Você está na página 1de 51

APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1

OPUS INSTITUTO MUSICAL

Sumário

1. Iniciação Musical ....................................................................................................................... 8


1.1. O que é música? ................................................................................................................ 8
- Conceito filosófico:.............................................................................................................. 8
- Conceito Técnico: ................................................................................................................ 8
2. Conceitos dos elementos musicais........................................................................................... 9
2.1. Melodia .............................................................................................................................. 9
2.2. Harmonia ............................................................................................................................ 9
2.3. Ritmo .................................................................................................................................. 9
3. Fundamentos da Teoria Musical ............................................................................................. 11
3.1. Pentagrama ...................................................................................................................... 11
3.2. Clave ................................................................................................................................. 11
3.3. Valores e Figuras rítmicas ................................................................................................ 12
3.4. Compasso ......................................................................................................................... 13
- Compasso Binário.............................................................................................................. 13
- Compasso Ternário ........................................................................................................... 13
- Compasso Quaternário ..................................................................................................... 13
- Compasso Alternado ......................................................................................................... 13
- Compasso Simples............................................................................................................. 13
- Compasso Composto ........................................................................................................ 14
3.5. Métrica ............................................................................................................................. 14
3.6. Tablatura .......................................................................................................................... 15
4. Anatomia Básica do Instrumento ........................................................................................... 16
4.1. Madeira ............................................................................................................................ 16
- Mogno ............................................................................................................................... 17
- Alder .................................................................................................................................. 17
- Ash..................................................................................................................................... 17
- Maple ................................................................................................................................ 17
- Ébano (Ebony) ................................................................................................................... 17
- Rosewood (Jacarandá) ...................................................................................................... 17
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

4.2. Captadores ....................................................................................................................... 18


- Magnéticos ........................................................................................................................ 18
- Piezo .................................................................................................................................. 19
- Single Coil .......................................................................................................................... 19
- Humbucker ou Double Coil ............................................................................................... 20
4.3. Pontes............................................................................................................................... 22
- Ponte fixa .......................................................................................................................... 22
- Ponte fixa Tune-O-Matic ................................................................................................... 23
- Ponte Flutuante................................................................................................................. 23
- Ponte Móvel – Micro afinação .......................................................................................... 24
4.4. Trastes .............................................................................................................................. 25
4.5. Tarraxas ............................................................................................................................ 26
4.6. Alavanca ........................................................................................................................... 27
4.7. Potenciômetro ................................................................................................................. 27
4.8. Tones ................................................................................................................................ 28
4.9 Tensor ................................................................................................................................ 28
5. Amplificadores: ....................................................................................................................... 29
5.1 Amplificadores valvulados ................................................................................................ 30
- Criação da válvula ............................................................................................................. 31
- O Amplificador Valvulado ................................................................................................. 32
- Componentes e partes do Amplificador Valvulado .......................................................... 32
- Amplificador Valvulado x Estado Sólido (Solid State) ....................................................... 33
5.1 Dicas de uso do Amplificador Valvulado ........................................................................... 34
- Ligar e Desligar .................................................................................................................. 34
- Transporte ......................................................................................................................... 34
- Timbrar .............................................................................................................................. 35
- Conexões e impedância .................................................................................................... 35
- Usando SEND / RETURN .................................................................................................... 36
- Entradas ............................................................................................................................ 37
5.2 Auto Falantes .................................................................................................................... 37
5.2.1 Tipos de Falantes ........................................................................................................ 37
- Partes e Componentes ...................................................................................................... 37
- Potência............................................................................................................................. 38
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Casamento de impedâncias .............................................................................................. 39


- O que são Ohms? .............................................................................................................. 40
- Sensibilidade: .................................................................................................................... 40
6.0 Clínica / Saúde ....................................................................................................................... 41
- Alongamento:.................................................................................................................... 42
5. Teoria Musical Básica .............................................................................................................. 45
5.1. Nota .................................................................................................................................. 45
5.2. Frequência ........................................................................................................................ 46
5.3. Altura ................................................................................................................................ 46
5.4. Intensidade ....................................................................................................................... 46
5.5. Dissonância....................................................................................................................... 46
5.6. Timbre .............................................................................................................................. 47
5.7. Escala ................................................................................................................................ 47
5.8. Tonalidade ....................................................................................................................... 47
5.9. Instrumentos melódicos e instrumentos harmônicos ..................................................... 48
6. O que é acorde? ...................................................................................................................... 49
6.1. Categorias de acordes ..................................................................................................... 49
6.2. Tipos de acordes............................................................................................................... 49
6.3. Pestana ............................................................................................................................. 50
7. EXERCÍCIOS DE INDEPENDÊNCIA DOS DEDOS ......................................................................... 51
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

Prezado Aluno OPUS,

Este método foi desenvolvido pelos professores Junio Urbano e Diego Richard, com
grande preocupação em passar para você o melhor material e a melhor forma de estudar,
fazendo com que você aprenda de forma dinâmica e que lhe estimule a continuar na
perseverança da evolução do seu instrumento ou da sua voz.

Esperamos que você possa sentir à vontade e que consiga absorver tudo que trabalhamos para
levar até você. Ou seja, todo o conhecimento possível do universo musical. Aproveite. Faça
deste lugar sua segunda casa.

Estaremos sempre à disposição para atendê-lo em suas necessidades.

Opus Instituto Musical,

Tornando a música acessível e viável a todos, inclusive realizando sonhos de muitos!

Cresça no MELHOR INSTITUTO MUSICAL DO NORDESTE!

Diego Richard.
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

1. Iniciação Musical

1.1. O que é música?

Música é uma arte. E toda arte mexe diretamente com as emoções dos seres vivos.
Inclusive de animais. Por este motivo, alguns conceitos podem ser muito particulares. A OPUS
INSTITUTO MUSICAL adota dois conceitos que definem “Música”.

- Conceito filosófico:

Música é a arte sonora capaz de tocar a alma e modificar sensações, pensamentos e atitudes.

Fazer alguém sorrir ou chorar é algo extremamente profundo. Quando uma melodia
consegue tal feito, significa que chegou ao mais íntimo do sentimento humano. A música pode
fazer com que pessoas se arrependam de atitudes, pode fazer com que pessoas mudem uma
ideia primitiva, fazendo-as tomarem outro tipo de atitude, tais como perdão, por exemplo.

A palavra Música está presente na boca de todo o mundo. Muito se fala sobre música
e muitas vezes a classificação é inadequada e incoerente. Música é uma arte, isso é fato. E sem
dúvidas, é a arte suprema. Ou seja, consegue ser superior a qualquer outra. Não se faz Teatro
sem Música. As mais belas pinturas de qualquer época e de qualquer estilo não lembram uma
canção característica? Não há como dissociar a música de qualquer outra coisa da vida. Não
precisamos de Engenheiros, Médicos, Advogados etc. em todo o tempo, mas a música
acompanha cada um desses profissionais em seus carros, em seus consultórios, em suas casas,
com certeza, nas festas. Enfim, em todo e qualquer lugar desse Planeta.

- Conceito Técnico:

Música é a junção de Melodia, Harmonia e Ritmo. É a arte de combinar os sons de forma


agradável aos ouvidos.

Independente da forma de uso, ou do estilo que estamos ouvindo, esses três


elementos definem tecnicamente o que é “Música”.
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

2. Conceitos dos elementos musicais

2.1. Melodia

É a combinação sucessiva de sons de diferentes, chamados de notas, agudas e graves, que


estabelecem um significado melódico, apoiando-se na Harmonia. Não podemos confundir
gritantemente melodia com harmonia. Melodia pode ser identificada através de um
“Cantarolado”, onde reproduzimos exatamente os sons individuais.

2.2. Harmonia

É uma combinação de dois ou mais sons que estabelecem um significado harmônico e dão
sentido à melodia. Normalmente a harmonia é caracterizada pelos acordes.

A complexidade da harmonia depende do tipo de composição e do que a música quer


passar. Também depende do nível de conhecimento do músico compositor, que é fruto do
desenvolvimento do estudo de música.

2.3. Ritmo

Ritmo pode ser caracterizado de diversas formas, porém, o significado é o mesmo.

Pode-se definir Ritmo como sendo a quantidade de batidas e pausas, executadas em


um determinado período de tempo, sobre as quais se executa a harmonia e a melodia. As
batidas podem ser fracas ou fortes, dependendo de uma série de fatores, que serão
mencionados mais à frente.

Diz-se, também, que é o movimento definido por um padrão, sendo constituído pela
duração e acentuação dos sons e das pausas.

Uma das funções do músico é a de perceber e medir o tempo. A gente, conscientemente,


sente, forma, divide e compõe o tempo para transmitir um sentimento. Todos os músicos,
compositores, regentes, instrumentistas e vocalistas trabalham com o ritmo, mas na música
moderna uma seção rítmica geralmente consiste de instrumentos de percussão, um baixo e
possivelmente de instrumentos de cordas (por exemplo, a guitarra ou o banjo) e instrumentos
de teclas, como o piano.

O uso que os gêneros musicais fazem do ritmo varia. A maior parte da música
ocidental baseia-se num ritmo divisivo, ao passo que a música não-ocidental usa mais ritmos
aditivos. A música africana faz um uso intenso de polirritmos, e a música indiana usa ciclos
complexos, como 7 ou

9
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

13, enquanto que a música balinesa usa frequentemente ritmos entrecruzados.


Comparativamente, muito da música clássica ocidental é bastante simples no que diz respeito
ao ritmo: não sai de uma métrica simples, como ritmo duplo simples, 2/4; triplo simples, 3/4;
duplo composto 6/8; e triplo composto 9/8, em base; e usa pouco a sincopação. No século XX,
compositores como Igor Stravinsky, Philip Glass, e Steve Reich escreveram música de maior
complexidade rítmica, usando métricas estranhas e técnicas como o fraseamento ou o ritmo
aditivo. Ao mesmo tempo, modernistas como Olivier Messiaen e os seus seguidores usaram
um aumento na complexidade para quebrar a sensação de uma batida regular, o que levou ao
uso generalizado de ritmos irracionais na Nova Complexidade. LaMonte Young também
escreveu música na qual a sensação de uma batida regular está ausente, porque a sua música
consiste apenas de longos tons sustentados (drone).

10
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

3. Fundamentos da Teoria Musical

3.1. Pentagrama

O Pentagrama é o conjunto de cinco linhas paralelas e horizontais e que compreendem


quatro espaços entre elas. As cinco linhas e os quatros espaços são numerados de baixo para
cima. O pentagrama também é chamado de pauta.

Linha
Espaço

É no pentagrama que escrevemos as notas musicais. Entretanto, para representarmos


notas mais graves ou mais agudas utilizamos linhas suplementares inferiores e superiores.

Linhas suplementares superiores

Linhas suplementares inferiores

3.2. Clave

A Clave é um sinal colocado no início do pentagrama e dá seu nome à nota escrita na


sua linha. As notas escritas acima ou abaixo da nota que recebe o nome da clave são
nomeadas com a seguinte ordem: dó – ré – mi – fá – sol – lá – si. Existem três tipos de claves:
sol, fá e dó.

Clave de sol Clave de fá Clave de dó

A clave que iremos estudar na prática do violão, Guitarra, cavaquinho, Violino etc será a clave
de sol. Essa clave dá nome à nota escrita na segunda linha – sol.

dó ré mi fá sol lá si dó ré mi fá sol lá

11
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

3.3. Valores e Figuras rítmicas

Na música existem sons com duração longa e sons com duração breve ou curta.
Também existem momentos que se interrompe o som (silêncios). A relação entre durações de
sons definem o ritmo. Na notação musical atual, cada nota escrita na pauta informa a altura e
também a duração. Os valores definem a duração relativa dos sons. As figuras indicam a
duração dos sons e as pausas indicam a duração dos silêncios.

Para cada figura existe uma pausa correspondente com a mesma duração. A seguir são
mostradas as figuras com suas respectivas pausas.

semibreve mínima semínima colcheia semicolcheia fusa semifusa

Figuras

Pausas

Cada nota ou pausa vale metade do seu antecedente ou o dobro da seguinte:

12
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

3.4. Compasso

O Compasso é um elemento musical que organiza ritmicamente uma música. Com o


compasso, podemos dividir e agrupar as notas de forma entendível aos nossos ouvidos,
mesmo que seja um dos mais complexos estilos musicais. Ao mover o corpo de alguma forma,
ouvindo uma canção, estamos, instintivamente, marcando os compassos, que são divididos
pelos tempos de cada compasso.

Os compassos podem ser chamados de duas formas diferentes, de acordo com a


observação da quantidade de tempos contidos nele, ou o tipo de divisão, sendo classificados
como “Binário, ternário e quaternário”, ou “Simples ou composto”. Quando existe uma
alternância disso, chamamos de “Alternado”, também conhecido como “Complexo ou
irregular”.

- Compasso Binário

É formado por dois tempos, sendo o primeiro forte e o segundo fraco. Pode ser classificado
como Simples (2/8, 2/4, 2/2), ou Composto (6/16, 6/8, 6/4).

- Compasso Ternário

É formado por três tempos, sendo o primeiro forte, o segundo e o terceiro fracos. Pode ser
classificado como Simples (3/8, 3/4, 3/2) ou Composto (9/16, 9/8, 9/4).

- Compasso Quaternário

É formado por quatro tempos, sendo o primeiro forte, o segundo fraco, o terceiro de
intensidade média (Chamado também de meio forte) e o quarto fraco. Pode ser classificado
como Simples (4/8, 4/4, 4/2) ou Composto (12/16, 12/8, 12/4).

- Compasso Alternado

É formado pela junção de dois ou mais tipos de compassos diferentes. Por exemplo: 5/16, 7/8,
11/4 etc. O compasso 5/4, por exemplo, pode ser gerado pela fusão dos compassos 2/4 + 3/4.
Mas existem muitas outras possibilidades de compassos alternados, relacionando desta
mesma forma.

- Compasso Simples

É o compasso cujos tempos podem ser divididos por dois. Também podemos dizer que a
unidade de tempo do compasso pode ser naturalmente repartida em duas partes iguais.
Podem ser binários (2/8, 2/4, 2/2), ternários (3/8, 3/4, 3/2) ou quaternários (4/8, 4/4, 4/2).

13
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Compasso Composto

É o compasso cujos tempos podem ser divididos por três. Também podemos dizer que a
unidade de tempo do compasso composto pode ser naturalmente repartida em três partes
iguais. Podem ser binários (6/16, 6/8, 6/4), ternários (9/16, 9/8, 9/4) ou quaternários (12/16,
12/8, 12/4).

Combinando as duas classificações, podemos obter sete tipos de compasso: binário


simples, binário composto, ternário simples, ternário composto, quaternário simples,
quaternário composto e alternado.

OBS.: O Professor mostrará algumas músicas pra exemplificar o que foi dito acima.

3.5. Métrica

Na música podemos estruturar o ritmo e a melodia de maneiras diversas. Essa técnica


musical é chamada de métrica. Por outro lado, o ritmo é a relação entre as durações das notas
executadas sucessivamente (distribuição ordenada dos valores).

As indicações de compasso e suas subdivisões correspondem à métrica. Vejamos


alguns exemplos de diferentes estruturações rítmicas de um compasso dois por dois.

Cada compasso acima representa uma fórmula rítmica.

O próximo exemplo mostra, além da duração dos valores, a visualização dos tempos e partes
de tempo.

Vejamos outro exemplo para um compasso quaternário:

Outras possibilidades com uso de pausas:

14
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

Vamos exemplificar um trecho musical com aplicação de várias fórmulas rítmicas:

3.6. Tablatura

Tablatura é uma forma de notação musical que permite ao músico saber onde colocar
os dedos em um instrumento, ao invés de informar especificamente as notas, divisões
rítmicas, compassos etc, como faz o pentagrama e seus elementos.

A tablatura é, na maioria das vezes, feita para instrumentos de cordas trasteados, não
sendo exclusividade.

Atualmente, a tablatura é usada para anotar músicas pops e Rock. Porém, é


frequentemente vista na música folclórica e era muito comum na Europa, durante os períodos
da renascença e do barroco.

Três tipos de tablatura para órgão também foram usadas na Europa: a alemã, a
espanhola e a italiana. Existe também para Harpa, muito usada na Espanha e no País de Gales.

Tablatura é encontrada, por muitas vezes na internet sendo chamada de “Tab”, sua
abreviatura.

15
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

4. Anatomia Básica do Instrumento

Com o intuito de tornar nossos alunos bons conhecedores do seu objeto de estudo,
selecionamos alguns pontos de anatomia básica dos instrumentos para que não tenha
dificuldades na hora de escolher um instrumento para um fim específico, nem sofra
constrangimento ao conversar com alguém esclarecido sobre os diversos assuntos abordados
neste capítulo. Cada curso fará com que o aluno conheça os pontos específicos do que está
estudando.

4.1. Madeira

Quando falamos em madeira pra fabricação de instrumentos musicais, normalmente


existem muitas dúvidas a respeito de cada tipo. Muitos músicos, até mesmo profissionais de
nível têm dúvidas sobre a diferença de uma madeira pra outra, qual a melhor pra cada tipo de
instrumento etc.

Tudo que tem massa reage a vibrações. Cada elemento físico tem uma faixa de
frequência limite para vibrar com as ondas sonoras. Com as madeiras funciona da mesma
forma. Elas vibram e reagem ao som de uma determinada frequência. Entendendo isto,
percebemos que não existe som de madeira melhor ou pior, depende apenas do que
precisamos.

Também é considerado o fato de se a madeira é forte ou não pra aguentar a pressão


das cordas, da ponte etc. O corte da madeira também é levado em conta, pois dependendo da
forma com que se corta, pode ser que o valor da madeira seja mais baixo ou mais caro.
Normalmente peças bem cortadas são de valor mais alto. A umidade do local onde a madeira
foi extraída também é considerada na hora da utilização para construção de um instrumento.
Diante disto, entendemos os motivos pelos quais se questiona as altas diferenças de preço de
venda de um instrumento que, aparentemente, tem a mesma forma de fabricação e os
“mesmos” acessórios.

Vale observar que o preço do instrumento não está ligado unicamente à madeira, mas
a todos os demais acessórios utilizados na fabricação. Estes acessórios serão mencionados e
abordados mais à frente.

Na hora de construir um instrumento, as madeiras se dividem em “Hardwood”


(Madeira dura) e Softwood (Madeira macia). Falando de forma grosseira, madeiras macias
tendem a absorver o som, enquanto as duras tendem a refletir o som, trazendo mais projeção
sonora para o instrumento. As macias produzem mais volume, menos ataque e menos sustain.
Enquanto a dura, mais pesada ou mais densa, produzem mais sustain, mais potência no
ataque, mas com menos volume. Cada madeira tem seu diferencial.

16
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

As madeiras são separadas pela sua densidade, rigidez e timbre, para construção de
várias partes do instrumento, como braço, escala etc. algumas madeiras são melhores para
construção de violinos, violões, cavaquinhos, e pode não funcionar tão bem para uma guitarra.

Vejamos agora os principais tipos de madeira usados na fabricação dos instrumentos:

- Mogno

Madeira macia e pesada, com o som repleto de frequências baixas e médias. Usada nas Gibson
e PRS, dentre algumas outras marcas.

- Alder

Madeira dura e densa. Pesada e porosa. Tem sonoridade estridente, muito rica em agudos. É a
madeira usada nas clássicas Fender Stratocaster e outros modelos.

- Ash

Também dura, densa, pesada, porosa e estridente. Usada nas primeiras Stratocaster e
Telecaster da Fender. Atualmente é usada nos modelos mais caros da Fender.

- Maple

Madeira muito densa e dura. Ideal para suportar a tensão das cordas. Por isso é muito utilizada
como braço para instrumentos. É também utilizada como cobertura (Tampo, topo) no corpo
dos instrumentos mais caros de Mogno e Basswood, dependendo do modelo, pois além de ser
bonita, acrescenta frequências mais altas à sonoridade fechada do Mogno. É muito pesada
para servir como corpo. Mas existem guitarras com corpo em Maple.

- Ébano (Ebony)

É muito densa, escura e tem muito brilho. Madeira muito cara. Quase extinta. É usada como
escala das guitarras mais luxuosas.

- Rosewood (Jacarandá)

Madeira escura, do avermelhado ao quase preto. Sonoridade rica, grave cheio, muito boa em
altas frequências e médios aveludados. Madeira muito porosa, usada na escala de
instrumentos. Muito cara e rara.

Fonte: www.bluesnjazz.com.br/arquivo/guitarra_blues4.htm

17
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

4.2. Captadores

Captadores são o cérebro e o coração de uma guitarra. São eles que definem o timbre
inicial. São eles que “ouvem” o que você faz nas cordas da guitarra e levam ao amplificador.
Por isso é importante escolher bem o Cap antes de comprar uma guitarra. Sempre se deve
relacionar o tipo de captador ao estilo que se toca ou que se deseja tocar. Muitos cometem
erros clássicos, como por exemplo, comprar um modelo tipo Les Paul, com captadores
Humbuckers pra tocar músicas mais ritmadas como Axé, Funk etc, onde os captadores têm um
timbre mais pesado e não tem tanta versatilidade para este tipo de música, que é adequada a
utilização de Single Coils.

Tipos de Captadores:

- Magnéticos

Praticamente todas as guitarras que encontramos no mercado possuem captadores


magnéticos. Alguns captadores mais simples são feitos de um único ímã, com um único fio
envolto dele, mas por ser grande demais, dar-se a impressão de que são vários fios. A vibração
das cordas reproduz a mesma vibração no campo magnético do ímã, o qual transmite esta
vibração para um amplificador.

18
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Piezo

Pouquíssimos guitarristas utilizam captadores deste tipo. Eles são mais utilizados em violões,
normalmente, abaixo do rastilho. Em guitarras, captadores piezoelétricos são usados em
alguns casos pra destacar um timbre com aparência mais acústica ao instrumento.

Dentre os captadores magnéticos, existem basicamente dois tipos mais utilizados:

- Single Coil

Ficaram famosos nas Fenders Stratocaster e Telecaster. Apesar de vários estilos e


configurações, os captadores Single Coils normalmente têm uma aparência comum entre eles.
São captadores que possuem uma bobina de fio magnético, separados para cada corda. São
colocados abaixo das cordas, próximos da Ponte, braço da guitarra e / ou entre os dois.

19
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Humbucker ou Double Coil

Famosos pela utilização em Guitarras tipo Les Paul e SG. Porém, são muito utilizados em vários
modelos, incluindo guitarras semi acústicas, também em Flying V, Explorer etc.

Os Humbucker são chamados de captadores duplos. Pois são, literalmente, construídos


por dois captadores Single Coil com polaridade oposta.

A diferença entre um Single e um Duplo é facilmente identificável. Logo quando


inventado, os Singles captavam muita interferência e ruídos indesejados. Grosseiramente
falando, o Humbucker resolveu esse problema. Foi projetado pra cortar esse ruído através da
polaridade oposta dos captadores duplos, onde as interferências do ambiente batem nas
bobinas magnéticas, cancelando a reprodução dos mesmos. Hoje, os Singles são projetados de
forma muito mais tecnológica, não precisando ser Duplo pra evitar ruídos.

20
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

A sonoridade de cada captador torna outro fator diferencial entre eles. O Single tem
um som bem mais estridente, agudo, brilhante, aberto etc. Já o Humbucker tem sonoridade
mais potente, mais fechada e mais pesada. Um dos motivos pelo qual a maioria das guitarras
de Rock são equipadas com Humbuckers. Porém, alguns músicos preferem usar Singles ou
outro tipo de captador chamado “Mini Humbucker”, que é um Duplo com dimensões de
Single. Guitarras que mesclam Singles e Duplos, em alguns casos, podem ser consideradas mais
versáteis.

A quantidade de captadores depende muito do projeto da Guitarra e pra que estilo ela
serve. Não é porque uma guitarra tem três captadores que ela é melhor ou tem um timbre
melhor que outra de dois. Tudo vai depender das combinações de cada captador com sua
chave seletora. Há guitarras com dois Humbuckers que se tornam mais versáteis que outras
que mesclam os singles e os duplos, porque se utiliza de combinações que proporcionam uma
vasta gama de possibilidades de timbres.

21
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

4.3. Pontes

Geralmente, quando compramos nossa primeira guitarra, não está tão claro o estilo
musical que ela servirá pra tocar. O normal, quando não se conhece o instrumento, é comprar
o que melhor se encaixa no nosso bolso, tentando, também, chegar num consenso da estética
do instrumento. Naturalmente, conforme nos aprimoramos e começamos a definir nosso
estilo, se torna necessária a troca de alguns componentes ou, até mesmo, a própria guitarra.

No caso da escolha do modelo, é necessário confirmar que a Ponte atende às


necessidades da guitarra, pois, na maioria das vezes, o corpo da guitarra é construído para o
tipo de Ponte que se encontra no mesmo.

As pontes são diferentes em muitos aspectos, desde a maneira como a Alavanca é


rosqueada, até à forma como é fixada no corpo do instrumento. Em geral, temos três tipos de
pontes:

- Ponte fixa

Como o próprio nome diz, ela é uma ponte livre da ação de movimentos. Mantém-se
estável o tempo todo. Possuem seis Saddles (carrinhos) que servem como apoio para as cordas
que, neste tipo de ponte, passam por dentro da guitarra. A regulagem da altura das cordas é
feita individualmente através de dois parafusos localizados na parte superior de cada carrinho.
Já o ajuste das oitavas é realizado através dos parafusos com molas, na parte traseira da
ponte. Uma das vantagens deste tipo de ponte é manter o instrumento afinado por mais
tempo.

22
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Ponte fixa Tune-O-Matic

Este tipo de ponte divide-se em duas partes: a ponte e o Cavalete (Tailpiece). O ajuste
das oitavas é feito pelos carrinhos dentro da ponte. A regulagem das cordas é feita pelos dois
parafusos nas laterais da ponte, o que pode dificultar um pouco o processo, uma vez que não
há a possibilidade de regular as cordas individualmente. Porém, uma guitarra bem construída,
conta com pontes robustas e bem alinhadas, o que permite um melhor ajuste das cordas,
independente de não ser individual.

- Ponte Flutuante

São pontes fixas, mas que permitem um pequeno movimento que rebaixam as notas
em alguns tons. Esse movimento das notas é feito através de uma Alavanca. Elas apresentam
ajustes individuais dos carrinhos e também da altura das cordas. Esse tipo de ponte é
fabricado por várias marcas. Assim com a ponte totalmente fixa, a passagem das cordas é por
dentro da guitarra.

23
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Ponte Móvel – Micro afinação

Este tipo de ponte é muito conhecido e amplamente utilizado no Rock e Heavy Metal.
A característica principal desta ponte é que ela permite alavancar pra frente e para trás,
elevando e rebaixando notas em vários tons, permitindo a utilização de efeitos sonoros com a
alavanca, diferente das pontes citadas acima. Possuem ajustes dos carrinhos para oitavas e um
grande diferencial é a micro afinação, que nada mais é do que um ajuste fino para a afinação
do instrumento.

Existem vários modelos patenteados desse tipo de ponte. A Ibanez possui os modelos
Edge’s, que apresentam Tecnologia exclusiva da marca, e equipada com o Sistema ZPS, de
regulagem de tensão das cordas.

Muitos a chama de “Ponte Floyd Rose”. Porém, é importante saber que o nome “Floyd
Rose” advém do seu criador e primeiro fabricante. Ao passar dos anos, algumas empresas
passaram a obter licença para uso e até mesmo fabricação própria de modelos semelhantes às
Floyds.

Uma das principais vantagens deste sistema é, sem dúvida, o duplo bloqueio das
cordas, que permite que a guitarra se mantenha afinada, através das travas, até mesmo depois
de um uso intenso da alavanca. Este bloqueio das cordas é feito pela trava “Lock Nut”, que
prende as cordas através de parafusos no Nut, que fica entre o braço da guitarra e o Head
Stock (Mão do instrumento, onde ficam as tarraxas e a logo marca do fabricante do
instrumento). Quando utilizamos a alavanca de forma intensa, se não houver algo que impeça
as tarraxas e cordas de se movimentarem (Nessa região), com certeza, elas desafinarão, pois
sairão da sua posição inicial e no retorno, muito possivelmente, não chegarão ao local exato de
onde estavam, causando uma conflito na harmonia dos intervalos entre as cordas. A micro
afinação é feita através de tarraxas redondas, localizadas na parte traseira da ponte.

A mudança de afinação e troca de calibre de cordas requer que as pontes tenham suas
tensões reguladas novamente, pois podem apresentar pressão maior das cordas, causando
empeno no braço, oitavas trastejando, até mesmo prejudicar nossos nervos e tendões.

24
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

4.4. Trastes

Trastes são pequenas divisões de metal de certos instrumentos de corda como


Contrabaixo, Guitarra, Violão, Cavaquinho, entre outros.

Cada corda, quando tocada livremente, produz uma nota. Se o músico desejar tocar
uma nota mais aguda, ele precisa dividir a corda em partes menores pra que ela soe em uma
frequência maior. Alguns instrumentos, como o violino, não têm trastes, ou seja, cabe ao
músico colocar o dedo exatamente sobre o ponto de divisão da corda. Isso permite executar
qualquer nota possível dentro da extensão da corda, com variações microtonais, mas torna a
execução muito difícil. Em instrumentos que possuem trastes, basta que o músico coloque o
dedo em um ponto antes do traste para que a corda, apoiada sobre ele, seja dividida
exatamente na medida determinada pelo fabricante do instrumento. Isso permite uma
execução rápida e precisa, mas por outro lado, torna impossível a execução de notas
intermediárias e a microcorreção de afinação.

Nos instrumentos ocidentais, os trastes são comumente montados para permitir que a
corda seja dividida em intervalos de semitom.

25
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

4.5. Tarraxas

Tarraxas são acessórios que servem para segurar as cordas e ajustar sua afinação.
Existem vários modelos, mas apenas dois tipos: com trava e sem trava. Acontece que, o
movimento constante das cordas com Bends, dedilhados e ritmos nas cordas acaba girando de
forma muito pequena a tarraxa. Esse giro constante desafina o instrumento. Algumas marcas
têm tarraxas mais resistentes, e, nem sempre precisam de travas. Porém, instrumentos de
valor mais baixo não têm tanto capricho na fabricação, tendo como consequência uma
desafinação constante, o que gera uma rejeição por parte de quem já tem um bom nível como
músico e exige mais qualidade de seus equipamentos.

As tarraxas com travas possuem o que o nome já diz: “travas”, que não permitem que
ocorra o giro da tarraxa por pressão ou movimento das cordas. As marcas mais famosas são
“Gotoh” e “Schaller”.

26
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

4.6. Alavanca

Simplesmente uma haste metálica, geralmente de formato igual a todos os


fabricantes, e é utilizada para elevar ou rebaixar as notas em pequenos vibratos ou largos
intervalos.

4.7. Potenciômetro

São dispositivos elétricos têm a sua resistência elétrica alterada mecanicamente. Veja
a foto ao lado. São muito usados para controlar / alterar as características de entrada / saída
de aparelhos eletrônicos, como volume, balanço, graves, brilho, contraste, cor, tempo de
funcionamento (em TV's, DVD's, monitores, relógio). São também conhecidos como resistores
variáveis, ou ainda, reostatos. Na guitarra, serve para redução de volume, ganho, agudos,
graves etc.

Existem comercialmente, potenciômetros confeccionados com substrato em fio e


carvão condutivo, a depender da corrente elétrica que circula nestes. Há potenciômetros cujo
giro é de 270 graus e outros de maior precisão chamados multivoltas.

27
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

4.8. Tones

Mudam as características de timbre dos captadores, filtrando frequências agudas. Na


posição 100% aberto som é livre de alterações. Fechando todo o tone, os agudos são
“retirados”, tornando o som fechado e abafado.

4.9 Tensor

Tensor é uma haste de ferro que fica dentro do braço da guitarra. Como qualquer
outro instrumento de madeira, a guitarra sobre alterações com a temperatura. O exemplo
mais prático é a dilatação que os objetos sofrem em dias de calor. Isto é facilmente percebido
na guitarra, pois, por se tratar de medidas de precisão, apresentam alterações na altura das
cordas e algumas vezes na afinação das notas.

Para controlar esta alteração existe o tensor, que além de dificultar estas alterações,
oferece uma forma de regular, se for necessário. Guitarras mais modernas, com 24 casas, têm
um braço “fino” e, como qualquer guitarra, sofrem muito a influência da temperatura,
sobretudo aqui no Brasil, onde, num só dia, faz calor e frio, faz sol e chove, as guitarras
demoram um tempo para se estabilizarem.

28
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

5. Amplificadores:

Amplificadores são conhecidos como “Caixa de som”, pelos leigos, devido ao seu
formato semelhante a uma caixa, mas, equipada com um circuito eletroeletrônico e alto-
falantes, que reproduzem, via cabo, tudo que é feito no instrumento.

O amplificador é um equipamento que reproduz em tempo real e com controle de


volume o som captado pela guitarra. Cada amplificador faz o som passar por três processos:

- A pré-amplificação, que amplia o sinal recebido dos captadores da guitarra até um nível que
permite que ele seja manipulado;

- A amplificação de potência, que ajusta o volume da guitarra;

- A emissão do som pelo alto-falante.

Por sorte, a maioria dos amplificadores vem com um conjunto de controles simples
que permitem a qualquer usuário manipular o som que sai da guitarra, assim como uma
Interface. Aprender a usar um amplificador é tão simples quanto manusear estes botões.

É importante sempre ligar a Guitarra ao Amplificador desligado, para que não funcione
sem nada conectado às suas entradas, o que pode danificar seus componentes.

Alguns Amps, como são carinhosamente chamados pelos músicos, possuem mais de
uma entrada, para que se possa usar outros instrumentos ou microfones. Esses amplificadores
são chamados “Multi-uso”, e não são específicos de guitarra.

29
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

Amplificadores normais (Transistorizados) têm um interruptor de liga-desliga. Os


valvulados tem 2 interruptores, 1 liga-desliga e outro “Stand by”. Ligamos primeiro o botão de
liga-desliga e aguardamos aproximadamente 60 segundos para ligar o stand by, para que as
válvulas possam ser aquecidas. Normalmente, amplificadores valvulados são preferidos pela
maioria dos guitarristas pela qualidade, clareza e realidade do timbre. Entretanto, hoje em dia,
já temos amplificadores transistorizados que reproduzem um timbre muito bom, que, em
alguns casos, podem ser utilizados no lugar dos transistors.

5.1 Amplificadores valvulados

Grande parte dos músicos tem dúvidas sobre amplificadores valvulados. Resolvemos,
então, dedicar uma parte do nosso método a abordar o funcionamento e os recursos destes
amplificadores, diferenças, componentes etc.

30
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL
- Criação da válvula

A história dos amplificadores valvulados remete ao final do século passado, mais


precisamente em 1879, quando Thomas Edison acendeu a primeira lâmpada e notou que
depois de um tempo ela ficava preta. A lâmpada, constituída de um filamento de carvão
dentro – no vácuo – de uma âmpola de vidro, ficava preta porque partículas do carvão se
soltavam do filamento e batiam contra o vidro da ampola. Para corrigir isso, Edson colocou um
fio metálico ligado a uma carga positiva e notou que havia uma corrente elétrica entre o
filamento e o fio. Estava criada a primeira válvula.

Thomas Edson não conseguiu achar uma aplicação prática para a válvula e muitos
outros nomes tiveram papel importante na evolução da válvula até ela se tornar componente
principal de TVs, rádios e vários outros equipamentos eletrônicos no meio do século passado.
Entre esses nomes, temos W. R. Preece, John Ambrose Flemming e Lee De Forest, sendo o
último o pesquisador que descobriu que colocando uma grade com carga negativa entre o
filamento e o fio (hoje chamado de placa), uma corrente maior era produzida entre o
filamento e a placa e que pequenas variações de tensão (voltagem) na grade se traduziam em
grandes mudanças na quantidade de corrente elétrica circulando entre filamento e placa.

Com o passar dos anos, a válvula evoluiu e de início à criação de dispositivos de rádio.
Posteriormente, esses dispositivos foram evoluindo, a válvula foi ganhando novos formatos e
utilidades e a partir daí começaram a surgir diversos equipamentos que se utilizavam da
invenção de Thomas Edson, como TVs, Rádios, Conversores e outros.

31
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL
- O Amplificador Valvulado

Os primeiros amplificadores valvulados surgiram no começo do século com o uso da


válvula para aplicações de rádio e áudio. Não se sabe exatamente que foi o criador e quando o
primeiro amplificador valvulado foi feito, mas o que se sabe é que eles têm característica
timbral única e é muito difícil, alguns dizem “impossível”, reproduzir o timbre de um
amplificador valvulado em um amplificador de estado sólido.

Ao amplificar um sinal de áudio, a válvula não consegue fazê-lo com perfeição e


compromete o sinal com uma série de ruídos, atenuações e “sujeira”. Essa imperfeição na
amplificação é, de alguma forma, mais agradável ao ouvido humano e é justamente o que dá a
característica única dos amplificadores valvulados. Fazendo uma analogia simplória, é como
uma parede lisa, perfeitinha e uma parede com textura: a imperfeição da textura é justamente
o que dá beleza à parede.

Essa característica, fez com que os amplificadores valvulados se tornassem uma febre
entre músicos, especialmente os guitarristas. O uso difundido de amplificadores valvulados
nos anos 50, 60 e 70, aliado ao surgimento de diversas bandas famosas cujos guitarristas –
hoje, ícones da música – utilizavam esses amplificadores, levou os valvulados a um estágio de
“objeto de desejo” que permanece até hoje.

- Componentes e partes do Amplificador Valvulado

O amplificador valvulado é composto, basicamente, por três partes: pré-amplificador,


potência e fonte de alimentação. O pré-amplificador é o primeiro estágio de amplificação,
onde o sinal da guitarra é amplificado e tem todo o tratamento timbral, ou seja, onde fica a
equalização que modifica o sinal a gosto do guitarrista. O segundo estágio, potência, é onde
esse sinal já modificado ganha a maior parte do volume, sendo amplificado com muita
potência e enviado ao alto-falante.

O terceiro componente, a fonte de alimentação, é a responsável por alimentar os


outros dois estágios e tem tanta importância na qualidade do áudio como os outros estágios.
Mais uma vez, fazendo uma analogia, a fonte está para uma amplificador como a gasolina está
para um carro: a qualidade dela pode fazer tudo funcionar muito bem ou muito mal.

Alguns componentes têm maior importância por serem cruciais na formação do timbre
característico. O transformador da fonte e a própria fonte devem ser de boa qualidade e
projetados adequadamente de acordo com o circuito que vai alimentar. As válvulas do
primeiro estágio de amplificação (em geral, válvulas pequenas, com cerca de 6 ou 7cm de
altura) também devem ser de boa qualidade, pois são responsáveis diretas pelo timbre do
amplificador. As válvulas de potência e o transformador de saída são os responsáveis por
aumentar o volume do áudio e enviá-lo ao alto-falante. Se forem de boa qualidade e o circuito
estiver bem projetado, eles conseguem fazer isso sem comprometer o áudio já timbrado que
veio do pré-amplificador.

Vários modelos diferentes de válvula podem ser utilizados em amplificadores de


guitarra, mas os mais difundidos são a 12AX7 (também conhecida como ECC83) para o pré-
amplificador e os modelos EL84, EL34 e 6L6 na potência. Cada válvula tem sua própria

32
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL
característica de timbre, ganho, distorção e área de trabalho, gerando resultados
diferentes. Um exemplo é o Twin Amp da Fender que usa válvulas 12AX7 no pré-amp e 6L6 na
potência, tendo o som extremamente limpo e cristalino, enquanto um Marshall JCM900 utiliza
12AX7 no pré-amp e EL34 na potência, tendo o som com mais ganho e levemente “sujo”.

Cada válvula tem suas próprias características e não podem ser substituidas umas
pelas outras (exceto em raros casos específicos). Além das válvulas, o projeto do circuito e seus
componentes também são responsáveis diretos pela característica timbral do amplificador
valvulado.

Atenção: isso é uma explicação básica e não ensina ninguém a mexer em circuitos
eletrônicos. Amplificadores valvulados trabalham com tensões (voltagem) altas (acima de
500V) e podem matar. Se você não tem conhecimento técnico para fazer manutenção e/ou
modificações em seu amplificador valvulado, leve-o para alguém qualificado. Jamais abra um
amplificador ou qualquer outro equipamento eletrônico sem ter conhecimento técnico.

- Amplificador Valvulado x Estado Sólido (Solid State)

Um amplificador de estado sólido (também chamado de Solid State, SS ou


Transistorizado) tem circuito parecido com um valvulado, porém, em geral, tem construção
mais complexa e, claro, não utiliza válvulas. Transistores ou chips fazem o papel das válvulas
de amplificar o sinal e dar o timbre do amplificador. Por não ter válvulas de potência, não há a
necessidade do uso de um segundo transformador na saída e o transformador de entrada
trabalha com tensões e correntes menores. Com um transformador a menos e outro
transformador menor, os amplificadores transistorizados são menores e mais leves que os
valvulados.

Existem ainda os amplificadores híbridos que são uma mistura de valvulado com
transistorizado. Em geral, os híbridos têm uma (ou mais, em alguns casos) válvula no pré-
amplificador e a potência fica por conta de transistores ou chips. Esses amplificadores têm o
“calor”, porém sem a saturação e a amplitude dinâmica de um valvulado.

Outro termo muito comum entre os amantes dos amplificadores valvulados é o


Handwire. Um amplificador handwire é um amplificador que não tem placa de circuito

33
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

impresso, ou seja, todos os componentes do circuito são interligados diretamente, ponto a


ponto, sem a necessidade de uma placa, como na foto acima.

Não vamos abordar a discussão sobre qual amplificador – transistorizado ou valvulado


– é melhor ou pior porque isso envolve uma série de fatores como gosto pessoal, tipo de
música, guitarra utilizada, timbre desejado etc. Cada amplificador, de cada marca, tamanho,
formato e tipo de circuito diferente tem seu timbre característico e pode ser bom ou ruim
conforme o ouvinte, a situação ou o timbre desejado. É importante deixar claro que há
guitarristas famosos e respeitados que são adeptos de amplificadores transistorizados, assim
como há guitarristas amantes dos valvulados. A questão principal aqui é que cada guitarrista
deve procurar o timbre que gosta e não se preocupar com o fato de o amplificador ser
valvulado ou transistorizado.

5.1 Dicas de uso do Amplificador Valvulado

- Ligar e Desligar

Diferente de um transistorizado, o amplificador valvulado tem duas chaves


“liga/desliga” e “stand-by liga/desliga”. Essas chaves têm funções diferentes e devem ser
ligadas e desligadas sempre na sequência correta. Inicialmente, a chave “liga/desliga” (on/off)
deve ser ligada para que o amplificador inicie a alimentação dos filamentos das válvulas, ou
seja, para que a válvula esquente. Algum tempo depois, cerca de 30 segundos a 1 minuto, a
chave “stand-by liga/desliga” (stand-by on/off) deve ser ligada para que todo o resto do
circuito do amplificador seja alimentado e ele possa funcionar.

Para desligar, basta desligar a chave stand-by e, em seguida, desligar a chave on/off.
Não há necessidade de esperar para desligar uma ou outra chave, apenas é recomendado
desligar na sequência sugerida para que o amplificador não produza nenhum tipo de ruído ou
o “pop” característico. É recomendável esperar as válvulas esfriarem antes de transportar ou
guardar o amplificador.

- Transporte

Transportar um amplificador valvulado requer cuidados especiais. Por serem


construídas de vidro fino, não podem ter ar internamente (vácuo) e o filamento é sensível a
pancadas e batidas, podendo se romper facilmente. Batidas, solavancos e chacoalhões não são
bem aceitos por amplificadores valvulados e os filamentos – ou até mesmo as próprias válvulas
– tendem a se romperem. Pela própria construção da válvula e pela alta temperatura em que
elas trabalham, elas não suportam correntes de ar geladas quando estão quentes – durante o
uso ou logo após o amplificador ter sido desligado. O ideal é sempre transportar o amplificador
com a capa fornecida pelo fabricante ou esperar que as válvulas estejam totalmente frias.

34
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Timbrar

O timbre de um amplificador é inerente a ele, mas pode variar conforme o gosto do


freguês dentro de sua faixa de trabalho. Inicialmente, a escolha correta do amplificador é
muito importante e você deve testar o amplificador antes de comprá-lo para ter certeza que
ele se encaixa no tipo de som que você deseja. Depois de escolhido, a maioria dos
amplificadores oferecem um controle de ganho “gain” e outro controle de volume “volume ou
master”. O primeiro trata da saturação da válvula e segundo, como o nome diz, do volume. É
muito comum guitarristas que querem um som levemente saturado utilizarem ou o gain ou o
master no máximo e controlarem o volume com o outro controle (ex: gain no máximo,
controle o volume no master e vice-versa).

- Conexões e impedância

O timbre de um amplificador é inerente a ele, mas pode variar conforme o gosto do


freguês dentro de sua faixa de trabalho. Inicialmente, a escolha correta do amplificador é
muito importante e você deve testar o amplificador antes de comprá-lo para ter certeza que
ele se encaixa no tipo de som que você deseja. Depois de escolhido, a maioria dos
amplificadores oferecem um controle de ganho “gain” e outro controle de volume “volume ou
master”. O primeiro trata da saturação da válvula e segundo, como o nome diz, do volume. É
muito comum guitarristas que querem um som levemente saturado utilizarem ou o gain ou o
master no máximo e controlarem o volume com o outro controle (ex: gain no máximo,
controle o volume no master e vice-versa).

Ligar um amplificador em uma caixa com impedância maior do que a saída do


amplificador vai comprometer o áudio (timbre, volume etc.), mas não deve queimar nenhum
dos dois, porém o contrário não deve ser feito, já que o amplificador corre sério risco de estar
queimado ou defeituoso no final dessa história

35
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

Exemplo:

Amp com saída 8 Ohms em Caixa com 8 Ohms = a escolha ideal.


Amp com saída 8 Ohms em Caixa com 16 Ohms = pode, mas não é o ideal.
Amp com saída 8 Ohms em Caixa com 4 Ohms = não deve ser feito

A maioria dos amplificadores valvulados tem uma chave de impedância junto à saída e
ela pode ser utilizada para o casamento da impedância do amplificador com a impedância da
caixa. Em geral, as chaves têm as opções 4, 8 e 16 Ohms, abrangendo a maioria das caixas
utilizadas no mercado, basta o usuário trocar a chave para a opção certa na hora de conectar e
não terá problemas.

- Usando SEND / RETURN

Diferentemente do que muitos guitarristas pensam, as conexões Send e Return não


estão lá para enfeite e são de suma importância para obter um timbre agradável do
amplificador. Antes de explicar o uso do Send/Return, temos que explicar que existem efeitos
diferentes e que cada um deve ser usado em determinado local para ter o máximo rendimento
e qualidade possíveis. Quando o sinal sai da guitarra e percorre os pedais, ele vai sendo
alterado conforme o pedal (reverb, distorção, delay, flanger, crunch, wah-wah etc.) e essas
alterações não podem ser desfeitas. Podemos dividir essas alterações em dois grupos:
alterações de pré-amp e efeitos.

As alterações de pré-amp (distorção, crunch, wah-wah) devem ficar antes do pré-


amplificador do amplificador de guitarra, enquanto os efeitos (reverb, delay, flanger) devem
ficar depois dele. É aí que entra o Send/Return; o Send é a saída do pré-amplificador e o
Return é a entrada da potência. Então, se temos um set como o descrito acima, ele deve ser
ligado como mostra a imagem abaixo.

Isso permite que cada efeito e/ou alteração no sinal de áudio tenha o melhor
rendimento e qualidade possível, garantindo que o timbre do amplificador não será “perdido”
no meio do caminho e que cada efeito soe como deveria. Se você usa um pré-amplificador
separado, a saída dele deve ser inserida no Return, ou seja, na entrada da potência.

36
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Entradas

Alguns amplificadores valvulados têm duas ou mais entradas (alguns têm até 4). Essas
entradas são semelhantes, porém algumas têm uma impedância um pouco maior, sendo ideal
para uso com guitarras que têm captadores ativos ou de alto ganho. Em geral, em um
amplificador de 2 entradas, a entrada 1 é para guitarras de baixo ganho e a entrada 2 é para
guitarras de alto ganho. Em amplificadores com 4 entradas, ocorre o mesmo, porém com as
entradas 1 e 2 para baixo ganho, enquanto 3 e 4 são para alto ganho.

Essa matéria não tem a intenção de tornar ninguém em um expert em amplificadores,


tampouco funcionar como referência na escolha de determinado modelo. A idéia aqui é sanar
dúvidas que grande parte dos guitarristas têm e prestar um serviço de informação a nossos
consumidores e clientes. Se você vai comprar um amplificador, você deve levar em
consideração o tipo de som ou timbre que procura e não se o amplificador é valvulado ou não.
Lembre-se, seu timbre é sua assinatura!

5.2 Auto Falantes

O que é um Auto Falante? Tecnicamente é da família dos transdutores eletroacústicos.


Seu funcionamento é transformar os pulsos elétricos vindos do power em energia mecânica,
realizando movimentos no ar a fim de reproduzir a onda sonora de sua guitarra, devidamente
acrescida dos harmônicos, overdrive e efeitos. Suas características são vitais para um timbre.
Não adianta muito ter amplificadores, guitarras e efeitos top de linha, sem um falante que
“case” direitinho tanto tecnicamente, quando ao seu tipo de som.

5.2.1 Tipos de Falantes

Os falantes classificam-se em sub-woofers, woofers, drivers/tweeters. Sub-woofers são


destinados para frequências graves e gravíssimas. Os woofers para médios. Os
drivers/tweeters para agudos e agudíssimos.

Para nós guitarristas, só nos interessa os woofers. Desde os primeiros amplificadores a


guitarra possui a “voz dos woofers”. A utilização de outros falantes irá cortar frequências
importantes da guitarra e valorizar outras que não nos interessam, como as frequências muito
altas ou muito baixas.

- Partes e Componentes

Um alto-falante é composto pelo “sistema de fixação”, “sistema acústico” e “sistema elétrico


ou eletromagnético”. O sistema de fixação é basicamente uma carcaça de metal em formato
cônico com espaços vazados para a movimentação do ar. Nesta carcaça que se fixa os demais
sistemas.

37
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

O sistema acústico é preso num cone de papelão (ou outro material similar), preso à
carcaça. Na ponta do cone encontra-se o diafragma, bem ao centro e este preso à bobina. Na
borda encontra-se a “aranha”, parte bem flexível presa direta ao cone. A aranha pode ser feita
de diversas técnicas, dobradura/chanfradura em papel, borracha e outros materiais flexíveis.
No caso de falantes para guitarra é mais comum uma dobradura tipo sanfonada.

O sistema eletromagnético é composto pelo imã e pela bobina. Ao passar os pulsos


elétricos (onda sonora convertida e amplificada) pela bobina ela se movimenta (desliza) pelo
imã, fazendo com que o cone movimente o ar, reproduzindo o som.

- Potência

Seu amplificador possui uma potência, que no áudio é medida em RMS (Root Mean
Square - potência média quadrática ou potência eficaz), que é o produto médio de corrente e
tensão. Na prática a potência, mesmo em RMS é somente uma referência, em nada tendo a
ver com a pressão sonora produzida pelo falante (volume). Não é raro, encontrarmos
amplificadores com maior volume, mesmo sendo ligeiramente menos potentes que outro. A
eficiência dos sistemas de áudio depende de inúmeros fatores, sendo a maioria não lineares, e
é por isso que existe tanta confusão sobre a matéria.

Independentemente destes complexos cálculos não lineares, podemos concluir que o


casamento entre potência máxima do amplificador e do alto-falante é necessário, para evitar-
se distorções indesejadas (ao contrário das desejadas como a saturação de preamp e de
power).

Os “técnicos” costumam lançar frases prontas do tipo:

“o falante tem que ter o dobro de potência do amplificador, se não, queima”;

“a potência do falante não pode ser menor que 50% a mais que do amplificador”.

Todas estas afirmativas são verdadeiros “chutes”. Um amplificador de guitarra tem


picos muito diferentes de um amplificador de baixo. Um amplificador de um Sistema de P.A.,
tem picos diferentes para frequências diferentes, e muito diferentes. Mesmo restringindo a
comparação somente a amplificadores de guitarra, os picos variam de projeto a projeto.

Portanto, esta potência extra não possui valor fixo, podendo inclusive haver
casamento perfeito com potências iguais entre amplificador e falantes, até porque quando os
amplificadores são grandes (100W RMS, p. ex.), raramente se usa o volume no máximo,
quando muito em

gravações, ou seja, por tempo relativamente curto comparado aos ensaios e shows,
que normalmente são as principais utilizações.

Cabe salientar também, que ainda que se utilize um falante de mesma potência que o
amplificador, os fabricantes costumam projetar seus equipamentos com uma margem de
segurança. Desta forma, falantes de 50W costumam tolerar potências ligeiramente superiores
(especialmente os picos).

38
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

Se a energia transferida ao falante é maior do que ela consegue suportar, ela


“queimará” a bobina, o que ninguém deseja, pois o conserto muitas vezes fica o preço de um
novo.

A questão mais importante da potência do alto-falante é que ela não pode excessiva.
Um falante de 300W RMS geralmente não serve para um amplificador de guitarra (mesmo um
de 100W), pois via de regra, quanto maior a potência maior a dureza do cone e menor a
sensibilidade do falante. Alto-falantes para P.A., por exemplo, possuem sensibilidade muito
menor que aqueles para guitarra. Importante salientar que estamos falando de potência de
um único alto-falante.

De qualquer modo, o falante deve aguentar o máximo da potência do amplificador e


tem que ter sensibilidade suficiente para os baixos volumes. Para tirar o máximo de proveito
de seu falante, é importantíssimo que também haja o casamento de impedâncias.

- Casamento de impedâncias

O termo impedância, vem da palavra impedir, ou seja opor a algo ou alguma coisa. É
uma espécie de resistência. No caso do áudio, ela é a oposição de um circuito ao sinal, assim o
acoplamento de dois circuitos com impedâncias distintas irá dificultar o fluxo regular do
mesmo.

Se a impedância do falante é maior que do power, a energia entregue ao primeiro será


menor e o rendimento em termos de volume é menor, como se houvesse um afunilamento. Se
a impedância é menor no falante, este irá opor menos resistência, de modo que a
transferência é aumentada, como se houvesse um alargamento.

Em todos os casos, o power valvulado trabalha fora de suas condições normais,


podendo ser danificado.

A tolerância em circuitos transistorizados é bem maior, e não é raro encontrarmos


amplificadores com as seguintes especificações: 40W em 8 ohms e 80W em 4 ohms. Isto
ocorre porque a ligação do falante na potência é muitas vezes direta (possuem impedâncias
compatíveis) e o fluxo de corrente aumenta (dobra) quando há menos resistência.

Já no circuito valvulado, isto não é possível, pois o transformador de saída


desempenha função dupla, além do casamento das impedâncias, ele atua também como um
filtro da corrente contínua. O sinal de áudio é apenas corrente alternada, e é só deste sinal que
o falante precisa para funcionar.

Ao conectar impedâncias diferentes, não só poderá sobrecarregar e danificar a saída


do amplificador, como também, poderá passar fortes “doses” de corrente contínua, podendo
danificar o alto-falante. Se a saída não queimou pela sobrecarga pela ligação incorreta, irá
danificar-se depois que o falante deixar de funcionar, e zerar o fluxo de corrente. Por causa
disso, quanto mais potente, mais cuidado deve ser tomado com o casamento perfeito da
impedância, pois as correntes são maiores.

39
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- O que são Ohms?

Ohms, representados pela letra grega ômega, é uma resistência elétrica, uma unidade
de medida reconhecida pelo SI (Sistema Internacional de Unidades). Ohms é a relação entre a
tensão de um volt e uma corrente de ampére, ou seja, é a impedância dos mesmos, isto quer
dizer que alto-falantes de 4 ohms devem ser ligados em amplificadores que foram projetados
para trabalharem com a mesma impedância no caso 4. Se for ligado a um amplificador de 4
ohms um falante de 2 ohms temos uma sensação de aumento de potência, porém é prejudicial
já que isto fará com que a saída do amplificador aqueça podendo levá-lo a ter sua saída
danificada.

Por outro lado se invertermos a situação e ligarmos um falante de 8 ohms em um


amplificador de 4 então temos somente a sensação de perda de potência. Por isso tanto
amplificadores como alto-falantes especificam as suas impedâncias.

Existem amplificadores que podem trabalhar com várias impedâncias sem problemas,
depende do projeto. Também temos a possibilidade de combinarmos 2 ou mais alto-fantes
com impedâncias iguais ou diferentes para obtermos uma impedância desejada ligando-os em
série, paralelo ou série + paralelo. Por exemplo: dois alto-falantes de 4 ohms ligados em
paralelo dá a impedância final de 2 ohms e se forem ligados em série a impedância final é de 8
ohms.

Exemplos:

Um amp fornece 200W em 8 ohms ou 300W em 4 ohms.


1 - ligando UM falante de 4ohms: potência dissipada pelo amp: 300W, ou seja, o falante tem
que ter 300W de potencia.

2 - ligando UM falante de 8ohms: potência dissipada pelo amp: 200w, ou seja, o falante tem
que ter 200w de potência.

3 - ligando dois falantes de 4 ohms em serie: 8ohms de impedância final, potência dissipada:
200W dividindo a potência por dois... 100w pra cada falante... ou seja, pode usar dois falantes
de 100W .

4 - ligando dois falantes de 8ohms em paralelo: 4ohms de impedância final: potência dissipada
pelo amp: 300W, ou seja, pode usar dois falantes de 150W.

- Sensibilidade:

Assim como o power possui um ponto de excitação, ou seja, um nível mínimo de sinal
para que possa amplificar, os falantes também precisam de um nível mínimo para funcionar
direito, ou na sua melhor performance.

Se você ligar um amp pequeno numa caixa muito potente, você irá perceber que
inicialmente temos a sensação de que o volume não aumenta. Depois sentimos um aumento
abrupto de volume, quando passa de certo nível. Isto ocorre porque no início o sinal gerado

40
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

ainda não era suficiente para “tocar” o falante, depois que chegou na amplitude
suficiente o falante começa a operar normalmente.

Potência e sensibilidade são conceitos diferentes, mas existe uma correlação. Isto se
deve ao fato de que para oferecer muita potência o woofer precisa de um cone mais duro para
aguentar a movimentação mais extrema e consequentemente fornecer mais pressão sonora.
Neste sentido, mesmo que indiretamente, diminui a sensibilidade.

Obviamente, os fabricantes tentam a cada dia melhorar a sensibilidade sem perder


desempenho. Por isso, também não é raro encontrarmos falantes potentes e ainda assim
sensíveis o suficiente para trabalhar adequadamente com a maior variedade de amplificadores
de guitarra.

Outra questão, é que a sensibilidade também não é linear, ela também pode variar de
acordo com a frequência. Assim um falante pode ser mais sensível para graves que para
médios, por

exemplo. Isto explica porque às vezes com volume baixo o timbre “puxa” mais para
uma frequência e quando aumentamos o volume, a resposta muda e o som também.

Isto nos leva a outro tema importante, a curva de frequência do alto-falante.

6.0 Clínica / Saúde

A Opus tem uma grande preocupação com o bom estado físico dos seus alunos. Por
isto separamos um capítulo específico para falar sobre saúde, postura etc, para que você,
aluno, possa estar estudando de forma ergonômica, evitando problemas de saúde que
venham impossibilitá-lo de evoluir nos estudos. Relacionamos abaixo alguns tópicos básicos de
alongamento e aquecimento para que você possa estar preparado para iniciar os estudos com
o corpo pronto.

41
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

- Alongamento:

42
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

43
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

44
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

7. Teoria Musical Básica

A teoria musical é a parte fundamental da caminhada de um estudante de música. Assim como


um indivíduo não consegue se comunicar se não tiver vocabulário para isto, o músico também
não com segue se expressar corretamente se não tiver o conhecimento da teoria musical. Já
dizia o grande guitarrista John Petrucci, da banda norte americana “Dream Theater”.

Na teoria musical estudamos termos, conceitos, regras, figuras, leitura, e tudo mais que possa
nos deixar informados sobre nossa amada arte. A partir de então, iniciaremos os estudos sobre
conceitos e elementos musicais que, com certeza, você já deve ter ouvido falar, mas não
conhecia de fato.

7.1. Nota

É importante que o estudante possa conhecer todos os assuntos e termos utilizados em


música, pra que possa se tornar um músico completo e poder assimilar e filtrar tudo que ouve,
sabendo separar o que é correto e incorreto.

Muitas pessoas confundem várias coisas dentro da teoria musical. Alguns, por exemplo,
confundem nota com “Acorde”. O que é bastante diferente.

O som é o resultado da vibração de corpos elásticos, que se propaga no ar por meio de ondas
sonoras. Essas vibrações podem ser dividas em duas categorias: Vibração Regular e Vibração
Irregular. A vibração regular é responsável pela produção de sons de altura definida, que são
conhecidas como notas musicais, por exemplo, a vibração da corda de um violão. Por outro
lado, a vibração irregular produz sons de altura indefinida, normalmente chamada de ruído ou
barulho, por exemplo, uma bateria e uma percussão produzem vibrações irregulares. Dessa
maneira, na música utilizamos esses dois tipos de vibrações.

A quantidade de som empregado em música é bastante ampla, entretanto, podemos


representar todo esse universo de sons musicais em apenas doze notas:

DÓ – DÓ# – RÉ – RÉ# – MI – FÁ – FÁ# – SOL – SOL# – LÁ – LÁ# – SI.

45
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

7.2. Frequência

A frequência é o número de vibrações por segundo. Ou seja, a quantidade de vezes que a onda
completa um ciclo por segundo. A unidade de medida é conhecida como Hertz (Hz). A nota LÁ
que utilizamos como referência na afinação de instrumentos possui 440 vibrações por
segundo, ou seja, 440 Hz. Quanto maior a frequência, mais agudo será o som emitido. As
Ondas agudas são sempre mais curtas. Já as graves, são ondas longas e que dão trabalho para
serem controladas.

7.3. Altura

De todas as características do som a altura é a mais importante. A altura da nota está ligada à
frequência de vibração de um corpo elástico (como as cordas de um violão, por exemplo).
Quanto maior a velocidade da vibração, mais agudo será o som emito pelo corpo. Porém,
dentro da escrita musical, a altura estará ligada pela posição da mesma no pentagrama e pela
clave empregada. Quando executamos notas de diferentes alturas de maneira alternada
temos como resultado uma melodia. Ao executarmos notas de diferentes alturas de forma
simultânea teremos como resultado um acorde. Vale observar que “Altura” não significa
“Volume”.

7.4. Intensidade

A intensidade está relacionada ao grau de força aplicada na execução dos sons. Na escrita
musical a intensidade é identificada por sinais de dinâmica. A intensidade está relacionada
com a amplitude, ou seja, quanto maior a amplitude mais forte será o som.

7.5. Dissonância

Quando executamos dois ou mais sons de maneira simultânea são produzidos efeitos de
consonância ou dissonância. A característica predominante na consonância é a sensação de
repouso e estabilidade que as notas executadas transmitem. Por outro lado, a dissonância
produz uma sensação de movimento, tensão ou instabilidade.

46
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

7.6. Timbre

Podemos distinguir o som produzido por uma voz ou por um violão. Essa capacidade de
distinção de sons está ligada ao conceito de timbre. O timbre está relacionado à intensidade e
da qualidade dos harmônicos produzidos pelo som. As características do timbre estão ligadas a
fatores como o material com o qual é feito o instrumento, a maneira com que o som é
produzido e como ressoam. Há instrumentos que soam de forma similar a outros. Por isso é
preciso ter um ouvido apurado para ter certeza de qual instrumento está sendo tocado nesse
momento. É bastante comum confundir Teclados com Guitarras nos solos velozes de Heavy
Metal Melódico. Isso porque alguns tecladistas apreciam o timbre de Lead similar ao da
guitarra distorcida. Quem conhece bem o instrumento, sabe diferencias bem os bends e o tipo
de fraseado feito pelo músico.

Outro aspecto extremamente importante é que o timbre não altera a frequência da nota, ou
seja, a nota dó executada por um violão possui a mesma frequência ou altura de um dó
executado por um saxofone.

7.7. Escala

Podemos definir escala como sendo sequência de notas que obedece a uma determinada
regra, sendo cada tipo de escala regido por sua regra. É uma sucessão de notas consecutivas
de maneira ascendente ou descendente. Normalmente as notas de uma escala estão
compreendidas numa oitava. As escalas podem ser classificadas quanto ao número de notas:
as escalas de cinco notas são chamadas de pentatônicas, escalas de seis notas são chamadas
de hexacordal, já as escalas de sete notas são chamadas de heptatônicas, por outro lado, as
escalas de oito são camadas de octatônicas e por fim, a escala de doze notas é chamada de
artificial ou cromática.

7.8. Tonalidade

Tonalidade é um campo musical, onde, de acordo com uma regra determinada, utiliza-se uma
quantidade definida de notas e acordes para composição e execução de uma música. Quando
um cantor pede ao pianista um “Fá maior”, ele expressa ao músico que deverá cantar todas as
melodias baseadas nas notas da escala de Fá maior, e que, os acordes que servirão como base
para tal melodia terão formação que respeite esta escala. Qualquer acorde que não faça parte
da tonalidade em questão é tido como uma variação tonal, e, naquele momento, a melodia
pode ser modificada pela alteração deste acorde.

47
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

7.9. Instrumentos melódicos e instrumentos harmônicos

Instrumentos melódicos não são, propriamente, aqueles em que só se é possível tocar uma
nota de cada vez (Flauta, por exemplo), mas aqueles em que sua aplicação, na maior parte do
tempo, é de apenas uma nota. Os instrumentos de orquestras sinfônicas, como Violino,
Violoncello, Viola, Baixo acústico etc, são considerados instrumentos melódicos, pois a
execução das músicas escritas são feitas com notas individuais em quase todo o tempo. Já os
instrumentos de sopro, como Flauta, Clarinete, Pistão, Saxofone etc, são sempre melódicos,
pois não podem executar mais de uma nota por vez.

Instrumentos harmônicos são os que conseguem unir duas ou mais notas de uma vez,
podendo executar uma harmonia. Guitarra, violão, Harpa, Contrabaixo elétrico, Cavaquinho,
Piano, Acordeon etc, são alguns dos muitos que ocupam essa categoria. Os instrumentos
melódicos e harmônicos são basicamente divididos desta forma.

48
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

8. O que é acorde?

Acorde é um conjunto de três ou mais notas, tocadas de forma simultânea, que obedecem a
uma determinada regra de formação. Existem vários tipos de acorde, que são divididos por
duas categorias, que veremos mais à frente. De forma geral, nunca podemos confundir “Nota”
com “Acorde”. Como já visto antes, Nota é um som individual. Já os acordes, sons em
conjunto, de forma ordenada e regrada. Os acordes podem ser montados pelos mais diversos
instrumentos harmônicos, inclusive, por um conjunto de vozes (a partir de três).

8.1. Categorias de acordes

De forma organizacional, podemos separar os acordes em duas categorias: Maior e menor.


Diante desta condição, surgem as ramificações dos mesmos, as quais chamamos de “Tipos de
acordes”, onde vemos quais acordes podemos formar a partir das categorias maior e menor.

8.2. Tipos de acordes

Separando por maiores e menores, podemos começar a entender como funcionam os acordes
e saber como as escalas influenciam os mesmos na sua construção. Esta parte será vista na
Apostila Opus II, no trecho “Formação de acordes maiores e menores”.

Dentre os acordes maiores, podemos citar alguns muito utilizados:

- Maior com nona (Ex: E9)


- Maior com quinta aumentada (Acorde aumentado) (Ex: E5+)
- Maior com sexta
- Maior com sétima
- Maior com sétima e nona
- Maior com sétima menor e nona entre outros.

Dentre os acordes menores, podemos citar:

- Menor com nona


- Menor com quinta diminuta (Tríade diminuta)
- Menor com sexta
- Menor com sétima
- Menor com sétima e nona entre outros.

Existem várias formas de se tocar os acordes. Dedilhando, palhetando, usando harmônicos


naturais etc. Isso exige técnicas pra uma boa execução. Tanto para a mão direita, como para a
mão esquerda. Uma das maiores dificuldades que o aluno enfrenta na iniciação dos estudos é
a técnica chamada “Pestana”.

49
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

8.3. Pestana

A Pestana nada mais é do que uma técnica em que tocamos duas ou mais notas pressionando-
as com apenas um dedo. É necessário cuidado na hora de executar acordes com pestana, pois
pode causar dores nos tendões e nos nervos da mão esquerda (ou direita, pra quem é
canhoto). A força não deve ser maior que a necessária. Vale a pena observar a tensão do
instrumento, pra que não force o estudante a ter que usar força indevida e com postura
inadequada, causando a famosa tendinite e outros problemas que podem ser crônicos,
podendo chegar a impossibilitar o estudante de continuar a tocar seu instrumento.

50
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

9. EXERCÍCIOS DE INDEPENDÊNCIA DOS DEDOS

51
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

52
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

53
APOSTILA OPUS I – GUITARRA – MÓDULO 1
OPUS INSTITUTO MUSICAL

54

Você também pode gostar