Você está na página 1de 15

GINÁSTICA LABORAL E A IMPORTÂNCIA DA MESMA PARA A

DIMINUIÇÃO DAS DORES MAIS FREQUENTES EM FUNCIONÁRIOS DE


UMA EMPRESA DO MUNICÍPIO DE GUARACIABA-SC

Anderson Bergamaschi, Aluno do Curso de GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO


FÍSICA BACHARELADO1
Anderr05@hotmail.com
Prof. Orientadora: Alexandra Cristina Gomes: Especialista em metodologia da
pesquisa2
E-mail: al_pz123@hotmail.com
.

Resumo: Este artigo objetivou elaborar e desenvolver uma ação, focada na


saúde, através da ginástica laboral, visando a diminuição das dores mais
frequentes em funcionários de uma empresa no município de Guaraciaba-
Santa Catarina. Para tanto foi realizada uma pesquisa do tipo descritiva a fim
de identificar uma possível diminuição de dores nos funcionários, através da
ginástica laboral na empresa. A amostra foi constituída de 10 funcionários e os
instrumentos de coleta de dados foi o boneco de dores de Abrahams (2005). O
questionário é qualitativo de cunho descritivo. Com os resultados analisados
comprovou-se que as atividades auxiliaram na diminuição das dores
frequentes. Segundo relato dos funcionários, os mesmos perceberam uma
diferença em relação as suas dores constatadas anteriormente e também viram
a importância que tem a ginástica laboral, bem como a prática de atividades
físicas regularmente.

Palavras-chave: Saúde. Dores. Ginástica. Atividade física. Funcionários.


Importância. Qualidade de vida.

1
Acadêmico do curso de pós graduação em Educação Física da Horus Faculdades de Pinhalzinho SC
2
Professor Mestrando da Universidade xxxxxxx
LABOR GYMNASTICS AND THE IMPORTANCE OF THE SAME FOR THE
DECREASE OF THE MOST FREQUENT PAINTS OF EMPLOYEES OF A
COMPANY OF THE MUNICIPALITY OF GUARACIABA-SC

Abstract: This article aimed to elaborate and develop an action, focused on


health, through labor gymnastics, aimed at reducing the most frequent pain in
employees of a company in the municipality of Guaraciaba-Santa Catarina. For
this, a descriptive research was carried out in order to identify a possible
reduction of pain in the employees, through the work gymnastics in the
company. The sample consisted of 10 employees and the instruments of data
collection was the Abrahams pain puppet (2005). The qualitative questionnaire
is descriptive. With the results analyzed, it was verified that the activities helped
to reduce the frequent pain. According to the officials, they noticed a difference
in relation to their previous pain, and also saw the importance of work
gymnastics as well as the practice of physical activities regularly.

Keywords: Health. Pain. Fitness. Physical activity. Staff. Importance. Quality of


life.

1 Introdução

A saúde, o bem estar e a qualidade de vida vêm sendo algo com grande
repercussão nos dias atuais. Percebe-se que com o avanço da tecnologia e
competitividade no mercado de trabalho, a exposição dos trabalhadores a
tensão e ao estresse, tem desencadeado problemas posturais e lesões
provocadas por esforço repetitivo, trabalho demasiado ou a própria pressão
exercida em pró de alcançar os resultados esperados. (NETO, 2017)
Segundo Cardoso et. Al. (2009, p. 606), a dor musculoesquelética ou
sensação dolorosa é apontada em diversos estudos com professores como um
relevante problema de saúde e as doenças decorrentes de agravos ao sistema
musculoesquelético aparecem como as principais causas de afastamento do
trabalho e de doenças profissionais nessa categoria.
Dessa forma, na tentativa de contornar o problema das dores, várias
empresas, incluindo escolas, têm adotado a Ginástica Laboral, como uma
possibilidade da diminuição de afastamentos decorrentes de lesões por esforço
repetitivo e doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho, redução de
atestados médicos, acidentes de trabalho, o aumento da produtividade, bem
como a diminuição significativamente das dores localizadas. Pressi e Candotti
(2005) reforçam a ideia de que a inserção da Ginástica Laboral na rotina das
empresas pode apresentar resultados positivos, como o aumento da
produtividade e disposição para o trabalho, melhoria da qualidade de vida e
conscientização corporal.
Segundo Garbin et. Al. (2008, p. 06), a Ginástica Laboral pode ser
conceituada como um conjunto de práticas Físicas elaboradas com base na
atividade profissional exercida durante o expediente, visando compensar as
estruturas mais utilizadas no trabalho e ativar as que não são requeridas,
relaxando-as e tonificando-as.
Leal e Mejia (2011) complementam que a Ginástica Laboral é a
combinação de algumas atividades físicas que tem como característica comum,
melhorar sob o aspecto fisiológico, a condição física do indivíduo em seu
trabalho; emprega exercícios de fácil execução que são realizados no próprio
local de trabalho que contribuirão para um melhor condicionamento e
desempenho físico, concentração e um melhor posicionamento frente aos
postos de trabalho.
Pesquisas apontam que há três momentos, durante a jornada de
trabalho, em que podem ser feitas as aulas de Ginástica Laboral, são elas
Ginástica de Aquecimento ou Preparatória é aquela realizada no início
da jornada de trabalho ou logo nas primeiras horas do expediente, com o
objetivo principal de preparar os colaboradores para a execução de sua tarefa
profissional, aquecendo os grupos musculares que serão mais solicitados em
sua jornada. (AGUIAR et. Al, 2015, p. 26)
Ginástica de Pausa ou Compensatória é aquela realizada durante a
jornada de trabalho. Neste momento, interrompe-se a monotonia operacional
dos colaboradores, que realizam pausas para executar exercícios específicos
de compensação aos esforços repetitivos, estruturas sobrecarregadas e às
posturas solicitadas no trabalho, de acordo com cada função laboral. (AGUIAR
et. Al, 2015, p. 26)
Ginástica de Relaxamento é aquela realizada ao final do expediente,
antes de os colaboradores saírem da empresa. Está baseada em exercícios de
alongamento e relaxamento muscular, com o principal objetivo de oxigenar as
estruturas musculares envolvidas nas tarefas profissionais diárias, reduzindo a
fadiga e aliviando o cansaço. (AGUIAR et. Al, 2015, p. 26)
Assim, analisa-se que o Profissional de Educação Física conquistou e
vem conquistando cada vez mais seu espaço na sociedade. Sua atuação
dentro das organizações destaca-se pela capacidade de promover ações e
programas de qualidade de vida e bem-estar, uma vez que os trabalhadores
estão sendo acometidos pelas doenças ocupacionais com mais frequência,
sendo fundamental uma intervenção profissional preventiva e de promoção de
saúde. (AGUIAR et. Al. 2015)
Levando em consideração a importância do profissional de Educação
Física para a ginástica laboral na sociedade, objetiva-se elaborar e desenvolver
uma ação, focada na saúde, através da ginástica laboral, visando a diminuição
das dores mais frequente em funcionários de uma empresa de Guaraciaba-
Santa Catarina.

2 Materiais e Métodos

O objetivo geral é elaborar e desenvolver uma ação didática pedagógica,


focada na saúde, através da ginástica laboral, visando a diminuição das dores
mais frequente em uma empresa de Guaraciaba - Santa Catarina.
Como objetivos específicos da pesquisa, temos oportunizar o
conhecimento sobre a Ginástica Laboral, trabalhar a importância do exercício
físico na ginástica laboral, visando a melhor compreensão sobre as dores
localizadas e estimular e oportunizar o conhecimento sobre as dores.
Foram utilizados vários materiais, como bola de pilates, cordas,
elásticos, entre outros. Bem como, utilizou-se como instrumento o “boneco de
dor” adaptado de Abrahams (2005), sobre as principais dores localizadas.
Obteve-se uma amostra composta por 10 funcionários, sendo eles de
ambos os sexos. As avaliações, bem como a intervenção foram realizadas
ocorreram no mês de abril, através de uma entrevista qualitativa. As coletas
dos dados aconteceram no interior da empresa em uma sala reservada.
2.1 GINÁSTICA LABORAL

Os Programas de Ginástica Laboral (PGL) são atualmente estruturados


na tentativa de minimizar os fatores de risco existentes nas empresas para que
possam contribuir sobre o objetivo macro da promoção da saúde no ambiente
de trabalho, mantendo e promovendo a saúde do trabalhador por meio da
prática de exercícios e dicas de saúde (PEREIRA; LOPEZ; VILARTA, 2013).
A Ginástica Laboral (GL) é um programa de exercícios físicos,
planejados e dinamizados por Profissionais de Educação Física, realizados no
próprio local de trabalho, durante o horário de expediente, de acordo com as
características da atividade desempenhada em cada função (CREF9/PR,
2014).
Pesquisas apontam que há três momentos, durante a jornada de
trabalho, em que podem ser feitas as aulas de Ginástica Laboral, são elas:
Ginástica de Aquecimento ou Preparatória é aquela realizada no início
da jornada de trabalho ou logo nas primeiras horas do expediente, com o
objetivo principal de preparar os colaboradores para a execução de sua tarefa
profissional, aquecendo os grupos musculares que serão mais solicitados em
sua jornada. (AGUIAR et. Al, 2015, p. 26)
Ginástica de Pausa ou Compensatória é aquela realizada durante a
jornada de trabalho. Neste momento, interrompe-se a monotonia operacional
dos colaboradores, que realizam pausas para executar exercícios específicos
de compensação aos esforços repetitivos, estruturas sobrecarregadas e às
posturas solicitadas no trabalho, de acordo com cada função laboral. (AGUIAR
et. Al, 2015, p. 26)
Ginástica de Relaxamento é aquela realizada ao final do expediente,
antes de os colaboradores saírem da empresa. Está baseada em exercícios de
alongamento e relaxamento muscular, com o principal objetivo de oxigenar as
estruturas musculares envolvidas nas tarefas profissionais diárias, reduzindo a
fadiga e aliviando o cansaço. (AGUIAR et. Al, 2015, p. 26).
2.2. COMPREENDENDO A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE SAÚDE
E OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL

O Profissional de Educação Física conquistou e vem conquistando cada


vez mais seu espaço na sociedade. Sua atuação dentro das organizações
destaca-se pela capacidade de promover ações e programas de qualidade de
vida e bem-estar, uma vez que os trabalhadores estão sendo acometidos pelas
doenças ocupacionais com mais frequência, sendo fundamental uma
intervenção profissional preventiva e de promoção de saúde. (AGUIAR et. Al.
2015)
Conforme o CREF3/SC (2013), a GL favorece a mudança da rotina
ocupacional; desenvolve a consciência corporal; melhora a postura; diminui a
tensão muscular desnecessária; melhora a mobilidade e a flexibilidade;
melhora a qualidade dos movimentos executados durante o trabalho; contribui
para o melhor relacionamento entre colegas; reforça a autoestima; melhora a
concentração no trabalho.
Para Lima, Aquilas e Ferreira Jr. (2009), a prática da GL possibilita
melhoria na flexibilidade e mobilidade articular; na postura corporal; na
disposição e no ânimo para o trabalho; autoconhecimento do corpo e
coordenação motora; sociabilização entre colegas e superiores. Ainda reduz
tensão e fadiga muscular; além de contribuir para a queda dos índices de
absenteísmo e procura ambulatorial.
De acordo com o CREF9/PR (2014), além dos benefícios citados, há
ainda: a minimização dos vícios posturais e a prevenção da fadiga muscular
(aumento do relaxamento muscular).

3 Resultados e Análises

Para SENAC (2006, p. 1), com a ginástica laboral algumas melhorias


são evidenciadas, como:
A atividade física e o movimento corporal são utilizados como forma de
quebrar a rotina a qual estava inserido o aluno antes de chegar até o seu local
de estudo. Tendo como meta oferecer uma forma diferente de preparar-se para
nova atividade que irá ser desenvolvida a partir daquele momento.
Sua utilização no período anterior ao início da aula minimiza a influência
negativa das tensões musculares e emocionais e pode auxiliar no volume de
informações assimiladas pelo aluno.
Favorece a integração do grupo, obtendo dele atenção para o contexto
em que ele está se inserindo daquele momento em diante.
Oferece relaxamento muscular para os funcionários que realizam
atividades profissionais cotidianas causadoras de desgaste físico que podem
transformar-se em problemas posturais.
Maior circulação sanguínea favorecendo a capacidade intelectual.
Oportuniza a melhoria da auto estima, na medida em que integra as
pessoas ao seu grupo de referência, favorecendo a ampliação e fortalecimento
dos relacionamentos interpessoais.
Interfere nos hábitos e posturas pessoais possibilitando a redução da
fadiga crônica inerente.
Na primeira aula de intervenção aplicou-se, o questionário do boneco de
dores. As dores mais frequentes relatas são as a seguir:
Segundo Silva e Ribeiro (2011), a dor pode ser definida como uma
experiência subjetiva que pode estar associada à lesão real ou potencial nos
tecidos, podendo ser descrita tanto em termos destas lesões, quanto por
ambas as características. As dores podem ter aspectos sensoriais, afetivos,
autonômicos e comportamentais. Além disso, a sensação de dor não
necessariamente necessita ser baseada em qualquer experiência prévia com
ela. Dessa mesma forma, podemos considerar que a dor tem início também por
características sensoriais, motivacionais e cognitivas e, muitas vezes, com
sequelas emocionais.
É de extrema importância mensurar os locais com maior frequência de
dores, pois tem sido considerada uma experiência sensorial e emocional
subjetiva desagradável, difícil de quantificar e qualificar. É um fenômeno
complexo, derivado de estímulos sensoriais ou de lesões neurológicas, e que
pode ser modificado pela memória, pelas expectativas e pelas emoções dos
indivíduos. Além disso, a dor pode ser influenciada por uma variedade de
outros fatores, incluindo as habilidades para manuseá-la e controlá-la, os sinais
vitais, a história médica e cirúrgica, as condições socioeconômicas, o contexto
cultural, o sexo e as habilidades intelectuais ou cognitivas. ( SILVA; RIBEIRO,
2011)
Os resultados alcançados demonstraram que no sexo masculino, a
maior localidade com dores, foi na região Lombar.
Segundo Brazil et aI. (2004), inúmeras são os fatores que contribuem
para o desencadeamento das dores lombares, tais são, psicossociais,
insatisfação laboral, obesidade, hábito de fumar, realização de trabalhos
pesados, sedentarismo, síndromes depressivas, fatores genéticos e
antropológicos, hábitos posturais, alterações climáticas, modificações de
pressão atmosférica e temperatura. Condições emocionais podem levar à dor
lombar ou agravá-las.
Outros entrevistados do sexo masculino, informaram que sentem maior
frequência de dores no joelho esquerdo e outras pessoas no joelho direito.
As causas da dor no joelho são decorrentes de diversos fatores,
justamente por causa da complexidade dessa articulação. As principais
explicações para esse tipo de dor geralmente estão relacionadas com a
sobrecarga, que pode ser tanto pelo sobrepeso quanto pela carga exacerbada
de exercícios físicos; a falta de estabilidade, que deixará a articulação
vulnerável; e os desalinhamentos, que prejudicarão a estabilidade da
articulação e sobrecarregarão algumas estruturas. (DOR... 20?)
Alguns funcionários relataram sentir dores nas costas, com frequência.
Segundo Ferreira et al.(2011), as dores são por doenças inflamatórias,
degenerativas, neoplásicas, defeitos congênitos, debilidade muscular,
predisposição reumática, sinais de degeneração da coluna ou dos discos
intervertebrais etc. Entretanto, a dor nas costas não decorre de doenças
específicas, mas sim de um conjunto de causas, como fatores
sociodemográficos (idade, sexo, renda e escolaridade), comportamentais (
fumo e baixa atividade física), exposições ocorridas nas atividades cotidianas
(trabalho físico extenuante, vibração, posição viciosa, movimentos repetitivos) e
outros (obesidade, morbidades psicológicas).
Já no sexo feminino, vários funcionárias relataram frequentes dores nas
costas.
Diante disso, percebe-se que as mulheres apresentaram risco superior
ao dos homens para dor nas costas. Alguns estudos epidemiológicos atribuem
esse achado a um viés de informação, porém ele é plausível, uma vez que as
mulheres, cada vez mais, combinam a realização de tarefas domésticas com o
trabalho fora de casa, onde estão expostas a cargas ergonômicas,
principalmente repetitividade, posição viciosa e trabalho em grande velocidade.
Além disso, o sexo feminino apresenta algumas características
anatomofuncionais (menor estatura, menor massa muscular, menor massa
óssea, articulações mais frágeis e menos adaptadas ao esforço físico
extenuante, maior peso de gordura) e ligadas à modulação no sistema nervoso
as quais podem colaborar para o surgimento e maior intensidade das dores.
(FERREIRA, 2011).
Outras entrevistadas relataram dores na região lombar. Dessa forma,
uma mesma quantidade para ambos os sexos. Os fatores que causam as
dores, geralmente são os mesmos citados a cima.
Já outras mulheres relataram dores em ambos ombros.
A dor no ombro é tipicamente caracterizada por sintomas nas várias
articulações, músculos, tendões e bursa, envolvidos com o movimento do
ombro. O aparecimento de dor no ombro é variável e pode ocorrer sem
nenhuma causa direta, ou pode estar relacionada a trauma, movimentos
repetitivos, ou a um evento neurológico (ou seja, um acidente vascular
cerebral). A dor no ombro, muitas vezes causa limitação de atividade de curto
prazo e, menos frequentemente se transforma em uma condição crônica.
(GARCIA, 2010).
No geral, pode-se analisar que a vários fatores que interferem para as
causas das dores, como já citado, eles podem ser posturais, excesso de peso,
lesões, sedentarismo, aspectos sensoriais, afetivos e comportamentais.
Dessa forma, ressalta-se a importância dos profissionais da Educação
Física, quanto à prática regular e orientada de exercícios físicos, sendo que
estes, levarão a aquisição de vários benefícios como a redução do colesterol
maléfico, o que diminui o risco de distúrbios cardiovasculares, como a
arteriosclerose e o infarto do miocárdio, além de combater a obesidade, o
aumento da vascularização, que favorece a nutrição dos tecidos corporais e
combate a hipertensão, a melhoria da eficiência cardíaca, fruto do aumento das
cavidades do coração e da hipertrofia do miocárdio, o fortalecimento de
músculos, articulações e ossos, que diminui o risco de lesões e dificulta o
aparecimento de doenças como a osteoporose e outras, o aumento da
capacidade respiratória, que favorece as trocas gasosas, a melhoria da
flexibilidade e da força muscular, que reduz as dores nas costas, o risco de
lesões articulares e otimiza a autonomia do indivíduo para atividades
cotidianas, dentre outras adaptações. Além disso, a prática regular do exercício
físico também vem sendo associada a benefícios na esfera psicológica, como a
redução da ansiedade, da depressão, do estresse e a melhoria do humor.
(FERREIRA, 2001)
Devemos destacar também, a suma importância da orientação dos
profissionais de Educação Física, para uma correta postura, durante a
realização dos exercícios, evitando problemas futuros relacionados a padrões
posturais e dores indesejadas.
Após a constatação das dores iniciou-se as atividades práticas de
ginástica laboral, pode-se afirmar que os objetivos propostos na elaboração do
projeto inicial foram atingidos com sucesso. Todos os funcionários, sem
exclusões, foram capazes de participar das atividades propostas, bem como
vivenciar atividades de ginástica laboral, a qual contribuiu para minimizar as
dores localizadas.
Percebeu-se também, que as atividades e que as metodologias foram
adequadas aos níveis desejado, a maioria dos funcionários mostrou-se
interessado em realizar as atividades, pois viram que as mesmas ajudavam a si
mesmo.
Foram vários pontos positivos na execução das aulas, sem dúvidas
nenhuma, um dos principais pontos encontra-se na relação entre todas as
partes que formam a aula (aluno/funcionário e professor), sendo está marcada
principalmente pelo interesse, também pelo respeito, companheirismo,
aprendizagem mutua, entre outros.
A participação ativa foi um ponto bem positivo também, todos
participaram, além disso, percebe-se a importância de trabalhar a ginástica
laboral no âmbito escolar, pois os funcionários realizam mitos esforços
repetitivos, o que já resulta e poderá resultar em vários outros problemas para
os mesmos.
Dessa forma, os pontos negativos foram apenas pertinentes à escola,
como, reunião, entre outros, porém são de suma importância para a unidade
escolar.
Pode-se perceber uma mudança em alguns hábitos do dia-a-dia, como
postura, começaram alongar em casa, bem como, iniciaram atividades físicas
frequentes. Observou-se também que os mesmos tiveram um enorme grau de
comprometimento com todas as atividades.
Conforme Bueno e Viana (2010), há necessidade de mudança de
hábitos e atitudes como a correção de postura do colaborador, e isso o
educador físico deverá trabalhar em suas aulas de ginástica laboral, através de
orientações, motivando essas pessoas a terem uma vida mais ativa, para que
possam ter melhor qualidade de vida e consigam manter o equilíbrio de uma
vida laborativa e social mais saudável.
Sendo assim, comprovou-se que as atividades auxiliaram na diminuição
das dores frequentes. Segundo relato dos funcionários, os mesmos
perceberam uma diferença em relação as suas dores constatadas
anteriormente e também viram a importância que tem a ginástica laboral, bem
como a prática de atividades físicas regularmente. Segundo Oliveira (2007),
fica evidente, portanto, que a Ginástica Laboral é eficiente na prevenção das
doenças ocupacionais, na melhoria da qualidade de vida do trabalhador.

4 Conclusão

A partir da intervenção realizada pode-se concluir que os objetivos


propostos foram alcançados com êxito, além de possibilizar aos funcionários
vivências práticas da ginástica laboral, os mesmo puderam perceber e se auto
analisar com o boneco das dores.
Essas novas vivências são de suma importância, pois os funcionários
podem realizar em suas próprias casas alongamentos e também perceberam a
importância de realizar atividades físicas regularmente, da mesma forma, os
mesmos puderam analisar e perceber de onde surgem as dores localizas
relatadas.
Assim, percebe-se a grande contribuição desses estudo para a
formação acadêmica, profissional e humana, sendo que este mostrou o enorme
poder que possuímos em nossas mãos. Revelou o quanto podemos nos
preparar na universidade para ao momento de sairmos prontos para fazer a
diferença na vida dos educandos/ funcionários.
O mesmo proporciona ao estagiário experiências únicas e prepara o
mesmo para vários desafios. É através do estágio que o futuro profissional da
Educação Físca conhece a realidade de ser professor, de como é ser
responsável por proporcionar inúmeros conhecimentos aos seus alunos/
funcionários buscando sempre o melhor para os mesmos.
E por fim, mostrar a importância da Educação Física para o aprendizado
e evolução de uma pessoa em sua totalidade. Concluímos então que o estágio
vem a contribuir de maneira indispensável para a nossa formação profissional.

Referências

AGUIAR, Lauro Ubirajara Barboza de; BRANCO, Antonio Eduardo;


FIGUEIREDO, Fabiana; OLIVATTO, Marco Antonio; CARNEIRO, Marcia
Ferreira Cardoso; TSCHOEKE, Rony; DA COSTA, LAMARTINE Pereira.
Ginástica Laboral: Prerrogativa do Profissional de Educação Física. Rio de
Janeiro: CONFEF, 2015. 64p. Disponível em:
<http://www.listasconfef.org.br/arquivos/LIVRO_GINASTICA_LABORAL.pdf>.
Acesso em: 20 mar. 2018.

BUENO, Fabio Frau; VIANA , Helena Brandão. Ginástica Laboral: avaliação de


dores localizadas nos colaboradores de uma empresa de teleatendimento.
Revista Digital – EFDeportes. Buenos Aires, ano 15, nº 150. Nov. 2010.
Disponível em:<http://www.efdeportes.com/efd150/ginastica-laboral-avaliacao-
de-dores-localizadas.htm>. Acesso em: 27 maio 2018.

CARDOSO, Jefferson Paixão; RIBEIRO, Isadora de Queiroz Batista; ARAÚJO,


Tânia Maria de; CARVALHO, Fernando Martins; REIS, Eduardo José Farias
Borges dos.
Prevalência de dor musculoesquelética em professores. Rev. Bras.
Epidemiol, 2009. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v12n4/10.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2018.

GARBIN, Artênio José Isper et. Al. Ginástica laboral como forma de
prevenção à lesões por esforços repetitivos / – Araçatuba: Unesp -
Faculdade de Odontologia de Araçatuba, 2008 20 p. Disponível em: <
http://www.foa.unesp.br/include/arquivos/foa/pos/files/manual>.
ginasticalaboral.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2018.

CREF 3/SC. Ginástica Laboral: como contratar serviços de qualidade.


Publicação Comissão de Ginástica Laboral, 2013. Disponível em:
<http://www.crefsc.com.br/index2.php?id_conteudo=32>. Acesso em: 21 de
abril de 2018.

CREF 9/PR. Guia oficial para o empresário: como contratar Programas de


Ginástica Laboral com segurança, legalidade e resultados. Disponível
em:<http://www.crefpr.org.br/>. Acesso em: 21 de abril de 2018.

GUEDES, D. P. e GUEDES, J.E.R.P. Controle do Peso Corporal:


Composição Corporal Atividade Física e Nutrição, Londrina, Midiograf, 1996.

LEAL, Luiz Fabianno Corrêa; MEJIA, Dayana Priscila Maia. Ginástica Laboral
como ferramenta de prevenção para a melhoria da qualidade de vida.
2011. Disponível em: <http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/15/17_-
_GinYstica_Laboral_como_ferramenta_de_prevenYYo_
para_a_melhoria_da_qualidade_de_vida.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2018.

MELO, Daniela Aparecida De; GAMBARINI, Lindinalva Cestaro. Benefícios


Psicológicos Da Ginástica Laboral Para Professores Da Escola Municipal
De Educação Infantil E Ensino Fundamental Beatriz Mireya. 2007
Disponível
em:<http://www.def.unir.br/downloads/1211_beneficios_psicologicos_da_ginast
ica_
laboral_para_professore.pdf>. Acesso em: 25 mar. 2018.

NETO, Alfredo Xavier da Silva. A importância da prática da ginástica laboral


com funcionários da Universidade Federal do Rio Grande do Norte na
prevenção da LER/DORT / Alfredo Xavier da Silva Neto. - 2017. Disponível
em:
<https://monografias.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/5450/3/Importancia%20
da%20
pratica%20da%20ginastica%20laboral_2017_TCC.pdf>. Acesso em: 17 mar.
2018.

Oliveira JRG. A importância da ginástica laboral na prevenção de doenças


ocupacionais. Rev Educ Física, 2007. Disponível em: <
http://www.ergonomianotrabalho.com.br/ginastica-labora-prevencao.pdf>.
Acesso em: 23 maio 2018.

PRESSI, A. M. S.; CANDOTTI, C.T. Ginástica Laboral. São Leopoldo:


UNISINOS, 2005.
POLETTO, Sandra Salete. Avaliação e implantação de programas de
Ginástica Laboral, implicações metodológicas. Porto Alegre, 2002.
Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/248 8>. Acesso em: 20 mar. 2018.

SENAC. Projeto: Ginástica Laboral em Ambiente Escolar-


Ginástica Escolar. 2006. Disponível em:
< http://www.sc.senac.br/arquivos/concordia/arquivos/Ginastica_Laboral-
Escolar_relato2006.doc>. Acesso em: 20 maio 2018.

VIEIRA, Fabio Da Silva Ferreira; SOARES, Danilo Saad; PIRES, Paulo


Fernandes. Efeitos Da Ginástica Laboral Em Professores Da Rede Pública De
Ensino Fundamental, Avaliados Por Meio De Pontos De Sensibilidade
Dolorosa. Fiep Bulletin - Volume 83 - Special Edition - Article I – 2013.
Disponível em:
<http://www.fiepbulletin.net/index.php/fiepbulletin/article/view/2925/5703>.
Acesso em: 20 mar. 2018.

BRAZIL et. al. Diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias. Rev.


Bras. Reumatol. vol.44 no.6 São Paulo nov./dez. 2004. Disponível
em:<http://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042004000600005>. Acesso em 15
maio 2018.

DOR no joelho. Pés sem dor, São Paulo. 20?. Disponível em:
<http://www.pessemdor.com.br/dores/diagnostico-de-dores/dor-no-joelho/>.
Acesso em: 19 maio 2018.

FERREIRA, D. Gustavo. Prevalência de dor nas costas e fatores associados


em adultos do Sul do Brasil: estudo de base populacional. Rev Bras Fisioter.
2011. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v15n1/AOP%20002_11.pdf>. Acesso em: 15
maio 2018.

FERREIRA, Marcos Santos. Aptidão Física e saúde na educação física escolar:


apliando o enfoque. Rev. Bras. Cienc. Esporte, v. 22, n. 2, p. 41-54, jan. 2001.
Disponível em:
<http://www.saosebastiao.sp.gov.br/ef/pages/Sa%C3%BAde/Atividade/leituras/
a3.pdf>. Acesso em: 15 maio 2018.

GARCIA, João Batista Santos. Dor no ombro. Disponível em:


<https://www.iasp-
pain.org/files/Content/ContentFolders/GlobalYearAgainstPain2/Musculoskeletal
PainFactSheets/ShoulderPain_Portuguese.pdf>. Acesso em: 17 maio 2018.

LIMA V. A.; AQUILAS A. L.; FERREIRA JUNIOR, M. Efeitos de um programa


de exercícios físicos no local de trabalho sobre a percepção de dor
musculoesquelética em trabalhadores de escritório. Rev. Bras. Med. Trab. São
Paulo, v. 7, p. 11-17, 2009.
PEREIRA, C. C. D. A.; LOPEZ, R. F. A. ; VILARTA, R. Eects of physical activity
programmes in the workplace (PAPW) on the perception and intensity of
musculoskeletal pain experienced by garment workers. Work, v. 44, p. 415-421,
2013.

SILVA, José Aparecido da; Ribeiro-Filho, Nilton Pinto. A dor como um problema
psicofísico. São Paulo, 2011. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-
00132011000200011>. Acesso em: 15 maio 2018.

SILVA, Daniela da; Brustolin, Karine Schwaab . A dor física, a dor emocional e
a saúde mental: aspectos psicológicos envolvidos nas dores lombares.
Trabalhos de Conclusão de Curso em Psicologia. Chapecó, SC , Sem volume,
p. TCC (Graduação em Psicologia) - Universidade do Oeste de Santa Catarina,
Chapecó, 2016. Disponível em:
<http://pergamum.unoesc.edu.br/pergamumweb/vinculos/00001e/00001ec5.pdf
>. Acesso em: 08 de maio 2018.