Você está na página 1de 1800

TEXTO ORIGINAL RESPONDENTE PROPOSTA

Dispõe sobre os requisitos


técnicos para a concessão de
registro de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis e dá outras
providências.

Retirar cosméticos ou qualquer


Martin Afonso Farias outro produto que altere o padrão da
idade (criança);

Dispõe sobre os requisitos técnicos


Agnaldo de Oliveira para a concessão de registro de
Vasconcelos cosméticos e perfumes infantis e dá
outras providências.
qual utilidade do cosmetico para
criança é ducativo ou só para
estimular a vaidade. apartir de que
jose arapoty lins vieira
idade ou faixa etári .se a criança
engolir o cosmetico qual efeito.como
guloseima seria mais interessante

Ana Paula Hoffmann Eliminar a palavra "cométicos" da


Frittoli Basaglia ementa.

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Não tenho proposta para a Ementa. Sou
contra a emissão de Resolução que
LIGIA PRADO DIAS
proponha a produção de produto de
beleza dirigido à crianças.

acredito que a anvisa esteja tomando


a decisão correta, criança deve
JANETE PEREIRA DE BRITO descobrir as coisas no tempo certo ,
não é necessário forçar essa
descoberta.
Dispõe sobre os requisitos técnicos
para a concessão de registro de
Christiane Terra de Lisboa
produtos de higiene pessoal infantis
e dá outras providências.
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade

Nataly Finez Larrosa Concordo com essa alteracao,


Angela S Tabata Sou contra
Maria Vitória Vasconcelos Concordo. Aceito.

na minha opinião deve ser proibibo o


Daniela Renata Pinto de
uso pela crianças mesmo sendo
Araujo
direcionada as crianças e adolescente
Não, é um absurdo criar artifícios
para para herotizar nossas crianças,
Waldyr Silveira Filho
vamos focar em coisas mais uteis para
ajudar a educar nossas crianças

Obrigatoriedade de se informar os
Jomar da Silva Alves riscos presentes e futuros paraa
criança.
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis
Daniela Cavalcanti Vaz juvenis
proibiçao para crianças menores de 12
Marcelo Ferreira Santos
anos.
Jessika Cristina de Desnecessario uma linha de higiene
OLiveira pessoal para crianças!!!!!!
Roberta Lippi Minha proposta é retirar a ementa
Silvia Düssel Schiros

Dispõe sobre os requisitos técnicos


Paula Tuanni dos Santos para a concessão de registro de
Machado produtos de higiene pessoal infantis
e dá outras providências.
Fernanda Cristina Sou contra liberação de cosméticos
Rodrigues Teixeira para crianças.
Que a ementa não inclua novos tipos
Carolina Jimenes de cosmeticos e mantenha a lista
antiga.

Não alterar a legislação para


Tamara Quírico
permitir a inclusão de desodorantes
As informações nos produtos para uso
CARLOS EDUARDO CIACCO
infantil deve ser bem clara.
Exclusão de todos os itens que
Eudes Dias Silva Junior correspondam à caracterização
"maquiagem", ou seja, cosméticos.
Deixem que as crianças tenham os seus
adriane costa dos santos
cheiros naturais.
Não autorizar licença para
Aline Thais de Melo
desodorantes e/ou sombras.

Roberta Cristina
Figueiredo

Rogeria Loureiro

1 - Conter o pH do produto descrito


Ana Paula Neves de Almeida nas embalagens.2 - Composição em
português
Marcos Luiz de Assis
Não aprovar!
Júnior
Dispõe sobre os requisitos técnicos
para a concessão de registro de
Marcelo de Matos Ramos produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes infantis e dá
outras providências.
Marcelo Daniliauskas
Art. 1º Esta Resolução
estabelece os requisitos
técnicos mínimos relativos à
formulação, segurança e
rotulagem para a concessão
de registro de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e Art. 1º Esta Resolução estabelece os
perfumes infantis, neste requisitos técnicos mínimos relativos
regulamento designados Agnaldo de Oliveira
à segurança para a concessão de
produtos infantis. Vasconcelos
registro de cosméticos e perfumes
infantis.
Ana Paula Hoffmann Eliminar a palavra "cométicos" do
Frittoli Basaglia artigo.
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
rt. 1º Esta Resolução estabelece os
requisitos técnicos mínimos relativos
à formulação, segurança e rotulagem
Christiane Terra de Lisboa para a concessão de registro de
produtos de higiene pessoal neste
regulamento designados produtos
infantis.

proibir a liberacao de produtos


maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade
Parágrafo único: Para efeitos desta
resolução, entende-se como seguro
para uso infantil o produto que
apresentar, comprovadamente, mediante
Alessandra Simões Trindade estudos científicos desenvolvidos por
centros de pesquisa nacionais e
internacionais, não existência de
riscos para a saúde do público a que
se destina.

Angela S Tabata Contra


Daniela Renata Pinto de acho q deve ser proibido o uso pelas
Araujo crianças e adolescentes
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Mônica Reis Somente com relação á segurança.


Marcelo Ferreira Santos excluir qualquer tipo de maquiagem.

Art. 1º Esta Resolução estabelece os


requisitos técnicos mínimos relativos
à formulação, segurança e rotulagem
Michelle Christina de para a concessão de registro de
Oliveira guirado produtos de higiene pessoal,
cosméticos, maquiagens e perfumes
infantis, neste regulamento
designados produtos infantis.
Art. 1º Esta Resolução estabelece os
requisitos técnicos mínimos relativos
à formulação, segurança e rotulagem
Paula Tuanni dos Santos
para a concessão de registro de
Machado
produtos de higiene pessoal, neste
regulamento designados produtos
infantis

CARLOS EDUARDO CIACCO DEFINIR O QUE É INFANTIL.


Eudes Dias Silva Junior Retirada do termo "cosméticos".
adriane costa dos santos Criança com maquiagem porque?

Roberta Cristina
INCLUSÃO DO ARTIGO 1
Figueiredo

Ana Elisa Kiszewski Bau Nenhuma proposta


Art. 1º Esta Resolução estabelece os
requisitos técnicos mínimos relativos
à formulação, segurança, rotulagem,
Ekaterine Souza promoção e publicidade para a
Karageorgiadis concessão de registro de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, neste regulamento
designados produtos infantis.

Vanessa Viviane de Castro [...] segurança, embalagem e


Sial rotulagem [...]
Art. 1º Esta Resolução estabelece os
requisitos técnicos mínimos relativos
à formulação, segurança e rotulagem
para a concessão de registro de
Marcelo de Matos Ramos
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes infantis, neste
regulamento designados produtos
infantis.
Ana Paula Barreto Monteiro
exclusão do termo "cosméticos"
Rothen

Fica proibido a produção,


distribuição comercialização e
utilização de produtos com fins
luis Gonzaga Gomes
meramente estéticos, destinados ao
publico infantil abaixo de 3 anos de
idade.

Art. 2º Esta Resolução se aplica a


todos os produtos destinados ao
Agnaldo de Oliveira
público infantil.§ único Considera-se
Vasconcelos
público infantil crianças entre 0
(zero) e 8 (oito) anos.
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade

denise perencin dias


0 - 14 anos.
paschoal
Angela S Tabata Contra
Monica Maria Wendt
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis
para 1. excluir cosmeticos.agregar
Marcelo Ferreira Santos pre-adolescente de 12 a 16 anos para
cosmeticos.
Jessika Cristina de
Nao devem ser vendidos.
OLiveira

§2º O disposto nesta Resolução não


exclui a observância de outros
Michelle Christina de regulamentos previstos na legislação
Oliveira guirado sanitária, pertinentes aos Produtos
Art. 2º Esta Resolução se
de Higiene Pessoal, Cosméticos,
aplica a todos os produtos
destinados ao público infantil. Maquiagens e Perfumes.
§1º Considera-se público
infantil crianças entre 0 (zero)
e 12 (zero) anos.§2º O
disposto nesta Resolução não
exclui a observância de outros
regulamentos previstos na
legislação sanitária,
pertinentes aos Produtos de
Higiene Pessoal, Cosméticos e
Perfumes.
Art. 2º Esta Resolução se
aplica a todos os produtos
destinados ao público infantil.
§1º Considera-se público
infantil crianças entre 0 (zero)
e 12 (zero) anos.§2º O
disposto nesta Resolução não
exclui a observância de outros
regulamentos previstos na
legislação sanitária,
pertinentes aos Produtos de
Higiene Pessoal, Cosméticos e
Perfumes.
Silvia Düssel Schiros
§2º O disposto nesta Resolução não
exclui a observância de outros
Paula Tuanni dos Santos
regulamentos previstos na legislação
Machado
sanitária, pertinentes aos Produtos
de Higiene Pessoal.
CARLOS EDUARDO CIACCO AINDA SIM COM AUTORIZAÇÃO DOS PAIS

Crianças devem ter o direito de


assistir programas infantis sem
adriane costa dos santos
serem bombardeadas por propagandas e
incetivo ao consumo
Roberta Cristina
INCLUSÃO DO ARTIGO 2
Figueiredo

Ana Elisa Kiszewski Bau Não necessita de alterações


SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO
§2º O disposto nesta Resolução não
exclui a observância de outros
Lívia Maria Lima de
regulamentos previstos na legislação
Almeida Benetti
sanitária, pertinentes aos Produtos
de Higiene Pessoal e Perfumes.

Camila Ventura Moreira


Ana Paula Barreto Monteiro
exclusão do termo "cosméticos"
Rothen
Art. 2º Esta Resolução se aplica a
todos os produtos destinados ao
público infantil.§1º Considera-se
público infantil crianças entre 0
(zero) e 12 (doze) anos.§2º O
Marcelo de Matos Ramos
disposto nesta Resolução não exclui a
observância de outros regulamentos
previstos na legislação sanitária,
pertinentes aos Produtos de Higiene
Pessoal, Cosméticos e Perfumes.
Proposta (inclusão, exclusão ou nova
redação)Art. 2º (...)§1º Considera-se
Paulo Arthur Lencioni Goes
público infantil crianças entre 0
(zero) e 12 (doze) anos incompletos.

Art. 3º As categorias e grupos


previstos para o público Proponho que os requisitos mínimos de
infantil estão descritos no janaina guiguer borges segurança façam parte integrante da
anexo I. §1º Para fins de norma de forma expressa e não somente
regularização sanitária, novas conste em um anexo.
categorias poderão ser
avaliadas e regularizadas
desde que seja comprovada a
segurança e justificada a
pertinência de uso no público
infantil.
§2º Os requisitos específicos
para os produtos infantis estão
descritos no anexo II.
previstos para o público
infantil estão descritos no
anexo I. §1º Para fins de
regularização sanitária, novas
categorias poderão ser
avaliadas e regularizadas
desde que seja comprovada a
segurança e justificada a
pertinência de uso no público
infantil.
§2º Os requisitos específicos
para os produtos infantis estão
descritos no anexo II.

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Exclusão de diversos produtos
permitidos, deixando apenas ao
mercado: Protetor contra assaduras,
protetor solar, hidratante e
Cintia Noro Shintaku
repelente (todos por questoes de
defesa dermatologica). Os demais
produtos são meramente esteticos e
deverriam ser proibidos.
Patricia R T de Araujo Revisão na idade mínima para uso de
Tanji maquiagens e esmaltes.

Retirar o produto "sombra" da lista


Mariana Kuhn de Oliveira
do Anexo I.
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade
Ludmila Pizarro Alves § 1o ...e justificada pertinência do
Silva uso no público infantil.
denise perencin dias
paschoal
Angela S Tabata Contra
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis
Os seguintes produtos devem ser
retirados dessa lista, dessa
atualização.Dentifrício com
FlúorDentifrício sem FlúorDesodorante
AxilarDesodorante PédicoEnxaguatório
bucal com FlúorEnxaguatório bucal sem
FlúorÓleo capilar/corporalPó corporal
Mônica Reis
(Talco/Amido)Batom e brilho
labialBlush/RougeEsmalte para as
unhasHidratante para a peleMaquiagem
capilarMáscara capilarPó
facialProduto para inibir o hábito de
roer unhasReparador de pontas para os
cabelosSombra

nada a agregar desde que siga


Marcelo Ferreira Santos
instruçoes anteriores.
Excluam-se todos os produtos cuja
Sandra Miranda Goraieb pertinência de uso não for plenamente
justificada.
Art. 3º: As categorias e grupos
previstos para o público infantil
estão descritos no anexo I, quais
sejam: Batom e brilho labial, Esmalte
para as unhas, Fixador de cabelos em
gel, Hidratante para a pele,
Raquel Fuzaro Maquiagem capilar, Máscara capilar,
Produto para inibir o hábito de roer
unhas, Produto para prevenir
assaduras, Produto pós-sol, Protetor
Labial com FPS, Protetor Labial sem
FPS, Protetor solar, Repelente de
insetos.
Silvia Düssel Schiros

"justificada a pertinência de uso no


Carolina Jimenes público infantil" é vago, amplo e dá
margens a multiples interpretações.

todos os produtos devem ter seu


CARLOS EDUARDO CIACCO
registro na Anvisa e imetro

Roberta Cristina
INCLUSÃO DO ARTIGO 3
Figueiredo
Modificar anexo I: Alguns produtos
listados não deveriam ser rotulados
como infantis como pó corporal e
facial, rouge, sombra e reparador de
pontas. Dentifricio com fluor somente
acima de 3 anos ( e não todoas as
faixas). desodorante axilar -proibido
Ana Elisa Kiszewski Bau uso de alcool na formulação, pribido
o uso da apresentação spray.Óleo
corporal deve ser aplicado com a pele
úmida para evitar dermatites por
oclusão dos poros. Sabonte infatil pH
máximo de 7 . Batom e brilho labial ,
esmalte e máscara capilarfaixa etária
a partir de 6 anos
Não é pertinente que crianças mais
Mariana Ribeiro
novas do que a atual legislação
Albuquerque Desimone
permite usem cosméticos
Art. 3º As categorias e grupos
previstos para o público infantil
estão descritos no anexo I.
§1º Para fins de regularização
sanitária, novas categorias poderão
ser avaliadas e regularizadas desde
Marcelo de Matos Ramos
que seja comprovada a segurança e
justificada a pertinência de uso no
público infantil.
§2º Os requisitos específicos para os
produtos infantis estão descritos no
anexo II.
Ana Paula Barreto Monteiro Acrescentar a forma legal sob a qual
Rothen novas categorias serão inseridas.
Art. 4º Os produtos previstos
no anexo I deste regulamento,
indicados concomitantemente
ao público infantil e adulto,
devem atender aos requisitos
específicos para produtos
infantis estabelecidos no
anexo II deste regulamento.

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade
Angela S Tabata Contra
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

especifico ao publico infantilcriar o


Marcelo Ferreira Santos termo de 12 a 16.nao ter
concomitantemente adulto

utilização de cores nos rótulos para


CARLOS EDUARDO CIACCO fácil identificação do que é infantil
e o que épara adulto
Roberta Cristina
ICLUSÃO DO ARTIGO 4
Figueiredo

Os produtos de uso infantis deveriam


ter rótulos específcos, evitando-se o
Ana Elisa Kiszewski Bau
uso de rótulos "uso infantil e
adulto"
Art. 4º Os produtos previstos no
anexo I deste regulamento, indicados
concomitantemente ao público infantil
Marcelo de Matos Ramos e adulto, devem atender aos
requisitos específicos para produtos
infantis estabelecidos no anexo II
deste regulamento.
Acréscimo de ressalva para proibição
Ana Paula Barreto Monteiro
da venda de cosméticos destinados ao
Rothen
público infantil.
Art. 5º Os protetores solares
destinados ao público infantil
devem atender as Resoluções
RDC 237/2002 e a RDC
30/2012, e os repelentes de
insetos devem atender a
resolução específica.

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

Angela S Tabata Contra


Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Silvia Düssel Schiros


devem atender a resoluções
Ana Elisa Kiszewski Bau específicas para protetor solar
infantil ( a serem publicadas)

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
Art. 5º Os protetores solares destinados ao público
infantil devem atender as Resoluções RDC
Marcelo de Matos Ramos 237/2002 e a RDC 30/2012, e os repelentes de
insetos devem atender a resolução específica.
Acrescimo:Art. 5° Os protetores
solares destinados ao publico
infantil devem atender as Resoluções
Renata Teixeira do Amaral RDC 237/2002 e a RDC 30/2012 e suas
atualizações, e os repelentes de
insetos devem atender a legislação
especifica e suas atualizações.

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

Angela S Tabata Contra


Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Que não se libere o uso de


ingredientes alergênicos, muito
Flávia Motta Corrêa da comuns nas fórumlas de produtos
Cruz adultos fabricados no Brasil, tais
como parabenos, tolueno e
formaldeídos

Marcelo Ferreira Santos


A formulação deve, obrigatoriamente,
constituir-se de ingredientes
comprovadamente INÓCUOS e seguros
Cristiano Requião
para a finalidade de uso proposta,
levando-se em conta os possíveis
casos de ingestão acidental.

Silvia Düssel Schiros

Roberta Cristina
INCLUSÃO DO ARTIGO 6
Figueiredo
Art. 6º A formulação deve,
obrigatoriamente, constituir-
se de ingredientes próprios e
seguros para a finalidade de
uso proposta, levando-se em
conta os possíveis casos de
ingestão acidental.
Devendo respeitar a lista de
Ana Elisa Kiszewski Bau
substâncias proibidas ( anexo XX)

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
As formulaçōes devem ser
obrigatoriamente hipoalergênicas,
Vanessa Viviane de Castro dermatologicamente e
Sial oftalmologicamente testatos.
Os produtos cosméticos não devem ser
testados em animais.

MARIANA MUTERLE DAVILA DEVENDO SER UTILIZADOS INGREDIENTES


BITENCOURT NATURAIS E ORGÂNICOS.
Art. 6º A formulação deve,
obrigatoriamente, constituir-se de
ingredientes próprios e seguros para
Marcelo de Matos Ramos
a finalidade de uso proposta,
levando-se em conta os possíveis
casos de ingestão acidental.

Acréscimo da obrigatoriedade de
Ana Paula Barreto Monteiro conter, no rótulo dos produtos,
Rothen orientação de como proceder em caso
de ingestão acidental.
"Para este fim, um método ou uma
estratégia de ensaio cientificamente
validados para a obtenção do
resultado pretendido (incluindo
métodos de substituição, redução e
Helder Constantino
refinamento), que não impliquem a
utilização de animais vivos, deveram
ser usados sempre que possível e
tendo em conta do processo de
reconhecimento da OCDE."

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Não devem conter flavorizantes e
Christiane Terra de Lisboa
fragrâncias ou composições aromáticas
Angela S Tabata Contra

Art. 7º Os aromatizantes,
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Daniela Cavalcanti Vaz Não podem ter aroma de alimentos


Art. 7º Os aromatizantes,
flavorizantes e fragrâncias ou
composições aromáticas,
eventualmente, utilizados na
formulação destes produtos
devem atender a Resolução
RDC 03/2012 e suas
atualizações, que estabelece
os critérios para a sua
Art. 7º Os aromatizantes,
flavorizantes e fragrâncias ou Que não se libere o uso de
composições aromáticas, ingredientes alergênicos, muito
eventualmente, utilizados na Flávia Motta Corrêa da comuns nas fórumlas de produtos
formulação destes produtos Cruz adultos fabricados no Brasil, tais
devem atender a Resolução como parabenos, tolueno e
RDC 03/2012 e suas formaldeídos
atualizações, que estabelece
os critérios para a sua
utilização.

Mônica Reis

Marcelo Ferreira Santos

Roberta Cristina
INCLUSÃO D ARTIGO 7
Figueiredo

Devendo respeitar a lista de substâncias proibidas


Ana Elisa Kiszewski Bau ( anexo XX)

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
MARIANA MUTERLE DAVILA
os aromatizantes devem ser naturais
BITENCOURT

Acréscimo de parágrafo único do


artigo 7°: Os aromatizantes e
Sônia Ribeiro Doria flavorizantes devem apresentar dados
sobre informação de segurança no
momento do registro.
Art. 7º Os aromatizantes,
flavorizantes e fragrâncias ou
composições aromáticas,
eventualmente, utilizados na
Marcelo de Matos Ramos
formulação destes produtos devem
atender a Resolução RDC 03/2012 e
suas atualizações, que estabelece os
critérios para a sua utilização.
Acrescentar a proibição de aromatizantes,
Ana Paula Barreto Monteiro Rothen flavorizantes, fragrâncias ou composições
aromáticas que imitem comestíveis.
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Marcelo Ferreira Santos

Art. 8º Os parâmetros
Art. 8º Os parâmetros
microbiológicos devem
atender à Resolução 481/99 e
suas atualizações que
estabelece os Parâmetros para
Controle Microbiológico de
Produtos de Higiene Pessoal,
Cosméticos e
Perfumes.
Art. 8º Os parâmetros microbiológicos
devem atender à Resolução 481/99 e
Paula Tuanni dos Santos suas atualizações que estabelece os
Machado Parâmetros para Controle
Microbiológico de Produtos de Higiene
Pessoal.

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta

Art. 8º Os parâmetros microbiológicos


devem atender à Resolução 481/99 e
Lívia Maria Lima de suas atualizações que estabelece os
Almeida Benetti Parâmetros para Controle
Microbiológico de Produtos de Higiene
Pessoal e Perfumes.
Acréscimo de artigo: Art. 9° Os
parâmetros físico-químicos devem
atender as legislações vigentes e
Sônia Ribeiro Doria
suas atualizações, e na ausência
destas, as especificações devem ser
estabelecidas pelo fabricante.

Proponho que se deixe claro no artigo


a vedação do uso de produts tóxicos
janaina guiguer borges
ou que causem ou induzam depend~ecnia
química, como acetona, benzina..

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
denise perencin dias
paschoal

Angela S Tabata Contra

Art. 9º A remoção do produto


deve ocorrer de forma fácil,
como, por exemplo, pela
simples lavagem
com água, sabonete, xampu
ou demais preparações
contendo tensoativos.

Não há necessidade de produzir


Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Marcelo Ferreira Santos

Roberta Cristina
INCLUSÃO DO ARTIGO 9
Figueiredo
Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta

Devem ser removidos com água e


sabonete ou xampu. NÃO DEVEM SER
MARIANA MUTERLE DAVILA
RETIRADOS COM OUTROS PRODUTOS. então
BITENCOURT
o artigo deve suprimir: preparações
contendo tensoativos

Art. 9º A remoção do produto deve


ocorrer de forma fácil, como, por
Paulo Arthur Lencioni Goes exemplo, pela simples lavagem com
água, sabonete, xampu ou demais
preparações contendo tensoativos.

Flavia Emanuela Noronha de


Pinho
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
maria cristina da costa
gloria

Sugiro acrescentar uma limitação do


uso de aromas e sabores de frutas e
Ludmila Pizarro Alves
outros alimentos, pois eles aumentam
Silva
significativamente o risco de
ingestão

denise perencin dias


paschoal

Maria Vitória Vasconcelos correto.


Art. 10. Com o objetivo de
evitar a ingestão do produto, é
permitida a utilização de
ingredientes com
função desnaturante (gosto Monique Rocha Resende Não há necessidade de produzir
amargo), desde que seu uso cosméticos infantis
seja seguro.

É obrigatório o uso...., inclusive


Daniela Cavalcanti Vaz
sem perfume

Marcelo Ferreira Santos


Roberta Cristina
INCLUSÃO DO ARTIGO 10
Figueiredo

Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta

Batons, brilhos labiais e cremes


dentais não devem possuir sabor de
Vanessa Viviane de Castro
doces/gulosemas.. Tal caracteristica
Sial
fomenta o desejo de consumo desses
produtos e ingestão.

Deveria ser obrigatória. Se o uso do


PATRICIA ROSELLI CARRERA
desnaturante não for seguro, o
COTA
produto não deverá ser autorizado.

e acredito que determinados formatos


maria claudia fusetto
tb
Marcelle Vargens de
Lacerda

Art. 10. Com o objetivo de evitar a


ingestão do produto, é permitida E
Jacqueline Fiuza da Silva RECOMENDADA a utilização de
Regis ingredientes com função desnaturante
(gosto amargo), desde que seu uso
seja seguro.
Art. 10. Com o objetivo de evitar a
ingestão do produto, é permitida a
utilização de ingredientes com função
desnaturante (gosto amargo), desde
que seu uso seja seguro, com
informação expressa sobre esta
característica.
§1º Os fornecedores só poderão lançar
no mercado de consumo, produtos
seguros que não acarretem riscos à
Paulo Arthur Lencioni Goes
vida, saúde e segurança dos
consumidores.
§2º Os produtos comercializados
deverão obrigatoriamente ter
dispositivo de segurança a fim de
evitar eventuais acidentes de
consumos, e correspondente informação
sobre os possíveis riscos inerentes à
sua natureza e fruição.

Extender o §2 para as propagandas


veiculadas em televisão, onde a
situação que envolve o uso do produto
janaina guiguer borges seja inadequada ou induza o público
infantill ao uso indevido
Sou contrario a qualquer autorização
de produtos cosméticos para crianças.

Gustavo Ribas da Gama Lima

Se o produto não pode ter em sua


embalagem cores, desenhos, entao sua
embalagem não poderá ser
Cintia Noro Shintaku transparente, de modo que a cor do
produto apareça pela embalagem,
tornando o todo portanto colorido.
proibir a liberacao de produtos
cosmeticos para criancas a partir dos
3 anos de idade

maria cristina da costa


gloria
voltamos a questão da pertinência. Se
esses produtos destinados ao publico
em geral já atendem a necessidade de
todos, qual é a necessidade de criar
produtos destinados ao público
infantil?

Ludmila Pizarro Alves


Silva
Não há necessidade de produzir
cosméticos infantis

Monique Rocha Resende


§ 2° Os produtos de que trata este e
os outros artigos....

Daniela Cavalcanti Vaz


O Artigo 11 não deveria extender o
uso ao publico infantil.

Art. 11. Os produtos de uso


adulto: enxaguatórios bucais, Mônica Reis
sabonetes, produtos para
limpeza e
higienização, com ação
antisséptica poderão ser
extensivos ao uso infantil,
desde que atendidos os
requisitos estabelecidos no
Anexo II.
§1º Os produtos destinados à
higienização das mãos
contendo álcool em sua
formulação, tais como
álcool-gel, poderão ser
extensivos ao uso infantil,
desde que atendam aos
requisitos estabelecidos no
Anexo II para produto para
higienização/limpeza.
§2º Os produtos de que trata
este artigo não poderão ter
em suas embalagens e Marcelo Ferreira Santos
material publicitário
apelos infantis (desenhos,
nomes, cores, artistas).
higienização/limpeza.
§2º Os produtos de que trata
este artigo não poderão ter
em suas embalagens e
material publicitário
apelos infantis (desenhos, §2º Os produtos de que trata este
nomes, cores, artistas). artigo não poderão ter em suas
Michelle Christina de embalagens e material publicitário
Oliveira guirado apelos infantis (desenhos,
personagens, nomes, cores, artistas).

Silvia Düssel Schiros

O §2º deveria ser válido para TODOS


os produtos de higiene pessoal,
Carolina Jimenes cosméticos e perfumes infantis

Alteração "§2º As embalagens e


material publicitário dos produtos de
que trata este artigo ficam proibidos
de terem apelos infantis (desenhos,
Guadalupe Di Giulio personagens, nomes, cores, artistas).

INCLUSÃO DO ARTIGO 11
Roberta Cristina
Figueiredo
alteração do anexo II

Ana Elisa Kiszewski Bau

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
§2º Os produtos de que trata essa
Resolução não poderão ter em suas
embalagens e material promocional e
publicitário apelos infantis
(desenhos, nomes, cores, artistas,
etc.).

Ekaterine Souza
Karageorgiadis

Alteração: §2º Os produtos de que


trata este artigo não poderão ter em
suas embalagens e material
Luiz Roberto da Silva publicitário apelos infantis
(desenhos, nomes, cores, artistas,
brindes).
O parágrafo §2º deve ser acrecido da
seguinte frase: não deverão as
embalagens conter qualquer elemento
MARIANA MUTERLE DAVILA que defina o produto como sendo
BITENCOURT feminino ou masculino. As embalagens
devem ser NEUTRAS, com cores e
desenhos NEUTROS.

As propagandas destes produtos não


Christiane Maria da Motta devem ser autorizadas em horário de
Palmares Raeder programação infantil na TV, para não
estimular o consumo.

Os produtos de uso adulto:


enxaguatórios bucais, sabonetes,
produtos para limpeza e higienização,
com ação antisséptica poderão ser
extensivos ao uso infantil, desde que
atendidos os requisitos estabelecidos
no Anexo II. §3º Para fins desta
Paulo Arthur Lencioni Goes Resolução, entende-se por material
publicitário que tenha destinação ao
público infantil, toda publicidade
veiculada por meio da imprensa,
rádio, imagens, mídias sociais,
internet, incluindo a prática de
merchandising.
Associação Brasileira de
Proposta (inclusão, exclusão ou nova
Emissoras de Rádio e
redação)
Televisão - ABERT
Art. 11. Os produtos de uso adulto:
enxaguatórios bucais, sabonetes,
produtos para limpeza e higienização,
com ação antisséptica poderão ser
extensivos ao uso infantil, desde que
atendidos os requisitos estabelecidos
no Anexo II. §1º Os produtos
destinados à higienização das mãos
contendo álcool em sua formulação,
tais como álcool-gel, poderão ser
extensivos ao uso infantil, desde que
Carla Viotto Belli atendam aos requisitos estabelecidos
no Anexo II para produto para
higienização/limpeza. §2º Os produtos
de que trata este artigo não poderão
ter em suas embalagens apelos
infantis (desenhos, nomes, cores,
artistas).

Alteração:§2° “Os produtos de que se


trata este artigo não poderão ter em
suas embalagens e material
publicitário mensagens dirigidas ao
público infantil.”
Renata Teixeira do Amaral
Art. 12. Os Eliminar esse artigo.
desodorantes, pédico e
axilar, poderão ter
Ana Paula Hoffmann
ingredientes
Frittoli Basaglia
antissépticos em sua
composição,
desde que sejam
seguros e tenham seu
uso consagrado.
Parágrafo único: Os
desodorantes do tipo
axilar e pédico não
poderão conter em suas
composições
ingredientes de ação
reguladora do fluxo de
suor
(antiperspirantes).
axilar, poderão ter
ingredientes
antissépticos em sua
composição,
desde que sejam
seguros e tenham seu Sou contrario a qualquer autorização
uso consagrado. de produtos cosméticos para crianças.
Parágrafo único: Os
desodorantes do tipo
axilar e pédico não
poderão conter em suas
composições
ingredientes de ação
reguladora do fluxo de
suor
(antiperspirantes).

Gustavo Ribas da Gama Lima


Sugiro a exclusão de desodorantes
para o público infantil, uma vez que
esses produtos devem ser utilizados
Ludmila Pizarro Alves
na puberdade e adolescência, quando
Silva
realmente ficam necessários.

Art. 12. Os desodorantes, pédico e


axilar, poderão ter ingredientes
Alessandra Simões Trindade antissépticos em sua composição,
desde que sejam comprovadamente
seguros.

denise perencin dias


paschoal

Se criança não precisa usar


Audrey de Lima Stefani desodorante, poderia ser proibido seu
uso.

Art. 12. Os desodorantes, pédico e


axilar, poderão ter ingredientes
Karla Andrade Werner
antissépticos em sua composição,
desde que sejam seguros.
Não há necessidade de produzir
cosméticos infantis

Monique Rocha Resende


desde que sejam seguros e tenham seu
uso prescrito por médicos

Daniela Cavalcanti Vaz

Desodorantes do tipo axilar não


Flávia Motta Corrêa da deveriam ser permitidos para crianças
Cruz com menos de 10 anos
Esse artigo deveria ser vetado,
Mônica Reis excluído, apagado.

Marcelo Ferreira Santos

Exclusão do artigo 12

cecilia luchetti

Exclusão

tais pileggi vinha

Silvia Düssel Schiros

Art. 12. Os desodorantes, pédico e


axilar, poderão ter ingredientes
antissépticos em sua composição,
desde que sejam seguros e tenham seu
uso consagrado.Parágrafo único. Os
desodorantes do tipo axilar e pédico
Paula Tuanni dos Santos não poderão conter em suas
Machado composições ingredientes de ação
reguladora do fluxo de suor
(antiperspirantes).Todo esse artigo
deve ser extinto!!
proponho que seja excluído
Daniella Regina Freitas

Exclusão da expressão "axilar".

Camila Lafetá Sesana

Exclusão desse artigo.


Carolina Jimenes

INCLUSÃO DE ARTIGO 12
Roberta Cristina
Figueiredo

alteração no anxo II

Ana Elisa Kiszewski Bau

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO

Inclusão de parágrafo: Os produtos de


que trata este artigo não poderão ter
RENATA MARCIA COSTA em suas embalagens e material
VASCONCELOS publicitário apelos infantis
(desenhos, nomes, cores, artistas).
Crianças até hoje ficaram sem usar
Mariana Ribeiro esse tipo de produto, nao creio que
Albuquerque Desimone seja uma real necessidade dos menores
seu consumo.

RETIRAR ARTIGO 12
Lívia Maria Lima de
Almeida Benetti

Os desodorantes não poderão ter em


suas embalagens e material
Natalia Cordoniz Klussmann publicitário apelos infantis
(desenhos, nomes, cores, artistas).

Desodorantes, pédico e axilar, não


Jacqueline Fiuza da Silva poderão ser destinados ao público
Regis infantil.

Ana Paula Barreto Monteiro Definir o que é uso consagrado.


Rothen
1. Alteração:Art. 12 Os desodorantes
do tipo axilar e corporal, perfumados
ou não, poderão conter ingredientes
antimicrobianos em concentração que
permitam uma ação bacteriostática
(inibitória) nas áreas de uso. Os
desodorantes pédicos, perfumados ou
não, poderão conter ingredientes
bacteriostáticos e/ou antisséptica em
sua composição desde que sejam
comprovadamente seguros e tenham seu
uso consagrado. 2. Exclusão:Parágrafo
Único: Os desodorantes de uso
infantil não poderão conter em suas
composições ingredientes de ação
reguladora do fluxo de suor
(antiperspirante)
Renata Teixeira do Amaral
Art. 13. Os dizeres de Que seja acerscentado neste artigo
rotulagem devem atender, que o prazo de validade, bem como a
além do estabelecido nesta composição devem vir em tamanho
resolução, à RDC janaina guiguer borges legível nas embalagens, ou constem em
211/05 e suas atualizações uma "bula" integrante da embalagem.
que estabelece os requisitos
sobre rotulagem obrigatória e
rotulagem específica
para produtos de higiene
pessoal, cosméticos e
perfumes.
além do estabelecido nesta
resolução, à RDC
211/05 e suas atualizações
que estabelece os requisitos
sobre rotulagem obrigatória e
rotulagem específica Eliminar a palavra "cosméticos" do
para produtos de higiene artigo.
pessoal, cosméticos e
perfumes.

Ana Paula Hoffmann


Frittoli Basaglia
Sou contrario a qualquer autorização
de produtos cosméticos para crianças.

Gustavo Ribas da Gama Lima


maria cristina da costa
gloria
Não há necessidade de produzir
cosméticos infantis

Monique Rocha Resende

Marcelo Ferreira Santos


Os dizeres de rotulagem devem
atender, além do estabelecido nesta
resolução, à RDC 211/05 e suas
atualizações que estabelece os
Gladys Inácio da Silva requisitos sobre rotulagem
obrigatória e rotulagem específica
para produtos de higiene pessoal,
coesméticos e perfumes infantis.

Obrigatiedade de idade mínima


Renata dos Santos Luppi permitida para uso.
Acrescentar nos rótulos dizeres
"produto não essencial, meramente
cosmético sem nenhum efeito
medicamentoso."

Cristiano Requião
Art. 13. Os dizeres de rotulagem
devem atender, além do estabelecido
nesta resolução, à RDC 211/05 e suas
atualizações que estabelece os
requisitos sobre rotulagem
obrigatória e rotulagem específica
para produtos de higiene pessoal.

Paula Tuanni dos Santos


Machado

Aqui deve entrar o item §2º do Art.


Carolina Jimenes 11.
Retirada do trmo "cosméticos".

Eudes Dias Silva Junior

INCUSÃO DO ARTIGO 13
Roberta Cristina
Figueiredo
sem proposta
Ana Elisa Kiszewski Bau

Acréscimo: Parágrafo único. Os


dizeres de rotulagem devem ser
impressos com fonte que permita a
fácil leitura a olho nu.
Luiz Roberto da Silva

Os produtos como xampu, condicionador


Vanessa Viviane de Castro , creme para pentear deve informar o
Sial seu respectivo pH.

Incluir de forma clara e em destaque a


Christiane Maria da Motta idade mínima para o uso do produto na
Palmares Raeder rotulagem.
Alteração de texto: Os dizeres de
rotulagem devem atender, além do
estabelecido nesta resolução, o
Decreto 79.094/77 Art. 93 e seguintes
e a RDC 211/05 e suas atualizações
Sônia Ribeiro Doria que estabelece os requisitos sobre
rotulagem obrigatória e rotulagem
específica para produtos de higiene
pessoal, cosméticos e perfumes.
Art. 13. Os dizeres de rotulagem
devem atender, além do estabelecido
nesta resolução, à RDC 211/05 e suas
atualizações que estabelece os
requisitos sobre rotulagem
obrigatória e rotulagem específica
Paulo Arthur Lencioni Goes para produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes bem como ao
Código de Proteção e Defesa do
Consumidor.

Marcelo Daniliauskas

Alteração:Art. 13. Os dizeres de


rotulagem devem atender, além do
estabelecido nesta resolução, as
demais resoluções pertinentes que
estabeleçam requisitos sobre
Renata Teixeira do Amaral rotulagem obrigatória e rotulagem
específica para produtos de higiene
pessoal, cosméticos e perfumes.
Art. 14. A embalagem do acréscimo: "...de partes
produto deve ser isenta de contundentes, PARTES QUE POSSAM
partes contundentes e de luis Gonzaga Gomes
FACILMENTE SER DESTACADAS DA
constituintes tóxicos. EMBALAGENS E ENGOLIDAS...,"

A embalagem do produto deve ser


isenta de partes contundentes, ou
seja, que causem ferimentos ou danos
janaina guiguer borges
a quem o manipule, e ainda,
constituidas de materiais NÃO
TÓXICOS.

Acrescente-se ao final: "bem como ter


Flavia Emanuela Noronha de lacre de segurança infantil, a fim de
Pinho evitar ingestão acidental por
manuseio inadequado."
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis
a embalagem de qualquer
produto.....deve não ter cor, nem ser
Daniela Cavalcanti Vaz
transparente, nem possuir formato
atraente para as crianças.

Marcelo Ferreira Santos

Roberta Cristina
Figueiredo

Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta

As embalagens cujos produtos


Vanessa Viviane de Castro necessitem a supervisão de um adulto
Sial devem ter obrigatoriamente mecanismos
de segurança.

MARIANA MUTERLE DAVILA e isenta de qualquer diferenciação de


BITENCOURT gênero.

Alteração de texto: A embalagem do


produto deve ser isenta de partes
Sônia Ribeiro Doria contundentes e de constituintes
tóxicos e conter um lacre de
segurança.
Art. 15. As figuras, imagens ou
desenhos constantes do
rótulo, embalagens e material
promocional
não devem induzir sua
utilização por crianças de
idade inferior à indicada.

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Proibir em todo e qualquer produto a
Ludmila Pizarro Alves utilização no material publicitário
Silva apelos infantis (desenhos, nomes,
cores, artistas).
os produtos não devem ter imagens
denise perencin dias
apelativas ao publico infantil
paschoal
segundo art 11 paragrafo 2.
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis
Daniela Cavalcanti Vaz jovens

Marcelo Ferreira Santos

tais pileggi vinha alteração


As figuras, imagens ou desenhos
constantes do rótulo, embalagens e
material promocional não devem ser
Silvia Düssel Schiros
atraentes para crianças de nenhuma
idade, eles devem ter apelo aos pais,
jamais às crianças.

Camila Lafetá Sesana


DE:Art. 15. As figuras, imagens ou
desenhos constantes do rótulo,
embalagens e material promocional não
devem induzir sua utilização por
Marcello Eduardo Guimarães
crianças de idade inferior à
Adrião Rodrigues
indicada.PARA:Não é permitido o uso
de quaisquer figuras, imagens ou
desenhos constantes do rótulo,
embalagens e material promocional

Carolina Jimenes Exclusão desse artigo

Guadalupe Di Giulio Exclusão

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta


Art. 15. No rótulo, embalagens,
material promocional e publicitário
Ekaterine Souza
não deve haver figuras, imagens ou
Karageorgiadis
desenhos que induzam sua utilização
por crianças.
As figuras, imagens ou desenhos
constantes do rótulo, embalagens e
material promocional não devem ter
Rogerio Specie Puglia
como publico alvo as crianças, nem
incentivar sua utilização por
crianças de qualquer idade.
Marcelle Vargens de Não ter figuras de frutas na
Lacerda embalagem

Jacqueline Fiuza da Silva


Regis
Acrescentar proibição de veicular
imagens, frases, cores ou todo e
Ana Paula Barreto Monteiro
qualquer atrativo infantil no rótulo,
Rothen
embalagens e material promocional dos
produtos.

Art. 15. As figuras, imagens ou


desenhos constantes do rótulo,
embalagens e material promocional não
Paulo Arthur Lencioni Goes devem induzir sua utilização por
crianças de idade inferior a indicado
ressalvado o quanto disposto no art.
11 da presente Resolução.
Associação Brasileira de
Emissoras de Rádio e Supressão do Artigo 15
Televisão - ABERT

Art. 15. As figuras, imagens ou


desenhos constantes do rótulo e
embalagens não devem induzir sua
Carla Viotto Belli
utilização por faixa etária inferior
à indicada no Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS INFANTIS.

Renata Teixeira do Amaral Exclusão

Marcelo Daniliauskas Supressão do artigo.


Art. 16. Os produtos infantis
não poderão ser apresentados
sob a forma de aerossol.

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Acréscimo: As tampas devem conter
Karla Andrade Werner mecanismo que impeça sua abertura por
crianças até 6 anos.
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis
Os produtos infantis poderão ser
apresentados sob a forma aerossol
Jaqueline Mataroli desde que haja orientação apropriada
sobre o modo de uso e os cuidados
envolvidos.

Marcelo Ferreira Santos

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta

Os produtos não poderão ser


Natalia Cordoniz Klussmann
apresentados sob a forma de pó solto.

Não devem ser apresentados sob a


Christiane Maria da Motta forma de talco também, deveriam ser
Palmares Raeder limitados a produtos líquidos e em
gel para evitar acidentes.
Art. 16. São vedadas a fabricação,
produção, distribuição, importação e
Paulo Arthur Lencioni Goes comercialização de produtos infantis
sob a forma de aerossol.
Sugerimos a exclusão do Art. 16 ou
alteração conforme segue: Art.16 Os
produtos infantis podem ser
Renata Teixeira do Amaral apresentados sob a forma de
dispensadores pressurizados, desde
que que sigam os requisitos descritos
neste regulamento.
Proposta de alteração: Produtos
cosméticos infantis apresentados em
dispensador pressurizado, deverão ter
sua segurança de uso comprovada
através de:- avaliação da formulação
de acordo com o grupo de produto e
característica das partículas
(pulverizáveis ou não), - avaliação
da embalagem através de testes de
inflamabilidade e pressão (testes de
desempenho térmico da embalagem,
testes de transporte e resistência a
quedas)- deverão ser apresentados com
trava de segurança- deverão
apresentar estudo de segurança
referente ao propelente utilizado-
inclusão das advertências específicas
em rotulagem conforme requisitos
Janine de Carvalho Cabral estabelecidos nesta
Rodrigues legislação.ADVERTÊNCIAS DE
ROTULAGEM:- Frasco sob pressão -
Inflamável. Não pulverizar perto do
fogo (quando aplicável –
inflamabilidade pelo gás propelente
ou pela fórmula); - Não perfurar, nem
incinerar; - Não expor ao sol nem à
temperaturas superiores a 50ºC; -
Proteger os olhos, nariz e boca
durante a utilização (quando
aplicável)- Manter o produto longe de
fontes de ignição e fora do alcance
de crianças. - Evite a inalação deste
produto (quando aplicável)- Produtos
para crianças até 5 anos: “deve ser
aplicado exclusivamente por adulto”.
- Produtos para crianças maiores de 5
anos: “utilização com supervisão de
adulto”.
icação deste regulamento.
§1º Os produtos fabricados de
acordo com a Resolução RDC
nº 38, de 21 de março de
2001, até a
data a que se refere o caput,
poderão ser comercializados
até o final dos seus prazos de
validade.
§2º As empresas fabricantes e
importadoras de produtos de
higiene pessoal e cosméticos
já poderão
requerer registro, revalidação
ou alteração de registro de
seus produtos com
fundamento no Regulamento
Técnico aprovado por esta Ana Paula Hoffmann Eliminar a palavra "cosméticos" do
Resolução, sem prejuízo da Frittoli Basaglia §2º.
necessidade de observância
da data referida no
caput.
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
§2º As empresas fabricantes e
importadoras de produtos de higiene
pessoal e cosméticos já poderão
requerer registro, revalidação ou
alteração de registro de seus
produtos com fundamento no
Regulamento Técnico aprovado por esta
Alessandra Simões Trindade
Resolução, sem prejuízo da
necessidade de observância da data
referida no caput e desde que
comprovem, obrigatoriamente, mediante
a apresentação de estudos científicos
que comprovem a segurança de uso pelo
público infantil.
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Marcelo Ferreira Santos


Eudes Dias Silva Junior Retirada do termo "cosméticos".

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta

Ana Paula Barreto Monteiro Redução do prazo de revogação da RDC


Rothen 38 para 60 dias.

Art. 17. Fica revogada a RDC nº 38,


de 21 de março de 2001, 360
(trezentos e sessenta) dias após a
publicação deste regulamento. §1º Os
produtos fabricados de acordo com a
Carla Viotto Belli
Resolução RDC nº 38, de 21 de março
de 2001, até a data a que se refere o
caput, poderão ser comercializados
até o final dos seus prazos de
validade.
Alteração:Art. 17. Fica revogada a
RDC nº 38, de 21 de março de 2001, 24
Renata Teixeira do Amaral
(vinte e quatro) meses após a
publicação deste regulamento
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade

Art. 18. O descumprimento


das disposições contidas nesta
Resolução e no regulamento
por ela
aprovado constitui infração
sanitária, nos termos da Lei n.
6.437, de 20 de agosto de
1977, sem prejuízo
das responsabilidades civil,
administrativa e penal
cabíveis.
Art. 18. O descumprimento
das disposições contidas nesta
Resolução e no regulamento
por ela
aprovado constitui infração
sanitária, nos termos da Lei n.
6.437, de 20 de agosto de
1977, sem prejuízo
das responsabilidades civil,
administrativa e penal
cabíveis.

Não há necessidade de produzir


Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Marcelo Ferreira Santos


Roberta Cristina
OK
Figueiredo

Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta

E implica no imediato recolhimento do


ARTANHÃ MATOS DE ARAÚJO
produto de todos os pontos de venda

Caso não sejam acatadas as


contribuições apresentadas ao Art. 11
Associação Brasileira de e 15 da presente CP, é imprescindível
Emissoras de Rádio e que o texto do Art. 18 seja
Televisão - ABERT reformulado de forma a excetuar do
âmbito de aplicação das penalidades
às radiodifusoras.
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Não há necessidade de produzir
Monique Rocha Resende
cosméticos infantis

Art. 19. Esta Resolução entra


em vigor na data de sua
publicação.

Marcelo Ferreira Santos


Roberta Cristina
Figueiredo

Ana Elisa Kiszewski Bau sem proposta


Art. 19. Esta Resolução entra em vigor na data de
Marcelo de Matos Ramos sua publicação.
Anexo I
Categorias e grupos de
produtos infantis
I – Produtos de Higiene
Pessoal
Condicionador com enxágüe
Condicionador sem enxágüe
Dentifrício com Flúor
Dentifrício sem Flúor
Desodorante Axilar
Desodorante Pédico
Enxaguatório bucal com Flúor
Enxaguatório bucal sem Agnaldo de Oliveira Excluir todos os produtos de higiene
Fio/Fita Dental com Flúor Vasconcelos pessoal
Fio/Fita Dental sem Flúor
Óleo capilar/corporal
Pó corporal (Talco/Amido)
Produto de limpeza/
higienização
Sabonete
Xampu para cabelo e/ou corpo

janaina guiguer borges acrescentar hastes flexiveis, algodão

VANINE CRISTINA ARAUJO


CREME PARA PENTEAR
SOUSA

Eliminar as palavras "Desodorante


Ana Paula Hoffmann
Axilar" e "Desodorante Pédico" da
Frittoli Basaglia
listagem.
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

LIGIA PRADO DIAS Desodorante Axilar

Deixar apenas: Xampu, Condicionador,


Cintia Noro Shintaku Oleo, Dentifricios, produtos para
banho (sabonete).
Gislene Sapata Rodrigues Pó corporal/Talco

Luiz Henrique Cristofoli

Patricia R T de Araujo Exclusão dos Desodorante


Tanji AxilarDesodorante Pédico
Condicionador com enxágüeDentifrício
sem FlúorEnxaguatório bucal sem
FlúorFio/Fita Dental sem FlúorPó
Christiane Terra de Lisboa
corporal (Talco/Amido)Produto de
limpeza/ higienização Sabonete Xampu
para cabelo e/ou corpo
Sugiro a exclusão dos
itens:Condicionador sem
enxágüeDesodorante AxilarDesodorante
PédicoEnxaguatório bucal com
Ludmila Pizarro Alves
FlúorEnxaguatório bucal sem
Silva
FlúorFio/Fita Dental com
FlúorFio/Fita Dental sem FlúorÓleo
capilar/corporalProduto de limpeza/
higienização Sabonete

RETIRAR: condicionador sem enxágue;


denise perencin dias desodorantes; enxagues bucais com ou
paschoal sem fluor; óleo corporal, capilar; pó
corporal;

Daniela Renata Pinto de Condicionador sem enxágüe,Desodorante


Araujo Axilar,Óleo capilar/corporal,

Exclusão: desodorantes axilar e


Karla Andrade Werner
pédico.

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.


Flávia Motta Corrêa da Exclusão da categoria Desodorante
Cruz Axilar

Marcelo Ferreira Santos

Exclusão (e por que não, proibição)


dos seguintes produtos:Condicionador
com enxágueCondicionador sem
cecilia luchetti enxágueDesodorante AxilarDesodorante
PédicoEnxaguatório bucal com
FlúorEnxaguatório bucal sem FlúorÓleo
capilar/corporal
exclusão de desodorante axilar,
desodorante pédico, enxaguatório
tais pileggi vinha
bucal com e sem fluor, talco,
sabonete bactericida.

Exclusão de categoria: desodorante


Roberta Lippi
axilar
Em muitos países já é proibido o uso
Juliana Guimarães Simonato
de fluer em crianças, sob o risco de
Pesso
elas engolirem.

Gandharvika Ocque Romenski Fraldas


Condicionador com
enxágüeCondicionador sem
enxágüeDentifrício com
FlúorDentifrício sem
FlúorEnxaguatório bucal com
Paula Tuanni dos Santos
FlúorEnxaguatório bucal sem
Machado
FlúorFio/Fita Dental com
FlúorFio/Fita Dental sem FlúorPó
corporal (Talco/Amido)Produto de
limpeza/ higienização Sabonete Xampu
para cabelo e/ou corpo

Camila Lafetá Sesana Exclusão de desodorante axilar.

Exclusão de Desodorante Axilar y


Carolina Jimenes
Pédico
Não incluir desodorante (axilar e
Tamara Quírico
pédico) nem enxaguatório bucal.

Roberta Cristina
ESTÁ OK
Figueiredo

Pomada preventica de assadurasLenços


Vanessa Viviane de Castro
umidecidosCreme para pentear sem
Sial
enxague

PATRICIA ROSELLI CARRERA


Exclusão de óleo capilar/corporal
COTA
MARIANA MUTERLE DAVILA
Exclusão de produtos com flúor
BITENCOURT
I – Produtos de Higiene Pessoal
Condicionador com
enxágüeCondicionador sem
enxágüeDentifrício com
FlúorDentifrício sem
FlúorEnxaguatório bucal com
Lívia Maria Lima de
FlúorEnxaguatório bucal sem
Almeida Benetti
FlúorFio/Fita Dental com
FlúorFio/Fita Dental sem FlúorÓleo
capilar/corporalPó corporal
(Talco/Amido)Produto de limpeza/
higienização Sabonete Xampu para
cabelo e/ou corpo

Christiane Maria da Motta


Exclusão da categoria de talco.
Palmares Raeder

Condicionador com
enxágüeCondicionador sem
enxágüeDentifrício com
FlúorDentifrício sem FlúorDesodorante
AxilarDesodorante PédicoEnxaguatório
Jacqueline Fiuza da Silva bucal com FlúorEnxaguatório bucal sem
Regis FlúorFio/Fita Dental com
FlúorFio/Fita Dental sem FlúorÓleo
capilar/corporalPó corporal
(Talco/Amido)Produto de limpeza/
higienização Sabonete Xampu para
cabelo e/ou corpo
Ana Paula Barreto Monteiro Exclusão de óleo capilar/corporal, pó
Rothen corporal.

Anexo II REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA


PRODUTOS INFANTIS I – Produtos de
Carla Viotto Belli Higiene Pessoal3. Dentifrício com
flúor 4. Dentifrício sem flúor 14.
Sabonete
1. Inclusão: desodorante
perfumado/colônia/ corporal2.
Correção:Produto de Limpeza/
higienizaçãoSabonete3. Inclusão:
Renata Teixeira do Amaral Produtos enxaguatório bucal com flúor
com ou sem ação antisséptica e
enxaguatório bucal sem flúor com ou
sem ação antisséptica para uso
infantil.
Alteração de Produto de limpeza/
Janine de Carvalho Cabral higienização Sabonete
Rodrigues Separar Sabonete de produto de
limpeza/higienização
Retirar do mercado os cosméticos
Martin Afonso Farias
infantis.

janaina guiguer borges Lapis de olhos e rímel


Eliminar as palavras "Batom e brilho
Ana Paula Hoffmann
labial", "Blush/Rouge", "Esmalte para
Frittoli Basaglia
as unhas", "Pó facial", e "Sombra".
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
LIGIA PRADO DIAS Todos dispensáveis.
Exclusão de todos os itens que se
seguem:Batom e brilho
labialBlush/RougeEsmalte para as
Alessandro Pedretti unhasFixador de cabelos em
gelMaquiagem capilarMáscara capilarPó
facialReparador de pontas para os
cabelos
Sou totalmente contra todas os itens
Luiz Henrique Cristofoli citados acima. Quero que a categoria
cosméticos para criança seja banida!
Hidratante para a peleProduto para
inibir o hábito de roer unhasProduto
Christiane Terra de Lisboa para prevenir assadurasProduto pós-
sol Protetor Labial com FPSProtetor
solarRepelente de insetos
Mariana Kuhn de Oliveira Exclusão: blush, pó e sombra.
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade
Sugiro a exclusão dos itens:Batom e
brilho labialBlush/RougeEsmalte para
as unhasFixador de cabelos em
gelHidratante para a peleMaquiagem
Ludmila Pizarro Alves capilarMáscara capilarPó
Silva facialProduto para inibir o hábito de
roer unhasProduto pós-solProtetor
Labial com FPSProtetor Labial sem
FPSReparador de pontas para os
cabelosSombra

Exclusão de batom e brilho labial,


Alessandra Simões Trindade
blush/rouge, pó facial e sombra
Exclusão:BatomBlush/rougeEsmalte para
denise licia boni de
unhasmaquiagem capilarSombraMáscara
oliveira
capilarpó facial
RETIRAR: batom e brilho, bloush e
rouge, esmaltes, fixador de cabelos,
hidratante para pele, maquiagem
denise perencin dias
capilar, máscara capilar, pó facial,
paschoal
produto para inibir o hábito de roer
unhas, produto reparador de pontas,
sombra.
Angela S Tabata Contra todos os produtos
Blush/Rouge,Hidratante para a
Daniela Renata Pinto de pele,Reparador de pontas para os
Araujo cabelosMaquiagem capilar,Máscara
capilar,Pó facial,Sombra
NADJA ADRIANO DE SANTANA Exclusão: Blush/Rouge, Pó facia,
AZEITUNO Sombra.
Jomar da Silva Alves Pó facialSombra

EXCLUSÃO: Batom e brilho labial,


Blush/Rouge, PRINCIPALMENTE Esmalte
para as unhas, Maquiagem capilar,
Monique Rocha Resende Máscara capilar, Pó facialProduto
para inibir o hábito de roer unhas,
Protetor Labial sem FPS,Reparador de
pontas para os cabelos, Sombra.
Deve se tomar cuidado e ter
sensibilidade quando se trata do
geny rosa duarte emprego do termo MAQUIAGEM (baton,
blush, rouge e esmalte) como produto
infantil , como divulgado na mídia.

Além de esmaltes, incluir os produtos


cujo uso lhe são relacionados:
removedor de esmalte, creme ou outro
NADJA ADRIANO DE SANTANA
produto usado para amolecer
AZEITUNO
cutículas, base para unhas, produtos
secantes (óleo e aerossol), dentre
outros.
excluir: batom/brilho labial,
blush/rouge, esmalte para unhas,
Mauricio S Sercheli
maquiagem capilar, mascara capilar,
po facial e sombra.
Exclusão: Batom, Blush/Rouge, Esmalte
para as unhas, Fixador de cabelos em
Daniela Cavalcanti Vaz
gel, Maquiagem capilar, Pó facial,
Sombra.
Exclusão das categoriasBatom e brilho
labialBlush/RougeEsmalte para as
Flávia Motta Corrêa da
unhasMaquiagem capilarMáscara
Cruz
capilarPó facialReparador de pontas
para os cabelosSombra
para criancas de 0 a 12excluir:
blush/rouge, eslmalte com cores
Marcelo Ferreira Santos fortes, maquiagem capilar, mascara
capilar, pó facial, sombra.agregar
para a faixa de 12 a 16

Fixador de cabelos em pasta,


maquiagem facial, máscara facial,
rímel, lápis de olho, produtos para
alterar cor dos cabelos, produtos
Gladys Inácio da Silva
para modelar cabelos, produtos para
qualquer tipo de alteração capilar,
quaisquer produtos para unhas
(inclusive em gel)
Exclusão e proibição dos seguintes
itens:Batom e brilho
labialBlush/RougeFixador de cabelos
em gelHidratante para a peleMaquiagem
capilarMáscara capilarPó
cecilia luchetti facialProduto para inibir o hábito de
roer unhasProduto para prevenir
assadurasProduto pós-solProtetor
Labial com FPSReparador de pontas
para os cabelosRepelente de
insetosSombra

Anexo I - CATEGORIAS E
GRUPOS DE PRODUTOS
INFANTIS - II – Cosméticos
Batom e brilho labial
Blush/Rouge
Esmalte para as unhas
Fixador de cabelos em gel
Hidratante para a pele
Maquiagem capilar
Sugiro exclusão de:Brilho labial,
Josefina Azevedo Gonçalves Blush/Rouge, esmalte para unhas, pó
facial e sombra.
Anexo I - CATEGORIAS E
GRUPOS DE PRODUTOS
INFANTIS - II – Cosméticos
Batom e brilho labial
Blush/Rouge
Esmalte para as unhas
Fixador de cabelos em gel
Hidratante para a pele
Maquiagem capilar
Máscara capilar
Pó facial
Produto para inibir o hábito de
roer unhas
Produto para prevenir
assaduras
Produto pós-sol
Protetor Labial com FPS
Protetor Labial sem FPS
Protetor solar
Reparador de pontas para os
cabelos
Repelente de insetos
Sombra
Fixador de cabelos em gel
Hidratante para a pele
Maquiagem capilar
Máscara capilar
Pó facial
Produto para inibir o hábito de
roer unhas
Produto para prevenir
assaduras
Produto pós-sol
Protetor Labial com FPS
Protetor Labial sem FPS
Protetor solar
Reparador de pontas para os
cabelos
Repelente de insetos
Sombra
Jessika Cristina de
exclusao de todos esses itens.
OLiveira
Exclusão da categoria: pó facial,
Roberta Lippi sombra, maquiagem capilar, máscara
capilar
Batom e brilho
labialBlush/RougeEsmalte para as
unhasFixador de cabelos em
Juliana Guimarães Simonato
gelHidratante para a peleMaquiagem
Pesso
capilarMáscara capilarPó
facialSombraReparador de pontas para
os cabelosCriança precisa disso???
Retirada dos seguintes produtos:
Raquel Fuzaro blush/rouge, pó facial, reparador de
pontas e sombra.
Hidratante para a peleProduto para
prevenir assadurasProduto pós-sol
Paula Tuanni dos Santos
Protetor Labial com FPSProtetor
Machado
Labial sem FPSProtetor solarRepelente
de insetos

proponho que os seguintes itens sejam


excluídos de tal regulamentação, e
que não sejam liberados para o uso
por parte do público infantil: Batom
Daniella Regina Freitas e brilho labialBlush/RougeEsmalte
para as unhasMaquiagem capilarMáscara
capilarPó facialProtetor Labial sem
FPSReparador de pontas para os
cabelosSombra
Camila Lafetá Sesana
proponho a exclusão dos seguintes
artigos do anexo III –
CosméticosBatom e brilho
Mayara Ferreira Biasi labialBlush/RougeEsmalte para as
unhasMaquiagem capilarMáscara
capilarPó facialProduto para inibir o
hábito de roer unhasSombra
Karin Cristina Clemente Exclusão: Blush/RougePó facialSombra

Exclusão dos itens: Batom e brilho


labialBlush/RougeEsmalte para as
Juliana da Silva Pires unhasFixador de cabelos em
Barbosa gelMaquiagem capilarMáscara capilarPó
facialReparador de pontas para os
cabelosSombra
Esclusão de Pó facial e Sombra ou
especificação que somente para
Carolina Jimenes
fantasias, maquiagens artísticas e
etc.

Tamara Quírico Não incluir pó facial


Exclusão integral do item II do Anexo
Eudes Dias Silva Junior
I
Exclusão de blush/rouge, pó facial e
Guadalupe Di Giulio
sombra

Roberta Cristina
ESTA OK
Figueiredo
retirar os produtos : batom, blush
Maria da Luz Veiga esmalte maquiagem capilar ma´scara
facial, pó facial, sombra
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO

Vanessa Viviane de Castro


Removedor de esmaltes em pads
Sial
Exclusão de TODOS, exceto Hidratante,
Rogerio Specie Puglia
Protetor Labial e Solar e repelente

Rímel para cilios, lápis de olho e de


Samyra Destefani das Neves lábios.
Exclusão de:Blush/RougeEsmalte para
as unhasMaquiagem capilarMáscara
PATRICIA ROSELLI CARRERA capilarPó facialProduto para inibir o
COTA hábito de roer unhasProtetor Labial
sem FPSReparador de pontas para os
cabelosSombra

exclusão de batom e brilho labial/


Mariana Ribeiro blush/rouge / maquiagem capilar/ pó
Albuquerque Desimone facial / so,bras / máscaras capilar /
fixador de cabelos em gel
Fixador de cabelos em gelHidratante
para a peleMáscara capilarProduto
Lívia Maria Lima de para prevenir assadurasProduto pós-
Almeida Benetti sol Protetor Labial com FPSProtetor
Labial sem FPSProtetor solarRepelente
de insetos

retirar batom e brilho labial, blush,


rouge, esmalte, pó facial, sombra,
Desirée Rodrigues Ruas
hidratante para a pele, hidratante
para a pele
Batom e brilho
labialBlush/RougeEsmalte para as
unhasFixador de cabelos em
gelHidratante para a peleMaquiagem
capilarMáscara capilarPó
Jacqueline Fiuza da Silva facialProduto para inibir o hábito de
Regis roer unhasProduto para prevenir
assadurasProduto pós-sol Protetor
Labial com FPSProtetor Labial sem
FPSProtetor solarReparador de pontas
para os cabelosRepelente de
insetosSombra

Exclusão de batom, brilho labial,


blush, rouge, esmalte para as unhas,
Ana Paula Barreto Monteiro
maquiagem capilar, pó facial, produto
Rothen
para inibir o hábito de roer unhas,
protetor labial sem FPS, sombra.
SORAIA OLIVEIRA DA LUZ
ACRÉSCIMO: Relaxante/Alisante Capilar
CASTRO
BEATRIZ FERREIRA DE
ACRÉSCIMO:Relaxante/Alisante Capilar
ALBUQUERQUE SPANO
1. Alterar de: “Fixador para Cabelos
em Gel” para: “Fixador para
Cabelos”2. Acrescimo: maquiagem
Renata Teixeira do Amaral
corporal3. Exclusão: Protetor Labial
com FPSProtetor solarRepelente de
insetos
Anexo I - CATEGORIAS E
GRUPOS DE PRODUTOS
INFANTIS - III – Perfumes
Água de colônia
Perfume

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

Desde que sejam fragrancias


condizentes com a faixa etária e que
Cintia Noro Shintaku nao se assemelhem nem tentem se
parecer com fragrancias ou notas
adultas.
Luiz Henrique Cristofoli Retirada total do item perfumes
Christiane Terra de Lisboa excluir Água de colônia Perfume
denise perencin dias
retirar: perfumes e colonias
paschoal

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

Daniela Cavalcanti Vaz

Marcelo Ferreira Santos


tais pileggi vinha exclusão: perfume
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de todos estes.
Machado

Roberta Cristina
ESTÁ OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
Rogerio Specie Puglia Exclusão do item III
PATRICIA ROSELLI CARRERA
Exclusão de perfume
COTA
Ana Paula Barreto Monteiro
Exclusão de perfume.
Rothen
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

Luiz Henrique Cristofoli concordo com a manutencao dos itens

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos
de Higiene Pessoal -
1. Condicionador com
enxágue
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade.
Advertências de Rotulagem
Evitar contato com os olhos.
Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
Anexo II - REQUISITOS ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS um todo, no sentido de orientar os
INFANTIS - I - Produtos Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
de Higiene Pessoal - Silva
à higiene das crianças e que não é
1. Condicionador com recomendado a sua utilização em
enxágue crianças menores de XX anos (de
Faixa Etária acordo com a faixa etária determinada
Todas as faixas etárias pela Anvisa) pois pode ser
Avaliação de Segurança prejudicial
Comprovação da ausência de
irritabilidade.
Advertências de Rotulagem
Evitar contato com os olhos. Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Não usar se o couro cabeludo
estiver ferido ou irritado. Daniela Cavalcanti Vaz contato com olhos e mucosas
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar tais pileggi vinha alteração
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.

Roberta Cristina
ESTÁ OK
Figueiredo

Vanessa Viviane de Castro


Inforçao do pH do produto.
Sial
Alteração da faixa etária para a
Ana Paula Barreto Monteiro
partir de 3 anos. Orientar sobre como
Rothen
agir em caso de ingestão acidental.

Helder Constantino

Exclusão de "Caso o produto entre em


Janine de Carvalho Cabral contato com os olhos, lavar com água
Rodrigues corrente em abundância e procurar um
médico."
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

Luiz Henrique Cristofoli concordo com manutencao destes itens


Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial

denise perencin dias


paschoal

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos
de Higiene Pessoal- 2 - cecilia luchetti Exclusão do item
Condicionador sem enxágue
Faixa Etária
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de tais pileggi vinha alteração
irritabilidade/sensibilização
cutânea
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 3 anos.
A partir de 3 anos: deve ser
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/sensibilização
cutânea
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 3 anos. Roberta Cristina
ESTÁ OK
A partir de 3 anos: deve ser Figueiredo
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar Vanessa Viviane de Castro
sob a supervisão de adulto. Informaçao do pH do produto.
Sial
Não usar se o couro cabeludo
estiver ferido ou irritado.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico. Alteração da faixa etária para a
Evitar contato com os olhos. partir de 5 anos. Permitir uso
Caso o produto entre em Ana Paula Barreto Monteiro
supervisionado apenas a partir de 10
contato com os olhos, lavar Rothen
anos. Orientar sobre como agir em
com água corrente em caso de ingestão acidental.
abundância e procurar um
médico.

Alteração Faixa Etária:De "a partir


Renata Teixeira do Amaral
de 3 anos" para "todas as idades".
1. Alterar de: "A partir de 3 anos"
PARA "todas as faixas etárias"
2. Exclusão de "Caso o produto entre
em contato com os olhos, lavar com
água corrente em abundância e
Janine de Carvalho Cabral procurar um médico."
Rodrigues 3. Alterar DE "A partir de 3 anos:
deve ser aplicado exclusivamente por
adulto. Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto."PARA
"Deve ser aplicado por adulto ou sob
sua supervisão"
Bianca Simas Machado
Faixa Etária: A partir dos 5 anos.
Stracquadanio
Sou contrario a qualquer autorização
de produtos cosméticos para crianças.
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
O dentifricio com fluor não foi
recomendado pela pediatra de minha
filha. Não entendo como possa ser
Cintia Noro Shintaku
permitido pela lei. Deveria haver um
consenso entre os profissionais de
saúde e as leis da Anvisa.
A pasta de dente com flúor deveria
Gislene Sapata Rodrigues
ser indicada a partir dos 4 anos.

Luiz Henrique Cristofoli concordo com manutencao destes itens


Christiane Terra de Lisboa Excluir dentifrício com fluor.
Alessandra Simões Trindade Faixa etária:- A partir de 4 anos
denise perencin dias
paschoal

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.


tais pileggi vinha alterar

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos
de Higiene Pessoal
3. Dentifrício com flúor
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade na mucosa oral
Advertências de Rotulagem
Não ingerir.
Até 6 anos: Usar uma
quantidade do tamanho de
uma ervilha, com supervisão
de um adulto durante a
escovação para minimizar a
deglutição. Se estiver
ingerindo flúor proveniente de
outras fontes, consultar o
pediatra ou dentista.
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Comprovação da ausência de
irritabilidade na mucosa oral
Advertências de Rotulagem
Não ingerir.
Até 6 anos: Usar uma
quantidade do tamanho de
uma ervilha, com supervisão
de um adulto durante a
escovação para minimizar a
deglutição. Se estiver
ingerindo flúor proveniente de
outras fontes, consultar o
pediatra ou dentista.
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.

Com flúor só poderia ser indicado


Renata dos Santos Luppi para crianças que ja sabem cuspir o
produto.
Juliana Guimarães Simonato Não deveria existir produto com fluor
Pesso para crianças, a agua é é fluoretada!
Faixa Etária:- Apartir dos 6 anos, ou
sobre recomendação de
especialista.Avaliação de Segurança:-
Comprovação da ausência de
irritabilidade na mucosa
oral.Advertências de Rotulagem:- Não
ingerir.- Até 6 anos: Usar uma
quantidade do tamanho de uma ervilha,
Tami Albuquerque Ballabio
com supervisão de um adulto durante a
escovação para minimizar a
deglutição. Se estiver ingerindo
flúor proveniente de outras fontes,
consultar o pediatra ou dentista.-
Deve ser aplicado por adulto ou sob
sua supervisão.Outras limitações e
requerimentos: (nenhum)

Roberta Cristina
ESTÁ OK
Figueiredo
Somente a partir dos 2 anos de idade
Vanessa Viviane de Castro
ou prescrito por médico ou
Sial
odontopediatra.
Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 6 anos
Christiane Maria da Motta Limitar a faixa etária para maiores
Palmares Raeder de 6 anos.
Faixa Etária: - acima dos 6
anos.Avaliação de Segurança:-
Comprovação da ausência de
Jacqueline Fiuza da Silva irritabilidade na mucosa
Regis oral.Advertências de Rotulagem: - Não
ingerir.- Deve ser aplicado por
adulto ou sob sua supervisão.Outras
limitações e requerimentos: (nenhum)
Proibição para menores de 5 anos.
Ana Paula Barreto Monteiro
Recomendação da quantidade do tamanho
Rothen
de uma ervilha para todas as idades.
1. Alteração:Crianças até 6 anos: Use
uma quantidade do tamanho de uma
ervilha, com supervisão de um adulto
durante a escovação para minimizar a
deglutição. Se estiver ingerindo
Renata Teixeira do Amaral flúor proveniente de outras fontes,
consulte seu médico ou dentista.2.
Alterar a advertência de “NÃO
INGERIR” para “Evitar a Ingestão”;3.
Exclusão: “Deve ser aplicado por
adulto ou sob sua supervisão”.
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos
de Higiene Pessoal
4. Dentifrício sem flúor
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade na mucosa oral
Advertências de Rotulagem
Não ingerir.
Deve ser aplicado por adulto Gustavo Ribas da Gama Lima Sou contrario a qualquer autorização
ou sob sua supervisão. de produtos cosméticos para crianças.

Luiz Henrique Cristofoli concordo com manutencao destes itens

Christiane Terra de Lisboa Retirar tudo

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.


Usar uma quantidade do tamanho de uma
ANA AMELIA BARROS COELHO lentilha, com supervisão de um adulto
PACE durante a escovação para minimizar a
deglutição.
Roberta Cristina
ESTÁ OK
Figueiredo

Vanessa Viviane de Castro Ate 3 anos aplicar uma quantidade


Sial minima padrão grão de arroz.

Jacqueline Fiuza da Silva


Regis

Alterar a advertência de “NÃO


Renata Teixeira do Amaral
INGERIR” para “Evitar a Ingestão”;

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
vadado proibir o uso de desodorante
INFANTIS - I - Produtos jose arapoty lins vieira
infantil
de Higiene Pessoal
5. Desodorante Axilar
Faixa Etária
A partir de 8 anos Não projetar o jato na direção dos
janaina guiguer borges
Avaliação de Segurança olhos durante a aplicação
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização e
fotossensibilização. Ana Paula Hoffmann
Eliminar esse item inteiro.
Advertências de Rotulagem Frittoli Basaglia
Uso recomendado a partir de
8 anos de idade.
Usar sob orientação de um
adulto.
Usar somente nas axilas.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Proibido o uso de substâncias
antitranspirantes.
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização e
fotossensibilização.
Advertências de Rotulagem
Uso recomendado a partir de
8 anos de idade.
Usar sob orientação de um
adulto.
Usar somente nas axilas.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Proibido o uso de substâncias
antitranspirantes. Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

retirada total deste tipo de produto


Luiz Henrique Cristofoli do mercado...devem ser somente para
acima de 12 anos.

Patricia R T de Araujo
Excluir
Tanji
Christiane Terra de Lisboa Retirar todo o item.

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial

Faixa etária:A partir de 10


anosRetirada da advertência "uso
Alessandra Simões Trindade
recomendável a partir de 8 anos de
idade"

denise perencin dias


paschoal
Shaiene Nunes Ferreira Aumento da idade mínima recomendada

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

Mauricio S Sercheli a partir de 12 anos.

Flávia Motta Corrêa da


Não deve ser permitido
Cruz

cecilia luchetti Exclusão do item

tais pileggi vinha excluir


Roberta Lippi Exclusão

Paula Tuanni dos Santos


Exclusão de grupo 5.
Machado

Daniella Regina Freitas sugiro a retirada deste produto

Carolina Jimenes Exclusao

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
maria claudia fusetto a partir de 6 anos

Jacqueline Fiuza da Silva


Faixa Etária: - A partir de 10 anos.
Regis

Ana Paula Barreto Monteiro


Uso a partir de 10 anos.
Rothen

1. Exclusão: avaliação
fotossensibilização.2. Exclusão da
Renata Teixeira do Amaral
advertencia: "Proibido o uso de
substâncias antitranspirantes"
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos jose arapoty lins vieira vedado proibir o uso
de Higiene Pessoal
6. Desodorante Pédico
Faixa Etária
A partir de 8 anos lave bem as mãos após utilizar o
janaina guiguer borges
Avaliação de Segurança produto
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização.
Advertências de Rotulagem Ana Paula Hoffmann
Eliminar esse item inteiro.
Uso recomendado a partir de Frittoli Basaglia
8 anos de idade.
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Proibido o uso de substâncias
antitranspirantes

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
concordo com a manutencao dos
Luiz Henrique Cristofoli
criterios.

Patricia R T de Araujo
Excluir
Tanji

Christiane Terra de Lisboa Retira todo o item.

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial

Retirada da advertência "uso


Alessandra Simões Trindade recomendado a partir de 8 anos de
idade"

denise perencin dias


paschoal
Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

cecilia luchetti Exclusão do item

tais pileggi vinha excluir

Paula Tuanni dos Santos


Exclusão de grupo 6.
Machado

Carolina Jimenes Exclusao

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO

maria claudia fusetto a partir de 6 anos


Jacqueline Fiuza da Silva
Faixa Etária: - A partir de 8 anos.
Regis

Exclusão da advertencia: "Proibido o


Renata Teixeira do Amaral
uso de substâncias antitranspirantes"

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS jose arapoty lins vieira sem alcool
INFANTIS - I - Produtos
de Higiene Pessoal
7. Enxaguatório bucal
com flúor
Faixa Etária
A partir de 6 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade na mucosa oral
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 6 anos.
Usar com a supervisão de um Sou contrario a qualquer autorização
adulto. Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Não ingerir.
Usar conforme orientação do
dentista.
Outras limitações e
requerimentos
Proibido o uso de álcool na
formulação

concordo com a manutencao dos


Luiz Henrique Cristofoli
criterios.
Christiane Terra de Lisboa Retirar todo o item.

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial

denise perencin dias


paschoal

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 7 anos

cecilia luchetti Exclusão do item


tais pileggi vinha excluir

Juliana Guimarães Simonato Não deveria existir produto com fluor


Pesso para crianças, a agua é é fluoretada!
Faixa Etária:- A partir de 8
anos.Avaliação de Segurança:-
Comprovação da ausência de
irritabilidade na mucosa
oral.Advertências de Rotulagem:- Não
Tami Albuquerque Ballabio usar em crianças menores de 6 anos.-
Usar com a supervisão de um adulto.-
Não ingerir.- Usar conforme
orientação do dentista.Outras
limitações e requerimentos:- Proibido
o uso de álcool na formulação.

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 8 anos
1. Alterar: Enxaguatório bucal com
flúor com ou sem ação antisseptica2.
Renata Teixeira do Amaral
Alterar a advertência para: “Evitar a
Ingestão”

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos
de Higiene Pessoal
8. Enxaguatório bucal
sem flúor
Faixa Etária
A partir de 6 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade na mucosa oral Sou contrario a qualquer autorização
Advertências de Rotulagem Gustavo Ribas da Gama Lima de produtos cosméticos para crianças.
Não usar em crianças menores
de 6 anos.
Usar com a supervisão de um
adulto.
Não ingerir.
Usar conforme orientação do
dentista.
Outras limitações e
requerimentos
Proibido o uso de álcool na
formulação

concordo com a manutencao dos


Luiz Henrique Cristofoli
criterios.

Christiane Terra de Lisboa Retirar todo o item.


Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial

denise perencin dias


paschoal

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 7 anos

cecilia luchetti Exclusão do item

tais pileggi vinha excluir

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
1. Alterar: Enxaguatório bucal sem
flúor com ou sem ação antisseptica2.
Renata Teixeira do Amaral
Alterar a advertência para: “Evitar a
Ingestão”

Caso enrosque ou desfie, solicite a


janaina guiguer borges
ajuda de um adulto

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

Poderia ser inserido o risco de


Gislene Sapata Rodrigues
estrangulamento

concordo com a manutencao dos


Luiz Henrique Cristofoli
criterios.

Christiane Terra de Lisboa excluir todo o item.


Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
Anexo II - REQUISITOS crianças menores de XX anos (de
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS acordo com a faixa etária determinada
INFANTIS - I - Produtos pela Anvisa) pois pode ser
de Higiene Pessoal 9. prejudicial
Fio/fita dental com flúor
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Advertências de Rotulagem denise perencin dias
Até 6 anos: Usar com a paschoal
supervisão de um adulto

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

cecilia luchetti Exclusão do item

Juliana Guimarães Simonato Não deveria existir produto com fluor


Pesso para crianças, a agua é é fluoretada!
Roberta Cristina
OK
Figueiredo

Vanessa Viviane de Castro


A partir de 2 qnos de idade.
Sial

Jacqueline Fiuza da Silva


Faixa Etária: - A partir de 6 anos.
Regis

Ana Paula Barreto Monteiro Proibição de uso para crianças


Rothen menores de 5 anos.

Caso enrosque ou desfie, solicite a


janaina guiguer borges
ajuda de um adulto

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

Poderia ser inserido o risco de


Gislene Sapata Rodrigues
estrangulamento

concordo com a manutencao dos


Luiz Henrique Cristofoli
criterios.

Anexo II - REQUISITOS
Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
Anexo II - REQUISITOS menos seja incluída na embalagem uma
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS mensagem com bastante destaque,
INFANTIS - I - Produtos ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
de Higiene Pessoal 10 - Fio/fita um todo, no sentido de orientar os
dental sem flúor Faixa Etária Ludmila Pizarro Alves pais que esse produto não é essencial
Todas as faixas etárias Silva
à higiene das crianças e que não é
Advertências de Rotulagem
recomendado a sua utilização em
Até 6 anos: Usar com a
supervisão de um adulto crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

cecilia luchetti Exclusão do item

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

Avaliavpçao de segurança: embalagem


Vanessa Viviane de Castro
com sistema de segurança.Usar somente
Sial
por adulto.
proibir para crianças deixar seu
jose arapoty lins vieira
cabelo seguir curso normal e natural

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
concordo com a manutencao dos
Luiz Henrique Cristofoli
criterios.

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
Anexo II - REQUISITOS um todo, no sentido de orientar os
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS Ludmila Pizarro Alves pais que esse produto não é essencial
INFANTIS - I - Produtos Silva
à higiene das crianças e que não é
de Higiene Pessoal
11. Óleo recomendado a sua utilização em
corporal/capilar crianças menores de XX anos (de
Faixa Etária acordo com a faixa etária determinada
Todas as faixas etárias pela Anvisa) pois pode ser
Avaliação de Segurança prejudicial
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutâneas
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutâneas
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em denise perencin dias
abundância e procurar um paschoal
médico.

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

Daniela Cavalcanti Vaz Evitar contato com mucosas.

cecilia luchetti Exclusão do item

tais pileggi vinha alteração

Paula Tuanni dos Santos


Exclusão de grupo 11.
Machado
Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
Deve ser proibida a fabricação e
ARTANHÃ MATOS DE ARAÚJO venda de produtos que contenham
álcool etílico em sua formulação
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição do uso por crianças.
Rothen

Exclusão de "Caso o produto entre em


Janine de Carvalho Cabral contato com os olhos, lavar com água
Rodrigues corrente em abundância e procurar um
médico."

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos jose arapoty lins vieira talco levissimo anti alergico so no
de Higiene Pessoal - calçado
12. Pó corporal
(Talco/amido)
Faixa Etária
Todas as faixas etárias -Proteger olhos, nariz e boca da
Avaliação de Segurança janaina guiguer borges criança drante a aplicaçãoEvitar
Comprovação da ausência de inalação do produto
irritabilidade e sensibilização
cutânea.
Advertências de
Rotulagem
Deve ser aplicado
exclusivamente por adulto.
Manter fora do alcance das
crianças.
Proteger olhos, nariz e boca da
criança durante a aplicação.
(exceto para forma
líquida/cremosa)
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade e sensibilização
cutânea.
Advertências de
Rotulagem
Deve ser aplicado
exclusivamente por adulto.
Manter fora do alcance das
crianças.
Proteger olhos, nariz e boca da
criança durante a aplicação.
(exceto para forma
líquida/cremosa)
Evitar inalação do produto.
Sou contrario a qualquer autorização
(exceto para forma Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
líquida/cremosa)
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.

Já foi relatado pela pediatra de


minha filha a preferência pelo NÃO
uso do produto por perigo de inalação
Cintia Noro Shintaku
e por consequencia, asfixia. Não
entendo como um produto deste risco
continua permitido pela ANVISA.

Esse produto deveria ser proibido


para uso infantil, utilizando outra
Gislene Sapata Rodrigues
forma de apresentação como líquido
por exemplo.

concordo com a manutencao dos


Luiz Henrique Cristofoli
criterios.
denise perencin dias
paschoal

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

inalação e/ou ingestão do produto.


Daniela Cavalcanti Vaz
Evitar mucosas.

tais pileggi vinha excluir o talco

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

Vanessa Viviane de Castro


A partir de 2 anos de idade.
Sial

Faixa Etária: a partir de 1 ano para


Minervina Teixeira Lopes
produtos em pó
Christiane Maria da Motta
Excluir esta categoria.
Palmares Raeder

Ana Paula Barreto Monteiro


Proibição do uso para crianças.
Rothen

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos Gustavo Ribas da Gama Lima Sou contrario a qualquer autorização
de Higiene Pessoal - de produtos cosméticos para crianças.
13 - Produto para
Limpeza e Higienização
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutâneas
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
lesionada. concordo com a manutencao dos
Luiz Henrique Cristofoli
Em caso de irritação, criterios.
suspender o uso e procurar
um médico. Indicado para uso
em situações que exijam
proteção adicional contra
germes e bactérias. (Em caso
de produto antisséptico)
Este produto não substitui a
lavagem com água e sabonete.
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico. Indicado para uso
em situações que exijam
Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.
proteção adicional contra
germes e bactérias. (Em caso
de produto antisséptico)
Este produto não substitui a
lavagem com água e sabonete. Daniela Cavalcanti Vaz Evitar o uso abusivo.
(Em caso de produto
antisséptico)
Outras limitações e
requerimentos
Os produtos antissépticos não
poderão ser indicados tais pileggi vinha excluir os bactericidas
diretamente ao público
infantil. As crianças somente
poderão utilizar produtos
indicados ao uso familiar/da
família. Roberta Cristina
OK
Figueiredo

Exclusão da advertência “Indicado


para uso em situações que exijam
Renata Teixeira do Amaral proteção adicional contra germes e
bactérias (Em caso de produto
antisséptico)”
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos
de Higiene Pessoal -
14. Sabonete
Faixa Etária
Todas as faixas etárias jose arapoty lins vieira neutro e antialergico
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade sob uso
continuado (acumulada)
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Indicado para uso em
situações que exijam proteção
adicional contra germes e
Comprovação da ausência de
irritabilidade sob uso
continuado (acumulada)
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Indicado para uso em
situações que exijam proteção
adicional contra germes e
bactérias. (Em caso de
produto antisséptico)
Outras limitações e Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
requerimentos de produtos cosméticos para crianças.
No caso de sabonete em barra
– Alcalinidade livre 0,5%
máximo
Os produtos antissépticos não
poderão ser indicados
diretamente ao público
infantil. As crianças somente
poderão utilizar produtos
indicados ao uso familiar/da
família.

Poderia ser incluso as advertências e


procedimentos em relação ao contato
Gislene Sapata Rodrigues
com olhos, pois os sabonetes anti-
sépticos são utilizados no banho.

concordo com a manutencao dos


Luiz Henrique Cristofoli
criterios.

Exclusão da advertência "Indicado


para uso em situações que exijam
Alessandra Simões Trindade proteção adicional contra germes e
bactérias. (Em caso de produto
antisséptico)"
Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

Evitar contato com os olhos.Em caso


de ingestão acidental, procure NÃO
PROVOCAR VÔMITO ETC, CONTACTE
Daniela Cavalcanti Vaz
IMEDIATAMENTE O MÉDICO MAIS
PRÓXIMO.TELEFONE DO FARMACÊUTICO
RESPONSÁVEL OU SAC.

tais pileggi vinha excluir os sabonetes bactericidas

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO

- Os produtos antissépticos não


Jacqueline Fiuza da Silva
poderão ser indicados ao público
Regis
infantil.
Alteração de texto (Outras limitações
e requerimentos): No caso de sabonete
Sônia Ribeiro Doria
em barra a Alcalinidade livre máxima
deverá ser de 0,5%.

Anexo II - REQUISITOS jose arapoty lins vieira sem espuma


ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - I - Produtos
de Higiene Pessoal -
15. Xampu para
cabelo e/ou corpo
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade.
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto Gustavo Ribas da Gama Lima Sou contrario a qualquer autorização
ou sob sua supervisão. de produtos cosméticos para crianças.
Não usar se o couro cabeludo
estiver ferido ou irritado.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.

Poderia ser subdividido em xampu e


Gislene Sapata Rodrigues sabonete líquido para o corpo, pois
são produtos distintos.

concordo com a manutencao dos


Luiz Henrique Cristofoli
criterios.

denise perencin dias


paschoal
Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO

Deve ser proibida a fabricação e


ARTANHÃ MATOS DE ARAÚJO venda de produtos que contenham
álcool etílico em sua formulação

Vanessa Viviane de Castro


Constar informaçao de pH.
Sial

Exclusão de "Caso o produto entre em


Janine de Carvalho Cabral contato com os olhos, lavar com água
Rodrigues corrente em abundância e procurar um
médico."
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 1.
Batom labial e brilho labial
Faixa Etária
a partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Avaliação da toxicidade oral
dos ingredientes ou do
produto acabado.
Comprovação da ausência de Martin Afonso Farias RETIRAR!
irritabilidade/ sensibilização
cutânea/fotossensibilização.
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 3 anos.
A partir de 3 anos: deve ser
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Não ingerir.
Não usar caso os lábios
apresentem rachaduras,
escamações ou ferimentos.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Não pode conter substâncias
modificadoras de tonalidade
dos lábios pelo contato com a
saliva.
Indicação única: colorir os
lábios.
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Não ingerir.
Não usar caso os lábios
apresentem rachaduras,
escamações ou ferimentos.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Não pode conter substâncias
modificadoras de tonalidade
dos lábios pelo contato com a
saliva. Cláudia Luisa Monteiro da
Alterar para "a partir de 9 anos"
Indicação única: colorir os Rocha
lábios.
jose arapoty lins vieira proibir para uso infantil

janaina guiguer borges - Não ingerir ( não comer)


Ana Paula Hoffmann
Eliminar esse item inteiro.
Frittoli Basaglia
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
retirada total deste tipo de produto
Luiz Henrique Cristofoli
do mercado
Patricia R T de Araujo Alteração da faixa etária para a
Tanji partir de, no mínimo, 10 anos
Christiane Terra de Lisboa Excluir todo o item
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
Alessandra Simões Trindade Proposta a exclusão do produto.
Marina de Oliveira Drumond Faixa etária: a partir de 5 anos.
denise perencin dias
paschoal

Monique Rocha Resende Nenhuma Alteração.


Mauricio S Sercheli a partir de 8 anos.

INDICAÇÃO ÚNICA: PROTEGER OS LÁBIOS


Daniela Cavalcanti Vaz
CONTRA RESSECAMENTO E RACHADURAS.
Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores
Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti A partir dos 6 anos
tais pileggi vinha alterar
deveriam não existir.... assim como
Juliana Guimarães Simonato
nao damos uma carteira de motorista
Pesso
para uma criança
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 5 anos.
Silvia Düssel Schiros
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 1.
Machado
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
ANA AMELIA BARROS COELHO
somente a partir de 5 anos.
PACE
Meire das Graças de
A partir de 5 anos.
Almeida Carvalho
Eudes Dias Silva Junior Retirada do termo "batom"

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Maria da Luz Veiga retirar essa relação
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 13 anos
Mariana Ribeiro
faixa etária: a partir de 7 anos
Albuquerque Desimone
Lívia Maria Lima de Retirar 1. Batom labial e brilho
Almeida Benetti labial do grupo
Jacqueline Fiuza da Silva
Faixa Etária: - A partir de 10 anos.
Regis

Alteração de texto (Testes):


Comprovação da ausência de
Sônia Ribeiro Doria irritabilidade cutânea e de mucosa
oral / sensibilização cutânea/
fotossensibilização.
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição do uso para crianças.
Rothen
1. Exclusão da indicação única:
colorir os lábios2. Exclusão da
Renata Teixeira do Amaral avaliação fotossensibilização.3.
Alterar a advertência para: “Evitar a
Ingestão”
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 2.
Blush/rouge
Faixa Etária
a partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea/fotossensibilização.
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores Martin Afonso Farias RETIRAR!
de 3 anos.
A partir de 3 anos: deve ser
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Não usar caso a pele da face
se apresente irritada ou ferida
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Para pós: Proteger narinas,
olhos e boca durante a
aplicação.

Evitar a inalação do produto


Outras limitações e
requerimentos Indicação
única: colorir
temporariamente a face
se apresente irritada ou ferida
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Para pós: Proteger narinas,
olhos e boca durante a
aplicação.

Evitar a inalação do produto


Outras limitações e
requerimentos Indicação
única: colorir
temporariamente a face

Cláudia Luisa Monteiro da


Alterar para "a partir de 9 anos"
Rocha
jose arapoty lins vieira proibir o uso e a fabricação
Ana Paula Hoffmann
Eliminar esse item inteiro.
Frittoli Basaglia
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
retirada total deste tipo de produto
Luiz Henrique Cristofoli do mercadonao deve ser vendido a
menores de 12 anos
Patricia R T de Araujo Alteração da faixa etária para a
Tanji partir de, no mínimo, 10 anos
Christiane Terra de Lisboa Excluir todo o item.
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
Alessandra Simões Trindade Proposta a exclusão do produto.
Marina de Oliveira Drumond Faixa etária: a partir de 5 anos.
denise perencin dias
paschoal
Karla Andrade Werner Retirar este cosmético da resolução
Monica Maria Wendt
Monique Rocha Resende Não deve ser aplicado em crianças!
Mauricio S Sercheli a partir de 8 anos.
Daniela Cavalcanti Vaz EXCLUSÃO.
Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores
Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti A partir dos 6 anos
tais pileggi vinha alterar
Roberta Lippi Excluir
deveriam não existir.... assim como
Juliana Guimarães Simonato
nao damos uma carteira de motorista
Pesso
para uma criança
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 5 anos.
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 2.
Machado
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
ANA AMELIA BARROS COELHO
somente a partir de 5 anos.
PACE
Meire das Graças de
A partir de 12 anos.
Almeida Carvalho
Eudes Dias Silva Junior Exclusão total deste item.
Guadalupe Di Giulio Exclusão

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Maria da Luz Veiga retirar essa relação de produtos
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO
RENATA MARCIA COSTA
Faixa etária: a partir dos 5 anos.
VASCONCELOS
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 13 anos
Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 5 anos
Mariana Ribeiro
faixa etária: a partir de 7 anos
Albuquerque Desimone
Lívia Maria Lima de
Retirar 2. Blush/rouge do grupo
Almeida Benetti

Christiane Maria da Motta Excluir a possibilidade de ser em pó,


Palmares Raeder somente blush líquido ou em creme.
Jacqueline Fiuza da Silva
Faixa Etária: - A partir de 10 anos.
Regis
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição do uso para crianças.
Rothen

1.Exclusão da indicação única:


colorir temporariamente a
face2.Exclusão da avaliação
Renata Teixeira do Amaral
fotossensibilização.3. Alteração:Para
pós soltos: Proteger narinas, olhos e
boca durante a aplicação
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 3. Esmalte para
unhas
Faixa Etária
A partir de 5 anos
Avaliação de Segurança
Avaliação da toxicidade oral
dos ingredientes ou do
produto acabado.
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização Martin Afonso Farias RETIRAR!
cutânea/ fotossensibilização.
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 5 anos.
Usar sob a supervisão de
adulto.
Não usar caso a pele dos
dedos ou cutículas da criança
estejam machucadas ou
inflamadas.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico. Outras limitações
e requerimentos
Indicação única: colorir as
unhas
O produto deve ser facilmente
removido com água e
sabonete
dedos ou cutículas da criança
estejam machucadas ou
inflamadas.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico. Outras limitações
e requerimentos
Indicação única: colorir as
unhas
O produto deve ser facilmente
removido com água e
sabonete

Cláudia Luisa Monteiro da


Alterar para "a partir de 9 anos"
Rocha
jose arapoty lins vieira proibir

Não tente retirar o produto com a


janaina guiguer borges
boca
Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Luiz Henrique Cristofoli proibidoo uso em menores de 12 anos
Patricia R T de Araujo Alteração da faixa etária para a
Tanji partir de, no mínimo, 10 anos
Christiane Terra de Lisboa Excluir todo o item.
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
Alessandra Simões Trindade Proposta a exclusão do produto.
denise perencin dias
paschoal
Monica Maria Wendt
Monique Rocha Resende Não deve ser aplicado em crianças!
Mauricio S Sercheli a partir de 8 anos.
Daniela Cavalcanti Vaz EXCLUSÃO.
Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores
Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti A partir dos 6 anos
tais pileggi vinha alterar
deveriam não existir.... assim como
Juliana Guimarães Simonato
nao damos uma carteira de motorista
Pesso
para uma criança
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 7 anos.
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 3.
Machado
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
Meire das Graças de
De jeito nenhum antes de 14 anos.
Almeida Carvalho

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Maria da Luz Veiga retirar esse produto

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 13 anos
Lívia Maria Lima de Retirar 3. Esmalte para unhas do
Almeida Benetti grupo
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição do uso para crianças.
Rothen
1. Exclusão da indicação única:
Renata Teixeira do Amaral colorir as unhas2. Exclusão da
avaliação fotossensibilização.
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 4.Fixador de
Cabelos
Faixa Etária
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/sensibilização
cutânea.
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores Cláudia Luisa Monteiro da Alterar para "a partir de 9 anos"
de 3 anos. Rocha
A partir de 3 anos: deve ser
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Evitar o contato com os olhos.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Não usar se o couro cabeludo
estiver ferido ou irritado.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Não usar se o couro cabeludo
estiver ferido ou irritado.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.

jose arapoty lins vieira proibir


Sou contrario a qualquer autorização
Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.
Luiz Henrique Cristofoli proibidoo uso em menores de 12 anos
Christiane Terra de Lisboa Excluir todo o item.

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
denise perencin dias
paschoal

Monique Rocha Resende nenhuma alteração.


Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores
Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti Exclusão do item
tais pileggi vinha alterar
deveriam não existir.... assim como
Juliana Guimarães Simonato
nao damos uma carteira de motorista
Pesso
para uma criança
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 7 anos.
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 4.
Machado
ANA AMELIA BARROS COELHO
somente a partir de 5 anos.
PACE
Meire das Graças de
Para ser usado casualmente.
Almeida Carvalho

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Maria da Luz Veiga retirar esse produto

Exclusão:Proibido em dispensadores
Renata Teixeira do Amaral
pressurizados.
Exclusão de "Caso o produto entre em
Janine de Carvalho Cabral contato com os olhos, lavar com água
Rodrigues corrente em abundância e procurar um
médico."

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos -5.Hidratante para
a pele
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/sensibilização
cutânea
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto jose arapoty lins vieira proibir
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
ferida.
Em caso de irritação
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Indicação única: hidratação da
pele
requerimentos
Indicação única: hidratação da
pele

Sou contrario a qualquer autorização


Gustavo Ribas da Gama Lima
de produtos cosméticos para crianças.

Luiz Henrique Cristofoli manutencao dos criterios

Christiane Terra de Lisboa Com indicação do pediatra.


denise perencin dias
paschoal

Monique Rocha Resende nenhuma alteração.

tais pileggi vinha alterar

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO

Vanessa Viviane de Castro


informaro pH do produto
Sial

Exclusão da indicação única:


Renata Teixeira do Amaral
hidratação da pele

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS jose arapoty lins vieira sim proteje com antialergico
INFANTIS - II -
Cosméticos - 6. Protetor labial janaina guiguer borges Não comer
com FPS
Faixa Etária
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Avaliação da toxicidade oral
dos ingredientes ou do
produto acabado.
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 6. Protetor labial
com FPS
Faixa Etária
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança Luiz Henrique Cristofoli manutencao de criterios
Avaliação da toxicidade oral
dos ingredientes ou do
produto acabado.
Comprovação da ausência de Caso não seja possível retirar os
irritabilidade/ sensibilização produtos da lista, sugiro que ao
cutânea/ fotossensibilização. menos seja incluída na embalagem uma
Demais testes, consultar mensagem com bastante destaque,
legislação específica ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
Advertências de Rotulagem um todo, no sentido de orientar os
Não usar em crianças menores Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
de 3 anos. Silva
à higiene das crianças e que não é
A partir de 3 anos: deve ser recomendado a sua utilização em
aplicado exclusivamente por crianças menores de XX anos (de
adulto. acordo com a faixa etária determinada
Para maiores de 5 anos: usar pela Anvisa) pois pode ser
sob a supervisão de adulto. prejudicial
Não ingerir.
Não usar caso os lábios
apresentem rachaduras,
escamações ou ferimentos.
Em caso de irritação, Monique Rocha Resende nenhuma alteração.
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Não pode conter substâncias
modificadoras de tonalidade
dos lábios pelo contato com a
saliva.
Indicação única: proteger os
lábios do sol.
Não usar caso os lábios
apresentem rachaduras,
escamações ou ferimentos.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Não pode conter substâncias
modificadoras de tonalidade
dos lábios pelo contato com a
saliva.
Indicação única: proteger os
lábios do sol.

cecilia luchetti Excusão do item


tais pileggi vinha alterar

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO

Alteração de texto (Testes):


Comprovação da ausência de
Sônia Ribeiro Doria irritabilidade cutânea e de mucosa
oral / sensibilização cutânea/
fotossensibilização.
Exclusão da Categoria Protetor Labial
Renata Teixeira do Amaral
com FPS.

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 7.
Protetor labial sem FPS
Faixa Etária
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Avaliação da toxicidade oral
dos ingredientes ou do
produto acabado.
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização jose arapoty lins vieira proibir
cutânea/fotossensibilização.
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 3 anos.
A partir de 3 anos: deve ser
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Não ingerir.
Não usar caso os lábios
apresentem rachaduras,
escamações ou ferimentos.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar Luiz Henrique Cristofoli manutencao de criterios
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Não pode conter substâncias
modificadoras de tonalidade
dos lábios pelo contato com a
saliva.
Indicação única: hidratar os
lábios.
escamações ou ferimentos.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Não pode conter substâncias
modificadoras de tonalidade
dos lábios pelo contato com a
saliva.
Indicação única: hidratar os
lábios.

Christiane Terra de Lisboa excluir


idem anteriores (Caso não seja
possível retirar os produtos da
lista, sugiro que ao menos seja
incluída na embalagem uma mensagem
com bastante destaque, ocupando no
mínimo 1/3 do rótulo como um todo, no
Ludmila Pizarro Alves
sentido de orientar os pais que esse
Silva
produto não é essencial à higiene das
crianças e que não é recomendado a
sua utilização em crianças menores de
XX anos (de acordo com a faixa etária
determinada pela Anvisa) pois pode
ser prejudicial)

Monique Rocha Resende nenhuma alteração.


cecilia luchetti Exclusão do item
tais pileggi vinha alteração
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
Meire das Graças de
?
Almeida Carvalho

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO

Alteração de texto (Testes):


Comprovação da ausência de
Sônia Ribeiro Doria irritabilidade cutânea e de mucosa
oral / sensibilização cutânea/
fotossensibilização.
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição de uso infantil.
Rothen

1. Exclusão da avaliação
fotossensibilização. 2. Exclusão da
Renata Teixeira do Amaral indicação única: Hidratar os Labios;
3. Alterar a advertência para:
“Evitar a Ingestão”
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 8.
Maquiagem capilar
Faixa Etária
A partir dos 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/sensibilização
cutânea
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores jose arapoty lins vieira proibir
de 3 anos.
A partir de 3 anos: deve ser
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Evitar contato com os olhos.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Não usar se a pele estiver
ferida ou irritada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Finalidade única: colorir
temporariamente os cabelos.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Não usar se a pele estiver
ferida ou irritada.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Finalidade única: colorir
temporariamente os cabelos.

Luiz Henrique Cristofoli proibidoo uso em menores de 12 anos


Christiane Terra de Lisboa Excluir item.

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
denise perencin dias
paschoal
Monica Maria Wendt

Monique Rocha Resende nenhuma alteração.


Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores
Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti EXCLUSÃO DO ITEM
tais pileggi vinha alterar
deveriam não existir.... assim como
Juliana Guimarães Simonato
nao damos uma carteira de motorista
Pesso
para uma criança
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 7 anos.
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 8.
Machado
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
ANA AMELIA BARROS COELHO
somente a partir de 5 anos.
PACE
Meire das Graças de
A partir de 8 anos.Inodoro
Almeida Carvalho

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Maria da Luz Veiga retirar
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO
RENATA MARCIA COSTA
Faixa etária: a partir dos 5 anos.
VASCONCELOS
Vanessa Viviane de Castro
A partir de 5 anos.
Sial
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 13 anos
Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 10 anos
Mariana Ribeiro
faixa et;aria a partir de 7 anos
Albuquerque Desimone
Lívia Maria Lima de Retirar 8. Maquiagem capilar do
Almeida Benetti grupo
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição de uso.
Rothen
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos 9.Máscara
capilar
Faixa Etária
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/sensibilização
cutânea
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores jose arapoty lins vieira proibir
de 3 anos.
A partir de 3 anos: deve ser
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Evitar o contato com os olhos.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Não usar se o couro cabeludo
estiver ferido ou irritado.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
O produto necessariamente
deve ser enxaguado
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Não usar se o couro cabeludo
estiver ferido ou irritado.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
O produto necessariamente
deve ser enxaguado

Christiane Terra de Lisboa excluir item

Caso não seja possível retirar os


produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
denise perencin dias
paschoal

Monique Rocha Resende nenhuma alteração.

Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores


Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti Exclusão do item
tais pileggi vinha excluir
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 6 anos.
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 9.
Machado
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
ANA AMELIA BARROS COELHO
somente a partir de 5 anos.
PACE
Meire das Graças de
Uso casual.
Almeida Carvalho

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Maria da Luz Veiga retirar
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO

Vanessa Viviane de Castro


Informar pH
Sial
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 13 anos
Mariana Ribeiro
faixa et;aria a partir de 7 anos
Albuquerque Desimone
Ana Paula Barreto Monteiro Alteração da idade para a partir de 8
Rothen anos.

Exclusão de "Caso o produto entre em


Janine de Carvalho Cabral contato com os olhos, lavar com água
Rodrigues corrente em abundância e procurar um
médico."
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos 10.Pó
facial
Faixa Etária
a partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea/fotossensibilização.
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 3 anos.
A partir de 3 anos: deve ser Martin Afonso Farias RETIRAR!
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Não usar caso a pele da face
se apresente irritada ou ferida
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Para pós soltos: Proteger
narinas, olhos e boca durante
a aplicação.
Evitar a inalação do produto.
Outras limitações e
requerimentos
Indicação única: colorir
temporariamente a face
Para pós soltos: Proteger
narinas, olhos e boca durante
a aplicação.
Evitar a inalação do produto.
Outras limitações e
requerimentos
Indicação única: colorir
temporariamente a face

Cláudia Luisa Monteiro da


Alterar para "a partir de 9 anos"
Rocha
jose arapoty lins vieira proibir
Ana Paula Hoffmann
Eliminar esse item inteiro.
Frittoli Basaglia
Luiz Henrique Cristofoli somente para maiores de 12 anos
Patricia R T de Araujo Alteração da faixa etária para a
Tanji partir de, no mínimo, 10 anos
Christiane Terra de Lisboa excluir item
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade
Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
Alessandra Simões Trindade Proposta a exclusão do produto
Marina de Oliveira Drumond Faixa etária: a partir de 5 anos.
denise perencin dias
paschoal
Karla Andrade Werner Retirar este cosmético da resolução
Monica Maria Wendt
Monique Rocha Resende Não deve ser aplicado em crianças!
Daniela Cavalcanti Vaz Exlusão!!!
Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores
Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti Exclusão do item
tais pileggi vinha alterar
Roberta Lippi Excluir
deveriam não existir.... assim como
Juliana Guimarães Simonato
nao damos uma carteira de motorista
Pesso
para uma criança
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 6 anos
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 10.
Machado
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
ANA AMELIA BARROS COELHO
somente a partir de 5 anos.
PACE
Meire das Graças de
A partir de 14 anos.
Almeida Carvalho
Eudes Dias Silva Junior Exclusão total deste item.
Guadalupe Di Giulio Exclusão

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Maria da Luz Veiga retirar
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO
RENATA MARCIA COSTA
Faixa etária: a partir dos 5 anos.
VASCONCELOS
Vanessa Viviane de Castro
A partir de 5 anos
Sial
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 13 anos
Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 5 anos
Mariana Ribeiro
Faixa etária a partir dos 7 anos
Albuquerque Desimone
Lívia Maria Lima de
Retirar 10. Pó facial do grupo
Almeida Benetti
Christiane Maria da Motta
Excluir esta categoria.
Palmares Raeder
Jacqueline Fiuza da Silva
Faixa Etária: - A partir de 10 anos.
Regis
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição de uso.
Rothen

1. Exclusão da indicação única:


colorir temporariamente a face2.
Exclusão da avaliação
Renata Teixeira do Amaral
fotossensibilização.3. Alteração:Para
pós soltos: Proteger narinas, olhos e
boca durante a aplicação
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II - jose arapoty lins vieira sim com comprovação da eficacia
Cosméticos -11.Produto para
inibir o hábito de roer unhas
Faixa Etária
A partir de 5 anos
Avaliação de Segurança
Avaliação da toxicidade oral
dos ingredientes ou do
produto acabado.
Comprovação da ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea/ fotossensibilização.
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 5 anos.
Deve ser aplicado por um
adulto ou sob a sua Luiz Henrique Cristofoli manutencao de criterios
supervisão.
Não usar caso a pele dos
dedos ou cutículas da criança
estejam machucadas ou
inflamadas.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Este produto não poderá
conter solventes orgânicos
voláteis ou aromáticos
e
O produto deve ser facilmente
removido com água e
sabonete
Outras limitações e
requerimentos
Este produto não poderá
conter solventes orgânicos
voláteis ou aromáticos
e
O produto deve ser facilmente
removido com água e
sabonete

Christiane Terra de Lisboa Excluir item


Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial

denise perencin dias


paschoal
Monique Rocha Resende Não deve ser aplicado em crianças!
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti Exclusão do item
Roberta Cristina
OK
Figueiredo
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO
Lívia Maria Lima de Retirar 11. Produto para inibir o
Almeida Benetti hábito de roer unhas do grupo

Alteração de texto (Testes):


Sônia Ribeiro Doria Avaliação da toxicidade oral dos
ingredientes e do produto acabado.
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição de uso.
Rothen

Exclusão da avaliação
Renata Teixeira do Amaral
fotossensibilização.

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS jose arapoty lins vieira sim
INFANTIS - II -
Cosméticos 12.
Produto para prevenir
assaduras
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea/
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos 12.
Produto para prevenir
assaduras
Faixa Etária Luiz Henrique Cristofoli manutencao de criterios
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização denise perencin dias
cutânea/ paschoal
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão..
Não usar na pele irritada ou Monique Rocha Resende nenhuma alteração.
ferida.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Outras limitações e
requerimentos Alteração de "produto para prevenir
Indicação única: formar uma cecilia luchetti
assaduras" por "produto para
camada protetora para evitar dermatite" (que eventualmente ocorre
contato da urina e das fezes caso aconteçam assaduras.
do bebê com a pele

tais pileggi vinha alterar

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO

Exclusão da indicação única: formar


uma camada protetora para evitar
Renata Teixeira do Amaral
contato da urina e das fezes do bebê
com a pele

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS jose arapoty lins vieira sim
INFANTIS - II -
Cosméticos - 13.Produto pós
sol
Faixa Etária
Todas as faixas etárias Luiz Henrique Cristofoli manutencao de criterios
Avaliação de Segurança
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea/fotossensibilização.
Advertências de Rotulagem Caso não seja possível retirar os
Deve ser aplicado por adulto produtos da lista, sugiro que ao
ou sob sua supervisão. menos seja incluída na embalagem uma
O uso deste produto não mensagem com bastante destaque,
descarta o uso do protetor ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
solar durante a exposição ao Ludmila Pizarro Alves
um todo, no sentido de orientar os
sol. Silva
pais que esse produto não é essencial
Não usar na pele irritada ou à higiene das crianças e que não é
lesionada. recomendado a sua utilização em
Em caso de irritação, crianças menores de XX anos (de
suspender o uso e procurar acordo com a faixa etária determinada
um médico. pela Anvisa) pois pode ser
Outras limitações e prejudicial
requerimentos
Indicação única: hidratar e
refrescar a pele que foi
exposta ao sol. Faixa etária:Antes dos 2 anos de
Alessandra Simões Trindade
idade, somente sob prescrição médica.
Indicação única: hidratar e
refrescar a pele que foi
exposta ao sol.

Monique Rocha Resende nenhuma alteração.

cecilia luchetti Exclusão do item.Produto absurdo!

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO

Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 6 meses

Ana Paula Barreto Monteiro Uso permitido a partir de 2 anos de


Rothen idade.
1. Exclusão da indicação única:
hidratar e refrescar a pele que foi
Renata Teixeira do Amaral
exposta ao sol2. Exclusão da
avaliação fotossensibilização.

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II - jose arapoty lins vieira sim
Cosméticos - 14.Protetor solar
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança Luiz Henrique Cristofoli manutencao de criterios
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea/ fotossensibilização.
Demais testes, consultar
legislação específica
Advertências de Rotulagem Alessandra Simões Trindade
Faixa etária:Antes dos 2 anos de
Deve ser aplicado por adulto idade, somente sob prescrição médica.
ou sob sua supervisão.
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação
suspender o uso e procurar
orientação médica. Monique Rocha Resende nenhuma alteração.
Demais advertências e
instruções de uso consultar
legislação específica
Outras limitações e
requerimentos
Indicação única: Proteção Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- Apartir dos 6 meses.
solar
requerimentos
Indicação única: Proteção
solar

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO

Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 6 meses

Ana Paula Barreto Monteiro


A partir de 6 meses de idade.
Rothen

Renata Teixeira do Amaral Exclusão da categoria


Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 15.
Reparador de pontas para os
cabelos
Faixa Etária
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação da ausência de
irritabilidade.
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão. jose arapoty lins vieira proibir
Evitar o contato com os olhos.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Não usar se o couro cabeludo
estiver ferido ou irritado.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.
Em caso de irritação,
suspender o uso e procurar
um médico.

Luiz Henrique Cristofoli proibido para menores de 12 anos


Christiane Terra de Lisboa excluir item
Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
denise perencin dias
paschoal
Monica Maria Wendt

Monique Rocha Resende nenhuma alteração.


Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores
Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
cecilia luchetti Exclusão do item.Produto absurdo!
tais pileggi vinha excluir
deveriam não existir.... assim como
Juliana Guimarães Simonato
nao damos uma carteira de motorista
Pesso
para uma criança
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 6 anos.
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 15.
Machado
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
ANA AMELIA BARROS COELHO
somente a partir de 5 anos.
PACE
Meire das Graças de
A partir de 8 anos.
Almeida Carvalho
Roberta Cristina
EXCLUSÃO DO GRUPO 15
Figueiredo
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 13 anos
Mariana Ribeiro
faixa etária: a partir dos 7 anos
Albuquerque Desimone
Lívia Maria Lima de retirar 15. Reparador de pontas para
Almeida Benetti os cabelos do grupo
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição do uso
Rothen

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS jose arapoty lins vieira sim
INFANTIS - II -
Cosméticos -
16.Repelente de Insetos
Faixa Etária
Consultar legislação específica Luiz Henrique Cristofoli manter criterio
Avaliação de Segurança
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea Monique Rocha Resende nenhuma alteração.
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Outras limitações e
requerimentos
Indicação única: Repelência de
insetos
Avaliação de Segurança
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou sob sua supervisão.
Outras limitações e
requerimentos Meire das Graças de
Inodoro
Indicação única: Repelência de Almeida Carvalho
insetos

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO

Vanessa Viviane de Castro


Embalagem com sistema de segurança
Sial

Renata Teixeira do Amaral Exclusão da categoria


Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - II -
Cosméticos - 17. Sombra
Faixa Etária
A partir de 3 anos
Avaliação de Segurança
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização
cutânea
Advertências de Rotulagem
Não usar em crianças menores
de 3 anos.
A partir de 3 anos: deve ser Martin Afonso Farias RETIRAR!
aplicado exclusivamente por
adulto.
Para maiores de 5 anos: usar
sob a supervisão de adulto.
Proteger os olhos durante a
aplicação.
Caso o produto entre em
contato com os olhos, lavar
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Para os pós soltos: Proteger
narinas e boca durante a
aplicação.
Evitar a inalação do produto
Não usar caso a pele da face
se apresente irritada ou ferida
Em caso de irritação, suspenda
o uso e procurar um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Indicação única: colorir
temporariamente as pálpebras
com água corrente em
abundância e procurar um
médico.
Para os pós soltos: Proteger
narinas e boca durante a
aplicação.
Evitar a inalação do produto
Não usar caso a pele da face
se apresente irritada ou ferida
Em caso de irritação, suspenda
o uso e procurar um médico.
Outras limitações e
requerimentos
Indicação única: colorir
temporariamente as pálpebras

Cláudia Luisa Monteiro da


Alterar para "a partir de 9 anos"
Rocha
jose arapoty lins vieira proibir
Ana Paula Hoffmann
Eliminar esse item inteiro.
Frittoli Basaglia
absolutamente proibido o uso para
Luiz Henrique Cristofoli
menores de 12 anos
Patricia R T de Araujo Alteração da faixa etária para a
Tanji partir de, no mínimo, 10 anos
Christiane Terra de Lisboa Excluir item
proibir a liberacao de produtos
maria cristina da costa
cosmeticos para criancas a partir dos
gloria
3 anos de idade
Caso não seja possível retirar os
produtos da lista, sugiro que ao
menos seja incluída na embalagem uma
mensagem com bastante destaque,
ocupando no mínimo 1/3 do rótulo como
um todo, no sentido de orientar os
Ludmila Pizarro Alves
pais que esse produto não é essencial
Silva
à higiene das crianças e que não é
recomendado a sua utilização em
crianças menores de XX anos (de
acordo com a faixa etária determinada
pela Anvisa) pois pode ser
prejudicial
Alessandra Simões Trindade Proposta a exclusão do produto
Marina de Oliveira Drumond Faixa etária: a partir de 5 anos.
denise perencin dias
paschoal
Karla Andrade Werner Retirar este cosmético da resolução
Monica Maria Wendt
Monique Rocha Resende Não deve ser aplicado em crianças!
Mauricio S Sercheli a partir de 8 anos.
Daniela Cavalcanti Vaz EXCLUSÃO!!!
Flávia Motta Corrêa da Não deve ser autorizado para menores
Cruz de 10 anos de idade
Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos
Claudia Santos da Silva
cecilia luchetti AlteraçãoA partir dos 6 anos.
tais pileggi vinha alterar
Roberta Lippi Excluir
deveriam não existir.... assim como
Juliana Guimarães Simonato
nao damos uma carteira de motorista
Pesso
para uma criança
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:- A partir de 6 anos.
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 17.
Machado
proponho que este item seja retirado
Daniella Regina Freitas da lista e seu uso não seja
recomendado por crianças
ANA AMELIA BARROS COELHO
somente a partir de 5 anos.
PACE
Meire das Graças de
De jeito nenhum antes dos 12 anos.
Almeida Carvalho
Eudes Dias Silva Junior Exclusão total deste item.
Guadalupe Di Giulio Exclusão

Roberta Cristina
OK
Figueiredo
Maria da Luz Veiga retirar esse produto
SILEY HELLEN BUSTAMANTE
FERREIRA DE MELO
RENATA MARCIA COSTA
Faixa etária: a partir dos 5 anos.
VASCONCELOS
Vanessa Viviane de Castro
A partir de 5 anos de idade.
Sial
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 13 anos
Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 5 anos
Mariana Ribeiro
faixa etária a partir de 7 anos
Albuquerque Desimone
Lívia Maria Lima de
Retirar 17. Sombra do grupo
Almeida Benetti
Christiane Maria da Motta
Excluir a opção de pó solto
Palmares Raeder
Jacqueline Fiuza da Silva
Faixa Etária: - A partir de 10 anos.
Regis
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição de uso.
Rothen

1.Alterar de: não usar caso a pele da


face apresente irritada ou ferida
para: não usar caso a área dos olhos
Renata Teixeira do Amaral
se apresente irritada ou ferida2.
Exclusão da Indicação única: colorir
temporariamente as pálpebras

Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - III – Perfumes jose arapoty lins vieira sim
- 1.Água de colônia e perfume
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização e
fotossensibilização
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou com supervisão de adulto.
Para os produtos contendo
Anexo II - REQUISITOS
ESPECÍFICOS PARA PRODUTOS
INFANTIS - III – Perfumes
- 1.Água de colônia e perfume
Faixa Etária
Todas as faixas etárias
Avaliação de Segurança
Comprovação de ausência de
irritabilidade/ sensibilização e janaina guiguer borges Deveria ser proibido com alcool
fotossensibilização
Advertências de Rotulagem
Deve ser aplicado por adulto
ou com supervisão de adulto.
Para os produtos contendo
álcool: Inflamável
Não usar na pele irritada ou
lesionada.
Em caso de irritação, suspenda
o uso e procurar um médico.

Christiane Terra de Lisboa excluir item


Faixa etária:Antes dos 2 anos de
Alessandra Simões Trindade
idade, somente sob prescrição médica.

denise perencin dias


paschoal
Monique Rocha Resende nenhuma alteração

- Devia ser criada tipos de faixas


para tipos de cheiros (extra suave-
ALEXANDRE BISPO DOS SANTOS perfumes para bebes até 01 ano, suave
de 2 a 3 anos e normal para acima de
3 anos.

Gladys Inácio da Silva Faixa etária: a partir de 10 anos


tais pileggi vinha alterar
Tami Albuquerque Ballabio Faixa Etária:Apartir de 1 ano.
Paula Tuanni dos Santos
Exclusão de grupo 1.
Machado

Roberta Cristina
OK
Figueiredo

SILEY HELLEN BUSTAMANTE


FERREIRA DE MELO
Proibição de produção e venda desses
Rogerio Specie Puglia
produtos a menores de 10 anos
Minervina Teixeira Lopes Faixa Etária: A partir de 1 ano
Ana Paula Barreto Monteiro
Proibição do uso de perfume.
Rothen

Exclusão da avaliação
Renata Teixeira do Amaral
fotossensibilização.
JUSTIFICATIVA ANÁLISE DA ÁREA JUSTIFICATIVA DA ÁREA

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
Os mesmos tendem a afetar sua percepção de mundo, tornando-a regulamentação de produtos
"adulta" e expondo à riscos desnecessários. Cada criança deve higiene pessoal, cosméticos e
ter produtos para criança (INFANTIS) que atendam não só a NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
saúde física como também MENTAL, não distorcendo sua visão e produtos tem sido utilizados com
postura infantis. maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

O regulamento deve abranger as


categorias de produtos de higiene
Os problemas porventura encontrados têm se limitado ao
NÃO ACEITA pessoal, cosméticos e perfumes,
segmento dos cosméticos e perfumes infantis
pois todas são previstas para uso
infantil.
A faixa etária proposta está em
conformidade com o estabelecido
deve ser de uso apartir de 10 anos como variedade de pelo Estatudo da Criança e do
NÃO ACEITA
brincadeira caso seja aprovado Adolescente e, para algumas
categorias, foram estabelecidas a
idade mínima.

Cosmético vem do grego kosmetikós, que quer dizer "o que serve
para ornamentar" (enfeitar). Cosméticos não trazem nenhum O regulamento deve abranger as
benefício a crianças, elas não precisam se pintar para ficarem categorias de produtos de higiene
bonitas, e se ainda assim quiserem a pintura, já existem as NÃO ACEITA pessoal, cosméticos e perfumes,
pinturas corporais. Os cosméticos servem para realçar pois todas são previstas para uso
atributos de adultos, não cabe o uso de cosméticos na infantil.
infância!

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
A criança brasileira, de modo geral, tem sido travestida em higiene pessoal, cosméticos e
adulto. comportamento já criticado há muito por especialistas NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
e estrangeiros não raro se mostram estupefatos. produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
nao concordo, a criança tem outros meios para usar a perfumes infantis,pois o uso
NÃO ACEITA
criatividade. desses produtos é uma realidade e
é crescente. O objetivo da Anvisa
é garantir que produtos seguros
sejam lançados no mercado.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Deixar fora cosméticos e perfumes é proteger a infância. Com a
produtos sem registro na Anvisa.
falta de escolaridade e cultura e/ou a submissão ao consumo os
É necessária a atualização da
pais tem tratado as crianças como adultos subtraindo delas a
regulamentação de produtos
infância e as expondo a situações para as quais não estão
higiene pessoal, cosméticos e
preparadas psicologicamente, adotando modos, vestimentas,
NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
atitudes de adultos,muitas vezes vulgarizando e sensualizando-
produtos tem sido utilizados com
as de forma aberrante, chamando a atenção inclusive de pessoas
maior frequencia. O objetivo da
malintencionadas. A ANVISA não deve se curvar a interesses da
Anvisa é garantir que produtos
indústria em detrimento da segurança das crianças brasileiras
seguros sejam lançados no
pois criança não tem necessidade de usar maquiagem e perfumes.
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
nossas criancas precisam aprender a cultivar valores regulamentação de produtos
diferentes , nao eh correto incentiva-las a se tornarem higiene pessoal, cosméticos e
consumistas desde cedo, principalmente se tratando de produtos NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
que incentivam a superficialidade com a maquilagem e produtos produtos tem sido utilizados com
comsmeticos que nada tem a ver com a realiidade delas. maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

ja que nao da pra impedir os pais de deixarem as meninas Não foi apresentada nenhuma
NÃO SE APLICA A
usarem estes produtos, que eles pelo mesnos sejam feito para proposta. Agradecemos a
ANÁLISE
as mesmas. participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
O uso de cosméticos por crianças pode causar alergia e outras
higiene pessoal, cosméticos e
doenças de pele, pois o uso de cosmético poderá obstruir os
NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
poros da pele causando infecções, comedões que podem deixar
produtos tem sido utilizados com
sequelas na pele e uma marca para o resto da vida.
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
Os corantes e pigmentos
utilizados em produtos infantis
são os mesmos destinados ao uso
em alimentos, medicamentos e
No caso dos batons, seria importante serem feito com corante
cosméticos. Fazem parte de uma
e/ou comestível, pois não faria mal a saúde, se crianças
NÃO ACEITA lista positiva, aprovada em
menores usarem. Afinal se não tiver baton de criança elas usam
legislação específica vigente.
dos adultos mesmo.
Além disso, para os batons, será
necessária a avaliação da
toxicidade oral dos ingredientes
ou do produto acabado.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
por não achar certo o uso de maquiagem em crianaças e por masi higiene pessoal, cosméticos e
q os fabricantes dizerem não fazer mal o uso é prejudicial a NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
pele produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
Sabemos que muitos pais acabam liberando estas besteiras e no
NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
futuro se arrependem
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Existe o cuidado criterioso na


escolha de ingredientes no
è ciente o prejuizo para apele o uso de cosméticos para os
desenvolvimento das formulações
adultos, como envelhecimento precoce e alergias, portanto para NÃO ACEITA
infantis, devendo os produtos
crianças o dano deve ser ainda maior, o que deve ser alertado.
serem seguros nas condições
normais e previsíveis de uso.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É prejudicial deixar que uma criança deixe a infância mais É necessária a atualização da
rápido para poder seguir o exemplo de um adulto, tal como se regulamentação de produtos
maquiar, se portando como mulher, e ainda sendo influenciadas higiene pessoal, cosméticos e
pelas novelas e reality shows que elas assistem, são programas NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
que hoje tem censura 12 anos, mas que há 15 anos atrás teriam produtos tem sido utilizados com
censura 18 anos. Não existem mais crianças, existem pequenas maior frequencia. O objetivo da
mulheres. Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
Determinados produtos não devem ser disponibilizados para
higiene pessoal, cosméticos e
crianças, principalmente maquiagem adulta "destinada ao uso
NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
infantil" e sim somente as corretivas como para doenças tais
produtos tem sido utilizados com
como o vitiligo, hemangiomas etc.
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
pois alem da questao saude, onde realmente pode criar higiene pessoal, cosméticos e
problemas futurros.questao social, as crianças acabam sendo NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
mulheres em miniatura. produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
Meus filhos não usarão e vou recomendar a todos que nao usem! higiene pessoal, cosméticos e
Crianças não fedem nao necessitam dessas inutilidades. NUnca NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
pracisaram, por que agora? produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
realidade e é crescente. A
regulamentação inicial publicada
em 2001 foi motivada pela
crecente demanda de uso indevido
de produtos não destinados ao uso
infantil e produtos sem registro
na Anvisa. É necessária a
atualização da regulamentação de
produtos higiene pessoal,
cosméticos e perfumes infantis,
pois o uso desses produtos é uma
realidade e é crescente. O
objetivo da Anvisa é garantir que
produtos seguros sejam lançados
no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
Não existe justificativa - além do interesse da indústria em
produtos de higiene pessoal,
faturar com mais esses produtos para crianças - para que
cosméticos e perfumes, pois todas
crianças utilizem desodorante. E maquiagem também não deve ser
NÃO ACEITA são previstas para uso infantiA
artigo estimulado para consumo infantil. Esse tipo de abertura
regulamentação inicial publicada
só dá mais margem para um problema que tem se tornado sério no
em 2001 foi motivada pela
Brasil - a adultização precoce das crianças.
crescente demanda de uso indevido
de produtos não destinados ao uso
infantil e produtos sem registro
na Anvisa. É necessária a
atualização da regulamentação de
produtos higiene pessoal,
cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido
utilizados com maior frequencia.
O objetivo da Anvisa é garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O
regulamento deve abranger as
categorias de produtos de higiene
pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso
Acredito que resolução deveria dispor sobre os produtos de
higiene pessoal e cosméticos *em geral*, não infantis, visando Já existe legislação geral para
aumentar a segurança para todo o público. É de conhecimento produtos de uso adulto, sendo
geral que a atual carga química da maior parte desses produtos necessária a atualização da
NÃO ACEITA
é nociva à saúde humana e ao meio ambiente, e portanto a legislação de produtos de uso
Agência deveria trabalhar para aperfeiçoar a segurança de infantil, inclusive novas
todos os produtos existentes no mercado, não criar um nicho de categorias de produtos.
mercado a ser explorado por empresas e publicitários.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
Crianças não necessitam de cosméticos e perfumes. Trata-se de higiene pessoal, cosméticos e
um apelo da sociedade de consumo para erotizar crianças e NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
formar novos consumidores. produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
Além do aspecto de que esses produtos possuem substâncias que
regulamentação de produtos
prejudicam a saúde existe o fator psicológico. É um incentivo
higiene pessoal, cosméticos e
a sexualidade precoce, a transformar crianças em mini-adultos.
NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
As crianças têm muito a conhecer e descobrir no mundo das
produtos tem sido utilizados com
artes, dos jogos corporais, brincadeiras tradicionais, contato
maior frequencia. O objetivo da
com a natureza. Não precisam de blushs, sombras e deseodantes.
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Toda a ementa me parece um contrasenso! Permitir maquiagem,
É necessária a atualização da
desodorante, batom para crianças de 0 a 12 anos é uma falta de
regulamentação de produtos
respeito aos pais. É uma afronta ao nosso trabalho diario,
higiene pessoal, cosméticos e
para educar nossos filhos. São coisas para adultos e não para
NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
crianças! Além disso, as crianças não podem discernir entre o
produtos tem sido utilizados com
necesário e o secundário, é uma franja de idade muito
maior frequencia. O objetivo da
vulnerável ao marketing das grandes corporações. Essa emenda
Anvisa é garantir que produtos
amplia o mercado das empresas e complica a vida dos pais!
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

O desodorante é previsto apenas


Crianças não precisam usar esse tipo de produto. Isso vai para crianças a partir de 8 anos,
criar uma necessidade que não existe e que é totalmente NÃO ACEITA onde pode se iniciar a puberdade
desnecessária precoce, conforme literaturas
disponíveis.
A Resolução proposta contempla os
itens específicos para produtos
infantis, incluindo dados sobre a
formulação, advertências de
Não deixando margem para interpretações. NÃO INCORPORADA rotulagem e embabalagem e faixa
etária. Demais requisitos são
estabelecidos nas legislações
gerais de produtos de higiene
pessoal, cosméticos e perfumes.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
O uso da maquiagem feito pela mulher tem o objetivo de
pela crescente demanda de uso
demonstrar e realçar sua sensualidade e aptidão para procriar,
indevido de produtos não
buscando atrair parceiro saudável com a fuinalidade de gerar
destinados ao uso infantil e
descendência. Essa. com certeza, era a finalidade originária,
produtos sem registro na Anvisa.
que depois evoluiu, com o passar do tempo, para o uso social,
É necessária a atualização da
para a mulher se monstrar, no meio social, como bonita,
regulamentação de produtos
sexualmente desejável, e até "antenada com as tendências da
higiene pessoal, cosméticos e
moda". A maquiagem, portanto, é um tipo de produto para uso
NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
ADULTO. A criança, quando usa maquiagem, para além da
produtos tem sido utilizados com
aparência não-correspondente com a idade, se expõe aos
maior frequencia. O objetivo da
diversos problemas que a química da maquiagem acarreta ou pode
Anvisa é garantir que produtos
acarretar, com o agravante de, por ser um indivíduo ainda em
seguros sejam lançados no
maturação orgânica, não dispor dos mesmos recursos de defesa
mercado. O regulamento deve
que o organismo adulto. Portanto, pelos males sociais e de
abranger as categorias de
saúde envolvidos, cosméticos NÃO DEVEM ser colocados à
produtos de higiene pessoal,
disposição de crianças.
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
A infancia é um tempo muito curto, para que possamos perfumar
NÃO ACEITA perfumes infantis, pois esses
nossos filhotes com produtos que nao sao naturais.
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
O desodorante é previsto apenas
para crianças a partir de 8 anos,
onde pode se iniciar a puberdade
precoce, conforme literaturas
Acho que crianças não precisam de desodorante, muito menos de
disponíveis.A categoria de sombra
sombras para os olhos. Isso serve apenas para estimular e
NÃO ACEITA não estava prevista na RDC 38/01,
antecipar uma fase que vai chegar, a adolescência, além de ter
porém, em virtude do uso indevido
um forte apelo consumista.
de produtos não destinados ao uso
infantil e produtos sem registro
na Anvisa foi necessária
contemplá-la nessa atualização.

Acredito que não tem problema com a concessão de registro para NÃO SE APLICA A Não foi apresentada nenhuma proposta.
este fim ANÁLISE Agradecemos a participação
Muito boa essa concessao. As crianças também necessitam de NÃO SE APLICA A Não foi apresentada nenhuma proposta.
cuidados pessoais ANÁLISE Agradecemos a participação

Não foi identificada a


necessidade de declarar a
1 - Tem produtos que possui um pH muito alto, como o sabonete informação do pH na rotulagem. A
NÃO ACEITA
em barras.2- Dificil compreenção. obrigatoriedade de incluir a
composição em INCI está
estabelecida na RDC 211/05.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Cosmético não é para criança, tudo tem seu tempo. Tem inúmeros
É necessária a atualização da
impactos de saúde e psico-sócio-culturais envolvidos. Querem
NÃO ACEITA regulamentação de produtos
acabar com a auto-estima das crianças logo cedo? Piorar o
higiene pessoal, cosméticos e
consumismo desenfreado?
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado.
governança, internacionais,
econômicos, sociais e
operacionais - que uma ação
regulatória pode ter a partir de
um questionário composto por
critérios previamente
estabelecidos, baseado em
diferentes metodologias de
análise, conforme a
disponibilidade de dados, a
complexidade e a especificidade
do objeto.
A identificação clara e precisa do problema a ser enfrentado Esta etapa detalha o estudo de
pela regulação contribui para o surgimento de soluções. Ela, viabilidade da proposta, chama a
por si só, delimita as respostas mais adequadas para o atenção para situações de
problema, tornando-se o primeiro elemento da análise de conflitos que possam afetar ou
adequação e oportunidade da regulação.A identificação do comprometer a atuação regulatória
problema deve ser acompanhada, sempre que possível, de e aponta caminhos ou alternativas
documentos que detalhem a procedência da preocupação que deu para assegurar os objetivos
NÃO INCORPORADA
origem à proposta normativa e que explicitem a origem e a pretendidos. A ênfase desta
plausibilidade dos dados que ancoram os remédios regulatórios análise envolve aspectos
propostos. No presente caso, esta Seae entende que:• A qualitativos e/ou quantitativos e
identificação do problema carece de clareza e precisão na está baseada em diversas fontes
proposta apresentada. de informação, incluindo o
• Os documentos que subsidiam a audiência pública não parecem levantamento de dados primários
suficientes para cumprir esse objetivo. indisponíveis por meio de
técnicas de consulta ou pesquisa.
A AIR nível 2 é aplicada às
propostas normativas indicadas
pela Diretoria da Anvisa.
A Análise de Impacto Nível 3 (AIR
nível 3), consiste em um estudo
completo sobre análise de impacto
regulatório que envolve a
colaboração de especialistas em
técnicas avançadas de AIR. Deve
ser realizada para propostas de
maior impacto potencial, como os
Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90). Todavia, este
não é o único direito do consumidor consagrado no Código que
demanda regulamentação. A proteção contra publicidades
abusivas também está elencada entre os direitos básicos do
consumidor (art. 6º, IV), estando entre elas aquelas que se
aproveitam da deficiência de julgamento e experiência da
criança e que induzem o consumidor a se comportar de forma
prejudicial a sua saúde (art. 37, § 2º).A criança é um ser
humano em formação, encontra-se em peculiar processo de
desenvolvimento físico e mental e, portanto, recebe especial
proteção constitucional, prevista no artigo 227 da Magna
Carta. A garantia da proteção integral - de que são titulares
todas as crianças e adolescentes brasileiros - é de
responsabilidade de todos os atores sociais – Estado, família
A regulamentação inicial
e sociedade – com prioridade absoluta. O Estatuto da Criança e
publicada em 2001 foi motivada
do Adolescente, por meio de seus diversos artigos – como por
pela crescente demanda de uso
exemplo o 4º e o 17 – assegura a estes sujeitos todos os
indevido de produtos não
direitos fundamentais de que são titulares os adultos e mais
destinados ao uso infantil e
aqueles particulares da infância e adolescência, no sentido de
produtos sem registro na Anvisa.
preservar o saudável desenvolvimento infantil. Tendo em vista
É necessária a atualização da
que crianças e adolescentes são mais intensamente impactados
regulamentação de produtos
pela comunicação mercadológica (1) e são mais vulneráveis
higiene pessoal, cosméticos e
perante as relações de consumo em que se envolvem, devem
NÃO INCORPORADA perfumes infantis, pois esses
receber atenção especial quando da regulamentação da atividade
produtos tem sido utilizados com
publicitária.A criança não tem a mesma compreensão de mundo
maior frequencia. O objetivo da
que o adulto. Em publicação sobre publicidade e criança, o
Anvisa é garantir que produtos
Conselho Federal de Psicologia (CFP) bem coloca que, “além da
seguros sejam lançados no
menor experiência de vida e de menor acúmulo de conhecimentos,
mercado. O regulamento deve
ela ainda não possui a sofisticação intelectual para abstrair
abranger as categorias de
as leis (físicas e sociais) que regem esse mundo, para avaliar
produtos de higiene pessoal,
criticamente os discursos que outros fazem a seu respeito”
cosméticos e perfumes, pois todas
(2)O Idec defende que as crianças sejam protegidas da
são previstas para uso infantil.
comunicação mercadológica a elas diretamente direcionadas,
principalmente quando os artigos promovidos são prejudiciais à
saúde, ou podem promover a erotização precoce, como é o caso
de certos cosméticos infantis, tais quais maquiagens, batons,
etc. Assim, é fundamental que sejam estabelecidas regras para
a comunicação mercadológica dirigida aos pequenos.Notas:1.
Assim entendida qualquer atividade de comunicação comercial
para a divulgação de produtos e serviços independentemente do
suporte ou do meio utilizado; ou seja, além de anúncios
impressos, comerciais televisivos, spots de rádio e banners na
Internet, são exemplos de comunicação mercadológica as
embalagens, as promoções, o merchandising, e a forma de
disposição de produtos em pontos de vendas, dentre outras.2.
Conselho Federal de Psicologia. Contribuição da Psicologia
para o fim da publicidade dirigida à criança. CFP: Brasília,
2008, p. 18.
É necessário contemplar
requisitos referentes à
formulação e rotulagem, pois são
itens que possuem relação com a
Cabe ao governo preocupar-se com a segurança, pois nos demais
segurança e respaldam as
aspectos o próprio mercado saberá discernir. Vale lembrar ao
advertências de rotulagem que
governo que os cidadãoes não são crianças que não conseguem NÃO ACEITA
visam à proteção do consumidor. A
fazer a "leitura" dos aspectos mercadológicos envolvidos na
presente proposta é direcionada
venda de produtos.
para o fabricante que deverá
desenvolver o produto conforme as
exigências estabelecidas pela
Anvisa.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
Cosmético vem do grego kosmetikós, que quer dizer "o que serve indevido de produtos não
para ornamentar" (enfeitar). Cosméticos não trazem nenhum destinados ao uso infantil e
benefício a crianças, elas não precisam se pintar para ficarem produtos sem registro na Anvisa.
bonitas, e se ainda assim quiserem a pintura, já existem as NÃO ACEITA É necessária a atualização da
pinturas corporais. Os cosméticos servem para realçar regulamentação de produtos
atributos de adultos, não cabe o uso de cosméticos na higiene pessoal, cosméticos e
infância! perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Devem ser excluídos cosméticos e perfumes. Crianças não
destinados ao uso infantil e
precisam desses produtos, a infância deve ser resguardada dos
produtos sem registro na Anvisa.
apelos publicitários, do consumo e da pressão para a adoção de NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
um modelo adulto de aparência e atitudes. A infância deve ser
regulamentação de produtos
resguardada.
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

nossas criancas precisam aprender a cultivar valores


diferentes , nao eh correto incentiva-las a se tornarem
consumistas desde cedo, principalmente se tratando de produtos NÃO ACEITA A faixa etária foi estabelecida
que incentivam a superficialidade com a maquilagem e produtos de acordo com a categoria do
comsmeticos que nada tem a ver com a realiidade delas. produto, levando-se em conta os
critérios de segurança.
Para garantir a integridade física do público infantil, não
basta que o produto seja declarado inofensivo pela empresa que
o produz, dados os evidentes interesses econômicos desta. A
segurança deve ser comprovada, mediante apresentação de
estudos técnicos que evidenciem a ausência de riscos para o NÃO ACEITA
público infantil. Os estudos devem ficar disponíveis ao
público para que possam ser contestados. Caso se demonstre a A redação proposta já encontra-se
possibilidade de dano para a saúde infantil, o produto deve contemplada na legislação vigente
ser retirado de circulação. (RDC 211/05) e demais normas
complementares.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
O uso de cosméticos por crianças pode causar alergia e outras produtos sem registro na Anvisa.
doenças de pele, pois o uso de cosmético poderá obstruir os É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
poros da pele causando infecções, comedões que podem deixar regulamentação de produtos
sequelas na pele e uma marca para o resto da vida. higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
por ser prejudicial a pele da criança NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
ser adultas. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Os produtos realmente precisam ser reavaliados quanto a Não foi apresentada nenhuma
segurança. proposta. Agradecemos a
NÃO SE APLICA A ANÁLISE participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
ao meu ver crianças menores de 12 anos nao deveriam usar. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

o item maquiagem não é cosmético, nem item de perfumaria nem


NÃO ACEITA
higiene pessoal

Maquiagem é enquadrada como


cosmético na legislação
sanitária.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Crianças não necessitam de cosméticos e perfumes. Trata-se de produtos sem registro na Anvisa.
um apelo da sociedade de consumo para erotizar crianças e NÃO ACEITA É necessária a atualização da
formar novos consumidores. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
O público infantil está definido
SEM MARGEM PARA OUTRAS INTERPRETAÇÕES. NÃO ACEITA
no Art. 2º § 1º.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Vetar a fabricação e venda de cosméticos destinados a É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
crianças. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Ja estamos vimendo um mundo de muito consumismo, imagine a produtos sem registro na Anvisa.
beleza de nossas crianças alteradas por tons de batons e NÃO ACEITA É necessária a atualização da
sombras. Nao regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Acredito que com requisitos mínimos necessários a concessão Não foi apresentada nenhuma
do registro está tudo bem. proposta. Agradecemos a
NÃO SE APLICA A ANÁLISE participação
Não foi apresentada nenhuma
proposta. Agradecemos a
NÃO SE APLICA A ANÁLISE participação
Além de formulação, segurança e rotulagem, a Resolução também
faz menção a estratégias de comunicação mercadológica dos
NÃO ACEITA
produtos a que se refere, devendo haver a inclusão dos termos
promoção e publicidade no artigo 1º.
Promoção e publicidade devem ser
regulamentados por legislações
específicas
Da mesma forma que os medicamentos, os cosmeticos infantis
precisam de embalagens especiais que oferecem maior segurança
aos produtos.O texto sem a palavra embalagem deica margem de
NÃO ACEITA
interpretação sobre quais sejam os critérios de segurança. A
seguança náo deve se restringir à ingestão ou inalação O artigo 14 contempla o requisito
acidental. de embalagem.
governança, internacionais,
econômicos, sociais e
operacionais - que uma ação
regulatória pode ter a partir de
um questionário composto por
critérios previamente
estabelecidos, baseado em
A intervenção regulamentar deve basear-se na clara evidência
diferentes metodologias de
de que o problema existe e de que a ação proposta a ele
análise, conforme a
responde, adequadamente, em termos da sua natureza, dos custos
disponibilidade de dados, a
e dos benefícios envolvidos e da inexistência de alternativas
complexidade e a especificidade
viáveis aplicadas à solução do problema. É também recomendável
do objeto.
que a regulação decorra de um planejamento prévio e público
Esta etapa detalha o estudo de
por parte da agência, o que confere maior transparência e
viabilidade da proposta, chama a
previsibilidade às regras do jogo para os administrados e
atenção para situações de
denota maior racionalidade nas operações do regulador.No
conflitos que possam afetar ou
presente caso, esta Seae entende que:• As informações levadas
comprometer a atuação regulatória
ao público pelo regulador não descrevem em que medida a
e aponta caminhos ou alternativas
intervenção do regulador se justifica.
para assegurar os objetivos
• Os dados disponibilizados em consulta pública não permitem NÃO INCORPORADA
pretendidos. A ênfase desta
identificar coerência entre a proposta apresentada e o
análise envolve aspectos
problema identificado.
qualitativos e/ou quantitativos e
• A normatização não decorre de planejamento previamente
está baseada em diversas fontes
formalizado em documento público.Como citado anteriormente, os
de informação, incluindo o
documentos disponibilizados pela Agência em Consulta Pública
levantamento de dados primários
não trazem os motivos que levaram o regulador a editar a
indisponíveis por meio de
Resolução ora em análise. No entanto, a importância do tema
técnicas de consulta ou pesquisa.
abordado pela norma proposta é de fácil compreensão, visto que
A AIR nível 2 é aplicada às
busca dar maior segurança aos produtos de higiene pessoal,
propostas normativas indicadas
cosméticos e perfumes destinados ao público infantil, mediante
pela Diretoria da Anvisa.
o cumprimento de requisitos mínimos para a concessão do
A Análise de Impacto Nível 3 (AIR
registro daqueles produtos.
nível 3), consiste em um estudo
completo sobre análise de impacto
regulatório que envolve a
colaboração de especialistas em
técnicas avançadas de AIR. Deve
ser realizada para propostas de
maior impacto potencial, como os
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Crianças não tem necessidade de usar cosméticos, trata-se de produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
segmento destinado precipuamente ao público adulto.
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Qualquer produto utilizado nesta faixa faixa etária, o será


apenas pela vontade dos pais ou responsáveis, e nenhum produto O Anexo II da Resolução contempla
está isento de risco, mesmo com todas as salvaguardas as categorias de produtos a
NÃO ACEITA
apresentadas. Isenta-se a utilização de produtos como partir das faixas etárias, sendo
protetores solares e outros com função protetora da pele e/ou que as maquiagens são permitidas
anexos. para crianças a partir de 3 anos
de idade.

A faixa etária proposta está em


conformidade com o estabelecido
pelo Estatudo da Criança e do
NÃO ACEITA Adolescente
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
nossas criancas precisam aprender a cultivar valores indevido de produtos não
diferentes , nao eh correto incentiva-las a se tornarem destinados ao uso infantil e
consumistas desde cedo, principalmente se tratando de produtos NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
que incentivam a superficialidade com a maquilagem e produtos É necessária a atualização da
comsmeticos que nada tem a ver com a realiidade delas. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil

pessoas antes dos 14 anos não têm maturidade ainda para fazer
escolhas mediadas por conhecimento dos produtos que utilizam
em seus corpos. São levados por propagandas e colegas. é essa NÃO ACEITA A faixa etária proposta está em
a característica principal da infancia, não...incapacidade de conformidade com o estabelecido
tomar decisões importantes por si próprios. pelo Estatudo da Criança e do
Adolescente
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
O uso de cosméticos por crianças pode causar alergia e outras indevido de produtos não
doenças de pele, pois o uso de cosmético poderá obstruir os destinados ao uso infantil e
NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
poros da pele causando infecções, comedões que podem deixar
sequelas na pele e uma marca para o resto da vida. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Os tipos de cosméticos, como também sua cor , devem ser produtos sem registro na Anvisa.
observados. Cores muito intensas deveriam ser evitadas e a NÃO ACEITA É necessária a atualização da
maquiagem deve ser apenas batom e/ou gloss. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem destinados ao uso infantil e
NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
ser adultas.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A faixa etária proposta está em
conformidade com o estabelecido pelo
como disse antes crianças de 0 a 12 nao deveriam usar
NÃO ACEITA
Estatuto da Criança e do Adolescente. A
maquiagem. regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Isso causa desigualdade, inumeros fatores que as crianças não produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
entendem.
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Maquiagem não é cosmético, nem perfume, nem higiene pessoal NÃO ACEITA

Maquiagem é enquadrada como cosmético


na legislação sanitária.
Acredito que o foco desta consulta esteja equivocado. O
objetivo deveria ser melhorar a composição e a segurança
(reduzindo os níveis de toxicidade) dos produtos existentes no O objetivo desse regulamento é
mercado de um modo geral. Entendo que a motivação da presente atualizar a legislação atualmente
proposta se baseia na crença de que as crianças precisam de vigente, publicada em 2001. A
NÃO ACEITA Anvisa tem como objetivo garantir
produtos especiais porque os existentes são tóxicos. Se é
assim, então o foco deveria ser em tirar do mercado tais que produtos seguros sejam
produtos e exigir que os fabricantes encontrem fórmulas que lançados no mercado, independente
não contenham metais pesados e produtos químicos nocivos à do público alvo e, para isso,
saúde. além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Crianças não necessitam de cosméticos e perfumes. Trata-se de
produtos sem registro na Anvisa.
um apelo da sociedade de consumo para erotizar crianças e NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
formar novos consumidores.
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Os pais são os responsáveis e tem a ultima palavra NÃO INCORPORADA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

Ok Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Sou contra o uso de maquiagem em crianças. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Crianças são crianças, não precisam utilizar cosméticos. produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
Cosméticos são para adultos.
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Não foi apresentada nenhuma


Concordo com o texto.
proposta. Agradecemos a
NÃO SE APLICA A ANÁLISE participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Crianças não tem necessidade de usar cosméticos, trata-se de produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
segmento destinado precipuamente ao público adulto.
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
governança, internacionais,
econômicos, sociais e
operacionais - que uma ação
regulatória pode ter a partir de
um questionário composto por
O processo regulatório deve ser estruturado de forma que todas
critérios previamente
as decisões estejam legalmente amparadas. Além disso, é
estabelecidos, baseado em
importante informar à sociedade sobre eventuais alterações ou
diferentes metodologias de
revogações de outras normas, bem como sobre a necessidade de
análise, conforme a
futura regulação em decorrência da adoção da norma posta em
disponibilidade de dados, a
consulta. No caso em análise, a Seae entende que: • A base
complexidade e a especificidade
legal da regulação foi adequadamente identificada.
do objeto.
• Foram apresentadas as normas alteradas, implícita ou
Esta etapa detalha o estudo de
explicitamente, pela proposta.
viabilidade da proposta, chama a
• Detectou-se a necessidade de revogação ou alteração de norma
atenção para situações de
preexistente.
conflitos que possam afetar ou
• O regulador informou sobre a necessidade de futura regulação
comprometer a atuação regulatória
da norma. O regulador apresenta a base legal referente à norma
e aponta caminhos ou alternativas
proposta, além de outros dispositivos legais que têm relação,
para assegurar os objetivos
implícita ou explícita, com a regulação pretendida. Além NÃO INCORPORADA
pretendidos. A ênfase desta
disso, a Agência esclarece que há conflito gerador de
análise envolve aspectos
alteração ou revogação de norma preexistente. Mais
qualitativos e/ou quantitativos e
especificamente, é prevista a revogação, no prazo de 180
está baseada em diversas fontes
(cento e oitenta) dias contados da publicação do regulamento,
de informação, incluindo o
da RDC nº38 de 21/03/2001, conforme determinação do art.17 da
levantamento de dados primários
minuta da Res. Normativa. A ANVISA deixa em aberto a
indisponíveis por meio de
possibilidade de regulação futura da norma proposta, como pode
técnicas de consulta ou pesquisa.
ser aferido do § 1º, art. 3º: “para fins de regularização
A AIR nível 2 é aplicada às
sanitária, novas categorias poderão ser avaliadas e
propostas normativas indicadas
regularizadas desde que seja comprovada a segurança e
pela Diretoria da Anvisa.
justificada a pertinência de uso no público infantil.” Ou
A Análise de Impacto Nível 3 (AIR
seja, é contemplada pela norma a possibilidade de alteração do
nível 3), consiste em um estudo
ANEXO 1 da minuta da RN mediante inclusão de nova categoria
completo sobre análise de impacto
destinada ao público infantil.
regulatório que envolve a
colaboração de especialistas em
técnicas avançadas de AIR. Deve
ser realizada para propostas de
maior impacto potencial, como os
Justificativa: A proposta é adequar o texto ao artigo 2º, §1º
do Estatuto de Criança e do Adolescente, norma fundamental ao
se tratar de produtos destinados ao público infantil, devendo ACEITA
De acordo com a sugestão de alteração do
§1º do Art. 2º.
o referido regulamento coadunar com o ordenamento jurídico
posto.

A justificativa é a relevância do tópico. NÃO ACEITA O anexo faz parte da Resolução e


no ordenamento jurídico tem a
mesma força legal.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
Utilização de produtos superfluos a infancia, que são do pela crescente demanda de uso
universo adulto, compõem confusão mental ou ainda participação indevido de produtos não
inadequada a rituais desnecessários que alteram o destinados ao uso infantil e
comportamento. Já foi feito pesquisa que descobriu que o produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
tingimento de cabelo resulta em mudança de autoestima e
comportamento por parte de adultos. Acredito desnecessário regulamentação de produtos
provocar este tipo de alteração em crianças, que não tem ainda higiene pessoal,cosméticos e
discernimento para filtrar os resultados do uso de maquiagem. perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
Sugiro uma participação e análise de dermatologistas para A regulamentação inicial
avaliação do grau de maturidade de uma pele de uma criança de publicada em 2001 foi motivada
3 anos para receber uma maquiagem seja ela labial, blush, pela crescente demanda de uso
sobras, máscaras, enfim, qualquer uma delas pois até onde sei, indevido de produtos não
nesta fase a pele ainda está em pleno desenvolvimento e o uso NÃO ACEITA destinados ao uso infantil e
deste produtos acarretará em consequencias como o produtos sem registro na Anvisa.
envelhecimento precoce da pele e alergias que poderiam ser É necessária a atualização da
facilmente evitadas simplesmente com a contra-indicação dos regulamentação de produtos
mesmos. O mesmo para os esmaltes. higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A categoria de sombra não estava prevista


Crianças não devem ser tratadas como pequenos adultos, não na RDC 38/01, porém, em virtude do uso
devendo se maquiar. O governo não deveria corroborar com esse NÃO ACEITA indevido de produtos não destinados ao uso
tipo de tratamento dado às crianças. infantil e produtos sem registro na Anvisa
foi necessária contemplá-la nessa
atualização.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
nossas criancas precisam aprender a cultivar valores destinados ao uso infantil e
diferentes , nao eh correto incentiva-las a se tornarem produtos sem registro na Anvisa.
consumistas desde cedo, principalmente se tratando de produtos NÃO ACEITA É necessária a atualização da
que incentivam a superficialidade com a maquilagem e produtos regulamentação de produtos
comsmeticos que nada tem a ver com a realiidade delas. higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A pertinência de vários produtos descritos no anexo II pode
ser bastante questionada no público infantil. Por respeito ao A regulamentação inicial
conceito de infância parece-me preocupante lançar ao mercado publicada em 2001 foi motivada
várias maquiagens como blush, sombra, pó facial. A presença pela crescente demanda de uso
desse tipo de produto dirgido ao público infantil pode causar indevido de produtos não
confusão nos responsáveis fazendo com que esses acreditem que destinados ao uso infantil e
o uso constante desses produtos não é prejudicial à pele e ao NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
desenvolvimento da auto-estima das crianças. Da mesma forma, É necessária a atualização da
a presença de produtos como desedorantes axiliares, regulamentação de produtos
enxaguantes bucais dirigidos ao público infantil pode higiene pessoal,cosméticos e
confundir responsáveis, desinformados, que ao encontra-los no perfumes infantis, pois esses
mercado podem considerá-los essenciais à higiene das crianças produtos tem sido utilizados com
e não apenas opcionais. maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
qual é a pertinencia de uso de esmalte e batom para crianças a
produtos sem registro na Anvisa.
partir de 3 anos....criança só precisa de água sabonete e NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
pasta de dentes...
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
O uso de cosméticos por crianças pode causar alergia e outras destinados ao uso infantil e
doenças de pele, pois o uso de cosmético poderá obstruir os produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
poros da pele causando infecções, comedões que podem deixar
sequelas na pele e uma marca para o resto da vida. regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
ser adultas.
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Esses produtos não devem ser considerados infantis. São todos produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
de uso adulto. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência, sendo
identificada inclusive a
necessidade de inclusão de novas
categorias de produtos. O
objetivo da Anvisa é garantir que
produtos seguros sejam lançados
no mercado.

idem.
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
O correto é não apresentar a criança ao consumo de produtos
pela crescente demanda de uso
possivelmente tóxicos e sensibilizantes de forma fútil e
indevido de produtos não
desnecessária. O perfil hormonal de uma criança desta idade
destinados ao uso infantil e
ainda não comporta o uso de desodorantes. Maquiagem nesta
produtos sem registro na Anvisa.
faixa etária, além dos riscos inerentes ao uso e condivisão NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
dos produtos, força uma precocidade de comportamentos e
regulamentação de produtos
atitudes que são danosos ao desenvolvimento psico-social sadio
higiene pessoal,cosméticos e
da criança, desrespeitando assim o conceito amplo de saúde
perfumes infantis, pois esses
preconizado pela OMS, pelo qual os senhores vigiam.
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
Retirada dos seguintes produtos: reparador de pontas, blush, indevido de produtos não
pó facial e sombra "infantis".Estes produtos não devem ser destinados ao uso infantil e
comercializados para o público infantil. Criança não usa produtos sem registro na Anvisa.
maquiagem. Este tipo de comportamento gera a adultização da É necessária a atualização da
NÃO ACEITA regulamentação de produtos
criança e a erotização precoce. Bem como, cria-se uma
necessidade que não há. A criança passará a acreditar que higiene pessoal,cosméticos e
precisa destes produtos para "ficar bonita", gerando assim, perfumes infantis, pois esses
diversos problemas psicológicos de auto-estima. produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
Os produtos listados no Anexo II me causam um grande espanto,
principalmente aqueles classificados como cosméticos. Crianças
têm que ser crianças, não mini-adultos de maquiagem e A regulamentação inicial
chapinha. A resolução proposta caminha na contramão da publicada em 2001 foi motivada
conscientização relativa à saúde e sustentabilidade que pela crescente demanda de uso
precisamos ver no mundo. A Anvisa deveria se preocupar em indevido de produtos não
educar a população sobre os componentes dos produtos em geral destinados ao uso infantil e
e - repito - em exigir segurança para *todos*, não somente as NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
crianças. Com produtos seguros para todos, não haveria É necessária a atualização da
necessidade de existir linhas específicas para crianças, e regulamentação de produtos
todos os produtos de higiene pessoal e cuidados com o corpo em higiene pessoal,cosméticos e
geral seriam para a família toda, de modo que cada família perfumes infantis, pois esses
poderia decidir, por conta própria, sem pressões externas do produtos tem sido utilizados com
mercado e da publicidade, o que acredita que seus filhos maior frequência. O objetivo da
pequenos podem/devem ou não usar. Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado,independente do público
alvo. O objetivo é regulamentar
os produtos pertinentes para o
uso infantil.

Quem vai definir o que é ou não pertinente? NÃO ACEITA


A empresa deverá apresentar os dados para
avaliação da Anvisa.

sem margens para duvidas NÃO ACEITA De acordo com a Lei 6360/76, Decreto
79.094/77 e Lei 9782/99 os produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes são
registrados na Anvisa.

OK
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
Alguns produtos listados não deveriam ser rotulados como
infantis, pois o seu uso na infância se faz desnecesário. Por
outro lado, ainda que se considere o uso de substâncias
hipoalergências, o uso continuado e "permitido" pela ANVISA
poderia desencadear problemas respiratórios pela inalação do
pó ( talco, pó ou sombra) e o desenvolvimento de dermatite
alérgica de contato em pálpebras pelo fato da espessura da
pele ser menor nas pápebras o que facilitaria a penetração de
alérgenos. Já o reparador de pontas é um produto que na
infância não tem seu uso justificado pois os cabelos são
nemos "agredidos" com química e temperatura e portanto não
costumam estar danificados. Algumas patolgias genéticas
NÃO ACEITA
poderiam produzir dano capilar na infância, porém são raras e
neste caso devem ser tratadas pelo especialista. Creme dental
com flúor somada a água fluoretada poderia produzir fluorose A regulamentação inicial publicada em 2001
dental . Desodorante axilar com álcool e spray são foi motivada pela crescente demanda de
particularmente irritantes em crianças. O pH ácido é uso indevido de produtos não destinados ao
preferível para a higiene da pele infantil (mais fisiológico). uso infantil e produtos sem registro na
Para o uso de produtos como o batom o brilho labial, o esmalte Anvisa. É necessária a atualização da
e a mácara capilar é importante que o uso regular seja regulamentação de produtos higiene
retardado ao máximo pois estudos mostram que quanto mais pessoal,cosméticos e perfumes infantis, pois
precose e repetido o uso , moires são as chances de desnvolver
esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
de dermatite de contato alérgica, mesmo utilizando produtos
garantir que produtos seguros sejam
hipoalergênciso.
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
Administração Pública nas
consultas públicas da Agência
pode ser compreendida como um
reconhecimento externo do esforço
institucional da Agência no
aprimoramento de práticas
regulatórias que corroboram com
as mudanças culturais e
institucionais necessárias para a
A distribuição dos custos e dos benefícios entre os diversos continuidade do processo de
agrupamentos sociais deve ser transparente, até mesmo em implantação de AIR na Anvisa.
função de os custos da regulação, de um modo geral, não As sugestões procedimentais
recaírem sobre o segmento social beneficiário da medida. Nesse apresentadas pela Secretaria de
contexto, a regulação poderá carrear efeitos desproporcionais Acompanhamento Econômico/SEAE são
sobre regiões ou grupos específicos. importantes pois reforçam a
Considerados esses aspectos, a Seae entende que: necessidade das medidas que vem
• Não foram estimados os impactos tarifários. sendo desenvolvidas pela Anvisa
• Não foram estimados os impactos fiscais. no âmbito da Análise de Impacto
• A agência discriminou claramente quais os atores onerados Regulatório.
com a proposta. NÃO INCORPORADA Trata-se, no entanto, de
• Há mecanismos adequados para o monitoramento do impacto e iniciativa pioneira no âmbito da
para a revisão da regulação. Administração Pública Brasileira,
O órgão regulador não estima possíveis impactos fiscais e em caráter experimental e sujeita
tarifários da norma proposta. Já no que diz respeito aos a ajustes metodológicos e
setores afetados, a minuta da RN é suficientemente clara, pois procedimentais, cujo aprendizado
traz a definição exata da faixa etária considerada “público tem contribuído para o
infantil” (vide §1º, art.2º), bem como a lista de todos os desenvolvimento e adaptação de
produtos que enquadram-se nas categorias higiene pessoal, técnicas e ferramentas à
cosméticos e perfumaria, para fins de submissão ao disposto na realidade brasileira e no campo
regulação proposta. de atuação da Agência.
Havendo ainda alguma dúvida ou
necessidade de informações
adicionais, recomendamos entrar
em contato com o Nucleo de
Regulação e Boas Práticas
Regulatórias da Anvisa.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
As novas categorias devem ser objeto de ampla discussão produtos sem registro na Anvisa.
NÃO INCORPORADA É necessária a atualização da
envolvendo a sociedade civil.
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
nossas criancas precisam aprender a cultivar valores destinados ao uso infantil e
diferentes , nao eh correto incentiva-las a se tornarem produtos sem registro na Anvisa.
consumistas desde cedo, principalmente se tratando de produtos NÃO ACEITA É necessária a atualização da
que incentivam a superficialidade com a maquilagem e produtos regulamentação de produtos
comsmeticos que nada tem a ver com a realiidade delas. higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
O uso de cosméticos por crianças pode causar alergia e outras destinados ao uso infantil e
doenças de pele, pois o uso de cosmético poderá obstruir os produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
poros da pele causando infecções, comedões que podem deixar É necessária a atualização da
sequelas na pele e uma marca para o resto da vida. regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
ser adultas. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

o produto pode ser caracterizar infantil e adolescente.nunca


adulto, pois utilizando o ter concomitantemente adulto, nao Em geral, os rótulos dos produtos infantis
NÃO ACEITA
sera respeito as regras. se for especifico nao havera discupa possuem dizeres ou figuras específica que
em atender friamente as regulamentaçoes. os distinguem dos produtos de uso adulto,
porém essa definição é da própria empresa.

NÃO ACEITA Em geral, os rótulos dos produtos infantis


possuem dizeres ou figuras específica que
os distinguem dos produtos de uso adulto,
porém essa definição é da própria empresa.
OK Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

A população poderia interpretar que como um determinado


shampoo é de uso "adulto e infantil, os produtos no mercado Em geral, os rótulos dos produtos infantis
NÃO ACEITA
sem o rótulo específico ( por exemplo um condicionador) possuem dizeres ou figuras específica que
poderiam ser utilizados em crianças. os distinguem dos produtos de uso adulto,
porém essa definição é da própria empresa.
governança, internacionais,
econômicos, sociais e
operacionais - que uma ação
regulatória pode ter a partir de
um questionário composto por
critérios previamente
estabelecidos, baseado em
diferentes metodologias de
análise, conforme a
disponibilidade de dados, a
complexidade e a especificidade
do objeto.
A estimação dos custos e dos benefícios da ação governamental
Esta etapa detalha o estudo de
e das alternativas viáveis é condição necessária para a
viabilidade da proposta, chama a
aferição da eficiência da regulação proposta, calcada nos
atenção para situações de
menores custos associados aos maiores benefícios. Nas
conflitos que possam afetar ou
hipóteses em que o custo da coleta de dados quantitativos for
comprometer a atuação regulatória
elevado ou quando não houver consenso em como valorar os
e aponta caminhos ou alternativas
benefícios, a sugestão é que o regulador proceda a uma
para assegurar os objetivos
avaliação qualitativa que demonstre a possibilidade de os NÃO INCORPORADA
pretendidos. A ênfase desta
benefícios da proposta superarem os custos envolvidos.
análise envolve aspectos
No presente caso, a Seae entende que:
qualitativos e/ou quantitativos e
• Não foram apresentados adequadamente os custos associados à
está baseada em diversas fontes
adoção da norma.
de informação, incluindo o
• Não foram apresentados adequadamente os benefícios
levantamento de dados primários
associados à adoção da norma.
indisponíveis por meio de
técnicas de consulta ou pesquisa.
A AIR nível 2 é aplicada às
propostas normativas indicadas
pela Diretoria da Anvisa.
A Análise de Impacto Nível 3 (AIR
nível 3), consiste em um estudo
completo sobre análise de impacto
regulatório que envolve a
colaboração de especialistas em
técnicas avançadas de AIR. Deve
ser realizada para propostas de
maior impacto potencial, como os
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Crianças não tem necessidade de usar cosméticos, trata-se de produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
segmento destinado precipuamente ao público adulto. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Recém-nascidos e crianças abaixo de 5 anos apresentam pele


Existe o cuidado criterioso na
muito sensível, o uso de protetores solares poderá causar NÃO ACEITA
escolha de ingredientes no
danos para o futuro.
desenvolvimento das formulações
infantis, devendo os produtos
serem seguros nas condições
normais e previsíveis de uso.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
ser adultas. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Os protetores solares e repelentes de insetos existentes no


mercado brasileiro precisam passar, urgentemente, por uma
NÃO ACEITA
revisão séria, baseada nas atuais evidências científicas Os regulamento de Protetor Solar (RDC
disponíveis. 30/12) e de Repelente de Insetos (RDC
19/13) são regulamentos recentes.
Sugestões para serem adicionadas em Resoluções específicas
para protetor solar baby/infantil : FPS mínimo para protetor
infantil 30.Filtro baby: livre de fragância, somente filtros
físicosFiltro kids ou infantil:Proibido o uso de benzofenona 3
Devido ao impacto que os protetores solares tem como medida de
fotoproteção, deveria aparecer no rótulo:1- o uso correto
deste produto pode prevenir o o câncer de pele; 2-crianças
NÃO ACEITA
devem evitar exposição solar entre às 10 e 16 horas.
Atualmente a maioria dos rótulos dizem" evitar exposição
prolongada ao sol" o que pode gerar diferentes interpretações As Resoluções RDCs 237/02 e 30/12
de horário e de duração de exposição.3- este produto não estabelecem os testes e normas de
protege contra insolação ( já aparece no rótulo de alguns rotulagem para protetores solares e
produtos).4- orientações quanto à reaplicação ( já descritas produtos multifuncionais e não contempla
nas resoluções 30/2012) outros requisitos para regularização dos
produtos infantis, assim, os regulamentos se
complementam.

concordo que deve existir protetores solares proprios para


crianças. Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
dirigentes e técnicos, o alinhamento da
experiência da Agência com a Política
Regulatória do Governo, o aperfeiçoamento
da coleta de dados e dos sistemas de
informação e o desenho e implementação
de rotinas para consultas externas.
Nesse sentido, a participação da Secretaria
de Acompanhamento Econômico/SEAE do
Ministério da Fazenda e de outros órgãos da
Administração Pública nas consultas
públicas da Agência pode ser compreendida
como um reconhecimento externo do
A opção regulatória deve ser cotejada face às alternativas capazes de promover a esforço institucional da Agência no
solução do problema – devendo-se considerar como alternativa à regulação a aprimoramento de práticas regulatórias que
própria possibilidade de não regular. Com base nos documentos disponibilizados corroboram com as mudanças culturais e
pela agência, a Seae entende que: institucionais necessárias para a
•Não foram apresentadas as alternativas eventualmente estudadas. continuidade do processo de implantação
• Não foram apresentadas as conseqüências da norma e das alternativas de AIR na Anvisa.
estudadas. As sugestões procedimentais apresentadas
• Não foram apresentados os motivos de terem sido preteridas as alternativas NÃO INCORPORADA pela Secretaria de Acompanhamento
estudadas Econômico/SEAE são importantes pois
• As vantagens da norma sobre as alternativas estudadas não estão claramente reforçam a necessidade das medidas que
demonstradas. A boa prática vem sendo desenvolvidas pela Anvisa no
recomenda que o agente regulador apresente sempre mais de duas opções âmbito da Análise de Impacto Regulatório.
regulatórias, a fim de assegurar uma maior diversidade de alternativas. Do Trata-se, no entanto, de iniciativa pioneira
contrário, o processo apenas justifica a opção previamente escolhida. no âmbito da Administração Pública
Brasileira, em caráter experimental e sujeita
a ajustes metodológicos e procedimentais,
cujo aprendizado tem contribuído para o
desenvolvimento e adaptação de técnicas e
ferramentas à realidade brasileira e no
campo de atuação da Agência.
Havendo ainda alguma dúvida ou
necessidade de informações adicionais,
recomendamos entrar em contato com o
Nucleo de Regulação e Boas Práticas
Regulatórias da Anvisa.
Incluir a frase: “e suas atualizações” com o intuito de evitar
que este regulamento fique desatualizado após eventual ACEITA
publicação de novas regulamentações.

De acordo com a sugestão

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Existe o cuidado criterioso na


Dependendo da idade da criança, poderá ocorrer a ingestão de escolha de ingredientes no
NÃO ACEITA
qualquer produto. desenvolvimento das formulações
infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
ser adultas. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal,cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

O uso recorrente de produtos alergênicos pode provocar reações


NÃO ACEITA A resposta alérgica já é uma reação tardia
tardias nas pessoas que nunca acontece na primeira exposição
e pode ocorrer a partir de uma segunda
exposição, a qualquer tempo e em qualquer
idade.

concordo.
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
Raras são as substâncias cosméticas inócuas. Este deve ser o
parâmetro básico para a liberação de produtos que são NÃO ACEITA Os cuidados no desenvolvimento das
prescindíveis, como cosméticos/maquiagem para crianças. formulações infantis são criteriosos, o que
as torna mais seguras desde que
respeitadas as recomendações de cada
categoria de produto.

Todos os produtos existentes no mercado deveriam seguir essa


orientação, afinal em toda casa que há crianças, há adultos. E
os produtos usados pelos adultos também devem ser seguros. Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

OK
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

Recentes publicações de estudos realizados com número


significativo de crianças apontam que produtos são
potencialmente sensibilizante ( incluindo faixa etária abaixo
de 3 anos) e que por isso deveriam ser evitados. Entre estes
produtos encontram-se derivados de mercúrio,áçcoois de lã, Os cuidados no desenvolvimento das
NÃO ACEITA
Kathon CG, fragância Mix, propolis, dicromato de potássio, formulações infantis são criteriosos, o que
mercaptobenzotiazol, thiuram mix, cocamidopropylbetaine, as torna mais seguras desde que
cloreto de cobalto, MIC/MI respeitadas as recomendações de cada
(methylchloroisothiazolinone/methylisothiazolinone), corantes categoria de produto, respeitadas as listas
dispersos e p-fenilenodiamina, formaldeído, tolueno e acetona. de substâncias previstas na legislação
vigente. Das substâncias citadas, poucas são
utilizadas em formulações cosméticas.
que seja descrito de forma clara o uso do produto evitando Os produtos devem possuir em sua
NÃO ACEITA
problemas futuros. rotulagem o modo de uso.
as formulaçōes devem ser desenvolvidas de modo que sejam Os cuidados no desenvolvimento das
minimizados reaçōes alérgicas. formulações infantis são criteriosos, o que
NÃO ACEITA
Em respeito ao meio ambiente, deve-se evitar o testes com as torna mais seguras desde que
animais. respeitadas as recomendações de cada
categoria de produto, respeitadas as listas
de substâncias previstas na legislação
vigente. As empresas devem possuir dados
de segurança dos produtos.
Já que as crianças possuem pele mais sensível bem como podem
vir a ingerir o produto, este deve ser preparado com
ingredientes naturais, ou seja, deve-se poder passar na pele
das crianças o que se daria para elas comerem, afinal a pele é NÃO ACEITA Os cuidados no desenvolvimento das
o maior órgão do corpo humano e absorve tudo que entra em formulações infantis são criteriosos, o que
contato com ela levando para o organismo, assim como a as torna mais seguras desde que
alimentação. respeitadas as recomendações de cada
categoria de produto.
governança, internacionais,
econômicos, sociais e
operacionais - que uma ação
regulatória pode ter a partir de
um questionário composto por
critérios previamente
estabelecidos, baseado em
diferentes metodologias de
Os impactos à concorrência foram avaliados a partir da análise, conforme a
metodologia desenvolvida pela OCDE, que consiste em um disponibilidade de dados, a
conjunto de questões a serem verificadas na análise do impacto complexidade e a especificidade
de políticas públicas sobre a concorrência. O impacto do objeto.
competitivo poderia ocorrer por meio da: Esta etapa detalha o estudo de
i) limitação no número ou variedade de fornecedores; viabilidade da proposta, chama a
ii) limitação na concorrência entre empresas; e atenção para situações de
iii) diminuição do incentivo à competição conflitos que possam afetar ou
comprometer a atuação regulatória
Em relação aos impactos concorrenciais: e aponta caminhos ou alternativas
para assegurar os objetivos
NÃO INCORPORADA
• A norma proposta não tem o potencial de diminuir o incentivo pretendidos. A ênfase desta
à competição. análise envolve aspectos
qualitativos e/ou quantitativos e
A norma proposta não tem o potencial de diminuir o incentivo à está baseada em diversas fontes
competição, haja vista que todas as empresas fabricantes e/ou de informação, incluindo o
importadoras de algum produto listado no ANEXO 1 da minuta levantamento de dados primários
estarão submetidas a um mesmo prazo de 180 (cento e oitenta) indisponíveis por meio de
dias para que se adéqüem ao disposto no Regulamento proposto. técnicas de consulta ou pesquisa.
Destarte, não haverá beneficio ou prejuízo gerado pela A AIR nível 2 é aplicada às
normatização que venha a afetar apenas um ou alguns propostas normativas indicadas
competidores daquele mercado. pela Diretoria da Anvisa.
A Análise de Impacto Nível 3 (AIR
nível 3), consiste em um estudo
completo sobre análise de impacto
regulatório que envolve a
colaboração de especialistas em
técnicas avançadas de AIR. Deve
ser realizada para propostas de
maior impacto potencial, como os
Os pais precisam saber como agir em caso de ingestão acidental Os produtos de maior risco contemplam
NÃO INCORPORADA
por parte da criança. advertências referentes ao item
mencionado.
Para alinhar com a Lei 11,794 sobre o uso de animais para fins
FORA DE ESCOPO
científicos, e desenvolvimentos internacionais

Em geral, os testes de produtos cosméticos


não são realizados em animais, há uma
tendência na redução da realização de
estudos em animais conforme validação de
novas metodologias.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Esses artifícios induzem o uso infantil e promovem um hábito Anvisa é garantir que produtos
NÃO ACEITA seguros sejam lançados no
desnecessário .
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.
Esses produtos poderão sensibilizar as crianças transformando Existe o cuidado criterioso na escolha
NÃO ACEITA desses ingredientes no desenvolvimento
crianças que teoricamente não seriam atópicas em alérgicas.
das formulações infantis. Muitos estão
presentes em alimentos industrializados e
medicamentos.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem Anvisa é garantir que produtos
NÃO ACEITA seguros sejam lançados no
ser adultas.
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.

Para evitar a ingetão. NÃO ACEITA A ingestão não está prevista para os
produtos cosméticos.
O uso recorrente de produtos alergênicos pode provocar reações Existe o cuidado criterioso na escolha
NÃO ACEITA desses ingredientes no desenvolvimento
tardias nas pessoas
das formulações infantis. Muitos estão
presentes em alimentos industrializados e
medicamentos.

Existe o cuidado criterioso na escolha


Esses tipos de compostos quimicos não deveriam ser permitidos. NÃO ACEITA desses ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis. Muitos estão
presentes em alimentos industrializados e
medicamentos.

nada a comentar Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

OK
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

A Resolução RDC 03/2012 não atende as necessidades de proibir o uso de Existe o cuidado criterioso na escolha
determinadas substâncias passíveis de produzir sensibilização em crianças NÃO ACEITA desses ingredientes no desenvolvimento
( dermatite de contato alérgica). das formulações infantis. Muitos estão
presentes em alimentos industrializados e
medicamentos.

Existe o cuidado criterioso na escolha


desde que sejam suaves atendendo o publico infantil. NÃO ACEITA desses ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis. Muitos estão
presentes em alimentos industrializados e
medicamentos.
Se existem diversos aromatizantes e fragrâncias não tem porque Existe o cuidado criterioso na escolha
NÃO ACEITA desses ingredientes no desenvolvimento
colocar outras químicas
das formulações infantis. Muitos estão
presentes em alimentos industrializados e
medicamentos.

Os aromatizantes e os flavorizantes que possuem sabores de


gêneros alimentícios podem induzir a ingestão do produto pelo
NÃO ACEITA Essas substâncias permitem que a criança
público infantil, principalmente os dentifrícios e
enxaguatórios bucais. adquira o hábito da escovação desde a
primeira dentição que é importante para
prevenir a cárie.
governança, internacionais,
econômicos, sociais e
operacionais - que uma ação
A diversidade das informações colhidas no processo de
regulatória pode ter a partir de
audiências e consultas públicas constitui elemento de
um questionário composto por
inestimável valor, pois permite a descoberta de eventuais
critérios previamente
falhas regulatórias não previstas pelas agências reguladoras.
estabelecidos, baseado em
Nesse contexto, as audiências e consultas públicas, ao
diferentes metodologias de
contribuírem para aperfeiçoar ou complementar a percepção dos
análise, conforme a
agentes, induzem ao acerto das decisões e à transparência das
disponibilidade de dados, a
regras regulatórias. Portanto, a participação da sociedade
complexidade e a especificidade
como baliza para a tomada de decisão do órgão regulador tem o
do objeto.
potencial de permitir o aperfeiçoamento dos processos
Esta etapa detalha o estudo de
decisórios, por meio da reunião de informações e de opiniões
viabilidade da proposta, chama a
que ofereçam visão mais completa dos fatos, agregando maior
atenção para situações de
eficiência, transparência e legitimidade ao arcabouço
conflitos que possam afetar ou
regulatório.
comprometer a atuação regulatória
Nessa linha, esta Secretaria verificou que, no curso do
e aponta caminhos ou alternativas
processo de normatização:
para assegurar os objetivos
• Não existem outras questões relevantes que deveriam ser NÃO INCORPORADA
pretendidos. A ênfase desta
tratadas pela norma.
análise envolve aspectos
• A norma apresenta redação clara.
qualitativos e/ou quantitativos e
• Não houve audiência pública ou evento presencial para
está baseada em diversas fontes
debater a norma.
de informação, incluindo o
• O prazo para a consulta pública foi adequado.
levantamento de dados primários
• Não houve barreiras de qualquer natureza à manifestação em
indisponíveis por meio de
sede de consulta pública.
técnicas de consulta ou pesquisa.
A minuta da Resolução proposta apresenta redação clara e de
A AIR nível 2 é aplicada às
fácil compreensão. Vale ressaltar que cada prazo determinado
propostas normativas indicadas
na norma vem acompanhado da empresa/produto a que se refere.
pela Diretoria da Anvisa.
Ademais, no ANEXO 2 todos os requisitos mínimos para
A Análise de Impacto Nível 3 (AIR
segurança, embalagem e rotulagem de produtos infantis são
nível 3), consiste em um estudo
designados para cada um dos produtos elencados no ANEXO 1.
completo sobre análise de impacto
Assim sendo, o regulador minimiza a incidência de dúvidas
regulatório que envolve a
sobre como as empresas devem proceder para cumprir
colaboração de especialistas em
integralmente o disposto na proposta em discussão.
técnicas avançadas de AIR. Deve
ser realizada para propostas de
maior impacto potencial, como os
Evidências demonstram que são
claras as dificuldades
motivacionais para o uso adequado
de produtos de higiene oral por
Evitar ingestão acidental. NÃO ACEITA crianças, deste modo é importante
disponibilizar no mercado
produtos com
flavorizantes/aromatizantes
aceitos por este tipo de público,
como por exemplo cremes dentais e
enxaguatórios bucais com sabores
suaves como os de fruta. Existe
ainda o cuidado criterioso na
escolha desses ingredientes no
desenvolvimento das formulações
infantis. Muitos estão presentes
em alimentos industrializados e
medicamentos
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem Anvisa é garantir que produtos
NÃO ACEITA seguros sejam lançados no
ser adultas.
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.

nada a comentar
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Crianças não necessitam de cosméticos e perfumes. Trata-se de Anvisa é garantir que produtos
um apelo da sociedade de consumo para erotizar crianças e NÃO ACEITA seguros sejam lançados no
formar novos consumidores. mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.

OK Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Mais uma vez, retirar cosméticos pois um produto destinado a Anvisa é garantir que produtos
NÃO ACEITA seguros sejam lançados no
adultos.
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.
Necessidade de parâmetros para o controle de qualidade físico-
NÃO ACEITA
químico do produto.
As avaliações de qualidade envolvem
parâmetros: físicos, químicos e
microbiológicos.

Expressões como demais preparações, são genéricas demais e


NÃO ACEITA
podem favorecer pessoas ou empresas mal intencionadas.
O item contempla "demais preparações
contendo tensoativos".

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
esmalte tem limpeza fácil com água sabonete xampu ou precisa
NÃO ACEITA Esmalte infantil não deverá ser removido
de solvente...
com produto contendo solvente.
Não existe maquiagem que é facilmente removível somente com Esse tipo de maquiagem não é apropriado
NÃO ACEITA
água e sabonete. para crianças.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
ser adultas.
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

NÃO SE APLICA A
condordo Não foi apresentada nenhuma proposta.
ANÁLISE
Agradecemos a participação

NÃO SE APLICA A
OK
ANÁLISE Não foi apresentada nenhuma proposta.
Agradecemos a participação
NÃO SE APLICA A
ANÁLISE Não foi apresentada nenhuma proposta.
Agradecemos a participação

Os produtos tem que ser retirados com água e sabão ou xampu,


SEM NECESSIDADE de mais químicas como esses que contém NÃO ACEITA
tensoativos O tensoativo está presente nas formulações
de sabonetes e xampus.

Considerando a tecnicidade de alguns termos sob conceitos de


natureza sanitária/ científica, verificamos a necessidade de
NÃO ACEITA
melhor definição do termo “remoção do produto”, e a qual ou
quais substância a expressão está se referindo. O artigo se aplica a todas as categorias de
produtos.
Seria interessante se houvesse exigência também de embalagens
mais seguras para crianças, a fim de evitar ingestão NÃO ACEITA O item embalagem está previsto no
acidental. Capítulo III.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
nossas criancas precisam aprender a cultivar valores destinados ao uso infantil e
diferentes , nao eh correto incentiva-las a se tornarem produtos sem registro na Anvisa.
consumistas desde cedo, principalmente se tratando de produtos NÃO ACEITA É necessária a atualização da
que incentivam a superficialidade com a maquilagem e produtos regulamentação de produtos
comsmeticos que nada tem a ver com a realiidade delas. higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Em produtos destinados aos adultos, os aromas palatáveis já


são um grande risco para crianças se sentirem atraídas a
ingeri-las. Em produtos dirigidos ao público infantil esse
NÃO ACEITA Existe o cuidado criterioso na escolha
risco seria enorme. Por essa razão permitir ingredientes de desses ingredientes no desenvolvimento
gosto amargo não me parece suficiente. Os outros de aroma e das formulações infantis. Muitos estão
sabor agradáveis deveriam ser proibidos. presentes em alimentos industrializados e
medicamentos.

NÃO SE APLICA A Não foi apresentada nenhuma


assim deveria ser também qualquer produto de uso adulto ou infantil... proposta. Agradecemos a
ANÁLISE
participação

NÃO SE APLICA A Não foi apresentada nenhuma


ANÁLISE proposta. Agradecemos a
participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
ser adultas. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Para não incentivar o cunsumo lúdico. NÃO ACEITA Não é possível estabelecer a
obrigatoriedade, dessa forma está
sendo estabelecida a previsão de
uso de ingredientes desnaturantes
na composição dos produtos

NÃO SE APLICA A Não foi apresentada nenhuma


concordo proposta. Agradecemos a
ANÁLISE
participação
ACHO QUE COM GOSTO AMARGO A INGESTÃO POR CRIANÇAS É MAIS NÃO SE APLICA A Não foi apresentada nenhuma
DÍFICIL. ANÁLISE proposta. Agradecemos a
participação

NÃO SE APLICA A Não foi apresentada nenhuma


ANÁLISE proposta. Agradecemos a
participação

As cianças abusam da ingestão de dosmeticos em virtude eo


sabor/aroma atraente (morango, chocolate, tutti frut etc). Os NÃO ACEITA Os produtos não são associados a doces e
produtos nao devem ser associados aos doces/balas. balas, o objetivo é evitar a ingestão e
estimular o uso do produto em função do
seu benefício, como por exemplo, as pastas
de dentes.
O uso do termo `Permitida` demonstra uma uma faculdade, não
uma obrigatoriedade e dá margem à empresa fabricante optar ou NÃO ACEITA O objetivo do artigo é facultar o uso da
não pelo uso. substância.
Não foi apresentada justificativa para a
NÃO ACEITA proposta.
A criança que não sabe ler, pode identificar a fruta e ingerir Mantenha o produto fora do alcance de
NÃO ACEITA
o produto. crianças.

Muitos brilhos labiais, por exemplo, possuem sabor adocicado e


aromatizado que induzem crianças a literalmente comer o
NÃO ACEITA
produto, colocando em risco sua saúde e promovendo mais
Concordamos com a colocação, no entanto,
vendas, já que assim o consumo é mais "desenfreado".
é previsto o uso de substâncias que
modifiquem o sabor do produto.
A complementação do texto se faz pertinente, tendo em vista
que o postulado do art. 6º, III e art. 31 da Lei 8.078/90 –
Código de Proteção e Defesa do Consumidor, sobretudo ao se
tratar de produto destinado ao público infantil, para que o NÃO ACEITA
consumidor tenha a consciência, em sua escolha e aquisição, de
que caso a criança coloque o produto na boca poderá haver o
sabor amargo, porém seu uso é seguro.

Existe o cuidado criterioso na escolha


desses ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis. Muitos estão
presentes em alimentos industrializados e
medicamentos. Ainda, na rotulagem dos
produtos está estabelecido o critério de
utilização do produto pelo adulto ou sob
sua supervisão
A prevenção sobre eventuais acidentes de consumo é premissa
para a oferta e comercialização de produtos e serviços no
mercado de consumo, por força de todo o arcabouço jurídico
acerca das relações de consumo, neste caso, especialmente por
força do disposto nos artigos 8.º a 10 do Código de Proteção e
Defesa do Consumidor. O artigo já prevê material publicitário,
NÃO ACEITA contemplando a proposta apresentada.
Nesse sentido, sugerimos a provocação ao INMETRO, e órgãos de NÃO ACEITA
reguladores na área da medicina, a fim de manifestarem-se
sobre questões técnicas, de segurança e saúde, evitando assim
possíveis riscos a saúde e integridade do público ao qual os
produtos, objeto desta consulta pública, é destinado.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
Pois a embalagem transparente com conteúdo colorido seria o NÃO ACEITA
mesmo que uma embalagem colorida aos olhos de qualquer um.

A restrição se refere à arte final do produto


e não ao material de acondicionamento do
produto
nossas criancas precisam aprender a cultivar valores NÃO ACEITA
diferentes , nao eh correto incentiva-las a se tornarem
consumistas desde cedo, principalmente se tratando de produtos
que incentivam a superficialidade com a maquilagem e produtos
comsmeticos que nada tem a ver com a realiidade delas.
A regulamentação+E199 inicial publicada
em 2001 foi motivada pela crescente
demanda de uso indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e produtos sem
registro na Anvisa. É necessária a
atualização da regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e perfumes
infantis, pois esses produtos tem sido
utilizados com maior frequência. O objetivo
da Anvisa é garantir que produtos seguros
sejam lançados no mercado. O regulamento
deve abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
NÃO ACEITA

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem NÃO ACEITA
ser adultas.

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Produtos necessários à higiene infantil não devem ter apelo NÃO ACEITA
cosmético nem comercial e sim terem seu uso estimulado através
da educação até a aquisição do hábito, que, como todo educador
sabe, leva tempo e dispende boa vontade e trabalho. O estímulo
ao consumo indiscriminado e indevido é que nos dá um trabalho
desnecessário e gera uma sociedade frustrada, com graves
problemas psicológicos e de saúde física, além de diminuir o
tempo da infância "adultizando" nossos pequenos que já são
impotentes vítimas da mídia.NÃO PRECISAMOS DE UM GOVERNO QUE
AJUDE A PIORAR AS COISAS.

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Uma criança bem orientada e que recebe noções básicas de NÃO ACEITA
higiene pessoal não necessita fazer uso de produtos adultos
como os citados no artigo 11.

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
concordo Não foi apresentada nenhuma
NÃO SE APLICA A
ANÁLISE proposta. Agradecemos a
participação
personagens são apelatvios para o consumo e não devem ser PARCIALMENTE ACEITA
usados nas embalagens

Já está previsto no regulamento.


Gostaria de elogiar o parágrafo 2º, e sugerir que este
dispositivo se aplique a todos os produtos em consulta, pois
entendo que são produtos de uso não essencial e que, portanto,
não deveriam ter apelo específico voltado para as crianças.
NÃO SE APLICA A
ANÁLISE
Não foi apresentada nenhuma
proposta. Agradecemos a
participação
Não se pode permitir os apelos infantis nesse tipo de produto FORA DE ESCOPO
porque nessa idade as crianças ainda não podem discernir entre
o necesário e o secundario. Os apelos forman um grupo
consumidor difícil de educar.
Não se aplica.
No parágrafo segundo, onde consta que não poderão ter PARCIALMENTE ACEITA
"desenhos" nas embalagens está muito vago, poderia ser
acrescentado "personagens" porque é por meio de personagens
famosos, como Barbie, Moranguinho, etc, que as crianças se
interessam pelos produtos e existem vários no mercado, mesmo
não podendo. Poderia ser acrescentada, ainda, a palavra
"proibido" pois não daria espaço para as empresas fazerem-se Foram excluídos os exemplos entre
de mal entendidas. parênteses,enfatizando que tanto as
embalagens, quanto o material publicitário
não poderão ter apelo infantil
ACHO QUE O ANEXO 1 NÃO TEM PROBLEMA DESDE QUE ESPECIFIQUE PARA NÃO ACEITA
HIGIENE E LIMPEZA NO ANEXO 2 ACHO QUE NÃO TEM PROBLEMA TER A proposta segue as categorias da RDC
MATERIAL PUBLICITRIO NA EMBALAGEM DESDE QUE ESPECIFIQUE O USO 211/05 e Lei 6360/76. A questão das
E PRECAUÇÕES embalagens está prevista no capitulo III da
Consulta Pública.
1-Condicionador ( com ou sem enxague) sem fragância ou com NÃO ACEITA
fragãncia suave para menores de 3 anos2- creme dental com
flúor: somente a partir de 3 anos3- pó corporal
( talco/amido): proibir o uso pelo risco de aspiração - librar
probutos com formulações em loção ou líquida.4- sabonte-
repeitar pH máximo de 7 ( preferindo-se pH ácidos que são mais
fisiológicos)
Item a ser avaliado no respectivo anexo.
gerlamente uma mãe chega a comprar um produto que não Não foi apresentada nenhuma
considera bom por anuncios de algum artista, desenho, banda... NÃO SE APLICA A proposta. Agradecemos a
ANÁLISE
participação
Nos termos dos arts. 36, 37, §2º e 39, IV, do Código de Defesa PARCIALMENTE ACEITA
do Consumidor, "a publicidade deve ser veiculada de tal forma
que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como
tal" e é abusiva, e portanto, ilegal, a publicidade que "se
aproveite da deficiência de julgamento e experiência da
criança", o fornecedor de produtos ou serviços não pode, por
se tratar de prática abusiva, “prevalecer-se da fraqueza ou
ignorância do consumidor, tendo em vista sua idade, saúde,
conhecimento ou condição social, para impingir-lhe seus
produtos ou serviços”. Logo, da leitura conjunta e sistemática
desses dispositivos com a Constituição Federal (art. 227) e o
Estatuto da Criança e do Adolescente, que garantem proteção
integral, prioritária e absoluta às crianças, não deve haver
qualquer estratégia de comunicação mercadológica direcionada
aos menores de 12 anos. Assim, não só os produtos elencados no
art. 11 da Resolução devem ter restrição quanto à inserção de
apelos infantis em embalagens e materiais publicitários, como
todos os produtos infantis de que trata a presente norma,
razão da sugestão de alteração do §2º, do art. 11. Além disso,
a enumeração constante ao final do parágrafo (desenhos, nomes,
cores, artistas) deve ser apenas exemplificativa, e não
taxativa, razão pela qual se insere a expressão "etc."

Foram excluídos os exemplos entre


parênteses,enfatizando que tanto as
embalagens, quanto o material publicitário
não poderão ter apelo infantil
Brindes tais como brinquedos são largamente utilizados pelos PARCIALMENTE ACEITA
fabricantes de produtos destinados ao público infantil, a
exemplo do acontece com produtos alimentícios.
Foram excluídos os exemplos entre
parênteses,enfatizando que tanto as
embalagens, quanto o material publicitário
não poderão ter apelo infantil
Não se pode incentivar o sexismo com embalagens diferentes NÃO ACEITA
para meninos e meninas, para que a criança, menino ou menina
decida se ele quer usar ou não o produto.

A distinção de produtos já é consagrada


pelo uso (senso comum) e retirar isso
apenas dos cosméticos infantis pode não
impactar na questão da sexualidade.
Fora de escopo

O assunto não é competência da Anvisa

A referida inserção tem como fundamento o dever do fornecedor


de proteger o consumidor, em especial a criança, não podendo,
nos termos do art. 37, §2º, da Lei 8.078/90 – Código de
Proteção e Defesa do Consumidor, aproveitar-se de sua
deficiência de julgamento e experiência. Assim, é
imprescindível a vedação à utilização de apelos infantis nas
publicidades de venda de produtos destinados ao referido NÃO ACEITA
público, cujo discernimento ainda está em formação. A
publicidade para divulgação do produto, portanto, deve ser
feita de modo a expor dados verdadeiros, sem apelos de
desenhos, nomes, cores e artistas e outros artifícios que Foram excluídos os exemplos entre
possam induzir em erro ou incidir em abuso contra o público parênteses,enfatizando que tanto as
infantil. embalagens, quanto o material publicitário
não poderão ter apelo infantil. A definição
de material publicitário não é competência
da Anvisa.
A inclusão da prática de merchandising também é relevante,
tendo em vista que os artistas infantis, nas novelas e
programas televisivos destinados ao público infantil, de forma
contrária às normas consumeristas, vêm indevidamente atrelando
o imaginário infantil, gerado pela interação com o programa,
com os produtos.

NÃO ACEITA

Foram excluídos os exemplos entre


parênteses,enfatizando que tanto as
embalagens, quanto o material publicitário
não poderão ter apelo infantil. A definição
de material publicitário não é competência
da Anvisa.
Exclusão do trecho que menciona material publicitário, NÃO ACEITA
considerando que este não está no desta capítulo que é
inerente à embalagem e rotulagem e nem tampouco no escopo
desta CP “...sobre os requisitos técnicos para a concessão de
registro de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes
infantis...”

Foram excluídos os exemplos entre


parênteses,enfatizando que tanto as
embalagens, quanto o material publicitário
não poderão ter apelo infantil. De acordo
com a Lei 6360/76 a Anvisa pode
estabelecer diretrizes sobre a rotulagem e
publicidade dos produtos.
Sugerimos a alteração do §2° conforme disposto acima com o PARCIALMENTE ACEITA
objetivo de evitar erros de interpretação. Pois existem
desenhos, nomes, cores, artistas que podem ser tanto
interpretadas e/ou indicados para uso infantil como para uso
adulto. Além disso, empresas adotam a padronização de cores em
suas embalagens independente de publico alvo.

Foram excluídos os exemplos entre


parênteses,enfatizando que tanto as
embalagens, quanto o material publicitário
não poderão ter apelo infantil.
Não há necessidade nenhuma desse tipo de produto para NÃO ACEITA
crianças, nem pédicos nem axilares. Criança não precisa de
desodorante algum, criança não precisa "imitar" o
comportamento de adultos, os perfumes já cumprem o papel de
deixá-las perfumadinhas, é o suficiente.
O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.
NÃO ACEITA

O produto é previsto apenas para crianças a


partir de 8 anos, quando há necessidade.
ACEITA
Além da imprecisão do termo (o que é “uso consagrado”?
consagrado por quem?), "uso consagrado" não garante a
segurança do produto, especialmente se tratando de público
infantil, cuja pele é mais suscetível a alergias e irritações
do que a do público adulto. "exclusão do item - tenha seu uso
consagrado"
NÃO ACEITA
em quais parametros se baseiam para julgar como
seguros....sabe-se que os do mercado além de aerossois, contém
ingredientes cancerigenios como propilenoglicol.
"exclusão do item - tenha seu uso
consagrado"
NÃO ACEITA
O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
ACEITA
Retiro o "uso consagrado", porque dá margem a uso de
substâncias não controladas e de uso popular. Como é o caso de
um posinho rosa que era colocado em chupetas de crianças para
controle de cólicas. "exclusão do item - tenha seu uso
consagrado"
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem NÃO ACEITA
ser adultas.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.
Hoje em dia já existem muito mais casos de crianças sofrendo e NÃO ACEITA
utilizando recursos médicos (incluindo recursos federais)
devido ao crescente aumento de casos de alergia respiratória.
A liberação do uso indiscriminado (sem prescrição médica)
destes produtos, incluindo perfumes e similares, só tende a
piorar vertiginosamente esses casos ( que em muitos deles A regulamentação inicial
transformam-se em doença crônica, aumentando sofrimento para publicada em 2001 foi motivada
as famílias e despesas, inclusive para o governo). Acho que pela crescente demanda de uso
essa " regulação" é um falso pretexto para iludir mais uma vez indevido de produtos não
a população que é sempre vítima de manipulação que, por ser destinados ao uso infantil e
ignorante, fica à mercê dos desejos do governo em fomentar o produtos sem registro na Anvisa.
consumo do mercado interno e não no BEM das nossas crianças, É necessária a atualização da
senão já havia tomado providências anteriormente e não apenas regulamentação de produtos
neste momento de crise mundial! Nós precisamos é de SAÚDE DE higiene pessoal, cosméticos e
VERDADE, EDUCAÇÃO E DIRECIONAMENTO CERTO PARA AS BRINCADEIRAS perfumes infantis, pois esses
DAS CRIANÇAS, não alguém a mais, além do apelo midiático, produtos tem sido utilizados com
tentando estimular o cunsumo de produtos inadequados aos maior frequência. O objetivo da
nossos filhos, pois os que eles PRECISAM JÁ ESTÃO DISPOSTOS Anvisa é garantir que produtos
ADEQUADAMENTE NAS PRATELEIRAS DAS FARMÁCIAS! seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.
NÃO ACEITA
O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
Produtos de uso adulto e que uma criança bem orientada e que NÃO ACEITA
recebe noções básicas de higiene pessoal não necessita fazer
uso. O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
concordo. Não foi apresentada nenhuma
NÃO SE APLICA A
ANÁLISE proposta. Agradecemos a
participação
Não se justifica o uso de tais produtos/substâncias por NÃO ACEITA
crianças por absoluta inutilidade. E por mais que se possa
considerar um produto "seguro" não há como prever as
consequências futuras do uso de produtos artificiais em
crianças em fase de crescimento e desenvolvimento. O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
Criança até 12 anos não precisa e não deve usar desodorante. NÃO ACEITA
Elas sequer produzem ainda os hormônios que interferem no
odor. Liberar estes produtos gerará ainda mais consumismo
desenecessário e o desenvolvimento de um hábito que não é
adequado para a faixa etária. O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
"Parágrafo único. Os desodorantes do tipo axilar e pédico não NÃO ACEITA
poderão conter em suas composições ingredientes de ação
reguladora do fluxo de suor (antiperspirantes)." --> Mais um
dispositivo que deveria valer para os cosméticos em geral.
Não há referências técnicas/literaturas
científicas que justifiquem a proibição de
antiperspirantes em produtos de uso adulto.
Crianças não necessitam de desodorantes!!! NÃO ACEITA

O produto é previsto apenas para crianças a


partir de 8 anos, quando há necessidade.
não existe pertinência de uso de desodorantes dos tipos axilar NÃO ACEITA
e pédico por parte do público infantil
O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
Crianças pequenas em condições fisiológicas normais não NÃO ACEITA
possuem hormônios sexuais em grau suficiente para estimular a
produção de odor axilar. Trata-se de uma "necessidade criada"
para estimular o consumo. Crianças não precisam de desodorante
axilar, em regra. As que necessitarem devem ser orientadas por
pediatra ou outro profissional médico.
O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
Desodorante para crianças? Por favor! NÃO ACEITA
O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
O PARAGRAFO 1 NÃO ACHO NECESSÁRIO A AÇÃO ANTITRANSPIRANTE. NÃO ACEITA No parágrafo único é estabelecida
a proibição de antiperspirantes.

Desodorante axilar: livre de fragância e álcool e proibindo a NÃO ACEITA Existe o cuidado criterioso na
apresentação em spray - Em função da aplicação numa região de escolha de ingredientes no
dobra, com constante fricção e oclusão a possíbilidade de desenvolvimento das formulações
sensibilização a perfumes é maior , assim como o risco de infantis e nos casos específicos
irritação com álcool. são estabelecidos os testes de
segurança necessários.

não acho necessario esse tipo de produto em criança NÃO ACEITA


O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
Aplica-se de maneira semelhante ao art. 11. NÃO ACEITA

Trata-se de um produto desenvolvido par a


crianças, logo não se aplica o estabelecido
no Art. 11.
NÃO ACEITA

O produto é previsto apenas para crianças a


partir de 8 anos, quando há necessidade.
Crianças não necessitam utilizar desodorantes. Vamos proteger NÃO ACEITA
a infância, produtos voltados para adultos não devem ser
vendidos para crianças. O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
A função desodorante pode mascarar algum problema de saúde e NÃO ACEITA
seu uso não deve ser estimulado em crianças de maneira
indiscriminada. Assim, é mais seguro para as crianças que haja
uma restrição quanto ao apelo comercial de modo que seja
resguardada sua segurança. O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
Crianças não precisam de desodorante, mas sim de higiene NÃO ACEITA
pessoal adequada com a utilização de água e sabonete comum.
O produto é previsto apenas para crianças a
partir de 8 anos, quando há necessidade.
Evitar que o uso ilegal de forma repetida torne consagrado ACEITA "exclusão do item - tenha seu uso
produto contrário aos interesses da criança. consagrado"
1. A redação proposta inclui os desodorantes corporais, NÃO ACEITA
produtos de uso seguro que juntamente com os desodorantes
axilares poderão conter em sua composição ingredientes
antimicrobianos em concentração suficiente para uma ação
bacteriostática, cuja atividade limita-se a inibição da
proliferação microbiana sem que haja sua eliminação.Ainda
informamos que, o desodorante pédico foi desmembrado do texto
original tendo em vista que sua finalidade de uso permite a
utilização de antimicrobianos em concentrações superiores de
modo a permitir uma ação antisséptica segura não prevista nos
axilares e corporais.2. A ABIHPEC solicita a exclusão do
parágrafo único. Considerando que não existem evidências
cientificas e ou de cosmetovigilância ou ainda qualquer relato
de risco sanitário para o uso de ingredientes de ação
reguladora do fluxo de suor (antiperspirante) para o publico
infantil; considerando que sua proibição aqui disposta neste
regulamento poderá ser caracterizada como uma Barreira Técnica
Regulatória ao comércio entre outros países dos quais não
possuem proibição semelhante (âmbito internacional); e
considerando ainda que dados científicos vem demonstrando que
o inicio da puberdade é definido como o momento em que se
inicia a maturidade sexual, e os órgãos reprodutores tornam-se
funcionais e que a idade de início da puberdade varia entre
meninos e meninas. Para as meninas a puberdade se inicia, em
média, aos 9 anos 7 meses, enquanto que os meninos entram na
puberdade, em média, aos 11 anos 6 meses, de acordo com “The
Third National Health and Nutrition Examination Survey (1988-
94) – (Ref.3)” e “Variations in the pattern of pubertal
changes in boys (1970). Arch. Dis. Child., 46:13-23 – (Ref.
4)”.De acordo ainda com Marieb, E.N. (2004) Developmental
aspects of the endocrine system. In: Human Anatomy &
Physiology. Pearson Benjamin Cummings, San Francisco, pp. 636-
640 (Ref. 1), essas mudanças ocorrem em resposta ao aumento O termo antisséptico contempla a ação
dos níveis de hormônios (testosterona nos homens e de bacteriostática e antimicrobiana. Não serão
estrogênio nas mulheres). No entanto, de acordo com as previstas as categorias de antiperspirante
referências “Recent decline in age at breast development: the para uso infantil e desodorante corporal.
Copenhagen Puberty Study. Pediatr., 123:e932-e939 – (Ref.5)” e
A leitura da composição e prazo de validade deve ser NÃO ACEITA
estimulada no público infantil, de maneira que deve ser
legível para que seja estimulante.

O código de defesa do consumidor já


contempla essa exigência.
Crianças não precisam de cosméticos. NÃO ACEITA

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
nossas criancas precisam aprender a cultivar valores NÃO ACEITA
diferentes , nao eh correto incentiva-las a se tornarem
consumistas desde cedo, principalmente se tratando de produtos
que incentivam a superficialidade com a maquilagem e produtos
comsmeticos que nada tem a ver com a realiidade delas.

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem NÃO ACEITA
ser adultas.

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
nada a opinar. Não foi apresentada nenhuma
NÃO SE APLICA A
ANÁLISE proposta. Agradecemos a
participação
ênfase à destinação e restrição ao público infantil NÃO ACEITA

A legislação se aplica a todos os produtos.


Como acontece, por exemplo, em alguns protetores solares e NÃO ACEITA
repelentes. As faixas etárias estão estabelecidas, por
categoria de produto, nos anexos
específicos.
A utilização destes produtos em crianças normalmente se dá NÃO ACEITA
pela indução dos adultos. É importante que fique claro que as
crianças não tem a menor necessidade de usá-los.

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Crianças não necessitam de cosméticos e perfumes. Trata-se de NÃO ACEITA
um apelo da sociedade de consumo para erotizar crianças e
formar novos consumidores.

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
NÃO ACEITA
Trata-se de um produto desenvolvido para
crianças, logo não se aplica o estabelecido
no Art. 11.
Vedação de venda e fabricação de cosméticos para crianças. NÃO ACEITA

A regulamentação inicial publicada em 2001


foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
OK
NÃO SE APLICA A
ANÁLISE Não foi apresentada nenhuma proposta.
Agradecemos a participação
NÃO SE APLICA A
ANÁLISE Não foi apresentada nenhuma proposta.
Agradecemos a participação
Muitas embalagens de cosméticos apresentam a formulação com NÃO ACEITA
caracteres que são imposíveis de serem lidos sem o auxílio de
uma lupa. Para que a resolução surta seus efeitos, é
importante que o consumidor final consiga ler o que está
impresso na embalagem. Se for conveniente, poderia ser
indicado um parâmetro de tamanho e tipo de fonte a ser tido
como requisito mínimo.A legibilidade, aliás, deveria ser
obrigatória para toda e qualquer embalagem, seja de produto
infantil ou adulto. O código de defesa do consumidor já
contempla essa exigência.
Os produtos deve terpH diferenciado de acordo com as faixas NÃO ACEITA
etárias. O consumidor precisa ter acesso claro a essas A informação é apresentada na solicitação
informaçōes. do registro, sendo avaliada antes da
concessão do mesmo.

O código de defesa do consumidor já


contempla a exigência da informação
NÃO ACEITA constar de forma clara ao consumidor.
Exigência de data de fabricação e responsável técnico que não NÃO ACEITA
são contemplados na RDC 211/05, sendo requisitos importantes
para o controle de qualidade do produto.

O Decreto 79.094/77 foi revogado pelo


8.077/13, devendo ser consideradas as
normas de rotulagem estabelecidas na RDC
211/05.
A complementação do texto para que conste o dever de NÃO ACEITA
cumprimento ao Código de Proteção e Defesa do Consumidor é
imprescindível, pois o CDC, norma de ordem pública e interesse
social, elenca diretrizes específicas quanto à informação que
deve conter nos produtos, nos termo de seu art. 31.

Tratam-se de legislações específicas e uma


não exime a obrigatoriedade de
cumprimento da outra, dessa forma, as
normas se complementam.
Faz-se necessária a ampliação do escopo do capítulo III. FORA DE ESCOPO
Entende-se como comunicação mercadológica qualquer atividade
de comunicação comercial para a divulgação de produtos e
serviços independentemente do suporte ou do meio utilizado; ou
seja, além de anúncios impressos, comerciais televisivos,
spots de rádio e banners na Internet, são exemplos de
comunicação mercadológica as embalagens, as promoções, o
merchandising, e a forma de disposição de produtos em pontos
de vendas, dentre outras.Nesse sentido, a ampliação do
capítulo permitirá uma adequada regulação da forma como o
marketing dos produtos em tela ocorre.

Não está no escopo da Anvisa


Sugerimos a alteração do Art. 13 considerando que existem ACEITA
outras legislações que se referem à rotulagem de produtos HPPC
além da RDC 211/05. (ex. Lei 6360/76, Decreto 79094/77, Listas
e Substâncias harmonizadas no MERCOSUL entre outros)

Contribuição aceita
Crianças abaixo dos 3 anos são propensas a engolir partes
ACEITA
pequenas de objetos.
Contribuição aceita

O presente artigo é extremamente tecnico e genérico, de


maneira que deve ser mais detalhado e esclarecedor. Tudo que é
NÃO ACEITA
genérico favorece o argumento de que não estava previsto na
norma.
A redação do artigo contempla o objetivo.

Trata-se de uma alternativa que pode ser


NÃO ACEITA um diferencial desenvolvido pela empresa,
não sendo necessário constar no
regulamento.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem Anvisa. É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
ser adultas. regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Não devem ser destinadas ao uso independente das crianças e Em função da categoria de produto, os itens
NÃO ACEITA mencionados fazem parte da estratégia de
nem serem deixadas ao seu alcançe.
mercado do produto. No entanto, existem
advertências específicas para cada categoria
de produto.

concordo. Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

SERIA NECESSÁRIO, MAS ACHO MUITO DIFÍCIL, Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

muitos cosmeticos para crianças de ate 6 anos devem conter


dispositicos de segurança para evitar acidentes de ingestão ou Trata-se de uma alternativa que pode ser
NÃO ACEITA
uso inadequado dos prodtutos.produtos em pó deve ter cuidado um diferencial desenvolvido pela empresa,
ainda maior (risco de inalação/sufocamebto). não sendo necessário constar no
regulamento.

Não deve ser imposto se o produto deve ser utilizado por


NÃO ACEITA
A distinção de produtos já é consagrada
meninos ou meninas. pelo uso (senso comum) e retirar isso
apenas dos cosméticos infantis pode não
impactar na questão da sexualidade.

Evitar a manipulação e consequente contaminação do produto. NÃO ACEITA Trata-se de uma alternativa que pode ser
um diferencial desenvolvido pela empresa,
não sendo necessário constar no
regulamento.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Diante de vários estudos de conhecimento geral, a imagem de A regulamentação inicial publicada em 2001
desenhos e artistas podem influenciar o público infantil e foi motivada pela crescente demanda de
NÃO INCORPORADA
incitar a uma utilização desnecessária e abusiva de tais uso indevido de produtos não destinados ao
produtos. uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
já chega de publicidade infantil. isso é um abuso!!! NÃO INCORPORADA uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial publicada em 2001
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem
NÃO ACEITA foi motivada pela crescente demanda de
ser adultas. uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.
Crianças não devem fazer uso de produtos que estimulem
processos alérgicos e suas consequencias mais graves, asim A regulamentação inicial publicada em 2001
como rinites, sinusites, amigdalites, bronquites, asma e foi motivada pela crescente demanda de
NÃO ACEITA uso indevido de produtos não destinados ao
diversas dermatites de contato e micoses inclusive nas
ppálpebras dificílimas de curar, entre outros.O Governo tem uso infantil e produtos sem registro na
que fazer política econômica reponsável. Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.

NÃO SE APLICA A
concordo, mas sera dificil.
ANÁLISE Não foi apresentada nenhuma proposta.
Agradecemos a participação

Tem que haver parâmetros mais claros. Como está dá margem a


ACEITA O artigo será excluído e será utilizado como
interpretações subjetivas.
parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13
Quem deve decidir sobre a necessidade ou permissão para uso de A regulamentação inicial publicada em 2001
tais produtos são apenas os pais, por isso qualquer apelo às NÃO INCORPORADA foi motivada pela crescente demanda de
crianças deve ser terminantemente proibido. uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.

Esta previsão é risível. Não há garantias de que um personagem


ou desenho destinado à idade X não vá atrair crianças de
outras idades. É uma contradição com o parágrafo 2o. do art. NÃO INCORPORADA
11. Qualquer inclusão de personagem ou desenho temático irá
influenciar o público infantil. O artigo será excluído e será utilizado como
parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13
É impossível distinguir quais imagens, figuras, desenhos
induzem e quais não induzem utilização. Fui profissional da
indústria de cosméticos e hoje consultor. E sou pai. Sei que,
NÃO INCORPORADA
na enorme maioria dos casos, se não for para induzir, não
serão usadas figuras, imagens ou desenhos. Se assim é, melhor
que não se possa usar nada, exceto o logo do fabricante.

O artigo será excluído e será utilizado como


parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13

Como já dito acima, não deveria-se permitir nenhum tipo de


ACEITA
figuras, imagens ou desenhos com apelo infantil.
O artigo será excluído e será utilizado como
parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13

O Art. 11 é específico para produtos de uso


Pois esse artigo contradiz completamente o artigo 11! ACEITA adulto que poderão ser utilizados em
crianças. Não é possível especificar todos os
casos de produtos, logo a redação do
presente artigo deve ser abrangente.
ACHO QUE NÃO DEVE INDUZIR AO USO INFERIOR DA IDADE. NÃO INCORPORADA
Agradecemos o comentário

NÃO SE APLICA A ANÁLISE


Não foi apresentada nenhuma proposta.
Agradecemos a participação
Inicialmente, sugere-se também a alteração do título do
capítulo para: CAPÍTULO III - DA EMBALAGEM, ROTULAGEM,
PROMOÇÂO E PUBLICIDADE.Além disso, referindo-se à
justificativa de alteração do art. 11, §2º, não deve haver –
em virtude de ilegalidade - qualquer tipo de comunicação
mercadológica dirigida às crianças, por força da interpretação
conjunta e sistemática da Constituição Federal (art. 227),
NÃO INCORPORADA
Estatuto da Criança e do Adolescente e Código de Defesa do
Consumidor (arts. 26, 37, §2º e 39, IV). Dessa forma, não pode
haver qualquer tipo de figura, imagem ou desenho nos rótulos,
embalagens, material promocional e publicitário com apelo ao
público infantil e/ou que induzam o seu consumo por crianças
de qualquer faixa etária, e não apenas por crianças com idade
inferior à recomendada para uso do produto.
O artigo será excluído e será utilizado como
parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13
A regulamentação inicial publicada em 2001
Evitar marketing abusando da inocencia NÃO INCORPORADA foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial publicada em 2001
A criança que não sabe ler, pode identificar a fruta e ingerir
NÃO INCORPORADA foi motivada pela crescente demanda de
o produto. uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.

Excelente! Minha filha de três anos me põe louco porque a


farmácia vende batom e brilho com ilustrações da Hello Kitty,
NÃO SE APLICA A
idolatrada por todos os bebês, mas num produto recomendado
ANÁLISE
"somente" para maiores de cinco anos. Isso deveria ser
realmente proibido e rigorosamente fiscalizado!!!
Agradecemos o comentário
A compra é feita pelo adulto, não pela criança, e esse A regulamentação inicial publicada em 2001
material apelativo pode induzir a criança a desejar um produto NÃO INCORPORADA foi motivada pela crescente demanda de
que não é adequado à sua idade. uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.

A ressalva deve ser expressa para que a norma não se torne


contraditória, de modo a ferir ao CDC. O art. 11, §2º, da
Resolução sob Consulta veda a utilização, nas embalagens e
material publicitário, de apelos infantis (desenhos, nomes, NÃO INCORPORADA
cores, artistas). Portanto, o art. 15 ao permitir o uso de
figuras imagens ou desenhos deve estar em consonância com a
proibição do art. 11
O artigo será excluído e será utilizado como
parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13
A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a
informação sob qualquer forma não podem sofrer qualquer
restrição, exceto para o caso de propaganda de produtos,
práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde, conforme
versa o art. 220, §3º, II da Constituição Federal.Uma vez que
não há qualquer comprovação científica ou numérica que
demonstre que a utilização de tais figuras, imagens ou
ACEITA
desenhos causem qualquer tipo de prejuízo à criança, ou à sua
saúde, sugere-se a supressão de referido artigo. Tampouco se
comprova de que forma tal medida que ora se pretende impor
poderia proteger a criança de eventuais malefícios. Não pode a
ANVISA, portanto, proibir a utilização de tais métodos de
comunicação na tentativa de regulamentar tema que não possui
qualquer restrição advinda de lei.
O artigo será excluído e será utilizado como
parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13

Exclusão do trecho que menciona material publicitário,


considerando que este não está no escopo desta CP, conforme
mencionado acima.Inclusão da referência para complementar a NÃO INCORPORADA
frase propiciando melhor entendimento do artigo no tocante à
idade.
O artigo será excluído e será utilizado como
parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13
Considerando que a redação do Art. 15 é subjetiva e permite
diferentes interpretações e que as faixas etárias estarão
ACEITA
expressas nas rotulagens dos produtos, sugerimos a exclusão do O artigo será excluído e será utilizado como
referido artigo. parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13

Entendemos que não cabe a ressalva constante no artigo 15


sobre figuras, imagens ou desenhos nos rótulos, embalagens e
material promocional, uma vez que se defende a não utilização
ACEITA
desses elementos em qualquer hipótese. A redação do artigo não
estabelece critérios objetivos para sua própria
verificabilidade. O artigo será excluído e será utilizado como
parâmetro o Art. 9º do Decreto 8.077/13
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
os produtos possuem a indicação
Os mais pequenos podem ingerir por acidente. NÃO ACEITA “mantenha fora do alcance de crianças” por
precaução. Ainda, na rotulagem dos
produtos está estabelecido o critério de
utilização do produto pelo adulto ou sob
sua supervisão. Os cremes dentais já devem
apresentar em sua rotulagem a advertência
de que crianças menores de 6 anos devem
utilizar o produto sob supervisão de um
adulto e os enxaguatórios bucais são
proibidos para menores de 6 anos
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem
NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
ser adultas. regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
Existem protetores solares e outros produtos, como linha pós
sol, que são eficientes e trazem praticidade na aplicação do NÃO ACEITA Será proposto o uso de dispensadores
produto pelos pais em seus filhos pequenos. pressurizados para algumas categorias de
produtos, estabelecendo-se critérios de
segurança e uso.

concordo, pois evitara certas brincadeiras.


Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

OK
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
As apresentações em pó favorecem asfixia. Logo, devem ser
evitadas mesmo nos produtos cujo público-alvo abarque as
Não foi apresentada nenhuma proposta.
crianças mais velhas.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

Será proposto o uso de dispensadores


NÃO INCORPORADA pressurizados para algumas categorias de
produtos, estabelecendo-se critérios de
segurança e uso.
A utilização de produto sob a forma de aerossol exige cuidados
e o cumprimento de normas rígidas, pois inflamáveis. Assim,
deve ser clara e expressa a sua vedação, que vai além de sua
apresentação, envolvendo todos os níveis da cadeia produtora:
fabricação, distribuição, importação e comercialização, de
modo a evitar que tais produtos cheguem ao mercado de consumo,
NÃO INCORPORADA
com destinação infantil, de forma indevida e de maneira a
colocar em risco a saúde e segurança das crianças, de acordo
com os preceitos estabelecidos no art. 3º do CDC, que define
quem é fornecedor; e no art. 6º, I, do CDC que declara ser
direito básico do consumidor a proteção de sua saúde e Será proposto o uso de dispensadores
segurança. pressurizados para algumas categorias de
produtos, estabelecendo-se critérios de
segurança e uso.
“3. Esclarecimentos:
3.1 Há outras formas de apresentação como "sprays", como
"pumps" e "squeezes", por exemplo, que geram partículas no ar
para as quais se aplica a restrição relativa a sistemas
pulverizáveis.
3.2. Há aerossóis que não geram partículas no ar, como, por
exemplo, mousse ou creme de barbear, para os quais a restrição
relativa a sistemas pulverizáveis não se aplica.“

RESOLUÇÃO Nº 29/2012 – Lista Conservantes

“6. ESCLARECIMENTOS:

6.1Há outras formas de apresentação como "sprays", "pumps" e


"squeezes", por exemplo, que geram partículas no ar para as
quais se aplica a restrição relativa a sistemas pulverizáveis.

6.2. Há aerossóis que não liberam partículas no ar, como, por


exemplo, mousse ou creme de barbear, para os quais a restrição
relativa a sistemas pulverizáveis não se aplica.”

Há também legislações abaixo que contemplam a utilização de


embalagem aerossol:
Conforme a Lei 6360/76, produtos
NÃO ACEITA destinados ao uso infantil não poderão ser
apresentados sob a forma de aerossol.
RESOLUÇÃO Nº 211/05 – Cosméticos. Há rotulagem específica
para produtos em aerossol:

• Inflamável. Não pulverizar perto do fogo;


• Não perfurar, nem incinerar;
• Não expor ao sol nem à temperaturas superiores a 50º C;
• Proteger os olhos durante a aplicação;
• Manter fora do alcance de crianças.
• Evite a inalação deste produto" (Art. 108 ‐ Parágrafo Único
‐ Decreto 79.094/77)

RDC n. 77/2007 - refere-se especificamente a “espuma de


carnaval”, “neve de carnaval”, “neve artificial”,
“serpentina”, “teia” ou qualquer outra denominação similar,
apresentados na forma de aerossol, que possam entrar em
contato direto com a pele, mucosas e/ou olhos” .
• categoria de produto não identificada, ou seja, não
classificada nem como cosmético, nem como saneante
• são produtos isentos de registro

Motivos para a permissão

Conforme mencionado anteriormente, as inovações tecnológicas


trazem hoje possibilidades de embalagens pressurizadas seguras
para o uso em cosméticos infantis.

Este tipo de embalagem representa uma inovação em termos de


embalagem, trazendo muitos benefícios e vantagens em relação a
Nacional de Saúde, publicada em Diário Oficial da União,
destinada a divulgar aqueles cujo emprego possa ser permitido
em aerosóis”.
Do ponto de vista de formulação em sistemas pulverizáveis, que
podem gerar ou não partículas no ar, diversas restrições são
mencionadas nas atuais listas de ingredientes na legislação de
cosméticos emitidos por esta Gerencia de Cosméticos da ANVISA,
conforme abaixo:
 RESOLUÇÃO Nº 3/2012 – Lista Restritiva
“3. Esclarecimentos:
3.1 Há outras formas de apresentação como "sprays", como
"pumps" e "squeezes", por exemplo, que geram partículas no ar
para as quais se aplica a restrição relativa a sistemas
pulverizáveis.
3.2. Há aerossóis que não geram partículas no ar, como, por
exemplo, mousse ou creme de barbear, para os quais a restrição
relativa a sistemas pulverizáveis não se aplica.“
 RESOLUÇÃO Nº 29/2012 – Lista Conservantes
“6. ESCLARECIMENTOS:
Conforme a Lei 6360/76, produtos
NÃO ACEITA destinados ao uso infantil não poderão ser
6.1 Há outras formas de apresentação como "sprays", "pumps" e
apresentados sob a forma de aerossol.
"squeezes", por exemplo, que geram partículas no ar para as
quais se aplica a restrição relativa a sistemas pulverizáveis.
6.2. Há aerossóis que não liberam partículas no ar, como, por
exemplo, mousse ou creme de barbear, para os quais a restrição
relativa a sistemas pulverizáveis não se aplica.”
Há também legislações abaixo que contemplam a utilização de
embalagem aerossol:
 RESOLUÇÃO Nº 211/05 – Cosméticos. Há rotulagem específica
para produtos em aerossol:
• Inflamável. Não pulverizar perto do fogo;
• Não perfurar, nem incinerar;
• Não expor ao sol nem à temperaturas superiores a 50º C;
• Proteger os olhos durante a aplicação;
• Manter fora do alcance de crianças.
• Evite a inalação deste produto" (Art. 108 ‐ Parágrafo Único
‐ Decreto 79.094/77)
 RDC n. 77/2007 - refere-se especificamente a “espuma de
carnaval”, “neve de carnaval”, “neve artificial”,
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Crianças não precisam de cosméticos. NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
NÃO ACEITA

Já está estabelecido na norma que os


fabricantes deverão atender na norma os
requisitos constantes do Anexo II.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem Anvisa é garantir que produtos
NÃO ACEITA seguros sejam lançados no
ser adultas.
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.

nada a opinar
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
Vedação de fabricação e venda de cosméticos para crianças. NÃO ACEITA seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é
atualizar a legislação atualmente
vigente, publicada em 2001. A
Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam
lançados no mercado, independente
do público alvo e, para isso,
além do regulamento proposto são
estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias
permitidas com o foco na
segurança de uso.

OK
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

O prazo estabelecido é necessário para


Não há necessidade de uma vacatio legis tão grande. NÃO ACEITA realização de teste e adequação dos
produtos.

Nova redação pois o processo de atualização das artes e


embalagens dos produtos pode ser um pouco moroso e custoso,
além de envolver vários países em alguns casos. Por tais PARCIALMENTE ACEITA
fatores sugerimos um tempo maior para revogação da Resolução
RDC nº 38, de 21 de março de 2001.

O prazo foi alterado para 12 (DOZE) meses.


O prazo de 180 dias não é viável para as adequações
necessárias, pois haverá diversos impactos nos produtos hoje
comercializados conforme demonstrado na tabela abaixo: 120-150
diasNos casos em que seja necessária a Reformulação do
produto: Seleção de novos ingredientes; produção de lotes
piloto; avaliação preliminar do processo produtivo para
expansão em escala industrial e da estabilidade da nova
formulação.90-120 diasEstabilidade acelerada/Compatibilidade:
Alocação das amostras nas câmaras de estabilidade; testes de
qualidade após transcorrido o período do teste; avaliação dos
resultados.90-120 diasRealização de novos ensaios de
segurança, quando pertinente: Seleção de voluntários e
montagem do painel; execução dos testes; análise e confecção
de relatório conclusivo.60 diasRevisão e adequação de proposta
de rotulagem: “Claims” (exclusões de claims para atendimento à PARCIALMENTE ACEITA
nova regulamentação e inclusões de claims com base nas
características da nova formulação e nos resultados dos novos
estudos realizados), texto mercadológico, figuras.90-150
diasPagamento de taxa, preparação de documentação,
peticionamento, analise técnica e publicação de seu registro
no D.O.U.30 diasInclusão do número de registro e/ou correção
requerida nas artes dos produtos: Ajuste no desenho,
aprovações e revisões da arte final.30 diasFormalização das
compras de materiais (inclusive de fornecedores
internacionais), insumos de embalagem, rotulagem.120-150
diasRecebimento de materiais e insumos para a produção.60-120
diasEm caso de produto importado: transporte marítimo e
liberação aduaneira60-90 diasDistribuição e abastecimento no O prazo foi alterado para 12 (DOZE) meses.
mercado nacional.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem
NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
ser adultas. regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.

ser mais detalhista.


Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
OK Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

NÃO ACEITA A proposta é uma sanção prevista em Lei


que será aplicada mediante procedimento
administrativo pertinente.

n NÃO ACEITA

A responsabilidade civil, administrativa e


penal cabíveis é da empresa detentora do
registro do produto.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Tal autorização só interessa aos produtores de tais produtos. NÃO ACEITA Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Não devemos incentivar o comportamento das crianças que querem Anvisa. É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
ser adultas. regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. O objetivo da Anvisa é
garantir que produtos seguros sejam
lançados no mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de produtos de
higiene pessoal, cosméticos e perfumes,
pois todas são previstas para uso infantil.O
objetivo desse regulamento é atualizar a
legislação atualmente vigente, publicada em
2001. A Anvisa tem como objetivo garantir
que produtos seguros sejam lançados no
mercado, independente do público alvo e,
para isso, além do regulamento proposto
são estabelecidas normas específicas
contemplando substâncias permitidas com
o foco na segurança de uso.

concordo.
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
ACHO QUE TEM QUE DAR UM PERÍODO PARA AS EMPRESAS SE ADEQUAREM. ACEITA
A legislação já contempla prazo no Art. 17.

Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
dirigentes e técnicos, o alinhamento da
experiência da Agência com a Política
Regulatória do Governo, o aperfeiçoamento
da coleta de dados e dos sistemas de
informação e o desenho e implementação
de rotinas para consultas externas.
Nesse sentido, a participação da Secretaria
de Acompanhamento Econômico/SEAE do
Ministério da Fazenda e de outros órgãos da
Administração Pública nas consultas
públicas da Agência pode ser compreendida
como um reconhecimento externo do
esforço institucional da Agência no
aprimoramento de práticas regulatórias que
corroboram com as mudanças culturais e
institucionais necessárias para a
continuidade do processo de implantação
de AIR na Anvisa.
Ante todo o exposto, a Seae considera recomendável a apresentação das As sugestões procedimentais apresentadas
justificativas que levaram a Agência a editar norma regulatória, a fim de que haja o pela Secretaria de Acompanhamento
aperfeiçoamento da norma proposta. Todavia, sobre o mérito não possui óbices a Econômico/SEAE são importantes pois
manifestar. reforçam a necessidade das medidas que
vem sendo desenvolvidas pela Anvisa no
âmbito da Análise de Impacto Regulatório.
Trata-se, no entanto, de iniciativa pioneira
no âmbito da Administração Pública
Brasileira, em caráter experimental e sujeita
a ajustes metodológicos e procedimentais,
cujo aprendizado tem contribuído para o
desenvolvimento e adaptação de técnicas e
ferramentas à realidade brasileira e no
campo de atuação da Agência.
Havendo ainda alguma dúvida ou
necessidade de informações adicionais,
recomendamos entrar em contato com o
Nucleo de Regulação e Boas Práticas
Regulatórias da Anvisa.
NÃO INCORPORADA
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Na minha proposta, eles estão excluídos da presente portaria NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

São produtos utilizados pelo público infantil e que podem


NÃO ACEITA
gerar danos Os produtos "descartáveis" são
contemplados em outra norma.

NÃO ACEITA
Não foi justificada a contribuição

O desodorante é previsto apenas para


Crianças não necessitam usar desodorantes, axilar ou pédico. NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Sou contrario a qualquer autorização de produtos cosméticos produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
para crianças. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

O desodorante é previsto apenas para


Dispensável NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.

O desodorante é previsto apenas para


NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.
Seu uso deveria ser proibido para crianças pelo risco de O produto deve ser aplicado exclusivamente
NÃO ACEITA por adulto e deve ser mantido fora do
sufocação
alcance das crianças, estes dizeres devem
constar na rotulagem do produto como
advertência de rotulagem.

Sendo produtos para higiene e que seja comprovado que nao Existe o cuidado criterioso na escolha de
fazem NENHUM TIPO DE MAL e se fazem as empresas devem buscar NÃO ACEITA ingredientes no desenvolvimento das
formulas que nao façam mal. formulações infantis e nos casos específicos
são estabelecidos os testes de segurança
necessários.

Os mesmos só deveriam ser utilizados por crianças mediante O desodorante é previsto apenas para
orientação médica.
NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.
instrumento eficaz e seguro na prevenção e
controle da cárie dentária. Estudos
apresentados evidenciam que os efeitos
preventivos de cárie relativos aos
dentifrícios fluoretados aumentam com
uma alta na concentração de flúor, com
resultados significantes somente para
concentrações de 1000 ppm (0,1%) e acima.

Estudos confirmam que metade do F


ingerido diariamente por crianças em idade
de risco para a fluorose (até 3 anos de
idade) venha a partir da alimentação, e o
restante a partir da ingestão inadvertida de
dentifrícios fluoretados. O F ingerido a
partir de dentifrícios precisa ser absorvido
no trato gastrointestinal, e há evidências de
que apenas o fluoreto solúvel no dentifrício
seja capaz de ser absorvido. Se a escovação
for feita após as refeições, a presença do
A água já é fluoretada na maioria das cidades. Não há alimento no estômago reduzirá a absorção
necessidade de mais produto com flúor que em excesso causam do F inadvertidamente ingerido.
uma cristalização e endurecimento precoce de estruturas A recomendação universal de uso de um
cerebrais. Outros produtos desodorantes não são necessários na NÃO ACEITA dentifrício de pelo menos 1.100 ppm F para
infância pois a simples higiene com água e sabonete já é o controle da cárie está de acordo com a
suficiente pois crianças ainda não desenvolveram glândulas que recomendação do Ministério da saúde em
provocam mal cheiro seu Guia para o uso de Fluoretos nos Brasil.
A recomendação de se ter a supervisão de
um adulto para evitar a ingestão e de se
utilizar uma pequena quantidade de
dentifrício para cada escovação (conforme
RDC nº 3/2012), é a forma eficiente e
educativa de minimizar o risco de fluorose
dental associada ao uso de dentifrícios
fluoretados por crianças de pouca idade.
Assim, com base em referências técnico-
científicas a categoria de produto prevista
será mantida.
Quanto ao desodorant, o produto é
previsto apenas para crianças a partir de 8
anos, onde pode se iniciar a puberdade
precoce, conforme literaturas disponíveis.
Tais produtos são desnecessários para utilização de crianças
ou aqueles que já existem no mercado atendem perfeitamente a NÃO ACEITA
necessidade desse público.

Essas categorias foram previstas, pois são


categorias que também são necessárias
para o público infantil.

todo produto necessita muito enxágue, do contrário penetra nos


olhos e isso se torna uma contaminação cronica na criança. por
isso retirar cond. sem enxágue e enxágues bucais (enxague
bucal se faz com água após boa escovação , fio dental e dieta
NÃO ACEITA
com pouco açúcar). óleos corporais contém xileno, tolueno,
benzeno, pra que colocar isso nas crianças. pós corporal é
amido de milho, é o melhor, apesar de no Brasil ser amido
transgenico. Essas categorias foram previstas, pois são
categorias que também são necessárias
para o público infantil.
Existe o cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento das
por ser prejudicial a pele NÃO ACEITA formulações infantis e nos casos específicos
são estabelecidos os testes de segurança
necessários.

Raramente haverá necessidade de seu uso, por isso, a criação O desodorante é previsto apenas para
de produtos específicos para crianças, pode criar o desejo sem NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
que haja real necessidade. iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.

Nenhuma Alteração. Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
O desodorante é previsto apenas para
NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.

nada a opinar Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

Produtos absolutamente dispensáveis.O uso indiscriminado de A regulamentação inicial publicada em 2001


substâncias químicas em crianças deveria ser absolutamente foi motivada pela crescente demanda de
proibido. Há que se considerar que são vidas em formação e NÃO ACEITA uso indevido de produtos não destinados ao
toda e qualquer interferência artificial poderá ter custos uso infantil e produtos sem registro na
irreparáveis no futuro da saúde. Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o cuidado
criterioso na escolha de ingredientes no
desenvolvimento das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
os desodorantes e sabonetes bactericidas tem componentes que
destinados ao uso infantil e
interferem na flora natural da pele da criança. Além de serem
produtos sem registro na Anvisa.
desnecessários. Talco solta partículas no ar que se inaladas
É necessária a atualização da
podem causar irritação nas vias aéreas. Os enxaguatórios
NÃO ACEITA regulamentação de produtos
interferem na flora da boca. Todos estes produtos são
higiene pessoal, cosméticos e
fabricados em versão infantil mais para formar consumidor do
perfumes infantis, pois esses
que por necessidade. A indústria quer criar o hábito desde a
produtos tem sido utilizados com
mais tenra idade para ter adultos fidelizados.
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

Crianças não têm necessidade de usar desodorante, isso é O desodorante é previsto apenas para
apenas um apelo para imitar os adultos
NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.
controle da cárie dentária. Estudos
apresentados evidenciam que os efeitos
preventivos de cárie relativos aos
dentifrícios fluoretados aumentam com
uma alta na concentração de flúor, com
resultados significantes somente para
concentrações de 1000 ppm (0,1%) e acima.

Estudos confirmam que metade do F


ingerido diariamente por crianças em idade
de risco para a fluorose (até 3 anos de
idade) venha a partir da alimentação, e o
restante a partir da ingestão inadvertida de
dentifrícios fluoretados. O F ingerido a
partir de dentifrícios precisa ser absorvido
no trato gastrointestinal, e há evidências de
que apenas o fluoreto solúvel no dentifrício
seja capaz de ser absorvido. Se a escovação
for feita após as refeições, a presença do
NÃO ACEITA alimento no estômago reduzirá a absorção
do F inadvertidamente ingerido.
A recomendação universal de uso de um
dentifrício de pelo menos 1.100 ppm F para
o controle da cárie está de acordo com a
recomendação do Ministério da saúde em
seu Guia para o uso de Fluoretos nos Brasil.
A recomendação de se ter a supervisão de
um adulto para evitar a ingestão e de se
utilizar uma pequena quantidade de
dentifrício para cada escovação (conforme
RDC nº 3/2012), é a forma eficiente e
educativa de minimizar o risco de fluorose
dental associada ao uso de dentifrícios
fluoretados por crianças de pouca idade.
Assim, com base em referências técnico-
científicas a categoria de produto prevista
será mantida.

Agora tem a nova fralda da pampers, por exemplo, para crianças


NÃO ACEITA Os produtos "descartáveis" são
com mais de um ano cheias de energia...
contemplados em outra norma.
A regulamentação inicial publicada em 2001
foi motivada pela crescente demanda de
Crianças não necessitam de desodorantes e óleos. NÃO ACEITA uso indevido de produtos não destinados ao
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o cuidado
criterioso na escolha de ingredientes no
desenvolvimento das formulações infantis.

O desodorante é previsto apenas para


NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.

Somente adolescentes necessitam desodorante porque o odor O desodorante é previsto apenas para
natural das axilas e pés vem com a puberdade. Mau cheiro nos NÃO ACEITA crianças a partir de 8 anos, onde pode se
pés de crianças é sinal de micose e falta de higiene. iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.
A regulamentação inicial publicada em 2001
O uso de enxaguatórios bucais é controverso mesmo para foi motivada pela crescente demanda de
NÃO ACEITA uso indevido de produtos não destinados ao
adultos. Para que expor as crianças a isso?
uso infantil e produtos sem registro na
Anvisa. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos higiene
pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o cuidado
criterioso na escolha de ingredientes no
desenvolvimento das formulações infantis.
ESTÁ OK NÃO ACEITA
Sem comentários

NÃO ACEITA
Não foi justificada a contribuição

Não há necessidade de uso desses produtos por crianças. NÃO ACEITA Essas categorias foram previstas, pois são
categorias que também são utilizadas para o
público infantil. Existe o cuidado criterioso
na escolha de ingredientes no
desenvolvimento das formulações infantis.
controle da cárie dentária. Estudos
apresentados evidenciam que os efeitos
preventivos de cárie relativos aos
dentifrícios fluoretados aumentam com
uma alta na concentração de flúor, com
resultados significantes somente para
concentrações de 1000 ppm (0,1%) e acima.

Estudos confirmam que metade do F


ingerido diariamente por crianças em idade
de risco para a fluorose (até 3 anos de
idade) venha a partir da alimentação, e o
restante a partir da ingestão inadvertida de
dentifrícios fluoretados. O F ingerido a
partir de dentifrícios precisa ser absorvido
no trato gastrointestinal, e há evidências de
que apenas o fluoreto solúvel no dentifrício
seja capaz de ser absorvido. Se a escovação
for feita após as refeições, a presença do
O flúor se ingerido faz mal à saúde, não devendo ser
NÃO ACEITA alimento no estômago reduzirá a absorção
introduzidos aos infantes; do F inadvertidamente ingerido.
A recomendação universal de uso de um
dentifrício de pelo menos 1.100 ppm F para
o controle da cárie está de acordo com a
recomendação do Ministério da saúde em
seu Guia para o uso de Fluoretos nos Brasil.
A recomendação de se ter a supervisão de
um adulto para evitar a ingestão e de se
utilizar uma pequena quantidade de
dentifrício para cada escovação (conforme
RDC nº 3/2012), é a forma eficiente e
educativa de minimizar o risco de fluorose
dental associada ao uso de dentifrícios
fluoretados por crianças de pouca idade.
Assim, com base em referências técnico-
científicas a categoria de produto prevista
será mantida.
Crianças não precisam de desodorantes esses são produtos para
NÃO ACEITA
adultos!

O desodorante é previsto apenas para


crianças a partir de 8 anos, onde pode se
iniciar a puberdade precoce, conforme
literaturas disponíveis.

O produto deve ser aplicado exclusivamente


Perigo de ingestão e sufocamento. NÃO ACEITA por adulto e deve ser mantido fora do
alcance das crianças, estes dizeres devem
constar na rotulagem do produto como
advertência de rotulagem.

Sou leiga no assunto, mas sei que o flúor só é aceitável após


os 6 anos de idade. E me pergunto se crianças até os doze anos
realmente precisam de Dentifrício com Flúor. Fato é que esse
produto se encontram no mercado como fotos coloridas e
personagens enormes de desenhos animados e só em algum lugar, A regulamentação inicial publicada em 2001
em letras minúsculas, se lê que o uso não é recomendado para foi motivada pela crescente demanda de
NÃO ACEITA uso indevido de produtos não destinados ao
menores de 6 anos. Portanto, acho que o ideal seria que não se
considerass dentifrício com flúor como produto infantil, mesmo uso infantil e produtos sem registro na
porque é já existe no mercado produtos que atendam às Anvisa. É necessária a atualização da
necessidades de higiene sem conter flúor.Quanto ao desodorante regulamentação de produtos higiene
de qq tipo, não se faz necessário antes da adolescência. pessoal, cosméticos e perfumes infantis,
Portanto não deve ser ofertado a crianças. pois esses produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o cuidado
criterioso na escolha de ingredientes no
desenvolvimento das formulações infantis.
Desnecessidade desses produtos para a criança. Risco de Essas categorias foram previstas, pois são
NÃO ACEITA categorias que também são utilizadas para o
aspiração do pó corporal.
público infantil. Existe o cuidado criterioso
na escolha de ingredientes no
desenvolvimento das formulações infantis.

Dúvidas sobre os textos apresentados para tais produtos acima


mencionados, no entendimento e na base técnica para tais
advertências, limitações e requerimentos. Sem sugestões NÃO ACEITA
específicas, somente solicitamos cautelosa revisão técnica e Não houve contribuições semelhantes, logo
da redação pelo grupo responsável pela CP. não foi identificada a necessidade de
revisão da formatação da norma.
maior a este tipo de tratamento, suportando a indicação do
produto para o público infantil.Por apresentarem-se na forma
líquida, os enxaguatórios bucais atingem locais dificilmente
alcançados pela escovação dental, possibilitando o adequado
controle da placa bacteriana.Segundo um Parecer Técnico
emitido pelo Professor Doutor Cassiano Kuchenbecker Rösing da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Anexo 1), o uso de
soluções antissépticas como parte das práticas de higiene
bucal tem sido objeto de inúmeros estudos em odontologia
preventiva e terapêutica. Segundo o Professor Rösing, as
maiores dificuldades em termos de higiene bucal focam-se nas
áreas interdentais e o uso de fio dental, que é realizado
timidamente por toda a população brasileira, não tem sido
suficiente para deter o aparecimento de problemas dentais
nestas áreas. Portanto, é importante adotar estratégias
adicionais para minimizar o efeito deletério da presença de
placa bacteriana residual na boca de indivíduos de todas as
idades. Neste sentido, o uso de substâncias antimicrobianas
assume um papel preponderante.São claras as dificuldades
motivacionais e de motricidade para o adequado controle da
placa bacteriana por crianças, deste modo é importante se
disponibilizar no mercado produtos com apelo para este tipo de
público, como por exemplo, presença de personagens infantis,
cores atrativas e sabores suaves como os de fruta. Os produtos PARCIALMENTE ACEITA
enxaguatórios bucais com ação antisséptica indicados para
adultos normalmente apresentam sabores mais fortes e
refrescantes, como por exemplo menta e eucalipto, os quais são
dificilmente aceitos pelo paladar infantil, por este motivo
destacamos que a disponibilização de produtos específicos para
crianças se faz necessária.De acordo com um estudo de 06
(seis) meses, os autores concluíram que o uso prolongado de
produtos enxaguatórios bucais com ação antisséptica não
promove resistência ou seleção bacteriana na flora bucal e que
a redução dos patógenos é feita de uma forma equalizada, ou
seja, tanto as bactérias patogênicas quanto as não patogênicas
são reduzidas em iguais proporções.Desta maneira pode-se dizer
que não houve nenhum dano/efeito adverso à flora oral natural 1.Em função do público alvo e devido a com
(MINAH GE et al, J Clin Periodontol 1989 Vol16, 343-352/ Anexo base na necessidade de uso, foram
2).Levando-se em consideração os dados presentes em literatura
delimitadas as categorias de desodorante
apenas axilar e pédico, não se justificando
bem como diversos acompanhamentos de estudo de fase IV (pós-
ampliação de outras categorias. 2.
comercialização), é possível dizer que a utilização em público
SUGESTÃO ACEITA. 3.SUGESTÃO ACEITA.
infantil de produtos enxaguatórios bucais contendo
ingredientes antissépticos que tenham seu uso permitido e
estejam dentro dos limites estabelecidos pela legislação
sanitária é segura e é um excelente complemento aos
procedimentos de higiene bucal.Destacamos ainda a existência
no mercado de produtos enxaguatórios bucais com ação
antisséptica de uso infantil regularizado na ANVISA, conforme
segue:- Anti Séptico Bucal Bitufo Ben 10 Tutti
FruttiCategoria: Enxaguatório Bucal InfantilMS-2.3956.0024-
Enxaguante Bucal Colgate Plax Kids Bob EsponjaCategoria:
Enxaguatório Bucal InfantilMS-2.4970.0247- Anti-Séptico Bucal
com Flúor Condor Júnior Sabor MorangoCategoria: Enxaguatório
Tratam-se de dois grupos de produto diferentes conforme tabela
ACEITA Sujestão aceita
do anexo II.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
os mesmos tendem a afetar sua percepção de mundo, tornando-a destinados ao uso infantil e
"adulta" e expondo à riscos desnecessários. Cada criança deve produtos sem registro na Anvisa.
ter produtos para criança (INFANTIS) que atendam não só a NÃO ACEITA É necessária a atualização da
saúde física como também MENTAL, não distorcendo sua visão e regulamentação de produtos
postura infantis. higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Embora o ideal seja a proibição, sabemos que principalmente


crianças bailarinas usam, então seria interessante incluir NÃO ACEITA As categorias citadas não serão
caso venha a ter uma linha infantil incluídas em função do risco de
aplicação e do contato com os
olhos.
A regulamentação inicial
Crianças não tem NENHUMA necessidade de fazer uso de publicada em 2001 foi motivada
cosméticos com intenção de embelezá-las, esse é um pela crescente demanda de uso
comportamento adulto, criança precisa brincar e não pintar o indevido de produtos não
NÃO ACEITA destinados ao uso infantil e
rosto com o objetivo de parecer mais bonita (mais bonita para
quem? para quê? com qual objetivo, atrair o sexo oposto? se produtos sem registro na Anvisa.
sentir melhor?). É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Sou contrario a qualquer autorização de produtos cosméticos É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
para crianças. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Não há que o governo intervenha. Os pais devem regular. NÃO ACEITA
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
Como acadêmico e doutorando em psicologia desportiva em
questões relativas a formação da identidade e promoção de
estilos de vida saudável, estou atento ao fato de que a
A regulamentação inicial
promoção, comercialização e publicidade de produtos cosméticos
publicada em 2001 foi motivada
enfatizando a promoção da beleza podem trazer prejuízo para as
pela crescente demanda de uso
crianças.Inúmeras investigações tanto nacionais quanto
indevido de produtos não
internacionais suportam a afirmação de que preocupações
destinados ao uso infantil e
relacionadas ao corpo e a aparência física apresentam grande NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
impacto no bem-estar geral, consequentes reveses quanto a
É necessária a atualização da
adoção de comportamentos de risco para a saúde e prejuízo em
regulamentação de produtos
aspectos psicológicos determinantes da saúde física e mental
higiene pessoal, cosméticos e
de jovens e adolescentes.É nesse sentido, e sob um olhar de
perfumes infantis, pois esses
educador e promotor de saúde, sugiro que seja repensada e tida
produtos tem sido utilizados com
como questão de saúde pública nacional, a permissão deste tipo
maior frequência. Existe o
de produtos para crianças.
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
Crianças não devem usar cosméticos ja que vários favorecem o
A regulamentação inicial
surgimento de alergias. As crianças estao com o sistema
NÃO ACEITA publicada em 2001 foi motivada
imunológico se formando e nao devem ser expostas a estes danos
pela crescente demanda de uso
que são comprovados que existem
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
Os artigos de maquiagem, perfumes e similares devem ser
excluídos pois não são necessários e são prejudiciais ao A regulamentação inicial
resguardo e proteção da infância. A indústria de cosméticos NÃO ACEITA publicada em 2001 foi motivada
quer mais essa faixa de consumo mas as crianças nada ganharão pela crescente demanda de uso
com isso. indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
produtos como esmaltes, maquiagem sao absolutamente nocivos e destinados ao uso infantil e
desnecessarios para as criancas, pois seu consumo incetiva a produtos sem registro na Anvisa.
superficialidade, a inversao de valores.criancas precisam de NÃO ACEITA É necessária a atualização da
brinquedos reais, que colaborem para um desenvolvimento sadio, regulamentação de produtos
que colaborem para a consciencia do exercicio da cidadania. higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Os produtos citados são desnecessários para utilização de
destinados ao uso infantil e
crianças ou aqueles que já existem no mercado atendem NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
perfeitamente a necessidade desse público.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
Os produtos listados vão de encontro ao §1º do artigo 3º da
indevido de produtos não
própria resolução, ou seja, não possuem "justificada a
destinados ao uso infantil e
pertinência de uso no público infantil". Ademais, estimulam o NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
consumismo e a erotização precoce, sendo, portanto,
É necessária a atualização da
inadequados para o uso infantil.
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
Esses produtos incentivam um amadurecimento precoce, uma vez
que seu uso incentiva a criança atentar se parecer com um A regulamentação inicial
adulto.Ao maquiar-se como uma mulher adulta, a criança pode NÃO ACEITA publicada em 2001 foi motivada
estar abrindo espaço para ser vista como mulher adulta, e, em pela crescente demanda de uso
certos círculos, ter ampliado seu risco de assédio. indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
todos contém muita química que danifica os tecidos e órgão, indevido de produtos não
especialmente os sensíveis das crianças. que educação queremos destinados ao uso infantil e
dar a nossos filhos quando lhes ensinamos a usar na mais tenra produtos sem registro na Anvisa.
idade, em que deveriam estar protegidos e embalados em sua NÃO ACEITA É necessária a atualização da
inocencia, produtos que alteram sua beleza natural, deixa as regulamentação de produtos
meninas fixadas em beleza fisica e as envelhece antes da hora. higiene pessoal, cosméticos e
queremos uma sexualização da infancia no nosso país... perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Poderão causar alergia. Lesões de pele e oculares, no caso das
NÃO ACEITA produtos sem registro na Anvisa.
sombras.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
por ser prejudicial a pele NÃO ACEITA publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
Proteção por exageros. NÃO ACEITA
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
São altamente prejudiciais à pele. NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
Produtos inúteis para uso infantil, prejudiciais a infância. É
indevido de produtos não
muito triste ver bebês de esmalte, e muito feio crianças com
destinados ao uso infantil e
unhas vermelhas, irresponsabilidade dos pais, as mães NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
incentivam essas crianças ``bizarras`` que acabam em concursos
É necessária a atualização da
de mini miss, com botox antes dos 12 anos!!
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
O uso de de maquiagem sempre visou à um público jovem ou pela crescente demanda de uso
adulto. a padronização principalmente de maquiagem para o indevido de produtos não
público infantil, poderia incentivar o uso precoce e destinados ao uso infantil e
banalizado por meninas. A infancia deveria ser mais poupada, produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
protegida e preservada, principalmente em nossa sociedade, É necessária a atualização da
quando ainda se tem notícias de abusos e exploração sexual de regulamentação de produtos
crianças . Os únicos à ganhar seriam as industrias de higiene pessoal, cosméticos e
cosméticos. perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Quem pintas as unhas, inclusive as crianças, gerlamente usa


NÃO ACEITA
estes produtos, além do esmalte em si. Considerando que o esmalte deverá ser
facilmente removido com água e sabonete,
não é necessária a criação do grupo
removedor de esmaltes.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
Vamos manter nossas criancas como criancas durante o maximo de pela crescente demanda de uso
tempo possivel, que hoje em dia nao é muito tempo. A indevido de produtos não
regulamentacao é importante, mas a liberacao de produtos de destinados ao uso infantil e
maquiagem para criancas a partir de 3 anos de idade será mais produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA
um incentivo para torná-las cada vez mais MINI ADULTOS ao É necessária a atualização da
inves de criancas. Além disso, uma crianca de 3 anos de idade regulamentação de produtos
está na transição de bebe para crianca. Nao tem cabimento o higiene pessoal, cosméticos e
governo liberar (incentivar) o uso de maquiagem para elas. perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Estes produtos produzem um alto índice de doenças de pele, destinados ao uso infantil e
incluindo micoses e dermatites de contato crônicas e não produtos sem registro na Anvisa.
devem ser de forma alguma liberados para uso infantil, mesmo NÃO ACEITA É necessária a atualização da
com regulaçõa do governo. além de estimularem a entrada regulamentação de produtos
precoce na vida adulta. higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Defendo a exclusão dos produtos acima por acreditar que não produtos sem registro na Anvisa.
são necessários aos cuidados básicos de uma criança e muitos É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
ainda estimulam precocemente a vaidade e a preocupaçaõ com a regulamentação de produtos
imagem higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
como ja sugeri anteriormente criancas com menos de 12 anos, É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
nao deveria usar maquiagem. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

NÃO ACEITA

Não foi justificada a contribuição


A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
É um absurdo as empresas "empurrarem" produtos como:reparador produtos sem registro na Anvisa.
de pontas para cabelos !! destinado a crianças!?- maquiagem É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
capilar é até contra-indicada para gestantes; por que teria regulamentação de produtos
seu uso liberado para crianças? higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Trata-se de itens de maquiagem, o que é de uso adulto.Não se É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
justifica liberação de venda. Entendo ser apelo de mercado. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Superfulos, sua publicidade afetará muitas criaças, os quais É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
seus pais nao tem poder aquisitivo. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
São produtos para adultos e descenessários para crianças - produtos sem registro na Anvisa.
única finalidade é promover a adultização, problema sério que NÃO ACEITA É necessária a atualização da
a Anvisa não pode permitir regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Estes produtos não pertencem ao mundo infantil. Criança não destinados ao uso infantil e
usa maquiagem. Este comportamento gera adultização e produtos sem registro na Anvisa.
erotização precoce. Bem como, cria uma necessidade que não há. É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
Levará a criança a acreditar que precisa desses itens para regulamentação de produtos
ficar "bonita", o que acarreta problemas psicológicos de auto- higiene pessoal, cosméticos e
estima. perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Crianças não necessitam da maioria destes cosméticos, com
destinados ao uso infantil e
exceção dos protetores solar e labial, produto pós sol, NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
hidratante e produto para prevenir assaduras.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
não existe pertinência, tampouco necessidade, de uso destes
pela crescente demanda de uso
cosméticos por parte das crianças. Em especial porque é
indevido de produtos não
reconhecido pelas sociedades médicas - em especial dos
destinados ao uso infantil e
pediatras - que o uso habitual de tais produtos por parte de NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
criancás pode interferir no desencadeamento da puberdade
É necessária a atualização da
precoce, que atualmente atinge índices alarmantes e se trata
regulamentação de produtos
de um problema de saúde pública.
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Crianças precisam mesmo usar esmalte, pó facial, sombra, blush produtos sem registro na Anvisa.
e batom? A Anvisa vai realmente chancelar esse assalto à NÃO ACEITA É necessária a atualização da
infância por parte da indústria? regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
Nao acredito ser apropriado para o uso infantil e nem vejo publicada em 2001 foi motivada
comprovada a pertinencia do uso de maquiagem, esmaltes e afins pela crescente demanda de uso
para esse público. Esse tipo de cosmético só introduz mais indevido de produtos não
ainda nas crianças um padrao de beleza que é vendido destinados ao uso infantil e
diariamente nas revistas, jornais, outdoors e televisão. Se produtos sem registro na Anvisa.
esse padrao de beleza já é massacrante para adultos, que NÃO ACEITA É necessária a atualização da
muitas vezes desenvolvem transtornos alimentares e crises de regulamentação de produtos
auto-estima, o é muito mais para crianças, que ainda estão higiene pessoal, cosméticos e
desenvolvendo sua personalidade e nao sabem lidar com os perfumes infantis, pois esses
anúncios de cosméticos de forma madura, se tornando ainda mais produtos tem sido utilizados com
um grupo de risco para esses transtornos psicológicos. maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Produtos que incentivam as crianças a utilizarem maquiagem e
destinados ao uso infantil e
outros produtos de uso adulto. Os produtos podem ser NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
extremamente prejudiciais à pele.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
As crianças não devem ser estimuladas a utilizar os itens pela crescente demanda de uso
acima listados. Tampouco seus pais devem ser induzidos a indevido de produtos não
compra destes produtos. Atualmente já há uma pressão grande destinados ao uso infantil e
NÃO ACEITA
nas escolas para que crianças pequenas (4/5 anos0 usem produtos sem registro na Anvisa.
maquiagem e pintem as unhas. Deveria haver uma restrição do É necessária a atualização da
uso destes produtos para crianças tão pequenas. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
Por favor, consultem Psiquiatras e Psicólogos! Permitir às
indevido de produtos não
crianças produtos seguros para que possam expressar sua
destinados ao uso infantil e
criatividade, é ótimo. Mas permitir que as empresas passem a NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
comercializar produtos cosméticos tipo MAQUIAGEM FEMENINA é um
É necessária a atualização da
abuso!
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
Há muitos adultos que não usam esse produto. Por que seria indevido de produtos não
NÃO ACEITA destinados ao uso infantil e
necessário em crianças?
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Vedar a fabricação e venda de cosméticos para crianças. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Como eu, que sou mãe de uma menina de 3 anos, saberei quais destinados ao uso infantil e
serão os efeitos desses produtos na pele da minha filha a produtos sem registro na Anvisa.
longo prazo? Pois maquiagem é algo que todos sabem que causam NÃO ACEITA É necessária a atualização da
envelhecimento precoce, alergia, entre outros problemas em regulamentação de produtos
adultas, imagina em crianças! higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

ESTÁ OK Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
não concordo com o uso de maquiagem em criança, acredito que É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
faz mal pra pele. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Considerando que o esmalte deverá


não há produtos especificos para remover esmaltes infantis. NÃO ACEITA ser facilmente removido com água
e sabonete, não é necessária a
criação do grupo removedor de
esmaltes.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
não há produtos especificos para remover esmaltes infantis. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

NÃO ACEITA As categorias citadas não serão incluídas em


função do risco de aplicação e do contato
com os olhos.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
Não são produtos essenciais para crianças NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
crianças não precisam desses produtos, elas precisam brincar NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Crianças não são mini adultos, são crianças! Não há porque destinados ao uso infantil e
NÃO ACEITA
existir no comércio maquiagem voltada para o público infantil! produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
Crianças não devem ser incentivadas a ter hábitos de pessoas indevido de produtos não
adultas como o uso de maquiagem e hidratante corporal. destinados ao uso infantil e
NÃO ACEITA
Adultização das crianças. Estes produtos podem agir como produtos sem registro na Anvisa.
disruptores endócrinos nas crianças devido sua composição. É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
Batom e brilho labial, Blush/Rouge e Esmalte para as unhas não
pela crescente demanda de uso
devem ser comercializados tendo como alvo o público infantil,
indevido de produtos não
pois estimulam a sensualização precoce da criança. Em caso de
destinados ao uso infantil e
adolescência "precoce" cabe aos pais decidir se permitem ou NÃO ACEITA
produtos sem registro na Anvisa.
não uso desses produtos para adultos por parte de seus filhos
É necessária a atualização da
menores - conscientes de que não são produtos ofertados para
regulamentação de produtos
crianças e inadequados a sua faixa etária.
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.

A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
Produtos que visam o mero embelezamento artificial da criança, destinados ao uso infantil e
NÃO ACEITA
erotizando precocemente essa faixa etária. produtos sem registro na Anvisa.
É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequência. Existe o
cuidado criterioso na escolha de
ingredientes no desenvolvimento
das formulações infantis.
menores de 12 anos, cuja aplicação é feita por seus
familiares, que não possuem qualquer conhecimento técnico para
tanto.A vedação da aplicação nos salões destes produtos em
crianças menores de 12 anos impede que sejam utilizados de
maneira segura e confiável e aplicados por pessoal treinado,
mediante acompanhamento profissional especializado;Aliado ao
acima exposto, a venda comercial destes produtos permite e
incentiva (já que os salões não podem fazê-lo) que sejam
aplicados em menores de 12 anos de idade, em suas casas, por
seus familiares, sem qualquer tipo de preparo ou conhecimento
para o uso seguro e eficaz dos mesmos;O uso inadequado, por
indivíduo não treinado e capacitado pode ocasionar lesões na
pele/couro cabeludo, bem como danos aos cabelos (vide
transcrições a seguir);“No Hospital Universitário Clementino
Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ),
na Ilha do Fundão, a média de casos com ferimentos causados
por alisantes ilegais é de cinco por semana: “A maior parte
dos casos é de cabelos com quebra”, aponta o dermatologista da A categoria sugerida não será
unidade, professor Celso Tavares Sodré.”(fonte: inserida tendo em vista o risco
NÃO ACEITA
http://suaopiniaonews.wordpress.com/category/saude/page/2/, de uso para o público alvo que a
23.10.2012, às 10:18 minutos)A guarda destes produtos no presente resolução contempla.
domicílio, em locais impróprios pode ser uma causa de
acidentes domésticos em crianças, desde tópicos até sistêmicos
(ingestão do produto). A utilização em salões reduziria
drasticamente a compra dos produtos para serem utilizados em
crianças, em seus domicílios;Observados os critérios de
segurança e eficácia, as Agências Reguladoras devem e observam
sempre os usos e costumes, seja para incluir ou retirar
produtos, seus usos e/ou destinações;A grande procura por
estes tipos de produtos nos salões de beleza para crianças
menores de 12 anos possibilita que elas possam utilizá-los com
segurança, ao invés de expô-las a riscos desnecessários.
Possibilita, ainda, que seja mantido controle e segurança
sobre a utilização, pois é possível criar mecanismos de
vigilância sobre os salões e profissionais e, ainda,
requisitos para sua utilização, mas é impossível fazer isto no
ambiente doméstico.A negativa de aplicação destes produtos em
crianças nos salões de beleza leva ao uso incorreto, inseguro
varejo, tanto em farmácias, pequenos comércios e
supermercados, por preços acessíveis a praticamente todas as
camadas da população;Segundo pesquisas em pontos de venda,
grande parte destes produtos é para ser utilizado em crianças
menores de 12 anos, cuja aplicação é feita por seus
familiares, que não possuem qualquer conhecimento técnico para
tanto;A vedação da aplicação nos salões destes produtos em
crianças menores de 12 anos impede que sejam utilizados de
maneira segura e confiável e aplicados por pessoal treinado,
mediante acompanhamento de profissional especializado;Aliado
ao acima exposto, a venda comercial destes produtos permite e
incentiva (já que os salões não podem fazê-lo) que sejam
aplicados em menores de 12 anos de idade, em suas casas, por
seus familiares, sem qualquer tipo de preparo ou conhecimento
para o uso seguro e eficaz dos mesmos;O uso inadequado, por
indivíduo não treinado e capacitado pode ocasionar lesões na
pele/couro cabeludo, bem como danos aos cabelos (vide
transcrições a seguir);“No Hospital Universitário Clementino
Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ),
na Ilha do Fundão, a média de casos com ferimentos causados
por alisantes ilegais é de cinco por semana: “A maior parte
dos casos é de cabelos com quebra”, aponta o dermatologista da
unidade, professor Celso Tavares Sodré.”(fonte:
NÃO ACEITA
http://suaopiniaonews.wordpress.com/category/saude/page/2/,
23.10.2012, às 10:18 minutos)A guarda destes produtos no
domicílio, em locais impróprios pode ser uma causa de
acidentes domésticos em crianças, desde tópicos até sistêmicos
(ingestão do produto). A utilização em salões reduziria
drasticamente a compra dos produtos para serem utilizados em
crianças, em seus domicílios;Observados os critérios de
segurança e eficácia, as Agências Reguladoras devem e observam
sempre os usos e costumes, seja para incluir ou retirar
produtos, seus usos e/ou destinações;A grande procura por
estes tipos de produtos nos salões de beleza para crianças
menores de 12 anos possibilita que elas possam utilizá-los com
segurança, ao invés de expô-las a riscos desnecessários.
Possibilita, ainda, que seja mantido controle e segurança
sobre a utilização, pois é possível criar mecanismos de
vigilância sobre os salões e profissionais e, ainda, A categoria sugerida não será inserida tendo
requisitos para sua utilização, mas é impossível fazer isto no em vista o risco de uso para o público alvo
ambiente doméstico;A negativa de aplicação destes produtos em que a presente resolução contempla.
crianças nos salões de beleza leva ao uso incorreto, inseguro
e ineficaz destes produtos nas mesmas, em suas
residências;Frequentemente crianças sofrem atos
discriminatórios sobre diversos aspectos, sobretudo os
raciais, muitas das vezes relacionados ao tipo de cabelo, aqui
sem querer estabelecer qualquer padrão estético ou julgamento
de beleza, mas antes disto, oferecer opções de escolha aos
mesmos, como breve relato, existem vários estudos que
descrevem atitudes discriminatórias no dia a dia das crianças,
sobretudo nas escolas, advindas dos próprios colegas, grande
parte relacionadas ao tipo de cabelo, como exemplificado no
trabalho “Relações raciais no cotidiano escolar: dizeres de
1.Com o objetivo de harmonizar o anexo I com o anexo II do
referido regulamento, uma vez que no anexo II a categoria esta
descrita como “Fixador para cabelos”.2. A sugestão de inclusão
desta categoria no Anexo I (Categorias e grupos de produtos
Infantis) bem como no Anexo II (Requisitos específicos para
produtos infantis) contemplando sugestão de Grupo, Faixa
Etária, Avaliação de Segurança e Advertências de rotulagem,
ocorreu em virtude de uma preocupação quanto à comprovação de
segurança de uso destes produtos e seu controle sanitária,
produtos estes sabidamente utilizados e destinados a pintura
corporal decorativa em crianças (caracterização da criança por
artistas plásticos, usual em eventos infantis desenhando
figuras do cotidiano infantil na pele do corpo). Destacamos
ainda a existência no mercado deste tipo de produto NÃO ACEITA
regularizado junto a ANVISA na categoria “Outros Produtos Não
Previstos - Grau II”.3. A exclusão dos Protetores Solares e os
Repelentes de insetos deste regulamento/desta consulta publica
em sua totalidade se faz necessária por estar em conflito com Sugestão parcialmente acatada: 1)excluído
as disposições do artigo 5º desta Consulta Publica. Os o termo gel do item II do Anexo I; 2) Foi
regulamentos RDC 237/2002 e RDC 30/2012 (que aprova o incluída a opção "corporal" na categoria
Regulamento MERCOSUL GMC 8/11) são os regulamentos técnicos maquiagem capilar, sendo adequadas as
específicos que estabelecem os requisitos técnicos e de advertências e outros requerimentos
rotulagem para protetores solares, de uso infantil e adulto anteriormente previstos somente para
harmonizados no MERCOSUL. E o Parecer Técnico N° 2/2009 é o maquiagem capilar; 3) No que se refere aos
atualmente aplicável a produtos Repelente de insetos, e os Protetores solares e Repelentes de Insetos,
Requisitos Técnicos para registro de produtos cosméticos as resoluções são complementares, dessa
repelentes de insetos (aguardando publicação). forma o artigo 5º será adequado de modo
que fique claro que além do estabelecido na
presente resolução, deverá ser atendido o
previsto nos regulamentos específicos das
respectivas categorias.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Sou contrario a qualquer autorização de produtos cosméticos É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
para crianças. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

NÃO ACEITA
Não é estabelecido o tipo de fragrância
específica por faixa etária.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Perfumes e aguas de colonia podem conter alcool e inumeras É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
outras substancias toxiCas regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
pelos mesmos motivos já descritos acima. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
crianças tem um odor maravilhoso. não precisam de perfume. indevido de produtos não
além disso os chieros todos passam por nossas vias destinados ao uso infantil e
respiratorias e a maioria das sinusites e inflamações de produtos sem registro na Anvisa.
gargantas e problemas respiratórios estão relacionados à NÃO ACEITA É necessária a atualização da
poluição, não a externa, mas a interna, nas casas de pessoas regulamentação de produtos
super perfumadas ou com incensos, produtos de limpeza mega higiene pessoal, cosméticos e
cheirosos etc. perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Nenhuma Alteração. Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
Estes produtos devem ser fiscalizados sempre e com rigor já
que fazem parte da cultura adquirida, para justamente evitar o
estímulo ao aumento do consumo e evitar futuras tregédias para Não foi apresentada nenhuma proposta.
a saúde respiratória infantil. NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

sendo especifico.nao vejo problema. Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Criança não deve ser estimulada a usar perfume. A água de É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
colônia é suficiente e mais suave. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Crianças não precisam de perfumes. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
Não foi apresentada nenhuma
ESTÁ OK proposta. Agradecemos a
NÃO SE APLICA A ANÁLISE participação
Não foi apresentada nenhuma
colonia e perfume sim, concordo. proposta. Agradecemos a
NÃO SE APLICA A ANÁLISE participação
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
não condiz com a infancia o uso destes produtos ! NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Não é essencial NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Prejudicial para crianças alérgicas, desnecessidade de uso. NÃO ACEITA É necessária a atualização da
regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
produtos sem registro na Anvisa.
Sou contrario a qualquer autorização de produtos cosméticos É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
para crianças. regulamentação de produtos
higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.
Não foi apresentada nenhuma
proposta. Agradecemos a
NÃO SE APLICA A ANÁLISE participação
A medida tem como objetivo esclarecer aos responsáveis que os
produtos destinados ao público infantil são opcionais e evitar
NÃO ACEITA
a utilização fora da faixa etária evitando contaminações e
incidentes desnecessários.

Os produtos que possuem restrição terão a


faixa etária declarada na rotulagem, sendo
responsabilidade dos pais o uso correto do
produto de acordo com a faixa etária
indicada.
Não foi apresentada nenhuma
Nenhuma Alteração. proposta. Agradecemos a
NÃO SE APLICA A ANÁLISE participação

A advertência está contemplada de forma


NÃO ACEITA abrangente, assim já atende a sugestão
apresentada.

O produto em questão é utilizado na faixa


Excluir bebês e crianças menores de 3 anos. NÃO ACEITA etária para a qual é sugerida a exclusão,
sendo responsabilidade dos pais a
verificação de necessidade de uso do
produto.

ESTÁ OK
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

NÃO ACEITA Não foi identificada a necessidade de


declarar a informação do pH na rotulagem.
O produto em questão é utilizado na faixa
etária para a qual é sugerida a exclusão,
Bebês não tem necessidade de condicionador. NÃO ACEITA
sendo responsabilidade dos pais a
verificação de necessidade de uso do
produto, sendo o uso indicado por aplicação
do adulto ou supervisão do adulto. A
ingestão acidental é evitada mantendo o
produto fora do alcance de crianças.

No fim do anexo II, incluir: “um método ou uma estratégia de


ensaio cientificamente validados para a obtenção do resultado
pretendido (incluindo métodos de substituição, redução e
NÃO ACEITA
refinamento), que não impliquem a utilização de animais vivos,
deveram ser usados sempre que possível e tendo em conta o
processo de reconhecimento da OCDE." A definição da metodologia a ser utilizada é
responsabilidade da empresa.

Entendemos que este tipo de produto naturalmente irá entrar em


contato com os olhos durante o seu uso. No entanto, não
NÃO ACEITA
significa que ao entrar em contato com os olhos, há a
necessidade de lavar abundantemente e procurar um médico. A advertência é necessária para maior
segurança do usuário.
A regulamentação inicial
publicada em 2001 foi motivada
pela crescente demanda de uso
indevido de produtos não
destinados ao uso infantil e
As precauções "Evitar contato com os olhos" e "Em caso de produtos sem registro na Anvisa.
irritação, suspender o uso e procurar um médico." são amplas e É necessária a atualização da
NÃO ACEITA
se aplica à uma eventual reação adversa do produto em contato regulamentação de produtos
com os olhos. higiene pessoal, cosméticos e
perfumes infantis, pois esses
produtos tem sido utilizados com
maior frequencia. O objetivo da
Anvisa é garantir que produtos
seguros sejam lançados no
mercado. O regulamento deve
abranger as categorias de
produtos de higiene pessoal,
cosméticos e perfumes, pois todas
são previstas para uso infantil.

Não foi apresentada nenhuma proposta.


NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação
A medida tem como objetivo esclarecer aos responsáveis que os
produtos destinados ao público infantil são opcionais e evitar
NÃO ACEITA
a utilização fora da faixa etária evitando contaminações e
incidentes desnecessários.

Os produtos que possuem restrição terão a


faixa etária declarada na rotulagem, sendo
responsabilidade dos pais o uso correto do
produto de acordo com a faixa etária
indicada.

perigoso para os olhos NÃO ACEITA A advertência prevista já contempla a


sugestão apresentada.

Nenhuma Alteração.
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

10 anos é a idade onde a criança já consegue desenvolver sua O produto em questão é utilizado em faixa
capacidade de decisão por si própria.
NÃO ACEITA etária inferior à sugerida, sendo
responsabilidade dos pais a verificação de
necessidade de uso do produto.

Pior que o uso de produtos químicos é o uso dos mesmos sem o O produto em questão é utilizado em faixa
devido enxágue. O que significa a contaminação via pele para o NÃO ACEITA etária inferior à sugerida, sendo
organismo. responsabilidade dos pais a verificação de
necessidade de uso do produto.

O produto em questão é utilizado em faixa


deve ser usado apenas a partir dos 5 anos. NÃO ACEITA etária inferior à sugerida, sendo
responsabilidade dos pais a verificação de
necessidade de uso do produto.
ESTÁ OK
Não foi apresentada nenhuma proposta.
NÃO SE APLICA A ANÁLISE Agradecemos a participação

Não foi identificada a necessidade de


NÃO ACEITA declarar a informação do pH na rotulagem.

O produto em questão é utilizado em faixa


Crianças menores de 5 anos não necessitam de condicionador sem etária inferior à sugerida, sendo
enxágue. Crianças menores de 10 anos precisam do auxílio do NÃO ACEITA responsabilidade dos pais a verificação de
adulto para aplicar o produto. necessidade de uso do produto, cujo uso é
indicado com aplicação exclusivamente por
adulto. A ingestão acidental é evitada
mantendo o produto fora do alcance de
crianças.

A comprovação de ausência de irritabilidade dérmica é


suficiente desde que os ingredientes da formulação sejam
adequados para a finalidade a que se destina e na concentração
adequada. A formulação de um condicionador sem enxágue não
utiliza matérias-primas como as que estão presentes nos gel
fixadores de cabelos, como por exemplo os polímeros que podem
causar irritação da pele. O condicionador sem enxágue possui
uma finalidade diferente da do Gel Fixador, sendo seu uso
NÃO ACEITA
exclusivo para facilitar o penteado de cabelos muito crespos
ou enrolados.O artigo 9° da CP 50, descrito abaixo, corrobora
com a definição do produto e com seu modo de uso. Ou seja,
desde que a composição do produto contenha estas
características, não há razões para restringir a idade.Art. 9º
A remoção do produto deve ocorrer de forma fácil, como, por
exemplo, pela simples lavagem com água, sabonete, xampu ou
demais prepar