Você está na página 1de 15

89

Perícia Contábil Extrajudicial Como Ferramenta De Gestão Financeira Em


Reclamatórias Trabalhistas

André Luiz Valente - Pós Graduado em Perícia Contábil e Financeira pelo Centro
Universitário Estácio de Ribeirão Preto. Graduado em Ciências Contábeis pelo Centro
Universitário Moura Lacerda; Perito Contábil Judicial e Extrajudicial nas áreas Trabalhista,
Financeira e Previdenciária.
Alessandra Silva Camargo Santana - Mestre em Ciências Contábeis pela FECAP-SP.
Docente do Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto.

Resumo

A Perícia Contábil Extrajudicial como ferramenta de gestão financeira nas várias fases da
reclamatória trabalhista. A informatização e disponibilidade de recursos técnicos à disposição
da Justiça do Trabalho, trouxe grande celeridade processual, viabilizando aos Juízes formas de
garantir os valores devidos à parte hipossuficiente da ação. Este recurso técnico consiste em
localizar e bloquear valores em contas-corrente e aplicações. Com isso, o passivo trabalhista
passou a ser tratado de forma preventiva em cada fase processual. O risco de ocorrer, de uma
hora para outra, o bloqueio de contas e aplicações pode inviabilizar, a curto e médio prazo, a
continuidade empresarial. Neste ponto é onde a Perícia Contábil Extrajudicial atua como
ferramenta de gestão financeira, servindo às empresas informações precisas, confiabilidade e
eficácia para a tomada de decisões.

Palavras-chave: Perito Contábil. Perícia Contábil Extrajudicial. Trabalhista.

Abstract
Out-of-court Accounts Inspection as a financial management tool in the various stages of the
labor claim. The computerization and availability of technical resources at the disposal of the
Labor Court, brought a great deal of procedural speed, enabling Judges ways of guaranteeing
the values due to the hypo sufficient part of the action. This technical resource consists of
locating and blocking values in checking accounts and applications. As a result, labor liabilities
started being treated in a preventive manner at each stage of the proceedings. The risk of
accounts and applications being blocked at any moment may preclude, in the short and medium
term, business continuity. This is where the Out-of-court Accounts Inspection acts as a financial
management tool, providing companies with accurate information, reliability and effectiveness
for decision making.
keywords: Accounting Expert. Out-of-court Accounts Inspection. Labor.

Introdução

O presente trabalho tem como problema de pesquisa indagar se a Perícia Contábil


Extrajudicial é importante como ferramenta de gestão financeira em reclamatórias trabalhistas?

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
90

A ferocidade do mundo empresarial, a oscilação do cenário econômico-financeiro,


muitas vezes levam empresas a tomarem decisões que a médio e longo prazo, comprometem
sua gestão.

Na visão de determinadas empresas, a relação de emprego e seu alto custo é o principal


foco de desequilíbrio e o principal estopim para o descumprimento de obrigações trabalhistas,
tais como a falta de registro, a omissão no pagamento das horas extras, o pagamento salário
extra folha, falta de recolhimento do FGTS entre outros, acarretando à empresa impactos
patrimoniais que quando não contidos, são irreversíveis.

Sendo a empresa única e exclusiva responsável pelo ônus e bônus de sua atividade
empresarial, resta ao empregado que se sentir prejudicado buscar proteção junto ao Poder
Judiciário.

Acionada a Justiça do Trabalho, materializa-se para a empresa o passivo trabalhista, o


qual merece atenção redobrada em sua manutenção.

O objetivo deste trabalho é demonstrar como a Perícia Contábil Extrajudicial é


importante como ferramenta de gestão financeira em reclamatórias trabalhistas, quando da
materialização do passivo trabalhista e a preocupação de sua manutenção de forma sustentável
nas várias fases do processo do trabalho.

A eficácia da perícia contábil extrajudicial fica demonstrada através de caso real, onde
a contenção de excessos da parte contrária resultou em homologação justa e dentro dos limites
do julgado.

1. Referencial Teórico

Neste capítulo, serão apresentados o embasamento teórico sobre a perícia contábil,


competências profissionais do Bacharel em Ciências Contábeis e perícia contábil em cálculos
trabalhistas; noções da estrutura da Justiça do Trabalho e do Processo do Trabalho, o Trânsito
em Julgado, o Processo de execução e o risco da atividade empresarial

1.1 Perícia Contábil

Mello (Perícia Contábil, 2016, p. 24) conceitua perícia como um meio de prova
realizado por profissional com conhecimento técnico ou científico, e define (MELLO apud
OLIVEIRA; MERCANDALE, 1998, p. 3) a perícia contábil “é o conjunto de procedimentos
técnicos que tem por objetivo a emissão de laudos sobre questões contábeis. ”

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
91

Lopes de Sá (2011, p. 13) define que perícia contábil como uma tecnologia por ser
aplicação dos conhecimentos científicos da contabilidade que enseja opinião sobre verificação
determinada ou requerida.

Esta tecnologia contábil já se encontrava inserida no universo jurídico-contábil desde 1º


de março de 1940 quanto entrou em vigor o primeiro Código de Processo Civil (Decreto-Lei nº
1.608 de 18 de setembro de 1939), com regulamentação a partir de 1946 com a criação do
Conselho Federal de Contabilidade através do Decreto-Lei 9.295/46.

Foi somente com o advento do Código de Processo Civil de 1973, através da Lei
5.869/1973, que a perícia contábil foi dotada de maior atenção e reconhecimento, pois passou
a contar com legislação específica e atualmente com o Novo CPC instituído pela Lei
13.105/2015.

No âmbito do Conselho Federal de Contabilidade, as normas que regem a Perícia


Contábil e os profissionais que atuam nessa área estão inseridas nas Normas Brasileiras de
Contabilidade, NBC PP de 27/02/2015 (Perito Contábil) e NBC TP 01 de 27/02/2017 (Perícia
Contábil) que classifica a Perícia em dois tipos, são elas, a Perícia Contábil Judicial e
Extrajudicial.

A Perícia Contábil Judicial é exercida sob proteção do Poder Judiciário, enquanto a


extrajudicial é exercida no âmbito estatal sob controle dos órgãos de Estado, arbitral exercida
sob a tutela da lei de arbitragem e a voluntária que é contratada, espontaneamente, pelo
interessado ou de comum acordo entre as partes.

1.1.1 Prerrogativas Profissionais

As Perícias Contábeis judiciais e extrajudiciais são prerrogativas profissionais


exclusivas dos Bacharéis em Ciências Contábeis conforme previsto Decreto-Lei nº 9.295/1946,
art. 25, letra “c”.

O Novo CPC, em seu art. 156 dispõe que o juiz será assistido por perito e determina que
os tribunais realizem consultas aos conselhos de classe para formação de cadastro próprio de
profissionais legalmente habilitados.

A partir desta exigência legal, o Conselho Federal de Contabilidade criou através da


Resolução nº 1.502/2016 o Cadastro Nacional de Peritos Contábeis – CNPC, sendo obrigatório
para profissionais que atuam como perito judicial e perito extrajudicial.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
92

O cadastro inicial e permanência do Contador no CNPC estão condicionados


respectivamente ao exame de qualificação técnica e participação em programa de educação
continuada.

1.1.2 Perícia Contábil em cálculos trabalhistas

Segundo Cavenage (2002, apud Morais e França, 2000, p. 32) a perícia não é
exclusividade dessa ou daquela profissão, mas a natureza da perícia é que é exclusiva, devendo
ser estabelecida a natureza do cálculo trabalhista.

Alberto (1996 apud ORNELAS, 2011), associa a natureza da perícia ao objeto da


Ciência Contábil:

Definido que o objeto da Ciência Contábil é o patrimônio, já podemos, logicamente,


inferir que a perícia será de natureza contábil sempre que recair sobre elementos
objetivos, constitutivos, prospectivos ou externos, do patrimônio de quaisquer
entidades, sejam elas físicas ou jurídicas, formalizadas ou não, estatais ou provadas...

É neste mesmo sentido que conclui Cavenage (2002) após sua indagação quanto ao
aspecto contábil do cálculo trabalhista:

O que envolve o cálculo trabalhista na Justiça do Trabalho é considerado aspecto


contábil?
A resposta para esta questão foi relatada no item que especifica o conteúdo do cálculo
trabalhista, o qual se fundamenta no objeto da contabilidade e envolve as apurações
de haveres e as variações no patrimônio da entidade, que é o próprio objeto da
contabilidade. (CAVENAGE, 2002)

Neste mesmo sentido, Santos (2012, IV, p. 43) fundamenta que a partir do momento do
trânsito em julgado, a decisão condenatória está apta para produzir efeitos patrimoniais
diretamente sobre o devedor em favor do credor.

1.2 Noções da Estrutura da Justiça do Trabalho e do Processo do Trabalho

Compete a Justiça do Trabalho julgar e processar ações da relação de trabalho, nos


termos do art. 114, I, da Constituição Federal.

Santos (2012, p. 37), ensina que a Justiça do Trabalho está estruturada em três graus de
jurisdição, que em linhas gerais, possuem procedimentos, atribuições e competências próprias
para julgar ações ou matérias específicas e três etapas do processo do trabalho.

Os graus de jurisdição são: de primeiro grau as Varas do Trabalho; de segundo grau os


Tribunais Regionais do Trabalho, e de terceiro grau o Tribunal Superior do Trabalho.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
93

As as etapas do processo do trabalho estão classificadas em Processo de Conhecimento,


Trânsito em Julgado e Processo de Execução;

1.2.1 Processo de Conhecimento

O processo de conhecimento, conforme Santos (2012), é composto por três fases.

Fase do processo no primeiro grau é onde se encontram as peças jurídicas i) Inicial


onde são apresentados os pedidos devidamente fundamentados; ii) Contestação onde a parte
contrária apresenta sua defesa; iii) Instrução processual onde as partes demonstram a
veracidade das informações, e; iv) Sentença proferida pelo Juiz do Trabalho após apreciar
os pedidos iniciais fundamentos e provas apresentadas pelas partes.

Na fase do processo no segundo grau, em que havendo discordância da sentença de


forma integral ou parcial, a parte que se sentir prejudicada poderá requerer reforma do julgado
de primeira instância junto ao Tribunal Regional do Trabalho de sua região.

E na fase do processo no terceiro grau, os recursos, com demonstrada violação aos


Acórdãos proferidos por qualquer Tribunal Regional do Trabalho, serão apreciados pelo
Tribunal Superior do Trabalho.

1.2.2 Trânsito em Julgado e Processo de Execução

Santos (2012), transmite seu conhecimento ao abordar de forma clara e objetiva a


fase do trânsito em julgado e do processo de execução.

De uma forma um tanto simplista, é possível afirmar que ocorre o “trânsito em


julgado” quando da decisão (ou das decisões, caso tenha sido interposto recurso)
não caiba mais nenhum recurso (coisa julgada formal) e se torna imutável o que
foi decidido (coisa julgada material). (SANTOS, 2012, IV, p. 43)

Após o trânsito em julgado, inicia-se o processo de execução em fase de liquidação,


momento em que será quantificado o valor do crédito do autor podendo ser por cálculo, por
artigo ou por arbitramento.

Segundo referido autor, é a partir desta fase processual que existe maior demanda por
cálculos.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
94

A segunda etapa é a fase de contrição onde é homologado e fixado o crédito do autor


através da sentença de liquidação. Caso as partes não concordem com o cálculo homologado,
devem apresentar Embargos à Execução na tentativa de alterar o valor homologado.

Ainda nesta fase processual, após homologação dos cálculos, é emitido mandado de
citação para pagamento ou garantir a execução, caso não haja pagamento ou garantia, haverá
penhora de bens encontrados pelo Oficial de Justiça ou indicados pelo credor.

A execução poderá se dar em segundo grau quando não há concordância com o valor
homologado.

Da sentença que decide os embargos à execução e/ou a impugnação do exequente,


cabe aqui recurso para o Tribunal Regional do Trabalho. Esse recurso é
denominado “agravo de petição” (SANTOS, 2012, VI, p. 49)

Por fim, na fase processual em que não há mais discussão quanto ao valor homologado,
haverá a expropriação do bem penhorado para pagamento do credor.

1.3 Riscos Inerentes a Atividade Empresarial

A empresa assume a totalidade dos riscos da contratação, conforme previsto no artigo


2º da CLT:

Art. 2º - Considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva, que,


assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação
pessoal de serviço. [...]

Trata-se do princípio jurídico da alteridade, onde o empregador não pode transferir os


riscos e ônus da atividade empresarial para seus empregados.

Comenta Martins (2015, 3, p. 6) que:

3. Assume os riscos da sua atividade econômica. O Empregador, por natureza,


assume os riscos da sua atividade econômica. Não pode o primeiro querer
repassar os riscos da sua atividade ao empregado. Mostra a teoria do risco do
Direito civil. A empresa assume os riscos da atividade econômica. Assume o
empregador tantos os resultados positivos (os lucros), como os negativos (os
prejuízos). A falência e a recuperação judicial do empregador não podem
transferir os riscos da sua atividade para o empregado, que não participa dos seus
prejuízos. Planos econômicos também são considerados riscos da atividade
econômica do empregador. (MARTINS, 2015, 3, p. 6)

Segundo Copola (2016), alguns dos principais pedidos trabalhistas são:


Integração dos pagamentos efetuados extra-oficialmente [...];

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
95

Ausência de pagamento de horas extras [...]Ausência de horário de intervalo para


descanso [...];
Ausência de intervalo entre jornadas [...];
Vínculo empregatício [...];
Ausência de pagamento dos adicionais de insalubridade e periculosidade;
Ausência de recolhimento do FGTS ou recolhimento parcial.

Após ajuizamento, materializa-se o passivo trabalhista, que segundo Brun (2009) é o


conjunto de obrigações composto pelas ações movidas pelos empregados.

2. Método

A pesquisa utilizada para atingir os objetivos deste artigo foi descritiva de natureza
qualitativa, com buscas em artigos e obras literárias com foco em Perícia Contábil e decisões
judiciais que demonstram a importância da Perícia Contábil exercida por profissional
habilitado.

A base de dados dos processos foi obtida através dos sitio jusbrasil, disponível em
https://www.jusbrasil.com.br e Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho, disponível em
http://dejt.jt.jus.br/dejt/f/n/diariocon, sendo consultados os processos trabalhistas com
homologação de cálculo apresentado pela reclamada e retificação de Laudo Pericial Contábil
com base nas impugnações apresentadas pela reclamada e processos cíveis em que a Decisão
manteve nomeação de Perito Contábil em face do objeto da Perícia ser de natureza contábil,
são eles:

PROCESSO/RECURSO Número Processo


Processo 0000866-98.2012.5.15.0113
Processo 0001451-47.2011.5.15.0094
Processo 0002826-53.2013.5.02.0069
Processo 0010381-50.2015.5.15.0147
Processo 0011525-63.2016.5.15.0102
Agravo de Instrumento Cv AI 10024074077520005 MG (TJ-MG)
Agravo de Instrumento AI AI 70066021767 RS (TJ-RS
Acórdão: Resp. 115566/ES RECURSO ESPECIAL (1996/0076697-5)
Fontes: https://www.jusbrasil.com.br e http://dejt.jt.jus.br/dejt/f/n/diariocon

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
96

3. A Perícia Contábil Extrajudicial Como Ferramenta De Gestão Financeira

3.1 Exclusividade da Perícia Contábil

A exclusividade da Perícia Contábil é reconhecida pelo Poder Judiciário quando a


matéria é de natureza contábil.

PROCESSO/RECURSO DECISÃO
AI 70066021767 RS (TJ-RS) No caso, não há como nomear perito judicial escritório de advocacia,
porquanto, tratando-se de perícia contábil, afigura-se indispensável seja
deferido o encargo a profissional contador, registrado no respectivo
conselho regional de contabilidade. Inteligência dos artigos 2º e 25 , c, do
Decreto-Lei 9.295 /1946. Precedentes.
AI 10024074077520005 MG Torna-se desnecessária a substituição do perito contábil por perito atuarial
com fundamento no art. 424 , I , do Código de Processo Civil , quando o
objeto da perícia for próprio da área de contabilidade e não envolver
conhecimento privativo do profissional atuário em previdência
complementar
0010381-50.2015.5.15.0147 Despacho “ Vistos e examinados.
Petição id 7d76b40: nada a deferir, tendo em vista a determinação para
realização de perícia contábil.
Aguarde-se a entrega do laudo.
Aparecida, 22/3/2017.”
0011525-63.2016.5.15.0102 Despacho “ Defiro o requerido. Antecipo a realização de perícia contábil
para o dia 28.04.2017. Apresentado o laudo pericial, aguarde-se a
audiência já designada. Dê-se ciência às partes e ao sr. perito. Taubaté,
21.03.2017.”
Acórdão: Resp. 115566/ES; Decisão: Por unanimidade, conhecer do Recurso e dar-lhe Provimento.
RECURSO ESPECIAL Indexação: Inadmissibilidade, PERÍCIA CONTÁBIL, realização, Técnico
(1996/0076697-5) em Contabilidade, competência privativa, Contador, Diploma, Nível
Superior, inscrição, Associação Profissional.
Fontes: https://www.jusbrasil.com.br e http://dejt.jt.jus.br/dejt/f/n/diariocon

Observa-se ainda nas Decisões acima, que o Poder Judiciário possui discernimento
suficiente para identificar a natureza da matéria a ser verificada.

3.2 Perícia Contábil Extrajudicial nas Fases do Processo

Quando se pensa em Justiça do Trabalho, logo é estabelecida a relação entre empregador


e empregado, onde este último busca seus direitos, ou os que entende devidos, após uma ruptura
contratual pouco harmoniosa.

Para qualquer empresa, sempre haverá o risco de sofrer uma ação trabalhista, basta o
empregado identificar possíveis infrações à legislação trabalhista para ajuizar uma ação. Esta
ação poderá ser julgada procedente ou até mesmo improcedente.

A procedência dos pedidos ocorre por erro ou omissão da empresa na falha da


transcrição dos direitos trabalhistas para o dia a dia do empregado.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
97

Estabelecida as causas e os motivos que levam uma empresa a responder judicialmente


pela relação de trabalho, caberá ao departamento jurídico da empresa analisar o grau risco da
procedência da ação.

Atualmente não se fala mais em morosidade na Justiça do Trabalho devido ao grande


passo dado na informatização dos tribunais que permitiu aos Juízos utilizar mecanismos para
garantir a celeridade processual e o crédito do reclamante.

Um destes mecanismos é o sistema de penhora online, que através de convênio entre o


Tribunal Superior do Trabalho e o Banco Central do Brasil, possibilita ao Juiz localizar e
bloquear valores de contas-correntes e aplicações financeiras dos devedores.

Os valores bloqueados são, posteriormente, convertidos em penhora para garantir os


créditos devidos no processo.

Uma empresa com considerável passivo trabalhista, terá que, obrigatoriamente


implantar estrutura que viabilize sua a gestão, do contrário, qualquer ativo penhorado causará
impactos irreversíveis, colocando em risco a continuidade da empresa.

A partir deste momento a empresa deverá, além de se preocupar em mensurar o valor


da condenação, deverá se preocupar, também, com as seguintes questões:

a) A empresa possui recursos para fazer frente ao valor da condenação?;


b) Quais efeitos o valor da condenação causará sobre o patrimônio da empresa?;
c) Esse passivo trabalhista quando realizado, colocará em risco a continuidade da
empresa;
Estas questões não possuem resposta imediata e devem ser tratadas de forma conjunta
entre três partes: Empresa, Setor Jurídico e Perito Contábil Extrajudicial.

A Perícia Contábil Extrajudicial é parte importante na estrutura para gestão do passivo


trabalhista e responsável pela mensuração do valor da condenação em várias etapas do processo,
possibilitando à empresa tomar decisões baseadas em dados concretos.

A mensuração dos valores em cada momento processual é de competência da Perícia


Contábil Extrajudicial.

A manutenção do passivo trabalhista é realizada em duas frentes, i) o jurídico, que com


aval da empresa toma as melhores decisões no decorrer do processo, e ii) o jurídico em conjunto
com a perícia contábil extrajudicial.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
98

É possível em qualquer fase processual propor acordo à parte contrária, e ciente disso,
de maneira preventiva, o jurídico procurar acompanha a evolução dos valores devidos em cada
momento processual.

A evolução desses valores, serve para que a empresa possa adequar e projetar
periodicamente seu fluxo de caixa e encontrar o momento adequado para pagar o credor,
compor reserva financeira ou até mesmo a liquidação imediata, evitando desta forma,
acréscimos com juros de mora e correção monetária.

Importante lembrar que a elaboração de cálculos na esfera trabalhista é de natureza


contábil, por afetar diretamente o patrimônio da empresa, devendo ser contratado Contador com
situação regular junto ao CRC e inscrito no CNPC.

3.3 Inicial, Sentença e Recursos subsequentes

A peça inicial em sua grande maioria não apresenta as apurações pormenorizadas que
deram origem ao valor da causa ou até mesmo ao valor dos pedidos.
Nesta fase, a critério do jurídico da empresa, é requerida a primeira apuração com a
finalidade de averiguar a exatidão dos valores pleiteados.
A perícia contábil extrajudicial é mais solicitada após prolação da sentença, onde se
encontram os pedidos julgados procedentes e também fixados os critérios para cálculo.

O cálculo nesta fase norteia a empresa e o jurídico para eventual recurso, onde serão
analisados, valor da condenação atualizado e com juros, a probabilidade de sucesso do recurso,
o valor a ser depositado para recorrer, o tempo estimado para julgamento do recurso entre outros
aspectos específicos do direito.

Sem olvidar que existe a outra parte que também compõe cálculo para fins de liquidação
e/ou acordo, cabe ao profissional contrastado pela empresa a análise dos excessos cometidos
nos cálculos.

Em Decisão do TRT da 15ª Região, datada de 25 de abril de 2016, o autor da ação


apresentou cálculo de liquidação no valor de aproximadamente R$ 7.600,00, contra R$
5.045,53 da ré.

Através da estrutura de gestão de passivo trabalhista implantada pela empresa, foi


possível detectar excesso na apuração, no momento em que o cálculo foi apresentado pelo autor
da ação. Uma redução de aproximadamente 66%, conforme gráfico:

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
99

Análise do Processo nº RTOrd-0000866- Cálculo apresentado pelo autor


98.2012.5.15.0113 com valor total de
para impugnação aos cálculos aproximadamente R$ 7.600,00
apresentados pelo autor.

Apontamento e fundamentação das matérias impugnadas:


 Prescrição – Adicional de Insalubridade;
 Prescrição – Reflexos 13º salário 2007;
 Prescrição – Reflexos Férias + 1/3 2007/2008;
 Adicional de Insalubridade nos meses em que esteve ausente por férias e afastamentos;
 Período de Apuração – Principal e Reflexos;
 Excesso de Execução pela aplicação da correção monetária pelo IPCA-e;

Resultado da estrutura de gestão:


Decisão: “...homologo os cálculos apresentados pela Executada, e fixo a condenação em: - R$
5.045,53(valor bruto), sendo R$ 3.572,57 a título de principal e R$1.472,97 a título de juros de
mora sobre o principal. O valor acha- se atualizado até o dia 01/11/2015. Contribuição
Previdenciária devida pelo Exequente no importe de R$ 242,10(01/11/2015), a ser retida de seu
crédito e posteriormente transferida ao credor previdenciário, por ocasião da liberação de valores.
Contribuição previdenciária a cargo da Executada, no importe de R$ 702,27(01/11/2015).

E ainda neste sentido, em outro processo, as partes apresentaram em audiência de


conciliação, seus respectivos cálculos, onde constatou-se divergências entre os mesmos, sendo
a audiência de conciliação redesignada, para que cada parte pudesse analisar o cálculo contrário.

O valor líquido apresentado pelo reclamante foi de R$ 22.096,26 e pela reclamada R$


19.000,00.

Em nova audiência, a reclamada ratificou sua apuração demonstrando estarem corretos


seus cálculos, os quais analisados pelo MM Juízo. Houve composição de acordo no valor
líquido de R$ 19.000,00.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
100

PROCESSO DECISÃO
RTOrd-0001451-47.2011.5.15.0094 As partes apresentam cálculos que liquidação, que, numa análise
superficial, apresentam diferença quanto à apuração do intervalo e
da dupla pegada (exemplo, dia 17/06/09, conforme v. acórdão de
fls. 499/505). A requerimento das partes, redesigna-se a presente
audiência para o dia 09/03/17, às 13h34min, mesa 4, neste
CEJUSC de 1º grau, ocasião em que as partes trarão seus cálculos
de liquidação, mantidas as cominações constantes do r. despacho
designador da audiência de hoje. Em razão disso, nenhum cálculo
é juntado nessa ocasião
RTOrd-0001451-47.2011.5.15.0094 Decisão “Conciliados. ...Após esclarecimentos e ampla
negociação com a mediação do servidor qualificado acima, as
partes celebram o seguinte acordo, que submetem à homologação:
Valores e prazo para pagamento A reclamada, [...], pagará à parte
reclamante, Sr.(a) [...], a importância LÍQUIDA TOTAL de
R$19.000,00 (dezenove mil reais) mediante liberação dos
depósitos recursais. O Saldo total atualizado dos Depósitos
Recursais/Judiciais perfaz R$ 19.000,00.
Fontes: https://www.jusbrasil.com.br e http://dejt.jt.jus.br/dejt/f/n/diariocon

Ante ao exposto, o trabalho conjunto entre departamento jurídico e a Perícia Contábil


Extrajudicial logrou êxito na resolução do processo.
Em que pese a empresa ter incorrido em erro ou omissão durante o período contratual,
não se furtou de quitar o correto valor devido e apurado nos termos da condenação.

3.4 Laudo Pericial Homologado

Em nome da celeridade processual, quando o processo do trabalho entra na fase de


liquidação, é comum em algumas Varas do Trabalho nomear diretamente Perito Contábil
Judicial para apuração do quantum debeatur, e na sequência homologar os valores apresentados
no Laudo Pericial Contábil com prazo de 48 horas para pagamento do valor homologado.

Neste curto espaço de tempo a empresa deverá conferir os cálculos apresentados pela
Perícia Judicial, apontar matérias para Embargos à Execução1, e, em havendo matéria para
Embargos, deverá apresentar cálculo apontando valores controvertido2 e incontroverso3.

E em outras Vara do Trabalho, abre-se prazo para as partes impugnarem os Laudo


Pericial Contábil de forma fundamentada os pontos que merecem reparos.

É o que demonstra os Esclarecimentos da Perícia após impugnação fundamentada


apresentada pela Perícia Contábil Extrajudicial:

1
Fase processual em que o executado se manifesta, apresentando sua discordância referente ao valor cobrado
e/ou em relação ao teor da ordem requerida na Ação de Execução. Fundamentação Legal: Novo CPC Artigos 914
a 920, e 921
2
Controvertido é o valor que será discutido e que deverá voltar para a empresa.
3
Incontroverso é o valor que não será discutido.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
101

PROCESSO:RTOrd-0002826-53.2013.5.02.0069
Impugnação do Laudo Pericial pela Reclamada Manifestação do Perito Contábil
Do Período de Apuração. Alega a Reclamada que incorreto o R.: Assiste razão a reclamada quanto a
laudo pericial quanto ao período de apuração que o Sr. Perito isto tendo em vista os documentos
considerou como trabalhado o período de 01/04/2013 a 24/07/2013 acostados aos autos. Portanto retifico
o que não pode prosperar. A data do afastamento do autor se deu o laudo pericial neste aspecto.
em 24/06/2013 conforme demonstrado pelo TRCT. Requer a
reclamada a exclusão do período posterior a data da rescisão.
Dos Reflexos no Período de 25/06/2013 Até 24/07/2013 . Alega a R.: Com razão a reclamada quando a
reclamada que indevido o FGTS + 40% no período de 25/06/2013 isto, nos termos da resposta do quesito
até 24/07/2013 em face da rescisão contratual ocorrida em anterior retifico o laudo pericial
24/06/2013, conforme TRCT acima demonstrado. apresentado neste aspecto.

Da Dedução das Horas Extras. Manifesta a reclamada que a r. R.: Assiste razão a reclamada no
sentença fixou como parâmetro para de liquidação a dedução de tocante a dedução de todos os valores
todos os valores já pagos sob os mesmos títulos deferidos, desde já pagos sob os mesmos títulos
que comprovado nos autos na fase de conhecimento. deferidos nos termos da r. sentença e
os quais devem ser abatidos em sua totalidade nos termos da da Orientação Jurisprudencial 415 da
Orientação Jurisprudencial 415 da SDI 1 do C. TST. SDI 1 do C. TST. “
Fontes: https://www.jusbrasil.com.br e http://dejt.jt.jus.br/dejt/f/n/diariocon

Novamente, fica evidenciada a necessidade da empresa em encontrar-se preparada com


cálculos prévios, tornando assim, muito mais rápida a conferência do Laudo Pericial e tomada
de decisão quantos aos valores que serão discutidos.

Constatado equívocos no Laudo Pericial Contábil, de posse dos apontamentos de


matéria para Embargos elaborado pelo Perito Contábil Extrajudicial, o departamento jurídico
juntamente com a empresa, analisará se esses equívocos são relevantes o suficiente em face dos
juros e correção que continuarão a correr até que se defina o valor final da execução.

Extremamente importante ressaltar que os pontos entendidos como equívocos, podem


se tratar de matéria de mérito e apurados conforme entendimento do Juízo.

Conclusão

Uma demanda judicial envolvendo direitos trabalhistas, materializa o passivo


trabalhista, o qual requer extrema atenção em sua manutenção.

Ficou claro que as apurações de haveres e variações no patrimônio da entidade é objeto


da contabilidade e, que os cálculos em uma reclamatória trabalhista causam variações
patrimoniais.

A partir dessas análises, constatou-se que a natureza do cálculo trabalhista é contábil,


logo, de competência exclusiva do Contador, na qualidade de Perito Contábil, seja judicial ou
extrajudicial.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
102

Atualmente com o Novo CPC, o exercício dessas funções alçou maior credibilidade com
a exigência de qualificação específica e com regras de conduta previstas no referido Código e
editadas nas Resoluções que regem a Perícia Contábil e Perito Contábil, ambas estabelecidas
pelo Conselho Federal de Contabilidade.

Observou-se que ao possuir um passivo trabalhista, a entidade, para continuidade de sua


atividade empresarial, obriga-se a mudar sua filosofia e adotar ferramentas que gerem a
possibilidade de tomar decisões em casos específicos.

Mudar sua filosofia no sentido de respeitar os direitos da parte hipossuficiente, e mudar


sua maneira de gestão no que tange ao passivo trabalhista, eis que a qualquer momento poderá
ter suas contas bloqueadas ou bens penhorados.

A Perícia Contábil Extrajudicial é a ferramenta de gestão que oferece à entidade posição


clara e objetiva com mensuração de valores em cada fase processual, a fim de evitar excessos
da parte contrária e proporcionar à empresa gestão financeira com maior qualidade de
informações.

Sendo assim, a Perícia Contábil Extrajudicial realizada por Bacharel em Ciências


Contábeis é essencial.

Referências

BRASIL. Constituição da república federativa do brasil, 1988. Disponível em:


<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 04
.03.2017.

______. Decreto-Lei nº 9295, de 27 de maio de 1946. Disponível em: <http://www.pla


nalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del9295.htm>. Acesso em: 04.03.2017.

______. Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do


Trabalho – CLT. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto
-lei/Del5452.htm>. Acesso em: 04.03.2017.

______. Lei 13.105/2015, de 16 de março de 2015. Cria o Novo Código de Processo Civil
Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l1
3105.htm>. Acesso em: 04.03.2017.

BRUN, André Luiz; COELHO, João Lucas Marques, LAZZAROTTO, Altair; MARTINS,
VINÍCIUS ABÍLIO; SILVA, Sidinei Celerino da. A importância de conhecer e evitar o
passivo trabalhista. Pesquisa apresentada no V encontro paranaense de pesquisa e extensão
em ciências sociais aplicadas e VIII seminário do centro de ciências sociais aplicadas de
cascavel. Cascavel, 22 a 24/06/2009.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.
103

CAVENAGE, Ângelo Eduardo. Reflexões sobre a presença do contador na perícia


trabalhista, Artigo publicado originalmente na Revista Interatividade, FIRB Editora,
Andradina-SP, v. 2, n. 1, p. 183-207, jan/jun 2002.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). NBC PP 01 e NBC TP 01, de 27 de


fevereiro de 2015. Disponível em: <http://cfc.org.br/tecnica/normas-brasileiras-de-
contabilidade/>. Acesso em: 04.03.2017.

______. Resolução nº 1.502, de 19 de fevereiro de 2016. Dispõe sobre o Cadastro Nacional de


Peritos Contábeis (CNPC). Disponível em: < http://www2.cfc.org.br/siswe
b/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2016/001502&arquivo=Res_1502.doc>. Acesso em:
04.03.2017.

COPOLA, Andrea Lo Buio. 21 erros que levam a ações trabalhistas contra uma empresa,
Artigo publicado originalmente no sitio Exame.com em 29.02.2016. Disponível em: <
http://exame.abril.com.br/pme/21-erros-que-levam-a-acoes-trabalhis
tas-contra-uma-empresa/ >. Acesso em 04.03.2017

MARTINS, Sérgio Martins. Comentários à CLT. São Paulo: Atlas, 2015.

MELLO, Paulo Cordeiro de. Perícia contábil. São Paulo: Senac, 2016.

ORNELAS, Martinho Maurício Gomes de. Perícia contábil, 5 ed. São Paulo: Atlas, 2011.

SÁ, Antônio Lopes de. Perícia contábil, 10 ed. São Paulo: Atlas, 2011.

SANTOS, José Aparecido dos. Curso de cálculos de liquidação trabalhista: dos conceitos à
elaboração das contas, 3 ed. Curitiba: Juruá, 2012.

Rev. Científica Eletrônica Estácio, Ribeirão Preto, v.8, n.8, p.89-103, jul/dez. 2016.