Você está na página 1de 27

Aliansce Apresenta os seus Resultados e Destaques

Financeiros e Operacionais do 3T10


Rio de Janeiro, 04 de Novembro de 2010 – A Aliansce Shopping Centers S.A. (Bovespa: ALSC3), uma das maiores proprietárias e
administradoras de Shopping Centers do país, anuncia hoje seus resultados do 3º trimestre de 2010. Todas as informações
operacionais e financeiras a seguir, exceto quando indicado de outra forma, são apresentadas em Reais, com base em números
consolidados e de acordo com a legislação societária brasileira.

As informações gerenciais da Companhia, baseadas nas demonstrações financeiras consolidadas da Companhia, foram
elaboradas de forma a refletir e consolidar a participação de 69,62% detida pela Aliansce no Via Parque Shopping, bem como a
exclusão do Shopping Leblon do nosso portfólio, ocorrida em novembro de 2009, para o terceiro trimestre de 2009. Para análise
da conciliação entre as demonstrações financeiras consolidadas e as informações gerenciais, vide comentários na seção
Apêndices.

Destaques do terceiro trimestre de 2010 e eventos recentes

As informações financeiras destacadas abaixo são gerenciais, baseadas nas demonstrações financeiras consolidadas da
Companhia:

 As vendas nos shopping centers da Companhia tiveram um crescimento de 28,4% no 3T10. As vendas nas mesmas
áreas (SAS) e mesmas lojas (SSS) apresentaram crescimento de 15,1% e 14,9%, respectivamente.

 Lucro líquido apresentou um crescimento de 34,8% no trimestre, atingindo R$16,6 milhões no 3T10 contra R$12,3
milhões comparados ao mesmo período de 2009.

 Crescimento de 28,9% na receita bruta no trimestre, totalizando R$53,8 milhões no 3T10.

 O NOI da Companhia cresceu 38,2% no 3T10 em comparação ao 3T09, totalizando R$41,6 milhões. A Margem NOI
apresentou crescimento de 6,5 p.p., atingindo 91,7%.

 EBITDA ajustado apresentou crescimento no 3T10 de 38,1% em relação ao 3T09 atingindo R$34,3 milhões, enquanto a
margem de EBITDA ajustado atingiu 68,9%, um aumento de 4,5 p.p. em relação ao mesmo período de 2009.

 FFO ajustado apresentou crescimento de 105,4% no 3T10, evoluindo de R$17,5 milhões no 3T09 para R$35,9 milhões.
A margem do FFO ajustado atingiu 72,0% no 3T10.

 Taxa de ocupação dos empreendimentos foi de 97,9%, não incluindo o Shopping Santa Úrsula, que passa por obras de
revitalização e considerando todos os nossos ativos da Nova Geração.

 No 3T10, os investimentos da Companhia em greenfields, aumento de participação no Supershopping Osasco e


expansões em seus shoppings totalizaram R$75,4 milhões.

 Em 27 de julho de 2010, a Companhia adquiriu uma fração adicional de 2,06% do Super Shopping Osasco. Com esta
nova aquisição, a Companhia passa a deter 33,58% do empreendimento.

 Em 19 de agosto de 2010, a Companhia realizou o lançamento comercial do Parque Shopping Belém. Devido ao
sucesso de seu lançamento, o shopping teve seu projeto revisto e a ABL aumentou para 28.100 m². Para maiores
detalhes, ver seção de Vetores de Crescimento.

1
 Em 26 de outubro de 2010, a Companhia inaugurou o Boulevard Shopping Belo Horizonte, na cidade de Belo Horizonte,
Minas Gerais. Com 43.064 m² de ABL e 90% comercializado, o shopping adiciona 30.145 m² de ABL própria ao portfólio
da Aliansce e reforça nossa atuação na região sudeste.

 Em 04 de novembro de 2010, convocamos Assembléia Geral Extraordinária de Acionistas para análise e aprovação
pelos acionistas minoritários da compra de participação no Boulevard Shopping Campos. Este empreendimento
encontra-se em fase de construção com previsão de inauguração para abril de 2011. Para maiores detalhes, ver seção
de Eventos Recentes.

3T10/3T09 9M10/9M09
Principais Indicadores 3T10
(R$ mil - exceto
3T09%) 9M10 9M09
Δ% Δ%
Desempenho Financeiro - Informações Gerenciais
Receita Bruta 53.793 41.736 28,9% 156.365 119.484 30,9%
Receita Líquida 49.856 38.634 29,0% 145.045 111.166 30,5%
NOI 41.592 30.106 38,2% 118.952 89.106 33,5%
Margem % 91,7% 85,2% 6,5p.p. 90,0% 88,2% 1,8p.p.
EBITDA Ajustado 34.345 24.879 38,1% 96.477 73.881 30,6%
Margem % 68,9% 64,4% 4,5 p.p. 66,5% 66,5% 0,0 p.p.
Lucro líquido 16.605 12.322 34,8% 41.232 24.849 65,9%
Margem % 33,3% 31,9% 1,4p.p. 28,4% 22,4% 6,1p.p.
FFO Ajustado 35.894 17.479 105,4% 95.396 46.803 103,8%
Margem % 72,0% 45,2% 26,8p.p. 65,8% 42,1% 23,7p.p.
Desempenho Operacional - Informações Gerenciais
Vendas 958.351 746.371 28,4% 2.721.024 2.157.895 26,1%
Vendas/m² 867,9 759,2 14,3% 835,9 742,9 12,5%
Aluguel/m² 56,1 48,3 16,1% 55,0 48,1 14,3%
SAS/m² (vendas mesma área)¹ 884,8 768,4 15,1% 849,8 749,7 13,4%
SAR/m² (aluguel mesma área)¹ 50,8 46,7 8,8% 49,1 46,0 6,7%
SSS/m² (vendas mesmas lojas)¹ 878,9 764,8 14,9% 847,7 747,0 13,5%
SSR/m² (aluguel mesmas lojas)¹ 49,9 45,9 8,8% 49,0 46,0 6,5%
Custo de Ocupação (% vendas) 9,6% 10,1% -0,5p.p. 10,1% 10,6% -0,5p.p.
Inadimplência 0,7% -0,3% 1,1p.p. 1,8% 1,9% 0p.p.
Ocupação² 97,9% 96,3% 1,6p.p. 97,9% 96,3% 1,6p.p.
ABL Total Final (m²) 423.281 386.901 9,4% 423.281 386.901 9,4%
ABL Propria Final (m²) 225.835 187.035 20,7% 225.835 187.035 20,7%
ABL que informa vendas (média - m²) 368.061 327.680 12,3% 361.706 322.753 12,1%
¹ Média mensal. Não inclui o Shopping Santa Úrsula (em processo de revitalização)
² Não inclui o Shopping Santa Úrsula

Nota: Considera o investimento no Via Parque Shopping consolidado na participação de 69,62% e a exclusão de 70% do resultado do 3T09 do Shopping Leblon.

2
Mensagem da Administração

No terceiro trimestre de 2010, os nossos resultados continuaram a refletir o crescimento expressivo da Companhia que se
beneficia ainda de um período muito favorável para o varejo e para o mercado brasileiro em geral. Os indicadores financeiros e
operacionais da Aliansce retratam a robustez desta trajetória de crescimento e da conseqüente geração de valor para os nossos
acionistas.

As vendas nos shopping centers da Aliansce tiveram um crescimento de 28,4% no 3T10. As vendas nas mesmas áreas (SAS) e
mesmas lojas (SSS) apresentaram crescimento de 15,1% e 14,9%, respectivamente. O grupo de ativos da “Nova Geração” da
empresa (aqueles que possuem menos de 5 anos de histórico operacional) teve um aumento de SAS de 22,8% e de SSS de
22,4% no 3T10.

O EBITDA ajustado apresentou crescimento no 3T10 de 38,1% em relação ao 3T09 atingindo R$34,3 milhões, enquanto a
margem de EBITDA ajustado atingiu 68,9%, um aumento de 4,5 p.p. em relação ao mesmo período de 2009. O FFO ajustado
apresentou crescimento de 105,4% no 3T10, alcançando R$35,9 milhões. A margem do FFO ajustado atingiu 72,0%.No 3T10, a
taxa de ocupação do portfólio da Companhia foi de 97,9%, não incluindo o Shopping Santa Úrsula, que passa por obras de
revitalização e considerando todos os ativos da Nova Geração.

Em 19 de agosto de 2010, realizamos o lançamento comercial do Parque Shopping Belém que teve o projeto revisto para
28.100 m² de ABL. Esse empreendimento consolida a presença da Aliansce na capital Paraense, aonde teremos dois shoppings
que entendemos possuir uma vantagem competitiva por sua qualidade e localização.

Em 26 de outubro de 2010, a Companhia inaugurou o Boulevard Shopping Belo Horizonte na capital de Minas Gerais. O
empreendimento possui 43.064 m² de ABL, aumentando em 30.145 m² a ABL própria da Aliansce. Com a construção da torre
de escritórios de aproximadamente 17.000 m² de área útil na estrutura do shopping, o empreendimento se consolidará como
um dos maiores pólos de negócios da capital Mineira.

Ainda no mês de outubro, criamos uma área específica na Companhia para explorar o potencial imobiliário não relacionado ao
varejo em nossos empreendimentos. Estimamos esse potencial construtivo em aproximadamente 240 mil m² em 11 dos nossos
16 ativos. O VGV desses 11 empreendimentos é de aproximadamente R$1,2 bilhões.

No início de novembro, convocamos Assembléia Geral Extraordinária de Acionistas para análise e aprovação pelos acionistas
minoritários da compra de participação no Boulevard Shopping Campos. O potencial deste empreendimento, único em uma
cidade com aproximadamente 450 mil habitantes e com um dos maiores PIB per capita do estado do Rio de Janeiro, é
demonstrado pelo sucesso de sua comercialização, com mais de 93% de sua ABL comercializada seis meses antes da
inauguração prevista.

Permanecemos otimistas com impactos favoráveis que o crescimento da economia terá no varejo e com a convicção de que
nosso jovem e diversificado portfólio está excepcionalmente bem posicionado para continuar a virtuosa trajetória em 2011.
Reafirmamos o nosso compromisso de dar transparência às nossas iniciativas, permitindo assim que nossos acionistas
acompanhem o retorno dos investimentos realizados e movimentações estratégicas.

A Administração

3
Nosso Portfólio
A Aliansce participa e/ou administra shoppings centers localizados em todas as regiões do país e que possuem exposição a um
público de diversificada faixa de renda.

Com o objetivo de facilitar a compreensão sobre o crescimento da Companhia nos próximos anos, nós dividimos o portfólio em
três grupos com base no tempo de operação ou na fase em que cada ativo se encontra. Destacamos que a partir do 3T10
incluímos o Boulevard Shopping Brasília no grupo da Nova Geração de ativos.

ABL Própria por grupo


3T09 3T10

62,8% 50,7% 45,2%


32,3%

5,0% 4,1%

Core Nova Próxima


Geração Geração

No final do 3T10, a Aliansce possuía participação em 13 shoppings em operação e 03 em desenvolvimento (entre estes, o
Boulevard Shopping Belo Horizonte que foi inaugurado em 26 de outubro de 2010), totalizando aproximadamente 226 mil m²
de ABL própria em operação e 62 mil m² de ABL própria em desenvolvimento. A Companhia também atua como prestadora de
serviços, no planejamento, administração e comercialização de 09 shopping centers de terceiros que possuem 135 mil m² de
ABL total.
Taxa de Prestação de
Shoppings em Operação Estado % Aliansce ABL ABL Própria
Ocupação Serviços
Shopping Iguatemi Salvador¹ BA 45,53% 57.562 26.208 99,5% AC
Shopping Taboão SP 38,00% 35.601 13.528 99,5% AC
Via Parque Shopping RJ 69,62% 53.937 37.551 99,5% AC
Boulevard Shopping Campina Grande PB 30,52% 17.355 5.297 99,6% AC
Shopping Grande Rio RJ 25,00% 35.825 8.956 99,0% AC
Carioca Shopping RJ 40,00% 23.428 9.371 98,7% AC
Supershopping Osasco SP 33,58% 17.641 5.924 94,8% C
Bangu Shopping RJ 100,00% 46.318 46.318 99,7% AC
Santana Parque Shopping SP 50,00% 26.542 13.271 97,3% AC
Shopping Santa Úrsula SP 37,50% 23.088 8.658 87,1% -
Caxias Shopping RJ 40,00% 25.607 10.243 97,0% AC
Boulevard Shopping Brasília DF 50,00% 16.925 8.462 80,8% AC
Boulevard Shopping Belém PA 75,00% 33.988 25.491 96,2% AC
Loja C&A Feira de Santana BA 100,00% 2.108 2.108 100,0% n/a
Loja C&A Grande Rio RJ 100,00% 2.108 2.108 100,0% n/a
Loja C&A Iguatemi Salvador Naciguat BA 44,58% 5.246 2.339 100,0% n/a
Sub-Total Shoppings em operação 53,35% 423.281 225.835
Shoppings em desenvolvimento (Greenfields)
Boulevard Shopping Belo Horizonte MG 70,00% 43.064 30.145 - AC
Shopping Maceió AL 50,00% 35.470 17.735 - AC
Parque Shopping Belém PA 50,00% 28.100 14.050 - AC
Sub-Total Shoppings em desenvolvimento 58,08% 106.634 61.930
Total do portfolio 529.915 287.764
(A) Administração | (C) Comercialização
¹Participação detida através de 2 condomínios - 41,59% do Naciguat e 71,49% do Riguat
4
Desempenho de Vendas
As vendas totais dos shoppings da Companhia apresentaram um Análise de Vendas 3T10 28,4%
crescimento de 28,4% no 3T10 em relação ao mesmo período do ano
anterior, alcançando R$ 958 milhões. Nos primeiros nove meses de 2010, as
vendas atingiram R$2,7 bilhões, 26,1% acima do mesmo período do ano
passado. 14,9% 15,1%

Os shoppings que apresentaram um maior crescimento de vendas no


4,6%
período foram o Caxias Shopping, o Shopping Grande Rio e o Bangu
Shopping, com crescimento de 29,1%, 26,1% e 23,0%, respectivamente.
Implementamos melhorias no mix do Caxias Shopping e do Bangu Shopping
e a inauguração do Poupa Tempo no Shopping Grande Rio no 4T09 IPCA SSS SAS Vendas Totais
aumentou a frequência do empreendimento. Vale ressaltar ainda o posicionamento destes ativos que possuem entre seus
frequentadores a “Nova Classe Média” e são beneficiados pelo amplo processo de inclusão social que acontece no País.

Também merece destaque a performance de vendas dos shoppings Boulevard Brasília – crescimento de vendas por m² de
35,4% no 3T10 em comparação com o mesmo período de 2009 – e Santa Úrsula – crescimento de vendas por m² de 23,1% no
3T10, que começam a apresentar os resultados do aumento das taxas de ocupação e do fluxo de consumidores.

As vendas das mesmas lojas (SSS) e das mesmas áreas (SAS) da Companhia apresentaram um crescimento no 3T10 de 14,9% e
15,1%, respectivamente. Analisando as vendas das mesmas lojas por grupo, os Ativos Core apresentaram um crescimento de
11,3% e a Nova Geração de ativos aumentou em 22,4%. Nos primeiros 9 meses do ano, SSS e SAS apresentaram crescimento de
13,5% e 13,4%, respectivamente.

SSS (R$/m²)¹
Ativos Core Nova Geração
11,3%
Vendas (R$ milhões) 938,4
22,4%
842,8
784,1
958
640,3

746
666
28,4%
482

3T09 3T10 3T09 3T10


3T07 3T08 3T09 3T10
¹ média mensal

3T10/3T09 9M10/9M09
Vendas por shopping 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
(Valores em milhares de reais)
Shopping Iguatemi Salvador 263.511 227.745 15,7% 760.362 690.032 10,2%
Shopping Taboão 73.844 63.624 16,1% 208.824 177.360 17,7%
Via Parque Shopping 90.015 74.907 20,2% 260.641 223.244 16,8%
Boulevard Shopping Campina Grande 43.138 39.356 9,6% 127.789 112.360 13,7%
Shopping Grande Rio 79.201 61.947 27,9% 225.516 178.797 26,1%
Carioca Shopping 61.967 57.332 8,1% 176.162 162.835 8,2%
Supershopping Osasco 42.783 40.184 6,5% 126.532 120.881 4,7%
Bangu Shopping 91.997 76.327 20,5% 258.238 209.928 23,0%
Santana Parque Shopping 47.362 42.307 11,9% 138.945 117.737 18,0%
Shopping Santa Úrsula 28.066 18.068 55,3% 73.635 58.646 25,6%
Caxias Shopping 46.172 36.045 28,1% 125.888 97.548 29,1%
Boulevard Shopping Brasília 20.776 8.528 143,6% 54.922 8.528 544,0%
Boulevard Shopping Belém 69.519 0 n/a 183.572 0 n/a
Total 958.351 746.371 28,4% 2.721.024 2.157.895 26,1%
ABL que informa vendas (média) 368.061 327.680 12,3% 361.706 322.753 12,1%
5
Destaques Financeiros
Receita Bruta Composição da Receita - 3T10
Prestação de
serviços
O aumento da ABL da Companhia, com a inauguração do Boulevard 11,3%
Shopping Belém no final de 2009 e das expansões do Shopping Taxa de Aluguel
Grande Rio e do Carioca Shopping, aliado com o desempenho de transf. Mínimo
0,4% Aluguéis 84,2%
nossos ativos em operação fizeram com que a receita bruta da 70,7%
Companhia apresentasse crescimento de 28,9% no 3T10 e 30,9% nos Estaciona-
mento
primeiros nove meses de 2010. Vale ressaltar que os aluguéis das 11,7%
mesmas lojas (SSR) e mesmas áreas (SAR) apresentaram no 3T10 o
Stands /
maior nível já apurado pela Companhia. Em ambos os casos, a CDU
Quiosques Aluguel
6,0% percentual
variação no 3T10 foi de 8,8% em relação ao mesmo período de 2009 7,0%
8,7%
(Vide seção de Destaques Operacionais).

3T10/3T09 9M10/9M09
Informações Financeiras Gerenciais 3T10 3T09 9M10 9M09 Comentári
Δ% Δ%
Receitas por Natureza (Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Reclassifica
Aluguéis 36.263 27.636 31,2% 105.724 80.662 31,1% entre CDU
Cessão de direito de uso 3.245 3.288 -1,3% 9.339 7.541 23,8% pela neutra
Estacionamento 6.267 4.039 55,2% 16.914 11.528 46,7%
locação do
Taxa de transferência 205 141 45,4% 464 439 5,7%
Prestação de serviços 6.056 4.917 23,2% 17.916 14.024 27,8%
Ajuste aluguel linear - CPC 06 1.757 1.715 2,4% 6.008 5.290 13,6%
Total 53.793 41.736 28,9% 156.365 119.484 30,9%

3T10/3T09 9M10/9M09
Informações Financeiras Gerenciais 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
Receitas por Empreendimentos (Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Shopping Iguatemi Salvador 9.401 9.046 3,9% 27.813 27.020 2,9%
Shopping Taboão 2.481 2.934 -15,4% 7.634 7.974 -4,3%
Via Parque Shopping 5.959 4.945 20,5% 16.693 14.506 15,1%
Boulevard Shopping Campina Grande 568 524 8,4% 1.714 1.543 11,1%
Shopping Grande Rio 2.530 1.817 39,2% 6.523 5.199 25,5%
Carioca Shopping 2.150 1.749 22,9% 6.314 5.122 23,3%
Supershopping Osasco 1.121 1.044 7,4% 3.270 3.271 0,0%
Bangu Shopping 7.753 7.764 -0,1% 22.307 20.312 9,8%
Santana Parque Shopping 2.603 2.366 10,0% 7.579 7.567 0,2%
Shopping Santa Úrsula 720 372 93,5% 1.941 1.133 71,3%
Caxias Shopping 1.647 1.558 5,7% 5.024 4.270 17,7%
Boulevard Shopping Brasília 825 389 n/a 2.185 515 n/a
Boulevard Shopping Belém 7.595 - n/a 21.619 - n/a
Lojas C&A 627 596 5,2% 1.825 1.738 5,0%
Serviços 6.056 4.917 23,2% 17.916 14.024 27,8%
Ajuste aluguel linear - CPC 06 1.757 1.715 2,4% 6.008 5.290 13,6%
Total 53.793 41.736 28,9% 156.365 119.484 30,9%

No 3T10, as receitas de locação dos shoppings da Companhia tiveram um crescimento de 31,2% em relação ao mesmo período
de 2009 e nos primeiros nove meses do ano o crescimento foi de 31,1%. Novamente, além do melhor desempenho dos
shoppings no período, a inauguração do Boulevard Shopping Belém também contribuiu para o acréscimo de receita.

A receita bruta do Shopping Taboão diminuiu no 3T10 em relação ao mesmo período de 2009 em vista principalmente da
redução da receita de cessão de direito de uso.
A receita bruta do Bangu Shopping no 3T09 foi positivamente impactada pelo reconhecimento da receita de cessão de direito
de uso diferida de lojas substituídas no primeiro semestre de 2009, contribuindo com uma receita extraordinária da ordem de

Aluguéis
70,7%
6
Aluguéis
R$1,0 milhão e impactando o desempenho do shopping. Excluindo-se este efeito, o Bangu Shopping apresentou crescimento de
14,6% no 3T10 frente ao 3T09 e 15,5% nos primeiros nove meses de 2010 frente ao mesmo período do ano passado.

A receita bruta de aluguel em 2010 foi fortemente impulsionada pela inauguração do Boulevard Shopping Belém,
representando R$6,2 milhões no 3T10 e R$17,9 milhões no acumulado do ano. Este empreendimento representou 14,1% e
13,8% da receita bruta da Companhia no 3T10 e nos primeiros nove meses do ano, respectivamente, contribuindo para a
diluição da participação relativa de cada shopping.

O Shopping Grande Rio apresentou um aumento da receita bruta de 39,2% no 3T10 quando comparado ao mesmo período de
2009, reflexo da conclusão da comercialização das lojas oriundas da expansão ocorrida no 2T09 e da inauguração da expansão
do Poupa Tempo no 4T09.

3T10/3T09 9M10/9M09
Receita de Locação por shopping 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
(Valores em milhares de reais)
Shopping Iguatemi Salvador 8.947 8.571 4,4% 26.426 25.633 3,1%
Shopping Taboão 2.169 1.862 16,5% 5.976 5.506 8,5%
Via Parque Shopping 3.610 3.556 1,5% 10.707 10.426 2,7%
Boulevard Shopping Campina Grande 551 506 8,9% 1.665 1.495 11,4%
Shopping Grande Rio 1.564 1.434 9,0% 4.663 4.157 12,2%
Carioca Shopping 1.771 1.639 8,1% 5.199 4.699 10,6%
Supershopping Osasco 945 861 9,8% 2.757 2.645 4,2%
Bangu Shopping 5.625 5.031 11,8% 16.223 14.179 14,4%
Santana Parque Shopping 1.855 1.732 7,1% 5.499 5.431 1,3%
Shopping Santa Úrsula 549 359 52,9% 1.540 1.064 44,7%
Caxias Shopping 1.096 1.124 -2,5% 3.377 3.197 5,6%
Boulevard Shopping Brasília 756 365 107,1% 2.012 492 308,9%
Boulevard Shopping Belém 6.198 - n/a 17.855 - n/a
Lojas C&A 628 596 5,4% 1.825 1.738 5,0%
Total 36.263 27.636 31,2% 105.724 80.662 31,1%

Custo de Aluguéis e Serviços

A inauguração do Boulevard Shopping Belém, associado ao incremento de receita, é responsável pelo incremento de R$2,3
milhões no custo de aluguéis e serviços no trimestre e R$7,8 milhões nos primeiros nove meses do ano. Esta inauguração
representou impacto direto no acréscimo das despesas de depreciação, que cresceram 133,2% no 3T10 e 84,6% nos primeiros
nove meses do ano em comparação com o mesmo período em 2009.

Vale destacar que os custos operacionais dos shoppings no 3T09 incluem a provisão para processos judiciais de INSS e IPTU
referentes ao Via Parque Shopping. Excluindo esta provisão, os custos operacionais dos shoppings aumentaram 14,5% e 30,6%
no 3T10 e no acumulado de 2010, respectivamente, em relação ao mesmo período do ano passado, em razão do aumento de
ABL própria da Companhia.

As renovações, juntamente com as comercializações das lojas dos empreendimentos em expansão, contribuíram para o
incremento de 9,5% nas despesas com comercialização e planejamento.

A redução de PDD no 3T10 reflete a adequação na estimativa para o shopping Iguatemi Salvador, com impacto de R$500 mil nas
demonstrações da Companhia.

3T10/3T09 9M10/9M09
Informações Financeiras Gerenciais 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
Custos por Natureza (Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Depreciação de propriedades 6.841 2.934 133,2% 20.247 10.967 84,6%
Custos operacionais dos shoppings 3.849 4.462 -13,7% 11.471 9.885 16,0%
Custo de estacionamento 2.359 1.470 60,5% 6.275 4.419 42,0%
Gastos pré-operacionais 1.635 1.471 11,1% 3.798 4.406 -13,8%
Custo de comercialização e planejamento 1.340 1.224 9,5% 3.771 3.436 9,7%
Provisão para devedores duvidosos (63) 781 -108,1% 1.751 2.050 -14,6%
Total 15.961 12.342 29,3% 47.313 35.163 34,6%

COMENTÁRIOS 3T10 7
Notas - Depreciação
Lucro Bruto
Lucro Bruto (R$ Mil)
O lucro bruto manteve sua trajetória de crescimento no 3T10 e nos primeiros 28,6% 97.732
nove meses do ano, apresentando um aumento de 28,9% e 28,6%,
respectivamente. O lucro bruto atingiu R$33,9 milhões no 3T10 frente a 76.003
R$26,3 milhões no mesmo período do ano anterior, refletindo o bom 28,9%
desempenho dos empreendimentos como um todo e o resultado das
inaugurações ocorridas.

33.895
26.292

3T09 3T10 9M09 9M10


(Despesas)/Receitas Operacionais
(Despesas)/Receitas Operacionais (R$ mil)¹
mil)
3T09 3T10 9M09 9M10 No 3T10, as despesas operacionais da Companhia cresceram 28,6% em
relação ao mesmo período de 2009, passando de R$6,8 milhões para R$8,8
milhões. Os principais fatores foram (i) a inclusão das despesas operacionais
(6.840) das empresas proprietárias dos novos empreendimentos (Belém e Brasília)
(8.796) no valor de R$0,3 milhões e (ii) o reconhecimento contábil do programa de
opção de ações estendido aos executivos no valor de R$0,6 milhões.

(22.556)
(27.366)

¹ Valores de 2009 excluem receita extraordinária da ação judicial

3T10/3T09 9M10/9M09
Informações Financeiras Gerenciais 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
(Despesas)/Receitas Operacionais (Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Despesas administrativas e gerais (7.762) (5.940) 30,7% (24.687) (18.161) 35,9%
Resultado da equivalência patrimonial - 68 n/a - 314 n/a
Despesa com depreciação e amortização de diferido e intangível (942) (875) 7,7% (2.891) (2.516) 14,9%
Outras (despesas)/receitas operacionais (92)
-525 (93) -1,1% 212 3.887 -94,5%
Total (8.796) (6.840) 28,6% (27.366) (16.476) 66,1%
Ação Judicial - - - (6.080) n/a
Total Ajustado (8.796) (6.840) 28,6% (27.366) (22.556) 21,3%

Resultado Financeiro
COMENTÁRIOS 3T10 Resultado Financeiro (R$ Mil)
As receitas- Despesas
financeiras apresentaram crescimento de R$ 10,2 milhões e R$ 3T09 3T10
administrativas e gerais => Em 3T10 ocorreram o adiantamento do bônus (R$304) e stock options (R$626)
9M09 9M10
22,8 milhões no 3T10 e no acumulado de 2010, respectivamente,
e aumento nas despesas com honorários da diretoria (R$396) quando
comparados ao mesmo período do ano anterior. Deve-se esse crescimento à (3.114)
(4.706)
liquidez proveniente da abertura de capital ocorrida em janeiro de 2010.

Em contrapartida, as despesas financeiras cresceram R$11,0 milhões no 3T10


e R$28,1 milhões nos primeiros nove meses de 2010 devido a (i) captação de (15.836)
novos CRIs no 4T09; (ii) captação do financiamento para construção do
Boulevard Shopping Belo Horizonte; (iii) financiamento da aquisição de 30%
do Bangu shopping ;e (iv) pelo reconhecimento a resultado do juros do CRI de
Belém após a inauguração do empreendimento no 4T09 (durante a (28.734)
construção do empreendimento estes juros foram ativados).

8
Destacamos também o reconhecimento do SWAP a valor de mercado na composição do resultado financeiro. No 3T10, foi
reconhecido um ajuste positivo de R$1,2 milhões e R$9,3 milhões no acumulado de 2010, contra um ajuste positivo de R$1,4
milhões no 3T09 e um ajuste negativo de R$9,3 milhões nos nove primeiros meses de 2009. Os ganhos obtidos com o SWAP no
pagamento de juros durante 2010 e 2009 reduziram R$0,5 milhões no trimestre e R$0,6 milhões no acumulado do ano.

Estes efeitos geraram um acréscimo nas despesas financeiras líquidas no 3T10 de R$1,6 milhões ou 51,1% frente ao 3T09. Nos
primeiros nove meses de 2010 a redução das despesas financeiras líquidas foi de 44,9%, passando de R$28,7 milhões em 2009
para R$15,8 milhões em 2010.

Lucro Líquido
Lucro Líquido (R$ Mil)
65,9%
41.232 No 3T10, o lucro líquido da Companhia atingiu R$ 16,6 milhões, um
crescimento de 34,8% em relação ao 3T09 e margem de 33,3% versus 31,9%
no mesmo período do ano anterior. Nos primeiros nove meses de 2010, o
lucro líquido atingiu R$ 41,2 milhões, 65,9% acima do mesmo período do ano
34,8% 24.849
anterior e margem de 28,4%. Este resultado reflete o excelente desempenho
16.605 operacional de nossos ativos e a sólida estrutura de capital da Companhia.
12.322

3T09 3T10 9M09 9M10

NOI

A expansão do portfólio e o amadurecimento dos shoppings inaugurados nos últimos anos fizeram com que o NOI da
Companhia apresentasse um crescimento de 38,2% no 3T10 e 33,5% nos primeiros nove meses do ano, atingindo R$41,6
milhões (margem de 91,7%) no 3T10 e R$119,0 milhões (margem de 90,0%) no acumulado de 2010.

3T10/3T09 9M10/9M09
Informações Financeiras Gerenciais 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
NOI (Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Aluguéis 38.225 29.492 29,6% 112.196 86.391 29,9%
Cessão de direito de uso 3.245 3.288 -1,3% 9.339 7.541 23,8%
Resultado de estacionamento 3.908 2.569 52,1% 10.639 7.109 49,7%
Resultado Operacional 45.378 35.349 28,4% 132.174 101.041 30,8%
(-) Custos operacionais dos shoppings (3.849) (4.462) -13,7% (11.471) (9.885) 16,0%
(-) Provisão para devedores duvidosos 63 (781) -108,1% (1.751) (2.050) -14,6%
(=) NOI 41.592 30.106 38,2% 118.952 89.106 33,5%
Margem NOI 91,7% 85,2% 6,5p.p. 90,0% 88,2% 1,8p.p.

EBITDA Ajustado

O EBITDA ajustado da Companhia atingiu R$34,3 milhões no 3T10, um crescimento de 38,1% em relação ao 3T09, atingindo
margem de 68,9%. Nos primeiros nove meses de 2010, o EBITDA ajustado cresceu 30,6% em comparação ao mesmo período de
2009, atingindo R$96,5 milhões com uma margem de 66,5% no ano.
3T10/3T09 9M10/9M09
Informações Financeiras Gerenciais 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
(valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Receita Líquida 49.856 38.634 29,0% 145.045 111.166 30,5%
(-) Custos (15.961) (12.342) 29,3% (47.313) (35.163) 34,6%
(-) Despesas (8.796) (6.840) 28,6% (27.366) (16.476) 66,1%
(+) Depreciação e amortização 7.783 3.810 104,3% 23.138 13.483 71,6%
(=) EBITDA 32.882 23.262 41,4% 93.504 73.010 28,1%
(+)/ (-) Despesas/ (Receitas) não recorrentes 1.463 1.617 -9,5% 2.973 871 241,3%
(+) Gastos pré-operacionais 1.635 1.471 11,1% 3.798 4.406 -13,8%
(-) Ações judiciais - - n/a - (6.080) n/a
(+/-) Outros (172) 146 -217,8% (825) 2.545 -132,4%
(=) EBITDA ajustado 34.345 24.879 38,1% 96.477 73.881 30,6%
Margem EBITDA ajustado 68,9% 64,4% 4,5 p.p. 66,5% 66,5% 0,0 p.p.
9
FFO e FFO Ajustado (AFFO)
O crescimento apresentado no resultado operacional, em função da inauguração do Boulevard Shopping Belém e do
amadurecimento de novos shoppings, aliado a estruturação de operações de financiamento de longo prazo (com carência de
pagamento de principal e juros) fizeram com que o AFFO da Companhia apresentasse um crescimento de 105,4% no 3T10 em
relação ao 3T09, passando de R$17,5 milhões para R$35,9 milhões e aumentando a margem de 45,2% para 72,0%. No
acumulado do ano, esse crescimento foi de 103,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.

3T10/3T09 9M10/9M09
Informações Financeiras Gerenciais 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
FFO (Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Lucro Líquido 16.605 12.322 34,8% 41.232 24.849 65,9%
(+) Depreciação e amortização 7.783 3.810 104,3% 23.138 13.483 71,6%
(=) FFO 24.388 16.132 51,2% 64.370 38.332 67,9%
(+)/ (-) Despesas/ (Receitas) não recorrentes 1.463 1.617 -9,5% 2.973 871 241,3%
(+) Efeito SWAP (1.178) (1.445) n/a (9.316) 9.300 -200,2%
(+) Despesas financeiras não desembolsadas 9.527 496 n/a 30.304 1.052 n/a
(+)/ (-) Impostos não caixa 1.694 679 149,5% 7.065 (2.752) -356,7%
(=) FFO ajustado 35.894 17.479 105,4% 95.396 46.803 103,8%
Margem AFFO % 72,0% 45,2% 26,8 p.p. 65,8% 42,1% 23,7 p.p.

CAPEX
O CAPEX investido pela Companhia foi R$75,4 milhões no 3T10 e R$164,6 milhões nos primeiros nove meses do ano. Os
investimentos concentraram-se nos shoppings Boulevard Shopping Belo Horizonte e Boulevard Shopping Belém, além das
expansões nos shoppings em operação e da revitalização do Shopping Santa Úrsula. Adicionalmente, adquirimos 50% de
participação no Parque Shopping Belém (projeto em desenvolvimento) e 2,06% de fração ideal do Super Shopping Osasco. Para
maiores detalhes, ver seção Vetores de Crescimento.

Destaques Operacionais
As séries históricas e comparativos com trimestres anteriores abaixo apresentados confirmam a melhoria dos indicadores
operacionais dos shoppings da Companhia no 3T10.

Resultado Operacional (NOI/m²)

NOI (R$/m²)¹ O NOI/m² da Companhia no 3T10 apresentou um crescimento de


61,4 20,0% frente ao realizado no 3T09, em linha com o apresentado no
59,4
52,9
56,0
trimestre anterior.
49,8 49,2 51,2
51,1
46,5
41,7 43,4

1o. Trimestre 2o. Trimestre 3o. Trimestre 4o. Trimestre


2008 2009 2010

10
Aluguel de mesmas lojas (SSR)
SSR (R$/m²)¹
Os aluguéis das mesmas lojas (SSR) e mesmas áreas (SAR) apresentaram no Ativos Core Nova Geração
3T10 o maior crescimento já visto pela Companhia. Em ambos os casos, a
variação no 3T10 foi de 8,8% em relação ao mesmo período de 2009. 7,3%
56,4
Novamente, o grupo de ativos da Nova Geração apresentou um maior 52,6 12,4%
crescimento nos aluguéis das mesmas lojas (SSR) que o grupo dos ativos
39,1
Core. Os shoppings inaugurados pela Companhia há menos de 5 anos 34,8
registraram um crescimento de SSR de 12,4% versus uma variação de 7,3%
apresentada pelos ativos Core.

Nossa expectativa para o 4T10 é que teremos um crescimento mais


significativo, devido a forte concentração de reajustes de contratos que 3T09 3T10 3T09 3T10
serão beneficiados por uma variação média de nosso índice de reajuste em ¹ média mensal
torno de 8,5%.

Taxa de Ocupação

Taxa de Ocupação (%)


No 3T10, a taxa de ocupação em nossos shoppings foi de 97,9%, incluindo o
97,9% Boulevard Shopping Brasília. Neste trimestre, 6 de nossos 13 shoppings
97,3% apresentaram taxas de ocupação superior a 99%. Nossa expectativa para o
96,9% 97,0% próximo trimestre se mantém positiva onde esperamos que mais 2
96,3% shoppings atinjam esse patamar.

Para refletir a evolução da taxa de ocupação, incluímos em nosso histórico os


shoppings inaugurados recentemente, o Boulevard Brasília (a partir do 3T09)
3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 e o Boulevard Belém (a partir de dezembro de 2009).

Custo de Ocupação (% de vendas) Custo de Ocupação (%)


Ativos Core Nova Geração
No 3T10, a Companhia voltou a apresentar um baixo custo de ocupação,
9,6% em comparação a 10,1% no mesmo período do ano anterior (no gráfico
ao lado mostramos a trajetória do custo de ocupação por grupo de ativos). O 11,1%
10,0% 10,4%
aumento de vendas observado em nosso portfólio contribuiu para a redução 9,4%
no custo de ocupação, abrindo espaço para crescimentos mais
representativos nos aluguéis ao longo dos próximos trimestres. Vale
ressaltar que o grupo de ativos da Nova Geração apresentou um aumento no
custo de ocupação por conta do início das operações do Boulevard Shopping
Belém, que ainda apresenta um custo superior à média deste grupo de
ativos.
3T09 3T10 3T09 3T10

11
Vetores de Crescimento
Os projetos em expansões e greenfields no pipeline da Companhia apontam para um crescimento de ABL própria de 23,2% ao
final de 2011 e 43,0% ao final de 2012. Ao final de 2012, alcançaremos uma ABL própria de aproximadamente 320 mil m² já
contratada.

Evolução ABL Própria Maceió +


Parque Shopping Belém
31.785 322.943

Boulevard BH 13.085
30.145 12.997
225.835
9.097 43,0%

3T10 2010 2011 2012 Final 2012


Expansões Desenvolvimento

Projetos GREENFIELD

Boulevard Shopping Belo Horizonte – Inaugurado em 26 de Outubro de 2010

O Boulevard Shopping marca a chegada da Aliansce ao mercado de Minas Gerais, reforçando a atuação da Companhia na região
sudeste do país. Com aproximadamente 43 mil m² de ABL, o shopping conta com as maiores redes varejistas nacionais, tais
como Renner, Riachuelo, C&A, Casas Bahia, Ponto Frio entre outras. No total são 200 lojas, sendo 4 âncoras e 10 megalojas.
Além disso, o shopping conta com um hipermercado Carrefour, 6 salas de cinema multiplex e mais de 2.300 vagas de
estacionamento. O shopping inicia suas atividades com mais de 90% de sua ABL comercializada. A expectativa de público é de
mais de 1 milhão de pessoas por mês. O shopping contará ainda com uma torre comercial triple A com 16 andares e
aproximadamente 17.000 m² de área útil que será construída em cima do shopping.

Boulevard Shopping Belo Horizonte


Estado MG
ABL 43.064 m²
Lançamento Junho de 2008
Inauguração Prevista 26 de Outubro de 2010
Participação 70%
% comercializado 90%
TIR (a.a.) 15%
% Aliansce
CDU Líquido R$ 11,3 milhões
CAPEX R$ 193,2 milhões
% Capex Realizado 88%
NOI 1º ano R$ 14,7 milhões
NOI 3º ano R$ 17,6 milhões

Parque Shopping Belém

Em 19 de agosto de 2010, realizamos o lançamento comercial do Parque Shopping Belém. O sucessso comercial do
empreendimento nos estimulou a rever a dimensão do shopping. O novo projeto, em fase final de aprovação, contará com
aproximadamente 28.100 m² de ABL, sendo 5 âncoras, 180 satélites e 1.080 vagas de estacionamento.

12
A revisão deste projeto também viabiliza uma expansão futura que acrescentará aproximadamente 6.500 m² de ABL ao
empreendimento, além de 750 vagas de estacionamento. Além da futura expansão, também está prevista a inclusão de um
projeto multiuso com torres comerciais integradas ao shopping.

Parque Shopping Belém


Estado PA
ABL 28.100 m²
Lançamento Agosto de 2010
Inauguração Prevista 1º semestre de 2012
Participação 50%
TIR (a.a.) 17%
% Aliansce
CDU Líquido R$ 5,7 milhões
CAPEX R$ 70,1 milhões
% Capex Realizado 5%
NOI 1º ano R$ 7,8 milhões
NOI 3º ano R$ 9,0 milhões

Shopping Maceió

Ao longo do 3T10, obtivemos a Licença ambiental de Implantação – LI do imóvel, o que nos permite iniciar a execução dos
projetos de terraplanagem. Demos sequência no detalhamento de projetos e esperamos conseguir o alvará de construção da
Prefeitura de Maceió durante o 4T10.

A região onde implantaremos o empreendimento vem apresentando um desenvolvimento acelerado com uma grande
quantidade de lançamentos imobiliários. Estes fatores vem contribuindo para valorização dos preços dos imóveis, já
influenciados pela futura inauguração do Shopping.

Shopping Maceió
Estado AL
ABL 35.470 m²
Lançamento 4T10
Inauguração Prevista 2012
Participação 50%
TIR (a.a.) 17%
% Aliansce
CDU Líquido R$ 5,5 milhões
CAPEX R$ 82,1 milhões
% Capex Realizado 17%
NOI 1º ano R$ 7,8 milhões
NOI 3º ano R$ 9,8 milhões

Expansões

Projetos em Andamento

Os projetos com inauguração prevista para os próximos 12 meses irão acrescentar aproximadamente 20.000 m² à ABL própria
da Companhia.

ABL % Aliansce (R$ milhões)


Inaugu- ABL % TIR
Projetos em Andamento Estado Própria NOI 1º NOI 3º Locação
ração (m²) Aliansce CAPEX CDU Líquido (a.a.)
(m²) Ano Ano
Expansão Carioca Shopping RJ 4T10 622 40,00% 249 2,4 0,0 0,3 0,3 100% 15%
Expansão Iguatemi Salvador BA 4T10 7.305 41,59% 3.038 9,0 2,5 1,4 1,7 100% 26%
Expansão Bangu Shopping RJ 4T10 5.810 100,00% 5.810 22,3 3,2 3,7 4,2 95% 27%
Expansão Bangu - Centro Médico RJ 2T11 2.000 100,00% 2.000 2,8 -0,2 1,1 1,1 50% 40%
Expansão Bangu - Offices RJ 3T11 4.500 100,00% 4.500 7,4 -0,5 2,5 3,0 0% 40%
Via Parque Shopping RJ 3T11 4.586 69,62% 3.193 6,8 0,0 1,8 2,0 0% 38%
Expansão Campina Grande - Fase 01 PB 4T11 3.579 30,52% 1.092 4,0 0,1 0,5 0,5 65% 15%
Total 28.402 19.882 54,8 5,1 11,3 12,8

13
Expansão Carioca Shopping

Ao longo de 2010, realizamos um investimento total de aproximadamente R$1,4 milhões no projeto de expansão do Carioca
Shopping, onde 70% da ABL prevista já foram inauguradas. O restante da ABL, também 100% comercializada, será inaugurada
no 4T10. Ainda no último trimestre de 2010, concluiremos a revitalização do 2º piso do empreendimento, e a expectativa da
Companhia é que as mudanças realizadas aumentem o fluxo de consumidores e conseqüentemente resultem na valorização dos
espaços comerciais da área.

Expansão Iguatemi Salvador

Com inauguração prevista para dezembro e com mais de 60% dos


investimentos realizados, a expansão agregará 7.305 m² de ABL ao
empreendimento, uma âncora (Leader Magazine), 2 megalojas (Casas Bahia
e Le Biscuit) e uma academia de ginástica, em fase final de negociação. O
deck parking, que acrescentará 389 vagas ao empreendimento também está
em fase final de construção. A revitalização da principal praça de
alimentação do shopping será inaugurada no final de novembro.

Expansão Bangu Shopping

A 1ª fase da expansão, que está em fase final de construção, irá acrescentar


5.810 m² de ABL ao shopping no final do mês de novembro, dentro do
cronograma previsto. A expansão já se encontra 100% comercializada,
incluindo contratos com 2 lojas âncoras - Riachuelo e Marisa e 26 lojas
satélites.

A 2ª fase, um Centro Médico com 2.000 m² de ABL com inauguração prevista


para o 2T11, inclui um laboratório, um centro de imagens e consultórios,
reforçando ainda mais o mix do shopping. A 3ª fase, prevista para o 3T11,
contará com 4.500 m² de ABL e trará o conceito de Complexo Multiuso ao
empreendimento, acrescentando uma área de offices e um restaurante.

Expansão Boulevard Shopping Campina Grande

O projeto de expansão do Boulevard Campina Grande prevê um acréscimo total de 10.596 m² de ABL ao empreendimento,
dividida em 3 fases. A 1ª fase, em processo de detalhamento de projetos, teve sua inauguração adiada para o 4T11 em função
de negociações entre os sócios do empreendimento e o banco que financiará a expansão. O projeto foi mantido, com 3.579 m²
de ABL, contemplando 2 âncoras e 13 lojas satélites. A 2ª Fase, com previsão de inauguração para o 2T12, acrescentará 1.817
m² ao shopping e um estacionamento deck-parking com 204 vagas. A 3ª Fase, com inauguração prevista para 2013,
acrescentará um 2º piso ao shopping com 5.200 m² de ABL.

14
Expansão Via Parque Shopping

Devido às negociações comerciais já realizadas, o


projeto da expansão do Via Parque Shopping foi
dividido em 2 Fases.

1ª Fase: Com previsão de inauguração no 3T11, a


expansão que ocupará a parte superior da atual loja
da C&C, acrescentando 4.585 m² de ABL ao
empreendimento. Esta expansão, já em fase de
detalhamento de projetos, contará com uma loja
âncora e 2.326 m² de satélites.

2ª Fase: Com previsão de inauguração no 2T12, esta fase acrescentará cerca de 3.100 m² de ABL ao shopping, possibilitando a
entrada de 2 novas âncoras além de 550m² de lojas satélites. Além das lojas está prevista a remodelagem do cinema para o
formato stadium, incorporando as novas tendências do segmento.

Ao final destas 2 Fases, o Via Parque estará renovado, com um mix diversificado e fortemente ancorado, pronto para atender o
crescimento da demanda no seu entorno que passa por uma forte expansão imobiliária.

Futuras Expansões

Os projetos com inauguração prevista para o 4T11 e para o ano de 2012 irão acrescentar aproximadamente 15.300 m² à ABL
própria da Companhia.

ABL ABL Própria


Futuras Expansões Estado Inauguração % Aliansce
(m²) (m²)
Shopping Taboão SP 4T11 6.053 38,00% 2.300
Via Parque Shopping - Cinema RJ 2T12 3.414 69,62% 2.377
Caxias Shopping RJ 2T12 5.000 40,00% 2.000
Shopping Grande Rio RJ 2T12 5.000 25,00% 1.250
Boulevard Shopping Campina Grande - Fase 02 PB 2T12 1.817 30,52% 555
Iguatemi Salvador BA 2T12 8.500 41,59% 3.535
Carioca Shopping - Poupa Tempo RJ 2T12 8.200 40,00% 3.280
Total 37.984 15.297

15
Estudo de caso – Shoppings voltados para as classes B e C desenvolvidos pela
Aliansce
O portfólio da Aliansce conta com empreendimentos em todas as regiões do país e exposição a uma diversificada faixa de
renda. Aproximadamente 40% da ABL própria da Companhia são voltadas para as classes B e C e possuem a localização e o mix
de lojas adequados para aproveitar o crescimento desta camada da população. Vale ressaltar que a maior parte destes ativos foi
desenvolvida pela Aliansce e são administrados pela Companhia.

Além do aumento do número de consumidores da classe B, a classe C, chamada de “nova classe média” ou classe emergente,
passou a englobar mais da metade da população brasileira, segundo estudo realizado pelo Ibope. São 32 milhões de novos
consumidores, com idade entre 12 e 64 anos, nas principais regiões metropolitanas do País. Essa grande migração de
consumidores proporcionou o surgimento de um grupo com características próprias e com uma demanda reprimida capaz de
manter o crescimento consistente do varejo nas regiões onde se encontra. A Aliansce não somente acompanha de perto este
crescimento como desenvolveu e vem desenvolvendo projetos em áreas com grande concentração desta nova parcela do
consumo brasileiro.

Distribuição da população Total por


classe socio-econômica

Metade da população brasileira


(32 milhões de novos consumidores)
Classe
30% População '000 hab. %
Socio-econômica
AB1 11.347 17%
19% 20%
17% B2 12.364 19%
14% C1 19.505 30%
C2 12.746 20%
DE 9.214 14%
AB1 B2 C1 C2 DE
TOTAL 65.176 100%

Nota: Classe C abrange faixa de renda entre R$600 a R$2.099 e considera apenas pessoas com idade entre 12 e 64 anos.

14,00% 10,0%

12,00% 5,0%

0,0%
10,00%
-5,0%
8,00%
-10,0%
6,00% -15,0%

4,00% -20,0%
set/03

set/04

set/05

set/06

set/07

set/08

set/09

set/10
mar/08
mar/03

mar/04

mar/05

mar/06

mar/07

mar/09

mar/10

Taxa de desemprego (%) Salário Médio Real (YoY)


Fonte: IBGE
Selecionamos em nosso portfólio o grupo de ativos voltados para as classes B- e C desenvolvidos pela Companhia e/ou por
nossos executivos anteriormente à fundação da Companhia, para analisarmos o crescimento de alguns indicadores
operacionais. Os shoppings analisados foram:

Shoppings Inauguração ABL (m²)


Shopping Grande Rio 1995 35.825
Shopping Taboão 2002 35.601
Bangu Shopping 2007 46.318
Caxias Shopping 2008 25.607

16
Os indicadores operacionais apresentados por estes shoppings ao longo dos últimos cinco anos vêm a ratificar os estudos
mencionados, com um CAGR de NOI acima de 15%, custo de ocupação decrescente e taxas de ocupação média acima de 99%,
mesmo considerando inauguração de expansões. Além disso, a tabela abaixo ilustra o desempenho das vendas e aluguéis nas
mesmas lojas (SSS e SSR) e mesma área (SAS e SAR) deste grupo de ativos voltados para as classes B e C.

3T10/3T09 9M10/9M09
Principais Indicadores 3T10 3T09 9M10 9M09
Δ% Δ%
SSS/m² 866,4 712,8 21,6% 797,9 651,8 22,4%
SAS/m² 867,5 711,1 22,0% 787,8 641,4 22,8%
SSR/m² 41,7 37,4 11,3% 40,1 36,7 9,3%
SAR/m² 42,3 37,8 12,1% 39,9 35,9 11,0%
Taxa de Ocupação 99,3% 99,3% 0 p.p. 99,4% 99,3% 0,1 p.p.
Custo de Ocupação 9,1% 9,9% -0,8 p.p. 9,6% 10,6% -1 p.p.
Vendas/m² 823,5 676,3 21,8% 772,2 625,1 23,5%
Aluguel/m² 45,5 40,0 13,6% 44,9 41,5 8,2%

Endividamento e Disponibilidades

A dívida líquida da Companhia continua estável, tendo aumentado ligeiramente devido a novos desembolsos do financiamento
referente ao Boulevard Shopping Belo Horizonte.
Endividamento
Composição da Dívida Curto Prazo Longo Prazo
O perfil atual da dívida da Companhia possui um Total
prazo médio de maturação de 8,4 anos, sendo Bancos 43.280 130.156 173.436
93,7% indexada à TR e IPCA. A maior parte do CCI/ CRI 66.697 394.582 461.279
nosso caixa é gerido através de um Fundo Obrigação para compra de ativos 7.156 55.524 62.680
Exclusivo onde, nos nove meses encerrados em DÍVIDA TOTAL 117.133 580.262 697.395
30 de setembro de 2010, obtivemos uma Caixa e aplicações financeiras (434.909) - (434.909)
rentabilidade de 101,7% do CDI (para mais DÍVIDA LÍQUIDA (317.776) 580.262 262.486
detalhes, ver ITR 3T10).

Continuamos a estudar alternativas de financiamento para alinhar nosso fluxo de caixa financeiro buscando substituir parte da
nossa dívida atrelada ao IPCA por um financiamento de prazo alongado e condições mais atraentes.

Em 30 de setembro de 2010, a Aliansce apresentava uma dívida líquida de aplicações financeiras de R$ 262,5 milhões. Excluindo
minoritários, nossa dívida líquida de aplicações financeiras foi R$198,6 milhões. Incluímos neste total R$ 62,7 milhões referentes
a obrigações por compra de ativos, cujo maior parte é representada pelo saldo a pagar em 2013 pela aquisição de 30% do
Bangu Shopping.

Cronograma de Amortização de Principal - R$ Milhões Perfil da Dívida - Indexadores

TR
71,9%
131,6 IPCA
21,7%
82,9 86,3 CDI
70,4 70,8 76,6 75,7 5,2%
60,3 54,5
44,7 41,3
29,3
Outros TJLP
2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021
0,4% 0,7%

Cerca de R$348,7 milhões (49,1%) da nossa dívida tem carência de principal e juros ao longo de 2010. Desta forma, as despesas
financeiras não desembolsadas em 2010 (que serão contabilizadas no passivo da Empresa) representam aproximadamente
R$40,6 milhões. Em 2011, as despesas financeiras não desembolsadas deverão totalizar R$25,8 milhões.

17
Evolução do Saldo Devedor
800
700
Outras
600
TJLP
R$ Milhões

500
CDI
400
IPCA
300
TR
200
100
-
2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021

Desempenho da Ação
A ação da Aliansce (ALSC3) encerrou o 3T10 cotada a R$ 13,00, o que representa uma valorização de 14,5% em relação ao preço
de fechamento do trimestre passado, R$ 11,35. No mesmo período, o índice Ibovespa obteve uma valorização de 13,9%.

O free-float da Companhia aumentou de 51,19% no último trimestre para 52,53% no dia 30/09/2010, contribuindo ainda mais
para melhora na liquidez da ação. Em 01 de novembro de 2010, o volume financeiro médio diário dos últimos 30 dias de
negociação foi de R$ 4,0 milhões.

Composição Acionária Atual


120 16
14
115
12
110 10
GGP
8 Free Float
105 31,44%
6 52,53%
4
100
2
95 0
6/7/2010

4/8/2010

1/9/2010
8/9/2010
30/6/2010

13/7/2010
19/7/2010
23/7/2010
29/7/2010

10/8/2010
16/8/2010
20/8/2010
26/8/2010

14/9/2010
20/9/2010
24/9/2010
30/9/2010

Rique
Empreen-
Adminis- Gávea dimentos
tradores Investim. e Part.
Volume (R$ milhões) ALSC3 Ibovespa
1,28% 2,01% 12,74%

18
Eventos Recentes

Convocação da Assembléia Geral Extraordinária de Acionistas para aprovação da compra de


participação no Boulevard Shopping Campos

Em 04 de novembro de 2010, convocamos Assembléia Geral Extraordinária de Acionistas, a ser realizada no dia 19 de novembro
de 2010, para aprovação da compra de participação no Boulevard Shopping Campos.

Os vendedores são partes relacionadas da Companhia e no sentido de dar a maior transparência possível ao processo de
aquisição e estar em linha com as melhores práticas de governança corporativa, as seguintes medidas foram tomadas:

• Contratação de uma empresa de avaliação independente, Cushman & Wakefield, para elaboração de laudo
que subsidia o valor negociado;
• Abstenção de voto das partes relacionadas na reunião do Conselho de Administração que avaliou a transação;
• Convocação da Assembléia Geral Extraordinária de Acionistas para aprovação da aquisição;
• Abstenção de voto dos acionistas do grupo de controle da Companhia na Assembléia Geral Extraordinária que
aprovará a compra.

Sujeito à aprovação da aquisição na Assembléia Geral Extraordinária de Acionistas e ao exercício do direito de preferência pelo
sócio atual, a Aliansce terá uma participação entre 50% e 70% do empreendimento.

Com aproximadamente 450 mil habitantes e mais de 1 milhão de pessoas em sua área de influência, a cidade de Campos dos
Goytacazes possui um dos maiores PIB per capita do estado do Rio de Janeiro e se destaca por ser um dos maiores e mais
modernos pólos petrolíferos do mundo. O Boulevard Shopping Campos será o primeiro grande shopping Center da região e se
encontra em fase de construção com previsão de inauguração para abril de 2011.

A área total do terreno é de aproximadamente 150 mil m² e possui potencial construtivo que permite futuras expansões além
da inclusão de um hotel de rede nacional ao empreendimento e do desenvolvimento de um complexo multi uso com prédios
comerciais e residenciais. O empreendimento será interligado a um supermercado que já está em funcionamento, construído
no terreno anexo. Tudo isso nos leva a crer que o Boulevard Shopping Campos será o mais importante pólo de comércio da
cidade.

O shopping terá uma ABL de aproximadamente 19.000 m² e mais de 90 lojas, incluindo 4 âncoras e 5 mega lojas, cinema
multiplex, área de lazer e mais de 1.000 vagas de estacionamento. O Shopping já se encontra com 93% da ABL locada e um mix
diversificado com grandes marcas do varejo nacional como Riachuelo, C&A, Lojas Americanas, Renner, Casas Bahia, Ponto Frio,
Centauro e Di Santinni, entre outras.

A Aliansce já foi contratada para o planejamento do shopping e é responsável ainda pela comercialização e administração do
empreendimento.

O resultado operacional esperado do shopping para o terceiro ano de operação é de R$8,2 milhões (100%) e estimamos uma
TIR de 15,2% real e desalavancada. O investimento total esperado é de aproximadamente R$75 milhões, que inclui R$5 milhões
para aquisição de área adicional.

19
Glossário
ABC: Área Bruta Comercial, correspondente ao somatório de todas as áreas comerciais dos Shopping Centers, ou seja, a ABL
somada às áreas de lojas vendidas.

ABL (Área Bruta Locável): Correspondente ao somatório de todas as áreas disponíveis para a locação em Shopping Centers,
exceto quiosques e as áreas vendidas.

ABL Próprio: Refere-se à ABL total ponderada pela participação da Aliansce, em cada Shopping.

CAGR: Taxa composta de crescimento anual

CDU (Cessão de Direito de Uso): Valor cobrado do lojista a título de direito de uso de infra-estrutura técnica do
empreendimento, aplicável aos contratos com prazo superiores a 60 meses.

CDU Líquido: Valor do CDU descontado do custo de comercialização.

CPC: Comitê de Pronunciamentos Contábeis.

CRI: Certificado de Recebíveis Imobiliários.

Custo de Ocupação como % das Vendas: Aluguel (mínimo + percentual) + encargos comuns (exclui encargos específicos) +
fundo de promoção.

EBITDA (Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization): Receita líquida – custos e despesas operacionais +
depreciação e amortização.

EBITDA Ajustado: EBITDA + gastos pré-operacionais – ações judiciais + outras despesas/(receitas) não recorrentes.

FFO Ajustado (Funds From Operations): Lucro líquido + depreciação + amortização – despesas e receitas não recorrentes +
Efeito do SWAP + despesas financeiras não desembolsadas + Imposto não caixa.

FIIVPS: Fundo de Investimento Imobiliário Via Parque Shopping.

Inadimplência: É a relação entre o total faturado no período e o total recebido dentro do mesmo período, com apuração no
último dia útil.

Lei 11.638: Em 28 de dezembro de 2007 foi promulgada a Lei nº 11.638 que tem como finalidade a inserção das companhias
abertas no processo de convergência contábil internacional. Dessa forma, alguns resultados financeiros e operacionais sofreram
alguns efeitos contábeis decorrentes das mudanças definidas pela nova Lei.

Lojas Âncoras: Grandes lojas conhecidas do público, com características estruturais e mercadológicas especiais, que funcionam
como força de atração de consumidores, assegurando permanente afluência e trânsito uniforme destes em todas as áreas do
Shopping Center.

Lojas Satélites: Pequenas lojas, sem características estruturais e mercadológicas especiais, localizadas no entorno das Lojas
Âncoras e destinadas ao comércio em geral.

NOI (Net Operating Income): Receita bruta dos shoppings (sem incluir receita de serviços) + resultado do estacionamento -
custos operacionais dos shoppings – provisão para devedores duvidosos.

PDD: Provisão para Devedores Duvidosos.

SAR (Aluguel Mesma Área): É a relação entre o aluguel faturado em uma mesma área no ano atual versus o anterior. Não inclui
o Shopping Santa Úrsula (em processo de revitalização).

SAS (Vendas Mesma Área): É a relação entre as vendas em uma mesma área no ano atual versus o anterior. Não inclui o
Shopping Santa Úrsula (em processo de revitalização).

20
SSR (Aluguel Mesma Loja): É a relação entre o aluguel faturado para uma mesma operação no ano atual versus o anterior. Não
inclui o Shopping Santa Úrsula (em processo de revitalização).

SSS (Vendas Mesma Loja): É a relação entre as vendas em uma mesma operação no ano atual versus o anterior. Não inclui o
Shopping Santa Úrsula (em processo de revitalização).

Taxa de Ocupação: Divisão entre a área locada e a ABL total de cada Shopping.

Vendas: Vendas declaradas pelas lojas em cada um dos Shoppings durante o trimestre.

Apêndices
Conciliação entre demonstrações financeiras consolidadas e gerenciais

As informações financeiras gerenciais da Companhia foram elaboradas de forma a refletir/ consolidar a participação detida pela
Aliansce no Via Parque Shopping nos períodos findos em 30 de setembro de 2010 e 2009 e a cisão ocorrida na Aliansce que
levou a exclusão do shopping Leblon de seu portfólio apenas para o período findo em 30 de setembro de 2009.

O investimento da Aliansce no Via Parque Shopping é realizado através do Fundo de Investimento Imobiliário Via Parque
Shopping que, para fins contábeis, é apresentado nas demonstrações financeiras consolidadas como investimento financeiro.
Desta forma, os resultados operacionais do shopping não são consolidados no balanço da Aliansce e o investimento é registrado
a valor de mercado conforme determina a Lei 11.638. Para fins de informações financeiras gerenciais, estamos considerando a
participação de 69,62% detida pela Aliansce em 30 de setembro de 2010 no Via Parque Shopping durante todo o período de
janeiro a setembro de 2010 e 2009 de modo a permitir a análise comparativa dos resultados.

Foram excluídos da consolidação gerencial os resultados oriundos da participação da Aliansce no Shopping Leblon, detida
através da Cencom e da Frascatti, de forma a refletir a cisão parcial ocorrida em outubro de 2009 nas informações financeiras
gerenciais levantadas em 30 de setembro de 2009.

Por fim, as demonstrações gerenciais foram elaboradas a partir de balanços patrimoniais, demonstrações de resultados e
relatórios financeiros das sociedades e empreendimentos juntamente com premissas que a Administração da Companhia
considera razoáveis, e deverão ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras e respectivas notas explicativas
elaboradas para o período.

21
Aliansce 69,62% Shopping Exclusão Resultado Aliansce
Conciliação Demonstração de Resultado Contábil vs. Gerencial
Consolidado Via Parque Frascatti/Cencom Consolidado
Período findo em 30 de setembro de 2009 2009 - Contábil 2009 - Gerencial
(Valores em milhares de reais)
Receita bruta de aluguel e serviços 105.216 14.268 - 119.484
Impostos e contribuições e outras deduções (8.199) (118) - (8.317)
Receita líquida 97.017 14.150 - 111.167
Custo de aluguéis e serviços (28.624) (6.539) - (35.163)
Lucro bruto 68.393 7.611 - 76.004
(Despesas)/Receitas operacionais
Despesas administrativas e gerais (18.203) - 40 (18.163)
Resultado da equivalência patrimonial 4.684 - (4.370) 314
Despesa com depreciação (2.516) - - (2.516)
Outras (despesas)/receitas operacionais 1.082 6.080 (3.275) 3.887
(14.953) 6.080 (7.605) (16.478)
Resultado financeiro (28.788) 158 (104) (28.734)
Lucro/ (prejuízo) antes dos impostos e participações minoritárias 24.652 13.849 (7.709) 30.792
Imposto de renda e contribuição social (3.733) - 11 (3.722)
Participações minoritárias (2.221) - - (2.221)
Lucro Líquido/ (prejuízo) do Exercício 18.698 13.849 (7.698) 24.849

Aliansce Aliansce
Conciliação do EBITDA / EBITDA Ajustado e FFO / FFO Ajustado 69,62% Shopping Exclusão Resultado
Consolidado Consolidado
Via Parque Frascatti/Cencom
Período findo em 30 de setembro de 2009 2009 - Contábil 2009 - Gerencial
(Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Receita Líquida 97.017 14.150 - 111.167
(-) Custo de aluguéis e serviços (28.624) (6.539) - (35.163)
(-)(+) (Despesas)/Receitas operacionais (14.953) 6.080 (7.605) (16.478)
(+) Depreciação e amortização 13.026
20.646 457 - 13.483
EBITDA 66.466 14.148 (7.605) 73.009
MARGEM EBITDA % 68,5% 65,7%
(+) Despesas não recorrentes 6.951 (6.080) - 871
EBITDA AJUSTADO 73.417 8.068 (7.605) 73.880
MARGEM EBITDA AJUSTADO % 75,7% 66,5%
Lucro Líquido 18.698 13.849 (7.698) 24.849
(+) Depreciação e amortização 13.026 457 - 13.483
(=) FFO 31.724 14.306 (7.698) 38.332
Margem FFO % 32,7% 34,5%
(+)/ (-) Despesas/ (Receitas) não recorrentes 6.951 (6.080) - 871
(+) Efeito SWAP 9.300 - - 9.300
(+) Despesas financeiras não pagas 1.052 - - 1.052
(+) Impostos não caixa (2.752) - - (2.752)
(=) FFO ajustado 46.275 8.226 (7.698) 46.803
Margem AFFO % 47,7% 42,1%

22
Aliansce Aliansce
Conciliação Demonstração de Resultado Contábil vs. Gerencial 69,62% Shopping Eliminações de
Consolidado Consolidado
Via Parque ajustes/consolidação
Período findo em 30 de setembro de 2010 2010 - Contábil 2010 - Gerencial
(Valores em milhares de reais)
Receita bruta de aluguel e serviços 144.831 14.647 (3.113) 156.365
Impostos e contribuições e outras deduções (11.250) (70) - (11.320)
-
Receita líquida 133.581 14.577 (3.113) 145.045
-
Custo de aluguéis e serviços (45.241) (5.185) 3.113 (47.313)
-
Lucro bruto 88.340 9.392 - 97.732
(Despesas)/Receitas operacionais
Despesas administrativas e gerais (24.686) - - (24.686)
Despesa com depreciação e amortização (2.891) - - (2.891)
Outras (despesas)/receitas operacionais (613) 825 - 212
(28.190) 825 - (27.365)
Resultado financeiro (15.972) 135 - (15.837)
-
Lucro/ (prejuízo) antes dos impostos e participações minoritárias 44.178 10.352 - 54.530
-
Imposto de renda e contribuição social (13.141) - - (13.141)
-
Participações minoritárias (157) - - (157)
-
Lucro líquido/ (prejuízo) do exercício 30.880 10.352 - 41.232

Aliansce Aliansce
Conciliação do EBITDA/ EBITDA Ajustado e FFO/ FFO Ajustado 69,62% Shopping Eliminações de
Consolidado Consolidado
Via Parque ajustes/consolidação
Período findo em 30 de setembro de 2010 2010 - Contábil 2010 - Gerencial
(Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Receita líquida 133.581 14.577 (3.113) 145.046
(-) Custo de aluguéis e serviços (45.241) (5.185) 3.113 (47.313)
(-)(+) (Despesas)/Receitas operacionais (28.190) 825 - (27.365)
(+) Depreciação e amortização 22.787 352 -- 23.139
-
EBITDA 82.937 10.569 - 93.507
MARGEM EBITDA % 62,1% 64,5%
(+/-) Despesas não recorrentes 3.798 (825) - 2.973
(+) Gastos pré-operacionais 3.798 (825) - 2.973
(+/-) Outros - - - -
EBITDA AJUSTADO 86.735 9.744 - 96.480
MARGEM EBITDA AJUSTADO % 64,9% - 66,5%
Lucro líquido 30.880 10.352 - 41.232
-
(+) Depreciação e amortização 22.787 352 - 23.139
(=) FFO 53.667 10.704 - 64.371
Margem FFO % 40,2% 0 44,4%
(+)/ (-) Despesas/ (Receitas) não recorrentes 3.798 (825) - 2.973
-
(+) Efeito SWAP (9.316) - - (9.316)
-
(+) Despesas financeiras não pagas 30.304 - - 30.304
-
(+) Impostos não caixa 7.065 - - 7.065
-
(=) FFO ajustado 85.518 9.879 - 95.397
Margem AFFO % 64,0% 65,8%

23
Fluxo de Caixa

Aliansce Consolidado
Aliansce Contábil 69,62% Via Parque
Fluxo de Caixa Gerencial

30/9/2010 30/9/2010 30/9/2010

Atividades operacionais
Lucro líquido do exercício 30.880 10.353 41.233
Depreciação e amortização 22.787 352 23.139
Imposto de renda e contribuição social diferidos 7.065 - 7.065
Ajuste SWAP valor de mercado (9.316) - (9.316)
Remuneração baseada em opção de ações 796 - 796
Juros e variações monetárias de empréstimos e financiamentos 30.304 - 30.304

Recursos provenientes do lucro 82.516 10.705 93.221

Redução (aumento) dos ativos (2.803) (6.812) (9.615)


Contas a receber de clientes (573) 536 (37)
Valores a receber (1.821) (673) (2.494)
Impostos a recuperar (1.026) 71 (955)
Adiantamentos (806) 30 (776)
Outros créditos (2.486) (472) (2.958)
Valores recebidos do Via Parque 6.304 (6.304) -
Transações com partes relacionadas (2.395) (2.395)

Aumento (redução) dos passivos (2.619) (576) (3.195)


Fornecedores (8.410) 69 (8.341)
Impostos e contribuições a recolher (947) (153) (1.100)
Outras obrigações 1.983 (926) 1.057
Receitas diferidas 2.635 11 2.646
Transações com partes relacionadas (543) 423 (120)
Participação de minoritários 2.663
261.804 -- 2.663
261.804
Caixa líquido gerado nas atividades operacionais 77.094 3.317 80.411
Atividades de investimento
Aplicações em títulos e valores mobiliários (367.386) - (367.386)
Aumento em ativo imobilizado (163.500) 2.231 (161.269)
Aumento de ativo intangível (1.055) - (1.055)

Caixa líquido consumido nas atividades de investimento (531.941) 2.231 (529.710)

Atividades de financiamento
Aumento de capital 450.000 - 450.000
Gasto com emissão de ações (23.415) - (23.415)
Aumento (redução) em dividendos a pagar (7.190) - (7.190)
Aumento em financiamentos e empréstimos principal 49.260 - 49.260
Redução em certificados de recebíveis imobiliários (11.117) - (11.117)
Redução em obrigações com compra de ativos (30.000) - (30.000)
Contas a receber - CRI 30.000 - 30.000

Caixa líquido gerado nas atividades de financiamento 457.538 - 457.538

Variação líquida em disponibilidades 2.691 5.548 8.239

Saldo de caixa e equivalente no final do exercício 12.118 7.561 19.679


Saldo de caixa e equivalente no início do exercício 9.427 2.013 11.440

Aumento líquido nas disponibilidades 2.691 5.548 8.239

24
Balanço Patrimonial

Eliminação de Aliansce Consolidado


Aliansce Contábil 69,62% Via Parque
Balanço Patrimonial Gerencial Consolidação Gerencial
30/9/2010 30/6/2010 30/9/2010 30/6/2010 30/9/2010 30/6/2010 30/9/2010 30/6/2010
ATIVO
Circulante
Caixa e equivalentes de caixa 12.118 15.669 7.561 657 - - 19.679 16.326
Contas a receber 32.761 30.212 2.391 1.567 - - 35.152 31.779
Títulos e valores mobiliários 415.230 452.690 3.113 - - 415.230 455.803
Imposto a recuperar 4.493 3.542 - 79 - - 4.493 3.621
Adiantamento a terceiros 2.654 2.197 38 38 - - 2.692 2.235
Valores a receber 2.597 - - 1.106 - - 2.597 1.106
Outros créditos 2.144 2.315 595 1.001 -- -- 2.739 3.316
Total Ativo Circulante 471.997 506.625 10.585 7.561 - - 482.582 514.186
Não circulante
Contas a receber 1.054 1.082 - - - - 1.054 1.082
Títulos e valores mobiliários 145.506 145.506 - - (145.506) (145.506) - -
Valores a receber 182 172 - - - - 182 172
Depósitos judiciais 435 415 - - - - 435 415
Transações com partes relacionadas 21.094 20.684 - - - - 21.094 20.684
Impostos diferidos 1.028 1.428 - - - - 1.028 1.428
Outros créditos 6.730 5.890 - - - - 6.730 5.890
Investimentos: - -
Investimentos 172 172 - - - - 172 172
Imobilizado 1.029.482 961.666 50.311 50.243 - - 1.079.793 1.011.909
Intangível 274.385 261.842 - - - - 274.385 261.842
Diferido 24.719 25.566 - - - - 24.719 25.566
Total Ativo Circulante 1.504.787 1.424.423 50.311 50.243 (145.506) (145.506) 1.409.592 1.329.160
Total do Ativo 1.976.784 1.931.048 60.896 57.804 (145.506) (145.506) 1.892.174 1.843.346
PASSIVO
Circulante
Empréstimos e financiamentos 43.280 39.172 - - - - 43.280 39.172
Cédula de crédito imobiliário 66.697 34.590 - - - - 66.697 34.590
Fornecedores 12.707 9.645 91 107 - - 12.798 9.752
Impostos e contribuições a recolher 4.035 3.336 330 346 - - 4.365 3.682
Obrigações por compra de ativos 7.156 7.156 - - - - 7.156 7.156
Dividendos a pagar - - 416 519 - - 416 519
Outros 11.464 7.448 423 423 -- -- 11.887 7.871
Total Passivo Circulante 145.339 101.347 1.260 1.395 - - 146.599 102.742
Não Circulante
Empréstimos e financiamentos 130.156 125.623 - - - - 130.156 125.623
Cédula de crédito imobiliário 391.559 425.898 - - - - 391.559 425.898
Obrigações por compra de ativos 55.524 52.347 - - - - 55.524 52.347
Transações com partes relacionadas 31.258 32.223 - - - - 31.258 32.223
Receitas diferidas 50.046 49.238 - - - - 50.046 49.238
Provisões para contingências 10.567 10.322 - - - - 10.567 10.322
Instrumentos financeiros derivativos 3.023 4.201 - - - - 3.023 4.201
Imposto de renda e contribuição social diferida 52.484 51.190 - - (44.044) (44.044) 8.440 7.146
Outras obrigações 3.709 3.695 881 881 - - 4.590 4.576
Total Passivo Não Circulante 728.326 754.737 881 881 (44.044) (44.044) 685.163 711.574
Participações de minoritários 71.889 57.737 - - - - 71.889 57.737
Patrimônio líquido
Capital social 916.342 916.342 96.144 96.144 (96.144) (96.144) 916.342 916.342
Reserva de capital (22.618) (23.414) - - - - (22.618) (23.414)
Reserva Legal 1.514 1.514 - - - - 1.514 1.514
Lucro (prejuízos) acumulados 49.414 36.207 (37.389) (40.616) 81.260 81.260 93.285 76.851
Ajuste de avaliação patrimonial 86.578 86.578 - - (86.578) (86.578) - -
Total Patrimônio líquido 1.031.230 1.017.227 58.755 55.528 (101.462) (101.462) 988.523 971.293
Total do Passivo e do Patrimônio Líquido 1.976.784 1.931.048 60.896 57.804 (145.506) (145.506) 1.892.174 1.843.346

25
Comparação da demonstração financeira consolidada e informações financeiras gerenciais dos Exercícios findos
em 30 de setembro de 2009 e 2010:

9M10/9M09
Demonstraçoes Financeiras Consolidadas 3T10 3T09 3T10/3T09 Δ% 9M10 9M09
Δ%
(Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Receita bruta de aluguel e serviços 50.348 36.441 38,2% 144.831 105.216 37,7%
Impostos e contribuições e outras deduções (3.928) (3.037) 29,3% (11.250) (8.199) 37,2%
Receita líquida 46.420 33.404 39,0% 133.581 97.017 37,7%
Custo de alugueis e servicos (15.488) (9.294) 66,6% (45.241) (28.624) 58,1%
Lucro bruto 30.932 24.110 28,3% 88.340 68.393 29,2%
Receitas (despesas) operacionais (8.967) (3.883) 130,9% (28.190) (14.953) 88,5%
Despesas administrativas e gerais (7.762) (5.975) 29,9% (24.687) (18.203) 35,6%
Resultado da equivalência patrimonial - 1.617 -100,0% - 4.684 -100,0%
Despesa com depreciação e amortização (942) (852) 10,6% (2.891) (2.516) 14,9%
Outras receitas (despesas) operacionais (263) 1.327 -119,8% (612) 1.082 -156,6%
Resultado financeiro (4.798) (3.201) 49,9% (15.972) (28.788) -44,5%
Lucro antes dos impostos e participações minoritárias 17.167 17.026 0,8% 44.178 24.652 79,2%
Imposto de renda e contribuição social corrente (2.341) (2.291) 2,2% (6.076) (6.484) -6,3%
Imposto de renda e contribuição social diferido (1.694) (680) 149,1% (7.065) 2.751 -356,8%
Participações minoritárias 247 (1.044) -123,7% (157) (2.221) -92,9%
Lucro líquido do período 13.379 13.011 2,8% 30.880 18.698 65,2%

9M10/9M09
Demonstraçoes Financeiras Gerenciais 3T10 3T09 3T10/3T09 Δ% 9M10 9M09
Δ%
(Valores em milhares de reais, exceto os percentuais)
Receita bruta de aluguel e serviços 53.793 41.736 28,9% 156.365 119.484 30,9%
Impostos e contribuições e outras deduções (3.937) (3.102) 26,9% (11.320) (8.318) 36,1%
Receita líquida 49.856 38.634 29,0% 145.045 111.166 30,5%
Custo de alugueis e servicos (15.961) (12.342) 29,3% (47.313) (35.163) 34,6%
Lucro bruto 33.895 26.292 28,9% 97.732 76.003 28,6%
Receitas (despesas) operacionais (8.796) (6.840) 28,6% (27.366) (16.476) 66,1%
Despesas administrativas e gerais (7.762) (5.940) 30,7% (24.687) (18.161) 35,9%
Resultado da equivalência patrimonial - 68 -100,0% - 314 -100,0%
Despesa com depreciação e amortização (942) (875) 7,7% (2.891) (2.516) 14,9%
Outras receitas (despesas) operacionais (92) (93) -1,1% 212 3.887 -94,5%
Resultado financeiro (4.706) (3.114) 51,1% (15.836) (28.734) -44,9%
Lucro antes dos impostos e participações minoritárias 20.393 16.338 24,8% 54.530 30.793 77,1%
Imposto de renda e contribuição social corrente (2.341) (2.293) 2,1% (6.076) (6.475) -6,2%
Imposto de renda e contribuição social diferido (1.694) (679) 149,5% (7.065) 2.752 -356,7%
Participações minoritárias 247 (1.044) -123,7% (157) (2.221) -92,9%
Lucro líquido do período 16.605 12.322 34,8% 41.232 24.849 65,9%

Nota: Considera o investimento no Via Parque Shopping consolidado na participação de 69,62%, bem como a exclusão do resultado
do shopping Leblon para as demonstrações de 30 de setembro de 2009.

26