Você está na página 1de 23

RESUMO

Este estudo tem com objetivo geral análise a reforma engenharia em angola,
pretende, igualmente, gerar um referencial, para os engenheiros, da base teórica que
sustentou a produção da monografia. Para tanto, destacamos a relevância da pesquisa
cientifica do referencial teórico utilizado em processos de investigação, bem como aborda a
questão da pesquisa no ensino a cima referida.

A nossa pesquisa, apresenta uma metodologia qualitativa que serviu um caminho


para atingirmos o nosso objetivo. O presente estudo, que encontra - se em desenvolvimento,
constitui um desdobramento da pesquisa desenvolvida e que resultou matéria para
conclusão da Licenciatura.

Angola está atravessar momento importante mudança, em especial no sistema


educativo. o País revelou uma grande evolução na engenharia, demonstrado pelas
estatísticas referentes ao acréscimo de número de engenheiros e equipamentos. Neste
momento está a realizar uma reforma educativa para substituir o anterior sistema
educativo, procurando consolidar a concretização dos princípios da integridade, laicidade,
democratização, gratuidade e obrigatoriedade. Esta gestão (engenharia) apresenta uma
estratégia educacional para melhorar a qualidade de trabalho e responder aos desafios do
desenvolvimento do país.

O contexto de paz que se vive em Angola é favorável à institucionalização das


mudanças em vários domínios. Neste sentido, tem sido alteradas as políticas educativas que
tem servido de base para a reforma educativa e curricular em curso, visando melhor
qualitativamente o sistema dos engenheiros angolanos. No contexto da estratégia de
desenvolvimento educativo para o país, assente em políticas, programas e projectos, torna-
se necessário compreender os pressupostos da reforma educativa e curricular bem como o
impacto que tem tido no sistema dos engenheiros e na sociedade angolana.

ABSTRATO
1
This study has a general analysis of the reform engineering in Angola,
and also aims to generate a reference for the e teach, from the
theoretical basis that supported the production of the monograph. The
knowledge is important in the process of research, the approach of the
subject of research in the education in the education of the subject.
Our research presents a qualitative methodology that serves as a way to
achieve our goal. The present study, which is being developed, is an
unfolding of the researches developed and that foresee the publication
of a bachelor’s degree.
Angola is emerging particularly in particular in the education system. the
country of great importance, responsible for the increase of the number
of engineers and equipment. This moment is to carry out an educational
reform to replace the previous educational system, seeking to
consolidate the realization of the principles of secularism,
democratization, gratuitousness and obligatoriness. This management
presents an educational strategy to improve the quality of work and
respond to the challenges of the country's development.
The peace context that lives in Angola is a resource of institutionalization
of the changes in several domains. This edition has been educated to
curriculum and curriculum in progress, which is not better in the
standard of the Angolan engineers. In the context of the educational
development strategy for the country, participation in policies, programs
and projects, it becomes necessary to understand the assumptions of
the educational and curricular reform, as well as the impact that has on
the Angolan education and society systems.

2
INTRODUÇÃO

O Engenheiro em Angola está de forma intrinseca ligada na formação de cada


individuo, sendo grande ponte de reconstruição de conhecimento, pois, a sociedade no geral
vem banalizar o saber de forma desastrosa, deixando de lado os valores que regem em
nossas vidas daí a importancia da educação. Fazer com que todos acreditem que podemos
mudar o mundo a nossa volta.

Respeitando as diferenças e admitindo alguns erros para a partir disso sabermos


enfrentar as dificuldades seja no ambito educacional, social e pessoal.

A nossa analise não quer, toda, diluir-se no geral anonimato; ela pretende
radiografar uma sociedade concreta e tem situada no tempo e no espaço: O processo de
reforma educativa em Angola assenta-se na lei 13/01 de 31 de Desembro é a lei de base do
sistema educativo que preve a formação de cidadãos motivados e capazes de investir
activamente e eficientemente na realidade que os cerca. Em Angola foi implementado esta
lei com objetivo principal da melhoria da qualidade do ensino, reclassificação dos agentes
de educação.

A nova reforma educativa implementada em Angola está acompanhada por


actividades de formação contínua de professores principalmente os do ensino básico e
secundário, tanto do I como do II ciclo. A reforma educativa visa melhorar a qualidade de
ensino através de uma estrutura educativa forte e de um novo projecto, baseado em
instrumentos curriculares recentes, é bem verdade que a reforma educativa vem desde
2002.

A melhoria de qualidade de ensino em Angola é o objectivo da reforma do sistema


educativo, que começou a ser implementada e experimentada no ano lectivo 2002, e estará
concluída 2017, quando for abrangido todos anos de escolaridade, cremos que, diante dum

3
quadro assim, lúgubre, ninguém pode permanecer impávido ou indiferente. Por isso, o
presente estudo propõe-se responder aquela exigencia de renovação profunda, desde
dentro, que a nossa sociedade angolana vem reclama. Em comunhão com todos os
responsaveis da educação, intelectuais e políticos, procuremos inveter esta drámaitca
situação, profunda um novo espirito, um novo modelo de educação capaz de recuperar e
construir o homen na sua dignidade, e favorecer o desenvolvimento e capaz assentes sobre
a categoria do "ser" e não sobre aquela "ter", que é uma categoria demasiadamente
redutida.

A nossa convicção é que a verdade reconstrução da educação e da sociedade


angolana possa, necessariamente, pela construção do homem no seu tudo; tudo depende da
verdade que se tem sobre o homem. Por conseguinte, o sucesso da reconstrução material da
sociedade dependerá do sucesso da prendizagem do homem. Eis porque é que urge um
modelo educacional solido, inconfundivel, dialógo e valida para todos. Com tudo, o ensino
teorizante e desligado do quotidiano do aluno, que tem vindo a ser praticado nas escolas, é
igualmente uma causa a considerar.

É nesta base e como objectivo de monstrar algumas ideias de fenomenos do dia-


dia tanto quanto possivel do conhecimento dos alunos e cujo o estudo seja relevante sobre o
ponto de vista tecnico-cientifico e social e da experiencia simples, tendo em vista os
recursos da escola, que nos propusemos organizar o conhecimento teorico sobre este tema e
um conjunto de sugestões sobre fontes alternativas para a realização de experencia indicada
nos programas da 11ª e 12ª classe vigentes em Angola. Está é a nossa verdade em torno da
qual faremos gravitar todo nosso discurso. Daí o titulo da nossa monografia.

Problema da pesquisa

- Diante a esta temática, é como forma de seguir todo o andamento do


trabalho, da parte introdutoria até a conclusão, desenvolvemos a seguinte pergunta
ou problema apartir:

 A que ponto esta reforma educativa pode contribuir para uma melhor
qualidade de ensino de Angola?

4
 Perante a pergunta de partida, compreendemos que para respondela teriamos
de projectar objectivo, os quais de seguida passamos expor:

Objectivo Geral

- De acordo co Lakatos, (2012:106), o objectivo geral está ligado a uma visão global e
abragente do tema. Relaciona-se com o conteúdo intrínseco, quer dos fenómenos e eventos,
quer das ideias estudadas. Vincula-se diretamente à propria siginificação da tese proposta
pelo projecto. No entanto, o objectivo geral desta investigação consiste em: Identificar os
fectores que possam melhorar o ensino da base em Angola.

Obejsctivo Especificos

- Os objectivos específicos apresentam caracter mais concreto,. Tem função intermediária e


instrumental, permitindo, de um lado, atinguir o objectivogeral e, de outro, aplicar este a
situações particulares. Lakato, (2012:106). Assim sendo surgem os seguinte objectivos
específicos.

a) Analisar a relação dos alunos do ensino de base em relação a reforma educativa;

b) Identificar o problema de aprendizagem dos alunos poucos dedicados;

c) Enfatizar a relevancia da motivação dentro da organização.

Os objectivos foram elaborado como caminho a serem percorridos dentro de um contexto,


obrigando-nos a elaboração de hipoteses para respondermos ou darmos a solução do
problema levantado neste trabalho.

Formulação da Hipóteses

5
" Hipótese é o ponto basico do tema, individualizado e especificado na formulação
do problema, sendo uma dificuldade sentida, compreendida e definida, necessita de uma
resposta, " próvavel, suposta e provisória", isso é uma hipótese". ( Lakatos, 2012:108).
Assim, a nosso investigação, propriamente dita consiste na verificação ou na demonstração
do afirmado nas hipóteses.

Como hipótese de trabalho ocorrerá ao longo das duas secções que compõe o
presente estudo, nomeadamente, uma introdução, dois capítulos e uma conclusão.
Conforme a reflexão do Freire (1980:66) " todo acto de pensar exige um sujeito que pensa,
um objectivo pensado, que mediatiza o primeiro sujeito do segundo, e a comunicação entre
ambos que se dá atraves de signos linguísticos".

Justificativa da Pesquisa

A jusrificativa consiste numa exposição suscinta, porém completa, das razões de


ordem teorica e dos motivos de ordem prática que tornam importante a realização da
pesquisa. ( Lakatos 2003:126). No entento, a preferência para a escolha do tema
compremete-se pelos seguinte motivo:

Visa ao tratamento de questões de reforma educativa, propriamente dita o novo


modelo de ensino, como forma de contribuir para a promoção do processo de integração
dos factores do funcionamento nos planos e programas de formação de quatros. O objetivo
de realizá-lo partiu da consciência de que há muito a conhecer neste domínio para que se
possa passar à acção no território que hoje a educação torna-se cada vez mais seler. Antes
de se fazerem propostas para uma política de curto e de longo prazos de integração das
novas política de (RE) e do desenvolvimento coloca-se a questão de saber qual é a situação
actual de docentes com relação a tal integração.

O tema foi escolhido principalmente pelo gosto em pesquisar uma temática pouco
explorada; conhecer e dar a conhecer a importância desta temática, tendo em vista que ela
constitui ainda um imperativo para a conquista de melhorar resultados no ensino angolano;
este estudo, ajudará os gestores das escolas e os futuros investigadores desta área, a ter uma
visão mais ampla, sobre a temaática que procupa todas as sociedade e os que interferem em
qualquer processo de ensino e aprendizagem.
6
A nossa pesquisa articular-se-á como um todo orgânico e cronológico do ponto de
vista metodológico foi da classificação da pesquisa bibliográfica varida e análise
documental que permitiu o contacto com varias abordagens já existentes sobre o
problemático. Deste modo, fo efectuada a análise dos aspectos teóricos Universais inerentes
a reforma educativa em Angola.

Quanto a metodo torná-se-a como base para a taxonomia apresentada por ( Vergara
2009), que apresenta dois aspectos fundamentais, nomeadamente quanto aos fins, e quanto
aos meios.

Quantos aos fins, a pesquisa será de característca descritiva qualitativa e


quantitativa. Descritiva qualitativa porque visa descrever percepções e sugestões do pessoal
de ensino e apredizagem, governantes e gestores das escolas públicas e privadas.

Quantitativa porque, de acordo com Vilelas (2009:03), este método admite que
tudo pode ser quantificável, isso é, que é possivel traduzir em números as opiniões e as
informações para, em seguida, poderem ser classificados e analisadas, o que permitiu o
contacto com várias abordagens já existente sobre a problemática da Reforma educativa
educacional com objectivo da política do Estado para um desenvolvimento angolana, bem
com aprendizagem pedagógica e académica ibtida no Curso de pedagogia, Departamento
de Ciência Humana, (DCH), integrante do Instituto Politécnico Metroprolitano de Angola
(IMETRO). Assim estrutura desta monografia em dois capitulos, repartidos em três partes,
com dois capítulos cada um, em que faremos confluir numa mesma verdade, a verdade do
homem, quer a " reforma" quer a educação".

No primeiro capitulo, analisaremos a essência da educação como forma ponto de


partida na sociedade, referencia-se a fundamentação teórica e sua essência, a definição de
temos e resumidamente de forma educativa, e o seu funcionamento para a solução da nossa
educação que hoje acharmos pertinente em Angola, em diversidade com outras questões e
salientar a sua importância na vida do homem destacando as suas caraterísticas principais,
fundamentos limites e ambivalências.

Só a partir da classificações destes preliminares é que podemos emoldurar bem e


sem equívocos a nossa anlise. E com ênfase na presente monografia, bem com p focalizar
7
os aspectos ligdos a grande fragilidade dos nossos etudantes.

Finalmente no segundo capítulo, a metodologia, a descrição da pesquisa como a


hipótese, os aspectos formais que devem ser observados na apresentação final do trabalhos
científicos encontra-se neste capítulo. As recomendações nela contidas estão de acordo com
as orientações estabelecido pelo Instituto, padronizada e disciplinadas nas normas e
documentos. Foram analizados e interpretados os dados da pesquisa do ponto de vista
científico, apresentando-se a seguir as conclusões a que chegamos e por ultimo as sugestões
e recomendações propostas visando minimizar ou tentar solucionar os problemas
encontrados. Dada a finalidade da nossa investigação espera-se que tendo em conta os
suportes documentais e bibliográficos, seja possível confirmar ou rejeitar as hipóteses de
trabalho.

Gostaríamos de ressaltar que o nosso estudo é apenas uma aproximação ao tema


escolhido " a reforma educativa em Angola", por isso, não deve ser considerado como um
produto totalmente acabado. Afinal, nas ciências socias não há um ponto final, há, sim um
ponto e virgula, uma vez a ideia parte de um cientista e acaba por ser desenvolvido por
outros. De realçar que esta investigação tanto no que diz respeito à estrutura, como as
cituações e refencias bibliograficas, seguirá as normas aprovadas pelo Instituto Politécnico
Metropolitano de Angola, através do despacho do Director Geral, que foi homologado o
Despacho 52/2014, de 25 de Fevereiro.

CAPITULO 1-FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO

1.1 Génese

Desde sempre as organizações ou empresas procuram na sua maioria alcançar


objectivos de uma forma mais eficiente e eficaz, apostando fortemente em recursos
humanos como uma questão de sobrevivencia e de sustentabilidade.

E nesta óptica a (GT) é a actividade interligada que repercutem directamente sobre


o moral dos funcionarios ou seja GT consistem uma das principais bases para a consquista
de melhor resultados nas empresas. Para melhor compreender esta temática convem
recoperarmos um pouco no tempo para poder entender melhor como é que esses aspectos

8
da gestão começaram a ter relevância no dia-a-dia das organizações. É com este proposito
que o capítulo que ora se apresenta tem como objectivo dar a conhecer a evolução da
historia da gestão bem como as suas teórias para enquadrar diversos factores que
contribuem para uma melhor gestão nas empresas.

1.1.1. Evolução da Gestão

A palavra gestão vindo do latim gestione que significa acção de dirigir é um


conceito mais associado com a perspectivas colossal do comportamento organizacional.
Contudo, o ponto de vista sobre a gestão não é universal. Apesar da sua enorme
importância, é dificil definir gestão em poucas palavras, e não existe consenso absoluto
sobre o tema. As organização buscam envolver meios para a eficácia organizacional frente
as novas condições de mercado e exigências externas.

Na busca de entender e desvendar o comportamento das pessoas nas organizações


essa nova respectiva de valorização pessoal trouxe a atenção de estudiosos e cientista a
desenvolver pesquisa sobre o tema de gestão onde que com experiencia da fabrica de How
Thorne da General Eletric Company dos Estanos Uindos tida como primeira dos
experimentos cientifico do comportamento apontou que a questão dada ao trabalhador
influencia a sua produtividade na empresa.

Essa Experiencia trouxe só ao de cima por volta dos anos 50, vários estudos sobre
o processo de gestão dando inicio a vários argumentos e teorias como os apresentados por
Abraham Harold Maslow, Frederik Herzberg, David Mcclland entre outros. Para Fernandes
(2009), antes da revolução industrial iniciada no Reino Unido em nomeados os séculos
XVIII não havia muita precupação em saber o que motivava ou não uma pessoa. O homem
era considerado uma máquina, não posuindo valores nem sentimentos a serem notados. A
ferramenta de gestão consistia no uso de ameaças e punições, criando dessa forma um
ambiente de medo caso o funcionario não conseguisse cumprir o objectivo.

O reforço negativo era a única opção destacava-se ainda que as ameaças e


punições foram substítuidas pelo dinheiro Taylor considera que o único objectivo do
trabalhador é o salário devido a crença de que ele fosse a principal incento. Este trabalho
também poderá uma ajuda para se compreender melhor o processo de gestão e organização
9
das organizações nomeadamente contribui também para os próximos estudantes de gestão.

Ajudar os restantes elementos das organizações a definir e atingir um conjunto de


objectivos de modo a possibilitar a sobreviência da empresa por exemplo gerir na opinião
de May follet não é mais do que produzir bens ou serviços utilizando pessoas pode também
ser considerado uma arte apesar do seu caracter cientifico ter vindo a acentuar se devido ao
aumento crescente dos meios de infromação e dos instrumentos de gestão a disposição de
quem ela se responsabiliza vamos fazer uma breve analise da empresa as actividades
empresariais constituem o motor económico de um país sendo as empresas as entidades
responsaveis pela tranformações dos factores de produção de bens e serviços.

As formas de organização empresarial tem evoluído ao longo dos tempos


acompanhados dos desenvolvimentos do processo tecnológico e a evolução das economias.

A medida que se foram desenvolvendo os conhecimentos tecnológicos se tornou


mas rápida a difusão de informação foram aparecendo novas formas de organização que
procuram satisfazer novas necessidades de uma clientela cada vez mais exige a
massificação da produção, característica da primeira metade deste século, deu lugar ao
fabrico de produtos diferenciados e vocacionados pra um segmente de mercado especifico
obrigando as organizações a estarem antentas ai desenvolvimento da tecnologia a
qualificação dos seus recursos humanos e a forma na qual encontram se organizadas pode-
se assim identificar as três características fundamentais que são associadas a noção de
organização.

 Recursos Humanos

 Recursos Materiais

 Forma organizativa

Nos recursos materiais pode se destinguir-se o capital e os equipamentos


necessários a transformação dos produtos ou a prestação de um serviço. Os recursos são
todos aqueles que desempenham um trabalho dentro da empresa independentemente da
fução que exercem. A forma organizativa constitui a ligação que permite dar vida a
organização é a forma como a empresa se encontra organizada que destibngue das restantes
10
e que lhe permite desenvolver vantagens competitivas deste como exsistem diversos tipos
de organizações com objectivo e intereses diferentes desde as organizações com
características culturais politicas e humanitarias até as de natureza empresarial.

Estas ultimas distiguem-se das restantes pelo seguintes aspectos são unidades que
embora constituídas tal como as outras, com meios humanos materias e económicos actuam
no sentido das leis do mercado ou do plano e são condicionados por variáveis ambientais
que integram com o seu desenvolvimento para alem destes aspectos as empresas procuram
não só satisfazer as necessidades dos seus clientes, mas também as daquelas que com ela
trabalham governantes gestores bancos e governos etc. necessitando de criar um excedente
para não só proprietários mas também para a própria empresa, de modo ma permitir a sua
auto sustentação através da produção e comercialização de bens ou serviços.

São ainda ojectos de um controlo sistemático por parte do governo nomeadamente


ao que diz respeito aos seus processos de fabrico e de prestação de contas para o seu efeito
de atribuições. A sua gestão obedece a um determinado processo que passa pela planicação,
organização, liderança e controlo de todas as actividades realizadas por todos os
intervenientes da empresa. A planicação requer que os principais responsáveis pela
organização definam objectivos e a melhorar as formas para os atingir. O plano é como que
um guião, onde são comprometidos os recursos exigidos para alcançar os objectivos
pretendidos, onde se definem as actividades dos diversos responsáveis pela organazação de
uma forma coerente e de acordo com os objectivos em vista e onde encontram descritos os
métodos de acompanhamento e de recolha de indicadores que permitem efectuar ediadas
correctivas, se tal for necessário. A planificação começa, assim por definir os grandes
objectivos da organizção, seguindo se a sua decomposição em objectivos dirigidos as
unidades que compõem a organização, coerente com os objectivos principais. Uma vez
conhecidos os objectivos de cada unidade é definido um programa para os alcançar de uma
forma sistemática.

Ao fixar esses objectivos e ao desenvolver o programa para o atingir, deve ser tida
em conta a viabilidade da sua concretização, bem como o acordo de outros responsáveis e
trabalhadores envolvidos nas actividades necessárias a implementar para os alcançar.

11
O tempo de duração destes planos vária em função do nivel hierarquico onde são
definidos é vulgar que os gestores de topo efectuem planos com uma duração de cinco a
dez vez ano de entanto, devido volatividade da actual economia a elaboração de um plano
deve prever a possibilidade de alteração, de modo a aproveitar as oportunidades de
negócios que possam aparecer. Estas alterações só seram possíveis se a empresa possui uma
organização uma tecnologica e os recursos humanos adequado a uma resposta rápida
perante uma necessidade do mercado não prevista quando da realização do plano.

A sua experiencia não deve condicionar o desenvolvimento da empresa, dizendo


muitas que seu melhor plano é possuir um conjunto de meios técnicos e humanos que lhe
permite aproveitar rapidamente uma oportunidade de negócio que de repente possa surgir.
Nos níveis hierárquicos mais baixos também são efectuados planos de trabalho para o dia
seguinte ou para próxima semana dependendo do âmbito e da importância da actividade a
desenvolver.

Organizar é uma forma de distribuir a autoridade, o trabalho e os recursos pelos


elementos da empresa de modo a que estes possam atingir eficientemente os objectivos
propostos. A forma como se encontra organizada a empresa define a sua estrutura e esta
varia de empresa para empresa. Uma empresa que fabrica componentes electrónicos entra
necessariamente uma estrutura organizacional diferente de uma outra que se dedica ao
fabrico de produtos têxteis deste modo os gestores de nível hierárquico superior deverão ter
em atenção a actividade principal da empresa antes de definir a forma de organização do
trabalho e distribuição da autoridade e da afectação dos recursos aos elementos que
compões cada uma das unidades que formam.

A liderança diz a respeito ao modo como são dirigidos e motivados os


trabalhadores no desenvolvimento do seu trabalho. É uma tarefa que exige muito mais
acção do que os aspectos de planificação ou organização. O responsável por uma equipa, o
líder tem que saber proporcionar um ambiente propício a execução de um trabalho
qualidade e no qual trabalhadores se sintam satisfeito.

Os objectivos estabelecidos devem ser objecto de controlo dos responsáveis pelo


controlo da empresa que tem verificar se as acções desenvolvidas pelas diversas equipas de

12
trabalho estão de acordo as ideias das empresas, estas funções de controlo envolve quadro
das apresentações a ter em atenção as exposição exactas de medidas próprias do seu
desempenho fixo a comparação entre as ideias, a comparação entre os padrões
antecipadamente definidoos ao desempenho efectivo e observado e finalmente o
estabelecimentos de medidas de correcção caso se tenha observado e formal.

É por esta função de controlo que os gestores conseguem manter fortes os


objectivos das várias áreas funcionais que constituem a empresa de modo a evitar os
desvios anteriomente definidos.

Na realidade todos estes aspectos que acabamos de realçar teheem a ver com o
processo de colectivos de gestão de qualquer organização, são executados de forma inter
relacionada não podendo ser planeado sem as actividades das suas medidas de desempenho
ou da forma como são motivados os trbalhadores.

Na descrição o que verifica é uma inteiracção destas quatro funções, sendo a


sequência planeada, organização, liderança e controlo somente estabelecido a nível teórico
para um melhor entendimento e desenvolvimento do processo de gestão.

Faz sentido lembrar todavia que todo este processo de gestão é inserido, não só
dentro das organizações através da forma como a empresa se encontra organizada e das
relações hierárquicas formalizadas no seu interior, mas também por condicionalismo de
ordem externas a organização, em relação as quais esta não tem qualquer capacidade para
intervir.

1.1.2. Conceito de gestão

Este autor Bonfim et al (2010), apud, Zanelli (2004), os psicologos a maior dos
motivos quer leva a diversidade da conduta dos individíduos, originado de um processo
chamado Gestão.

De acordo com Chiavenato ( 2010:242) os pontos de vista sobre a gestão não são
unânimes. Apesar da sua enorme importância é dificil definir a gestão em sem aplicar seus
conceitos no cotidiano das organizações. Usalmente, se utilizam termos como,
necessidades, desejos, vontades, metas, objectivos, impulsos e insentivos.
13
Alguns autores se concentram em alguns factores que iniciam e dirigem as
actividades das pessoas. Outros enfatizam as metas a serem alcançadas. Outros ainda
afrirmam que a gestão se relacionam com a maneira pela qual o comportamento começa,
recebe energia, mantem-se, é dirigido, para e como tipo de reacção subjectiva que ocorre o
organismo quanto tudo isso acontece. Na verdade, cada autor privilegia alguns aspectos
particulares para fundamentar suas ideias.

A gestão é um processo básico e psicologico. Juntamente com a percepção,


atitudes, personalidades e aprendizagem, a gestão sobresai como um importante processo
na compreenção do comportamento hhumano.

A gestão é um processo que depende da direcção, da intesidade da persistência


dos esforços de uma pessoa para alcançar um determinado objectivo. Assim a gestão
depende de:

Direcção: significa onde focar o comportamento. O esforço deve ser


redireccionado para alcance de um oblectivo que difine a direcção. O objectivo pode ser
organizacional ( definido pela organização) ou individual ( desejado pela pessoa)

Vieemência: representa o esforço que a pessoa aplica na direcção definida. Nem


sempre a intensidade do esforço leva em conta a sua qualiade, ou seja a coerência do
esforço em relação ao que se pretende conseguir ou alcançar, isto é objectivo desejado.

Empenho: significa o quanto tempo a pessoa consegue manter o seu esforço. Uma
pessoa motivada pretende a presistir no comportamento ate seu objectivo seje plenamente
alcançado. Essas colocações contradizem opinões de muitos executivos que sejam sempre
pregucosos ou desmotivados. Isto não tem nada a ver com a gestão. A gestão não é um
traço de personalidade. Ele é o resultado da interação da pessoa com a situação a resolver.

Ainda Chiavenato (2010:243), as pessoas definem quanto ao seu impulso de


gerencial básico, e o mesmo indivíduo pode ter diferentes níveis de gestão que varia ao
longo do tempo, isto é ele pode estar mais motivado em um momento e menos em outros.

Além das diferencias individuais, existem as variações no mesmo individuo em


função do momento e da situação. Em um sentido sistemático a gestão consiste em três
14
elementos integrantes e independentes:

Obrigação: as necessidades são criadas quando surgem um rebalaceamento


fisiologico ou psicologico. Ele aparece quando as células do corpo são providas de
alimentos ou água ou quando a pessoa é privada dos seus amigos e companheiros. As
necessidades são variadas, situadas dentro de cada indivíduo e dependem de
varíaveisculturais. Em resumo uma necessidade significa a escassez interna da pessoa,
como sede receio solidão etc. o organismo se caracteriza num estado de estabilidade. Esta
estabilidade é interrompida cada vez que surge uma necessidade. A necessidade é um
estado interno que, quando não satisfeito cria aflição e estimula algum impolso na pessoa
visando a sua visão ou atenuação.

Impulsos: os impulsos ou motivos são os meios que avaliam necessidade. O


impulso gera um comportamento de busca e pesquisa para localizar os objectivos ou
incentivos que, se atingidos, satisfazem a necessidade e reduzem a tenção. Quanto maior a
apreensão, tanto maior o nível de esforço. Os impulsos fisiológicos são orientados para
acção e proporcionam as condiçõe energizadas no sentido de alcançar um incentivo. Os
impulsos são o coração do processo de gestão.

Valência: no fim do ciclo de gestão está o incentivo, definido como algo que
avalia a necessidade ou reduz o impulso, o alcance de um incentivo tende a restaurar a
balança fisiológica ou psicológica que reduz ou elimina o impulso em modo geral os
incentivos estão situados fora do indivíduo e varia especialmente conforme a situação.
Essas três dimensões do processo dimensional básico - necessidades, impulsos e incentivos
- constituem o ponto de partida para as teorias da gestão.

Outro autor de elevada importância, quando se trata desta temática é Spector,


segundo ele a gestão é um conceito que tem sido intensamente e de dificil definição,
geralmente descrito como um ponto interior do indivíduo que induz a assumir a
determinados tipos de comportamento.

A gestão ter a ver direcção, persistência e proporção do comportamento do


indivíduo com o pessar do tempo, optando por comportamentos específicos dentro de
muitos prováveis. A gestão vista de outra perspectiva, refere-se ao desejo de adquirir algo
15
ou alcançar algum obejectivo ou por outro lado a gestão resulta das necessidades de atingir
um certo objectivo (Spector, 2009:198).

As suposições do gerente sobre a gestão dos funcionários ou uso de recompensas


tem a ver com a sua respectiva sobre a gestão (DAFT, 2005:398).

1.1.3. Tipos de Gestão

Observamos uma visão sobre do tipo de gestão sabendo que são diversos as
causas da gestão do indivíduo e suas necessidades e expectativas.

Bowditch (2004) esclarece uma distenção entre a gestão extríseca e a gestão


intríseca. Quando a gestão intríseca, a mesma esta relacionada essencialmente á gestão do
próprio trabalho, ou seja um desejo de trabalhar arduamente simplesmente pelo prazer de
cumprir uma missão. A gestão intríseca esta relacionada psicólogias: reconhecimento,
respeito, estrato e esses factores de gestção estão intensamente ligados as acções
individuais dos gerentes em relação aos seus colaboradores.

A pessoa escolhe um curso de apólice para satisfazer determinada necessidade ou


carência, e surge o comportamento focado nesse impulso (meta).

1. Se a pessoa consegue satisfazer a necessidade o processo, de gestão é bem -


sucedido. A satisfação elimina ou reduz a ausência. Ainda assim, se por um bloqueio ou
impedimento a satisfção não é alcansada, corre a insatisfação, conflito ou depreso.

Segundo o mesmo autor (2010:244), enquanto a necessidade satisfeita geral um


estdo de agrado e consequetemente o bem - estar, uma necessidade pode geral mal -
involutário devido a frustração. As pessoas esfrentam a frustação e o estresse de varias
maneiras semelhantess. Os mecanismo de reação diferem de pessoa para pessoa para
pessoa nunca é geral em função dos factores ambientais, situacionais.

A inabilidade em reduzir uma escassez pode conduzir a um esforço maior para


melhorar desempenho ou para complentar essa necessidade, mais também pode gerar
comportamentos defensivos.

A actitude defensiva ocorre em geral como necessidade, de resguardar a própria


16
imagem.

O absentismo ou a fuga é uma atitude de defesa para fugir do espaço envolvente


do trabalho desagradável e insatisfatório e que pode manisfetar-se pela ausência física ou
não. A ausência física quer dizer ir ao trabalho, enquanto a ausência não fisica pode
significar a não preocupação com o trabalho, com os colegas ou com organizações.

A agreção é uma reação a não satisfação das necessidades na áreas envolvente de


trabalho. A agreção é um comportamento da não stisfação da necessidades no ambiente de
trabalho. A agressão pode ser dirigida a uma pessoal, a um objectivo ou a uma
organização. Pode ser verbal ou física e pode levar as injurias pessoais ou a danos nas
instalações e quipamentos.

Para Chiavenato ( 2010:244), a regresão é outra reação quando a pessoa esta


frutada. Significa retroceder a um comportamento infantil para superar a frustração. Uma
pessoa expansiva pode se tornar emburracada quando sofre uma fustração, retomando
comportamentos passados em circunstacias iguais. Deste modo a fuga, agreção e a regreção
são exemplos de comportamentos defensivos que resultam de incapacidade em satisfazer
certas necessidades. São atitudes que os gestores precisam emfrentar com inteligência
quando lidam com pessoas no trabalho.

1.1.4. Principais teórias da Gestão

Não faltam teorias sobre gestão. Nem pesquisa sobre o assunto. O facto é que o
assunto é complexo. Sabemos que cada pessoa é induzida por um conjunto de metas. Se a
oeganização pretende prever o comportamento com alguma provisão é preciso que se
conheça algo sobre esse conjunto de metas e sobre o que cada pessoa fará para consegui-lo
a sua maneira. ( Chiavenato, 2010: 247).

De acordo com Sousa (1990:140), as teorias de gestão consistem em


generalizações acerca do porque e como de um comportamento orientado de certa forma.
Evidentemente, há que ter também em conta que outros vários factores afectam a
performaces dos indivíduos um entre varias explicações do comportamentos humano em
geral e do comportamento relacionado com o trabalho, em particular.

17
As várias teorias que procuram analisar e compreender a gestão podem ser
fraquecionado em dois tipos: teorias do conteúdo e teorias do processo. Tendo em conta
essa divisão conteúdo e processo serão apresentados, aos longo desta pesquisa algumas
teorias de (GT) que revestem-se de enorme importância para o sucesso organizacional.

1.1.5. Definição e Termos de Gestão

Motivar: É um impulso intimo que ínsita as pessoas a acções e que sustenta e da direcção
ao comportamento (Chiavenato, 2014:497).

Motivação: É o estado interno que induz uma pessoa a assumir determinados tipos de
comportamento ( Spector, 2005:98).

Organização: Elementos sociais em que existe uma divisão funcional de trabalho e que
visa atingir atraves de sua actuação determinados objectivos. (Sousa 1990:140).

Trabalho: É toda diligência humana voltada para a alteração da natureza, no sentido de


satisfazer uma necessidade. (Chiavenato, 2004:504).

Desempenho: Consiste no contributo individual e de equipa para atingir certo objectio


estrategicos da organização. (Camara, 2005:168).

Competência: A competência é o meio, basea-se no metódo e no comportamento na rotina


e no caminho para alcançar a um ponto. (Chiavenato, 2005:168).

Acção: a acção é o resultado, baseia-se no alcance dos objectivos propostos e na


consequência final do trabalho. (Chiavenato, 2005:168).

1.1.6- Teorias das capacidades

As teorias de capacidade enfatizam as necessidades especificas que motivam as


pessoas. A qualquer hora as pessoas tem necessidades basicas como alimentação, realização
ou recompensas monetárias. Essas necessidades se traduzem em um criterio interno que
motiva o comportamento especifico na tentativa de penche-las. As necessidades individuais
são um eregistro secreto das coisas que alguem quer e trabalhara para alcançar.

A medida em que os gestores entendem as necessidades dos trabalhadores, o sistema


18
de recompensa da empresa podem ser lançados para obstenção das metas de
organizacionais. Daft( 2005:400).

No meio da proposta teorica desta categoria destacam-se a hierarquia das


necessidades de Maslow, teoria ERC de Alfender, teoria dos dois factores de Herzberg, etc.

2. - Teorias de Processo de Gestão

As teorias de processos descrevem e analisam o processo pela qual o


comportamento é activado, orietado matido ou estagnado. Subsaem nesta categoria a teoria
da definição de objectivos de Edwin Locke, teória de equidade de Adams, teória da
expectatividade de Vitor Vroom, etc. (Chiavenato, 2010:247).

2.1. - Teoria da Definição de Objectivos

Conforme Chiavenato (2004:247), para Edwin Locke, a finalidade de enfretar


pelo alcance de um intuito é maior fonte da gestão. O intuito sinaliza a pessoa que precisa
ser feito e quanto ao esforço ele tera que depender para o seu alcance. Assim surgio a teoria
da definição de intuito para avaliar o impacto da especificação das pessoas. As evidencias
confirmam a importância dos objectivos, como especificos melhoram o desempenho, como
objectivos mais dificeis, melhoram mais o desempenho do que faceis e que a retroação
conduz a melhores resultados. Essa interpelação mostra que:

Os objectivos especificos dificeis produzem melhores resultados do que as metas


comuns do tipo faça melhor que puder.

A singularidade do objectivo funciona como um encorajamento interno.

 Se a pessoa é a ideal para comprir o objectivo, quanto mais dificil ele for,
maior sera o nível de desempenho, o acordo com o objectivo dificil depende de um
alto nível de esforço da pessoa.

 As pessoas trabalham melhor quando tem a retroação ou seje o progresso


pois isso ajuda entender a separação entre o que fez e que precisa fazer para poder
concluir o objectivo.

19
 A retroação funciona como um roteiro para costume e quando a retroação é
auto gerenciada a pessoas consegue controlar o seu trabalho e desempenho é mais
poderoso do que a retroação externa;

Algumas esforçam se muito mais e outras não tem a oportunidade de participar da


fixação seus objectivos. Há pessoas que preferem trabalhar com objectivos como meta
desejavel para atingir.

As pessoas compremetem mais quando participam das escolhas das quais fazem
parte:

O auto exito se refere á convicção individual que é capaz de realizar determinadas


tarefas.

Quando a maior parte a auto eficiencia tanto maior a credibilidade na possibilidade


de realizar uma tarefa com sucesso. Pessoas com baixo auto - eficacia. O processo funciona
melhor quando a tarefa é simples, familiar e indepemdente- Nas tarefas independentes a
fixação de objectivos em grupo é o ideal. Para a teoria da difinição de objectivos existem
quatro metodos basicos para mobilizar as pessoas: Dinheiro. O dinheiro não deve ser o
único incentivador mais deve ser aplicado; conjuntamente com os outros três metodos a
seguir; Definições de objectivos redesenho dos cargos e tarefas para proporcionar maior
desafio e responsabiliade aos colaboradores.

2.2. - A importância da Gestão para o sucesso Organizacional

Segundo Daft (2005:399), o homem que vive em sociedade precisa e depende de


outras pessoas para sobreviver o que gera nele um conjunto de necessidade ou seja, quanto
mais motivado estiver o grupo de convivio, planejando caminho e traçando metas para o
desenvolvimento proprio ou da empresa, as pessoas que trabalham directamente com esse
grupo octonarcião mais motivas, a gestão exerce grande importância para o sucesso das
Organizações, pois a mesma pode influenviar o comportamento e desempenho elevado das
organizações.

20
Os gerentes podem usar a teoria da gestão para ajudar a satisfazer as necessidades
dos colaboradores e simultaneamente encorajar um alto desempenho no trabalho. Com as
novas dimensões em massa muitas organizações gerentes estão a se esforçar para manter os
colaboradores talentosos é um grande desafio pela questão da confiança e dos
compromissos enfraquecidos.

Assim os gerentes precisam de encontrar um convénio de técnico de gerência e


recompensas para manter os colaboradores satisfeitos e produtivos em uma variedade de
efeito situações organizacional. Conforme especificou Koske et al (2010), citado por Bouno
(1992), os efeitos da desmotivação no trabalho podem gerar graves problemas tanto para as
organizações como também para as pessoas. No caso das organizações, podem sofrer
perder dos seus padrões de qualidade e de produtividade.

Da parte das pessoas, as consequencias estão ligadas a saúde física e mental, ao


stress, ao absentismo, a baixa produtividade e desempenho no trabalho, sem contar a falta
de obrigações com a organização.

Entende-se são muitas as teorias sobre a gestão das pessoas no trabalho e com o
trabalho, isto por si só, já demostra a complexidade do assunto. Segundo Koske et al
(2010), citado por Motta (1991:76): Os indivíduos possuem objectivos que desejam
alcançar e agem intencionalidade de acordo com as suas percepções da realidade.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O presente estudo apresenta a reflexão sobre necessidade da utilização e gestão do


tempos nas instituições, é de grande relevância para sucesso organizacional. Uma vez que
a gestão do tempo do tempo (GT), exerce grande importância para o sucesso organizacional
e pode levar a comportamento que refletem um desempenho alto dentro das organizações,
os gestores e futuros gestores precisam encontrar a combinação correcta de técnicas
motivacionas e recompesas para manter os trabalhadores satisfeitos e produtivos em uma
variedade de situações organizacionais.
21
BIBLIOGRAFIA

 Amaral, F. (2000). Curso de direito administrativo,Vol I e IV, 2ª edição:


coimbra.

Almeida Coimbra

 Anstee, J. (1997). Órfão da guerra-fria. Rdiografia do colapso do processo


de paz Angolano. Porto: Campo das Letras.

 Bento, V. (2011). Economia, moral e politica. Lisboa editores relogios d


´agua

22
 Borge, A. (2009). Empreendorismo, Lisboa: Editora. RH

 Borges, A. (2009), Introdução à Administração de Empresas, São Paulo:


Editora África

 Cardim (2009). Gestão da Formação nas Organizações. Lisboa: Lidel

 Bogdan, R., Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em Educação:


fundamentos,métodos e técnicas. In: Investigação qualitativa em educação.
Portugal: Porto Editora.

 Brunsson, N. (2002). A Organização da Hipocrisia - Os grupos em ação:


dialogar,decidir e agir. Edições ASA: Lisboa.

 Afonso, N. (2005). Investigação Naturalista em Educação: Um guia prático


e crítico.Porto: Coleção Foco. Asa Editores.

 Barroso, J. (2002). A investigação sobre a escola: contributos da


Administração Educacional, p. 227-325. Investigar em Educação, 1 (1).

23