Você está na página 1de 204

MA

TERI
ALS
UPL
EME
NTARP
ARAAC
OMP
ANHAR
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA ACOMPANHAR

Halliday & Resnick

FU NDAMENTOS DE FÍS IC A
D é c i m a E d i ç ão

JEARL WALKER
Cleveland State University

Tradução e Revisão Técnica


Ronaldo Sérgio de Biasi, Ph.D.
Professor Emérito do Instituto Militar de Engenharia – IME
Os Materiais Suplementares do livro FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 10a EDIÇÃO, 2016 contêm ilus-
trações, ensaios, soluções, testes e slides que podem ser usados como apoio pedagógico. O acesso aos
materiais suplementares desta edição está sujeito ao cadastramento no site da LTC — Livros Técnicos
e Científicos Editora Ltda.

Materiais Suplementares traduzidos do material original:


• Aulas em PowerPoint (restrito a docentes);
• Ensaios de Jearl Walker em pdf (acesso livre);
• Ilustrações da obra em formato de apresentação (restrito a docentes);
• Manuais das Calculadoras Gráficas TI-86 & TI-89 em pdf (acesso livre);
• Respostas das perguntas em pdf (restrito a docentes);
• Respostas dos problemas em pdf (restrito a docentes);
• Simulações (acesso livre);
• Soluções dos Problemas (Manual) em pdf (restrito a docentes);
• Testes Conceituais (restrito a docentes);
• Testes em Múltipla Escolha (restrito a docentes);
• Testes em PowerPoint (restrito a docentes).

Material Suplementar traduzido do material original:


FUNDAMENTALS OF PHYSICS, VOLUMES 1 e 2, TENTH EDITION
Copyright © 2014, 2011, 2008, 2005 John Wiley & Sons Inc.
All Rights Reserved. This translation published under license with the original publisher John Wiley &
Sons Inc.
ISBN: 978-1-118-23376-4 (Volume 1)
ISBN 978-1-118-23073-2 (Volume 2)

Obra publicada pela LTC:


FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 10a EDIÇÃO 2016
Direitos exclusivos para a língua portuguesa
Copyright © 2016 by
LTC − Livros Técnicos e Científicos Editora Ltda.
Uma editora integrante do GEN | Grupo Editorial Nacional

Editoração Eletrônica: Arte & Ideia


Capítulo 33
Objetivos do Aprendizado
OA 33.1.0 Resolver problemas relacionados a ondas eletromagnéticas.
OA 33.1.1 Indicar, no espectro eletromagnético, o comprimento de onda relativo (maior ou menor) das ondas de rádio AM, rádio
FM, televisão, luz infravermelha, luz visível, luz ultravioleta, raios X e raios gama.
OA 33.1.2 Descrever a transmissão de ondas eletromagnéticas por um circuito LC e uma antena.
OA 33.1.3 No caso de um transmissor com um circuito oscilador LC, conhecer a relação entre indutância L, capacitância C e
frequência angular w do circuito e a frequência f e comprimento de onda l da onda emitida.
OA 33.1.4 Conhecer a velocidade de uma onda eletromagnética no vácuo (e, aproximadamente, no ar).
OA 33.1.5 Saber que as ondas eletromagnéticas não precisam de um meio material para se propagar e, portanto, podem se pro-
pagar no vácuo.
OA 33.1.6 Conhecer a relação entre a velocidade de uma onda eletromagnética, a distância em linha reta percorrida pela onda e
o tempo necessário para percorrer essa distância.
OA 33.1.7 Conhecer a relação entre a frequência f, o comprimento de onda l, o período T, a frequência angular w e a velocidade
c de uma onda eletromagnética.
OA 33.1.8 Saber que uma onda eletromagnética é formada por uma componente elétrica e uma componente magnética, que são
(a) perpendiculares à direção de propagação, (b) mutuamente perpendiculares e (c) ondas senoidais com a mesma frequência e
a mesma fase.
OA 33.1.9 Conhecer as equações senoidais das componentes elétrica e magnética de uma onda eletromagnética em função da
posição e do tempo.
OA 33.1.10 Conhecer a relação entre a velocidade da luz c, a constante elétrica e0 e a constante magnética m0.
OA 33.1.11 Conhecer a relação entre o módulo do campo elétrico E, o módulo do campo magnético B e a velocidade da luz c de
uma onda eletromagnética em um dado instante e em uma dada posição.
OA 33.1.12 Demonstrar a relação entre a velocidade da luz c e a razão entre a amplitude E do campo elétrico e a amplitude B do
campo magnético.

OA 33.2.0 Resolver problemas relacionados ao transporte de energia e ao vetor de Poynting.


OA 33.2.1 Saber que uma onda eletromagnética transporta energia. 
OA 33.2.2 Saber que a taxa de transporte
 de energia por unidade
 de área é dada pelo vetor de Poynting S , que é proporcional ao
produto vetorial do campo elétrico E pelo campo magnético B.
OA 33.2.3 Determinar a direção e o sentido de propagação (e, portanto, de transporte de energia) de uma onda eletromagnética
usando o vetor de Poynting.
OA 33.2.4 Calcular a taxa instantânea S de transporte de energia de uma onda eletromagnética em função do módulo instantâneo
E do campo elétrico.
OA 33.2.5 Conhecer a relação entre o valor médio quadrático Erms e a amplitude Em da componente elétrica de uma onda eletro-
magnética.
OA 33.2.6 Saber o que significa a intensidade I de uma onda eletromagnética em termos do transporte de energia.
OA 33.2.7 Conhecer a relação entre a intensidade I de uma onda eletromagnética, o valor médio quadrático Erms do campo elétrico
e a amplitude Em do campo elétrico.
OA 33.2.8 Conhecer a relação entre a potência média Pméd, a energia transferida DE e o tempo de transferência Dt, e a relação entre
a potência instantânea P e a taxa de transferência de energia dE/dt.
OA 33.2.9 Saber o que é uma fonte luminosa pontual.
OA 33.2.10 No caso de uma fonte luminosa pontual, conhecer a relação entre a intensidade I da luz em um ponto do espaço, a
potência de emissão P da fonte e a distância r entre o ponto e a fonte.
OA 33.2.11 Explicar, usando a lei de conservação da energia, por que a intensidade da luz emitida por uma fonte pontual diminui
com o quadrado da distância.

OA 33.3.0 Resolver problemas relacionados à pressão da radiação.


OA 33.3.1 Saber a diferença entre força e pressão.
OA 33.3.2 Saber que uma onda eletromagnética transporta momento e pode exercer uma força e uma pressão sobre um
objeto.
OA 33.3.3 No caso de uma onda eletromagnética uniforme que incide perpendicularmente em uma superfície, conhecer a
relação entre a área da superfície, a intensidade da onda e a força exercida sobre a superfície, nos casos de absorção total e
reflexão total.
OA 33.3.4 No caso de uma onda eletromagnética uniforme que incide perpendicularmente em uma superfície, conhecer a relação
entre a intensidade da onda e a pressão exercida sobre a superfície, nos casos de absorção total e reflexão total.
2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

OA 33.4.0 Resolver problemas relacionados à polarização.


OA 33.4.1 Saber a diferença entre luz polarizada e luz não polarizada.
OA 33.4.2 Fazer desenhos de feixes de luz polarizada e de luz não polarizada vistos de frente.
OA 33.4.3 Explicar a ação de um filtro polarizador em termos da direção (ou eixo) de polarização, da componente do campo
elétrico que é absorvida e da componente que é transmitida.
OA 33.4.4 Conhecer a relação entre a polarização da luz que atravessa um filtro e a direção de polarização do filtro.
OA 33.4.5 No caso de um feixe de luz que incide perpendicularmente em um filtro polarizador, explicar o que é a regra da metade
e o que é a regra do cosseno ao quadrado.
OA 33.4.6 Conhecer a diferença entre um filtro polarizador e um filtro analisador.
OA 33.4.7 Explicar o que significa dizer que dois filtros polarizadores estão cruzados.
OA 33.4.8 No caso em que um feixe de luz atravessa uma série de filtros polarizadores, determinar a intensidade e a polarização
do feixe de luz depois de passar pelo último filtro.

OA 33.5.0 Resolver problemas relacionados à reflexão e à refração.


OA 33.5.1 Mostrar, em um desenho esquemático, a reflexão de um raio de luz em uma interface e assinalar o raio incidente, o raio
refletido, o ângulo de incidência e o ângulo de reflexão.
OA 33.5.2 Conhecer a relação entre o ângulo de incidência e o ângulo de reflexão.
OA 33.5.3 Mostrar, em desenho esquemático, a refração de um raio de luz em uma interface e assinalar o raio incidente, o raio
refratado, o ângulo de incidência e o ângulo de refração.
OA 33.5.4 No caso da refração da luz, usar a lei de Snell para relacionar o índice de refração e o ângulo do raio luminoso em um
dos lados da interface aos mesmos parâmetros do outro lado na interface.
OA 33.5.5 Mostrar, em diagramas esquemáticos, tomando como referência a direção do raio incidente, a refração da luz por um
material com um índice de refração maior que o do primeiro material, por um material com um índice de refração menor que
o do primeiro material e por um material com um índice de refração igual ao do primeiro material. Em cada situação, descrever
a refração como um desvio do raio de luz para mais perto da normal, como um desvio para mais longe da normal, ou como a
ausência de um desvio.
OA 33.5.6 Saber que a refração ocorre apenas na interface de dois materiais.
OA 33.5.7 Saber o que é dispersão cromática.
OA 33.5.8 No caso da refração de raios de várias cores em uma interface, saber quais são as cores que sofrem um desvio maior
quando o segundo meio tem um índice de refração maior que o primeiro e quais são as cores que sofrem um desvio maior quando
o segundo meio tem um índice de refração menor que o primeiro.
OA 33.5.9 Saber como o arco-íris primário e o arco-íris secundário são formados e por que têm a forma de arcos de cir-
cunferência.

OA 33.6.0 Resolver problemas relacionados à reflexão interna total.


OA 33.6.1 Usar um desenho para explicar a reflexão interna total, indicando o ângulo de incidência, o ângulo crítico e os valores
relativos do índice de refração dos dois lados da interface.
OA 33.6.2 Saber qual é o ângulo de refração correspondente ao ângulo crítico de incidência para reflexão interna total.
OA 33.6.3 Calcular o ângulo crítico para reflexão interna total a partir dos índices de refração dos meios envolvidos.

OA 33.7.0 Resolver problemas relacionados à polarização por reflexão.


OA 33.7.1 Explicar, usando desenhos, de que forma a luz não polarizada pode ser convertida em luz polarizada por reflexão em
uma interface.
OA 33.7.2 Saber o que é o ângulo de Brewster.
OA 33.7.3 Conhecer a relação entre o ângulo de Brewster e os índices de refração dos dois lados da interface.
OA 33.7.4 Explicar como funcionam os óculos polarizados.

Questões de Múltipla Escolha


1. O limite superior teórico da frequência das ondas eletromagnéticas é
A) ligeiramente maior que a frequência da luz vermelha.
B) ligeiramente menor que a frequência da luz azul.
C) a frequência dos raios X.
D) Nenhuma das respostas anteriores (não existe um limite superior).
E) Nenhuma das respostas anteriores (mas existe um limite superior).

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   3

Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.0

2. Uma onda eletromagnética é gerada


A) por qualquer carga que esteja em movimento.
B) apenas por cargas que estejam em movimento acelerado.
C) apenas por cargas cuja aceleração esteja variando.
D) apenas por cargas que estejam se movendo em círculos.
E) apenas por cargas que estejam se movendo em linha reta.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.0

3. Uma onda eletromagnética está se propagando no sentido positivo do eixo x com o campo elétrico na direção do eixo z e o
campo magnético na direção do eixo y. A equação que relaciona os dois campos é
A) ¶E/¶x = m0 e0¶B/¶x
B) ¶E/¶x = m0 e0¶B/¶t
C) ¶B/¶x = m0 e0¶E/¶x
D) ¶B/¶x = m0 e0¶E/¶t
E) ¶B/¶x = –m0 e0¶E/¶t

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.0

4. Indique a afirmação correta:


A) O comprimento de onda dos raios ultravioleta é maior que o dos raios infravermelhos.
B) A frequência da luz azul é maior que a dos raios X.
C) A frequência das ondas de rádio é maior que a dos raios gama.
D) A frequência dos raios gama é maior que a dos raios infravermelhos.
E) Os elétrons são uma forma de onda eletromagnética.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.1

5. Chamando de r as ondas de rádio, de v a luz visível, de i os raios infravermelhos, de x os raios X e de u os raios violeta, temos,
em ordem crescente de frequência,
A) r, v, i, x, u.
B) r, i, v, u, x.
C) i, r, v, u, x.
D) x, u, v, i, r.
E) r, i, v, x, u.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.1

6. Colocando em ordem crescente de comprimento de onda as ondas luminosas correspondentes às cores azul, verde, vermelho
e amarelo, temos
A) vermelho, amarelo, verde, azul.
B) vermelho, verde, amarelo, azul.
4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) verde, amarelo, azul, vermelho.


D) azul, verde, amarelo, vermelho.
E) azul, amarelo, verde, vermelho.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.1

7. O olho humano é mais sensível


A) à luz vermelha.
B) à luz violeta.
C) à luz azul.
D) à luz verde.
E) Nenhuma das respostas anteriores (o olho humano é igualmente sensível a todas as cores mencionadas).

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.1

8. Uma das diferenças entre as ondas de rádio e a luz visível é que as ondas de rádio
A) se propagam com menor velocidade.
B) têm uma frequência maior.
C) se propagam com maior velocidade.
D) têm uma frequência menor.
E) não se propagam no vácuo.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.1

9. Qual é o comprimento de onda das ondas eletromagnéticas emitidas por um circuito LC com uma indutância de 15 mH e uma
capacitância de 23 pF?
A) 29 mm
B) 65 mm
C) 5,6 m
D) 35 m
E) 220 m

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.3

10. Qual das afirmações a seguir NÃO É verdadeira para as ondas eletromagnéticas?
A) São formadas por campos elétricos e magnéticos variáveis.
B) Têm uma velocidade de propagação no vácuo que depende da frequência.
C) Transportam energia.
D) Transportam momento.
E) Podem ser refletidas.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.4
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   5

11. De acordo com as equações de Maxwell, a velocidade da luz no vácuo


A) é diretamente proporcional à frequência.
B) é inversamente proporcional à frequência.
C) é independente da frequência.
D) é inversamente proporcional à distância da fonte.
E) é diretamente proporcional ao tamanho da fonte.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.4

12. A velocidade da luz no vácuo é, aproximadamente,


A) 1100 pés por segundo.
B) 93 × 106 milhas por segundo.
C) 6 × 1023 metros por segundo.
D) 3 × 1010 centímetros por segundo.
E) 186.000 milhas por hora.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.4

13. Qual das ondas eletromagnéticas a seguir se propaga com maior velocidade no vácuo?
A) Ondas de rádio.
B) Luz visível.
C) Raios X.
D) Raios gama.
E) Todas se propagam com a mesma velocidade.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.4

14. O Sol está a 1,5 × 1011 m de distância da Terra. O tempo que a luz leva para percorrer essa distância é, aproximadamente,
A) 4,5 × 1019 segundos.
B) 8 segundos.
C) 8 minutos.
D) 8 horas.
E) 8 anos.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.6

15. A Lua está a 3,8 × 108 m de distância da Terra. O tempo que uma onda de radar leva para chegar de volta à Terra, depois de ser
refletida pela Lua, é, aproximadamente,
A) 1,3 segundo
B) 2,5 segundos
C) 8 segundos
D) 8 minutos
E) 1 × 106 segundos
6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.6

16. A frequência da luz visível é da ordem de


A) 5 × 1018 Hz
B) 5 × 1016 Hz
C) 5 × 1014 Hz
D) 5 × 1012 Hz
E) 5 × 1010 Hz

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.7

17. As ondas eletromagnéticas com um comprimento de onda de 3 cm têm uma frequência de


A) 1 MHz
B) 9 MHz
C) 100 MHz
D) 900 MHz
E) 10.000 MHz

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.7

18. As ondas eletromagnéticas com um comprimento de onda de 300 m têm uma frequência de
A) 10–6 kHz
B) 108 kHz
C) 500 kHz
D) 1 MHz
E) 9 MHz

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.7

19. Se o campo elétrico de uma onda eletromagnética plana é Em sen[(3 × 106)x – wt], em que x está em metros e t está em segun-
dos, o valor de w, em unidades do SI, é
A) 0,01 rad/s
B) 10 rad/s
C) 100 rad/s
D) 9 × 1014 rad/s
E) 9 × 1016 rad/s

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.7

20. A figura mostrao campo elétrico de uma onda eletromagnética plana que se propaga no sentido
 positivo do eixo y. Considere
um ponto no qual E aponta no sentido positivo do eixo z. Nesse ponto, o campo magnético B
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   7


A) aponta no sentido positivo do eixo x e está em fase com E .
B) aponta no sentido negativo do eixo x e está em fase com E . 
 E.
C) aponta no sentido positivo do eixo x e está fora de fase com
D) aponta no sentido positivo do eixo z e está em fase com E . 
E) aponta no sentido positivo do eixo z e está fora de fase com E .

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.8

21. O produto m0e0 tem unidades de


A) (velocidade)2
B) (velocidade)1/2
C) 1/velocidade
D) 1/velocidade2
E) 1/velocidade1/2

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.10

22. De acordo com as equações de Maxwell, a velocidade das ondas eletromagnéticas no vácuo é dada por
A) m0e0
B) (m0e0)1/2
C) 1/m0e0
D) 1/(m0e0)1/2
E) 1/(m0e0)2

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.10

23. Em uma onda eletromagnética plana que se propaga no vácuo, a razão E/B das amplitudes dos dois campos é
A) igual à velocidade da luz.
B) diretamente proporcional à frequência.
C) inversamente proporcional à frequência.
D) igual a 2 .
E) igual a 1/ 2 .

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.11

24. Se o campo magnético de uma onda eletromagnética plana aponta na direção do eixo y e seu módulo é dado por Bm sen(kx – wt),
então o campo elétrico aponta na direção do eixo z e seu módulo é dado por
A) (cBm) cos (kx – wt).
B) –(cBm) cos (kx – wt).
8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) (cBm) sen (kx – wt).


D) –(cBm) sen (kx – wt).
E) Bm cos (kx – wt).

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.11

25. Se o campo elétrico de uma onda eletromagnética plana aponta na direção do eixo y e seu módulo é dado por Em sen(kx + wt),
então o campo magnético aponta na direção do eixo z e seu módulo é dado por
A) (Em/c) cos (kx + wt).
B) –(Em/c) cos (kx + wt).
C) (Em/c) sen (kx + wt).
D) –(Em/c) sen (kx + wt).
E) Em cos (kx + wt).

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.11

26. Se a amplitude do campo elétrico de uma onda eletromagnética plana é 100 V/m, a amplitude do campo magnético é
A) 3,3 × 10–7 T.
B) 6,7 × 10–7 T.
C) 0,27 T.
D) 8,0 × 107 T.
E) 3,0 × 1010 T.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-1
Objetivo do Aprendizado: 33.1.11
  
27. A unidade de S = (1/µ0 ) E × B no SI é
A) J/m2
B) J/s
C) W/s
D) W/m2
E) J/m3

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.0

28. A energia média de uma onda eletromagnética senoidal em qualquer ponto do espaço
A) se deve quase totalmente ao campo elétrico.
B) se deve principalmente ao campo elétrico.
C) se deve ao campo elétrico e ao campo magnético, em partes iguais.
D) se deve principalmente ao campo magnético.
E) se deve quase totalmente ao campo magnético.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.0
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   9

29. A taxa de transporte


  de energia por unidade de área de uma onda eletromagnética é dada
A) pelo vetor E × B.
B) pelo vetor de Poynting.
C) pelo vetor de Poynting dividido pela área.
D) pelo vetor de Poynting dividido pelo tempo.
E) pelo vetor de Poynting multiplicado pelo tempo.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.2
 
30. No caso de uma onda eletromagnética, a direção do vetor E × B corresponde
A) à direção do campo elétrico.
B) à direção do campo magnético.
C) à direção de propagação da onda.
D) à direção da força eletromagnética exercida sobre um próton.
E) à direção da força eletromotriz induzida pela onda.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.3

31. Em um dado local e em um dado instante, o campo elétrico de uma onda eletromagnética aponta no sentido negativo do eixo
z e o campo magnético aponta no sentido positivo do eixo y. Qual das afirmações a seguir é verdadeira?
A) A energia está sendo transportada no sentido positivo do eixo x e meio ciclo depois, quando o campo elétrico estiver apontando
no sentido oposto, estará sendo transportada no sentido negativo do eixo x.
B) A energia está sendo transportada no sentido positivo do eixo x e meio ciclo depois, quando o campo elétrico estiver apontando
no sentido oposto, ainda estará sendo transportada no sentido positivo do eixo x.
C) A energia está sendo transportada no sentido negativo do eixo x e meio ciclo depois, quando o campo elétrico estiver apontando
no sentido oposto, estará sendo transportada no sentido positivo do eixo x.
D) A energia está sendo transportada no sentido negativo do eixo x e meio ciclo depois, quando o campo elétrico estiver apontando
no sentido oposto, ainda estará sendo transportada no sentido negativo do eixo x.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.3

32. Uma onda eletromagnética está transportando energia no sentido negativo do eixo y. Em um dado local e em um dado instante,
o campo magnético está apontando no sentido positivo do eixo x. Nesse local e nesse instante, o campo elétrico está apontando
A) no sentido positivo do eixo y.
B) no sentido negativo do eixo y.
C) no sentido positivo do eixo z.
D) no sentido negativo do eixo z.
E) no sentido negativo do eixo x.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.3

33. Se o valor rms do campo elétrico de uma onda eletromagnética senoidal é 100 V/m, a taxa instantânea de transferência de
energia associada à onda é
A) 1,7 × 10–4 W/m2
B) 13 W/m2
1 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) 27 W/m2
D) 1,0 × 105 W/m2
E) 4,0 × 1010 W/m2

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.4

34. Se o campo magnético de uma onda luminosa senoidal tem uma amplitude de 3,3 × 10–7 T, a intensidade da onda é
A) 1,7 × 10–4 W/m2
B) 13 W/m2
C) 27 W/m2
D) 1,0 × 105 W/m2
E) 4,0 × 1010 W/m2

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.7

35. Se uma onda eletromagnética senoidal, cujo campo elétrico tem uma amplitude de 100 V/m, incide normalmente em uma
superfície com uma área de 1 cm2 e é totalmente absorvida, a energia absorvida em 10 s é
A) 1,3 mJ
B) 13 mJ
C) 27 mJ
D) 130 mJ
E) 270 mJ

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.8

36. Se uma fonte pontual emite ondas eletromagnéticas com uma potência de 100 W, a intensidade das ondas a 10 m de distância
da fonte é
A) 10 W/m2
B) 1,6 W/m2
C) 1,0 W/m2
D) 0,080 W/m2
E) 0,024W/m2

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.10

37. Se a intensidade da luz a 10 m de distância de uma fonte pontual é 1000 W/m2, a intensidade da luz a 100 m de distância da
mesma fonte é
A) 1000 W/m2
B) 100 W/m2
C) 10 W/m2
D) 1 W/m2
E) 0,1 W/m2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 1

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.10

38. Quando a distância entre uma fonte luminosa pontual e um fotômetro é reduzida de 6,0 m para 2,0 m, a intensidade medida
pelo instrumento é igual ao valor original multiplicado por
A) 3
B) 9
C) 1/3
D) 1/9
E) 1

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 33-2
Objetivo do Aprendizado: 33.2.10

39. Uma das indicações de que as ondas eletromagnéticas transportam momento é


A) que a cauda dos cometas sempre aponta para longe do Sol.
B) que o movimento dos elétrons em um fio produz calor.
C) que uma partícula carregada executa um movimento circular na presença de um campo magnético constante e uniforme.
D) que é possível produzir calor esfregando dois pedaços de madeira.
E) o efeito Doppler.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-3
Objetivo do Aprendizado: 33.3.2

40. Um material que absorve energia luminosa sem que haja transferência de momento
A) é impossível.
B) existe, mas custa muito caro.
C) é barato e fácil de encontrar nas lojas.
D) é usado pela NASA, mas não está à venda.
E) ainda está em fase experimental.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 33-3
Objetivo do Aprendizado: 33.3.2

41. Uma luz de intensidade uniforme incide normalmente em uma superfície totalmente absorvedora. Se a área da superfície diminui,
A) a pressão da radiação aumenta e a força da radiação aumenta.
B) a pressão da radiação aumenta e a força da radiação diminui.
C) a pressão da radiação não muda e a força da radiação aumenta.
D) a pressão da radiação não muda e a força da radiação diminui.
E) a pressão da radiação diminui e a força da radiação diminui.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-3
Objetivo do Aprendizado: 33.3.3

42. Se uma luz com uma intensidade de 1 kW/m2 incide normalmente em uma superfície com uma área de 1 cm2 e é totalmente
absorvida, a força que a radiação exerce sobre a superfície é
A) 3,3 × 10–11 N
B) 1,7 × 10–10 N
1 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) 3,3 × 10–10 N
D) 6,7 × 10–10 N
E) 1,0 × 10–4 N

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 33-3
Objetivo do Aprendizado: 33.3.3

43. Se uma luz com uma intensidade de 1 kW/m2 incide normalmente em uma superfície com uma área de 1 cm2 e é totalmente
refletida, a pressão da radiação é
A) 3,3 × 10–11 N
B) 1,7 × 10–10 N
C) 3,3 × 10–10 N
D) 6,7 × 10–10 N
E) 1,0 × 10–4 N

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-3
Objetivo do Aprendizado: 33.3.3

44. Se uma luz com uma intensidade de 1 kW/m2 incide normalmente em uma superfície e é totalmente absorvida, a pressão da
radiação é
A) 1 kPa
B) 3 × 1011 Pa
C) 1,7 × 10–6 Pa
D) 3,3 × 10–6 Pa
E) 6,7 × 10–6 Pa

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-3
Objetivo do Aprendizado: 33.3.4

45. Se uma luz com uma intensidade de 1 kW/m2 incide normalmente em uma superfície e é totalmente refletida, a pressão da
radiação é
A) 1 kPa
B) 3 × 1011 Pa
C) 1,7 × 10–6 Pa
D) 3,3 × 10–6 Pa
E) 6,7 × 10–6 Pa

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 33-3
Objetivo do Aprendizado: 33.3.4

46. Os experimentos de polarização mostram que a luz é


A) uma onda longitudinal.
B) um feixe de partículas.
C) uma onda transversal.
D) um tipo de onda.
E) uma onda monocromática.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 3

Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.0

47. Uma antena de automóvel vertical é sensível a campos elétricos polarizados


A) horizontalmente.
B) circularmente.
C) verticalmente.
D) perpendiculares à antena, na direção de propagação.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.0

48. No caso de uma luz polarizada linearmente, o plano de polarização é


A) perpendicular à direção de polarização e à direção de propagação.
B) perpendicular à direção de polarização e paralelo à direção de propagação.
C) paralelo à direção de polarização e perpendicular à direção de propagação.
D) paralelo à direção de polarização e à direção de propagação.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.0

49. A luz produzida pela chama de uma vela é


A) não polarizada.
B) plano-polarizada.
C) polarizada circularmente.
D) polarizada elipticamente.
E) monocromática.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.0

50. A orientação do campo elétrico de uma luz não polarizada


A) não pode ser definida.
B) gira rapidamente.
C) é paralela à direção de propagação.
D) varia aleatoriamente com o tempo.
E) tem sempre a mesma direção, mas muda aleatoriamente de sentido.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.0

51. Se dois filtros polarizadores forem superpostos de tal forma que as direções de polarização façam um ângulo de 30° e forem
iluminados com luz não polarizada, a razão entre a intensidade da luz transmitida e a intensidade da luz incidente será
A) 1/4
B) 1/3
C) 1/2
D) 3/4
E) 3/8
1 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.5

52. Uma luz não polarizada, de intensidade I0, incide em um conjunto formado por dois filtros polarizadores cujas direções de
polarização fazem um ângulo q. Se a intensidade da luz transmitida pelo conjunto é I0/4, o ângulo q é igual a
A) sen–1(1/2)
B) sen–1(1/ 5 )
C) cos–1(1/2)
D) cos–1(1/ 2 )
E) tan–1(1/4)

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.5

53. A figura mostra quatro pares de filtros polarizadores, com as direções de polarização indicadas por linhas tracejadas. Os dois
filtros de cada par são alinhados e iluminados com luz não polarizada. A intensidade da luz incidente é a mesma para os quatro
pares de filtros. Coloque os pares na ordem crescente da intensidade da luz transmitida.

A) 1, 2, 3, 4
B) 4, 2, 1, 3
C) 2, 4, 3, 1
D) 2, 4, 1, 3
E) 3, 1, 4, 2

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.8

54. Em um conjunto formado por três filtros polarizadores, as direções de polarização do primeiro e do terceiro filtros são mu-
tuamente perpendiculares e a direção de polarização do segundo filtro faz um ângulo de 45° com as direções de polarização dos
outros dois. A razão entre a intensidade da luz transmitida pelo conjunto e a intensidade da luz não polarizada incidente é
A) 1/2
B) 1/3
C) 1/4
D) 1/8
E) 0

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.8
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 5

55. Em um conjunto formado por três filtros polarizadores, as direções de polarização do primeiro e do terceiro filtros são mutua-
mente perpendiculares. Que ângulo a direção de polarização do segundo filtro deve fazer com a direção de polarização do primeiro
para que a intensidade da luz transmitida seja máxima quando o conjunto é iluminado com luz não polarizada?
A) 0°
B) 30°
C) 45°
D) 60°
E) 90°

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.8

56. Em um conjunto formado por três filtros polarizadores, as direções de polarização do primeiro filtro e do terceiro filtro são
mutuamente perpendiculares. Que ângulo a direção de polarização do segundo filtro deve fazer com a direção de polarização do
primeiro para que a intensidade da luz transmitida seja nula quando o conjunto é iluminado com luz não polarizada?
A) 0°
B) 30°
C) 45°
D) 60°
E) A intensidade da luz transmitida é diferente de zero para qualquer ângulo.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 33-4
Objetivo do Aprendizado: 33.4.8

57. A relação qincidência = qreflexão, que se aplica quando um raio de luz é refletido na interface que separa dois meios, é conhecida como
A) Lei de Faraday.
B) Lei de Snell.
C) Lei de Ampère.
D) Lei de Cole.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.0

58. A relação n1 sen q1 = n2 sen q2, que se aplica quando um raio de luz é transmitido na interface que separa dois meios, é conhe-
cida como
A) Lei de Gauss.
B) Lei de Snell.
C) Lei de Faraday.
D) Lei de Cole.
E) Lei dos senos.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.0

59. O índice de refração de uma substância é


A) a velocidade da luz na substância.
B) o ângulo de refração.
C) o ângulo de incidência.
1 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) a velocidade da luz no vácuo dividida pela velocidade da luz na substância.


E) medido em radianos.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.0

60. O índice de refração pode ser medido em


A) metros por segundo.
B) segundos por metro.
C) radianos.
D) metros por segundo ao quadrado.
E) Nenhuma das respostas anteriores (o índice de refração é adimensional).

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.0

61. Quando a luz passa do meio X da figura para o meio Y,

A) a velocidade e a frequência da luz diminuem.


B) a velocidade e a frequência da luz aumentam.
C) a velocidade e o comprimento de onda da luz diminuem.
D) a velocidade e o comprimento de onda da luz aumentam.
E) o comprimento de onda e a frequência da luz não mudam.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.0

62. Se, ao passar de um meio para outro, um raio luminoso se afasta da normal, podemos dizer que
A) a velocidade da luz aumentou.
B) o segundo meio é dispersivo.
C) o segundo meio tem um índice de refração maior.
D) a velocidade da luz não mudou.
E) não houve refração, pois quando há refração o raio se aproxima da normal.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 3.5.0

63. Um poste está fincado verticalmente no leito de um rio, com metade da altura fora da água. Outro poste está fincado vertical-
mente na margem, em terreno plano. A sombra projetada pelo primeiro poste no fundo do rio
A) é ligeiramente mais comprida que a sombra projetada na margem pelo segundo poste.
B) é muito mais comprida que a sombra projetada na margem pelo segundo poste.
C) é mais curta que a sombra projetada na margem pelo segundo poste.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 7

D) é mais curta que a sombra projetada na margem pelo segundo poste, se o Sol estiver quase a pino, e mais comprida, se o Sol
estiver nascendo.
E) tem o mesmo comprimento que a sombra projetada na margem pelo segundo poste.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.0

64. Um raio luminoso passa obliquamente por uma placa de vidro de faces paralelas. O raio que sai do outro lado da placa
A) sofreu reflexão interna total.
B) faz um ângulo menor com a normal que o raio incidente.
C) faz um ângulo maior com a normal que o raio incidente.
D) é paralelo ao raio incidente.
E) é colinear com o raio incidente.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.0

65. Nas leis de reflexão e refração, a direção definida como “normal” é


A) qualquer direção conveniente.
B) a direção tangente à interface.
C) a direção do raio incidente.
D) a direção perpendicular ao vetor campo elétrico da luz incidente.
E) a direção perpendicular à interface.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.1

66. Quando uma onda eletromagnética encontra uma superfície refletora, a direção do raio refletido é determinada
A) pelo material da superfície refletora.
B) pelo ângulo de incidência.
C) pelo índice de reflexão da superfície.
D) pela intensidade da onda.
E) pelo comprimento de onda.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.2

67. A figura mostra a passagem de um raio luminoso do ar para a substância X. O índice de refração da substância X é
1 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

A) 0,53
B) 0,82
C) 1,2
D) 1,9
E) 3,0

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.4

68. Se nágua = 1,33, qual é o ângulo de refração para o raio mostrado na figura?

A) 19°
B) 22°
C) 40°
D) 42°
E) 48°

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.4

69. O índice de refração do diamante é 2,5. Qual das relações a seguir está correta para a situação mostrada na figura?

A) (sen a)/(sen b) = 2,5


B) (sen b)/(sen d) = 2,5
C) (cos a)/(cos c) = 2,5
D) (sen a)/(sen c) = 1/(2,5)
E) a/c = 2,5

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.4

70. Quando a luz passa do ar para o vidro, a direção de um raio luminoso


A) se aproxima da normal e a velocidade permanece a mesma.
B) se aproxima da normal e a velocidade diminui.
C) se aproxima da normal e a velocidade aumenta.
D) se afasta da normal e a velocidade diminui.
E) se afasta da normal e a velocidade aumenta.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 9

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.4

71. Qual das figuras a seguir mostra corretamente a trajetória de um raio luminoso que se propaga de um ponto X no ar para um
ponto Y no vidro?

A) I
B) II
C) III
D) IV
E) V

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.5

72. Um raio luminoso atravessa três meios, como mostra a figura. As velocidades do raio nos três meios obedecem à relação

A) v1 > v2 > v3
B) v3 > v2 > v1
C) v3 > v1 > v2
D) v2 > v1 > v3
E) v1 > v3 > v2

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.5

73. A separação da luz branca em diferentes cores por um prisma se deve à


A) reflexão interna total.
B) reflexão parcial nas superfícies do prisma.
C) variação do índice de refração com o comprimento de onda.
2 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) diminuição da velocidade da luz no vidro.


E) absorção seletiva de diferentes cores.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-5
Objetivo do Aprendizado: 33.5.7

74. O tanque retangular de metal, mostrado na figura, contém um líquido desconhecido. Se o observador, cuja linha de visada
coincide com o alto do tanque, mal consegue ver o vértice E, o índice de refração do líquido é

A) 1,75
B) 1,67
C) 1,50
D) 1,33
E) 1,25

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 33-6
Objetivo do Aprendizado: 33.6.1

75. O ângulo crítico para que haja reflexão interna total na interface diamante-ar é 25°. No caso de um raio luminoso incidir na
interface diamante-ar fazendo um ângulo q com a normal, haverá reflexão interna total, se
A) o meio do raio incidente for o ar e q = 25°.
B) o meio do raio incidente for o ar e q > 25°.
C) o meio do raio incidente for o ar e q < 25°.
D) o meio do raio incidente for o diamante e q < 25°.
E) o meio do raio incidente for o diamante e q > 25°.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 33-6
Objetivo do Aprendizado: 33.6.2

76. A figura mostra um raio luminoso sofrendo reflexão interna total. Qual das afirmações a seguir NÃO É verdadeira?

A) O ângulo AON é o ângulo de incidência.


B) O ângulo AON é igual ao ângulo BON.
C) O ângulo AON é necessariamente o ângulo crítico.
D) A velocidade da luz no meio II é maior que no meio I.
E) Se o ângulo AON aumentar, continuará a haver reflexão interna total.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   2 1

Módulo: 33-6
Objetivo do Aprendizado: 33.6.2

77. O índice de refração do benzeno é 1,80. O ângulo crítico para que haja reflexão interna total na interface benzeno-ar é, apro-
ximadamente,
A) 56°
B) 47°
C) 34°
D) 22°
E) 18°

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 33-6
Objetivo do Aprendizado: 33.6.3

78. Se o índice de refração de um vidro é 1,50, o seno do ângulo crítico para que haja reflexão interna total na interface
vidro-ar é
A) 0,50
B) 0,67
C) 0,75
D) 1,00
E) 1,50

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 33-6
Objetivo do Aprendizado: 33.6.3

79. A figura mostra a reflexão interna total de um raio luminoso em um pedaço de vidro. O índice de refração do vidro

A) é maior ou igual a 2,0.


B) é menor ou igual a 2,0.
C) é maior ou igual a 1,15.
D) é menor ou igual a 1,15.
E) é menor que o índice de refração do ar.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 33-6
Objetivo do Aprendizado: 33.6.3

80. Se nágua = 1,33 e nvidro = 1,50, a reflexão interna total na interface água-vidro
A) será inevitável se o meio do raio incidente for o vidro.
B) será inevitável se o meio do raio incidente for a água.
C) poderá ocorrer se o meio do raio incidente for o vidro.
D) poderá ocorrer se o meio do raio incidente for a água.
E) jamais poderá ocorrer.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
2 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 33-6
Objetivo do Aprendizado: 33.6.3

81. Um raio luminoso na água (índice de refração n1) incide na interface com o ar fazendo o ângulo crítico. Se a superfície da água
está coberta por uma camada de óleo (índice de refração n2), o ângulo entre o raio luminoso no óleo e a normal é
A) sen–1(1,00).
B) sen–1(1/n1).
C) sen–1(1/n2).
D) sen–1(n1/n2).
E) sen–1(n2/n1).

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 33-6
Objetivo do Aprendizado: 33.6.3

82. No caso de um raio luminoso que se propaga no ar (n = 1) e incide em uma placa de vidro (n = 1,5), qual é o ângulo de Brewster?
A) 34°
B) 42°
C) 45°
D) 48°
E) 56°

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-7
Objetivo do Aprendizado: 33.7.3

83. Por que os óculos de sol com filtros polarizadores evitam a ofuscação?
A) Isso não passa de propaganda enganosa.
B) Porque bloqueiam os raios solares diretos.
C) Porque a luz refletida por superfícies horizontais tende a ser polarizada horizontalmente e os filtros dos óculos são polarizados
verticalmente.
D) Porque a luz refletida por superfícies horizontais tende a ser polarizada verticalmente e os filtros dos óculos são polarizados
horizontalmente.
E) Porque a luz refletida por superfícies horizontais tende a ser polarizada horizontalmente e os filtros dos óculos são polarizados
horizontalmente.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 33-7
Objetivo do Aprendizado: 33.7.4
Capítulo 34
Objetivos do Aprendizado
OA 34.1.0 Resolver problemas relacionados a imagens e espelhos planos.
OA 34.1.1 Conhecer a diferença entre imagens virtuais e imagens reais.
OA 34.1.2 Explicar como acontecem as miragens nas rodovias.
OA 34.1.3 Usar um diagrama de raios para representar a reflexão por um espelho da luz emitida por uma fonte pontual, indicando
a distância do objeto e a distância da imagem.
OA 34.1.4 Conhecer a relação entre a distância p do objeto e a distância i da imagem, incluindo o sinal algébrico.
OA 34.1.5 Dar um exemplo de um corredor virtual baseado em espelhos na forma de triângulos equiláteros.

OA 34.2.0 Resolver problemas relacionados a espelhos esféricos.


OA 34.2.1 Saber a diferença entre um espelho esférico côncavo e um espelho esférico convexo.
OA 34.2.2 Desenhar os diagramas de raios de um espelho côncavo e de um espelho convexo para raios que incidem paralelamente
ao eixo central, mostrando os pontos focais e indicando qual desses pontos é real e qual é virtual.
OA 34.2.3 Saber a diferença entre um ponto focal real e um ponto focal virtual, saber que tipo de ponto focal corresponde a que
tipo de espelho esférico e saber qual é o sinal algébrico associado à distância focal de cada tipo de ponto focal.
OA 34.2.4 Conhecer a relação entre a distância focal e o raio de um espelho esférico.
OA 34.2.5 Saber o que significam as expressões “do lado de dentro do ponto focal” e “do lado de fora do ponto focal”.
OA 34.2.6 Desenhar diagramas de raios para objetos (a) do lado de dentro do ponto focal e (b) do lado de fora do ponto focal de
um espelho côncavo, e indicar o tipo de orientação da imagem em cada caso.
OA 34.2.7 No caso de um espelho côncavo, indicar a posição e a orientação de uma imagem real e de uma imagem virtual.
OA 34.2.8 Desenhar um diagrama de raios para um objeto diante de um espelho convexo e indicar o tipo e a orientação da imagem.
OA 34.2.9 Saber que tipo de espelho pode produzir imagens reais e virtuais e que tipo pode produzir apenas imagens virtuais.
OA 34.2.10 Saber qual é o sinal algébrico usado para a distância i no caso de imagens reais e no caso de imagens virtuais produ-
zidas por espelhos.
OA 34.2.11 Conhecer a relação entre a distância focal f, a distância do objeto p e a distância da imagem i para espelhos convexos,
côncavos e planos.
OA 34.2.12 Conhecer a relação entre a ampliação lateral m, a altura h da imagem, a altura h do objeto, a distância i da imagem e
a distância p do objeto.

OA 34.3.0 Resolver problemas relacionados à refração em interfaces esféricas.


OA 34.3.1 Saber que a refração da luz por uma superfície esférica pode produzir uma imagem real ou virtual de um objeto, depen-
dendo dos índices de refração dos dois lados, do raio de curvatura r da superfície e se a superfície é côncava ou convexa.
OA 34.3.2 No caso de um objeto pontual situado no eixo central de uma superfície refratora esférica, desenhar diagramas de raios
para os seis casos possíveis e indicar, em cada caso, se a imagem é real ou virtual.
OA 34.3.3 No caso de uma superfície refratora esférica, saber que tipo de imagem aparece do mesmo lado que o objeto e que tipo
de imagem aparece do lado oposto.
OA 34.3.4 No caso de uma superfície refratora esférica, conhecer a relação entre os dois índices de refração, a distância p do objeto,
a distância i da imagem e o raio de curvatura r da superfície refratora.
OA 34.3.5 Conhecer o sinal algébrico do raio r de uma superfície esférica côncava ou convexa do lado em que está o objeto.

OA 34.4.0 Resolver problemas relacionados a lentes delgadas.


OA 34.4.1 Saber a diferença entre lentes convergentes e lentes divergentes.
OA 34.4.2 No caso de lentes convergentes e lentes divergentes, desenhar um diagrama de raios para raios inicialmente paralelos
ao eixo central, mostrando os pontos focais e indicando se o ponto focal é real ou virtual.
OA 34.4.3 Saber a diferença entre um ponto focal real e um ponto focal virtual e a que tipo de lente cada tipo de ponto focal pode
estar associado; conhecer o sinal algébrico atribuído a um ponto focal real e a um ponto focal virtual.
OA 34.4.4 No caso de um objeto (a) do lado de dentro e (b) do lado de fora do ponto focal de uma lente convergente, desenhar
pelo menos dois raios para localizar a imagem e definir o tipo e a orientação da imagem.
OA 34.4.5 No caso de uma lente convergente, conhecer a posição e a orientação de uma imagem real e de uma imagem virtual.
OA 34.4.6 No caso de uma lente divergente, desenhar pelo menos dois raios para localizar a imagem e definir o tipo e a orientação
da imagem.
OA 34.4.7 Saber que tipo de lente pode produzir imagens reais e virtuais e que tipo pode produzir apenas imagens virtuais.
OA 34.4.8 Conhecer o sinal algébrico da distância i de uma imagem real e de uma imagem virtual.
OA 34.4.9 No caso de lentes convergentes e divergentes, conhecer a relação entre a distância focal f, a distância p do objeto e a
distância i da imagem.
2 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

OA 34.4.10 Conhecer as relações entre a ampliação lateral m, a altura h da imagem, a altura h do objeto, a distância i da imagem
e a distância p do objeto.
OA 34.4.11 Usar a equação do fabricante de lentes para relacionar a distância focal ao índice de refração da uma lente (supondo
que o meio externo é o ar) e aos raios de curvatura dos dois lados da lente.
OA 34.4.12 No caso de um sistema de várias lentes com o objeto diante da lente 1, determinar a imagem produzida pela lente 1,
usá-la como objeto para a lente 2, e assim por diante, até obter a imagem final.
OA 34.4.13 No caso de um sistema de várias lentes, determinar a ampliação total da imagem a partir das ampliações produzidas
pelas várias lentes.

OA 34.5.0 Resolver problemas relacionados a instrumentos óticos.


OA 34.5.1 Saber o que é o ponto próximo da visão.
OA 34.5.2 Usar um desenho para explicar a ação de uma lente de aumento simples.
OA 34.5.3 Saber o que é ampliação angular.
OA 34.5.4 Calcular a ampliação angular produzida por uma lente de aumento simples.
OA 34.5.5 Explicar o funcionamento de um microscópio composto usando um desenho.
OA 34.5.6 Saber que a amplificação total de um microscópio composto se deve à amplificação lateral da objetiva e à amplificação
angular da ocular.
OA 34.5.7 Calcular a amplificação geral de um microscópio composto.
OA 34.5.8 Explicar o funcionamento de um telescópio refrator usando um desenho.
OA 34.5.9 Calcular a ampliação angular de um telescópio refrator.

Questões de Múltipla Escolha


1. Um papel com os símbolos IAHIO8 é colocado diante de um espelho plano. Qual das seguintes afirmações NÃO é verdadeira?
A) A imagem é virtual.
B) A imagem muda de posição quando o observador muda de posição.
C) Os símbolos aparecem na imagem como 8OIHAI.
D) A imagem é produzida por reflexão especular e não por reflexão difusa.
E) A imagem é do mesmo tamanho que o objeto.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.0

2. Se o ângulo entre uma régua horizontal e um espelho plano vertical é 30°, o ângulo entre a régua e sua imagem é
A) 15°
B) 30°
C) 60°
D) 90°
E) 180°

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.0

3. Uma mulher de 1,60 m quer ver sua imagem de corpo inteiro em um espelho plano. Para isso, o espelho deve ter uma altura
mínima de
A) 1,60 m
B) 3,20 m
C) 0,80 m
D) 2,40 m
E) Não existe altura mínima; quanto maior a distância entre a mulher e o espelho, menor a altura necessária.

Resposta: A
Dificuldade: Média
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   2 5

Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.0

4. Um homem segura uma folha de papel retangular diante de um espelho plano. Para que o homem possa ver uma imagem
completa da folha, o espelho deve ter uma área mínima igual
A) à área da folha.
B) à área da pupila do olho.
C) à metade da área da folha.
D) a um quarto da área da folha.
E) Não existe área mínima; quanto maior a distância entre a folha e o espelho, menor a área necessária.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.0

5. Uma lâmpada é mantida diante do centro de um espelho vertical com 40 cm de largura. Um homem caminha na frente do espelho,
ao longo de uma reta paralela ao espelho, situada a uma distância duas vezes maior que a distância da lâmpada. A maior distância
que o homem pode percorrer, a partir do ponto situado diante do centro do espelho, sem perder de vista a imagem da lâmpada, é
A) 20 cm
B) 40 cm
C) 60 cm
D) 80 cm
E) 120 cm

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.0

6. Um espelho plano gira em torno de um eixo vertical a 100 rpm. Um feixe luminoso horizontal incide no espelho. A velocidade
de rotação do feixe refletido é
A) 0
B) 100 rpm
C) 141 rpm
D) 200 rpm
E) 10.000 rpm

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.0

7. Dois espelhos planos fazem um ângulo de 120°. O número máximo de imagens de um objeto colocado entre os espelhos é
A) 1
B) 2
C) 3
D) 4
E) maior que 4

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.0

8. Uma imagem virtual é uma imagem


A) para a qual os raios luminosos convergem, sem passar por ela.
B) da qual os raios divergem, sem passar por ela.
2 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) da qual os raios divergem, ao passar por ela.


D) para a qual os raios convergem até passar por ela.
E) atravessada por um raio perpendicular a um espelho.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.1

9. Qual das seguintes afirmações é verdadeira para todas as imagens virtuais?


A) Podem ser vistas, mas não fotografadas
B) São efêmeras.
C) São menores que o objeto.
D) São maiores que o objeto.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.1

10. Se uma imagem é “virtual”, isso significa que a imagem


A) está na superfície de um espelho.
B) não pode ser fotografada.
C) está do mesmo lado do espelho que o objeto.
D) é do mesmo tamanho que o objeto.
E) não pode ser observada em uma tela.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.1

11. Quando você se observa em um espelho plano, sua imagem é


A) real, direita e reduzida.
B) real, direita e em tamanho natural.
C) virtual, direita e reduzida.
D) virtual, direita e em tamanho natural.
E) real, invertida e em tamanho natural.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.1

12. Se um objeto está a 2 m de distância de um espelho plano, a imagem é


A) virtual, invertida e está 2 m atrás do espelho.
B) virtual, invertida e está 2 m à frente do espelho.
C) virtual, direita e está 2 m à frente do espelho.
D) real, direita e está 2 m atrás do espelho.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.1
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   2 7

13. As miragens que às vezes são vistas nas estradas asfaltadas acontecem porque
A) o ar quente à frente do carro muda a direção dos raios provenientes do céu, dando a impressão de que a estrada está molhada.
B) uma camada de ar frio acima do asfalto muda a direção dos raios luminosos provenientes do céu, dando a impressão de que a
estrada está molhada.
C) uma camada de ar quente acima do asfalto muda a direção dos raios luminosos provenientes do céu, dando a impressão de
que a estrada está molhada.
D) uma camada de ar frio acima do asfalto muda a direção dos raios luminosos provenientes do asfalto, dando a impressão de
que a estrada está molhada.
E) uma camada de ar quente acima do asfalto muda a direção dos raios luminosos provenientes do asfalto, dando a impressão de
que a estrada está molhada.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.2

14. Uma bola está a 50 cm de distância de um espelho plano. A distância entre a bola e sua imagem é
A) 0
B) 50 cm
C) 100 cm
D) 150 cm
E) 200 cm

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.4

15. A figura mostra uma vela C situada entre dois espelhos planos paralelos, a uma distância 0,2d do espelho 1, em que d é a
distância entre os espelhos. Várias imagens da vela podem ser vistas nos dois espelhos. A que distância atrás do espelho 1 estão
as três imagens mais próximas?

A) 0,2d, 1,8d, 2,2d


B) 0,2d, 2,2d, 4,2d
C) 0,2d, 1,8d, 3,8d
D) 0,2d, 0,8d, 1,4d
E) 0,2d, 1,8d, 3,4d

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 34-1
Objetivo do Aprendizado: 34.1.4

16. A imagem produzida por um espelho convexo é sempre


A) virtual, direita e maior que o objeto.
B) virtual, direita e menor que o objeto.
C) real, direita e maior que o objeto.
D) real, direita e menor que o objeto.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Média
2 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.0

17. A imagem de um objeto situado entre o ponto focal e a superfície de um espelho côncavo é
A) real, invertida e menor que o objeto.
B) virtual, invertida e maior que o objeto.
C) real, invertida e maior que o objeto.
D) virtual, direita e maior que o objeto.
E) real, direita e maior que o objeto.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.0

18. Para que uma fonte luminosa pontual produza um feixe de luz paralelo a partir de um espelho côncavo, a fonte deve ser
colocada
A) o mais perto possível do espelho.
B) no centro de curvatura do espelho.
C) a meio caminho entre o centro de curvatura do espelho e o ponto focal.
D) a meio caminho entre o centro de curvatura e o espelho.
E) a meio caminho entre o ponto focal e o espelho.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.0

19. Se o espelho retrovisor externo do lado direito de um carro tem o aviso “Os objetos no espelho estão mais próximos do que
parecem” e as imagens produzidas pelo espelho não são invertidas, isso significa que o espelho
A) é côncavo.
B) é plano.
C) é convexo.
D) foi montado do lado errado do carro.
E) foi montado de cabeça para baixo.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.1

20. As imagens reais formadas pelos espelhos esféricos


A) estão sempre do lado oposto ao do objeto.
B) estão sempre do mesmo lado que o objeto e mais próximas do espelho que o objeto.
C) estão sempre do mesmo lado que o objeto e mais próximas do espelho que o ponto focal.
D) estão do mesmo lado que o objeto e mais afastadas do espelho que o ponto focal.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.3

21. A distância focal de um espelho esférico é igual a N vezes o raio de curvatura, em que N é igual a
A) 1/4
B) 1/2
C) 1
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   2 9

D) 2
E) 4

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.4

22. A imagem de um objeto situado entre um espelho côncavo e o ponto focal é


A) real, direita e maior que o objeto.
B) real, invertida e maior que o objeto.
C) virtual, direita e maior que o objeto.
D) virtual, invertida e maior que o objeto.
E) virtual, direita e menor que o objeto.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.7

23. Quando um objeto é deslocado, a partir do centro de curvatura de um espelho côncavo, em direção ao ponto focal, a imagem
A) permanece virtual e aumenta de tamanho.
B) permanece virtual e diminui de tamanho.
C) permanece real e aumenta de tamanho.
D) permanece real e diminui de tamanho.
E) permanece real e se aproxima do tamanho do objeto.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.7

24. Quando um objeto é deslocado, a partir de um ponto distante, em direção ao centro de curvatura de um espelho côncavo, a
imagem
A) permanece virtual e diminui de tamanho.
B) permanece virtual e aumenta de tamanho.
C) permanece real e diminui de tamanho.
D) permanece real e aumenta de tamanho.
E) muda de real para virtual.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.7

25. A imagem de uma vela em um espelho convexo é sempre


A) virtual, invertida e menor que a vela.
B) virtual, invertida e maior que a vela.
C) virtual, direita e maior que a vela.
D) virtual, direita e menor que a vela.
E) real, direita e menor que a vela.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.9
3 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

26. Se a distância de uma imagem é indicada por um número negativo, isso significa
A) que a imagem é real.
B) que a imagem é virtual.
C) que o espelho é côncavo.
D) que houve um erro de digitação; a distância da imagem é um número positivo.
E) que a distância do objeto é negativa.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.10

27. Se o nariz de um homem está a 8 cm de distância de um espelho côncavo com 32 cm de raio, a distância entre o espelho e a
imagem do nariz é
A) 8 cm
B) 12 cm
C) 16 cm
D) 24 cm
E) 32 cm

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.11

28. A figura mostra um espelho côncavo com um pequeno objeto situado no ponto de coordenada 6. Se a imagem também está
nesse ponto, o centro de curvatura do espelho está no ponto de coordenada

A) 3
B) 4
C) 6
D) 9
E) 12

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.11

29. Um espelho esférico côncavo tem uma distância focal de 12 cm. Se um objeto é colocado a 6 cm de distância do espelho, a
imagem do objeto está
A) 4 cm atrás do espelho.
B) 4 cm à frente do espelho.
C) 12 cm atrás do espelho.
D) 12 cm à frente do espelho.
E) no infinito.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.11
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   3 1

30. Um espelho esférico côncavo tem uma distância focal de 12 cm. Se um objeto é colocado a 18 cm de distância do espelho, a
imagem do objeto está
A) 7,2 cm atrás do espelho.
B) 7,2 cm à frente do espelho.
C) 36 cm atrás do espelho.
D) 36 cm à frente do espelho.
E) no infinito.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.11

31. Um espelho esférico convexo tem uma distância focal de 12 cm. Se um objeto é colocado a 6 cm de distância do espelho, a
imagem do objeto está
A) 4 cm atrás do espelho.
B) 4 cm à frente do espelho.
C) 12 cm atrás do espelho.
D) 12 cm à frente do espelho.
E) no infinito.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.11

32. Um espelho esférico côncavo tem uma distância focal de 12 cm. Se um objeto é colocado a 6 cm de distância do espelho,
A) a ampliação é 2 e a imagem é direita.
B) a ampliação é 2 e a imagem é invertida.
C) a ampliação é 0,67 e a imagem é direita.
D) a ampliação é 0,67 e a imagem é invertida.
E) a ampliação é 0,5 e a imagem é direita.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.11

33. Um objeto é colocado no eixo central de um espelho esférico. Se a amplificação é –3, isso significa que a imagem é
A) real, invertida e está do mesmo lado do espelho.
B) virtual, direita e está do lado oposto do espelho.
C) real, direita e está do mesmo lado do espelho.
D) real, invertida e está do lado oposto do espelho.
E) virtual, invertida e está do lado oposto do espelho.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.11

34. A que distância de um espelho côncavo deve ser colocado um objeto para que a imagem e o objeto sejam do mesmo tamanho?
A) A uma distância focal.
B) Meia distância focal.
C) Duas vezes a distância focal.
D) Menos da metade da distância focal.
E) Mais de duas vezes a distância focal.
3 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.12

35. Um espelho côncavo forma uma imagem real duas vezes maior que o objeto. Se o objeto está a 20 cm de distância do espelho,
o raio de curvatura do espelho deve ser, aproximadamente,
A) 13 cm
B) 20 cm
C) 27 cm
D) 40 cm
E) 80 cm

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-2
Objetivo do Aprendizado: 34.2.12

36. Um feixe paralelo de luz monocromática que estava se propagando no ar incide em uma superfície plana de vidro. Depois de
penetrar no vidro, o feixe
A) continua paralelo.
B) sofre dispersão.
C) diverge.
D) segue uma trajetória parabólica.
E) converge.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.0

37. Um objeto O, no ar, está diante de uma superfície refratora côncava feita de vidro. Qual das figuras a seguir representa corre-
tamente essa situação?

A) I
B) II
C) III
D) IV
E) V

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.0
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   3 3

38. Em uma superfície refratora côncava, o centro de curvatura está


A) à esquerda da superfície.
B) à direita da superfície.
C) do lado da luz incidente.
D) do lado da luz refratada.
E) do lado com maior índice de refração.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.0

39. Uma superfície refratora côncava com índice de refração n produz uma imagem real, independentemente da distância do objeto,
A) sempre.
B) apenas se o índice de refração do meio onde se encontra o objeto for menor que n.
C) apenas se o índice de refração do meio onde se encontra o objeto for maior que n.
D) nunca.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.1

40. Uma superfície refratora esférica convexa de raio r tem índice de refração 2. Quando um objeto situado no ar é deslocado em
direção à superfície, ao longo do eixo central, a partir de um ponto distante, a imagem
A) muda de virtual para real quando o objeto está a uma distância r/2 da superfície.
B) muda de virtual para real quando o objeto está a uma distância r da superfície.
C) muda de real para virtual quando o objeto está a uma distância r/2 da superfície.
D) muda de real para virtual quando o objeto está a uma distância r da superfície.
E) é sempre real.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.3

41. Uma superfície refratora esférica côncava de raio r tem índice de refração 2. Quando um objeto situado no ar é deslocado em
direção à superfície, ao longo do eixo central, a partir de um ponto distante, a imagem
A) muda de virtual para real quando o objeto está a uma distância r/2 da superfície.
B) muda de virtual para real quando o objeto está a uma distância 2r da superfície.
C) muda de real para virtual quando o objeto está a uma distância r/2 da superfície.
D) muda de real para virtual quando o objeto está a uma distância 2r da superfície.
E) é sempre virtual.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.3

42. Uma superfície refratora convexa com índice de refração n = 2 tem um raio de 12 cm. A luz que se propaga inicialmente no ar
(n = 1), paralelamente ao eixo central da superfície refratora, é focalizada em um ponto situado
A) a 3 cm de distância da superfície.
B) a 6 cm de distância da superfície.
C) a 12 cm de distância da superfície.
D) a 18 cm de distância da superfície.
E) a 24 cm de distância da superfície.
3 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.4

43. Uma superfície refratora convexa com índice de refração n = 2 tem um raio de 12 cm. Para que uma fonte luminosa pontual
situada no ar (n = 1) produza um feixe de raios paralelos ao eixo central da superfície depois de serem refratados, a fonte deve ser
colocada no eixo central
A) a 3 cm de distância da superfície.
B) a 6 cm de distância da superfície.
C) a 12 cm de distância da superfície.
D) a 18 cm de distância da superfície.
E) a 24 cm de distância da superfície.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.4

44. Uma superfície esférica refratora convexa com índice de refração 2 produz uma imagem real de um objeto situado no ar,
A) sempre.
B) nunca.
C) apenas se o objeto estiver nas proximidades da superfície.
D) apenas se o objeto estiver longe da superfície.
E) apenas se o raio de curvatura for pequeno.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.4

45. Um objeto está diante de uma superfície refratora esférica. Se r é negativo, isso indica
A) que a superfície é convexa.
B) que a superfície é côncava.
C) que a imagem é real.
D) que a distância do objeto é negativa.
E) que houve um erro de digitação; r é sempre positivo.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-3
Objetivo do Aprendizado: 34.3.5

46. Qual das cinco lentes a seguir é uma lente divergente?

A) I
B) II
C) III
D) IV
E) V
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   3 5

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.1

47. Onde deve ser colocado um objeto em relação a uma lente convergente para que a imagem seja virtual?
A) No ponto focal.
B) A uma distância duas vezes maior que a distância focal.
C) A uma distância maior que a distância focal.
D) Entre o ponto focal e a lente.
E) Entre o ponto focal e duas vezes a distância focal.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.3

48. Se um objeto é colocado a uma distância de uma lente convergente maior que a distância focal, a imagem é
A) direita e virtual.
B) invertida e virtual.
C) direita e real.
D) invertida e real.
E) impossível de localizar.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.3

49. A imagem de um objeto situado a uma distância menor que a distância focal de uma lente convergente é
A) virtual e maior que o objeto.
B) real e menor que o objeto.
C) virtual e menor que o objeto.
D) real e maior que o objeto.
E) virtual e do mesmo tamanho que o objeto.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.5

50. Se uma lente pode produzir imagens reais ou virtuais, isso significa que a lente é
A) divergente.
B) convergente.
C) plana.
D) convergente ou divergente.
E) plana ou divergente.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.7

51. Se a distância da imagem é negativa, isso significa


A) que a imagem é real.
B) que a imagem é virtual.
C) que a lente é convergente.
3 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) que a distância do objeto é negativa.


E) que houve um erro de digitação; a distância da imagem é sempre positiva.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.8

52. A figura mostra uma lente oca, de paredes finas, feita de vidro. A lente pode conter ar, água (n = 1,3) ou CS2 (n = 1,6). A lente
faz divergir um feixe de raios de luz paralelos

A) se contiver ar e estiver imersa no ar.


B) se contiver ar e estiver imersa em água.
C) se contiver água e estiver imersa em CS2.
D) se contiver CS2 e estiver imersa em água.
E) se contiver CS2 e estiver imersa em CS2.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.9

53. O fole de uma câmera ajustável permite que a distância entre o filme e a lente seja aumentada até uma vez e meia a distância
focal. Se a distância focal é 12 cm, o objeto mais próximo que pode ser focalizado no filme está a que distância da lente?
A) 12 cm
B) 24 cm
C) 36 cm
D) 48 cm
E) 72 cm

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.9

54. Quando uma câmera com uma única lente é focalizada em um objeto distante, a distância entre a lente e o filme é 40,0 mm.
Para que um objeto situado a 0,54 m da lente esteja em foco, a distância entre a lente e o filme deve ser
A) 36,8 mm
B) 37,3 mm
C) 40,0 mm
D) 42,7 mm
E) 43,2 mm

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.9

55. Em um cinema, um objeto com 2,5 cm de largura no filme tem 3,0 m de largura na tela, que está a 18 m de distância do projetor.
Isso significa que a distância focal da lente do projetor é aproximadamente
A) 7,5 cm
B) 10 cm
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   3 7

C) 12,5 cm
D) 15 cm
E) 20 cm

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

56. Um objeto com 3 cm de altura é colocado diante de uma lente. Se a distância entre o objeto e a lente é 4 cm e a distância entre
a imagem e a lente é –8 cm, a altura da imagem é
A) 0,5 cm
B) 1 cm
C) 1,5 cm
D) 6 cm
E) 24 cm

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

57. Um objeto é colocado no eixo central de uma lente delgada, a uma distância maior que o valor absoluto da distância focal.
A ampliação é +0,4. Isso significa que
A) a imagem é real e direita e a lente é convergente.
B) a imagem é real e invertida e a lente é convergente.
C) a imagem é virtual e direita e a lente é divergente.
D) a imagem é virtual e direita e a lente é convergente.
E) a imagem é virtual e invertida e a lente é divergente.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

58. Se um objeto está a 30 cm de distância de uma lente convergente com uma distância focal de 10 cm, a imagem é
A) real e maior que o objeto.
B) real e do mesmo tamanho que o objeto.
C) real e menor que o objeto.
D) virtual e do mesmo tamanho que o objeto.
E) virtual e menor que o objeto.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

59. Seja p a distância objeto-lente e seja i a distância imagem-lente. A imagem produzida por uma lente de distância focal f tem
uma altura igual à altura do objeto multiplicada por
A) p/i
B) i/p
C) f/p
D) f/i
E) i/f

Resposta: B
Dificuldade: Média
3 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

60. Uma câmera cuja lente tem uma distância focal de 6,0 cm é usada para fotografar uma pessoa de 1,40 m de altura situada a
11 m de distância. A altura da imagem é, aproximadamente,
A) 0,39 cm
B) 0,77 cm
C) 1,5 cm
D) 3,0 cm
E) 6,0 cm

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

61. A distância entre o objeto e uma lente convergente é 400 mm. A imagem é três vezes maior que o objeto. Para que a imagem
seja cinco vezes maior que o objeto, a distância entre o objeto e a lente deve ser mudada para
A) 360 mm
B) 540 mm
C) 600 mm
D) 720 mm
E) 960 mm

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

62. Se a distância entre um objeto e uma lente convexa de distância focal f é 2f, a imagem é
A) real, invertida e ampliada.
B) real, direita e do mesmo tamanho que o objeto.
C) real, invertida e do mesmo tamanho que o objeto.
D) virtual, invertida e reduzida.
E) real, invertida e reduzida.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

63. O lado curvo de uma lente plano-convexa feita de vidro (n = 1,5) tem um raio de 50 cm. Para que o tamanho da imagem seja
igual ao do objeto, a distância entre o objeto e a lente deve ser
A) 50 cm
B) 100 cm
C) 200 cm
D) 340 cm
E) 400 cm

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.10

64. As duas superfícies de uma lente convergente feita de vidro têm um raio de 50 cm. Se a distância focal da lente é 80 cm, qual
é o índice de refração do vidro?
A) 0,1
B) 0,3
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   3 9

C) 0,6
D) 1,3
E) 1,6

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.11

65. Um objeto está 20 cm à esquerda de uma lente com uma distância focal de +10 cm. Uma segunda lente, com uma distância
focal de +12,5 cm, está 30 cm à direita da primeira. A distância entre o objeto e a imagem final é
A) 0
B) 28 cm
C) 50 cm
D) 100 cm
E) infinita

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.12

66. Uma lente convergente com uma distância focal de 20 cm é colocada em contato com uma lente divergente com uma distância
focal de 30 cm. A distância focal do conjunto é
A) +60 cm
B) +25 cm
C) +12 cm
D) +10 cm
E) –10 cm

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.12

67. Se duas lentes delgadas, de distâncias focais f1 e f2, estão em contato, a distância focal do conjunto é
A) f1 + f2
B) f1f2/(f1 + f2)
C) 1/f1 + 1/f2
D) f1 – f2
E) f1(f1 – f2)/f2

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.12

68. Uma lente convergente com 20 cm de distância focal é colocada à esquerda de uma lente divergente com 30 cm de distância
focal. Se as duas lentes estão em contato e um objeto é colocado 40 cm à esquerda da lente convergente, a ampliação total é
A) –3,0
B) –1,5
C) –1,0
D) 2,0
E) 3,0

Resposta: E
Dificuldade: Média
4 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 34-4
Objetivo do Aprendizado: 34.4.13

69. A imagem produzida por uma lente de aumento é


A) real e direita.
B) real e invertida.
C) virtual e invertida.
D) virtual e direita.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.0

70. Que instrumento usa uma única lente convergente, com o objeto posicionado a uma distância ligeiramente menor que a dis-
tância focal?
A) Câmera
B) Microscópio composto
C) Lente de aumento
D) Projetor
E) Telescópio

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.0

71. Qual das afirmações a seguir NÃO é correta no caso de uma lente de aumento?
A) A imagem é virtual.
B) A imagem é direita.
C) A imagem é maior que o objeto.
D) O objeto deve estar a uma distância da lente menor que a distância focal.
E) A lente é divergente.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.0

72. Em um microscópio de duas lentes, a imagem intermediária é


A) virtual, direita e ampliada.
B) real, direita e ampliada.
C) real, invertida e ampliada.
D) virtual, invertida e reduzida.
E) virtual, invertida e ampliada.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.0

73. As duas lentes mostradas na figura são iluminadas por um feixe de raios de luz paralelos, provenientes da esquerda. Se a lente
B é deslocada lentamente em direção à lente A, o feixe luminoso que sai da lente B
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   4 1

A) é inicialmente paralelo e depois se torna divergente.


B) é sempre divergente.
C) é inicialmente convergente e depois se torna paralelo.
D) é sempre paralelo.
E) é inicialmente convergente e depois se torna divergente.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.0

74. Visto da Terra, o Sol subtende um ângulo de 0,5°. A imagem do Sol produzida por uma lente com uma distância focal de 1,0 m
tem um diâmetro de aproximadamente
A) 10 cm
B) 2 cm
C) 1 cm
D) 5 mm
E) 1 mm

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.3

75. Uma lente de aumento tem uma distância focal de 15 cm. Se o ponto próximo está a 25 cm de distância do olho, o aumento
angular da lente é de, aproximadamente,
A) 0,067
B) 0,33
C) 0,5
D) 0,67
E) 1,7

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.4

76. Sejam fob e foc as distâncias focais da objetiva e da ocular de um microscópio composto. Normalmente, o objeto
A) é posicionado a uma distância da objetiva menor que fob
B) é posicionado a uma distância da objetiva maior que fob
C) produz uma imagem intermediária a uma distância da ocular ligeiramente maior que foc
D) produz uma imagem intermediária a uma distância da ocular igual a 2foc
E) produz uma imagem intermediária a uma distância da objetiva menor que fob

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.5
4 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

77. Considere as seguintes afirmações a respeito do microscópio composto:

I. As duas lentes produzem imagens virtuais invertidas.


II. A objetiva tem uma pequena distância focal.
III. A ocular é usada como lente de aumento.
IV. A objetiva é convexa e a ocular é côncava.

Quais são as afirmações corretas?


A) I e II
B) I e III
C) I e IV
D) II e III
E) II e IV

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.5

78. Em um microscópio composto, a objetiva tem uma distância focal de 1,0 cm, a ocular tem uma distância focal de 2,0 cm e o
tubo tem 25 cm de comprimento. Qual é o valor absoluto da ampliação global do microscópio?
A) 25
B) 50
C) 100
D) 250
E) 310

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.7

79. A objetiva do telescópio de Yerkes (o maior telescópio refrator construído até hoje) tem uma distância focal de 19,4 m. Se a
ocular tem uma distância focal de 2,5 cm, qual é o valor absoluto da ampliação global do instrumento?
A) 7,8
B) 13
C) 130
D) 780
E) Não é possível calcular sem conhecer o comprimento do telescópio.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 34-5
Objetivo do Aprendizado: 34.5.9
Capítulo 35
Objetivos do Aprendizado
OA 35.1.0 Resolver problemas relacionados à luz como uma onda.
OA 35.1.1 Explicar o princípio de Huygens usando um desenho.
OA 35.1.2 Explicar, usando desenhos simples, a refração da luz em termos de variação gradual da velocidade de uma frente de
onda ao passar pela interface de dois meios fazendo um ângulo com a normal.
OA 35.1.3 Conhecer a relação entre a velocidade da luz no vácuo, a velocidade da luz em um meio e o índice de refração do meio.
OA 35.1.4 Conhecer a relação entre uma distância em um meio, a velocidade da luz em um meio e o tempo necessário para que
um pulso luminoso percorra essa distância.
OA 35.1.5 Conhecer a lei de Snell da refração.
OA 35.1.6 Saber que, quando a luz passa de um meio para outro, a frequência permanece a mesma, mas o comprimento de onda
e a velocidade da luz podem mudar.
OA 35.1.7 Conhecer a relação entre o comprimento da luz no vácuo, o comprimento da luz em um meio e o índice de refração
do meio.
OA 35.1.8 No caso de uma onda luminosa que se propaga em um meio, calcular o número de comprimentos de onda contidos
em certa distância.
OA 35.1.9 No caso de duas ondas luminosas que se propagam em meios com diferentes índices de refração antes de se intercep-
tarem, calcular a diferença de fase e interpretar a interferência resultante em termos de brilho máximo, brilho intermediário e
escuridão total.
OA 35.1.10 No caso de duas ondas luminosas que percorrem distâncias diferentes antes de se interceptarem, calcular a diferença
de fase e interpretar a interferência resultante em termos de brilho máximo, brilho intermediário e escuridão total.
OA 35.1.11 Dada a diferença de fase inicial entre duas ondas luminosas de mesmo comprimento de onda, calcular a diferença de
fase depois que as ondas se propagam em meios com diferentes índices de refração e percorrem distâncias diferentes.
OA 35.1.12 Saber que a interferência ajuda a criar as cores do arco-íris.

OA 35.2.0 Resolver problemas relacionados ao experimento de Young.


OA 35.2.1 Descrever a refração da luz por uma fenda estreita e o efeito da redução da largura da fenda.
OA 35.2.2 Descrever, usando desenhos, a produção de uma figura de interferência em um experimento de dupla fenda com luz
monocromática.
OA 35.2.3 Saber que a diferença de fase entre duas ondas pode mudar se as ondas percorrerem distâncias diferentes, como no
experimento de Young.
OA 35.2.4 Conhecer a relação entre a diferença de percurso e a diferença de fase em um experimento de dupla fenda e interpretar
o resultado em termos da intensidade da luz resultante (brilho máximo, brilho intermediário e escuridão total).
OA 35.2.5 No caso de um ponto de uma figura de interferência de dupla fenda, conhecer a relação entre a diferença de percurso
DL entre os raios que chegam ao ponto, a distância d entre as fendas e o ângulo q que os raios fazem com o eixo central.
OA 35.2.6 No caso do experimento de Young, usar a relação entre a distância d entre as fendas, o comprimento de onda l da luz e
o ângulo q que os raios fazem com o eixo central para determinar os mínimos de brilho (franjas escuras) e os máximos de brilho
(franjas claras) da figura de interferência.
OA 35.2.7 Desenhar uma figura de interferência de dupla fenda, e indicar o nome de algumas franjas claras e escuras (como, por
exemplo, “máximo lateral de segunda ordem” ou “franja escura de terceira ordem”).
OA 35.2.8 No caso do experimento de Young, conhecer a relação entre a distância D entre o anteparo e a tela de observação, o
ângulo q correspondente a um ponto da figura de interferência e a distância y entre o ponto e o centro da figura de interferência.
OA 35.2.9 No caso do experimento de Young, conhecer o efeito da variação de d e de l e saber o que determina o limite angular
da figura de interferência.
OA 35.2.10 No caso de um material transparente colocado em uma das fendas no experimento de Young, determinar a espessura
e o índice de refração necessários para deslocar uma dada franja para o centro da figura de interferência.

OA 35.3.0 Resolver problemas relacionados à intensidade das franjas de interferência.


OA 35.3.1 Conhecer a diferença entre luz coerente e luz incoerente.
OA 35.3.2 No caso de duas ondas que convergem para o mesmo ponto, escrever expressões para as componentes do campo elétrico
das duas ondas em função do tempo e de uma constante de fase.
OA 35.3.3 Saber que a interferência de duas ondas depende da diferença de fase entre elas.
OA 35.3.4 No caso da figura de interferência produzida em um experimento de dupla fenda, calcular a intensidade da luz em
termos da diferença de fase entre as ondas e relacionar a diferença de fase ao ângulo q que define a posição do ponto na figura de
interferência.
4 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

OA 35.3.5 Usar um diagrama fasorial para determinar a onda resultante (amplitude e constante de fase) de duas ou mais ondas
luminosas que convergem para o mesmo ponto e usar o resultado para determinar a intensidade da luz nesse ponto.
OA 35.3.6 Conhecer a relação entre a frequência angular w de uma onda e a velocidade angular w do fasor que representa a onda.

OA 35.4.0 Resolver problemas relacionados à interferência em filmes finos.


OA 35.4.1 Fazer um desenho que ilustre a interferência em filmes finos, mostrando o raio incidente e os raios refletidos (perpen-
diculares ao filme, mas representados com uma ligeira inclinação para tornar o desenho mais claro) e identificando a espessura
e os três índices de refração.
OA 35.4.2 Conhecer as condições nas quais uma reflexão pode resultar em um deslocamento de fase e o valor desse deslocamento
de fase.
OA 35.4.3 Conhecer os três fatores que determinam a interferência das ondas refletidas: os deslocamentos de fase causados pelas
reflexões, a diferença de percurso e o comprimento de onda (que depende dos índices de refração dos meios).
OA 35.4.4 No caso de um filme fino, usar os deslocamentos causados pelas reflexões e o resultado desejado (que as ondas refletidas
estejam em fase ou com fases opostas, ou que as ondas transmitidas estejam em fase ou com fases opostas) para obter uma equação
envolvendo a espessura L do filme, o comprimento de onda l da luz no ar e o índice de refração n do filme.
OA 35.4.5 No caso de um filme muito fino (com uma espessura muito menor que o comprimento de onda da luz visível) suspenso
no ar, explicar por que o filme é sempre escuro.
OA 35.4.6 No caso de um filme fino em forma de cunha suspenso no ar, conhecer a relação entre a espessura L do filme, o com-
primento de onda l da luz no ar e o índice de refração n do filme e determinar o número de franjas claras e escuras do filme.

OA 35.5.0 Resolver problemas relacionados ao interferômetro de Michelson.


OA 35.5.1 Usar um desenho para explicar o funcionamento de um interferômetro.
OA 35.5.2 Calcular a mudança de fase (em comprimentos de onda) quando um dos feixes de luz de um interferômetro passa por
um bloco de material transparente, de espessura e índice de refração conhecidos.
OA 35.5.3 Calcular o deslocamento das franjas de um interferômetro em função do deslocamento de um dos espelhos.

Questões de Múltipla Escolha


1. A grandeza que se mantém constante em uma frente de onda é
A) a fase.
B) a frequência.
C) o comprimento de onda.
D) a amplitude.
E) a velocidade.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.0

2. A construção de Huygens pode ser usada


A) apenas para a luz.
B) apenas para ondas eletromagnéticas.
C) apenas no vácuo (ou no ar).
D) apenas para ondas transversais.
E) em muitas situações, incluindo as anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.0

3. Considere (I) a lei da reflexão e (II) a lei da refração. O princípio de Huygens pode ser usado para demonstrar
A) apenas I
B) apenas II
C) I e II
D) nem I nem II
E) A questão não faz sentido porque o princípio de Huygens se aplica a frentes de ondas, e as leis mencionadas se aplicam a raios.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   4 5

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.0

4. A diferença de percurso entre dois raios luminosos pode ser medida em


A) m–1
B) m
C) m/s
D) Hz/m
E) m/Hz

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.0

5. A interferência da luz é considerada uma prova de que


A) a velocidade da luz é muito elevada.
B) a luz é uma onda transversal.
C) a luz é um fenômeno eletromagnético.
D) a luz é um fenômeno ondulatório.
E) a luz não obedece à lei de conservação da energia.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.0

6. Se a velocidade da luz é c e o índice de refração de um material é n, qual é a velocidade da luz no material?


A) c
B) c/n
C) nc
D) n
E) n/c

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.3

7. Quando a luz passa de um meio para outro e os índices de refração dos dois meios são diferentes,
A) a frequência, o comprimento de onda e a velocidade da luz mudam de valor.
B) a frequência e o comprimento de onda da luz mudam de valor, mas a velocidade permanece a mesma.
C) a velocidade e o comprimento de onda da luz mudam de valor, mas a frequência permanece a mesma.
D) a velocidade e a frequência da luz mudam de valor, mas o comprimento de onda permanece o mesmo.
E) apenas a velocidade da luz varia; a frequência e o comprimento de onda permanecem os mesmos.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.6

8. Se o comprimento de onda de um raio luminoso no vácuo é l e o índice de refração de um material é n, qual é o comprimento
de onda da luz no material?
A) l
B) l/n
4 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) nl
D) n
E) n/l

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.7

9. As ondas luminosas representadas pelos três raios mostrados na figura têm a mesma frequência. A camada 1 contém 4,7 com-
primentos de onda, a camada 2 contém 3,2 comprimentos de onda, e a camada 3 contém 5,3 comprimentos de onda. Coloque as
camadas na ordem crescente da velocidade das respectivas ondas.

A) 1, 2, 3
B) 2, 1, 3
C) 3, 1, 2
D) 3, 2, 1
E) 1, 3, 2

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.8

10. Duas ondas luminosas, que estão inicialmente em fase e têm o mesmo comprimento de onda, 470 nm, atravessam blocos com
2,5 mm de comprimento, que são feitos de materiais diferentes. Se os índices de refração dos materiais são n1 = 1,2 e n2 = 1,5, qual
é a diferença de fase das duas ondas ao deixarem os blocos?

A) 0
B) 0,6 rad
C) 1,6 rad
D) 3,7 rad
E) 10 rad

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 35-1
Objetivo do Aprendizado: 35.1.9

11. No experimento de Young, o centro de uma franja clara corresponde a um ponto no qual a diferença de percurso entre raios
de luz com um comprimento de onda l que passam pelas duas fendas é um múltiplo inteiro de
A) l/4
B) l/2
C) 3l/4
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   4 7

D) l
E) 2l

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.0

12. Duas fontes pontuais, cujas oscilações estão em fase, produzem uma figura de interferência em um tanque de ondas. Quando
a frequência das ondas aumenta 20%, o número de curvas nodais
A) aumenta 20%.
B) aumenta 40%.
C) permanece o mesmo.
D) diminui 20%.
E) diminui 40%.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.0

13. Se m é um número inteiro, a diferença de fase entre duas ondas no centro de uma franja escura da figura de interferência do
experimento de Young é
A) 2pm
B) 2pm + p/8
C) 2pm + p/4
D) 2pm + p/2
E) 2pm + p

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.0

14. No experimento de Young, são usadas duas fendas, em vez de uma, porque é necessário
A) aumentar a intensidade da luz.
B) usar uma fenda para a frequência e outra para o comprimento de onda.
C) criar uma diferença de percurso entre dois raios luminosos.
D) usar uma fenda para o campo elétrico e outra para o campo magnético.
E) diminuir a resistência do ar.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.3

15. No experimento de Young, o centro de uma franja clara corresponde a um ponto no qual a diferença de percurso entre os raios
que passam pelas duas fendas é um múltiplo inteiro de
A) um quarto de comprimento de onda.
B) meio comprimento de onda.
C) três quartos de comprimento de onda.
D) um comprimento de onda.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
4 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.4

16. As ondas que passam por duas fendas estão inicialmente em fase e produzem o terceiro máximo lateral da figura de interferência
em uma tela distante. A diferença de percurso das duas ondas corresponde a
A) meio comprimento de onda.
B) um comprimento de onda.
C) três meios comprimentos de onda.
D) dois comprimentos de onda.
E) três comprimentos de onda.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.5

17. As ondas que passam por duas fendas estão inicialmente em fase e produzem o segundo mínimo da figura de interferência em
uma tela distante. A diferença de percurso das duas ondas corresponde a
A) meio comprimento de onda.
B) um comprimento de onda.
C) três meios comprimentos de onda.
D) dois comprimentos de onda.
E) cinco meios comprimentos de onda.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.5

18. Uma fonte de luz monocromática é usada para iluminar uma dupla fenda, e a figura de interferência resultante é observada
em uma tela distante. Sejam d a distância entre os centros das fendas, a a largura das fendas, D a distância entre as fendas e a tela
e  a distância entre franjas escuras vizinhas da figura de interferência. O comprimento de onda da luz é dado por
A) d/D
B) d/a
C) da/D
D) D/a
E) Dd/

Resposta: A
Dificuldade: Difícil
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.6

19. Em um experimento de Young, a distância entre as fendas é multiplicada por dois. Para manter a mesma distância na tela entre
as franjas de interferência, é preciso multiplicar a distância entre as fendas e a tela por
A) 0,5
B) 1/ 2
C) 2
D) 2
E) 4

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.6
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   4 9

20. Em um experimento de Young, uma luz com um comprimento de onda de 500 nm é usada para iluminar duas fendas separadas
por uma distância de 1 mm. A distância entre franjas claras vizinhas em uma tela situada a 5 m de distância das fendas é
A) 0,10 cm
B) 0,25 cm
C) 0,50 cm
D) 1,0 cm
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.6

21. Em um experimento de Young, o comprimento de onda da luz é l, a distância entre as fendas é d, e a tela está a uma distância
D das fendas. Se D >> d, o número de franjas claras por unidade de comprimento é dado por
A) Dd/l
B) Dl/d
C) D/dl
D) l/Dd
E) d/Dl

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.6

22. Em um experimento de Young, a distância entre as fendas é multiplicada por dois. Em consequência,
A) a intensidade das fendas aumenta.
B) a intensidade das fendas diminui.
C) o comprimento de onda é reduzido à metade.
D) a distância entre as franjas é reduzida à metade.
E) a distância entre as franjas é multiplicada por dois.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.6

23. Em um experimento para medir o comprimento de onda da luz usando uma dupla fenda, observa-se que as fendas estão
próximas demais para serem contadas. Uma forma de aumentar a distância entre as franjas é
A) reduzir a distância entre as fendas.
B) aumentar a distância entre as fendas.
C) aumentar a largura das fendas.
D) reduzir a largura das fendas.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.6

24. A luz produzida por uma fonte pontual X contém apenas as cores azul e vermelha. Depois de passar por uma caixa misteriosa,
a luz incide em uma tela, na qual são observadas uma faixa central magenta e faixas laterais vermelhas e azuis. Isso mostra que a
caixa contém
5 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

A) uma lente.
B) um espelho.
C) um prisma.
D) uma dupla fenda.
E) um filtro azul e um filtro vermelho.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.6

25. A luz proveniente de uma pequena região de uma lâmpada incandescente é usada em um experimento de Young depois de
passar por um filtro amarelo. Qual das seguintes mudanças diminui a distância entre as franjas de interferência?
A) Diminuir a distância entre as fendas.
B) Diminuir a intensidade da luz.
C) Aumentar a intensidade da luz.
D) Substituir o filtro amarelo por um filtro azul.
E) Aumentar a distância entre a lâmpada e as fendas.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.9

26. Em um experimento de Young, uma placa fina de mica é colocada em uma das duas fendas. Em consequência, o centro da
figura de interferência que aparece na tela é deslocado de uma distância equivalente a 30 franjas escuras. O comprimento de onda
da luz utilizada no experimento é 480 nm e o índice de refração da mica é 1,60. A espessura da placa de mica é
A) 0,009 mm
B) 0,012 mm
C) 0,014 mm
D) 0,024 mm
E) 0,062 mm

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 35-2
Objetivo do Aprendizado: 35.2.10

27. Uma das duas fendas de um experimento de Young é coberta com um filtro que reduz à metade a intensidade da luz transmi-
tida. Em consequência,
A) a figura de interferência desaparece.
B) as franjas claras ficam mais claras e as franjas escuras ficam mais escuras.
C) todas as franjas ficam mais escuras.
D) as franjas claras ficam mais escuras e as franjas escuras não mudam.
E) as franjas claras ficam mais escuras e as franjas escuras ficam mais claras.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   5 1

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 35-3
Objetivo do Aprendizado: 35.3.0

28. Em um experimento de Young, é importante que os dois feixes luminosos


A) tenham exatamente a mesma intensidade.
B) sejam paralelos.
C) percorram distâncias iguais.
D) tenham sido produzidos pela mesma fonte.
E) contenham várias frequências.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-3
Objetivo do Aprendizado: 35.3.1

29. Duas ondas luminosas são coerentes quando


A) têm a mesma amplitude.
B) têm a mesma frequência.
C) têm o mesmo comprimento de onda.
D) a diferença de fase entre as ondas é constante.
E) a diferença de frequência entre as ondas é constante.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-3
Objetivo do Aprendizado: 35.3.1

30. Para que uma figura de interferência seja produzida em um experimento de dupla fenda, é preciso que
A) a luz incida normalmente nas fendas.
B) a luz seja monocromática.
C) a luz seja formada por ondas planas.
D) as ondas luminosas que incidem nas fendas sejam coerentes.
E) a tela esteja a uma grande distância das fendas.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-3
Objetivo do Aprendizado: 35.3.1

31. Uma onda luminosa, com uma amplitude de campo elétrico E0 e uma constante de fase zero, pode ser combinada com as ondas
a seguir. Qual das combinações produz uma onda de maior intensidade?
A) Uma onda de amplitude E0 e constante de fase zero.
B) Uma onda de amplitude E0 e constante de fase p.
C) Uma onda de amplitude 2E0 e constante de fase zero.
D) Uma onda de amplitude 2E0 e constante de fase p.
E) Uma onda de amplitude 3E0 e constante de fase p.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-3
Objetivo do Aprendizado: 35.3.3
5 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

32. Uma onda luminosa, com uma amplitude de campo elétrico 2E0 e uma constante de fase zero, pode ser combinada com as
ondas a seguir. Qual das combinações produz uma onda de menor intensidade?
A) Uma onda de amplitude E0 e constante de fase zero.
B) Uma onda de amplitude E0 e constante de fase p.
C) Uma onda de amplitude 2E0 e constante de fase zero.
D) Uma onda de amplitude 2E0 e constante de fase p.
E) Uma onda de amplitude 3E0 e constante de fase p.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-3
Objetivo do Aprendizado: 35.3.3

33. As lentes de muitos binóculos e microscópios recebem uma cobertura de material transparente para reduzir a reflexão da luz,
como mostra a figura. Para ter o efeito desejado, essa cobertura deve

A) produzir uma interferência construtiva entre os raios 1 e 2.


B) ser mais transparente que a lente.
C) produzir uma interferência destrutiva entre os raios 1 e 2.
D) produzir uma interferência construtiva entre os raios 3 e 4.
E) produzir uma interferência destrutiva entre os raios 3 e 4.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.0

34. Uma luz monocromática que estava se propagando no ar incide normalmente em um filme fino. Se o comprimento de onda
da luz no filme é l, qual é a menor espessura do filme para a qual a luz refletida é máxima?
A) Muito menor que l.
B) l/4.
C) l/2.
D) 3l/4.
E) l.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.0

35. A figura mostra três experimentos realizados com filmes finos suspensos no ar. Se t é a espessura do filme e l é o comprimento
de onda da luz no filme, que experimentos produzem interferência construtiva do ponto de vista do observador?
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   5 3

A) I apenas.
B) II apenas.
C) III apenas.
D) I e III apenas.
E) II e III apenas.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.0

36. Uma lente com índice de refração 1,5 é coberta com um material de índice de refração 1,2 para reduzir a reflexão. Se l é o
comprimento de onda da luz incidente no ar, qual é a menor espessura possível da cobertura?

A) 0,5l
B) 0,417l
C) 0,3l
D) 0,25l
E) 0,208l

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.0

37. Uma lente de vidro (n = 1,6) é coberta com um filme fino (n = 1,3) para reduzir a reflexão de uma luz incidente. Se l é o com-
primento de onda da luz no filme, a menor espessura possível da cobertura é
A) l/8
B) l/4
C) l/2
D) l
E) 2l
5 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.0

38. Os três fatores que determinam a interferência das ondas refletidas por um filme fino suspenso no ar são
A) o comprimento de onda da luz incidente, a velocidade da luz no vácuo e a espessura do filme.
B) o comprimento de onda da luz incidente, a espessura do filme e o índice de refração do filme.
C) o comprimento de onda da luz incidente, a velocidade da luz no vácuo e o índice de refração do filme.
D) a velocidade da luz no vácuo, a espessura do filme e o índice de refração do filme.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.3

39. Um filme de sabão é iluminado com luz branca que incide normalmente na superfície do filme. O índice de refração do filme
é 1,50. Se os comprimentos de onda de 480 nm e 800 nm e nenhum outro comprimento de onda nesse intervalo são reforçados
no feixe refletido, a espessura do filme é
A) 1,5 × 10–5 cm
B) 2,4 × 10–5 cm
C) 3,6 × 10–5 cm
D) 4,0 × 10–5 cm
E) 6,0 × 10–5 cm

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.4

40. A ilustração mostra a figura de interferência observada em um filme fino vertical de sabão suspenso no ar e iluminado por
trás com luz vermelha. Na terceira franja escura, a espessura do filme, em termos de l, o comprimento de onda da luz no filme, é

A) l/4
B) l/2
C) l
D) 3l/4
E) 5l/4

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.4
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   5 5

41. Como mostra a figura, uma luz amarela é observada por reflexão em um filme fino vertical, de sabão, suspenso no ar. Por que
existe uma região escura na parte superior do filme?

A) Porque, nessa parte do filme, a luz não é transmitida.


B) Porque, nessa parte do filme, a espessura é igual a um quarto do comprimento de onda da luz.
C) Porque, nessa parte do filme, a espessura é muito pequena e os raios refletidos pelas duas superfícies têm fases opostas.
D) Porque, nessa parte do filme, a espessura é muito grande.
E) Porque, nessa parte do filme, a luz refletida está na faixa do infravermelho.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.5

42. Quando um líquido de índice de refração n = 4/3 substitui o ar na cunha formada pelo espaço entre as duas placas de vidro da
ilustração, a distância entre franjas escuras da figura de interferência

A) é multiplicada por 4/3.


B) é multiplicada por 3.
C) permanece a mesma.
D) é dividida por 4/3.
E) é dividida por 3.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.6

43. Em um experimento de interferência, uma cunha de ar é formada entre duas placas de vidro. Se o comprimento de onda no ar
da luz incidente é 480 nm, qual é a diferença entre a espessura do ar na 16a franja escura e na 6a franja escura?
A) 240 nm
B) 480 nm
C) 2400 nm
D) 4800 nm
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.6
5 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

44. Uma cunha de ar é formada por duas placas de vidro que se tocam na extremidade esquerda. Quando a cunha é iluminada
com luz monocromática, são observadas dez franjas escuras formadas por reflexão. Em seguida, a extremidade esquerda da placa
de cima é levantada lentamente até as placas ficarem paralelas. Durante o processo,
A) as franjas escuras se acumulam na extremidade direita das placas.
B) as franjas escuras permanecem no mesmo lugar.
C) as franjas escuras se acumulam na extremidade esquerda das placas.
D) as franjas escuras se espalham e as franjas da extremidade direita são as primeiras a desaparecer.
E) as franjas escuras se espalham e as franjas da extremidade esquerda são as primeiras a desaparecer.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.6

45. Uma cunha de ar é formada por duas placas de vidro que se tocam na extremidade esquerda. Quando a cunha é iluminada
com luz monocromática, são observadas 4001 franjas escuras formadas por reflexão. Quando o ar é removido (com as placas de
vidro mantidas no lugar), o número de franjas escuras diminui para 4000. De acordo com os resultados do experimento, o índice
de refração do ar é
A) 0,00025
B) 0,00050
C) 1,00025
D) 1,00050
E) 1,00075

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 35-4
Objetivo do Aprendizado: 35.4.6

46. Um filme fino com um índice de refração de 1,60 é introduzido em um dos braços de um interferômetro de Michelson. Se
isso causa um deslocamento de 8 franjas claras da figura de interferência produzida por uma luz com um comprimento de onda
de 580 nm, qual é a espessura do filme?
A) 1,5 mm
B) 2,9 mm
C) 3,9 mm
D) 7,7 mm
E) 16 mm

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 35-5
Objetivo do Aprendizado: 35.5.2

47. Se o ajuste do espelho móvel situado na extremidade de um dos braços de um interferômetro de Michelson faz com que a figura
de interferência seja deslocada de meia franja, podemos concluir que o deslocamento do espelho foi igual a
A) um comprimento de onda.
B) meio comprimento de onda.
C) um quarto de comprimento de onda.
D) Não é possível responder sem conhecer o comprimento de onda.
E) Não é possível responder sem conhecer o comprimento dos braços do interferômetro.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 35-5
Objetivo do Aprendizado: 35.5.3
Capítulo 36
Objetivos do Aprendizado
OA 36.1.0 Resolver problemas relacionados à difração por uma fenda.
OA 36.1.1 Descrever a difração de ondas luminosas por uma fenda estreita e um obstáculo, e descrever as figuras de interferência
resultantes.
OA 36.1.2 Descrever o experimento que confirmou a existência do ponto claro de Fresnel.
OA 36.1.3 Usar um desenho para descrever a difração por uma fenda.
OA 36.1.4 Usar um desenho para explicar de que forma a divisão de uma fenda em várias partes permite obter a equação que
fornece os ângulos dos mínimos da figura de difração.
OA 36.1.5 Conhecer as relações entre a largura de uma fenda ou de um obstáculo, o comprimento de onda da luz, os ângulos dos
mínimos da figura de difração, a distância da tela de observação, e a distância entre os mínimos e o centro da figura de difração.
OA 36.1.6 Desenhar a figura de difração produzida por uma luz monocromática, identificando o máximo central e algumas franjas
claras e escuras, como, por exemplo, o primeiro mínimo.
OA 36.1.7 Saber o que acontece com a figura de difração quando o comprimento de onda da luz varia e quando a largura da fenda
ou do obstáculo responsável pela difração varia.

OA 36.2.0 Resolver problemas relacionados à intensidade da luz difratada por uma fenda.
OA 36.2.1 Dividir uma fenda em várias regiões de mesma largura e escrever uma expressão para a diferença de fase das ondas
secundárias produzidas por regiões vizinhas em função da posição angular do ponto na tela de observação.
OA 36.2.2 No caso da difração por uma fenda, desenhar diagramas fasoriais para o máximo central e alguns dos máximos e mí-
nimos laterais, indicando a diferença de fase entre fasores vizinhos, explicando como é calculado o campo elétrico e indicando a
parte correspondente da figura de difração.
OA 36.2.3 Descrever a figura de difração em termos do campo elétrico total em vários pontos da figura.
OA 36.2.4 Calcular o valor de a, um parâmetro que relaciona a posição angular q de um ponto da figura de difração à intensidade
I da luz nesse ponto.
OA 36.2.5 Dado um ponto da figura de difração, calcular a intensidade I da luz nesse ponto em termos da intensidade Im da luz
no centro da figura de difração.

OA 36.3.0 Resolver problemas relacionados à difração por uma abertura circular.


OA 36.3.1 Descrever e desenhar a figura de difração produzida por uma abertura ou um obstáculo circular.
OA 36.3.2 No caso da difração por uma abertura, conhecer as relações entre o ângulo q correspondente ao primeiro mínimo, o
comprimento de onda l da luz, o diâmetro d da abertura, a distância D da tela de observação e a distância y entre o mínimo e o
centro da figura de difração.
OA 36.3.3 Explicar, com base na difração de objetos pontuais, o modo como a difração limita a resolução visual dos objetos.
OA 36.3.4 Saber que o critério de Rayleigh é usado para determinar o menor ângulo para o qual dois objetos pontuais podem ser
vistos como objetos separados.
OA 36.3.5 Conhecer as relações entre o ângulo qR do critério de Rayleigh, o comprimento de onda l da luz, o diâmetro d da
abertura (como, por exemplo, o diâmetro da pupila), o ângulo q subtendido por dois objetos pontuais distantes e a distância
L desses objetos.

OA 36.4.0 Resolver problemas relacionados à difração por duas fendas.


OA 36.4.1 Explicar por que a difração introduzida pelas fendas modifica a figura de interferência de dupla fenda, e mostrar, em
uma figura de interferência de dupla fenda, o pico central e os picos secundários da envoltória de difração.
OA 36.4.2 Calcular a intensidade I da luz em um ponto de uma figura de difração de dupla fenda em relação à intensidade Im no
centro da figura.
OA 36.4.3 Na equação usada para calcular a intensidade da luz na figura de difração de dupla fenda, identificar a parte que cor-
responde à interferência da luz que passa pelas duas fendas e a parte que corresponde à difração produzida pelas fendas.
OA 36.4.4 No caso da difração por duas fendas de largura a separadas por uma distância d, conhecer a relação entre a razão d/a e
a posição dos mínimos de difração na figura de difração de uma fenda, e usar essa relação para determinar o número de máximos
de interferência contidos no pico central e nos picos laterais da envoltória de difração.

OA 36.5.0 Resolver problemas relacionados a redes de difração.


OA 36.5.1 Descrever uma rede de difração e desenhar a figura de interferência produzida por uma rede de difração com luz mo-
nocromática.
OA 36.5.2 Conhecer a diferença entre as figuras de interferência produzidas por uma rede de difração e por um arranjo de duas
fendas.
5 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

OA 36.5.3 Saber o que significam os termos linha e número de ordem.


OA 36.5.4 Conhecer a relação entre o número de ordem de uma rede de difração e a diferença de percurso entre os raios respon-
sáveis por uma linha.
OA 36.5.5 Conhecer a relação entre a separação d das fendas de uma rede de difração, o ângulo q correspondente e uma linha, o
número de ordem m da linha, e o comprimento de onda l da luz.
OA 36.5.6 Saber a razão pela qual existe um número de ordem máximo para qualquer rede de difração.
OA 36.5.7 Demonstrar a equação usada para calcular a meia largura da linha central da figura de interferência produzida por
uma rede de difração.
OA 36.5.8 Conhecer a equação usada para calcular a meia largura das linhas laterais da figura de interferência produzida por uma
rede de difração.
OA 36.5.9 Saber qual é a vantagem de aumentar o número de fendas de uma rede de difração.
OA 36.5.10 Explicar como funciona um espectroscópio de rede de difração.

OA 36.6.0 Resolver problemas relacionados à dispersão e à resolução das redes de difração.


OA 36.6.1 Saber que dispersão é o espalhamento das linhas de difração associadas a diferentes comprimentos de onda.
OA 36.6.2 Conhecer as relações entre a dispersão D, a diferença de comprimentos de onda Dl, a separação angular Dq, a distância
d entre as ranhuras, o número de ordem m e o ângulo q correspondente ao número de ordem.
OA 36.6.3 Conhecer o efeito da distância entre as ranhuras sobre a dispersão de uma rede de difração.
OA 36.6.4 Saber que as linhas só podem ser resolvidas se forem suficientemente estreitas.
OA 36.6.5 Conhecer a relação entre a resolução R, a diferença de comprimentos de onda Dl, o comprimento de onda médio lméd,
o número N de ranhuras e o número de ordem m.
OA 36.6.6 Conhecer o efeito do número de ranhuras sobre a resolução de uma rede de difração.

OA 36.7.0 Resolver problemas relacionados à difração de raios X.


OA 36.7.1 Saber em que região do espectro eletromagnético estão os raios X.
OA 36.7.2 Saber o que é uma célula unitária.
OA 36.7.3 Saber o que são planos cristalinos e o que é distância interplanar.
OA 36.7.4 Desenhar dois raios espalhados por planos vizinhos, mostrando o ângulo que é usado nos cálculos.
OA 36.7.5 No caso dos máximos de intensidade do espalhamento de raios X por um cristal, conhecer a relação entre a distância
interplanar d, o ângulo de espalhamento q, o número de ordem m e o comprimento de onda l dos raios X.
OA 36.7.6 Mostrar como pode ser determinada a distância interplanar a partir do desenho de uma célula unitária.

Questões de Múltipla Escolha


1. Uma das diferenças entre o som e a luz é que o som
A) não sofre difração.
B) é uma onda transversal, e a luz é uma onda longitudinal.
C) não precisa de energia para ser criado.
D) é uma onda longitudinal, e a luz é uma onda transversal.
E) é sempre monocromático.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.0

2. O motivo pelo qual as ondas de rádio são difratadas por edifícios e o mesmo não acontece com a luz é que as ondas de rádio
A) são polarizadas.
B) têm um comprimento de onda muito maior.
C) têm um comprimento de onda muito menor.
D) são monocromáticas.
E) são moduladas.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.0
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   5 9

3. A difração desempenha um papel importante em qual dos fenômenos a seguir?


A) O Sol tem aparência de um disco quando é observado a olho nu.
B) A luz muda de direção ao passar por um prisma de vidro.
C) Um megafone espalha os sons.
D) Uma pessoa míope usa óculos para ver objetos distantes.
E) Um filme fino, de sabão, adquire tons coloridos ao ser iluminado com luz branca.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.0

4. O arco-íris é um fenômeno causado por


A) difração.
B) interferência.
C) refração.
D) polarização.
E) absorção.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.0

5. Quando um feixe de luz coerente incide em um fio fino, a sombra formada atrás do fio contém várias franjas claras. Esse fenô-
meno é causado por
A) refração.
B) difração.
C) reflexão.
D) efeito Doppler.
E) uma ilusão de óptica.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.0

6. Às vezes são observados anéis coloridos em torno do Sol e da Lua, e o anel de menor diâmetro é sempre o azul. Isso mostra que
o fenômeno é causado por
A) reflexão.
B) refração.
C) interferência.
D) difração.
E) efeito Doppler.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.0

7. As miragens que às vezes são observadas perto do solo em dias de muito calor são causadas por
A) movimento browniano.
B) reflexão.
C) refração.
D) difração.
E) dispersão.
6 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.0

8. Para obter uma boa figura de difração, é preciso usar uma fenda com uma largura da ordem de
A) l
B) l/10
C) 10l
D) 104l
E) l/104

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.0

9. Uma fonte pontual de luz monocromática é colocada de um lado de uma bola de futebol, e uma tela é colocada do outro lado.
A figura que aparece na tela é
A) um disco escuro em fundo claro.
B) um disco escuro cercado por anéis claros.
C) um disco escuro com um ponto claro no centro.
D) um disco escuro com um ponto claro no centro e cercado por anéis claros.
E) um disco claro cercado por anéis claros.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.2

10. No primeiro mínimo da figura de difração de uma fenda, a diferença de fase entre as ondas secundárias de Huygens prove-
nientes da borda superior e do ponto médio da fenda é
A) p/8 rad
B) p/4 rad
C) p/2 rad
D) p rad
E) 3p/2 rad

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.4

11. No segundo mínimo da figura de difração de uma fenda, a onda secundária de Huygens proveniente da borda superior da
fenda está 180° fora de fase com a onda secundária proveniente
A) de um ponto situado a uma distância da borda superior igual a um quarto da largura da fenda.
B) do ponto médio da fenda.
C) de um ponto situado a uma distância da borda inferior igual a um quarto da largura da fenda.
D) da borda inferior da fenda.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.4
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   6 1

12. Uma onda plana com um comprimento de onda de 500 nm incide normalmente em uma fenda com uma largura de
5,0 × 10–6 m. Considere as ondas que chegam a um ponto de uma tela distante tal que os raios provenientes da fenda fazem
um ângulo de 1,0° com a normal. A diferença de fase entre as ondas provenientes da borda superior e da borda inferior
da fenda é
A) 0
B) 0,55 rad
C) 1,1 rad
D) 1,6 rad
E) 2,2 rad

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.5

13. Na equação sen q = l/a, usada para calcular a difração causada por uma fenda, q é
A) o ângulo do primeiro mínimo.
B) o ângulo do segundo máximo.
C) o ângulo de fase entre os raios extremos.
D) igual a Np, em que N é um número inteiro.
E) igual a (N + 1/2)p, em que N é um número inteiro.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.5

14. Uma fenda não produz uma figura de difração,


A) se a tela estiver muito distante.
B) se o comprimento de onda da luz for menor que a largura da fenda.
C) se o comprimento de onda da luz for maior que a largura da fenda.
D) se o comprimento de onda da luz for menor que a distância entre a fenda e a tela.
E) se a distância entre a fenda e a tela for maior que a largura da fenda.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.5

15. A ilustração mostra uma fenda e os raios que iluminam um ponto P em uma tela distante. O ponto P corresponde ao segundo
mínimo da figura de difração. Se X e Y são as bordas da fenda, qual é a diferença de percurso (PX) – (PY)?

A) l/2
B) l
C) 3l/2
D) 2l
E) 5l/2

Resposta: D
Dificuldade: Média
6 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.5

16. A ilustração mostra uma fenda e os raios que iluminam um ponto P em uma tela distante. O ponto P corresponde ao má-
ximo mais próximo do máximo central da figura de difração. Se X e Y são as bordas da fenda, qual é a diferença de percurso
(PX) – (PY)?

A) l/2
B) l
C) 3l/2
D) 2l
E) 5l/2

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.5

17. A figura de difração produzida por uma fenda de largura a apresenta um mínimo de intensidade para sen q
A) igual a l/a
B) ligeiramente maior que l/a
C) ligeiramente menor que l/a
D) igual a l/2a
E) ligeiramente menor que l/2a

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.5

18. Ondas luminosas planas monocromáticas incidem normalmente em uma fenda. Qual das figuras a seguir representa correta-
mente a figura de difração observada em uma tela distante?

A) I
B) II
C) III
D) IV
E) V

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   6 3

Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.6

19. Para observar a figura de difração causada por uma fenda em um tanque de ondas, um estudante deve especificar os seguintes
parâmetros:

I. Frequência das ondas


II. Comprimento de onda das ondas
III. Profundidade da água
IV. Largura da fenda

Quais desses parâmetros devem ser reduzidos para aumentar o efeito de difração?
A) I e III
B) I e IV
C) II e III
D) II e IV
E) III e IV

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.7

20. Um feixe paralelo, de luz monocromática, incide em uma fenda com 2 cm de largura. Quando a largura da fenda é reduzida,
A) a largura da figura de difração que aparece na tela aumenta sempre.
B) a largura da figura de difração que aparece na tela diminui a princípio e depois aumenta.
C) a largura da figura de difração que aparece na tela aumenta a princípio e depois diminui.
D) a largura da figura de difração que aparece na tela permanece a mesma.
E) a cor da figura de difração que aparece na tela muda de vermelho para azul.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.7

21. Uma figura de difração é produzida em uma tela iluminando uma fenda estreita e longa com uma luz de comprimento de onda
l. Se o valor de l aumenta e todos os outros parâmetros permanecem os mesmos,
A) a intensidade no centro da figura de difração diminui e as franjas se afastam do centro.
B) a intensidade no centro da figura de difração aumenta e as franjas se aproximam do centro.
C) a intensidade no centro da figura de difração não muda e as franjas se afastam do centro.
D) a intensidade no centro da figura de difração não muda e as franjas se aproximam do centro.
E) a figura de difração não muda.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.7

22. Uma figura de difração é produzida em uma tela iluminando uma fenda estreita e longa com uma luz de comprimento de onda
l. Se a largura da fenda diminui e todos os outros parâmetros permanecem os mesmos,
A) a intensidade no centro da figura de difração diminui e as franjas se afastam do centro.
B) a intensidade no centro da figura de difração aumenta e as franjas se aproximam do centro.
C) a intensidade no centro da figura de difração não muda e as franjas se afastam do centro.
D) a intensidade no centro da figura de difração não muda e as franjas se aproximam do centro.
E) a figura de difração não muda.
6 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 36-1
Objetivo do Aprendizado: 36.1.7

23. Na figura de difração produzida por uma fenda, o máximo central é aproximadamente duas vezes mais largo que os outros
máximos. Isso acontece porque
A) metade da luz é difratada para cima e metade é difratada para baixo.
B) o campo elétrico e o campo magnético contribuem para o máximo central.
C) a aproximação para pequenos ângulos só pode ser aplicada ao máximo central.
D) a tela de observação é plana.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 36-2
Objetivo do Aprendizado: 36.2.0

24. Na figura de difração produzida por uma fenda, o máximo central é mais intenso que os máximos secundários. Isso acontece
porque
A) algumas ondas secundárias de Huygens se cancelam nos máximos secundários, mas não no máximo central.
B) os máximos secundários estão mais afastados das fendas do que o máximo central, e a intensidade diminui com o quadrado
da distância.
C) a construção de Huygens não é válida para os máximos secundários.
D) a amplitude das ondas secundárias de Huygens é menor para os máximos secundários do que para o máximo central.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 36-2
Objetivo do Aprendizado: 36.2.0

25. Dois comprimentos de onda, 800 nm e 600 nm, são usados separadamente em experimentos de difração por uma fenda. A figura
mostra as intensidades observadas em uma tela distante em função do ângulo entre os raios e a direção perpendicular à tela. Se os
dois comprimentos de onda forem usados simultaneamente, para qual ângulo a luz observada na tela será apenas a luz de 800 nm?

A) A
B) B
C) C
D) D
E) E

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-2
Objetivo do Aprendizado: 36.2.0
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   6 5

26. A intensidade da luz na figura de difração produzida por uma fenda é dada pela função I (θ ) = I m (sen α /α ) 2 . No caso de uma
luz com um comprimento de onda de 480 nm incidindo em uma fenda com 3,5 mm de largura, qual é o valor de a para q = 18°?
A) 0,31 rad
B) 2,3 rad
C) 7,1 rad
D) 7,3 rad
E) 9,8 rad

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-2
Objetivo do Aprendizado: 36.2.4

27. Uma luz com um comprimento de onda de 480 nm incide em uma fenda com 3,5 mm de largura. Qual é a intensidade relativa
da figura de difração (ou seja, qual é o valor de I/Im) para q = 18°?
A) 2,4 × 10-4
B) 1,7 × 10-3
C) 1,1 × 10-2
D) 1,0 × 10-1
E) 1,0

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-2
Objetivo do Aprendizado: 36.2.5

28. Um laser limitado por difração de comprimento ℓ e abertura d produz um feixe luminoso de comprimento de onda l. Se o feixe
incide na superfície da Lua, situada a uma distância D da Terra, o raio da área iluminada da Lua é, aproximadamente,
A) dD/ℓ
B) dD/l
C) Dl/ℓ
D) Dl/d
E) ℓl/d

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-3
Objetivo do Aprendizado: 36.3.2

29. Duas estrelas próximas entre si são fotografadas com o auxílio de um telescópio. O filme utilizado é igualmente sensível a todas
as cores. Em qual das condições a seguir é possível separar melhor as imagens das duas estrelas?
A) Lente pequena, estrelas vermelhas.
B) Lente pequena, estrelas azuis.
C) Lente grande, estrelas vermelhas.
D) Lente grande, estrelas azuis.
E) Lente grande, uma estrela vermelha e outra azul.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-3
Objetivo do Aprendizado: 36.3.5

30. A resolução de um telescópio pode ser melhorada,


A) aumentando a distância focal da objetiva e diminuindo a distância focal da ocular.
B) aumentando o diâmetro das lentes.
C) diminuindo o diâmetro das lentes.
6 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) introduzindo uma lente corretora entre a objetiva e a ocular.


E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-3
Objetivo do Aprendizado: 36.3.5

31. A figura (i) mostra as franjas de interferência obtidas em um experimento de Young realizado com luz monocromática. Con-
sidere as seguintes mudanças dos parâmetros do experimento:
1. Diminuir a frequência
2. Aumentar a frequência
3. Aumentar a largura das fendas
4. Aumentar a distância entre as fendas
5. Diminuir a distância entre as fendas
Quais dessas mudanças podem transformar a figura (i) na figura (ii)?

A) 3 apenas
B) 5 apenas
C) 1 e 3 apenas
D) 1 e 5 apenas
E) 2 e 4 apenas

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 36-4
Objetivo do Aprendizado: 36.4.0

32. Duas fendas de largura a, separadas por uma distância d, são iluminadas por um feixe luminoso de comprimento de onda l.
A distância entre as franjas de interferência vizinhas em uma tela situada a uma distância D das fendas é dada por
A) la/D
B) ld/D
C) lD/d
D) dD/l
E) lD/a

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-4
Objetivo do Aprendizado: 36.4.0

33. Quando aumentamos o comprimento de onda da luz usada para criar a figura de difração em um experimento de Young,
A) a largura do pico central aumenta e o número de franjas claras no interior do pico central aumenta.
B) a largura do pico central aumenta e o número de franjas claras no interior do pico central diminui.
C) a largura do pico central diminui e o número de franjas claras no interior do pico central aumenta.
D) a largura do pico central diminui e o número de franjas claras no interior do pico central diminui.
E) a largura do pico central aumenta e o número de franjas claras no interior do pico central permanece o mesmo.

Resposta: E
Dificuldade: Média
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   6 7

Módulo: 36-4
Objetivo do Aprendizado: 36.4.4

34. Duas fendas em uma barreira opaca têm 0,020 mm de largura e estão separadas por uma distância de 0,050 mm. Quando as
fendas são iluminadas com luz monocromática coerente, o número de máximos de interferência contidos no máximo de difração
central
A) é 1
B) é 2
C) é 4
D) é 5
E) Não pode ser calculado se o comprimento de onda não for conhecido.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 36-4
Objetivo do Aprendizado: 36.4.4

35. Quando um feixe luminoso com um comprimento de onda de 450 nm incide normalmente em um sistema de dupla fenda, o
número de máximos de interferência no interior do máximo de difração central é 5. Quando um feixe com um comprimento de
onda de 900 nm incide no mesmo sistema, o número é
A) 2
B) 3
C) 5
D) 9
E) 10

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-4
Objetivo do Aprendizado: 36.4.4

36. Em um experimento de difração por dupla fenda, o número de franjas de interferência contidas no máximo de difração central
pode ser aumentado
A) aumentando o comprimento de onda.
B) diminuindo o comprimento de onda.
C) aumentando a distância entre as fendas.
D) diminuindo a largura das fendas.
E) aumentando a largura das fendas.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 36-4
Objetivo do Aprendizado: 36.4.4

37. Na equação d sen q = ml, usada para calcular as linhas produzidas por uma rede de difração, d é
A) o número de fendas.
B) a largura das fendas.
C) a distância entre as fendas.
D) o número de ordem da linha.
E) o índice de refração.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.0
6 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

38. Um espectro luminoso é projetado em uma tela usando uma rede de difração. Em seguida, todo o conjunto (fonte, rede de
difração e tela) é mergulhado em um líquido com índice de refração n = 1,33. Quando isso acontece, as linhas do espectro
A) permanecem na mesma posição.
B) ficam mais espalhadas.
C) ficam mais juntas.
D) trocam de posição.
E) desaparecem, porque n não é mais um número inteiro.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.0

39. Em uma linha produzida por uma rede de difração, os fasores associados às ondas provenientes de diferentes fendas
A) estão alinhados.
B) formam um polígono fechado.
C) formam um polígono aberto.
D) são paralelos, mas os fasores vizinhos apontam em sentidos opostos.
E) formam um arco de circunferência.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.0

40. Em uma rede de difração em que a distância entre as fendas é quatro vezes maior que a largura das fendas,
A) são observadas apenas as ordens múltiplas de 4.
B) são observadas apenas as ordens múltiplas de 2.
C) as ordens múltiplas de 4 não são observadas.
D) as ordens múltiplas de 2 não são observadas.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.0

41. Uma luz de comprimento de onda l incide normalmente em um dispositivo óptico plano. A figura mostra a intensidade
luminosa observada em uma tela distante, do outro lado do dispositivo, em função de q, o ângulo com a normal ao dispositivo.
O dispositivo pode ser

A) uma fenda de largura W.


B) uma fenda de largura 2W.
C) duas fendas estreitas separadas por uma distância W.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   6 9

D) duas fendas estreitas separadas por uma distância 2W.


E) uma rede de difração com fendas separadas por uma distância W.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.0

42. Uma pessoa com o olho relaxado olha, através de uma rede de difração, para uma fonte pontual monocromática distante. As
fendas da rede de difração são verticais. A pessoa vê
A) um ponto luminoso.
B) uma linha horizontal difusa da mesma cor que a fonte.
C) uma faixa horizontal com todas as cores do espectro visível.
D) uma série de pontos ao longo de uma linha horizontal.
E) uma série de linhas verticais.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.1

43. Na equação d sen q = ml, usada para calcular as linhas produzidas por uma rede de difração, m é
A) o número de fendas.
B) a largura das fendas.
C) a distância entre as fendas.
D) o número de ordem da linha.
E) o índice de refração.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.3

44. Na equação d sen q = ml, usada para calcular as linhas produzidas por uma rede de difração, d é
A) o número de fendas.
B) a largura das fendas.
C) a distância entre as fendas.
D) o número de ordem da linha.
E) o índice de refração.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.4

45. Se uma rede de difração que possui N fendas de largura a, separadas por uma distância d, é iluminada por ondas planas de
intensidade I, comprimento de onda l e incidência normal, as duas únicas grandezas das quais depende a distância angular entre
as linhas são
A) a e N
B) a e l
C) N e l
D) d e l
E) I e N

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5
7 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

46. Um feixe luminoso com um comprimento de onda de 600 nm incide em uma rede de difração na qual a distância entre as
ranhuras é 1,7 × 10–6 m. A linha de segunda ordem é observada para um ângulo de difração de
A) 0°
B) 10°
C) 21°
D) 42°
E) 45°

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

47. Quando uma luz monocromática incide normalmente em uma rede de difração que tem 1 cm de largura e contém 10.000
fendas, a linha de primeira ordem sofre um desvio de 30°. Qual é o comprimento de onda da luz incidente?
A) 300 nm
B) 400 nm
C) 500 nm
D) 600 nm
E) 1000 nm

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

48. Se a distância entre fendas vizinhas de uma rede de difração é 3l, o desvio q do feixe difratado de primeira ordem é dado por
A) sen (q/2) = 1/3
B) sen (q/3) = 2/3
C) sen q = 1/3
D) tan (q/2) = 1/3
E) tan q = 2/3

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

49. Se, quando uma luz de certo comprimento de onda incide normalmente em certa rede de difração, a linha de primeira ordem
sofre um desvio de 25°, o ângulo de desvio da linha de segunda ordem é
A) 25°
B) 42°
C) 50°
D) 58°
E) 75°

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

50. Se uma rede de difração, de largura W, produz um desvio q da linha de segunda ordem de uma luz cujo comprimento de onda
é l, o número total N de fendas da rede é dado por
A) 2Wl/sen q
B) (W/l) sen q
C) lW/2sen q
D) (W/2l)sen q
E) 2l/sen q
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   7 1

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

51. Um feixe de luz com comprimento de onda l incide normalmente em uma rede de difração G. Na tela S, a linha central está no
ponto P e a linha de primeira ordem está no ponto Q, como mostra a figura. A distância entre fendas vizinhas da rede é dada por

A) 3l/5
B) 3l/4
C) 4l/5
D) 5l/4
E) 5l/3

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

52. Uma luz que contém comprimentos de onda de 450 nm e 900 nm incide em uma rede de difração. Qual das seguintes afir-
mações é verdadeira?
A) Todas as linhas produzidas pela luz de 900 nm coincidem com linhas produzidas pela luz de 450 nm.
B) Todas as linhas produzidas pela luz de 450 nm coincidem com linhas produzidas pela luz de 900 nm.
C) Nenhuma das linhas produzidas pela luz de 900 nm coincide com uma linha produzida pela luz de 450 nm.
D) Nenhuma das linhas produzidas pela luz de 450 nm coincide com uma linha produzida pela luz de 900 nm.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

53. Um feixe de luz branca (de 400 nm, violeta, até 700 nm, vermelho) incide normalmente em uma rede de difração e produz
linhas de duas ordens em uma tela distante. Qual das figuras a seguir, onde R representa as linhas vermelhas, e V representa as
linhas violetas, mostra corretamente a disposição das linhas na tela?
7 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

A) I
B) II
C) III
D) IV
E) V

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

54. Se um feixe de luz branca incide em uma rede de difração,


A) todas as linhas de primeira ordem sofrem desvios menores que qualquer linha de segunda ordem.
B) algumas linhas de primeira ordem coincidem com linhas de segunda ordem se a distância entre as ranhuras for suficientemente
pequena.
C) algumas linhas de primeira ordem coincidem com linhas de segunda ordem se a distância entre as ranhuras for suficientemente
grande.
D) algumas linhas de primeira ordem coincidem com linhas de segunda ordem, seja qual for a distância entre as ranhuras.
E) muitas linhas de primeira ordem sofrem desvios maiores que muitas linhas de segunda ordem.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

55. Uma luz monocromática incide normalmente em uma rede de difração. A linha de ordem m sofre um desvio q e tem uma
largura d. Uma fenda larga é colocada entre a fonte luminosa e a rede de difração, e a largura da fenda é reduzida gradualmente.
Em consequência,
A) q e d aumentam.
B) q e d diminuem.
C) q permanece constante e d aumenta.
D) q permanece constante e d diminui.
E) q diminui e d aumenta.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.5

56. Se uma luz com um comprimento de onda de 550 nm incide normalmente em uma rede de difração e apenas 6 linhas são
observadas, a distância entre as ranhuras
A) está entre 2,75 × 10-6 m e 5,50 × 10-6 m
B) está entre 5,50 × 10-6 m e 1,10 × 10-5 m
C) está entre 3,30 × 10-6 m e 3,85 × 10-6 m
D) está entre 3,85 × 10-6 m e 4,40 × 10-6 m
E) está entre 2,20 × 10-6 m e 3,30 × 10-6 m

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.6

57. Se uma luz com um comprimento de onda de 550 nm incide normalmente em uma rede de difração com um 1 cm de largura
e 1000 ranhuras, qual é a meia largura da linha m = 1?
A) 5,5 × 10-5 rad
B) 5,5 × 10-4 rad
C) 5,5 × 10-3 rad
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   7 3

D) 5,5 × 10-2 rad


E) 5,5 × 10-1 rad

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.8

58. Quando o número de fendas de uma rede de difração aumenta,


A) a distância entre as linhas aumenta.
B) a distância entre as linhas diminui.
C) as linhas ficam mais largas.
D) as linhas ficam mais estreitas.
E) as linhas não mudam.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.9

59. A largura das linhas produzidas por um feixe de luz monocromática que incide em uma rede de difração pode ser reduzida
A) aumentando o comprimento de onda da luz.
B) aumentando o número de ranhuras sem mudar o espaçamento.
C) diminuindo o espaçamento das ranhuras sem mudar o número de ranhuras.
D) diminuindo o comprimento de onda e o espaçamento das ranhuras na mesma proporção.
E) aumentando o número de ranhuras e diminuindo o espaçamento das ranhuras para manter constante o tamanho da rede.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-5
Objetivo do Aprendizado: 36.5.9

60. A dispersão D de uma rede de difração pode ser medida em


A) centímetros
B) graus/nanômetro
C) watts
D) nanômetros/centímetro
E) watts/nanômetro

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.0

61. A resolução R de uma rede de difração pode ser medida em


A) centímetros
B) graus/nanômetro
C) watts
D) nanômetros/centímetro
E) watts/nanômetro

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.0

62. A resolução de uma rede de difração pode ser expressa como R = l1/|l2 – l1|, em que l1 e l2 são
A) dois comprimentos de onda escolhidos arbitrariamente.
B) dois comprimentos de onda muito próximos, escolhidos arbitrariamente.
7 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) dois comprimentos de onda para os quais as linhas da mesma ordem estão separadas por p radianos.
D) dois comprimentos de onda para os quais as linhas da mesma ordem estão separadas por 2p radianos.
E) dois comprimentos de onda para os quais as linhas da mesma ordem estão separadas por metade da largura de um máximo.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.0

63. A dispersão de uma rede de difração indica


A) a resolução da rede.
B) a distância entre linhas da mesma ordem e comprimentos de onda diferentes.
C) o número de ranhuras da rede.
D) a largura das linhas.
E) a distância entre linhas de ordem diferente e mesmo comprimento de onda.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.1

64. Um feixe luminoso formado por ondas de dois comprimentos de onda diferentes incide em uma rede de difração. A distância
entre as duas linhas de primeira ordem
A) é diretamente proporcional à dispersão.
B) é diretamente proporcional à resolução.
C) é inversamente proporcional à dispersão.
D) é inversamente proporcional à resolução.
E) Nenhuma das respostas anteriores (a distância entre as linhas não depende da dispersão nem da resolução).

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.1

65. Se uma luz com um comprimento de onda de 550 nm incide em uma rede de difração de 1 cm de largura e 1000 ranhuras,
qual é a dispersão da linha m = 2?
A) 2,0 × 105 rad/m
B) 2,0 × 104 rad/m
C) 2,0 × 103 rad/m
D) 2,0 × 102 rad/m
E) 2,0 × 101 rad/m

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.2

66. Uma das formas de aumentar a dispersão de uma rede de difração é


A) aumentar a largura das fendas.
B) diminuir a largura das fendas.
C) aumentar a distância entre as fendas.
D) diminuir a distância entre as fendas.
E) aumentar o número de fendas com a mesma largura e separação.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   7 5

Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.3

67. Quando um feixe luminoso formado por ondas de dois comprimentos de onda muito próximos incide em determinada rede de
difração com N fendas, não é possível observar as linhas correspondentes aos dois comprimentos de onda como linhas separadas.
Aumentando o valor de N, isso se torna possível porque
A) a quantidade de luz que atravessa a rede aumenta.
B) as linhas ficam mais intensas.
C) as linhas ficam mais espalhadas.
D) linhas de ordem superior são observadas.
E) as linhas ficam mais estreitas.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.5

68. Se uma rede de difração mal é capaz de resolver comprimentos de onda de 400,0 nm e 400,1 nm em primeira ordem, o número
de fendas da rede é
A) 400
B) 1000
C) 2500
D) 4000
E) Não há dados suficientes para responder.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.5

69. Qual é o número mínimo de fendas necessário para que uma rede de difração possa resolver comprimentos de onda de
471,0 nm e 471,6 nm?
A) 99
B) 197
C) 393
D) 786
E) 1179

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 36-6
Objetivo do Aprendizado: 36.6.5

70. De acordo com a lei de Bragg para difração de raios X, 2d sen q = ml, em que d é
A) a altura da célula unitária.
B) a menor distância interatômica.
C) a distância entre o detector e a amostra.
D) a distância entre planos atômicos da mesma família.
E) o símbolo de derivada.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-7
Objetivo do Aprendizado: 36.7.0
7 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

71. Qual das afirmações a seguir é verdadeira para a difração de Bragg, mas é falsa para a difração por uma rede?
A) Podem ser usados dois comprimentos de onda diferentes.
B) Para um dado comprimento de onda, podem existir máximos de difração em várias direções.
C) As ondas de maior comprimento de onda são mais desviadas.
D) A distância entre as ranhuras é constante.
E) Os máximos de difração são observados apenas para certos ângulos de incidência.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-7
Objetivo do Aprendizado: 36.7.0

72. Os raios X são


A) ondas eletromagnéticas.
B) íons negativos.
C) elétrons de alta energia.
D) prótons de alta energia.
E) nêutrons de alta energia.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-7
Objetivo do Aprendizado: 36.7.1

73. De acordo com a lei de Bragg para a difração de raios X, 2d sen q = ml, em que q é o ângulo entre o feixe incidente e
A) um plano atômico.
B) a normal a um plano atômico.
C) o feixe difratado.
D) a normal ao feixe difratado.
E) o feixe refratado.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 36-7
Objetivo do Aprendizado: 36.7.3

74. O maior comprimento de onda de raios X que podem ser difratados por uma família de planos cristalinos com uma separação
de 0,316 nm é
A) 0,158 nm
B) 0,316 nm
C) 0,474 nm
D) 0,632 nm
E) 1,26 nm

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 36-7
Objetivo do Aprendizado: 36.7.5

75. Um feixe de raios X, com comprimento de onda de 0,20 nm, que incide em um sólido cristalino, é difratado por uma família
de planos com uma separação de 3,1 × 10–8 cm. O menor ângulo entre o feixe e os planos cristalinos para que haja difração é
A) 0,70 rad
B) 0,33 rad
C) 0,066 rad
D) 0,033 rad
E) 0,0033 rad
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   7 7

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 36-7
Objetivo do Aprendizado: 36.7.5

76. Um feixe de raios X com comprimento de onda de 3 × 10–11 m incide em um cristal de calcita, cuja constante de rede é 0,3 nm.
O menor ângulo entre planos atômicos e o feixe de raios X que resulta em interferência construtiva é
A) 2,9°
B) 5,7°
C) 12°
D) 23°
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 36-7
Objetivo do Aprendizado: 36.7.5

77. Um feixe de raios X com comprimento de onda de 0,10 nm é difratado em segunda ordem por um cristal de LiF com um
ângulo de Bragg de 30°. Para a família de planos atômicos responsáveis pela difração, a distância interplanar é, aproximadamente,
A) 0,10 nm
B) 0,20 nm
C) 0,25 nm
D) 0,30 nm
E) 0,40 nm

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 36-7
Objetivo do Aprendizado: 36.7.5
Capítulo 37
Objetivos do Aprendizado
OA 37.1.0 Resolver problemas relacionados a simultaneidade e dilatação do tempo.
OA 37.1.1 Conhecer os dois postulados da teoria da relatividade (restrita) e o tipo de referencial a que esses postulados se aplicam.
OA 37.1.2 Saber que a velocidade da luz é a maior velocidade possível, e conhecer seu valor aproximado.
OA 37.1.3 Explicar de que forma as coordenadas espaçotemporais de um evento podem ser medidas com uma rede tridimen-
sional de relógios e réguas, e de que forma isso elimina a necessidade de levar em conta o tempo de trânsito de um sinal até
um observador.
OA 37.1.4 Saber que a relatividade do espaço e do tempo se refere à transferência de medidas de um referencial inercial para outro,
mas que a cinemática clássica e a mecânica newtoniana continuam a ser válidas se as medidas forem feitas no mesmo referencial.
OA 37.1.5 Saber que, no caso de referenciais em movimento relativo, eventos que são simultâneos em um referencial podem não
ser simultâneos em outro referencial.
OA 37.1.6 Explicar o que significa afirmar que o espaço e o tempo estão interligados.
OA 37.1.7 Saber em que condições a distância temporal entre dois eventos é um tempo próprio.
OA 37.1.8 Saber que, se a distância temporal entre dois eventos é um tempo próprio quando é medida em um referencial, será
maior se for medida em outro referencial.
OA 37.1.9 Conhecer a relação entre o tempo próprio Dt0, o tempo dilatado Dt e a velocidade relativa v entre dois referenciais.
OA 37.1.10 Conhecer a relação entre a velocidade relativa v, o parâmetro de velocidade b e o fator de Lorentz g.

OA 37.2.0 Resolver problemas relacionados à relatividade do comprimento.


OA 37.2.1 Saber que, como as distâncias espaciais e temporais estão entrelaçadas, a medida do comprimento de um objeto pode
ser diferente em diferentes referenciais.
OA 37.2.2 Saber em que condições um comprimento medido é um comprimento próprio.
OA 37.2.3 Saber que, se o comprimento de um objeto é um comprimento próprio quando é medido em um referencial, será me-
nor se for medido em outro referencial que esteja se movendo em relação ao primeiro, paralelamente ao comprimento que está
sendo medido.
OA 37.2.4 Conhecer a relação entre o comprimento contraído L, L0 o comprimento próprio e a velocidade relativa v entre os dois
referenciais.

OA 37.3.0 Resolver problemas relacionados à transformação de Lorentz.


OA 37.3.1 No caso de dois referenciais em movimento relativo, usar a transformação de Galileu para transformar a posição de um
evento de um referencial para o outro.
OA 37.3.2 Saber que a transformação de Galileu fornece resultados aproximadamente corretos para baixas velocidades relativas,
enquanto a transformação de Lorentz fornece resultados corretos para qualquer velocidade relativa fisicamente possível.
OA 37.3.3 No caso de dois referenciais em movimento relativo, usar a transformação de Lorentz para transformar as separações
espacial e temporal de dois eventos de um referencial para o outro.
OA 37.3.4 Demonstrar as equações de dilatação do tempo e contração do comprimento a partir da transformação de Lorentz.
OA 37.3.5 Usar a transformação de Lorentz para mostrar que, se dois eventos ocorrem simultaneamente em dois locais diferentes em
um referencial, não podem ocorrer simultaneamente em um segundo referencial que esteja em movimento em relação ao primeiro.

OA 37.4.0 Resolver problemas relacionados à relatividade das velocidades.


OA 37.4.1 Explicar, usando um desenho, um arranjo no qual a velocidade de um objeto é medida em dois referenciais diferentes.
OA 37.4.2 Conhecer a equação relativística que relaciona as velocidades de um objeto em dois referenciais diferentes.

OA 37.5.0 Resolver problemas relacionados ao efeito Doppler para a luz.


OA 37.5.1 Saber que frequência própria é a frequência da luz medida em um referencial no qual a fonte luminosa está em
repouso.
OA 37.5.2 Saber o que acontece com a frequência da luz quando a distância entre a fonte e o detector está aumentando e o que
acontece quando a distância está diminuindo; saber que a variação da frequência aumenta quando a velocidade aumenta; saber o
que significam os termos desvio para o azul e desvio para o vermelho.
OA 37.5.3 Saber o que significa o termo velocidade radial.
OA 37.5.4 No caso de uma fonte luminosa que está se aproximando ou se afastando de um detector, conhecer a relação entre a
frequência própria f0, a frequência detectada f e a velocidade radial v.
OA 37.5.5 Saber qual é a relação entre uma variação de frequência e uma variação de comprimento de onda.
OA 37.5.6 Conhecer a relação aproximada entre a variação de comprimento de onda Dl, o comprimento de onda próprio l0 e a
velocidade radial v quando a velocidade radial é muito menor que a velocidade da luz.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   7 9

OA 37.5.7 Saber que no caso da luz (mas não no caso do som) existe uma variação de frequência quando a velocidade da fonte é
perpendicular à reta que liga a fonte ao detector, um fenômeno, relacionado à dilatação do tempo, conhecido como efeito Doppler
transversal.
OA 37.5.8 No caso do efeito Doppler transversal, conhecer a relação entre a frequência própria f0, a frequência detectada f e a
velocidade radial v.

OA 37.6.0 Resolver problemas relacionados a momento e energia.


OA 37.6.1 Saber que as expressões clássicas do momento e da energia cinética são aproximadamente corretas para baixas veloci-
dades, enquanto as expressões relativísticas são corretas para qualquer velocidade fisicamente possível.
OA 37.6.2 Conhecer a relação entre momento, massa e velocidade relativa.
OA 37.6.3 Saber que a massa de um objeto pode ser interpretada como uma energia de repouso.
OA 37.6.4 Conhecer as relações entre energia total, energia de repouso, energia cinética, momento, massa, velocidade, o parâmetro
de velocidade e o fator de Lorentz.
OA 37.6.5 Desenhar gráficos da energia cinética em função da razão v/c entre a velocidade de um objeto e a velocidade da luz para
a expressão clássica e para a expressão relativística da energia cinética.
OA 37.6.6 Usar o teorema do trabalho e energia cinética para relacionar o trabalho realizado por uma força sobre um objeto à
variação da energia cinética do objeto.
OA 37.6.7 Saber qual é a relação entre o valor de Q de uma reação e a variação da energia de repouso dos reagentes.
OA 37.6.8 Conhecer a relação entre o sinal algébrico de Q e o fato de uma reação liberar ou absorver energia.

Questões de Múltipla Escolha


1. Se dois eventos ocorrem simultaneamente em pontos diferentes do eixo y de um referencial S, de acordo com um observador
que está se movendo no sentido positivo do eixo x,
A) o evento com maior coordenada y ocorre primeiro.
B) o evento com menor coordenada y ocorre primeiro.
C) qualquer dos dois eventos pode ocorrer primeiro, dependendo da velocidade do observador.
D) os eventos são simultâneos.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.0

2. Um trem que se move muito depressa (v = 0,6c) transporta três pessoas: um maquinista (M) na locomotiva, um guarda (G) no
último vagão e um observador (S) exatamente na metade do trem. M e G dispõem de lanternas. Ao passar por uma estação, o
trem é observado pelo chefe da estação (S). M e G usam suas lanternas para enviar sinais. De acordo com S e S, os sinais chegam
simultaneamente no instante em que S está passando por S. De acordo com S,
A) M e G enviaram sinais simultaneamente de distâncias diferentes.
B) G enviou seu sinal antes de M e de uma distância maior.
C) G enviou seu sinal antes de M, mas os dois estavam à mesma distância.
D) M enviou seu sinal antes de G e de uma distância maior.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.0

3. Um dos postulados básicos da teoria da relatividade de Einstein é que


A) os relógios em movimento atrasam em relação aos relógios em repouso.
B) as réguas em movimento são mais curtas que as réguas em repouso.
C) a luz pode se comportar como onda e como partícula.
D) as leis da física são as mesmas para todos os observadores situados em referenciais inerciais.
E) tudo é relativo.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
8 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.1

4. A velocidade da luz no vácuo é, aproximadamente,


A) 186.000 milhas por hora.
B) 300.000 quilômetros por minuto.
C) um pé por nanossegundo.
D) 186.000 pés por segundo.
E) 300.000 metros por segundo.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.2

5. Dois eventos ocorrem simultaneamente no eixo x de um referencial S; um ocorre em x = –a e o outro em x = +a. De acordo
com um observador que está se movendo no sentido positivo do eixo x,
A) o evento em x = +a ocorre primeiro.
B) o evento em x = –a ocorre primeiro.
C) qualquer dos dois eventos pode ocorrer primeiro, dependendo do valor de a e da velocidade do observador.
D) os eventos são simultâneos.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.5

6. O intervalo de tempo próprio entre dois eventos é medido por um relógio que está em repouso em um referencial no qual os
dois eventos
A) ocorrem simultaneamente.
B) ocorrem nas mesmas coordenadas.
C) estão separados pela distância que um sinal luminoso percorre durante o intervalo de tempo.
D) ocorrem no meridiano de Greenwich.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.7

7. Em um ponto remoto da galáxia, a nave estelar Enterprise envia uma pequena nave de desembarque para explorar um planeta.
O tempo próprio dos exploradores do planeta é medido por relógios
A) a bordo da Enterprise.
B) a bordo da nave de desembarque.
C) da Terra.
D) no centro da galáxia.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.7

8. Uma espaçonave leva um intervalo de tempo Dt para passar por um observador S. A tripulação da espaçonave mede o mesmo
intervalo de tempo e encontra o valor Dt¢. Qual das afirmações a seguir é verdadeira?
A) Dt é o intervalo de tempo próprio e é menor que Dt¢
B) Dt é o intervalo de tempo próprio e é maior que Dt¢
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   8 1

C) Dt¢ é o intervalo de tempo próprio e é menor que Dt


D) Dt¢ é o intervalo de tempo próprio e é maior que Dt
E) Nenhuma das afirmações anteriores é verdadeira.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.8

9. Em 1992, uma milionária recebe a notícia de que tem exatamente 15 anos de vida. Se ela parte imediatamente da Terra com
uma velocidade de 0,8c e volta com a mesma velocidade, o último Ano-Novo que ela tem oportunidade de comemorar é o de
A) 2001
B) 2003
C) 2007
D) 2017
E) 2033

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.9

10. Um observador nota que o intervalo de tempo medido por um relógio em movimento é 10 vezes maior que o mesmo intervalo
medido por um relógio em repouso. Isso significa que a velocidade do relógio é
A) 0,0100c
B) 0,100c
C) 0,900c
D) 0,990c
E) 0,995c

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.9

11. Um méson em repouso decai com uma meia-vida de aproximadamente 2 ms. Se o méson está se movendo em um laboratório
a uma velocidade de 0,99c, sua meia-vida, de acordo com os relógios do laboratório, é
A) 2 ms
B) 0,28 ms
C) 4,6 ms
D) 14 ms
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.9

12. Um píon em repouso decai com uma meia-vida T. Se em um feixe de píons todos se movem com uma velocidade v = bc, a
distância percorrida até que a intensidade do feixe caia para a metade é dada por
A) cbT(1 – b2)–1/2
B) cbT[(1 + b)/(1 – b)]1/2
C) bvT
D) (1 – b2)1/2vT
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Média
8 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.9

13. Um méson que atravessa um laboratório, de comprimento x, a uma velocidade v, decai após um intervalo de tempo T medido
por um observador em repouso no laboratório. Se o méson estivesse em repouso no laboratório, decairia após um intervalo de
tempo dado por
A) T(1 – v/c)
B) T(1 – v/c)–1
C) T(1 – v2/c2)–1/2
D) T(1 – v2/c2)1/2
E) (T – vx/c2)(1 – v2/c2)–1/2

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-1
Objetivo do Aprendizado: 37.1.9

14. Uma régua com um comprimento próprio de 1,0 m, que se move lateralmente (ou seja, perpendicularmente à maior dimen-
são), atravessa um laboratório a uma velocidade de 0,95c. De acordo com medidas realizadas no laboratório, o comprimento
da régua é
A) 0
B) 0,098 m
C) 0,31 m
D) 1,0 m
E) 3,2 m

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.0

15. Uma das previsões da teoria da relatividade de Einstein é que


A) os relógios em movimento atrasam em relação aos relógios em repouso.
B) as réguas em movimento são mais compridas que as réguas em repouso.
C) a luz pode se comportar como onda e como partícula.
D) as leis da física são as mesmas para todos os observadores situados em referenciais inerciais.
E) tudo é relativo.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.0

16. De acordo com a teoria da relatividade,


A) relógios em movimento adiantam.
B) a energia não é conservada em colisões a alta velocidade.
C) a velocidade da luz deve ser medida em relação ao éter.
D) o momento não é conservado em colisões a alta velocidade.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.0
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   8 3

17. Para medir o comprimento de um objeto que se move em relação ao laboratório, devemos registrar as coordenadas das extre-
midades do objeto
A) em instantes diferentes, de acordo com o relógio do laboratório.
B) no mesmo instante, de acordo com um relógio que se move com o objeto.
C) no mesmo instante, de acordo com o relógio do laboratório.
D) no mesmo instante, de acordo com um relógio em repouso em relação às estrelas fixas.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.2

18. Uma das previsões da teoria da relatividade de Einstein é que


A) os relógios em movimento adiantam em relação aos relógios em repouso.
B) as réguas em movimento são mais curtas que as réguas em repouso.
C) a luz pode se comportar como onda e como partícula.
D) as leis da física são as mesmas para todos os observadores situados em referenciais inerciais.
E) tudo é relativo.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.3

19. Uma régua com um comprimento próprio de 1,0 m, que se move longitudinalmente, atravessa um laboratório. De acordo
com medidas realizadas no laboratório, a régua tem 0,31 m de comprimento. Isso significa que a velocidade da régua em relação
ao laboratório é
A) 0,096c
B) 0,31c
C) 0,69c
D) 0,83c
E) 0,95c

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.4

20. Uma nave espacial com um comprimento próprio de 100 m, que está se movendo a uma velocidade de 0,8c, passa por um
cronômetro que registra o intervalo de tempo entre a passagem do nariz e da cauda da nave. O intervalo de tempo medido é
A) 0,20 ms
B) 0,25 ms
C) 0,33 ms
D) 0,52 ms
E) 0,69 ms

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.4

21. O comprimento próprio de um automóvel é 6 m. Se o comprimento medido é 4,8 m, isso significa que o automóvel está se
movendo a uma velocidade de
A) 0,1c
B) 0,3c
C) 0,6c
8 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) 0,8c
E) > 0,95c

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.4

22. Um relógio está se movendo ao longo do eixo x a uma velocidade de 0,6c. Se a leitura do relógio é zero ao passar pela origem
(x = 0), ao passar pelo ponto x = 180 m a leitura é
A) 0,60 ms
B) 0,80 ms
C) 1,00 ms
D) 1,25 ms
E) 1,67 ms

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-2
Objetivo do Aprendizado: 37.2.4

23. Dois eventos ocorrem no eixo x, separados no tempo por um intervalo Dt e no espaço por uma distância Dx. Um referencial
que se move com uma velocidade menor que a velocidade da luz, no qual os dois eventos são simultâneos,
A) sempre existe, quaisquer que sejam os valores de Dx e Dt.
B) existe apenas se Dx/Dt < c.
C) existe apenas se Dx/Dt > c.
D) existe apenas se Dx/Dt = c.
E) é impossível, quaisquer que sejam os valores de Dx e Dt.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.0

24. Dois eventos ocorrem no eixo x, separados no tempo por um intervalo Dt e no espaço por uma distância Dx. Um referencial
que se move com uma velocidade menor que a velocidade da luz, no qual os dois eventos ocorrem no mesmo local,
A) sempre existe, quaisquer que sejam os valores de Dx e Dt.
B) existe apenas se Dx/Dt < c.
C) existe apenas se Dx/Dt > c.
D) existe apenas se Dx/Dt = c.
E) é impossível, quaisquer que sejam os valores de Dx e Dt.

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.0

25. Qual das afirmações a seguir é verdadeira?


A) As transformações de Galileu fornecem resultados corretos para qualquer velocidade relativa, e as transformações de Lorentz
fornecem resultados aproximadamente corretos para velocidades relativas próximas da velocidade da luz.
B) As transformações de Lorentz fornecem resultados corretos para qualquer velocidade relativa, e as transformações de Galileu
fornecem resultados aproximadamente corretos para velocidades relativas próximas da velocidade da luz.
C) As transformações de Galileu fornecem resultados corretos para qualquer velocidade relativa, e as transformações de Lorentz
fornecem resultados aproximadamente corretos para velocidades relativas muito menores que a velocidade da luz.
D) As transformações de Lorentz fornecem resultados corretos para qualquer velocidade relativa, e as transformações de Galileu
fornecem resultados aproximadamente corretos para velocidades relativas muito menores que a velocidade da luz.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   8 5

E) As transformações de Galileu fornecem resultados aproximadamente corretos para velocidades relativas muito menores que
a velocidade da luz, e as transformações de Lorentz fornecem resultados aproximadamente corretos para velocidades relativas
próximas da velocidade da luz.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.2

26. O comprimento de uma régua com comprimento próprio de 1,0 m que está se movendo longitudinalmente a uma velocidade
de 0,95c é medido assinalando simultaneamente as posições das extremidades da régua em um eixo estacionário. De acordo com
um relógio que se move com a régua, o intervalo de tempo entre os instantes em que as extremidades da régua são assinaladas é
A) 0
B) 1,1 × 10–9 s
C) 3,2 × 10–9 s
D) 3,5 × 10–9 s
E) 1,1 × 10–8 s

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

27. Dois eventos ocorrem a 100 m de distância, separados por um intervalo de tempo de 0,60 ms. A velocidade do referencial no
qual os eventos ocorrem no mesmo local é
A) 0
B) 0,25c
C) 0,56c
D) 1,1c
E) 1,8c

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

28. Dois eventos ocorrem a 100 m de distância, separados por um intervalo de tempo de 0,42 ms. O intervalo de tempo próprio
entre os eventos é
A) 0
B) 0,16 ms
C) 0,26 ms
D) 0,42 ms
E) 0,69 ms

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

29. Dois eventos ocorrem a 100 m de distância, separados por um intervalo de tempo de 0,37 ms. A velocidade de um relógio que
mede o intervalo de tempo próprio entre os eventos é
A) 0
B) 0,45c
C) 0,56c
D) 0,90c
E) 1,8c
8 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

30. Um foguete que se move com velocidade constante faz uma viagem de 8,4 × 1015 m em 1 ano. O intervalo de tempo próprio
entre o início e o final da viagem, em anos, é
A) 0,21 ano
B) 0,46 ano
C) 1,0 ano
D) 2,2 anos
E) 4,7 anos

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

31. Quando um foguete passa a uma velocidade de 0,95c por um eixo estacionário, é feita uma marca no ponto onde se encontra
o nariz do foguete; 9 × 10–8 s mais tarde, é feita uma marca no ponto onde se encontra a cauda. Se a distância entre as marcas é
100 m, o comprimento próprio do foguete é
A) 31 m
B) 78 m
C) 100 m
D) 240 m
E) 320 m

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

32. O referencial 2 está se movendo com velocidade v, no sentido negativo do eixo x, em relação ao referencial 1. Os relógios
dos dois referenciais são ligados quando as origens dos referenciais coincidem. Um evento ocorre no ponto x1 e no instante t1, de
acordo com o referencial 1, e no ponto x2 e no instante t2, de acordo com o referencial 2. Se γ = 1/ 1 − v 2 /c 2 , as relações entre as
coordenadas e instantes do evento nos dois referenciais são
A) x2 = g[x1 – vt1] e t2 = g[t1 – vx1/c2]
B) x2 = g[x1 – vt1] e t2 = g[t1 + vx1/c2]
C) x2 = g[x1 + vt1] e t2 = g[t1 – vx1/c2]
D) x2 = g[x1 + vt1] e t2 = g[t1 + vx1/c2]
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

33. Um evento ocorre em x = 500 m e t = 0,90 ms em um referencial. Outro referencial está se movendo a uma velocidade de 0,90c
no sentido positivo do eixo x. As origens dos dois referenciais coincidem no instante t = 0, e o relógio do segundo referencial é
ligado no instante em que as origens coincidem. A coordenada e o instante do evento no segundo referencial são
A) 500 m e 0,90 ms
B) 1700 m e 5,5 ms
C) 740 m e 2,4 ms
D) 260 m e –0,60 ms
E) 590 m e –1,4 ms

Resposta: E
Dificuldade: Média
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   8 7

Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

34. Um evento ocorre em x = 500 m e t = 0,90 ms em um referencial. Outro referencial está se movendo a uma velocidade de 0,90c
no sentido negativo do eixo x. As origens dos dois referenciais coincidem no instante t = 0, e o relógio do segundo referencial é
ligado no instante em que as origens coincidem. A coordenada e o instante do evento no segundo referencial são
A) 500 m e 0,90 ms
B) 1700 m e 5,5 ms
C) 740 m e 2,4 ms
D) 260 m e –0,60 ms
E) 590 m e –1,4 ms

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

35. Dois clarões ocorrem simultaneamente no instante t = 0 no referencial S, um no ponto x = 0 e o outro no ponto x = 600 m. Os
clarões são observados no referencial S, que está se movendo a uma velocidade de 0,95c no sentido positivo do eixo x. As origens
dos dois referenciais coincidem no instante t = 0, e o relógio do referencial S é ligado quando as origens coincidem. No referencial
S, a coordenada do ponto em que os raios de luz provenientes dos dois clarões se encontram e o instante em que isso acontece são
A) 300 m e 1,0 ms
B) 15 m e 0,050 ms
C) 585 m e 1,95 ms
D) 48 m e 0,16 ms
E) 1900 m e 0,16 ms

Resposta: D
Dificuldade: Difícil
Módulo: 37-3
Objetivo do Aprendizado: 37.3.3

36. A espaçonave A, ao passar pelo observador S a uma velocidade de 0,7c, lança uma cápsula com uma mensagem para a espaçonave
B, que está à frente de A e viaja na mesma direção a uma velocidade de 0,8c em relação a S. A cápsula se move com uma velocidade
de 0,95c em relação a S. Um relógio que mede o intervalo de tempo próprio entre o envio e o recebimento da cápsula se move
A) na mesma direção que as espaçonaves, a uma velocidade de 0,7c em relação a S.
B) na direção oposta à das espaçonaves, a uma velocidade de 0,7c em relação a S.
C) na mesma direção que as espaçonaves, a uma velocidade de 0,8c em relação a S.
D) na mesma direção que as espaçonaves, a uma velocidade de 0,95c em relação a S.
E) na direção oposta à das espaçonaves, a uma velocidade de 0,95c em relação a S.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-4
Objetivo do Aprendizado: 37.4.2

37. Se o referencial S está se movendo no sentido positivo do eixo x a uma velocidade de 0,6c em relação ao referencial S, e uma
partícula está se movendo no sentido positivo do eixo x a uma velocidade de 0,4c em relação ao referencial S, a velocidade da
partícula medida por um observador do referencial S é
A) c/5
B) 5c/19
C) 8c/25
D) 25c/31
E) c

Resposta: D
Dificuldade: Média
8 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 37-4
Objetivo do Aprendizado: 37.4.2

38. Se a estrela S1 está se afastando da Terra a uma velocidade de 0,8c e a estrela S2 está se afastando da Terra, na direção oposta,
a uma velocidade de 0,5c, a velocidade de S1 medida por um observador em S2 é
A) 0,21c
B) 0,50c
C) 0,93c
D) 1,3c
E) 2,2c

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-4
Objetivo do Aprendizado: 37.4.2

39. Um foguete e um cometa estão se movendo no sentido positivo do eixo x de um observador. Para esse observador, a velocidade
do foguete é v e a velocidade do cometa é u. Para um observador a bordo do foguete, a velocidade do cometa é
A) (u – v)/(1 – uv/c2)
B) (u – v)/(1 – v2/c2)
C) (u – v)/(1 – v2/c2)1/2
D) (u – v)/(1 + uv/c2)
E) (u + v)/(1 – uv/c2)

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 37-4
Objetivo do Aprendizado: 37.4.2

40. Dois elétrons se movem em direções opostas a uma velocidade de 0,70c no referencial do laboratório. A velocidade de um dos
elétrons no referencial do outro é
A) 0,35c
B) 0,70c
C) 0,94c
D) 1,00c
E) 1,40c

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-4
Objetivo do Aprendizado: 37.4.2

41. As frequências das linhas do espectro luminoso de muitas estrelas são diferentes das frequências das linhas emitidas pelos
mesmos elementos em laboratórios terrestres por causa
A) da interferência.
B) da refração atmosférica.
C) da difração.
D) da reflexão.
E) do movimento relativo entre as estrelas e a Terra.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.0
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   8 9

42. Enquanto está emitindo luz de frequência própria f0, uma fonte se move para a direita com velocidade c/4 em relação ao refe-
rencial S, como mostra a figura. Um detector posicionado à esquerda da fonte mede, para a mesma luz, uma frequência f maior
que f0. Isso significa que

A) o detector está se movendo para a direita com uma velocidade maior que c/4 em relação a S.
B) o detector está se movendo para a direita com uma velocidade menor que c/4 em relação a S.
C) o detector está se movendo para a esquerda com uma velocidade maior que c/4 em relação a S.
D) o detector está se movendo para a esquerda com uma velocidade menor que c/4 em relação a S.
E) o detector não está se movendo.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.2

43. Quando uma espaçonave, inicialmente estacionária, começa a se afastar, em alta velocidade, de um observador, a luz da nave
vista pelo observador
A) tem uma frequência maior e um comprimento de onda maior que antes.
B) tem uma frequência menor e um comprimento de onda menor que antes.
C) tem uma frequência maior e um comprimento de onda menor que antes.
D) tem uma frequência menor e um comprimento de onda maior que antes.
E) tem a mesma frequência e o mesmo comprimento de onda que antes.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.2

44. Um trem que se move muito depressa (v = 0,6c) transporta três pessoas: um maquinista (M) na locomotiva, um guarda (G)
no último vagão e um observador (S) exatamente na metade do trem. M e G dispõem de lanternas amarelas. Ao passar por uma
estação, o trem é observado pelo chefe da estação (S). M e G usam suas lanternas para enviar sinais. De acordo com S e S, os
sinais chegam simultaneamente no instante em que S está passando por S. De acordo com S, o sinal enviado por M é ________
e o sinal enviado por G é ________.
A) vermelho, azul
B) amarelo, amarelo
C) azul, vermelho
D) azul, azul
E) vermelho, vermelho

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.2

45. Uma lâmpada verde no casco de uma espaçonave é mantida acesa para indicar que os sistemas de bordo estão funcionando
corretamente. Quando a espaçonave está se afastando da Terra a uma velocidade de 0,90c, um observador terrestre olha para a
lâmpada
A) e pensa que está apagada (a frequência está acima da faixa do espectro visível).
B) e pensa que está apagada (a frequência está abaixo da faixa do espectro visível).
C) e vê uma luz vermelha.
D) e vê uma luz violeta.
E) e vê uma luz verde.
9 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.4

46. Uma luz com uma frequência de 6,0 × 1014 Hz é refletida por uma espaçonave que está se afastando da fonte luminosa a uma
velocidade de 0,90c. A frequência das ondas refletidas detectada por um observador em repouso em relação à fonte luminosa é
A) 3,2 × 1013 Hz
B) 1,4 × 1014 Hz
C) 6,0 × 1014 Hz
D) 2,6 × 1015 Hz
E) 1,1 × 1016 Hz

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.4

47. Com qual velocidade um observador deve se afastar de uma fonte luminosa de 6,0 × 1014 Hz para observar ondas com uma
frequência de 4,0 × 1014 Hz?
A) 0,20c
B) 0,39c
C) 0,45c
D) 0,51c
E) 0,76c

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.4

48. Uma linha espectral de uma estrela sofre um “desvio para o vermelho” de um comprimento de onda de 500 nm para um com-
primento de onda de 1500 nm. Interpretando esse desvio como uma consequência do efeito Doppler, os astrônomos calculam que
a estrela está se afastando da Terra a uma velocidade de
A) 0,33c
B) 0,50c
C) 0,71c
D) 0,80c
E) c

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.6

49. Uma fonte emite luz com um comprimento de onda próprio de 500 nm. Quando a fonte está se aproximando de um observador
a uma velocidade de 0,90c, o comprimento de onda detectado pelo observador é
A) 26 nm
B) 115 nm
C) 500 nm
D) 2200 nm
E) 9500 nm

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.6
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   9 1

50. Se o comprimento de onda da luz emitida por uma fonte, medido por um observador em repouso em relação à fonte, é 500 nm,
o comprimento de onda medido por um observador que está se afastando da fonte a uma velocidade de 0,90c é
A) 26 nm
B) 115 nm
C) 500 nm
D) 2200 nm
E) 9500 nm

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.6

51. O espectro de uma estrela com uma velocidade transversal (perpendicular à linha de visada) de 30.000 km/s em relação à Terra
possui uma linha de absorção na frequência de 5,00 × 1014 Hz no referencial da estrela. Qual é a frequência da linha no referencial
da Terra?
A) 4,50 × 1014 Hz
B) 4,90 × 1014 Hz
C) 4,97 × 1014 Hz
D) 5,00 × 1014 Hz
E) 5,04 × 1014 Hz

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-5
Objetivo do Aprendizado: 37.5.8

52. Se a massa de uma partícula é zero, a velocidade é


A) c
B) infinita
C) 0
D) menor que c
E) maior que c

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.0

53. De acordo com a teoria da relatividade,


A) todas as formas de energia têm propriedades semelhantes às da massa.
B) as partículas em movimento perdem massa.
C) o momento não é conservado em colisões em alta velocidade.
D) uma barra que se move lateralmente em alta velocidade fica mais curta.
E) uma barra que se move lateralmente em alta velocidade fica mais comprida.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.0

54. Se a energia cinética de uma partícula livre é muito maior que a energia de repouso, a energia cinética é proporcional
A) ao módulo do momento.
B) ao módulo do momento ao quadrado.
C) à raiz quadrada do módulo do momento.
D) ao inverso do módulo do momento.
E) Nenhuma das respostas anteriores.
9 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.1

55. Se um elétron (m = 9,11 × 10–31 kg) está se movendo a uma velocidade de 0,95c, o módulo do momento do elétron é
A) 2,6 × 10–22 kg · m/s
B) 2,9 × 10–22 kg · m/s
C) 6,0 × 10–22 kg · m/s
D) 8,3 × 10–22 kg · m/s
E) 8,8 × 10–22 kg · m/s

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.2

56. De acordo com a teoria da relatividade, uma partícula de massa m com um momento de 2mc está se movendo a uma velocidade de
A) 4c
B) 2c
C) c
D) 0,89c
E) c/2

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.2

57. O momento de uma partícula de massa zero e energia E é


A) Ec
B) Ec2
C) Ec
D) E/c
E) E/c2

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

58. Se a energia cinética de uma partícula livre é muito maior que a energia de repouso, a energia cinética é proporcional
A) ao módulo do momento.
B) ao quadrado do módulo do momento.
C) à raiz quadrada do módulo do momento.
D) ao inverso do módulo do momento.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

59. A energia cinética de uma partícula de massa de repouso m que se move a uma velocidade de 0,6c é
A) 0,18mc2
B) 0,22mc2
C) 0,25mc2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   9 3

D) mc2
E) 1,25mc2

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

60. Um elétron está se movendo a uma velocidade de 0,6c. Se calcularmos a energia cinética do elétron usando a expressão (1/2) mv2,
o resultado será
A) aproximadamente correto.
B) metade do valor correto.
C) duas vezes maior que o valor correto.
D) 1% menor que o valor correto.
E) 28% menor que o valor correto.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

61. Se a velocidade de um elétron muda de c/2 no sentido negativo do eixo x para c/2 no sentido positivo do eixo x, a variação da
energia cinética do elétron é
A) 2mc2
B) 2 mc2
C) mc2
D) 0,5mc2
E) 0

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

62. A energia cinética de um elétron (m = 9,11 × 10–31 kg) que está se movendo a uma velocidade de 0,95c é
A) 8,2 × 10–14 J
B) 1,8 × 10–13 J
C) 2,0 × 10–13 J
D) 2,2 × 10–13 J
E) 2,6 × 10–13 J

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

63. Para que a energia total de uma partícula de massa m seja duas vezes maior que a energia de repouso, o momento da partícula
deve ser
A) mc/2
B) mc/ 2
C) mc
D) 3 mc
E) 2mc

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4
9 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

64. Se a energia cinética de uma partícula é igual à energia de repouso, a velocidade da partícula
A) é 0,25c
B) é 0,50c
C) é 0,87c
D) c
E) não pode ser calculada se a massa não for conhecida.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

65. O módulo do momento de uma partícula não pode ser maior que
A) mc, em que m é a massa da partícula.
B) E/c, em que E é a energia da partícula.
C) K/c, em que K é a energia cinética da partícula.
D) Nenhuma das respostas anteriores, mas existe um limite superior.
E) Nenhuma das respostas anteriores; não existe um limite superior.

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

66. A energia cinética de um elétron (m = 9,11 × 10–31 kg) com um momento de 1,3 × 10–21 kg · m/s é
A) 6,3 × 10–14 J
B) 8,2 × 10–14 J
C) 1,5 × 10–13 J
D) 3,2 × 10–13 J
E) 4,0 × 10–13 J

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

67. A massa de uma partícula com uma energia cinética de 3,2 × 10–10 J e um momento de 1,7 × 10–18 kg · m/s é
A) 9,1 × 10–31 kg
B) 2,7 × 10–27 kg
C) 4,5 × 10–27 kg
D) 6,3 × 10–27 kg
E) 8,6 × 10–27 kg

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.4

68. O trabalho necessário para aumentar a velocidade de um elétron (m = 9,11 × 10–31 kg) de 0,90c para 0,95c é
A) 8,2 × 10–13 J
B) 3,2 × 10–13 J
C) 2,6 × 10–13 J
D) 7,4 × 10–14 J
E) 3,8 × 10–15 J

Resposta: D
Dificuldade: Média
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   9 5

Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.6

69. Na reação a seguir, dois isótopos do hidrogênio se combinam para formar um núcleo de hélio e um nêutron:
2
H + 3H → 4He + n
As massas das partículas envolvidas são:
2
H: 2,013553 u
3
H: 3,015501 u
4
He: 4,001506 u
n: 1,008665 u
Qual é o valor de Q da reação?
A) 1,9 MeV
B) 2,5 MeV
C) 2,8 MeV
D) 17,6 MeV
E) 938 MeV

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 37-6
Objetivo do Aprendizado: 37.6.7
Capítulo 38
Objetivos do Aprendizado
OA 38.1.0 Resolver problemas relacionados ao fóton, o quantum da luz.
OA 38.1.1 Explicar a absorção e emissão da luz em termos de níveis de energia quantizados e fótons.
OA 38.1.2 No caso da absorção e emissão da luz, conhecer as relações entre a energia, a potência, a intensidade, a taxa de absorção
e emissão de fótons, a constante de Planck, a frequência e o comprimento de onda.

OA 38.2.0 Resolver problemas relacionados ao efeito fotelétrico.


OA 38.2.1 Ilustrar o experimento que revelou o efeito fotelétrico em um desenho esquemático que mostre a luz incidente, a placa
de metal, os elétrons emitidos (fotelétrons) e o coletor.
OA 38.2.2 Explicar a dificuldade que os físicos tinham para explicar o efeito fotelétrico antes de Einstein e a importância histórica
da explicação proposta por Einstein.
OA 38.2.3 Saber o que é Vcorte, o potencial de corte, e conhecer a relação entre Vcorte e a energia cinética máxima Kmáx dos fotelétrons.
OA 38.2.4 No caso do efeito fotelétrico, conhecer as relações entre a frequência e o comprimento de onda da onda incidente, a
energia cinética máxima Kmáx dos fotelétrons, a função trabalho Φ e o potencial de corte Vcorte.
OA 38.2.5 No caso do efeito fotelétrico, desenhar um gráfico do potencial de corte Vcorte em função da frequência da luz, indicando
a frequência de corte, f0, e relacionando a inclinação do gráfico à constante de Planck, h, e à carga elementar, e.

OA 38.3.0 Resolver problemas relacionados a fótons, momento, espalhamento de Compton e interferência da luz.
OA 38.3.1 Conhecer as relações entre momento, energia, frequência e comprimento de onda de um fóton.
OA 38.3.2 Usar um desenho para descrever o experimento de espalhamento de Compton.
OA 38.3.3 Conhecer a importância histórica do espalhamento de Compton.
OA 38.3.4 Saber quais das seguintes grandezas do fóton espalhado aumentam e quais diminuem quando o ângulo de espalhamento
de Compton aumenta: energia cinética, momento, comprimento de onda.
OA 38.3.5 Demonstrar a equação do deslocamento de Compton a partir das leis de conservação da energia e do momento.
OA 38.3.6 No caso do espalhamento de Compton, conhecer as relações entre os comprimentos de onda dos raios X incidente e
espalhado, o deslocamento do comprimento de onda, o ângulo de espalhamento e a energia e o momento (módulo e ângulo) do
elétron espalhado.
OA 38.3.7 Explicar o experimento de dupla fenda em termos de fótons na versão clássica, na versão para fótons isolados e na nova
versão para fótons isolados.

OA 38.4.0 Resolver problemas relacionados ao nascimento da mecânica quântica.


OA 38.4.1 Saber o que é um corpo negro e o que é radiância espectral.
OA 38.4.2 Saber qual foi o problema que os físicos encontraram ao estudar a radiação de um corpo negro e de que forma Planck
e Einstein resolveram o problema.
OA 38.4.3 Conhecer a lei da radiação de Planck.
OA 38.4.4 Calcular a intensidade da radiação do corpo negro em função do comprimento de onda a uma dada temperatura, para
um pequeno intervalo de comprimentos de onda.
OA 38.4.5 Conhecer a relação entre intensidade, potência e área da radiação de corpo negro.
OA 38.4.6 Usar a lei de Wien para relacionar a temperatura da superfície de um corpo negro ao comprimento de onda para o qual
a radiância espectral do corpo negro é máxima.

OA 38.5.0 Resolver problemas relacionados a elétrons e ondas de matéria.


OA 38.5.1 Saber que os elétrons (e todas as partículas elementares) são ondas de matéria.
OA 38.5.2 Conhecer as relações entre o comprimento de onda de de Broglie, o momento, a velocidade e a energia cinética, para
partículas relativísticas e não relativísticas.
OA 38.5.3 Descrever a figura de interferência de dupla fenda produzida por elétrons.
OA 38.5.4 Aplicar as equações de interferência da luz (Módulo 35-2) e difração da luz (Módulo 36-1) a ondas de matéria.

OA 38.6.0 Resolver problemas relacionados à equação de Schrödinger.


OA 38.6.1 Saber que as ondas de matéria obedecem à equação de Schrödinger.
OA 38.6.2 Escrever a equação de Schrödinger para uma partícula não relativística que se move no eixo x e determinar a solução
geral para a parte espacial da função de onda.
OA 38.6.3 Conhecer as relações entre o número de onda, a energia total, a energia potencial, a energia cinética, o momento e o
comprimento de onda de de Broglie de uma partícula não relativística.
OA 38.6.4 Dada a solução da parte espacial da equação de Schrödinger, escrever a solução completa, que inclui a parte temporal.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   9 7

OA 38.6.5 Dado um número complexo, determinar o complexo conjugado.


OA 38.6.6 Dada uma função de onda, calcular a densidade de probabilidade.

OA 38.7.0 Resolver problemas relacionados ao princípio de indeterminação de Heisenberg.


OA 38.7.1 Aplicar o princípio de indeterminação de Heisenberg a um elétron que se move no eixo x e interpretar o resultado.

OA 38.8.0 Resolver problemas relacionados à reflexão em um degrau de potencial.


OA 38.8.1 Escrever a solução geral da parte espacial da equação de Schrödinger para um elétron em uma região de energia po-
tencial uniforme.
OA 38.8.2 Representar, usando um desenho, um degrau de potencial para um elétron, indicando a altura Ub do degrau.
OA 38.8.3 Determinar os coeficientes da função de onda de um elétron em duas regiões vizinhas igualando os valores da função
de onda e sua derivada na fronteira das duas regiões.
OA 38.8.4 Determinar os coeficientes de reflexão e transmissão de um elétron que incide em um degrau de potencial com energia
potencial U = 0 e energia mecânica E maior que a altura Ub do degrau.
OA 38.8.5 Saber que, como o elétron é uma onda de matéria, pode ser refletido por um degrau de potencial, mesmo que tenha
energia mais do que suficiente para passar pelo degrau.
OA 38.8.6 Interpretar os coeficientes de reflexão e de transmissão em termos da probabilidade de que um elétron seja refletido
ou ultrapasse um degrau, e também em termos dos números relativos de elétrons que são refletidos e que ultrapassam o degrau.

OA 38.9.0 Resolver problemas relacionados ao efeito túnel.


OA 38.9.1 Representar, usando um desenho, uma barreira de potencial para um elétron, indicando a altura Ub e a largura L da
barreira.
OA 38.9.2 Saber qual é a condição, na mecânica clássica, para que uma partícula tenha energia suficiente para ultrapassar uma
barreira.
OA 38.9.3 Saber o que é o coeficiente de transmissão para tunelamento.
OA 38.9.4 Conhecer a expressão do coeficiente de transmissão para tunelamento T em função da energia E e massa m da partícula
e da altura Ub e largura L da barreira.
OA 38.9.5 Interpretar o coeficiente de transmissão para tunelamento em termos da probabilidade de que uma partícula atravesse
uma barreira e também em termos da fração das partículas que atravessa a barreira.
OA 38.9.6 Em uma situação de tunelamento, descrever a densidade de probabilidade na região que fica antes da barreira, no interior
da barreira e na região que fica depois da barreira.
OA 38.9.7 Saber como funciona um microscópio de tunelamento.

Questões de Múltipla Escolha


1. A constante de Planck, h, tem unidades de
A) energia.
B) potência.
C) momento.
D) momento angular.
E) frequência.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.0

2. A quantização da energia, E = nhf, não é importante no caso de um pêndulo comum porque


A) a expressão só se aplica a sistemas do tipo bloco-mola.
B) a distância entre os níveis permitidos de energia é insignificante.
C) a distância entre os níveis permitidos de energia é muito grande.
D) a expressão só é válida para átomos.
E) o valor de h é muito grande no caso do pêndulo.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.0
9 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

3. Se a frequência do feixe luminoso A é duas vezes maior que a do feixe luminoso B, a razão EA/EB entre as energias dos fótons é
A) 1/2
B) 1/4
C) 1
D) 2
E) 4

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.2

4. Se o comprimento de onda do feixe luminoso A é duas vezes maior que o do feixe luminoso B, a energia de um fóton do feixe A é
A) metade da energia de um fóton do feixe B.
B) um quarto da energia de um fóton do feixe B.
C) igual à energia de um fóton do feixe B.
D) duas vezes maior que a energia de um fóton do feixe B.
E) quatro vezes maior que a energia de um fóton do feixe B.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.2

5. Qual das seguintes radiações eletromagnéticas tem maior energia?


A) Luz azul.
B) Luz amarela.
C) Raios X.
D) Ondas de rádio.
E) Micro-ondas.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.2

6. Se a intensidade de um raio luminoso com um comprimento de onda de 500 nm é 2000 W/m2, o fluxo de fótons é, aproxima-
damente,
A) 5 × 1017 fótons/m2 · s
B) 5 × 1019 fótons/m2 · s
C) 5 × 1021 fótons/m2 · s
D) 5 × 1023 fótons/m2 · s
E) 5 × 1025 fótons/m2 · s

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.2

7. Se a concentração de fótons em um feixe luminoso uniforme com um comprimento de onda de 500 nm é 1,7 × 1013 m-3, a
intensidade do feixe é
A) 6,8 × 10–6 W/m2
B) 3,2 × 102 W/m2
C) 1,0 × 103 W/m2
D) 2,0 × 103 W/m2
E) 4,0 × 103 W/m2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   9 9

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.2

8. Os feixes luminosos A e B têm a mesma intensidade, mas o comprimento de onda do feixe A é maior que o do feixe B. O fluxo
de fótons (número de fótons que atravessam uma seção reta unitária por unidade de tempo)
A) é maior para o feixe A.
B) é maior para o feixe B.
C) é o mesmo para os dois feixes.
D) é maior para o feixe A, no caso de ondas longas, e para o feixe B, no caso de ondas curtas.
E) é maior para o feixe B, no caso de ondas longas, e para o feixe A, no caso de ondas curtas.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.2

9. Coloque as radiações eletromagnéticas a seguir na ordem crescente da energia dos fótons.


1. Luz azul
2. Luz amarela
3. Raios X
4. Ondas de rádio
A) 1, 2, 3, 4
B) 4, 2, 1, 3
C) 4, 1, 2, 3
D) 3, 2, 1, 4
E) 3, 1, 2, 4

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-1
Objetivo do Aprendizado: 38.1.2

10. Em um experimento de efeito fotelétrico usando uma frequência maior que a frequência de corte, o número de elétrons eje-
tados é proporcional
A) à energia cinética dos elétrons.
B) à energia potencial dos elétrons.
C) à função trabalho do material.
D) à frequência da luz incidente.
E) ao número de fótons que incidem na amostra.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-2
Objetivo do Aprendizado: 38.2.0

11. Uma das características do efeito fotelétrico que os cientistas tinham dificuldade para explicar usando a física clássica era o
fato de que
A) o número de elétrons emitidos não dependia da intensidade da luz.
B) a energia máxima dos elétrons emitidos não dependia da frequência da luz.
C) a energia máxima dos elétrons emitidos não dependia da intensidade da luz.
D) a frequência de corte dependia do material do alvo.
E) a frequência de corte não dependia do material do alvo.
1 0 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-2
Objetivo do Aprendizado: 38.2.2

12. Nos experimentos de efeito fotelétrico, o potencial de corte é


A) a energia necessária para remover um elétron da amostra.
B) a energia cinética do elétron ejetado de maior energia.
C) a energia potencial do elétron ejetado de maior energia.
D) a energia dos fótons.
E) o menor potencial elétrico para o qual a corrente é zero.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-2
Objetivo do Aprendizado: 38.2.3

13. Nos experimentos de efeito fotelétrico em que a frequência da luz é maior que a frequência de corte, o potencial de corte é
proporcional
A) à energia do elétron de menor energia antes de ser ejetado.
B) à energia do elétron de menor energia depois de ser ejetado.
C) à energia do elétron de maior energia antes de ser ejetado.
D) à energia do elétron de maior energia depois de ser ejetado.
E) à energia potencial elétrica na superfície da amostra.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-2
Objetivo do Aprendizado: 38.2.3

14. Nos experimentos de efeito fotelétrico, não são ejetados elétrons se a frequência da luz incidente for menor que A/h, em que
h é a constante de Planck e A é
A) a energia máxima necessária para ejetar o elétron de menor energia.
B) a energia mínima necessária para ejetar o elétron de menor energia.
C) a energia máxima necessária para ejetar o elétron de maior energia.
D) a energia mínima necessária para ejetar o elétron de maior energia.
E) a intensidade da luz incidente.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-2
Objetivo do Aprendizado: 38.2.4

15. Se a função trabalho de uma amostra é 2,3 eV, o potencial de corte dos elétrons ejetados da amostra por uma radiação eletro-
magnética de 7,0 × 1014 Hz é
A) 0
B) 0,60 V
C) 2,3 V
D) 2,9 V
E) 5,2 V

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 38-2
Objetivo do Aprendizado: 38.2.4
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 0 1

16. Se o potencial de corte para os elétrons ejetados de uma amostra por uma radiação eletromagnética de 6,8 × 1014 Hz é 1,8 V, a
energia cinética dos elétrons ejetados de maior energia e a função trabalho da amostra são, respectivamente,
A) 1,8 eV e 2,8 eV
B) 1,8 eV e 1,0 eV
C) 1,8 eV e 4,6 eV
D) 2,8 eV e 1,0 eV
E) 1,0 eV e 4,6 eV

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 38-2
Objetivo do Aprendizado: 38.2.4

17. A figura mostra gráficos do potencial de corte em função da frequência da luz incidente para experimentos de efeito fotelétrico
realizados em diferentes materiais. Coloque os materiais na ordem crescente da função trabalho.

A) 1, 2, 3
B) 3, 2, 1
C) 2, 3, 1
D) 2, 1, 3
E) 1, 3, 2

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-2
Objetivo do Aprendizado: 38.2.5

18. Qual das radiações eletromagnéticas a seguir possui fótons de maior momento?
A) Luz azul.
B) Luz amarela.
C) Raios X.
D) Ondas de rádio.
E) Micro-ondas.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.1

19. Se um fóton do feixe luminoso A tem uma energia duas vezes maior que um fóton do feixe luminoso B, a razão pA/pB entre os
momentos dos dois feixes é
A) 1/2
B) 1/4
C) 1
D) 2
E) 4

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.1
1 0 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

20. No espalhamento de Compton por elétrons estacionários, a maior variação de comprimento de onda acontece quando o ângulo
de espalhamento é
A) 0°
B) 22,5°
C) 45°
D) 90°
E) 180°

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.4

21. Dois experimentos de efeito Compton são executados, um usando luz visível e o outro usando raios X. A radiação espalhada
é medida para o mesmo ângulo de espalhamento. Nesses experimentos,
A) os raios X sofrem a maior variação de comprimento de onda e a maior variação da energia dos fótons.
B) as duas radiações sofrem a mesma variação de comprimento de onda, e os raios X sofrem a maior variação de energia dos
fótons.
C) as duas radiações sofrem a mesma variação de comprimento de onda, e a luz visível sofre a maior variação de energia dos
fótons.
D) as duas radiações sofrem a mesma variação de comprimento de onda e a mesma variação de energia dos fótons.
E) a luz visível sofre a maior variação de comprimento de onda e a maior variação de energia dos fótons.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6

22. No espalhamento de Compton por partículas estacionárias, a máxima variação de comprimento de onda pode ser reduzida
usando
A) uma radiação de maior frequência.
B) uma radiação de menor frequência.
C) partículas de massa maior.
D) partículas de massa menor.
E) partículas de carga maior.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6

23. É mais fácil estudar o espalhamento de Compton por elétrons usando


A) micro-ondas.
B) raios infravermelhos.
C) luz visível.
D) raios ultravioleta.
E) raios X.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6

24. No espalhamento de Compton por elétrons estacionários, a frequência da luz emitida não depende
A) da frequência da luz incidente.
B) da velocidade de recuo do elétron.
C) do ângulo de espalhamento.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 0 3

D) da energia de recuo do elétron.


E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6

25. No espalhamento de Compton por elétrons estacionários, a maior variação de comprimento de onda que pode ocorrer
A) é 2,43 × 10–15 m
B) é 2,43 × 10–12 m
C) é 2,43 × 10–9 m
D) depende da frequência da luz incidente.
E) depende da função trabalho.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6

26. Radiação eletromagnética com um comprimento de onda de 5,7 × 10–12 m incide em elétrons estacionários. Radiação com um
comprimento de onda de 6,6 × 10–12 m é detectada para um ângulo de espalhamento de
A) 10°
B) 40°
C) 50°
D) 69°
E) 111°

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6

27. Radiação eletromagnética com um comprimento de onda de 3,5 × 10–12 m é espalhada por elétrons estacionários, e são detec-
tados fótons com um ângulo de espalhamento de 50°. Um elétron que espalhou um desses fótons recebeu uma energia de
A) 0 J
B) 1,1 × 10–14 J
C) 1,9 × 10–14 J
D) 2,3 × 10–14 J
E) 1,3 × 10–13 J

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6

28. Radiação eletromagnética com um comprimento de onda de 3,5 × 10–12 m é espalhada por elétrons estacionários, e são detec-
tados fótons com um ângulo de espalhamento de 50°. Após o espalhamento, o módulo do momento dos elétrons é
A) 0
B) 8,7 × 10–23 kg · m/s
C) 1,5 × 10–22 kg · m/s
D) 2,0 × 10–22 kg · m/s
E) 2,2 × 10–22 kg · m/s

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6
1 0 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

29. Considere os seguintes processos:

I. Um processo fotelétrico no qual todos os elétrons emitidos têm energia cinética menor que hf, em que f é a frequência
da luz incidente.
II. Um processo fotelétrico no qual alguns elétrons emitidos têm energia maior que hf.
III. Espalhamento de Compton por elétrons estacionários no qual a luz emitida tem uma frequência maior que a da luz
incidente.
IV. Espalhamento de Compton por elétrons estacionários no qual a luz emitida tem uma frequência menor que a da luz
incidente.

Os únicos processos possíveis são


A) I
B) III
C) I e III
D) I e IV
E) II e IV

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-3
Objetivo do Aprendizado: 38.3.6

30. Uma das características da radiação de corpo negro que os cientistas tinham dificuldade para explicar usando a física clássica
era o fato de que
A) a radiação de corpo negro era emitida por objetos que não eram negros.
B) de acordo com o modelo clássico, a intensidade da radiação emitida tenderia a infinito em baixas frequências.
C) de acordo com o modelo clássico, a intensidade da radiação emitida tenderia a infinito em altas frequências.
D) de acordo com o modelo clássico, a intensidade da radiação emitida passaria por um mínimo em frequência intermediária, e
não por um máximo, como mostravam os resultados experimentais.
E) de acordo com o modelo clássico, a intensidade da radiação emitida passaria por um máximo em frequências intermediárias,
e não por um mínimo, como mostravam os resultados experimentais.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-4
Objetivo do Aprendizado: 38.4.2

31. A superfície do Sol está a uma temperatura de aproximadamente 5800 K, e a intensidade da radiação é máxima para um
comprimento de onda de 500 nm. De acordo com a lei da radiação de Planck, qual é a intensidade da radiação por unidade de
comprimento de onda para um comprimento de onda de 500 nm?
A) 8,4 W/cm2 ∙ nm
B) 42 W/cm2 · nm
C) 84 W/cm2 · nm
D) 8,4 × 103 W/cm2 · nm
E) 4,2 × 107 W/cm2 · nm

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 38-4
Objetivo do Aprendizado: 38.4.3

32. Qual é a temperatura da resistência de um forno elétrico quando está emitindo luz vermelha, com um comprimento de onda
de 700 nm? Suponha que a resistência se comporta como um corpo negro e que 700 nm corresponde ao máximo do espectro de
emissão.
A) 41 K
B) 240 K
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 0 5

C) 410 K
D) 2400 K
E) 4100 K

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 38-4
Objetivo do Aprendizado: 38.4.6

33. Um feixe de elétrons, todos com a mesma energia, incide em uma fenda. Se a energia dos elétrons é aumentada, o máximo
central da figura de difração
A) fica mais largo.
B) fica mais estreito.
C) continua com a mesma largura.
D) pode ficar mais largo ou mais estreito, dependendo da energia inicial dos elétrons.
E) pode ficar mais largo ou mais estreito, dependendo da largura da fenda.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.0

34. Uma das provas de que a matéria apresenta um aspecto ondulatório


A) foram os experimentos de difração de elétrons realizados por Davisson e Germer.
B) foi a medida do valor de e/m realizada por Thompson.
C) foi o experimento de dupla fenda realizado por Young.
D) é o efeito Compton.
E) é a lei de Lenz.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.1

35. Qual dos seguintes fenômenos NÃO é uma prova de que a matéria apresenta um aspecto ondulatório?
A) O efeito fotelétrico.
B) A figura de difração obtida quando os elétrons passam por uma fenda.
C) O tunelamento de elétrons.
D) A validade do princípio de indeterminação de Heisenberg.
E) A figura de interferência obtida quando os elétrons passam por um sistema de dupla fenda.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.1

36. Qual dos seguintes fenômenos é uma prova de que a matéria apresenta um aspecto ondulatório?
A) O efeito fotelétrico.
B) O efeito Compton.
C) A radiação de corpo negro.
D) A relação entre o momento e a energia de um elétron.
E) A difração de elétrons por cristais.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.1
1 0 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

37. Considere as seguintes partículas:


1. Um elétron livre que se move com velocidade v0
2. Um próton livre que se move com velocidade v0
3. Um próton livre que se move com velocidade 2v0
Coloque as partículas na ordem crescente do comprimento de onda da onda de matéria correspondente.
A) 1, 2, 3
B) 3, 2, 1
C) 2, 3, 1
D) 1, 3, 2
E) 1 e depois 2 e 3 empatados

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2

38. Considere as seguintes partículas:


1. Um elétron livre com energia cinética K0
2. Um próton livre com energia cinética K0
3. Um próton livre com energia cinética 2K0
Coloque as partículas na ordem crescente do comprimento de onda de matéria correspondente.
A) 1, 2, 3
B) 3, 2, 1
C) 2, 3, 1
D) 1, 3, 2
E) 1 e depois 2 e 3 empatados

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2

39. Se um elétron livre tem um momento de 5,0 × 10–24 kg · m/s, o comprimento de onda da onda de matéria do elétron é
A) 1,3 × 10–8 m
B) 1,3 × 10–10 m
C) 2,3 × 10–11 m
D) 2,3 × 10–13 m
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2

40. A frequência e o comprimento de onda da onda de matéria de um elétron livre com uma energia cinética de 10 eV são
A) 1,5 × 1034 Hz e 3,9 × 10–10 m
B) 1,5 × 1034 Hz e 1,3 × 10–34 m
C) 2,4 × 1015 Hz e 1,2 × 10–9 m
D) 2,4 × 1015 Hz e 3,9 × 10–10 m
E) 4,8 × 1015 Hz e 1,9 × 10–10 m

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 0 7

41. Se a energia cinética de um elétron livre não relativístico é multiplicada por dois, a frequência da onda de matéria do elétron
é multiplicada por
A) 1/ 2
B) 1/2
C) 1/4
D) 2
E) 2

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2

42. Um elétron livre não relativístico tem uma energia cinética K. Se o comprimento de onda de matéria do elétron é multiplicado
por dois, a energia cinética do elétron
A) aumenta para 4 K.
B) aumenta para 2 K.
C) continua a ser K.
D) diminui para K/2.
E) diminui para K/4.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2

43. Um elétron livre e um próton livre têm a mesma energia cinética. Isso significa que, em comparação com a onda de matéria
do próton, a onda de matéria do elétron tem
A) um comprimento de onda menor e uma frequência maior.
B) um comprimento de onda maior e uma frequência maior.
C) um comprimento de onda menor e a mesma frequência.
D) um comprimento de onda maior e a mesma frequência.
E) um comprimento de onda menor e uma frequência menor.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2

44. Um elétron livre e um próton livre têm o mesmo momento. Isso significa que, em comparação com a onda de matéria do
próton, a onda de matéria do elétron tem
A) um comprimento de onda menor e uma frequência maior.
B) um comprimento de onda maior e uma frequência maior.
C) o mesmo comprimento de onda e a mesma frequência.
D) o mesmo comprimento de onda e uma frequência maior.
E) o mesmo comprimento de onda e uma frequência menor.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2

45. Um elétron livre e um próton livre têm a mesma velocidade. Isso significa que, em comparação com a onda de matéria do
próton, a onda de matéria do elétron tem
A) um comprimento de onda menor e uma frequência maior.
B) um comprimento de onda maior e uma frequência maior.
C) um comprimento de onda menor e uma frequência menor.
1 0 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) o mesmo comprimento de onda e uma frequência maior.


E) um comprimento de onda maior e uma frequência menor.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 38-5
Objetivo do Aprendizado: 38.5.2

46. A probabilidade de que uma partícula seja encontrada nas vizinhanças de certo ponto do espaço é proporcional
A) à energia da partícula.
B) ao momento da partícula.
C) à frequência da função de onda da partícula.
D) ao comprimento de onda da função de onda da partícula.
E) ao quadrado do módulo da função de onda da partícula.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-6
Objetivo do Aprendizado: 38.6.0

47. Se y(x) é a função de onda de uma partícula que se move no eixo x, a probabilidade de que a partícula seja encontrada no
intervalo de x = a a x = b é dada por
A) y(b) – y(a)
B) |y(b)|/|y(a)|
C) |y(b)2|/|y(a)|2
D)

E)

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-6
Objetivo do Aprendizado: 38.6.0

48. Se y é uma função de onda, |y|2 é


A) uma probabilidade.
B) uma energia.
C) uma densidade de probabilidade.
D) uma densidade de energia.
E) um comprimento de onda.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-6
Objetivo do Aprendizado: 38.6.0

49. As equações de Maxwell estão para os campos elétricos e magnéticos como a equação de __________ está para a função de
onda de uma partícula.
A) Einstein
B) Fermi
C) Newton
D) Schrödinger
E) Bohr

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 0 9

Módulo: 38-6
Objetivo do Aprendizado: 38.6.0

50. Um elétron livre que se move no eixo x tem uma função de onda localizada. Se o elétron penetrar em uma região do espaço
na qual a energia potencial é maior,
A) a energia total do elétron irá diminuir.
B) o momento do elétron irá aumentar.
C) o número de onda do elétron irá aumentar.
D) o comprimento de onda do elétron irá aumentar.
E) a energia cinética do elétron irá aumentar.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 38-6
Objetivo do Aprendizado: 38.6.3

51. Um elétron livre que se move no eixo x tem uma função de onda localizada. A indeterminação do momento do elétron irá
aumentar, se
A) a função de onda se tornar mais estreita.
B) a função de onda se tornar mais larga.
C) a função de onda permanecer a mesma e a energia do elétron aumentar.
D) a função de onda permanecer a mesma e a energia do elétron diminuir.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-7
Objetivo do Aprendizado: 38.7.1

52. Se a indeterminação da posição de um elétron em um estado é 5 × 10–10 m, a indeterminação do momento do elétron pode ser
A) 5,0 × 10–24 kg · m/s
B) 4,0 × 10–24 kg · m/s
C) 3,0 × 10–24 kg · m/s
D) Todas as opções anteriores estão corretas.
E) Todas as opções anteriores estão erradas.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 38-7
Objetivo do Aprendizado: 38.7.1

53. Se o coeficiente de reflexão R de uma partícula em um experimento de tunelamento é 0,80, o coeficiente de transmissão T é
A) 0,80
B) 0,60
C) 0,50
D) 0,20
E) 0

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-8
Objetivo do Aprendizado: 38.8.4

54. Se um elétron de energia E incide em uma barreira de energia potencial de altura Epot > E e largura L, o coeficiente de transmissão T
A) é igual a 0.
B) diminui exponencialmente com L.
C) é proporcional a 1/L.
1 1 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) é proporcional a 1/L2.
E) é diferente de zero e não depende de L.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-8
Objetivo do Aprendizado: 38.8.4

55. Se um elétron de energia E incide em uma barreira de energia potencial de altura Epot < E e largura L, o coeficiente de
reflexão R
A) é igual a 0.
B) é igual a 1.
C) não depende da diferença E – Epot.
D) é um número entre 0 e 1.
E) é igual a T + 1, em que T é o coeficiente de transmissão.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-8
Objetivo do Aprendizado: 38.8.5

56. Um elétron de energia E incide em uma barreira de potencial de altura Epot < E e largura L. Se o coeficiente de reflexão é
R = 0,05, isso significa
A) que existe uma probabilidade de 0,05% de que o elétron seja refletido.
B) que existe uma probabilidade de 5% de que o elétron seja refletido.
C) que existe uma probabilidade de 95% de que o elétron seja refletido.
D) que o elétron será parcialmente refletido e parcialmente transmitido.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-8
Objetivo do Aprendizado: 38.8.6

57. Para atravessar uma barreira de potencial por tunelamento, uma partícula precisa
A) ter uma energia maior que a altura da barreira.
B) ter um spin diferente de zero.
C) ter uma massa maior que certo valor.
D) ter um comprimento de onda maior que a altura da barreira.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 38-9
Objetivo do Aprendizado: 38.9.0

58. Um elétron de energia E incide em uma barreira de potencial de altura Epot e largura L. A probabilidade de tunelamento au-
mentará, se
A) E diminuir e os valores de Epot e L não mudarem.
B) Epot aumentar e os valores de E e L não mudarem.
C) L diminuir e os valores de E e Epot não mudarem.
D) E e Epot aumentarem do mesmo valor.
E) E e Epot diminuírem do mesmo valor.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 1 1

Módulo: 38-9
Objetivo do Aprendizado: 38.9.4

59. Partículas iguais, de energia E, incidem nas seguintes barreiras de potencial:


1. Altura da barreira: 5E; largura da barreira: 2L
2. Altura da barreira: 10E; largura da barreira: L
3. Altura da barreira: 17E; largura da barreira: L/2
4. Altura da barreira: 26E; largura da barreira: L/3
Coloque as barreiras na ordem crescente da probabilidade de que sejam atravessadas pelas partículas por tunelamento.
A) 1, 2, 3, 4
B) 4, 3, 2, 1
C) 1 e 2 empatadas, depois 3, 4.
D) 1, depois 2 e 3 empatadas, depois 4.
E) 3, 2, 1, 4

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 38-9
Objetivo do Aprendizado: 38.9.4
Capítulo 39
Objetivos do Aprendizado
OA 39.1.0 Resolver problemas relacionados à energia de um elétron confinado.
OA 39.1.1 Saber que o confinamento de qualquer onda (incluindo as ondas de matéria) faz com que o comprimento de onda e
a energia da onda sejam quantizados.
OA 39.1.2 Desenhar um poço de potencial unidimensional infinito, mostrando a largura do poço e a energia potencial das paredes.
OA 39.1.3 Conhecer a relação entre o comprimento de onda de de Broglie l e a energia cinética de um elétron.
OA 39.1.4 No caso de um elétron confinado em um poço de potencial unidimensional infinito, conhecer a relação entre o com-
primento de onda de de Broglie l do elétron, a largura L do poço e o número quântico n.
OA 39.1.5 No caso de um elétron confinado em um poço de potencial unidimensional infinito, conhecer a relação entre as energias
permitidas En, a largura L do poço e o número quântico n.
OA 39.1.6 Desenhar o diagrama de níveis de energia de um elétron em um poço de potencial unidimensional infinito, mostrando
o nível fundamental e alguns estados excitados.
OA 39.1.7 Saber que um elétron confinado tende a ocupar o estado fundamental, pode ser excitado para estados de maior energia
e pode ocupar estados com energias que não sejam as energias permitidas.
OA 39.1.8 Calcular a energia necessária para que um elétron sofra uma transição entre dois estados permitidos.
OA 39.1.9 Saber que a transição de um elétron para um nível de maior energia envolve absorção de um fóton, e a transição para
um nível de menor energia envolve a emissão de um fóton.
OA 39.1.10 Conhecer a relação entre a variação de energia de um elétron e a frequência e o comprimento de onda do fóton ab-
sorvido ou emitido pelo elétron.
OA 39.1.11 Conhecer os espectros de emissão e absorção de um elétron em um poço de potencial unidimensional infinito.

OA 39.2.0 Resolver problemas relacionados a funções de onda de um elétron confinado.


OA 39.2.1 Escrever a função de onda de um elétron confinado em um poço de potencial unidimensional infinito em termos da
posição do elétron e do número quântico n.
OA 39.2.2 Saber o que é densidade de probabilidade.
OA 39.2.3 No caso de um elétron confinado em um poço de potencial unidimensional infinito em um dado estado quântico, co-
nhecer a densidade de probabilidade do elétron em função da posição no interior do poço, saber que densidade de probabilidade
é zero do lado de fora do poço, e calcular a probabilidade de que o elétron seja detectado em uma dada região no interior do poço.
OA 39.2.4 Saber o que é o princípio de correspondência.
OA 39.2.5 Normalizar uma dada função de onda e saber qual é a relação entre a normalização e a probabilidade de detecção.
OA 39.2.6 Saber que o nível de menor energia de um elétron confinado (a energia de ponto zero) não é zero.

OA 39.3.0 Resolver problemas relacionados a um elétron em um poço finito.


OA 39.3.1 Desenhar um poço de potencial unidimensional finito, mostrando a largura e a profundidade do poço.
OA 39.3.2 Desenhar o diagrama de níveis de energia de um elétron confinado em um poço de potencial unidimensional finito,
indicando a região não quantizada, e comparar as energias e os comprimentos de onda de de Broglie do elétron com as de um
elétron confinado em um poço de potencial infinito de mesma largura.
OA 39.3.3 No caso de um elétron confinado em um poço finito, explicar de que modo é possível (em princípio) calcular as funções
de onda dos estados permitidos.
OA 39.3.4 No caso de um elétron confinado em um poço finito em um estado com um número quântico conhecido, desenhar um
gráfico mostrando a densidade de probabilidade em função da posição do lado de dentro e do lado de fora do poço.
OA 39.3.5 Saber que um elétron confinado em um poço finito só pode ocupar um número limitado de estados, e relacionar a
energia desses estados à energia cinética do elétron.
OA 39.3.6 Calcular a energia que um elétron deve absorver para passar de um estado permitido para outro de maior energia ou
para passar de um nível permitido para qualquer valor de energia da região não quantizada.
OA 39.3.7 Se um salto quântico envolve um fóton, conhecer a relação entre a variação de energia e a frequência e comprimento
de onda do fóton.
OA 39.3.8 Se um elétron está em um estado permitido de um poço finito, calcular a energia mínima necessária para que o elétron
escape do poço e a energia cinética do elétron depois de escapar do poço, se receber uma energia maior que a energia mínima.
OA 39.3.9 Conhecer os espectros de emissão e absorção de um elétron em um poço de potencial unidimensional finito, incluindo
a energia necessária para escapar do poço e a energia liberada quando o elétron entra no poço.

OA 38.4.0 Resolver problemas relacionados a poços de potencial bidimensionais e tridimensionais.


OA 39.4.1 Saber que nanocristais podem se comportar como poços de potencial, e explicar a relação entre os comprimentos de
onda permitidos e a cor dos nanocristais.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 1 3

OA 39.4.2 Saber o que são pontos quânticos e currais quânticos.


OA 39.4.3 Calcular as energias permitidas para um elétron em um poço de potencial bidimensional ou tridimensional infinito e
desenhar um diagrama de níveis de energia mostrando o estado fundamental e alguns estados excitados, com os números quân-
ticos indicados.
OA 39.4.4 No caso de um elétron confinado em um poço de potencial infinito bidimensional ou tridimensional, calcular as ener-
gias permitidas e desenhar um diagrama de níveis de energia, indicando os números quânticos, o estado fundamental e alguns
estados excitados.
OA 39.4.5 Saber o que são estados degenerados.
OA 39.4.6 Calcular a energia que um elétron deve absorver ou emitir para sofrer uma transição entre os estados de energia de um
poço de potencial bidimensional ou tridimensional.
OA 39.4.7 Se um salto quântico de um elétron entre os níveis de energia de um poço de potencial bidimensional ou tridimensional
envolve um fóton, conhecer a relação entre a variação de energia do elétron e a frequência e o comprimento de onda do fóton.

OA 39.5.0 Resolver problemas relacionados ao átomo de hidrogênio.


OA 39.5.1 Conhecer o modelo de Bohr do átomo de hidrogênio e explicar de que forma Bohr calculou a quantização do raio e
energia do elétron.
OA 39.5.2 Para um dado número quântico n do modelo de Bohr, calcular o raio orbital, a energia cinética, a energia potencial, a
energia total, a frequência orbital, o momento linear e o momento angular do elétron.
OA 39.5.3 Conhecer as diferenças entre o modelo de Bohr e o modelo de Schrödinger do átomo de hidrogênio, como, por exemplo,
a diferença entre os valores permitidos do momento angular.
OA 39.5.4 Conhecer as relações entre as energias permitidas En e o número quântico n no caso do átomo de hidrogênio.
OA 39.5.5 No caso de um salto quântico do elétron em um átomo de hidrogênio, entre níveis quantizados ou entre um nível quan-
tizado e um estado não quantizado, calcular a variação de energia e, se a luz estiver envolvida, calcular a energia, a frequência, o
comprimento de onda e o momento do fóton.
OA 39.5.6 Desenhar um diagrama de níveis de energia do átomo de hidrogênio, indicando o estado fundamental, alguns
estados excitados, a região não quantizada, a série de Paschen, a série de Balmer e a série de Lyman (incluindo o limite de
cada série).
OA 39.5.7 Para cada série de transições do átomo de hidrogênio, indicar os saltos quânticos que correspondem ao maior compri-
mento de onda, ao menor comprimento de onda para transições de emissão, ao limite da série e à ionização do átomo.
OA 39.5.8 Fazer uma lista de números quânticos do átomo de hidrogênio e indicar os valores permitidos.
OA 39.5.9 Dada a função de onda normalizada correspondente a um estado, determinar a densidade de probabilidade radial P(r)
e a probabilidade de que o elétron seja detectado em determinado intervalo de distâncias do núcleo.
OA 39.5.10 Desenhar um gráfico da densidade de probabilidade radial em função da distância do núcleo para o estado fundamental
do átomo de hidrogênio e indicar a distância correspondente ao raio de Bohr a.
OA 39.5.11 Mostrar que qualquer função de onda do átomo de hidrogênio satisfaz a equação de Schrödinger.
OA 39.5.12 Saber a diferença entre uma camada e uma subcamada do átomo de hidrogênio.
OA 39.5.13 Explicar o que é um gráfico de pontos da densidade de probabilidade.

Questões de Múltipla Escolha


1. Se um elétron confinado em um poço de potencial unidimensional infinito tem uma energia de 180 eV, qual é seu comprimento
de onda?
A) 65 pm
B) 91 pm
C) 130 pm
D) 370 pm
E) 520 pm

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.3

2. O comprimento de onda de uma partícula confinada em um poço de potencial unidimensional com energia potencial zero no
interior e energia potencial infinita nas paredes é proporcional a (em que n é o número quântico)
A) n
B) 1/n
C) 1/n2
1 1 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) n
E) n2

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.4

3. A energia de uma partícula em um poço unidimensional com energia potencial zero no interior e energia potencial infinita nas
paredes é proporcional a (em que n é o número quântico)
A) n
B) 1/n
C) 1/n2
D) n
E) n2

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.5

4. A energia do estado fundamental de um elétron em um poço unidimensional com energia potencial zero no interior e energia
potencial infinita nas paredes é 2,0 eV. Se a largura do poço for multiplicada por dois, a nova energia do estado fundamental será
A) 0,5 eV
B) 1,0 eV
C) 2,0 eV
D) 4,0 eV
E) 8,0 eV

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.5

5. Um elétron se encontra em um poço unidimensional com energia potencial zero no interior e energia potencial infinita nas
paredes. A razão E3/E1 entre o estado n = 3 e o estado n = 1 é
A) 1/3
B) 1/9
C) 3/1
D) 9/1
E) 1/1

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.5

6. Partículas iguais estão confinadas em poços unidimensionais com energia potencial infinita nas paredes. As larguras L dos poços
e os números quânticos n das partículas são
1. L = 2L0, n = 2
2. L = 2L0, n = 4
3. L = 3L0, n = 3
4. L = 4L0, n = 2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 1 5

Coloque os poços na ordem crescente da energia cinética das partículas.


A) 1, 2, 3, 4
B) 4, 3, 2, 1
C) 1 e 3 empatados, depois 2, depois 4
D) 4, depois 1 e 3 empatados, depois 2
E) 2, depois 1 e 3 empatados, depois 4

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.5

7. Quatro partículas diferentes estão confinadas em poços unidimensionais com energia potencial infinita nas paredes. As massas
das partículas e as larguras dos poços são
1. 4m0, 2L0
2. 2m0, 2L0
3. 4m0, L0
4. m0, 2L0
Coloque os poços na ordem crescente das partículas no estado fundamental.
A) 3 e 4 empatados, depois 2, depois 1
B) 1, 2, depois 3 e 4 empatados
C) 1 e 2 empatados, depois 3, depois 4
D) 4, 3, 2, 1
E) 3, 1, 2, 4

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.5

8. A energia do estado fundamental de um elétron em um poço unidimensional com energia potencial zero no interior e energia
potencial infinita nas paredes
A) é zero.
B) diminui com a temperatura.
C) aumenta com a temperatura.
D) não depende da temperatura.
E) varia com o tempo.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.5

9. Dois poços unidimensionais têm energia potencial infinita nas paredes. O poço A tem largura L e o poço B tem largura 2L.
Para qual valor do número quântico n uma partícula do poço B tem a mesma energia que uma partícula no estado fundamental
do poço A?
A) n = 1
B) n = 2
C) n = 3
D) n = 4
E) n = 5

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.5
1 1 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

10. Um elétron está confinado em um poço de potencial profundo com 0,3 nm de largura. Se o elétron se encontra no estado
n = 3, sua energia cinética é
A) 6,0 × 10–28 J
B) 1,8 × 10–27 J
C) 6,7 × 10–19 J
D) 2,0 × 10–18 J
E) 6,0 × 10–18 J

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.5

11. Uma partícula está confinada em um poço unidimensional com energia potencial infinita nas paredes. Três pares possíveis
de níveis de energia são
1. n = 3 e n = 1
2. n = 3 e n = 2
3. n = 4 e n = 3
Coloque os pares na ordem crescente da diferença de energia.
A) 1, 2, 3
B) 3, 2, 1
C) 2, 3, 1
D) 1, 3, 2
E) 3, 1, 2

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.8

12. Um elétron de um átomo, que estava inicialmente em um nível de energia 5,5 eV acima do estado fundamental, passa para
um nível 3,2 eV acima do estado fundamental, emitindo um fóton no processo. A onda associada ao fóton tem um comprimento
de onda de
A) 5,4 × 10–7 m
B) 3,0 × 10–7 m
C) 1,7 × 10–7 m
D) 1,2 × 10–7 m
E) 1,0 × 10–7 m

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.10

13. Se um elétron de um átomo passa de um nível com energia de –1,1 × 10–18 J para um nível com energia de –2,4 × 10–18 J, a onda
associada ao fóton emitido tem uma frequência de
A) 2,0 × 1017 Hz
B) 2,0 × 1015 Hz
C) 2,0 × 1013 Hz
D) 2,0 × 1011 Hz
E) 2,0 × 109 Hz

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.10
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 1 7

14. Se um elétron de um átomo, que estava inicialmente em um nível de energia de 7,5 eV acima do estado fundamental, passa
para um nível de 3,2 eV acima do estado fundamental, emitindo um fóton no processo, o momento do fóton é
A) 1,7 × 10–27 kg . m/s
B) 2,3 × 10–27 kg . m/s
C) 4,0 × 10–27 kg . m/s
D) 5,7 × 10–27 kg . m/s
E) 8,0 × 10–27 kg . m/s

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 39-1
Objetivo do Aprendizado: 39.1.10

15. Um elétron está em um poço de potencial unidimensional com energia potencial zero no interior e energia potencial infinita
nas paredes. Se a função de onda y(x) do elétron tem a forma mostrada na figura, o valor do número quântico n é

A) 0
B) 1
C) 2
D) 4
E) 8

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-2
Objetivo do Aprendizado: 39.2.1

16. Um elétron está em um poço de potencial unidimensional com energia potencial zero no interior e energia potencial infi-
nita nas paredes. Se a densidade de probabilidade P(x) do elétron varia com x da forma mostrada na figura, o valor do número
quântico n é

A) 0
B) 1
C) 2
D) 3
E) 4

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-2
Objetivo do Aprendizado: 39.2.3
1 1 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

17. Uma partícula está confinada em um poço de potencial com energia potencial infinita nas paredes, no estado n = 14. Quantos
nós possui a função densidade de probabilidade do elétron (incluindo os nós nas extremidades do poço)?
A) 0
B) 7
C) 13
D) 14
E) 15

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-2
Objetivo do Aprendizado: 39.2.3

18. Uma partícula está confinada em um poço de potencial com energia potencial infinita nas paredes, no estado n = 14. Quantos
máximos possui a função densidade de probabilidade do elétron?
A) 0
B) 7
C) 13
D) 14
E) 15

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-2
Objetivo do Aprendizado: 39.2.3

19. Uma partícula está confinada em um poço de potencial com energia potencial infinita nas paredes. Dos estados a seguir, iden-
tificados pelo número quântico n, qual apresenta maior densidade de probabilidade perto do centro do poço?
A) n = 2
B) n = 3
C) n = 4
D) n = 5
E) n = 6

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 39-2
Objetivo do Aprendizado: 39.2.3

20. Se a função de onda y de uma partícula que se move ao longo do eixo x está normalizada,
A) ò|y|2dt = 1
B) ò|y|2dx = 1
C) ¶y/¶x = 1
D) ¶y/¶t = 1
E) |y|2 = 1

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-2
Objetivo do Aprendizado: 39.2.5

21. Um elétron está no interior de um poço de potencial com energia potencial finita nas paredes. A amplitude da onda de
matéria
A) tende a zero perto das paredes, do lado de dentro do poço.
B) tende a zero perto das paredes, do lado de fora do poço.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 1 9

C) é zero no interior do poço.


D) é diferente de zero na posição das paredes.
E) é descontínua na posição das paredes.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-3
Objetivo do Aprendizado: 39.3.0

22. Uma partícula está no interior de um poço de potencial com energia potencial finita nas paredes, que se estende de x = 0 até
x = L. A função de onda da partícula para x > L é da forma
A) y(x) = A sen(kx)
B) y(x) = Aekx
C) y(x) = Ae–kx
D) y(x) = Aeikx
E) y(x) = 0

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-3
Objetivo do Aprendizado: 39.3.0

23. Uma partícula que está no interior de um poço de potencial com energia potencial finita nas paredes pode ocupar ape-
nas cinco níveis de energia. Qual das modificações a seguir pode aumentar para seis o número de níveis disponíveis para
a partícula?
A) Aumentar o momento da partícula.
B) Diminuir o momento da partícula.
C) Diminuir a largura do poço.
D) Aumentar a profundidade do poço.
E) Diminuir a profundidade do poço.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-3
Objetivo do Aprendizado: 39.3.0

24. Uma partícula se encontra no interior de um poço de potencial com energia potencial finita nas paredes, suficientemente
profundo para que a partícula ocupe o estado n = 4. Quando a partícula está nesse estado, quantos nós possui a função densidade
de probabilidade?
A) 0
B) 1
C) 3
D) 4
E) 5

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-3
Objetivo do Aprendizado: 39.3.4

25. A figura mostra os níveis de energia de um elétron em um poço de potencial finito. Se o elétron sofre uma transição do estado
n = 3 para o estado fundamental, qual é o comprimento de onda do fóton emitido?
1 2 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

A) 6,0 nm
B) 5,7 nm
C) 5,3 nm
D) 3,0 nm
E) 2,3 nm

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 39-3
Objetivo do Aprendizado: 39.3.6

26. A figura mostra os níveis de energia de um elétron em um poço de potencial finito. Se o elétron está no estado n = 2 e absorve
um fóton com um comprimento de onda de 2,0 nm, o que acontece?

A) O elétron sofre uma transição para o estado n = 3.


B) O elétron sofre uma transição para o estado n = 4.
C) O elétron escapa do poço com uma energia cinética de 280 eV.
D) O elétron escapa do poço com uma energia cinética de 730 eV.
E) Nada acontece, porque a energia do fóton não é igual à diferença entre dois níveis de energia permitidos.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 39-3
Objetivo do Aprendizado: 39.3.9
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 2 1

27. Se um elétron está confinado em um poço de potencial retangular infinito cujos lados têm larguras Lx = L e Ly = 2L, a energia
do estado nx = 2, ny = 4 é

A)
8h 2
mL2
2
B) h
mL2
h2
C)
2mL2

D) h2
4mL2

E) h2
8mL2

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 39-4
Objetivo do Aprendizado: 39.4.4

28. Se um elétron está confinado em um poço de potencial retangular infinito cujos lados têm larguras Lx = L e Ly = 2L, a energia
necessária para que o elétron passe do estado fundamental para o estado nx = 2, ny = 4 é
2
A) 2h 2
mL
2
B) 3h
2mL2
2
C) h
mL2
2
D) 7 h 2
8mL
2
E) 3h
4mL2

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 39-4
Objetivo do Aprendizado: 39.4.6

29. O número quântico n está associado a que propriedade do elétron em um átomo de hidrogênio?
A) Energia
B) Momento angular orbital
C) Momento angular de spin
D) Momento magnético
E) Componente z do momento angular

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.0
1 2 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

30. Tomando a energia potencial do átomo de hidrogênio como zero quando o elétron está a uma distância infinita do próton, a
energia do estado fundamental do átomo de hidrogênio é –13,6 eV. O sinal negativo indica
A) que a energia cinética é negativa.
B) que a energia potencial é positiva.
C) que o elétron pode escapar do átomo.
D) que existe uma energia de ligação entre o elétron e o próton.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.0

31. A função de onda de um elétron em um estado com momento angular zero


A) é zero em todo o espaço.
B) tem simetria esférica.
C) depende do ângulo com o eixo z.
D) depende do ângulo com o eixo x.
E) tem simetria esférica em algumas camadas e depende do ângulo com o eixo z em outras.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.0

32. Considere as seguintes funções:


I. densidade de probabilidade em um estado com ℓ = 0
II. densidade de probabilidade em um estado com ℓ ≠ 0
III. densidade de probabilidade para todos os estados de uma subcamada com ℓ ≠ 0

Quais dessas funções têm simetria esférica?


A) Apenas I
B) Apenas II
C) Apenas I e II
D) Apenas I e III
E) I, II e III

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.0

33. Tomando a energia potencial do átomo de hidrogênio como zero quando o elétron está a uma distância infinita do próton, a
energia En de um estado de número quântico principal n é proporcional a
A) n
B) n2
C) 1/n
D) 1/n2
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 2 3

34. A energia de ligação de um elétron no estado fundamental do átomo de hidrogênio é, aproximadamente,


A) 1,0 eV
B) 3,4 eV
C) 10,2 eV
D) 13,6 eV
E) 27,2 eV

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.4

35. Tomando a energia potencial do átomo de hidrogênio como zero quando o elétron está a uma distância infinita do próton, a
energia do estado fundamental do átomo de hidrogênio é –13,6 eV e a energia do primeiro estado excitado é
A) 0
B) –3,4 eV
C) –6,8 eV
D) –10,2 eV
E) –27 eV

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.4

36. Tomando a energia potencial do átomo de hidrogênio como zero quando o elétron está a uma distância infinita do próton, a
energia do estado fundamental do átomo de hidrogênio é –13,6 eV. Se o elétron está no estado fundamental, a energia necessária
para transferi-lo para o primeiro estado excitado é
A) 0
B) 3,4 eV
C) 6,8 eV
D) 10,2 eV
E) 13,6 eV

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.4

37. A figura mostra os níveis de energia de um elétron em um átomo. Das transições indicadas, qual é a que resulta na emissão
de um fóton com maior energia?

A) I
B) II
C) III
D) IV
E) V
1 2 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.5

38. Quando um átomo de hidrogênio passa do segundo estado excitado para o estado fundamental (cuja energia é –13,6 eV), a
energia do fóton emitido é
A) 0
B) 1,5 eV
C) 9,1 eV
D) 12,1 eV
E) 13,6 eV

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.5

39. O limite da série de Balmer é a transição m → n, em que os valores de m e de n são, respectivamente,


A) 2 e 1
B) 3 e 2
C) ¥ e 0
D) ¥ e 1
E) ¥ e 2

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.7

40. A série de Balmer do hidrogênio é importante porque


A) é a única à qual a teoria de Bohr pode ser aplicada.
B) é a única que existe no hidrogênio.
C) está na região visível do espectro eletromagnético.
D) envolve o menor número quântico n possível.
E) envolve o maior número quântico n possível.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.7

41. Qual dos seguintes conjuntos de números quânticos é possível para um elétron em um átomo de hidrogênio?
A) n = 4, ℓ = 3, mℓ = −3
B) n = 4, ℓ = 4, mℓ = −2
C) n = 5, ℓ = −1, mℓ = 2
D) n = 3, ℓ = 1, mℓ = −2
E) n = 2, ℓ = 3, mℓ = −2

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.8

42. Se a função de onda y tem simetria esférica, a densidade de probabilidade radial é dada por
A) 4pr 2 y
B) |y|2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 2 5

C) 4pr2|y|2
D) 4p|y|2
E) 4pr|y|2

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.9

43. Se P(r) é a densidade de probabilidade radial de um elétron em um átomo de hidrogênio, a probabilidade de que a distância
entre o elétron e o próton esteja compreendida entre r e r + dr é
A) P dr
B) |P|2 dr
C) 4pr2P dr
D) 4pr2|P|2 dr
E) 4p|P| dr

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.9

44. A densidade de probabilidade radial de um elétron no estado fundamental do átomo de hidrogênio apresenta um pico em
aproximadamente
A) 0,5 pm
B) 5 pm
C) 50 pm
D) 500 pm
E) 5000 pm

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.10

45. A figura a seguir é um gráfico de pontos do estado fundamental do átomo de hidrogênio, no qual os pontos representam

A) todas as posições possíveis do elétron.


B) todos os elétrons do átomo.
C) a função de onda do elétron.
D) a densidade de probabilidade volumétrica do elétron.
E) a densidade da nuvem eletrônica.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 39-5
Objetivo do Aprendizado: 39.5.13
Capítulo 40
Objetivos do Aprendizado
OA 40.1.0 Resolver problemas relacionados às propriedades dos átomos.
OA 40.1.1 Discutir o padrão que é observado em um gráfico de energias de ionização em função do número atômico Z.
OA 40.1.2 Saber que os átomos possuem momento angular e magnetismo.
OA 40.1.3 Explicar o experimento de Einstein-de Haas.
OA 40.1.4 Conhecer os cinco números quânticos dos elétrons em um átomo e os valores permitidos de cada um.
OA 40.1.5 Determinar o número máximo de elétrons em uma dada camada ou subcamada.  
OA 40.1.6 Saber que os elétrons atômicos possuem um momento angular orbital L e um momento magnético orbital µorb .

OA 40.1.7 Calcular o módulo do momento angular orbital L e do momento magnético orbital µorb a partir do número quântico
orbital .  
OA 40.1.8 Conhecer arelação entre o momento angular orbital L e o momento magnético orbital µorb .

OA 40.1.9 Saber que L e µorb não podem ser observados (medidos), mas é possível medir uma componente desses vetores em
relação a um eixo (que, em geral, é chamado de eixo z). 
OA 40.1.10 Calcular as possíveis componentes Lz do momento angular orbital L a partir do número quântico magnético orbital m.

OA 40.1.11 Calcular as possíveis componentes morb,z do momento magnético orbital µorb a partir do número quântico magnético
m e do magnéton de Bohr mB.
OA 40.1.12 Dado um estado orbital ou um estado de spin, calcular o ângulo semiclássico q.

OA 40.1.13 Saber que um momento angular de spin S (também chamado simplesmente de spin) e o momento magnético de spin

µ s são propriedades intrínsecas do elétron (e também do próton
 e do nêutron). 
OA 40.1.14 Calcular o módulo do momento angular de spin S e do momento magnético de spin µ s a partir do número quântico
de spin s.
 
OA 40.1.15 Conhecer a relação entre o momento angular de spin S e o momento magnético de spin µ s .
 
OA 40.1.16 Saber que S e µ s não podem ser observados (medidos), mas é possível medir uma componente desses vetores em
relação a um eixo (que, em geral, é chamado de eixo z).

OA 40.1.17 Calcular as possíveis componentes Sz do momento angular de spin S a partir do número quântico magnético de spin ms.

OA 40.1.18 Calcular as possíveis componentes ms,z do momento magnético de spin µ s a partir do número quântico magnético de
spin ms e do magnéton de Bohr mB.
OA 40.1.19 Saber o que é o momento magnético efetivo de um átomo.

OA 40.2.0 Resolver problemas relacionados ao experimento de Stern-Gerlach.


OA 40.2.1 Fazer um desenho esquemático e mostrar o experimento de Stern-Gerlach e explicar o tipo de átomo utilizado, o re-
sultado previsto, o resultado que foi observado e a importância do experimento.
OA 40.2.2 Conhecer a relação entre o gradiente de campo magnético e a força experimentada por um átomo no experimento de
Stern-Gerlach.

OA 40.3.0 Resolver problemas relacionados à ressonância magnética.


OA 40.3.1 No caso de um próton submetido a um campo magnético uniforme, desenhar os vetores do campo magnético e do
momento magnético do próton para o estado de menor energia e para o estado de maior energia, identificando os estados de spin
para cima e de spin para baixo.
OA 40.3.2 No caso de um próton submetido a um campo magnético uniforme, calcular a diferença de energia entre os dois estados
de spin e determinar a frequência e o comprimento de onda do fóton necessário para produzir uma transição entre os estados.
OA 40.3.3 Explicar o método usado para obter um espectro de ressonância magnética nuclear.

OA 40.4.0 Resolver problemas relacionados ao princípio de exclusão de Pauli e vários elétrons no mesmo poço de potencial.
OA 40.4.1 Saber o que é o princípio de exclusão de Pauli.
OA 40.4.2 Explicar o que acontece quando vários elétrons são introduzidos em poços de potencial com uma, duas e três dimen-
sões, incluindo a necessidade de obedecer ao princípio de exclusão de Pauli e levar em conta a existência de estados degenerados;
explicar o que significa um nível de energia vazio, parcialmente ocupado e totalmente ocupado.
OA 40.4.3 Desenhar diagramas de níveis de energia de poços de potencial unidimensionais, bidimensionais e tridimensionais.

OA 40.5.0 Resolver problemas relacionados à construção da tabela periódica.


OA 40.5.1 Saber que todos os estados de uma subcamada têm a mesma energia, que é determinada principalmente pelo número
quântico n, mas também depende, em menor grau, do número quântico ℓ.
OA 40.5.2 Conhecer o sistema usado para rotular o número atômico de momento angular orbital.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 2 7

OA 40.5.3 Conhecer o processo usado para construir a tabela periódica preenchendo as camadas e subcamadas.
OA 40.5.4 Saber o que distingue os gases nobres dos outros elementos em termos de interações químicas, momento angular total
e energia de ionização.
OA 40.5.5 No caso de uma transição entre dois níveis de energia de um átomo causada por emissão ou absorção de luz, conhecer
a relação entre a diferença de energia e a frequência e comprimento de onda da luz.

OA 40.6.0 Resolver problemas relacionados aos raios X e à ordem dos elementos.


OA 40.6.1 Saber qual é a posição dos raios X no espectro eletromagnético.
OA 40.6.2 Explicar como são produzidos os raios X nos laboratórios e nos hospitais.
OA 40.6.3 Saber a diferença entre o espectro contínuo e o espectro característico de raios X.
OA 40.6.4 Explicar a existência de um comprimento de onda de corte lmín no espectro contínuo de raios X.
OA 40.6.5 Saber que a energia e o momento são conservados em uma colisão entre um elétron e um átomo.
OA 40.6.6 Conhecer a relação entre o comprimento de onda de corte lmín e a energia cinética K0 dos elétrons incidentes.
OA 40.6.7 Desenhar um diagrama de níveis de energia para buracos e identificar (usando dísticos) as transições que produzem
raios X.
OA 40.6.8 Calcular o comprimento de onda do raio X emitido em uma transição específica.
OA 40.6.9 Explicar a importância do trabalho de Moseley para a tabela periódica.
OA 40.6.10 Desenhar um gráfico de Moseley.
OA 40.6.11 Descrever o efeito de blindagem em um átomo com mais de um elétron.
OA 40.6.12 Conhecer a relação entre a frequência Ka dos raios X e o número atômico Z dos átomos.

OA 40.7.0 Resolver problemas relacionados ao laser.


OA 40.7.1 Saber a diferença entre a luz de um laser e a luz de uma lâmpada comum.
OA 40.7.2 Desenhar diagramas de níveis de energia para os três tipos de interação da luz com a matéria e saber em qual desses
tipos de baseia o funcionamento de um laser.
OA 40.7.3 Saber o que são estados metaestáveis.
OA 40.7.4 No caso de dois estados com diferentes energias, conhecer a relação entre as populações relativas dos dois estados em
função da temperatura e da diferença de energia entre os estados.
OA 40.7.5 Saber o que é inversão de população, explicar por que é necessária para que um laser funcione, e conhecer a relação
entre a inversão de população e o tempo de vida dos estados.
OA 40.7.6 Descrever o funcionamento de um laser de hélio-neônio, indicando qual é o gás responsável pelo efeito laser e expli-
cando por que o outro gás é necessário.
OA 40.7.7 Conhecer a relação entre a variação de energia, a frequência e o comprimento de onda no caso da emissão estimulada.
OA 40.7.8 Conhecer as relações entre energia, potência, tempo, intensidade, área, energia dos fótons e taxa de emissão de fótons
no caso da emissão estimulada.

Questões de Múltipla Escolha


1. O experimento de Einstein-de Haas mostrou que
A) os átomos emitem e absorvem apenas ondas eletromagnéticas de alguns comprimentos de onda.
B) os átomos possuem momento, e esse momento é conservado.
C) os átomos possuem campos elétricos, que podem desdobrar os níveis de energia.
D) os átomos possuem momentos magnéticos dipolares, que estão acoplados ao momento angular.
E) um gradiente de campo magnético pode desdobrar um feixe de átomos.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.3

2. O módulo do momento angular orbital de um elétron em um átomo é dado por (em que  é um número inteiro positivo)
A) 
B) /2
C)  ( + 1)
D) (2ℓ+1)
E) ℓ2
1 2 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

3. O número quântico magnético m está associado a qual propriedade dos elétrons de um átomo?
A) Módulo do momento angular orbital.
B) Energia.
C) Componente z do momento angular de spin.
D) Componente z do momento angular orbital.
E) Raio da órbita.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

4. O número quântico ms está associado a qual propriedade dos elétrons de um átomo?


A) Módulo do momento angular orbital.
B) Energia.
C) Componente z do momento angular de spin.
D) Componente z do momento angular orbital.
E) Raio da órbita.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

5. Os valores possíveis do número quântico principal n de um elétron em um átomo são


A) 0 e 1
B) 0, 1, 2, …, ¥
C) 0, 1, …,  – 1
D) 1/2 e –1/2
E) 1, 2, 3, …, ¥

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

6. O número de valores possíveis do número quântico orbital  para um elétron na camada com número quântico principal n = 3 é
A) 1
B) 2
C) 3
D) 4
E) 7

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

7. O número de valores possíveis do número quântico orbital m para um elétron na camada com número quântico principal n = 3 é
A) 1
B) 2
C) ℓ
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 2 9

D) 2 ℓ
E) 2 ℓ +1

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

8. Os valores possíveis do número quântico magnético m para um elétron em uma subcamada com número quântico orbital  = 2 são
A) 1, 2
B) 0, 1, 2
C) 0, 1
D) –1, 0, 1
E) –2, –1, 0, 1, 2

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

9. Se um elétron se encontra em um estado quântico no qual o módulo do momento angular orbital é 6 2 , quantos são os valores
permitidos da componente z do momento angular orbital?
A) 7
B) 8
C) 16
D) 17
E) 20

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

10. Se um elétron em um átomo se encontra em um estado com número quântico principal n = 4, os valores possíveis do número
quântico orbital  são
A) 1, 2, 3
B) 1, 2, 3, 4
C) –3, –2, –1, 0, 1, 2, 3
D) 0, 1, 2, 3
E) 0, 1, 2

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4

11. Os valores possíveis do número quântico magnético ms de um elétron em um átomo


A) dependem de n.
B) dependem de .
C) dependem de n e de .
D) dependem da presença de um campo magnético externo.
E) são +1/2 e –1/2.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.4
1 3 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

12. O número de estados permitidos em uma subcamada com número quântico orbital  = 3 é
A) 2
B) 3
C) 7
D) 9
E) 14

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.5

13. O número de estados permitidos em uma camada com número quântico principal n = 3 é
A) 3
B) 8
C) 9
D) 18
E) 32

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.5

14. Os estados eletrônicos de um átomo que pertencem à mesma camada


A) têm o mesmo valor de n.
B) têm o mesmo valor de .
C) têm o mesmo valor de n e o mesmo valor de .
D) têm o mesmo valor de  e o mesmo valor de m.
E) têm o mesmo valor de n,  e m.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.5

15. Os estados eletrônicos de um átomo que pertencem à mesma subcamada


A) têm o mesmo valor de n, mas podem ter diferentes valores de  e m.
B) têm o mesmo valor de , mas podem ter diferentes valores de n e m.
C) têm o mesmo valor de n e o mesmo valor de , mas podem ter diferentes valores de m.
D) têm o mesmo valor de  e o mesmo valor de m, mas podem ter diferentes valores de n.
E) têm o mesmo valor de n,  e m.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.5

16. O número total de estados eletrônicos de um átomo com n = 2 e  = 1 é


A) 2
B) 4
C) 6
D) 8
E) 10

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 3 1

Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.5

17. Se um elétron se encontra em um estado quântico no qual existem sete valores permitidos da componente z do momento
angular orbital, o módulo do momento angular orbital é
A)  3
B)  7
C)  9
D)  12
E)  14

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.7

18. O módulo do momento dipolar magnético orbital µorb de um átomo é dado por
A) mB
B) mB ℓ
C) µB ( + 1)
D) mB (2ℓ+1)
E) mB ℓ2

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.8

19. A quantização espacial do momento angular orbital significa que


A) o espaço é quantizado
B) Lz pode assumir apenas alguns valores discretos.
 
C) L e µ apontam no mesmo sentido.
 
D) L e µ apontam em sentidos opostos.
E) os elétrons possuem um momento dipolar magnético.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.9

20. A componente Lz do momento angular orbital está relacionada ao número quântico magnético orbital m pela equação
A) Lz = m
B) Lz = m
C) Lz = m/2p
D) Lz =  m (m + 1)
E) Lz = m (m + 1)

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.10

21. Na relação mz = −m  mB, o fator mB é


A) o magnéton de Bohr.
B) a componente do momento dipolar na direção do campo magnético.
1 3 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) a permeabilidade do material.
D) o coeficiente de atrito do material.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.11

22. Se um elétron de um átomo se encontra em um estado com  = 3 e m = 2, o ângulo entre L e o eixo z é
A) 30°
B) 35,3°
C) 48,2°
D) 54,7°
E) 60°

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.12

23. Se um elétron de um átomo se encontra em um estado com  = 5, o ângulo mínimo entre L e o eixo z é
A) 0°
B) 18,0°
C) 24,1°
D) 33,6°
E) 36,7°

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.12

24. O módulo do momento dipolar magnético de spin µ s de um átomo é dado por (em que mB é o magnéton de Bohr e s é um
número inteiro positivo)
A) mB
B) mBs
C) mB s ( s + 1)
D) 2mB s ( s + 1)
E) 2mBs

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.14

25. A componente sz do momento angular de spin está relacionada ao número quântico magnético de spin ms pela equação
A) sz = ms
B) sz = ms
C) sz = ms/2p
D) sz =  ms (ms + 1)
E) sz = ms (ms + 1)

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 3 3

Módulo: 40-1
Objetivo do Aprendizado: 40.1.17

26. O experimento de Stern-Gerlach utiliza


A) um campo magnético uniforme.
B) um campo magnético não uniforme.
C) um campo elétrico uniforme.
D) um campo elétrico não uniforme.
E) um campo elétrico e um campo magnético mutuamente perpendiculares.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-2
Objetivo do Aprendizado: 40.2.0
 
27. Na presença de um campo magnético uniforme B , um dipolo magnético µ é submetido a uma força

A) na direção de µ .

B) na direção contrária à de µ .

C) na direção de B .
 
D) na direção de µ × B.
E) Nenhuma das respostas anteriores (a força é zero).

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-2
Objetivo do Aprendizado: 40.2.0
 
28. No experimento de Stern-Gerlach, a força que o campo magnético externo B exerce sobre o momento dipolar magnético µ
é proporcional a
A) µ z2
B) B2
C) dB/dz
D) d2B/dz2
E) òB dz

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-2
Objetivo do Aprendizado: 40.2.2

29. No experimento de Stern-Gerlach, a força exercida sobre um dipolo magnético que atravessa com velocidade v a região onde
existe um campo magnético não uniforme
A) é diretamente proporcional a v.
B) é inversamente proporcional a v.
C) é zero.
D) é proporcional a v2.
E) é diferente de zero, mas não depende de v.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-2
Objetivo do Aprendizado: 40.2.2
1 3 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

30. Um dipolo magnético é submetido ao campo magnético produzido por um ímã de polos assimétricos, como mostra a figura.
A força que o campo exerce sobre o dipolo aponta

A) no sentido positivo do eixo x.


B) no sentido positivo do eixo y.
C) no sentido negativo do eixo x.
D) no sentido negativo do eixo y.
E) para dentro da tela.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-2
Objetivo do Aprendizado: 40.2.2

31. A figura mostra duas orientações diferentes do momento dipolar magnético de spin de um próton livre na presença de um
campo magnético uniforme. Qual é a orientação de maior energia?

A) a
B) b
C) A energia é a mesma para as duas orientações e para qualquer outra orientação do momento magnético em relação ao campo
magnético.
D) A energia é a mesma para as duas configurações e existe uma configuração de maior energia, com o momento magnético
perpendicular ao campo magnético.
E) A energia é a mesma para as duas configurações e existe uma configuração de menor energia, com o momento magnético
perpendicular ao campo magnético.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-3
Objetivo do Aprendizado: 40.3.1

32. Qual é a frequência de ressonância magnética de átomos de hidrogênio submetidos a um campo magnético de 2,0 T?
A) 2,8 × 1010 Hz
B) 5,6 × 1010 Hz
C) 1,1 × 1011 Hz
D) 1,8 × 1011 Hz
E) 3,5 × 1011 Hz

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 40-3
Objetivo do Aprendizado: 40.3.2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 3 5

33. O princípio de exclusão de Pauli é obedecido


A) por todas as partículas.
B) pelas partículas com carga elétrica.
C) pelas partículas com número quântico de spin semi-inteiro.
D) pelas partículas com número quântico de spin inteiro.
E) pelas partículas com massa.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-4
Objetivo do Aprendizado: 40.4.1

34. O fato de que nenhum estado quântico de um átomo pode ser ocupado por mais de um elétron é uma consequência direta
A) da natureza ondulatória da matéria.
B) do valor finito da velocidade da luz.
C) do magnéton de Bohr.
D) do princípio de exclusão de Pauli.
E) do efeito Einstein-de Haas.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-4
Objetivo do Aprendizado: 40.4.1

35. Os níveis de energia disponíveis para elétrons em um poço bidimensional quadrado com lados de largura L, energia potencial
zero no interior e energia infinita nas paredes são dados por E = (h 2 /8mL2 )(nx2 + n y2 ) , em que nx e ny são números inteiros. O nú-
mero máximo de elétrons que podem ocupar o nível de energia 8(h2/8mL2) é
A) 1
B) 2
C) 3
D) 4
E) Nenhuma das respostas anteriores (não existe número máximo).

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 40-4
Objetivo do Aprendizado: 40.4.2

36. Existem cinco elétrons no interior de um poço bidimensional quadrado com lados de largura L, energia potencial zero no
interior e energia infinita nas paredes, cujos níveis de energia são dados por E = (h 2 /8mL2 )(nx2 + n y2 ) , em que nx e ny são números
inteiros. A energia do estado fundamental do sistema é
A) 0
B) 10 (h2/8mL2)
C) 19 (h2/8mL2)
D) 24 (h2/8mL2)
E) 48 (h2/8mL2)

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 40-4
Objetivo do Aprendizado: 40.4.2

37. Existem cinco elétrons no interior de um poço bidimensional quadrado com lados de largura L, energia potencial zero no
interior e energia infinita nas paredes, cujos níveis de energia são dados por E = (h 2 /8mL2 )(nx2 + n y2 ) , em que nx e ny são números
inteiros. A energia do primeiro estado excitado do sistema é
A) 13 (h2/8mL2)
B) 22 (h2/8mL2)
1 3 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) 24 (h2/8mL2)
D) 25 (h2/8mL2)
E) 27 (h2/8mL2)

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 40-4
Objetivo do Aprendizado: 40.4.2

38. Existem cinco elétrons no interior de um poço bidimensional quadrado com lados de largura L, energia potencial zero no
interior e energia infinita nas paredes, cujos níveis de energia são dados por E = (h 2 /8mL2 )(nx2 + n y2 ) , em que nx e ny são números
inteiros. O número de estados diferentes com energia 5(h2/8mL2) é
A) 1
B) 2
C) 3
D) 4
E) 5

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 40-4
Objetivo do Aprendizado: 40.4.2

39. Existem seis elétrons no interior de um poço bidimensional quadrado com lados de largura L, energia potencial zero no interior
e energia infinita nas paredes, cujos níveis de energia são dados por E = (h 2 /8mL2 )(nx2 + n y2 ) , em que nx e ny são números inteiros.
Se o sistema está no estado fundamental e um sétimo elétron é introduzido, a menor energia que o novo elétron pode possuir é
A) 2 (h2/8mL2)
B) 5 (h2/8mL2)
C) 8 (h2/8mL2)
D) 10 (h2/8mL2)
E) 13 (h2/8mL2)

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 40-4
Objetivo do Aprendizado: 40.4.3

40. Quando um átomo de hélio é transformado em um átomo de lítio acrescentando um próton (e um nêutron) ao núcleo, e um
elétron à nuvem de elétrons, o novo elétron ocupa um estado com n = 2, l = 0, em vez de ocupar um estado com n = 1, l = 0. Isso
constitui uma indicação de que os elétrons
A) obedecem ao princípio de exclusão de Pauli.
B) obedecem ao princípio de energia mínima.
C) possuem uma carga elétrica.
D) podem ser difratados.
E) podem ser substituídos por prótons.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.0

41. O elétron de maior energia de um elemento que começa um período da tabela periódica está em um estado do tipo
A) ℓ = 0
B) ℓ = 1
C) ℓ = 2
D) n = 0
E) n = 1
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 3 7

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.0

42. O elétron de maior energia de um elemento que completa um período da tabela periódica está em um estado do tipo
A)  = 0
B)  = 1
C)  = 2
D) n = 0
E) n = 1

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.0

43. Os elementos que completam os períodos da tabela periódica são chamados de


A) metais alcalinos.
B) terras-raras.
C) metais de transição.
D) halogênios.
E) gases nobres.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.0

44. Os elementos que iniciam os períodos da tabela periódica são chamados de


A) metais alcalinos.
B) terras-raras.
C) metais de transição.
D) halogênios.
E) gases nobres.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.0

45. A energia de ionização de um átomo que se encontra no estado fundamental é


A) a energia necessária para remover o elétron de menor energia.
B) a energia necessária para remover o elétron de maior energia.
C) a diferença de energia entre o elétron de maior energia e o elétron de menor energia.
D) a energia de um fóton Ka.
E) a energia de excitação do elétron de maior energia.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.0

46. Qual das subcamadas a seguir não existe?


A) 3p
B) 2p
C) 4d
1 3 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) 3d
E) 2d

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.2

47. Se os elétrons não possuíssem um momento angular intrínseco (spin), mas estivessem sujeitos ao princípio de exclusão de
Pauli, os níveis ocupados pelos elétrons de um átomo de hélio no estado fundamental seriam
A) (n = 1, ℓ = 0) e (n = 1, ℓ = 0)
B) (n = 1, ℓ = 0) e (n = 1, ℓ = 1)
C) (n = 1, ℓ = 0) e (n = 2, ℓ = 0)
D) (n = 2, ℓ = 0) e (n = 2, ℓ = 1)
E) (n = 2, ℓ = 1) e (n = 2, ℓ = 1)

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.3

48. Qual das combinações (n, , m, ms) a seguir é impossível para um elétron atômico?
A) 3, 1, 1, –1/2
B) 6, 2, 0, 1/2
C) 3, 2, –2, –1/2
D) 3, 1, –2, 1/2
E) 1, 0, 0, –1/2

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.3

49. Em todos os átomos, com exceção do hidrogênio e do hélio, todos os elétrons de uma camada
A) têm a mesma energia.
B) têm o mesmo número quântico de momento angular.
C) têm o mesmo número quântico magnético.
D) têm o mesmo número quântico de spin.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.3

50. Os valores de n e  dos elementos da série dos lantanídeos são


A) n = 3, ℓ = 2
B) n = 4, ℓ = 1
C) n = 4, ℓ = 2
D) n = 4, ℓ = 3
E) n = 5, ℓ = 2

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-5
Objetivo do Aprendizado: 40.5.3
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 3 9

51. O número quântico principal de um elétron da camada K de um átomo é


A) n = 0
B) n = 1
C) n = 2
D) n = 3
E) n = ¥

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.0

52. O número quântico principal de um elétron da camada L de um átomo é


A) n = 0
B) n = 1
C) n = 2
D) n = 3
E) n = ¥

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.0

53. Na terminologia dos raios X, o símbolo Ka representa


A) a emissão de uma partícula alfa.
B) o efeito da constante dielétrica sobre os níveis de energia.
C) a radiação do potássio.
D) a radiação associada a uma transição eletrônica de n = ¥ para n = 1.
E) a radiação associada a uma transição eletrônica de n = 2 para n = 1.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.0

54. Na terminologia dos raios X, o símbolo Lb representa


A) a emissão de uma partícula beta.
B) um estado atômico de momento angular h/2p.
C) a indutância associada à órbita de um elétron.
D) a radiação associada à transição eletrônica de n = 4 para n = 2.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.0

55. Os raios X característicos K de um elemento são causados


A) pela desaceleração de elétrons do feixe incidente.
B) pelo espalhamento de elétrons do feixe incidente.
C) pela ejeção de elétrons de uma das camadas externas.
D) pela transição de elétrons para a camada mais interna.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
1 4 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.2

56. Os fótons de maior energia de um espectro contínuo de raios X têm uma energia aproximadamente igual
A) à energia dos elétrons do alvo.
B) à energia cinética de um elétron do feixe incidente.
C) à energia de repouso, mc2, de um elétron.
D) à energia total de um elétron da camada K de um átomo do alvo.
E) à energia cinética de um elétron da camada K de um átomo do alvo.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.4

57. Dois feixes diferentes de elétrons incidem em alvos diferentes e produzem raios X. O comprimento de onda de corte do alvo
1 é menor que o do alvo 2. Isso significa que
A) o alvo 2 tem um número atômico maior que o alvo 1.
B) o alvo 2 tem um número atômico menor que o alvo 1.
C) os elétrons do feixe 1 têm uma energia cinética maior que os elétrons do feixe 2.
D) os elétrons do feixe 1 têm uma energia cinética menor que os elétrons do feixe 2.
E) o alvo 1 é mais espesso que o alvo 2.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.4

58. A irradiação de certo alvo em um aparelho de raios X produz um espectro contínuo e linhas K. Quando a energia do feixe
incidente é multiplicada por dois,
A) o comprimento de onda mínimo do espectro contínuo aumenta e os comprimentos de onda das linhas K permanecem os mesmos.
B) o comprimento de onda mínimo do espectro contínuo diminui e os comprimentos de onda das linhas K permanecem os mesmos.
C) o comprimento de onda mínimo do espectro contínuo e os comprimentos de onda das linhas K aumentam.
D) o comprimento de onda mínimo do espectro contínuo e os comprimentos de onda das linhas K diminuem.
E) o comprimento de onda mínimo do espectro contínuo aumenta e os comprimentos de onda das linhas K diminuem.

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.6

59. A figura mostra uma transição eletrônica que produz raios X. O símbolo usado para representar essa transição é

A) Ka
B) Kb
C) La
D) Lb
E) KL

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.7
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 4 1

60. Os fótons de menor comprimento de onda do espectro contínuo de raios X são emitidos
A) quando um elétron é arrancado da camada K.
B) quando um elétron de valência é arrancado do átomo.
C) quando um elétron do feixe incidente é capturado pelo átomo.
D) quando o átomo recua com a energia máxima.
E) quando um elétron do feixe incidente perde toda a energia em um único evento de desaceleração.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.8

61. Em um gráfico de Moseley,


A) a frequência dos raios X é plotada em função do número atômico.
B) o quadrado da frequência dos raios X é plotado em função do número atômico.
C) a raiz quadrada da frequência dos raios X é plotada em função do número atômico.
D) a frequência dos raios X é plotada em função da raiz quadrada do número atômico.
E) a raiz quadrada da frequência dos raios X é plotada em função da massa atômica.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.10

62. Para calcular os níveis de energia envolvidos na emissão de raios X, tomamos a carga efetiva do núcleo como Z – b, em que Z
é o número atômico. O parâmetro b aparece porque
A) um elétron é removido da camada mais interna.
B) um próton é removido do núcleo.
C) de acordo com a mecânica quântica, a força entre duas cargas é menor que a força clássica.
D) os elétrons internos cancelam parte da carga do núcleo.
E) o princípio de exclusão de Pauli precisa ser respeitado.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.11

63. A linha K¥ dos raios X produzidos por um alvo de cobalto (Z = 27) tem um comprimento de onda de, aproximadamente,
179 pm. O número atômico de um alvo que produz uma linha K¥, com um comprimento de onda três vezes menor (»60 pm) é
A) Z = 9
B) Z = 26
C) Z = 28
D) Z = 46
E) Z = 81

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.12

64. A razão entre o comprimento de onda da linha Ka do Nb (Z = 41) e o comprimento de onda da linha Ka do Ga (Z = 31) é
A) 9/16
B) 16/9
C) 3/4
D) 4/3
E) 1,15
1 4 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 40-6
Objetivo do Aprendizado: 40.6.12

65. Nos lasers a gás,


A) átomos excitados são estimulados por uma radiação externa a emitir fótons.
B) a transição responsável pela emissão do laser é sempre entre um estado excitado e o estado fundamental.
C) os estados envolvidos na emissão do laser são geralmente estados muito instáveis, que decaem rapidamente.
D) o estado para o qual o átomo é excitado inicialmente não é um dos estados envolvidos na emissão estimulada.
E) os elétrons são excitados por raios X.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.0

66. É fácil focalizar a luz de um laser porque se trata de uma luz


A) coerente.
B) polarizada.
C) intensa.
D) contínua.
E) altamente direcional.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.0

67. O “e” da palavra laser significa


A) electric
B) emf
C) energy
D) emission
E) entropy

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.0

68. Os fótons produzidos por um laser têm todos a mesma energia, o mesmo comprimento de onda, a mesma polarização e a
mesma fase porque
A) resultam de emissões estimuladas por fótons.
B) são emitidos pelo mesmo átomo.
C) o material que emite os fótons possui apenas dois estados quânticos.
D) são emitidos por um material muito puro.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.1
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 4 3

69. As ondas eletromagnéticas podem ser


I. monocromáticas
II. coerentes
III. polarizadas

Quais dessas propriedades são exibidas pela luz de um laser?


A) I apenas.
B) II apenas.
C) III apenas.
D) I e II apenas.
E) I, II e III.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.1

70. Chamando de i a energia necessária para ionizar o átomo de neônio, de e a energia necessária para excitar o átomo, de t a
energia térmica do átomo à temperatura ambiente, e colocando as três energias em ordem crescente, temos
A) i, e, t
B) t, i, e
C) e, t, i
D) i, t, e
E) t, e, i

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.4

71. A energia externa aplicada aos lasers é usada para produzir


A) um estado metaestável.
B) uma resposta rápida.
C) emissões estimuladas.
D) uma inversão de população.
E) fótons de mesmo comprimento de onda.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.5

72. Qual dos seguintes requisitos é necessário para que as transições eletrônicas entre dois níveis de energia de um átomo levem
ao efeito laser?
A) Que o nível inferior seja metaestável.
B) Que o nível superior seja metaestável.
C) Que o nível inferior seja o nível fundamental.
D) Que haja mais átomos no nível inferior que no nível superior.
E) Todos os requisitos anteriores são necessários.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.5
1 4 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

73. Qual dos seguintes requisitos é essencial para que as transições eletrônicas entre dois níveis de energia de um átomo levem ao
efeito laser?
A) Que o nível inferior seja metaestável.
B) Que haja mais átomos no nível superior do que no nível inferior.
C) Que haja mais átomos no nível inferior do que no nível superior.
D) Que o nível inferior seja o nível fundamental.
E) Nenhum dos requisitos anteriores é necessário.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.5

74. A inversão de população é necessária para o funcionamento de um laser porque assegura que
A) a probabilidade de emissão estimulada seja maior do que a probabilidade de emissão espontânea.
B) o material do laser não sofra um superaquecimento.
C) o número de fótons emitidos seja maior que o número de fótons absorvidos.
D) os fótons não sofram um número excessivo de colisões.
E) a população de fótons seja maior que a população de elétrons.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.5

75. A existência de um estado metaestável é necessária para o funcionamento de um laser porque assegura que
A) a probabilidade de emissão estimulada seja maior que a probabilidade de emissão espontânea.
B) o material do laser não sofra um superaquecimento.
C) o número de fótons emitidos seja maior que o número de fótons absorvidos.
D) os fótons não sofram um número excessivo de colisões.
E) a população de fótons seja maior que a população de elétrons.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.5

76. Os fótons de um laser são produzidos por


A) transições eletrônicas a partir de um estado metaestável.
B) transições eletrônicas a partir de um estado que decai rapidamente.
C) transições eletrônicas a partir do estado fundamental.
D) excitação térmica.
E) transições nucleares.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.6

77. Em um laser de hélio-neônio, a luz do laser é produzida por meio de transições de um estado do átomo de _________ para
um estado do átomo de _________.
A) He, He
B) Ne, Ne
C) He, Ne
D) Ne, He
E) N, He
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 4 5

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.6

78. A função dos espelhos que existem nas extremidades de um laser de hélio-neônio é
A) não deixar a luz do laser escapar.
B) aumentar o número de emissões estimuladas.
C) absorver parte dos fótons.
D) economizar a luz usada para excitar o laser.
E) duplicar o comprimento efetivo do laser.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.6

79. Os elétrons de um laser sofrem transições de um estado metaestável para o estado fundamental. Inicialmente, existem 6 × 1020
átomos no estado metaestável e 2 × 1020 átomos no estado fundamental. O número de fótons que podem ser produzidos em uma
única descarga é
A) 2 × 1020
B) 3 × 1020
C) 4 × 1020
D) 6 × 1020
E) 8 × 1020

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 40-7
Objetivo do Aprendizado: 40.7.8
Capítulo 41
Objetivos do Aprendizado
OA 41.1.0 Resolver problemas relacionados às propriedades elétricas dos metais.
OA 41.1.1 Conhecer as três propriedades básicas dos sólidos cristalinos e desenhar a célula unitária de um sólido cristalino.
OA 41.1.2 Conhecer a diferença entre isolantes, metais e semicondutores.
OA 41.1.3 Explicar, usando desenhos, a transição dos níveis de energia de um átomo isolado para as bandas de energia dos sólidos.
OA 41.1.4 Desenhar o diagrama de níveis de energia de um isolante, mostrando as bandas cheias e vazias, e explicar o que impede
os elétrons de participar de uma corrente elétrica.
OA 41.1.5 Desenhar o diagrama de níveis de energia de um metal e explicar por que, ao contrário do que acontece nos isolantes,
os elétrons dos metais podem participar de uma corrente elétrica.
OA 41.1.6 Saber o que é o nível de Fermi, a energia de Fermi e a velocidade de Fermi.
OA 41.1.7 Conhecer a diferença entre átomos monovalentes, átomos divalentes e átomos trivalentes.
OA 41.1.8 No caso de um condutor, conhecer a relação entre a concentração de elétrons de condução e a massa específica, o vo-
lume V e a massa molar do material M.
OA 41.1.9 Saber que, no caso de uma banda de energia parcialmente ocupada de um metal, a agitação térmica pode transferir
alguns elétrons de condução para níveis de maior energia.
OA 41.1.10 Calcular a densidade de estados N(E) de um material e saber que se trata, na verdade, de uma dupla densidade (por
unidade de volume e por unidade de intervalo de energia).
OA 41.1.11 Calcular o número de estados por unidade de volume em um intervalo DE no entorno da energia E de uma banda
integrando N(E) ao longo do intervalo ou, se DE << E, calculando o produto N(E)DE.
OA 41.1.12 Calcular a probabilidade P(E) de que um nível de energia E de um material esteja ocupado por elétrons.
OA 41.1.13 Saber que a probabilidade P(E) é 0,5 para E = EF , em que EF é o nível de Fermi.
OA 41.1.14 Calcular a densidade de estados ocupados No(E).
OA 41.1.15 Calcular o número de estados e o número de estados ocupados em um dado intervalo de energia.
OA 41.1.16 Desenhar os gráficos da densidade de estados N(E), da probabilidade de ocupação P(E) e da densidade de estados
ocupados No(E).
OA 41.1.17 Conhecer a relação entre a energia de Fermi e a concentração de elétrons de condução n.

OA 41.2.0 Resolver problemas relacionados às propriedades elétricas dos semicondutores.


OA 41.2.1 Desenhar o diagrama de níveis de energia de um semicondutor, indicando as bandas de condução e de valência, os
elétrons de condução, os buracos e a banda proibida.
OA 41.2.2 Comparar a largura da banda proibida de um semicondutor com a largura da banda proibida de um isolante.
OA 41.2.3 Conhecer a relação entre a largura da banda proibida e a probabilidade de que a agitação térmica faça com que um
elétron passe da banda de valência para a banda de condução.
OA 41.2.4 Desenhar a estrutura cristalina do silício puro e do silício dopado.
OA 41.2.5 Saber o que são buracos, como são produzidos, e como se movem sob a ação de um campo elétrico.
OA 41.2.6 Comparar a resistividade e o coeficiente de temperatura da resistividade de metais e semicondutores e explicar a variação
da resistividade com a temperatura nos semicondutores.
OA 41.2.7 Explicar como são produzidos semicondutores tipo n e tipo p.
OA 41.2.8 Conhecer a relação entre o número de elétrons de condução em um semicondutor puro e o número de elétrons de
condução em um semicondutor dopado.
OA 41.2.9 Saber o que são impurezas doadoras e aceitadoras e mostrar os níveis de energia correspondentes às impurezas doadoras
e aceitadoras em um diagrama de níveis de energia.
OA 41.2.10 Saber o que são portadores em maioria e portadores em minoria.
OA 41.2.11 Saber qual é uma das vantagens de dopar um semicondutor.

OA 41.3.0 Resolver problemas relacionados à junção p-n e ao transistor.


OA 41.3.1 Descrever uma junção p-n e explicar como funciona.
OA 41.3.2 Definir corrente de difusão, carga espacial, zona de depleção, diferença de potencial de contato e corrente de deriva.
OA 41.3.3 Descrever o funcionamento de um diodo retificador.
OA 41.3.4 Conhecer a diferença entre polarização direta e polarização inversa.
OA 41.3.5 Saber o que é um LED, o que é um fotodiodo, o que é um laser semicondutor e o que é um MOSFET.

Questões de Múltipla Escolha


1. A função da probabilidade de Fermi-Dirac P(E) varia
A) de 0 e 1.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 4 7

B) de 0 a infinito.
C) de 1 a infinito.
D) de –1 e 1.
E) de 0 a EF.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.0

2. Quais são as três propriedades elétricas básicas dos sólidos?


A) Condutividade, resistividade e estrutura cristalina.
B) Resistividade, coeficiente de temperatura da resistividade e estrutura cristalina.
C) Resistividade, estrutura cristalina e concentração de elétrons de condução.
D) Resistividade, coeficiente de temperatura da resistividade e concentração de elétrons de condução.
E) Condutividade, coeficiente de temperatura da resistividade e estrutura cristalina.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.1

3. A concentração de elétrons de condução n, a resistividade r e o coeficiente de temperatura da resistividade a são fornecidos a


seguir para cinco materiais. Qual desses materiais é um semicondutor?
A) n = 1029 m–3, r = 10–8 W · m, a = +10–3 K–1
B) n = 1028 m–3, r = 10–9 W · m, a = –10–3 K–1
C) n = 1028 m–3, r = 10–9 W · m, a = +10–3 K–1
D) n = 1015 m–3, r = 103 W · m, a = –10–2 K–1
E) n = 1022 m–3, r = 10–7 W · m, a = +10–3 K–1

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.2

4. Se um material tem uma resistividade de 7,8 × 103 W · m à temperatura ambiente e a resistividade aumenta quando a temperatura
aumenta de 100°C, o material é, provavelmente,
A) um metal.
B) um semicondutor puro.
C) um semicondutor fortemente dopado.
D) um isolante.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.2

5. Se um material tem uma resistividade de 7,8 × 103 W · m à temperatura ambiente e a resistividade diminui quando a temperatura
é aumentada de 100°C, o material é, provavelmente,
A) um metal.
B) um semicondutor puro.
C) um semicondutor fortemente dopado.
D) um isolante.
E) Nenhuma das respostas anteriores.
1 4 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.2

6. Se um material tem uma resistividade de 7,8 × 10–8 W · m à temperatura ambiente e a resistividade aumenta quando a tempe-
ratura é aumentada de 100°C, o material é, provavelmente,
A) um metal.
B) um semicondutor puro.
C) um semicondutor fortemente dopado.
D) um isolante.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.2

7. Qual das afirmações a seguir, a respeito das bandas de energia dos elétrons, é verdadeira?
A) As bandas de energia são uma consequência direta da função de distribuição de Fermi-Dirac.
B) A corrente elétrica é causada pelo movimento dos elétrons pertencentes a bandas totalmente ocupadas.
C) Todos os elétrons de uma banda têm a mesma energia.
D) Nos isolantes, existe uma grande diferença de energia entre uma banda totalmente ocupada e uma banda vazia.
E) Apenas os isolantes possuem bandas de energia.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.2

8. Se E0 e ET são as energias médias dos elétrons “livres” em um metal a 0 K e à temperatura ambiente, respectivamente, a razão
ET/E0 é, aproximadamente,
A) 0
B) 1
C) 100
D) 106
E) infinita.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.2

9. A densidade de estados de um metal é uma função


A) da temperatura da amostra.
B) da energia dos elétrons.
C) da massa específica do metal.
D) do volume da amostra.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.2

10. A energia de Fermi de um metal é uma função


A) da temperatura da amostra.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 4 9

B) do volume da amostra.
C) da massa específica do metal.
D) da massa da amostra.
E) da concentração dos elétrons de condução.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.2

11. A distância entre a banda de valência e a banda de condução de um isolante é da ordem de


A) 10–19 eV
B) 0,001 eV
C) 0,1 eV
D) 10 eV
E) 1000 eV

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.4

12. O diagrama de níveis de energia mostrado na figura é típico

A) de um condutor.
B) de um isolante.
C) de um semicondutor.
D) de um átomo isolado.
E) de um gás de elétrons livres.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.4

13. Quando um campo elétrico é aplicado a um sólido, os elétrons que pertencem a uma banda totalmente ocupada não contri-
buem para a corrente porque
A) o campo elétrico não pode exercer uma força sobre esses elétrons.
B) as contribuições dos elétrons para a corrente se cancelam.
C) os elétrons não podem se mover.
D) os elétrons sofrem transições para outras bandas.
E) os elétrons escapam do sólido.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.5
1 5 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

14. O diagrama de níveis de energia mostrado na figura é típico

A) de um condutor.
B) de um isolante.
C) de um semicondutor.
D) de uma molécula isolada.
E) de um átomo isolado.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.5

15. Em um metal a 0 K, a energia de Fermi é


A) a energia do elétron de maior energia.
B) a energia do elétron de menor energia.
C) a energia térmica média dos elétrons.
D) a maior energia da banda de valência.
E) a menor energia da banda de condução.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.6

16. A velocidade de um elétron do cobre com uma energia igual à energia de Fermi é da ordem de
A) 10–6 m/s
B) 10–1 m/s
C) 10 m/s
D) 106 m/s
E) 109 m/s

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.6

17. Se rm é a massa específica de um material condutor, V é o volume, M é a massa molar e NA é o número de Avogadro, a con-
centração n de elétrons de condução do material é dada por
ρV
A) n = m
MN A
NA
B) n =
M ρm
ρm
C) n =
MN A
D) n = rmNAV
N AV
E) n =
ρm
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 5 1

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.8

18. A função densidade de estados N(E) pode ser medida em


A) J · m-3
B) J-1
C) m–3
D) J-1 · m-3
E) kg · m-3

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.10

19. No caso de um metal de energia de Fermi EF à temperatura absoluta T, a probabilidade de ocupação é dada por
A) e( E − EF )/ kT
B) e−( E − EF )/ kT
1
C) ( E − E )/ kT
e F
+1
1
D) −( E − E )/ kT
e F
+1
1
E) ( E − E )/ kT
e F
−1

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.12

20. Em T = 0 K, a probabilidade de que um estado 0,50 eV abaixo do nível de Fermi esteja ocupado é
A) 0
B) 5,0 × 10–9
C) 5,0 × 10–6
D) 5,0 × 10–3
E) 1

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.12

21. Em T = 0 K, a probabilidade de que um estado 0,50 eV acima do nível de Fermi esteja ocupado é
A) 0
B) 5,0 × 10–9
C) 5,0 × 10–6
D) 5,0 × 10–3
E) 1

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.12
1 5 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

22. À temperatura ambiente, kT é aproximadamente 0,0259 eV. A probabilidade de que um estado 0,50 eV acima do nível de Fermi
esteja ocupado à temperatura ambiente é
A) 1
B) 0,05
C) 0,026
D) 5,0 × 10–6
E) 4,1 × 10–9

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.12

23. À temperatura ambiente, kT é aproximadamente 0,0259 eV. A probabilidade de que um estado 0,50 eV abaixo do nível de Fermi
esteja desocupado à temperatura ambiente é
A) 1
B) 0,05
C) 0,026
D) 5,0 × 10–6
E) 4,1 × 10–9

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.12

24. A probabilidade de ocupação de um estado com uma energia igual à energia de Fermi é
A) 0
B) 0,5
C) 1
D) 1,5
E) 2

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.13

25. Se a densidade de estados é N(E) e a probabilidade de ocupação é P(E), a densidade de estados ocupados é
A) N(E) + P(E)
B) N(E)/P(E)
C) N(E) – P(E)
D) N(E)P(E)
E) N(E)[1 − P(E)]

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.14

26. A energia de Fermi do magnésio, que possui 8,6 × 1028 elétrons de condução por metro cúbico, é
A) 1,8 eV
B) 7,1 eV
C) 9,1 eV
D) 22 eV
E) 28 eV
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 5 3

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 41-1
Objetivo do Aprendizado: 41.1.17

27. Um semicondutor puro à temperatura ambiente


A) tem muito mais elétrons por metro cúbico na banda de condução do que buracos por metro cúbico na banda de valência.
B) tem mais elétrons por metro cúbico na banda de condução do que um metal típico.
C) tem mais elétrons por metro cúbico na banda de valência do que em T = 0 K.
D) tem muito mais buracos por metro cúbico na banda de valência do que elétrons por metro cúbico na banda de condução.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.0

28. O diagrama de níveis de energia mostrado na figura é típico

A) de um condutor.
B) de um isolante.
C) de um semicondutor.
D) de uma molécula isolada.
E) de um átomo isolado.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.1

29. Nos semicondutores puros, o nível de Fermi está


A) na banda de condução
B) muito acima da banda de condução
C) na banda de valência
D) muito abaixo da banda de valência
E) perto do centro da banda proibida

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.1

30. A largura da banda proibida dos semicondutores


A) é menor que a dos isolantes.
B) é da mesma ordem que a dos isolantes.
C) é maior que a dos isolantes.
D) pode ser maior ou menor que a dos isolantes, dependendo da concentração de impurezas.
E) pode ser maior ou menor que a dos isolantes, dependendo do campo elétrico aplicado.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
1 5 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.2

31. Na terminologia dos semicondutores, buraco é


A) um próton.
B) um elétron carregado positivamente.
C) um elétron que perdeu a carga.
D) um defeito microscópico em um sólido.
E) a ausência de um elétron na banda de valência.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.5

32. Nos metais à temperatura ambiente, o coeficiente de temperatura da resistividade é determinado principalmente
A) pela concentração de portadores.
B) pela concentração de defeitos da rede cristalina.
C) pela energia de ligação dos elétrons da última camada.
D) pela agitação térmica da rede cristalina.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.6

33. Nos semicondutores puros à temperatura ambiente, o coeficiente de temperatura da resistividade é determinado principalmente
A) pela concentração de portadores.
B) pela concentração de defeitos da rede cristalina.
C) pela energia de ligação dos elétrons da última camada.
D) pela agitação térmica da rede cristalina.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.6

34. Um semicondutor dopado pode ser identificado como tipo p ou tipo n por meio de uma medida
A) de condutividade elétrica.
B) de suscetibilidade magnética.
C) do coeficiente de resistividade.
D) de calor específico.
E) de efeito Hall.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.7

35. A razão entre a concentração de portadores em um metal e em um semicondutor puro à temperatura ambiente é da ordem de
A) 10-1
B) 1
C) 10
D) 106
E) 1012
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 5 5

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.8

36. Átomos de impurezas doadoras são introduzidos nos semicondutores


A) para aumentar o número de elétrons na banda de condução.
B) para aumentar o número de buracos na banda de valência.
C) para deslocar para baixo o nível de Fermi.
D) para aumentar a resistividade elétrica.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.9

37. Átomos de impurezas aceitadoras são introduzidos nos semicondutores


A) para aumentar o número de elétrons na banda de condução.
B) para aumentar o número de buracos na banda de valência.
C) para deslocar para cima o nível de Fermi.
D) para aumentar a resistividade elétrica.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.9

38. No caso do silício, uma impureza aceitadora pode ter ______ elétrons na última camada.
A) 3
B) 4
C) 5
D) 6
E) 7

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.9

39. No caso do silício, uma impureza doadora pode ter ______ elétrons na última camada.
A) 1
B) 2
C) 3
D) 4
E) 5

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-2
Objetivo do Aprendizado: 41.2.9

40. O campo elétrico que existe na zona de depleção das junções p-n é produzido
A) apenas pelos elétrons da banda de condução.
B) apenas pelos buracos da banda de valência.
C) pelos elétrons da banda de condução e pelos buracos da banda de valência.
1 5 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) por impurezas ionizadas.


E) pela diferença de potencial aplicada por uma fonte externa.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.1

41. Nas junções p-n não polarizadas,


A) o potencial elétrico é nulo.
B) o campo elétrico é nulo.
C) a corrente de deriva é nula.
D) a corrente de difusão é nula.
E) a corrente de difusão e a corrente de deriva se cancelam.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.1

42. No caso de uma junção p-n não polarizada, a menor energia da banda de condução do lado n
A) é maior que a menor energia da banda de condução do lado p.
B) é menor que a menor energia da banda de condução do lado p.
C) é menor que a maior energia da banda de valência do lado n.
D) é menor que a maior energia da banda de valência do lado p.
E) é igual à menor energia da banda de condução do lado p.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.2

43. Uma diferença de potencial senoidal V1 = Vmsen(wt) é aplicada à junção p-n do circuito a seguir. Qual é o gráfico que mostra
corretamente a tensão V2 em função do tempo?

A) I
B) II
C) III
D) IV
E) V
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 5 7

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.3

44. A polarização direta de uma junção p-n


A) torna a zona de depleção mais estreita.
B) aumenta o campo elétrico na zona de depleção.
C) aumenta a diferença de potencial entre as extremidades da zona de depleção.
D) aumenta o número de doadores do lado n.
E) diminui o número de doadores do lado n.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.4

45. A polarização direta de uma junção p-n


A) aumenta a corrente de deriva na zona de depleção.
B) aumenta a corrente de difusão na zona de depleção.
C) diminui a corrente de deriva no lado p, fora da zona de depleção.
D) diminui a corrente de deriva do lado n, fora da zona de depleção.
E) não muda a corrente que atravessa a junção.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.4

46. Quando uma junção p-n é polarizada diretamente, a concentração de elétrons no lado p
A) aumenta ligeiramente.
B) aumenta muito.
C) diminui ligeiramente.
D) diminui muito.
E) não muda.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.4

47. Qual dos eventos a seguir NÃO acontece quando uma polarização inversa é aplicada a uma junção p-n?
A) Elétrons passam do lado p para o lado n.
B) Buracos passam do lado p para o lado n.
C) O campo elétrico na zona de depleção aumenta.
D) A diferença de potencial entre as extremidades da zona de depleção aumenta.
E) A largura da zona de depleção aumenta.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.4
1 5 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

48. Quando a chave S é fechada para aplicar uma diferença de potencial V aos terminais de uma junção p-n, como mostra a figura,
os níveis de energia dos elétrons do material tipo p

A) não mudam.
B) diminuem de e–Ve/kT.
C) diminuem de Ve.
D) aumentam de e–Ve/kT.
E) aumentam de Ve.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.4

49. “LED” é o acrônimo de


A) Less Energy Donated.
B) Light Emitting Degrader.
C) Luminescent Energy Diode.
D) Laser Emitting Device.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.5

50. Um diodo emissor de luz emite luz quando


A) elétrons são excitados na banda de valência para a banda de condução.
B) elétrons da banda de condução se recombinam com buracos da banda de valência.
C) elétrons colidem com átomos.
D) elétrons são acelerados pelo campo elétrico na zona de depleção.
E) a junção se aquece.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.5

51. Se a banda proibida de um semicondutor tem uma largura de 0,85 eV, quando o semicondutor é usado em um LED, o com-
primento de onda da luz emitida
A) é maior que 1,5 × 10–6 m.
B) é menor que 1,5 × 10–6 m.
C) é 1,5 × 10–6 m.
D) depende das impurezas usadas.
E) não depende da largura da banda proibida.

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 41-3
Objetivo do Aprendizado: 41.3.5
Capítulo 42
Objetivos do Aprendizado
OA 42.1.0 Resolver problemas relacionados à descoberta do núcleo.
OA 42.1.1 Explicar em que consistiu o experimento de Rutherford e o que revelou a respeito do átomo.
OA 42.1.2 Em um experimento de espalhamento como o de Rutherford, conhecer a relação entre a energia cinética da partícula
alfa e a distância de máxima aproximação do núcleo alvo.

OA 42.2.0 Resolver problemas relacionados às propriedades dos núcleos.


OA 42.2.1 Saber o que é nuclídeo, número atômico (número de prótons), número de nêutrons, número de massa, núcleon, isóto-
po, desintegração, excesso de nêutrons, isóbara, zona de núcleos estáveis e ilha de estabilidade, e explicar os símbolos (como, por
exemplo, 197Au) usados para representar os núcleos.
OA 42.2.2 Desenhar um gráfico do número de prótons em função do número de nêutrons e indicar no gráfico a localização apro-
ximada dos núcleos estáveis, dos núcleos com excesso de prótons e dos núcleos com excesso de nêutrons.
OA 42.2.3 Usar a relação entre o raio de um núcleo esférico e o número de massa para calcular a massa específica da matéria nuclear.
OA 42.2.4 Trabalhar com massas em unidades de massa atômica, conhecer a relação entre o número de massa e a massa aproxi-
mada de um núcleo e converter unidades de massa para unidades de energia.
OA 42.2.5 Calcular o excesso de massa.
OA 42.2.6 Saber o que significam a energia de ligação DEl e a energia de ligação por núcleon DEln de um núcleo.
OA 42.2.7 Desenhar um gráfico da energia de ligação por núcleon em função do número de massa e indicar os núcleos mais está-
veis, os núcleos que podem liberar energia por meio da fusão e os núcleos que podem liberar energia por meio da fissão.
OA 42.2.8 Conhecer a força responsável pela estabilidade dos núcleos atômicos.

OA 42.3.0 Resolver problemas relacionados ao decaimento radioativo.


OA 42.3.1 Explicar o que é decaimento radioativo e saber que se trata de um processo aleatório.
OA 42.3.2 Saber o que é constante de desintegração (ou constante de decaimento) l.
OA 42.3.3 Saber que, em qualquer instante, a taxa de decaimento –dN/dt de um nuclídeo radioativo em uma amostra é propor-
cional ao número N de nuclídeos desse tipo presentes na amostra nesse instante.
OA 42.3.4 Conhecer a função que expressa o número N de nuclídeos radioativos em função do tempo.
OA 42.3.5 Conhecer a função que expressa a taxa de decaimento R = –dN/dt de um nuclídeo radioativo em função do tempo.
OA 42.3.6 Conhecer a relação entre a taxa de decaimento R e o número N de nuclídeos radioativos em um instante qualquer.
OA 42.3.7 Saber o que é a atividade de uma amostra radioativa.
OA 42.3.8 Conhecer a relação entre o becquerel (Bq), o curie (Ci) e o número de decaimentos por segundo.
OA 42.3.9 Saber a diferença entre a meia-vida T1/2 e a vida média t de um nuclídeo radioativo.
OA 42.3.10 Conhecer a relação entre a meia-vida T1/2, a vida média t e a constante de desintegração l.
OA 42.3.11 Saber que em qualquer processo nuclear, incluindo o decaimento radioativo, a carga e o número de núcleons são
conservados.

OA 42.4.0 Resolver problemas relacionados ao decaimento alfa.


OA 42.4.1 Saber o que é uma partícula alfa e o que é o decaimento alfa.
OA 42.4.2 Calcular a variação de massa e o valor de Q para um decaimento alfa.
OA 42.4.3 Calcular a variação do número atômico Z e do número de massa A de um núcleo que sofre um decaimento alfa.
OA 42.4.4 Explicar como uma partícula alfa pode escapar de um núcleo com uma energia menor que a barreira de potencial a que
estão sujeitas as partículas que formam o núcleo.

OA 42.5.0 Resolver problemas relacionados ao decaimento beta.


OA 42.5.1 Saber quais são os dois tipos de partículas beta e os dois tipos de decaimento beta.
OA 42.5.2 Saber o que é neutrino.
OA 42.5.3 Saber por que, no decaimento beta, as partículas beta podem ser emitidas com diferentes energias.
OA 42.5.4 Calcular a variação de massa e o valor de Q de um decaimento beta.
OA 42.5.5 Determinar a variação do número atômico Z de um núcleo que sofre um decaimento beta e saber que o número de
massa A permanece o mesmo.

OA 42.6.0 Resolver problemas relacionados à datação radioativa.


OA 42.6.1 Usar as equações do decaimento radioativo para determinar a idade de rochas e materiais arqueológicos.
OA 42.6.2 Usar o método do radiocarbono para determinar a idade de amostras biológicas.
1 6 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

OA 42.7.0 Resolver problemas relacionados a medidas da dose de radiação.


OA 42.7.1 Saber o que é dose absorvida, o que é dose equivalente, e quais são as unidades correspondentes.
OA 42.7.2 Calcular a dose absorvida e a dose equivalente.

OA 42.8.0 Resolver problemas relacionados a modelos do núcleo.


OA 42.8.1 Saber qual é a diferença entre o modelo coletivo, o modelo das partículas independentes e o modelo misto.
OA 42.8.2 Saber o que é um núcleo composto.
OA 42.8.3 Saber o que são números mágicos.

Questões de Múltipla Escolha


1. O experimento de Rutherford revelou
A) que a luz pode se comportar como onda e como partícula
B) que os átomos são eletricamente neutros.
C) que as cargas positivas e negativas do átomo estão distribuídas uniformemente.
D) que o comprimento da luz espalhada depende do ângulo de espalhamento.
E) que quase toda a massa do átomo está concentrada em um pequeno núcleo positivamente carregado.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-1
Objetivo do Aprendizado: 42.1.1

2. Suponha que, no experimento de Rutherford, a trajetória de uma partícula alfa esteja alinhada com o centro de um núcleo de
ouro. Nesse caso, a partícula alfa se aproximará do núcleo de ouro até
A) que haja uma colisão com a superfície do núcleo.
B) que haja uma colisão com a nuvem de elétrons.
C) que a força nuclear converta toda a energia cinética da partícula alfa em energia potencial devido à força nuclear.
D) que a força de repulsão eletrostática do núcleo converta toda a energia cinética da partícula alfa em energia potencial.
E) que a força de atração eletrostática dos elétrons converta toda a energia cinética da partícula alfa em energia potencial.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-1
Objetivo do Aprendizado: 42.1.2

3. A menor partícula de um elemento químico que conserva as propriedades do elemento é


A) o elétron.
B) o próton.
C) o nêutron.
D) o átomo.
E) a molécula.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.0

4. Um femtômetro é igual a
A) 10–6 m
B) 10–9 m
C) 10–12 m
D) 10–15 m
E) 10–18 m

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.0
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 6 1

5. O número atômico de um elemento é


A) o número inteiro mais próximo da massa do elemento.
B) o número de prótons do elemento.
C) a soma do número de prótons com o número de nêutrons do elemento.
D) o número de nêutrons do elemento.
E) a ordem em que o elemento foi descoberto.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.1

6. O número atômico do ferro é 26. O ferro retirado das minas contém isótopos com números de massa 54, 56, 57 e 58. Qual das
afirmações a seguir é FALSA?
A) Todo átomo de ferro possui 26 prótons.
B) Alguns átomos de ferro possuem 30 nêutrons.
C) Alguns átomos de ferro possuem 54 nêutrons.
D) Os isótopos do ferro podem ser separados usando um espectrômetro de massa.
E) Existem quatro tipos de átomos de ferro na crosta terrestre, que possuem as mesmas propriedades químicas.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.1

7. Seja Z o número atômico e A o número de massa de um núcleo. Nesse caso, o número de nêutrons do núcleo é
A) Z
B) A – Z
C) A – 2Z
D) A
E) 2A – Z

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.1

8. Os isótopos de um elemento
A) não podem ser separados.
B) são encontrados em locais diferentes.
C) têm as mesmas propriedades químicas.
D) têm o mesmo número de nêutrons.
E) têm a mesma massa.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.1

9. O bromo, cuja massa atômica é 79,942 u, possui dois isótopos praticamente com a mesma abundância, um dos quais contém
79 núcleons por átomo. O número de massa do outro isótopo é
A) 78
B) 79
C) 80
D) 81
E) 82
1 6 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.1

10. Em geral, os núcleos estáveis


A) têm um número maior de prótons do que de nêutrons.
B) têm um número de massa pequeno.
C) têm um número de massa grande.
D) são emissores beta.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.2

11. Seja A o número de massa e seja Z o número atômico de um núcleo. Qual das relações a seguir é aproximadamente correta
para núcleos leves?
A) Z = 2A
B) Z = A
C) Z = A/2
D) Z = A
E) Z = A2

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.2

12. Entre os nuclídeos a seguir, qual é o que apresenta menor probabilidade de ser encontrado na natureza?
A) 52Fe (Z = 26)
B) 115Nd (Z = 60)
C) 175Lu (Z = 71)
D) 208Pb (Z = 82)
E) 238U (Z = 92)

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.2

13. A massa específica do núcleo atômico


A) é da ordem de 1015 kg/m3.
B) é da ordem de 1012 kg/m3.
C) é diretamente proporcional à massa do núcleo.
D) é inversamente proporcional ao raio do núcleo.
E) é aproximadamente a mesma para todos os núcleos.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.3

14. O volume do núcleo atômico é proporcional


A) ao número de massa.
B) ao número atômico.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 6 3

C) ao spin do núcleo.
D) ao número de nêutrons.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.3

15. O raio de um núcleo cujo número de massa é 64 é, aproximadamente,


A) 4,8 fm
B) 9,6 fm
C) 77 fm
D) 260 fm
E) 2,6 × 105 fm

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.3

16. Uma unidade de massa atômica é aproximadamente igual a


A) 1,66 × 10–31 kg
B) 9,11 × 10–31 kg
C) 1,66 × 10–27 kg
D) 9,11 × 10–27 kg
E) 1,66 × 10–25 kg

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.4

17. A energia de ligação de um núcleo é a energia que deve ser fornecida ao núcleo para
A) remover um núcleon.
B) remover uma partícula alfa.
C) remover uma partícula beta.
D) separar os núcleons que compõem o núcleo.
E) separar as partículas alfa que compõem o núcleo.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.6

18. Se um núcleo tem massa M, Z prótons (de massa mp) e N nêutrons (de massa mn), a energia de ligação do núcleo é dada por
A) Mc2
B) (M – Zmp – Nmn)c2
C) (Zmp + Nmn – M)c2
D) (Zmp + Nmn)c2
E) (Zmp – M)c2

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.6
1 6 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

19. A energia de ligação por núcleon é máxima para nuclídeos com massas próximas da massa
A) do hélio.
B) do sódio.
C) do ferro.
D) do mercúrio.
E) do urânio.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.7

20. Um próton do núcleo de um elemento pesado


A) atrai todos os outros prótons.
B) repele todos os outros prótons.
C) repele todos os nêutrons.
D) atrai alguns prótons e repele outros.
E) atrai alguns nêutrons e repele outros.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.8

21. Dois prótons estão separados por uma distância de 10–16 m. As forças nuclear (N), eletrostática (E) e gravitacional (G) entre os
prótons, escritas em ordem crescente de intensidade, são
A) N, E, G
B) N, G, E
C) G, E, N
D) G, N, E
E) E, G, N

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.8

22. Dois prótons estão separados por uma distância de 10–10 m. A essa distância, o movimento dos prótons depende principalmente
A) da força gravitacional.
B) da força elétrica.
C) da força nuclear.
D) da força magnética.
E) do torque produzido pelos momentos dipolares elétricos.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-2
Objetivo do Aprendizado: 42.2.8

23. A meia-vida de uma desintegração nuclear A → B


A) depende do número inicial de átomos A.
B) depende do número inicial de átomos B.
C) é uma função exponencial crescente do tempo.
D) é uma função exponencial decrescente do tempo.
E) Nenhuma das respostas anteriores.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 6 5

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.0

24. A constante de desintegração l pode ser medida em


A) quilogramas por segundo.
B) segundos por quilograma.
C) horas.
D) dias–1.
E) centímetros–1.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.2

25. Uma amostra que contém um grande número de núcleos está sofrendo decaimento alfa. A taxa instantânea de decaimento é
proporcional
A) ao número de núcleos que ainda não decaíram.
B) ao tempo transcorrido desde que começaram os decaimentos.
C) ao tempo que resta até todos os núcleos decaírem.
D) à meia-vida do decaimento.
E) ao tempo médio entre decaimentos.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.3

26. Que expressão descreve corretamente o decaimento radioativo de uma substância cuja meia vida é T ?
A) N(t) = N0e–(t ln2)/T
B) N(t) = N0e–t/T
C) N(t) = N0e–tT
D) N(t) = N0e–tT ln2
E) N(t) = N0e–t/T ln2

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

27. O elemento radioativo A se transforma no elemento estável B com uma meia-vida T. Supondo que uma amostra contém
inicialmente apenas o elemento A, qual dos gráficos a seguir mostra corretamente o número de átomos do elemento A, NA, em
função do tempo t?
1 6 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

A) I
B) II
C) III
D) IV
E) V

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

28. A meia-vida do rádio é cerca de 1600 anos. Se uma rocha continha inicialmente 1 g de rádio, a massa restante após 8000 anos
será, aproximadamente
A) 200 mg.
B) 63 mg.
C) 31 mg.
D) 16 mg.
E) menos de 1 mg.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

29. Se uma amostra contém inicialmente 100% de 66Cu, 7/8 da amostra decaem em Zn nos primeiros 15 minutos. Isso significa
que a meia-vida do 66Cu é
A) 3,75 minutos
B) 5 minutos
C) 7 minutos
D) 10 minutos
E) 15 minutos

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

30. O 210Bi (um isótopo do bismuto) tem uma meia-vida de 5,0 dias. O tempo necessário para que três quartos de uma amostra
de 210Bi decaiam é de
A) 2,5 dias
B) 3,75 dias
C) 10 dias
D) 15 dias
E) 20 dias

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

31. O 90Sr tem uma meia-vida de 30 anos. Que porcentagem de uma amostra de 90Sr ainda não se desintegrou após 60 anos?
A) 0%
B) 14%
C) 25%
D) 50%
E) 75%
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 6 7

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

32. A meia-vida de um isótopo radioativo é 6,5 h. Se existem inicialmente 48 × 1032 átomos do isótopo, o número de átomos que
restam após 26 h é
A) 12 × 1032
B) 6 × 1032
C) 3 × 1032
D) 6 × 104
E) 3 × 102

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

33. Após 14 minutos, 1/16 de uma amostra de polônio ainda não se desintegrou. Isso significa que a meia-vida do polônio é de
A) (7/8) minutos.
B) (8/7) minutos.
C) (7/4) minutos.
D) (7/2) minutos.
E) (14/3) minutos.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

34. A meia-vida de um isótopo radioativo é de 140 dias. Em quantos dias a taxa de decaimento de uma amostra do isótopo diminui
para um quarto do valor inicial?
A) 35
B) 70
C) 105
D) 210
E) 280

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.4

35. O gráfico mostra a atividade R de três amostras radioativas em função do tempo t. Coloque as amostras na ordem crescente
das meias-vidas.

A) 1, 2, 3
B) 1, 3, 2
C) 2, 1, 3
D) 2, 3, 1
E) 3, 1, 2
1 6 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.5

36. A relação entre a atividade R, a constante de desintegração l e o número N de núcleos radioativos que ainda não decaíram é
A) N = lR
B) R = lN
C) R = l/N
D) R = N/l
E) R = l ln N

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.6

37. Um curie equivale a


A) um becquerel.
B) um decaimento por segundo.
C) 3,0 × 108 decaimentos por segundo.
D) 3,7 × 1010 decaimentos por segundo.
E) 106 becquerels.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.8

38. A meia-vida de uma substância radioativa é


A) metade do tempo que a substância leva para decair.
B) aproximadamente 50 anos.
C) o tempo que o rádio leva para se transformar em chumbo.
D) calculada a partir da equação E = mc2.
E) o tempo necessário para que metade dos átomos da substância sofra decaimento.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.9

39. A relação entre a constante de desintegração l e a meia-vida T de uma substância radioativa é


A) l = 2T
B) l = 1/T
C) l = 2/T
D) lT = ln 2
E) lT = ln(1/2)

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-3
Objetivo do Aprendizado: 42.3.10

40. No decaimento alfa, a energia de desintegração assume a forma


A) da energia de um fóton.
B) da energia cinética da partícula alfa e do núcleo filho.
C) da energia de excitação do núcleo filho.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 6 9

D) da energia de excitação da partícula alfa.


E) de calor.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.0

41. O número atômico do magnésio é 12, o número atômico do hidrogênio é 1 e o número atômico do hélio é 2. Na reação nuclear
24
Mg + 2H → ( ) + 4He, a partícula que falta é
A) 23Na (Z = 11)
B) 22Ne (Z = 10)
C) 21Na (Z = 11)
D) 21Ne (Z = 10)
E) 22Na (Z = 11)

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.0

42. O número atômico do alumínio é 13, o número atômico do hélio é 2 e o número atômico do silício é 14. Na reação nuclear
27
Al + 4He → 30Si + ( ), a partícula que falta é
A) uma partícula a.
B) um pósitron.
C) um elétron.
D) um próton.
E) um nêutron.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.0

43. O bombardeio do 28Si (Z = 14) com partículas alfa pode produzir


A) um próton e 31P (Z = 15).
B) hidrogênio e 32S (Z = 16).
C) um dêuteron e 27Al (Z = 13).
D) hélio e 31P (Z = 15).
E) 35Cl (Z = 17).

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.0

44. Uma partícula alfa é


A) o núcleo do elemento hélio.
B) um conjunto de dois ou mais elétrons.
C) o átomo de hidrogênio.
D) a unidade fundamental de carga positiva.
E) uma partícula que pode ser positiva ou negativa.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.1
1 7 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

45. Coloque os conjuntos de partículas a seguir na ordem crescente da energia de ligação total de cada conjunto.
Conjunto 1: apenas um núcleo de 244Pu (Z = 94)
Conjunto 2: um núcleo de 240U (Z = 92) e uma partícula alfa
Conjunto 3: um núcleo de 240U (Z = 92), dois prótons e dois nêutrons
A) 1, 2, 3
B) 3, 2, 1
C) 2, 1, 3
D) 1, 3, 2
E) 2, 3, 1

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.2

46. Um núcleo de número de massa A e número atômico Z emite uma partícula alfa. O número de massa e o número atômico
do núcleo filho são, respectivamente,
A) A e Z –2
B) A – 2 e Z – 2
C) A – 2 e Z
D) A – 4 e Z
E) A – 4 e Z – 2

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.3

47. O nuclídeo 214Po (Z = 84) decai por emissão alfa em


A) 214Po (Z = 84).
B) 210Pb (Z = 82).
C) 214At (Z = 85).
D) 218Po (Z = 84).
E) 210Bi (Z = 83).

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.3

48. Quando um núcleo de 226Ra (Z = 86) emite uma partícula alfa, o número de prótons do átomo resultante é
A) 84
B) 85
C) 86
D) 88
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.3

49. Alguns núcleos emissores alfa têm uma meia-vida maior que outros porque
A) as partículas alfa que emitem têm massa maior.
B) as partículas alfa que emitem têm massa menor.
C) suas barreiras para o decaimento são mais altas e mais largas.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 7 1

D) suas barreiras para o decaimento são mais baixas e mais estreitas.


E) seus decaimentos incluem a emissão de um fóton.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-4
Objetivo do Aprendizado: 42.4.4

50. Uma partícula beta é


A) um núcleo de hélio.
B) um elétron ou um pósitron.
C) um elemento radioativo.
D) qualquer partícula negativa.
E) um átomo de hidrogênio.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.1

51. As partículas beta produzidas por diferentes núcleos radioativos têm todas a mesma
A) massa.
B) velocidade.
C) carga.
D) deflexão em um campo elétrico.
E) energia em um campo magnético.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.1

52. Além do núcleo filho e de um elétron ou um pósitron, todo decaimento beta produz
A) um nêutron.
B) um neutrino.
C) um próton.
D) uma partícula alfa.
E) um antipróton.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.2

53. A energia dos elétrons emitidos nos decaimentos b– apresenta um espectro contínuo porque
A) o nêutron original possui um espectro contínuo.
B) a energia dos neutrinos emitidos possui um espectro contínuo.
C) o elétron emitido é um elétron livre.
D) a energia não é conservada.
E) o núcleo filho pode ter qualquer energia.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.3
1 7 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

54. Se um átomo radioativo X emite uma partícula b–, o átomo resultante


A) é quimicamente muito reativo.
B) tem um número atômico uma unidade a mais que o átomo X.
C) tem um número de massa uma unidade a menos que o átomo X.
D) é radioativo.
E) é o mesmo elemento químico que X.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.5

55. Quando um núcleo com número de massa A e número atômico Z sofre um decaimento b–, o número de massa e o número
atômico do núcleo filho são, respectivamente,
A) A e Z – 1
B) A – 1 e Z
C) A + 1 e Z – 1
D) A e Z + 1
E) A e Z – 1

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.5

56. Quando um núcleo com número de massa A e número atômico Z sofre um decaimento b+, o número de massa e o número
atômico do núcleo filho são, respectivamente,
A) A – 1 e Z – 1
B) A – 1 e Z + 1
C) A + 1 e Z – 1
D) A e Z + 1
E) A e Z – 1

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.5

57. Quando o 204Tl (Z = 81) emite uma partícula b–,


A) o produto é um isótopo estável do Tl.
B) o produto é 202Hg (Z = 80).
C) o produto é 204Pb (Z = 82).
D) o produto é um isótopo instável do Tl.
E) o produto é 197Au (Z = 79).

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.5

58. Um átomo de 235U (Z = 92) se transforma em 207Pb (Z = 82), com uma meia-vida de cerca de um bilhão de anos, emitindo sete
partículas a e ______ partículas b–.
A) três
B) quatro
C) cinco
D) seis
E) sete
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 7 3

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.5

59. O 66Cu (Z = 29) é um isótopo instável, que se transforma em 66Zn (Z = 30) por emissão
A) de um próton.
B) de um raio g.
C) de um pósitron.
D) de um elétron.
E) de uma partícula a.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.5

60. Um núcleo, depois de absorver um nêutron, emite uma partícula b– e se divide em duas partículas a. Isso significa que o número
de massa e o número atômico do núcleo original eram, respectivamente
A) 6 e 2
B) 6 e 3
C) 7 e 2
D) 7 e 3
E) 8 e 4

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 42-5
Objetivo do Aprendizado: 42.5.5

61. O 40K decai para 40Ar com uma meia-vida de 1,25 × 109 anos. As rochas não contêm uma quantidade significativa de 40Ar ao
se formarem e, portanto, todo o 40Ar encontrado se deve ao decaimento de 40K. Se a razão entre o número de núcleos de 40K e o
número de núcleos de 40Ar em uma rocha é 1/3, qual é a idade da rocha?
A) 1,25 × 109 anos.
B) 2,50 × 109 anos.
C) 3,75 × 109 anos.
D) 5,00 × 109 anos.
E) Não é possível responder sem conhecer a quantidade inicial de 40K.

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 42-6
Objetivo do Aprendizado: 42.6.1

62. Acredita-se que um inseto encontrado em um pedaço de âmbar tenha cerca de 3 milhões de anos. Por que não é possível
confirmar essa estimativa usando a datação com radiocarbono?
A) Porque os insetos não contêm carbono.
B) Porque os insetos não contêm uma quantidade suficiente de carbono.
C) Porque a idade estimada do inseto é muito maior que a meia-vida do 14C.
D) Porque o 14C só começa a decair quando o inseto é retirado do âmbar.
E) Porque não é possível separar o 14C do âmbar do 14C do inseto.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-6
Objetivo do Aprendizado: 42.6.2
1 7 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

63. O becquerel é a unidade do SI usada para medir


A) a taxa de decaimento de um material radioativo.
B) a capacidade de um feixe de raios gama de produzir íons em um alvo.
C) a energia depositada pela radiação em um alvo.
D) os efeitos biológicos de uma radiação.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-7
Objetivo do Aprendizado: 42.7.1

64. O gray é a unidade do SI usada para medir


A) a taxa de decaimento de um material radioativo.
B) a capacidade de um feixe de raios gama de produzir íons em um alvo.
C) a energia depositada pela radiação em um alvo.
D) os efeitos biológicos de uma radiação.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-7
Objetivo do Aprendizado: 42.7.1

65. O sievert é a unidade do SI usada para medir


A) a taxa de decaimento de um material radioativo.
B) a capacidade de um feixe de raios gama de produzir íons em um alvo.
C) a energia depositada pela radiação em um alvo.
D) os efeitos biológicos de uma radiação.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-7
Objetivo do Aprendizado: 42.7.1

66. Um exame de mamografia expõe uma paciente a uma dose equivalente de 70 mrem. Qual é o valor correspondente em uni-
dades do SI?
A) 70 mGy
B) 70 Sv
C) 7,0 Gy
D) 0,70 Sv
E) 0,70 Gy

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 42-7
Objetivo do Aprendizado: 42.7.2

67. O modelo do núcleo no qual cada núcleon possui números quânticos bem definidos é conhecido como
A) modelo coletivo.
B) modelo quântico.
C) modelo da gota de líquido.
D) modelo das partículas independentes.
E) modelo das partículas nucleares.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 7 5

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-8
Objetivo do Aprendizado: 42.8.2

68. Os nuclídeos com um número de prótons ou de nêutrons igual a um número mágico


A) estão sujeitos a descaimentos alfa.
B) estão sujeitos a decaimentos beta.
C) estão sujeitos a decaimentos gama.
D) são particularmente estáveis.
E) estão sujeitos a reações de fissão.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 42-8
Objetivo do Aprendizado: 42.8.3
Capítulo 43
Objetivos do Aprendizado
OA 43.1.0 Resolver problemas relacionados à fissão nuclear.
OA 43.1.1 Saber a diferença entre a geração de calor por meio de reações químicas e de reações nucleares, embora os dois casos
envolvam uma perda de massa.
OA 43.1.2 Saber o que é o processo de fissão.
OA 43.1.3 Descrever o processo de fissão de um núcleo de 235U por um nêutron térmico e explicar o papel do núcleo composto
intermediário.
OA 43.1.4 No caso da absorção de um nêutron térmico, calcular a variação de massa do sistema e a energia transferida para as
oscilações do núcleo composto intermediário.
OA 43.1.5 Calcular o valor de Q de um processo de fissão a partir das energias de ligação por núcleon antes e depois da fissão.
OA 43.1.6 Conhecer o modelo de Bohr-Wheeler da fissão nuclear.
OA 43.1.7 Explicar por que o núcleo de 238U não pode ser fissionado por nêutrons térmicos.
OA 43.1.8 Conhecer o valor aproximado de energia (em MeV) resultante da fusão de um núcleo pesado em dois núcleos de massa
intermediária.
OA 43.1.9 Conhecer a relação entre o número de fissões por unidade de tempo e a rapidez com a qual a energia é liberada.

OA 43.2.0 Resolver problemas relacionados ao reator nuclear.


OA 43.2.1 Saber o que é uma reação em cadeia.
OA 43.2.2 Explicar o problema da fuga dos nêutrons, o problema da energia dos nêutrons e o problema da captura dos
nêutrons.
OA 43.2.3 Saber o que é o fator de multiplicação e como pode ser controlado.
OA 43.2.4 Saber o que são os regimes crítico, supercrítico e subcrítico.
OA 43.2.5 Saber o que é o tempo de resposta.
OA 43.2.6 Descrever o que acontece em um ciclo completo de nêutrons térmicos.

OA 43.3.0 Resolver problemas relacionados a um reator nuclear natural.


OA 43.3.1 Explicar quais são os indícios de que um reator nuclear natural operou no Gabão, África Ocidental, há cerca de 2 bilhões
de anos.
OA 43.3.2 Explicar por que, no passado remoto, um depósito de urânio natural podia atingir o regime crítico, ao passo que, hoje
em dia, isso seria impossível.

OA 43.4.0 Resolver problemas relacionados ao processo básico da fusão termonuclear.


OA 43.4.1 Saber o que é fusão termonuclear e por que é necessária uma temperatura extremamente elevada para que ela
aconteça.
OA 43.4.2 Conhecer a relação entre a temperatura e a energia cinética dos núcleos atômicos.
OA 43.4.3 Conhecer as duas razões pelas quais a fusão pode acontecer, mesmo que a energia cinética correspondente à velocidade
mais provável seja menor que a barreira de energia.

OA 43.5.0 Resolver problemas relacionados à fusão nuclear no Sol e em outras estrelas.


OA 43.5.1 Saber o que é o ciclo próton-próton que acontece no Sol.
OA 43.5.2 Explicar o que vai acontecer depois que o Sol consumir todo o hidrogênio.
OA 43.5.3 Explicar como foram formados, provavelmente, os elementos mais pesados que o hidrogênio e o hélio.

OA 43.6.0 Resolver problemas relacionados à fusão nuclear controlada.


OA 43.6.1 Conhecer os três requisitos de um reator de fusão.
OA 43.6.2 Conhecer o critério de Lawson.
OA 43.6.3 Saber a diferença entre confinamento magnético e confinamento inercial.

Questões de Múltipla Escolha


1. Os fragmentos de fissão em geral decaem emitindo
A) partículas alfa.
B) elétrons e neutrinos.
C) pósitrons e neutrinos.
D) apenas nêutrons.
E) apenas elétrons.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 7 7

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.0

2. Considere todos os eventos de fissão possíveis. Qual das afirmações a seguir é verdadeira?
A) Os fragmentos leves têm mais prótons que nêutrons e os fragmentos pesados têm mais nêutrons que prótons.
B) Os fragmentos pesados têm mais prótons que nêutrons e os fragmentos leves têm mais nêutrons que prótons.
C) Todos os fragmentos têm mais prótons que nêutrons.
D) Todos os fragmentos têm aproximadamente o mesmo número de prótons e nêutrons.
E) Todos os fragmentos têm mais nêutrons que prótons.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.0

3. Na série de decaimento do urânio,


A) a emissão de uma partícula b– aumenta de uma unidade o número de massa A e diminui de uma unidade o número atômico Z.
B) o elemento que está decaindo simplesmente ejeta elétrons.
C) a emissão de uma partícula a diminui de quatro unidades o número de massa A e diminui de duas unidades o número atômico Z.
D) o elemento que está decaindo simplesmente ejeta prótons.
E) os decaimentos continuam até se formar um elemento com oito elétrons na última camada.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.0

4. Considere as seguintes energias:


1. A energia mínima necessária para excitar um átomo de hidrogênio
2. A energia mínima necessária para ionizar um átomo de hidrogênio
3. A energia liberada pela fissão de um núcleo de 235U
4. A energia necessária para remover um nêutron de um núcleo de 12C
Coloque essas energias em ordem crescente.
A) 1, 2, 3, 4
B) 3, 4, 2, 1
C) 1, 2, 4, 3
D) 2, 1, 4, 3
E) 2, 4, 1, 3

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.1

5. Se o núcleo de um átomo de chumbo fosse dividido em duas partes iguais, a massa do conjunto seria
A) igual à massa do núcleo original.
B) maior que a massa do núcleo original.
C) menor que a massa do núcleo original.
D) totalmente convertida em radiação.
E) totalmente convertida em energia cinética.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
1 7 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.1

6. Quando um núcleo de 235U absorve um nêutron e sofre fissão, os fragmentos


A) são sempre 140Xe e 94Sr.
B) têm o mesmo número de massa.
C) nunca são 140Xe e 94Sr.
D) nunca têm o mesmo número de massa.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.2

7. Quando o 235U absorve um nêutron e sofre fissão, os produtos podem ser


A) 146Ba, 89Kr e um próton.
B) 146Ba, 89Kr e um nêutron.
C) 148Cs e 85Br.
D) 133I, 92Sr e uma partícula alfa.
E) dois núcleos de urânio.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.2

8. A energia de excitação fornecida ao núcleo por um nêutron térmico em um evento de fissão é praticamente igual
A) à energia térmica do nêutron.
B) à energia de ligação do nêutron.
C) à energia cinética do nêutron.
D) à energia de repouso do nêutron.
E) à energia potencial elétrica do nêutron.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.3

9. A tabela mostra o comportamento de quatro nuclídeos pesados ao absorverem um nêutron térmico; En é a energia de excitação
e Eb é a barreira de energia. Que grandeza, ou combinação de grandezas, representa a energia que contribui para as oscilações do
núcleo composto resultante?
Nuclídeo inicial Nuclídeo formado En(MeV) Eb(MeV) Fissão por nêutrons térmicos
U
235
U
236
6,5 5,2 Sim
U
238
U
239
4,8 5,7 Não
Pu
239
Pu
240
6,4 4,8 Sim
Am
243
Am
244
5,5 5,8 Não

A) En
B) Eb
C) En – Eb
D) Eb – En
E) Massa do nuclídeo inicial + Eb

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 7 9

Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.4

10. A energia de ligação por núcleon


A) aumenta em todos os eventos de fusão de elementos leves.
B) diminui em todos os eventos de fissão de elementos pesados.
C) permanece a mesma em todos os eventos de fissão.
D) permanece a mesma em todos os eventos de fusão.
E) diminui em todos os eventos de fusão de elementos leves.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.5

11. Quando um átomo de urânio sofre fissão ao absorver um nêutron, a energia liberada se deve
A) à oxidação do urânio.
B) à energia cinética do nêutron.
C) à radioatividade do núcleo de urânio.
D) à radioatividade dos produtos da fissão.
E) a um aumento da energia de ligação.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.5

12. A existência de uma barreira para a fissão se deve ao fato de que os possíveis fragmentos
A) se atraem por causa da interação forte.
B) se repelem por causa da interação eletromagnética.
C) produzem campos magnéticos.
D) possuem massas relativamente grandes.
E) atraem elétrons.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.6

13. Qual das reações a seguir representa uma reação de fissão que pode ser causada por nêutrons lentos?
A) 238U92 + 1n0 → 90Kr36 + 146Cs55 + 2H1 + 1n0
B) 239Pu94 + 1n0 → 96Sr38 + 141Ba56 + 31n0
C) 238U92 → 234Th90 + 4He2
D) 3H1 + 2H1 → 4He2 + 1n0
E) 107Ag47 + 1n0 → 108Ag47 → 108Cd48 + 0e–1

Resposta: B
Dificuldade: Média
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.7

14. O 235U pode ser fissionado por nêutrons térmicos, mas o mesmo não acontece com o 238U, porque
A) o nêutron possui uma energia de ligação menor no 236U.
B) o nêutron possui uma energia térmica maior no 236U.
C) a barreira para a fissão é menor no 239U.
D) a energia de ligação do nêutron é maior que a altura da barreira para a fissão no caso do 236U e menor no caso do 239U.
E) a energia de ligação do nêutron é menor que a altura da barreira para a fissão no caso do 236U e maior no caso do 239U.
1 8 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.7

15. A energia liberada na fissão de um núcleo de 235U é da ordem de


A) 200 eV
B) 7,6 MeV
C) 200 MeV
D) 760 MeV
E) 200 GeV

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-1
Objetivo do Aprendizado: 43.1.8

16. Para separar os isótopos de urânio, é preciso usar métodos físicos, e não químicos, porque
A) misturar outros produtos químicos com urânio é perigoso.
B) os isótopos têm as mesmas propriedades químicas.
C) os isótopos têm o mesmo número de nêutrons por núcleo.
D) o urânio natural contém apenas 0,7% de 235U.
E) o urânio é o elemento mais pesado encontrado na natureza.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.0

17. Qual dos seguintes componentes NÃO é necessário em um reator nuclear de fissão?
A) Moderador.
B) Combustível.
C) Sistema de resfriamento.
D) Barras de controle.
E) Acelerador.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.0

18. A energia dissipada nas torres de resfriamento das usinas nucleares


A) pode ser praticamente nula se o reator for bem projetado.
B) é sempre menor que a energia elétrica gerada.
C) é sempre maior que a energia elétrica gerada.
D) pode ser totalmente reciclada para produzir energia elétrica.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.0

19. Uma pequena quantidade de 235U não pode produzir uma explosão nuclear porque
A) o 235U não sofre fissão.
B) os nêutrons se movem depressa demais.
C) a energia liberada é muito pequena.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 8 1

D) o número de nêutrons que escapam é tão grande que não chega a haver uma reação em cadeia.
E) as colisões entre núcleos de 235U são insuficientes para iniciar uma reação em cadeia.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.2

20. Nos reatores nucleares comerciais, o combustível é concentrado em pastilhas, em vez de ser misturado com o moderador, para
reduzir a probabilidade de que
A) os nêutrons sejam capturados por núcleos de 238U.
B) os nêutrons escapem do vaso de contenção do reator.
C) dois nêutrons sejam absorvidos por um único núcleo de 235U.
D) os nêutrons sejam absorvidos pelas barras de controle.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.2

21. Um reator nuclear está funcionando em certo nível de potência, com fator de multiplicação unitário, quando as barras de con-
trole são usadas para reduzir a potência à metade do valor anterior. Após essa manobra, o fator de multiplicação é ajustado para
A) 1/4
B) 1/2
C) 1
D) 2
E) 4

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.3

22. Quando um reator nuclear está funcionando no regime subcrítico,


A) o número de eventos de fissão por unidade de tempo diminui com o tempo.
B) o número de eventos de fissão por unidade de tempo aumenta com o tempo.
C) os eventos de fusão produzem menos nêutrons que no estado crítico.
D) os eventos de fusão produzem mais nêutrons que no estado crítico.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.4

23. Quando um reator nuclear atinge a potência nominal,


A) as barras de controle são ajustadas para que o reator se mantenha no regime subcrítico.
B) as barras de controle são ajustadas para que o reator se mantenha no regime crítico.
C) o fluido moderador é removido.
D) as barras de controle são removidas.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.4
1 8 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

24. Se uma barra de controle é removida bruscamente do núcleo de um reator nuclear, o que controla o tempo de resposta (ou
seja, o tempo que a potência produzida pelo reator leva para aumentar)?
A) a velocidade da barra.
B) a rapidez com a qual os nêutrons são capturados pelos núcleos de urânio.
C) a taxa de emissão de nêutrons retardados pelos fragmentos de fissão.
D) a velocidade de circulação do fluido moderador.
E) o intervalo de tempo entre a captura de um nêutron e a fissão de um núcleo de urânio.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.5

25. A função das barras de controle de um reator nuclear é


A) aumentar a probabilidade de fissão reduzindo a velocidade dos nêutrons.
B) diminuir a energia dos nêutrons sem absorvê-los.
C) aumentar a capacidade dos nêutrons de causar fissões.
D) absorver nêutrons e assim diminuir o número de eventos de fissão.
E) fornecer a massa crítica para a reação de fissão.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.6

26. A função do moderador de um reator nuclear é


A) fornecer nêutrons para o processo de fissão.
B) aumentar a probabilidade de fissão reduzindo a velocidade dos nêutrons.
C) absorver a radiação gama para proteger os operários.
D) absorver nêutrons e assim diminuir o número de eventos de fissão.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.6

27. No processo de fissão induzida por nêutrons, os nêutrons retardados são emitidos
A) pelos fragmentos de fissão.
B) pelos núcleos de urânio, pouco antes de absorverem o nêutron responsável pela fissão.
C) pelos núcleos de urânio, pouco depois de absorverem o nêutron responsável pela fissão.
D) pelos núcleos do moderador.
E) pelas barras de controle.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-2
Objetivo do Aprendizado: 43.2.6

28. Qual foi a prova mais convincente de que um reator nuclear natural funcionou há dois bilhões de anos em uma jazida de
urânio da África?
A) o baixo teor de 235U no material retirado da jazida.
B) o baixo teor de 238U no material retirado da jazida.
C) a alta concentração de chumbo no material retirado da jazida.
D) a distribuição de isótopos de neodímio no material retirado da jazida.
E) os danos por radiação nas rochas próximas da jazida.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 8 3

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 43-3
Objetivo do Aprendizado: 43.3.1

29. Há dois bilhões de anos, um reator nuclear natural funcionou em uma jazida de urânio na África. Hoje em dia, isso não poderia
acontecer porque
A) o clima da Terra mudou.
B) todas as jazidas de urânio já foram exploradas.
C) a abundância isotópica 235U diminuiu com o passar do tempo.
D) as jazidas que restam de urânio contêm uma alta concentração de outros elementos.
E) a probabilidade de fissão do 235U por nêutrons lentos diminuiu com o passar do tempo.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 43-3
Objetivo do Aprendizado: 43.3.2

30. A energia de ligação por núcleon


A) aumenta em todos os eventos de fissão.
B) aumenta em alguns eventos de fusão e diminui em outros.
C) diminui em todos os eventos de fusão.
D) diminui em alguns eventos de fissão e aumenta em outros.
E) permanece a mesma em todos os eventos de fusão.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-4
Objetivo do Aprendizado: 43.4.0

31. Para se fundirem, dois núcleos precisam


A) ter uma energia cinética da ordem de milhares de elétrons-volts.
B) ter um número de massa maior que o do ferro.
C) ter mais nêutrons que prótons.
D) ser instáveis.
E) ter um número de núcleons que seja um número mágico.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-4
Objetivo do Aprendizado: 43.4.1

32. Qual das equações a seguir representa uma reação de fusão?


A) 238U92 + 1n0 → 90Kr36 + 146Cs55 + 2H1 + 1n0
B) 239Pu92 + 1n0 → 96Sr38 + 141Ba56 + 31n0
C) 238U92 → 234Th90 + 4He2
D) 3H1 + 2H1 → 4He2 + 1n0
E) 107Ag47 + 1n0 → 108Ag47 → 108Cd48 + 0e–1

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 43-4
Objetivo do Aprendizado: 43.4.1

33. A barreira para a fusão se deve ao fato de que dois núcleos


A) estão sujeitos à interação nuclear.
B) estão sujeitos à repulsão eletrostática.
1 8 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) estão sujeitos à repulsão magnética.


D) contêm nêutrons que se repelem.
E) estão cercados por uma nuvem de elétrons.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-4
Objetivo do Aprendizado: 43.4.3

34. São necessárias altas temperaturas para que ocorra a fusão termonuclear porque, em altas temperaturas,
A) os núcleos têm energia cinética suficiente para vencer a barreira para a fusão.
B) a probabilidade de que dois núcleos sofram uma colisão frontal é maior.
C) os átomos estão ionizados.
D) a dilatação térmica proporciona mais espaço aos núcleos.
E) o princípio de indeterminação é menos importante.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-4
Objetivo do Aprendizado: 43.4.3

35. A maior parte da energia produzida pelo Sol se deve


A) à fissão nuclear.
B) à fusão nuclear.
C) a reações químicas.
D) à contração gravitacional.
E) ao potencial elétrico induzido pelo campo magnético solar.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-5
Objetivo do Aprendizado: 43.5.0

36. A fusão nuclear no Sol está aumentando a quantidade de


A) hidrogênio.
B) hélio.
C) núcleons.
D) pósitrons.
E) nêutrons.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-5
Objetivo do Aprendizado: 43.5.1

37. A primeira reação do ciclo próton-próton é


A) 1H + 1H → 2H
B) 1H + 1H → 2H + e+ + ν
C) 1H + 1H → 2H + e– + ν
D) 1H + 1H → 2H + g
E) 1H + 1H → 3H + e– + ν

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-5
Objetivo do Aprendizado: 43.5.1
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 8 5

38. O ciclo próton-próton completo é equivalente à reação


A) 21H → 2H
B) 41H → 4H
C) 41H → 4H +4n
D) 41H + 2e– → 4He + 2ν + 6g
E) 41H + 2e+ → 4He + 2ν

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-5
Objetivo do Aprendizado: 43.5.1

39. A energia liberada em um ciclo próton-próton completo é, aproximadamente,


A) 3 keV
B) 30 keV
C) 3 MeV
D) 30 MeV
E) 300 MeV

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-5
Objetivo do Aprendizado: 43.5.1

40. O Sol tem hidrogênio suficiente para continuar a transformar hidrogênio em hélio por mais
A) um milhão de anos.
B) cinco milhões de anos.
C) cinco bilhões de anos.
D) cinco trilhões de anos.
E) cinco quatrilhões de anos.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-5
Objetivo do Aprendizado: 43.5.2

41. A fusão nuclear nas estrelas produz todos os elementos químicos com número de massa menor que
A) 56
B) 66
C) 70
D) 82
E) 92

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-5
Objetivo do Aprendizado: 43.5.3

42. Qual dos elementos químicos a seguir não é produzido por fusão termonuclear nas estrelas?
A) Carbono (Z = 6, A ≈ 12)
B) Silício (Z = 14, A ≈ 28)
C) Oxigênio (Z = 8, A ≈ 16)
D) Mercúrio (Z = 80, A ≈ 200)
E) Cromo (Z = 24, A ≈ 52)

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
1 8 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 43-5
Objetivo do Aprendizado: 43.5.3

43. Para uma reação de fusão nuclear controlada, são necessárias


A) uma alta concentração de partículas n e uma alta temperatura.
B) uma alta concentração de partículas n e uma baixa temperatura.
C) uma baixa concentração de partículas n e uma alta temperatura.
D) uma baixa concentração de partículas n e uma baixa temperatura.
E) uma alta concentração de partículas n e uma temperatura próxima do zero absoluto.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-6
Objetivo do Aprendizado: 43.6.1

44. Para aplicações práticas (geração de energia) estamos interessados em uma energia de desintegração Q que seja
A) positiva para reações de fusão e negativa para reações de fissão.
B) negativa para reações de fusão e positiva para reações de fissão.
C) negativa para reações de fusão e reações de fissão.
D) positiva para reações de fusão e reações de fissão.
E) o mais próximo possível de zero para reações de fusão e reações de fissão.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-6
Objetivo do Aprendizado: 43.6.1

45. O número de Lawson é 1020 s · m–3. No caso de uma concentração de dêuterons de 2 × 1021 m–3, qual é o tempo de confinamento
necessário para que um reator de fusão produza mais energia do que consome?
A) 16 ms
B) 50 ms
C) 160 ms
D) 250 ms
E) 20 s

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-6
Objetivo do Aprendizado: 43.6.2

46. Os tokamaks confinam plasmas usando


A) paredes de aço.
B) campos magnéticos.
C) lasers.
D) vácuo.
E) campos elétricos.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-6
Objetivo do Aprendizado: 43.6.3

47. Atualmente, a maioria dos projetos de confinamento magnético trabalha com a fusão
A) próton-próton.
B) próton-dêuteron.
C) dêuteron-dêuteron.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 8 7

D) dêuteron-tríton.
E) tríton-tríton.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-6
Objetivo do Aprendizado: 43.6.3

48. Comparada com a fusão em um tokamak, a fusão a laser trabalha com


A) uma concentração menor de partículas.
B) uma concentração maior de partículas.
C) um tempo de confinamento maior.
D) uma temperatura mais alta.
E) uma temperatura mais baixa.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-6
Objetivo do Aprendizado: 43.6.3

49. Atualmente, a maioria dos projetos de confinamento inercial trabalha com a fusão
A) próton-próton.
B) próton-dêuteron.
C) dêuteron-dêuteron.
D) dêuteron-tríton.
E) tríton-tríton.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-6
Objetivo do Aprendizado: 43.6.3

50. Na fusão a laser, a luz do laser


A) é emitida pelos núcleos durante a fusão.
B) é usada para induzir transições entre níveis de energia do núcleo.
C) é usada para induzir transições entre níveis de energia atômicos.
D) é usada para substituir os raios gama emitidos.
E) é usada para aquecer esferas de combustível.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 43-6
Objetivo do Aprendizado: 43.6.3
Capítulo 44
Objetivos do Aprendizado
OA 44.1.0 Resolver problemas relacionados às propriedades gerais das partículas elementares.
OA 44.1.1 Saber que existem muitas partículas elementares e que quase todas são instáveis.
OA 44.1.2 Saber que as mesmas equações usadas para estudar o decaimento dos nuclídeos radioativos podem ser aplicadas ao
decaimento das partículas elementares instáveis.
OA 44.1.3 Saber que o spin é o momento angular intrínseco das partículas elementares.
OA 44.1.4 Conhecer a diferença entre férmions e bósons e saber qual dos dois tipos de partículas obedece ao princípio de exclusão
de Pauli.
OA 44.1.5 Conhecer a diferença entre léptons e hádrons e saber quais são os dois tipos de hádrons.
OA 44.1.6 Saber o que são antipartículas e o que é aniquilação mútua de uma partícula e uma antipartícula.
OA 44.1.7 Saber a diferença entre a interação forte e a interação fraca.
OA 44.1.8 Aplicar as leis de conservação da carga elétrica, do momento linear, do momento angular e da energia para verificar se
uma reação entre partículas elementares é possível.

OA 44.2.0 Resolver problemas relacionados a léptons, hádrons e estranheza.


OA 44.2.1 Aplicar as leis de conservação da carga elétrica, do momento linear, do momento angular e da energia para verificar se
uma reação entre partículas elementares é possível.
OA 44.2.2 Para verificar se uma reação entre partículas elementares é possível, determinar se os números leptônicos são conser-
vados (exceto no caso dos neutrinos).
OA 44.2.3 Saber que existe um número quântico chamado número bariônico associado aos bárions.
OA 44.2.4 Para verificar se uma reação entre partículas elementares é possível, determinar se o número bariônico é conservado.
OA 44.2.5 Saber que existe um número quântico chamado estranheza associado a alguns bárions e mésons.
OA 44.2.6 Saber que a estranheza é conservada nas reações medidas pela interação forte, mas pode não ser conservada nas reações
mediadas por outras interações.
OA 44.2.7 Descrever o padrão conhecido como caminho óctuplo.

OA 44.3.0 Resolver problemas relacionados a quarks e partículas mensageiras.


OA 44.3.1 Saber que existem seis quarks.
OA 44.3.2 Saber que os bárions contêm três quarks, os mésons contêm um quark e um antiquark, e muitos desses hádrons são
estados excitados da mesma combinação de quarks.
OA 44.3.3 Conhecer a combinação de quarks correspondente a determinado hádron, e vice-versa.
OA 44.3.4 Saber o que são partículas virtuais.
OA 44.3.5 Conhecer a relação entre a violação da lei de conservação da energia por uma partícula virtual e o tempo de duração
dessa violação (uma versão do princípio de indeterminação).
OA 44.3.6 Saber quais são as partículas mensageiras da interação eletromagnética, da interação fraca e da interação forte.

OA 44.4.0 Resolver problemas relacionados à cosmologia.


OA 44.4.1 Saber que o universo começou com o Big Bang e está se expandindo até hoje.
OA 44.4.2 Saber que, por causa da expansão, todas as galáxias distantes estão se afastando da Via Láctea.
OA 44.4.3 Conhecer a lei de Hubble, que relaciona a velocidade de recessão v de uma galáxia distante à distância r da galáxia e à
constante de Hubble H.
OA 44.4.4 Usar a equação do efeito Doppler para relacionar o deslocamento Dl do comprimento de onda à velocidade de recessão
v de uma galáxia e ao comprimento de onda próprio l0 da luz emitida.
OA 44.4.5 Calcular a idade aproximada do universo a partir da constante de Hubble.
OA 44.4.6 Saber o que é a radiação cósmica de fundo e por que é importante para a cosmologia.
OA 44.4.7 Conhecer a razão pela qual os cientistas acreditam na existência da matéria escura.
OA 44.4.8 Conhecer os vários estágios da evolução do universo.
OA 44.4.9 Saber que a expansão do universo está sendo acelerada por uma propriedade desconhecida denominada energia escura.
OA 44.4.10 Saber que a energia total da matéria bariônica (prótons e nêutrons) é uma pequena fração da energia total do universo.

Questões de Múltipla Escolha


1. Qual das partículas a seguir é estável?
A) Nêutron
B) Próton
C) Píon
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 8 9

D) Múon
E) Káon

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.1

2. Uma partícula pode decair em partículas de energia de repouso maior,


A) se forem produzidas antipartículas.
B) se forem produzidos fótons.
C) se forem produzidos neutrinos.
D) se a partícula possuir energia cinética.
E) nunca.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.2

3. Uma partícula com momento angular de spin /2 é chamada de


A) lépton
B) hádron
C) férmion
D) bóson
E) elétron

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.4

4. Uma partícula com momento angular de spin  é chamada de


A) lépton
B) hádron
C) férmion
D) bóson
E) elétron

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.4

5. Um exemplo de férmion é o
A) fóton
B) píon
C) neutrino
D) káon
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.4
1 9 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

6. Um exemplo de bóson é o
A) fóton
B) elétron
C) neutrino
D) próton
E) nêutron

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.4

7. Todas as partículas de momento angular de spin /2


A) estão sujeitas à interação forte.
B) se movem à velocidade da luz.
C) obedecem ao princípio de exclusão de Pauli.
D) têm massa de repouso igual a zero.
E) possuem carga elétrica.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.4

8. Qual das afirmações a seguir está correta?


A) Todos os léptons são bósons.
B) Todos os hádrons são férmions.
C) Os mésons podem ser léptons ou bárions.
D) Os hádrons podem ser mésons ou bárions.
E) Os léptons podem ser mésons ou férmions.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.5

9. Se duas partículas, ao interagir, desaparecem e em seu lugar são observados apenas fótons. Pode-se concluir que as
partículas
A) eram mésons.
B) eram estranhas.
C) estavam sujeitas à interação forte.
D) eram léptons.
E) formavam um par do tipo partícula-antipartícula.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.6

10. Todos os léptons interagem por meio


A) da interação forte.
B) da interação fraca.
C) da interação eletromagnética.
D) da interação estranha.
E) Nenhuma das respostas anteriores.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 9 1

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.7

11. Um elétron está sujeito apenas


A) à interação eletromagnética e à interação fraca.
B) à interação forte e à interação fraca.
C) à interação eletromagnética e à interação gravitacional.
D) à interação eletromagnética, à interação gravitacional e à interação fraca.
E) à interação eletromagnética, à interação gravitacional e à interação forte.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.7

12. Um próton não pode decair em um nêutron, um pósitron e um neutrino do elétron porque isso seria uma violação da lei de
conservação
A) da carga.
B) do momento linear.
C) do momento angular.
D) da energia.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 44-1
Objetivo do Aprendizado: 44.1.8

13. Um lépton neutro não pode decair em dois neutrinos porque isso seria uma violação da lei de conservação
A) da energia.
B) do número bariônico.
C) do momento linear.
D) do momento angular.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.0

14. A reação p– + p → K– + S+ viola a lei de conservação


A) do número bariônico.
B) do número leptônico.
C) da estranheza.
D) do momento angular.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.0

15. Podemos distinguir os diferentes tipos de neutrinos usando como critério


A) a orientação do spin.
B) os léptons com os quais interagem.
1 9 2   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

C) os bárions com os quais interagem.


D) o número de fótons que emitem.
E) o número bariônico que possuem.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.1

16. Qual das partículas a seguir possui um número leptônico igual a zero?
A) e+
B) m+
C) ve
D) ν µ
E) p

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.2

17. Qual das partículas a seguir possui um número leptônico igual a +1?
A) e+
B) m+
C) m–
D) ν e
E) p

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.2

18. Se p+ representa um píon (que é um méson), m– representa um múon (que é um lépton), ve representa um neutrino do elétron
(que é um lépton) e vm representa um neutrino do múon (que é um lépton), qual dos decaimentos a seguir pode acontecer?
A) p+ → m– + vm
B) p+ → m+ + ve
C) p+ → m+ + ν e
D) p+ → m+ + ν µ
E) p+ → m+ + vm

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.2

19. Um nêutron não pode decair em um neutrino e um antineutrino porque isso seria uma violação da lei de conservação do
número bariônico e da lei de conservação
A) da energia.
B) do número leptônico.
C) da carga elétrica.
D) do momento linear.
E) do momento angular.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.2
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 9 3

20. A estabilidade do próton é uma consequência direta da combinação da lei de conservação da energia com a lei de con-
servação
A) do momento linear.
B) do momento angular.
C) do número bariônico.
D) do número leptônico.
E) da estranheza.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.4

21. Se dois bárions, ao interagir, desaparecem e em seu lugar são observados apenas píons, pode-se concluir que os bárions
A) tinham spins opostos.
B) eram partículas estranhas.
C) tinham sinais opostos.
D) formavam um par do tipo partícula-antipartícula.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.4

22. Quando o decaimento de um káon é mediado pela interação forte, um dos produtos do decaimento deve ser
A) um bárion.
B) um lépton.
C) uma partícula estranha.
D) um elétron.
E) um neutrino.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.6

23. A estranheza é conservada


A) em todos os decaimentos.
B) nos decaimentos mediados pela interação eletromagnética.
C) nos decaimentos mediados pela interação fraca.
D) nos decaimentos mediados pela interação forte.
E) nos decaimentos que conservam o spin.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.6

24. A reação p– + p → p– + S+ viola a lei de conservação


A) do número bariônico.
B) do número leptônico.
C) da estranheza.
D) do momento angular.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: C
Dificuldade: Média
1 9 4   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.6

25. Se, em um decaimento mediado pela interação forte, um bárion de estranheza –1 decai em duas partículas, uma das quais é
um bárion de estranheza 0, a outra partícula é
A) um bárion de estranheza 0.
B) um bárion de estranheza +1.
C) um méson de estranheza –1.
D) um méson de estranheza +1.
E) um méson de estranheza 0.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.6

26. Se, em um decaimento mediado pela interação forte, um bárion de estranheza 0 decai em duas partículas, uma das quais é um
bárion de estranheza +1, a outra partícula é
A) um bárion de estranheza 0.
B) um bárion de estranheza +1.
C) um bárion de estranheza –1.
D) um méson de estranheza +1.
E) um méson de estranheza –1.

Resposta: E
Dificuldade: Média
Módulo: 44-2
Objetivo do Aprendizado: 44.2.6

27. Todos os quarks e antiquarks conhecidos


A) têm uma carga que é um múltiplo de e e um número bariônico que é um número inteiro.
B) têm uma carga que é um múltiplo de e e um número bariônico que pode ser +1/3 ou –1/3.
C) têm uma carga que é um múltiplo de e/3 e um número bariônico que é um número inteiro.
D) têm uma carga que é um múltiplo de e/3 e um número bariônico que pode ser +1/3 ou –1/3.
E) têm uma carga que é um múltiplo de 2e/3 e um número bariônico que pode ser +1/3 ou –1/3.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

28. O número bariônico de um quark é


A) 0
B) –1/3
C) 1/3
D) 2/3
E) 1

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

29. As quatro interações básicas são as seguintes, em ordem crescente de força:


A) gravitacional, fraca, eletromagnética e forte.
B) gravitacional, eletromagnética, fraca e forte.
C) fraca, gravitacional, eletromagnética e forte.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 9 5

D) fraca, eletromagnética, gravitacional e forte


E) eletromagnética, gravitacional, fraca e forte

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

30. As duas interações básicas que têm alcance finito são as interações
A) eletromagnética e gravitacional.
B) eletromagnética e forte.
C) eletromagnética e fraca.
D) gravitacional e fraca.
E) fraca e forte.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

31. Se um processo produz bárions que decaem com um tempo de vida de 4 × 10–24 s, isso significa que o bárion decai por meio
A) da interação gravitacional.
B) da interação fraca.
C) da interação eletromagnética.
D) da interação forte.
E) de uma combinação das interações anteriores.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

32. Se um processo produz mésons que decaem com um tempo de vida de 6 × 10–10 s, isso significa que o méson decai por meio
A) da interação gravitacional
B) da interação fraca
C) da interação eletromagnética
D) da interação forte
E) de uma combinação das interações anteriores

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

33. Em comparação com o tempo de vida das partículas que decaem através da interação fraca, o tempo de vida das partículas
que decaem através da interação forte é
A) 1012 vezes menor
B) 1023 vezes menor
C) 1024 vezes maior
D) 1012 vezes maior
E) da mesma ordem

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0
1 9 6   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

34. Um quark down pode ser transformado em um quark up


A) pela interação gravitacional.
B) pela interação fraca.
C) pela interação eletromagnética.
D) pela interação forte.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

35. A teoria das cores explica por que os quarks


A) são encontrados apenas em grupos de dois e de três.
B) possuem uma carga de 2e/3 ou –e/3.
C) possuem spin.
D) possuem massa.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

36. As únicas partículas que possuem cor são os


A) quarks.
B) léptons.
C) quarks e léptons.
D) quarks e glúons.
E) fótons e glúons.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.0

37. Quantos sabores diferentes de quarks existem (sem contar os antiquarks)?


A) 1
B) 3
C) 6
D) 12
E) 18

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.1

38. Os quarks estão presentes


A) em todas as partículas.
B) em todos os léptons.
C) em todos os hádrons.
D) apenas nas partículas estranhas.
E) apenas nos mésons.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 9 7

Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.2

39. Todo méson é uma combinação de


A) três quarks.
B) dois quarks e um antiquark.
C) um quark e dois antiquarks.
D) um quark e um antiquark.
E) dois quarks.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.2

40. Todo bárion é uma combinação de


A) três quarks.
B) dois quarks e um antiquark.
C) um quark e dois antiquarks.
D) um quark e um antiquark.
E) dois quarks.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.2

41. O quark up (u) tem carga +2e/3 e estranheza 0; o quark down (d) tem carga –e/3 e estranheza 0; o quark estranho (s) tem carga
–e/3 e estranheza –1. Isso significa que não pode existir um bárion
A) com carga 0 e estranheza 0.
B) com carga –e e estranheza –1.
C) com carga +e e estranheza –1.
D) com carga +e e estranheza –2.
E) com carga 0 e estranheza –2.

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.2

42. O quark up (u) tem carga +2/3 e estranheza 0; o quark down (d) tem carga –1/3 e estranheza 0; o quark estranho (s) tem carga
–1/3 e estranheza –1. Isso significa que não pode existir um méson
A) com carga 0 e estranheza –1.
B) com carga –1 e estranheza –1.
C) com carga +1 e estranheza –1.
D) com carga –1 e estranheza +1.
E) com carga 0 e estranheza +1.

Resposta: C
Dificuldade: Média
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.2

43. A composição de quarks de um próton é


A) uuu
B) uud
C) udd
1 9 8   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

D) ddd
E) uds

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.3

44. A composição de quarks de um méson p+ é


A) uu
B) uu
C) ud
D) ud
E) dd

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.3

45. Em termos de quarks, a equação do decaimento beta de um nêutron assume a forma


A) udd → uud + e– + ν
B) udd → udd + dd + n
C) udd → udd + dd + e–
D) udd → uud + ud + n
E) udd → uud+ e+ + ν

Resposta: A
Dificuldade: Média
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.3

46. A massa do bóson W é 80 GeV/c2. Um bóson W virtual é criado nos decaimentos beta. Qual é o tempo máximo durante o qual
o bóson W pode existir sem que seja violada a lei de conservação da energia?
A) 8 × 10–54 s
B) 8 × 10–45 s
C) 8 × 10-36 s
D) 8 × 10-27 s
E) 8 × 10-18 s

Resposta: D
Dificuldade: Média
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.5

47. As partículas mensageiras da interação eletromagnética recebem o nome de


A) glúons.
B) fótons.
C) W e Z.
D) grávitons.
E) píons.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.6
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   1 9 9

48. As partículas mensageiras da interação forte recebem o nome de


A) glúons.
B) fótons.
C) W e Z.
D) grávitons.
E) píons.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.6

49. As partículas mensageiras da interação fraca recebem o nome de


A) glúons.
B) fótons.
C) W e Z.
D) grávitons.
E) píons.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-3
Objetivo do Aprendizado: 44.3.6

50. Se a matéria escura não existisse, é provável que


A) o universo se expandisse para sempre.
B) o universo logo começasse a se contrair.
C) o céu noturno fosse mais claro.
D) o céu noturno fosse mais escuro.
E) pudéssemos ver o centro do universo.

Resposta: A
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.0

51. A lei de Hubble é uma indicação de que


A) a velocidade da luz está aumentando.
B) o universo está se expandindo.
C) a velocidade orbital da Terra está diminuindo.
D) as galáxias possuem um movimento de rotação.
E) Nenhuma das respostas anteriores.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.3

52. Os astros estão se afastando da Terra a uma velocidade que é


A) inversamente proporcional à distância da Terra.
B) inversamente proporcional ao quadrado da distância da Terra.
C) proporcional à distância da Terra.
D) proporcional ao quadrado da distância da Terra.
E) proporcional à distância do centro do universo.

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
2 0 0   M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R

Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.3

53. Uma galáxia situada a 200 Mpc de distância da Terra tem uma velocidade de recessão de 14.000 km/s. Se a galáxia emitir
uma radiação com um comprimento de onda de 121 nm, qual será o deslocamento do comprimento de onda para um obser-
vador terrestre?
A) 5,7 × 10-12 m
B) 5,7 × 10-10 m
C) 5,7 × 10–9 m
D) 5,7 × 10–7 m
E) 5,7 × 10–6 m

Resposta: C
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.4

54. A velocidade de galáxias muito distantes indica que o tempo que se passou desde o Big Bang é da ordem de
A) 105 anos.
B) 1010 anos.
C) 1015 anos.
D) 1020 anos.
E) 1025 anos.

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.5

55. A intensidade da radiação cósmica de fundo, uma relíquia do Big Bang,


A) é maior na direção do centro da galáxia.
B) é menor na direção do centro da galáxia.
C) é inversamente proporcional à distância da Terra.
D) é diretamente proporcional ao quadrado da distância da Terra.
E) é praticamente igual em todas as direções.

Resposta: E
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.6

56. Em consequência do Big Bang, além da radiação cósmica de fundo, o universo apresenta uma distribuição uniforme de
A) elétrons.
B) quarks.
C) glúons.
D) neutrinos.
E) átomos.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.6

57. A existência da matéria escura é sugerida pelo fato de que


A) o céu é escuro entre as estrelas.
B) o período orbital das estrelas aumenta com a distância do centro da galáxia a que pertencem.
C) o período orbital das estrelas diminui com a distância do centro da galáxia a que pertencem.
M A T E R I A L S U P L E M E N T A R P A R A A C O M P A N H A R   2 0 1

D) o período orbital das estrelas varia muito pouco com a distância do centro da galáxia a que pertencem.
E) todas as galáxias têm aproximadamente a mesma massa.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.7

58. Que descoberta inesperada, em 1998, mudou radicalmente nossas ideias a respeito do futuro do universo?
A) A descoberta de que existe uma radiação cósmica de fundo.
B) A descoberta de que o universo está se expandindo desde o Big Bang.
C) A descoberta de que a velocidade de expansão do universo está diminuindo.
D) A descoberta de que a velocidade de expansão do universo está aumentando.
E) A descoberta de que existe um tipo invisível de matéria, conhecido como matéria escura.

Resposta: D
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.9

59. Os cientistas estimam que a matéria bariônica (prótons e nêutrons) constitui que porcentagem da energia total do universo?
A) Cerca de 1%
B) Cerca de 4%
C) Cerca de 23%
D) Cerca de 73%
E) Quase 100%

Resposta: B
Dificuldade: Fácil
Módulo: 44-4
Objetivo do Aprendizado: 44.4.10