Você está na página 1de 4

A abundância é, sobretudo, um estado interior.

O mais sensato seria


dizer que trata-se de um sentimento constante de que você tem o
que deseja. De que sua perspectiva está voltada ao tanto que você
possui, e não a aquilo que lhe falta. Não tem a ver com uma gorda
conta bancária ou uma vida de excessos.
Não é injustificada aquela ideia de que “Rico não é aquele que mais
tem, e sim aquele que menos precisa”. É exatamente isso que é a
abundância, um sentimento de plenitude que não depende do
externo, mas que se estabelece no interior de si mesmo.
“A vida é apenas um espelho, e o que você enxerga nela, você tem
que enxergar primeiro dentro de si”.
-Wally Amos-

Tanto a abundância quanto a pobreza implicam um conjunto de


emoções, pensamentos e crenças. É por isso que surge a
contradição entre aqueles que têm muito e, no entanto, se sentem
miseráveis. Ao passo que outros têm pouco e vivem gratos e felizes.
O sentimento de carência
Se existe algo comum a todos os seres humanos é a
carência. Nascemos com faltas e muitas delas nos acompanham
até a morte. Viemos determinados por um patrimônio genético, uma
etnia e muitas outras características. Cada uma delas implica uma
renúncia a todas as outras alternativas.
Nós crescemos e vivemos também com a carência como horizonte.
Independentemente das circunstâncias, sempre vamos nos ver
submetidos à renúncia. O tempo todo estamos deixando para trás
bens amados. Pessoas, situações e vínculos que não podemos
eternizar.
Embora no fundo todos saibamos disso, algumas pessoas não se
conformam que a vida seja assim. Elas querem eliminar da vida
essa parte que envolve renúncias, perdas e vazios. Ao fazer isso, o
que conseguem, sem intenção, é tornar mais profundo e intenso esse
sentimento de vazio que, em maior ou menor medida, habita em todos
nós.
Quando o sentimento de carência predomina, passamos pela vida
sentindo que ela nos deve algo. Além disso, pensamos que em
alguma parte existe essa totalidade, algo que erradique para sempre a
sensação de vazio. Às vezes chegamos a deixar de lado as potências
criativas para nos transformarmos em eternos receptores insatisfeitos.
O estado de abundância
A carência é, na verdade, uma condição que cumpre o papel de
modelar nossas emoções. Quem vive rejeitando a carência
geralmente fica preso nela. Assim como sem a noite não poderíamos
valorizar o dia, sem carências não poderíamos construir o sentimento
de abundância.
Na verdade, as pessoas que passaram por grandes carências e
conseguiram superá-las em suas mentes, principalmente, são as
pessoas que estão mais preparadas para receber em suas vidas o
sentimento de abundância. Ao ter consciência de um vazio, uma
necessidade ou um desejo não realizado, outorga-se grande valor
a aquilo que “preenche”, mesmo que seja parcialmente.

Boa parte do segredo de viver reside em aprender a ser humilde. Isso


não significa ser conformista, nem submisso. Significa, na
verdade, entender que chegamos ao mundo sozinhos, nus e
indefesos. Tudo que conseguimos a partir de então foi lucro.
Conectar-se com a abundância
Em um mundo e uma época consumista como a que
vivemos, tendemos a pensar que a abundância é excesso, e que o
excesso é uma fonte de satisfação. Por isso, em muitas pessoas
cresce uma voracidade inexplicável que nunca encontra alívio.
Sempre querem mais e nada é suficiente.
Essa é uma condição na qual não existe extrema abundância, mas
extrema carência. Na verdade, não tem nada a ver com o que se
consegue na vida, mas com o apetite insaciável que acompanha
esse processo. Isso se transforma em um sentimento que não
encontra alívio. O desejo de satisfação que não é encontrado no
interior de si mesmo é transportado para o externo.

Por isso, conectar-se com a abundância é, acima de tudo, ser


capaz de duas coisas: valorizar e agradecer. Valorizar quer dizer
dar significado ao que se tem, ao que se conquista, por menor que
possa ser. Agradecer é se permitir sentir felicidade por tudo que existe
em sua vida e que, perfeitamente, poderia ou não estar ali. Colocar-se
em uma posição de humildade frente ao universo e dar um
significado para tudo ao seu redor. Assim se conquista a abundância.