Você está na página 1de 103

Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios

Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Contabilidade Geral e Avançada
Aula 05
6. Provisões.
7. Depreciação, Amortização e Exaustão.
Conteúdo
6. Provisões ..................................................................................................................................... 2
6.1. Provisões em Geral ............................................................................................................. 2
6.2. Provisões do Ativo ............................................................................................................... 2
6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado ............................................................ 3
6.2.1.1. Instrumentos financeiros, Direitos, Títulos de Crédito e Estoques . ........ 3
6.2.1.1.1. Instrumentos Financeiros Disponíveis para Venda ou Mantidos para
Negociação ....................................................................................................................................... 3
6.2.1.1.2. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado - Demais Instrumentos
Financeiros, Direitos e Títulos de Crédito ............................................................................ 5
6.2.1.1.3. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado - Estoques.............................. 6
6.2.2. Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa ou Provisão para Perdas
com Créditos Incobráveis ou Provisão para Devedores Duvidosos ........................... 7
6.2.3. Investimentos Permanentes ...................................................................................... 12
6.3. Provisões do Passivo......................................................................................................... 13
7. Depreciação, Amortização e Exaustão .......................................................................... 20
7.1. Critérios de Avaliação e Baixas das contas do Ativo – Imobilizado e
Intangível. ...................................................................................................................................... 20
7.2. Depreciação .......................................................................................................................... 21
7.2.1. Método das Quotas Constantes ou Método Linear ou Método da Linha
Reta .................................................................................................................................................. 23
7.2.2. Método da Soma dos Dígitos ou Método de Cole .............................................. 24
7.2.3. Tipos de Depreciação ................................................................................................... 26
7.2.4. Alienação de Bens do Ativo Não Circulante Imobilizado ................................ 27
7.2.5. Depreciação de Bens Adquiridos Usados .............................................................. 31
7.2.6. Pontos Importantes da Resolução CFC no 1.177/09 ........................................ 31
7.3. Amortização ......................................................................................................................... 40
7.4. Exaustão ................................................................................................................................ 42
7.4.1. Exaustão de Recursos Minerais ................................................................................ 43
7.4.2. Exaustão de Recursos Florestais.............................................................................. 43
7.5. Memorize para a Prova .................................................................................................... 48
7.6. Exercícios de Fixação .................................................................................................. 52
7.7. Resolução dos Exercícios de Fixação .................................................................... 65

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 1


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Alguns alunos solicitaram, em meu curso de Raciocínio Lógico para
Traumatizados, em andamento, que eu fizesse uma “pausa” de tempos em
tempos, para que eles pudessem estudar mais a matéria, tendo em vista a
grande quantidade de aulas e assuntos (o curso de Raciocínio Lógico para
Traumatizados possui 25 aulas).

Achei a prática salutar e vou adotá-la neste curso também, ou seja, como
nosso curso possui 15 aulas, de cinco em cinco aulas, darei um intervalo de
uma semana para que você possa estudar e “respirar” (risos). Portanto, como
estamos na aula 5, após esta aula haverá um intervalo de uma semana e a
aula 6 será disponibilizada no dia 30/07. O outro intervalo será após a aula 10.

Acredito que, deste modo, seu rendimento será melhor.

6. Provisões

6.1. Provisões em Geral

As provisões, normalmente, são valores estimados que cobrem perdas


prováveis ou representam a existência de exigibilidades, cujos montantes
podem ser previamente conhecidos e/ou calculados. As provisões
são sempre contas de natureza CREDORA.

6.2. Provisões do Ativo

As provisões do ativo figuram, no Balanço Patrimonial, como contas


redutoras do Ativo e são constituídas debitando-se uma conta de
“Despesa” e creditando-se uma conta patrimonial representante da
respectiva provisão.

Caso a perda seja consumada, deve-se debitar a conta da respectiva provisão


e creditar a conta com base na qual ela foi constituída. Entretanto, se a
perda não for consumada, o saldo da provisão será revertido para uma
conta de “Receita” (a reversão da provisão poderá ser parcial ou total).

Constituição da Provisão:
Despesas com Provisão (Despesa)
a Provisão (Ativo – Retificadora)

Perda Consumada: Provisão (Ativo –


Retificadora) a Conta com base na qual ela foi
constituída (Ativo)

Reversão da Provisão:
Provisão (Ativo – Retificadora) a
Reversão da Provisão (Receita)

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 2


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
As provisões do Ativo mais utilizadas são:

- Provisão p/ Ajuste ao Valor de Mercado;


- Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa;
- Provisão p/ Perdas Prováveis na Realização de Investimentos.

6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado

6.2.1.1. Instrumentos financeiros, Direitos, Títulos de Crédito e


Estoques

Instrumento financeiro é qualquer contrato que origine um ativo financeiro


para uma entidade ou um passivo financeiro ou título patrimonial para outra
entidade.

6.2.1.1.1. Instrumentos Financeiros Disponíveis para Venda ou


Mantidos para Negociação

Nesse caso, não será constituída uma provisão para ajuste ao valor de
mercado, pois haverá um ajuste diretamente em conta do patrimônio líquido
ou em conta de resultado. Vejamos!

De acordo com o inciso I do artigo 183 da Lei no 6.404/76, as aplicações em


instrumentos financeiros, inclusive derivativos, e em direitos e títulos
de créditos, classificados no ativo circulante ou no realizável a longo
prazo, serão avaliadas:

a) pelo seu valor justo, quando se tratar de aplicações destinadas à


negociação ou disponíveis para venda; e

De acordo com a Resolução no 1.199/09, do Conselho Federal de


Contabilidade, que aprovou o IT 02 – Instrumentos Financeiros:
Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação:

Valor justo é o montante pelo qual um ativo poderia ser trocado, ou um


passivo liquidado, entre partes independentes com conhecimento do negócio e
interesse em realizá-lo, em uma transação em que não há favorecidos.

Ainda de acordo com a Resolução no 1.199/09:

- O ganho ou a perda relativo a ativo financeiro disponível para venda deve


ser reconhecido em conta específica no patrimônio líquido (ajustes de
avaliação patrimonial) até o ativo ser baixado, exceto no caso de ganhos e
perdas decorrentes de variação cambial e de perdas decorrentes de redução
ao valor recuperável (impairment).

- O ganho ou a perda relativo a ativo financeiro mantido para negociação


(negociação imediata) deve ser reconhecido em conta de resultado.
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 3
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
- No momento da baixa, o ganho ou a perda acumulado na conta específica do
patrimônio líquido deve ser transferido para o resultado do período como
ajuste de reclassificação.

- Os dividendos de título patrimonial registrado como disponível para venda


devem ser reconhecidos no resultado no momento em que é estabelecido o
direito da entidade de recebê-los.

Ou seja, resumindo, temos o seguinte:


- Instrumentos Financeiros Disponíveis para Venda: ajustes na con-
ta Ajustes de Avaliação Patrimonial (ganho ou perda).

- Instrumentos Financeiros M antidos para Negociação: ajustes


em contas de resultado (receita ou despesa).

Exemplo: Em 11/07/20XX, a empresa J4M2 S/A adquire 1.000 ações


preferenciais da Companhia Vale do Rio Doce (VALE5) na bolsa de valores pelo
valor de R$ 43,00. Suponha que o preço das referidas ações em 31/12/20XX
é de R$ 42,00 e que a empresa J4M2 S/A vendeu as ações em 31/01/20XX
+1 por R$ 44,00. Efetue os lançamentos necessários.

Repare que as ações da Vale do Rio Doce, para a empresa J4M2, são
instrumentos destinadas a negociação ou disponíveis para venda. Vamos
considerar que, no momento da compra, as ações ficaram disponíveis para
venda.

Em 11/07/20XX:

Investimentos Temporários - Ações VALE5 (Ativo Circulante)


a Bancos (Ativo Circulante) 43.000
(1000 ações x R$ 43,00 = R$ 43.000,00)

Em 31/12/20XX

Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL)


a Investimentos Temporários - Ações VALE5 (Ativo Circulante) 1.000 (*)
(R$ 42.000,00 – R$ 43.000,00)

(*) ATENÇÃO !!! Neste caso, após as alterações da Lei das S/A, se o valor de
mercado das ações em 31/12/20XX fosse maior que o valor de aquisição,
haveria lançamento a fazer. Suponha que o valor de mercado em 31/12/20XX
fosse R$ 45,00.

Lançamento:
Investimentos Temporários - Ações VALE5 (Ativo Circulante)
a Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) 2.000

Resultado em 20XX = Receitas – Despesas = 0


Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 4
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Em 31/01/20XX+1

Bancos (Ativo Circulante)


a Receitas – Renda Variável (Receitas) 44.000

Despesa – Custo de Aplicação de Renda Variável (Despesa)


a Investimentos Temporários - Ações VALE5 (Ativo Circulante) 42.000

Despesa – Ajuste de Reclassificação (Despesa)


a Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) 1.000

Resultado em 20X1 = Rec. – Desp. = 44.000 – 1.000 – 42.000 = 1.000

(*) Caso a empresa recebesse dividendos de R$ 2.000,00 em relação a essas


ações, o lançamento seria:

I – Distribuição dos dividendos pela Vale do Rio Doce:

Dividendos a Receber (Ativo Circulante)


a Receita de Dividendos (Receita) 2.000

II – Pagamento dos dividendos pela Vale do Rio Doce:

Bancos (Ativo Circulante)


a Dividendos a Receber (Ativo Circulante) 2.000

6.2.1.1.2. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado - Demais


Instrumentos Financeiros, Direitos e Títulos de Crédito

De acordo com o inciso I do artigo 183 da Lei no 6.404/76, as aplicações em


instrumentos financeiros, inclusive derivativos, e em direitos e títulos
de créditos, classificados no ativo circulante ou no realizável a longo
prazo, serão avaliadas:

a) ...

b) pelo valor de custo de aquisição ou valor de emissão, atualizado


conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de
realização, quando este for inferior, no caso das demais aplicações e
os direitos e títulos de crédito.

Portanto, no caso das demais aplicações, direitos e títulos de crédito, poderá


haver uma provisão para ajuste ao valor de mercado.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 5


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Exemplo: Suponha que, em 30/06/2010, a empresa J4M2 possuía um título a
receber no valor de R$ 1.950,00, com vencimento em 15/07/2010, que sofria
ajustes de acordo com IGP-M (Índice Geral de Preço do Mercado). Suponha
ainda que o IGP-M de junho foi de -1% (houve uma deflação de 1%). Calcule a
provisão para ajuste ao valor de mercado e faça os lançamentos necessários.

A conta existente era:


Títulos a Receber = R$ 1.950,00

Se o título a receber é ajustado pelo IGP-M e houve deflação de 1%, o valor a


receber em 15/07/2010 será de:

Valor a receber = 1.950 – 1% x 1.950 = 1.950 – 19,50 = R$ 1.930,50.

Portanto, em 30/06/2010, faremos o seguinte lançamento:

Despesas com Provisão (Despesa)


a Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado (Ativo Circulante – Retif.) 19,50

Por ocasião do pagamento do título pelo cliente:

Diversos
a Títulos a Receber (Ativo Circulante)
Bancos (Ativo Circulante) 1.930,50
Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado (AC – Retif.) 19,50 1.950

6.2.1.1.3. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado - Estoques

De acordo com o inciso II do artigo 183 da Lei no 6.404/76, os direitos que


tiverem por objeto mercadorias e produtos do comércio da companhia, assim
como matérias-primas, produtos em fabricação e bens em almoxarifado, serão
avaliados pelo custo de aquisição ou produção, deduzido de provisão para
ajustá-lo ao valor de mercado, quando este for inferior.

Ou seja, caso o valor de aquisição seja menor que o valor de mercado,


nenhuma provisão deverá ser feita. Caso contrário, ou seja, se o valor de
aquisição seja maior que o valor de mercado, deverá ser feita uma Provisão p/
Ajuste ao Valor de Mercado, que será retificadora da conta de Estoques.

Exemplo: A Cia. J4M2 Ltda adquiriu, em 31/01/2009, mercadorias no valor de


R$ 200.000,00. Suponha que, por ocasião do encerramento do exercício social
da Cia. J4M2 Ltda, em 31/12/2009, o valor de mercado mercadorias era de R$
170.000,00. Desconsidere a incidência de tributos na operação de compra.
Efetue os lançamentos necessários.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 6


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Na aquisição do investimento:

Mercadorias (Ativo Circulante)


a Bancos (Ativo Circulante) 200.000

Em 31/12/2009:

A provisão deverá ser constituída no valor da diferença entre o custo de


aquisição e o valor de mercado.

Provisão para Ajustes ao Valor de Mercado = 200.000 – 170.000 = 30.000

Despesas com Provisões (Despesas)


a Prov. para Ajuste a Valor de Mercado (Ativo Circulante – Retif.) 30.000

6.2.2. Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa ou Provisão para


Perdas com Créditos Incobráveis ou Provisão para Devedores
Duvidosos

Corresponde ao valor provisionado ao final de cada exercício social para cobrir,


no exercício seguinte, perdas decorrentes de não recebimento de direitos da
empresa (Ex: Duplicatas a Receber, Clientes).

O valor da provisão é obtido a partir da aplicação de um percentual (baseado


em estudos realizados tendo por base as perdas ocorridas nos últimos
exercícios) sobre os valores dos direitos existentes na época do Balanço
Patrimonial. Esta provisão é uma conta retificadora das contas “Clientes” ou
“Duplicatas a Receber”.

Lançamentos:

Constituição da Provisão:
Despesa com Provisões (Despesa) a Provisão para Créditos de Liquidação
Duvidosa (Ativo Circulante – Retif.)

ATENÇÃO!!! A “Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa”,


constituída no ano anterior, pode ter duas destinações:

Perda Consumada: Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa


(Ativo Circulante – Retif.) a Duplicatas a Receber (Ativo Circulante)

Reversão da Provisão: Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa


(Ativo Circulante – Retif.) a Reversão de Provisão (Receita)

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 7


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Exemplo: A empresa Kaprisma Ltda, no encerramento do exercício social de
2006, apurou o saldo de Duplicatas a Receber no valor de R$ 50.000,00,
constituindo uma Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa a uma taxa de
3%. Ao longo do exercício de 2007, foram consideradas incobráveis Duplicatas
a Receber no valor de R$ 1.000,00. Efetue os lançamentos devidos:

1) Constituição da Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa (31/12/2006):


PCLD = 3% x 50.000 = 1.500

Despesas com Provisões (Despesa)


a Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa (AC-Retificadora) 1.500

2) Duplicatas a Receber incobráveis ao longo de 2007: Perda consumada

Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa (AC-Retificadora)


a Duplicatas a Receber (AC) 1.000

3) No encerramento de 2007: Reversão da provisão

Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa (AC-Retificadora)


a Reversão de Provisões (Receita) 500

Contudo, as bancas costumam adotar o método da complementação, ou seja,


não fazem a reversão da provisão que não foi utilizada e constituem a provisão
para o ano seguinte somente pelo valor da diferença entre o valor da provisão
calculada e o saldo atual da provisão. Não entendeu? Nada melhor que um
exercício para entender tal explicação. Vejamos.

Já caiu em prova! (AFRFB-2009-Esaf) No balanço patrimonial encerrado em


31/12/2007, a empresa Previdente S.A. apresentava a conta Provisão para
Créditos de Liquidação Duvidosa com saldo de R$ 13.200,00. Durante o ano de
2008 a empresa baixou créditos incobráveis no valor de R$ 7.000,00 e teve
comprovada a experiência de perdas no recebimento de créditos, ocorrida nos
últimos três anos, em média de 4%. Em 31/12/2008, data de encerramento do
exercício social, a empresa tinha créditos a receber no valor de R$ 180.000,00,
dos quais R$ 20.000,00 eram devidos por uma firma que abriu concordata,
conseguindo um acordo judicial à base de 68%. Ao contabilizar uma nova
provisão no exercício de 2008, o contador deverá constituir para o balanço um
saldo de

a) R$ 12.800,00.
b) R$ 5.800,00.
c) R$ 7.200,00.
d) R$ 6.000,00.
e) R$ 19.600,00.

Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD) = 13.200

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 8


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Baixa de Créditos incobráveis = 7.000
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante - Retificadora)
a Duplicatas a Receber (Ativo Circulante) 7.000

PCLD
7.000 13.200
6.200

Média de Perdas = 4%

31/12/2008 ⇒ Créditos a Receber = 180.000


Um ponto importante da questão é: R$ 20.000,00 eram devidos por uma firma
que abriu concordata (*), conseguindo um acordo judicial à base de 68%. Ou
seja, 32% de R$ 20.000,00 ficarão sem previsão de recebimento.

(*) Em 2008, não havia mais concordata e sim recuperação judicial, mas não
interfere na resolução da questão.

Cálculo da PCLD (geral) = 4% x (180.000 – 20.000) = 4% x 160.000 = 6.400


Cálculo da PCLD (concordata) = (1 – 68%) x 20.000 = 32% x 20.000 = 6.400
PCLD (total) = 6.400 + 6.400 = 12.800

Nos últimos anos, as questões da Esaf sobre PCLD sempre adotaram o método
da complementação (sem fazer a reversão).

Neste caso, teríamos:

Saldo da PCLD:
PCLD
7.000 13.200
6.200

Constituição da PCLD por complementação:


PCLD = 12.800 (calculado) – 6.200 (saldo atual da PCLD) = 6.600

Despesas com Provisões (Despesa)


a PCLD (Ativo Circulante – Retificadora) 6.600
GABARITO: ANULADA

Atenção para os valores que não devem compor a base de cálculo da Provisão
p/ Créditos de Liquidação Duvidosa:

- créditos com pessoas jurídicas de direito público ou empresa sob seu


controle, empresa pública, sociedade de economia mista ou sua subsidiária;

- vendas com reserva de domínio, alienação fiduciária, ou de operações com


garantia real;
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 9
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
- créditos com coligadas, controladas, controladoras, interligadas ou
associadas por qualquer outra forma;

- créditos junto a instituições financeiras, demais instituições autorizadas


pelo Banco Central e sociedades de fundo de investimentos;

- créditos com administrador, sócio ou acionista, titular ou com o seu cônjuge


ou parente até o terceiro grau, inclusive os afins;

- créditos adquiridos com coobrigação;

- crédito relativo ao bem arrendado, no caso de entidades que trabalham


com arrendamento mercantil.

Direito de Garantia: a obrigação de pagar a dívida fica garantida por um bem


imóvel (garantia real); um bem móvel (garantia real); um título de crédito
(garantia real) ou uma assinatura de terceiro (garantia pessoal ou garantia por
aval). São garantias reais a hipoteca, o penhor, a caução e a alienação
fiduciária. Ou seja, garantia por aval não é garantia real.

Exemplo: A empresa J4M2 Ltda apresentou R$ 90.000,00 de saldo da conta


“Duplicatas a Receber”, em 31/12/2006. O AFRF Simões, em procedimento de
fiscalização na referida empresa, desconfiou que o saldo da conta “Provisão
para Créditos de Liquidação Duvidosa” estava incorreto, e, por essa razão,
resolveu apurar a composição deste saldo, conforme descrito abaixo:

• Créditos habilitados em falência = R$ 12.000,00 (50% deve ser


constituído com Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)
• Créditos habilitados em liquidação judicial com proposta de liquidação de
60% = R$ 6.000,00
• Créditos sem garantia = R$ 35.000,00
• Créditos com garantia por aval = R$ 27.000,00
• Créditos com garantias reais = R$ 10.000,00

Sabendo-se que a empresa tem o costume de constituir a provisão para


créditos de liquidação duvidosa pelo critério das perdas prováveis, utilizando
- se nos créditos normais o percentual de 4%, pode-se afirmar que o
máximo valor da provisão a ser constituída em 31/12/2006 é de:

Créditos Normais = 4% x (Créditos com Garantia por Aval + Créditos sem


Garantia)
Créditos Normais = 4% x (35.000 + 27.000) = 4% x 62.000 = 2.480

Créditos Habilitados em Falência = 50% x 12.000 Créditos Habilitados em


Falência = 6.000 (constituição da provisão sobre 50%, conforme informado na
questão).

Créditos Habilitados em Recuperação Judicial = (100% - 60%) x 6.000


Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 10
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Créditos Habilitados em Recuperação Judicial = 2.400
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa = 2.480 + 6.000 +
2.400 = 10.880

Vamos ver um outro exemplo. Já caiu em prova! (ESAF) A Cia Y apresenta, no


início do exercício de X4, um saldo na conta Provisão para Créditos de
Liquidação Duvidosa de R$ 2.000,00. Durante o exercício, ocorreram os
seguintes fatos:

I – Cliente “H”: devia R$ 150,00 e pagou apenas R$ 130,00 (o restante é


incobrável)
II – Cliente “Z”: faliu, devendo R$ 150,00 (incobrável)
III – Cliente “A”: havia sido considerado incobrável no exercício anterior, mas
pagou sua dívida no montante de R$ 200,00.
IV – Dívidas consideradas incobráveis durante o exercício atual: R$ 400,00.

Calcule o valor da provisão para créditos de liquidação duvidosa a ser


constituído pelo método da complementação e assinale a alternativa correta:

Dados:
Saldo de “Duplicatas a Receber” = R$ 80.000,00
Provisão Calculada à Base de 3%.

(a) R$ 950,00
(b) R$ 960,00
(c) R$ 970,00
(d) R$ 980,00
(e) R$ 990,00

Saldo Inicial da Prov. para Créditos de Liq. Duvidosa 2.000


(-) Diferença incobrável do cliente “H” = 150 –130 (20)
(-) Falência do cliente “Z” (crédito incobrável) (150)
(-) Dívidas incobráveis no exercício atual (400)
Saldo Final da Prov. para Créditos de Liq. Duvidosa 1.430

Valor da Provisão = 3% x Duplicatas a Receber = 3% x 80.000 ⇒


⇒ Valor da Provisão = 2.400

Método da Complementação = Valor da Provisão – Saldo Final ⇒


⇒ Método da Complementação = 2.400 – 1.430 = 970
GABARITO: C

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 11


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
6.2.3. Investimentos Perman-
entes

6.2.3.1. Provisão para Perdas Prováveis na Realização de


Investimentos

De acordo com o inciso III do artigo 183 da Lei no 6.404/76, os investimentos


em participação no capital social de outras sociedades avaliados pelo custo
de aquisição serão deduzidos de provisão para perdas prováveis na
realização do seu valor, quando essa perda estiver comprovada como
permanente.

Esta provisão aparece como retificadora da conta “Participações


Permanentes”, do Ativo Não Circulante - Investimentos. Ou seja, são
provisões para perdas prováveis em participações permanentes avaliadas pelo
custo de aquisição.

Repare que aqui pode gerar certa confusão, pois a lei fala em provisão para
perdas prováveis e depois fala que a perda deve ser comprovada como
permanente. Afinal, a perda é provável ou permanente? Calma, vou explicar.

Para reconhecer a provisão na investidora, a perda deve ser comprovada


como permanente na investida. A perda é provável na investidora, pois ela
ainda não realizou a perda, ou seja, ainda não alienou sua participação na
investida. Vamos ver um exemplo.

Exemplo: A Cia. Linotécnica, em outubro de 2005, adquiriu, sem a intenção


de venda 5% das ações da Cia. Investida, por R$ 50.000,00, em um
investimento que será avaliado pelo custo de aquisição. Em 31/12/2005, o
valor de mercado das ações caiu para R$ 45.000,00, pois, em novembro de
2005 houve um incêndio na Cia. Investida, sendo tal perda considerada de
difícil recuperação. Deste modo, no encerramento do exercício social de
2005, a Cia. Linotécnica deverá constituir uma Provisão p/ Perdas
Prováveis na Realização de Investimentos, conforme abaixo:
50.000
Na aquisição do investimento: Participações Societárias (Ativo
Nãoconstituição
Na Circulante -da
Investimentos)
provisão: a Bancos (Ativo Circulante)
Despesas com Provisões (Despesa)
a Provisão p/ Perdas Prováveis na Realização de Investimentos (ANC–Inv-
Retificadora) 5.000

Repare que a perda é provável, pois a investidora ainda não alienou seu
investimento. Se ela alienasse hoje, teria um prejuízo de R$ 5.000,00
(comprou por R$ 50.000,00 e a alienação seria por R$ 45.000,00). Contudo,
como ainda não houve a alienação, a perda é provável.

Já na investida, a perda é permanente, pois houve um incêndio.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 12


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Suponha que, em 2006, parte da perda seja recuperada, fazendo com que o
valor das ações suba de R$ 45.000,00 para R$ 48.000,00. Nessa situação, a
Cia Linotécnica deverá efetuar o seguinte lançamento:

Provisão p/ Perdas Prováveis na Realização de Investimentos (ANC–Inv-


Retificadora)
a Reversão de Provisões (Receita) 3.000

Ou seja, a perda provável na investidora foi reduzida para R$ 2.000,00 (R$


50.000,00 – R$ 48.000,00).

Finalmente, de acordo com o inciso IV do artigo 183 da Lei no 6.404/76, os


demais investimentos avaliados pelo custo de aquisição também serão
deduzidos de provisão para atender às perdas prováveis na realização do seu
valor, ou para redução do custo de aquisição ao valor de mercado, quando
este for inferior.

6.3. Provisões do Passivo

Como as provisões são sempre contas de natureza CREDORA, as provisões do


Passivo não são contas retificadoras e sim contas representativas de
obrigações, também chamadas de “Provisões para Pagamentos”. Como
exemplo, temos:

- Provisão para o Imposto de Renda;


- Provisão para a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido;
- Provisão para Décimo-Terceiro Salário;
- Provisão para Férias;
- Provisão para Contingências.

Lançamentos:

Na constituição da Provisão (Por exemplo: Imposto de


Renda): Despesas com Provisão para Imposto de Renda (Despesa) a
Provisão para Imposto de Renda (Passivo Circulante)

No pagamento: Provisão para Imposto de Renda


(Passivo Circulante) a Bancos (Ativo Circulante)

Já caiu em prova! (AnalistadeAtividades do M eioAmbiente-Contador-


Ibram-2009-Cespe)
Contas
R$
provisão para perdas em estoque 5.000
provisão para crédito de liquidação duvidosa 10.000
provisão para contingências trabalhistas 15.000
provisão para contingências ambientais 20.000

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 13


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Considerando as informações acima, que constam do balancete de verificação
de determinada companhia levantado após o encerramento das contas de
resultado, julgue os itens a seguir.

1. As contas credoras somam R$ 50.000,00 no total.

Lembra do que eu falei? Todas as contas de provisão são de natureza credora.


Portanto, apareceu “provisão para....” é de natureza credora.

provisão para perdas em estoque 5.000 (credora)


provisão para crédito de liquidação duvidosa 10.000 (credora)
provisão para contingências trabalhistas 15.000 (credora)
provisão para contingências ambientais 20.000 (credora)
Saldo das contas de natureza credora 50.000
Portanto, o item está CORRETO.

2. As contas classificadas no passivo somam R$ 50.000,00 no total.

Provisão para Perdas em Estoques: Ativo Circulante – Retificadora


Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa: Ativo Circulante – Retificadora
Provisão para Contingências Trabalhistas: Passivo Circulante ou Passivo Não
Circulante “Longo Prazo”
Provisão para Contingências Ambientais: Passivo Circulante ou Passivo Não
Circulante “Longo Prazo”

Portanto, no passivo temos:


provisão para contingências trabalhistas 15.000 (credora)
provisão para contingências ambientais 20.000 (credora)
Saldo das contas do passivo 35.000
Logo, o item está ERRADO.

3. O aumento na conta provisão para perdas em estoque afeta a situação


líquida da companhia, e a constituição da provisão para contingências
trabalhistas é fato contábil modificativo, pois aumenta o resultado.

Vamos analisar o item:


I – Aumento da provisão para perdas em estoques
O lançamento seria:
Despesas com Provisões (Despesas)
a Provisão para Perdas em Estoques (Ativo Circulante - Retificadora)

Portanto, como afeta o Ativo Circulante (há uma diminuição, tendo em vista
que a conta de provisão é sempre de natureza e, quando classificada no Ativo
Circulante, é retificadora), afeta a situação líquida da companhia.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 14


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
II – Constituição da provisão para contingências trabalhistas:
O lançamento seria:
Despesas com Provisões (Despesas)
a Provisão para Contingências Trabalhistas (Passivo Circulante ou Passivo
Não Circulante “Longo Prazo”)

Como há uma despesa na constituição da provisão, há uma redução do


patrimônio líquido da empresa, sendo, portanto, um fato modificativo
diminutivo (diminui o resultado). Logo, o item está ERRADO.

Mais um ponto importante que não podemos confundir na hora da prova!


Vejamos:

Reservas: São parcelas que compõem o Patrimônio Líquido e podem


representar os valores recebidos dos sócios/acionistas ou uma parte dos lucros
obtidos pela empresa e não distribuídos. Além disso, não representam
aumento do Capital Social. As “Reservas” não transitam pelo resultado do
exercício.

Provisões: Representam reduções do Ativo (Provisões do Ativo) ou aumento


das exigibilidades (Provisões do Passivo), cujos valores ainda são incertos
(estimados). Ou seja, representam expectativas de perdas de ativos ou
estimativas de valores a serem desembolsados em um futuro próximo.

ATENÇÃO!!! As obrigações com valores líquidos e certos (determinados) não


são consideradas provisões.
Exemplo: Aluguel a Pagar, Duplicatas a Pagar, ICMS a Recolher, etc.

Exemplo: Diferença entre Reservas e Provisões:

Reservas para Contingências (art. 195, da Lei no 6.404/76): A


assembléia-geral poderá, por proposta dos órgãos da administração, destinar
parte do lucro líquido à formação de reserva com a finalidade de compensar,
em exercício futuro, a diminuição do lucro decorrente de perda julgada
provável, cujo valor possa ser estimado (classificada no Patrimônio Líquido).

Provisões para Contingências: se essa possibilidade existe e deve-se a


algum fato gerador contábil já ocorrido e, ainda, se o possível desembolso ou
perda pode ser razoavelmente mensurado em reais, precisa ser contabilizado
dentro do regime de competência, mediante constituição de uma provisão,
com uma contrapartida a débito do resultado.
Exemplo: Provisão para Contingências Fiscais e Trabalhistas (classificada no
Passivo Circulante ou Passivo Não Circulante – Exigível a Longo Prazo).

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 15


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Já caiu em prova! (Fiscal de Rendas-RJ-2007-FGV) A empresa BARRACÃO
S/A, dedicada ao comércio de tecidos, apurou em seu balancete de
encerramento (31/12/2007) os saldos das contas patrimoniais e de resultado
listados no quadro abaixo. Observe que todos os saldos se referem a
31/12/2007, com exceção da conta “lucros acumulados”, que se refere a
31/12/2006. Considerando que o estagiário ordenou as contas em ordem
crescente dos respectivos saldos, sugere-se organizá-las conforme a estrutura
do Balanço Patrimonial para responder às questões de números 104 a 106 que
seguem.

provisão para redução das mercadorias a valor de mercado 746,00


provisão para créditos de liquidação duvidosa (referente aos títulos que
vencem em dentro de 12 meses) 1.054,00
provisão para créditos de liquidação duvidosa (referente aos títulos que
vencem após os 12 primeiros meses)
1.090,00
despesas antecipadas (prazo: após os 12 primeiros meses) 1.790,00
amortização acumulada (das despesas pré-operacionais) 1.800,00
despesas pré-operacionais 2.000,00
empréstimos concedidos (prazo: após os 12 primeiros meses) 4.500,00
ações em tesouraria 5.000,00
despesas antecipadas (prazo: em dentro dos 12 primeiros meses) 5.000,00
provisão para contingências trabalhistas (estimativa de pagamento: em dentro
dos 12 primeiros meses) 6.500,00
provisão para contingências trabalhistas (estimativa de pagamento: após os 12
primeiros meses) 8.000,00
caixa 10.000,00
empréstimos concedidos a diretores (transações não-operacionais) 10.000,00
reserva para contingências 12.000,00
descontos comerciais e abatimentos 14.850,00
móveis e utensílios (de uso próprio) 15.000,00
receita de equivalência patrimonial 19.950,00
depósitos judiciais (expectativa de decisão terminativa: após os 12 primeiros
meses) 20.000,00
terrenos (de uso próprio) 20.000,00
deságio relativo a participações societárias 20.300,00
vendas canceladas 23.000,00
empréstimos obtidos (prazo: após os 12 primeiros meses) 24.000,00
duplicatas descont. (títulos que vencem em dentro de 12 meses) 25.000,00
impostos a recolher (prazo: em dentro dos 12 primeiros meses) 28.500,00
veículos (de uso próprio) 30.000,00
aplicações financeiras (prazo: após os 12 primeiros meses) 32.000,00
impostos parcelados (prazo: em dentro dos 12 primeiros meses) 32.000,00
outras aplic. Financ.(prazo: em dentro dos 12 primeiros meses) 39.500,00
despesa com imposto de renda e contribuição social sobre o lucro 40.000,00
salários a pagar (prazo: em dentro dos 12 primeiros meses) 42.000,00
impostos parcelados (prazo: após os 12 primeiros meses) 42.500,00
aplicações financeiras de imediata realização 45.000,00
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 16
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
empréstimos obtidos (prazo: em dentro dos 12 primeiros meses) 45.000,00
reserva legal 48.000,00
despesas financeiras 50.500,00
lucros acumulados (saldo inicial) 51.000,00
duplicatas a receber de clientes (prazo: após os 12 primeiros meses)54.500,00
prédios e construções (de uso próprio) 60.000,00
fornecedores a pagar (prazo: em dentro dos 12 primeiros meses) 64.000,00
bancos conta corrente 78.000,00
estoque de mercadorias 87.400,00
reserva de capital 89.800,00
duplicatas a receber (prazo: em dentro dos 12 primeiros meses) 105.400,00
receita não-operacional 196.000,00
Participações societárias em controladas e coligadas avaliadas pelo método da
equivalência patrimonial 300.700,00
capital social 500.000,00
despesa não-operacional 500.000,00
depreciação acumulada 525.000,00
máquinas e equipamentos (de uso próprio) 800.000,00
despesas de comercialização 860.000,00
despesas administrativas 980.700,00
impostos sobre vendas 1.000.000,00
custo das mercadorias vendidas 1.589.400,00
receita bruta 5.000.000,00

O saldo do Ativo Não Circulante, em 31/12/2007, é:

(a) 804.480,00.
(b) 121.700,00.
(c) 802.300,00.
(d) 803.390,00.
(e) 680.600,00.

Primeiramente, como uma forma de estudar para a prova, vamos classificar


todas as contas e levantar o balancete de verificação:

ATENÇÃO!!! Como a conta Lucros Acumulados ainda está com saldo inicial, no
balancete de verificação irão constar contas patrimoniais e de resultado (a
apuração do resultado do período ainda não foi efetuada).

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 17


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior

Conta Saldo Saldo Característica


Devedor Credor
Provisão para redução das mercadorias a 746,00 Ativo Circulante -
valor de mercado Retificadora
Provisão para créditos de liquidação 1.054,00 Ativo Circulante –
duvidosa (vencimento dentro de 12 meses) Retificadora
Provisão para créditos de liquidação 1.090,00 Ativo Não Circulante -
duvidosa (vencimento após 12 meses) Realizável a Longo Prazo –
Retificadora
Despesas Antecipadas (prazo: após 12 1.790,00 Ativo Não Circulante -
meses) Realizável a Longo Prazo
Amortização Acumulada (das despesas pré- 1.800,00 Ativo Não Circulante -
operacionais) Diferido – Retificadora (*)
Despesas Pré-Operacionais 2.000,00 Ativo Não Circulante -
Diferido (*)
Empréstimos Concedidos (prazo: após 12 4.500,00 Ativo Não Circulante -
meses) Realizável a Longo Prazo
Ações em Tesouraria 5.000,00 Patrimônio Líquido -
Retificadora
Despesas Antecipadas (prazo: dentro dos 5.000,00 Ativo Circulante
12 primeiros meses)
Provisão para Contingências 6.500,00 Passivo Circulante
Trabalhistas (estimativa de pagto:
dentro dos 12 primeiros meses)
Provisão para Contingências 8.000,00 Passivo Não Circulante -
Trabalhistas (estimativa de pagto: Longo Prazo
após os 12 primeiros meses)
Caixa 10.000,00 Ativo Circulante
Empréstimos Concedidos a Diretores 10.000,00 Ativo Não Circulante -
(transações não-operacionais) Realizável a Longo Prazo
Reserva para Contingências 12.000,00 Patrimônio Líquido
Descontos Comerciais e Abatimentos 14.850,00 Redução da Receita Bruta -
Despesa
Móveis e Utensílios (de uso próprio) 15.000,00 Ativo Não Circulante -
Imobilizado
Receita de Equivalência Patrimonial 19.950,00 Receita
Depósitos Judiciais (expectativa de decisão 20.000,00 Ativo Não Circulante -
terminativa: após 12 primeiros meses) Realizável a Longo Prazo
Terrenos (de uso próprio) 20.000,00 Ativo Não Circulante -
Imobilizado
Deságio Relativo a Participações Societárias 20.300,00 Ativo Não Circulante –
Investimentos – Retificadora
Vendas Canceladas 23.000,00 Redução da Receita Bruta –
Despesa
Empréstimos Obtidos (prazo: após os 12 24.000,00 Passivo Não Circulante -
primeiros meses) Longo Prazo
Duplicatas Descontadas (títulos que 25.000,00 Ativo Circulante –
vencem em dentro de 12 meses) Retificadora
Impostos a Recolher (prazo: em dentro dos 28.500,00 Passivo Circulante
12 primeiros meses)
Veículos (de uso próprio) 30.000,00 Ativo Não Circulante –
Imobilizado
Aplicações Financeiras (prazo: após os 12 32.000,00 Ativo Não Circulante -
primeiros meses) Realizável a Longo Prazo
Impostos Parcelados (prazo: em dentro dos 32.000,00 Passivo Circulante

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 18


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
12 primeiros meses)
Outras Aplicações Financeiras (prazo: em 39.500,00 Ativo Circulante
dentro dos 12 primeiros meses)
Despesas com imposto de renda e 40.000,00 Despesa
contribuição social sobre o lucro
Salários a Pagar (prazo: em dentro dos 12 42.000,00 Passivo Circulante
primeiros meses)
Impostos Parcelados (prazo: após os 12 42.500,00 Passivo Não Circulante -
primeiros) Longo Prazo
Aplicações Financeiras de Imediata 45.000,00 Ativo Circulante
Realização
Empréstimos Obtidos (prazo: em dentro 45.000,00 Passivo Circulante
dos 12 primeiros meses)
Reserva Legal 48.000,00 Patrimônio Líquido
Despesas Financeiras 50.500,00 Despesa
Lucros Acumulados (saldo inicial) 51.000,00 Patrimônio Líquido
Duplicatas a Receber de Clientes (prazo: 54.500,00 Ativo Não Circulante -
após os 12 primeiros meses) Realizável a Longo Prazo
Prédios e Construções (de uso próprio) 60.000,00 Ativo Não Circulante –
Imobilizado
Fornecedores a Pagar (prazo: em dentro 64.000,00 Passivo Circulante
dos 12 primeiros meses)
Bancos Conta Corrente 78.000,00 Ativo Circulante
Estoque de Mercadorias 87.400,00 Ativo Circulante
Reserva de Capital 89.800,00 Patrimônio Líquido
Duplicatas a Receber (prazo: em dentro 105.400,00 Ativo Circulante
dos 12 primeiros meses)
Receita Não-Operacional 196.000,00 Receita
Participações Societárias em Controladas e 300.700,00 Ativo Não Circulante –
Coligadas Avaliadas pelo MEP Investimentos
Capital Social 500.000,00 Patrimônio Líquido
Despesa Não-Operacional 500.000,00 Despesa
Depreciação Acumulada 525.000,00 Ativo Não Circulante -
Imobilizado – Retificadora
Máquinas e Equipamentos (de uso próprio) 800.000,00 Ativo Não Circulante –
Imobilizado
Despesas de Comercialização 860.000,00 Despesa
Despesas Administrativas 980.700,00 Despesa
Impostos sobre Vendas 1.000.000,00 Redutor da Receita Bruta -
Despesa
Custo das Mercadorias Vendidas 1.589.400,00 Despesa
Receita Bruta 5.000.000,00 Receita
Total 6.784.240,00 6.784.240,00
(*) Apesar da extinção do Ativo Diferido pela MP no 449/08, considerei que
estas contas foram mantidas no Ativo Diferido até a completa amortização das
despesas pré-operacionais (hipótese prevista na referida MP – art. 299-A
incluído na Lei no 6.404/76), verbis:

“Art. 299-A. O saldo existente em 31 de dezembro de


2008 no ativo diferido que, pela sua natureza, não
puder ser alocado a outro grupo de contas, poderá
permanecer no ativo sob essa classificação até sua
completa amortização, sujeito à análise sobre a
recuperação de que trata o § 3o do art. 183.” (NR)
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 19
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Agora, antes de resolver a questão, gostaria de chamar a sua atenção para as
seguintes contas (para que você não erre na hora da prova):

Provisões: são sempre contas de natureza CREDORA, sendo, portanto,


retificadoras do Ativo e obrigações no Passivo.

Depósitos Judiciais: direito constituído mediante o depósito, em virtude de


uma ação judicial, sendo, portanto, uma conta do Ativo.

Vamos à resolução da questão:


Conta Saldo
Ativo Não Circulante
Realizável a Longo Prazo
Duplicatas a Receber de Clientes (prazo: após os 12 primeiros meses) 54.500,00
Provisão para créditos de liquidação duvidosa (vencimento após 12 meses) (1.090,00)
Despesas Antecipadas (prazo: após 12 meses) 1.790,00
Empréstimos Concedidos (prazo: após 12 meses) 4.500,00
Empréstimos Concedidos a Diretores (transações não-operacionais) 10.000,00
Depósitos Judiciais (expectativa de decisão terminativa: após 12 primeiros 20.000,00
meses)
Aplicações Financeiras (prazo: após os 12 primeiros meses) 32.000,00
Investimentos
Participações Societárias em Controladas e Coligadas Avaliadas pelo MEP 300.700,00
Deságio Relativo a Participações Societárias (20.300,00)
Imobilizado
Veículos (de uso próprio) 30.000,00
Prédios e Construções (de uso próprio) 60.000,00
Móveis e Utensílios (de uso próprio) 15.000,00
Terrenos (de uso próprio) 20.000,00
Máquinas e Equipamentos (de uso próprio) 800.000,00
Depreciação Acumulada (525.000,00)
Diferido (mantido até a completa amortização das despesas pré-
operacionais)
Despesas Pré-Operacionais 2.000,00
Amortização Acumulada (das despesas pré-operacionais) (1.800,00)
Ativo Não Circulante 802.300,00
GABARITO: C

7. Depreciação, Amortização e Exaustão

7.1. Critérios de Avaliação e Baixas das contas do Ativo – Imobiliz-


ado e Intangível.

De acordo com o inciso V e VI do artigo 183 da Lei no 6.404/76,

- os direitos classificados no imobilizado serão avaliados pelo custo de


aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação, amortização
ou exaustão; e
– os direitos classificados no intangível serão avaliados pelo custo incorrido
na aquisição deduzido do saldo da respectiva conta de amortização.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 20


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
7.2. Depreciação

De acordo com a Resolução CFC no 1.177/09, que aprovou a NBC T 19.1 –


Ativo Imobilizado, a depreciação é a alocação sistemática do valor depreciável
de um ativo ao longo da sua vida útil.

Ou seja, a depreciação consiste em considerar, como despesaoucustodo


período, uma parte do valor gasto na compra de bens de consumo
durável utilizados nas atividades da empresa. Estes bens serão
depreciados ao longo de sua vida útil, de modo que o valor gasto na sua
aquisição seja considerado despesa ao longo dos anos de sua
utilização.

Lançamento:
Despesas ou Encargos de Depreciação (Despesa) a Depreciação Acumulada
(Ativo Não Circulante - Imobilizado – Retificadora)

- Causas: desgaste pelo uso, ação da natureza ou


obsolescência;

- Alcança bens materiais (tangíveis) classificados no Ativo Não Circulante


Imobilizado e bens de renda classificados no subgrupo de Investimentos do
Ativo Não Circulante (Exemplo: Imóvel alugado). Há empresa que classificam
o imóvel alugado no imobilizado;

- O bem poderá ser depreciado a partir da data em que for instalado,


colocado em serviço ou esteja em condições de produzir,
independentemente do dia do mês, ou seja, conta-se o primeiro mês
integralmente, qualquer que seja o dia;

- Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil do Bem (Depreciação Linear, por


Quotas Constantes ou em Linha Reta);
- As taxas anuais de depreciação normalmente admitidas pela Legislação
Fiscal para uso normal de bens em turno de oito horas diárias são:

Vida Útil Taxa Anual de Depreciação


Edifícios 25 anos 4%
Máquinas e Equipamentos 10 anos 10%
Instalações 10 anos 10%
Móveis e Utensílios 10 anos 10%
Veículos 5 anos 20%
Bens de Informática 5 anos 20%

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 21


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Exemplos (considerando que os bens são utilizados por um período
normal de 8 horas diárias):

Veículos: Vida Útil = 5 anos


⇒ Taxa de Depreciação = 1/5 anos = 20% ao ano
Imóveis: Vida Útil = 25 anos

⇒ Taxa de Depreciação = 1/25 anos = 4% ao ano


Máquinas e Equipamentos = 10 anos
⇒ Taxa de Depreciação = 1/10 anos = 10% ao ano
- Vedações à depreciação de acordo com a Legislação do Imposto de
Renda:

I - Terrenos, salvo em relação a benfeitorias e construções;


II - Bens que aumentam de valor com o tempo, como antiguidades e obras de
arte;
III - Bens para os quais sejam registradas cotas de amortização ou exaustão;
e
IV - Bens móveis ou imóveis que não estejam intrinsecamente relacionados à
produção ou comercialização de bens e serviços e bens imóveis não alugados.

- Edificações: o valor das edificações deve estar destacado do valor do custo


de aquisição do terreno, admitindo-se o destaque baseado em laudo pericial.

- Valor Residual: valor provável da realização do bem após ser totalmente


depreciado. Caso o valor residual seja diferente de ZERO, deverá ser subtraído
do valor do custo de aquisição do bem a ser depreciado. Este resultado é que
servirá de base de cálculo para a taxa de depreciação.

- Valor Contábil do Bem: corresponde à diferença entre o custo de aquisição


do bem e a depreciação acumulada.

Valor Contábil = Custo de Aquisição – Depreciação Acumulada

Nota: Projetos florestais destinados à exploração de seus frutos


também são passíveis de depreciação. Exemplo: Pomares –
depreciação inicia a partir do momento em que se encontram em
condições de produzir (colheita).

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 22


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
7.2.1. M étodo das Quotas Constantes ou Método Linear ou M étodo da
Linha Reta

Corresponde ao método de depreciação onde a depreciação acumulada é


diretamente proporcional ao tempo, ou seja, é uma função linear. Pode-se
calcular a depreciação, por este método, de duas formas:

- Aplica-se a taxa constante sobre o valor depreciado; ou -


Divide-se o valor a ser depreciado pelo tempo de vida útil.

Depreciação Acumulada = Taxa de Depreciação x Período x Base de Cálculo

Custo de Aquisição do Bem


(+) Gastos com instalação
(+) Acréscimos Posteriores
(-) Valor Residual
Base de Cálculo da Depreciação

Atenção! Não confunda depreciação acumulada com despesas com


depreciação:

- A depreciação acumulada é uma conta patrimonial que mostra toda a


depreciação do bem desde o início de sua vida útil.

- A despesa com depreciação é uma conta de resultado, ou seja,


demonstra a depreciação de determinado período.

Já caiu em prova! (AFRFB-2009-Esaf) Na Contabilidade da empresa


Atualizadíssima S.A. os bens depreciáveis eram apresentados com saldo de R$
800.000,00 em 31/03/2008, com uma Depreciação Acumulada, já
contabilizada, com saldo de R$ 200.000,00, nessa data. Entretanto, em
31/12/2008, o saldo da conta de bens depreciáveis havia saltado para R$
1.100.000,00, em decorrência da aquisição, em primeiro de abril, de outros
bens com vida útil de5anos, no valor de R$ 300.000,00. Considerando que
todo o saldo anterior é referente a bens depreciáveis à taxa anual de 10%,
podemos dizer que no balanço patrimonial a ser encerrado em 31 de
dezembro de 2008 o saldo da conta Depreciação Acumulada deverá ser de

a) R$ 340.000,00.
b) R$ 305.000,00.
c) R$ 325.000,00.
d) R$ 320.000,00.
e) R$ 290.000,00.
31/03/2008: Bens Depreciáveis I = R$ 800.000,00 em
31/03/2008 Depreciação Acumulada = R$ 200.000,00 Taxa de
Depreciação = 10% ao ano

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 23


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
31/12/2008: Bens Depreciáveis (Total) = R$ 1.100.000,00 (aquisição, 01/04,
de outros bens com vida útil de 5 anos, no valor de R$ 300.000,00).
Bens Depreciáveis 2 = R$ 300.000,00
Taxa de Depreciação = 1/5 ano = 20% ao ano

I – Cálculo da Depreciação Acumulada em 31/12/2008:

I.1 – Bens Depreciáveis 1:


Taxa de Depreciação = 10% ao ano
Período = de 01/04/2008 a 31/12/2009 = 9 meses = 9 meses/12 meses ⇒
⇒ Período = 3/4 ano = 0,75 ano (até 31/03/2008, a depreciação acumulada
já está calculada)
Base de Cálculo da Depreciação = 800.000 (não há valor residual)

Depreciação Acumulada (Bens 1) = Depreciação Acumulada (até 31/03) +


Taxa x Período x Base de Cálculo (de 31/03 a 31/12) ⇒
⇒ Depreciação Acumulada (Bens 1) = 200.000 + 10% x 0,75 x 800.000 ⇒
⇒ Depreciação Acumulada (Bens 1) = 200.000 + 60.000 = 260.000
I.2 – Bens Depreciáveis 2:
Taxa de Depreciação = 20% ao ano
Período = de 01/04/2008 a 31/12/2009 = 9 meses = 9 meses/12 meses ⇒
⇒ Período = 3/4 ano = 0,75 ano (até 31/03/2008, a depreciação acumulada
já está calculada)
Base de Cálculo da Depreciação = 300.00 (não há valor residual)

Depreciação Acumulada (Bens 2) = Taxa x Período x Base de Cálculo ⇒


Depreciação Acumulada (Bens 2) = 20% x 0,75 x 300.000 ⇒
⇒ Depreciação Acumulada (Bens 2) = 45.000
Depreciação Acumulada Total = 260.000 + 45.000 =
305.000 GABARITO: B

7.2.2. Método da Soma dos Dígitos ou Método de Cole

Por este método a depreciação é calculada da seguinte maneira:

Método de Cole Decrescente


I - Soma-se os algarismos que compõem o número de anos da vida útil
do bem;

II - Multiplica-se o valor a ser depreciado a cada ano pela fração cujo


denominador é a soma calculada acima (subitem 1), e o numerador, para o
primeiro ano, é o tempo de vida útil do bem (n), para o segundo ano é “n
-1”, para o terceiro ano é “n-2”. Utiliza-se esta metodologia até o último
ano de vida útil, quando o numerador será igual a 1.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 24


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Exemplo: Depreciação de um veículo adquirido por R$ 30.000,00, sem valor
residual (Suponha uma vida útil de 4 anos).

Soma dos Dígitos = 1 + 2 + 3 + 4 = 10


Primeiro Ano ⇒ Depreciação = (4/10) x 30.000 = 12.000;
Segundo Ano ⇒ Depreciação = (3/10) x 30.000 = 9.000;
Terceiro Ano ⇒ Depreciação = (2/10) x 30.000 = 6.000; e
Quarto Ano ⇒ Depreciação = (1/10) x 30.000 = 3.000.

Método de Cole Crescente


I - Soma-se os algarismos que compõem o número de anos da vida útil do
bem;

II - Multiplica-se o valor a ser depreciado a cada ano pela fração cujo


denominador é a soma calculada acima (subitem 1), e o numerador, para o
primeiro ano, é o tempo de vida útil do bem (1), para o segundo ano é “2”,
para o terceiro ano é “3”. Utiliza-se esta metodologia até o último ano de vida
útil, quando o numerador será igual a via útil.

Exemplo: Depreciação de um veículo adquirido por R$ 30.000,00, sem valor


residual (Suponha uma vida útil de 4 anos).

Soma dos Dígitos = 1 + 2 + 3 + 4 = 10


Primeiro Ano ⇒ Depreciação = (1/10) x 30.000 = 3.000;
Segundo Ano ⇒ Depreciação = (2/10) x 30.000 = 6.000;
Terceiro Ano ⇒ Depreciação = (3/10) x 30.000 = 9.000; e
Quarto Ano ⇒ Depreciação = (4/10) x 30.000 = 12.000.

Nota: Para a resolução das questões, adotaremos o seguinte critério:


1 – Questão não menciona o método de depreciação utilizado: utilizar Método
Linear.

2 – Questão menciona que o método é linear: utilizar Método Linear.

3 – Questão menciona que é o método de Cole, mas não especifica se é


crescente ou decrescente: utilizar Método de Cole Descrescente.

4 – Questão menciona que é o método de Cole, é especifica se é crescente ou


decrescente: utilizar Método de Cole Crescente/Decrescente, conforme
especificado na questão.

Já caiu em prova! (AFC-STN-2000-ESAF) Um direito sobre bens do ativo


permanente tem vida útil de 7 (sete) anos. Submetendo-se esse bem à
depreciação, comparativamente, pelos Métodos da Linha Reta e da Soma dos
Dígitos dos Anos, pode-se afirmar que, no quarto anodaútil,

(a) o imposto de renda seria maior se fosse utilizado o método da linha


reta
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 25
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(b) o imposto de renda seria maior se fosse utilizado o método da soma
dos dígitos dos anos
(c) coincidentemente, o imposto de renda seria o mesmo em ambas as
hipóteses
(d) a depreciação, durante a vida útil, na verdade, não afetaria o
imposto de renda
(e) o imposto de renda seria maior, num ou noutro método,
dependendo do valor residual

Vida Útil do Bem = 7 anos

I – Método da Linha Reta de Depreciação

Taxa Anual de Depreciação = 1/ 7 anos No quarto ano de vida útil do


bem:
Despesas com Depreciação = Custo do Bem x Taxa = Custo do Bem/7
II – Método de Cole de Depreciação

Soma dos Dígitos = 1 + 2 + 3 + 4 + 5 + 6 + 7 = 28 Quarto Ano ⇒


Depreciação = (4/28) x Custo do Bem = Custo do Bem/7

Logo, no quarto ano de vida útil, a despesa com depreciação seria


igual para os dois métodos e, conseqüentemente, o imposto também
seria igual.

Nesta questão, também não faria diferença utilizar o Método de Cole Crescente
ou Decrescente, pois, no quarto ano, a depreciação seria igual para os dois
métodos.
GABARITO: C

7.2.3. Tipos de Depreciação

A depreciação ainda pode ser normal e acelerada.

Depreciação Normal: é empregada quando o bem for utilizado em apenas


um turno de 8 horas diárias, sendo o cálculo realizado com base na taxa
normal de depreciação;

Depreciação Acelerada: empregada quando o bem for utilizado em mais de


turno de 8 horas diárias, devendo a taxa normal de depreciação do bem ser
multiplicada por um coeficiente, conforme tabela abaixo:

Turnos Coeficiente Coeficiente


(Legislação Societária) (Legislação Fiscal)
1 turno (8 horas) 1,0 1,0
2 turnos (16 horas) 2,0 1,5
3 turnos (24 horas) 3,0 2,0

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 26


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Exemplo: Uma máquina, cuja taxa de depreciação é de 10% ao ano, está
sendo utilizada em três turnos de 8 horas diárias. Logo, sua taxa de
depreciação passa a ser:

Contábil ⇒ Taxa de Depreciação = 3,0 x 10% = 30% ao ano


Fiscal ⇒ Taxa de Depreciação = 2,0 x 10% = 20% ao ano

Exemplo: Em 14/10/X1, a Cia. Industrial Silvestre adquiriu três máquinas nos


valores de R$ 3.000,00, R$ 6.000,00 e R$ 8.000,00, a serem utilizadas,
respectivamente, nos departamentos de corte, pintura e montagem, operando,
respectivamente, em um turno de 8 horas diárias, dois turnos de 8 horas
diárias e três turnos de 8 horas diárias. Sendo a taxa de depreciação anual de
10%, calcule depreciação contábil total máxima e a depreciação fiscal total
máxima:

10% ao ano = (10/12) % ao mês


3 meses (out a dez) = (10/12) % x 3 meses = 10/4 = 2,5%

I – Depreciação Contábil Máxima:


Corte = 2,5% x 3.000 x 1 = 75
Pintura = 2,5% x 6.000 x 2 = 300
Montagem = 2,5% x 8.000 x 3 = 600
Depreciação Contábil Máxima = 75 + 300 + 600 = 975

II – Depreciação Fiscal Máxima:


Corte = 2,5% x 3.000 x 1 = 75
Pintura = 2,5% x 6.000 x 1,5 = 225
Montagem = 2,5% x 8.000 x 2 = 400
Depreciação Contábil Máxima = 75 + 225 + 400 = 700

7.2.4. Alienação de Bens do Ativo Não Circulante Imobilizado

Quando bens do ativo não circulante imobilizado são alienados, o resultado


desta alienação pode ser um ganho de capital, quando o valor da alienação é
maior que o valor contábil do bem; ou pode ser uma perda de capital, quando
o valor da alienação é menor que o valor contábil do bem.

Resultado = Valor da alienação - Valor Contábil

Se Valor da Alienação > Valor Contábil ⇒ Ganho de Capital


Se Valor da Alienação < Valor Contábil ⇒ Perda de Capital
Lançamentos:

I – Determinação do Custo do Bem (Valor Contábil do Bem):


Depreciação Acumulada (ANC - Imobilizado – Retificadora)
a Bem (ANC - Imobilizado)

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 27


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
II – Alienação do Bem: à vista ou a prazo.
Caixa ou Títulos a Receber (Ativo Circulante)
a Outras Receitas (Receita)

III – Baixa do Bem:


Outras Despesas (Despesa)
a Bem (ANC - Imobilizado)
Exemplo: Considere os dados abaixo:
Conta: Veículos
Data de Aquisição: 30/07/2002
Valor de Aquisição: R$ 40.000,00
Taxa de Depreciação: 20% ao ano Venda à vista em 28/02/2003: R
$ 30.000,00 Determine se houve ganho ou perda de capital na data
da alienação. I – Cálculo do valor contábil do bem na data da
alienação

Custo de Aquisição = 40.000

Período = de 30/07/2002 até 28/02/2003 = 8 meses (incluindo o mês de


aquisição)
Depreciação Acumulada = 20% x 8/12 x 40.000 = 5.333,33

Valor Contábil = 40.000 – 5.333,33 =


34.666,67

30.000
II – Cálculo do Ganho ou Perda de Capital:
(-) Valor
Valor Contábil
da Venda (34.666,67)
Perda de Capital (4.666,67)

Já caiu em prova! (AFRFB-2009-Esaf) A empresa Revendedora S.A. alienou


dois veículos de sua frota de uso, por R$ 29.000,00, a vista. O primeiro desses
carros já era da empresa desde 2005, tendo entrado no balanço de 2007 com
saldo de R$ 25.000,00 e depreciação acumulada de 55%. O segundo veículo
foi comprado em primeiro de abril de 2008 por R$ 10.000,00, não tendo
participado do balanço do referido ano de 2007. A empresa atualiza o desgaste
de seus bens de uso em períodos mensais. Em 30 de setembro de 2008,
quando esses veículos foram vendidos, a empresa registrou seus ganhos ou
perdas de capital com o seguinte lançamento de fórmula complexa:

a)
Diversos
a Diversos
Caixa 29.000,00
Perdas de Capital 6.000,00 35.000,00
a Veículo “A” 25.000,00
a Veículo “B” 10.000,00 35.000,00

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 28


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
b)
Diversos
a Diversos
Caixa 29.000,00
Depreciação Acumulada 18.500,00 47.500,00
a Veículos 35.000,00
a Ganhos de Capital 12.500,00 47.500,00

c)
Diversos
a Diversos
Caixa 29.000,00
Depreciação Acumulada 17.500,00 46.500,00
a Veículos 35.000,00
a Ganhos de Capital 11.500,00 46.500,00
d)
Diversos
a Diversos
Caixa 29.000,00
Depreciação Acumulada 13.750,00 42.750,00
a Veículos 35.000,00
a Ganhos de Capital 7.750,00 42.750,00

e)
Diversos
a Diversos
Caixa 29.000,00
Depreciação Acumulada 19.000,00 48.000,00
a Veículos 35.000,00
a Ganhos de Capital 13.000,00 48.000,00

30/09/2008
Alienação de Dois Veículos = 29.000,00

Sabe-se que a vida útil de um veículo é igual a 5 anos


Taxa de Depreciação = 1/5 = 20% ao ano

I – Cálculo do Valor Contábil do Veículo 1:


Veículo 1 (registrado no balanço em 2007) = 25.000
Período = anterior a 2008 + 9 meses/12 meses ⇒
Período = anterior a 2008 + 3/4 ano = anterior a 2008 + 0,75 ano
Depreciação Acumulada (Veículo 1 até 31/12/2007) = 55%

Depreciação Acumulada = (55% (até 2007) + 20% x 0,75) x 25.000 ⇒


⇒ Depreciação Acumulada (Veículo 1) = 70% x 25.000 = 17.500
Valor Contábil (Veículo 1) = Custo de Aquisição – Dep. Acumulada ⇒
⇒ Valor Contábil (Veículo 1) = 25.000 – 17.500 = 7.500
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 29
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
II – Cálculo do Valor Contábil do Veículo 2:
Veículo 2 (comprado em 01/04/2008) = 10.000
Período = de abril a setembro = 6 meses/12 meses = 0,5 ano

Depreciação Acumulada = 20% x 0,5 x 10.000 ⇒


⇒ Depreciação Acumulada (Veículo 2) = 10% x 10.000 = 1.000
Valor Contábil (Veículo 2) = Custo de Aquisição – Dep. Acumulada ⇒
⇒ Valor Contábil (Veículo 2) = 10.000 – 1.000 = 9.000
III – Apuração do ganho ou perda de capital:

Valor da Alienação dos dois Veículos 29.000


(-) Valor Contábil do Veículo 1 (7.500)
(-) Valor Contábil do Veículo 2 (9.000)
Ganho de Capital 12.500

Venda à vista:
Caixa (Ativo Circulante)
a Outras Receitas (Receita) 29.000

Depreciação Acumulada (ANC – Imobilizado – Retificadora)


a Veículos (ANC – Imobilizado) 17.500

Depreciação Acumulada (ANC – Imobilizado – Retificadora)


a Veículos (ANC – Imobilizado) 1.000

Baixa dos Veículos (pelo valor contábil):


Outras Despesas (Despesa)
a Veículos (ANC – Imobilizado) 7.500

Outras Despesas (Despesa)


a Veículos (ANC – Imobilizado) 9.000

Lançamento consolidado:
Diversos
a Diversos
Caixa (Ativo Circulante) 29.000
Depreciação Acumulada (ANC) 18.500 (17.500 + 1.000)
a Ganho de Capital (Receita) 12.500 (29.000 – 7.500 – 9.000)
a Veículos (ANC – Imobilizado) 35.000 (17.500 + 1.000 + 7.500 + 9.000)

Diversos
a Diversos
Caixa (Ativo Circulante) 29.000
Depreciação Acumulada (ANC - Imobilizado) 18.500 47.500
a Ganho de Capital (Receita) 12.500
a Veículos (ANC – Imobilizado) 35.000 47.500
GABARITO: B
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 30
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
7.2.5. Depreciação de Bens Adquiridos Usados

No caso de bens adquiridos usados a taxa anual de depreciação será


determinada considerando-se o maior entre os seguintes prazos:

IMetadedaútildobemadquiridonovo;e

II - Restante da vida útil, considerada em relação à primeira instalação para


utilização do bem.

Exemplo: A Cia J4M2 adquiriu um equipamento novo em 10/03/2004, com


tempo de vida útil estimado em 4 anos. Em 25/11/2006, a Cia J4M2 vendeu
este equipamento, agora usado, para a empresa Kaprisma. Qual será a taxa
anual de depreciação utilizada pela Cia. Kaprisma para o referido bem?

MetadedaÚtildoEquipamento=2anos

O equipamento estaria totalmente depreciado em fevereiro de 2008.


Tempo de Vida Útil Restante = 2 meses (11 e 12/2006) + 1 ano (2007) + 2
meses (01 e 02/2008)
Tempo de Vida Útil Restante = 1 ano e 4 meses

Portanto, prevalecerá o tempo de 2 anos ⇒


⇒ Taxa de Depreciação Anual = 1/2 anos = 50% ao ano
7.2.6. Pontos Importantes da Resolução CFC no 1.177/09

De acordo com a Resolução CFC no 1.177/09, que aprovou a NBC T 19.1 –


Ativo Imobilizado:

- Cada componente de um item do ativo imobilizado com custo significativo em


relação ao custo total do item deve ser depreciado separadamente.

- A entidade aloca o valor inicialmente reconhecido de um item do ativo


imobilizado aos componentes significativos desse item e os deprecia
separadamente. Por exemplo, pode ser adequado depreciar separadamente a
estrutura e os motores de aeronave, seja ela de propriedade da entidade
ou obtida por meio de operação de arrendamento mercantil financeiro. De
forma similar, se o arrendador adquire um ativo imobilizado que esteja
sujeito a arrendamento mercantil operacional, pode ser adequado
depreciar separadamente os montantes relativos ao custo daquele item
que sejam atribuíveis a condições do contrato de arrendamento mercantil
favoráveis ou desfavoráveis em relação a condições de mercado.

- A entidade pode escolher depreciar separadamente os componentes de um


item que não tenham custo significativo em relação ao custo total do item.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 31


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
- A despesa de depreciação de cada período deve ser reconhecida no resultado
a menos que seja incluída no valor contábil de outro ativo.

- A depreciação do período deve ser normalmente reconhecida no resultado.


No entanto, por vezes os benefícios econômicos futuros incorporados no ativo
são absorvidos para a produção de outros ativos. Nesses casos, a depreciação
faz parte do custo de outro ativo, devendo ser incluída no seu valor contábil.
Por exemplo, a depreciação de máquinas e equipamentos de produção é
incluída nos custos de produção de estoque. De forma semelhante, a
depreciação de ativos imobilizados usados para atividades de desenvolvimento
pode ser incluída no custo de um ativo intangível.

- O valor depreciável de um ativo deve ser apropriado de forma sistemática ao


longo da sua vida útil estimada.

- O valor residual e a vida útil de um ativo são revisados pelo menos ao


final de cada exercício e, se as expectativas diferirem das estimativas
anteriores, a mudança deve ser contabilizada como mudança de
estimativa contábil.

- A depreciação é reconhecida mesmo que o valor justo do ativo exceda o seu


valor contábil, desde que o valor residual do ativo não exceda o seu valor
contábil. A reparação e a manutenção de um ativo não evitam a necessidade
de depreciá-lo.

- O valor depreciável de um ativo é determinado após a dedução de


seu valor residual. Na prática, o valor residual de um ativo
frequentemente não é significativo e por isso imaterial para o cálculo
do valor depreciável.

Valor Depreciável = Base de Cálculo da Depreciação

Custo de Aquisição do Bem


(+) Gastos com instalação
(+) Acréscimos Posteriores
(-) Valor Residual
Base de Cálculo da Depreciação

Atenção! Não confundir o valor depreciável com o valor contábil:


Valor Contábil = Custo de Aquisição – Depreciação Acumulada

- O valor residual de um ativo pode aumentar. A despesa de


depreciação será zero enquanto o valor residual subsequente for igual
ou superior ao seu valor contábil.

- A depreciação do ativo se inicia quando este está disponível para uso,


ou seja, quando está no local e em condição de funcionamento na
forma pretendida pela administração. A depreciação de um ativo deve
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 32
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
cessar na data em que o ativo é classificado como mantido para venda
ou, ainda, na data em que o ativo é baixado, o que ocorrer primeiro.
Portanto, a depreciação não cessa quando o ativo se torna ocioso ou é
retirado do uso normal, a não ser que o ativo esteja totalmente
depreciado. No entanto, de acordo com os métodos de depreciação
pelo uso, a despesa de depreciação pode ser zero enquanto não houver
produção.

- Os benefícios econômicos futuros incorporados no ativo são consumidos pela


entidade principalmente por meio do seu uso. Porém, outros fatores, tais como
obsolescência técnica ou comercial e desgaste normal enquanto o ativo
permanece ocioso, muitas vezes dão origem à diminuição dos benefícios
econômicos que poderiam ter sido obtidos do ativo. Consequentemente, todos
os seguintes fatores são considerados na determinação da vida útil de um
ativo:

- uso esperado do ativo que é avaliado com base na capacidade ou


produção física esperadas do ativo;

- desgaste físico normal esperado, que depende de fatores operacionais


tais como o número de turnos durante os quais o ativo será usado, o
programa de reparos e manutenção e o cuidado e a manutenção do ativo
enquanto estiver ocioso;

- obsolescência técnica ou comercial proveniente de mudanças ou


melhorias na produção, ou de mudança na demanda do mercado para o
produto ou serviço derivado do ativo;

- limites legais ou semelhantes no uso do ativo, tais como as datas de


término dos contratos de arrendamento mercantil relativos ao ativo.

- A vida útil de um ativo é definida em termos da utilidade esperada do ativo


para a entidade. A política de gestão de ativos da entidade pode considerar a
alienação de ativos após um período determinado ou após o consumo de uma
proporção específica de benefícios econômicos futuros incorporados no ativo.
Por isso, a vida útil de um ativo pode ser menor do que a sua vida econômica.
A estimativa da vida útil do ativo é uma questão de julgamento baseado na
experiência da entidade com ativos semelhantes.

- Terrenos e edifícios são ativos separáveis e são contabilizados


separadamente, mesmo quando sejam adquiridos conjuntamente. Com
algumas exceções, como as pedreiras e os locais usados como aterro,
os terrenos têm vida útil ilimitada e, portanto, não são depreciados. Os
edifícios têm vida útil limitada e, por isso, são ativos depreciáveis. O
aumento de valor de um terreno no qual um edifício esteja construído
não afeta o valor contábil do edifício.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 33


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
- Se o custo do terreno incluir custos de desmontagem, remoção e restauração
do local, essa porção do valor contábil do terreno é depreciada durante o
período de benefícios obtidos ao incorrer nesses custos. Em alguns casos, o
próprio terreno pode ter vida útil limitada, sendo depreciado de modo a refletir
os benefícios a serem dele retirados.

Método de depreciação
- O método de depreciação utilizado reflete o padrão de consumo pela entidade
dos benefícios econômicos futuros.

- O método de depreciação aplicado a um ativo deve ser revisado pelo


menos ao final de cada exercício e, se houver alteração significativa no
padrão de consumo previsto, o método de depreciação deve ser
alterado para refletir essa mudança.

- Vários métodos de depreciação podem ser utilizados para apropriar de forma


sistemática o valor depreciável de um ativo ao longo da sua vida útil. Tais
métodos incluem o método da linha reta, o método dos saldos decrescentes e
o método de unidades produzidas. A depreciação pelo método linear resulta
em despesa constante durante a vida útil do ativo, caso o seu valor residual
não se altere. O método dos saldos decrescentes resulta em despesa
decrescente durante a vida útil. O método de unidades produzidas resulta em
despesa baseada no uso ou produção esperados. A entidade seleciona o
método que melhor reflita o padrão do consumo dos benefícios econômicos
futuros esperados incorporados no ativo. Esse método é aplicado
consistentemente entre períodos, a não ser que exista alteração nesse padrão.

Finalmente, para encerrar assunto depreciação e “misturá-lo” com provisões,


gostaria de resolver mais três questões com vários conceitos importantes.
Vejamos.

Já caiu em prova! (AFRF-2003-ESAF) Em primeiro de novembro a Nossa


Firma adquiriu cinco conjuntos de mesas com quatro cadeiras, para pagamento
em 60 dias. O preço total foi R$ 10.000,00, sendo R$ 1.000,00 por mesa e R$
250,00 por cadeira. Segundo o costume usual os móveis brasileiros têm
expectativa de vida útil de dez anos, mas o proprietário falou e disse: “vou
cuidar para que a depreciação dos bens de uso seja feita em 12 anos”. A
empresinha da questão usa como mobília dois dos conjuntos adquiridos e os
outros três foram destinados à revenda. No dia 31 de dezembro os bens foram
inventariados com base em pesquisa válida que encontrou preço líquido de
mercado de R$ 900,00 para as mesas e de R$ 300,00 para as cadeiras. Com
base nestes dados e informações, adotando-se os critérios legais de avaliação
de ativos, podemos dizer, com certeza, que no Balanço Patrimonial os cinco
conjuntos em epígrafe contribuirão com um custo de

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 34


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(a) R$ 9.620,00
(b) R$ 9.800,00
(c) R$ 9.820,00
(d) R$ 10.020,00
(e) R$ 10.500,00

Nossa Firma
01/novembro:
- Adquiriu 5 conjuntos de mesas com 4 cadeiras (pagamento em 60 dias);
- Preço total = R$ 10.000,00 (R$ 1.000,00 por mesa e R$ 250,00 por cadeira);
- Costume usual: Móveis brasileiros - vida útil = 10 anos;
- Proprietário falou e disse: “a depreciação dos bens de uso será feita em 12
anos”;
- Usa como mobília: dois dos conjuntos adquiridos;
- Outros três: destinados à revenda.

31/dezembro:
- Bens foram inventariados: preço de mercado de R$ 900,00 para as mesas e
de R$ 300,00 para as cadeiras.

Balanço Patrimonial: os cinco conjuntos contribuirão com um custo = ?

I – Aquisição dos Conjuntos (01/nov): 2 conjuntos para uso e 3 conjuntos para


revenda (pagamento em 60 dias)

I.1 – O pagamento ocorrerá em 01/janeiro.

I.2 – Valor do Conjunto:


Valor do Conjunto = 1.000 (mesa) + 4 x 250 (cadeiras) = 2.000

I.3 – Lançamentos:

Diversos
a Duplicatas a Pagar (Passivo Circulante)
Mercadorias (Ativo Circulante) – 3 conjuntos 6.000
Móveis e Utensílios (ANC-Imobilizado) – 2 conjuntos 4.000 10.000

II – Determinação da Taxa de Depreciação:

II.1 – Costume usual: Vida Útil = 10 anos


Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil = 1/10 = 0,1 = 10% ao ano

II.2 – Proprietário da Empresa: Vida Útil = 12 anos


Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil = 1/12 ao ano (poderá ser utilizada esta
taxa de depreciação, pois, apesar de não ser o costume usual, os encargos de
depreciação por ano serão menores – custo menor gera um maior lucro ou um
menor prejuízo).

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 35


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
III – Cálculo dos Encargos de Depreciação: só os 2 conjuntos de mesas e
cadeiras destinados ao uso sofrerão depreciação (os 3 conjuntos destinados à
revenda não sofrem depreciação).

Período: 01/nov a 31/dez = 2 meses = 2/12 meses = 1/6 ano


Base de Cálculo = Valor de Aquisição = 4.000
Encargos de Depreciação = Período x Taxa de Depreciação x Base de Cálculo
⇒ Encargos de Depreciação = 1/6 x 1/12 x 4.000 = 55,56

Lançamento:
Encargos de Depreciação (Despesa)
a Depreciação Acumulada (ANC-Imobilizado) 55,56

IV – Determinação das Provisões:

Em 31/dezembro:
Valor de Mercado das Mesas = 900
Valor de Mercador das Cadeiras = 300

Logo, deve ser realizada uma provisão para ajuste ao valor de mercado das
mesas colocadas para revenda, de acordo com o art. 183, da Lei no 6.404/76.
O valor das cadeiras não sofrerá provisão, pois o valor de mercado é maior:

Prov. para Ajuste ao Valor de Mercado = 3 conjuntos x (1.000 – 900) = 300

Lançamento:
Despesas com Provisão (Despesa)
a Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado (Ativo Circulante) 300

V – Custo dos conjuntos no Balanço Patrimonial:

V.1 – Conjuntos destinados à revenda:


Valor Contábil = Valor de Aquisição – Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado
⇒ Valor Contábil = 6.000 – 300 = 5.700

V.2 – Conjuntos destinados ao uso:


Valor Contábil = Valor de Aquisição – Depreciação Acumulada ⇒
⇒ Valor Contábil = 4.000 – 55,56 = 3.944,44
Valor Contábil Total dos Conjuntos = 5.700 + 3.944,44 = 9.644,44
GABARITO: ANULADA

Já caiu em prova! (Fiscal de Tributos – SC – 1998-Vunesp) A Cia.


Atenciosa presta serviços, situa-se em um país onde não há qualquer tipo de
tributação e encerra seus exercícios sociais a cada 31 de dezembro. Em suas
atividades, a Cia. Atenciosa se vale de ajustões – um específico tipo de
aparelho - e os registra na conta "Ajustões" no Ativo Imobilizado (do Ativo
Permanente). Os ajustões são os únicos ativos da Cia. Atenciosa que sofrem
depreciação sendo, para tal, utilizada a taxa de 12,5% ao ano. A despesa com
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 36
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
depreciação é mensalmente registrada, desde o mês em que ativados os
ajustões e até (inclusive) o mês em que baixados.

Sabe-se que é de R$ 117,00 o saldo da conta Despesa com Depreciação de


Ajustões imediatamente antes dos lançamentos de apuração do resultado do
exercício social de 2004. Tal valor é o total das despesas com depreciação
incorridas em 2004 e decorrentes dos únicos ajustões que ela adquiriu até 31
de dezembro de 2004 e dos quais ainda é proprietária em tal data.

Em 31 de dezembro de 2004, estes ajustões estão 9,375 % depreciados.

Em 01 de março de 2005, a Cia. Atenciosa comprou à vista três novos


ajustões (mas iguais entre si). Além desta compra, nenhuma outra ocorre
durante 2005 e, tampouco, qualquer baixa acontece em 2005. Sabe-se que o
saldo de 30 de abril de 2005 da conta Depreciação Acumulada de Ajustões é
de R$ 199,00.

Os três novos ajustões adquiridos pela Cia. Atenciosa em 01 de março de 2005


lhe custaram
(a) mais R$ 81,00 e menos de R$ 261,00;
(b) mais R$ 261,00 e menos de R$ 561,00;
(c) mais R$ 561,00 e menos de R$ 961,00;
(d) mais R$ 961,00 e menos de R$ 1.221,00;
(e) mais de R$ 1.221, 00 e menos R$ 1.441,00.

I - “Ajustões” de 2004: Depreciação Anual = 12,5%

Despesas com Depreciação = R$ 117,00 (corresponde a 9,375% do custo dos


Ajustões em 2004).

Nota: Repare que, como, em 2004, os “Ajustões” foram 9,375%


depreciados, significa que eles foram adquiridos em 2004 e que este
valor corresponde às “Despesas com Depreciação” de 2004. M as por
que?

Porque o valor da depreciação do período (9,375%) é menor que da


depreciação anual (12,5%), indicando que eles foram adquiridos no
período e que esse valor corresponde a despesa com depreciação do
período.

Custo dos Ajustões (2004) = 117/9,375% = 1.248

II - “Ajustões” de 2005: Compras = 3 novos


“Ajustões” em 01/março/2005.

III - Cálculo da Depreciação até abril de 2005:

A – “Ajustões” de 2004: de 01/janeiro a 30/abril de 2005 = 4


meses
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 37
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Despesas com Depreciação A = Custo dos Ajustões (2004) x 12,5% x 4
meses/12 meses
Despesas com Depreciação A = 1.248 x 12,5% x 4/12 = 52

B – “Ajustões” de 2005: de 01/março a 30/abril de 2005 = 2 meses


Despesas com Depreciação B = Custo dos Ajustões (2005) x 12,5% x 2
meses/12 meses
Despesas com Depreciação B = Custo dos Ajustões (2005) x 12,5% x 1/6

Total de Despesas com Depreciação até 30/abril/2005 = 52 + CA (2005) x


12,5% x 1/6

IV - Depreciação Acumulada até abril de 2005 = R$ 199,00


Depreciação Acumulada (31/12/2004) 117
(+) Total de Desp. com Dep. Até 30/04/2005 52 + CA (2005) x 12,5% x 1/6
Depreciação Acumulada até abril de 2005 199

117 + 52 + CA (2005) x 12,5% x 2/12 = 199 ⇒


⇒ CA (2005) x 12,5% x 1/6 = 30 ⇒
CA (2005) = Custo de Aquisição dos Ajustões em 2005 ⇒
CA (2005) = (30 x 6)/12,5% = 1.440
GABARITO: E

Já caiu em prova! (AFC-STN-2005-ESAF) Em 20 de outubro de 2004, a


empresa Milícias S/A mandou contabilizar a baixa por venda de uma máquina
de uso, auferindo um lucro da ordem de 20% sobre o preço obtido na
alienação. Referida máquina fora comprada por R$ 150.000,00, em primeiro
de abril de 1998, e seu valor tem sido atualizado, trimestralmente, por
depreciação feita com base em vida útil estimada de 10 anos e saldo residual
de 20% do custo. A operação, devidamente contabilizada vai-nos mostrar que
o preço de venda obtido na alienação foi de

(a) R$ 52.500,00
(b) R$ 63.000,00
(c) R$ 65.625,00
(d) R$ 86.400,00
(e) R$ 90.000,00

Empresa: Milícias S/A


Data: 20 de outubro de 2004
Venda de uma máquina de uso, auferindo um lucro da ordem de 20% sobre o
preço obtido na alienação.
Máquina: comprada por R$150.000,00, em 01/04/1998
Depreciação trimestral
Vida útil da Máquina (estimada) = 10 anos
Saldo residual = 20% do custo.

Preço da Venda = ?
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 38
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
I – Aquisição da Máquina (supondo que a aquisição foi a vista)

Máquina (ANC - Imobilizado)


a Caixa (Ativo Circulante) 150.000

II – Cálculo do período de utilização da Máquina até a venda

- Como nada foi dito, considera-se que Máquina começou a ser utilizada na
data de sua aquisição: 01/04/1998.

- Período Total:
01/04/1998 a 31/12/1998 = 9 meses (começa exatamente no início do
segundo trimestre)
1999 a 2003 = 5 anos
01/01/2004 a 20/10/2004 = 9 meses (o período a ser considerado será
apenas até 30/09/2004, pois, como foi informado no enunciado, a
depreciação é trimestral).

Período Total = 5 anos e 18 meses = 6 anos e 6 meses = 6,5 anos

III – Cálculo da Depreciação Acumulada

Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil da Máquina = 1/10 = 0,1

Base de Cálculo da Depreciação = Valor de Aquisição – Valor Residual ⇒


⇒ Base de Cálculo da Depreciação = 150.000 – 20% x 150.000 ⇒
⇒ Base de Cálculo da Depreciação = 80% x 150.000 ⇒
⇒ Base de Cálculo da Depreciação = 120.000

Depreciação Acumulada = Taxa de Depreciação x Período Total x Base de


Cálculo ⇒ Depreciação Acumulada = 0,1 x 6,5 anos x 120.000 = 78.000

IV – Cálculo do valor contábil da Máquina em 20/10/2004

Valor Contábil = Valor de Aquisição – Depreciação Acumulada ⇒


⇒ Valor Contábil = 150.000 – 78.000 ⇒
⇒ Valor Contábil = 72.000

V – Cálculo do valor da alienação da Máquina

Lucro obtido na alienação = 20% x Valor da Alienação ⇒


⇒ Lucro obtido na alienação = 0,2 x Valor da Alienação (a)

Lucro obtido na alienação = Valor da Alienação – Valor Contábil ⇒


⇒ Lucro obtido na alienação = Valor da Alienação – 72.000 (b)

(a) = (b) ⇒ 0,2 x Valor da Alienação = Valor da Alienação – 72.000 ⇒


⇒ 0,8 x Valor da Alienação = 72.000 ⇒ Valor da Alienação = 72.000/0,8 ⇒
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 39
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
⇒ Valor da Alienação = 90.000
GABARITO: E

7.3. Amortização

De acordo com o art. 183, § 2o, b, da Lei das SA, a amortização corresponde à
perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos da propriedade
industrial ou comercial e quaisquer outros com existência ou exercício de
duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou
contratualmente limitado.

Lançamento:

Despesas ou Encargos de Amortização (Despesa) a Amortização


Acumulada (Ativo Não Circulante - Intangível – Retificadora)

A taxa de amortização é função do número de exercícios sociais em que


deverão ser usufruídos os benefícios das despesas diferidas. Utiliza-se o
método linear (método de quotas constantes) para cálculo das taxas
de amortização.

Nota: Fundo de Comércio: é o que uma empresa tem de valor acima do seu
patrimônio líquido avaliado a preço de mercado. Como sabemos, o Patrimônio
Líquido de uma empresa é a diferença entre seus Ativos e seus Passivos
Exigíveis. Mas este Patrimônio Líquido esta sempre expresso em "termos
contábeis", ou seja, depende diretamente dos valores contabilizados para cada
Ativo e para cada Passivo. Representa, então, o "goodwill", aquilo que um
Patrimônio Liquido consegue ter de valor, se negociada a empresa como um
todo, acima do que seria obtido com a negociação de cada Ativo,
individualmente, a preços de mercado."

Exemplo: Suponha que o Patrimônio Líquido da Coca-Cola seja de dois


bilhões de reais. Contudo, caso a Coca-Cola fosse vendida, existiriam
compradores interessados em pagar cinco bilhões de reais. Ou seja, a
diferença entre o valor negociado e o Patrimônio Líquido, de três bilhões de
reais, seria o “goodwill”.
Nota: Os valores apresentados neste exemplo são fictícios.

Bens sujeitos à amortização: - Patentes de invenção, fórmulas e processos


de fabricação, direitos autorais, licenças, autorizações ou concessões;

Nota: As marcas serão amortizadas por quem adquiriu o direito de uso.


As patentes serão amortizadas pelo prazo restante de proteção do
direito de privilégio

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 40


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
- Direitos sobre bens que, nos termos da lei ou contrato que regule a
concessão de serviço público, devem reverter ao poder concedente, ao fim do
prazo de concessão, sem indenização;

- Custo de aquisição, prorrogação ou modificação de contratos e direitos de


qualquer natureza, inclusive de exploração de fundo de comércio;
- Custo das construções ou benfeitorias em bens locados ou arrendados, ou
em bens de terceiros, quando não houver direito ao recebimento de seu
valor em restituição.

Nota: As benfeitorias em bens de terceiros somente se sujeitam à


amortização caso sejam atendidas as seguintes condições cumulativas:

- o contrato de locação, arrendamento ou cessão seja celebrado por


prazo determinado;

- não haja direito de indenização das benfeitorias edificadas por


ocasião do término do prazo contratual estabelecido.

Caso o contrato seja por prazo indeterminado, serão computados os encargos


de depreciação.

Nota: As benfeitorias em bens de terceiros são construções, restaurações,


reformas em bens de propriedade de terceiros, recebidos pela empresa a título
de locação ou empréstimo.

Nota: Caso haja direito a restituição do valor gasto com as benfeitorias em


imóveis de terceiros, elas devem ser registradas no ativo circulante ou no ativo
não circulante realizável a longo prazo.

Tempo utilizado no cálculo da amortização: - estabelecido em lei que


regule os direitos do bem incorpóreo;
- fixado no contrato por intermédio do qual foi adquirido o bem incorpóreo; e

- decorrente da natureza do bem, quando sua existência ou duração seja


limitada.

Exemplo: A empresa J4M2 adquiriu uma patente de invenção em


01/10/2006 por R$ 50.000,00, com duração de 10 anos.

Taxa de Amortização Anual = 1/10 anos = 10% ao ano


Amortização Anual = 10% x 50.000 = R$ 5.000,00

Já caiu em prova! (TRT – 18R – Analista Judiciário - Área Contabilidade


– 2008 – FCC) A Cia. Maracanã efetuou uma benfeitoria em imóvel alugado
de terceiros, cujo valor será revertido ao proprietário do imóvel no final
do

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 41


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
contrato de locação. O valor contábil da benfeitoria está assim demonstrado
em seu balanço patrimonial levantado em 31-12-2007:

Custo da benfeitoria R$ 120.000,00


(−) Amortização acumulada (R$ 66.000,00)
(=) Valor contábil R$ 54.000,00

Sabendo que o contrato de locação é de 10 anos, pode-se concluir que, em


relação a 31-12-2007, o início da amortização ocorreu há

(A) seis anos e quatro meses.


(B) seis anos.
(C) cinco anos e meio.
(D) cinco anos e três meses.
(E) quatro anos e meio.

Contrato de Locação = 10 anos


Taxa de Amortização = 1/10 anos = 10% ao ano

Amortização Acumulada = Taxa x Período x Base de Cálculo ⇒


⇒ 66.000 = 10% x Período x 120.000 ⇒
⇒ Período = 66.000/12.000 = 5,5 anos
GABARITO: C

7.4. Exaustão

De acordo com o art. 183, § 2o, c, da Lei das AS, a exaustão corresponde à
perda de valor, decorrente de sua exploração, de direitos cujo objeto sejam
recursos minerais ou florestais, ou bens aplicados nessa exploração.

Lançamento:
Despesas ou Encargos de Exaustão (Despesa) a Exaustão Acumulada
(Ativo Não Circulante - Imobilizado – Retificadora)

Nota: De acordo com a Lei das SA, os bens aplicados na exploração de


recursos minerais e florestais estão sujeitos à exaustão.

Nota: A Legislação do Imposto de Renda estabeleceu que a quota de


depreciação, registrável em cada período de apuração, dos bens aplicados
exclusivamente nas minas, jazidas e florestas, cujo período de exploração total
seja inferior ao tempo de vida útil desses bens, poderá ser determinada,
opcionalmente, em função do prazo de concessão ou do contrato de
exploração, ou ainda, do volume de produção de cada período de apuração e
sua relação com a possança conhecida da mina ou dimensão da floresta
explorada.

- As máquinas e equipamentos de extração mineral ou florestal,


opcionalmente, podem ser depreciados, ao invés de exauridos;
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 42
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
- Somente se sujeitam à exaustão as minas que estejam sob regime de
concessão. A exploração de recursos minerais sob a forma de arrendamento ou
licenciamento não pode ser objeto de exaustão;

7.4.1. Exaustão de Recursos Minerais

Há dois métodos para o cálculo de exaustão de recursos minerais:

Método 1: Exaustão em função do prazo de concessão

Exemplo:
Custo da concessão = R$ 200.000,00
Prazo da concessão = 20 anos
Taxa de Exaustão Anual = 1/20 anos = 5% ao ano
Despesa de Exaustão (anual) = 5% x 200.000 = R$ 10.000,00

Método 2: Exaustão em função da relação entre a produção do período


e a possança conhecida da mina

Exemplo:
Custo da Concessão = R$ 200.000,00
Possança Conhecida = 100.000 m3
Produção do Ano = 2.000 m3
Tempo Previsto para Esgotamento da Mina = 100.000 m3/2.000 m3 = 50 anos
Taxa de Exaustão Anual = 2.000/100.000 ou 1/50 anos = 2% ao ano
Despesa de Exaustão Anual = 2% x 200.000 = R$ 2.000,00

7.4.2. Exaustão de Recursos Florestais

De acordo com o Regulamento do Imposto de Renda, só haverá exaustão de


recursos florestais quando o esgotamento dos recursos estiver previsto para
terminar antes do término do prazo contratual ou quando o prazo de
exploração de recursos for indeterminado.

Exploração de Recursos Florestais (hipóteses):

I – Quando o prazo contratual for inferior ao período previsto para


esgotamento dos recursos florestais, a perda de valor será contabilizada como
amortização, e não como exaustão, pois antes do esgotamento dos recursos, o
direito de exploração terá terminado;

II – Quando o esgotamento dos recursos estiver previsto para ocorrer antes do


fim do prazo contratual, a perda de valor será contabilizada como exaustão;

III – Quando o prazo de exploração dos recursos florestais for indeterminado,


a perda de valor será contabilizada como exaustão; e

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 43


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
IV – Os projetos florestais destinados à exploração dos respectivos frutos
sujeitam-se à depreciação, calculada com base na vida útil estimada dos
recursos florestais objeto da exploração.

Já caiu em prova! (AFRFB-2009-Esaf) A diminuição do valor dos


elementos do ativo será registrada periodicamente nas contas de:

a) provisão para perdas prováveis, quando corresponder à perda por ajuste ao


valor provável de realização, quando este for inferior.
b) depreciação, quando corresponder à perda do valor de capital aplicado na
aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial.
c) exaustão, quando corresponder à perda de valor dosdireitos que têm por
objeto bens físicos sujeitos a desgaste ou perda de utilidade por uso, ação da
natureza ou obsolescência.
d) provisão para ajuste ao valor de mercado, quando corresponder à perda
pelo ajuste do custo de aquisição ao valor de mercado, quando este for
superior.
e) amortização, quando corresponder à perda de valor, decorrente da
exploração de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou
bens aplicados nessa exploração.

Análise das alternativas:

a) provisão para perdas prováveis, quando corresponder à perda por ajuste ao


valor provável de realização, quando este for inferior.

De acordo com os incisos III e IV, do art. 183, da Lei no 6.404/76:


Art. 183. No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os
seguintes critérios:

III - os investimentos em participação no capital social de outras


sociedades, ressalvado o disposto nos artigos 248 a 250
(investimentos avaliados pela Equivalência Patrimonial), pelo custo de
aquisição, deduzido de provisão para perdas prováveis na realização
do seu valor, quando essa perda estiver comprovada como
permanente, e que não será modificado em razão do recebimento, sem
custo para a companhia, de ações ou quotas bonificadas;

IV - os demais investimentos, pelo custo de aquisição, deduzido de


provisão para atender às perdas prováveis na realização do seu valor,
ou para redução do custo de aquisição ao valor de mercado, quando
este for inferior; A alternativa está CORRETA.

Para as alternativas “b”, “c” e “e”: De acordo com o § 2o, do art. 183, da Lei
no 6.404/76: § 2o A diminuição do valor dos elementos dos ativos
imobilizado e intangível será registrada periodicamente nas contas de:
(Redação dada pela Lei nº
11.941, de 2009)
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 44
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
a) depreciação, quando corresponder à perda do valor dos direitos que
têm por objeto bens físicos sujeitos a desgaste ou perda de utilidade por
uso, ação da natureza ou obsolescência;

b) amortização, quando corresponder à perda do valor do capital


aplicado na aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial e
quaisquer outros com existência ou exercício de duração limitada, ou
cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente
limitado;

c) exaustão, quando corresponder à perda do valor, decorrente da sua


exploração, de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais,
ou bens aplicados nessa exploração.

b) depreciação, quando corresponder à perda do valor de capital aplicado na


aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial. => é
amortização. A alternativa está INCORRETA.

c) exaustão, quando corresponder à perda de valor dos direitos que têm por
objeto bens físicos sujeitos a desgaste ou perda de utilidade por uso, ação da
natureza ou obsolescência. ⇒ é depreciação. A alternativa está
INCORRETA.

e) amortização, quando corresponder à perda de valor, decorrente da


exploração de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou
bens aplicados nessa exploração. ⇒ é exaustão. A alternativa está
INCORRETA.

d) provisão para ajuste ao valor de mercado, quando corresponder à perda


pelo ajuste do custo de aquisição ao valor de mercado, quando este for
superior.

De acordo com os incisos III e IV, do art. 183, da Lei no 6.404/76:


II - os direitos que tiverem por objeto mercadorias e produtos do comércio da
companhia, assim como matérias-primas, produtos em fabricação e bens em
almoxarifado, pelo custo de aquisição ou produção, deduzido de provisão para
ajustá-lo ao valor de mercado, quando este for inferior; A alternativa está
INCORRETA.
GABARITO: A

Vamos ver mais dois exemplos:


Exemplo: A empresa Desmontando S/A vendeu o seu ativo permanente, à
vista, por R$ 100.000,00. Dele constavam apenas uma mina de carvão e um
trator usado. A mina teve custo original de R$ 110.000,00 e o trator fora
comprado por R$ 35.000,00, há exatos quatro anos. Quando da aquisição da
mina, a capacidade total foi estimada em 40 toneladas de minérios com
extração prevista para dez anos. Agora, já passados quatro anos, verificamos
que forma extraídas, efetivamente, 20 toneladas. O trator vendido tem sido
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 45
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
depreciado pelo método linear, com vida útil prevista em dez anos, com valor
residual de 20%. Considerando que a contabilização estimada da amortização
desses ativos tem sido feita normalmente, podemos afirmar que a alienação
narrada acima deu origem, em termos líquidos, a ganhos de capital no valor
de:

Empresa: Desmontando S/A


Venda do Ativo Permanente = R$ 100.000,00 (Mina de carvão e um trator
usado)
Mina (custo original) = R$ 110.000,00
Trator = R$ 35.000,00 (comprados há exatos quatro anos)

Aquisição da mina: Capacidade total foi estimada em 40 toneladas de minérios


com extração prevista para dez anos.
Agora, já passados quatro anos, verificamos que foram extraídas,
efetivamente, 20 toneladas.
Trator vendido tem sido depreciado pelo método linear com vida útil prevista
em dez anos, com valor residual de 20%

A alienação narrada acima deu origem, em termos líquidos, a ganhos de


capital = ?

I – Cálculo do Valor Contábil da Mina na Data da Alienação:

Para o cálculo da taxa de exaustão da mina em questão, deve ser observado o


fato que a contabilização da exaustão estimada foi realizada durante todo o
período, ou seja, a informação de que, após quatro anos, foram extraídas 20
toneladas de minério não deve ser considerada no cálculo da exaustão, pois,
até então, esta informação era desconhecida. Logo, a exaustão utilizada desde
a aquisição da mina foi a estimada.

Taxa de Exaustão da Mina = 1/Período de Extração = 1/10 anos. ⇒


⇒ Taxa de Exaustão da Mina = 0,1 = 10% ao ano

Período Total = 4 anos

Exaustão Acum. do Período = Taxa de Exaustão x Per. Total x Custo de Aquis.


da Mina ⇒
⇒ Exaustão Acumulada do Período = 0,1 x 4 x 110.000 = 44.000

Valor Contábil da Mina = Valor de Aquisição – Exaustão Acumulada do Período


⇒ Valor Contábil da Mina = 110.000 – 44.000 = 66.000

II – Cálculo do Valor Contábil do Trator na Data da Alienação:

Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil do Trator = 1/10 = 0,1 = 10% ao ano


Período Total = 4 anos

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 46


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Base de Cálculo = Valor de Aquisição do Trator – Valor Residual ⇒ ⇒ Base de
Cálculo = 35.000 – 20% x 35.000 = 0,8 x 35.000 = 28.000

Depreciação Acumulada do Período = Taxa de Deprec. x Per. Total x Base de


Cálculo ⇒
⇒ Depreciação Acumulada do Período = 0,1 x 4 x 28.000 =
11.200

Valor Contábil do Trator = Valor de Aquisição – Depreciação Acumulada do


Período ⇒
⇒ Valor Contábil do Trator = 35.000 – 11.200 =
23.800

III – Cálculo do Ganho de Capital na Alienação:

Ganho de Capital = Valor da Venda – Valor Contábil da Mina – Valor


Contábil do Trator ⇒
⇒ Ganho de Capital = 100.000 – 66.000 – 23.800 =
10.200 GABARITO: A

Exemplo: A empresa Mineração Faca Amarela começou suas atividades de


exploração no começo do Ano 1. No fim do ano, o seu contador preparou o
resumo dos custos de mineração, conforme abaixo:

- Mão-de-Obra = R$ 2.380.000,00
- Material = R$ 245.000,00
- Diversos = R$ 539.280,00

Estes itens não incluem nenhum tipo de depreciação, amortização ou


exaustão. Os dados referentes ao Ativo Não Circulante - Imobilizado usados
na mineração do ouro eram os seguintes:

- Custo de Aquisição da Mina (a capacidade estimada da jazida é de 10


mil toneladas; o valor residual da mina é estimado em R$
420.000,00) = R$ 2.100.000,00

- Benfeitorias (vida útil estimada = 10 anos; sem valor residual) = R$


- Equipamento (vida útil estimada = 6 anos; valor residual estimado em
184.800,00
R$ 42.000,00) = R$ 336.000,00

Durante o Ano 1 foram extraídas 800 t (8%), das quais 600 t foram vendidas.
A exaustão, amortização e depreciação acumuladas no final do Ano 1 são:

Exaustão (Mina) = (Custo de Aquisição – Valor Residual) x 8% ⇒


⇒ Exaustão (Mina) = (2.100.000 – 420.000) x 8% ⇒
⇒ Exaustão (Mina) = R$ 134.400,00

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 47


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Amortização (Benfeitorias) = (Custo de Aquisição – Valor Residual) x 1/10
anos ⇒
⇒ Amortização (Benfeitorias) = (184.800 – 0) x 1/10= R$ 18.480,00
Depreciação (Equipamento) = (Custo de Aquisição – Valor Residual) x 1/6 anos
⇒ Depreciação (Equipamento) = (336.000 – 42.000) x 1/6 = R$ 49.000,00
7.5. Memorize para a Prova

1) Provisões em Geral:
- atendem aos Princípios da Competência, Oportunidade e Prudência;
- valores estimados que cobrem perdas prováveis ou representam a existência
de exigibilidades, cujos montantes podem ser previamente conhecidos e/ou
calculados;
- são sempre contas de natureza CREDORA

2) Provisões do Ativo: contas redutoras do Ativo.

Constituição da Provisão:
Despesas com Provisão (Despesa)
a Provisão (Ativo – Retificadora Passivo)

Perda Consumada:
Provisão (Ativo – Retificadora)
a Conta com base na qual ela foi constituída (Ativo)

Reversão da Provisão:
Provisão (Ativo – Retificadora)
a Reversão da Provisão (Receita)

Exemplos:
Provisão p/ Ajuste ao Valor de Mercado;
Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa;
Provisão p/ Perdas Prováveis na Realização de Investimentos.

Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa


- Critério das Perdas Prováveis: taxa sobre uma base de cálculo formada por
um montante da conta “Duplicatas a Receber”, desde que estejam
relacionadas às atividades operacionais da empresa.

Valores que não devem compor a base de cálculo da Provisão p/


Créditos de Liquidação Duvidosa:
- créditos com pessoas jurídicas de direito público ou empresa sob seu
controle, empresa pública, sociedade de economia mista ou sua subsidiária;
- vendas com reserva de domínio, alienação fiduciária, ou de operações com
garantia real;
- créditos com coligadas, controladas, controladoras, interligadas ou
associadas por qualquer outra forma;
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 48
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
- créditos junto a instituições financeiras, demais instituições autorizadas pelo
Banco Central e sociedades de fundo de investimentos; - créditos com
administrador, sócio ou acionista, titular ou com o seu cônjuge ou parente
até o terceiro grau, inclusive os afins; - créditos adquiridos com coobrigação;
e - crédito relativo ao bem arrendado, no caso de entidades que trabalham
com arrendamento mercantil.

3) Provisões do Passivo: contas representativas de obrigações.

Exemplos:
- Provisão para o Imposto de Renda; - Provisão para a
Contribuição Social sobre o Lucro Líquido; - Provisão para
Décimo-Terceiro Salário; - Provisão para Férias; -
Provisão para Contingências.

Nota: No Patrimônio Líquido, há a conta “Ajustes de Avaliação Patrimonial”,


que pode ter tanto natureza devedora quanto credora.

4) Depreciação: - considerar, como despesa ou custo do período, uma parte


do valor gasto na compra de bens de consumo durável utilizados nas
atividades da empresa;
- alcança bens materiais (tangíveis) classificados no Ativo Não Circulante -
Imobilizado e bens de renda classificados no grupo de Investimentos do Ativo
Não Circulante (Ex: Imóvel alugado); - O bem poderá ser depreciado a partir
da data em que for instalado, colocado em serviço ou esteja em condições de
produzir, independentemente do dia do mês, ou seja, conta-se o primeiro
mês integralmente, qualquer que seja o dia; - Taxa de Depreciação = 1/Vida
Útil do Bem;

Lançamento: Despesas de Depreciação ou Encargos de Depreciação


(Despesa) a Depreciação Acumulada (Ativo Não Circulante – Imobilizado –
Retificadora)

- Vedações à depreciação de acordo com a Legislação do Imposto de


Renda: I - Terrenos, salvo em relação a benfeitorias e construções; II - Bens
que aumentam de valor com o tempo, como antiguidades e obras de arte;
III - Bens para os quais sejam registradas cotas de amortização ou exaustão;
e
IV - Bens móveis ou imóveis que não estejam intrinsecamente relacionados à
produção ou comercialização de bens e serviços.

- Valor Contábil do Bem: corresponde à diferença entre o custo de aquisição


do bem e a depreciação acumulada.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 49


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
- Valor Residual: valor provável da realização do bem após ser totalmente
depreciado.

Custo de Aquisição do Bem


(+) Gastos com instalação
(+) Acréscimos Posteriores
(-) Valor Residual
Base de Cálculo da Depreciação

Métodos Mais Utilizados de Depreciação:


Método das Quotas Constantes ou Método Linear ou Método da Linha
Reta: depreciação acumulada é diretamente proporcional ao tempo.

Método da Soma dos Dígitos ou Método de Cole


I - Soma-se os algarismos que compõem o número de anos da vida útil do
bem;

II - Multiplica-se o valor a ser depreciado a cada ano pela fração cujo


denominador é a soma calculada acima (subitem 1), e o numerador, para o
primeiro ano, é o tempo de vida útil do bem (n), para o segundo ano é “n-1”,
para o terceiro ano é “n-2”. Utiliza-se esta metodologia até o último ano de
vida útil, quando o numerador será igual a 1.

Tipos de Depreciação:
- Depreciação Normal: turno de 8 horas diárias;
- Depreciação Acelerada: mais de turno de 8 horas diárias;

Turnos Coeficiente Coeficiente


(Legislação Societária) (Legislação Fiscal)
1 turno (8 horas) 1,0 1,0
2 turnos (16 horas) 2,0 1,5
3 turnos (24 horas) 3,0 2,0

Bens Adquiridos Usados: a taxa anual de depreciação - o maior entre os


seguintes prazos:

IMetadedaútildobemadquiridonovo;e
II - Restante da vida útil, considerada em relação à primeira instalação para
utilização do bem.

Edificações: o valor das edificações deve estar destacado do valor do custo de


aquisição do terreno, admitindo-se o destaque baseado em laudo pericial.

5) Amortização
Perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos da propriedade
industrial ou comercial e quaisquer outros com existência ou exercício de
duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou
contratualmente limitado.
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 50
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Lançamento:
Despesas de Amortização ou Encargos de Amortização (Despesa)
a Amortização Acumulada (Ativo Não Circulante - Intangível – Retificadora)

Bens sujeitos à amortização:


- patentes de invenções, fórmulas e processos de fabricação, direitos autorais,
licenças, autorizações ou concessões.
- direitos sobre bens que, nos termos da lei ou contrato que regule a
concessão de serviço público, devem reverter ao poder concedente, ao fim do
prazo de concessão, sem indenização.
- custo de aquisição, prorrogação ou modificação de contratos e direitos de
qualquer natureza, inclusive exploração de fundo de comércio.
- custo das construções ou benfeitorias em bens locados ou arrendados, ou em
bens de terceiros, quando não houver direito ao recebimento de seu valor em
restituição.

6) Exaustão
Corresponde à perda de valor, decorrente de sua exploração, de direitos cujo
objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou bens aplicados nessa
exploração.

Lançamento:
Despesas de Exaustão ou Encargos de Exaustão (Despesa)
a Exaustão Acumulada (Ativo Não Circulante – Imobilizado – Retificadora)

Exploração de recursos florestais:


Primeira Hipótese: Prazo Contratual < Período previsto p/ esgotamento dos
recursos florestais (amortização)

Segunda Hipótese: Prazo Contratual > Período previsto p/ esgotamento dos


recursos florestais (exaustão)

Terceira Hipótese: Prazo indeterminado de exploração dos recursos (exaustão)

Quarta Hipótese: Projetos florestais destinados à exploração dos respectivos


frutos (depreciação)

Exploração de recursos minerais: sempre exaustão.


Método 1: Exaustão em função do prazo de concessão

Método 2: Exaustão em função da relação entre a produção do período e a


possança conhecida da mina

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 51


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
7.6. Exercícios de Fixação

1.(AFRFB-2009-Esaf) A firma comercial Alvorada Mineira Ltda. adquiriu um


bem de uso por R$ 6.000,00, pagando uma entrada de 25% em dinheiro e
financiando o restante em três parcelas mensais e iguais. A operação foi
tributada com ICMS de 12%. Ao ser contabilizada a operação acima, o
patrimônio da firma Alvorada evidenciará um aumento no ativo no valor de:

a) R$ 6.720,00.
b) R$ 4.500,00.
c) R$ 5.220,00.
d) R$ 5.280,00.
e) R$ 3.780,00.

2.(ATRFB-2009-Esaf) A empresa Hélices Elíseas S.A. já tinha máquinas e


equipamentos adquiridos em outubro de 2007, por R$ 8.000,00, quando
comprou outra, em primeiro de abril de 2008, por R$ 6.000,00 e mais outra,
por R$ 10.000,00, em primeiro de outubro de 2008. Sabendo-se que a vida
útil desses equipamentos é de apenas dez anos, podemos dizer que, no
balanço de 31 de dezembro de 2008, o seu valor contábil será de

a) R$ 22.500,00.
b) R$ 22.300,00.
c) R$ 21.600,00.
d) R$ 21.400,00.
e) R$ 20.800,00.

3.(ATM-Natal/RN-2008-Esaf) A empresa Fastfood Ltda., com contas a


receber no valor de R$ 800.000,00, em 31.12.2007, tinha também uma conta
de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa com saldo remanescente de
R$ 13.000,00. No encerramento do exercício de 2007, mandou fazer nova
provisão baseada numa estimativa de perdas de 3,5%, igual às perdas efetivas
ocorridas no recebimento de créditos nos últimos três exercícios. Feitos os
lançamentos cabíveis, a empresa levará ao resultado do exercício uma despesa
provisionada de:

a) R$ 15.000,00.
b) R$ 13.000,00.
c) R$ 11.000,00.
d) R$ 24.000,00.
e) R$ 28.000,00.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 52


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
4.(ATM-Natal/RN-2008-Esaf) A empresa Meireles S.A., em 31.12.2007,
tem um saldo de R$ 900.000,00 na conta Máquinas e Equipamentos, que já
tem Depreciação Acumulada no valor de R$ 240.000,00. A composição das
máquinas é a seguinte: adquiridas até 2006: R$ 770.000,00; adquiridas em
abril de 2007: R$ 130.000,00; adquiridas em abril de 2008: R$ 80.000,00; e
adquiridas em julho de 2008: R$ 60.000,00. A vida útil das máquinas é
estimada em 5 anos e a depreciação é contabilizada anualmente. Com base
nessas informações, pode-se dizer que a despesa de depreciação, no exercício
social de 2008, será de:

a) R$ 18.000,00.
b) R$ 150.000,00.
c) R$ 191.500,00.
d) R$ 198.000,00.
e) R$ 208.000,00.

5.(AFC-STN-Áres:Contábil-Financeira-2008-Esaf) A empresa Dúbias


Cobranças S/A tinha créditos no valor de R$ 160.000,00 em 31.12.06 e de R$
110.000,00 em 31.12.07. Durante o exercício de 2007, houve a baixa de
perdas no valor de R$ 3.200,00, referente a créditos já existentes em 2006 e
de R$ 1.100,00, referente a créditos de 2007. A conta provisão para créditos
de liquidação duvidosa foi a balanço em 2006 com saldo de R$ 4.800,00 e
deverá ir a balanço em 2007 com saldo equivalente a 3% dos créditos
cabíveis. Após a contabilização dos ajustes para o balanço de 2007, pode-se
dizer que essa empresa contabilizou, no exercício de 2007, perdas com
créditos de liquidação duvidosa no valor de

a) R$ 2.800,00.
b) R$ 3.300,00.
c) R$ 3.900,00.
d) R$ 7.100,00.
e) R$ 7.600,00.

6.(AFC-STN-Áres:Contábil-Financeira-2008-Esaf) Assinale abaixo a opção


que contém uma afirmativa falsa.

a) A quota de depreciação registrável na escrituração, como custo ou despesa


operacional, será determinada mediante a aplicação da taxa anual de
depreciação sobre o custo de aquisição dos bens depreciáveis.
b) A quota anual de depreciação será ajustada proporcionalmente no caso de
período-base com duração inferior a doze meses, e de bem acrescido ao ativo,
ou dele baixado, no curso do período-base.
c) A taxa anual de depreciação será fixada em função do prazo durante o qual
se possa esperar utilização econômica do bem pelo contribuinte, na produção
de seus rendimentos.
d) Será admitida quota de depreciação referente a prédios ou construções não
alugados nem utilizados pelo proprietário na produção dos seus rendimentos
ou destinados a revenda.
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 53
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
e) Podem ser objeto de depreciação todos os bens sujeitos a desgaste pelo uso
ou por causas naturais ou obsolescência normal, inclusive edifícios e
construções e projetos florestais destinados à exploração dos respectivos
frutos.

7.(SUSEP-2006-Esaf) A empresa Comércio Limitado, tendo créditos a


receber no valor de R$ 32.000,00, em 31.12.05, e com experiência de perda
efetiva no recebimento de itens dessa espécie, comprovada em 4% nos
últimos três exercícios sociais, precisa mandar constituir uma provisão para
devedores duvidosos, antes de elaborar o seu balanço anual. Considerando
que, no livro Razão, já existe uma conta de provisão com essa finalidade, com
saldo anterior de R$ 520,00, não utilizado, e que a empresa quer contabilizar o
evento com um único lançamento no livro Diário, o Contador deverá mandar
fazer na conta Provisão para Crédito de Liquidação Duvidosa um registro de

a) R$ 1.280,00, a crédito.
b) R$ 960,00, a crédito.
c) R$ 760,00, a crédito.
d) R$ 520,00, a débito.
e) R$ 440,00, a débito.

8.(ENAP-Contador-2006-ESAF) A firma Dadivo S/A vendeu, por R$


38.000,00, a prazo, uma máquina usada. Referido equipamento fora comprado
por R$ 42.000,00, mas já estava depreciado em 30%. O lançamento adequado
para contabilizar essa operação de venda deverá considerar o seguinte
mecanismo de débito e crédito:

a) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00


crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 38.000,00.
b) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00
crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 29.400,00
crédito de Lucro na Alienação R$ 8.600,00.

c) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00


débito de Prejuízo na Alienação R$ 4.000,00
crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 42.000,00.

d) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00


débito de Depreciação Acumulada R$ 11.400,00 R$ 49.400,00.
crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 42.000,00
crédito de Lucro na Alienação R$ 7.400,00 R$ 49.400,00

e) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00


débito de Depreciação Acumulada R$ 12.600,00 R$ 50.600,00
crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 42.000,00
crédito de Lucro na Alienação R$ 8.600,00 R$ 50.600,00.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 54


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
9.(IRB-2006-Esaf) A empresa Domesticação Ltda., utiliza duas máquinas em
seu processo produtivo, sendo uma de sua propriedade, no valor de R$
10.000,00, e outra, no valor de R$ 8.000,00, locada de Ferragens S/A, a R$
250,00 por mês. Ambas as máquinas têm vida útil estimada em dez anos. Em
manutenção mensal essas máquinas consomem despesas fixas de R$ 100,00
cada uma, sendo que, em 31 de dezembro de 2005, já havia sido paga a
manutenção dos meses de janeiro e fevereiro de 2006, ao contrário do aluguel
que só fora pago até o mês de outubro de 2005. Em decorrência dos fatos
informados, cuja ocorrência verificou-se durante o ano inteiro, e em
observância aos princípios contábeis de Competência e da Entidade, essa
empresa deverá apresentar despesas no valor de

a) R$ 5.200,00.
b) R$ 6.300,00.
c) R$ 6.400,00.
d) R$ 6.640,00.
e) R$ 7.200,00.

10.(TRF-2006-Esaf) Uma máquina de uso próprio, depreciável, adquirida por


R$15.000,00 em março de 1999 e instalada no mesmo dia com previsão de
vida útil de dez anos e valor residual de 20%, por quanto poderá ser vendida
no mês de setembro de 2006, sem causar ganhos nem perdas contábeis?
Referido bem, nas condições acima indicadas e sem considerar implicações de
ordem tributária ou fiscal, poderá ser vendido por

a) R$ 5.900,00.
b) R$ 5.400,00.
c) R$ 3.900,00.
d) R$ 3.625,00.
e) R$ 3.000,00.

11.(ENAP-Contador-2006-Esaf) A empresa Sem Mércio S/A, em 2005,


mantinha a conta Máquinas e Equipamentos representando três máquinas em
utilização na empresa. A primeira delas, máquina Alfa, foi adquirida por R$
6.000,00 e tem vida útil de 8 anos, iniciada em agosto de 2002. A segunda,
máquina Beta, foi adquirida por R$ 4.000,00 e tem vida útil de 10 anos,
iniciada em abril de 2003. A terceira, máquina Celta, também com vida útil de
10 anos, iniciada em outubro de 2004, foi adquirida por R$ 10.000,00. A
empresa faz a apropriação das despesas com desgaste dos bens em
lançamentos anuais, pelo método da linha reta. Sobre a máquina Celta é
mantido um valor residual de 15% de seu custo histórico, visando a uma
possível reintegração, enquanto que a máquina Alfa foi baixada do ativo
imobilizado, por alienação. Ao elaborar as demonstrações relativas ao exercício
de 2005, encerrado em 31 de dezembro, a Contabilidade apresentou
depreciação acumulada no valor de

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 55


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
a) R$ 4.725,00.
b) R$ 3.662,50.
c) R$ 2.350,00.
d) R$ 2.262,50.
e) R$ 2.162,50.

12.(IRB-2006-Esaf) Possuindo, há três anos e meio, uma máquina comprada


por R$ 120.000,00 e depreciada com base linear em vida útil de 5 anos e
valor residual de 20%, a empresa Onetwoelen S/A, promoveu sua
alienação, a prazo, logrando obter margem bruta de lucro de 25%.
Observando as informações acima, pode-se dizer que a empresa obteve,
nesta operação de venda, um lucro no valor de

a) R$ 17.600,00.
b) R$ 13.200,00.
c) R$ 12.000,00.
d) R$ 9.600,00.
e) R$ 7.200,00.

13.(IRB-2006-Esaf) A empresa Almeiderson S/A adquiriu por R$ 67.500,00


um equipamento industrial que, em junho de 2002, incorporou a seu ativo
imobilizado, estimando sua vida útil em dez anos, desde que sobrasse um
valor residual de 20% do custo de aquisição. Se a empresa utiliza o método
da linha reta para depreciar tal equipamento, em 31 de dezembro de 2005
ele deverá apresentar valor contábil de

a) R$ 35.100,00.
b) R$ 43.875,00.
c) R$ 48.600,00.
d) R$ 54.000,00.
e) R$ 67.500,00.

(Auditor-FUB-2009-Cespe)
14. As perdas prováveis na realização de valores ativos e a diminuição de
importâncias que exprimam bens imobilizados, sejam tangíveis ou intangíveis,
devem ser posicionadas como elementos de retificação no momento em que se
elaboram e se apresentam as demonstrações financeiras.

15. (TRT – 2R – Analista Judiciário - Área Contabilidade – 2008 –


FCC) No que tange às provisões contábeis, analise:

I. Todas as contas representativas de provisões têm saldo credor.


II. As provisões devem ser constituídas pela sociedade comercial em
obediência ao princípio contábil da entidade.
III. Todas as contas representativas de provisões são classificadas no Passivo
Exigível.
IV. A contrapartida devedora da constituição de uma provisão é sempre uma
conta de despesa.
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 56
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
É correto o que consta APENAS
em

(A) I e II.
(B) I e IV.
(C) II e III.
(D) II e IV.
(E) III e IV.

16.(Contador Júnior-Companhia Potiguar de Gás-2006-FGV)


Determinada empresa mercantil vendeu mercadorias a prazo (por $
100.000,00) para diversos clientes, durante o mês de julho/2006.
Essas duplicatas vencem em janeiro/2007. Considerando que o
departamento financeiro estima que a probabilidade de esses clientes não
honrarem suas dívidas seja de 10%, determine o valor e a classificação
da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD).

(a) Deve-se contabilizar a PCLD no valor de $ 10.000,00, como retificadora


do Ativo Circulante.
(b) Não se deve contabilizar a PCLD, porque 10% não são relevantes.
(c) Não se deve contabilizar a PCLD, porque não é mais dedutível do
Imposto de Renda.
(d) Deve-se contabilizar a PCLD no valor de $ 10.000,00, sendo $ 5.000,00
como retificadora do Ativo Circulante e $ 5.000,00 como retificadora do
Realizável a Longo Prazo.
(e) Deve-se contabilizar a PCLD no valor de $ 10.000,00, como retificadora
do Realizável a Longo Prazo.

17. (Auditor-Fiscal Tributário Municipal – SP – 2007 – FCC - Adaptada)


É uma conta redutora do Ativo Não Circulante a provisão

(A) para créditos de liquidação duvidosa.


(B) de ajuste de bens ao valor de mercado.
(C) para perdas prováveis na alienação de investimentos.
(D) para férias.
(E) para contingências.

18.(Auditor-Fiscal Tributário Municipal – SP – 2007 – FCC) A Cia. Iguaçu


alienou em 31.01.2006, uma máquina de seu Ativo Imobilizado por R$
49.500,00. A máquina havia sido adquirida em 15.09.2001 por R$ 77.000,00
e colocada imediatamente em funcionamento nas atividades operacionais
da companhia. O valor residual da máquina foi estimado em R$
5.000,00. Sabendo-se que a sociedade adota a taxa de depreciação linear
de 10% ao ano, lançada mensalmente, foi auferido na operação um ganho
de capital de, em R$:

(A) 4.300,00
(B) 4.900,00
(C) 5.500,00
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 57
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(D) 9.300,00
(E) 9.900,00

19.(PGE – RJ – Análise Contábil – 2009 – FCC) A depreciação é um


procedimento contábil que visa a

(A) apurar o resultado na alienação dos bens depreciáveis.


(B) recompor o valor histórico do imobilizado.
(C) registrar a baixa dos bens sujeitos à depreciação, quando da alienação.
(D) distribuir o custo dos bens sujeitos à depreciação pelo período de sua
vida útil.
(E) apurar o resultado quando da baixa por obsolescência do imobilizado.

20.(Infraero – Técnico em Contabilidade – 2009 – FCC) Uma empresa


industrial adquiriu uma máquina no mês de abril de 2008, cujo custo total de
aquisição foi de R$ 360.000,00. Sabendo-se que a máquina começou a ser
utilizada para fabricação dos produtos da empresa no próprio mês de
aquisição e que sua vida útil estimada é de dez anos, o valor da despesa de
depreciação relativo ao equipamento em questão no ano de 2008 será, em R$,

(A) 24.000,00
(B) 27.000,00
(C) 28.500,00
(D) 30.000,00
(E) 36.000,00

21.(Analista Legislativo-Contabilidade-Senado-2008-FGV) A Companhia


Z apresentava os seguintes saldos das contas patrimoniais em 31/12/X0:

Caixa: 50.000;
Provisão para Riscos de Contingências: 10.000;
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa: 15.000;
Contas a Receber 80.000;
Reserva de Lucros: 45.000;
Contas a pagar: 18.000;
Estoques: 100.000;
Despesas Antecipadas: 20.000.

Considerando que todas as contas serão realizadas dentro de um ano, o valor


do Ativo Circulante, em 31/12/X0, é de:
(A) 235.000.
(B) 250.000.
(C) 245.000.
(D) 225.000.
(E) 260.000.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 58


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
22.(Fiscal de Rendas-RJ-2007-FGV) Josefa, Josefina e Josenalva
constituíram a empresa Netositter S/A, dedicada à prestação de serviços de
babysitter. Entre outros ativos, a empresa tinha um veículo que era utilizado
para o transporte das babás, o qual fora adquirido por R$ 38.000,00. No
último balanço patrimonial, apurado em 31/12/2006, o saldo da conta
Depreciação Acumulada desse veículo já evidenciava o valor de R$ 20.000,00.
Na respectiva Nota Explicativa, constava que tal ativo tinha sua vida útil
original estimada em 5 anos, ao final do qual se esperava valor residual de R$
9.000,00.

Em 01/10/2007, tal veículo foi vendido por R$ 15.000,00. Ignorando-se


qualquer tributo, a classificação e o valor do resultado auferido com a venda
do veículo são, respectivamente:

(a) operacional, R$ 1.350,00.


(b) operacional, R$ 2.700,00.
(c) operacional, R$ 5.700,00.
(d) não-operacional, R$ 1.350,00.
(e) não-operacional, R$ 2.700,00.

23.(Fiscal de Rendas-RJ-2010-FGV) A Cia Barra Mansa apresentava os


seguintes dados em relação ao seu Ativo Imobilizado: equipamentos – custo
R$10.000,00. Esses ativos entraram em operação em 01.01.2007 e têm vida
útil estimada em 5 anos, sendo depreciados pelo método linear. No início de
2010, a empresa procedeu a uma revisão dos valores, conforme previsto no
CPC 27, aprovado pelo CFC. Assim, constatou as seguintes informações:

Valor Justo R$ 4.500,00.


Valor Residual R$ 4.800,00.

Analisando as informações citadas, assinale a alternativa que indique


corretamente o tratamento contábil a ser seguido, a partir de 01.01.2010.

(A) A empresa deve manter a despesa de depreciação de R$ 2.000,00 ao ano.


(B) A empresa deve acelerar a despesa de depreciação uma vez que o valor
residual aumentou.
(C) A empresa deve suspender a despesa de depreciação uma vez que o valor
residual está maior que o valor contábil.
(D) A empresa deve suspender a despesa de depreciação uma vez que o valor
justo está maior que o valor contábil.
(E) A empresa deve acelerar a despesa de depreciação uma vez que o valor
justo aumentou.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 59


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
24.(Técnico de Contabilidade – Petrobras – 2008 – Cesgranrio) A Usina
Cana Doce Ltda. adquiriu um trator, com vida útil estimada em 4 anos, em
30.09.2007, por R$ 345.600,00. Sabendo-se que o trator começou a ser
utilizado no dia seguinte, e que não foi determinado nenhum valor residual, o
total da depreciação do trator, lançado no exercício de 2007, encerrado em 31
de dezembro, em reais, foi

(A) 17.780,00
(B) 18.270,00
(C) 21.460,00
(D) 21.600,00
(E) 23.040,00

25.(Técnico de Contabilidade–Petrobras–2008–Cesgranrio)Dentre os
itens abaixo, qual deve sofrer amortização?

(A) Obras civis


(B) Obras de arte
(C) Ferramentas
(D) Direito de exploração
(E) Direitos sobre recursos naturais

26.(ICMS-RN-2005-Esaf) A firma Linhas de Comércio Ltda. tem no livro


razão uma conta intitulada “Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa”
com saldo credor de R$ 9.000,00, oriundo do balanço patrimonial de 2002,
mas que permanece inalterado ao final do exercício de 2003. No balanço
patrimonial, que será elaborado com data de 31.12.03, a empresa deverá
demonstrar as contas “Duplicatas a Receber” e “Clientes”, com saldo devedor
de R$ 350 mil e R$ 200 mil, respectivamente. Considerando-se que está
comprovada a expectativa de perda provável de 3% dos créditos a receber, a
empresa deverá contabilizar uma provisão. Este fato, aliado às outras
informações constantes do enunciado, fará com que o lucro da empresa,
referente ao exercício de 2003, seja reduzido no valor de

(a) R$ 7.500,00.
(b) R$ 9.000,00.
(c) R$ 16.290,00.
(d) R$ 16.500,00.
(e) R$ 25.500,00.

27.(AFC-CGU-2004-Esaf) O nosso Ativo Imobilizado consta apenas de


Equipamento adquirido por R$ 60.000,00, em abril de 2002, e Veículo
comprado em julho do mesmo ano, por R$ 45.000,00, com utilização imediata.
Para fins de apropriar o desgaste físico, nós consideramos a vida útil de 10
anos e 5 anos, respectivamente, com valor residual de 20%. O encargo de
depreciação contabilizado no exercício social de aquisição (2002) foi no valor
de

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 60


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(a) R$ 4.500,00
(b) R$ 6.600,00
(c) R$ 7.200,00
(d) R$ 8.400,00
(e) R$ 12.500,00

28.(AFRF-2003-Esaf) Ao examinarmos a carteira de cobrança da empresa


Gaveteiro S/A., encontramos diversas duplicatas a receber, algumas ainda a
vencer, no valor de R$ 120.000,00; outras já vencidas, no valor de R$
112.000,00; mais algumas em fase de cobrança, já protestadas, no valor de
R$ 111.000,00 e outras descontadas em Bancos, no valor de R$ 98.000,00.
Também havia uma Provisão para Créditos Incobráveis com saldo credor de R$
4.000,00. Pelo conhecimento que temos da empresa e de sua carteira de
cobrança, sabemos que a experiência de perda com esses créditos tem sido de
cerca de 4%, sendo correto um provisionamento deste porte. Feitas as
provisões e contabilizadas corretamente, com base em 4% dos devedores
duvidosos, é correto dizer que a Demonstração do Resultado do Exercício
conterá como despesa dessa natureza o valor de

(a) R$ 9.720,00
(b) R$ 9.640,00
(c) R$ 8.760,00
(d) R$ 5.800,00
(e) R$ 5.280,00

29.(AFRF-2003-Esaf) A máquina ALFA foi comprada por R$ 130.000,00 em


01/10/2001 e a máquina BETA foi comprada pelo mesmo preço, em
01/04/2002. Ambas as máquinas têm durabilidade igual: deverão ser usadas
durante dez anos. O desgaste físico desses bens deverá ter contabilização
anual. Assim sendo, na Demonstração de Resultado do Exercício de 2002,
elaborada em 31.12.02, constarão Encargos de Depreciação no valor de

(a) R$ 3.250,00, referente à máquina BETA.


(b) R$ 9.750,00, referente à máquina ALFA.
(c) R$ 13.000,00, referente à máquina BETA.
(d) R$ 16.250,00, referente à máquina ALFA.
(e) R$ 22.750,00, referente a ambas as máquinas.

30.(ICMS-MG-2005-Esaf) A empresa ACD Ltda., em 31/12/x4 tinha valores


a receber com saldo no valor de R$ 27.000,00 e mandou fazer provisão para
créditos de liquidação duvidosa no valor de R$ 810,00. Durante o exercício de
x5 a empresa recebeu e deu quitação a 60% desses créditos e mandou dar
baixa, por não recebimento, nos outros 40%. Ao findar o ano com novos
saldos no valor de R$ 42.000,00, a empresa adotou procedimento igual ao
anterior, mandando provisionar seus créditos para fins de balanço. Com base
nessas informações, podemos dizer que a contabilização da provisão para
créditos de liquidação duvidosa, referente ao exercício de 2005, provocará na

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 61


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Demonstração do Resultado do Exercício uma redução do lucro final no valor
de

(a) R$ 774,00
(b) R$ 1.746,00
(c) R$ 450,00
(d) R$ 1.260,00
(e) R$ 936,00

31.(ICMS-RN-2005-Esaf) Considere os seguintes dados e informações sobre


determinado bem de uso.

•valor de mercado na data da compra R$ 25.000,00


•valor de mercado em 31/12/2004 R$ 21.000,00
•valor de aquisição R$ 20.000,00
•valor residual estimado R$ 2.000,00
•data de aquisição 01/07/2003
•vida útil estimada: cinco anos
•data de encerramento de exercício social 31 de dezembro

No exercício de 2004 o aludido bem de uso vai gerar encargos de


depreciação no valor de

(a) R$ 5.400,00.
(b) R$ 5.000,00.
(c) R$ 4.000,00.
(d) R$ 3.600,00.
(e) R$ 1.800,00.

32.(Técnico em Contabilidade–ANP–2008–CESGRANRIO) Ramos &


Ramos Ltda., empresa varejista de hortifrutigranjeiros, em geral, comprou por
R$ 200.000,00 um veículo para fazer a entrega de suas mercadorias aos
clientes. Passados 5 anos da aquisição, com o veículo totalmente depreciado,
a empresa deve

(a) arbitrar internamente um novo valor para o veículo e fazer a depreciação.


(b) manter o veículo no Ativo Permanente, com o valor simbólico de R$ 1,00.
(c) dar baixa no veículo, por estar totalmente depreciado.
(d) dar baixa no veículo somente quando ele for vendido.
(e) baixar o veículo quando este for tirado de circulação.

(Ministério Público de Roraima–Contador–2008–CESPE)


33. O registro da reversão da provisão para desvalorização de estoques
proporciona acréscimo ao resultado do exercício e débito no ativo circulante.

Julgue os itens a seguir, relativos ao reflexo do registro das operações de uma


empresa em seu patrimônio.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 62


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
34. A reversão da provisão para perda de investimentos proporciona aumento
na conta de investimentos, vinculada à provisão, e acréscimo ao resultado do
exercício do período.

35. O registro da amortização de itens do ativo proporciona redução do ativo


permanente diferido e, conseqüentemente, reduz o resultado do exercício.

36. O registro da provisão para créditos de liquidação duvidosa reduz o valor


do ativo, circulante ou realizável em longo prazo. Como conta retificadora de
ativo, o saldo dessa provisão é credor, e sua contrapartida é em conta de
resultado do exercício.

(STF–Contador–2008-CESPE)
A respeito da constituição das provisões e dos seus reflexos na estrutura
patrimonial, julgue os itens a seguir.

37. O registro da provisão para desvalorização de estoques reduz tanto o


capital circulante líquido como o resultado do exercício.

38. O registro da provisão para contingências judiciais aumenta o capital


circulante líquido e reduz o resultado do exercício. O pagamento das provisões
já contabilizadas não afetará o capital circulante líquido.

39. O registro da provisão para perda de investimentos afetará o saldo do


ativo permanente e também o saldo do resultado do exercício de maneira
negativa. O registro da perda de investimentos provisionada será a débito da
provisão para perda de investimentos e a crédito da conta de investimento.

(TST-Contador–2008–Cespe)
40. Na hipótese de ser provável uma perda resultante de processo trabalhista,
a empresa deverá constituir provisão para as contingências, se o valor for
conhecido, ou reserva de contingência, se o valor for calculável.

41. Suponha que uma empresa constituía provisão para créditos de liquidação
duvidosa regularmente à base de 3% sobre o saldo das contas a receber. Com
o aumento da inadimplência no setor, resolveu aumentar esse percentual para
5%. Nesse caso, o contador da empresa procederá corretamente se lançar a
diferença de 2% como ajuste de exercícios anteriores por mudança de critério
contábil.

(Agente-Polícia Federal-2009-Cespe)
42 Suponha que uma empresa mineradora tenha adquirido os direitos de
exploração de uma mina por R$ 5 milhões, por meio de um contrato com cinco
anos de vigência. Nesse caso, após dois anos de exploração, se tiverem sido
extraídos 30% da possança da mina, o referido ativo, classificado no
imobilizado, deverá estar avaliado no balanço da empresa por R$ 3 milhões.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 63


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
GABARITO:

1–B 26 – A
2–B 27 – C
3–A 28 – A
4–D 29 – E
5–A 30 – D
6–D 31 – D
7–C 32 – E
8–E 33 – Certo
9–C 34 – Errado
10 – A 35 – Certo
11 – E 36 – Certo
12 – A 37 – Certo
13 – C 38 – Errado
14 – Certo 39 – Certo
15 – B 40 – Errado
16 – A 41 – Errado
17 – C 42 – Errado
18 – A
19 – D
20 – B
21 – A
22 – D
23 – C
24 – D
25 – D

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 64


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
7.7. Resolução dos Exercícios de Fixação

1.(AFRFB-2009-Esaf) A firma comercial Alvorada Mineira Ltda. adquiriu um


bem de uso por R$ 6.000,00, pagando uma entrada de 25% em dinheiro e
financiando o restante em três parcelas mensais e iguais. A operação foi
tributada com ICMS de 12%. Ao ser contabilizada a operação acima, o
patrimônio da firma Alvorada evidenciará um aumento no ativo no valor de:

a) R$ 6.720,00.
b) R$ 4.500,00.
c) R$ 5.220,00.
d) R$ 5.280,00.
e) R$ 3.780,00.

Resolução

Bem de uso = 6.000


Entrada = 25% x 6.000 = 1.500
Financiamento = 4.500 (três parcelas mensais e iguais)
ICMS = 12% (imposto por dentro ⇒ já está embutido no preço)

Como é bem de uso, o ICMS não será recuperado:

Lançamento:
Bem de Uso (ANC)
a Diversos
a Caixa (Ativo Circulante) 1.500
a Financiamento a Pagar (Passivo Circulante) 4.500 6.000

Aumento no Ativo
Bem de Uso 6.000 ⇒ débito na conta “Bem de Uso”
(-) Pagamento à vista (1.500) ⇒ crédito na conta “Caixa”
Aumento do Ativo 4.500
GABARITO: B

2.(ATRFB-2009-Esaf) A empresa Hélices Elíseas S.A. já tinha máquinas e


equipamentos adquiridos em outubro de 2007, por R$ 8.000,00, quando
comprou outra, em primeiro de abril de 2008, por R$ 6.000,00 e mais
outra, por R$ 10.000,00, em primeiro de outubro de 2008. Sabendo-se que
a vida útil desses equipamentos é de apenas dez anos, podemos dizer
que, no balanço de 31 de dezembro de 2008, o seu valor contábil será de

a) R$ 22.500,00.
b) R$ 22.300,00.
c) R$ 21.600,00.
d) R$ 21.400,00.
e) R$ 20.800,00.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 65


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Resolução

Máquinas e Equipamentos (adquiridos em outubro de 2007) =


8.000 Compra da Máquina 1 = 6.000 (abril/2008) Compra da
Máquina 2 = 10.000 (outubro/2008)
Vida Útil = 10 anos
Taxa de Depreciação = 1/10 = 10% ao
ano

I – Cálculo do valor contábil das maquinas adquiridas em outubro de


2007, no balanço de 31/12/2008: Depreciação Acumulada = Taxa x
Período x Base de Cálculo Taxa = 10% ao ano
Período = de outubro/2007 a dezembro/2008 = 1 ano e 3 meses ⇒
Período = 1 ano + 3/12 ano = 1,25 ano
Base de Cálculo = 8.000

Depreciação Acumulada = 10% x 1,25 x 8.000 = 1.000


Valor Contábil (Máquinas e Eqptos) = Custo de Aquisição – Dep. Acumulada
Valor Contábil (Máquinas e Eqptos) = 8.000 – 1.000 = 7.000

II – Cálculo do valor contábil das maquinas adquiridas em abril de


2008, no balanço de 31/12/2008:
Depreciação Acumulada = Taxa x Período x Base de Cálculo
Taxa = 10% ao ano
Período = de abril/2008 a dezembro/2008 = 9 meses = 9/12 = 3/4 = 0,75 ano
Base de Cálculo = 6.000

Depreciação Acumulada = 10% x 0,75 x 6.000 = 450


Valor Contábil (Máquina 1) = Custo de Aquisição – Dep. Acumulada
Valor Contábil (Máquina 1) = 6.000 – 450 = 5.550

III – Cálculo do valor contábil das maquinas adquiridas em outubro de


2008, no balanço de 31/12/2008:
Depreciação Acumulada = Taxa x Período x Base de Cálculo
Taxa = 10% ao ano
Período = de outubro/2008 a dezembro/2008 = 3 meses = 3/12 = 0,25 ano
Base de Cálculo = 10.000

Depreciação Acumulada = 10% x 0,25 x 10.000 = 250


Valor Contábil (Máquina 2) = Custo de Aquisição – Dep. Acumulada
Valor Contábil (Máquina 2) = 10.000 – 250 = 9.750

IV – Valor contábil total:


Valor Contábil (Máquinas e Eqptos) 7.000
Valor Contábil (Máquina 1) 5.550
Valor Contábil (Máquina 2) 9.750
Valor Contábil Total 22.300
GABARITO: B
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 66
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
3.(ATM-Natal/RN-2008-Esaf) A empresa Fastfood Ltda., com contas a
receber no valor de R$ 800.000,00, em 31.12.2007, tinha também uma conta
de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa com saldo remanescente de
R$ 13.000,00. No encerramento do exercício de 2007, mandou fazer nova
provisão baseada numa estimativa de perdas de 3,5%, igual às perdas efetivas
ocorridas no recebimento de créditos nos últimos três exercícios. Feitos os
lançamentos cabíveis, a empresa levará ao resultado do exercício uma despesa
provisionada de:

a) R$ 15.000,00.
b) R$ 13.000,00.
c) R$ 11.000,00.
d) R$ 24.000,00.
e) R$ 28.000,00.

Resolução

Contas a Receber = 800.000


Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (31/12/2007) = 13.000

Provisão para 2008: 3,5%

Despesas com Provisões = 3,5% x 800.000 – 13.000 = 28.000 – 13.000 ⇒


Despesas com Provisões = 15.000
GABARITO: A

4.(ATM-Natal/RN-2008-Esaf) A empresa Meireles S.A., em 31.12.2007,


tem um saldo de R$ 900.000,00 na conta Máquinas e Equipamentos, que já
tem Depreciação Acumulada no valor de R$ 240.000,00. A composição das
máquinas é a seguinte: adquiridas até 2006: R$ 770.000,00; adquiridas em
abril de 2007: R$ 130.000,00; adquiridas em abril de 2008: R$ 80.000,00; e
adquiridas em julho de 2008: R$ 60.000,00. A vida útil das máquinas é
estimada em 5 anos e a depreciação é contabilizada anualmente. Com base
nessas informações, pode-se dizer que a despesa de depreciação, no exercício
social de 2008, será de:

a) R$ 18.000,00.
b) R$ 150.000,00.
c) R$ 191.500,00.
d) R$ 198.000,00.
e) R$ 208.000,00.

Resolução

Máquinas e Equipamentos = 900.000


Depreciação Acumulada = 240.000

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 67


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Máquinas adquiridas em 2006 = 770.000
Máquinas adquiridas em abril de 2007 = 130.000 Máquinas adquiridas em
abril de 2008 = 80.000 (nove meses até 31/12/2008) Máquinas adquiridas
em julho de 2007 = 60.000 (seis meses até 31/12/2008)

Vida Útil das Máquinas = 5 anos Taxa de


Depreciação = 1/5 anos = 20% ao ano
Depreciação contabilizada anualmente

I – Cálculo da despesa com depreciação em 31/12/2008:


I.1 – Máquinas adquiridas até dezembro/2007 Máquinas adquiridas
até dezembro/2007 = 770.000 + 130.000 = 900.000 Despesas com
Depreciação em 2008 (1) = 900.000 x 20% = 180.000

I.2 – Máquinas adquiridas em 2008:


Despesas com Depreciação em 2008 (2) = 20% x 9/12 meses x 80.000 +
20% x 6/12 meses x 60.000
Despesas com Depreciação em 2008 (2) = 12.000 + 6.000 = 18.000

Despesas com Depreciação em 2008 = 180.00 + 18.000 =


198.000 GABARITO: D

5.(AFC-STN-Áres:Contábil-Financeira-2008-Esaf) A empresa Dúbias


Cobranças S/A tinha créditos no valor de R$ 160.000,00 em 31.12.06 e de R$
110.000,00 em 31.12.07. Durante o exercício de 2007, houve a baixa de
perdas no valor de R$ 3.200,00, referente a créditos já existentes em 2006
e de R$ 1.100,00, referente a créditos de 2007. A conta provisão para
créditos de liquidação duvidosa foi a balanço em 2006 com saldo de R$
4.800,00 e deverá ir a balanço em 2007 com saldo equivalente a 3%
dos créditos cabíveis. Após a contabilização dos ajustes para o balanço de
2007, pode-se dizer que essa empresa contabilizou, no exercício de
2007, perdas com créditos de liquidação duvidosa no valor de

a) R$ 2.800,00.
b) R$ 3.300,00.
c) R$ 3.900,00.
d) R$ 7.100,00.
e) R$ 7.600,00.

Resolução

Constituição da Provisão:
Despesa com Provisão (Despesa) a Provisão para Créditos de Liquidação
Duvidosa (Ativo Circulante – Retif.)

Perda Consumada:
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante –
Retif.) a Duplicatas a Receber (Ativo Circulante)
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 68
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Reversão da Provisão:
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante – Retif.)
a Reversão de Provisão (Receita)

Vamos à resolução da questão:

Duplicatas a Receber = 160.000 (31/12/2006)


PDD (31/12/2006) = 4.800 (3% dos créditos)
Baixa por perdas de créditos de 2006 em 2007 = 3.200

PDD
a Duplicatas a Receber 3.200

Saldo de PDD (31/12/2007) = 4.800 – 3.200 = 1.600

Baixa por perdas de créditos de 2007 em 2007 = 1.100 => repare que, se as
perdas são do próprio exercício, ou seja, são referentes a créditos que não
fazia parte do saldo final de Duplicatas a Receber em 2006, devem ser
consideradas diretamente como despesa, pois não houve provisão para estas
perdas.

Perdas com Clientes


a Duplicatas a Receber 1.100

Duplicatas a Receber = 110.000 (31/12/2007)


PDD (31/12/2007) = 3% x 110.000 = 3.300

Constituição de PDD = 3.300 – 1.600 1.700


(+) Perdas com Clientes (2007) 1.100
Perdas com Créditos de Liq. Duvidosa 2.800
GABARITO: A

6.(AFC-STN-Áres:Contábil-Financeira-2008-Esaf) Assinale abaixo a opção


que contém uma afirmativa falsa.

a) A quota de depreciação registrável na escrituração, como custo ou despesa


operacional, será determinada mediante a aplicação da taxa anual de
depreciação sobre o custo de aquisição dos bens depreciáveis.
b) A quota anual de depreciação será ajustada proporcionalmente no caso de
período-base com duração inferior a doze meses, e de bem acrescido ao ativo,
ou dele baixado, no curso do período-base.
c) A taxa anual de depreciação será fixada em função do prazo durante o qual
se possa esperar utilização econômica do bem pelo contribuinte, na produção
de seus rendimentos.
d) Será admitida quota de depreciação referente a prédios ou construções não
alugados nem utilizados pelo proprietário na produção dos seus rendimentos
ou destinados a revenda.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 69


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
e) Podem ser objeto de depreciação todos os bens sujeitos a desgaste pelo
uso ou por causas naturais ou obsolescência normal, inclusive
edifícios e construções e projetos florestais destinados à exploração dos
respectivos frutos.

Resolução

a) A quota de depreciação registrável na escrituração, como custo ou despesa


operacional, será determinada mediante a aplicação da taxa anual de
depreciação sobre o custo de aquisição dos bens depreciáveis.

Cálculo da Depreciação Anual:

Depreciação = Taxa x Custo de Aquisição dos Bens Depreciáveis

Encargos de Depreciação (Custo ou Despesa Operacion-


al) a Depreciação Acumulada
A alternativa está CORRETA.

b) A quota anual de depreciação será ajustada proporcionalmente no caso de


período-base com duração inferior a doze meses, e de bem acrescido ao ativo,
ou dele baixado, no curso do período-base.

Período com duração inferior a doze meses:


Depreciação = Taxa Anual x Período x Custo de Aquisição
Período = Número de Meses/12 meses Exemplo: Um bem comprado e
utilizado a partir de setembro de 2005 terá o
P eríodo
seguinte = 4 meses (de setembro a dezembro)/12 meses = 1/3 do ano
período:
A alternativa está CORRETA.

c) A taxa anual de depreciação será fixada em função do prazo durante o qual


se possa esperar utilização econômica do bem pelo contribuinte, na produção
de seus rendimentos.
A taxa anual de depreciação é fixada em função da vida útil do bem, ou seja,
do prazo durante o qual se possa esperar utilização econômica do bem pelo
contribuinte, na produção de seus rendimentos. A alternativa está CORRETA.

d) Será admitida quota de depreciação referente a prédios ou construções não


alugados nem utilizados pelo proprietário na produção dos seus rendimentos
ou destinados a revenda.
Não é admitida quota de depreciação referente a prédios ou
construções não alugados nem utilizados pelo proprietário na
produção dos seus rendimentos ou destinados a revenda. A alternativa
está INCORRETA.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 70


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
e) Podem ser objeto de depreciação todos os bens sujeitos a desgaste pelo uso
ou por causas naturais ou obsolescência normal, inclusive edifícios e
construções e projetos florestais destinados à exploração dos respectivos
frutos.
Os projetos florestais destinados à exploração dos respectivos frutos
sujeitam-se à depreciação, calculada com base na vida útil estimada
dos recursos florestais objeto da exploração. A alternativa está
CORRETA.
GABARITO: D

7.(SUSEP-2006-Esaf) A empresa Comércio Limitado, tendo créditos a


receber no valor de R$ 32.000,00, em 31.12.05, e com experiência de perda
efetiva no recebimento de itens dessa espécie, comprovada em 4% nos
últimos três exercícios sociais, precisa mandar constituir uma provisão para
devedores duvidosos, antes de elaborar o seu balanço anual. Considerando
que, no livro Razão, já existe uma conta de provisão com essa finalidade, com
saldo anterior de R$ 520,00, não utilizado, e que a empresa quer contabilizar
o evento com um único lançamento no livro Diário, o Contador deverá
mandar fazer na conta Provisão para Crédito de Liquidação Duvidosa um
registro de

a) R$ 1.280,00, a crédito.
b) R$ 960,00, a crédito.
c) R$ 760,00, a crédito.
d) R$ 520,00, a débito.
e) R$ 440,00, a débito.

Resolução

Duplicatas a Receber = R$ 32.000,00, em 31.12.05;


Experiência de perda efetiva no recebimento de itens dessa espécie = 4%
nos últimos três exercícios sociais;
Provisão para devedores duvidosos (saldo anterior) = R$ 520,00 A empresa
quer contabilizar o evento com um único lançamento no livro Diário

I – Cálculo da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa = 4% x 32.000 =


1.280

II – Lançamento da diferença entre o saldo anterior = 1.280 – 520 = 760


760
Despesas com Provisões a Provisão para Créditos de Liquidação
Duvidosa
Logo, houve um crédito na conta de Provisão para Créditos de
Liquidação Duvidosa de R$ 760,00.
GABARITO: C

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 71


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
8.(ENAP-Contador-2006-ESAF) A firma Dadivo S/A vendeu, por R$
38.000,00, a prazo, uma máquina usada. Referido equipamento fora comprado
por R$ 42.000,00, mas já estava depreciado em 30%. O lançamento adequado
para contabilizar essa operação de venda deverá considerar o seguinte
mecanismo de débito e crédito:

a) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00


crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 38.000,00.
b) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00
crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 29.400,00
crédito de Lucro na Alienação R$ 8.600,00.

c) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00


débito de Prejuízo na Alienação R$ 4.000,00
crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 42.000,00.

d) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00


débito de Depreciação Acumulada R$ 11.400,00 R$ 49.400,00.
crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 42.000,00
crédito de Lucro na Alienação R$ 7.400,00 R$ 49.400,00

e) débito de Contas a Receber R$ 38.000,00


débito de Depreciação Acumulada R$ 12.600,00 R$ 50.600,00
crédito de Máquinas e Equipamentos R$ 42.000,00
crédito de Lucro na Alienação R$ 8.600,00 R$ 50.600,00.

Resolução

Empresa: Dadivo S/A


Valor da Venda a prazo de Máquina Usada = R$ 38.000,00
Valor de Aquisição da Máquina = R$ 42.000,00
Depreciação Acumulada = 30%

I – Cálculo da Depreciação Acumulada:


Depreciação Acumulada = 30% x 42.000 = 12.600

II – Dados Iniciais:

Máquinas Depreciação Acumulada


42.000 12.600

III – Determinação do Valor Contábil do Bem:


Depreciação Acumulada (Ativo Não Circulante - Imobilizado – Retificadora)
a Máquina (ANC - Imobilizado) 12.600

Máquinas Depreciação Acumulada


42.000 12.600 (III) 12.600 12.600
29.400
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 72
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Logo, o valor contábil do bem é igual a R$ 29.400,00.

IV – Lançamento da Operação de Venda:


1. Conta a Receber (Ativo Circulante)
a Receita na Alienação (Receita – Conta de Resultado) 38.000

2. Receita na Alienação
a Lucro/Prejuízo na Alienação (Conta de Resultado) 38.000

3. Lucro/Prejuízo na Alienação (Conta de Resultado)


a Máquinas (ANC - Imobilizado) 29.400

Máquinas Receita na Alienação Lucro/Prejuízo na


42.000 12.600 (III) 38.000 (2) 38.000 (1) Alienação
29.400 29.400 (3) 29.400 (3) 38.000 (2)
8.600
Contas a Receber
38.000

Como a conta Lucro/Prejuízo na Alienação ficou, após a venda da máquina


usada, com um saldo credor de R$ 8.600,00, houve um Ganho de Capital
(Valor da Alienação maior que o Valor Contábil do Bem) – Outras Receitas.

O Lançamento consolidado de toda a operação, sem a utilização da conta


Receita na Alienação, seria o seguinte:

Depreciação Acumulada (ANC - Imobilizado – Conta Retificadora)


a Máquina (ANC - Imobilizado) 12.600

Conta a Receber (Ativo Circulante)


a Lucro na Alienação (Conta de Resultado) 38.000

Lucro na Alienação (Conta de Resultado)


a Máquinas (ANC - Imobilizado) 29.400

Ou seja, haveria os seguintes débitos e créditos:


débito de Contas a Receber R$ 38.000,00
débito de Depreciação Acumulada R$ 12.600,00 R$ 50.600,00

crédito de Máquinas (12.600 + 29.400) R$ 42.000,00


crédito de Lucro Alien. (38.000 – 29.400) R$ 8.600,00 R$ 50.600,00
GABARITO: E

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 73


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
9.(IRB-2006-Esaf) A empresa Domesticação Ltda., utiliza duas máquinas
em seu processo produtivo, sendo uma de sua propriedade, no valor de
R$
10.000,00, e outra, no valor de R$ 8.000,00, locada de Ferragens S/A, a R
$ 250,00 por mês. Ambas as máquinas têm vida útil estimada em dez anos.
Em manutenção mensal essas máquinas consomem despesas fixas de R$
100,00 cada uma, sendo que, em 31 de dezembro de 2005, já havia sido
paga a manutenção dos meses de janeiro e fevereiro de 2006, ao contrário
do aluguel que só fora pago até o mês de outubro de 2005. Em
decorrência dos fatos informados, cuja ocorrência verificou-se durante o
ano inteiro, e em observância aos princípios contábeis de Competência
e da Entidade, essa empresa deverá apresentar despesas no valor de

a) R$ 5.200,00.
b) R$ 6.300,00.
c) R$ 6.400,00.
d) R$ 6.640,00.
e) R$ 7.200,00.

Resolução

Empresa: Domesticação Ltda

- Máquina 1 (pertencente à empresa): R$ 10.000,00 (Vida Útil: 10 anos –


Depreciação: 10% ao ano).
- Máquina 2 (aluguel): R$ 250,00 por mês (pelo Princípio da Entidade, esta
máquina não é propriedade da empresa, e, por isso, não há razão para
considerar o valor contábil do bem e nem a sua depreciação). - Despesas fixas
mensais de manutenção: R$ 100,00 por máquina.

I- Paga a manutenção dos meses de janeiro e fevereiro de 2006 (pelo Princípio


da Competência, não devem ser consideradas como despesas
do período).

Despesas Pagas Antecipadamente = = 2


máquinas x 2 meses (jan e fev) x 100 = 400

Despesas Pagas Antecipadamente (Ativo Circulante) 400


a Bancos (Ativo Circulante)
II- Aluguel da máquina 2: só foi pago até outubro de 2005, mas a ocorrência
se verificou durante o ano inteiro (Princípio da Competência, como o fato
gerador ocorreu, considera-se a despesa incorrida durante todo o ano de
2005).

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 74


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
III- Despesas do Período (jan/05 a dez/05) – Princípio da Competência
1 – Manutenção das duas máquinas = 2 máquinas x 12 meses x 100 =
2.400 2 – Depreciação da máquina I = 10% x 10.000 = 1.000 3 – Aluguel
da máquina II = 12 meses x 250 = 3.000

Total de Despesas (jan/05 a dez/05) = 2.400 + 1.000 + 3.000 = 6.400


GABARITO: C

10.(TRF-2006-Esaf) Uma máquina de uso próprio, depreciável, adquirida por


R$15.000,00 em março de 1999 e instalada no mesmo dia com previsão de
vida útil de dez anos e valor residual de 20%, por quanto poderá ser
vendida no mês de setembro de 2006, sem causar ganhos nem perdas
contábeis? Referido bem, nas condições acima indicadas e sem considerar
implicações de ordem tributária ou fiscal, poderá ser vendido por

a) R$ 5.900,00.
b) R$ 5.400,00.
c) R$ 3.900,00.
d) R$ 3.625,00.
e) R$ 3.000,00.

Resolução

Máquina de uso próprio, depreciável, adquirida por R$15.000,00 em março


de 1999 e instalada no mesmo dia
Vida Útil = 10 anos
Valor Residual = 20%
Por quanto poderá ser vendida no mês de setembro de 2006, sem causar
ganhos nem perdas contábeis?

I – Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil do Bem = 1/10 = 0,1

II – Base de Cálculo da Depreciação = Valor de Aquisição – Valor Residual ⇒

⇒ Valor de Cálculo da Depreciação = 15.000 – 0,2 x 15.000 = 12.000

II – Cálculo da depreciação acumulada:

março/1999 a dezembro/1999 = 10 meses (março também entra, pois a


máquina foi adquirida em março e instalada no mesmo dia)
janeiro/2000 a dezembro/2000 = 1 ano
janeiro/2001 a dezembro/2001 = 1 ano
janeiro/2002 a dezembro/2002 = 1 ano
janeiro/2003 a dezembro/2003 = 1 ano
janeiro/2004 a dezembro/2004 = 1 ano
janeiro/2005 a dezembro/2005 = 1 ano
janeiro/2006 a setembro/2006 = 9 meses

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 75


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Período = 6 anos e 19 meses = 7 anos e 7 meses = 7 anos + 7/12 anos
Período = 91/12 anos

Depreciação Acumulada = Base de Cálculo da Deprec. x Período x Taxa de


Depreciação ⇒
⇒ Depreciação Acumulada = 12.000 x 91/12 x 0,1 = 9.100

III – Valor Contábil do Bem = Valor de Aquisição – Depreciação Acumulada =


15.000 – 9.100 ⇒
⇒ Valor Contábil do Bem = 5.900

IV – Venda sem causar ganhos nem perdas: Valor da Venda = Valor Contábil
do Bem
Valor da Venda = 5.900
GABARITO: A

11.(ENAP-Contador-2006-Esaf) A empresa Sem Mércio S/A, em 2005,


mantinha a conta Máquinas e Equipamentos representando três máquinas em
utilização na empresa. A primeira delas, máquina Alfa, foi adquirida por R$
6.000,00 e tem vida útil de 8 anos, iniciada em agosto de 2002. A segunda,
máquina Beta, foi adquirida por R$ 4.000,00 e tem vida útil de 10 anos,
iniciada em abril de 2003. A terceira, máquina Celta, também com vida útil de
10 anos, iniciada em outubro de 2004, foi adquirida por R$ 10.000,00. A
empresa faz a apropriação das despesas com desgaste dos bens em
lançamentos anuais, pelo método da linha reta. Sobre a máquina Celta é
mantido um valor residual de 15% de seu custo histórico, visando a uma
possível reintegração, enquanto que a máquina Alfa foi baixada do ativo
imobilizado, por alienação. Ao elaborar as demonstrações relativas ao exercício
de 2005, encerrado em 31 de dezembro, a Contabilidade apresentou
depreciação acumulada no valor de

a) R$ 4.725,00.
b) R$ 3.662,50.
c) R$ 2.350,00.
d) R$ 2.262,50.
e) R$ 2.162,50.

Resolução

Máquinas e Equipamentos:
Máquina Alfa = R$ 6.000,00 (vida útil = 8 anos, iniciada em agosto de 2002);
Máquina Beta = R$ 4.000,00 (vida útil = 10 anos, iniciada em abril de 2003);
Máquina Celta = R$ 10.000,00 (vida útil = 10 anos, iniciada em outubro de
2004)
Depreciação: Método da linha reta.

Máquina Celta: valor residual de 15%

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 76


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Máquina Alfa: baixada do ativo imobilizado (ativo não circulante), por
alienação.

Depreciação Acumulada em 31/12/2005 = ?

I – Máquina Alfa:
(i) Período de Depreciação: De agosto/2002 a dezembro/2005 = 3 anos e 5
meses ⇒
⇒ Período de Depreciação = 3 anos + 5/12 ano = 3,42 anos

(ii) Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil do Bem = 1/8 ao ano

(iii) Depreciação Acumulada (Alfa) = 6.000 x 1/8 x 3,42 = 2.562,50

(iv) Esta máquina foi baixada do Ativo Não Circulante Imobilizado por
alienação. Logo, a conta Depreciação Acumulada foi encerrada para calcular o
valor contábil da máquina, de acordo com o seguinte lançamento:

Depreciação Acumulada – Alfa (ANC - Imobilizado – Conta Retificadora) a


Máquinas e Equipamentos – máquina Alfa (ANC - Imobilizado) 2.562,50

II – Máquina Beta:
(i) Período de Depreciação: De abril/2003 a dezembro/2005 = 2 anos e 9
meses ⇒
⇒ Período de Depreciação = 2 anos + 9/12 ano = 2,75 anos

(ii) Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil do Bem = 1/10 = 0,1 = 10% a a

(iii) Depreciação Acumulada (Beta) = 4.000 x 0,1 x 2,75 = 1.100

III – Máquina Celta:


(i) Período de Depreciação: De outubro/2004 a dezembro/2005 = 1 ano e 3
meses ⇒
⇒ Período de Depreciação = 1 ano + 3/12 ano = 1,25 ano

(ii) Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil do Bem = 1/10 = 0,1 = 10% a a

(iii) Valor Residual = 15% x 10.000 = 1.500

(iv) Valor utilizado no cálculo da depreciação = 10.000 – 1.500 = 8.500

(v) Depreciação Acumulada (Celta) = 8.500 x 0,1 x 1,25 = 1.062,50

IV – Determinação da Depreciação Acumulada Total:


Depreciação Acumulada Total = Depreciação Acumulada (Beta + Celta) ⇒
⇒ Depreciação Acumulada Total = 1.100 + 1.062,50 = R$ 2.162,50
GABARITO: E

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 77


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
12.(IRB-2006-Esaf) Possuindo, há três anos e meio, uma máquina comprada
por R$ 120.000,00 e depreciada com base linear em vida útil de 5 anos e valor
residual de 20%, a empresa Onetwoelen S/A, promoveu sua alienação, a
prazo, logrando obter margem bruta de lucro de 25%. Observando as
informações acima, pode-se dizer que a empresa obteve, nesta operação de
venda, um lucro no valor de

a) R$ 17.600,00.
b) R$ 13.200,00.
c) R$ 12.000,00.
d) R$ 9.600,00.
e) R$ 7.200,00.

Resolução

Máquina = R$ 120.000,00
Tempo de uso = 3,5 anos
Depreciação Linear
Vida Útil = 5 anos
Valor Residual = 20%
Margem Bruta de Lucro na alienação = 25%

I – Valor Residual = 20% x 120.000 = 24.000;


II – Base de Cálculo da Depreciação = 120.000 – 24.000 = 96.000;
III – Depreciação Linear (Vida Útil = 5 anos) ⇒ Taxa de Depreciação = 1/5 =
20% ao ano;

IV – Depreciação Acumulada = 3,5 anos x 20% ao ano x 96.000 = 67.200

V – Valor Contábil da Máquina = 120.000 – 67.200 = 52.800

VI – Margem Bruta de Lucro na Alienação = 25% ⇒


⇒ Preço de Venda – Valor Contábil = 0,25 x Preço de Venda ⇒
⇒ 0,75 x Preço de Venda = Valor Contábil ⇒
⇒ Preço de Venda = 52.800/0,75 = 70.400

VII – Lucro na Alienação = 70.400 – 52.800 = 17.600


GABARITO: A

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 78


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
13.(IRB-2006-Esaf) A empresa Almeiderson S/A adquiriu por R$ 67.500,00
um equipamento industrial que, em junho de 2002, incorporou a seu ativo
imobilizado, estimando sua vida útil em dez anos, desde que sobrasse um
valor residual de 20% do custo de aquisição. Se a empresa utiliza o método
da linha reta para depreciar tal equipamento, em 31 de dezembro de 2005
ele deverá apresentar valor contábil de

a) R$ 35.100,00.
b) R$ 43.875,00.
c) R$ 48.600,00.
d) R$ 54.000,00.
e) R$ 67.500,00.

Resolução

Equipamento Industrial = R$ 67.500,00 (incorporado ao ativo imobilizado


em junho de 2002)
Vida Útil = 10 anos
Valor Residual = 20% do custo de aquisição
Depreciação = método da linha reta
Valor contábil em 31/12/2005 = ?

I – Valor Residual = 20% x 67.500 = 13.500;

II – Base de Cálculo da Depreciação = 67.500 – 13.500 = 54.000;

III – Depreciação Linear (Vida Útil = 10 anos) ⇒ Taxa de Depreciação = 1/10


= 10% ao ano;

IV – Período de tempo entre a aquisição (junho/2002) e o dia 31/12/2005

a. De junho/2002 a dezembro/2002 = 7 meses = 7/12 ano = 0,583 ano


b. De janeiro/2003 a dezembro/2003 = 1 ano;
c. De janeiro/2004 a dezembro/2004 = 1 ano; e
d. De janeiro/2005 a dezembro/2005 = 1 ano.
Total em Anos = 0,583 + 1 + 1 + 1 = 3,58 anos.

IV – Depreciação Acumulada = 3,58 anos x 10% ao ano x 54.000 = 19.350

V – Valor Contábil da M áquina = 67.500 – 19.350 = 48.150 (não há re-


sposta correta. A resposta que mais se aproxima é a alternativa “c”)
GABARITO: C

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 79


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(Auditor-FUB-2009-Cespe)
14. As perdas prováveis na realização de valores ativos e a diminuição de
importâncias que exprimam bens imobilizados, sejam tangíveis ou intangíveis,
devem ser posicionadas como elementos de retificação no momento em que se
elaboram e se apresentam as demonstrações financeiras.

Resolução

São contas retificadoras do ativo (logo, possuem natureza credora), entre


outras:

1. Perdas prováveis na realização de ativos: - Provisão p/


Ajuste ao Valor de Mercado; - Provisão p/ Créditos de
Liquidação Duvidosa; - Provisão p/ Perdas Prováveis na
Realização de Investimentos;

2. Diminuição de importâncias que exprimam bens do ativo não circulante


(nova denominação dada pela Lei no 11.941/09): - Depreciação Acumulada;
- Amortização Acumulada; e
- Exaustão Acumulada.

Portanto, o item está CORRETO.


GABARITO: Certo

15.(TRT–2R–Analista Judiciário-Área Contabilidade–2008–FCC) No que


tange às provisões contábeis, analise:

I. Todas as contas representativas de provisões têm saldo credor.


II. As provisões devem ser constituídas pela sociedade comercial em
obediência ao princípio contábil da entidade.
III. Todas as contas representativas de provisões são classificadas no Passivo
Exigível.
IV. A contrapartida devedora da constituição de uma provisão é sempre uma
conta de despesa.

É correto o que consta APENAS em

(A) I e II.
(B) I e IV.
(C) II e III.
(D) II e IV.
(E) III e IV.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 80


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Resolução

Vamos analisar as alternativas:

I. Todas as contas representativas de provisões têm saldo credor.


Provisões ⇒ tem sempre saldo credor. A alternativa está CORRETA.

II. As provisões devem ser constituídas pela sociedade comercial em


obediência ao princípio contábil da entidade.
As provisões devem ser constituídas pela sociedade comercial em obediência
ao princípio contábil da prudência. A alternativa está INCORRETA.

III. Todas as contas representativas de provisões são classificadas no Passivo


Exigível.
As contas representativas de provisões são classificadas no Ativo ou no Passivo
Exigível. A alternativa está INCORRETA.

IV. A contrapartida devedora da constituição de uma provisão é sempre uma


conta de despesa.
Constituição da Provisão:

Despesa com Provisão (Despesa)


a Provisão
A alternativa está CORRETA.
GABARITO: B

16.(Contador Júnior-Companhia Potiguar de Gás-2006-FGV)


Determinada empresa mercantil vendeu mercadorias a prazo (por $
100.000,00) para diversos clientes, durante o mês de julho/2006. Essas
duplicatas vencem em janeiro/2007. Considerando que o departamento
financeiro estima que a probabilidade de esses clientes não honrarem suas
dívidas seja de 10%, determine o valor e a classificação da Provisão para
Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD).

(a) Deve-se contabilizar a PCLD no valor de $ 10.000,00, como retificadora do


Ativo Circulante.
(b) Não se deve contabilizar a PCLD, porque 10% não são relevantes.
(c) Não se deve contabilizar a PCLD, porque não é mais dedutível do Imposto
de Renda.
(d) Deve-se contabilizar a PCLD no valor de $ 10.000,00, sendo $ 5.000,00
como retificadora do Ativo Circulante e $ 5.000,00 como retificadora do
Realizável a Longo Prazo.
(e) Deve-se contabilizar a PCLD no valor de $ 10.000,00, como retificadora do
Realizável a Longo Prazo.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 81


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Resolução

Valor das Vendas das Mercadorias a Prazo = 100.000 (repare as vendas


foram realizadas em julho/2006 e as Duplicatas a Receber serão
pagas em janeiro/2007, ou seja, antes do término do exercício seguinte,
devendo ser classificadas no Ativo Circulante).

Probabilidade dos clientes não honrarem as dívidas = 10% Logo, a


Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa será de: Provisão para
Créditos de Liquidação Duvidosa = 10% x 100.000 = 10.000

Lançamento:
Despesa com Provisão (Despesa)
a Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante -
Retificadora) 10.000
GABARITO: A

17. (Auditor-Fiscal Tributário M unicipal–SP–2007–FCC-Adaptada)


É uma conta redutora do Ativo Não Circulante a provisão

(A) para créditos de liquidação duvidosa.


(B) de ajuste de bens ao valor de mercado.
(C) para perdas prováveis na alienação de investimentos.
(D) para férias.
(E) para contingências.

Resolução

Provisão para créditos de liquidação duvidosa ⇒ redutora do AC


Provisão de ajuste de bens ao valor de mercado ⇒ redutora do AC
Provisão para perdas prováveis na alienação de investimentos ⇒
redutora do ANC
Provisão para férias ⇒ PC
Provisão para contingências ⇒ PC
GABARITO: C

18.(Auditor-Fiscal Tributário Municipal–SP–2007–FCC) A Cia. Iguaçu


alienou em 31.01.2006, uma máquina de seu Ativo Imobilizado por R$
49.500,00. A máquina havia sido adquirida em 15.09.2001 por R$ 77.000,00 e
colocada imediatamente em funcionamento nas atividades operacionais da
companhia. O valor residual da máquina foi estimado em R$ 5.000,00.
Sabendo-se que a sociedade adota a taxa de depreciação linear de 10% ao
ano, lançada mensalmente, foi auferido na operação um ganho de capital de,
em R$:

(A) 4.300,00
(B) 4.900,00
(C) 5.500,00
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 82
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(D) 9.300,00
(E) 9.900,00

Resolução

Cia. Iguaçu:
Alienou uma máquina do Ativo Imobilizado ⇒ Valor da Alienação = 49.500
Data da Alienação = 31/01/2006
Data da aquisição = 15/09/2001 (colocada imediatamente em funcionamento)
Custo de aquisição = 77.000
Valor Residual = 5.000
Taxa de Depreciação Linear = 10% ao ano

I – Cálculo da Depreciação Acumulada:

Período:
De set/2001 a dez/2001 ⇒ 4 meses
De 2002 a 2005 ⇒ 4 anos
Jan/2006 ⇒ 1 mês
Período Total = 4 anos e 5 meses = 4 + 5/12 = 53/12 anos

Base de Cálculo = Custo de Aquisição – Valor Residual

Depreciação Acumulada = Taxa x Período x Base de Cálculo


Depreciação Acumulada = 10% x 53/12 x (77.000 – 5.000) = 31.800

II – Cálculo do Ganho de Capital:

Valor Contábil = Custo de Aquisição – Depreciação Acumulada ⇒


⇒ Valor Contábil = 77.000 – 31.800 = 45.200
Ganho de Capital = Valor da Alienação – Valor Contábil = 49.500 – 45.200
⇒ Ganho de Capital = 4.300
GABARITO: A

19.(PGE–RJ–Análise Contábil–2009–FCC) A depreciação é um


procedimento contábil que visa a

(A) apurar o resultado na alienação dos bens depreciáveis.


(B) recompor o valor histórico do imobilizado.
(C) registrar a baixa dos bens sujeitos à depreciação, quando da alienação.
(D) distribuir o custo dos bens sujeitos à depreciação pelo período de sua vida
útil.
(E) apurar o resultado quando da baixa por obsolescência do imobilizado.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 83


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Resolução

A depreciação é um procedimento contábil que visa a distribuir o custo


dos bens sujeitos à depreciação pelo período de sua vida útil.
GABARITO: D

20.(Infraero–Técnico em Contabilidade–2009–FCC) Uma empresa


industrial adquiriu uma máquina no mês de abril de 2008, cujo custo total de
aquisição foi de R$ 360.000,00. Sabendo-se que a máquina começou a ser
utilizada para fabricação dos produtos da empresa no próprio mês de
aquisição e que sua vida útil estimada é de dez anos, o valor da despesa de
depreciação relativo ao equipamento em questão no ano de 2008 será, em R$,

(A) 24.000,00
(B) 27.000,00
(C) 28.500,00
(D) 30.000,00
(E) 36.000,00

Resolução

Empresa Industrial: Adquiriu uma Máquina =


360.000 (abril de 2008) Começou a ser utilizada no
próprio mês de aquisição Vida Útil = 10 anos

Taxa de Depreciação = 1/10 anos = 10% ao ano Período = de abril/


2008 a dez/2008 = 9 meses = 9/12 = 0,75 ano

Despesa com Depreciação (2008) = Taxa x Período x Base de Cálculo



⇒ Despesa com Depreciação (2008) = 10% x 0,75 x 360.000 ⇒
⇒ Despesa com Depreciação (2008) = 27.000
GABARITO: B

21.(Analista Legislativo-Contabilidade-Senado-2008-FGV) A Companhia


Z apresentava os seguintes saldos das contas patrimoniais em 31/12/X0:

Caixa: 50.000;
Provisão para Riscos de Contingências: 10.000;
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa: 15.000;
Contas a Receber 80.000;
Reserva de Lucros: 45.000;
Contas a pagar: 18.000;
Estoques: 100.000;
Despesas Antecipadas: 20.000.

Considerando que todas as contas serão realizadas dentro de um ano, o valor


do Ativo Circulante, em 31/12/X0, é de:
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 84
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(A) 235.000.
(B) 250.000.
(C) 245.000.
(D) 225.000.
(E) 260.000.

Resolução

Ativo Circulante
Caixa 50.000
Contas a Receber 80.000
(-) Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (15.000)
Estoques 100.000
Despesas Antecipadas 20.000
Total do Ativo Circulante 235.000

ATENÇÃO!!
Provisão para Riscos de Contingências ⇒ Passivo Circulante ou Passivo Não
Circulante
Reservas de Lucros ⇒ Patrimônio Líquido
GABARITO: A

22.(Fiscal de Rendas-RJ-2007-FGV) Josefa, Josefina e Josenalva


constituíram a empresa Netositter S/A, dedicada à prestação de serviços de
babysitter. Entre outros ativos, a empresa tinha um veículo que era utilizado
para o transporte das babás, o qual fora adquirido por R$ 38.000,00. No
último balanço patrimonial, apurado em 31/12/2006, o saldo da conta
Depreciação Acumulada desse veículo já evidenciava o valor de R$ 20.000,00.
Na respectiva Nota Explicativa, constava que tal ativo tinha sua vida útil
original estimada em 5 anos, ao final do qual se esperava valor residual de R$
9.000,00.

Em 01/10/2007, tal veículo foi vendido por R$ 15.000,00. Ignorando-se


qualquer tributo, a classificação e o valor do resultado auferido com a venda
do veículo são, respectivamente:

(a) operacional, R$ 1.350,00.


(b) operacional, R$ 2.700,00.
(c) operacional, R$ 5.700,00.
(d) não-operacional, R$ 1.350,00.
(e) não-operacional, R$ 2.700,00.

Resolução

Fórmulas importantes:
Depreciação = Taxa x Período x Base de Cálculo
Base de Cálculo = Custo de Aquisição – Valor Residual
Valor Contábil = Custo de Aquisição – Depreciação Acumulada
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 85
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Ganho de Capital: Valor Contábil < Valor da Alienação
Perda de Capital: Valor Contábil > Valor da Alienação

Vamos à resolução da questão:


Veículo = 38.000
Depreciação Acumulada em 31/12/2006 = 20.000
Vida Útil Estimada = 5 anos
Valor Residual = 9.000

I – Venda do Veículo em 01/10/2007, por R$ 15.000,00


I.1 – Cálculo da Depreciação Acumulada até 01/10/2007:
Depreciação Acumulada até 31/12/2006 = 20.000
Taxa de Depreciação = 1/5 anos = 20% ao ano
Despesas com Depreciação de 01/01/2007 até 01/10/2007:
Período = 9 meses

Base de Cálculo da Depreciação = Valor de Aquisição – Valor Residual


Base de Cálculo da Depreciação = 38.000 – 9.000 = 29.000

Despesas com Depreciação (2007) = 29.000 x 9/12 meses x 20% ao ano ⇒


⇒ Despesas com Depreciação (2007) = 4.350,00

Depreciação Acumulada (até 01/10/2007) = 20.000 + 4.350 = 24.350

I.2 – Cálculo do Valor Contábil do Veículo em 01/10/2007:


Valor Contábil do Veículo = Custo de Aquisição – Depreciação Acumulada ⇒
⇒ Valor Contábil do Veículo = 38.000 – 24.350 = 13.650

II.3 – Resultado auferido na venda do Veículo:

Valor da Venda 15.000 ⇒ Outras Receitas


(-) Valor Contábil do Veículo (13.650) ⇒ Outras Despesas
Ganho de Capital 1.350 (ex-resultado não operacional)
GABARITO: D

23.(Fiscal de Rendas-RJ-2010-FGV) A Cia Barra Mansa apresentava os


seguintes dados em relação ao seu Ativo Imobilizado: equipamentos – custo
R$10.000,00. Esses ativos entraram em operação em 01.01.2007 e têm vida
útil estimada em 5 anos, sendo depreciados pelo método linear. No início de
2010, a empresa procedeu a uma revisão dos valores, conforme previsto no
CPC 27, aprovado pelo CFC. Assim, constatou as seguintes informações:

Valor Justo R$ 4.500,00.


Valor Residual R$ 4.800,00.

Analisando as informações citadas, assinale a alternativa que indique


corretamente o tratamento contábil a ser seguido, a partir de 01.01.2010.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 86


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(A) A empresa deve manter a despesa de depreciação de R$ 2.000,00 ao ano.
(B) A empresa deve acelerar a despesa de depreciação uma vez que o valor
residual aumentou.
(C) A empresa deve suspender a despesa de depreciação uma vez que o valor
residual está maior que o valor contábil.
(D) A empresa deve suspender a despesa de depreciação uma vez que o valor
justo está maior que o valor contábil.
(E) A empresa deve acelerar a despesa de depreciação uma vez que o valor
justo aumentou.

Resolução

I – Cálculo da Depreciação Acumulada:


Data de Aquisição do Equipamento = 01/01/2007
Custo de Aquisição = R$ 10.000,00
Data do Cálculo = 01/01/2010
Período = 3 anos
Vida Útil Estimada = 5 anos
Taxa de Depreciação Anual = 1/Vida Útil = 1/5 = 20% ao ano

Depreciação Acumulada = Taxa x Período x Base de Cálculo ⇒


⇒ Depreciação Acumulada = 20% x 3 x 10.000 = 6.000

II – Cálculo do Valor Contábil do Equipamento:


Valor de Registro 10.000
(-) Depreciação Acumulada (6.000)
Valor Contábil do Equipamento 4.000

No início de 2010, a empresa procedeu a uma revisão dos valores. Como o


valor residual (R$ 4.800,00) é maior que o valor contábil, a empresa deve
suspender a despesa com depreciação.
GABARITO: C

24.(Técnico de Contabilidade–Petrobras–2008–Cesgranrio) A Usina


Cana Doce Ltda. adquiriu um trator, com vida útil estimada em 4 anos, em
30.09.2007, por R$ 345.600,00. Sabendo-se que o trator começou a ser
utilizado no dia seguinte, e que não foi determinado nenhum valor residual, o
total da depreciação do trator, lançado no exercício de 2007, encerrado em 31
de dezembro, em reais, foi

(A) 17.780,00
(B) 18.270,00
(C) 21.460,00
(D) 21.600,00
(E) 23.040,00

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 87


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Resolução

Usina Cana Doce Ltda.


Trator = R$ 345.600,00
Data de Aquisição = 30/09/2007
Vida útil estimada = 4 anos
Início da utilização = 01/10/2007
Valor Residual = 0

Depreciação = Taxa x Período x Base de Cálculo ⇒


⇒ Depreciação = (1/4 anos) x (3 meses/12 meses) x 345.600 ⇒
⇒ Depreciação = 21.600
GABARITO: D

25.(Técnico de Contabilidade–Petrobras–2008–Cesgranrio)Dentre os
itens abaixo, qual deve sofrer amortização?

(A) Obras civis


(B) Obras de arte
(C) Ferramentas
(D) Direito de exploração
(E) Direitos sobre recursos naturais

Resolução

Obras Civis ⇒ depreciação


Obras de Arte ⇒ não sofrem depreciação, nem amortização e nem exaustão
Ferramentas ⇒ não sofrem depreciação, nem amortização e nem exaustão
Direito de Exploração ⇒ amortização
Direito sobre recursos naturais ⇒ exaustão
GABARITO: D

26.(ICMS-RN-2005-Esaf) A firma Linhas de Comércio Ltda. tem no livro


razão uma conta intitulada “Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa”
com saldo credor de R$ 9.000,00, oriundo do balanço patrimonial de 2002,
mas que permanece inalterado ao final do exercício de 2003. No balanço
patrimonial, que será elaborado com data de 31.12.03, a empresa deverá
demonstrar as contas “Duplicatas a Receber” e “Clientes”, com saldo devedor
de R$ 350 mil e R$ 200 mil, respectivamente. Considerando-se que está
comprovada a expectativa de perda provável de 3% dos créditos a receber, a
empresa deverá contabilizar uma provisão. Este fato, aliado às outras
informações constantes do enunciado, fará com que o lucro da empresa,
referente ao exercício de 2003, seja reduzido no valor de

(a) R$ 7.500,00.
(b) R$ 9.000,00.
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 88
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
(c) R$ 16.290,00.
(d) R$ 16.500,00.
(e) R$ 25.500,00.

Resolução

Empresa: Linhas de Comércio Ltda


Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa = R$ 9.000,00 (balanço
patrimonial de 2002, mas que permanece inalterado ao final do exercício de
2003).
Balanço Patrimonial (31.12.03)
Duplicatas a Receber = R$ 350 mil
Clientes = R$ 200 mil
Comprovada a expectativa de perda provável de 3% dos créditos a receber
Contabilizar uma provisão
Lucro da empresa, referente ao exercício de 2003, será reduzido no valor de =
?

I – Cálculo da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa em 31/12/2003:


Base de Cálculo da Provisão = Duplicatas a Receber + Clientes = 350.000 +
200.000 ⇒
⇒ Base de Cálculo da Provisão = 550.000

Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa = 3% x Base de Cálculo = 3%


x 550.000 ⇒
⇒ Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa = 16.500

II – Como o saldo credor não foi utilizado, faremos, inicialmente, a reversão da


provisão:

Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante)


a Reversão da Provisão (Receita) 9.000

III – Constituição da provisão em 31/12/2003:

Despesas com Provisões (Despesa)


a Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante) 16.500

IV – Apuração do resultado em 31/12/2003 (somente em relação à provisão):

Reversão da Provisão (Receita) 9.000


(-) Despesas com Provisões (Despesa) (16.500)
Redução do lucro 7.500

Logo, haverá uma redução do lucro do exercício, em virtude desta provisão, no


valor de R$ 7.500,00.
GABARITO: A

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 89


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
27.(AFC-CGU-2004-Esaf) O nosso Ativo Imobilizado consta apenas de
Equipamento adquirido por R$ 60.000,00, em abril de 2002, e Veículo
comprado em julho do mesmo ano, por R$ 45.000,00, com utilização imediata.
Para fins de apropriar o desgaste físico, nós consideramos a vida útil de 10
anos e 5 anos, respectivamente, com valor residual de 20%. O encargo de
depreciação contabilizado no exercício social de aquisição (2002) foi no valor
de

(a) R$ 4.500,00
(b) R$ 6.600,00
(c) R$ 7.200,00
(d) R$ 8.400,00
(e) R$ 12.500,00

Resolução

Ativo Imobilizado (Ativo Não Circulante – Imobilizado)


Equipamento = R$ 60.000,00 (adquirido em abril de 2002) – Vida Útil = 10
anos
Veículo = R$ 45.000,00 (adquirido em julho de 2002) – Vida Útil = 5 anos
Valor residual = 20%
Encargos de Depreciação em 2002 = ?

I – Cálculo da Taxa de Depreciação:


Taxa de Depreciação (Equipamento) = 1/Vida Útil = 1/10 anos = 0,1 ao ano
Taxa de Depreciação (Veículo) = 1/Vida Útil = 1/5 anos = 0,2 ao ano

II – Determinação da Base de Cálculo:


Base de Cálculo (Equipamento) = Valor de Aquisição – Valor Residual ⇒
⇒ Base de Cálculo (Equipamento) = Valor de Aquisição – 20% x Valor de
Aquisição ⇒
⇒ Base de Cálculo (Equipamento) = 80% x Valor de Aquisição = 0,8 x 60.000
⇒ Base de Cálculo (Equipamento) = 48.000

Base de Cálculo (Veículo) = Valor de Aquisição – Valor Residual ⇒


⇒ Base de Cálculo (Veículo) = Valor de Aquisição – 20% x Valor de Aquisição
⇒ Base de Cálculo (Veículo) = 80% x Valor de Aquisição = 0,8 x 45.000 ⇒
⇒ Base de Cálculo (Veículo) = 36.000

III – Cálculo dos Encargos de Depreciação em 2002:

Período Total (Equipamento) = de abril/2002 a dezembro/2002 = 9 meses =


9/12 ano ⇒
⇒ Período Total (Equipamento) = 3/4 ano = 0,75 ano

Período Total (Veículo) = de julho/2002 a dezembro/2002 = 6 meses = 6/12


ano = 0,5 ano

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 90


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Encargos de Dep. (Equipamento) = Taxa de Depreciação x Período x Base
de Cálculo ⇒
⇒ Encargos de Depreciação (Equipamento) = 0,1 x 0,75 x 48.000 = 3.600

Encargos de Dep. (Veículo) = Taxa de Depreciação x Período x Base de


Cálculo ⇒ Encargos de Depreciação (Veículo) = 0,2 x 0,5 x 36.000 = 3.600

Encargos de Depreciação (2002) = 3.600 + 3.600 =


7.200 GABARITO: C

28.(AFRF-2003-Esaf) Ao examinarmos a carteira de cobrança da empresa


Gaveteiro S/A., encontramos diversas duplicatas a receber, algumas ainda a
vencer, no valor de R$ 120.000,00; outras já vencidas, no valor de R$
112.000,00; mais algumas em fase de cobrança, já protestadas, no valor de
R$ 111.000,00 e outras descontadas em Bancos, no valor de R$ 98.000,00.
Também havia uma Provisão para Créditos Incobráveis com saldo credor de R$
4.000,00. Pelo conhecimento que temos da empresa e de sua carteira de
cobrança, sabemos que a experiência de perda com esses créditos tem sido
de cerca de 4%, sendo correto um provisionamento deste porte. Feitas
as provisões e contabilizadas corretamente, com base em 4% dos
devedores duvidosos, é correto dizer que a Demonstração do Resultado
do Exercício conterá como despesa dessa natureza o valor de

(a) R$ 9.720,00
(b) R$ 9.640,00
(c) R$ 8.760,00
(d) R$ 5.800,00
(e) R$ 5.280,00

Resolução

Empresa Gaveteiro S/A


Duplicatas a receber:
- Duplicatas a Vencer = R$ 120.000,00; -
Duplicatas Vencidas = R$ 112.000,00; -
Duplicatas Protestadas = R$ 111.000,00;
- Duplicatas Descontadas = R$ 98.000,00.
Provisão p/ Créditos Incobráveis = saldo credor de R$
4.000,00. Perda com esses créditos = estimada em 4%

Provisão p/ Créditos Incobráveis = ?

I – Determinação da Base de Cálculo da Provisão p/ Créditos Incobráveis:

Duplicatas a Receber a Vencer 120.000


Duplicatas a Receber Vencidas 112.000
Duplicatas Protestadas 111.000
Base de Cálculo da Provisão p/ Créditos Incobráveis 343.000
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 91
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Nota: Duplicatas Protestadas (Ativo Circulante) também são duplicatas
a receber que não foram pagas no vencimento e foram protestadas
pela empresa. Portanto, também fazem parte da base de cálculo da
“Provisão p/ Créditos Incobráveis”.

Provisão p/ Créditos Incobráveis = 4% x 343.000 = 13.720

Como já havia um saldo credor de R$ 4.000,00 na conta Provisão p/ Créditos


Incobráveis, o valor da despesa com essa Provisão no exercício será de R$
9.720,00 (R$ 13.720,00 – R$ 4.000,00).

Lançamento: Despesa com Provisão p/ Créditos Incobráveis


a Provisão p/ Créditos Incobráveis 9.720

Nota: Repare, que, apesar de a questão não falar, utilizou o método da


complementação para a constituição da provisão, não fazendo a
reversão da provisão do ano anterior antes de constituir a provisão
para o ano seguinte.
GABARITO: A

29.(AFRF-2003-Esaf) A máquina ALFA foi comprada por R$ 130.000,00 em


01/10/2001 e a máquina BETA foi comprada pelo mesmo preço, em
01/04/2002. Ambas as máquinas têm durabilidade igual: deverão ser usadas
durante dez anos. O desgaste físico desses bens deverá ter contabilização
anual. Assim sendo, na Demonstração de Resultado do Exercício de 2002,
elaborada em 31.12.02, constarão Encargos de Depreciação no valor de

(a) R$ 3.250,00, referente à máquina BETA.


(b) R$ 9.750,00, referente à máquina ALFA.
(c) R$ 13.000,00, referente à máquina BETA.
(d) R$ 16.250,00, referente à máquina ALFA.
(e) R$ 22.750,00, referente a ambas as máquinas.

Resolução

Máquina ALFA: Valor de Aquisição = R$ 130.000,00 em 01/10/2001;


Máquina BETA: Valor de Aquisição = R$ 130.000,00, em 01/04/2002.

Vida Útil das Máquinas = 10 anos (desgaste físico desses bens deverá ter
contabilização anual)

Demonstração de Resultado do Exercício de 2002: Encargos de Depreciação =


?

I – Determinação da Taxa de Depreciação:


Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil = 1/10 anos = 0,1 = 10% ao ano

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 92


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
II – Determinação dos Encargos de Depreciação em 2002:

I.1 – Máquina ALFA: adquirida em 01/10/2001


Período = jan/2002 a dez/2002 = 1 ano

Base de Cálculo = Valor de Aquisição = 130.000

Encargos de Depreciação (ALFA) = Taxa x Período x Base de Cálculo ⇒


⇒ Encargos de Depreciação (ALFA) = 10% x 1 ano x 130.000 = 13.000

I.2 – Maquina BETA: adquirida em 01/04/2002


Período = abril/2002 a dez/2002 = 9 meses = 9/12 ano =3/4 ano = 0,75 ano

Base de Cálculo = Valor de Aquisição = 130.000

Encargos de Depreciação (BETA) = Taxa x Período x Base de Cálculo ⇒


⇒ Encargos de Depreciação (BETA) = 10% x 0,75 ano x 130.000 = 9.750

I.3 – Encargos de Depreciação em 2002:

Enc. Depreciação (2002) = Enc. Depreciação (ALFA) + Enc. Depreciação


(BETA) ⇒
⇒ Enc. Depreciação (2002) = 13.000 + 9.750 = 22.750
GABARITO: E

30.(ICMS-MG-2005-Esaf) A empresa ACD Ltda., em 31/12/x4 tinha valores


a receber com saldo no valor de R$ 27.000,00 e mandou fazer provisão para
créditos de liquidação duvidosa no valor de R$ 810,00. Durante o exercício
de x5 a empresa recebeu e deu quitação a 60% desses créditos e mandou
dar baixa, por não recebimento, nos outros 40%. Ao findar o ano com
novos saldos no valor de R$ 42.000,00, a empresa adotou procedimento
igual ao anterior, mandando provisionar seus créditos para fins de balanço.
Com base nessas informações, podemos dizer que a contabilização da
provisão para créditos de liquidação duvidosa, referente ao exercício de
2005, provocará na Demonstração do Resultado do Exercício uma redução
do lucro final no valor de

(a) R$ 774,00
(b) R$ 1.746,00
(c) R$ 450,00
(d) R$ 1.260,00
(e) R$ 936,00

Resolução

Empresa: ACD Ltda. 31/12/x4: Valores a


Receber = R$ 27.000,00
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa = R$ 810,00.
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 93
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Exercício de x5: a empresa recebeu e deu quitação a 60% desses créditos e
mandou dar baixa, por não recebimento, nos outros 40%.

31/12/x5: Valores a Receber = R$ 42.000,00


A empresa adotou procedimento igual ao anterior, mandando
provisionar seus créditos para fins de balanço.

Contabilização da provisão para créditos de liquidação duvidosa, referente ao


exercício de 2005, provocará na Demonstração do Resultado do Exercício uma
redução do lucro final no valor de = ?

I – Cálculo do percentual adotado pela empresa para a Provisão para Créditos


de Liquidação Duvidosa (PDD):

Em 31/12/x4:
Percentual = PDD/ Valores a Receber = 810/27.000 = 0,03 = 3%

Lançamento:
Despesas com Provisão (Despesa)
a Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante- Retificadora)
810

II – Lançamentos no Exercício de x5:


Quitação de 60% da Provisão = 60% x 810 = 486

Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante)


a Reversão de Provisão (Receita) 486

Perda Consumada de 40% (empresa mandou dar baixa) = 40% x 810 = 324

Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante)


a Duplicatas a Receber (Ativo Circulante) 324

Final de x5: Valores a Receber = 42.000

Cálculo da Provisão em x5:


Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa = 3% x 42.000 = 1.260

Despesas com Provisão (Despesa)


a Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante- Retificadora)
1.260

IV – Cálculo da redução do Lucro final em x5 pela contabilização da PDD:


Redução no Lucro = Despesa com Provisão = R$ 1.260,00
GABARITO: D

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 94


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
31.(ICMS-RN-2005-Esaf) Considere os seguintes dados e informações sobre
determinado bem de uso.

•valor de mercado na data da compra R$ 25.000,00


•valor de mercado em 31/12/2004 R$ 21.000,00
•valor de aquisição R$ 20.000,00
•valor residual estimado R$ 2.000,00
•data de aquisição 01/07/2003
•vida útil estimada: cinco anos
•data de encerramento de exercício social 31 de dezembro

No exercício de 2004 o aludido bem de uso vai gerar encargos de depreciação


no valor de

(a) R$ 5.400,00.
(b) R$ 5.000,00.
(c) R$ 4.000,00.
(d) R$ 3.600,00.
(e) R$ 1.800,00.

Resolução

I – Cálculo da Taxa de Depreciação:


Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil = 1/5 anos = 0,2 = 20%

II – Determinação da Base de Cálculo da Depreciação:


Valor de Aquisição = 20.000
Valor Residual = 2.000

Base de Cálculo = Valor de Aquisição – Valor Residual = 20.000 – 2.000 =


18.000

III – Cálculo dos Encargos de Depreciação em 2004: Como o bem foi adquirido
em 2003, considera-se, para fins de depreciação, todo o ano de 2004.

Encargos de Depreciação = Taxa de Depreciação x Base de Cálculo ⇒


⇒ Encargos de Depreciação = 20% x 18.000 = 3.600

ATENÇÃO!!!
Nota: Apesar de ter sido informado o valor de mercado do bem e
31/12/2004 (R$ 21.000,00), não que se falar em “Provisão para
Ajuste a Valor de Mercado”, que não é aplicável a bens do ativo não
circulante imobilizado, que sofrem depreciação.
GABARITO: D

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 95


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
32.(Técnico em Contabilidade–ANP–2008–CESGRANRIO) Ramos &
Ramos Ltda., empresa varejista de hortifrutigranjeiros, em geral, comprou por
R$ 200.000,00 um veículo para fazer a entrega de suas mercadorias aos
clientes. Passados 5 anos da aquisição, com o veículo totalmente depreciado,
a empresa deve

(a) arbitrar internamente um novo valor para o veículo e fazer a depreciação.


(b) manter o veículo no Ativo Permanente, com o valor simbólico de R$ 1,00.
(c) dar baixa no veículo, por estar totalmente depreciado.
(d) dar baixa no veículo somente quando ele for vendido.
(e) baixar o veículo quando este for tirado de circulação.

Resolução

Passados 5 (cinco) anos do período de aquisição do veículo, ou seja, com o


veículo totalmente depreciado, o valor contábil do bem será igual a zero (Valor
de Aquisição menos a Depreciação Acumulada). Contudo, este bem
continua no Ativo Não Circulante – Imobilizado (antigo Ativo
Permanente) da empresa, só devendo ser baixado quando for tirado de
circulação ou quando ele for vendido.

Portanto, as alternativas “a”, “b” e “c” estão incorretas. Além disso, o erro
da alternativa “d” é a palavra “somente”, visto que, como visto acima, o
veículo pode ser baixado quando tirado de circulação ou quando for vendido.
GABARITO: E

(Ministério Público de Roraima–Contador–2008–CESPE)


33. O registro da reversão da provisão para desvalorização de estoques
proporciona acréscimo ao resultado do exercício e débito no ativo circulante.

Resolução

Vamos relembrar o lançamento de reversão de provisão? Reversão da


Provisão para Ajuste dos Estoques ao Valor de Mercado:

Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado (Ativo Circ. – Retificadora)


a Reversão da Provisão (Receita)
O item está CORRETO.
GABARITO: Certo

Julgue os itens a seguir, relativos ao reflexo do registro das operações de uma


empresa em seu patrimônio.

34. A reversão da provisão para perda de investimentos proporciona


aumento na conta de investimentos, vinculada à provisão, e acréscimo ao
resultado do exercício do período.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 96


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Resolução

Reversão da Provisão para Perda de Investimentos:


Provisão para Perda de Investimentos (ANC – Invest. - Retificadora)
a Reversão da Provisão (Receita)

Não há aumento na conta investimentos, e sim no seu valor contábil, em


virtude da redução do saldo da Provisão. O valor contábil dos investimentos
seria:
Valor Contábil = Investimentos – Provisão para Perdas de Investimentos Logo,
o item está ERRADO.
GABARITO: Errado

35. O registro da amortização de itens do ativo proporciona redução do ativo


permanente diferido e, conseqüentemente, reduz o resultado do exercício.

Resolução

Vamos aprender os lançamentos nos casos de depreciação, amortização e


exaustão?

I – Constituição da Depreciação, Amortização ou Exaustão:


Despesas com Depreciação/Amortização/Exaustão a
Depreciação/Amortização/Exaustão Acumulada

No caso do item, temos uma amortização:


Despesas com Amortização (Despesa)
a Amortização Acumulada (ANC – Retificadora)

Nota: Após a publicação da MP no 449/08, convertida na Lei no 11.941/09, não


há mais o subgrupo Ativo Diferido no Balanço Patrimonial (mais detalhes serão
vistos em aula posterior).
O item está CORRETO.
GABARITO: Certo

36. O registro da provisão para créditos de liquidação duvidosa reduz o valor


do ativo, circulante ou realizável em longo prazo. Como conta retificadora
de ativo, o saldo dessa provisão é credor, e sua contrapartida é em
conta de resultado do exercício.

Resolução

Constituição da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa:


Despesas com Provisão (Despesa)
a Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (Ativo Circulante ou
ANC – Retificadora)
O item está CORRETO.
GABARITO: Certo
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 97
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior

(STF–Contador–2008-CESPE)
A respeito da constituição das provisões e dos seus reflexos na estrutura
patrimonial, julgue os itens a seguir.

37. O registro da provisão para desvalorização de estoques reduz tanto o


capital circulante líquido como o resultado do exercício.

Resolução

Neste item, há o conceito de capital circulante líquido (CCL):


CCL = Ativo Circulante – Passivo Circulante

Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado de Estoques:


Despesas com Provisões (Despesa) ⇒ reduz o resultado do exercício
a Provisão para Ajustes ao Valor de Mercado (Ativo Circulante –
Retificadora) ⇒ reduz o Capital Circulante Líquido

O item está CORRETO.


GABARITO: Certo

38. O registro da provisão para contingências judiciais aumenta o capital


circulante líquido e reduz o resultado do exercício. O pagamento das provisões
já contabilizadas não afetará o capital circulante líquido.

Resolução

I – Registro da Provisão para Contingências Judiciais:


Despesas com Provisão (Despesa) ⇒ reduz o resultado do exercício
a Provisão para Contingências Judiciais (Passivo Circulante) ⇒ reduz
o capital circulante líquido

II – Pagamento das provisões já contabilizadas:


Provisão para Contingências Judiciais (Passivo Circulante)
a Bancos (Ativo Circulante)

Como há uma diminuição do ativo circulante e uma diminuição do


passivo circulante de mesmo valor, não há alteração do Capital
Circulante Líquido (CCL = AC – PC). O item está ERRADO. GABARITO:
Errado

39. O registro da provisão para perda de investimentos afetará o saldo do


ativo permanente e também o saldo do resultado do exercício de maneira
negativa. O registro da perda de investimentos provisionada será a débito da
provisão para perda de investimentos e a crédito da conta de investimento.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 98


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Resolução

I – Registro da Provisão para Perdas de Investimentos:


Despesas com Provisões (Despesa) ⇒ reduz o resultado do exercício
a Provisão para Perdas de Investimentos (Ativo Não Circulante –
Investimentos - Retificadora) ⇒ reduz o saldo do ANC

II – Registro da Perda:
Provisão para Perdas de Investimentos (Ativo Não Circulante –
Investimentos - Retificadora)
a Investimento (Ativo Não Circulante – Investimentos)

O item está CORRETO.


GABARITO: Certo

(TST-Contador–2008–Cespe)
40. Na hipótese de ser provável uma perda resultante de processo trabalhista,
a empresa deverá constituir provisão para as contingências, se o valor for
conhecido, ou reserva de contingência, se o valor for calculável.

Resolução

Questão muito interessante, pois lida com dois conceitos muito cobrados em
provas de concursos: Provisão para as contingências e reserva de
contingências.

Vamos estudas os dois conceitos:

Reservas para Contingências (art. 195, da Lei no 6.404/76): A assembléia-


geral poderá, por proposta dos órgãos da administração, destinar parte do
lucro líquido à formação de reserva com a finalidade de compensar, em
exercício futuro, a diminuição do lucro decorrente de perda julgada
provável, cujo valor possa ser estimado.

Provisões para Contingências: se essa possibilidade existe e deve-se a


algum fato gerador contábil já ocorrido e, ainda, se o possível
desembolso ou perda de ativo pode ser razoavelmente mensurado em
reais, precisa ser contabilizado dentro do regime de competência, mediante
constituição de uma provisão, a débito do resultado, como a Provisão para
Garantias de Produtos Vendidos e a Provisão para Contingências Fiscais e
Trabalhistas.

Logo, na hipótese de perda provável resultante de processo trabalhista,


a empresa deverá constituir uma provisão para contingência, caso o
possível desembolso seja razoavelmente mensurado em reais.

A parte final da questão está totalmente errada, pois os motivos para a


constituição de Reservas de Contingências ou Provisão para
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 99
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Contingências não estão relacionados ao fato de o valor ser conhecido
ou calculável. O item está ERRADO.
GABARITO: Errado

41. Suponha que uma empresa constituía provisão para créditos de liquidação
duvidosa regularmente à base de 3% sobre o saldo das contas a receber. Com
o aumento da inadimplência no setor, resolveu aumentar esse percentual para
5%. Nesse caso, o contador da empresa procederá corretamente se lançar a
diferença de 2% como ajuste de exercícios anteriores por mudança de critério
contábil.

Resolução

Primeiramente, há que se ressaltar que a provisão para créditos de liquidação


duvidosa deve ser feita para cobrir as perdas estimadas na cobrança das
contas a receber, mas são indedutíveis na apuração do lucro real, de acordo
com Regulamento do Imposto de Renda.

Agora, para resolver a questão, precisamos esclarecer o conceito de “Mudança


de Critério Contábil”.

Quando a modificação de métodos ou critérios contábeis afetar a apuração do


lucro líquido do exercício, o efeito correspondente deverá ser lançado,
conforme o caso, a débito ou a crédito da conta “Lucros ou Prejuízos
Acumulados”.

Alguns exemplos de alterações de critérios contábeis são:

I - alteração do método de avaliação dos estoques;


II - passagem do regime de caixa para o de competência, na contabilização do
Imposto de Renda (e outros passivos);
III - mudança no método de avaliação dos investimentos (do método do custo
para o da equivalência patrimonial).

Além disso, a Lei das Sociedades por Ações estabeleceu que o lucro líquido no
ano não deve ser influenciado por efeitos que, na verdade, não pertencem ao
exercício, com o objetivo de que o resultado do ano reflita um valor que possa
ser utilizado para comparação com o de outros anos em bases semelhantes.

A Lei das Sociedades por Ações estabeleceu o critério de que o lucro líquido do
ano não deve estar influenciado por efeitos que, na verdade, não pertencem ao
exercício, para que o resultado do ano reflita um valor que possa ser
comparado com o de outros anos em bases similares. Ou seja, os valores
relativos a ajustes de exercícios anteriores deverão ser lançados diretamente
na conta “Lucros ou Prejuízos Acumulados”, sem alterar as receitas ou
despesas do ano, fato que pode ser observado no § 1o do art. 186 da Lei no
6.404/76, conforme abaixo:

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 100


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
“art. 186, § 1º. Como ajustes de exercícios anteriores serão considerados
apenas os decorrentes de efeitos de mudança de critério contábil, ou da
retificação de erro imputável a determinado exercício anterior, e que não
possam ser atribuídos a fatos subseqüentes.”

Contudo, no caso concreto da questão, não houve nenhuma mudança de


critério contábil que justificasse o ajuste de exercícios anteriores. O que
ocorreu foi o seguinte:

1) Ano 1: Provisão para créditos de liquidação duvidosa de


3%;

2) Ano 2: Com o aumento da inadimplência para 5%, a provisão para créditos


de liquidação duvidosa, a partir deste ano, deve ser no valor de 5% dos
créditos a receber, sem nenhuma alteração em relação à constituição
realizada no ano anterior.

Por isso, não há que se falar em ajuste de exercícios anteriores em função de


mudança de critério contábil. O item está ERRADO.
GABARITO: Errado

(Agente-Polícia Federal-2009-Cespe)
42 Suponha que uma empresa mineradora tenha adquirido os direitos de
exploração de uma mina por R$ 5 milhões, por meio de um contrato com
cinco anos de vigência. Nesse caso, após dois anos de exploração, se
tiverem sido extraídos 30% da possança da mina, o referido ativo,
classificado no imobilizado, deverá estar avaliado no balanço da empresa por
R$ 3 milhões.

Resolução

Aquisição dos Direitos de Exploração de uma Mina = 5.000.000


Contrato = 5 anos de vigência
Após dois anos
Extração = 30% da possança da mina
Classificado no imobilizado

Método 1: Exaustão em função do prazo de concessão


Custo da concessão = R$ 5.000.000,00
Prazo da concessão = 5 anos
Período = 2 anos
Taxa de Exaustão Anual = 1/5 anos = 20% ao ano Exaustão
Acumulada = Taxa x Período x Custo de Aquisição Exaustão
Acumulada = 20% x 2 x 5.000.000 = R$ 2.000.000,00

Método 2: Exaustão em função da relação entre a produção do período e a


possança conhecida da mina
Custo da Concessão = R$ 5.000.000,00 Extração = 30% da
possança da mina
Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 101
Exaustão Acumulada = 30% x 5.000.000 = R$
1.500.000,00
Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
A banca considerou o método da possança. Portanto, teríamos os seguintes
saldos no imobilizado:

Mina 5.000.000
(-) Exaustão (1.500.000)
Valor Contábil da Mina 3.500.000. O item está ERRADO.
GABARITO: Errado

Espero que tenha gostado desta aula. Até a próxima aula!

Bons estudos,

Moraes Junior
moraesjunior@pontodosconcursos.com.br

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 102


Curso Online - Contabilidade Geral e Avançada – Teoria e Exercícios
Curso Regular
Prof. Moraes Junior
Bibliografia

Lei das Sociedades Anônimas com as alterações trazidas pela Lei no 11.638/07
e pela MP no 449/08, convertida na Lei no 11.941/09.

Normas do Conselho Federal de Contabilidade (CFC). www.cfc.org.br

Normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). www.cvm.gov.br

RicardoJ. Contabilidade Avançada e Intermediária. Rio de Janeiro.


Editora Ferreira. 2004.

RicardoJ. Contabilidade Básica. 3a Edição. Rio de Janeiro. Editora


Ferreira. 2004.

FIPECAFI, Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações (aplicável as


demais sociedades) – Rumo às Normas Internacionais - Suplemento. 2a
Edição. São Paulo. Editora Atlas. 2009.

FIPECAFI, Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações (aplicável as


demais sociedades). 6a Edição. São Paulo. Editora Atlas. 2003.

IUDÍCIBUS, Sérgio de, Teoria da Contabilidade. 9a Edição. São Paulo. Editora


Atlas. 2009.

LUIZ FERRARI, Ed. Contabilidade Geral – Série Provas e Concursos. 5a Edição.


3a Tiragem. Elsevier Editora. 2005.

MORAESÿJUNIOR,ÿÿJayme. Contabilidade Geral. Rio de Janeiro. Elsevier


Editora. 2009.

MISSAGIA, Luiz Roberto e VELTER, Francisco. Contabilidade Avançada. 2a


Edição. Rio de Janeiro. Elsevier Editora. 2009.

MOURA RIBEIRO, Osni. Contabilidade Geral Fácil – Para cursos de


contabilidade e concursos em geral. 4a Edição. 4a Tiragem (2005). São Paulo.
Editora Saraiva. 2002.

ÿAntônioÿCésarÿValérioÿda. Contabilidade Avançada: Teoria e 300


a
questões. 2 Edição. Rio de Janeiro. Elsevier Editora. 2005.

VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez & NEVES, Silvério das. Contabilidade


Avançada e Análise das Demonstrações Financeiras. 12a Edição. São Paulo.
Editora Frase. 2003.

Prof. Jayme Moraes Junior www.pontodosconcurso s.com.br 103