Você está na página 1de 2

Ephesians (BECNT) - Frank Thielman

A maioria dos comentaristas passa rapidamente pela frase inicial desta


nova seção, e isso é inteiramente apropriado se alguém pensa que ou Paulo
escreveu a expressão no caso acusativo τὸ λοιπόν (para loipon) ou que, se ele
escreveu a forma genitiva τοῦ λοιποῦ (tou loipou), ele entendeu no mesmo
sentido que τὸ λοιπόν.1 Em ambos os casos, Paulo se move para a seção final
de sua carta com a simples expressão "Finalmente".

Essa simples leitura de τοῦ λοιποῦ, no entanto, não é convincente.


Como a nota adicional explica, Paulo provavelmente não escreveu τὸ λοιπόν
aqui, mas τοῦ λοιποῦ, e τοῦ λοιποῦ não significa “finalmente”. É uma forma
abreviada da frase τοῦ λοιποῦ χρόνου (tou loipou chronou) e claramente
significa “de agora em diante”, “no tempo que resta”, “daqui por diante”.2 É
melhor dar à palavra seu significado natural, portanto, e entendê-la como uma
introdução a uma admoestação que esboça o que Paulo quer que seus leitores
façam “agora em diante” (Westcott, 1906: 92; Yoder Neufeld, 1997: 109-10;
2002: 292).3 Ele os está instigando a deixar o passado para trás - talvez sua
atitude passada de desânimo (3:13) ou elementos remanescentes de sua
existência como incrédulos (2:1–3, 11–13; 4:20–25; 5:8). Deste ponto em
diante, eles devem resistir ativamente ao ataque do diabo e seus asseclas com
os dons da “armadura” que Deus deu a seu povo (6:11–17) e com oração
(6:18–20).

Perto do início da carta, Paulo disse a seus leitores que ele ora constantemente
a Deus para lhes dar uma compreensão de sua poderosa força (τὸ κράτος τῆς
ἰσχύος αὐτοῦ, para kratos tēs ischyos autou), colocada à disposição deles em
Cristo (1:17-23). Aqui em 6:10 ele revisita tanto o conceito do poder de Deus
quanto o conceito de que esse poder está disponível “em Cristo”. Agora,
porém, ele vai além do entendimento para a ação, exortando seus leitores a
“crescerem fortes” no Senhor e “no poder de sua força.” O termo ἐνδυναμόω
significa “fortalecer” na voz ativa, e na voz passiva pode significar “ser
fortalecido, capacitado” (Salmo 51:9 LXX [52:9 MT; 52:7 Eng.]). Às vezes era
usado para se referir ao empoderamento de Deus de alguém para uma tarefa
especial. De acordo com o texto do Judg. 6:34 LXX (Iva), “Um espírito do
Senhor deu poder [ἐνευυνάμωσεσσσσ] Gideon” (NETS); e de acordo com
Clemente de Roma, "Muitas mulheres, sendo fortalecidas pela graça de Deus,
realizaram muitos atos viris" (1 Clem. 55.3; Holmes 2007): Judite, por exemplo,
matou Holophernes (55.4-6) e Ester libertou seu povo da destruição (55.6).

A forma imperativa do verbo aqui, entretanto, torna provável que o termo,


embora passivo, tenha uma nuance ativa (cf. BDAG 333). Assim como Abraão
"cresceu forte em fé" (ἐνεδυναμώθη τῇ πίστει, enedynamōthē pistei), confiando
em Deus para ser fiel à sua promessa, apesar de todas as aparências em
contrário (Rm 4:20), e assim como Timóteo deve "crescer forte na graça que
está em Cristo Jesus” imitando a fidelidade de Onesíforo (2 Timóteo 2:1; cf. 2
Tm 1:16–17), para que os leitores de Efésios “cresçam fortes” em sua posição
no Senhor e em seu uso do poder que Deus disponibilizou para eles,
colocando a armadura de Deus.

Isto certamente não significa que eles “cresçam fortes” apenas por seus
próprios esforços: como 3:16 deixa claro, os crentes são “fortalecidos em
poder” por Deus, como um dom gratuito. Paulo, no entanto, considera também
apropriado chamá-los para “serem fortalecidos”, fazendo uso dos dons que
Deus lhes deu (“ponha firme”, v. 11; “pegue”, v. 13; “fique firme”, v. 14). De
maneira semelhante, Paulo pode exortar os coríntios: “Fiquem vigilantes,
permaneçam firmes na fé, tomem coragem, cresçam fortes [κραταιοῦσθε,
krataiousthe]” (1 Coríntios 16:13; Bruce 1984: 403).