  
passíveis  de  serem  considerados  patrimoniais,  sem  que  se  questionasse  conceito  em  si.  
Foi   neste   contexto   que,   por   exemplo,   a   Convenção   da   UNESCO   para   a   Protecção   do  
Património   Mundial   Cultural   e   Natural   de   1972   definiu   o   património   cultural   como  
sendo:  
• Os  monumentos:  obras  arquitectónicas,  de  escultura  ou  de  pintura  monumentais,  
elementos   de   estruturas   de   carácter   arqueológico,   inscrições,   grutas   e   grupos   de  
elementos   com   valor   universal   excepcional   do   ponto   de   vista   da   história,   da   arte  
ou  da  ciência;  
• Os  conjuntos:  grupos  de  construções  isoladas  ou  reunidos  que,  em  virtude  da  sua  
arquitectura,  unidade  ou  integração  na  paisagem  têm  valor  universal  excepcional  
do  ponto  de  vista  da  história,  da  arte  ou  da  ciência;  
• Os   locais   de   interesse:   obras   do   homem,   ou   obras   conjugadas   do   homem   e   da  
natureza,  e  as  zonas,  incluindo  os  locais  de  interesse  arqueológico,  com  um  valor  
universal   excepcional   do   ponto   de   vista   histórico,   estético,   etnológico   ou  
antropológico  (UNESCO  1972:  Artigo  1).  
 

Texto  no  1   22/02/2015     1  


Contudo,   o   questionamento   teórico   da   noção   de   património   verificado   nas   últimas  
décadas,   reclamando   uma   noção   de   património   menos   assente   na   sua   materialidade   e  
mais  próxima  das  pessoas  e  das  suas  expressões  culturais  levou  a  adopção,  por  parte  da  
UNESCO,  da  Convenção  para  a  Salvaguarda  do  Património  Cultural  Imaterial  em  2003.  
De   acordo   com   esta   Convenção,   constitui   património   cultural   imaterial   “as   práticas,  
representações,   expressões,   conhecimentos   e   técnicas   -­‐   junto   com   os   instrumentos,  
objetos,  artefactos  e  lugares  culturais  que  lhes  são  associados  -­‐  que  as  comunidades,  os  
grupos   e,   em   alguns   casos,   os   indivíduos   reconhecem   como   parte   integrante   de   seu  
património   cultural.   Este   património   cultural   imaterial,   que   se   transmite   de   geração   em  
geração,   é   constantemente   recriado   pelas   comunidades   e   grupos   em   função   de   seu  
ambiente,  de  sua  interação  com  a  natureza  e  de  sua  história,  gerando  um  sentimento  de  
identidade  e  continuidade  e  contribuindo  assim  para  promover  o  respeito  à  diversidade  
cultural  e  à  criatividade  humana”  (UNESCO  2003:  Artigo  2).  Neste  sentido,  o  património  
cultural   imaterial   manifesta-­‐se,   em   particular,   sob   a   forma   de   tradições   e   expressões  
orais,   expressões   artísticas,   práticas   sociais,   rituais   e   actos   festivos,   conhecimentos   e  
práticas   relacionados   à   natureza   e   ao   universo,   bem   como   técnicas   artesanais  
tradicionais.    
   
Em  Moçambique,  a  Lei  n°  10/88  de  22  de  Dezembro,  que  determina  a  protecção  legal  
dos   bens   materiais   e   imateriais  do   património   cultural   moçambicano,   apresenta   uma  
definição  holística  de  património  cultural  definindo-­‐o  como  sendo  o  “o  conjunto  de  bens  
materiais   e   imateriais   criados   ou   integrados   pelo   Povo   moçambicano   ao   longo   da  
história,   com   relevância   para   a   definição   da   identidade   cultural   moçambicana”  
(Ministério   de   Educação   e   Cultura   2007:11).   Assim,   os   bens   culturais   materiais   são  
entendidos   como   “bens   imóveis   e   móveis   que   pelo   seu   valor   arqueológico,   histórico,  
bibliográfico,   artístico   e   científico   fazem   parte   do   património   cultural   moçambicano”.  
Por  seu  turno,  os  bens  culturais  imateriais  são  “os  que  constituem  elementos  essenciais  
da   memória   colectiva   do   povo,   tais   como   história   e   a   literatura   oral,   as   tradições  
populares,  os  ritos  e  o  folclore,  as  próprias  línguas  nacionais  e  ainda  obras  do  engenho  
humano  e  todas  as  formas  de  criação  artística  e  literária  independentemente  do  suporte  
ou  veículo  por  que  se  manifestem  (Ministério  de  Educação  e  Cultura  2007:12).    
 
Apesar   das   categorizações,   é   importante   desconstruir   a   divisão   dos   patrimónios   em  
materiais  e  imateriais  pois  esses  dois  atributos  estão  presentes  em  todo  bem  cultural.  
 
2.  Processos    de  Patrimonialização:  História,  Memória  e  Património  
 
Segundo   Laurajane   Smith   (2006:11),   os   documentos,   comissões,   cartas   e   relatórios  
elaborados   desde   a   Revolução   Francesa   (por   exemplo,   a   Carta   de   Veneza   sobre  
Restauração  e  Conservação  de  Monumentos  e  dos  Lugares  de  1964  ou  a  Convenção  da  
UNESCO   para   a   Protecção   do   Património   Mundial   Cultural   e   Natural   de   1972)  
produziram  o  que  ela  identifica  como  o  ‘Discurso  Patrimonial  Autorizado’,  que  consiste  
em   privilegiar   a   monumentalidade,   materialidade,   os   valores   históricos,   artísticos,  

Texto  no  1   22/02/2015     2  


técnicos/científicos  e  o  consenso  nacional  de  uma  obra/sítio.  O  resultado  foi  a  produção  
de   narrativas   nacionais   baseadas   nos   valores   dos   grupos   dominantes,   que   se   legitimam,  
por   um   lado,   pela   grandiosidade,   permanência/materialidade   e   erudição   de   suas  
construções   e,   por   outro,   pela   dificuldade   dos   grupos   subalternos   em   valorizar   e  
divulgar   diferentes   critérios   de   reconhecimento   de   um   bem   além   daqueles   já  
sedimentados   pela   história   oficial   e   técnicos   autorizados.   Desse   modo,   não   é   difícil  
encontrarmos  os  considerados  patrimónios  de  um  país  como  um  reflexo  da  cultura  de  
determinado  grupo,  enquanto  os  demais  são  esquecidos  e  negligenciados.    
 
O  património  é  um  conceito  de  difícil  definição  devido  à  sua  permeabilidade  com  outros  
conceitos   afins,   como   o   de   memória,   história,   cultura   ou   identidade.    De   facto,   as  
relações   entre   memória,   história   e   património   apresentam   uma   complexa   teia   de  
associações   no   campo   mais   amplo   de   estudos   patrimoniais.   Para   O'Keeffe   (2007:5),   a  
história,   na   sua   componente   narratológica,   é   sempre   sobre   a   memória.   A   primeira  
implicação  é  que  a  memória  transcende  a  história  e  a  história  não  pode  reivindicar  ser  
mais   do   que   um   fio   condutor,   ou   um   conjunto   destes,   trazendo   o   passado   para   o  
presente.  A  memória,  assim  como  história,  é  uma  reconstrução  do  passado  a  partir  do  
qual  o  significado  deriva.  O  historiador  Francês  Pierre  Nora  (1989:8-­‐9)  sustenta  que  a  
memória   está   sempre   em   permanente   estado   de   mutabilidade,   aberta   à   dialética   da  
lembrança   e   esquecimento,   vulnerável   à   manipulação   e   apropriação,   ao   passo   que   a  
história   é   uma   representação   do   passado,   um   discurso   crítico   que,   em   certos   casos,  
duvida/contraria   a   memória.   A   memória   não   é   construída   de   forma   incremental,   mas  
sim  continuamente  trabalhada  e  re-­‐trabalhada  à  medida  que  o  os  vestígios  materiais  do  
passado  são  reencontrados  e  reinterpretados.  A  memória  ou  narrativa  dominante  serve  
para   apoiar   e   validar   uma   determinada   ordem   (grupo)   social.   Consequentemente,  
prescreve  o  que  deve  ser  lembrado  (e  também  como  deve  ser  lembrado)  e  o  que  deve  
ser  esquecido  (Baines  2007:169).  Tendo  em  conta  que  todo  conhecimento  é  produzido  
num  contexto  político  e  a  memória  é  uma  forma  de  conhecimento  sobre  o  passado,  esta  
pode   ser   definida   como   um   tipo   de   poder.   Por   isso,   a   memória   é   construída  
propositadamente   através   de   formas   culturais   com   consequências   sociais   e   culturais  
significativas  (Wilson  2009:  378).  

O  geógrafo  David  Lowenthal  (1998b:7)  afirma  que  património  não  é  história,  mas  sim  
uma  ideia.  A  história  é  o  registo  da  lembrança  do  passado,  enquanto  património  é  um  
bem   contemporâneo,   propositadamente   criado   para   satisfazer   as   necessidades   de  
consumo   contemporâneo   (Ashworth   1994:16).   Apesar   de   geralmente   definir-­‐se  
património   como   a     "nossa   herança   do   passado,   algo   com   o   qual   vivemos   no   presente,   e  
que   deixamos   às   gerações   futuras"   (UNESCO   2005:2),   o   património   não   é   apenas   o  
legado  do  passado:  é  também  algo  criado  e  constantemente  alterado  de  acordo  com  as  
necessidades   da   sociedade   ou   grupos   sociais   do   presente   (Graham   &   Howard   2008).  
Assim,   património   deve   entender-­‐se   como   sendo   um   processo   em   que   "o   presente  
seleciona   uma   herança   de   um   passado   imaginado   para   o   uso   actual   e   decide   o   que   deve  
ser  repassado  para  um  futuro  imaginado"  (Tunbridge  &  Ashworth  1996:6).  Portanto,  o  

Texto  no  1   22/02/2015     3  


património  não  pode  ser  entendido  meramente  como  artefactos  materiais  tangíveis  ou  
outras  formas  intangíveis  mas  sim  como  uma  acção  social  ou  processo  cultural  (Byrne  
2008).  Como  Laurajane  Smith  (2006:  44)  sugere,  património  é  um  processo  cultural  que  
se  engaja  em  actos  de  recordação/lembrança  com  vista  a  criar  formas  de  compreensão  
e  engajamento  com  o  presente.  Portanto,  os  locais  (sítios  patrimoniais)  são  ferramentas  
culturais   que   podem   facilitar,   mas   não   são   necessariamente   vitais   para   este   processo.  
Nesse  sentido,  todo  património  é  intangível  (imaterial).  Portanto,  não  é  útil  conceber  o  
património  simplesmente  como  uma  coisa  (bem  material),  ou  um  lugar  (sítios),  ou  até  
mesmo   um   evento,   mas   sim   deve   ser   concebido   como   um   processo   cultural   que   se  
envolve   na   negociação   e   arbitragem   da   mudança   cultural   (Smith   2011:10).   Para  
Laurajane   Smith   (2006:3),   o   ideal   seria   abandonarmos   a   oposição   material   vs.   imaterial  
e   considerar   todo   património   como   intangível.   Não   que   a   autora   negue   o   aspecto  
material   de   um   bem,   mas   entende   que   ele   não   é   auto-­‐explicativo   ou   evidente   e   só   se  
destaca  dos  demais  materiais  iguais  ou  semelhantes  a  partir  dos  sentidos  que  lhes  são  
atribuídos   nos   seus   usos   sociais.   Esta   concepção,   da   qual   compartilho,   define   o  
património  como  um  processo  social  e  cultural,  um  acto  de  comunicação  e  de  atribuição  
de  significados  no  e  para  o  presente.    
 
Esta   definição   amplia   a   compreensão   conceptual   do   património   e   enfatiza   as   relações  
entre   política   (poder)   e   cultura   nas   quais   o   património   se   encontra   sempre   envolvido  
em   qualquer   sociedade.   De   facto,     o   poder   é   uma   questão   central   no   domínio   do  
património   e   é   um   elemento   gerador   do   próprio   património   (Meskell   2012).   Este  
elemento   ‘criação’   que   caracteriza   o   património   é   claramente   demonstrado   pelo   facto  
de   que   o   processo   de   formação   do   património   quase   sempre   requer   alguma   forma   de  
enunciação   legal,   seja   a   nível   local,   regional,   nacional   ou   mundial   (Silva   &   Santos  
2012:324).  Decerto,  o  processo  de  criação  ou  construção  do  património  é  susceptível  de  
ser   desencadeado   por   indivíduos   e   grupos   sociais   já   em   posições   de   poder   relativo,  
especialmente   os   políticos,   enquanto   que   a   gestão   do   património   é   susceptível   de   ser  
tratada   por   especialistas   (conservadores,   museólogos,   gestores   do   património,   entre  
outros)   principalmente   em   instituições   do   Estado   (Hobsbawm   &   Rangers   1983).   Por  
isso,  o  entendimento  do  património  como  uma  prática  cultural  nos  leva  à  necessidade  
de   tomar   os   agentes   sociais   e   as   dinâmicas   que   constituem   o   processo   de  
patrimonialização   (criação   do   património)   como   central   em   qualquer   reflexão   sobre  
património.  
 
Em   suma,   o   que   é   património   depende   dos   contextos   históricos,   culturais,   sociais   e  
normativos.   O   que   num   dado   momento   não   é   património,   pode   vir   a   ser   noutro.   Por  
outro   lado,   não   é   o   suporte   (materialidade)   que   justifica   um   bem   ser   visto   como  
património  cultural,  mas  os  valores  atribuídos  a  ele,  apesar  dos  objectos  merecerem  ser  
preservados  por  constituírem  um  elemento  do  acto  considerado  intangível.  
 
 
 

Texto  no  1   22/02/2015     4  


Exemplo  -­‐  Sítio  de  Gwaza  Muthine,  Distrito  de  Marracuene,  Província  de  Maputo  
 
Gwaza  Muthine  é  considerado  local  histórico  onde  decorreu  uma  das  primeiras  batalhas  
(batalha   de   Marracuene)   de   resistência   contra   a   ocupação   colonial.   A   batalha   de  
Marracuene   que   teve   lugar   no   dia   2   de   Fevereiro   de   1895   e   marcou,   em   termos  
historiográficos,   o   princípio   do   fim   do   império   de   Gaza.   A   partir   desta   altura,   as  
autoridades   portuguesas   avançaram   em   direcção   ao   kraal   de   Ngungunyana,   tendo  
culminado  com  o  assalto  final  a  28  de  Dezembro  de  1895,  data  em  que  Ngungunyana  foi  
preso   por   Mouzinho   de   Albuquerque   e   posteriormente   deportado   para   Portugal.   Do  
ponto   de   vista   português,   essas   batalhas   eram   conhecidas   por   Campanhas   de  
Pacificação.  Para  as  populações  locais  era  resistência  á  ocupação  portuguesa.    
 
As   forças   locais   eram   lideradas   por   Nwamatibyana,   Zihlahla,   Mahazule,   Mulungu   e  
Mavzaya.   Ao   aproximarem-­‐se   do   local,   as   forças   militares   portugueses,   que   incluíam  
solados   africanos   recrutado   de   Angola   e   da   Ilha   de   Moçambique,   entrincheiraram-­‐se  
num   quadrado   militar   e   prepararam-­‐se   para   o   combate.   No   final,   ficaram   mortos   no  
terreno   cerca   dos   66   guerreiros   vaRonga   (enterrados   numa   vala   comum)   e   do   lado  
português   foram   contabilizados   24   mortos   e   28   feridos.   As   forças   lideradas   por  
Nwamatibyana  perderam,  em  parte  devido  a:    
a) Superioridade  bélica  dos  portugueses;    
b) Traição  dos  Mavota  e  Matsolo,  que  cederam  os  portugueses  para  que  usassem  as  
suas  regiões  como  posto  avançado  das  suas  forças  e  na  fase  decisiva,  os  Mavota  
guiaram  as  forças  portuguesas  rumo  ao  combate  de  Marracuene;    
c) Indisciplina  no  seio  dos  guerreiros  de  Nwamatibyana  e  seus  súbditos;  e    
d) Divisões   no   seio   das   chefaturas   de   então,   que   foram   optimizadas   pelos  
portugueses  (Rapouso  2011).    
 
Um   ano   após   a   batalha   de   Maracuene,   em   1896,   as   autoridades   coloniais   portuguesas  
celebraram   o   Gwaza   Muthini   em   memória   dos   soldados   portugueses   tombados   na  
vitoriosa   batalha.   Aquando   da   independência,   houve   apenas   três   celebrações,  
nomeadamente   em   1974,   1975   e   1976.   O   ano   de   1976   marcou   o   fim   das   celebrações   de  
Gwaza   Muthini,   uma   vez   que   o   então   Estado   Moçambicano   decretou   o   3   de   Fevereiro  
como   data   para   a   comemoração   de   toda   heroicidade   moçambicana.   Contudo,   por  
iniciativa   do   empresário   local   António   Yok   Chan,   apoiado   pelo   Governo,   as  
comemorações   de   Gwaza   Muthini   foram   reactivadas   a   2   de   Fevereiro   de   1994.  
Enquanto  que  no  período  colonial  os  heróis  eram  os  portugueses  tombados  na  batalha  
de  Marracuene,  a  partir  de  1974  os  heróis  eram  os  Moçambicanos  tombados  na  batalha.  
De  facto,  Gwaza  Muthini  passou  a  ser  símbolo  da  heroicidade  contra  a  ocupação  efectiva  
do  sul  de  Moçambique.  
 
No  contexto  da  valorização  do  local,  foi  erguido  o  Monumento  de  Gwaza  Muthine  cuja  
arquitectura   retrata   dois   acontecimentos:   o   primeiro   retrata   a   história   da   grande  
batalha  ocorrida  no  dia  2  de  Fevereiro  de  1895  e  o  segundo  retrata  as  estratégias  dos  

Texto  no  1   22/02/2015     5  


guerreiros  do  estado  de  Gaza  aquando  das  suas  expedições  militares.  Assim,  pode-­‐se  ver  
um   cerco   sob   a   forma   de   meia-­‐lua,   simbolizando   o   famoso   quadrado   de   Marracuene  
apresentado  pelas  forças  coloniais  portuguesas.  No  meio  desta  destaca-­‐se  a  presença  de  
uma  torre  que  simboliza  o  poder.  Em  resumo,  o  monumento  descreve  o  facto  de  que  nas  
expedições  os  guerreiros  de  Ngungunyane  tinham  como  estratégia  de  combate  o  cerco  
sob   a   forma   de   meia   lua   para   atingir   o   centro   do   poder   que   pretendiam   destituir  
(Macamo  2008:  43).  
 
Geralmente,   a     celebração   do   Gwaza   Muthini   é   marcada   por   diversas   actividades  
culturais.   Após   as   cerimónias   habituais   de   Kuphahla   (evocação   dos   espíritos   dos  
antepassados)   dirigida   pelas   Autoridades   Comunitárias,   da   deposição   de   flores   junto   ao  
monumento   que   lembra   os   guerreiros   tombados   no   Quadrado   de   Marracuene,   da  
entoação  do  Hino  Nacional  e  dos  discursos  da  praxe  (dirigidas  por  altos  designatários  
do   Governo),   tem   início   as   actividades   culturais,   marcado   pelas   danças   tradicionais,  
localmente   conhecidas   como   Muthimba.   Uma   das   atrações   deste   evento   tem   sido   o  
ukanyi,   uma   bebida   tradicional   preparada   na   véspera   das   festividades.  
Tradicionalmente,  durante  as  celebrações  do  Gwaza  Muthini  faziam-­‐se  preces  junto  ao  
rio,   convidando   o   hipopótamo,   o   qual   se   entregava   voluntariamente   para   ser   abatido,  
sendo   a   carne   oferecida   a   todos,   que   a   comiam   também   como     forma   de   revigorar   as  
energias.  Contudo,  nos  últimos  anos,  alguns  líderes  locais  consideraram  que  a  tradição  
não  se  tem  cumprido  pelo  facto  de  o  hipopótamo  não  sair  mais  do  rio.  De  acordo  com  
líderes  comunitários,  o  hipopótamo  se  equipara  à  força  que  os  guerreiros  tinham  para  
enfrentar   o   colono.   De   igual   modo,   a   força   do   hipopótamo   e   simboliza,   na   tradição   local,  
a  força  dos  guerreiros  que  lutaram  contra  o  colonialismo  (CANALMOZ,  04  de  Fevereiro  
de  2010).  Devido  ao  não  aparecimento  do  hipopótamo  nas  últimas  celebrações  do  2  de  
Fevereiro,   algumas   pessoas   consideram   que   o   Gwaza   Muthini   mantém-­‐se   apenas   na  
designação.  Alguns  residentes  locais  associam  o  desaparecimento  do  animal  à  zanga  dos  
espíritos,  aliás,  tido  como  prenúncio  da  fome  e  intempéries.  Outros  associam  este  facto  
à  salinidade  das  águas  do  rio  Incomáti  (SAPO  Noticias,  2  de  Fevereiro  de  2012).    

Desde   2008,   o   Gwaza   Muthine   tem   sido   associado   ao   espetáculo   musical   denominado  
“Festival   Marrabenta   Gwaza   Muthini”.   Mais   recentemente,   adicionou-­‐se   um   outro  
atrativo   a   edição   do   Festival   Marrabenta,   o   Comboio   Marrabenta.   Geralmente,   a  
locomotiva   parte   entre   as   13:00   e   14.00   horas   da   Estação   Central   dos   Caminhos   de  
Ferro   de   Moçambique   (CFM)   com   destino   ao   distrito   de   Marracuene   transportando  
parte   dos   artistas   que   actuaram   no   festival   em   interacção   com   os   passageiros   num  
ambiente   de   festa.   De   acordo   com   os   seus   promotores,   o   Festival   Marrabenta   tem   como  
objectivos   valorizar   e   promover   a   cultura   moçambicana,   em   particular   a   marrabenta,  
sem   se   dissociar   das   questões   sociais   bem   como   a   promoção   da   cidadania,  
entretenimento   e   promoção   de   intercâmbio   e   diálogo   entre   a   velha   e   nova   geração  
(Noticias,   4   de   Fevereiro   de   2009).   Contudo,   algumas   vozes   da   arena   artístico-­‐cultural   (  
por   exemplo,   o   músico   moçambicano   e   fundador   da   banda   Eyuphuru,   Gimo   Remane)  
questionam   a   realização   do   Festival   da   Marrabenta.   Para   estes,   a   diversidade   cultural  

Texto  no  1   22/02/2015     6  


em   Moçambique   (ritmos   musicais)   levanta   muitas   questões   em   termos   do  
enaltecimento   e   celebração   de   um   único   estilo   musical,   como   e   o   caso   da   Marrabenta  
(Chauque:  2009:3).  

Questão  para  debate  


Que  análise  faz  sobre  o  processo  de  patrimonialização  em  Moçambique?  

 
Referências  
Aikawa,  N.  2004.  An  Historical  Overview  of  the  Preparation  of  the  UNESCO  International  
Convention  for  the  Safeguard  of  the  Intangible  Cultural  Heritage.  Museum  
International:  Intangible  Heritage  56  (1-­‐2):  137-­‐149.    
Ashworth,  G.  J.  1994.  From  History  to  Heritage  -­‐  From  Heritage  to  Identity:  In  Search  of  
Concepts  and  Models.  In:  Ashworth,  G.  J.  &  Larkham,  P.  J.  (eds.)  Building  a  New  
Heritage:  Tourism,  Culture  and  Identity  in  the  New  Europe:  13-­‐30.  London/New  York:  
Routledge.    
Baines,  G.  2007.  The  Politics  of  Public  History  in  Post-­‐Apartheid  South  Africa.  In:  Stolten,  
H.  K.  (ed)  History  Making  and  Present  Day  Politics:  The  Meaning  of  Collective  Memory  
in  South  Africa:  167-­‐182.  Uppsala:  Nordiska  Afrikainstitutet.    
Byrne,  D.  2008.  Heritage  as  Social  Action.  In:  Fairclough,  G.  et  al.  (eds.)  The  Heritage  
Reader:  149-­‐174.  London:  Routledge.    
Cabral,  C.  B.  2011.  Património   Cultural   Imaterial:   Convenção   da   Unesco   e   seus   Contextos.  
Lisboa:  Edições  70.    
CANALMOZ,  4  de  Abril  2010.  Cerimónia  de  Gwaza  Muthine:  Não  se  seguiu  a  tradição  por  
falta  de  hipopótamo.  Maputo:  CANALMOZ.  
Choay,  F.  2006.  A  Alegoria  do  Património.  São  Paulo:  Estação  Liberdade.  
Chauque,   A.   2009.   Marrabenta   e   Gwaza   Muthini:   do   mito   ao   rito.   Verdade,   13   de  
Fevereiro  de  2009.  Maputo.  
Gonçalves,   J.   R.   2003.   O   Património   como   Categoria   de   Pensamento.   In:   Abreu,   R.   &  
Chagas,   M.   (Orgs.)   Memória   e   Património:   Ensaios   Contemporâneos:   21-­‐29.   Rio   de  
Janeiro:  DPA.  
Graham,  B.  &  Howard,  P.  2008.  Heritage  and  Identity.  In:  Graham,  B.  &  Howard,  P.  (eds.)  
The  Ashgate  Research  Companion  to  Heritage  and  Identity:  1-­‐15.  Hampshire:  Ashgate.    
Hobsbawm,  E.  &  Ranger,  T.  O.  1983.  The  Invention  of  Tradition.  Cambridge:  Cambridge  
University  Press.    
Lei  nº  10/88  de  22  de  Dezembro,  que  determina  a  Protecção  Legal  dos  Bens  Materiais  e  
Imateriais  do  Património  Cultural  Moçambicano.  Boletim  da  República,  51  (I).  
Lowenthal,  D.  1985  .The  Past  is  a  Foreign  Country.  Cambridge:  Cambridge  University  
Press.    
Macamo,  S.  2008.  Inventário  do  Património  Nacional  Monumentos,  Conjuntos  e  Sítios.  
Maputo:  Direcção  Nacional  do  Património  Cultural.  
Meskell,  L.  2012.  The  Nature  of  Heritage:  The  New  South  Africa.  Oxford:  Blackwell.    
Ministério   da   Educação   e   Cultura   2007.   Coletânea   da   Legislação   Cultural   de  
Moçambique.  1ª  Edição.  Maputo:  DINAC/MEC.    
Nora,  P.  1989.  Between  Memory  and  History.  Representations  26:  7-­‐25.    

Texto  no  1   22/02/2015     7  


Noticias,   4   de   Fevereiro   de   2009.   Comboio   Marrabenta   apita   para   Gwaza   Muthini.  
Maputo:  Jornal  Noticias.  
O’Keeffe,  T.  2007.  Landscape  and  Memory:  Historiography,  Theory,  Methodology.  In:  
Moore,  N.  &  Whelan,  Y.  (eds.)  Heritage,  Memory  and  the  Politics  of  Identity:  New  
Perspectives  on  the  Cultural  Landscape:  3-­‐18.  Hampshire:  Ashgate.    
Raposo,  E.  2011.  Gwaza  Muthini,  na  forma  como  a  conhecemos  hoje  é  um  Bluff  
Histórico.  Disponivel  Online:  
http://ideiasdemocambique.blogspot.com/2011/02/gwaza-­‐muthini-­‐na-­‐forma-­‐
como-­‐  conhecemos.html.  Acesso  27  Março  2014,  09:31.    
SAPO  Noticias,  2  de  Fevereiro  de  2012.  Gwaza  Muthini  celebra  117º  aniversário  da  
batalha  de  Marracuene.  Disponível  Online:  
http://noticias.sapo.mz/vida/noticias/artigo/1218572.html.  Acesso,  12  de  Fevereiro  
de  2015.      
Silva,  L.  &  Santos,  P.  M.  2012.  Ethnographies  of  Heritage  and  Power.  International  
Journal  of  Heritage  Studies  18  (5):  437-­‐443.    
Smith,  L-­‐J.  2006.  Uses  of  Heritage.  Londres/Nova  York:  Routledge.  
Smith,  L-­‐J.  2011.  Heritage  and  its  Intangibility.  In:  Skounti,  A.  &  Tebbaa,  O.  2011.  De  
L’immatérialité  du  Patrimoine  Culturel:  10-­‐20.  Rabat:  UNESCO  Regional  Office.    
Tunbridge,  J.  E.  &  Ashworth,  G.  J.  1996.  Dissonant  Heritage:  The  Management  of  the  Past  
as  a  Resource  in  Conflict.  Chichester:  Wiley.    
UNESCO   1972.   Convenção   para   a   Protecção   do   Património   Mundial   Cultural   e   Natural.  
Paris:  UNESCO.  
UNESCO   2003.     Convenção  para  a  Salvaguarda  do  Património  Cultural  Imaterial.   Paris:  
UNESCO.  
UNESCO  2005.  Draft  Report  of  Commission  IV  of  the  33rd  General  Conference  of  
UNESCO  (33  C/COM.IV/2),  20  October  2005.  [Online]  Available  at  
<http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001416/141610e.pdf>  [accessed  17  
December  2011].    
Wilson,  R.  2009.  History,  Memory  and  Heritage.  International  Journal  of  Heritage  
Studies  15  (4):  374-­‐378.    
 

Texto  no  1   22/02/2015     8