Você está na página 1de 17

De acordo com a legislação pátria,

a) sempre que o autor de furto for primário, deverá sua conduta ser analisada como
“furto privilegiado”;
b) nos casos de furto de veículo automotor, o transporte deste para outro Estado é
circunstância impositiva de pena mais grave;
c) a extração de mineral em propriedade alheia, sem a competente autorização, não
caracteriza o crime de furto;
d) responderá por furto quem subtrair coisa alheia para pagar-se ou ressarcir-se de
prejuízos.

Antônio, durante a madrugada e mediante escalada, adentrou uma indústria de


roupas objetivando praticar a subtração de vestimentas lá fabricadas. No
momento em que se encontrava no interior do prédio, para realizar a subtração,
foi surpreendido por um guarda particular da firma que, de arma em punho, lhe
deu voz de prisão. Antônio, após se envolver em luta corporal com o guarda e
arrebatar-lhe a arma, com a mesma lhe deu uma coronhada na cabeça, ferindo-o
e, ato contínuo, fugiu do local sem
nada levar. Antônio, com sua conduta, deverá ser responsabilizado por:
a) tentativa de furto qualificado em concurso material com o delito de lesões corporais.
b) tentativa de roubo impróprio.
c) tentativa de roubo próprio.
d) tentativa de furto qualificado em concurso formal com o delito de lesões corporais.
e) tentativa de roubo impróprio em concurso material com o delito de lesões corporais.

Cabeça entrou em uma loja e, enquanto o amigo que o acompanhava distraía a


vítima (proprietária do estabelecimento), foi embora do local com vestimenta que
não lhe pertencia, não mais retornando. Cabeça. cometeu o crime de:
a) furto qualificado por fraude.
b) estelionato.
c) furto qualificado por destreza.
d) furto qualificado por abuso de confiança.
e) furto de uso.

Apresentando-se como interessado na aquisição de um automóvel e, a pretexto de


experimentá-lo, o réu obtém do dono as respectivas chaves para dar uma volta no
quarteirão. Entretanto, na sequência do planejado, desaparece com o veículo.
A tipificação jurídico-penal do caso é:
a) furto qualificado por abuso de confiança.
b) furto qualificado por destreza.
c) estelionato.
d) furto qualificado por fraude.

Suponha-se que um médico, ante iminente perigo de vida, pratique uma


intervenção cirúrgica arbitrariamente, ou seja, sem o consentimento do paciente
ou de seu representante legal. O comportamento deve ser considerado:
a) crime de lesão corporal culposa.
b) atípico.
c) crime de constrangimento ilegal.
d) crime de lesão corporal dolosa.
O fazendeiro Xarope. é surpreendido por fiscais da DRT mantendo trabalhadores
em trabalho de sol a sol, com breve descanso, no período — 10 minutos —, para
digerir pouca ração, que dos mesmos cobra, impedindo-os de sair do local de
trabalho. Ouvidos, os empregados consentem com esta situação, que, dizem,
assumiram a fim de que não ficassem desempregados:
a) Há cárcere privado.
b) Há redução a condição análoga à de escravo.
c) O consentimento dos ofendidos impede a caracterização de ilícito contra a liberdade.
d) Por estar o ilícito previsto em Tratado, ainda que pendente da aprovação parlamentar,
cabe seja reconhecido como crime.

Se o agente mantém a vítima em seu poder, sob ameaça de arma de fogo, durante e
como meio de execução de roubo, restringindo aí sua liberdade, ele comete:
a) concurso de roubo consumado e de sequestro consumado.
b) concurso de roubo tentado e de sequestro consumado.
c) um crime de roubo com três causas especiais de aumento de pena.
d) um crime de roubo com duas causas especiais de aumento de pena.
e) um crime de roubo com apenas uma causa de aumento de pena.

O agente que, invadindo um açougue de arma em punho, mata o proprietário e


fere gravemente a sua mulher (do açougueiro), ambos vitimados a tiros, sendo que
a mulher levou um balaço na cabeça, e depois foge com o dinheiro do caixa do
açougue, deve responder:

a) por um só latrocínio, já que se trata de patrimônio único (do casal), sobre o qual
incide a causa especial de aumento de pena do emprego de arma (CP, art. 157, § 2º, I).
b) por dois crimes, latrocínio (CP, art. 157, § 3º, segunda parte) e por roubo qualificado
pela lesão grave (CP, art. 157, § 3º, primeira parte), em concurso material.
c) por latrocínio e tentativa de latrocínio, em concurso formal, majorando-se a pena em
face do emprego de arma.
d) por um só latrocínio, servindo a pluralidade de vítimas como circunstância judicial na
dosimetria da pena.
e) por um latrocínio e por uma tentativa de homicídio qualificado pela conexão
teleológica, em continuidade delitiva.

João, objetivando subtrair o relógio de Manoel, aponta-lhe um revólver. Manoel,


assustado com o gesto ameaçador, permite que João lhe subtraia o relógio sendo,
logo em seguida, em decorrência da grave ameaça, acometido de intenso choque
nervoso, que o obriga a permanecer internado em um hospital por quarenta dias.
João com sua conduta, deverá ser responsabilizado por:
a) roubo qualificado pelo resultado lesão de natureza grave.
b) roubo agravado em concurso formal com delito de lesão corporal de natureza grave.
c) roubo agravado em concurso material com o delito de lesão corporal de natureza
grave.
d) furto qualificado em concurso formal com o delito de lesão corporal de natureza
grave.
e) furto qualificado em concurso material com o delito de lesão corporal de natureza
grave.
O agente despoja um motorista de seu carro e bens pessoais. Em seguida, sempre
sob ameaça de arma, coloca a vítima no interior do porta-malas do veículo, no qual
se afasta, deixando-a, horas depois, em estrada de outro município. O agente deve
responder por:
a) concurso material entre roubo e sequestro.
b) sequestro, que absorve o roubo, por ser este ante factum impunível.
c) roubo, que absorve o sequestro, por ser este post factum impunível.
d) roubo qualificado (art. 157, § 2º, V, do Código Penal).

O crime de extorsão mediante sequestro, em sua modalidade simples, está


consumado quando:
a) ocorre a obtenção da vantagem patrimonial pretendida pelos agentes.
b) a vítima é libertada ou morta após o pagamento do preço do resgate.
c) foi realizado o primeiro contato dos agentes, exigindo a vantagem patrimonial
indevida.
d) houver decorrido o prazo de vinte e quatro horas do sequestro.
e) a vítima é sequestrada.

Mévio, mediante arrombamento de uma janela, ingressa na residência de Remo e


subtrai algumas joias. Logo depois, ao se retirar com o produto do crime, é
surpreendido por Remo, que o aborda. Mévio, então, para não ser preso, mediante
socos e pontapés agride Remo, causando-lhe lesões corporais de natureza leve, e
foge. Entretanto, ao chegar na rua, Mévio é preso por vigilantes noturnos, que
para ali se dirigiram alertados pelo barulho e que conseguem recuperar o acervo
rapinado. Mévio responderá por:
a) furto simples em concurso com lesões corporais.
b) receptação.
c) tentativa de roubo próprio, já que não teve a posse tranquila do produto do crime.
d) roubo impróprio consumado.
e) furto qualificado pelo rompimento de obstáculo em concurso com lesões corporais.

O agente sequestra um menor, com a intenção de extorquir os pais dele, mas solta-
o ante o insucesso de obter o preço do resgate. Assinale a solução correta:
a) Crime de sequestro ou cárcere privado.
b) Arrependimento eficaz.
c) Desistência voluntária.
d) Crime consumado de extorsão mediante sequestro.

Em relação ao crime de roubo e suas modalidades, descritas no art. 157 do Código


Penal, assinale a alternativa correta:
a) o emprego de arma imprópria, como uma tesoura, não qualifica o crime.
b) a prática do crime em concurso com adolescente inimputável não implica
reconhecimento da qualificadora do concurso de agentes.
c) se, após a subtração, durante a fuga, atingida por disparo involuntário de um dos
agentes, uma das vítimas vem a falecer, apenas o autor do disparo responderá por
latrocínio.
d) subtraído o bem sem que a vítima se perceba, a ameaça proferida em seguida para
assegurar a subtração caracteriza o crime.
e) somente se consuma a infração quando o agente se locupleta com a subtração do
bem.
Não constitui causa de aumento de pena no crime de roubo:
a) o motivo torpe;
b) o concurso de duas ou mais pessoas;
c) o emprego de arma;
d) a restrição da liberdade da vítima;
e) a subtração de veículo que venha a ser transportado para outro Estado ou para o
exterior.

A e B, agindo de comum acordo, apontaram revólveres para C exigindo a entrega


de seus bens. Quando B encostou sua arma no corpo de C, este reagiu entrando em
luta corporal com A e B, recusando a entrega da “res furtiva”. Nesse entrevero, a
arma portada por B disparou e o projétil atingiu C, que veio a falecer, seguindo-se
a fuga de A e B, todavia, sem levar coisa alguma de C. Esse fato configura
a) roubo tentado e lesão corporal seguida de morte.
b) roubo tentado e homicídio consumado.
c) latrocínio.
d) homicídio consumado.

João e José combinam agredir Tião a tiros, para produzir-lhe lesões corporais de
natureza gravíssima, pela incapacitação permanente para o trabalho. Ambos se
postam de cada lado de uma rua e, quando o desafeto se aproxima, efetuam
disparos de arma de fogo contra o mesmo. Apenas um disparo acerta a vítima, que
vem a morrer. Ouvidos em juízo, João confessa ter, na hora, pretendido matar
Tião. José confessa ter previsto a ocorrência da morte de Tião, mas acreditou na
sua habilidade e na de João para apenas lesionar a vítima. A perícia não
identificou a arma da qual partiu o projétil que acertou a vítima:
a) ambos os concorrentes devem responder por um homicídio consumado;
b) ambos os concorrentes respondem por lesão corporal seguida de morte;
c) João responde por homicídio consumado e José por lesão consumada;
d) ocorrem tentativas de homicídio para João e lesão gravíssima para José;
e) ambos respondem por lesão corporal gravíssima consumada;

Paulo, vizinho de Maria, sabendo que a filha menor desta se encontra às portas da
morte, deixa de ministrar-lhe remédio salvador, que tinha em seu poder, visto que,
sendo desafeto da mãe da menor, quer vingar-se na filha, desejando que o pior lhe
aconteça. Dias depois, a menor vem a falecer. Face ao acontecido Paulo deverá
responder por:

a) homicídio simples, presente o dolo eventual;

b) omissão de socorro

c) homicídio qualificado pelo motivo torpe

d) abandono de incapaz;

e)lesão corporal seguida de morte;


A querendo vingar-se do patrão que o despedira, decide colocar uma bomba na
loja do mesmo, programando o artefato para explodir no final do expediente,
quando poucas pessoas ali estivessem infortunadamente, sua esposa, acompanhada
do filho de 6 anos de idade, decide procurar o empregador para tentar sensibiliza-
lo e os três acabam morrendo na explosão. Se você fosse o juiz no processo:

a) condenaria A por homicídio doloso contra o ex-patrão e por homicídio culposo


contra a mulher e o filho;

b) condenaria A por homicídio doloso contra todas as vítimas;

c) condenaria A por homicídio doloso contra o ex-patrão e concederia o perdão judicial


em relação à morte da mulher e do filho;

d) condenaria A por homicídio doloso e por homicídio preterintencional contra a


mulher e o filho;

e) entenderia que A foi “punido pelas conseqüências do fato”e concederia o perdão


judicial a todos os crimes.

Pacífico, pretendendo matar Felizardo, seu colega de faculdade, ministra veneno


em seu café, aproveitando-se de um momento de distração deste. Felizardo ingere
a bebida mas, antes que o veneno faça efeito, morre em decorrência do
desabamento do teto da sala de aula, que lhe esmaga o crânio. Pacífico, neste caso:

a) responderá por homicídio qualificado pelo emprego de veneno (art.121,§2º,III do


CP);

b) responderá por tentativa de homicídio qualificado pelo emprego de veneno


(art.121,§2º,III, c/c 14,II do CP);

c) responderá por lesões corporais graves pelo perigo de vida (art.129,§1º,III do CP);

d) não responderá por crime algum, vez que não praticou qualquer fato típico;

José está desempregado, doente e sua família passa por necessidades financeiras
agudas. É casado com uma belíssima mulher, de nome Ana, que o ama muito.
João, o vizinho, interessado em manter um relacionamento amoroso com Ana, e
percebendo que ela ama muito José, passa a induzir José ao suicídio, fazendo
nascer em sua mente a idéia de suicidar-se. Para tanto João invoca a péssima
situação financeira de José. Após fazer nascer em José a idéia do suicídio, João
passa a instigá-lo ao suicídio, incentivando a idéia mórbida pré-existente. Por fim,
e passando do auxílio moral para o auxílio material, João empresta uma corda
para que José ceife a própria vida. José dirige-se a um bosque e amarra a corda
em um galho alto, sobe em um banquinho e passa a movimentar-se, visando
derrubar o banquinho. Ocorre que pelo declive do terreno o banquinho não cai.
João que estava à espreita observando a ação de José, apanha um galho, e
empurra um dos pés do banquinho, fazendo com que este tombe. José morre
asfixiado. Estabelecida essa verdade no inquérito policial caberá ao Delegado de
Polícia indiciar João:

a) por infração ao art.122 do CP, na modalidade auxiliar ao suicídio, com aumento de


pena pelo motivo egoístico;

b) por infração ao art.122 do CP, na modalidade instigar ao suicídio, com aumento de


pena pelo motivo egoístico;

c) por infração ao art.122 do CP, na modalidade induzir ao suicídio, com aumento de


pena pelo motivo egoístico;

d) por infração ao art.121, §2º, I do CP, homicídio doloso qualificado pelo motivo torpe;

e) por infração ao art.122 do CP, por três crimes, nas modalidades induzir, instigar e
auxiliar ao suicídio, com aumento de pena pelo motivo egoístico;

Assinale a alternativa correta. O crime de induzimento, instigação ou auxílio a


suicídio:

a) somente é punido se o suicídio consumar-se;

b) é punido se o suicídio consumar-se ou se, da tentativa, resultar lesão corporal de


natureza grave;

c) é punido, independentemente da consumação do suicídio ou da ocorrência de lesões,


sempre que a vítima é menor ou tem diminuída por qualquer causa a capacidade de
resistência;

d) quando praticado contra vítima de menor idade configurará crime de homicídio;

Afrânio, desgostoso com a vida, decide suicidar-se, no que é instigado por Beto.
Atira-se do segundo andar de um edifício, não conseguindo, no entanto, lograr seu
intento, sofrendo apenas lesões corporais leves. Beto responderá por:

a) crime de lesão corporal leve na sua forma culposa;

b) crime de instigação ao suicídio na forma tentada;

c) a conduta de Beto não é punível;

d) crime de perigo para a vida ou a saúde de outrem;


O casal mantinha contrariado namoro, talvez pela pouca idade de ambos. Ele com
18 anos e ela ainda não havia completado 14. Dada principalmente à adversidade
familiar, combinam um duplo suicídio. Trancam-se em um quarto. A moça abre a
torneira do gás. Ela morre, enquanto ele sobrevive, pois suporta bem os efeitos do
tóxico. O procedimento do sobrevivente, perante o Código Penal é definido como:

a) participação em suicídio;

b) participação em suicídio qualificada;

c) fato atípico – ele instigou, auxiliou, induziu;

d) fato atípico – ele não instigou, auxiliou, induziu;

e) o sobrevivente responde por homicídio;

Levando em consideração dominantes orientações jurisprudenciais e doutrinárias,


é falso afirmar que o aborto sentimental ou humanitário:

a) prescinde para ser realizado, da existência de condenação, processo ou mesmo


inquérito policial pelo crime de estupro;

b) não pode ser praticado por parteira ou enfermeira, mas apenas por médico;

c) é autorizado nos casos em que há presunção de violência do estupro, bastando, para


tanto, prova da causa, ou seja, de ser a gestante menor de 14 anos ou alienada mental;

d) não é autorizado nos casos em que a gravidez é resultante de atentado violento ao


pudor, pois o texto legal refere-se unicamente a estupro, impedindo a analogia ou a
interpretação extensiva;

e) não necessita, para ser praticado, de autorização judicial, bastando o consentimento


da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal;

Sobre o crime de aborto, pode-se afirmar que:

a) apresenta-se na modalidade culposa;

b) é crime cujo julgamento é da competência do juiz singular;

c) é prevista legalmente a modalidade do aborto consensual;

d) o aborto é punido ainda que não haja outro meio de salvar a vida da gestante;
João da Silva, pouco afeito ao manejo de arma de fogo, resolveu exibir para
amigos o revólver que adquiriu recentemente. Acabou, por inexperiência,
acionando o gatilho, provocando disparo que atingiu pessoa que se encontrava por
perto, ferindo-a. Esta foi socorrida. Levada a um hospital, foi submetida à
intervenção cirúrgica para amputação de uma das pernas, ficando ali internada
por trinta e cinco dias. João da Silva cometeu crime de lesão corporal:

a) culposa;

b) culposa de natureza grave;

c) culposa de natureza gravíssima;

d) de natureza grave;

e) de natureza gravíssima;

Joaquim, desejando exibir a alguns amigos a arma de fogo recém adquirida por
seu irmão, embora despreparado para maneja-la, acidentalmente aciona o gatilho
produzindo lesões corporais em um deles, o qual, após quarenta dias de
incapacidade para suas ocupações habituais, vem a falecer. Joaquim praticou:

a) lesão corporal culposa;

b) lesão corporal culposa de natureza grave agravada pelo resultado;

c) homicídio culposo;

d) homicídio doloso preterintencional;

Ficou provado que, durante a rixa, Dodô, praticou lesões corporais graves contra
Zé Tostão, ambos participantes dela. Em conseqüência o procedimento do
lesionado será assim analisado penalmente:

a) responde por rixa qualificada;

b) responde por rixa simples em concurso obrigatório;

c) responde por rixa simples – autor;

d) o Código Penal desconhece a figura de réu e vítima, ao mesmo tempo;

e) fato típico, porém faltou pressuposto da pena, culpabilidade;


A retratação não é cabível, nos crimes de

a) calúnia.

b) injúria.

c) difamação.

d) calúnia e injúria.

Tício ingressa em uma joalheria com o braço direito imobilizado. Escolhe um colar
e não consegue preencher o cheque. Pede ao proprietário que de próprio punho
escreva um bilhete num cartão da loja com os seguintes dizeres: "Querida, por
favor entregue ao portador a importância de R$ 2.000,00 em dinheiro". Com esse
cartão escrito pelo joalheiro, Tício pede ao seu motorista que vá ao endereço (da
esposa do joalheiro) e volte com o dinheiro. A esposa do joalheiro recebe um cartão
da joalheria, com a caligrafia de seu marido e entrega ao motorista de Tício a
importância solicitada. Esse retorna à joalheria, o entrega a Tício que compra a
jóia com o dinheiro do próprio joalheiro. A tipicidade desse crime corresponde

A. estelionato

B. furto qualificado pela fraude.

C. furto simples

D. apropriação indébita.

E. roubo

José ingressou no escritório da empresa Alpha, sendo que o segurança não lhe
obstou o acesso porque estava vestido de faxineiro e portando materiais de
limpeza. No interior do escritório, arrombou a gaveta e subtraiu R$ 3.000,00 do
seu interior. Quando estava saindo do local, o segurança, alertado pelo barulho,
tentou detê-lo. José, no entanto, o agrediu e o deixou desacordado e ferido no solo,
fugindo, em seguida, do local de posse do dinheiro subtraído. Nesse caso, José
responderá por

A. furto qualificado pela fraude e pelo arrombamento.

B. furto qualificado pela fraude.


C. roubo impróprio

D. furto simples.

E. estelionato.

Quem utiliza uma tesoura para fazer girar e abrir, sem danificar, a fechadura da
porta de um veículo que ato contínuo subtrai para si, comete crime de furto

A. qualificado pela fraude

B. simples.

C. qualificado pela destreza.

D. qualificado pelo rompimento de obstáculo.

E. qualificado pelo emprego de chave falsa.

Madalena", grávida de 3 meses, ciente de sua condição, continuou praticando


arremesso de peso, pois pretendia participar das eliminatórias para o campeonato
estadual dessa modalidade. Ela, que desejava muito ser mãe, também nutria a
esperança de ganhar uma medalha. Assim, embora previsse a possibilidade de
abortamento, contava com a sua não-ocorrência e, por isso, manteve a rotina de
treinamentos. Entretanto, em virtude dos esforços físicos intensos que ela realizou,
para sua infelicidade, ocorreu a morte e expulsão do feto.
No caso apresentado, ela:
A. responderá por crime de aborto provocado pela gestante, com dolo direto.

B. responderá por crime de aborto provocado pela gestante, com dolo eventual.

C. não responderá penalmente por crime de aborto provocado pela gestante.

D. responderá por crime de aborto provocado pela gestante, com culpa consciente.
Roberto, com 23 anos de idade, subtraiu para si um aparelho celular avaliado
economicamente em R$ 900,00, pertencente ao seu pai, Alberto, de 63 anos de
idade, e em seguida, vendeu-o por R$ 200,00 para Felipe, o qual sabia que o
aparelho não custava tão barato.
Considerando a situação hipotética acima descrita, assinale a opção correta no
referente aos crimes contra o patrimônio.

A. Roberto é isento de pena, por ter praticado o crime contra ascendente, ocorrendo,
assim, uma escusa absolutória legalmente prevista.

B. Felipe praticou crime de receptação culposa, mas será isento de pena em face da
extensão da escusa absolutória aplicável a Roberto

C. Roberto praticou, em tese, crime de furto, e Felipe, receptação culposa, porque,


pela desproporção entre o valor e o preço do aparelho celular, deveria presumir
ter sido obtido por meio criminoso.

D. Se Felipe revender o aparelho celular para Frederico, este não responderá por crime
algum, pois não se pune a receptação de coisa já receptada

E. Roberto não responderá por crime algum, em face da aplicação do princípio da


insignificância, já consolidado na jurisprudência dos tribunais superiores como
aplicável aos bens avaliados em até R$ 1.000,00.

"Omar Manjus", nascido às 19 horas do dia 15 de março de 1990, seqüestrou, no


dia 14 de março de 2008, às 16 horas, "Lizia", mulher de 18 anos, filha de um rico
empresário da construção civil, com o objetivo de obter, para si, um resgate de R$
20.000,00. No mesmo dia, às 18 horas, "Omar" ligou para o pai de "Lizia" e exigiu
a importância acima como preço do resgate. No dia seguinte, contudo, antes de ser
pago o resgate, o cativeiro foi localizado, às 9 horas da manhã, sendo a vítima
libertada e "Omar Manjus" preso pela polícia.
"Omar Manjus" deve responder por:
A. crime de peculato, tentado.

B. crime de extorsão mediante seqüestro.

C. ato infracional, na conformidade com o Estatuto da Criança e do Adolescente.

D. forma qualificada do crime de extorsão, consumado.


Configura crime de infanticídio o ato de:

A. matar, para ocultar desonra própria e sob influência do estado puerperal, o próprio
filho, durante o parto ou logo após.

B. matar, para ocultar desonra própria e sob influência do estado puerperal, o próprio
filho, antes, durante o parto ou logo após.

C. matar, sob influência do estado puerperal, o próprio filho, antes, durante o parto ou
logo após.

D. matar, sob influência do estado puerperal, o próprio filho, durante o parto ou


logo após.

Considere as regras básicas aplicáveis ao Direito Penal e ao Direito Processual


Penal para assinalar a alternativa em que não conste crime contra a pessoa.

a) Homicídio

b) Aborto

c) Feminicídio

d) Indução a suicídio

e) Extorsão

Entre outras possibilidades, o crime de dano do art. 163 do CP é qualificado se


cometido
a) por motivo fútil.
b) por duas ou mais pessoas.
c) durante o repouso noturno.
d) em situação de calamidade pública.
e) contra o patrimônio da União, Estado ou Município.
Afim de subtrair pertences de Bartolomeu, Marinalda coloca barbitúricos em sua
bebida, fazendo-o desfalecer. Em seguida, a mulher efetiva a subtração e deixa o
local, sendo certo que o lesado somente vem a acordar algumas horas depois. Nesse
contexto, é correto afirmar que Marinalda praticou crime de:
a) estelionato.
b) extorsão.
c) roubo.
d) apropriação indébita.
e) furto qualificado.

Tício subtrai coisa alheia móvel de Mélvio e, logo depois de subtraída a coisa,
emprega violência ou grave ameaça contra Mélvio, a fim de assegurar a
impunidade do crime ou a detenção da coisa para si. O crime cometido por Tício
foi:

a) Extorsão.
b) Furto.
c) Extorsão indireta.
d) Roubo.
e) Lesão corporal grave.

NÃO pode ser objeto de furto:

a) bem imóvel.
b) energia elétrica.
c) aeronave.
d) semovente domesticável de produção.
e) caixa de refrigerantes.

Aquele que logo depois de subtraída a coisa, emprega violência contra pessoa ou
grave ameaça, a fim de assegurar a impunidade do crime ou a detenção da coisa
para si ou para terceiro, comete o crime de:

a) Roubo impróprio.
b) Roubo simples.
c) Furto qualificado.
d) Extorsão qualificada.
e) Furto simples.
Se o agente comete o crime impelido por motivo de relevante valor social ou moral, ou
sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima,
pratica o crime de :

a) homicídio culposo.
b) homicídio privilegiado.
c) homicídio simples.
d) homicídio qualificado.
e) homicídio acidental.

Pai cruel, ao receber o boletim de seu filho (de 10 anos) e constatar o seu baixo
aproveitamento escolar, com o propósito de corrigi-lo, agride a criança com um
cabo de vassoura, abusando do exercício do direito de correção, resultando-lhe
lesão corporal de natureza leve. A hipótese caracteriza o crime de:

a) Abuso de autoridade.
b) Tortura.
c) Maus-tratos.
d) Constrangimento ilegal.
e) Lesão corporal de natureza leve.

Pedro e João, irmãos, nadavam em um lago, momento em que o primeiro começa a se


afogar. João, no entanto, permanece inerte, eximindo-se de qualquer intervenção.
Pedro, afinal, vem a falecer. A responsabilidade de João será:

a) Por crime de homicídio doloso, aplicando-se as regras da omissão imprópria.


b) Por crime de homicídio culposo, aplicando-se as regras da omissão imprópria.
c) Pelo crime de perigo, tipificado no art. 132, do Código Penal (perigo para a vida ou saúde
de outrem).
d) Por crime de omissão de socorro.
e) Por crime de abandono de incapaz.

Para a configuração do crime de rixa, faz-se necessária a presença de, no mínimo,

a) duas pessoas.
b) três pessoas.
c) quatro pessoas.
d) cinco pessoas.
Assinale a alternativa correta:

a) A difamação e a injúria não admitem a exceção da verdade;


b) Somente em crime de calúnia se admite exceção da verdade;
c) A calúnia contra o Presidente da República não admite exceção da verdade;
d) A injúria irrogada contra funcionário público, no exercício de suas funções, admite
exceção da verdade.

Um policial militar negro, no exercício de sua função, foi chamado de "macaco preto":

a) houve crime de desacato.


b) houve crime de racismo.
c) houve crime de desobediência.
d) houve crime de injúria qualificada.

São circunstâncias especiais do crime de roubo

a) a violência contra a coisa e ser o crime praticado mediante escalada.


b) a violência contra a coisa e ser o crime praticado com emprego de chave falsa.
c) a violência contra a pessoa e ser o crime praticado mediante escalada.
d) ter sido a violência exercida com armas e o concurso de duas ou mais pessoas.
e) ter sido a violência exercida com armas e mediante escalada.

É prevista como agravante especial do furto a circunstância de

a) ter sido o crime cometido com abuso de confiança.


b) ter sido cometido mediante fraude.
c) ter sido cometido mediante concurso de duas ou mais pessoas.
d) ter sido cometido com destruição ou rompimento de obstáculo à subtração da coisa.
e) ter sido o crime praticado durante o repouso noturno.

O crime de roubo, conforme expressa disposição do art. 157 do Código Penal,

a) não admite a modalidade tentada.


b) tem pena aumentada se praticado mediante utilização de arma.
c) é qualificado se praticado mediante o concurso de duas ou mais pessoas.
d) tem pena aumentada se da ação resulta lesão corporal de qualquer gravidade.
e) tem pena diminuída se o criminoso é primário e de pequeno valor a coisa roubada.
Assinale a resposta incorreta. O “sursis” é cabível nos seguintes casos:

a) Nos crimes dolosos praticados mediante violência ou grave ameaça, cuja pena
imposta seja igual ou inferior a dois anos; ou no caso de sursis humanitário ou etário,
cuja pena seja igual ou inferior a quatro anos.
b) Em caso de reincidente em crime doloso desde que a pena anterior tenha sido de
multa apenas.
c) Caso o condenação seja reincidente específico em crime culposo.
d) Nos crimes dolosos praticados sem violência ou grave ameaça, cuja pena imposta
seja igual ou inferior a quatro anos; ou no caso de sursis humanitário ou etário, cuja
pena seja igual ou inferior a seis anos.
Assinale a alternativa correta. Para ser beneficiado com o “sursis”:

a) o réu precisa ser primário e ter bons antecedentes.


b) o réu precisa não ser reincidente em crime doloso, salvo se condenado anteriormente
apenas à pena de multa, e possuir circunstâncias judiciais favoráveis.
c) o réu precisa não ser reincidente e possuir circunstâncias judiciais favoráveis.
d) Nenhuma alternativa está correta.

Assinale a alternativa correta em relação ao “sursis” etário.

a) O réu precisa ser maior de 60 anos, condenado a pena igual ou superior a quatro anos
de reclusão e permanecer por um período de provas de 04 a 06 anos.
b) O réu precisa ser maior de 65 anos, condenado a pena igual ou inferior a quatro anos
de reclusão e permanecer por um período de provas de 04 a 06 anos.
c) O réu precisa ser maior de 70 anos, condenado a pena igual ou inferior a quatro anos
de reclusão e permanecer por um período de provas de 04 a 06 anos.
d) O réu precisa ser maior de 70 anos, condenado a pena igual ou inferior a quatro anos
de reclusão e permanecer por um período de provas de 02 a 04 anos.

São condições legais do “sursis” simples:

a) no primeiro ano do prazo, deverá o condenado prestar serviços à comunidade e terá


seus bens confiscados.
b) no primeiro ano do prazo, o condenado terá seus bens confiscados e deverá submeter-
se à limitação de fim de semana.
c) no primeiro ano do prazo, o condenado deverá ausentar-se do lar e se recolher na casa
de albergado aos fins de semana.
d) no primeiro ano do prazo, deverá o condenado prestar serviços à comunidade ou
submeter-se à limitação de fim de semana.

No ”sursis” especial, o juiz poderá substituir a condição do “sursis”:

a) pelas seguintes condições, aplicadas alternadamente: a) proibição de frequentar


determinados lugares; b) proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem
autorização do juiz; c) comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para
informar e justificar suas atividades.
b) pelas seguintes condições, aplicadas cumulativamente: a) proibição de frequentar
determinados lugares; b) proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem
autorização do juiz; c) comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para
informar e justificar suas atividades.
c) pelas seguintes condições, aplicadas alternadamente: a) proibição de frequentar
determinados lugares; b) proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem
autorização do juiz.
d) pelas seguintes condições, aplicadas cumulativamente: a) proibição de frequentar
determinados lugares; b) recolher na casa de albergado aos fins de semana.

São hipóteses de revogação obrigatória do “sursis”, exceto:

a) condenação, em sentença irrecorrível, por crime doloso;


b) condenação, em sentença irrecorrível, por crime culposo ou por contravenção, a pena
privativa de liberdade ou restritiva de direitos.
c) frustração, embora solvente, da execução pelo réu da pena de multa ou não
efetivação, sem motivo justificado, da reparação do dano;
d) descumprimento das condições do “sursis” simples.

"A" é inimigo de "B" e decide agredi-lo. Em um certo dia, ao acordar, "A" vai ao
encontro de "B" e lhe dá um soco na boca, arrancando-lhe os dentes. Em seguida,
decide matá-lo e dispara um tiro fatal em face "B". "A" responde:

a) por homicídio.
b) ameaça em concurso material com lesões corporais.
c) por lesão corporal seguida de morte.
d) por infanticídio em concurso formal com lesões corporais.

O prazo de 6 meses para o oferecimento da representação é contado:

a) do dia em que foi praticada a ação ou omissão.


b) do dia em que a vítima soube quem é o autor do delito.
c) do dia em que se consumou o delito.
d) Nenhuma das alternativas anteriores está correta.

Você também pode gostar