Você está na página 1de 6

18/07/2019 PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL - Jus.com.

br | Jus Navigandi

Este texto foi publicado no Jus no endereço https://jus.com.br/artigos/51190


Para ver outras publicações como esta, acesse https://jus.com.br

PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL


PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL

Rogério Tadeu Romano

Publicado em 08/2016. Elaborado em 08/2016.

O ARTIGO APRESENTA ALGUMAS CONCLUSÕES OBTIDAS DA DOUTRINA

PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL

Rogério Tadeu Romano

Procurador Regional da República aposentado

I – A PREJUDICIALIDADE: histórico, significado lingüístico.

Em Roma, fazia-se a dicotomia cognitio e iudicium. Há questões que eram apreciadas de forma incidental, não
tendo a decisão a seu respeito o efeito de condicionar julgamentos futuros e tal era a cognitio.

Iudicium dizia respeito a questão principal[1]


(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn1) .

Praeiudicia era o juízo preparatório de outros processos que passaram a ser admitidos em processos autônomos
antecedentes históricos da ação declaratória[2]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn2) .

As praeiudicia referiam-se a questões de estado, como, por exemplo a praeiudiucium na ingenuus sit,
praeiudicium de partu agnoscendo, dentre outros, anotadas em Gaio (Institutos, IV, 44).

Prae significa o que vem antes, que é anterior. Iudicium é o julgamento da questão principal de forma definitiva.
Prejudicial, o que vem antes do exame da questão principal.

No passado, nosso Código de Processo do Rio Grande do Norte fazia menção a prejudicial civil no processo penal.
Aliás, muito se deve, modernamente, o estudo da prejudicial àquela disciplina. Dir-se-ia que se suspendia o processo penal
ao aguardo da decisão quanto a prejudicial.

Aliás, fala-se em prejudicial obrigatória (art. 92 do Código de Processo Penal) e facultativa (art. 93 do mesmo
diploma). A prejudicial heterogênea exigiria a suspensão do processo para decisão em separado, no juízo civil, da questão
prejudicial de estado e facultando-se a suspensão em face de outras questões prejudiciais civis.

Há, outrossim, suspensão obrigatória quando a questão prejudicial é objeto principal de outro processo pendente
(art. 265, IV, “a” do CPC), ou quando, sendo ela questão de estado, seu julgamento foi requerido como declaração incidente
em outro processo (art. 265, IV, “c”).

Fala-se em prejudicial externa quando não cabem na competência do juiz do processo e interna, ao contrário.

II – A EXCEPTIO PRAEJUDICII. A CONEXÃO DE CAUSAS

https://jus.com.br/imprimir/51190/prejudicialidade-conexao-e-suspensao-processual 1/6
18/07/2019 PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL - Jus.com.br | Jus Navigandi

Já ensinava em obra pioneira o mestre Oskar Von


Bülow[3]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn3) que
exceção processual não é outra coisa que pressuposto processual expressado negativamente em forma de exceção. Eram os
exceptio fori imconpetentis, de prevenção, de juiz suspeito, impedido, etc.

Para Von Bülow a exceptio praejudii é uma exceção processual e tem lugar no interesse de um processo futuro e
não é uma exceção processual. De praejudicialibus excepcionibus, Heidelberg, 1863).

Diverso era o decreto de prejudicialidade. No processo romano, tinha lugar em tal caso unicamente a praetoria
cognitio, pois se 2(duas) ações eram conexas, estavam pendentes de debate judicial ao mesmo tempo, o magistrado não
esperava o protesto do demandado, mas, sim, de ofício, tomava medidas no intuito de estabelecer uma ordem sucessiva
adequada entre ambos processos, pois suspendia o menos importante até que o de maior transcendência fosse resolvido.
Era um decreto suspensivo chamado de decreto de prejudicialidade.

Já na exceção de prejudicialidade o juízo não deve velar de ofício por um processo só possível no futuro. É um direito
do réu, particular, no interesse de processo futuro, que deverá seguir as seguintes prescrições: competência, capacidade e
insuspeitabilidade do juiz, capacidade processual das partes, dos representantes, citação e obrigação entre vários processos,
que consistem numa abólitio da instância.

Sirvo-me da lição do mestre Von Bülow, à luz de Ulpiano, ao fazer a distinção entre o decreto e a exceção de
prejudicialidade, entre iudicium majus praesens e futurum. No primeiro, o magistrado detém um processo ante o
perigo de prejulgar a matéria de outro, diversa da exceção de prejudicialidade no interesse de processo futuro. Ora, no
decreto está a raiz histórica da conexão por prejudicialidade.

Havia o decreto de prejudicialidade, diante de processos conexos:

{C}a) suspenso o processo referente à condição de livre, em relação a um processo de herança[4]


(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn

{C}b) ao magistrado competia resolver se o familiae herciscundae iudicium devia ser


iniciado e tramitado junto com a hereditatis petitio ou se, a causa do risco de um
praejudicium devia ser momentaneamente paralisado[5]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn
.

Quanto a exceptio de prejudicialidade ter-se-ia: a exceptio quod praejudicium hereditati, praedio, in


reum capitis non fiat. No caso da exceptio quod praejudicium praedio non fiat, a vindicação do prédio importa
um perigo de prejulgamento, através da ectio confessoria. O autor usa uma servitis sem estar na posse do praedium
dominans.

Não tenho dúvidas em firmar a prejudicialidade como forma de conexão. Vemos isso no liame entre a questão (ponto
duvidoso; ponto, fundamento da afirmação referente à pretensão) prejudicial que venha ser resolvida principaliter
juntamente com a questão principal, transformando-se em causa (possibilidade de ser objeto de processo autônomo)
prejudicial ligada a prejudicada. A prejudicial liga-se a prejudicada, por um condicionamento lógico e necessário por laços o
mesmo ramo de direito da prejudicada) de tal forma a determinar, nos laços da lei, a suspensão de uma causa prejudicada a
aguardar a solução da outra, prejudicial. Identificada a prejudicialidade, com 2(duas) lides conexas, o magistrado deve, de
ofício, estabelecer a ordem sucessiva, adequada entre esses processos.

A prejudicialidade é forma de conexão ainda que não se possa falar, necessariamente, em reunião de causas. Tal se
vê, nitidamente, nas raízes históricas do decreto de prejudicialidade em que, de ofício, o magistrado suspendia a menos
importante, até que a mais importante fosse resolvida.

Dessa conexão decorre um grande efeito da conexão: a suspensão da causa.

A prejudicial condiciona, vincula, ainda que traga obstáculos, o teor da decisão sobre a subordinada. As preliminares,
ao contrário, são questões que não vinculam o futuro pronunciamento, apenas obstaculam.

Fala-se em critério material em que se cotejam, em sua origem, e nos fins mirados, direitos vinculados aos mesmos
fatos ou às mesmas relações jurídicas, vendo-a como fenômeno pré-processual; fugindo-se da doutrina de Matteo Pascatore
fundada na identidade dos elementos da demanda (ação 103 do CPC). Seria o pensamento de Olavo de Oliveira Neto[6]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn6) para quem
a gênese da conexão de causas está na identificação da relação jurídica material. É o caso da ação de consignação e
pagamento e o despejo, uma vez que não pode haver contradição lógica nos julgamentos.

https://jus.com.br/imprimir/51190/prejudicialidade-conexao-e-suspensao-processual 2/6
18/07/2019 PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL - Jus.com.br | Jus Navigandi

A união dessas causas implica reunião das que correm separadamente. Para Olavo de Oliveira Neto, há
obrigatoriedade da reunião das ações para julgamento simultâneo, não uma faculdade do juiz.

Isso sem perder de vista tanto a aplicação do art. 106 e do art. 219 do Código de Processo Civil. Para Theotônio
Negrão[7] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn7)
será possível harmonizá-los, se se entender que o art. 106 (mesma competência territorial), dispõe sobre a competência do
juízo e o art. 219 (juízes sem, a mesma competência territorial) sobre a competência de foro, sendo prevento o juízo que
efetivou a citação válida em primeiro lugar.

Fala-se em conexão por prejudicialidade: execução e embargos de devedor, consignação em pagamento e despejo,
investigação de pagamento e despejo; ação e reconvenção. Haveria situações em que a questão condicionante dispensa ou
torna impossível a solução da questão condicionada; e, a solução da questão condicionada, sendo a conexão também causa
de modificação de competência em que a decisão de um influencia o seguimento de outro (prejudicialidade impeditiva),
como a causa dos embargos de execução e a execução). Ter-se-ia, por outro, prejudicialidade determinativa (ação de
consignação em pagamento e o despejo).

III – SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO PROCESSO

Efeito da conexão é a suspensão do processo.

Fala Salvatore Satta[8]


(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn8) em 2(duas)
situações prováveis de sustação do processo previstas pelo Código Italiano: a necessária e a que for pedida pelas partes.
Vejamos a primeira:

{C}- o juiz ordenará a suspensão do processo em caso de dever solucionar controvérsia


civil ou administrativa cuja definição dependa de decisão da causa.

Tal solução é prevista, no art. 295 do Código Italiano. Para Satta, estudando o art. 34 daquele diploma (reunião de
processo), não se pode considerar caso de prejudicialidade em sentido técnico. Tratar-se-ia de não propositura de demanda
(até quando não cumprido aquele aceitamento) e a suspensão agiria por temperamento à referida não propositura. Ora, tal
é a influência histórica do decreto de prejudicialidade, reunião de processos em curso, de ofício, pelo juiz.

Na interrupção do feito haveria fatos relevantes como: falecimento e a perda da capacidade de estar em juízo. Nosso
sistema jurídico, art. 265 do CPC, não faz tal distinção. Poder-se-ia falar: suspensão e interrupção por ato das partes[9]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn9) (fato
estranho a vontade das partes).

Nosso sistema jurídico fala em suspensão legal e extralegal. A primeira com sede no art. 265 do CPC, por exemplo, a
segunda nos casos, v. g., de exceção de pré-executividade. Na execução, os embargos de devedor suspendem o curso da
execução e tal remédio é ação, não recurso.

No sistema adotado em nosso Código de Processo Penal, temos, nos arts. 92 e 93, respectivamente, a suspensão
obrigatória para decisão de forma definitiva, no juízo civil, da prejudicial de estado, e o segundo da suspensão facultativa
em face de outras questões (prejudicial heterogênea).

Temos suspensão nas prejudiciais homogêneas, no CPC, obrigatoriamente, quando a questão é objeto principal de
outro processo pendente (art. 265, IV, “a”) ou sendo ela questão de estado, seu julgamento já requerido como declaração
incidente em outro processo (art. 265, IV, “c”). Anoto que Egas Muniz[10]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn10) critica
José Frederico Marques, que considera que a regra do art. 265, IV, “c” somente abrange as questões de Estado que
constituam prejudicial externa. Ora, tal prejudicial pode ser interna, pois é o caso da ação do art. 5.° do CPC.

IV – CARACTERÍSTICAS DA PREJUDICIALIDADE

Não resta dúvida na doutrina que a relação entre a questão prejudicial e a prejudicada é de subordinação. É a
prejudicial um antecedente lógico e necessário da prejudicada.

Nada tem a prejudicial com a preliminar, que impossibilita a decisão sobre a subordinada. Aqui, na questão
prejudicial condiciona-se o teor da decisão sobre a subordinada.

Necessariedade e subordinação lógica da questão (ponto controvertido) prejudicada é questão prejudicial, pois
precisa-se, necessita-se da solução da questão.

https://jus.com.br/imprimir/51190/prejudicialidade-conexao-e-suspensao-processual 3/6
18/07/2019 PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL - Jus.com.br | Jus Navigandi

Porém, Barbosa Moreira[11]


(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn11) ,
examinando as questões prejudiciais relativas às condições da ação e ao processo, face a coisa julgada, conclui que as
decisões sobre as questões prejudiciais são sempre incidentais, não podendo adquirir autoridade de coisa julgada. Nega,
pois, o critério da autonomia, acolhendo Menestrina para quem a prejudicialidade jurídica nasce de que há igual natureza
do juízo prejudicial e do final não podendo ser objeto de processo, ação ou juízo autônomo.

Na corrente do mestre Barbosa Moreira, a Professora Tereza Alvim[12]


(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn12) entende
que o critério da autonomia, à luz do que entende Scarance Fernandes[13]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn13) , ser objeto
de processo autônomo, não é adequado. Ora, as decisões sobre as prejudiciais não poderiam adquirir a qualidade dos
efeitos da sentença, imutabilidade e indiscutibilidade, a coisa julgada. Posso ter questão prejudicial sobre valor da causa,
em relação a questão acerca do recurso cabível da decisão de 1.ª instância (apelação ou embargos) ou valor da causa com
relação a espécie de procedimento. Posso ter prejudiciais não relacionadas ao mérito como o caso da legitimação para
propor ação popular: o autor é cidadão brasileiro? Há prejudiciais de ação e de sentença?

Mas necessário a autonomia, senão não se terá possibilidade da questão prejudicial ser objeto de processo
autônomo. Assim, ter-se-á a prejudicialidade e seus efeitos e conseqüências, como um de seus principais: a cumulação de
ações e a suspensão do processo. Ter-se-á a causa prejudicial, a autonomia.

V – QUESTÃO PREJUDICIAL E A SENTENÇA PARCIAL

A causa prejudicial, possibilidade de ser objeto de processo autônomo, terá sentença definitiva não necessariamente
parcial.

A sentença definitiva é a última do procedimento.

E a sentença parcial?

Ensina Ovídio Baptista daSilva[14]


(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn14) que
Redenti, com sua proficiência, afirmava que algumas sentenças não são definitivas por serem parciais. Sentença parcial é
sentença idêntica à anterior, através do qual o juiz igualmente se pronuncia sobre uma porção da demanda, sem lincerar o
procedimento, inteiramente. Produz ela coisa julgada, mas não encerra inteiramente o procedimento.

É o caso das sentenças primeiras, nas ações condenatórias de prestação de contas (exigir contas) e das sentenças nas
ações de divisão e demarcação, de cunho petitório.

Para essas ações, a finium regundorum e a comuni dividundu, temos 2(duas) sentenças. Veja-se a ação
divisória para extinguir o condomínio. As sentenças são jurisdicionais[15]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn15) : a
primeira em que o juiz declara procedente a ação; a segunda em que o juiz atua o efeito divisório. Para Partes de Miranda,
por haver execução material da divisão, é sentença em juízo contencioso e executiva e de efeito constitutivo, pois teria força
de executividade. Diverso dos civilistas para quem tal sentença seria não executiva declaratória. Tudo isso resumido por
Ovídio Baptista[16]
(file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftn16) .

De toda sorte a tal sentença parcial faz coisa julgada. A questão prejudicial não faz coisa julgada: é fundamento da
sentença. Porém, a causa prejudicial, objeto de processo autônomo, terá coisa julgada material. Aqui se terá mais que ponto
prejudicial ou questão (ponto controvertido) prejudicial, não mero fundamento com relação a afirmação referente a
pretensão (fundamento da razão da pretensão), mas causa, manifestação concreta, não mera aptidão, daquela questão
prejudicial, para ser objeto de processo autônomo, podendo haver cumulação de ação prejudicial e ação prejudicada
tratadas por conexão, ficando uma suspensa aguardando o julgamento da outra, fazendo as 2(duas) decisões coisa julgada,
sendo decidida aquela de forma principal. Do contrário, teremos questão prejudicial, solucionada incidentalmente, sem
fazer coisa julgada. Somente ajuizando ação declaratória incidental (art. 5.° do CPC) podemos ter coisa julgada com relação
a decisão quanto a prejudicial. Ademais, a questão prejudicial, que não faz coisa julgada, é objeto de decisão na sentença,
seja parcial ou definitiva.

VI – CONCLUSÕES

https://jus.com.br/imprimir/51190/prejudicialidade-conexao-e-suspensao-processual 4/6
18/07/2019 PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL - Jus.com.br | Jus Navigandi

1. A prejudicialidade é forma de conexão;

2. Sua raiz está na dicotomia decreto de prejudicialidade e exceção de prejudicialidade, atentando ao


primeiro instituto;

3. A suspensão do processo é feito da prejudicialidade;

4. O juiz deve, de ofício, reconhecer a conexão por prejudicialidade;

5. Há suspensões obrigatórias de processo, uma vez que a lei diz ser necessária a suspensão do processo em
face da prejudicial;

6. A autonomia é requisito da prejudicialidade, além da necessariedade e anterioridade lógica.

7. Diversa da questão prejudicial, e, tal como na sentença parcial, a causa prejudicial tem decisão que faz
coisa julgada, por ser ela causa prejudicial manifestação concreta daquela aptidão da questão prejudicial para ser
objeto de processo autônomo;

8. A questão prejudicial é objeto de menção na sentença definitiva;

9. A prejudicial de estado pode ser interna, por declaração incidental;

10. O tema das questões prejudiciais não pode ser tratado como madastra, no Brasil, contribuindo para tal
ilação o fato de que a lei brasileira é pobre em disposições sobre o assunto, talvez por faltar no Código, o tema da
graduação por valor de alçada.

[1] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref1) Livro


III, t. 8, de ordine iudiciorum e livro VII, t. 19, de ordine cognitionum, segundo falou Manzini, apud Antonio Scarance
Fernandes, Prejudicialidade, São Paulo, RT, 1988, pg. 11.

[2] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref2) Celso


Agrícola Barbi, Ação Declaratória Principal e Incidente, 4.ª ed., Rio de Janeiro, Forense, pg. 21-23.

[3] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref3) A
Teoria das Exceções Processuais e dos Pressupostos Processuais (1868), ed. LZN, Campinas, São Paulo. Não se pode perder
de vista a lição do mestre de que o processo é uma relação jurídica que avança gradualmente e se desenvolve passo a passo.
Essa relação processual se aperfeiçoaria coma litiscontestação - contrato de direito público entre o Estado e as partes
(resquício da época privada)

[4] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref4) Obra


citada, p. 119.

[5] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref5) L. 51,


§ 1.° jan, hercisc. 10, 12.

[6] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref6)
Conexão por Prejudicialidade, São Paulo, RT, 1994, pg. 55. A esse respeito Tomás Pauá Filho: Estudo sobre a conexão de
causas, no Processo Civil, São Paulo, 1964, p. 65.

[7] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref7) Obra


citada, pg. 68.

[8] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref8)
Direito Processual Civil, Campinas, São Paulo, LZN Editora, trad. Ricardo Rodrigues Gama, 2003, pg. 475. Diz o mestre
italiano (vol. II, pg. 307) que na suspensão do processo de cognição há uma instância a parte de juízos, determinada por um
nexo de prejudicialidade entre várias causas, não podendo o juiz firmar a sustação senão quando a lei o dispuser. Nessa
linha, diz Satta, exemplificando o art. 295 do C. Italiano, que os condôminos antes de discutirem o litígio podem enviar o
caso a autoridade administrativa.

[9] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref9)

[10] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref10)
Egas Muniz, Comentários ao CPC, RJ, Forense, vol. II, 2.ª ed., 1976, pg. 449.

[11] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref11)
Questões Prejudiciais e Coisa Julgada, Rio de Janeiro, Borsoi, 1967, p. 126 e Questões Prejudiciais e Questões Preliminares

https://jus.com.br/imprimir/51190/prejudicialidade-conexao-e-suspensao-processual 5/6
18/07/2019 PREJUDICIALIDADE, CONEXÃO E SUSPENSÃO PROCESSUAL - Jus.com.br | Jus Navigandi

[12] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref12)
Questões Prévias e Limites Objetivos da Coisa Julgada, São Paulo, RT, 1977, pg. 21 e 22.

[13] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref13)
Obra citada, pg. 47. Veja-se quanto a prejudicial de ação o caso do servo, que dizia não o Servo, essencial, para que pudesse
acusar o Senhor.

[14] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref14)
Decisões Interlocutórias e Sentenças Liminares, in Da Sentença Liminar à Nulidade da Sentença, Rio de Janeiro, Forense,
2002, pg. 20.

[15] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref15)
Para Hamilton de Moraes e Barros (Comentários ao Código de Processo Civil, RJ, Forense, vol. IX, n.° 60, a sentença final
homologatória é provimento administrativo. Venia concessa prefiro a afirmação de Lopes da Costa (Demarcação, Divisão,
Tapumes, 1963, pg. 282) que considerou constitutiva a ação de divisão, na linha de Chiovenda.

[16] (file:///D:/ARTIGOS%20DR%20ROGERIO/PREJUDICIALIDADE,%20CONEXAO%20E%20SUSPENSAO%20PROCESSUAL.doc#_ftnref16)
Curso de Processo Civil, vol. II, Porto Alegre, Sérgio Antônio Fabris Editor, 1990, pg. 220.

Autor
Rogério Rogério Tadeu Romano
Tadeu
Romano Procurador Regional da República aposentado. Professor de Processo Penal e Direito Penal. Advogado.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do
site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

https://jus.com.br/imprimir/51190/prejudicialidade-conexao-e-suspensao-processual 6/6