Você está na página 1de 18

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS

CÂMPUS APARECIDA DE GOIÂNIA


DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS
CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO DO


PROJETO DE FUNDAÇÕES COM A UTILIZAÇÃO
DE ESTACAS STRAUSS

HUMBERTO RODRIGUES
PEDRO HENRIQUE DE ALMEIDA LACERDA
RENATO MONTEIRO BARBOSA
RONIEL RIBEIRO COSTA
WENDELL ALVES BADARÓ

GOIÂNIA
2019
INDÍCE

1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 3

2 OBJETIVO ......................................................................................................................4

3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA..................................................................................4

4 BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL ...........................................................................................4

5 PARÂMETROS DE PROJETO ........................................................................................5

6 INFRAESTRUTURA ........................................................................................................5

6.1 FUNDAÇÃO .............................................................................................................5

6.2 PERFURAÇÃO ........................................................................................................5

6.4 COLOCAÇÃO DA ARMADURA ..............................................................................6

6.5 SEQUÊNCIA EXECUTIVA .......................................................................................7

6.6 CONCRETO .............................................................................................................7

6.7 REGISTRO DE QUALIDADE DOS SERVIÇOS .......................................................7

7 IMAGENS ........................................................................................................................8

8 MEMORIAL DE CÁLCULO ........................................................................................... 11

9 ORÇAMENTO POR CUSTO UNITÁRIO ........................................................................ 18


1 INTRODUÇÃO

A estaca Strauss é um tipo de fundação que se caracteriza por ser moldada no local (após a
perfuração do solo, executada através da escavação, mediante emprego de uma sonda
(também denominada piteira), com a simultânea introdução de revestimento metálico em
segmentos rosqueados, até que se atinja a profundidade projetada.

Estas estacas foram desenvolvidas com o objetivo de substituir as estacas metálicas e pré-
moldadas que produzem forte vibração e ruído ao serem cravadas no solo. Na Europa e
Estados Unidos, a estaca Strauss já é largamente utilizada desde o início do século XX e se
tornou mais popular no Brasil apenas depois da Segunda Guerra Mundial.

O equipamento para a colocação da estaca Strauss é conhecido como bate-estaca Strauss e


consiste basicamente de um guincho, um tripé com uma roldana fixada no topo, tubos guia
(camisas de aço), pilão e sonda.

O guincho através de um cabo de aço, movimenta verticalmente o martelo ou sonda, que


através de impactos verticais, escava ou compacta o solo, criando um "poço" de 20, 25 ou
30cm de diâmetro, via de regra (podendo ter alterações conforme dimensionamento da
fundação), que é preenchido de concreto, gerando uma estaca Strauss.

A concretagem é realizada lançando-se o concreto e retirando-se gradativamente o


revestimento com o simultâneo apiloamento do concreto. O revestimento integral assegura a
estabilidade da perfuração e garante as condições para que não ocorra a mistura do concreto
com o solo ou o estrangulamento do fuste da estaca. No caso de estacas armadas, a armadura
é inserida antes dos procedimentos de concretagem.

A vantagem desta técnica consiste na grande mobilidade, versatilidade e produtividade, além


do fato de não produzir qualquer tipo de vibração no terreno, e permitir a amostragem do solo
escavado. Por isso, pode ser aplicada em terrenos acidentados, em locais confinados ou ainda
no interior de construções existentes com pé-direito reduzido. Possui aplicações interessantes
por não causar vibrações, podendo ser executada próximo a estruturas existentes.

As estacas strauss geralmente são substituídas por outros tipos de fundação. Dentre elas, as
mais utilizadas sãos as estacas hélice contínua e as hélices segmentadas.
2 OBJETIVO

O presente memorial descritivo é parte documental do projeto de Fundação para os pilares de


um edifício de 5 pavimentos (Térreo, Apartamento Tipo – 3 unidades, Duplex – 2 níveis)
através de Estacas do Tipo Strauss.

Este memorial descritivo irá complementar as informações contidas nos projetos, elaborar
procedimentos e rotinas para a execução dos trabalhos, com o propósito de assegurar o
cumprimento do cronograma físico-financeiro, a qualidade da execução, a racionalidade,
economia e segurança, tanto dos usuários, como dos colaboradores da empresa contratada.

Foram utilizados, para o processamento da estrutura, os seguintes programas:

• Autodesk Robot Structural Analisys Professional 2018;


• CypeCad 2017;

3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Foram utilizados alguns documentos com o propósito de criar todo amparo técnico para a
construção da Fundação da Obra:

➢ Manual de Especificações de Produtos e Procedimentos da Associação Brasileira de


Empresas de Engenharia de Fundações e Geotecnia (ABEF);.

➢ Fundações – Teoria e Prática; ABMS/ABEF, ed. PINI.

➢ Frederico F. Falconi, João de Souza Filho|Nélio Descio Fígaro (2000). Fundações -


Teoria e prática - Teoria e prática - seção 9.1.2 Estacas Escavadas sem Lama
Bentonítica. [S.l.]: PINI.

4 BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL

O presente projeto foi elaborado de acordo com as Normas Brasileiras vigentes, em particular:

➢ ABNT NBR 6120:1980 – Cargas para o Cálculo de Estruturas de Edificações;


➢ ABNT NBR 6122:1996 – Projeto e Execução de Fundação;
5 PARÂMETROS DE PROJETO

Para a caracterização de todos elementos de um projeto é necessário a compreensão de


todas as peculiaridades pertinentes aos: materiais, ações de carregamento e as combinações
no que diz respeito ao atendimento do estado limite último e de serviço. Com o intuito de
melhor organização, os critérios de parâmetros de projeto serão explicados em subtópicos
abaixo.

Para a obra em questão foram executados 03 (três) furos de sondagem SPT, sendo
caracterizado o subsolo do local como uma sucessão de camadas, sendo o perfil típico
descrito como um solo siltoso argiloso.

6 INFRAESTRUTURA
6.1 FUNDAÇÃO

O concreto que será utilizado é de FCK= 20 MP, e será dosado em laboratório, cujo controle
seguirá normas específicas. As formas laterais das cintas e blocos serão de madeira ou
chapiscadas contra-barranco, e sua impermeabilização de cintas será executada com
respaldo de argamassa aditivada.

Para proteção do fundo das vigas e blocos será aplicado um lastro de concreto com no mínimo
5 cm de espessura.

6.2 PERFURAÇÃO

O equipamento será posicionado para assegurar a centralização e verticalidade da estaca.

A execução será iniciada através da aplicação de repetidos golpes com o pilão ou a piteira
para formar um pré-furo com profundidade de 1,0 m a 2,0 m, dentro do qual é colocado um
segmento curto de revestimento com coroa na ponta. A seguir prossegueirá a perfuração com
repetidos golpes da sonda e eventual adição de água que vai rremovendo o solo. Na medida
em que o furo é formado, os tubos de revestimentos vão sendo introduzidos até que a
profundidade prevista seja atingida. Concluída a perfuração, será lançada água no interior
dos tubos para a sua limpeza. A água e a lama são totalmente removidas pela piteira e o
soquete é lavado.

Serão feitas manobras, quando necessárias, para que os tubos descam livremente.
6.3 CONCRETAGEM

O concreto será lançado através de um funil no interior do revestimento, em quantidades


suficiente para se ter uma coluna de aproximadamente 1,0 m, que deve ser apiloado para
formar a ponta da estaca. Continuando-se a execução da estaca, o concreto será lançado
com a simultânea retirada do revestimento.

A retirada do revestimento deverá ser feita com guincho manual de forma lenta, para evitar a
subida da armadura, quando existente, e a formação de vazios, garantindo-se que o concreto
esteja acima da ponta do revestimento. A concretagem deverá ser feita até a superfície do
terreno.

A produção média diária de estacas strauss é de 50 metros. Para a eficiência de carga deste
tipo de estaca conforme a NBR 6122/2010.

Tabela 1 Relação entre Cargas e sua dimensão.

carga
20 ton. f. 30 ton. f. 40 ton. f.
admissível
Ø 0,250 mm 0,320 mm 0,400 mm

6.4 COLOCAÇÃO DA ARMADURA

No caso das estacas não sujeitas a tração ou a fexão, a armadura é apenas de arranque sem
função estrutural (conforme Tabela 1) e as barras de aço podem ser posicionadas no concreto,
uma a uma, sem estribos imediatamente após a concretagem, deixando-se para fora a espera
prevista em projeto.

Tabela 2 - Estaca Strauss1: Parâmetro para Dimensionamento.

Comprimento útil Tensão média atuante


Fck2 Máximo mínimo (incluindo trecho abaixo da qual não é
de Projeto γf γc γs de ligação com o bloco) e necessário armar (exceto
Mpa % de armadura mínima ligação com o bloco)
Mpa
Armadura Comprimento
15 1,4 1,9 1,15 0,5 2 5
Fonte 1: ABNT NBR 6122: 2010.

Para estacas armadas, a gaiola de armadura deverá ser introduzida no revestimento antes da
concretagem. Neste caso o soquete deverá ter diâmetro menor que o da armadura,

1 Neste tipo de estaca o diâmetro a ser considerado no dimensionamento é o diâmetro externo do revestimento.
2 O Fck Máximo de projeto desta Tabela é aquele que deve ser empregado no dimensionamento estrutural da peça.
Nas estacas dimensionadas para suportar tração ou flexão, o projeto da armadura deve
obedecer aos seguintes critérios:

a) O diametro mínimo para a execução de estacas armadas é de 32 cm;


b) Os estribos devem ter espaçamento entre 15 cm e 30 cm.

6.5 SEQUÊNCIA EXECUTIVA

Não serão executadas estacas com espaçamento inferior a cinco diametros em intervalo
inferior a 12H. Esta distância refere-se à estaca de maior diametro.

Pelo menos 1% das estacas, e no mínimo uma por obra, serão exposta abaixo da cota de
arrasamento e, se possível, até o nível d’água, para verificação de sua integridade e qualidade
do fuste.

6.6 CONCRETO

O concreto utilizado seguirão as seguintes exigências:

• Consumo de cimento não inferior a 300 kg/m³


• Abatimento ou slump test conforme ABNT NBR NM 67 entre 8 cm e 12 cm para estacas
não armadas e de 12 cm a 14 cm para estacas armadas.
• Agregado: diâmetro máximo 19 mm (brita 1);
• Fck > 20 Mpa aos 28 dias, conforme ABNT NBR 6118, ABNT 5738 e ABNT NBR 5739.

6.7 REGISTRO DE QUALIDADE DOS SERVIÇOS

Também será preenchida a ficha de controle diariamente para cada estaca, devendo constar
as seguintes informações:

a) Identificação da obra e local, nome do contratante e executor;


b) Data da execução;
c) Identificação ou número da estaca;
d) Comprimentos escavado e útil;
e) Consumo de materiais por estaca;
f) Cotas do terreno e cota de arrasamento;
g) Características dos materiais e insumos utilizados;
h) Observações e anormalidades de execução.
7 IMAGENS
Figura 1 – Bloco de coroamento com 3 estacas-vista 3D

Fonte 2: Autor.

Figura 2- Bloco de Coroamento triangular com 3 estacas-Vista 3D

Fonte 3: Autor.
Figura 3-Vista geral da fundação em 3D

Fonte 4: Autor.

Figura 4-Vista do Software CypeCad do projeto de fundações

Fonte 5: Autor.
Figura 5-Vista em Perpesctiva da fundação em 3D

Fonte 6: Autor.

Figura 6-Vista 3D Da fundação

Fonte 7: Autor.
8 MEMORIAL DE CÁLCULO

Com base nas sondagens realizadas e do projeto estrutural apresentado foram definidas
tecnicamente que deverão ser utilizadas estacas strauss como fundações da obra prescrita.

Normalmente, a estimativa da capacidade de carga de uma estaca pode ser determinada de


dois modos distintos: Métodos Teóricos ou Métodos Semi-empíricos.

Os métodos teóricos não conduzem a resultados satisfatórios pelos seguintes fatores:

• Impossibilidade prática de conhecer, com certeza, o estado de tensões existentes no


terreno em repouso e estabelecer com precisão as condições de drenagem que definem o
comportamento de cada uma das camadas que compõem o perfil atravessado pela estaca e
aquela do solo onde ficará apoiada a sua ponta;

• A dificuldade que existe em determinar com exatidão a resistência ao cisalhamento


dos solos que interessam à fundação;

• Heterogeneidade do subsolo onde se executam as fundações;

• A influência que o método executivo do tipo de fundação escolhido exerce sobre o


estado de tensões e sobre as propriedades do solo, em particular sobre a resistência nas
vizinhanças imediatas da estaca;

• Presença de fatores internos e/ou externos que modificam o movimento relativo entre
o solo e a estaca.

Pelas razões expostas anteriormente é que as fórmulas empíricas são de uso mais corrente.
Dentre os métodos disponíveis na literatura, o mais popular no nosso meio técnico é o proposto
por Décourt & Quaresma (1978/1982). Segundo os autores, a carga de ruptura de uma estaca
isolada é composta da soma de duas parcelas:

QU = Plateral + Pponta (carga na ruptura)


Plateral = UΣ(∆l x rlateral) (Plateral : parcela de atrito lateral ao longo do fuste)
Pponta = Aponta x rponta (Pponta : parcela de resistência de ponta)
U = perímetro da secção da estaca
D = embutimento da estaca no solo
At = área da projeção da ponta da estaca.
L = comprimento da estaca
Os valores de Plateral e Pponta são obtidos pelas resistências laterais e de ponta,
respectivamente, a partir de ensaios SPT por:

Plateral = r lateral * U * L* r lateral = (NSPT/3) + 1 [tf/m2]


Pponta = r ponta * Aponta* r ponta = C NSPT [tf/m2]

Conhecendo a carga de ruptura QU, a carga admissível para uma estaca será:

PADM = QU / FS FSlat = 1,3; FSponta = 4

Assim, mediante a aplicação do método exposto anteriormente, temos:


RELATÓRIO DE ELEMENTOS DE FUNDAÇÃO
Descrição

Referências Estacas Geometria Armadura


P1, P23 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 5m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 45.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P2 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 10m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 50.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P3 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 10m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 50.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P4 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 5m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 50.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P5 Tipo: Estaca Strauss 25 cm-10m Bloco de 3 estacas Malha inferior X: Ø10c/8
Penetração: 10.0 cm Vuelo: 38.0 cm Malha inferior Y: Ø10c/8
Altura: 65.0 cm Viga lateral:
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m Armadura inferior: 4Ø10
P6 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 10m Bloco de 3 estacas Malha inferior X: Ø10c/8
Penetração: 10.0 cm Vuelo: 41.0 cm Malha inferior Y: Ø12.5c/12
Altura: 65.0 cm Viga lateral:
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m Armadura inferior: 4Ø10
P7 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 10m Bloco linear Armadura inferior: 10Ø10
Penetração: 10.0 cm Vuelo X: 41.0 cm Armadura superior: 10Ø10
Vuelo Y: 41.0 cm Estribos horizontais: 9Ø12.5
Altura: 105.0 cm Estribos verticais: Ø12.5c/10.5
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m
Número de estacas: 3
P8 Tipo: Estaca Strauss 25 cm-10m Bloco linear Armadura inferior: 10Ø10
Penetração: 10.0 cm Vuelo X: 38.0 cm Armadura superior: 10Ø10
Vuelo Y: 40.0 cm Estribos horizontais: 9Ø12.5
Altura: 105.0 cm Estribos verticais: Ø16c/18
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m
Número de estacas: 3
P9 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 5m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 45.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P10 Tipo: Estaca Strauss 25 cm-10m Bloco linear Armadura inferior: 10Ø10
Penetração: 10.0 cm Vuelo X: 38.0 cm Armadura superior: 10Ø10
Vuelo Y: 41.0 cm Estribos horizontais: 9Ø12.5
Altura: 105.0 cm Estribos verticais: Ø16c/18
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m
Número de estacas: 3
P11 Tipo: Estaca Strauss 25 cm-10m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 80.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 75.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 40.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P12 Tipo: Estaca Strauss 25 cm-10m Bloco de 3 estacas Malha inferior X: Ø10c/8
Penetração: 10.0 cm Vuelo: 38.0 cm Malha inferior Y: Ø12.5c/12
Altura: 65.0 cm Viga lateral:
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m Armadura inferior: 4Ø10
P13 Tipo: Estaca Strauss 45cm- 10m Bloco linear Armadura inferior: 4Ø20
Penetração: 10.0 cm Vuelo X: 48.0 cm Armadura superior: 4Ø20
Vuelo Y: 48.0 cm Estribos horizontais: 18Ø12.5
Altura: 145.0 cm Estribos verticais: Ø16c/12.5
Distância entre eixos de estacas: 1.10 m
Número de estacas: 3
Referências Estacas Geometria Armadura
P14 Tipo: Estaca Strauss 38cm- 10m Bloco linear Armadura inferior: 8Ø12.5
Penetração: 10.0 cm Vuelo X: 44.0 cm Armadura superior: 8Ø12.5
Vuelo Y: 44.0 cm Estribos horizontais: 12Ø12.5
Altura: 120.0 cm Estribos verticais: Ø16c/15.5
Distância entre eixos de estacas: 0.90 m
Número de estacas: 3
P15 Tipo: Estaca Strauss 38cm- 10m Bloco de 3 estacas Malha inferior X: Ø10c/10
Penetração: 10.0 cm Vuelo: 44.0 cm Malha inferior Y: Ø12.5c/14
Altura: 65.0 cm Viga lateral:
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m Armadura inferior: 6Ø10
P16 Tipo: Estaca Strauss 45cm- 10m Bloco de 3 estacas Malha inferior X: Ø16c/25
Penetração: 10.0 cm Vuelo: 48.0 cm Malha inferior Y: Ø12.5c/14
Altura: 65.0 cm Viga lateral:
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m Armadura inferior: 6Ø10
P17 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 10m Bloco linear Armadura inferior: 12Ø10
Penetração: 10.0 cm Vuelo X: 41.0 cm Armadura superior: 12Ø10
Vuelo Y: 41.0 cm Estribos horizontais: 12Ø12.5
Altura: 120.0 cm Estribos verticais: Ø16c/15
Distância entre eixos de estacas: 0.90 m
Número de estacas: 3
P18 Tipo: Estaca Strauss 38cm- 10m Bloco de 3 estacas Malha inferior X: Ø12.5c/10
Penetração: 10.0 cm Vuelo: 44.0 cm Malha inferior Y: Ø12.5c/9
Altura: 90.0 cm Viga lateral:
Distância entre eixos de estacas: 1.10 m Armadura inferior: 7Ø10
P19 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 10m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 45.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P20 Tipo: Estaca Strauss 45cm- 10m Bloco linear Armadura inferior: 4Ø20
Penetração: 10.0 cm Vuelo X: 48.0 cm Armadura superior: 4Ø20
Vuelo Y: 48.0 cm Estribos horizontais: 18Ø12.5
Altura: 145.0 cm Estribos verticais: Ø16c/12.5
Distância entre eixos de estacas: 1.10 m
Número de estacas: 3
P21 Tipo: Estaca Strauss 25 cm-10m Bloco de 3 estacas Malha inferior X: Ø10c/8
Penetração: 10.0 cm Vuelo: 38.0 cm Malha inferior Y: Ø12.5c/12
Altura: 65.0 cm Viga lateral:
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m Armadura inferior: 4Ø10
P22 Tipo: Estaca Strauss 45cm- 10m Bloco linear Armadura inferior: 12Ø10
Penetração: 10.0 cm Vuelo X: 48.0 cm Armadura superior: 12Ø10
Vuelo Y: 48.0 cm Estribos horizontais: 9Ø12.5
Altura: 105.0 cm Estribos verticais: Ø16c/18
Distância entre eixos de estacas: 0.75 m
Número de estacas: 3
P24 Tipo: Estaca Strauss 25 cm-10m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 75.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 75.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 40.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P25 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 5m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 45.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
P26 Tipo: Estaca Strauss 32 cm- 5m Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2Ø10
Penetração: 10.0 cm Largura X: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Largura Y: 82.0 cm Estribos verticais: 2Ø10
Altura: 50.0 cm Estribos diagonais: 2Ø4.2
Resumo de medição (incluídas perdas de aço)
CA-50 (kg) CA-60 (kg) Concreto (m³) Fôrmas
(m²)
Elemento Ø6.3 Ø10 Ø12.5 Ø16 Ø20 Total Ø4.2 C20, em geral Limpeza
Referências: P1 e P23 2x0.72 2x10.21 2x4.97 31.80 2x0.61 2x0.30 2x0.07 2x1.12
Referência: P2 0.65 10.47 5.17 16.29 0.64 0.34 0.07 1.24
Referência: P3 0.65 10.47 5.17 16.29 0.64 0.34 0.07 1.04
Referência: P4 0.97 10.47 7.76 19.20 0.63 0.34 0.07 1.24
Referência: P5 0.96 43.85 8.65 53.46 1.04 0.16 2.97
Referência: P6 0.97 27.35 28.36 56.68 1.14 0.17 2.91
Referência: P7 0.96 32.93 195.83 229.72 2.00 0.19 6.19
Referência: P8 0.97 32.12 78.57 122.26 233.92 1.90 0.18 6.03
Referência: P9 0.72 10.21 4.97 15.90 0.61 0.30 0.07 0.94
Referência: P10 0.97 32.12 79.33 123.64 236.06 1.95 0.19 6.27
Referência: P11 0.97 9.43 7.11 17.51 0.57 0.24 0.06 0.76
Referência: P12 0.97 28.32 26.30 55.59 1.04 0.16 2.77
Referência: P13 1.06 194.91 330.35 80.20 606.52 4.40 0.30 11.35
Referência: P14 0.97 152.65 229.28 382.90 2.83 0.24 7.94
Referência: P15 0.97 32.69 17.77 31.46 82.89 1.24 0.19 2.84
Referência: P16 1.05 20.36 28.67 19.33 69.41 1.38 0.21 3.42
Referência: P17 0.72 44.42 108.07 167.58 320.79 2.58 0.21 7.86
Referência: P18 0.97 28.05 70.13 42.79 141.94 2.38 0.26 5.31
Referência: P19 1.06 10.21 7.43 18.70 0.62 0.30 0.07 1.12
Referência: P20 1.05 199.49 330.35 80.20 611.09 4.40 0.30 11.35
Referência: P21 0.97 28.32 26.30 55.59 1.04 0.16 2.57
Referência: P22 0.97 40.10 77.24 200.04 318.35 2.48 0.24 6.58
Referência: P24 0.89 9.16 7.12 17.17 0.55 0.23 0.06 0.88
Referência: P25 0.72 10.21 4.97 15.90 0.61 0.30 0.07 1.12
Referência: P26 0.65 10.47 5.17 16.29 0.64 0.34 0.07 1.24

Para critério de verificação, será demonstrado como foi realizado para o PILAR 1, e os demais
tiveram verificações análogas.

1.- ESPESSURA MÉDIA DO BLOCO

A espessura média do bloco não deve ser menor do que 20 cm (ABNT NBR 6118:2014, 24.6.2).

45.0 cm  20.0 cm
Espessura média do bloco : 45.0 cm

2.- ESPAÇAMENTO MÍNIMO LIVRE ENTRE AS FACES DAS BARRAS LONGITUDINAIS

O espaçamento mínimo livre entre as faces das barras longitudinais, medido no plano da seção transversal, deve
ser igual ou superior ao maior dos seguintes valores (ABNT NBR 6118:2014, 18.3.2.2):
- 20 mm
- diâmetro da barra, do feixe ou da luva
- 1,2 vezes a dimensão máxima característica do agregado graúdo: 18.0 mm
Dimensão máxima característica do agregado graúdo: 15.0 mm
Diâmetro da barra Espaçamento livre
Referência Passa
(mm) (mm)
Estribos xz 10.0 226.7
Estribos yz 10.0 226.7
Estribos xy 10.0 90.0

3.- ELEMENTOS ESTRUTURAIS ARMADOS COM ESTRIBOS

O diâmetro da barra que constitui o estribo deve ser maior ou igual a 5 mm (ABNT NBR 6118:2014, 18.3.3.2):

10.0 mm  5.0 mm

Diâmetro da barra
Referência Passa
(mm)
Estribos xz 10.0
Estribos yz 10.0
Estribos xy 10.0

4.- COBRIMENTO

Para garantir o cobrimento mínimo (cmin) o projeto e a execução devem considerar o cobrimento nominal (cnom), que
é o cobrimento mínimo acrescido da tolerância de execução (c). Assim, as dimensões das armaduras e os
espaçadores devem respeitar os cobrimentos nominais, estabelecidos na Tabela 7.2, para c = 10 mm (ABNT NBR
6118:2014, 7.4.7.2).

40.0 mm  30.0 mm
Classe de agressividade ambiental (Tabela 6.1): CAA I
Cobrimento nominal : 30.0 mm

Cobrimento
Face Passa
(mm)
Inferior 40.0
Superior 40.0
Lateral 40.0

Os cobrimentos nominais e mínimos estão sempre referidos à superfície da armadura externa, em geral à face
externa do estribo. O cobrimento nominal de uma determinada barra deve sempre ser (ABNT NBR 6118:2014,
7.4.7.5):

40.0 mm  10.0 mm

A dimensão máxima característica do agregado graúdo utilizado no concreto não pode superar em 20% a espessura
nominal do cobrimento, ou seja (ABNT NBR 6118:2014, 7.4.7.6):

15.0 mm  48.0 mm

5.- TIRANTES
Para cálculo e dimensionamento dos blocos, são aceitos modelos tridimensionais lineares ou não lineares e modelos
biela-tirante tridimensionais. Esses modelos devem contemplar adequadamente os aspectos descritos em 22.7.2
(ABNT NBR 6118:2014, 22.7.3).

EN 1992-1-1:2004, 6.5.3(3).- A armadura necessária para resistir às forças nos nós de concentração de esforços
poderá ser distribuída ao longo de um determinado comprimento (ver a Figura 6.25 a) e b)). Quando a armadura
na zona dos nós se desenvolve numa extensão considerável de um elemento, deverá ser distribuída na zona em que
as isostáticas de compressão são curvas (tirantes e escoras). A força de tracção T poderá ser obtida pelas
expressões:

O esforço solicitante de cálculo desfavorável produz-se para a combinação de ações


1.4·PP+1.4·CP+1.4·Qa+0.84·V(+X).

A s  f1ydb
136.52 kN  8.13 kN
a) no caso de regiões de descontinuidade parcial (b  Altura do bloco), ver a Figura 6.25 a:

T : 8.13 k

F : 86.70 kN
Dimensão do pilar : 200.0 mm
Dimensão da estaca : 320.0 mm
b : 320.0 mm

T=
a : 200.0 mm
Altura do bloco : 450.0 mm
h : 320.0 mm

6.- CAPACIDADE ADMISSÍVEL DA ESTACA

4
A área da base de blocos de fundação deve ser determinada a partir da tensão admissível do solo para cargas não
majoradas (ABNT NBR 6118:2014, 24.6.2).

Capacidade admissível da estaca  Carga não majorada

Capacidade admissível da estaca Carga não majorada


Combinação Combinação de ações Passa
(t) (t)
Permanentes ou transitórias PP+CP+Qa+V(+X) 11.00 7.08

O efeito da introdução de vigas de equilíbrio consiste em absorver os momentos flectores na direcção na que
actuam, conseguindo que a carga resultante sobre o maciço seja uma carga centrada. O modelo de bielas e
tirantes que se analisa é o correspondente a esta carga.
9 ORÇAMENTO POR CUSTO UNITÁRIO

A estaca strauss preço alto pode variar principalmente conforme o tamanho que possa ser
exigido na execução da obra, porém, acha-se no mercado em geral, valores que giram em
torno de 20 a 50 reais por metro. Um preço mais baixo tem total relação com um menor
número de estacas para uma obra de pequeno porte por exemplo.

Os valores abaixo ocilam conforme a obra.

• Para Estaca Strauss 25 centímetros de diâmetro suportando peso de até 20 toneladas,


o preço de custo varia até: R$200,00 de uma obra para outra conforme a profundidade;
• Para Estaca Strauss 32 centímetros de diâmetro suportando peso de até 30 toneladas,
o preço de custo varia até: R$ 230,00 de uma obra para outra conforme a
profundidade;
• Para Estaca Strauss 38 centímetros de diâmetro suportando peso de até 40 toneladas,
o preço de custo varia até: R$310,00 de uma obra para outra conforme a profundidade;
• Para Estaca Strauss 45 centímetros de diâmetro suportando peso de até 60 toneladas,
o preço de custo varia até: R$450,00 de uma obra para outra conforme a profundidade.
• Os valores aplicados são a uma média de mercado e já se encontram inclusos os
valores de equipamentos e materiais utilizados, e mão-de-obra de profissionais
necessários para a execução dos trabalhos.