Você está na página 1de 116

www.direitoria.

net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 1

CONTABILIDADE
GERAL
Sérgio Luiz Ramos

e-mail: leaoramos@bol.com.br

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 2

ÍNDICE:

Capítulo 1

Capítulo 2

Capítulo 3

Capítulo 4

Capítulo 5

Capítulo 6

Capítulo 7

Capítulo 8

Capítulo 9

Capítulo 10

Capítulo 11
Capítulo 12

Capítulo 13

Capítulo 14

Capítulo 15

Capítulo 16

Capítulo 17

Capítulo 18

Capítulo 19

Capítulo 20

Capítulo 21

Capítulo 22

Capítulo 23

O que é Contabilidade

Patrimônio

Contas do Ativo e Passivo

Razonete e Balancete

Capital Social

A Constituição e o Tipo de Sociedade

Regime de Competência e Regime de Caixa

Plano de Contas

Atos e Fatos Administrativos

Lançamentos Contábeis

Folha de Pagamento

EXERCÍCIOS 01 A 08 ..............................................
Operações com Mercadorias (sem tributos)

Operações com Mercadorias (com tributos)

Provisão para Devedores Duvidosos

Outras Provisões

Depreciação e Amortização

Duplicatas Descontadas

Patrimônio Líquido

EXERCÍCIOS 09 A 14 ..............................................

Aplicações Financeiras e Empréstimos

Demonstrações Financeiras

Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos

Demonstração de Fluxo de Caixa

Princípios Fundamentais de Contabilidade

BIBLIOGRAFIA E SITES INDICADOS .......................

Pág. 04

Pág. 05

Pág. 06

Pág. 11

Pág. 12

Pág. 13

Pág. 14

Pág. 15

Pág. 17

Pág. 20
Pág. 26

Pág. 29

Pág. 39

Pág. 40

Pág. 46

Pág. 47

Pág. 49

Pág. 52

Pág. 53

Pág. 57

Pág. 63

Pág. 65

Pág. 68

Pág. 69

Pág. 76

Pág. 77

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 3

CAPÍTULO 1 – O QUE É CONTABILIDADE?

“ A Contabilidade é uma ciência que permite, através de suas técnicas, manter


um

controle permanente do Patrimônio da empresa” – Osni Moura Ribeiro,


Contabilidade

Básica, Editora Saraiva.


“ É a ciência ( ou técnica, segundo alguns) que estuda, controla e interpreta os
fatos

ocorridos no patrimônio das entidades, mediante o registro, a demonstração


expositiva e

a revelação desses fatos com o fim de oferecer informações sobre a composição


do

patrimônio, suas variações e o resultado econômico decorrente da gestão da


riqueza

patrimonial.” Hilário Franco, Contabilidade Geral, Editora Atlas.

Objeto: é o patrimônio das entidades econômico-administrativas;

Objetivo: é permitir o estudo e o controle dos fatos decorrentes da gestão


patrimonial

das entidades econômico-administrativas;

Finalidade: é a obtenção de informações econômicas e financeiras acerca


das

entidades.

Livros de Escrituração:

a) quanto à utilidade: Principais – Diário e Razão, onde são registrados todos


eventos;

Auxiliares – Livro Caixa, Contas Correntes, Registro de Duplicatas, entre outros


livros

fiscais;

b) quanto à natureza: Cronológicos (tempo) e Sistemáticos, onde são


registrados

eventos da mesma natureza. Ex.: todos os livros de escrituração, exceto o


Diário;
c) quanto à finalidade: Obrigatórios (Diário, Razão, Registro de Duplicatas e
LALUR) e

Facultativos (Caixa e Contas Correntes);

d) quanto às formalidades: intrínsecas – sem razuras, sem emendas ou


borrões, não

conter linhas em branco, nem entrelinhas ou margens, observar a ordem


cronológica,

seguir o método das partidas dobradas e escriturar em moeda e idioma


nacionais;

extrínsecas – termos de abertura e encerramentos lavrados, registro nos


órgãos

competentes (Juntas Comerciais ou Cartórios) e ter suas folhas numeradas

tipograficamente

Os livros contábeis principais onde são escriturados os fatos administrativos que


ocorrem

na Empresa, são: Diário, Razão, Caixa e Contas-Correntes. No entanto, estão

desobrigadas a manterem a escrituração comercial, o pequeno comerciante e as

Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

As Microempresas e as Empresas de Pequeno Porte estão dispensadas de


escrituração

comercial exceto os livros Caixa e Inventário que são obrigatórios, como


também, não

ficam dispensadas das obrigações acessórias previstas nas legislações


previdenciária e

trabalhista.

www.direitoria.net
Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 4

CAPÍTULO 2 – PATRIMÔNIO

O controle do patrimônio de uma empresa é feito mediante o registro dos fatos

administrativos com a utilização de técnicas contábeis.

O patrimônio é representado pelo conjunto de bens, direitos e obrigações.

Os bens, são coisas que satisfazem às necessidades humanas suscetíveis de


valor

que podem ser de uso, consumo e troca. São classificados em materiais, ou


seja, são

bens corpóreos ou tangíveis, e imateriais, também chamados de bens


incorpóreos ou

intangíveis, ou seja, aqueles que não possuem uma constituição física (bens
abstratos).

Exemplos de bens imateriais: Despesa de Organização, Benfeitorias em Bens


de

Terceiros, Marcas e Patentes, Fundo de Comércio.

Direitos, são valores que a empresa têm a receber de terceiros. Exemplos:

Duplicatas a Receber, Promissórias a Receber, etc.

Obrigações, são valores que a empresa deve a terceiros, tais como: Duplicatas
a

Pagar, Promissórias a Pagar, etc.

Quanto ao aspecto qualitativo e quantitativo do patrimônio, deve-se ressaltar que


o

primeiro aspecto consiste em dar nomes aos elementos, enquanto que o


segundo

aspecto consiste em atribuir valores aos elementos.


Segundo o Método das Partidas Dobradas, a cada débito corresponde a um
crédito

de igual valor, isto é, há sempre uma contrapartida entre os elementos lançados.

O Patrimônio de uma empresa é representado graficamente, no lado esquerdo,

pelo Ativo que corresponde a aplicação dos recursos, e, no lado direito, pelo
Passivo que

representa as origens dos recursos, isto é, de onde provém os recursos, sejam


de capital

de terceiros ou de capital próprio.

Através da fórmula: SL = A – P, a situação líquida pode ser apresentada da

seguinte maneira:

A > P situação líquida positiva ou superavitária;

A < P situação líquida negativa ou deficitária, conhecida também como Passivo


a

Descoberto;

A = P situação líquida nula.


BENS

DIREITOS

OBRIGAÇÕES

SITUAÇÃO

LÍQUIDA

ATIVO

PASSIVO

PATRIMÔNIO

LÍQUIDO

www.direitoria.net
Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 5

Tecnicamente, o débito e o crédito pode ser conceituado da seguinte maneira:

Débito: aumento do Ativo, redução do Passivo e registro das despesas (registro


das

aplicações dos recursos);

Crédito: aumento do Passivo, redução do Ativo e registro das receitas ( registra


as

origens dos recursos).

DÉBITO: CRÉDITO:

CRÉDITO: DÉBITO:

As contas são classificadas em: Contas Patrimoniais e Contas de Resultado.

As Contas Patrimoniais são as que compõem os elementos do Patrimônio

(bens, direitos, obrigações e patrimônio líquido), enquanto que as Contas de


Resultado

são representadas pelas despesas e receitas provocando variações no


Patrimônio

Líquido.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

1.1) Complete:

a) O patrimônio é representado pelo conjunto de:

____________________________;

b) Os bens são classificáveis em: ___________ e ______________.

1.2) Qual a diferença entre Direitos e Obrigações?

1.3) Como é representado graficamente o Patrimônio de uma empresa?

1.4) O que é Método das Partidas Dobradas?


1.5) O que significa Passivo a Descoberto?
BENS E DIREITOS

OBRIGAÇÕES

PATR. LIQUIDO

ENTRADA / AUMENTO SAÍDA / REDUÇÃO

ENTRADA / AUMENTO SAÍDA / REDUÇÃO

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 6

1.6) Qual a diferença entre Débito e Crédito?

1.7) De que forma são classificadas as Contas?

CAPÍTULO 3 - CONTAS DO ATIVO E PASSIVO

Segundo o artigo 178 da Lei 6.404/76, o Ativo é classificado nos seguintes


grupos:

Ativo Circulante, Realizável a Longo Prazo, Ativo Permanente (Investimentos,


Imobilizado

e Diferido); o Passivo é classificado nos seguintes grupos: Passivo Circulante,


Exigível a

Longo Prazo, Resultado de Exercícios Futuros e Patrimônio Líquido ( Capital


Social,

Reservas e Lucros ou Prejuízos Acumulados). As contas do Ativo e do Passivo


estão

classificadas por ordem decrescente do grau de liquidez.

Ativo Circulante: é constituído pelas Disponibilidades, Direitos a curto prazo,

Estoque e Despesas Antecipadas. São bens e direitos com alto grau de liquidez.

Realizável a Longo Prazo: são direitos que vencem após o término do exercício

seguinte ( após 365 dias).


Ativo Permanente, subgrupo Investimentos: são contas que representam

participações permanentes da empresa em outras sociedades ( coligadas ou

controladas), não destinados a sua manutenção.

Investimentos:

A Lei n.º 6.404/64 ( art. 183 e 247 § único ) estabelece dois critérios para
avaliação

dos investimentos: avaliação pelo custo de aquisição e avaliação pela


Equivalência

Patrimonial.

Exemplo: Suponhamos que a empresa A participe do Capital da empresa B, cujo

investimento é de R$ 180.000 ( 30% x R$ 600.000).

- O investimento da empresa A na coligada empresa B corresponde a 30% do


Capital

desta;

- O Patrimônio Líquido da empresa B em 31/12 do exercício anterior foi de R$


600.000;

- O Patrimônio Líquido da empresa B em 31/12 do exercício atual é de R$


850.000.

Empresa A = 30% da empresa B ⇒ R$ 850.000 x 30% = R$ 255.000

Custo de aquisição da empresa A: R$ 180.000

R$ 255.000 (ex. atual) – R$ 180.000 (ex. anterior) = R$ 75.000 (Receita)

Contabilização da empresa A:

Participação em Coligadas

a Receitas de Participações Societárias – R$ 75.000

www.direitoria.net
Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 7

Recebimentos dos Dividendos pela empresa A:

Caixa

a Participação em coligadas

Empresas coligadas: É quando uma empresa participa com 10% ou mais do


Capital da

outra, sem controlá-la;

Empresas controladas: É quando a empresa controladora, diretamente ou


através de

outras empresas controladas, é titular de direitos de sócios que lhe assegurem,


de modo

permanente, a preponderância nas deliberações sociais e o poder de eleger a


maioria dos

administradores.

Ativo Permanente, subgrupo Imobilizado: são contas representadas por bens

materiais e imateriais de permanência duradoura, destinados à manutenção das

atividades normais da empresa.

Os itens classificados na categoria de ativo imobilizado incluem:

Bens tangíveis, que têm um corpo físico, tais como terrenos, obras civis,
máquinas,

móveis,, veículos, benfeitorias em propriedades arrendadas, direitos sobre


recursos

naturais etc.

b) Bens intangíveis , cujo valor reside não em qualquer propriedade fisica, mas
nos
direitos de propriedade que são legalmente conferidos aos seus possuidores,
tais como

patentes, direitos autorais, marcas etc.

Integram o imobilizado os recursos aplicados ou já destinados a bens da


natureza citada,

mesmo que ainda não em operação, mas que se destinam a tal finalidade, tais
como

construções em andamento, importações em andamento, adiantamentos para


inversões

fixas etc. As contas do ativo imobilizado são contas que devem ter seus saldos
corrigidos

monetariamente, de acordo com índices de desvalorização da moeda nacional.


Deve-se

observar que o saldo resultante da correção monetária não representa o valor


atual de

mercado do bem, mas apenas o seu valor corrigido, em função da


desvalorização do

poder aquisitivo da moeda nacional.

Ativo Permanente, subgrupo Diferido: são despesas que irão beneficiar a


formação

de mais de um resultado do exercício. Exemplo: Despesa de Organização. Os


ativos

diferidos caracterizam-se por serem ativos intangíveis, que serão amortizados


por

apropriação às despesas operacionais, no período de tempo em que estiverem

contribuindo para a formação do resultado da empresa. Compreendem


despesas
incorridas durante o período de desenvolvimento, construção e implantação de
projetos,

anterior ao seu início de operação, aos quais tais despesas estão associadas,
bem como

as incorridas com pesquisas e desenvolvimento de produtos, com implantação


de projetos

mais amplos de sistemas e métodos, com reorganização da empresa e outros,


desde

que, sempre, haja razoável segurança da realização futura desses saldos


diferidos

através de receitas que venham cobrir custos e despesas futuras e gerem


margem para

atender a amortização desses diferidos e a depreciação dos bens do imobilizado

correspondente.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 8

Passivo Circulante: são obrigações a curto prazo vencíveis no exercício


seguinte.

Passivo Exigível a Longo Prazo: são obrigações que vencem após o término do

exercício seguinte (após 365 dias ).

Resultado de Exercícios Futuros: são receitas diferidas, ou seja, receitas


recebidas

antecipadamente diminuídas de seus custos ou despesas correspondentes.

Resultado de Exercícios Futuros:

Os recebimentos antecipados só figurarão nos Resultado de Exercícios Futuros,

caso não haja devolução por parte da empresa.


Nos casos de Adiantamentos (Ex. de Clientes), em que há risco de devolução,

figurarão no grupo Passivo Exigível.

Exemplo de REF: Aluguel Recebido Antecipadamente, cujo contrato estabeleça

não reembolso até o término do contrato.

Patrimônio Líquido: é o capital próprio da empresa classificado em: Capital


Social,

Reservas (Lucros, Capital e Reavaliação) e Lucros ou Prejuízos Acumulados.

Balanço Patrimonial: demonstra a situação patrimonial e financeira da empresa

qualitativa e quantitativamente num determinado período de tempo.

MEMORIZAR:
Débito Crédito

ATIVO PASSIVO

Ativo Circulante

Realizável a Longo Prazo

Ativo Permanente

Investimento

Imobilizado

Diferido

Passivo Circulante

Exigível a Longo Prazo

Resultado de Exercícios Futuros

Patrimônio Líquido

Capital

Reservas (Capital, Lucros e

Reavaliação)

Lucros ou Prejuízos Acumulados

Total do Ativo Total do Passivo

RESULTADO DO EXERCÍCIO:
DESPESAS RECEITAS

NOTA: Os critérios sobre avaliação de investimentos fazem parte da Contabilidade Avançada.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 9

Exercício de Fixação:

2.1) Selecione as colunas abaixo:

a) Ativo Circulante

b) Passivo Circulante

c) Realizável a Longo Prazo

d) Exigível a Longo Prazo

e) Patrimônio Líquido

f) Resultado de Exercícios Futuros

g) Investimentos – AP

h) Imobilizado – AP

i) Diferido - AP

Direitos com vencimentos após o término do exercício seguinte .................. ( )

Capital Próprio ................................................................................................ ( )

Receitas Diferidas ........................................................................................... ( )

Gastos que irão beneficiar mais de um resultado do exercício ...................... ( )

São bens e direitos com alto grau de liquidez ................................................. ( )

Obrigações a curto prazo ..................................................................................( )

Representam participações em outras empresas ............................................ ( )

Obrigações com vencimentos após o término do exercício seguinte .............. ( )

Representam bens destinados à manutenção das atividades da empresa ..... ( )

www.direitoria.net
Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 10

CAPÍTULO 4 – RAZONETE E BALANCETE

Razonete: Denominado gráfico em “T” ou conta em “T”, corresponde à redução


da Conta

do Razão.

Dos quatro livros utilizados pela Contabilidade (Diário, Razão, Caixa e Contas
Correntes)

o Razão é o mais importante sob o ponto de vista contábil, pois através dele se
controla

separadamente o movimento de cada conta. O controle individualizado das


contas é

importante para se conhecer os seus saldos e elaborar demonstrações


contábeis, como

Balancetes, Balanços e outras.

Para entender melhor o raciocínio contábil, adotou-se didaticamente a utilização


da conta

em “T”, conforme demonstrado abaixo:

RAZONETE:

NOME DA CONTA

DÉBITO

ATIVO

DESPESA

CRÉDITO

PASSIVO

RECEITA
BALANCETE: é uma relação de contas extraídas do livro Razão ( ou dos
Razonetes)

com seus saldos devedores e credores, conforme demonstrado a seguir:

CONTAS DEVEDOSRA LDCOR EDOR

Caixa 10.000

Veículos 8.000

Estoque de Mercadorias 5.000

Duplicatas a Receber 6.200

Capital 16.000

Duplicatas a Pagar 9.200

Lucros 4.000

TOTAL 29.200 29.200

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 11

CAPÍTULO 5 - CAPITAL SOCIAL

Capital: é a conta que registra os recursos, sejam eles em dinheiro ou em bens,


que os

sócios colocam à disposição da empresa através do Contrato Social que fixa seu
valor

expresso em moeda corrente do país. O Capital pode sofrer alterações por meio
de

integralização de lucros ou reservas ou com a inclusão de novos recursos.

Capital Social: é o valor constante no Contrato Social e que constitui o Capital


da

empresa, registrado na Junta Comercial;


Capital Subscrito: é o valor que corresponde aos recursos que os sócios se

comprometem a entregar;

Capital Realizado: é o capital subscrito diminuído da parcela ainda a


integralizar, ou seja,

é o cumprimento do Contrato firmado pêlos sócios;

Capital a Integralizar: é o capital a realizar;

Capital Autorizado: é o limite máximo que o Capital poderá atingir, sem que
haja

alteração do estatuto;

Capital Próprio: é igual ao patrimônio líquido ( valores não exigíveis). É igual ao


Capital

Social mais as variações patrimoniais ( positivas ou negativas );

Capital de Terceiros: representa investimentos feitos na empresa com recursos


de

terceiros (valores exigíveis).

Reservas de Capital: são os valores que excedem ao Capital realizado,


fazendo parte do

Patrimônio Líquido.

Tipos de Reservas:

As Reservas de Capital são assim constituídas:

- Reserva de Ágio das Ações;

- Alienação de Debêntures;

- Alienação de Partes Beneficiárias;

- Doações e Subvenções e

- Correção Monetária do Capital (revogada).


www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 12

CAPÍTULO 6 – A CONSTITUIÇÃO E OS TIPOS DE SOCIEDADE

O nascimento de uma Pessoa Jurídica ou Empresa, se faz através do

registro na Junta Comercial do Estado, na Secretaria da Receita Federal, na


Secretaria da

Fazenda do Estado, na Prefeitura Municipal em que se encontra a Empresa, na

Previdência Social e na Delegacia Regional do Trabalho. Além disso,


dependendo do

ramo da Empresa, há a necessidade de registrar ou solicitar a expedição de


alvarás em

outros órgãos.

Os livros fiscais mais comuns são:

- Registro de Entradas;

- Registro de Saídas;

- Registro de Controle de Produção e Estoque;

- Registro de Selo Especial de Controle;

- Registro de Impressão de Documentos Fiscais;

- Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências;

- Registro de Inventário;

- Registro de Apuração do IPI;

- Registro de Apuração do ICMS;

- Livro de Apuração do Lucro Real LALUR.

Os livros sociais exigidos pela Lei das S/A’s, conforme artigo 100 da Lei n.º 6.404/76,
são:
- Livro de Registro de Ações Nominativas;

- Livro de Registro de Ações Endossáveis;

- Livro de Transferência de Ações Nominativas;

- Livro de Registro de Partes Beneficiárias Nominativas;

- Livro de Transferência de Partes Beneficiárias Nominativas;

- Livro de Registro de Partes Beneficiárias Endossáveis;

- Livro de Registro de Debêntures Endossáveis;

- Livro de Registro de Bônus de Subscrição Endossáveis;

- Livro de Atas das Assembléias Gerais;

- Livro de Presença dos Acionistas;

- Livro de Atas das Reuniões do Conselho de Administração;

- Livro de Atas das Reuniões da Diretoria;

- Livro de Atas e Pareceres do Conselho Fiscal.

Tipos de Sociedades:

Empresa Individual: È constituída somente por uma pessoa física, sendo sua

responsabilidade ilimitada em relação aos atos praticados na Empresa;

Sociedade em nome coletivo: Formada por duas ou mais pessoas, cuja

responsabilidade dos sócios é solidária e ilimitada em relação as obrigações


assumidas

pela Sociedade;

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 13

Sociedade por Quotas de Responsabilidade Limitada: A responsabilidade


dos sócios

é solidária e limitada ao valor do Capital Social dividido em quotas;


Sociedade Anônima: É regido pela Lei n.º 6.404/76, cuja responsabilidade dos
sócios é

limitada ao Capital dividido em Ações. A Sociedade Anônima pode ser


classificada no

Mercado Aberto, participando do mercado de ações da Bolsa de Valores ou


Mercado

Fechado, onde suas ações não são negociadas na Bolsa de Valores. Há dois
tipos de

Ações: Ordinárias e Preferenciais.

CAPÍTULO 7: REGIME DE COMPETÊNCIA E REGIME DE CAIXA

Regime de Competência:

- A competência será contabilizada no período em que for gerada


independentemente

de seu recebimento.

- A despesa será contabilizada no período em que for consumida, incorrida,


utilizada,

independentemente do pagamento

Regime de Caixa:

- A receita será contabilizada no momento de seu recebimento. ( quando entrar


dinheiro

no caixa);

- A despesa será contabilizada no momento do pagamento. (quando sair


dinheiro do

caixa)

Exemplo:
A Cia “X” vendeu em X1 $ 30.000.000,00 e só recebeu $ 18.000.000,00 ( o
restante

receberá no futuro); teve como despesa incorrida $ 14.000.000,00 e pagou até o


último

dia do ano $ 8.000.000,00.

DRE REGIME DE COMPETÊNCIA REGIME DE CAIXA

RECEITA

(-) DESPESA

$ 30.000.000

( 14.000.000)

$ 18.000.000

( 8.000.000)

CAPÍTULO 8: PLANO DE CONTAS

Conceito: é um conjunto de contas utilizadas com o objetivo de padronizar os


registros

dos fatos contábeis em função da atividade operacional da empresa.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 14

1 ATIVO

11 ATIVO CIRCULANTE
1100 CAIXA

1101 BANCO CONTA MOVIMENTO

1102 APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ IMEDIATA

1103 DUPLICATAS A RECEBER

1104 CLIENTES

1105 (-) DUPLICATAS DESCONTADAS

1106 (-) PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS


1107 ESTOQUES

1108 (-) PROVISÃO PARA REDUÇÃO AO VALOR DE MERCADO

1109 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES

1110 CONTAS A RECEBER

1111 ADIANTAMENTOS A PESSOAL

1112 JUROS A VENCER

1113 PRÊMIO DE SEGURO A VENCER

1114 ICMS A RECUPERAR

1115 IPI A RECUPERAR

1116 ALUGUÉIS A VENCER

12 ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

1201 DUPLICATAS A RECEBER

1202 (-) DUPLICATAS DESCONTADAS

1202 (-) PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS

13 ATIVO PERMANENTE

INVESTIMENTOS

1311 PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS EMPRESAS

1312 (-)PROVISÃO PARA PERDAS NA REALIZAÇÃO DE

INVESTIMENTOS

1313 IMÓVEIS PARA RECEITA ( NÃO DE USO)

IMOBILIZADO

1321 MÓVEIS E UTENSÍLIOS

1322 COMPUTADORES

1323 IMÓVEIS

1324 VEÍCULOS

1325 INSTALAÇÕES COMERCIAIS

1326 (-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA

1327 MARCAS E PATENTES

1328 FUNDO DE COMÉRCIO

1329 BENFEITORIAS EM BENS DE TERCEIROS

1330 (-) AMORTIZAÇÃO ACUMULADA

DIFERIDO

1331 DESPESAS DE ORGANIZAÇÃO


1332 (-) AMORTIZAÇÃO ACUMULADA

2 PASSIVO

21 PASSIVO CIRCULANTE

2101 FORNECEDORES

2102 DUPLICATAS A PAGAR

2103 PROMISSÓRIAS A PAGAR

2104 ALUGUÉIS A PAGAR

2105 CONTAS A PAGAR

2106 SALÁRIOS A PAGAR

2107 COFINS A RECOLHER

2108 ICMS A RECOLHER

2109 IPI A RECOLHER

2110 ISS A RECOLHER

2111 IRRF A RECOLHER

2112 PIS S/ FATURAMENTO A RECOLHER

2113 INSS A RECOLHER

2114 FGTS A RECOLHER

2115 FINANCIAMENTOS DO CAPITAL DE GIRO

2116 OUTROS FINANCIAMENTOS

2117 PROVISÕES

2118 PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA

2119 DIVIDENDOS A PAGAR

22 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

2201 DUPLICATAS A PAGAR

2202 PROMISSÓRIAS A PAGAR

23 RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS

2301 ALUGUÉIS ATIVOS A VENCER

2302 RECEITAS ANTECIPADAS

2304 (-) DESPESAS CORRESPONDENTES

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

2401 CAPITAL SOCIAL

2402 (-) CAPITAL A INTEGRALIZAR

2403 RESERVAS DE CAPITAL


2404 RESERVA DE CORREÇÃO MONETÁRIA DO CAPITAL

2405 RESERVA LEGAL

2406 RESERVAS DE LUCROS

2407 RESERVAS DE REAVALIAÇÃO

2408 LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

2409 (-) AÇÕES EM TESOURARIA

Obs.: Se der Prejuízo, aparecerá no Patrimônio Líquido como conta redutora.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 15

DESPESAS:

30 DESPESAS OPERACIONAIS

3001 ÁGUA E ESGOTO

3002 ALUGUEIS PASSIVOS

3003 AMORTIZAÇÃO

3004 CAFÉ E LANCHES

3005 COMBUSTÍVEIS

3006 ICMS SOBRE VENDAS

3007 IPI

3008 ISS

3009 COFINS SOBRE FATURAMENTO

3010 PIS SOBRE FATURAMENTO

3011 INSS

3011 FGTS

3012 13.º SALÁRIO

3013 FÉRIAS

3014 CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

3015 DEPRECIAÇÃO

3016 DESCONTOS CONCEDIDOS

3017 DESPESAS BANCÁRIAS

3018 DESPESAS COM CRÉDITOS DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA

3019 FRETES E CARRETOS

3020 JUROS PASSIVOS


3021 ENERGIA ELÉTRICA

3022 DESPESA COM TELEFONE

3023 MATERIAL DE CONSUMO

3024 MATERIAL DE EXPEDIENTE

3025 PRÊMIOS DE SEGURO

3026 SALÁRIOS

3027 DESPESAS EVENTUAIS

31 CUSTOS OPERACIONAIS

3100 COMPRAS DE MERCADORIAS

3101 FRETES E SEGUROS SOBRE COMPRAS

3102 (-) COMPRAS CANCELADAS

3103 (-) DESCONTOS INCONDICIONAIS OBTIDOS

32 DESPESAS NÃO OPERACIONAIS

3201 PERDAS EM TRANSAÇÕES DO ATIVO PERMANENTE

RECEITAS:

40 RECEITAS OPERACIONAIS

400 – RECEITA BRUTA

4001 VENDAS DE MERCADORIAS

4002 RECEITA DE SERVIÇOS

4003 (-) VENDAS CANCELADAS

4004 (-) DESCONTOS INCONDICIONAIS CONCEDIDOS

4005 (-) ICMS SOBRE VENDAS

4006 (-) IMPOSTO SOBRE SERVIÇO – ISS

4007 (-) PIS SOBRE FATURAMENTO

4008 (-) COFINS

RECEITAS FINANCEIRAS

4010 DESCONTOS OBTIDOS

4011 JUROS ATIVOS

4012 RENDIMENTOS SOBRE APLICAÇÕES FINANCEIRAS

402 OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS

4020 ALUGUÉIS ATIVOS

4021 PERDAS RECUPERADAS

4022 VARIAÇÕES MONETÁRIAS ATIVAS


4023 RECEITAS DE PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS

4024 RECEITAS EVENTUAIS

403 RECEITAS NÃO OPERACIONAIS

4030 GANHOS EM TRANSAÇÕES DO ATIVO PERMANENTE

5 APURAÇÃO DE RESULTADO

50 RESULTADO BRUTO

5001 CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS (CMV)

5002 CUSTO DOS SERVIÇOS PRESTADOS

5003 RESULTADO DA CONTA MERCADORIAS ( RCM )

5004 LUCRO SOBRE VENDAS (LUCRO BRUTO)

5005 (-) PREJUÍZO SOBRE VENDAS

51 RESULTADO NÃO OPERACIONAL

5101 GANHOS OU PERDAS DE CAPITAL

52 RESULTADO LÍQUIDO

5201 RESULTADO DO EXERCÍCIO

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 16

CAPÍTULO 9 – ATOS E FATOS ADMINISTRATIVOS

Atos Administrativos: são acontecimentos ocorridos na empresa que não


afetam o

Patrimônio Líquido. Exemplos: assinatura de contratos, admissão de


funcionários etc.

Fatos Administrativos: são fatos que podem ou não modificar o patrimônio


líquido da

empresa.

Os Fatos Administrativos são classificados em:

Permutativo: são permutas que ocorrem entre os elementos patrimoniais que


não

alteram ou modificam o patrimônio líquido da empresa;


Modificativo: representado por lançamentos que alteram ou modificam o
patrimônio

líquido, através da conta de resultado;

Misto: envolve o permutativo e o modificativo ao mesmo tempo, ou seja,


abrange contas

patrimoniais com contas de resultado.


FATOS

ADMINISTRATIVOS

FATOS

PERMUTATIVOS

FATOS

MODIFICATIVOS

FATOS

MISTOS

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 17

Exemplos de Fatos Permutativos:


ATIVO PASSIVO

Caixa .............................................................. 90.000

Capital Social ................................................... 50.000

Lucros ou Prejuízos Acumulados ....................... 40.000

TOTAL 90.000 TOTAL 90.000

Partindo-se da situação demonstrada acima, temos:

Compra de uma mesa e quatro cadeiras no valor de R$ 5.000


ATIVO PASSIVO

Caixa .................... ......................................... 85.000

Móveis e Utensílios ......................................... 5.000

Capital Social ................................................... 50.000


Lucros ou Prejuízos Acumulados ....................... 40.000

TOTAL 90.000 TOTAL 90.000

Compra de um veículo para uso da empresa no valor de R$ 10.000:


ATIVO PASSIVO

Caixa .............................................................. 75.000

Móveis e Utensílios ............................ ............ 5.000

Veículos ........................................................ 10.000

Capital Social ................................................... 50.000

Lucros ou Prejuízos Acumulados ....................... 40.000

TOTAL 90.000 TOTAL 90.000

Compra a prazo de material para revenda no valor de R$ 20.000


ATIVO PASSIVO

Caixa .............................................................. 75.000

Móveis e Utensílios ......................................... 5.000

Veículos ........................................................ 10.000

Estoque ......................................................... 20.000

Fornecedores ................................................... 20.000

Capital Social ................................................... 50.000

Lucros ou Prejuízos Acumulados ....................... 40.000

TOTAL 110.000 TOTAL 110.000

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 18

Fatos Modificativos:

Pagamento em dinheiro de água, luz, telefone, aluguel no valor de R$ 21.000:


ATIVO PASSIVO

Caixa .............................................................. 54.000

Móveis e Utensílios ......................................... 5.000

Veículos ........................................................ 10.000

Estoque ......................................................... 20.000


Fornecedores ................................................... 20.000

Capital Social ................................................... 50.000

Lucros ou Prejuízos Acumulados ....................... 19.000

TOTAL 89.000 TOTAL 89.000

Recebimento de R$ 2.000 referente à Receita de Aluguel:


ATIVO PASSIVO

Caixa .............................................................. 56.000

Móveis e Utensílios ......................................... 5.000

Veículos ........................................................ 10.000

Estoque ......................................................... 20.000

Fornecedores ................................................... 20.000

Capital Social ................................................... 50.000

Lucros ou Prejuízos Acumulados ....................... 21.000

TOTAL 91.000 TOTAL 91.000

Fatos Mistos:

Venda, a vista, de Móveis e Utensílios no valor de R$ 5.600:


ATIVO PASSIVO

Caixa .............................................................. 61.600

Veículos ........................................................ 10.000

Estoque ......................................................... 20.000

Fornecedores ................................................... 20.000

Capital Social ................................................... 50.000

Lucros ou Prejuízos Acumulados ....................... 21.600

TOTAL 91.600 TOTAL 91.600

Pagamento a Fornecedores no valor de R$ 10.000, com juros de R$ 1.200:


ATIVO PASSIVO

Caixa .............................................................. 50.400

Veículos ........................................................ 10.000

Estoque ......................................................... 20.000


Fornecedores ................................................... 10.000

Capital Social ................................................... 50.000

Lucros ou Prejuízos Acumulados ....................... 20.400

TOTAL 80.400 TOTAL 80.400

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 19

CAPÍTULO 10 – LANÇAMENTOS CONTÁBEIS

Lançamento:

É o meio pelo qual os fatos administrativos são registrados nos livros contábeis,

utilizando-se o método das partidas dobradas.

Registro do Lançamento no Diário:

a) Data e Local;

b) Conta Devedora;

c) Conta Credora;

d) Histórico;

e) Valor.

Fórmulas de Lançamentos:

1.º Fórmula: lançamento de uma conta a débito e uma conta a crédito;

2.º Fórmula: lançamento de uma conta a débito e mais de uma conta a crédito;

3.º Fórmula: lançamento de mais de uma conta a débito e uma conta a crédito;

4.º Fórmula: lançamento de mais de uma conta a débito e mais de uma conta a
crédito.

10.1- Integralização do Capital:

Subscrição do Capital é o compromisso assumido pelos sócios perante à


Empresa
para entrega futura do Capital integralizado em dinheiro (Caixa), em bens
( Móveis e

Utensílios, Veículos etc).

Capital a Realizar ( ou a Integralizar) representa um direito que a empresa


possui

na entrega futura do capital integralizado realizada pelos sócios. A contrapartida


do

Capital a Realizar é o Capital Social que representa uma obrigação perante os


sócios.

Exemplo 1 – Subscrição do Capital no valor de R$ 80.000:

Capital a Realizar

a Capital Social ................................................... R$ 80.000

Exemplo 2 – Integralização do Capital, sendo 30% em dinheiro e o restante em


Móveis e

Utensílios:

Diversos

a Capital a Realizar

Caixa .................................................................... 24.000

Móveis e Utensílios............................................... 56.000 80.000

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 20

10.2- Despesas de Organização: são gastos que ocorrem antes da constituição


de uma

empresa. Faz parte do grupo Ativo Permanente, subgrupo Diferido, pois


representa um
bem imaterial que beneficiará a formação do resultado de mais de um exercício.
No final

de cada período é feita a amortização.

Exemplos: Legalização da empresa: honorários do contador, taxas, alvará,


registro da

empresa, aquisição de livros fiscais; Despesas com Reformas e outros gastos

decorrentes da atividade da empresa.

Exemplo Contábil:

Gastos com legalização da empresa, em dinheiro, no valor de R$ 3.000;

Despesa de Organização

a Caixa......................................................................R$ 3.000

10.3 - Juros: é o preço pago pelo uso do dinheiro.

Juros são classificados em: Ativo que representa Receita e Passivo que
representa

Despesa.

Exemplo 1: Recebimento, em dinheiro, de duplicatas de n/ responsabilidade no


valor de

R$ 9.000 com juros de 2% por ter sido paga com atraso.

Caixa

a Diversos

a Duplicatas a Receber...................................... 9.000

a Juros Ativos .................................................. 180 9.180

Debita-se Caixa pelo aumento no Ativo ou entrada de dinheiro;

Credita-se Duplicatas a Receber pela redução no Ativo;

Credita-se Juros Ativos por representar uma Receita.


Exemplo 2: Pagamento, em dinheiro, de duplicatas no valor de R$ 10.000 com
juros de

2% por ter sido paga com atraso.

Diversos

a Caixa

Duplicatas a Pagar ......................................... 10.000

Juros Passivos ............................................... 200 10.200

Debita-se Duplicatas a Pagar pela redução da Obrigação ;

Debita-se Juros Passivos por representar uma despesa;

Credita-se Caixa pela redução no Ativo ou saída de dinheiro.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 21

10.4 - Desconto:

Existem dois tipos de Descontos: Concedidos e Obtidos.

Desconto Concedido representa despesa, ou seja, a empresa está


concedendo

um desconto ao seu cliente;

Desconto Obtido representa receita, ou seja, a empresa obtém desconto junto


ao

seu fornecedor.

Exemplo 1: Recebimento, em dinheiro, de Duplicatas no valor de R$ 5.000, com


desconto

de 5%.

Diversos

a Duplicatas a Receber
Caixa.................................................................................. 4.750

Desconto Concedido ......................................................... 250 5.000

Debita-se Caixa pela entrada de dinheiro ou aumento no Ativo;

Debita-se Desconto Concedido por representar uma despesa;

Credita-se Duplicatas a Receber pela redução do Ativo (baixa).

Exemplo 2: Pagamento de Duplicatas no valor de R$ 4.000, com desconto de


5%.

Duplicatas a Pagar

a Diversos

a Caixa .............................................................................. 3.800

a Desconto Obtido ............................................................. 200 4.000

Debita-se Duplicatas a Pagar pela redução da Obrigação;

Credita-se Caixa pela saída de dinheiro ou redução do Ativo;

Credita-se Desconto Obtido por representar uma receita.

Conforme o princípio da Competência estabelecido pelas normas contábeis,


aqui vão

alguns lançamentos:

10.5 - Despesas incorridas (realizadas) e não pagas:

Mês: Janeiro

Exemplo: Apropriação da despesa de aluguel no valor de R$ 920,00 referente ao


mês de

fevereiro:

Aluguéis Passivos

a Aluguéis a Pagar ...............................................R$ 920,00

www.direitoria.net
Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 22

Debita-se Aluguéis Passivos por representar uma despesa

Credita-se Aluguéis a Pagar por ter gerado uma obrigação para a empresa.

Mês de Fevereiro:

Exemplo: Pagamento de Aluguel, referente ao mês de Janeiro:

Aluguéis a Pagar

a Caixa/Banco conta movimento ..................................R$ 920,00

Debita-se Aluguéis a Pagar pela baixa da obrigação ou redução do passivo;

Credita-se Caixa ou Banco c/ mov. pela redução do ativo ou saída de numerário.

10.6 - Despesas pagas antecipadamente (despesas diferidas ):

Exemplo: Pago à Cia. Seguradora S/A, a importância de R$ 18.000,00, com


vigência de 1

ano, referente a Apólice de Seguro n.º 200089:

Prêmios de Seguro a Vencer

a Caixa / Banco conta movimento

Debita-se Prêmios de Seguro a Vencer por representar um aumento no Ativo e


por ser

despesa antecipada;

Credita-se Caixa ou Banco por representar uma redução no Ativo.

Exemplo: Apropriação do Seguro no valor de R$ 4.500:

Prêmios de Seguro

a Prêmios de Seguro a Vencer

Debita-se Prêmios de Seguro por representar uma despesa;

Credita-se Prêmios de Seguro a Vencer por representar uma redução no Ativo e


Baixa.
10.7 - Receitas Recebidas Antecipadamente (Receitas Diferidas):

Exemplo: Recebimento, em dinheiro, de serviços a serem prestados no valor de


R$

50.000:

Caixa

a Receitas Antecipadas ....................................................................... 50.000

Debita-se Caixa pela entrada do numerário (aumento do ativo)

Credita-se Receitas Antecipadas por representar futuramente a realização da


receita.

No momento em que o serviço é realizado, contabiliza-se assim:

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 23

Receitas Antecipadas

a Receitas de Serviços ...................................................................... 50.000

10.8 - Receitas e Despesas Operacionais: são transações inerentes às


atividades

básicas de uma empresa;

10.9 - Receitas e Despesas Não-Operacionais: são transações que não fazem


parte

das atividades operacionais da empresa.


RECEITAS: DESPESAS:

OPERACIONAIS:

RECEITA BRUTA;

RECEITAS FINANCEIRAS;

OUTRAS RECEITAS.

DESPESAS COM VENDAS;

DESPESAS ADMINISTRATIVAS;
DESPESAS FINANCEIRAS;

OUTRAS DESPESAS .

NÃO-OPERAICIONAIS:

PERDAS EM TRANSAÇÕES DO ATIVO PERMANENTE

GANHOS EM TRANSAÇÕES DO ATIVO PERMANENTE

10.10 - Adiantamento a Fornecedor: é um direito da empresa em receber do


fornecedor

o material ou o serviço em virtude da antecipação do pagamento.

Contabilização:

Adiantamento a Fornecedores

a Caixa / Banco conta movimento

10.11 - Adiantamento de Clientes: é uma obrigação da empresa em razão do

pagamento efetuado antecipadamente pelo Cliente para futuro recebimento do


material

ou prestação do serviço.

Contabilização:

Caixa / Banco conta movimento

a Adiantamento de Clientes

10.12 - Adiantamento a Empregados: é um direito da empresa, tornando os

empregados devedores num futuro acerto em folha de pagamento.

Contabilização:

Adiantamento a Empregados

a Caixa / Banco conta movimento

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 24

Dedução na Folha de Pagamento:


Salários a Pagar

a Diversos

a INSS a Recolher

a IRRF a Recolher

a Adiantamento a Empregados

10.13 - ISS – Imposto sobre Serviços

É um imposto de competência do Município previsto no art. 156, inciso III da

Constituição Federal de 1988.

Segue transcrito o trecho da Carta Magna que dispõe sobre o ISS:

“ Art. 156 – Compete aos Municípios instituir impostos sobre:

III – serviços de qualquer natureza, não compreendido no art. 155, II, definidos
em Lei

Complementar.

§ 3.º Em relação ao imposto previsto no inciso III, cabe a Lei Complementar:

I – fixar as suas alíquotas máximas;

II – excluir da sua incidência exportações de serviços para o exterior. “

O cálculo do ISS é feito através de uma alíquota fixada pelos Municípios sobre o

faturamento bruto mensal da empresa, cujo lançamento demonstra-se a seguir:

5% de ISS sobre o Faturamento Bruto Mensal de R$ 80.000, referente ao


mês

seguinte:

Apropriação:

ISS

a ISS a Recolher............................... 4.000

Debita-se ISS por representar uma despesa;


Credita-se ISS a Recolher por ter gerado uma obrigação ( aumento do Passivo).

Pagamento:

ISS a Recolher

a Caixa ou Banco conta movimento ........................... 4.000

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 25

Debita-se ISS a Recolher pela baixa da obrigação ou redução do passivo;

Credita-se Caixa ou Banco conta movimento pela saída de numerário, dinheiro


ou

cheque. (redução do ativo).

CAPÍTULO 11 : FOLHA DE PAGAMENTO

A contabilização da Folha de Pagamento é feita em duas etapas: a primeira

quando da apropriação referente ao mês seguinte e a Segunda compreende a


liquidação,

ou seja, o pagamento dos salários líquidos dos empregados.

Obedecendo ao Princípio da Competência, segue abaixo alguns lançamentos da

Folha de Pagamento segundo os critérios estabelecidos pela CLT (Consolidação


das Leis

Trabalhistas):

- Apropriação dos salários dos empregados da Empresa Nações Unidas S/A


referente

ao mês seguinte:

Salários

a Salários a Pagar

- Desconto da Folha de Pagamento referente ao INSS (empregado) e IRRF, de


acordo
com a faixa salarial demonstrada nas tabelas da Previdência Social e Receita
Federal,

respectivamente:

Salários a Pagar

a Diversos

a INSS a Recolher

a IRRF a Recolher

- Encargos Sociais pagos pela Empresa:

Encargos Sociais

a Diversos

a INSS a Recolher

a FGTS a Recolher

Salário Família: é uma contribuição paga pela Previdência Social aos


trabalhadores com

filhos menores de 14 anos.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 26

Contabilização:

INSS a Recolher

a Salários a Pagar

Com relação aos lançamentos: Debita-se as despesas e credita-se as


obrigações. Com

relação a contabilização do Salário Família: Debita INSS a Recolher devido o


pagamento

ser efetuado pela própria Previdência Social e Credita Salários a Pagar por ser
um
acréscimo na Folha de Pagamento do empregado, gerando uma obrigação para
a

empresa.

11.1 - Provisões:

Provisão para Férias e Encargos:

De acordo com a Legislação Trabalhista (CLT), em cada mês o empregado faz


juz

a 1/12 de 30 dias de Férias que corresponde a 2,5 ( dois dias e meio).


Acrescentar 1/3

sobre o Salário Bruto referente às férias, de acordo com a Constituição de 1988.

A contabilização é feita da seguinte maneira:

Férias (despesa)

a Provisão para Férias e Encargos ( Passivo Circulante)

- Baixa da Provisão em virtude do Pagamento:

Provisão para Férias e Encargos (Passivo Circulante)

a Caixa ou Banco conta movimento (Ativo Circulante)

11.2 - Provisão para 13.º Salário:

A Legislação Trabalhista também dá como direito ao funcionário perceber o 13.º

salário proporcional ao período trabalhado, ou seja, correspondente a X/12. ( X é


a

quantidade de meses).

Contabilização:

13.º Salário (Despesa)

a Provisão para 13.º Salário ( Passivo Circulante)

www.direitoria.net
Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 27

- Baixa da Provisão em virtude do pagamento do 13.º salário:

Provisão para 13.º salário (Passivo Circulante)

a Caixa ou Banco conta movimento (Ativo Circulante)

Debita-se as despesas e credita-se as Provisões (Férias e Encargos; 13.º) que

representam obrigações para com a Previdência Social. Com relação as baixas,


Debita-se

as Provisões e Credita-se Caixa ou Banco por representar uma redução no


Ativo.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 28

EXERCÍCIO 1

Classifique as contas abaixo de acordo com os grupos a que pertencem:

AC: ATIVO CIRCULANTE;

PC: PASSIVO CIRCULANTE;

AP: ATIVO PERMANENTE;

PL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO;

D: DESPESA;

R: RECEITA.

CONTAS AC PC AP PL D R

CAIXA

BANCOS C/ MOVIMENTO

DUPLICATAS A PAGAR

IMÓVEIS

ALUGUÉIS PASSIVOS
DESCONTOS OBTIDOS

FORNECEDORES

PROMISSÓRIAS A PAGAR

CLIENTES

DESPESAS DE ORGANIZAÇÃO

ÁGUA E ESGOTO

INSTALAÇÕES

CAFÉ E LANCHES

DESCONTOS CONCEDIDOS

JUROS ATIVOS

SALÁRIOS A PAGAR

INSS A RECOLHER

CAPITAL

FGTS A RECOLHER

ESTOQUE

SALÁRIOS

DESPESAS BANCÁRIAS

VEÍCULOS

MÓVEIS E UTENSÍLIOS

JUROS PASSIVOS

IRRF

PRÊMIOS DE SEGURO A VENCER

ISS A RECOLHER

TERRENOS

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 29


EXERCÍCIO 2

1) Classifique a coluna abaixo em:

Bens Materiais;

Bens Imateriais;

Direitos;

Obrigações.

Fornecedores

Benfeitorias em Imóveis de Terceiros

Duplicatas a Receber

Móveis e Utensílios

Despesa de Organização

Promissórias a Receber

Caixa

Estoque de Mercadorias

Fundo de Comércio;

Impostos a Recuperar;

Veículos;

Patentes.

Impostos a Recolher

_________________

_________________

_________________

_________________

_________________
_________________

_________________

_________________

_________________

_________________

_________________

_________________

_________________

2) O que é Patrimônio?

3) O que são Bens?

4) O que você entende por Direitos? Cite três exemplos.

5) O que você entende por Obrigações? Cite três exemplos.

6) Quais os elementos componentes do Patrimônio?

7) Qual a diferença entre o débito e o crédito?

8) O que é Patrimônio Líquido e como se divide ?

9) O que é Capital Subscrito?

10) Definir a diferença entre o Ativo Circulante e o Realizável a Longo Prazo.

11) Definir a diferença entre o Passivo Circulante e o Exigível a Longo Prazo.

12) Qual a diferença entre o Capital de Terceiros e Capital Próprio ?

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 30

13) O que são contas Patrimoniais e contas de Resultado ?

14) O que é Plano de Contas ?

15) Como é classificado o Ativo Permanente ?


16) Conceitue Diferido ( subgrupo do Ativo Permanente) e dê um exemplo.

17) Definir o Princípio da Competência.

18) Dê um exemplo contábil de Resultado de Exercícios Futuros.

19) Dê um exemplo contábil de Despesas Antecipadas e como figurará no


Balanço

Patrimonial.

20) Qual a diferença entre Atos e Fatos Administrativos?

21) Classifique e conceitue os fatos permutativos.

22) Relacione as colunas abaixo:

1 – Fato Permutativo;

2 – Fato Modificativo;

3 – Fato Misto.

( ) Pagamento de Duplicatas com desconto;

( ) Compra de Móveis e Utensílios a prazo;

( ) Recebimento, em dinheiro, de duplicatas com juros;

( ) pagamento de despesas de telefone;

( ) compra de mercadorias, sendo 40% à vista e o restante a prazo.

( ) Recebimento, em dinheiro, de Duplicatas com desconto;

( ) Pagamento de despesas de aluguéis;

( ) Recebimento de Receitas de Aluguel em dinheiro.

23) Relacione as fórmulas abaixo:

1.º FÓRMULA;

2.º FÓRMULA;

3.º FÓRMULA;
4.º FÓRMULA.

( ) DÉBITO ( ) DIVERSOS

CRÉDITO a DIVERSOS

( ) DIVERSOS ( ) DÉBITO

a CRÉDITO a DIVERSOS

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 31

EXERCÍCIO 3

Empresa “Ramos Comércio de Bebidas Ltda”

Em 01/02/X1:

a) Constituição da Empresa cujo Capital inicial é de R$ 50.000;

b) Integralização, nesta data, de R$ 45.000 em dinheiro e o restante em Móveis


e Utensílios

correspondente ao total de seu Capital;

c) Pagamento, em dinheiro, de diversas despesas referentes à legalização de


livros,

documentos etc. para abertura da firma, conforme notas e recibos relacionados


em

anexo: R$ 500;

d) Abertura de conta bancária no Banco do Brasil S/A, para movimento da firma


com

depósito inicial de R$ 30.000;

e) Compra, a prazo, conforme NF de uma escrivaninha, duas mesas, oito


cadeiras, para uso

da empresa, no valor de R$ 3.000.

Pede-se: Montar o Balancete.


CONTAS DEBITO CRÉDITO

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 32

EXERCÍCIO 4

Fatos ocorridos em uma empresa, durante o exercício de X1:

1) Subscrição do Capital Social no valor de 50.000;

2) Integralização do Capital Social, sendo 60 % em dinheiro e o restante Móveis


e Utensílios;

3) Deposito no Banco do Brasil S/A no valor de R$ 10.000;

4) Compra de móveis, para uso, a prazo, no valor de R$ 3.000 em 3 parcelas de


R$ 1.000;

5) Pagamento, em dinheiro, referente a despesas com a legalização da


empresa, no valor

de R$ 1.000;

6) Pagamento, em dinheiro, referente ao aluguel do imóvel, no valor de R$ 845;

7) Pagamento, em cheque, de Energia Elétrica, no valor de R$ 1.230;

8) Pagamento, em dinheiro, de Água e Esgoto, no valor de R$ 900;

9) Recebimento à vista, por serviços prestados, conforme nossas Notas Fiscais


no valor de

R$ 6.400;

10) Recebimento, a prazo, por serviços ao nosso cliente, conf. nossa Nota Fiscal
nº. 34, no

valor de 1.200 em 3 parcelas no valor de R$ 400;

11) Pagamento, em dinheiro, referente a Duplicata de nosso aceite no valor de


R$ 1.000, com

desconto de 10%;
12) Recebimento, em dinheiro, da duplicata de nossa emissão, no valor de R$
400, com 10%

de juros;

Pede-se:

a) Escriture os fatos no livro Diário;

b) Transcreva os valores do Diário para os Razonetes;

c) Levante o Balancete de Verificação;

d) Levante o Balanço Patrimonial.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 33

EXERCÍCIO 5

Fatos ocorridos em uma empresa, durante o exercício de X1:

01) Subscrição do Capital Social no valor de 80.000;

02) Integralização do Capital Social, sendo 30 % em dinheiro, 45% em Móveis e


Utensílios

e o restante em Veículos;

03) Deposito no Banco do Brasil S/A no valor de R$ 12.450;

04) Compra de móveis, para uso, a prazo, no valor de R$ 6.000 em 3 parcelas


de R$ 2.000;

05) Pagamento, em dinheiro, referente a despesas com a legalização da


empresa, no valor

de R$ 2.350;

06) Pagamento, em dinheiro, referente ao aluguel do imóvel, no valor de R$


1.345;

07) Recebimento, à vista, por serviços prestados ao nosso cliente, conforme


nossas Notas
Fiscais no valor de R$ 8.400;

08) Recebimento, a prazo, por serviços prestados ao nosso cliente, conf. nossa
Nota Fiscal

nº. 34, no valor de 6.300 em 3 parcelas no valor de R$ 2.100;

09) Pagamento, em dinheiro, referente a Duplicata de nosso aceite no valor de


R$ 2.000,

com desconto de 10%;

10) Recebimento, em dinheiro, da duplicata de nossa emissão, referente a 1.º


parcela no

valor de R$ 2.100, com 10% de juros;

11) Pagamento de Despesas referente a conta Telefônica no valor de R$ 1.550;

12) Pagamento de Água e Esgoto no valor de R$ 1.230;

13) Recebimento, em dinheiro, da duplicata de nossa emissão, referente a 2.º


parcela no

valor de R$ 2.100, com desconto de 10%.

Pede-se:

a) Escriture os fatos no livro Diário;

b) Transcreva os valores do Diário para os Razonetes;

c) Levante o Balancete de Verificação;

d) Levante o Balanço Patrimonial.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 34

EXERCÍCIO 6

Relação das contas com seus respectivos saldos extraídos do livro razão da
empresa de

prestação de serviços Alpha Nações Unidas Ltda., em 30 de novembro de X2:


Caixa.......................................................... 100.000;

Duplicatas a Receber ................................. 80.000;

Estoque de Material de Expediente............. 75.000;

Duplicatas a Pagar ...................................... 82.000;

Móveis e Utensílios ................................... 54.000;

Capital .......................................................250.000;

Despesas de Organização .......................... 48.000;

Lucros ou Prejuízos Acumulados.................. 18.175;

Salários a Pagar ............................................ 5.000

INSS a Recolher ............................................ 1.400

FGTS a Recolher ........................................... 425

Fatos ocorridos durante o mês de dezembro de X2:

1) Pagamento de Duplicatas n.º 00134, em dinheiro, no valor de R$ 20.500, com


desconto

de 10%;

2) Recebimento, em dinheiro, referente a Duplicata de nossa emissão n.º


000854, no valor

de R$ 12.000, com desconto de 12%;

3) Depósito efetuado no Banco América S/A, na importância de R$ 40.000, em


cheques

recebidos de clientes;

4) Compra de um terreno, no valor de R$ 30.000, nas seguintes condições: R$


15.000 em

dinheiro; R$ 8.000 em cheque de n/ emissão e o restante será pago em duas


parcelas de
R$ 3.500 cada, conforme emissão de Notas Promissórias;

5) O proprietário da empresa aumentou o capital, com integralização nesta data,


como

segue: R$ 60.000 em dinheiro; um automóvel com laudo de avaliação de R$


13.000; e

diversos móveis com laudo de avaliação no valor de R$ 5.000;

6) Recebimento, em dinheiro, de Duplicatas no valor de R$ 2.000, com 20% de


juro;

7) Pagamento de aluguel do imóvel, no valor de R$ 1.200, com 10% de juro. O


pagamento

foi efetuado com cheque de n/ emissão;

8) Serviços prestados ao Sr. José da Silva, no valor de R$ 9.500, tendo recebido


60% em

dinheiro e o restante mediante aceite de Duplicata para 30 dias;

9) Apropriação do ISS referente ao mês seguinte no valor de R$ 1.150;

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 35

10) Pagamento de Energia Elétrica e Telefone no valor de R$ 800 e R$ 400,

respectivamente;

11) Pagamento de Água e Esgoto no valor de R$ 3.250;

12) Pagamento de Fretes e Carretos no valor de R$ 450;

13) Venda de Móveis, pelo preço de custo, conforme Nota Fiscal n.º 00123, no
valor de R$

9.400, nas seguintes condições: R$ 7.000 em dinheiro; e o restante em 30 dias,


com

aceite de Duplicata.
14) Compra, à vista, de um computador com impressora, conforme NF n.º
000928, das

Casas Bahia, no valor de R$ 2.600, paga em dinheiro;

15) Recebimento, em dinheiro, pelos serviços prestados ao nosso cliente, no


valor de R$

14.000, conforme Notas Fiscais n.º 08 a 21.

EXERCÍCIO 7

Saldos extraídos do livro razão da empresa prestadora de serviços “Alpha


Nações Unidas

Ltda.” em 30/nov./2000:

Caixa.......................................................... 10.400;

Banco conta movimento ............................ 18.000;

Duplicatas a Receber ............................... 13.000;

Estoque de Material de Expediente............2.000;

Adiantamento a Fornecedores ...................2.000;

Computadores ........................................... 6.100;

Móveis e Utensílios ................................... 4.800;

Duplicatas a Pagar ......................................1.000;

Adiantamento de Clientes .......................... 8.000;

Impostos a Recolher .................................. 1.800;

Capital .......................................................40.500;

Lucros ou Prejuízos Acumulados.................5.000

Fatos ocorridos durante o mês de dezembro de 2001:

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 36


1- Pagamento, em dinheiro, ao fornecedor, de uma duplicata no valor de R$ 600.

2- Recebimento, em dinheiro, de duplicatas no valor de R$ 3.200.

3- Recolhida, no Banco do Brasil S/A, a importância de R$ 1.800 referente a


impostos do

mês de novembro. Pagamento efetuado através de cheque de nossa emissão.

4- Serviços prestados ao nosso cliente, no valor de R$ 3.000, cujo valor havia


sido recebido

antecipadamente em novembro do corrente.

5- Recebida a importância de R$ 5.000 de clientes, em cheque.

6- Depósito efetuado no Banco do Brasil S/A, da importância de R$ 5.000, em


cheques

recebidos de clientes.

7- Compra de móveis, paga antecipadamente no mês de novembro, recebida


conforme NF

n. 077 no valor de R$ 2.000.

8- Venda, à vista, pelo preço de custo, de um computador, conforme nossa NF


n. 120, no

valor de R$ 2.300.

9- Compra, à vista, de um computador com impressora, conforme NF n. 923, no


valor de R$

2.800, paga em dinheiro.

10- Venda de móveis, pelo preço de custo, conforme NF n.123, no valor de R$


7.000, nas

seguintes condições: 60% em dinheiro e o restante a prazo.

11- O proprietário da empresa aumentou o capital, com integralização nesta


data, como
segue:

em dinheiro: .............................................15.000

um automóvel com laudo de avaliação.......8.000

diversos móveis com laudo de avaliação....1.000 24.000

12- Pagamento em dinheiro, da seguintes despesas:

Aluguel do Imóvel, no valor de R$ 1.000, com juro de 20% pelo atraso;

Energia elétrica conf. conta ........................... .R$ 1.300

Telefone ......................................................... R$ 2.520

13- Compra de um terreno, no valor de R$ 80.000, nas seguintes condições:


30% em

dinheiro, e o restante em 4 parcelas de R$ 14.000, conforme Notas


Promissórias.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 37

14- Recebida a importância de R$ 6.500 por serviços prestados, conf. nossas


NF’s n. 130 a

150.

15- Pagamento de R$ 1.300 ao Posto Atlântico, referente ao consumo de


combustíveis, conf.

NF n. 122.

16- Recebimento de duplicatas no valor de R$ 1.680, com 15% de juros.

17- Recebimento de duplicatas no valor de R$ 1.400, com 15% de desconto.

18- Pagamento de aluguel de imóvel, no valor de R$ 4.800, com 10% de juro. O


pagamento

foi efetuado com cheque de nossa emissão.


19- Pagamento, em dinheiro, efetuado ao mecânico, referente a reparos no
veículo, conf. NF

n. 231, no valor de R$ 5.300. Pagamento efetuado em dinheiro.

20- Serviços prestados ao nosso cliente, no valor de R$ 4.000, tendo recebido


60% em

dinheiro e o restante mediante duplicata para 30 dias.

Pede-se: Apurar o Balancete e o Balanço Patrimonial.

EXERCÍCIO 08

Relação das contas com seus respectivos saldos extraídos do livro razão da
empresa de

prestação de serviços Beta Nações Unidas Ltda., em 30 de novembro de X2:

Caixa.......................................................... 100.000;

Duplicatas a Receber ................................. 80.000;

Estoque de Material de Expediente............. 75.000;

Duplicatas a Pagar ...................................... 82.000;

Móveis e Utensílios ................................... 54.000;

Capital .......................................................250.000;

Despesas de Organização .......................... 48.000;

Lucros ou Prejuízos Acumulados.................25.000.

Fatos ocorridos durante o mês de dezembro de X2:

01) Pagamento de Duplicatas n.º 00134, em dinheiro, no valor de R$ 41.000,


com desconto

de 10%;

02) Recebimento, em dinheiro, referente a Duplicata de nossa emissão n.º


000854, no valor
de R$ 24.000, com desconto de 12%;

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 38

03) Depósito efetuado no Banco Urupês S/A, na importância de R$ 40.000, em


cheques

recebidos de clientes;

04) Compra de um terreno, no valor de R$ 40.000, nas seguintes condições: R$


20.000 em

dinheiro; R$ 10.000 em cheque de n/ emissão e o restante será pago em duas


parcelas

de R$ 5.000 cada, conforme emissão de Notas Promissórias;

05) O proprietário da empresa aumentou o capital, com integralização nesta


data, como

segue: R$ 60.000 em dinheiro; um automóvel com laudo de avaliação de R$


13.000; e

diversos móveis com laudo de avaliação no valor de R$ 5.000;

06) Recebimento de Duplicatas no valor de R$ 4.800, com 20% de juros;

07) Pagamento de aluguel do imóvel, no valor de R$ 1.800, com 10% de juros.


O pagamento

foi efetuado com cheque de n/ emissão;

08) Serviços prestados ao nosso cliente, no valor de R$ 9.500, tendo recebido


60% em

dinheiro e o restante mediante aceite de Duplicata para 30 dias;

09) Apropriação do ISS referente ao mês seguinte no valor de R$ 2.000;

10) Pagamento de Energia Elétrica e Telefone no valor de R$ 500 e R$ 700,

respectivamente;
11) Pagamento de Água e Esgoto no valor de R$ 2.300;

12) Pagamento de Fretes e Carretos no valor de R$ 300;

13) Apropriação da Folha de Pagamento: Salário = 2.500; INSS (empregado) =


10%; INSS

(empregador ) 26,8% e FGTS= 8%, Salário Família = 20,00;

14) Compra, à vista, de um computador com impressora, conforme NF n.º


000928, das Casas

Bahia, no valor de R$ 1.400, pago em dinheiro;

15) Recebimento, em dinheiro, pelos serviços prestados ao nosso cliente, no


valor de R$

40.000, conforme Notas Fiscais n.º 08 a 21.

Pede-se:

a) Elaborar o Balancete de Verificação;

b) Elaborar o Balanço Patrimonial

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 39

CAPÍTULO 12 : OPERAÇÕES COM MERCADORIAS SEM OS TRIBUTOS

Exemplo: Compra, a vista, de Mercadorias no valor de R$ 140.000,00

Mercadorias

a Caixa ..................................................140.000,00

Compra, a prazo, de Mercadorias no valor de R$ 140.000,00

Mercadorias

a Fornecedores ......................................... 140.000,00

Debita-se a conta Mercadorias pelo aumento do Ativo ou entrada no Estoque;


Credita-se as contas Caixa pela redução do Ativo e Fornecedores pelo aumento
da

Obrigação.

Venda, a vista, de 40% das Mercadorias em estoque ao preço total de R$


80.000.

Caixa

a Vendas de Mercadorias ................................80.000,00

Debita-se a conta Caixa pelo aumento no Ativo;

Credita-se a conta de Resultado Vendas de Mercadorias por representar uma


Receita.

Venda, a prazo, de 40% das Mercadorias em estoque ao preço total de R$


80.000.

Duplicatas a Receber

a Vendas de Mercadorias .................................. 80.000,00

Debita-se a conta Duplicatas a Receber em razão do aumento dos direitos;

Credita-se a conta de Resultado Vendas de Mercadorias por representar uma


Receita.

Baixa no Estoque:

Custo das Mercadorias Vendidas

a Mercadorias .................................................... 56.000,00

Debita-se a CMV por representar uma despesa;

Credita-se Mercadorias pela baixa no estoque em razão da Venda.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 40

CAPÍTULO 13 : OPERAÇÕES COM MERCADORIAS COM TRIBUTOS


O ICMS e o IPI são impostos não-cumulativos, diferenciando-se o primeiro por
ser

imposto por dentro, ou seja, o imposto embutido no valor da mercadoria, o


segundo por

ser imposto por fora, ou seja, o valor vem destacado na Nota Fiscal.

ICMS: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – Imposto de


competência

estadual, conforme o artigo 155, inciso II;

IPI: Imposto sobre Produtos Industrializados – Imposto de competência federal,


conforme

o artigo 153, inciso IV;

PIS: É a contribuição que incide sobre o Faturamento bruto mensal efetuada


pelas

empresas comerciais ao governo federal, destinado ao pagamento do


segurodesemprego

e do abono anual que a Caixa Econômica Federal paga aos trabalhadores;

COFINS: É a contribuição federal que as empresas pagam sobre o Faturamento


bruto e

se destina ao financiamento da seguridade social;

SIMPLES: Instituído pela Lei n.º 9.317 de 05/12/92. Tem como finalidade
permitir que as

Microempresas e Empresas de Pequeno Porte paguem diversos tributos num


único

documento de arrecadação, podendo abranger os seguintes tributos: IRPJ, PIS,

Contribuição Social, COFINS, INSS, IPI, ICMS e ISS.

Os métodos de operações com Mercadorias são:


13.1 - Método da Conta Mista- os registros de todas as operações com
mercadorias, tais

como: compras, vendas, estoque inicial e final, devoluções de compras e


vendas, se

concentram numa única conta, chamada Mercadorias;

13.2 - Método da Conta Desdobrada – é o registro de três contas básicas:


Estoque de

Mercadorias (Inicial e Final), Compras e Vendas, podendo ser usada a


Devolução de

Compras e Devolução de Vendas.

13.3 - Há dois tipos de Inventário:

Permanente: é o controle sistemático de Estoque de Mercadorias sendo


constantemente

atualizado;

Periódico: é quando a apuração do estoque final é realizada através de um


inventário ou

levantamento físico no final de cada período.

Contabilização: Será utilizado o método da Conta Desdobrada com Inventário

Permanente

Compras (a vista/a prazo):

Diversos

a Caixa (Fornecedores)

Estoque de Mercadorias

ICMS a Recuperar

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 41


Debita-se Estoque de Mercadoria pela entrada de mercadorias compradas
(aumento do

ativo);

Debita-se ICMS a Recuperar por ser um direito da empresa compensar o


imposto.

Credita-se Caixa pela saída de numerário (redução do Ativo).

Vendas (a vista/a prazo):

Caixa (Duplicatas a Receber)

a Vendas

Debita-se Caixa ou Duplicatas a Receber pela entrada de numerário ou direito


( aumento

do ativo);

Credita-se Vendas por representar uma Receita.

CMV (Custo da Mercadoria Vendida)

a Estoque de Mercadorias

Debita-se CMV pela entrada do custo e saída de mercadoria para venda, sendo
depois

transportado o saldo para o Resultado Conta Mercadoria;

Credita-se Estoque de Mercadorias pela baixa no ativo devido a saída da


mercadoria para

venda.

ICMS s/ Vendas

a ICMS a Recolher

Debita-se ICMS sobre Vendas por ser uma conta de resultado que representa
uma

despesa;
Credita-se ICMS a Recolher por ter gerado uma obrigação para a empresa

- Conta Desdobrada/ Inventário Permanente:

DEVOLUÇÃO DE COMPRAS: DEVOLUÇÃO DE VENDAS:

Caixa (Fornecedores)

a Estoque de Mercadorias

a ICMS a Recuperar

Vendas Canceladas

a Caixa ( Duplicatas a Receber)

Estoque de Mercadorias

a CMV

ICMS a Recolher

a ICMS s/ Vendas

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 42

Ajustes (fechamento dos tributos):

ICMS a Recolher

a ICMS a Recuperar

obs.: entre o ICMS a Recuperar e ICMS a Recolher zerar a conta que tiver o
menor saldo.

- Conta Desdobrada, Inventário Periódico:

COMPRAS, VENDAS (A VISTA / A PRAZO): DEVOLUÇÕES (A VISTA/ A


PRAZO):

Diversos

a Caixa / Fornecedores

Compras ( a vista/ a prazo)


ICMS a Recuperar

Caixa/ Clientes

a Vendas de Mercadorias

ICMS s/ Vendas

a ICMS a Recolher

CMV

a Diversos

a Estoque de Mercadorias (inicial)

a Compras ( a vista/ a prazo)

Estoque de Mercadorias (final) *

a CMV

Vendas de Mercadorias

a RCM

RCM

a Diversos

a ICMS s/ Vendas

a CMV

Caixa / Fornecedores

a Diversos

a Compras Canceladas

a ICMS a Recuperar

Vendas Canceladas

a Caixa/ Clientes

ICMS a Recolher
a ICMS s/ Vendas

Compras Canceladas

a CMV

RCM

a Diversos

a ICMS s/ Vendas

a Vendas Canceladas

a CMV

* NO FINAL DE CADA PERÍODO É FEITO O LEVANTAMENTO FÍSICO DAS


MERCADORIAS.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 43

CMV = EI + (C – DC) – EF

CMV = Custo da Mercadoria Vendida;

EI = Estoque Inicial;

C = Compras;

DC = Deduções de Compras;

EF = Estoque Final.

RCM = (V – DV) – CMV

RCM = Resultado Conta Mercadoria;

V = Vendas;

DV = Devolução de Vendas.

CMV = EI + ( C + FC – ICMS s/ Compras – DC ) – EF

OBS: FC = FRETES SOBRE COMPRAS.

13.4 - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES:


A avaliação de estoques obedecerá aos critérios estabelecidos no artigo 183
(Lei

n.º 6.404/76), ou seja, custo de aquisição deduzido da provisão para ajustá-lo ao


valor de

mercado, quando este for inferior.

PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que Sai), conhecido também como FIFO
( First In, Firt

Out);

UEPS (Último que Entra, Primeiro que Sai), conhecido também como LIFO (Last
In, First

Out);

Custo Médio Ponderado: é a média dos custos de aquisição.

Exercício 1: ICMS – 18%; Método -PEPS

1.1) Compra de 800 unidades a R$ 15,00 cada;

1.2) Compra de 500 unidades a R$ 18,00 cada;

1.3) Venda de 1000 unidades a R$ 35,00 cada;

1.4) Compra de 250 unidades a R$ 21,00 cada;

1.5) Venda de 480 unidades a R$ 45,00 cada;

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 44

PEPS:
HISTÓRICO ENTRADA SAÍDA SALDO

Q UNIT. TOTAL Q UNIT. TOTAL Q UNIT. TOTAL

Compras 800 12,30 9.840,00 800 12,30 9.840,00

Compras 500 14,76 7.380,00 800

500
12,30

14,76

9.840,00

7.380,00

Vendas 800

200

12,30

14,76

9.840,00

2.952,00

300

14,76

4.428,00

Compras 250 17,22 4.305,00 300

250

14,76

17,22

4.428,00

4.305,00

Vendas 300

180

14,76

17,22

4.428,00

3.099,60

70
-

17,22

TOTAL 1.550 21.525,00

COMPRAS

1.480 20.319,60

CMV

70 17,22 1.205,40

ESTOQUE

FINAL

UEPS:
HISTÓRICO ENTRADA SAÍDA SALDO

Q UNIT. TOTAL Q UNIT. TOTAL Q UNIT. TOTAL

Compras 800 12,30 9.840,00 800 12,30 9.840,00

Compras 500 14,76 7.380,00 800

500

12,30

14,76

9.840,00

7.380,00

Vendas 500

500

14,76

12,30

7.380,00

6.150,00

300

12,30

-
3.690,00

Compras 250 17,22 4.305,00 300

250

12,30

17,22

3.690,00

4.305,00

Vendas 250

230

17,22

12,30

4.305,00

2.829,00

70

12,30

861,00

TOTAL 1.550 21.525,00

COMPRAS

1.480 20.664,00

CMV

70 861,00

ESTOQUE

FINAL

MÉDIA PONDERADA:
HISTÓRICO ENTRADA SAÍDA SALDO

Q UNIT. TOTAL Q UNIT. TOTAL Q UNIT. TOTAL


Compras 800 12,30 9.840,00 800 12,30 9.840,00

Compras 500 14,76 7.380,00 1.300 13,25 17.220,00

Vendas 1.000 13,25 13.250,00 300 13,25 3.970,00

Compras 250 17,22 4.305,00 550 15,05 8.275,00

Vendas 480 15,05 7.224,00 70 15,05 1.053,50

TOTAL 1.550 21.525,00

COMPRAS

1.480 20.474,00

CMV

70 1.053,50

ESTOQUE

FINAL

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 45

MÉTODO PEPS UEPS MÉDIA

CMV 20.319,60 20.664,00 20.474,00

VENDAS 56.600,00 56.600,00 56.600,00

LUCRO 36.280,40 35.936,00 36.126,00

O critério UEPS ( Último que entra, primeiro que sai ), conforme demonstrado
nos

gráficos acima apresenta o CMV ( Custo da Mercadoria Vendida) maior e,

consequentemente, o Lucro menor, em razão disso, a Legislação do Imposto de


Renda

não aceita a utilização desse método. No caso da empresa utilizar esse método
a

diferença terá que ser tributada.


20100 20200 20300 20400 20500 20600 20700

PEPS

UEPS
MÉDIA

CMV

35.700 35.800 35.900 36.000 36.100 36.200 36.300

PEPS

UEPS

MÉDIA

LUCRO

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 46

CAPÍTULO 14 – PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS

No final de cada exercício social as empresas criam uma provisão para se

protegerem de possíveis perdas com relação ao não recebimento das Duplicatas


a

Receber ( vendas a prazo).

As contas que devem servir de base para o cálculo dessa provisão são as que

registram direitos provenientes de vendas a prazo de mercadorias e de serviços,

denominadas de Clientes ou Duplicatas a Receber.

Segundo o regulamento do IR, não se deve calcular a Provisão sobre direitos


cujas

vendas possuam reserva de domínio, de alienação fiduciária em garantia ou de

operações com garantia real.

Contabilização:

1) Criar Provisão:

Despesa com Provisão para Devedores Duvidosos (despesa)

a Provisão para Devedores Duvidosos ( conta redutora)

Debita-se por representar uma despesa que irá para o Resultado do Exercício;
Credita-se por ser um conta redutora do Ativo Circulante.

2) Baixa por serem incobráveis:

Provisão para Devedores Duvidosos ( conta redutora)

a Duplicatas a Receber (AC)

3) Reversão para criação de nova provisão:

Provisão para Devedores Duvidosos (conta redutora)

a Resultado do Exercício

SIM

NÃO
PROVISÃO

INCOBRÁVEL ?

REVERSÃO

RES. DO EXERC.

NOVA

PROVISÃO

REDUÇÃO DAS

DUPLICATAS A

RECEBER

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 47

Quando o valor da inadimplência for maior que o valor provisionado, a


contabilização da

Provisão insuficiente é a seguinte:

Diversos

a Duplicatas a Receber

Provisão para Devedores Duvidosos


Perdas com Clientes (despesa operacional)

Quando o valor da inadimplência for menor que o valor provisionado, a


contabilização da

Provisão é a seguinte:

Provisão para Devedores Duvidosos

a Diversos

a Duplicatas a Receber

a Resultado do Exercício

CAPÍTULO 15 – OUTRAS PROVISÕES

15.1 - Provisão para Ajuste de Custo de Bens do Ativo ao Mercado.

Quando o valor das ações for superior ao de Mercado (art. 183 da Lei n.º
6.404/76),

obedecido o Princípio da Prudência.

Exemplo: O valor da Ação é de R$ 10.000,00, sendo que, no Mercado, o valor é


de: R$

7.000

Contabilização:

Despesas c/ Provisão para Ajuste do Custos de Títulos

a Provisão p/ Ajuste do Custo de Títulos .................................... 3.000

Baixa: Negociação das Ações.

Diversos

a Ações de outras Empresas

Caixa ......................................................................... 7.000

Provisão para Ajuste de Custo de Títulos ................. 3.000 10.000

Reversão: Vendas de títulos superior ao valor da aquisição.


Caixa

a Diversos

a Ações de Outras Empresas ................................... 10.000

a Rendimentos na Venda de Ações .......................... 1.000 11.000

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 48

Provisão para Ajuste de Custo de Títulos

a Resultado do Exercício ........................................... 3.000

15.2 - Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado:

Bens ou Mercadorias adquiridos por R$ 50.000, sendo que o valor de mercado é


de R$

45.000.

Constituição:

Despesas c/ Provisão p/ Ajuste ao Valor de Mercado

a Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado ..................................... 5.000

Reversão: Mercadorias vendidas, a vista, por R$ 80.000

Caixa

a Venda de Mercadorias ........................................... R$ 80.000

baixa no Estoque de Mercadoria:

CMV

a Estoque de Mercadoria ..................................... R$ 50.000

Registro da Provisão:

Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado

a CMV .................................................................... R$ 5.000

15.3 - Provisão para Perdas Prováveis na Realização de Investimentos:


Exemplo: Adquiridas Ações de outra Empresa no valor de R$ 60.000, com
estimativa de

Perda de 10%.

Constituição:

Despesas c/ Provisão para Perdas Prováveis na Realização de Investimentos

a Provisão para Perdas Prováveis na Realização de Investimentos .... 6.000

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 49

Utilização:

Provisão para Perdas Prováveis na Realização de Investimentos

a Participações em Outras Empresas .................. 6.000

CAPÍTULO 16 – DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO

Depreciação: é a redução do valor dos bens materiais em razão do desgaste


pelo uso,

tempo e obsolescência.

A Depreciação incide sobre os seguintes bens: Máquinas e Equipamentos,


Móveis e

Utensílios, Veículos, Imóveis, Instalações, Ferramentas etc.

O método mais usado é a depreciação em linha reta, podendo ser anual ou


mensal;

Existe também a depreciação normal ou acelerada. Esta última se refere a taxa


aplicada

sobre o bem com turno superior a 8 horas.

A Amortização incide sobre bens imateriais que se encontram nas contas do


Ativo

Permanente do subgrupo do Imobilizado e do Diferido.


Amortização: é a redução do valor dos bens imateriais em razão do tempo.

Contabilização:

Depreciação de Móveis e Utensílios no valor de R$ 4.000, sabendo que a taxa


de

depreciação é de 10%:

Depreciação

a Depreciação Acumulada – Móveis e Utensílios ............................... 400

Nota: quando a depreciação atingir o mesmo valor do bem, estando ainda em


uso, não

será feito cálculo nem contabilização permanecendo o mesmo valor até ser
baixado (

sinistro, venda etc).

Não estão sujeitos à Depreciação: Terrenos ( exceto melhoramentos ou


construções);

Imóveis não usados pela empresa para fins operacionais; Bens que aumentam
de valor

com o tempo, como é o caso das Obras de Arte; Bens com tempo de vida útil
inferior a

um ano e quando o valor de aquisição de um bem for inferior ao fixado pela


Receita

Federal.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 50

Tabela do IR fornece o tempo de vida útil do bem e a taxa anual de depreciação,


veja

alguns exemplos:
BEM TEMPO DE VIDA ÚTIL DEPRECIAÇÃO ANUAL

MÓVEIS E UTENSÍLIOS 10 ANOS 10%

VEÍCULOS 5 ANOS 20%

INSTALAÇÕES 10 ANOS 10%

COMPUTADORES E PERIFÉRICOS 5 ANOS 20%

Contabilização da Amortização:

1) Realização do Gasto no valor de R$ 3.000:

Benfeitorias em Bens de Terceiros

a Caixa / Banco conta movimento ........................................ 3.000

2) Amortização de 10%:

Amortização

a Amortização Acumulada – Benfeitorias em Bens de Terceiros ........ 300

3) Baixa pelo valor do bem ser igual a quota de amortização:

Amortização Acumulada

a Benfeitorias em Bens de Terceiros ........................... 3.000

Exemplo de bens imateriais: Benfeitorias em Bens de Terceiros, Marcas e


Patentes,

Despesa de Organização, Luvas Comerciais, Fundo de Comércio, Despesa com

Pesquisa etc.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 51

BALANÇO PATRIMONIAL:
ATIVO: PASSIVO:

ATIVO PERMANENTE:

IMOBILIZADO

MÓVEIS E UTENSÍLIOS
(-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA M.U.

VEÍCULOS

(-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA VEÍCULOS

DIFERIDO:

DESPESAS DE ORGANIZAÇÃO

(-) AMORTIZAÇÃO ACUMULADA DESP. ORG.

16.1 - Ganhos ou Perdas do Capital:

São determinados através do confronto entre o valor contábil do Bem e o


resultado obtido

na sua alienação ou baixa.

Exemplo: Venda, a vista, de um Bem no valor de R$ 9.000

Ativo Permanente:

Móveis e Utensílios 15.000

(-) Depreciação Acumulada (4.000) 11.000

Valor da alienação = 9.000

(-) Valor contábil = (11.000)

Perda ...........................( 2.000)

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 52

Contabilização:

VALOR DA VENDA: TRANSFERÊNCIA: BAIXA DO VALOR CONTÁBIL

DO BEM:

Caixa

a Ganhos ou Perdas de Capital ...... 9.000

Depreciação Acumulada

a Móveis e Utensílios ........... 4.000

Ganhos ou Perdas de Capital


a Móveis e Utensílios ........... 11.000

GANHOS OU PERDAS DE CAPITAL

QUANDO FOR SALDO DEVEDOR: QUANDO FOR SALDO CREDOR:

Perdas em Transações do Ativo Permanente

A Ganhos ou Perdas de Capital ...................... 2.000

Ganhos ou Perdas de Capital

a Ganhos em Transações do Ativo Permanente..........

CAPÍTULO 17 – DUPLICATAS DESCONTADAS

A Empresa pode antecipar o dinheiro das Duplicatas a Receber indo ao Banco


que

cobrará juros e comissões, ficando como responsável, a Empresa, caso o cliente


não

pague.

Contabilização:

Diversos

a Duplicatas Descontadas (conta redutora)

Banco conta movimento (AC)

Juros a Vencer (AC)

Despesas Bancárias (despesa)

Apropriação dos Juros:

Juros Passivos (despesa)

a Juros a Vencer (AC)

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 53

Baixa das Duplicatas:

Duplicatas Descontadas (conta redutora)


a Duplicatas a Receber (AC)

Exercício:

Desconto de Duplicatas no valor de R$ 20.000, sendo: juros no valor de R$


2.500 e

despesas com comissões no valor de R$ 1.000.

Contabilização:

Diversos

a Duplicatas Descontadas

Banco conta movimento .......................... 16.500

Juros a Vencer .......................................... 2.500

Despesas Bancárias ................................. 1.000 20.000

Ativo Circulante:

Duplicatas a Receber ............................ 100.000

(-) Duplicatas Descontadas ........................... ( 20.000) 80.000

CAPÍTULO 18 – PATRIMÔNIO LÍQUIDO

O Patrimônio Líquido corresponde ao capital próprio da empresa classificado em


:

Capital Social, Reservas e Lucros ou Prejuízos Acumulados, conforme artigo


182 da Lei

das S/A n.º 6.404/76.

O Capital Social representa uma obrigação da empresa perante os sócios ou

proprietários.

Existem 3 (três) tipos de Reservas: Reservas de Capital, Reservas de


Reavaliação

e Reservas de Lucros.
Reservas de Capital são constituídas pelos ágios de emissão de ações,
correção

monetária do Capital (revogada), doações e subvenções etc.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 54

Reservas de Reavaliação têm como origem a reavaliação dos elementos do


ativo

permanente com base no laudo fundamentado pelos peritos, conforme


estabelece o artigo

8º da Lei n.º 6.404/76.

Reservas de Lucros são constituídas pela Reserva Legal, Reserva Estatutária e

Reservas Livres. Têm como origem o Lucro Líquido apurado nas empresas.

As Reservas de Lucros, quando não utilizadas no período, estão sujeitas a

reversão, ou seja, é revertido para a conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. A


Reserva

Legal não está sujeita à reversão. ( vide § 2.º do artigo 193 da Lei n.º 6.404/76 )

18.1 - Provisão para Contribuição Social:

É a contribuição Federal que tem como finalidade o financiamento da


Seguridade

Social.

Logo após os ajustes (depois de feitas as exclusões e adições) no Resultado do

Exercício é calculado extracontabilmente o valor da contribuição aplicando-se


uma

alíquota sobre o lucro líquido ajustado conforme determina a Legislação do IR.

Contabilização:

a) Constituição:
Resultado do Exercício

a Provisão para Contribuição Social

b) Pagamento:

Provisão para Contribuição Social

a Caixa / Banco conta movimento

18.2 - Provisão para o Imposto de Renda:

Imposto de competência do Governo Federal, constituído através de um


percentual

aplicado sobre o Resultado do Exercício após os ajustes, ou seja, as adições,


exclusões

ou compensações estabelecidas pela Legislação Tributária.

LALUR : Livro de Apuração do Lucro Real

LAIR = Lucro antes do IR

Lucro Real = LAIR + Adições (- ) Exclusões

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 55

Lucro Real x (* )% = Provisão para IRPJ

(* ): percentual estabelecido pela Receita Federal

Ajustes:

Nas Adições entram os valores considerados não dedutíveis pelo IR, tais como:
multas

fiscais pagas, depreciação acima do limite estabelecido pela legislação, excesso


de

retiradas de sócios, gratificações dos dirigentes e administradores, entre outros;

Nas Exclusões encontram-se os valores considerados dedutíveis, tais como:


prejuízos de
exercícios anteriores, lucro sobre mercadorias exportadas, dividendos recebidos
de outras

Cias., participações de debêntures e de empregados, contribuições para


instituições ou

fundos de assistência ou previdência de empregados etc.

Contabilização:

a) Constituição

Resultado do Exercício

a Provisão para Imposto de Renda

b) Pagamento

Provisão para Imposto de Renda

a Caixa / Banco conta movimento

As Reservas de Capital e a Reserva Legal não estão sujeitas à reversão


( transferir

o saldo para Lucros ou Prejuízos Acumulados). A Reserva Legal pode ser usada
para

compensar prejuízos ou aumentar Capital.

Participações: correspondem as parcelas oriundas do Resultado do Exercício

distribuídas aos proprietários de debêntures, empregados, administradores,


partes

beneficiárias, contribuições para Instituições ou Fundos de Assistência ou


Previdência de

Empregados.

A Base de Cálculo das Participações é o Resultado do Exercício após a


Provisão para IR

deduzido dos Prejuízos Acumulados, se houver.


www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 56

Debêntures: são títulos de crédito emitidos por sociedades anônimas com a


finalidade de

solicitar empréstimos ao público em geral pagando juros e concedendo


amortizações;

Empregados e administradores: é um complemento à remuneração


estabelecido

através de estatuto ou contrato social da empresa;

Partes Beneficiárias: são títulos negociáveis sem valor nominal e estranhos ao


Capital

Social, concedidos às pessoas que destacaram nas empresas, como por


exemplo:

fundadores, restauradores, etc;

Contribuições para Instituições ou Fundos de Assistência ou Previdência


de

Empregados: são doações concedidas pelas empresas com a finalidade de

complementar a aposentadoria de seus funcionários.

Reservas de Lucros e Dividendos:

Parte do Resultado do Exercício é destinado às Reservas de Lucros e


Dividendos.

Conforme o artigo 202 da Lei n.º 6.404/76, a empresa é obrigada a distribuir os

Dividendos anualmente aos acionistas.

Após a distribuição das participações, transfere-se o saldo para os Lucros ou

Prejuízos Acumulados.
RESULTADO DO EXERCÍCIO APÓS O IR
PARTICIPAÇÕES:

(-) DEBÊNTURES

(-) EMPREGADOS

(-) ADMINISTRAÇÃO

(-) PARTES BENEFICIÁRIAS

(-) CONTRIBUIÇÕES E DOAÇÕES

LUCRO LÍQUIDO

Cálculo do Limite da Reserva Legal

Segundo a Lei n.º 6.404/76, a Reserva Legal deixa de ser obrigatória quando:

a) O Montante da Reserva Legal alcançar 20% do Capital;

b) O Montante da Reserva Legal mais as Reservas de Capital alcançar 30% do


Capital

Social.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 57

ORGANOGRAMA:

CMV

TRIBUTOS S/ VENDAS

VENDAS CANCELADAS

VENDAS

RCM

DESPESAS

OPERACIONAIS

NÃO

OPERACIONAIS

RECEITAS

OPERACIONAIS

NÃO

OPERACIONAIS
RESULTADO

DO

EXERCÍCIO

PROVISÃO P/ CONT. SOCIAL

RESULTADO DO EXERCÍCIO

- EXCLUSÕES

- ADIÇÕES

PROVISÃO P/ CONT. SOCIAL

PROVISÃO P/ IRPJ

RESULTADO DO EXERCÍCIO

- ADIÇÕES

- EXCLUSÕES

- COMPENSAÇÕES

LUCRO REAL X % =

PROVISÃO P/ IRPJ

PARTICIPAÇÕES

LUCRO LÍQUIDO

RESERVAS DE LUCRO

DIVIDENDOS

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 58

EXERCÍCIO 09:
SALDO BALANÇO

CONTAS PATRIMONIAL DRE

D C A P PL R D

CAIXA

IR A RECOLHER

INSS

CAPITAL SOCIAL

DUPLICATAS A RECEBER
EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS

MATERIAL DE ESCRITÓRIO

CLIENTES

FORNECEDORES

ICMS A RECUPERAR

DEPRECIAÇÃO

PRÊMIOS DE SEGUROS A APROPRIAR

DESPESAS DE ORGANIZAÇÃO

PATENTES DE INVENÇÃO

BANCO CONTA MOVIMENTO

MÓVEIS E UTENSÍLIOS

JUROS ATIVOS

JUROS PASSIVOS

RESERVA ESTATUTÁRIA

DESCONTOS CONCEDIDOS

RESERVA DE REAVALIAÇÃO

DIVIDENDOS A PAGAR

DESCONTOS OBTIDOS

ALUGUÉIS ATIVOS A VENCER

Classifique em Permutativo, Modificativo e Misto:


FATOS: PERMUTATIVO MODIFICATIVO MISTO

COMPRA DE VEÍCULO À VISTA

PAGAMENTO DE DUPLICATAS C/ DESCONTO

PAGAMENTO DE DESPESAS DE JUROS

RECEBIMENTO DE JUROS DE MORA, EM DINHEIRO

PAGAMENTO DE UMA DUPLICATA

PAGAMENTO DE DESPESAS DE ALUGUEL

RECEBIMENTO DE DUPLICATAS COM JUROS

RETENÇÃO DO IR DOS EMPREGADOS

www.direitoria.net
Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 59

EXERCÍCIO 10

1) Subscrição do Capital no valor de R$ 500.000;

2) Integralização do Capital, sendo: 10% em dinheiro, 5% em Móveis e


Utensílios e 3% em

Veículos;

3) Pagamento, em dinheiro, de gastos com a constituição da empresa no valor


de R$ 5.000;

4) Depositado no Banco Titanic S/A o valor de R$ 25.000;

5) Compra, a prazo, de 2.000 unidades cujo valor unitário é de R$ 36,00


( ICMS:18%);

6) Venda, a prazo, de 1.450 unidades cujo valor unitário é de R$ 81,00 (ICMS:


18%);

7) Contabilize PIS: 0,65% e COFINS: 3%;

8) Pagamento, em dinheiro, de duplicatas, com desconto de 10%, no valor de


R$ 6.000;

9) Recebimento, em dinheiro, de duplicatas, com desconto de 10%, no valor de


R$ 5.000;

10) Pagamento, em cheque, de Aluguel no valor de R$ 3.500;

11) Pagamento, em cheque, das seguintes despesas: Energia Elétrica – R$


1.800, Água e

Esgoto – R$ 900 e Telefone – R$ 2.100;

12) Folha de Pagamento

Salário: R$ 12.000;

INSS ( empregado) : 800;

INSS ( empregador): 25%;


FGTS: 8,5%;

Salário Família: R$ 10;

Provisão para Férias e 13.º Salário.

13) Provisão para Devedores Duvidosos: 2%;

14) Depreciação: Móveis e Utensílios – 10% e Veículos – 20%;

15) Amortização: 10%;

16) Desconto de Duplicatas no valor de R$ 17.000, sendo Juros no valor de R$


1.400 e

despesas bancárias no valor de R$ 600.

Pede-se: Elaborar o Balanço Patrimonial

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 60

EXERCÍCIO 11

Balancete de Verificação da empresa Nações Unidas S/A, em 31 de dezembro:

Caixa 21.000

Capital 55.000

Móveis e Utensílios 10.000

Veículos 5.000

Duplicatas a Receber 8.000

Fornecedores 12.000

Lucros Acumulados 2.000

Banco Conta Movimento 7.000

Prêmios de Seguros a Vencer 18.000

1) Sabendo-se que: ICMS = 18%; PIS s/ Faturamento = 0,65%; COFINS = 3%

1.1) Compra, a prazo, de 600 unidades a R$ 36,00 cada;


1.2) Compra, a vista, de 400 unidades a R$ 39,00 cada;

1.3) Venda, a prazo, de 850 unidades ao preço total de R$ 120.000;

1.4) Folha de Pagamento: Salário: R$ 1.800; INSS (empregado) = R$ 350,00;


INSS

(empregador): 26,8%; FGTS: 8,5%;

1.5) Pagamentos: Energia Elétrica: R$ 750,00 ; Aluguel: R$ 580,00; Água e


Esgoto: R$

400,00;

1.6) Depreciar: Móveis e Utensílios: 10%; Veículos: 20%;

1.7) Criar Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa à razão de 1,5%;

1.8) Calcular e contabilizar a Provisão para Contribuição Social à razão de 10%


(*);

1.9) Calcular e contabilizar a Provisão para Imposto de Renda à razão de 25%


(*);

1.10) Destinações do Lucro Líquido do Exercício: 5% para Reserva Legal; 30%


para Reserva

Estatutária e 45% para os acionistas.

Pede-se:

a) Elaborar o Balancete de Verificação;

b) Elaborar o Balanço Patrimonial;

c) Demonstração do Resultado do Exercício.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 61

EXERCÍCIO 12

1) Relacione a coluna da esquerda com a da direita:

a. Ativo Circulante ( ) Fornecedores


b. Ativo Permanente ( ) Caixa

c. Passivo Circulante ( ) Imóveis

d. Patrimônio Líquido ( ) Água e Esgoto

e. Despesas Operacionais ( ) Receitas de Serviços

f. Receitas Operacionais ( ) Clientes

( ) Juros Ativos

( ) FGTS a Recolher

( ) Estoque de Mercadorias

( ) Capital

( ) Veículos

( ) Fretes e Carretos

( ) Reserva Legal

( ) Salários

( ) Salários a Pagar

( ) Despesas de Organização

2) Faça os seguintes Lançamentos:

2.1) Subscrição do Capital no valor de R$ 350.000;

2.2) Integralização do Capital, sendo: 98% em dinheiro; 1,5% em Móveis e


Utensílios e o

restante em Veículos;

2.3) Compra, a prazo, do fornecedor WBrasil S/A, conforme NF n.º 530, de 900
unidades

no valor total de R$ 2.250;

2.4) Compra, à vista, do fornecedor Girassol S/A, conforme NF n.º 351, de 300
unidades
no valor total de R$ 750;

2.5) Depreciação: Móveis e Utensílios – 10% a.a.

Veículos – 20% a.a.

2.6) Pagamento, em dinheiro, de Energia Elétrica no valor de R$ 650;

2.7) Pagamento de Água e Esgoto no valor de R$ 430;

2.8) Depositado no Banco do Brasil a importância de R$ 9.500;

2.9) Pagamento antecipado, de seguro contra incêndio, à Cia. Seguradora X no


valor de

R$ 12.000 em dinheiro, cuja vigência do contrato da Apólice de Seguro n.º 200 é


de 12

meses;

2.10) Venda, a prazo, de 1.000 unidades com 50% sobre o preço de custo;

2.11) Apropriação de 2 meses, conforme à Apólice de Seguro n.º 200, referente


ao seguro

contra incêndio;

Pede-se:

a) Apurar o CMV;

b) Levantar o Balanço Patrimonial. (Obs.: ICMS = 18%)

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 62

EXERCÍCIO 13

1) Subscrição do Capital no valor de R$ 280.000,00;

2) Integralização do Capital nas seguintes condições: 60% em dinheiro, 30% em


Móveis e

Utensílios e o restante em Veículos;


3) Pagamento de despesas, em dinheiro, com a organização da firma no valor
de 3.120,00;

4) Pagamento, em dinheiro, de luz e telefone no valor de R$ 450,00 e R$


350,00,

respectivamente;

5) Pagamento, em dinheiro, de aluguel no valor de 750 com juros de 10%;

6) Apropriação da Folha de Pagamento:

Salário: 1.800

INSS (empregado): 10%

INSS (empregador): 25%

FGTS: 8,5%

Salário Família: 5,00

7) Compra, a prazo, de 180 unidades a R$ 8,00 ;

8) Compra, a vista, de 90 unidades a R$ 9,00 ;

9) Venda, a prazo, de 250 unidades a R$ 6.250 (Total Geral).

(ICMS: 18%)

Pede-se : Lançamentos no Diário, Balanço Patrimonial e DRE.

EXERCÍCIO 14

1) Constituição da Empresa "X" S/A, conforme contrato social registrado na


Junta Comercial

do Estado de São Paulo, em 01.03.X1, com Capital Social de $ 95.000, sendo:


sócio Sr.

José valor de $ 30.000; à sócia Sra. Maria o valor de $ 35.000 e ao Pedro $


30.000;

2) Integralizado o Capital Social da Empresa em dinheiro, no valor de $ 95.000;


3) Depósito em dinheiro na c/c do Banco Ideal S/A, no valor de $ 40.000;

4) Compra de mesas, computadores, máquinas de escrever, cadeiras e outros


materiais de

escritório no valor de $ 15.500 em cheque;

5) Compra de 25 unidades de mercadorias a prazo para revenda no valor de R$


45.000,00,

conforme duplicatas n.ºs.: 004 e 005 com ICMS destacado em 17%;

6) Devolução de 6 unidades de mercadorias adquiridas através das duplicatas


n.ºs.: 004 e

005;

7) Venda a prazo de 15 unidades de mercadorias no valor unitário de $ 3.100,00


através das

duplicatas n.ºs.: 003 e 008 com ICMS destacado em 17%;

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 63

8) Devolução de 4 unidades de mercadorias vendidas através das duplicatas


n.ºs: 003 e

008;

9) Venda a vista de 2 unidades de mercadorias no valor unitário de $ 3.500,00;

10) Desconto de Duplicatas no Banco Ideal S/A, no valor de $ 20.000,00.


Despesa bancária

correspondente no valor de $ 1.400,00, conforme aviso;

11) Elaboração da folha de pagamento do mês de março, em 30.03.X1, como


segue:

Valor bruto.............................................$ 13.000,00

(-) Previdência Social............................$ 2.100,00


(-) I.R.R.F..............................................$ 1.000,00

Encargos sociais sobre a folha de pagamentos do mês de março em 30/03/X1:

FGTS...........................8,5%

Previdência Social.....12%

Salário Família...........$ 2,40

12) Pagamento de um prêmio de seguro, em cheque, no valor de $ 27.000,00,

compreendendo o período de 01/09/X1 a 31/08/X2.

Pede-se : Lançamentos no Diário, Balanço Patrimonial e DRE.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 64

CAPÍTULO 19 – APLICAÇÕES FINANCEIRAS E EMPRÉSTIMOS

Aplicações de Liquidez Imediata:

Aplicações de Liquidez Imediata

a Banco conta movimento

Debita-se pelo aumento do ativo motivado pela Aplicação Financeira;

Credita-se pela redução do Ativo representado pela saída do numerário.

Resgate:

Banco conta movimento

a Diversos

a Aplicações de Liquidez Imediata

a Receitas Financeiras

Debita-se pela entrada do numerário ( aumento do Ativo);

Credita-se as contas pela redução do Ativo, através do resgate e entrada de


receitas

através das receitas financeiras ou rendimento dos juros.


Contabilização da Correção Monetária e dos Juros:

As aplicações financeiras podem ser: prefixada ou pós-fixada

APLICAÇÕES: APROPRIAÇÕES:

PRE-FIXADA

Aplicações Financeiras

a Diversos

a Banco conta movimento

a Variações Monetárias Ativas a Vencer

a Juros Ativos a Vencer

Variações Monetárias Ativas a Vencer

a Variações Monetárias Ativas

Juros Ativos a Vencer

a Juros Ativos

POS-FIXADA

Aplicações Financeiras

a Banco conta Movimento

Aplicações Financeiras

a Diversos

a Variações Monetárias Ativas

a Juros Ativos

Juros Compostos: M = C (1+i )n

M = Montante; C = Capital; i = Taxa; n = período

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 65

As Variações Monetárias Ativas a Vencer e os Juros Ativos a Vencer, que

compõem os Resultados de Exercícios Futuros, representam receitas diferidas,


ou seja,
receitas que serão recebidas após o resgate.

As Variações Monetárias Passivas a Vencer e os Juros Passivos a Vencer, que

fazem parte do Ativo Circulante, representam despesas antecipadas.

As Variações Monetárias ( Ativas e Passivas) correspondem a correção


monetária

ou variação cambial.

Contabilização do Imposto de Renda:

IRRF a Recuperar

a Banco conta movimento

Debita-se a conta IRRF a Recuperar por representar um direito da empresa de

compensar o imposto.

Credita-se a conta Banco conta movimento pela redução do Ativo.

Apropriação ou compensação do Imposto de Renda:

Provisão para Imposto de Renda

a IRRF a Recuperar

Empréstimos:

1) Contabilização do Empréstimo:

Diversos

a Banco conta Empréstimos

Banco conta movimento

Juros Passivos a Vencer

Variações Monetárias Passivas a Vencer

2) Pagamento:

Banco conta Empréstimos


a Banco conta movimento

Variações Monetárias Passivas

a Variações Monetárias Passivas a Vencer

Juros Passivos

a Juros Passivos a Vencer

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 66

CAPÍTULO 20 – DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

As demonstrações financeiras compreendem:

DRE: Demonstração do Resultado do Exercício;

DLPA : Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados;

DMPL: Demonstração de Mutações do Patrimônio Liquido;

DOAR: Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos.

O Balanço Patrimonial é o resumo da situação do patrimônio da entidade

num determinado exercício.

DRE: É através desta demonstração que a empresa apura os lucros ou

prejuízo do exercício;

DLPA: Esta demonstração tem por objetivo apurar o lucro do exercício e sua

destinação, tais como, saldo anterior, correção monetária, reversão, reservas e

dividendos. Ver artigo 186, § 1.º;

DMPL: Demonstra as variações ocorridas no Patrimônio Líquido. Ver artigo

186, § 2.º;

DOAR: Indica a posição financeira da empresa através do capital de giro ou

capital circulante líquido. Artigo 188. CCL = AC - PC


DIÁRIO

RAZÃO

BALANÇO

PATRIMONIAL

DRE DLPA DMPL DOAR

BALANCETE

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 67

Quadro I – Demonstração do Resultado do Exercício (segundo o artigo 187 da Lei


n.º

6.404/76):

Receita Operacional Bruta

Venda de Mercadorias ou Prestação de Serviços

Deduções e Abatimentos:

(-) Descontos Incondicionais Concedidos *

(-) Vendas Canceladas

(-) ICMS sobre Vendas

(-) PIS sobre Faturamento

(-) COFINS

Receita Operacional Líquida:

(-) CMV ou CSP

= Lucro Operacional Bruto

(-) Despesas Operacionais

+ Receitas Operacionais

= Lucro Operacional

+ Receitas Não Operacionais

(-) Despesas Não Operacionais


(+/-) Resultado da Correção Monetária

= Resultado do Exercício Antes da Contribuição Social

(-) Provisão para Contribuição Social

= Resultado do Exercício Antes do Imposto de Renda

(-) Provisão para o Imposto de Renda

= Resultado do Exercício Após o Imposto de Renda

(-) Participações:

Debêntures

Empregados

Administradores

Partes Beneficiárias

Contribuições para Instituições ou Fundos de Assistência ou Previdência de


Empregados.

= LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

= LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO POR AÇÃO.

Quadro II – Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados ( artigo 186 da Lei


n.º

6.404/76):

Saldo no início do período

(+/-) Ajustes de exercício anteriores (*)

+ Correção Monetária do Saldo inicial

= Saldo ajustado e corrigido

(+/-) Lucro ou Prejuízo do Exercício

Destinações do Exercício:

Reserva Legal

Reserva Estatutária
Reserva para Contingências

Outras Reservas

Dividendos

Saldo no final do Exercício.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 68

(*) Conforme o § 1.º do artigo citado acima, consideram-se ajustes de exercícios

anteriores, somente dois casos: Mudança de Critério Contábil, embora


contrária a

convenção Contábil da Consistência e, por último, a Retificação de Erro

compreendendo erros de cálculo, omissão de lançamento, erros de


contabilização etc.

Quadro III – Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido ( § 2.º do


artigo 186

da Lei n.º 6.404/76)


CAPITAL

RESERVAS

DESCRIÇÃO

SUBSCRITO A REALIZAR REALIZADO CAPITAL REAVAL. LUCROS

LUCROS

OU

PREJUÍZOS

ACUM.

TOTAL

Saldo Anterior

Ajustes de Exerc. anteriores

Correção Monetária

Aumentos de Capital:

Reservas e Lucros

Novas Subscrições
Reversões de Reservas

Lucro Líquido do Exercício

Destinação do Lucro

Reserva Legal

Reservas Estatutárias

Outras Reservas

Dividendos

Saldo Atual

Quadro IV – Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (artigo


188 da Lei

n.º 6.404/76):

Origens:

Lucro Líquido do Exercício

Depreciações e Amortizações

Correção Monetária do Balanço

Variação no Resultado do Exercício Futuro

Realização do Capital Social

Contribuição para Reserva de Capital

Total

Aplicações:

Dividendos

Aquisição de Imobilizado

Acréscimo do Realizável a Longo Prazo

Acréscimo dos Investimentos

Acréscimo do Ativo Diferido

Total

Capital Circulante Líquido = Ativo Circulante – Passivo Circulante

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 69


As Notas Explicativas servem como complemento das informações sobre as

demonstrações financeiras elucidando os critérios contábeis utilizados pela


empresa,

conforme dispõe os §§ 4.º e 5.º do artigo 176 da Lei n.º 6.404/76.

CAPÍTULO 21 – DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE


RECURSOS:

Elaborar as Demonstrações de Origens e Aplicações de Recursos, conforme


exercício

abaixo:
CONTAS: ANO 1:

ATIVO

CIRCULANTE 22.500

CAIXA 6.000

DUPLICATAS A RECEBER 1.500

ESTOQUE DE MERCADORIAS 15.000

REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

DUPLICATAS A RECEBER 8.000

PERMANENTE

MÓVÉIS E UTENSÍLIOS 5.000

(-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA (500)

VEÍCULOS

(-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA

TOTAL 35.000

PASSIVO

CIRCULANTE 8.200

DUPLICATAS A PAGAR 7.000

IMPOSTOS A RECOLHER 1.200

EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

DUPLICATAS A PAGAR 4.400


PATRIMÔNIO LÍQUIDO

CAPITAL SOCIAL 20.000

LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS 2.400

TOTAL 35.000

Lançamentos do Ano 2:

a) Aumento do Capital no valor de R$ 18.000, sendo: 25% em dinheiro e o


restante em

Veículos;

b) Venda de mercadorias, a vista, por R$ 26.000 com CMV de R$ 8.000 (ICMS


isento);

c) Pagamento, a vista, de despesas diversas no valor de R$ 3.800;

d) Depreciação: Móveis e Utensílios a 10% e Veículos a 20%;

e) Pagamento, a vista, de Duplicatas a Pagar (ELP) no valor de R$ 1.850, com


desconto de

10%;

f) Pagamento, a vista, de R$ 800 em impostos;

g) Recebimento, em dinheiro, de Duplicatas a Receber (RLP) no valor de R$


3.000.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 70

CONTAS: ANO 1: ANO 2: VAR.

ATIVO

CIRCULANTE 22.500

CAIXA 6.000 33.235

DUPLICATAS A RECEBER 1.500 1.500

ESTOQUE DE MERCADORIAS 15.000 7.000

REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

DUPLICATAS A RECEBER 8.000 5.000 3.000


PERMANENTE

MÓVÉIS E UTENSÍLIOS 5.000 5.000 0

(-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA (500) (1.000) (500)

VEÍCULOS - 13.500 13.500

(-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA - (2.700) (2.700)

TOTAL 35.000 61.535

PASSIVO

CIRCULANTE 8.200

DUPLICATAS A PAGAR 7.000 7.000

IMPOSTOS A RECOLHER 1.200 400

EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

DUPLICATAS A PAGAR 4.400 2.550 1.850

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

CAPITAL SOCIAL 20.000 38.000 18.000

LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS 2.400 13.585 11.185

TOTAL 35.000 61.535

ANO 1 ANO 2

AC = 22.500 AC = 41.435

PC = 8.200 PC = 7.400

CCL = 14.300 CCL = 34.335

CCL = 34.335 – 14.300 = 20.035

Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos:

Origens:

Lucro Líquido: R$ 11.185

(+) Depreciações: R$ 3.200

Aumento do Capital: R$ 18.000

Redução do Realizável a Longo Prazo: R$ 3.000

Total das Origens: R$ 35.385


Aplicações:

Redução do Passivo Exigível a Longo Prazo: R$ 1.850

Aumento do Ativo Permanente: R$ 13.500

Total das Aplicações: 15.350

Total das Origens – Total das Aplicações = R$ 35.385 – 15.350 = 20.035

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 71

CAPÍTULO 22 - DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

O Balanço Patrimonial pode ser dividido em: contas circulantes e contas não

circulantes. As contas circulantes fazem parte dos grupos: Ativo Circulante (AC)
e Passivo

Circulante (PC), enquanto que, as contas não circulantes compreendem o


Realizável a

Longo Prazo (RLP), Ativo Permanente (AP), Exigível a Longo Prazo (ELP),
Resultado de

Exercícios Futuros (REF) e o Patrimônio Líquido (PL).

O Capital Circulante Líquido, também conhecido como Capital de Giro, tem


como

função básica revelar a condição financeira em que se encontra a empresa em


razão dos

compromissos assumidos a curto prazo.

Quanto maior o CCL, maior será a condição de solvência da empresa,


entretanto, o

CCL menor levará a uma condição de insolvência financeira.

ATIVO = PASSIVO

AC + RLP + AP = PC + ELP + REF + PL


AC – PC = ELP + REF + PL – RLP – AP

CCL = ELLP + REF + PL – RLP – AP

CCL AUMENTA DIMINUI

RLP, AP REDUÇÕES ACRÉSCIMOS

ELP, REF, PL ACRÉSCIMOS REDUÇÕES

Algumas despesas e receitas não afetam o CCL, sendo assim, suas


contrapartidas

são registradas em contas não circulantes. A partir daí, o Lucro Líquido tem seu
valor

ajustado, ou seja, as despesas são adicionadas e as receitas subtraídas.

Algumas despesas e receitas não afetam o CCL, sendo assim, suas


contrapartidas

são registradas em contas não circulantes. A partir daí, o Lucro Líquido tem seu
valor

ajustado, ou seja, as despesas são adicionadas e as receitas subtraídas.

Abaixo estão relacionadas as receitas e despesas que não afetam o CCL, são
elas:

a) Despesas de depreciação, amortização ou exaustão;

b) Receitas transferidas de Resultados de Exercícios Futuros (REF) para a conta

Resultado de Exercício;

c) Os ganhos ou perdas na avaliação de investimentos avaliados pelo método


da

equivalência patrimonial;

d) As variações monetárias de direitos realizáveis ou de passivos exigíveis a


longo prazo;
e) O lucro ou prejuízo não-operacional decorrente da alienação de bens e
direitos do

Ativo Permanente.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 72

Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos:

ORIGENS:

1.º) Das Operações:

Lucro Líquido do Exercício ajustado por despesas e receitas que não afetam o
CCL

2.º) Dos Proprietários:

Realização do Capital Social e Contribuições para Reserva de Capital

3.º) De Terceiros:

Aumento do ELP, redução do RLP, alienação de Investimentos e direitos do


Ativo

Imobilizado.

APLICAÇÕES:

1.º) Dividendos Distribuídos;

2.º) Aquisição de direitos do Imobilizado;

3.º) Aumento do RLP (Realizável a Longo Prazo), dos Investimentos e do Ativo


Diferido;

4.º) Redução do ELP (Exigível a Longo Prazo)

Fluxo de Caixa: relaciona o conjunto de ingressos e desembolsos financeiros


de

empresa em um determinado período. Procura-se analisar todo deslocamento


de cada
unidade monetária dentro da empresa.

Método Direto: esta forma de apresentação começa-se pelo recebimento das


vendas e

não com base no lucro líquido.

Método Indireto: neste método, parte-se do lucro líquido para, após os ajustes

necessários, chegar-se ao valor das disponibilidades produzidas, no período,


pelas

operações registradas na demonstração de resultado.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 73

EXEMPLO:

CONTAS ANO 1 ANO2

ATIVO

CIRCULANTE: 194.540,00 187.894,60

CAIXA 118.540,00 97.018,60

DUPLICATAS A RECEBER 69.000,00 42.220,00

ESTOQUE DE MERCADORIAS 7.000,00 48.656,00

PERMANENTE: 14.600,00 45.800,00

MÓVEIS E UTENSÍLIOS 10.000,00 10.000,00

(-) DEPREC. ACUM (1.000,00) (2.000,00)

VEÍCULOS 7.000,00 49.000,00

(-) DEPREC. ACUM (1.400,00) (11.200,00)

TOTAL 209.140,00 233.694,60

PASSIVO

CIRCULANTE: 88.000,00 54.440,94

DUPLICATAS A PGAR 86.500,00 48.000,00

IMPOSTOS A RECOLHER 820,80


DIVIDENDOS A PAGAR 1.500,00 5.620,14

PATRIMÔNIO LÍQUIDO: 121.140,00 179.253,66

CAPITAL 100.000,00 140.000,00

LUCROS OU PREJ. ACUM. 16.140,00 33.066,97

RESERVA LEGAL 5.000,00 6.186,69

TOTAL 209.140,00 233.694,60

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO:

RECEITA BRUTA 124.560,00

(-) DEDUÇÕES

ICMS S/ VENDAS (22.420,80)

RECEITA LÍQUIDA 102.139,20

(-) CMV (56.744,00)

LUCRO BRUTO 45.395,20

(-) DESPESAS OPERACIONAIS

DEPRECIAÇÃO (10.800,00)

DESPESAS DIVERSAS (12.000,00)

DESPESAS FINANCEIRAS 3.481,40

(-) RECEITAS FINANCEIRAS 4.620,00 1.138,60

LUCRO LÍQUIDO 23.733,80

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 74

DOAR

Origens

Res. Líquido: 23.733,80

(+) Depreciação: 10.800,00

Res. Ajustado 34.533,80

(+) Aumento do Capital 40.000,00

Total 74.533,80
Aplicações:

Aquisição de Veículos: 42.000,00

Dividendos Propostos 5.620,14

Total 47.620,14

CCL 26.913,66

CCL ANO 1 ANO 2 VARIAÇÃO

AC 194.540,00 187.894,60 (6.645,40)

PC 88.000,00 54.440,94 (33.559,06)

CCL1 106.540,00 133.453,66 26.913,66

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 75

CAPÍTULO 23– PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE

1- Princípio da Entidade: o patrimônio dos sócios não se confunde com o da


empresa,

ou seja, o que é do sócio é do sócio e, o que é da empresa é da empresa;

2- Princípio da Continuidade: segundo este princípio, a composição qualitativa


e

quantitativa do patrimônio, depende das condições em que provavelmente se

desenvolverão as operações da Entidade.

A denominação "Princípio da Continuidade", como também a de "Entidade em

marcha",

ou going concern, é encontrada em muitos sistemas de normas no exterior e

também

na literatura contábil estrangeira. Embora o Princípio da Continuidade

também parta
do pressuposto de que a Entidade deva concretizar seus objetivos

continuamente – o

que nem sempre significa a geração de riqueza no sentido material -, não se

fundamenta na idéia de Entidade em movimento.

3- Princípio da Oportunidade: refere-se, simultaneamente, à tempestividade e


à

integridade do registro do patrimônio e das suas mutações.

O Princípio da OPORTUNIDADE abarca dois aspectos distintos, mas

complementares:

a integridade e a tempestividade, razão pela qual muitos autores preferem

denominálo

de Princípio da UNIVERSALIDADE. A integridade diz respeito à necessidade

de as

variações serem reconhecidas na sua totalidade, isto é, sem qualquer falta ou

excesso.

A tempestividade obriga a que as variações sejam registradas no momento

em que

ocorrerem.

4- Princípio do Registro pelo Valor Original: Os componentes do patrimônio


devem

ser registrados pelos valores originais das transações expressos na moeda do


país;

5- Princípio da Atualização Monetária: Os efeitos da alteração do poder


aquisitivo da
moeda nacional devem ser reconhecidos nos registros contábeis;

6- Princípio da Competência: a receita será contabilizada no período em que


for

gerada, independente do seu recebimento. A despesa será contabilizada como


tal no

período em que for consumida, incorrida, utilizada, independentemente do


pagamento.

7- Princípio da Prudência: Estabelece o critério de adoção de menor valor para


os itens

do Ativo e de maior valor para os itens do Passivo.

www.direitoria.net

Contabilidade Ge ral – Prof. Sérgio Ramos 76

Normas Brasileiras de Contabilidade: NBC

As normas classificam-se em Profissionais e Técnicas. As Normas Profissionais

estabelecem regras de exercício profissional, caracterizado pelo prefixo NBC-P,

enquanto

que, as Normas Técnicas estabelecem conceitos doutrinários, regras e

procedimentos

aplicados de Contabilidade, caracterizando-se pelo prefixo NBC-T.

Citando alguns exemplos: a NBC P 1 estabelece normas profissionais de Auditor

Independente e a NBC P 3, de Auditor Interno. Por outro lado, a NBC T 11 dita as

Normas de

Auditoria Independente da Demonstrações Contábeis, a NBC T 12, de Auditoria

Interna e a

NBC T 13, Perícia Contábil.


BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA:

CONTABILIDADE BÁSICA FÁCIL

OSNI MOURA RIBEIRO – ED. SARAIVA

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

EQUIPE DE PROFESSORES DA FEA – USP – ED. ATLAS

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE

AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

E O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA

CRCSP ( CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO


PAULO)

CONTABILIDADE EMPRESARIAL

JOSÉ CARLOS MARION – EDITORA ATLAS

SITES INDICADOS:

www.crcsp.gov.br

www.receita.federal.gov.br

www.portaltributario.com.br/100ideias.htm

http://www.portaldecontabilidade.hpg.ig.com.br/tematicas.htm

www.portaltributario.com.br/100ideias.htm

http://www.oapnet.com.br/pnormas.html

http://www.guiacontabil.hpg.ig.com.br/artigos.htm

http://www.farocontabil.com.br/folha_pagamento.htm