Você está na página 1de 6

Palo

Palo, ou Las Reglas de Congo ("regras do Congo" são grupos de denominações estreitamente
relacionadas de origem Bantu desenvolvidas por escravos vindos da África Central em Republica
Dominicana. Outros nomes associados com as diversas ramas desta religião incluem: Palo Monte,
Palo Mayombe, Brillumba, Kimbisa. A palavra "palo" é aplicada na religião em Republica Dominicana
devido ao uso de estátuas entalhadas em madeira ou palo (pau) para construir o altar, outro
significado mais próximo da religião descreve a equivalência entre a palavra "palo" com a de
"árvore", sendo os locais onde habitam os espíritos na África.

Os seguidores do "Palo" são denominados "paleros" ou Nganguleros". A participação nestes grupos


é dada por uma cerimônia de iniciação em uma "casa" ou "Templo". A estrutura organizacional segue
o modelado de uma "família". Durante a escravidão sofrida pelos africanos, quando as famílias de
sangue foram separadas, este modelo foi particularmente significativo e foi tomado literalmente.

Uma outra curiosidade é que apesar do Palo ter sido trazido para a América Latina pelos bantos
(negros da região do Congo) no período da escravidão,

Você está aqui: Início Temas Polêmicos Religião, Cultos e Outros

Palo: A Religião dos Espíritos dos Mortos


Acessos: 4041

Sabemos que existem


centenas de religiões diferentes ao redor do mundo, algumas do bem que tentam extrair o que há de
melhor do ser humano, no entanto existem muitas outras que fazem o contrário, colher aquilo de ruim
das pessoas e fazer coisas estranhas e sombrias. Uma religião exemplo disso é a do Palo, que se
baseia na natureza e prega a crença nos espíritos dos mortos. Até ai parece tudo normal, porém eles
praticam alguns rituais bem sinistros, ...

onde utilizam ossadas de pessoas recentemente mortas, na grande maioria das vezes mulheres vão
até os cemitérios e roubam os ossos no meio da noite para serem colocados no altar, denominado
Nganga.

A religião surgiu na África e veio para a América do Sul, foi trazida na época dos escravos, mas
acabou perdendo muito de seus praticantes negros, tornando um culto de pessoas brancas, que em
vez do cristianismo, cultuam os mortos nessa mistura de Magia Negra com Voodoo. Surgida na
África Central, o Palo chegou até a América do Sul através de Cuba e se tornou bastante popular por
um certo tempo, apesar de seus ritos serem considerados obscuros e satânicos por religiões mais
conservadoras. Atualmente poucos a praticam, mas existem claras influências que vieram dela e
foram para na umbanda.

Palo, a religião mais cruel do mundo?

Palo, ou Las Reglas de Congo ("regras do Congo" são grupos de denominações estreitamente
relacionadas de origem Bantu desenvolvidas por escravos vindos da África Central em Republica
Dominicana. Outros nomes associados com as diversas ramas desta religião incluem: Palo Monte,
Palo Mayombe, Brillumba, Kimbisa. A palavra "palo" é aplicada na religião em Republica Dominicana
devido ao uso de estátuas entalhadas em madeira ou palo (pau) para construir o altar, outro
significado mais próximo da religião descreve a equivalência entre a palavra "palo" com a de
"árvore", sendo os locais onde habitam os espíritos na África.

Os seguidores do "Palo" são denominados "paleros" ou Nganguleros". A participação nestes grupos


é dada por uma cerimônia de iniciação em uma "casa" ou "Templo". A estrutura organizacional segue
o modelado de uma "família". Durante a escravidão sofrida pelos africanos, quando as famílias de
sangue foram separadas, este modelo foi particularmente significativo e foi tomado literalmente.

Uma outra curiosidade é que apesar do Palo ter sido trazido para a América Latina pelos bantos
(negros da região do Congo) no período da escravidão, atualmente, a população branca dessa
região ( e certamente familiarizada com as tradições cristãs, diferentemente dos negros daquela
época) são os maiores praticantes dessa que pode ser considerada a mais horrível religião do
mundo.

O nível mais alto do panteão Palo é ocupado pelo deus criador , Nzambi. O Kimpungulu (singular:
Mpungu) de Palo Mayombe são espíritos ou divindades encapsulado em vasos sagrados ( Nkisi ),
representando aspectos de natureza s, tais como o trovão, a agricultura, ou vento. outros espíritos
que podem habitar o Nkisi são Nfuri (espíritos errantes ou fantasmas), Bakalu (espíritos dos
antepassados), e Nfumbe (espíritos anônimos). Os sacerdotes Palo são divididos em duas classes
"bom" e "mal". O cemitério del Sur Karakose é hoje o mais visado quando se diz respeito à retirada
de ossadas para o uso dos rituais Palo.

Deuses Superiores
Nzambi (Nsambi, Zâmbia, Nsambiampungo, Pungun Sambia, Sambia Liri, Sambia Surukuru, Sambi
Bilongo) - não um Mpungu real, pero um deus maior, o criador do cosmos. Equivalente a iorubá
Olodumare.

Lungombe (Lukankanse, Kadiampembe) - aspecto negativo da Nzambi

Kimpungulu

Kobayende (Cobayende, úlceras de perna, Tata Pansu, Nfumbe Tata, Tata FUNDE, Tata Fumba
Pungun fútil, Tata Kanen) - rei dos mortos, o deus das doenças, associados com San Lazaro, eq.
Obaluaiyê .

Mariguanda (Pungu Mama Wanga, Centella Ndoki, Yaya Kenge, Mariwanga, mamãe Linda, Campo
Santo) - Entre a vida ea morte gatekeeper. Associado a Santa Teresa e Oya Iansã

Gurunfinda - deus da floresta e ervas. Associado a São Norberto Otan não ou San Silvestre, eq.
Ozain .

Nkuyu (Nkuyo, Mañunga, Lubaniba, Lucero) - Divindade das matas e estradas, a orientação e
equilíbrio. Associado com San Antonio, eq. Elegua .

Má Lango (Madre de Água, Kalunga, Mama Kalunga, Pungo Kasimba, Mama Umba, Mbumba
Mamba, Nkita Kiamasa, Nkita Kuna Mamba, Baluande) - deusa da água e da fertilidade. Também
conhecida como a Virgem de Regla, padroeira do porto de Havana, eq, Iemanjá .

Chola Wenge (Mama Chola, Chola neng) - deusa da riqueza e prazeres. Associado a La Virgen de la
Caridad del Cobre, Padroeira de Cuba, eq. Oxum .

Kimbabula (Kabanga Madioma, Lombardo Mpungo Fula, Nsambi Munalembe, Tonde, Daday,
Munalendo, Padre Tiempo) - deus da adivinhação e ventos. Associado a São Francisco, eq.
Orunmila .

Watariamba (Watariamba, Nkuyo Lufo, Nguatariamba Enfumba Bata, Saca Compromisso, Cabo
Rondo, Vence Batay) - deus da caça e da guerra. Associado com João Batista, eq. Ochosi

Nsasi (Nsambi Munalembe, Sete Raios, Mukiamamuilo, Nsasi) - deus do trovão e do fogo, o
equivalente a Santa Barbara, eq. Xangô .
Ma Keng (Yola, treme terra, Pandilanga, Mama Kenge) - espírito de sabedoria e justiça. Mpungu Isto
está associado a La Virgen de las Mercedes e Obatalá .

Sarabande (Sarabande, Rompe Monte) - divindade do trabalho e da força. Associadas de São Pedro
, eq. Oggun.

Palo, a religião afro-cubana


Introdução
Palo, uma das quatro principais religiões de origem africana ainda praticada em Cuba,
juntamente com Santeria, Abakuá e Arará, desenvolveu entre seus praticantes uma forma de
necromancia chamada Nganga, ainda encontrada em várias partes do oeste da África
Central.[1]

Esta religião tem um forte componente ancestral e tradicional, é uma religião iniciática e
sacerdotal. Usa de cânticos, danças, desenhos [firmas] e oferendas para os mais variados fins.
Tem um sistema oracular, chamado chomolongo ou diloggun ou ibbo, cada uma das 16
posições das conchas [ou búzios] são chamadas de oddu, grosseiramente chamado de
adivinhação quando o correto é divinação.

A Regra de Palo
Os cultos de origem do Congo, ou provenientes da cultura banto, também chamados de cultos
paleros, tem sua origem da região subsaariana da África, sendo os cultos mais antigos de Cuba,
pois chegaram ao país com os primeiros carregamentos de escravos provindos do Congo.

A Regra do Palo se fundamenta no caldeirão que contém o "nfumbe o nkise"

(morto) e no poder mágico das árvores do monte, donde vem o qualificativo de "palero", ainda
que empreguem os poderes mágicos de outros elementos da natureza como pedras, terras,
animais, etc. O "caldeirão de palos" está regido por um poder sobrenatural no qual se
concentra toda a força do bruxo.

Esta religião tem um forte componente espiritual e nela faz-se culto permanente aos
antepassados.

A Regra de Palo tem três vertentes principais: Palo Mayombe, Palo Monte, Palo Kimbisa e Palo
Briyumba. Estas vertentes encontram-se desenvolvidas na região ocidental do país ainda que
em outras regiões algumas vertentes sejam mais importantes.

O Palo tem características próprias que a fazem uma religião independente nas quais se
podem encontrar soluções aos problemas da vida prática e espiritual, por mais graves que
estes problemas possam ser, sempre e quando o fundamento responde e se façam total e
corretamente as obras [oferendas] indicadas.

As prendas
O resguardo é qualquer tipo de objeto preparado pelo "palero" para proteção e benefício de
uma pessoa.

O fundamento é uma prenda maior, feita com o caldeirão, também chamado de "nganga o
nkise". Estas prendas em geral são feitas de barro ou ferro, ainda que inicialmente fossem
constituídas por um envoltório de saco que contem a carga magica dominada pelo Padre
[Tata] ou Madre [Yayi].

Cada caldeirão é preparado segundo o tratado do santo ou "mpungo" que conterá e se


encarregará do mesmo ainda que o poder do caldeirão reside no "nfumbe".

O fundamento deve ser colocado em um lugar separado da casa, ou pelo menos que tenha
privacidade. A prenda deve receber a atenção necessária de seu dono que poderá consultar,
realizar cerimonias e trabalhos, celebrar festas e dará "de comer" em cada aniversário que é o
ritual principal de fechamento.

As prendas podem ser herdadas quando morre seu dono, se estas desejem ficar com algum
afilhado ou parente. Neste caso a prenda será objeto de veneração e atenção deste herdeiro.
Do contrário, há de se perguntar a quem a prenda quer ir, para que isto se cumpra.

Receber um fundamento é um compromisso muito sério para o qual deve se preparar.[2]

Árvores Sagradas
O nome "palo" provém da palavra "pau", ou seja, os troncos de árvores sagradas são o
material principal na religião Palo, utilizadas nas prendas e nos fundamentos [assentamentos].
Estes troncos tem diversas listas, conforme a tradição, mas usualmente são chamados de palo
amargo, palo vence batalla, palo jina, palo namo, palo dulce, palo hueso, palo jabon, palo
guasimo, palo muerto, palo aceituno, palo ramon, palo una de gato, palo gayaba, palo pino,
palo amansa guapo, palo jobovan palo canpeche, palo ojancho, palo guaramo, palo guama,
palo cocuyo, palo espuelade gallo, palo santo, palo camito, palo tocino, palo mulato, palo
torcido, palo negro, palo bomba, palo caballero, palo cambia voz, palo cajá, palo clavo, palo
jeringa, palo diablo, palo malambo, palo moro, palo manga sayas, palo ven a mi, palo justicia,
palo cambia rubra, palo abre caminho, palo espanta muerto, palo espanta policia.[3]

Os Deuses
Chamados de Nkisis são: Burufinda, Lucero [diversos], Tiembla Tierra , Siete Rayos, Madre de
Agua, Mama Chola, Zarabanda, Pata En Llaga, Centella Ndoki.[4]

Chamados de Mpungos são: Lucero Mundo, Sarabanda son Briyumba, Sobayende/Cobayende,


Gurunfinda, Tiembla Tierra, Siete Rayos Punto Firme, Madre de Agua, Chola Unwemwe,
Centella Ndoke, Cubre Monte, Cabo de

Guerra.[5]

No livro Palo Mayombe, de Carlos Galdiano Montenegro, os Deuses são: El Cristo Negro, Los
Espiritus Intranquilos, Santisima Muerte, San Simon, El Cristo Rey, Madre de la Luna, Madre de
Agua, Santisima Pedra de Iman, Francisco de los Siete Rayos, Mama Chola.

Conclusão e bibliografia
Por suas práticas e origens, esta religião pode ser considerada uma "religião de bruxos", uma
das poucas que ainda se mantém intacta, não se tornou um produto de massa, como
infelizmente ocorre com muitas práticas e crenças.

[1] The Book on Palo, Baba Raul Canizares, pg 2.


[2] Trabajando com la Nganga, pg 4 – 9.

[3] Lista baseada no livro Palo Mayombe, de Carlos Galdiano Montenegro, pg 104 – 113.

[4] Lista baseada no livro El Libro de Palo, pg 28 – 63.

[5] Lista baseada no livro Tratado de Nfunbe, de Tata Nkisy Malongo, pg 42 – 43.

Você também pode gostar