Você está na página 1de 7

Linha Cardinal de Kaplan

Josh C. Vella, MD, Brian J. Hartigan, MD, Peter J. Stern, MD

Do Departamento de Cirurgia Ortopédica da Universidade de Cincinnati, Cincinnati, OH; e do Departamento de Cirurgia Ortopédica,
Centro de Northwestern em Ortopedia, Chicago, IL.

objectivo: Para determinar se uma definição consensual de existir na literatura e entre os cirurgiões de mão para a
linha cardinal de Kaplan (KCL) e determinar a relação entre as várias descrições de estruturas profundas.

Métodos: A literatura contém descrições de 4 diferentes KCL. Os membros da Sociedade Americana de Cirurgia da
Mão foram pesquisados ​para determinar qual a linha que eles entendem ser a descrição correta do KCL. As variações
de KCL 4 foram marcados em cadáveres e precisão das linhas na identificação de estruturas profundas foi medido.

Resultados: Nossa pesquisa mostrou que não há consenso sobre a definição de KCL. Cinquenta por cento
dos cirurgiões entrevistados usam KCL como um marco cirúrgico. A linha prolongada ao longo do polegar seq e
uma linha a partir do vértice da prega interdigital entre o polegar e o dedo indicador para o gancho de hamate
reproduzir mais de perto a localização de estruturas mais profundas da mão e é o mais distante do e sempre
proximal ao super-fi cial arco palmar. A linha a partir do vértice da prega interdigital entre o polegar e o dedo
indicador paralelo ao vinco meio da palma da mão e a linha a partir do vértice da prega interdigital entre o
polegar e o dedo indicador de um ponto 2 cm distal ao pisiform são o mais distante do ramo motor do nervo
mediano e são marcadamente mais perto do arco palmar fi cial super.

conclusões: Ambigüidade existe a respeito da definição de KCL entre cirurgiões de mão e na literatura. Embora nenhuma
linha é ideal para a localização de todas as estruturas profundas, linha C é a linha mais segura de identificar a anatomia
mão. linha cardinal de Kaplan não localizar as estruturas profundas da mão com precisão, mas pode ajudar a fazer incisões
palmares. (J Mão Surg 2006; 31A:.. 912-918 de Copyright © 2006 pela Sociedade Americana de Cirurgia da Mão)

Palavras-chave: Anatomia, do túnel do carpo, mão, linha cardinal de Kaplan, marcos.

descrita a linha cardinal como sendo desenhado a partir da

Eu ápice da dobra interdigital entre o dedo polegar e


indicador nfi1953
paradeoKaplan
lado 1ulnar dauma
descrita mão,
linhaem paraleloa partir
“desenhada
vinco médio da mão”e chamou-a“linha cardeal da mão porque
com da o
junção da linha de articulação metacarpofalângica do polegar no
interdigital dobra primeiro a um ponto 2 cm distal ao pisiform. 3 Outros
investigadores adicionados à ambigüidade. Brown e Gelberman 11
permite estabelecimento da relação de muitos importante,
profundo estruturas da mão”Esta marca superfície que veio a KCL descrito como sendo desenhado “estendendo uma linha ao
ser conhecido como linha cardinal de Kaplan (KCL) e tem longo da face distal do polegar seq.” Esta descrição não só
sido usado para localizar estruturas profundas e descrever contrariada descrição original de Kaplan mas também contraria
incisões cirúrgicas. 2-14 um artigo pelos mesmos investigadores 14 no qual a LCK é
descrito como sendo paralela à prega proximal palmar. KCL
Embora outros investigadores 2,6-8,10,12,14 descreveram KCL também tem sido descrito como sendo “a partir do primeiro web
idêntica à descrição original de Kaplan tem havido várias outras para o gancho do hamato.” 13 Mais incerteza resultou do uso de

descrições incluindo 2 outras descrições do próprio Kaplan. Na descrições múltiplas dentro de um único texto. 7

Kaplan 5 1966 texto ele descreveu a linha cardinal como


“começando na intersecção da fi dobra digitais primeiro com o
vinco metacarpofalângica do polegar para um ponto 1 cm distal Essa ambigüidade é desconcertante, porque KCL é usado
ao pisiform”. Em seguida, em 1968 frequentemente como um marco de superfície para incisões cirúrgicas e para
ajudar a identificar estruturas profundas. Está

912 The Journal of Hand Surgery


Vella, Hartigan, e Linha Cardinal Stern / Kaplan 913

intersecção com uma linha a partir da fronteira radial do dedo


médio fi tem sido usada para localizar o ramo motor do nervo
mediano. Este ponto de interseção tem sido descrito como
localizar a origem do nervo, 6,7 o próprio nervo, 11,12 e o local onde o
nervo entra na massa muscular tenar. 1-10 A intersecção de KCL
com uma linha a partir do lado ulnar do dedo anel fi tem sido usada
para localizar o gancho de hamate. 1,3-7,10 Além disso, o curso de
KCL foi usado para identificar o ramo profundo do nervo ulnar, o
arco cial palmar super-fi, 1-6,12 e a extensão distai do ligamento
transverso do carpo. 11 Outros pesquisadores têm utilizado KCL
para descrever a localização das incisões cirúrgicas para
procedimentos tais como a liberação do túnel do carpo aberta, 11,12,14
liberação do túnel do carpo endoscópica, 14 e fasciectomia de
Dupuytren. 13

Por causa das inconsistências em relação a descrição de KCL este


estudo foi realizado para determinar se existe um consenso entre os
cirurgiões mão sobre a descrição de KCL e para determinar a relação
Figura 2. Os quatro descrições de KCL desenhada na mão e a sua
entre as várias linhas para estruturas profundas para determinar se as
relação com o vinco proximal palmar, gancho de hamate, e pisiform. Linha
estruturas anatómicas uma variação fi melhor identificação es.
A, paralelo ao vinco meio da palma da mão; A linha B, cruza com um
ponto 2 cm distal ao pisiform; A linha C, cruza-se com o gancho de
hamate; linha D, ao longo do polegar seq.
Materiais e métodos
Quatro descrições comuns de KCl foram identificados: (1) a linha
A, Kaplan 1 1953 descrição original de uma linha a partir do
vértice da prega interdigital entre o dedo polegar e indicador fi dedo a um ponto 2 cm distal ao pisiform; (3) A linha
para o lado ulnar do lado paralelo ao vinco meio da palma da C, Hurst de 13 Descrição de uma linha a partir do vértice da prega
mão (proximal palmar vinco) da mão ( Figura 1 ); (2) linha B, interdigital entre o polegar e o dedo indicador para o gancho de
Kaplan 3 1968 Descrição de uma linha a partir do vértice da prega hamate; e (4) da linha D, Brown e de Gelberman 11 Descrição de uma
interdigital entre o polegar e o indicador linha estendida ulnarly ao longo do aspecto distal do polegar seq ( Figura
2 ).

Pesquisa

Um total de 288 membros selecionados aleatoriamente a partir da


Sociedade Americana de Cirurgia do (ASSH) anuário Mão
receberam um questionário de escolha múltipla para identificar qual
a linha que entende-se a descrição correta. Cada membro quinto
listada no diretório ASSH em ordem alfabética foi incluído. Eles
foram fornecidos com os 4 descrições comuns listados
anteriormente e a opção de adicionar uma descrição alternativa.
Além disso foram convidados 269 cirurgiões se eles usaram KCL
como um marco cirúrgico.

dissecções anatômicas
Um estudo anatómica foi realizada em 30 amostras de cadáveres fresco
congelado desarticulado na articulação glenohumeral. Estes incluíram 19
do sexo feminino e 11 do sexo masculino espécimes que variam em idade
de 56 a 94 anos (média, 80 Y). Houve 17 mãos direitas e 13 mãos
esquerdas. As variações de KCL 4 foram marcados na palma das
Figura 1. descrição original de Kaplan de KCL e do RI, CI, e UI. amostras juntamente com as linhas longitudinais estendido
914 O Journal of Surgery Mão / Vol. 31A No. 6 julho-agosto 2006

proximalmente dos segundo, terceiro, e quarto espaços Web seguintes medições foram efectuadas ( A Fig. 3 ): (1) a distância
paralelo com as bordas dos dedos aduzidos ( Figura 2 ). marcadores transversal a partir da intersecção da fronteira radial do meio
metálicos foram colocados na intersecção de cada variante de KCL dedo para o MBMN (RI [T]), (2) a distância longitudinal entre o
com as linhas longitudinais 3. os pontos de intersecção foram como cruzamento da fronteira radial do meio dedo para o MBMN ( RI
se segue: intersecção radial (RI) para a intersecção entre KCL e o [l]), (3) a distância total a partir da intersecção da fronteira
segundo espaço Web, intersecção centro (CI) para a intersecção radial do meio dedo para o MBMN (RI [tot]) (RI [tot] é igual à
entre KCL e o terceiro espaço Web, e intersecção ulnar (UI) para a raiz quadrada do RI [l] 2 RI mais [t] 2 ), ( 4) a distância longitudinal
intersecção entre KCL e o quarto espaço web ( Figura 2 ). Através de entre o cruzamento da fronteira ulnar do meio dedo para a TCL
dissecção cortante de uma incisão longitudinal, a partir de um ponto (CI TCL), (5) a distância longitudinal entre o cruzamento da
2 cm proximal ao vinco proximal palmar para a dobra do pulso distal, fronteira ulnar do meio dedo para o SPA (CI SPA), ( 6) a
o ramo recorrente do motor do nervo mediano (MBMN) na sua distância transversal a partir da intersecção da fronteira radial
entrada na massa muscular tenar, a extensão distai do carpo do dedo anel fi para o centro do gancho de hamate (UI [T]), (7)
transversal ligamento (TCL), e o super fi arco cial palmar (SPA) a distância longitudinal entre o cruzamento da fronteira ulnar
foram identificados e marcados com clipes vasculares metálicas do dedo anel fi para o centro do gancho de hamate (UI [l]), e
pequenas. Em todos os espécimes do arco palmar fi cial de super
(8) a distância total a partir da intersecção da fronteira ulnar do
estava completa e todas as amostras tinham um ramo motor
anel de dedo para o centro do gancho de hamate (UI [tot]) (UI
extraligamentares do nervo mediano. As incisões TCL e de pele
[tot] é igual à raiz quadrada de UI [l] 2 além de UI [t] 2 ). Para cada
foram reaproximado anatomicamente com 5-0 nylon. Para fins de
uma das variantes de linhas KCL-A, B, C, e D-a média e SD
calibração 2 pequenos segmentos de um Kwire exatamente 5 e 10
foram obtidos para cada distância mencionado anteriormente.
mm de comprimento foram colocados na palma da mão quando as
imagens radiográficas foram transferidos para imagens digitais de
computador. Uma imagem digital de uoroscopic fl póstero foi obtido
para cada variante de KCL em cada espécime. Para cada variante
do KCL

A análise estatística incluiu uma análise de variância univariada


que compararam as distâncias registadas para cada linha com as
outras linhas (PROC MIXED, SAS para Windows, versão 8.2; SAS
Institute, Cary, NC). Um valor p de 0,05 ou menos foi usado para julgar
estatística significância.

Os pontos de intersecção sobre a superfície da pele eram ou


radial ou ulnar e proximal ou distai da estrutura que devem
identificar. Um valor positivo significa que o cruzamento é distai ou
radial em relação à estrutura que é designada para identificar; um
valor negativo significa que a intersecção é proximal ou ulnar para a
estrutura que é designada para identificar. Uma análise de variância
determinado se houve uma predilecção para o ponto de intersecção
de ser radial ou ulnar e proximal ou distai.

Resultados

Pesquisa

Dos 288 cirurgiões questionou 134 responderam à pesquisa. Como a


qual a linha que entendido como sendo a descrição correcta de KCL
34% dos inquiridos identi linha fi cado A, 13% identi fi linha ed B, 13%
identi linha fi cado C, 33% identi linha fi cado D, e 7% indicada uma
descrição alternativa. Um subconjunto de cirurgiões de mão foram
Figura 3. imagem fluoroscópica com MBMN, a TCL, SPA, e a localização dos perguntou se eles usaram KCL. Cento e dezenove dos 269 cirurgiões
pontos de intersecção marcados com um exemplo de distâncias medidas usando respondeu a esta pergunta. Cinquenta-
linha A.
Vella, Hartigan, e Linha Cardinal Stern / Kaplan 915

Tabela 1. radial Intersecção para o ramo motor do nervo mediano

RI para MBMN transversal RI para MBMN Longitudinal RI para MBMN


Linha Distância, milímetro Distância, mm Distância Total, mm

UMA ()96 ( ) 11 4 ( ) 15 5
B ()96 ( ) 13 4 ( ) 5 16,0
C ( ) 10 7 ()95 ( ) 14 6
D ( ) 10 7 ()85 ( ) 14 6

As distâncias médias e desvios padrões são apresentados com referência a linhas A, B, C, e D para KCL. Um valor positivo ( ) Correlaciona-se com o ponto de intersecção de ser radial ou distai em
relação à estrutura que é designada para identificar; um valor negativo ( ) Correlaciona-se com o ser ulnar ponto de intersecção ou proximal para a estrutura que é designada para identificar.

nove dos 119 relataram que eles usam KCL como um marco cirúrgico. linhas A e B (p . 001) mas não a partir de cada diferente
de outros. Todas as 4 linhas foram proximal para o SPA. A interseção
ulnar correlaciona-se com a localização do gancho do hamato ( tabela 4 ).
dissecções anatômicas Novamente, 3 distâncias foram medidos: IU (t) da distância transversal,
As medições para o RI, que se correlaciona com o MBMN, incluídos 3 a IU (l) a distância longitudinal, e IU (tot) a distância total. Para IU (t)
distâncias: Ri (t), RI (l), e RI (tot) ( tabela 1 ). Para Ri (t) não houve não foram observadas diferenças estatísticas entre as linhas A, B, C, e
diferenças estatisticamente signi fi cativos entre as linhas A, B, C, e D. D. A linha C foi mais perto do gancho de hamate em comparação com
Para (l) RI linhas C e D foram estatisticamente significativamente mais as linhas A, B, e C para a IU (l) e interface (tot) ( p
perto do MBMN em comparação com as linhas A e B (p
. 001). . 001) como esperado. este
Não houve diferença estatística entre as linhas C e era esperado porque a linha C é designada como uma linha que
D. Para RI (tot) a linha D foi o mais próximo do MBMN mas não havia intersecta com o gancho de hamate. Isto sugere que o gancho do
diferença estatística entre as linhas C, D, e A. Estas linhas eram hamato é uma estrutura que está localizado de forma confiável
significativamente mais estreita quando comparada com a linha B (p superficialmente e sua localização é reprodutível. A localização
. 001) única. relativa do ponto de intersecção foi comparado com a estrutura em
A CI correlaciona-se com as medições para a extremidade distal que foi designado para identificar. Para o RI e o ponto de intersecção
do TCL e o SPA. A distância foi medido na extremidade proximal e IU pode ser localizado quer proximal ( ) Ou distai ( ) E radial ( ) Ou ulnar
distal apenas instruções. Linhas C e D ( mesa 2 ), Em média, eram 3 ( ) Para a estrutura era suposto identificar. Para o IC a intersecção era
e 4 mm proximal para a extremidade distal do TCL, ou proximal ( ) Ou distai ( ) só ( tabela 5 ). Para o RI todas as linhas
respectivamente, e as linhas A e B em média, 5 e 7 mm distal para tinham os pontos de intersecção localizado radial e distal ao MBMN
a TCL, respectivamente linha C foi a mais próxima da extensão em todos os 30 espécimes. Por conseguinte, a MBMN sempre é
distai do TCL mas apenas foi estatisticamente diferente da linha B. proximal e ulnar para o ponto de intersecção do RI. Para a linha de
no que diz respeito ao SPA ( Tabela 3 ) linhas C e D ponto de intersecção A CI tinha 23 de 30 pontos de intersecção distal
para a extremidade distal do TCL

foram o mais distante do SPA-18 e 19 mm, respectivamente,


e foram estatisticamente diferentes

Tabela 2. Centro de cruzamento para a extremidade distal do Tabela 3. Centro de Intersecção ao fi cial Super Palmar
Transverse Carpal Ligament Arch

Linha CI para TCL, mm Linha CI para SPA, mm

UMA ()54 UMA ( ) 14 5


B ()74 B ( ) 11 4
C ()33 C ( ) 18 4
D ()44 D ( ) 19 6

As distâncias médias e desvios padrões são apresentados com referência a linhas A, B, C, As distâncias médias e desvios padrões são apresentados com referência a linhas A, B, C,
e D para KCL. Um valor positivo ( ) Correlaciona-se com o ponto de intersecção de ser e D para KCL. Um valor positivo ( ) Correlaciona-se com o ponto de intersecção de ser
radial ou distai em relação à estrutura que é designada para identificar; um valor negativo ( ) radial ou distai em relação à estrutura que é designada para identificar; um valor negativo ( )
Correlaciona-se com o ser ulnar ponto de intersecção ou proximal para a estrutura que é Correlaciona-se com o ser ulnar ponto de intersecção ou proximal para a estrutura que é
designada para identificar. designada para identificar.
916 O Journal of Surgery Mão / Vol. 31A No. 6 julho-agosto 2006

Tabela 4. ulnar Intersection ao gancho de hamate

UI para Hook of hamate UI para Hook of hamate UI para Hook of hamate


Linha Transverse Distância, mm Longitudinal Distância, mm Distância Total, mm

UMA ()44 ()74 ()95


B ()64 ()95 ( ) 12 4
C ()44 ()33 ()54
D ()54 ()64 ()85

A distância média e SD são apresentados com referência a linhas A, B, C, e D para KCL. Um valor positivo ( ) Correlaciona-se com o ponto de intersecção de ser radial ou distai em relação à
estrutura que é designada para identificar, um valor negativo ( ) Correlaciona-se com o ser ulnar ponto de intersecção ou proximal para a estrutura que é designada para identificar.

e a linha B tinha 29 de 30 pontos de intersecção distais para a extensão Kaplan 1 descrição original que ele descreveu como esta linha poderia
distai do TCL. As linhas A e B mostraram uma tendência para ser ser usado para localizar o MBMN e o gancho do hamato. Variações
localizado distai em relação a extensão distai do TCL. Linhas C e D da descrição original de Kaplan evoluiu como fizeram as estruturas
tinham uma distribuição mais uniforme de ser proximal e distal, para a que poderiam ser usados ​para identificar. Pelo menos 4 de definições
extensão distai do TCL, sugerindo que eles representam mais de perto o fi têm sido identificados. 1,3,4,5,11,13,14 Os investigadores usaram as várias
verdadeiro ponto distal da TCL. Linhas C e D tinham 14 e 12 de 30 descrições de KCL como meio de localização de estruturas profundas
pontos de intersecção localizados distalmente à TCL, respectivamente. da mão e localizar incisões cirúrgicas. Nossa pesquisa de membros
selecionados aleatoriamente a partir do ASSH apoiaram a noção de
que há mais de uma de fi nição de KCL em uso. Cada um dos 4 As
Todos os pontos de intersecção para todas as linhas foram proximal definições oferecidos foram identificados como sendo correcto, e
ao SPA ( tabela 5 ). Este é estatisticamente significante e sugere que alternativas definições de fi foram submetidos. Além metade dos
KCL é um marco razoável usar para evitar lacerar a SPA. Linhas C e D cirurgiões de mão que responderam à pesquisa usam KCL como um
estão localizados 18 e 19 mm proximal ao SPA, respectivamente, e marco para incisões cirúrgicas. Esta ambiguidade na definição de KCL
pontos de referência são os mais seguros de usar para evitar o SPA poderia levar a colocação indevida de incisões cirúrgicas e,
cirurgicamente. finalmente, aumentar o risco de complicações cirúrgicas, incluindo
lacerações nervosos e arteriais. Lilly e Magnell 15 avaliação 249
Para UI, não houve diferença estatisticamente signi fi cativa na pacientes com uma liberação do túnel cárpico aberta e identificados 2
localização relativa do ponto de intersecção e da localização do lacerações da MBMN. Palmer e Toivonen 16 relatado em uma pesquisa
gancho de hamate na direcção radial e ulnar. Para (l) linhas de UI A e mostrou que 455 complicações de liberação do túnel cárpico
B tendem para ser distal para o gancho de hamate passo que as endoscópica tratados por cirurgiões 708 e 283 complicações de
linhas C e D foram distribuídos mais uniformemente proximal e distal liberação do túnel cárpico aberta tratados por 616 cirurgiões. Os
ao gancho de hamate ( tabela 5 ). investigadores concluíram que a liberação do túnel do carpo não é um
proce- simples e segura

Discussão
linha cardinal de Kaplan tem sido usado como um fi cial marco super
para localizar estruturas profundas da mão. Em

Tabela 5. Número de amostras em que o ponto de intersecção era Radial ( ) / Ulnar ( ) Ou distal ( ) / Proximal ( ) À sua estrutura
correspondente

Gancho de Gancho de
MBMN RI MBMN RI TCL CI SPA CI hamate UI hamate UI
(t) (l) (TCL) (SPA) (t) (l)

Linha () () () () () () () () () () () ()

UMA 30 0 30 0 23 7 0 30 9 21 24 6
B 30 0 30 0 23 1 0 30 4 26 30 0
C 30 0 30 0 14 16 0 30 12 18 12 18
D 30 0 30 0 12 18 0 30 10 20 14 16

, ponto de intersecção ou radial distal para a estrutura que é suposto para identificar; , ponto de intersecção ulnar ou proximal.
Vella, Hartigan, e Linha Cardinal Stern / Kaplan 917

dure. Embora estes investigadores não especificaram que KCL foi usada hamate, é identificada facilmente porque o marco é palpável na palma da
pelos cirurgiões, pode-se especular que, se KCL é usado como um mão. Embora não uma linha de identi fi ca com precisão todas as
marco para a liberação do túnel do carpo, então ele poderia contribuir estruturas, linhas C e D não mostram diferenças significativas a partir de
para a lesão de estruturas profundas. linhas A e B. Linhas C e D são mais perto do MBMN e estão mais
distantes do SPA. Uma vez que a linha D é definido como uma linha ao
Temos não identificados quaisquer estudos anatômicos correlacionando longo do polegar sequestrado pode haver uma considerável variação
os marcos oficiais super-fi e estruturas profundas e nós acreditamos que é entre os cirurgiões na forma e a quantidade que o polegar é
howwell desconhecido KCL se correlaciona com as estruturas profundas da sequestrado. Além disso, alguns doentes podem ter juntas
mão. O objectivo deste estudo foi identificar uma variação de KCL que se hiperextensíveis e polegares podem ter movimento limitado secundária a
aproxima mais estreitamente das estruturas mais profundas da mão. Em artrite, lesões anteriores, ou procedimentos cirúrgicos. Por estas razões,
última análise, esta informação pode ser usada para eliminar as variações de a linha C, uma linha a partir do vértice da prega interdigital entre o
KCL que não representam as estruturas profundas da mão de forma polegar e o dedo indicador para o gancho de hamate, deve ser usada

confiável e possivelmente limitar a colocação indevida de incisões cirúrgicas. como a de definição de KCL, embora os cirurgiões devem estar cientes
de que a MBMN está localizada proximal e ulnar o marco.

Nosso estudo mostra que há uma linha é ideal para a


identificação de todas as estruturas profundas mencionados. O
MBMN é a menos de forma fiável localizado porque todas as
Recebido para publicação 27 de outubro de 2005; aceite em formMarch revisto
linhas de prever o nervo é de 8 a 13 mm distal e 9-10 mm radial
15 de 2006.
para o verdadeiro local do nervo. Embora as linhas C e D são Não há benefícios em qualquer forma tenham sido recebidos ou serão recebidos de uma festa
mais estreita na distância longitudinal, há uma linha é preciso na comercial relacionado directa ou indirectamente com o tema deste artigo. Endereço para
correspondência: Josh C. Vella, MD, Departamento de Cirurgia Ortopédica da Universidade de
identificação do nervo. Além disso, os pontos de intersecção para
Cincinnati, College of Medicine, 231 Albert Sabin Way, Cincinnati, OH 45267-0212; e-mail:
todas as linhas estão localizadas de forma consistente e radial vellajc1@hotmail.com. Copyright © 2006 pela Sociedade Americana de Cirurgia da Mão
distal para a verdadeira localização do nervo. Um pode 0363-5023 / 06 / 31A06-0007 $ 32.00 / 0 doi: 10.1016 / j.jhsa.2006.03.009

subestimar o ulnar e localização proximal da MBMN medida que


entra na massa muscular tenar e isto pode levar a uma incisão
cirúrgica que está perto da MBMN, colocá-lo em risco. No
Referências
planejamento de incisões sobre a palma da mão proximal, o
1. Kaplan EB. anatomia de superfície da mão e do pulso. Em: Spinner E,
conhecimento da localização do MBMN e sua relação com KCL
ed. anatomia funcional e cirúrgica da mão. Filadélfia: JB Lippincott
poderia minimizar a lesão. 17 Os investigadores relataram Co, 1953: 227-231.
resultados similares em que o MBMN foi consistentemente 2. Keenan MA, Botte MJ. Técnica de bloco de fenol percutânea do ramo
localizado proximal e ulnar ao KCl e a sua intersecção com uma motor recorrente do nervo mediano. Mão J Surg 1987; 12A:
806-807.
linha longitudinal a partir do segundo espaço Web. Nosso estudo
3. Kaplan EB. Guia linhas para estruturas e dinâmicas dos músculos intrínsecos da
corrobora a conclusão de que a MBMN está mais perto de
mão profundas. Surg Clin North Am 1968; 48: 993-1002.
incisões do túnel do carpo do que KCL estimaria.
4. Kaplan EB. anatomia de superfície da mão e do pulso. Em: Spinner E,
ed. anatomia funcional e cirúrgica da mão. 2a ed. Filadélfia: JB
Lippincott Co, 1965: 265-270.
5. Kaplan EB. Abordagem para a extremidade superior. In: abordagens cirúrgicas
para o pescoço, coluna cervical e membros superiores. Philadelphia: WB
Embora nós não encontrou diferença entre as linhas a localizar Saunders Co, 1966: 143-160.
a TCL houve diferenças em identificar o SPA. Todas as linhas têm 6. Riordan DC, Kaplan EB. anatomia de superfície da mão e do pulso.
um ponto de intersecção que está localizada proximal ao SPA. Em: Spinner H, ed. anatomia funcional e cirúrgico de Kaplan da mão.
Linhas C e D estão localizados 18 e 19 mm proximal ao SPA, 3a ed. Filadélfia: JB Lippincott Co, 1984: 353-360.

respectivamente, e são significativamente mais distante do SPA


7. Hoppenfeld S, deBoer P. O punho e mão. In: exposições cirúrgicos em
do que as linhas mais longitudinais linhas A e B. A, C e D, ortopedia: a abordagem anatômica. 2a ed. Filadélfia: JB Lippincott Co,
identificar um local que é consistentemente de quase 2 cm 1994: 147-214.
próximo o SPA e seria marcos mais seguras para evitar a SPA. 8. Keenan MA, Waters RL. O tratamento cirúrgico da extremidade superior após
acidente vascular cerebral ou lesão cerebral. Em: Chapman MW, Madison M, eds.
ortopedia operatório. 2a ed. Filadélfia:
JB Lippincott Co, 1993: 1529-1544.
Como esperado linha C mais estreitamente identifica o gancho de
9. FE castanho. neuropatias de compressão da extremidade superior. Em: Júpiter
hamate e é significativamente mais estreita do que as linhas A, B, C e D. JB, ed. cirurgia da mão de Flynn. 4ª ed. Baltimore: Williams & Wilkins, 1991:
linha, a linha que intercepta o gancho de 518-523.
918 O Journal of Surgery Mão / Vol. 31A No. 6 julho-agosto 2006

10. Considerações Tsuge K. Gerais em cirurgia da mão. Em: Steichen JB, 14. Brown RA, Gelberman RH, Seiler JG III, Abrahamsson SO, Weiland AJ,
ed. Atlas abrangente de cirurgia da mão. Chicago: Year Book Pub Urbaniak JR, et al. liberação do túnel do carpo. A avaliação prospectiva,
Medical, 1989: 1-7. randomizado de métodos abertos e endoscópicos. J Boné Joint Surg 1993;
11. Brown RA, Gelberman RH. liberação do túnel do carpo: técnica aberta. 75A: 1265-1275.
Em: Blair W, ed. Técnicas em cirurgia da mão. Philadelphia: Williams & 15. Lilly CJ, Magnell TD. Severance do ramo tenar do nervo mediano como uma
Wilkins, 1996: 703-710. complicação de liberação do túnel do carpo. Mão J Surg 1985; 10A:
12. Szabo RM. Aprisionamento e compressão neuropatias. In: Verde DP, 399-402.
Hotchkiss RN, Pederson WC, eds. cirurgia da mão operatório de Green. 16. Palmer AK, Toivonen DA. Complicações da liberação do túnel do carpo
4ª ed. Philadelphia: Churchill Livingstone, 1999: 1404-1447. endoscópica e aberto. J Mão Surg 1999; 24A: 561-565.

13. Hurst LC. fasciectomia de Dupuytren: zig-zag técnica de plastia. In: 17. Eskandari MM, Yilmaz C, Öztuna V, Kuyurtar F. topográfico
Blair WF, ed. Técnicas em cirurgia da mão. Philadelphia: Williams & localização do ramo motor do nervo mediano. J Mão Surg 2005;
Wilkins, 1996: 519-529. 30A: 803-807.