Você está na página 1de 3

Vantagens dos Adesivos de Fixação LOCTITE®

LOCTITE® Retaining Products Offer:


 Maior resistência com designs simplificados e mais
econômicos
 Menor dependência das tolerâncias mecânicas
 Prevenção da corrosão e do desgaste por fricção
 Distribuição uniforme da carga e das tensões na
união
Quando Usados em Combinação com Interferência, os Adesivos de
Fixação LOCTITE® Permitem:
 Maior transmissão de carga e melhor rendimento
com designs e geometrias existentes
 Desempenho uniforme com folga em tolerâncias
 Reduções no tamanho e no peso da montagem
Problemas com os Métodos de Montagem Convencionais que os
Adesivos de Fixação LOCTITE® Podem Ajudar a Solucionar:
 Os pinos e conjuntos de chave/chaveta têm
distribuição desigual de massa, um desequilíbrio que
pode levar à vibração em altas velocidades
 Eixos estriados e serrilhados causam altas tensões
devido ao efeito de entalhe que ocorre na área de
uma chave. Além disso, têm um elevado custo de
usinagem
 Os anéis de fixação, montagens sob pressão ou por
contração e os ajustes cônicos dependem só da
fricção para transmitir o binário de torção, por isso,
estão limitados pelo material, pelas superfícies e
pelo design. São exigidas tolerâncias muito
pequenas para obter capacidades de carga
importantes, o que acarreta grandes custos de
produção

Vantagens em Custos e Desempenho dos


Adesivos de Fixação
Vantagens em Termos de Custos:
 Reduzir ou eliminar operações de mecânicas de alto
custo
 Eliminar certos requisitos de acabamento superficial
 Prolongar a vida útil do equipamento graças a uma
maior resistência à fadiga e à corrosão
 Preencher os espaços, o que aumenta as tolerâncias
 Reduzir os custos gerais de montagem e manutenção
 Simplificar as montagens, reduzindo o uso de
anilhas de ajuste, chavetas, pinos ou roscas
 Podem eliminar a necessidade de retentores
mecânicos
 Minimizar os tempos de parada de máquina,
garantindo uma colocação em serviço mais rápida
Vantagens em Termos de Desempenho:
 Aumentar a confiabilidade da montagem
 Produzir montagens mais precisas e rígidas
 Eliminar a folga nas chavetas e estrias
 Evitar a distorção de eixos de diâmetro pequeno
 Aumentar a resistência dos ajustes com interferência
 Eliminar a corrosão por fricção
 Vedar contra a corrosão ambiental
 Eliminar as elevadas tensões das montagens
 Reduzir as variações na transmissão de cargas
 Facilitar a montagem de materiais diferentes

A nova e resistente solução de fixação para paredes

Os nossos parafusos adesivos baseiam-se em duas tecnologias inteligentes. O


sistema patenteado "nie wieder bohren" (berbequins, nunca mais) foi concebido
para lhe permitir fixar de forma fiável itens com peso até 10 kg por parafuso em
superfícies rugosas, no interior e no exterior. Estes parafusos autoadesivos são
removíveis de superfícies firmes e incluem parafusos retangulares para objetos com
fundo fino, parafusos redondos com um design estético para fixação visível e
parafusos triangulares que podem ficar elegantemente escondidos atrás dos cantos
de um objeto.
Adicionalmente, os parafusos adesivos ajustáveis incluem tiras adesivas tesa® para
superfícies duras e suaves como azulejos, assim como para superfícies sensíveis
como parede pintada e papel de parede. Facilitam o ajuste preciso da altura do seu
objeto após a fixação. A tecnologia Powerstrips®permite ainda que sejam
removidos da sua superfície sem deixar vestígios.
Adesivo é qualquer substância aplicada na superfície, ou em ambas as superfícies, de dois objetos
separados que os une e oferece resistência à sua separação.[1]Dependendo do contexto, há vários
termos usados com o mesmo significado, como cola ou cimento.[2] Há vários adjetivos que podem
ser usados com o termo "adesivo" para descrever as suas propriedades de acordo com as formas
químicas ou físicas, o tipo de materiais unidos ou as condições em que é aplicado.[3]
O uso de adesivos apresenta várias possíveis vantagens em relação a outras técnicas de união,
como a costura, parafusos ou soldagem. Entre estas estão a capacidade de unir diferentes materiais
entre si, de distribuir os esforços de forma mais eficiente no ponto de união, os menores custos
económicos, uma melhor aparência estética e maior flexibilidade no desenho. Entre as possíveis
desvantagens do uso de adesivos estão a diminuição da estabilidade a temperaturas elevadas, a
relativa fragilidade na ligação de objetos de grande dimensão com uma superfície de contacto
pequena e a maior dificuldade em separar os objetos durante eventuais testes.[4] Os adesivos são
geralmente divididos de acordo com o processo de adesão e são depois classificados em adesivos
reativos ou não reativos, termo que indica se o adesivo reage quimicamente ou não no processo de
endurecimento. Em alternativa, podem também ser classificados de acordo com a sua origem,
natural ou sintética, ou pela fase química original.
Os adesivos podem ter origem natural ou ser produzidos de forma sintética. O primeiro uso de
substâncias adesivas ocorreu há cerca de 200 000 anos.[5] As primeiras referências aos adesivos na
literatura apareceram por volta de 2000 a.C.. Os gregos e os romanos fizeram contribuições
importantes para o desenvolvimento de adesivos. Um tipo antigo de cola é a chamada goma-
arábica, que consiste em um extrato retirado do tronco e ramos da acácia, de uso bastante difundido
no passado, por ser eficiente e atóxica. Na Europa, a cola só começou a ter uso generalizado entre
os séculos XVI e XVIII. Até ao início do século XX o avanço tecnológico nos adesivos foi lento e
gradual e só no último século e até à atualidade é que a inovação nos adesivos sintéticos ocorreu de
forma acelerada .

Tipos de adesivos mais comuns[editar | editar código-fonte]


 Epóxi: Muito versátil. Indicada para uso em metais, plásticos, cerâmicas, vidros e pedras;
 PVA ou Acrílica: Também conhecido como cola escolar ou cola branca. Esse tipo é solúvel
em água e pode ser utilizado em madeiras, papéis, tecidos e couros;
 Silicone: Ideal para vidros e objetos expostos a humidade, como aquários, caixas
d'água, frigoríficos, enfeites natalinos, entre outros;
 Celulósica: utilizada em vidros, papéis, tecidos e cerâmica;
 Látex: Usada em plásticos e borrachas;