Você está na página 1de 15

Relações Brasil-Portugal na Museologia contemporânea

Manuelina Maria Duarte Cândido

Doutora em Museologia pela ULHT (Lisboa-Portugal), profa. de Museologia da

FCS/UFG (Brasil)

Este texto irá analisar as pontes científicas entre a Museologia portuguesa e a

brasileira, que é das mais sólidas e profícuas, ainda que as importantes colaborações

para a construção do pensamento museológico contemporâneo entre os dois países não

sejam muito conhecidas fora deste âmbito específico. Compreendemos que apresentar

esta reflexão fora dos eventos e publicações diretamente ligados ao campo da

Museologia constitui uma significativa reverberação do que tem sido feito na área.

É evidente que um ponto de confluência aparece na história dos museus, na

origem das instituições brasileiras, que seguiu o padrão de toda a América e de outras

colônias, ao importar modelos já implantados na metrópole. Porém, queremos realçar

aqui as relações e parcerias na trajetória do campo científico.

No Brasil há três projetos em andamento sobre a história da Museologia. Cada

um sob seu viés está construindo uma memória da Museologia brasileira comprometida

com uma escola ou tradição. São eles:

- Memória da Museologia no Brasil (UNIRIO)

- Observatório da Museologia Baiana (UFBA)

- Memória do Pensamento Museológico Paulista (USP)

A Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), herdeira do

primeiro Curso de Conservador de Museus no Brasil, se arroga o direito de constituir a

partir de sua própria trajetória uma memória da Museologia nacional. Possui um acervo

de 8.000 itens, 2.000 deles inventariados, segundo informação do site da Escola de

1
Museologia da UNIRIO (s.d.). O projeto, coordenado pelo professor Ivan Sá, está

ligado, portanto, à memória da formação em Museologia iniciada pelo Museu Histórico

Nacional em 1934, e continuada pela UNIRIO, incluindo atualmente mestrado e

doutorado.

O Observatório “pesquisa a trajetória de museus e outras instituições culturais

na Bahia, a relação da Museologia e manifestações de memórias identitárias afro-

brasileiras e os vínculos da Museologia com a Ciência da Informação” (Conselho

Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 2009). Coordenada pelos

professores Suely Cerávolo e Marcelo Cunha, a pesquisa tem relação intrínseca,

portanto, com o curso de graduação em Museologia em funcionamento na Universidade

Federal da Bahia há mais de 40 anos, o segundo do Brasil.

Ao longo de todo o século XX a formação em Museologia no Brasil se ateve a

estes dois estados com cursos de graduação1 e a uma série cursos de especialização2

organizados em diversos estados como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná,

Amazonas, Maranhão, Rio Grande do Norte, Goiás e São Paulo3, além da formação em

serviço e diversos cursos de extensão, seminários e congressos que procuravam suprir

as lacunas e demandas.

Da formação em nível de especialização, a experiência mais duradoura foi a de

São Paulo, em um primeiro momento pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo

(a partir de 1978) e depois pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de

São Paulo. Com a duração do primeiro se estendendo por mais de 20 anos e do segundo

em quatro turmas de um ano e meio cada, até 2006, é natural que os envolvidos também

1
Houve também um curso de graduação na então Faculdade, hoje Universidade Estácio de Sá (RJ), por
volta de 1980 a 1995.
2
Uma análise muito acurada da contribuição destes cursos de especialização e profissionais deles
oriundos para o fortalecimento da Museologia Brasileira e também dos desconfortos gerados pelo conflito
de interesses no exercício profissional pode ser encontrado em Marshall (2008).
3
Apesar de extensa, a lista pode estar incompleta, pelo que pedimos desculpas.

2
procurassem construir sua memória no âmbito da Museologia brasileira. O projeto

Memória do Pensamento Museológico Paulista realça/constrói a tradição na qual São

Paulo se insere, agora fortalecida com a aprovação do mestrado em Museologia na USP,

em março de 2012.

Estes três núcleos acadêmicos da Museologia no Brasil são também centros

onde estão calcadas relações fundamentais com a Museologia portuguesa,

especialmente no que ela se cruza com a história do MINOM, Movimento Internacional

para uma Nova Museologia.

Portugal tem hoje por volta de 1.200 museus, segundo Isabel Victor (2011),

com uma forte tendência para museus polinucleados e de território, o que pode denotar

uma marcante influência do movimento citado. Após o fim da ditadura de Salazar, o

associativismo, que já era forte, foi incrementado. Com isso foram criados muitos

processos de defesa do patrimônio, visto que as associações sempre tiveram ligações

fortes com a memória e a cultura locais. Porém a organização do setor museológico em

Portugal é anterior, a APOM - Associação Portuguesa de Museologia, existe desde

1965, com a finalidade, entre outras, de “agrupar conservadores de museus,

restauradores de obras de arte, historiadores e críticos de arte, arquitectos e outros

técnicos e cientistas ligados aos problemas museológicos actuais.” (Ramos in Rocha-

Trindade, 1993, p. 59)

Antes de 1974 a economia era basicamente rural, e o Estado Novo português

não fomentava a industrialização. A partir daí começam a surgir pequenas indústrias e

as populações rurais, temerosas de perder rapidamente suas características identitárias

começam a organizar seus núcleos de memória.

“Actualmente, o que marca o cenário museológico português é o


crescimento, quase descontrolado, do número de museus locais face a uma
realidade museológica nacional incontestada, um pouco esquecida dos
consumidores nacionais (bastante mais procurada pelo turismo

3
internacional), ou progredindo a um ritmo demasiado lento, por se encontrar
fortemente condicionada por razões de ordem económica e política e até
patrimonial/monumental (dado que muitos destes museus são igualmente
edifícios classificados), e permanentemente em tensão com outros projectos
de Estado e outros investimentos noutras áreas da Cultura nacional. A
grande maioria dos novos museus locais não são, como outrora, um projecto
de Estado mas projectos autárquicos e "locais", com variadíssimas origens,
e para os quais o Estado tem dificuldade em encontrar enquadramentos
institucionais (...)” (Faria, 2000)

O momento de efervescência e renovação no panorama museal português não

descartou as estruturas tradicionais e pesadas dos grandes museus nacionais ou das

grandes fundações privadas4, e veio também imbuído de reações estatais como:

- A criação do Instituto Português dos Museus (IPM), em 1991 (Hoje Instituto

dos Museus e da Conservação) e da “Rede Portuguesa de Museus”, em 2000

- A criação, em 2000, da Seção de Municípios com Museus da Associação

Nacional dos Municípios Portugueses, ressaltando o dinamismo dos museus municipais,

já identificado no sucesso e continuidade dos Encontros de Museologia e Autarquias;

- A institucionalização da Lei-Quadro dos Museus Portugueses (Lei nº

47/2004, de 19 de Agosto), com parâmetros legais para os museus do país (Direcção da

Comissão Nacional Portuguesa do ICOM, 2009). Portugal, assim como o Brasil, tem

contribuído fortemente com a discussão do papel social dos museus e uma inflexão

destes a uma Museologia cada vez mais participativa e mais voltada para o elemento

humano na relação Homem-Objeto-Cenário, advogada como fato museal, matéria de

estudo da Museologia. Pensada desta forma, a Museologia constituiria uma Nova

Museologia, também chamada ora de Museologia Social, Ecomuseologia ou

Sociomuseologia:

“No queremos en absoluto dar soluciones fáciles y maravillosas a nuestros


problemas museológicos. Pero intentamos que la Nueva Museología "haga
propuestas que sirvan para vincular toda ésta problemática, muy
especialmente en lo que es esencial para el hecho museológico: la

4
Ao contrário, assim como a Fundação Calouste Gulbenkian, mais antiga, outras constituíram também
seus grandes museus e centros culturais, como o Berardo e o Serralves.

4
confrontación vivencial y estimulante del hombre con su realidad, por
medio de los elementos representativos de esta realidad, que son
fundamentalmente tridimensionales, presentes en el tiempo y en el
espacio". Pero recordando siempre que los museos no son sólo espacios
para la exhibición de memorias, sino también agentes del progreso al
servicio de las comunidades. Reconociendo también que “el objeto en sí
mismo no es en absoluto la verdad absoluta de nada", como decía Jacques
Hainard y, sobre todo, sabiendo que el objeto de la Museología es el
hombre.” (Tinoco, 2010)

Em relato sobre visita de estudos a Portugal em 1993, Cristina Bruno recupera

a memória de Mário Moutinho sobre a criação do ecomuseu de Monte Redondo:

"... nessa época passamos por um dilema real que se podia resumir da
seguinte maneira: - Museu Tradicional com participação formal da
população, voltado para os testemunhos do passado e Museu Incógnita
voltado para os problemas do meio material e social que o rodeava. A
primeira situação apresentava-nos um caminho suficientemente estudado,
sem outras dificuldades de realização que não fossem a maior ou menor
disponibilidade de recursos financeiros para manter o museu aberto. A
segunda situação deveria avançar por terrenos mal conhecidos, afrontando a
incompreensão das outras instituições museológicas, socorrendo-nos dos
conceitos, então mal definidos, do que se constituía como sendo expressões
de uma nova museologia" (Moutinho, apud Bruno 1996, p. 90-91)

Este foi um dos processos que tomou o segundo rumo, assim como outros em

alguma medida identificáveis tanto como museus de novo modelo como ‘museus

tradicionais com participação formal da população’5: Ecomuseu do Seixal, Vila-Museu

e Campo Arqueológico de Mértola, Museu do Trabalho de Setúbal, entre outros.

Muito dessas experiências deve à disseminação de idéias da chamada Nova

Museologia em Portugal por membros fundadores do Movimento Internacional por uma

Nova Museologia, formalizado em solo português em 1985 a partir de premissas da

declaração de Québec, do ano anterior. Estiveram em Québec, em 1984, os portugueses

Mário Moutinho, António Nabais, Lino Rodrigo, Miguel Pessoa e Manuela Carrasco6.

Seu retorno significou a disseminação de um novo fazer museal e de reflexões

inusitadas, a partir da realização de jornadas sobre a função social do museu e de

5
Ainda assim muito distantes do que usualmente é considerado um museu tradicional, aquele totalmente
voltado para os objetos e onde cabe ao público um papel de observador e visitante passivo.
6
Moutinho, comunicação pessoal, mensagem eletrônica, 2010.

5
publicações (Moutinho, 1993). Em pouco tempo também significaria a formulação de

um modelo de formação em Museologia, inicialmente atrelado à Universidade

Autônoma de Lisboa: “Posteriormente, por falta de condições científicas e de

desenvolvimento de um contexto organizacional antidemocrático a equipa docente

transferiu-se para o antigo ISMAG dando desde então continuidade ao seu projeto na

atual ULHT” (Universidade Lusófona. Faculdade de Arquitectura, Urbanismo,

Geografia e Artes, 2010), Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, onde

a área de Museologia existe desde 1991. Iniciado como um curso de especialização, que

experimentou diversos formatos, este modelo sempre contou com colaboradores

externos, em um primeiro momento do Canadá e da França, logo se estendendo a

professores do Brasil.

Aqui queremos centrar nossa reflexão, sublinhando a construção luso-

brasileira de uma possibilidade acadêmica e editorial consolidada ao longo de 20 anos e

coroada com o primeiro curso de doutorado em Museologia em língua portuguesa, que

foi criado em 2007. Enquanto no Brasil nosso primeiro mestrado em Museologia só foi

criado em 2006, desde 1998 a Lusófona transformou sua especialização em mestrado e

permitiu inclusive alguns brasileiros avançarem em seus estudos. Mas foi com a criação

do doutorado, especialmente a organização de já duas edições dos Cursos Avançados

em Museologia, que os brasileiros acorreram em massa a esta possibilidade de titulação

também anterior aos caminhos em solo brasileiro.

Cursar no Brasil a parte das aulas presenciais e desenvolver a pesquisa e

elaboração da tese com orientação à distância, muitas vezes com professores brasileiros,

atendeu uma demanda antiga de doutorado em Museologia. Este caminho também se

beneficiou da simplificação logística já que à medida que o curso avançava em Portugal

a proporção de professores brasileiros convidados aumentou, de forma que as aulas

6
serem no Brasil (Rio de Janeiro ou Bahia como nas duas primeiras edições), até

facilitava em relação à organização das mesmas aulas em Lisboa, sem comprometer

qualidade e carga horária. Mais recentemente um convênio com a USP garantiu aos

egressos de suas quatro turmas de especialização o reconhecimento destes créditos

como o 1º ano do mestrado ou do doutorado na Lusófona, a depender de outros títulos

que o candidato já possuir. Isto foi possível porque a especialização da USP contava

com estrutura bastante similar aos cursos de pós-graduação da ULHT, inclusive

partilhando professores, mas com corpo docente incrementado e carga horária muito

superior. Desta forma, a tendência é que nos próximos anos aumente significativamente

o número de brasileiros inscritos regularmente nos cursos de pós-graduação em

Museologia da ULHT.

A universidade publica desde 1993 os Cadernos de Sociomuseologia, que já

teve outras denominações, mas não solução de continuidade. A publicação é

apresentada como a “principal colecção de língua portuguesa dedicada à museologia em

estreita colaboração com investigadores e professores de museologia de universidades e

museus brasileiros.” (Universidade Lusófona. Faculdade de Arquitectura, Urbanismo,

Geografia e Artes, 2010). Para nós, que iniciamos a aproximação com a Museologia

portuguesa e especialmente com a Universidade Lusófona desde 1997 por intermédio de

viagens de estudos e, mais recentemente, do doutorado, sempre chamou a atenção a

expressiva quantidade de títulos brasileiros nas publicações da Lusófona7 (enquanto

aqui no Brasil não tínhamos sequer uma publicação regular) e a abertura cada vez maior

do corpo docente da universidade aos professores brasileiros.

7
Nos primeiros 20 números, sem contar aqueles organizados com vários autores (5) e considerando
Judite Primo, que possui dupla nacionalidade, na conta portuguesa, os títulos de autores residentes no
Brasil superou muito em número (12) os de portugueses, e só Mário Moutinho e Judite Primo haviam
publicado por Portugal.

7
Creditamos esta superior presença dos brasileiros nas publicações e na

docência da Lusófona ao resultado, além da abertura e generosidade da universidade,

que despida de preconceitos aceitava a publicação dos originais brasileiros sem ajustes

ortográficos, malgrado qualquer crítica que viesse a receber, de uma contingência: o

fato de que alguns expoentes da Museologia portuguesa, comprometidos com a

implantação de processos de musealização inovadores e revolucionários estivessem

menos afeitos, naquele momento, à reflexão acadêmica sobre os mesmos e

especialmente não priorizassem o avanço em titulação, o que os afastou da docência

quando a pós-graduação na Lusófona passou de lato sensu a stricto sensu. Agora, com a

proliferação de cursos8 e de doutores em Portugal, vemos a retomada de contratação de

professores portugueses e há uma diretriz para manutenção nesta universidade de 50%

de professores portugueses e estrangeiros, agora também pretendendo ampliar as

colaborações com outros países da Europa.

A ligação de alguns dos docentes da ULHT ao Movimento Internacional para

uma Nova Museologia representa, para essa universidade, não só “permanente

atualização de conceitos como tem beneficiado de uma rede alargada de parcerias

internacionais.” (idem)

Ao discutir o enquadramento histórico da Sociomuseologia, Mário Moutinho

(2007) situa seus momentos de criação em Québec, mas tendo como antecedentes a

Mesa Redonda de Santiago do Chile, em 1972. Documento fundador do MINOM, a

Declaração de Québec se baseia na reflexão sobre as transformações ocorridas no

cenário museológico internacional, da qual decorrem fatores como: o reconhecimento

da necessidade de ampliar a prática museológica e de integrar nessas ações as

8
“Em termos nacionais foram criados desde então cursos de Mestrado nas Universidade de Évora, de
Lisboa, de Coimbra, do Porto, Universidade Nova de Lisboa, e ISCTE e no último ano letivo foram
criados programas de Doutoramento na Universidades do Porto e de Évora.” (Universidade Lusófona.
Faculdade de Arquitectura, Urbanismo, Geografia e Artes, 2010)

8
populações; a convocação ao uso da interdisciplinaridade e de métodos modernos de

gestão e comunicação; e a priorização do desenvolvimento social.

“O MINOM nasceu de experiências fragmentadas, se pensa fragmentado e


estimula a criação de novos fragmentos museais. Ora, não é difícil perceber
nesse caráter fragmentário uma dimensão política diversa daquela que está
patenteada nos museus que ensaiam grandes sínteses nacionais ou regionais
que, a rigor, também são fragmentárias.” (Chagas, 2003, p. 55)

Ou seja, os museus tradicionais apenas pretendem ser totais, mas não o são. A

chamada Nova Museologia assume o fragmento, o resíduo, como motor para a reflexão

que motiva a ação no meio social, indo realmente de dentro para fora dos museus ou

processos de musealização.

A Declaração de Québec deu seguimento ao desejo de criação de estruturas

internacionais do Movimento Internacional para uma Nova Museologia, com a intenção

de fundação de um comitê sobre Ecomuseus / Museus Comunitários no âmbito do

ICOM e uma federação internacional da Nova Museologia. Ao abordá-la, Moutinho

enfatiza a idéia de participação da comunidade na definição e gestão das práticas

museológicas e a Museologia como fator de desenvolvimento, além de realçar a

consigna da Declaração de Santiago segundo a qual “(...) o museu é uma instituição a

serviço da sociedade”, interpretando-a com um viés para perceber o museu como

prestador de serviços. Para tanto, ressalta a idéia presente na Declaração de 1972 de que

a transformação das atividades dos museus exige mudança na mentalidade dos seus

responsáveis. Provavelmente por isto, tomou para si o desafio de contribuir com

formação e atualização de profissionais, criando as jornadas e os cursos já mencionados.

É interessante discutir aqui o conceito de Sociomuseologia, proposto por

Moutinho como alternativa a conceitos anteriores de Museologia. Segundo ele

“A Sociomuseologia constitui-se assim como uma área disciplinar de


ensino, investigação e actuação que privilegia a articulação da museologia
em particular com as áreas do conhecimento das Ciências Humanas, dos

9
Estudos do Desenvolvimento, da Ciência de Serviços e do Planeamento do
Território”. (Moutinho, 2007, p. 01)

Esta definição, a nosso ver, situa-se em pleno diálogo com aquela formulada

38 anos antes por Hugues de Varine quando apresenta os três domínios principais cuja

articulação permitirá à Museologia preparar profissionais em sintonia com a demanda

de servir ao desenvolvimento do homem, quais sejam:

- Antropologia Social e Cultural, Sociologia, Psicologia, Economia (aplicadas

aos problemas nacionais e locais de desenvolvimento);

- Estudos de metodologia (do trabalho multidisciplinar, das comunicações de

massa, da pedagogia, das pesquisas de avaliação);

- Elaboração de técnicas de desenvolvimento adaptadas ao caráter específico

do museu (Varine, 1969 in Desvallées, 1992, p. 64).

Fernando Neves situa a Sociomuseologia como uma das várias inovações

trazidas pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, especialmente,

neste caso, de Mário Moutinho. Dá a entender que a Sociomuseologia é de fato a Nova

Museologia, nomeada desde o início pelos portugueses daquela forma, mas conectada

com o movimento internacional (Neves, 2008). Queremos, pois, ousar e defender mais

uma vez a idéia de que a Museologia é uma só, com necessárias ondas de renovação

(Duarte Cândido, 2003, p. 253), ainda que a uma teoria geral correspondam diferentes

modelos de aplicação. Este foi o ponto de vista expresso pelo simpósio do ICOFOM de

Hyderabad (1988) conforme mencionado por Van Mensch:

“A opinião geral, expressa pelos museólogos de diferentes partes do globo,


admitiu que no nível mais elevado de abstração, só há uma museologia. No
nível prático, no entanto, podem haver muitas diferenças de acordo com as
condições culturais e sócio-econômicas locais” (Van Mensch, 1994, p. 02).

10
Ou seja, uma só Museologia Geral, ainda que modificada por diferentes textos

e contextos museológicos. O próprio Moutinho também foi capaz de reproduzir a

afirmação:

“Que esta nova concepção não implica que se acabe com os museus actuais
nem que se renuncie aos museus especializados mas que pelo contrário esta
nova concepção permitirá aos museus de se desenvolver e evoluir de
maneira mais racional e lógica a fim de se melhor servir a sociedade...”
(Declaração de Santiago, in Moutinho, 1993, p. 08).

Isto não diminui, de maneira alguma, a importância das transformações

conceituais e nem, no caso português, o papel precursor de Mário Moutinho, a fantástica

proliferação e longevidade apreciável de experiências baseadas nas idéias oriundas do

MINOM, como também não abranda o reconhecimento do extraordinário desempenho

da ULHT na acolhida acadêmica, no fomento da reflexão e da divulgação de todas as

idéias e práticas relacionadas a esta chamada Nova Museologia ou Sociomuseologia.

O que queremos aqui é asseverar a necessidade de que toda Museologia seja

social, porque também defendemos o quarto paradigma entre aqueles alinhados por Van

Mensch (1994, p. 03) e não desejamos uma Museologia que estude apenas os museus,

ou suas atividades, ou seus objetos, mas que estude uma relação específica do homem

com a realidade, ainda que exatamente por ela ser específica e relacionada à herança e à

memória, precise, para isto, passar pela compreensão dos museus, de suas atividades e

da musealidade dos objetos. Maria Célia Santos, também professora dos cursos de pós-

graduação da Lusófona, considerava ser redundante a expressão Museologia Social,

pelas mesmas razões, já que a Museologia é sempre uma ação social (Comunicação

pessoal, 2000)9.

9
Fala durante os Encontros Museológicos “Linguagens, processos, novas tecnologias”, organizado pelo
Curso de Especialização em Museologia da Universidade de São Paulo [CEMMAE-USP], em 24 de
março de 2000.

11
Fora a Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, que

conhecemos mais a fundo, é possível identificar hoje várias formações em Portugal,

ainda se considerando que o país caminha por outras opções em relação ao campo, onde

o profissional é chamado mais de conservador de museus que de museólogo e

geralmente trilha o aprendizado na prática ou na pós-graduação:

“Os cursos de pós-graduação e de mestrado em museologia são


compreendidos como vias preferias de acesso à profissão de conservador-
museológo ainda que a formação contínua em exercício seja apresentada
como essencial no desenvolvimento da carreira” (Semedo in Semedo e
Lopes, 2006, p. 81)

Diferentemente, no Brasil a profissão de museólogo é regulamentada e

investe-se especialmente no alargamento dos cursos de graduação, o que não existe por

lá.

Sem pretender dissecar as diferentes possibilidades acadêmicas de estudos em

Museologia em Portugal, vamos destacar mais uma apenas, a Universidade do Porto,

que em sua Faculdade de Letras, mantém um curso que pode ser concluído em nível de

especialização ou mestrado. No momento, o corpo docente da Universidade,

especialmente a figura da pesquisadora Alice Semedo, tem atuado fortemente na

ampliação dos horizontes de debates museológicos, promovendo anualmente o

Seminário de Investigação em Museologia em Países de Língua Portuguesa e

Espanhola. O evento, já realizado em três países e em uma edição em parceria com o

ICOFOM (Comitê para Museologia do Conselho Internacional de Museus), juntamente

com iniciativas mais informais de difusão como a rede virtual Museologia.Porto

(premiada recentemente como uma das melhores comunicações on-line pela Associação

Portuguesa de Museologia - 2008), tem inserido a Faculdade de Letras do Porto e o seu

Departamento de Ciências e Técnicas do Património em um âmbito maior de projeção

internacional.

12
Para Hernández-Hernández (2006, p. 68), há diferenças entre duas escolas de

pensamento museológico, uma representada por museólogos da França e do Canadá,

outra pelos da Tchecoslováquia e da Alemanha. Esta tende a uma orientação mais

cognitiva, enquanto aquela, mais programática, criou as condições para o surgimento do

Movimento Internacional pela Nova Museologia. Queremos adicionar à idéia de uma

escola representada por franceses e canadenses, a indefectível presença de museólogos

portugueses na raiz do Movimento, e, pelo menos de maneira mais intensa, desde a

década de 1990, em profunda troca intelectual e colaboração com a Museologia

brasileira, alimentando-se mutuamente de expertise, desafios e encorajamento.

Bibliografia:

Bruno, Cristina. (1996). Impressões de viagem: um olhar sobre a Museologia


Portuguesa. In: Bruno, Cristina. Museologia e Comunicação. p. 75-95. Lisboa: ULHT.
(Cadernos de Sociomuseologia, 9)
Chagas, Mário de Souza. (2003). Imaginação museal: museu, memória e poder em
Gustavo Barroso, Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro: Programa de Pós-
Graduação em Ciências Sociais – UERJ. (Tese de doutorado)
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq. (2009)
Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil – Grupo de Pesquisa Observatório da
Museologia Baiana. Disponível online em
http://dgp.cnpq.br/buscaoperacional/detalhegrupo.jsp?grupo=0291608L6INH0G acesso
em 08 de janeiro de 2012.
Desvallées, André. (1992). Vagues: une anthologie de la nouvelle museologie, v. 1.
Paris: W M. N. E. S..
Direcção da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. (2009, 09 Dezembro). O ICOM
e o futuro dos museus portugueses. In Alagamares Associação Cultural. Disponível
online em http://www.alagamares.net/alagamares-informacao/artigos/cultura/386-o-
icom-e-o-futuro-dos-museus-portugueses acesso em 08 de janeiro de 2012.Duarte
Cândido, Manuelina Maria. (2011). Gestão de museus e o desafio do método na

13
diversidade: diagnóstico museológico e planejamento. Lisboa: Universidade Lusófona
de Humanidades e Tecnologias. (Tese de Doutorado)
Duarte Cândido, Manuelina Maria. (2003). Ondas do Pensamento Museológico
Brasileiro. Lisboa: ULHT. (Cadernos de Sociomuseologia, 20).
Escola de Museologia UNIRIO. (s.d.). Memória da Museologia no Brasil. Disponível
online em http://www.museologia-
portugal.net/images/stories/museologia_apresentacao_01_10_2010.pdf, acesso em 08
de janeiro de 2012.
Faria, Margarida Lima. (2000). Etapas e limites da globalização da cultura
institucional: o caso dos museus. In IV Cong. Português de Sociologia. Acedido em
12/04/2010, em http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR462df99db4b20_1.PDF.
Hernández-Hernández, Francisca. (2006). Planteamientos teóricos de la museología.
Gijón: Ediciones Trea. (Biblioteconomía y Administración Cultural, 142)
Marshall, Francisco. (2008) A função social da Museologia brasileira, uma
provocação. In Revista Museu. Disponível online em
http://www.revistamuseu.com.br/18demaio/artigos.asp?id=16663, acesso em 08 de
janeiro de 2012.
Moutinho, Mário (org.). (1993). Sobre o conceito de museologia social. Lisboa: ULHT.
(Cadernos de Sociomuseologia, 1)
Moutinho, Mário. (2007). Definição evolutiva de Sociomuseologia. Proposta para
reflexão. Documento do XIII Atelier Internacional do MINOM, Universidade Lusófona,
Câmara Municipal de Setubal, 2007. [Texto colocado no blog Rede Museus, memória e
Movimentos Sociais] enviado para
http://redemuseusmemoriaemovimentossociais.blogspot.com/2010/08/definicao-de-
sociomuseologia-mario.html. Acedido em 30 de novembro de 2010.
Neves, Fernando Santos. (2008). De entre os vários maiores ou menores ‘ex-libris’ da
‘Lusófona’, poderíamos citar, a título de exemplos, os seguintes: – cursos que foram
criados na ‘Lusófona’ pela primeira vez e alguns ainda são únicos em Portugal. In
Revista Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 12, pp, 36-43. Lisboa: ULHT.
Acedido em 06 de abril de 2010 em:
http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rhumanidades/article/view/987/808.
Ramos, Paulo Oliveira. (1993). Breve História do Museu em Portugal. in Rocha-
Trindade, Maria Beatriz (coord.). Iniciação à Museologia. Lisboa: Universidade Aberta.

14
Semedo, Alice. (2006). Práticas narrativas na profissão museológica. in Semedo, Alice
& Lopes, J. Teixeira (coord.). Museus, discursos e representações. Porto: Edições
Afrontamento.
Tinoco, Alfredo in MINOM-ICOM. (2010). Tinoco. Acedido em 24 de agosto de 2011
em http://www.minom-
icom.net/index.php?option=com_content&view=article&id=29:tinoco&catid=7.
Universidade Lusófona. Faculdade de Arquitectura, Urbanismo, Geografia e Artes.
(2010, setembro). Departamento de Museologia Apresentação e orientações
estratégicas 2010-2013. Disponível online em http://www.museologia-
portugal.net/images/stories/museologia_apresentacao_01_10_2010.pdf acesso em 08 de
janeiro de 2012.
Van Mensch, Peter. (1994). O objeto de estudo da Museologia. Rio de Janeiro: UNIRIO
/ Universidade Gama Filho.
Victor, Isabel. (2011, 07 de junho). Rede Portuguesa de Museus. Comunicação oral. 3º
Encontro Paulista de Museus, SP, junho de 2011. Registro em vídeo disponível online
em http://www.forumpermanente.org/.event_pres/encontros/iii-encontro-paulista-de-
museus/programacao. Acesso em 20 de dezembro de 2011.

Referência para citação:


DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. Relações Brasil-Portugal na Museologia
contemporânea. In: Atas do 6º Colóquio do PPRLB (Pólo de Pesquisa sobre Relações
Luso-Brasileiras) – Portugal no Brasil, Pontes para o Presente. Rio de Janeiro: Real
Gabinete Português de Leitura, 2013. Disponível online em
http://www.mygead.com/geadmedia/packages/giadrgpl_rgpl/documentsmain/20130612
121687039f_manuelinamduarteoriginal.pdf

15