Você está na página 1de 20

15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Colonização do Brasil
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A Colonização do Brasil, processo também conhecido como
Brasil Colônia
Brasil Colônia ou Brasil colonial, ocorreu no período colonial
entre os séculos XVI e XIX, em que o território brasileiro era uma colônia
colônia do império ultramarino português. (Portugal)

Os termos Brasil Colônia e Brasil colonial são categorias de


análise historiográfica e se baseiam no Estado do Brasil, →

referindo-se às colônias na América Portuguesa que passaram a


1500 – 1815

integrar, em 1815, o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. O
processo de colonização durou da primeira metade do século XVI
até a primeira metade do século XIX,[nota 1] tendo variações
geográficas ao longo de seus quase três séculos de existência,
como a existência do Estado do Maranhão, criado em 1621 a partir
da repartição norte da América Portuguesa, que foi incorporado
Bandeira Brasão
ao Estado do Brasil em 1775. Portanto, o termo "Brasil Colônia" é
anacrônico e meramente indicativo do período histórico colonial.
Durante este período, nunca o atual território brasileiro teve o
título ou designação oficial de "colônia". Igualmente, nunca foram
utilizadas outras designações hoje frequentemente usadas como
referência do "Brasil colonial", como "Principado do Brasil",
"Vice-Reino do Brasil" ou "Vice-Reinado do Brasil". Durante o
processo de colonização, o atual Brasil teve apenas duas
designações oficiais: "Estado do Brasil" e "Reino do Brasil".

Antes da dominação europeia - alcançada por uma expedição


portuguesa -, em 1500, o território que hoje é chamado de Brasil
era habitado por indígenas. Em contraste com as fragmentadas
possessões espanholas vizinhas, as possessões portuguesas,
construídas na América do Sul, mantiveram a sua unidade e
Mapa do Brasil Colônia em 1709
integridade territorial e linguística mesmo após a independência,
Continente América do Sul
dando origem ao maior país da região. A grandeza do atual
Capital Salvador (1549–
território brasileiro, construída desde o período colonial, foi 1624)
resultado da interiorização da metrópole portuguesa no território Olinda (1624–1625)
sul-americano, especialmente após o descobrimento de ouro nos
Salvador (1625–
1763)
sertões.[1] Rio de Janeiro
(1763–1815)
A economia do período colonial brasileiro foi caracterizada pelo
Língua oficial português
tripé monocultura, latifúndio e mão de obra escrava, e, apesar das
grandes diferenças regionais, manteve-se, no período colonial, a Religião catolicismo
unidade linguística, tendo se formado, nessa época, o povo Governo colônia do Império
brasileiro, junção e miscigenação de europeus, africanos e Português
indígenas do Brasil, formando uma cultura autóctone História
• 22 de abril de Descobrimento do
característica. 1500 Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 1/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

• 16 de dezembro Elevação do Brasil a


de 1815 Reino Unido a
Portugal e Algarves
Índice Moeda réis
História
Descobrimento e exploração
Legado do período
As capitanias
Corsários e piratas
Saque do Recife (1595)
Expansão territorial e invasões estrangeiras
Revoltas coloniais e conflitos
Administração colonial
Economia
Ciclo do Açúcar
Ciclo do Ouro
Cultura
Alimentação
Demografia
Ocupação pré-cabralina
A colonização no tempo
Século XVI
Século XVII
Século XVIII
Colonização portuguesa
Colonização africana
Colonização por espanhóis, holandeses e franceses
Colonização por outras origens
Ver também
Notas
Referências
Bibliografia
Ligações externas

História
O descobrimento da América (1492) e o Tratado de Tordesilhas (1494) consolidaram o domínio espanhol no Atlântico
Norte e restava a Portugal explorar o Atlântico Sul (além da costa africana) e encontrar o caminho para as Índias pelo
sul do Bojador. A viagem de Cabral às Índias de 1500 — depois do retorno de Vasco da Gama — tinha a missão de
consolidar o domínio português naquela região e os contatos comerciais iniciados por Vasco da Gama em Calecute.
Como escreve C. R. Boxer:

É irrelevante saber se o Brasil foi descoberto acidental ou propositadamente, (…)


mas a Terra de Vera Cruz, como foi batizada pelos descobridores, não demorou a se
chamar Brasil devido à lucrativa madeira vermelha utilizada para tingir, assim
chamada, que foi encontrada em quantidade razoável ao longo do litoral. O
empenho no comércio com a Índia, no ouro da Guiné (Mina) e nas guerras com o
Marrocos durante muitos anos impediu a Coroa portuguesa de dedicar atenção à
região recentemente descoberta, que não parecia possuir nada melhor além da
madeira para tingir, papagaios, macacos e selvagens nus, dos mais primitivos.[2]

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 2/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Em oposição a este pressuposto há historiadores que defendem a hipótese


de que os conhecimentos de Martin Behaim teriam sido decisivos para
salvaguardar a "Terra Firma" (os territórios do Brasil) das ambições
espanholas, delineando uma estratégia astuciosa de despiste a fim de os
dissuadir de tal pretensão: abrindo-lhes as portas à exploração na América
do Sul de espaços de menor interesse do Estado. Estavam cientes de que os
territórios do Brasil eram bem mais frutuosos. O negócio da tal madeira
vermelha não era, nem de perto nem de longe, o que maior interesse
Desembarque de Pedro Álvares
tinha.[3][4][5][6] Cabral em Porto Seguro no ano de
1500. Óleo sobre tela de Oscar
De 1500 a 1530, o contato dos portugueses com o Brasil pareceu limitar-se
Pereira da Silva (1922).
a expedições rápidas para coleta e transporte de pau-brasil e também de
patrulha. Já devia ter ocorrido, no entanto, algumas tentativas de
colonização, pois em 15 de julho de 1526 o rei Dom Manuel I autorizou Pero Capico, "capitão de uma capitania do
Brasil", a regressar a Portugal porque "lhe era acabado o tempo de sua capitania". A Capico, que era técnico de
administração colonial, tinha sido confiada a Feitoria de Itamaracá, no atual estado de Pernambuco.[7][8]

Em 1531, devido à ameaça francesa, o rei Dom João III designou o fidalgo Martim Afonso de Sousa para comandar
uma expedição ao Brasil. No ano seguinte, é fundada a vila de São Vicente. Também em 1532, Bertrand d'Ornesan, o
barão de Saint Blanchard, tentou estabelecer um posto de comércio em Pernambuco. Com o navio A Peregrina,
pertencente ao nobre francês, o capitão Jean Duperet tomou a Feitoria de Igarassu e a fortificou com vários canhões,
deixando-a sob o comando de um certo senhor de La Motte. Meses depois, na costa da Andaluzia na Espanha, os
portugueses capturaram a embarcação francesa, que estava atulhada com 15 mil toras de pau-brasil, três mil peles de
onça, 600 papagaios e 1,8 tonelada de algodão, além de óleos medicinais, pimenta, sementes de algodão e amostras
minerais. E no exato instante em que A Peregrina era apreendida no mar Mediterrâneo, o capitão português Pero
Lopes de Sousa combatia os franceses em Pernambuco. Retomada a feitoria, os soldados franceses foram presos e La
Motte foi enforcado. Após ser informado da missão que A Peregrina realizara em Pernambuco, Dom João III decidiu
começar a colonização do Brasil, dividindo o seu território em capitanias hereditárias.[9]

Descobrimento e exploração
O litoral norte brasileiro foi visitado por Vicente Yáñez Pinzón e Diego de Lepe em janeiro e fevereiro do ano de 1500,
respectivamente. Pinzón, primeiro europeu a chegar ao território agora chamado de Brasil cuja viagem foi
documentada, atingiu o Cabo de Santo Agostinho no litoral de Pernambuco em 26 de janeiro de 1500.[10] Apesar das
controvérsias acerca dos locais exatos de desembarque dos navegadores espanhóis, os seus contatos com os índios
potiguares foram violentos. Contudo, a terra que hoje corresponde ao Brasil foi reivindicada pelo Império Português
em 22 de abril de 1500, com a chegada da frota portuguesa comandada por Pedro Álvares Cabral a Porto Seguro.[11]

A primeira expedição com objetivo exclusivo de explorar o território descoberto oficialmente por Cabral foi a frota de
três caravelas comandadas por Gonçalo Coelho, que zarpou de Lisboa em 10 de maio de 1501, levando a bordo
Américo Vespúcio (possivelmente por indicação do banqueiro florentino Bartolomeu Marchionni), autor do único
relato conhecido dessa viagem e que até poucas semanas antes servia os Reis Católicos da Espanha.[12]

Legado do período
Indiretamente, a concorrência entre franceses e portugueses deixou marcas na costa brasileira. Foram construídas
fortificações por ambas as facções nos trechos mais ricos e proveitosos para servir de proteção em caso de ataque e
para armazenamento do pau-brasil à espera do embarque. As fortificações não duravam muito, apenas alguns meses,
o necessário para que se juntasse a madeira e embarcasse. Obrigados a trabalhar como escravos até a morte, os

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 3/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

nômades eram feitos reféns de suas próprias armas. A exploração do pau-brasil era uma atividade que tinha
necessariamente de ser nômade, pois a floresta era explorada intensivamente e rapidamente se esgotava, não dando
origem a nenhum núcleo de povoamento regular e estável.

E foram justamente a instabilidade e a insegurança do domínio português sobre o atual Brasil que estiveram na
origem direta da expedição de Martim Afonso de Sousa, nobre militar lusitano, e a posterior cessão dos direitos régios
a doze donatários, sob o sistema das capitanias hereditárias.

As capitanias
A colonização foi efetivamente iniciada em 1534, quando D. João III
dividiu o território em quatorze capitanias hereditárias, doadas a doze
donatários, que podiam explorar os recursos da terra, mas ficavam
encarregados de povoar, proteger e estabelecer o cultivo da cana-de-açúcar
— os direitos e deveres dos capitães-donatários eram regulamentados pelas
cartas de foral, servindo o Foral da Capitania de Pernambuco (ou Nova
Lusitânia) de modelo aos forais das demais capitanias.[13][14] No entanto
Um engenho de açúcar em esse arranjo se mostrou problemático, uma vez que apenas as capitanias de
Pernambuco colonial, por Frans Pernambuco e São Vicente prosperaram. Então, em 1549 o rei atribuiu um
Post. governador-geral para administrar toda a América Portuguesa.[15][16] Os
portugueses assimilaram algumas das tribos nativas,[17] enquanto outras
foram escravizadas ou exterminadas por doenças europeias para as quais não tinham imunidade,[18][19] ou em longas
guerras travadas nos dois primeiros séculos de colonização, entre os grupos indígenas rivais e seus aliados
europeus.[20][21][22]

O açúcar era um produto de grande aceitação na Europa, onde alcançava grande valor de venda. Após as experiências
positivas de cultivo na atual região Nordeste, com a cana adaptando-se bem ao clima e ao solo, teve início o plantio em
larga escala. Seria uma forma de Portugal lucrar com o comércio, além de começar o povoamento de sua colônia
americana. Em meados do século XVI, quando o açúcar de cana tornou-se o mais importante produto de exportação
da colônia,[23] os portugueses deram início à importação de escravos africanos, comprados nos mercados escravistas
da África ocidental e trazidos, inicialmente, para lidar com a crescente demanda internacional do produto, durante o
chamado Ciclo do Açúcar.[24][25][26][27] No início do século XVII, Pernambuco, então a mais próspera das capitanias,
era a maior e mais rica área de produção de açúcar do mundo.[28]

Corsários e piratas
A costa brasileira, sem marca de presença portuguesa além de uma ou outra feitoria abandonada, era terra aberta para
os navios do corso (os corsários) de nações não contempladas na divisão do mundo no Tratado de Tordesilhas. Há
notícias de corsários holandeses e ingleses, mas foram os franceses os mais ativos na costa brasileira. Para tentar
evitar estes ataques, Portugal organizou e enviou ao atual Brasil as chamadas expedições guarda-costas, em 1516 e
1526, com poucos resultados.

De qualquer forma, os franceses se incomodaram com as expedições de Cristóvão Jacques, encarregado das
expedições guarda-costas, achando-se prejudicados; e sem que suas reclamações fossem atendidas, Francisco I (1515-
1547), então Rei da França, deu a Jean Ango, um corsário, uma carta de marca que o autorizava a atacar navios
portugueses para se indenizar dos prejuízos sofridos. Isso fez com que D. João III, rei de Portugal, enviasse a Paris
António de Ataíde, o conselheiro de estado, para obter a revogação da carta, o que foi feito, segundo muitos autores, à
custa de presentes e subornos.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 4/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Logo recomeçaram as expedições francesas. O rei francês, em guerra contra o imperador Carlos V, do Sacro Império
Romano-Germânico podia moderar os súditos, pois sua burguesia tinha interesses no comércio clandestino e porque o
governo dele se beneficiava indiretamente, já que os bens apreendidos pelos corsários eram vendidos por conta da
Coroa. As boas relações continuariam entre França e Portugal, e da missão de Rui Fernandes em 1535 resultou a
criação de um tribunal de presas franco-português na cidade de Baiona, embora de curta duração, suspenso pelas
divergências nele verificadas.

Henrique II, rei da França, filho de Francisco I, iria proibir em 1543 expedições a domínios de Portugal. Até que se
deixassem outra vez tentar e tenham pensado numa França Antártica, uma efêmera colônia estabelecida no Rio de
Janeiro, ou numa França Equinocial, quando fundaram no Maranhão o povoado que deu origem à cidade de São Luís.

Saque do Recife (1595)


O Saque do Recife, também conhecido como "Expedição Pernambucana de Lancaster", foi um episódio da Guerra
Anglo-Espanhola ocorrido em 1595 no porto do Recife, em Pernambuco, Estado do Brasil (estado colonial do Império
Português). Liderada pelo almirante inglês James Lancaster, foi a única expedição de corso da Inglaterra que teve
como objetivo principal o Brasil, e representou o mais rico butim da história da navegação de corso do período
elisabetano.[29]

A União Ibérica colocou o Estado do Brasil em conflito com potências


europeias que eram amigas de Portugal mas inimigas da Espanha, como a
Inglaterra e a Holanda. A Capitania de Pernambuco, mais rica de todas as
possessões portuguesas, se tornou então um alvo cobiçado.[29]

Poucos anos após derrotarem a Invencível Armada espanhola, em 1588, os


ingleses tiveram acesso a manuscritos portugueses e espanhóis que
detalhavam a costa do Brasil. Um deles, de autoria do mercador português
Lopes Vaz, veio a ser publicado em inglês e enfatizava as qualidades da rica
vila de Olinda ao dizer que "Pernambuco é a mais importante cidade de
toda aquela costa". A opulência pernambucana impressionara o padre
Fernão Cardim, que surpreendeu-se com "as fazendas maiores e mais ricas
que as da Bahia, os banquetes de extraordinárias iguarias, os leitos de
damasco carmesim, franjados de ouro e as ricas colchas da Índia", e
resumiu suas impressões numa frase antológica: "Enfim, em Pernambuco
O célebre corsário inglês James
acha-se mais vaidade que em Lisboa". Logo a capitania seria vista pelos
Lancaster arrebatou no Recife o
ingleses como um "macio e suculento" pedaço do Império de Filipe II.[29]
mais rico butim da história da
navegação de corso da Inglaterra
A expedição de James Lancaster saiu de Blackwall, na Grande Londres, em
elisabetana, durante a Guerra
outubro de 1594, e navegou através do Atlântico capturando numerosos
Anglo-Espanhola.[29]
navios antes de atingir Pernambuco. Ao chegar, Lancaster confrontou a
resistência local, mas se deparou na entrada do porto com três urcas
holandesas, das quais esperava uma reação negativa, o que não aconteceu: os antes pacíficos holandeses levantaram
âncora e deixaram o caminho livre para a invasão inglesa, e além de não terem oposto resistência à ação, terminaram
por se associar aos ingleses, fretando seus navios para o transporte dos bens subtraídos em Pernambuco. Lancaster
então tomou o Recife e nele permaneceu por quase um mês, espaço de tempo no qual se associou aos franceses que
chegaram no porto e derrotou uma série de contra-ataques portugueses. A frota partiu com um montante robusto de
açúcar, pau-brasil, algodão e mercadorias de alto preço. Dos navios que partiram do porto, apenas uma pequena nau
não chegou ao seu destino. O lucro dos investidores, entre eles Thomas Cordell, então prefeito de Londres, e o
vereador da cidade de Londres John Watts, foi assombroso, estimado em mais de 51 mil libras esterlinas. Do total,
6.100 libras ficaram com Lancaster e 3.050 foram para a Rainha. Com tal desfecho, a expedição foi considerada um
absoluto sucesso militar e financeiro.[29]

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 5/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Após a visita de Lancaster, a Capitania de Pernambuco organizou duas companhias armadas para a defesa da região,
cada uma delas com 220 mosqueteiros e arcabuzeiros, uma sediada em Olinda e outra no Recife. Anos depois, até
meados de 1626, o então governador Matias de Albuquerque procurou estabelecer posições fortificadas no porto do
Recife a fim de que se pudesse dissuadir a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais da ideia empreendida na
Bahia em 1624. Os investimentos, no entanto, não foram suficientes: a nova e poderosa esquadra da Holanda investiu
sobre a Capitania de Pernambuco em 1630, e a conquistou, estabelecendo nela a colônia Nova Holanda, que durou
vinte e quatro anos.[29][30]

Expansão territorial e invasões estrangeiras


Ignorando o Tratado de Tordesilhas de 1494, os portugueses, através de
expedições conhecidas como bandeiras, paulatinamente avançaram sua
fronteira colonial na América do Sul para onde se situa a maior parte das
atuais fronteiras brasileiras,[31][32] tendo passado os séculos XVI e XVII
defendendo tais conquistas contra potências rivais europeias.[32] Desse
período destacam-se os conflitos que rechaçaram as incursões coloniais
francesas (no Rio de Janeiro em 1567 e no Maranhão em 1615) e
As Batalhas dos Guararapes,
expulsaram os holandeses do nordeste (ver Nova Holanda), sendo o
episódios decisivos na Insurreição
Pernambucana, são consideradas a conflito com os holandeses parte integrante da Guerra Luso-
origem do Exército Brasileiro. Holandesa.[33][32]

As invasões francesas do Brasil registram-se desde os primeiros tempos da


colonização portuguesa, chegando até ao ocaso do século XIX. Inicialmente dentro da contestação de Francisco I de
França ao Tratado de Tordesilhas, ao arguir o paradeiro do testamento de Adão e incentivar a prática do corso para o
escambo do pau-brasil (Cæsalpinia echinata), ainda no século XVI evoluiu para o apoio às tentativas de colonização
no litoral do Rio de Janeiro (1555) e na costa do Maranhão (1594).

Entre os anos de 1630 e 1654, o Nordeste brasileiro foi alvo de ataques e fixação de neerlandeses. Interessados no
comércio de açúcar, os neerlandeses implantaram um governo no território. Sob o comando de Maurício de Nassau,
permaneceram lá até serem expulsos em 1654. Nassau desenvolveu diversas obras em Pernambuco, modernizando o
território. Durante o seu governo, Recife foi a mais cosmopolita cidade de toda a América.[34]

Revoltas coloniais e conflitos


Em função da exploração exagerada da metrópole, ocorreram várias
revoltas e conflitos neste período:

Entrincheiramento de Iguape: A força portuguesa, liderados por Pero


de Góis, ao desembarcar na barra de Icapara, em Iguape, foram
recebidos sob o fogo da artilharia, sendo desbaratada. Na retirada, os
sobreviventes foram surpreendidos pelas forças espanholas
emboscadas na foz da barra do Icapara, onde os remanescentes
pereceram, sendo gravemente ferido o seu capitão Pero de Góis, por
um tiro de arcabuz.
Guerra de Iguape: Ocorreu entre os anos de 1534 e 1536, na região
de São Vicente, São Paulo. Ruy Garcia de Moschera e o "Bacharel de
Cananeia", aliados aos espanhóis, embarcaram em um navio francês, Guerra dos Emboabas, autor
capturado em Cananeia e atacaram a vila de São Vicente, que desconhecido (século XVIII).
saquearam e incendiaram, deixando-a praticamente destruída,
matando dois terços dos seus habitantes.
Insurreição Pernambucana: ocorreu no contexto da ocupação holandesa, culminando com a expulsão dos
holandeses da região Nordeste do país.
Guerra dos Emboabas: os bandeirantes paulistas queriam exclusividade na exploração do ouro nas minas que
encontraram; Entraram em choque com os imigrantes reinóis (ou seja vindos da metrópole portuguesa) que
estavam explorando o ouro das minas.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 6/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Guerra dos Mascates: que se registrou de 1710 a 1711 na então


Capitania de Pernambuco.
Guerra Guaranítica: espanhóis e portugueses (apoiados pelos
ingleses) entram em conflito com os índios guaranis catequizados
pelos jesuítas, de 1751 a 1758.
Revolta de Filipe dos Santos: ocorrida em Vila Rica, representou a
insatisfação dos donos de minas de ouro com a cobrança do quinto e
das Casas de Fundição. O líder Filipe dos Santos Freire foi preso e
condenado à morte pela coroa portuguesa.
Revolta de Beckman: Ocorreu em fevereiro de 1684, no Estado do
Grão-Pará e Maranhão, liderado pelos irmãos Manuel e Tomas
Beckman, apenas reivindicando melhorias na administração colonial,
o governo português reprimiu violentamente o movimento.
Inconfidência Mineira (1789): liderada por Tiradentes, os inconfidentes
mineiros eram contra a execução da Derrama e o domínio português.
O movimento foi descoberto pelo Rainha de Portugal (na época
D.Maria I) e os líderes condenados.
Conjuração Baiana (1798): Também conhecida como "Revolta dos
Alfaiates". Revolta de caráter emancipacionista ocorrida na então
Capitania da Bahia. Foi punida duramente pela Coroa de Portugal. Zumbi dos Palmares, herói da
resistência negra contra a
escravidão.
Administração colonial
Prevendo a possível invasão do território por potências rivais, a Coroa
portuguesa lança mão de um instituto já utilizado no Arquipélago da
Madeira: a capitania.

A instalação das primeiras capitanias no litoral brasileiro traz consigo uma


consequência trágica: os conflitos com os indígenas do litoral que, se até
então foram aliados de trabalho, neste momento passam a ser um entrave,
uma vez que disputavam com os recém-chegados o acesso às melhores
terras. Destes conflitos entre portugueses e ameríndios o saldo é a
mortandade indígena causada por confrontos armados ou por epidemias
diversas.
Largo do Pelourinho em Salvador,
capital colonial entre 1549 e 1763.
Após a tentativa fracassada de estabelecer as capitanias hereditárias, a
coroa portuguesa estabeleceu em suas possessões coloniais na América um
Governo-Geral como forma de centralizar a administração, tendo mais controle da colônia.

O primeiro governador-geral foi Tomé de Sousa, que recebeu a missão de combater os indígenas rebeldes, aumentar a
produção agrícola na colônia, defender o território e procurar jazidas de ouro e prata.

Também começavam a existir câmaras municipais, órgãos políticos compostos pelos "homens bons". Estes eram os
ricos proprietários que definiam os rumos políticos das vilas e cidades. O povo não podia participar da vida pública
nesta fase.

As instituições municipais eram compostas por um alcaide que tinha funções administrativas e judiciais, juízes
ordinários, vereadores, almotacés e os "homens bons". As juntas do povo decidiam sobre diversos assuntos da
Capitania.

Salvador, fundada em 1549, foi a primeira sede do Estado do Brasil. Situa-se na entrada da Baía de Todos-os-Santos,
uma região bastante acidentada do litoral. A escolha do local teve como objetivo criar uma administração centralizada
para o estado colonial português, em um ponto mais ou menos equidistante das extremidades do território e com
favoráveis condições de assentamento e defesa; e teve também relação com a economia açucareira, uma vez que a
Capitania de Pernambuco era o principal centro produtivo da colônia.[28][35] Salvador permaneceu capital colonial por
mais de dois séculos, porém, durante a primeira das Invasões holandesas no Brasil, o então Governador de

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 7/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Pernambuco Matias de Albuquerque foi nomeado Governador-Geral do Estado do Brasil, administrando a colônia a
partir de Olinda entre 1624 e 1625.[36] Em 1763, a sede do governo colonial foi transferida de Salvador para o Rio de
Janeiro. Ressalte-se que, com a ascensão de outras regiões econômicas, outros estados coloniais foram criados, como o
Estado do Maranhão e Piauí e o Estado do Grão-Pará e Rio Negro, com capitais respectivamente em São Luís e Belém.
Desta forma, administrativamente, o território colonial português no atual Brasil dispôs de cinco sedes até 1775:
Salvador, Olinda e Rio de Janeiro no Estado do Brasil; São Luís no Estado do Maranhão e Piauí; e Belém no Estado do
Grão-Pará e Rio Negro.[37]

Evolução territorial do Brasil no período colonial

1534 1621 1709 1815


Capitanias Dois estados Expansão além do Fim do período
hereditárias Tratado de colonial
Tordesilhas

Economia

Ciclo do Açúcar
A base da economia colonial era o engenho de açúcar. O senhor de engenho
era um fazendeiro proprietário da unidade de produção de açúcar.[38]
Utilizava a mão de obra africana escrava e tinha como objetivo principal a
venda do açúcar para o mercado europeu. Além do açúcar, destacou-se,
também, a produção de tabaco e de algodão. As plantações ocorriam no
sistema de plantation, ou seja, eram grandes fazendas produtoras de um
único produto, utilizando mão-de-obra escrava e visando o comércio
exterior.[39]
Olinda foi o local mais rico do Brasil
Colonial da sua criação até a
O Brasil se tornou o maior produtor mundial de açúcar nos séculos XVI e
Invasão Holandesa, quando foi
XVII. As principais regiões açucareiras eram Pernambuco, Bahia e São
depredada.[35]
Vicente (São Paulo).[40] O Pacto Colonial imposto pelo Reino de Portugal
estabelecia que os estados coloniais localizados no atual Brasil só podiam
fazer comércio com a metrópole, não devendo concorrer com produtos produzidos lá. Logo, o Brasil não podia
produzir nada que a metrópole produzisse.[41]

O monopólio comercial foi, de certa forma, imposto pelo governo da Inglaterra a Portugal, com o objetivo de garantir
mercado aos comerciantes ingleses. A Inglaterra havia feito uma aliança com Portugal, oferecendo apoio militar em
meio a uma guerra pela sucessão da Coroa Espanhola e ajuda diplomática a Portugal e em troca os portugueses
abriram seus portos a manufaturas britânicas, já que Portugal não tinha grandes indústrias. Nessa época, Portugal e
suas colônias, inclusive o Brasil, foram abastecidas com tais produtos. Portugal se beneficiava do monopólio, mas o
país era dependente comercialmente da Inglaterra.[42] O Tratado de Methuen foi uma das alianças luso-britânicas. A

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 8/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

colônia vendia metais, produtos tropicais e subtropicais a preços baixos, estabelecidos pela metrópole, e comprava
dela produtos manufaturados e escravos a preços bem mais altos, garantindo assim o lucro de Portugal em qualquer
das transações.

Ciclo do Ouro
Foram os bandeirantes os responsáveis pela ampliação do atual território
brasileiro além do tratado de Tordesilhas. Os bandeirantes penetravam
além da linha fronteiriça imposta pelo tratado, procurando índios para
aprisionar e jazidas de ouro e diamantes. Foram os bandeirantes que
encontraram as primeiras minas de ouro nas regiões dos atuais estados de
Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.[43]

Ao final do século XVII, as exportações de açúcar brasileiro começaram a Ouro Preto, uma das principais vilas
formadas durante o Ciclo do Ouro.
declinar, mas a descoberta de ouro pelos bandeirantes na década de 1690,
A cidade preserva sua arquitetura
abriu um novo ciclo para a economia extrativista da colônia, promovendo colonial e é Patrimônio Histórico e
uma febre do ouro no Brasil, que atraiu milhares de novos colonos, vindos Cultural da Humanidade.
não só de Portugal, mas também de outras colônias portuguesas ao redor
do mundo, o que por sua vez acabou gerando conflitos (como a Guerra dos
Emboabas), entre os antigos colonos e os recém-chegados.[44]

Após a descoberta das primeiras minas de ouro, o rei de Portugal tratou de


organizar sua extração. Interessado nesta nova fonte de lucros, já que o
comércio de açúcar passava por uma fase de declínio, ele começou a cobrar
o quinto do ouro, imposto equivalente a um quinto (20%) de todo o ouro
que fosse encontrado no Brasil. Esse imposto era cobrado nas casas de
fundição, responsáveis por fundir o ouro; dessa forma, a cobrança dos
impostos era mais rigorosa.

A descoberta de ouro e o início da exploração das minas nas regiões


auríferas (Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás) provocaram uma verdadeira
"corrida do ouro" para estas regiões. Procurando trabalho na região,
desempregados de várias regiões do Império Português partiram em busca
do sonho de ficar rico da noite para o dia. Cidades começaram a surgir e o
desenvolvimento urbano e cultural aumentou muito nestas regiões. Foi
Mapa de rendimento do ouro nas
neste contexto que apareceu um dos mais importantes artistas plásticos do
Reais Casas de Fundição em Minas
Brasil: o Aleijadinho. Vários empregos surgiram nestas regiões, Gerais, entre julho e setembro de
diversificando o mercado de trabalho na região aurífera. Para acompanhar 1767. Arquivo Nacional.
o desenvolvimento da região sudeste da colônia, e impedir a evasão fiscal e
o contrabando de ouro, Portugal transferiu a capital do Estado do Brasil
para o Rio de Janeiro.

Para garantir a manutenção da ordem colonial interna, além da defesa do monopólio de exploração econômica do
Brasil, o foco da administração colonial portuguesa se concentrou em manter sob controle e erradicar as principais
formas de rebelião e resistência dos escravos (a exemplo do Quilombo dos Palmares);[45] e em reprimir todo
movimento por autonomia ou independência política (como a Inconfidência Mineira).[46][47]

No final de 1807, forças espanholas e francesas ameaçaram a segurança de Portugal Continental, fazendo com que o
Príncipe Regente D. João, em nome da rainha Maria I, transferisse a corte real de Lisboa para o Brasil.[48] O
estabelecimento da corte portuguesa trouxe o surgimento de algumas das primeiras instituições brasileiras, como

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 9/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

bolsas de valores locais[49] e um banco nacional, e acabou com o


monopólio comercial que Portugal mantinha sob o Brasil, liberando as
trocas comerciais com outras nações, o que pôs fim ao período colonial
brasileiro.[50]

Cultura
Os naturais do Brasil eram
Prisão de Tiradentes, o único
portugueses; diferenciavam-se condenado à morte pelo
dos ameríndios e dos escravos envolvimento com a Inconfidência
que não tinham direitos de Mineira.
cidadania. Nesta época o
vocábulo "brasileiro" designava apenas o nome dos comerciantes de pau
brasil. Só depois da independência do Brasil se pode diferenciar brasileiros
e portugueses, visto que é um anacronismo chamar brasileiro a quem
Interior da Igreja de São Francisco
morreu português antes da independência. Distinguia-se o cidadão
em Salvador, Bahia, uma das mais
português natural do Brasil dos outros portugueses da metrópole e
ricas expressões do barroco
brasileiro. províncias ultramarinas (português de Angola, português de Macau,
português de Goa, etc) designando-o de Português do Brasil, Luso
Americano ou pelo nome da cidade de nascimento.[51] A partir do
século XVII o termo "reinóis" era usado popularmente no Brasil para designar os portugueses nascidos em Portugal e
os distinguir daqueles nascidos no Brasil. Dentro do Brasil podiam-se diferenciar os cidadãos em nível regional, por
exemplo os pernambucanos dos baianos, no entanto a nível nacional e a nível internacional eram todos conhecidos
como portugueses. Os escravos davam o nome de "mazombo" aos filhos de portugueses nascidos no Brasil, e mais
tarde a qualquer europeu.[52]

A sociedade no período açúcar era marcada pela grande diferenciação social. No topo da sociedade, com poderes
políticos e econômicos, estavam os senhores de engenho. Abaixo, aparecia uma camada média formada por pessoas
livres (feitores, capatazes, padres, militares, comerciantes e artesãos) e funcionários públicos. E na base da sociedade
estavam os escravos, de origem africana, tratados como simples mercadorias e responsáveis por quase todo trabalho
desenvolvido na colônia.[53]

Era uma sociedade patriarcal, pois o senhor de engenho exercia um grande poder social. As mulheres tinham poucos
poderes e nenhuma participação política, deviam apenas cuidar do lar e dos filhos.[54]

A casa-grande era a residência da família do senhor de engenho. Nela moravam, além da família, alguns agregados. O
conforto da casa grande contrastava com a miséria e péssimas condições de higiene das senzalas (habitações dos
escravos).[55]

Alimentação
Os portugueses que vieram para o Brasil tiveram que alterar seus hábitos alimentares. O trigo, por exemplo, foi
substituído pela farinha de mandioca, o mais importante alimento da colônia. A mandioca, de origem indígena, foi
adotada no Brasil por africanos e portugueses, sendo usada para fazer bolos, sopas, beijus ou simplesmente para se
comer misturada ao açúcar. Além da farinha, no engenho também se consumiam: carne-seca, milho, rapadura, arroz,
feijão e condimentos como pimenta e azeite de dendê.[56] As verduras, as frutas, a manteiga e os queijos eram raros e
só entravam na alimentação dos ricos. Mas não faltavam doces, que eram consumidos em grande quantidade, tanto no
campo como nas cidades.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 10/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Alimentação diferente experimentaram os moradores de Recife e Olinda


durante a invasão holandesa (1624-1625 e 1630-1654), uma vez que vinha
da Holanda o toucinho, manteiga, azeite, vinho, aguardente, peixe seco,
bacalhau, trigo, carne salgada, fava, ervilha, cevada e feijão. Tanto nas
casas mais humildes como nas dos senhores de engenho, as refeições eram
feitas utilizando a mão, devido à ausência de garfo, este só começando a
integrar o dia a dia a partir o século XIX. Outro costume de todas as classes
era o de comer sentado no chão.[57]

As bebidas alcoólicas consumidas eram principalmente a bagaceira e o


vinho, trazidos de Portugal. Nos engenhos de açúcar logo foi descoberto o Frutas brasileiras,
vinho de cana, ou seja, o caldo de cana fermentado, muito apreciado pelos por Albert Eckhout (século XVII)

escravos. Na primeira metade do século XVII descobriu-se que os


subprodutos da produção do açúcar, o melaço e as espumas, misturados com água fermentavam e podiam ser
destilados obtendo-se a cachaça. Ela também podia ser fabricada com o vinho de cana. Devido ao baixo preço e
facilidade de produção, aos poucos foi caindo no gosto da população, ao menos entre os escravos e as pessoas de baixo
poder aquisitivo. Com o tempo, as classes abastadas foram paulatinamente também adotando a cachaça.[58]

Demografia

Ocupação pré-cabralina
A tese mais aceita é que os povos indígenas do continente americano são
descendentes de caçadores asiáticos que cruzaram o estreito de Bering
passando da Sibéria para a América do Norte. Os mais antigos povoadores
do atual território brasileiro chegaram há aproximadamente 12 mil anos.
Contudo, foi encontrado em Lagoa Santa (Minas Gerais) o crânio de uma
mulher de traços negroides, batizada de Luzia, que viveu há 11 500 anos.
Deste modo, alguns pesquisadores consideram provável que populações
negroides também tenham vivido na América, e que estas foram
exterminadas ou assimiladas pelos povos mongoloides muitos séculos
antes da chegada dos europeus.[59]

Estima-se que, no início da colonização portuguesa, cerca de quatro


milhões de ameríndios viviam no atual território brasileiro.[60]
Encontravam-se divididos em diversos grupos étnico-linguísticos: tupi-
guaranis (região do litoral), macro-jê ou tapuias (região do Planalto Índia guajajara e seu filho
Central), aruaques (Amazônia) e caraíbas (Amazônia).[61]

A colonização no tempo

Século XVI
O território brasileiro não foi imediatamente ocupado pelos portugueses a partir do Descobrimento do Brasil em 1500.
A colonização começou somente a partir de 1532. Antes disso, havia apenas feitorias nas quais o pau-brasil era
armazenado esperando os navios que vinham da Metrópole. Apenas alguns degredados, desertores e náufragos
haviam se estabelecido em definitivo no Brasil, vivendo e se miscigenando com as tribos indígenas.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 11/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Ao contrário do que muitos pensam, os primeiros colonos não foram só ladrões, assassinos ou prostitutas mandados
para o Brasil. A maioria era composta por camponeses pobres, agregados de um pequeno nobre que vinha estabelecer
engenhos e plantações de cana-de-açúcar no Brasil. Apenas alguns poucos eram "criminosos", em geral pessoas
perseguidas pela Igreja por sua "falta de moral" ou por cometerem pequenos delitos: judeus, cristãos-novos, bígamos,
sodomitas, padres sedutores, feiticeiras, visionários, blasfemadores, impostores de todas as espécies.[62][63]

A maior parte dos colonos que vieram para o Brasil não foram os degredados. Quem de fato
promoveu a colonização inicial foram as famílias ricas de Portugal, todavia não havia uma
hegemonia sócio-econômica entre os colonos. Ao mesmo tempo que houve um predomínio de 90%
de famílias de classe alta nas zonas mais ricas, como Pernambuco e Bahia, nas regiões periféricas,
como o Maranhão, a esmagadora maioria dos portugueses eram pobres.[65] Para efetuar a
colonização, o rei de Portugal dividiu a colônia em capitanias hereditárias que foram entregues a
nobres portugueses, denominados donatários. As tentativas de exploração dos ameríndios como
escravos nas plantações e engenhos de cana-de-açúcar levaram a vários conflitos[66] de modo que
apenas duas Capitanias Hereditárias prosperaram: Pernambuco e São Vicente. Apesar disto, a
presença portuguesa se consolidou no século XVI com a criação do Governo Geral do Brasil.
Embora em número bastante reduzido, os colonos portugueses conseguiram ocupar o litoral e os
ameríndios, perseguidos ou assolados por epidemias, foram migrando para o sertão e para a
Amazônia. Aqueles que restaram foram escravizados, aculturados e se misturaram aos
portugueses, formando uma população híbrida, mestiça, de mamelucos.[67] O índio brasileiro não
suportava a escravidão. Acostumado a viver durante milênios a um meio de vida livre, nômade, a
mortalidade indígena no meio escravocrata era muito alta. O índio brasileiro se negava a trabalhar
para o colonizador: muitos fugiam ou se suicidavam. A situação caótica obrigou os colonos a
importar mão-de-obra do continente africano. É a partir da década de 1550 que começou a aportar
na colônia os primeiros navios com escravos da África. Além de resolver o problema da mão-de-
obra (faltavam índios e portugueses), o tráfico negreiro era muito rentável.[68] No século XVI,
desembarcaram no Brasil em torno de 50 mil portugueses e 50 mil africanos.[69]

Século XVII
O desenvolvimento da cultura de cana-de-açúcar faz crescer o número de escravos africanos desembarcados nas
colônias portuguesas da América, vindos sobretudo da África Ocidental Portuguesa (atual Angola) e da chamada Costa
da Mina para o litoral do atual nordeste brasileiro. A imigração portuguesa continuou reduzida, tendo em vista que o
Reino de Portugal não tinha população suficiente para mandar grande número de colonos para ocupar suas possessões
na América. A população se concentrou nas regiões litorâneas que formam as atuais regiões nordeste e sudeste do
Brasil. O restante das possessões portuguesas na América segue sem ocupação europeia, abrigando povos indígenas
estabelecidos e também aqueles refugiados das regiões litorâneas.

No século XVII desembarcaram 550 mil africanos e 50 mil portugueses.

Século XVIII
O desenvolvimento da mineração trouxe para o Brasil centenas de milhares de africanos, que foram escravizados na
extração de ouro. Um fato novo foi, pela primeira vez na História da colônia, a vinda de um enorme contingente de
colonos portugueses. Tal surto migratório deve-se a alguns fatores: Portugal e, em particular, a região do Minho, teve
uma alta taxa de crescimento populacional e, em consequência, superpopulação. As notícias de que na colônia sul-
americana estava ocorrendo a exploração da mineração serviu como esperança para milhares de portugueses que
resolveram cruzar o Oceano Atlântico e se aventurar nas Minas Gerais.[70] A imigração de casais açorianos para o
litoral do Sul do Brasil foi de fundamental importância para a demografia da região.[71]

No século XVIII desembarcaram um milhão e 600 mil africanos e 600 mil portugueses no Brasil. O Brasil passou a
possuir a maior população africana fora da África e a maior população lusitana fora de Portugal.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 12/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Colonização portuguesa
Entre 1500 e 1700, 100 mil portugueses se deslocaram para o Brasil, a maioria dos quais fazia parte da iniciativa
privada que colonizou o País: grandes fazendeiros ou empresários falidos em Portugal que, através da distribuição de
sesmarias, tentavam se enriquecer facilmente e retornar para Portugal. Dedicaram-se principalmente à agricultura,
baseada no trabalho escravo, inicialmente efetuado por indígenas, mas sobretudo por escravos africanos.

No século XVIII, aportaram no Brasil 600 mil portugueses, atraídos pela exploração de ouro que estava ocorrendo em
Minas Gerais. Já não eram exclusivamente fazendeiros e agricultores, ganharam caráter urbano e se dedicaram
principalmente à exploração do ouro e ao comércio.

No século XIX, o Brasil tornou-se independente, dando fim à colonização portuguesa no País, embora a imigração de
portugueses continuasse a crescer gradativamente.

Colonização africana
O tráfico internacional de escravos da
Entrada de escravos africanos no Brasil[72]
África subsaariana para o Brasil foi
um movimento migratório, embora Período 1500-1700 1701-1760 1761-1829 1830-1855
forçado. Seu início ocorreu na Quantidade 510 000 958 000 1 720 000 618 000
segunda metade do século XVI, e
desenvolveu-se no século XVIII, atingiu seu ápice por volta de 1845 até ser extinto em 1850.

O tráfico negreiro foi uma atividade altamente lucrativa e contou, até 1850,
com amparo legal. Iniciou oficialmente em 1559, quando a metrópole
portuguesa decidiu permitir o ingresso de escravos vindos da África no
Brasil. Antes disso, porém, transações envolvendo escravos africanos já
ocorriam no Brasil, sendo a escassez de mão-de-obra um dos principais
argumentos dos colonos.

A escravidão era utilizada nas mais desenvolvidas sociedades da África


Escravos em um porão de
Subsaariana antes mesmo do início do tráfico negreiro para a América e do embarcação
envolvimento com as potências europeias. Escravos negros eram Johann Moritz Rugendas, ca. 1810
comumente transportados através do Saara e vendidos no norte da África
por mercadores muçulmanos. Estes escravos podiam ser pessoas capturadas nas guerras tribais, escravizadas por
dívidas não pagas ou mesmo filhos de outros escravos por várias gerações. A necessidade de trabalhadores escravos na
América aumentou a procura de escravos de modo que passaram a ser organizados grupos que entravam pelo interior
da África Subsaariana com o único propósito de capturar pessoas de outras nações para serem vendidas como escravos
nos portos do litoral.

A maior parte dos escravos africanos provinham de lugares como Angola, Guiné, Benim, Nigéria e Moçambique. Eram
mais valorizados, para os trabalhos na agricultura, os negros Bantos ou Benguela ou Bangela ou do Congo,
provenientes do sul da África, especialmente de Angola e Moçambique, e tinham valor os vindo do centro oeste da
África, os negros Mina ou da Guiné, que receberam este nome por serem embarcados no porto de São Jorge de Mina,
na atual cidade de Elmina, e eram, por outro lado, mais aptos para a mineração, trabalho o qual já se dedicavam na
África Ocidental. Por ser a Bahia mais próxima da Costa da Guiné (África Ocidental) do que de Angola, a maioria dos
negros baianos são Minas.

Os traficantes trocavam os escravos por produtos como fumo, armas e aguardentes. Os escravos comprados eram
transportados nos chamados navios negreiros principalmente para as cidades do Rio de Janeiro, Salvador, Recife e
São Luís. As péssimas condições sanitárias existentes nas embarcações, que vinham superlotadas, faziam com que
muitos escravos morressem, entretanto, a maior parte das mortes ocorria no transporte desde o local de captura até o

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 13/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

porto africano de embarque. Quando desembarcavam em solo brasileiro, os escravos africanos ficavam de quarentena
enquanto recuperavam a saúde e engordavam para serem vendidos em praça pública. A maior parte ainda viajava a pé
para as regiões mais distantes do interior onde havia minas ou plantações.

Os escravos homens, jovens, mais fortes e saudáveis eram os mais valorizados. Havia um grande desequilíbrio
demográfico entre homens e mulheres na população de escravos. No período 1837-1840, os homens constituíam
73,7% e as mulheres apenas 26,3% da população escrava. Além disto, os donos de escravos não se preocupavam com a
reprodução natural da escravaria, porque era mais barato comprar escravos recém trazidos pelo tráfico internacional
do que gastar com a alimentação de crianças.[73]

Ao todo, entraram no Brasil aproximadamente quatro milhões de africanos na forma de escravos.[74]

Colonização por espanhóis, holandeses e franceses


Durante a colonização, um número impreciso de pessoas com origens em outras partes do mundo, além de Portugal e
do Continente Africano, se fixaram no território que hoje corresponde ao Brasil. Embora a presença espanhola no
Brasil durante o período colonial tenha sido importante em algumas regiões específicas, ela foi frequentemente
ignorada ou mesmo negada. O historiador Capistrano de Abreu, em seu clássico A História do Brasil, de 1883, chegou
mesmo a afirmar que os espanhóis não tiveram nenhuma importância na formação histórica brasileira ou, se a
tiveram, ela foi menor do que a dos franceses. O próprio IBGE afirma que houve um "exagero" da parte do autor. A
presença de colonos espanhóis no Sul do Brasil foi "histórica e demograficamente densa", como salienta o IBGE.[75]
Isto porque grande parte da região Sul do atual Brasil foi uma zona de disputa entre Portugal e a Espanha e, como não
havia barreiras naturais impedindo a movimentação de pessoas (exceto o Rio Uruguai a oeste), por séculos houve ali
uma convivência (frequentemente conflituosa) entre lusos e hispânicos.[76] O antropólogo Darcy Ribeiro escreveu que
os gaúchos dos pampas "Surgem da transfiguração étnica das populações mestiças de varões espanhóis e lusitanos
com mulheres guarani", demonstrando a importância do elemento espanhol na formação da população na zona
fronteiriça entre o Brasil, a Argentina e o Uruguai. Um estudo genético realizado pela FAPESP chegou mesmo a
concluir que os espanhóis tiveram uma maior importância na formação étnica dos gaúchos do Sul do Brasil do que os
próprios portugueses.[77]

Outro povo que se estabeleceu no Brasil colonial foi oriundo dos Países Baixos. Os neerlandeses invadiram diferentes
partes do Brasil, a mais duradoura invasão ocorreu em Pernambuco, onde permaneceram por 24 anos (de 1630 a
1654). Existem mitos, especulações e até um certo "romantismo" em relação à presença holandesa no Brasil. Até hoje
esse tema levanta discussões, quase sempre suscitando o imaginário de como seria o Brasil atualmente se tivesse sido
colonizado pelos holandeses.[78] Em relação a uma possível contribuição holandesa para a formação da população
brasileira, não existem dados sobre quantos holandeses permaneceram no Nordeste após a retomada do domínio
português na região, tampouco se eram em número suficiente para ter deixado algum legado minimamente
importante após apenas 24 anos de presença. Um estudo genético, porém, abre a possibilidade de ter havido alguma
contribuição holandesa para a formação da população do Nordeste, com base numa análise do cromossomo Y.[79]

Durante o período de dominação holandesa, não foram poucos os casamentos entre holandeses oficiais da WIC e
brasileiras pertencentes a aristocracia açucareira da época,[80] e ainda muito mais numerosas as uniões informais
entre os praças da WIC com negras, índias, mestiças e brancas pobres.

Autores do período afirmam não terem sido poucos os colonos holandeses livres que se dedicavam à
agricultura.[81][82]

Os franceses também invadiram as regiões onde atualmente ficam parte do Maranhão e do Rio de Janeiro. Ficaram
muito pouco tempo no Brasil, foram rapidamente expulsos, mas alguns deles deixaram filhos tidos com mulheres
indígenas. Porém, assim como no caso dos holandeses, não existe nenhuma comprovação factível que os franceses
tenham tido qualquer influência considerável na formação do povo brasileiro.[carece de fontes?]

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 14/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Portugal sempre foi muito preocupado em impedir a entrada de europeus de outras nacionalidades no Brasil. Foi só
em 1808, com a abertura dos portos, que foi permitida a entrada de cidadãos de outras nacionalidades no país. Até
então, somente portugueses e escravos africanos podiam entrar de forma livre na colônia. Com a exceção da região de
disputa de fronteira do Sul, onde a presença espanhola foi marcante,[75] no resto do Brasil a presença de outros povos,
além de portugueses e de africanos, foi bastante exígua. Tal fato só se alterou no século XIX, quando permitiu-se a
migração de outros grupos para o país. O Brasil se mostrava muito diferente dos Estados Unidos. A Inglaterra não se
preocupava em limitar a entrada de não ingleses nas suas colônias da América do Norte. Desde os primórdios da
colonização do atual Estados Unidos, além dos ingleses, diferentes nacionalidades europeias para lá se deslocaram,
como suecos, espanhóis, alemães, irlandeses, escoceses, holandeses, franceses, além de diversas etnias de escravos
africanos.[83]

No Brasil, as origens da população colonial eram bem menos diversificadas, compostas basicamente de portugueses e
de diferentes etnias africanas, além de índios. Todavia, os diferentes "cruzamentos" entre esses povos davam ao Brasil,
desde o período colonial, um caráter de sociedade multi-étnica.[84] A partir do século XIX, a população do Brasil se
diversificou mais, quando para o país passou a se dirigir correntes migratórias de origens relativamente diversificadas.
Todavia, mais de 80% do fluxo migratório para o Brasil veio de apenas três países: Portugal, Itália e Espanha.[85] Nos
Estados Unidos, por outro lado, os imigrantes vinham de quase todos os cantos da Europa.[86]

Colonização por outras origens


Os primeiros grupos de imigrantes não lusos e não africanos chegaram ao
Brasil, de forma organizada, somente depois da abertura dos portos de
1808.

Excetuando os portugueses e alguns poucos estrangeiros que se tornaram


súditos de Portugal, os primeiros imigrantes voluntários a vir para o Brasil
após a abertura dos portos foram os chineses de Macau que chegaram ao
Rio de Janeiro em 1808.[87][88] Cerca de 300 chineses de Macau foram
trazidos pelo governo do príncipe regente (futuro rei D. João VI) com o Nova Friburgo durante sua
objetivo de introduzir o cultivo de chá no Brasil. Eles tiveram importante colonização (1820-1830).

participação na aclimatação de plantas feitas pelo recém-criado Jardim


Botânico do Rio de Janeiro[87][88]

Entretanto, a mão-de-obra livre de imigrantes estrangeiros ainda era considerada dispensável pelos grandes
fazendeiros. Na primeira metade do século XIX ainda desembarcaram no Brasil cerca de um milhão e 300 mil
africanos subsaarianos, certamente o maior grupo de imigrantes recebido neste período.

O primeiro movimento organizado, contratado pelo governo brasileiro, de imigrantes europeus foi a imigração suíça
para a região serrana do Rio de Janeiro.[89]

Em 16 de maio de 1818, o príncipe regente baixou um decreto autorizando o agente do Cantão de Friburgo, Sebastião
Nicolau Gachet, a estabelecer uma colônia de cem famílias de imigrantes suíços. Entre 1819 e 1820, chegaram ao
Brasil 261 famílias de colonos suíços, 161 a mais do que havia sido combinado nos contratos, totalizando 1.686
imigrantes. A sua maioria era composta de suíços de cultura e língua francesa. Os imigrantes estabeleceram-se na
fazenda do Morro Queimado, situada na então vila de Cantagalo. A região era conhecida pelo seu clima ameno e relevo
acidentado, o mais semelhante que poderia haver no Rio de Janeiro com a Suíça. Muitos dos imigrantes suíços logo
abandonaram seus lotes e se dispersaram por toda a região serrana e centro-norte do estado do Rio de Janeiro, em
busca de terras férteis e mais acessíveis.

Ver também
Império Português
https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 15/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Cronologia da colonização portuguesa na América Cronologia da colonização da América


Colonização portuguesa da América Descoberta do Brasil
Colonização portuguesa da África Estado do Brasil
Estado da Índia Estado do Maranhão
Capitanias do Brasil História do Brasil

Notas
1. Os anos exatos variam de acordo com a periodização, levando em conta fatores como descobrimento, início do
povoamento, fim da colônia e independência. Considerando todos os pontos de vista, o período de colonização
inicia-se entre 1500 e 1532 e termina entre 1808 e 1815.

Referências
m.ac.uk/research/hri/fellows/prod conformação do antigo sistema
1. Um Governo de Engonços: ger) sobre a saída do livro, no colonial no Brasil» (http://www.sci
Metrópole e Sertanistas na Financial Times elo.br/scielo.php?script=sci_artte
Expansão dos Domínios xt&pid=S0101-907420160001005
7. «Primeiros Engenhos do Brasil
Portugueses aos Sertões do 09&lng=en&nrm=iso). SciELO.
Colonial e o Engenho São Jorge
Cuiabá (1721-1728) (https://www. Consultado em 18 de janeiro de
dos Erasmos: Preliminares de
academia.edu/23155128/Um_Go 2017
uma Doce Energia» (https://web.
verno_de_Engon%25C3%25A7o
archive.org/web/2016101820542 14. «O Sistema de Capitanias
s_Metr%25C3%25B3pole_e_Sert
8/http://www.historiahistoria.com. Hereditárias» (http://www.multirio.
anistas_na_Expans%25C3%25A
br/materia.cfm?tb=artigos&id=16 rj.gov.br/historia/modulo01/cap_h
3o_dos_Dom%25C3%25ADnios
4). História e-história. Consultado ereditarias.html). Portal MultiRio.
_Portugueses_aos_Sert%25C3%
em 29 de outubro de 2016. Consultado em 18 de janeiro de
25B5es_do_Cuiab%25C3%25A1
Arquivado do original (http://www. 2017
_1721-1728_). [S.l.: s.n.]
historiahistoria.com.br/materia.cf 15. Skidmore 2003, p. 27.
2. BOXER, C. R.. O Império m?tb=artigos&id=164) em 18 de
Marítimo Português. São Paulo: 16. Boxer 2002, p. 101.
outubro de 2016
Companhia da Letras, 2002. Pgs. 17. Boxer 2002, p. 108.
8. Google Book Search (http://book
98-100. 18. Boxer 2002, p. 102.
s.google.co.il/books?id=4FAezV2
3. Antropónimos BEHAIM, Martin IKwUC&pg=PA39&lpg=PA39&dq 19. Skidmore 2003, p. 30, 32.
(Martim/Martinho da =Pedro+Capico&source=web&ot 20. Amantino 2008, p. 47.
Boémia/Bohemia) (1459-1507) (h s=DgcaxFSW7c&sig=v8NvQexkq
ttp://www.fcsh.unl.pt/cham/eve/co fAcXRyiqdAfYbTeop4&hl=iw&sa= 21. Soihet 2003, p. 29, 2º§.
ntent.php?printconceito=1213) X&oi=book_result&resnum=7&ct 22. Lopez 2008, p. 95-97.
4. As Provas do Colombo =result) PORCHAT, Edith - 23. Skidmore 2003, p. 36.
Português (http://www.filorbis.pt/c Informações históricas sobre São 24. Cashmore 2000, p. 39.
olombo/indexPTColomboPort09. Paulo no século de sua
html) em FLIBORIS (http://www.fil fundação. Editora Iluminuras. 25. Lovejoy 2002, p. 51-56.
orbis.pt/) (Rede de Sites 1993. p.39 26. Boxer 2002, p. 32–33, 102, 110.
temáticos desde 1997) 9. «Capitães do Brasil: A saga dos 27. Skidmore 2003, p. 34.
5. "No final do século XV, qualquer primeiros colonizadores» (http://w 28. Recife — cidade que surgiu do
aventureiro quereria ir para ww.esextante.com.br/media/uplo açúcar (http://wol.jw.org/pt/wol/d/r
Lisboa, por ser a cidade onde ad/livros/CapitaesdoBrasil_Trech 5/lp-t/102005410)
tudo estava a acontecer" (http://vi o.pdf) (PDF). Editora Sextante.
29. Jean Marcel Carvalho França,
sao.sapo.pt/actualidade/sociedad Consultado em 5 de março de
Sheila Hue. «Piratas no Brasil:
e/2016-04-10-No-final-do-seculo- 2017
As incríveis histórias dos ladrões
XV-qualquer-aventureiro-quereria 10. «Neste dia, em 1500, o Brasil era dos mares que pilharam nosso
-ir-para-Lisboa-por-ser-a-cidade- descoberto... por espanhóis» (htt litoral» (https://web.archive.org/w
onde-tudo-estava-a-acontecer) – ps://aventurasnahistoria.uol.com. eb/20160816175421/https://issu
entrevista da revista Visão com br/noticias/terra-brasilis/nao-foi-c u.com/juliana.st/docs/piratas_no_
Roger Crowley, 10 de abril 2016 abral.phtml). Aventuras na brasil__as_incriveis_his). Issuu.
6. ‘Conquerors: How Portugal História. Consultado em 14 de p. 92. Consultado em 1 de julho
Seized the Indian Ocean and fevereiro de 2019 de 2016. Arquivado do original (h
Forged the First Global Empire (h 11. Boxer 2002, p. 98. ttps://issuu.com/juliana.st/docs/pir
ttps://www.ft.com/content/110c4a atas_no_brasil__as_incriveis_hi
12. BUENO, E.. Náufragos,
4c-5565-11e5-9846-de406ccb37f s) em 16 de agosto de 2016
Traficantes e Degredados: as
2), « A vivid history of the 30. Universidade Federal de
primeiras expedições ao Brasil.
explorers who built Portugal’s Campina Grande. «Mathias de
Rio de Janeiro: Objetiva, 2006.
empire », livro de [Roger Albuquerque» (https://web.archiv
pgs. 33-54.
Crowley], notícia de Michael e.org/web/20121103041430/htt
Prodger (https://www.buckingha 13. «O estabelecimento do exclusivo
comercial metropolitano e a p://www.dec.ufcg.edu.br/biografia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 16/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

s/MatiAlbu.html). Consultado em 0ATUALIDADES.pdf) (PDF). 69. Brasil: 500 Anos de Povoamento.


23 de junho de 2012. Arquivado Colégio/Curso desafio Povoamento 1500-1700 (http://w
do original (http://www.dec.ufcg.e 52. Ribeiro 2003. ww.ibge.gov.br/ibgeteen/povoam
du.br/biografias/MatiAlbu.html) ento/index.html) Arquivado em (h
53. «Sociedade Colonial» (http://ww
em 3 de novembro de 2012 ttps://web.archive.org/web/20100
w.portalsaofrancisco.com.br/alfa/
31. Boxer 2002, p. 207. brasil-colonia/sociedade-colonial. 516074111/http://www.ibge.gov.b
32. Donato 1987, p. 71-82. php). Portal São Francisco r/ibgeteen/povoamento/index.htm
l) 16 de maio de 2010, no
33. Mello 2007. 54. «Sociedade Colonial Brasileira» Wayback Machine. (visitado em
34. «Maurício de Nassau, o (http://www.coladaweb.com/histor 16 de outubro de 2008)
brasileiro» (https://web.archive.or ia-do-brasil/sociedade-colonial-br
asileira). Cola da web 70. [2] (http://www.ibge.gov.br/ibgete
g/web/20141223030413/http://gui en/povoamento/portugueses/imig
adoestudante.abril.com.br/aventu 55. Schwartz. transicao.html)
ras-historia/mauricio-nassau-bras 56. «A feijoada foi criada pelos
ileiro-433685.shtml). Guia do 71. «Cópia arquivada» (https://web.a
escravos» (http://super.abril.com. rchive.org/web/20071231170219/
Estudante. Consultado em 5 de br/alimentacao/feijoada-foi-criada
abril de 2015. Arquivado do http://www.terrabrasileira.net/folcl
-pelos-escravos-622358.shtml). ore/regioes/7tipos/acores.html).
original (http://guiadoestudante.a Super Interessante
bril.com.br/aventuras-historia/ma Consultado em 17 de agosto de
57. Lima 1999. 2015. Arquivado do original (htt
uricio-nassau-brasileiro-433685.s
html) em 23 de dezembro de 58. Cavalcante 2011. p://www.terrabrasileira.net/folclor
2014 e/regioes/7tipos/acores.html) em
59. SOUZA, Wanessa de. As
31 de dezembro de 2007
35. Luiz Geraldo Silva. «A Faina, a populações indígenas no
Festa e o Rito. Uma etnografia território brasileiro (http://www.fafi 72. IBGE. Brasil: 500 anos de
histórica sobre as gentes do mar ch.ufmg.br/pae/apoio/aspopulaco povoamento. Rio de janeiro :
(sécs XVII ao XIX)» (https://book esindigenasnoterritoriobrasileiro. IBGE, 2000. Apêndice:
s.google.com.br/books/about/A_f pdf) Estatísticas de 500 anos de
aina_a_festa_e_o_rito.html?hl=pt povoamento. p. 223 apud IBGE.
60. [https://web.archive.org/web/20081113180627/http://www.aracruz.com.br/sh
-BR&id=N-ue_iT-jkQC). Google Desembarques no Brasil (http://w
act=stcNews&lastRoot=63&id=5&lang=1
Books. p. 122. Consultado em 28 ww.ibge.gov.br/brasil500/tabelas/
Arquivado em (http://www.aracru
de junho de 2016 negros_desesembarques.htm)
z.com.br/show_arz.do?act=stcNe
Arquivado em (https://web.archiv
36. «Biografia de Matias de ws&lastRoot=63&id=5&lang=1)
e.org/web/20020625165628/htt
Albuquerque» (https://www.ebiog 13 de novembro de 2008, no
p://www.ibge.gov.br/brasil500/tab
rafia.com/matias_de_albuquerqu Wayback Machine. Aracruz
elas/negros_desesembarques.ht
e/). eBiografia. Consultado em 9 [Celulose]. A questão indígena
m) 25 de junho de 2002, no
de junho de 2017 no Brasil e no Espírito Santo]
Wayback Machine. (visitado em
37. Vidal 2011. 61. Índios do Brasil (http://www.suap 23 de agosto de 2008)
esquisa.com/indios/)
38. Santana (II). 73. TOLEDO, Renato Pompeu de. À
62. [1] (http://geraldo.pieroni.vilabol.u Sombra da Escravidão (http://ww
39. «O Ciclo do Açúcar» (http://marfa
ol.com.br/livros.html) w.secrel.com.br/jpoesia/pompeu0
ber.vilabol.uol.com.br/brasil/acuc
ar.htm). Marfaber 63. Blog: Navegando na História. O 1.html) Arquivado em (https://we
Povoamento da Terra Brasílica b.archive.org/web/200806072156
40. «Ciclo do açúcar» (http://www.mu
(visitado em 16/10/2008) (http://n 14/http://www.secrel.com.br/jpoes
ndovestibular.com.br/articles/451
avegandonahistoria.blogspot.co ia/pompeu01.html) 7 de junho de
8/1/CICLO-DO-ACUCAR/Paacut
m/2006/09/o-povoamento-da-terr 2008, no Wayback Machine.
egina1.html). Mundo vestibular
a-braslica.html) (visitada em 22 de agosto de
41. «Ciclos Econômicos no Brasil» (h 2008)
64. IBGE - Instituto Brasileiro de
ttp://amigonerd.net/trabalho/92-ci
Geografia e Estatística 74. «Cópia arquivada» (https://web.a
clos-economicos-no-brasil).
65. Brasil: 500 Anos de Povoamento. rchive.org/web/20130508154311/
Portal Amigo Nerd
Imigração Restrita: 1500-1700 (ht http://www.ibge.gov.br/brasil500/i
42. Cancian (II) 2005. ndex2.html). Consultado em 17
tp://www.ibge.gov.br/ibgeteen/pov
43. «Entradas e Bandeiras» (http://w oamento/portugueses/imigrestrit de agosto de 2015. Arquivado do
ww.brasilescola.com/historiab/ent a.html) (visitado em 16 de original (http://www.ibge.gov.br/br
radas-bandeiras.htm). Brasil outubro de 2008) asil500/index2.html) em 8 de
Escola maio de 2013
66. Bueno, Eduardo. Capitães do
44. Holanda 1963. Brasil. São Paulo: Editora 75. «Cópia arquivada» (https://web.a
45. Donato 1987, p. 82. Objetiva, 2006 rchive.org/web/20130508154311/
http://www.ibge.gov.br/brasil500/i
46. Mello 2009, p. 51, 59, 85. 67. Site Espaço Acadêmico
ndex2.html). Consultado em 17
47. Pedroso 2005, p. 67, 2º§ (final). 68. «Cópia arquivada» (https://web.a de agosto de 2015. Arquivado do
48. Boxer, p. 213 rchive.org/web/20150415015630/ original (http://www.ibge.gov.br/br
http://www.universia.com.br/html/ asil500/index2.html) em 8 de
49. Barcellos 2011, p. xiv.
materia/materia_cifc.html). maio de 2013
50. Bueno. Consultado em 17 de agosto de
76. Fernando A. Novais (1997).
51. «Apostila de atualidades» (http:// 2015. Arquivado do original (htt
História da Vida Privada no
www.colegiocursodesafio.com.br/ p://www.universia.com.br/html/ma
Brasil. [S.l.]: Companhia das
v2/material/APOSTILA%20DE%2 teria/materia_cifc.html) em 15 de
Letras. pp. 523–523
abril de 2015
https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 17/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

77. [3] (http://www.lume.ufrgs.br/bitstr 82. Barléu, Gaspar, O Brasil 85. [5] (http://www.ibge.gov.br/ibgete
eam/handle/10183/10934/000592 Holandês sob o Conde João en/povoamento/tabelas/imigraca
555.pdf?sequence=1) Maurício de Nassau – História o_nacionalidade_84a33.htmi)
78. [4] (http://educacao.uol.com.br/hi dos Feitos Praticados no Brasil, 86. [6] (http://www.zum.de/whkmla/s
storia-brasil/holandeses-no-brasil Durante Oito Anos, sob o p/0809/sumin/sumin1.html)
-e-se-o-brasil-tivesse-sido-coloniz Governo do Ilustríssimo Conde
87. DORÉ, Andrea. Os Macaenses
ado-pela-holanda.jhtm) João Maurício de Nassau,
no Brasil. Lusotopie 2000, pp.
Tradução Cláudio Brandão,
79. «Cópia arquivada» (https://web.a 224-225 (visitada em 22 de
Editora: Edições do Senado
rchive.org/web/20131204231236/ agosto de 2008) (http://www.lusot
Federal.
http://www.portalsaofrancisco.co opie.sciencespobordeaux.fr/dore.
m.br/alfa/invasoes-holandesas-d 83. Leandro Karnal, Luiz Estevam pdf)
o-brasil/invasoes-holandesas-do- Fernandes, Marcus Vinicius de
88. «LIMA, Silvio Cezar de Souza.
brasil-3.php). Consultado em 17 Morais, Sean Purdy. História dos
Os filhos do império celeste: a
de agosto de 2015. Arquivado do Estados Unidos: das Origens ao
imigração chinesa e sua
original (http://www.portalsaofran Século XXI. [S.l.]: Cotexto. pp. –
incorporação à nacionalidade
cisco.com.br/alfa/invasoes-holan 84. Darcy Ribeiro (1995). «O povo brasileira. Rede de Memória
desas-do-brasil/invasoes-holande brasileiro: a formação e o sentido Virtual Brasileira (visitada em 22
sas-do-brasil-3.php) em 4 de do Brasil» (http://www.iphi.org.br/ de agosto de 2008)» (https://web.
dezembro de 2013 sites/filosofia_brasil/Darcy_Ribeir archive.org/web/2009033109213
80. CALADO, Manuel. O Valeroso o_-_O_povo_Brasileiro-_a_form 5/http://catalogos.bn.br/redemem
Lucideno (2 v.). Belo Horizonte: a%C3%A7%C3%A3o_e_o_senti oria/chineses.html). Consultado
Itatiaia 1987. (Coleção do_do_Brasil.pdf) (PDF). em 17 de agosto de 2015.
Reconquista do Brasil) ISBN Companhia das Letras. p. 151 - Arquivado do original (http://catal
1181510007. Original de 1648 Tabela 1. 477 páginas. Cópia ogos.bn.br/redememoria/chinese
arquivada (PDF) em 19 de abril de s.html) em 31 de março de 2009
81. Wätjen, Hermann. O Domínio
2015 (http://web.archive.org/web/
Colonial Hollandez no Brasil: Um 89. Imigração no Brasil (http://www.c
20150419200522/http://www.iphi.
Capítulo da História Colonial do olegiosaofrancisco.com.br/alfa/im
org.br/sites/filosofia_brasil/Darcy
Século XVII. Tradução de Pedro igracao-no-brasil/migracoes.php)
_Ribeiro_-_O_povo_Brasileiro-_a [ligação inativa] Colégio São
Celso Uchôa Cavalcanti. São
_forma%C3%A7%C3%A3o_e_o
Paulo: Companhia Editora Francisco
_sentido_do_Brasil.pdf)
Nacional, 1938.

Bibliografia
ISBN 9788588193628. Consultado em 27 de
Livros dezembro de 2014
Donato, Hernâni (1987). Dicionário das batalhas
Amantino, Marcia (2008). O mundo das feras: os brasileiras (https://books.google.com.br/books?id=xey
moradores do Sertão Oeste de Minas Gerais - Século uqtq3ImUC). São Paulo: Ibrasa. 593 páginas.
XVIII (https://books.google.com.br/books?id=UmhYH ISBN 9788534800341. Consultado em 27 de
9ZcAJgC). São Paulo: AnnaBlume. 260 páginas. dezembro de 2014
ISBN 9788574198460. Consultado em 27 de Fausto, Boris (2006). História do Brasil 12 ed. São
dezembro de 2014 Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.
Barcellos, Marta; Azevedo, Simone (2011). Histórias ISBN 85-314-0240-9
do Mercado de Capitais no Brasil. Rio de Janeiro: Furtado, Celso (2005). Formação Econômica do
Campus-Elsevier. ISBN 9788535244069 Brasil (https://books.google.com.br/books?id=mprsAA
Barreto, Aníbal (Cel.) (1958). Fortificações no Brasil AAMAAJ) 32 ed. São Paulo: Companhia Editora
(Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Nacional. 256 páginas. ISBN 9788504006100.
Exército Editora. 368 páginas Consultado em 28 de dezembro de 2014
Boxer, Charles R (2002). O império marítimo Holanda, Sérgio Buarque; Campos, Pedro Moacyr;
português 1415–1825. São Paulo: Companhia das Fausto, Fausto (1963). «3». História geral da
Letras. 442 páginas. ISBN 85-359-0292-9 civilização brasileira 2 ed. São Paulo: Difusão
Bueno, Eduardo (1999). Capitães do Brasil: a saga Europeia do Livro. ISBN 852860506X.
dos primeiros colonizadores (https://books.google.co OCLC 816953656 (https://www.worldcat.org/oclc/816
m.br/books?id=ieYrAAAAYAAJ). Rio de Janeiro: 953656)
Objetiva. 287 páginas. ISBN 9788573022520. Lima, Cláudia (1999). Tachos e panelas:
Consultado em 27 de dezembro de 2014 historiografia da alimentação brasileira (https://books.
Cashmore, Ernest (2000). Dicionário de relações google.com.br/books?id=ejljAAAAMAAJ) 2 ed.
étnicas e raciais (http://books.google.com.br/books?id Recife: da autora. 309 páginas.
=YDCm6WqtFBwC). São Paulo: Summus/Selo ISBN 9788590103219. Consultado em 27 de
Negro. 598 páginas. ISBN 9788587478061. dezembro de 2014
Consultado em 27 de dezembro de 2014 Lopez, Adriana; Mota, Carlos Guilherme (2008).
Cavalcante, Messias Soares (2011). A verdadeira História do Brasil: Uma Interpretação (https://books.g
história da cachaça (https://books.google.com.br/boo oogle.com.br/books?id=oEiBf6M92D0C). São Paulo:
ks?id=bz-XZwEACAAJ). São Paulo: Sá. 606 páginas.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 18/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

SENAC. 1056 páginas. ISBN 9788573597899. Skidmore, Thomas (2003). Uma história do Brasil 4
Consultado em 27 de dezembro de 2014 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra
Lovejoy, Paul E (2002). A escravidão na África: uma Schwartz, Stuart (2011). Burocracia e sociedade no
história de suas transformações (https://books.googl Brasil colonial: O Tribunal Superior da Bahia e seus
e.com.br/books?id=824xqUvT9SQC). [S.l.]: Record. desembargadores, 1609-1751 (http://www.companhia
497 páginas. ISBN 9788520005897. Consultado em dasletras.com.br/trechos/12372.pdf) (PDF). São
27 de dezembro de 2014 Paulo: Companhia das Letras. 424 páginas.
Mello, Christiane Figueiredo Pagano de (2009). ISBN 9788535919080. Consultado em 28 de
Forças Militares no Brasil Colonial (https://books.goo dezembro de 2014
gle.com.br/books?id=bI9orUveSToC). [S.l.]: E-papers. Soihet, Rachel; Abreu, Martha (2003). Ensino de
257 páginas. ISBN 9788576502050. Consultado em história: conceitos, temáticas e metodologia (http://bo
27 de dezembro de 2014 oks.google.com.br/books?id=G6zH9nsR7XAC). [S.l.]:
Mello, Evaldo Cabral de (2007). Olinda restaurada; FAPERJ/Ed. Casa da Palavra. 247 páginas.
Guerra e Açúcar no Nordeste, 1630-1654. São Paulo: ISBN 9788587220646. Consultado em 27 de
Editora 34. 384 páginas. ISBN 978-8573263749 dezembro de 2014
Pedroso, Regina Célia (2005). Estado autoritário e Young, Ernesto Guilherme (1902). Subsídios para a
ideologia policial (http://books.google.com.br/books?i História de Iguape e seus Fundadores. VII. São
d=UhSVts8DvF4C). São Paulo: FAPESP. Paulo: Revista do IHGSP. pp. 286–298
209 páginas. ISBN 9788598292755. Consultado em
27 de dezembro de 2014

Trabalhos acadêmicos

Vidal, Laurent (2011). «Capitais sonhadas, capitais


Ribeiro, Gladys Sabina (2003). «Desenlaces no abandonadas Considerações sobre a mobilidade das
Brasil pós-colonial: a construção de uma identidade
capitais nas Américas (séculos XVIII - XX)» 🔗 (htt
nacional e a Comissão Mista de Portugal» (http://bras
p://www.scielo.br/pdf/his/v30n1/v30n1a02.pdf) (PDF).
ilindependente.weebly.com/uploads/1/7/7/1/1771178
História. 30 (1): 3-36. ISSN 1980-4369 (https://www.w
3/ribeiro_desenlaces.pdf) (PDF). Convergência
orldcat.org/issn/1980-4369). Consultado em 28 de
Lusíada. 20: 79-95. Consultado em 28 de dezembro
dezembro de 2014
de 2014

Páginas web

m). UOL Educação. Consultado em 28 de dezembro


Cancian (I), Renato (31 de julho de 2005). «Período de 2014
pré-colonial: Pau-brasil, capitanias hereditárias e
Santana (I), Miriam Ilza. «Invasões Holandesas no
Governo-geral» (http://educacao.uol.com.br/historia-b
Brasil» (http://www.infoescola.com/historia/invasoes-h
rasil/periodo-pre-colonial-pau-brasil-capitanias-heredi
olandesas-no-brasil/). InfoEscola. Consultado em 28
tarias-e-governo-geral.jhtm). UOL Educação.
de dezembro de 2014
Consultado em 3 de janeiro de 2012
Santana (II), Miriam Ilza. «Ciclo da Cana-de-açúcar»
Cancian (II), Renato (31 de maio de 2005).
(http://www.infoescola.com/historia/ciclo-da-cana-de-
«Economia colonial: Cana e trabalho escravo
acucar/). InfoEscola. Consultado em 28 de dezembro
sustentaram o Brasil Colônia» (http://educacao.uol.co
de 2014
m.br/disciplinas/historia-brasil/economia-colonial-can
a-e-trabalho-escravo-sustentaram-o-brasil-colonia.ht

Ligações externas
A construção do Brasil. Editora Vera Cruz (https://web.archive.org/web/20070110012623/http://www.nossahistori
a.net/default.aspx?pagid=LRICVKTI)
1824 - A Primeira Constituição Brasileira Constituição Política do Império do Brasil (https://web.archive.org/web/2
0070226092837/http://www2.uol.com.br/linguaportuguesa/valeoescrito/ve_constituicao.htm)
Diálogos das Grandezas do Brasil, de Ambrósio Fernandes Brandão (https://web.archive.org/web/200607031911
40/http://www.bibvirt.futuro.usp.br/textos/autores/ambrosiofernandesbrandao/dialogos/dialogos_texto.html)
(Biblioteca Virtual do Estudante de Língua Portuguesa)
Pimenta, João Paulo Garrido. Portugueses, americanos, brasileiros: identidades políticas na crise do Antigo
Regime luso-americano. Almanack braziliense, nº03, 2006 (https://web.archive.org/web/20070717171955/http://w
ww.almanack.usp.br/PDFS/3/03_artigos_2.pdf)
O município no Brasil-Colônia (http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&ar
tigo_id=1060)
A incidência do ISS no local da prestação (http://jusvi.com/artigos/1088)

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Colonização_do_Brasil&oldid=54724741"
https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 19/20
15/07/2019 Colonização do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

Esta página foi editada pela última vez às 06h19min de 6 de abril de 2019.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) da
Creative Commons; pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de
utilização.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Colonização_do_Brasil 20/20

Interesses relacionados