Você está na página 1de 12

Conheça o

Bicho furão

O
bicho furão (Ecdytolopha
aurantiana) é uma
mariposa que deposita
ovos em frutos. A lagarta se
alimenta da polpa e provoca o
seu apodrecimento e queda.
Quando a infestação é precoce,
os frutos verdes também
podem ser atacados.
O inseto ocorre durante
todo o ano, com menor popula-
ção no outono em virtude da
menor disponibilidade de fru-
tos, principalmente maduros.

Barretos

S.J. do Rio Preto Bebedouro


A ocorrência
por região
Araraquara

Limeira

Em áreas de clima quente pode


haver um número maior de
gerações, de sete a oito por ano.

02
O ciclo de vida
Dura de 32 a 60 dias e é mais rápido em regiões quentes
(temperatura média de 30oC é a mais adequada para seu desenvolvimento)

1 A fêmea (mariposa) coloca


apenas um ovo por fruto,
geralmente ao entardecer (a partir
3 Dos ovos, saem lagartas de
cabeça escura, que penetram
no fruto, após caminhar por apro-
das 17 horas) - período ideal para o ximadamente 4 horas e se alimen-
controle. tam da polpa, provocando o seu
apodrecimento.
2 Cada fêmea pode colocar até
200 ovos durante o ciclo,
preferencialmente em frutos que 4 Antes que o fruto caia, as
lagartas tecem um fio para des-
estão de 1 a 2 m do solo. cer ao solo, onde passam para a fase
de pupa. Algumas vezes, a pupação
pode ocorrer no fruto.

2. ovo
03 a 05 dias
1. mariposa
14 a 21 dias

3. lagarta
14 a 30 dias

4. Pupa
09 a 21 dias

03
Sintoma provocado pelo Bicho furão

O
s frutos atacados pelo
bicho furão tornam-se
mais amarelos que os
demais e, na sua maioria, caem.
O que facilita a detecção do
ataque.
O orifício de penetração da
lagarta fica evidente, e podem-
se observar secreções, que são
restos de alimentação e
excremento.
Esse excremento endurece
e fica bem visível, grudado à
abertura da casca.

Essa característica ajuda a


identificar a presença do bicho
furão no pomar.

04
Diferenças importantes
Não é difícil confundir o ataque do bicho furão com o da
mosca-das-frutas. Saber a diferença, ajuda na escolha do
método de controle adequado.

Fruto atacado pela


mosca-das-frutas
A mosca-das-frutas ataca frutos
maduros. O local da fruta
atacado fica mole e apo-
drecido enquanto o atacado
pelo bicho furão torna-se
endurecido. A larva é de
coloração esbranquiçada e
não tem pernas.

Fruto atacado
pelo bicho furão

A principal diferença entre o


ataque do bicho furão e o da
mosca, é que, após penetrar no fruto,
ele lança excrementos e restos de
alimentos para fora da casca. Além
disso, em altas populações, o bicho
furão consegue se desenvolver em
frutos verdes, ao contrário da mosca-
das-frutas. A lagarta apresenta pernas,
linhas de cerdas e pintas no dorso, e é
de coloração creme a marrom.

05
Monitoramento

Veja o método mais indicado, desenvolvido por pesquisas

A
s pesquisas concluíram que é furão por meio de feromônio sexual
melhor monitorar a popu- sintetizado, em pastilhas. O fero-
lação de adultos, antes de mônio atrai os machos para
causarem danos aos frutos. É carac- acasalamento.
terística dessa praga ter aumentos
Em propriedades com plantio de
populacionais muito rápidos, que
variedades de diferentes épocas de
impedem o sucesso do controle
maturação e colheita, o monitora-
quando baseado em número de
mento deve ser iniciado na mudança
frutos atacados.
de coloração dos frutos e extende-se
Para maior eficiência, foi desen- até a colheita. Nessas propriedades o
volvido um método de monitora- monitoramento deverá ser realizado
mento de mariposas do bicho durante, praticamente todo o ano,
somente deixando de se realizar nos
meses de não disponibilidade de
frutos e/ou quando estes estiverem
verdes.

Feromônio
É uma substância química produzida
pelas fêmeas, que serve para atrair
os machos para o acasalamento.

Atenção

E
m épocas secas, o citricultor pode observar número altos de insetos
capturados na armadilha, sem haver danos nos frutos. Isso ocorre
porque há a redução da capacidade do bicho furão colocar ovos com
umidade relativa abaixo de 50%. Nesse caso, consulte um engenheiro
agrônomo.

06
Época de ocorrência e Monitoramento

Fenologia da planta x Périodo de ocorrência do bicho furão

07
Como fazer

O
feromônio é comercializado pela Coopercitrus, em um kit que
contém uma pastilha com feromônio e uma armadilha, com
paredes revestidas com cola para captura dos insetos. A montagem
da armadilha é bastante simples (veja ao lado).

Área – cada armadilha


cobre uma área de 10
hectares (de 3 mil a 3,5 mil
plantas).
r = 350m

Local – elas devem ser


colocadas nos ponteiros
das árvores, onde o bicho
furão acasala, e trocadas 10 ha 10 ha
a cada 30 dias.

Espaçamento - para monitorar a praga,


deve-se colocar uma armadilha a cada
350 m.

Nível de controle - o monitoramento é


feito por meio do registro do número de
machos adultos coletados nas armadilhas
a cada sete dias. O controle é
recomendado se forem coletados, em
cada armadilha, seis ou mais machos da
mariposa por semana. Após a contagem,
os insetos devem ser retirados (com um
graveto ou espátula) de dentro da
armadilha.

08
Montagem da armadilha
A montagem da armadilha é bem simples.
Siga as instruções como indicado.

1 Segure a dobra em cima da armadilha com


uma das mãos e com a outra abra as abas da
parte de baixo da armadilha para as laterais.

Puxe a dobra de baixo da armadilha,


fazendo com que a mesma adquira
2
o formato de um losango ou
diamante, com o cuidado para não puxar
muito ao ponto das laterais se encontrarem.

3 Tire a pastilha do Ferocitrus Furão do papel


alumínio, com cuidado para não danificar ou
remover o papel e a película plástica. Coloque-
a no centro, localizada na parte de baixo da
armadilha, conforme indicado na figura.

Com o auxílio dos dedos da mão que


segura a armadilha na parte de baixo, vire
4
as abas laterais para dentro da armadilha,
fechando as janelas laterais. Cuidado para não
amassar e não dobras as janelas laterais, o que
implicará na deformação da armadilha, danifi-
cando a captura dos insetos e diminuindo vida
útil da mesma. Passe um cordão pelo furo e
pendure a armadilha seguindo as recomen-
dações técnicas do produto.

09
Como controlar
Podem ser utilizados podutos químicos, biológicos ou
reguladores de crescimento de insetos (fisiológico)

Hora certa – Qualquer método de Produtos – O controle pode ser


controle escolhido deve ser reali- feito com produtos biológicos ou
zado ao entardecer, horário em que químicos. O primeiro é indicado para
a praga acasala e coloca os ovos. infestações baixas (média de seis
machos/armadilha/semana). O
segundo para baixas e altas infes-
Quando pulverizar - As tações.
pulverizações devem ser feitas
somente nos talhões que atingirem Controle biológico – O objetivo é
o nível de controle (pelo menos seis esperar a postura e fazer o controle
machos por armadilha a cada antes que a lagarta penetre no fruto.
semana). Os inseticidas biológicos, à base de
Bacillus thuringiensis, são eficientes no
controle do bicho furão.
Controle químico - O controle visa A pulverização deve ser por
eliminar os adultos e a lagarta em cobertura, na planta toda. Deve-se
trânsito. Os inseticidas químicos esperar de 7 a 8 dias após a conta-
podem ser usados nos focos iniciais gem da armadilha atingir o nível de
da praga. controle. A segunda aplicação é feita
20 a 30 dias mais tarde. Esses
inseticidas agem por mais tempo
Controle fisiológico - Os inseti- quando misturados com óleo
cidas fisiológicos têm efeito por até vegetal ou mineral.
30 dias. A vantagem destes
produtos é que eles são mais Recomendação – Se a escolha for
seletivos em relação aos inimigos pelo controle de adulto, é reco-
naturais do bicho furão, preservando mendável realizar a pulverização tão
aranhas, formigas, ácaros e outros logo seja atingido o nível de
predadores. controle.

Antes da aplicação dos defensivos, solicite a orientação de um agrônomo para


conhecer as doses corretas, os produtos registrados, seletividade aos inimigos
naturais e uso de equipamentos de proteção.

10
Cuidados adicionais
Além das aplicações de inseticidas, o citricultor deve tomar
alguns cuidados adicionais para controlar o bicho furão

Retire os frutos atacados Triture ou enterre


Com o objetivo de interromper o Os frutos atacados devem ser
ciclo de vida do inseto, todos os frutos triturados ou enterrados. A tritu-ração
atacados, tantos os que estiverem na requer máquina específica e a calda
árvores quanto os que já caíram, resultante pode ser usada como fonte
devem ser apanhados. de nutrientes para a planta e deve ser
Embora a maioria dos frutos que jogada nas ruas do pomar. Se jogada
cai das árvores não tenha a lagarta, sob a saia das árvores, na sombra,
pois ela já desceu ao solo para passar pode favorecer o crescimento do
à fase de pupa, recomenda-se, para fungo Penicillium. Ele provoca o
maior segurança, que eles sejam apodrecimento do fruto na planta.
também recolhidos e triturados ou Sem máquina de triturar, a solução é
enterrados. enterrar os frutos no meio das ruas
do pomar. Sobre eles, a camada de
terra deve ser de, no mínimo, 30
centímetros, para que as lagartas não
cheguem à superfície.

Colha mais rápido


Caso haja o ataque do bicho furão,
a colheita deve ser feita o mais
rapidamente possível, para evitar que
a população da praga cresça. A
mariposa costuma passar de talhões
com frutos maduros e mais velhos
para outros com frutos em fase de
amadurecimento.

11
Centros de Apoio Fitossanitário
Centro de Apoio de Araraquara Centro de Apoio de Itapetininga
Av. Dr. Adhemar Pereira de Barros, 266 Av. José Santana de Oliveira, 91
Cx. Postal 391 Vila Nova
CEP 14807-040 - Araraquara - SP CEP 18203-210 - Itapetininga - SP
Fone: (16) 3301 7035 Fone: (15) 3271 0686/3272 2979

Centro de Apoio de Araras Centro de Apoio de Itápolis


R. da Consolação, 146 R. Bernardino de Campos, 1224
Jardim Belvedere CEP 1490-000 - Itápolis - SP
CEP 13601-060 - Araras - SP Fone: (16) 3262 2182/3262 7477
Fone: (19) 3541 0598/3542 7800
Centro de Apoio de Jales
Centro de Apoio de Bebedouro R. 14, 3010
R. Antonio Alves de Toledo, 120 Centro
CEP 14700-000 - Bebedouro - SP CEP 15700-00 - Jales - SP
Fone: (17) 3342 4983/3343 3031 Fone: (17) 3632 7780/3632 6561

Centro de Apoio de Buritama Centro de Apoio de José Bonifácio


R. Agostinho Gambera, 679 R. 9 de Julho, 2145
Centro CEP 15200-000 - José Bonifácio - SP
CEP 15290-000 - Buritama - SP Fone: (17) 245 2766 / 245 4353
Fone: (18) 691 1833/691 1900
Centro de Apoio de Mirandópolis
Centro de Apoio de Frutal R. Rui Barbosa, 1087
R. Afrânio Peixoto, 374 CEP 16800-000 - Mirandópolis - SP
Alto Boa Vista Fone: (18) 3701 1912
CEP 38200-000 - Frutal - MG
Fone: (34) 3421 9511 Centro de Apoio de Olímpia
R. Gen. Osório,1120
Centro de Apoio de Guarantã CEP 15400-000 - Olímpia - SP
R. Manoel da Silva Pardal, 1247 Fone: (17) 281 4797/281 8959
CEP 16570-000 - Guarantã - SP
Fone: (14) 3586 1131/3586 1611 Centro de Apoio de Votuporanga
R. Maximiliano Lui, 975
Centro de Apoio de Icém Bairro do Café
Av. Simpliciano Custódio da Silveira, 534 CEP 15500-000 - Votuporanga - SP
CEP 15460-000 - Icém - SP Fone: (17) 3422 7221/3421 8483
Fone: (17) 282 2507/282 2868

Créditos:
Esse manual teve a consultoria de Pedro Takao Yamamoto, pesquisador do Fundecitrus,
José Maurício S. Bento e José Roberto Postali Parra, professores da Esalq/USP.
Fotos: Henrique Santos e arquivo Fundecitrus.

Ligue grátis - 0800 112155


www.fundecitrus.com.br

Você também pode gostar