Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI –URCA

UNIDADE DECENTRALIZADA DE MISSÃO VELHA- UDMV


DISCIPLINA: PESQUISA EDUCACIONAL
PROFESSOR: RÁRISSON J.S SAMPAIO
ACADEMICA: LARISA CABRAL JUCA TEIXEIRA

1° AVALIÇÃO VI SEMESTRE

MISSÃO VELHA –CE 201


Os caminhos do aprendizado no ensino de ciências, nas últimas décadas no Brasil,
possibilitaram algumas mudanças epistemológicas e didático-pedagógicas, as quais
favoreceram o desenvolvimento de práticas pedagógicas criativas, no que diz respeito ao
desenvolvimento da sensorialidade acerca do ambiente, sem perder de vista os conceitos
e conteúdos do currículo de ciências. Tendo em vista que o ensino ciências o trás consigo
um meios didáticos para que aulas possam ser mais dinâmicas tornando as aulas menos
exaustivas.
Um dos meios didáticos mais são aulas de campos que saem do contento atual que são
aulas mais tradicionalistas que são dentro da sala de aula, o ensino de ciências vem
tomando espaço cada vez mais dentro dos âmbitos escolares para isto houve uma luta de
grandes pesquisadores que travaram tantas lutas diante de tudo isto, Articular a teoria com
a prática consciente tornam as aulas de campo um atrativo integrador do conhecimento,
dotando o estudante de competências para analisar um mesmo objeto de estudo, a partir
das contribuições de várias disciplinas (SILVA, SILVA, VAREJÃO, 2010).
De acordo, com os PCN (BRASIL, 1998), atualmente, é impensável desenvolver um
ensino de Ciências de qualidade sem o planejamento de trabalhos de campo, articulados
às atividades de classe. As aulas de campo são oportunidades para que os alunos
descubram novos ambientes fora da sala de aula, incluindo a observação e o registro de
imagens e/ou de entrevistas as quais poderão lhes ser de grande importância. Estas aulas
também oferecem a possibilidade de um trabalho interdisciplinar, pois dependendo do
conteúdo, podem-se abordar vários temas (MORAIS e PAIVA, 2009). Tendo em vista
que aulas tornam cada vez mais dinâmicas e didáticas sendo que o lúdico tem o poder de
fascinar o discente tornado a aula mais atraente ensinar ciências ainda e muito difícil para
seguir o sistema que se impõe cada vez duras metas como seguir o livro que não nem
nada didático.
O ensino das Ciências nos currículos escolares passa a agregar a importância de adquirir,
compreender e obter informação e também a necessidade de usar a informação para
analisar e opinar acerca de processos com claros componentes políticos e sociais e,
finalmente, agir. Esse acréscimo implica um desafio novo para os interessados no ensino
de Ciências, com a introdução de aspectos éticos, o que pode colocar em conjunção, ou
mesmo em confronto, a sociedade e a comunidade científica. Assim, a relação entre a
cidadania e o ensino de Ciências passa a envolver novas facetas que precisam ser
consideradas quando da preparação de currículos e programas escolares, e propostas de
formação de professores.
Diante tudo isto o ensino de ciências vem sendo cada vez mais disseminado para a
comunidade escolar de que pode e deve ser usado em cada lugar, ensinar ciências e usar
meios que temos a favor enquanto o papel de educador não transferir conhecimento mais
sim de usar métodos que estão ligados diretamente cotidiano do aluno, de acordo com
ambiente no qual o aluno este inserido ou seja de acordo com sua realidade para facilitar
entendimento do aluno para que o mesmo possa enteder o contexto da aula por isto que
aulas de campos, maquetes, jogos didático, Paulo Freire traz para a escola o princípio da
relação professor-aluno. Muitas vezes, como em nossa vida social, tem se apresentado
também, envolvida pelo autoritarismo, a ausência do diálogo, exigindo de todos, a
aprendizagem da democracia, através da dialogação entre alunos, pais e professores,
transformando a vida escolar em assunto de todos os envolvidos, assim como a vida
política é assunto de toda a sociedade.
Conclui-se que ensinar ciências ainda e uma tarefa árdua que requer sensibilidade por
parte da comunidade escolar que ainda tem muito aprender cada vez mais sendo que
ensinar e um aprendizado constante para quem ensina e quem aprende o busca pelo saber
e constante sendo que este espaços servem de construção para ambas as partes, quem
ensina apreende e sendo que mesmo dentro destes espaços que servem para que aluno
possa aprender com tudo que tem a seu redor ensinar ciências nos dias atuais requer do
professor uma completa entrega para com ambiente escolar. A educação é a ação exercida
pelas gerações adultas sobre aquelas que ainda não estão maduras para a vida social. Tem
por objetivo suscitar e desenvolver na criança um certo número de estados físicos,
intelectuais e morais que lhe exigem a sociedade política no seu conjunto e o meio
especial ao qual está particularmente destinada

Referencias
SILVA, J. S. R.; SILVA, M. B.; VAREJÃO, J. L. Os (des)caminhos da educação: a importância do
trabalho de campo na Geografia. Vértices. Campos dos Goytacazes, v.12, n.3, p. 187-197,
set./dez. 2010.

MORAIS, M. B.; PAIVA, M. H. Ciências: ensinar e aprender. B. Horizonte: Dimensão, 2009.

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI – URCA

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE – CCBS

CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CAMPUS MISSÃO VELHA

Plano de aula

Disciplina: Biologia
Tema: Aula no Geoparque Cachoeira de Missão velha
Conteúdo: Paleontologia
Objetivos: importância do estudos dos fosseis a partir do seus períodos históricos para
descobrir sua atualidades em cima de passados históricos no qual foram deixados marcas
dos mesmos Promover o conhecimento sobre paleontologia; Reconhecer o local de estudo
Compreender o surgimento dos fosseis.
Metodologia: utilizar os recursos paisagísticos que a cachoeira de missão velha tem como
pegadas de dinossauros que ali foram deixadas, plantas para que dentro que da
paleontologia possa ser estudado paleobotânica.
Recursos didáticos:
Aula expositiva, através do recurso campal com observação do recursos que local oferta