Você está na página 1de 8

Página 1

Em defesa do cientismo *

Mario Bunge, Departamento de Filosofia, Universidade McGill, Montreal

O cientismo é a tese de que todos os problemas cognitivos relativos ao mundo são melhor enfrentados
adotando a abordagem científica, também chamada "o espírito da ciência" e "a atitude científica".
Enquanto a maioria dos filósofos contemporâneos rejeita o cientificismo, argumenta-se que os cientistas o praticam mesmo
eles nunca encontraram a palavra. No entanto, o significado correto de "cientificismo"
provou ser ainda mais elusivo do que o da "ciência", que na linguagem comum
abrange tudo o que não é comum nem confuso.

O cientismo começou no meio do Iluminismo francês, isto é, por volta de 1750. Mais
precisamente, o cientificismo é a fórmula cultural e política: “A ciência substituiu a religião
porque é inerentemente progressivo, enquanto a religião é conservadora ”.

A razão pela qual a ciência é progressista, argumentou-se, é que seus praticantes se engajam em rigorosas
pesquisa e debate racional, enquanto os crentes religiosos não buscam novas verdades, são
ingênua, repetir dogmas comidos por traças, comentar apenas sobre livros desatualizados e não participar
regularmente em reuniões abertas para compartilhar e discutir novas descobertas.

Além disso, a disputa religiosa envolveu debates intermináveis que só podem ser terminados
autoridade, enquanto entre os cientistas as diferenças de opinião são discutidas publicamente e
resolvido, finalmente, por argumentos racionais, em conjunto com provas pouco
recorrer a autoridade ou fé.

O neologismo "cientificismo" foi cunhado mais de um século após o conceito correspondente.


Foi popularizado pelo embriologista Félix le Dantec (1912: 68), e foi claramente definido
pelo clássico Vocabulaire de Lalande (1939: p.740) . No entanto, o conceito tinha sido concebido
muito mais cedo na ala radical do Iluminismo francês. E palavra e conceito
ocorreu em outros contextos, particularmente em publicações religiosas, onde sempre foi
seu sentido pejorativo.

Peter Schöttler (2013: p.98) descobriu que, por volta de 1900, as palavras 'ciência' e 'cientismo'
eram geralmente acompanhados pelos seguintes epítetos na literatura francesa relevante: resumo,
anti-religioso, falido, frio, dogmático, durkheimiano, exagerar, falso, alemão, bruto,
pesado, laico, coxo, materialista, estreito, pedante, positivista, pretensioso, racionalista, socialista,
estúpido e vulgar. Um estudo contemporâneo pode produzir um resultado semelhante: depois de um século,
ciência e cientificismo continuam sendo dois dos bêtes noires do partido obscurantista.

O cientificismo tem sido frequentemente equacionado com o positivismo, em particular com o de Comte. Embora seja verdade que
Comte afirmou que a sociologia (uma palavra que ele cunhou) deveria ser tornada científica, ele não fez
contribuições para ele, e não apreciou os ensaios de Condorcet em ciências sociais matemáticas.
Além disso, ele acreditava que a sociologia e a biologia deveriam testar suas hipóteses por comparação
em vez de experimentar. Pior, de acordo com o fenomenalismo de Hume e Kant, Comte
condenou toda a conversa de átomos, as entranhas de estrelas e outros inobserváveis.

Conseqüentemente, apesar de todo o elogio da ciência, o positivismo de Comte dificilmente pode ser considerado
cientista. É por isso que Emile Meyerson (1931) - um dos dois filósofos que
correspondido com Einstein - não perdeu nenhuma ocasião para criticar a proibição de Comte em toda a pesquisa
projetos que tentaram captar realidades sob os fenômenos.
Página 2

Friedrich Hayek (1952) - que, de acordo com a tradição austríaca, não gostava dos franceses
Iluminismo - ignorou a definição clássica lembrada acima e ofereceu a sua própria
idiossincrático: o cientificismo seria “a tentativa de imitar as ciências naturais” nas
assuntos. Este conceito inclinado de cientificismo é o que tem prevalecido nas humanidades,
particularmente desde a contra-revolução pós-modernista que começou por volta de 1950, e recrutada
aqueles deixados para trás, bem como aqueles que culpavam a ciência pelos pecados do "establishment". Para
entender essa mudança na avaliação do cientificismo, devemos olhar mais de perto
histórico, bem como a reação que provocou.

1 Iluminismo Cientismo

Juntamente com o secularismo, o igualitarismo, o humanismo e o materialismo, o cientificismo era um


componente da ala radical do Iluminismo francês, de Diderot, Helvétius,
d'Holbach e La Mettrie para Cloots, Condorcet, Mirabeau e Maréchal. Esta vertente estava em
com a asa moderada do mesmo vasto movimento (d'Alembert, Montesquieu,
Rousseau, Turgot e Voltaire) e o Iluminismo escocês muito menor e mais pálido -
Hume, Smith e Hutcheson. (Veja Israel 2010 para as grandes diferenças entre os dois
asas.)

Considerando que os franceses acima mencionados eram revolucionários filosoficamente e


politicamente - embora do tipo poltrona - os escoceses eram reformistas. Em particular, o
os moderados não compartilhavam o ateísmo e o republicanismo dos radicais franceses. Nem eles
adotar o manifesto cientificista contido no discurso de recepção de Condorcet aos franceses
Academia em 1782. Lá ele declarou sua confiança de que as "ciências [sociais] morais"
eventualmente 'siga os mesmos métodos, adquira uma linguagem igualmente exata e precisa, alcance
o mesmo grau de certeza 'como as ciências físicas [naturais] (Condorcet, 1976).

O cientificismo de Condorcet não envolveu o reducionismo ontológico exemplificado em recentes


anos por sociobiologia, psicologia evolutiva pop, neuroeconomia, eo resto do
neuro hype puramente programático. De fato, na mesma palestra, Condorcet observou que no
ciências morais "o próprio observador faz parte da sociedade que ele observa". Assim sendo,
presumivelmente, ele teria saudado o chamado Teorema de Thomas, segundo o qual, em
questões sociais aparência é realidade, em que as pessoas reagem não a estímulos externos, mas ao caminho
eles "percebem" eles. Então, o cientificismo de Condorcet não era naturalista: ele sabia que máquinas
e os sistemas sociais, embora mais materiais do que espirituais, eram artificiais ou artificiais, daí
tão antinatural quanto a ciência, a ética e a lei. (Para as diferenças entre naturalismo e
materialismo veja Bunge 2009a.)

O mesmo se aplica aos companheiros filosóficos de armas de Condorcet, em particular Thiry


d'Holbach, que tratou os dois ramos da ciência factual em dois volumes diferentes: Système
de la nature (1770) e Système social (1773). O cientificismo deles era metodológico, não
ontológico, razão pela qual é errado chamá-lo de "naturalismo metodológico", a maneira como Popper
(1960) fez. Aliás, o Iluminismo francês foi um ponto cego dele, como de todo o
Tradição cultural austríaca: a Áustria tinha perdido o Renascimento, a Reforma, a
Revolução Científica e o Iluminismo, e somente em meados do século XIX saltou
da Idade Média à sua própria Revolução Industrial e 'Esclarecimento tardio' marcado por
Bolzano, Mendel, Mach e Boltzmann.

Página 3

Além disso, Popper - nunca ansioso para definir suas palavras-chave, em particular "historicismo",
"coletivismo" e "cientificismo" - havia deixado a filosofia social para Hayek, de quem ele dependia
para ser contratado pela London School of Economics, e que "conseguiu corromper seu socialismo",
como Hacohen (2000: 486) documentou. Por todas estas razões, Popper não deve ser tomado
como uma autoridade em qualquer cientismo ou ciência social.
O Círculo de Viena adotou todos os princípios da ala radical dos franceses
Iluminismo, exceto para o materialismo: ele permaneceu algemado ao fenomenalismo essencial
para Hume, Kant, Comte e Mach, de acordo com o que tudo existe (ou pelo menos tudo o que pode ser
conhecido) é a aparência (para alguém). Com exceção de Otto Neurath, o Círculo foi
indiferente à ciência social, que em geral pagou pelo menos o serviço de boca ao
Tradição cientificista do Iluminismo; isto é o que seu programa de ciência unificada significava
(Neurath 1955).

Os teóricos econômicos padrão, em particular Menger, Jevons, Walras e Marshall,


praticou o cientificismo no sentido pejorativo da palavra: a deles é mais conhecida como ciência simulada.
Na verdade, eles produziram um volume volumoso de trabalho, nomeadamente a microeconomia neoclássica,
cheias de símbolos que intimidavam os não-matemáticos, mas não eram nem
matematicamente bem definida, nem gozou de qualquer apoio empírico (Bunge 1996, 1998). Em
em particular, eles não sujeitaram suas hipóteses a testes empíricos, como Daniel Kahneman
e o grupo de economia experimental de Zurique vem fazendo nos últimos anos - infelizmente, com
maus resultados para a ortodoxia econômica (ver, por exemplo, Gintis et al. 2005).

2 Anti-cientificismo contra-iluminista

O filósofo alemão Wilhelm Dilthey (1883), que foi fortemente endividado com ambos Kant
e Hegel, escreveu o manifesto anti-cientificismo. Este último tinha tanto um ontológico e um
componente metodológico. O primeiro consistia na tese de que tudo o que é social é
geistig , (espiritual, moral) ao invés de material. Seu parceiro metodológico é óbvio: o
estudos sociais são Geisteswissenschaften (ciências espirituais), portanto, merecendo um método de
seus próprios. Isto foi Verstehen , ou compreensão, ou interpretação, ao invés de explicação em
termos de mecanismos e leis.

De acordo com Dilthey, Verstehen consiste no 'entendimento' intuitivo ou empático de um


intenções do ator. O raciocínio tácito subjacente à visão de Dilthey é este. De acordo com o vulgar
opinião, a história é o feito de grandes homens - principalmente homens fortes e gênios. Daqui um
deve ter empatia com eles, ou colocar-se em seus sapatos, se alguém espera entender o que tem
vem acontecendo. Verstehen, consiste em empatia ou companheirismo ( mit-gefühl ) de acordo com
Dilthey, e em adivinhando intenções ou objetivos no caso de Weber.

Daí a necessidade de fazer estudos verstehende (interpretativos) ou "humanistas" em vez de estudos cientificistas.
É claro que nem Dilthey nem seus seguidores suspeitavam que o problema de "inferir"
(adivinhar) estados mentais do comportamento é um problema inverso, e como tal, um para o qual não
algoritmos estão disponíveis, de modo que qualquer solução proposta é especulativa e duvidosa
Bunge 2006).

Costuma-se supor que Max Weber foi o mais famoso dos praticantes de
"sociologia interpretativa", o subtítulo de seu magnum opus (Weber, 1976). Além disso, ele considerou
ele mesmo como um seguidor de Dilthey (Weber 1988). Mas, pelo menos desde sua admirável defesa de
objetivismo ou realismo (Weber 1904), Weber tentou praticar o método científico, e

Página 4

ocasionalmente até adotaram o materialismo histórico - por exemplo, quando ele explicou
declínio de Roma como resultado do encolhimento do mercado de escravos, que por sua vez
a cessação das guerras expansionistas, a principal fonte de escravos (Weber 1924). Em resumo,
Weber começou sua carreira sociológica como um adversário do cientismo, apenas para se tornar um
ocasionalmente, se inconsistente praticante disso. Em contraste, seu rival, Emile Durkheim (1988),
foi toda a sua vida um defensor vocal e praticante consistente de cientificismo - e, como tal, a bunda
de grande parte da retórica anti-cientificista de seu tempo.

A hermenêutica, ou textualismo, é um desdobramento da tese de Dilthey de que a comunicação é o centro


da vida social. Seus seguidores, como Claude Lévi-Strauss, Paul Ricoeur e Charles Taylor,
sustentava que as sociedades são "línguas ou como línguas". Por isso, o estudo da sociedade deve
concentre-se no simbólico e busque captar 'significados', sejam quais forem. (Em
alemão coloquial, Deutung pode denotar qualquer sentido ou intenção - um equívoco que
facilita o salto do objetivo de um agente para o significado de suas declarações.)
Mas, claro, se nos concentramos em palavras, em vez de necessidades básicas, não se pode entender por que
as pessoas trabalham, cooperam ou lutam. Não é de admirar que a hermenêutica não tivesse nada a dizer sobre o principal
questões sociais do nosso tempo, das guerras do petróleo ao desemprego tecnológico, à ascensão da China
o declínio dos impérios. Pelo contrário, uma ciência social cientificista, uma voltada para grupos
em vez de indivíduos, e armados com estatísticas em vez de metáforas literárias, deveriam ter
muito a dizer sobre esses grandes eventos sociais.

3 Testando o anti-cientificismo

Como a abordagem interpretativa ou humanista se saiu? Vamos avaliar as principais teses do


movimento anti-cientificismo, da Verstehen de Dilthey à hermenêutica de meados do século XX
(ou interpretação de texto).

1 / A dicotomia natural / cultural era natimorta.

Na verdade, quando Dilthey proclamou, havia várias ciências híbridas,


nomeadamente geografia humana, psicofísica, epidemiologia e demografia. E em breve
daí em diante surgiram outras ciências biossociais, entre elas sociologia médica, fisiológica
psicologia, neurociência cognitiva do desenvolvimento, neurociência cognitiva social e
socioeconomia.

Por exemplo, explicando processos de baixo para cima como Puberdade → Sentimentos Alterados →
Mudou o comportamento social; e de cima para baixo, como Subordinação → Nível superior de corticóide
→ Baixa imunidade, convoca a fusão de neurociência, neurociência cognitiva e
sociologia.

Os exemplos anteriores devem refutar a acusação de que o cientificismo envolve micro-redução ou


nivelando para baixo. Quando acompanhado por uma ontologia orientada para a ciência, o cientificismo favorece
fusão ou convergência de diferentes disciplinas ao invés de micro-redução simplista (Bunge
2003). Todas essas fusões disciplinares mostram que a parede natureza / cultura erguida pelo
A escola interpretativa ou humanista obstrui o avanço da ciência.

2 / O método Verstehen foi infrutífero.

Página 5

De fato, nenhum estudante interpretativo (ou humanista) da sociedade jamais apresentou


conjecturas sobre quaisquer processos económicos, políticos ou culturais importantes, tais como o
corrupção da democracia. Os escritos dos membros desta escola são publicados apenas em
revistas marginais.

No entanto, alguns estudantes da sociedade no campo humanista produziram alguns insights


trabalhos. Basta recordar os brilhantes ensaios de Norberto Bobbio, Albert O. Hirschman e
Thorstein Veblen. Também Bronislaw Malinowsky, Margaret Mead, Clifford Geertz e
Napoleon Chagnon escreveu descrições altamente legíveis, se contestadas, de certas
práticas. No entanto, nenhum desses antropólogos estava particularmente interessado na vida cotidiana
exceto para o sexo: seus súditos pareciam subsistir no ar. (Veja Trigger 2003 para um explicitamente
contrapeso realista e materialista.)

Para ver os estudos sociais no seu melhor é preciso olhar para o trabalho dos antropólogos,
arqueólogos, sociólogos e historiadores da persuasão científica, como os Annales
escola, monumental e influente American Dilema de Gunnar Myrdal , o inventário de
peças arqueológicas antes de ser afogada pela barragem de Assuão, eo estudo maciça A
Soldado Americano . A publicação do último trabalho em 1949 provocou a ira do
escola humanista, mas também marcou a vinda de idade da vertente científica da American
sociologia, com Robert Merton na sua cabeça e da American Sociological Review como seu
carro-chefe.

Por que o anti-cientificismo falhou? Indiscutivelmente, falhou porque condenou e desprezou o


método científico, que tem caracterizado todas as realizações científicas desde a
Revolução científica. Além disso, ao lidar com novos problemas cognitivos, todas as
O investigador considera o cientismo como garantido, como será discutido abaixo.

4 A matriz filosófica da pesquisa científica

A maioria dos filósofos toma como certo que a ciência e a filosofia não se cruzam:
os cientistas partem de dados, ou de hipóteses, e lidam com eles sem qualquer explicação filosófica.
preconceitos. Um olhar sobre a história da ciência deve ser suficiente para acusar esta tese de
mito.

Um rápido exame de alguns problemas em aberto corroborará esse duro veredicto.

Vamos imaginar como um cientista lidaria com um problema aberto, como (a) se
matéria 'e' energia escura 'desafiam todas as leis físicas conhecidas, (b) que se quaisquer caracteres adquiridos
são herdáveis, (c) se alguns animais podem estar em estados conscientes, (d) como
sistemas sociais, tais como empresas e exércitos, de forma racional, e (e) se o
lei e os tribunais podem e devem usar evidências científicas além das tradicionais
métodos.

Será que nosso cientista se recusaria a investigar esses problemas, juntando-se a Noam Chomsky e seus
companheiros "misteriosos" (céticos radicais), em sustentar que matéria e mente são e serão para sempre
permanecer misterioso? Ele pularia para o medias res , em vez de começar revisando o
conhecimento de fundo relevante? Será que ele fantasia sobre eventos anômalos e anormais
ou até poderes sobrenaturais, ou ele filtraria as fantasias espiritualistas? Será que ele
permanecer satisfeito com listar aparências ou sintomas, ou ele conjecturaria possível
padrões e seus mecanismos subjacentes? Ficaria satisfeito com seus palpites ou

Página 6

ele procuraria uma comprovação empírica? Ele iria limitar sua atenção ao objeto de sua
pesquisa, ou ele iria colocá-lo em seu contexto ou sistema mais amplo? E ele descartaria
Todas as preocupações sobre o possível efeito prejudicial de suas descobertas?

É certo que todas as perguntas anteriores estão carregadas. Mas este é o objetivo do nosso exercício:
sugerem que os cientistas genuínos não investigam o primeiro palpite que vem à mente, assim como
eles não questionam todo o conhecimento anterior. Vamos ver como um estudante pró-cientista
é provável que resolva os cinco problemas listados acima.

a / A matéria escura é anômala ou apenas pouco conhecida? A única maneira de descobrir o que
se existe e o que é, é usar as ferramentas teóricas e experimentais conhecidas, para
pegar amostras dela e tentar detectar algumas de suas propriedades. No momento da escrita, este é um
"quente" pergunta, e há um consenso crescente de que a matéria escura é o detrito deixado por cósmica
raios quando se passa através de matéria comum, em vez de minúsculos buracos negros, como tinha sido
conjeturado anteriormente. Fique ligado.

b / Afinal, Lamarck estava certo? Nos últimos anos, a genética e a biologia evolutiva foram
enriquecido com epigenética, o mais novo ramo da genética, que mostrou conclusivamente que
Algumas experiências causam a metilação da molécula de DNA, uma mudança hereditária. este
a descoberta não justificou Lamarck: mostrou apenas que o esquema darwiniano (mutação-
seleção) pode vir em mais de uma versão. (Veja, por exemplo, Szyf et al. 2008).

c / Os animais podem estar em estados conscientes? A literatura popular está cheia de anedotas sobre
consciência em animais de várias espécies. Mas anedotas não são dados científicos concretos. Alguns
dos melhores tais dados foram obtidos recentemente, efetuando reversível talâmica e cortical
inativações - procedimentos que estão além do alcance dos psicólogos "humanistas". Vira
Há evidências crescentes da hipótese de que animais de várias espécies podem ser
consciente (por exemplo, Boly 2013).

d / Os sistemas sociais podem ser gerenciados cientificamente? Pesquisa de Operações, a mais


fase sofisticada da ciência da gestão, nasceu de um dia para o outro da multidisciplinaridade
equipe reunida no início da Segunda Guerra Mundial pelo Almirantado Britânico para enfrentar a grande
perdas infligidas pelos submarinos alemães na marinha mercante que transportava alimentos
e munição para a Inglaterra. O problema era encontrar o tamanho ideal de um comboio naval. o
modelo matemático construído pela referida equipe, liderada pelo físico Patrick Blackett, mostrou que
tamanho para ser medíocre, grande o suficiente para justificar a cobertura de ar, mas não tão grande a ponto de convidar uma frota de
submarinos inimigos - um resultado que deve ter desapontado os economistas que adoram
maximizar. A marinha aceitou esse resultado de como os recém-chegados à estratégia militar e
as perdas navais diminuíram. Este resultado encorajou os especialistas em negócios a construir
modelos para problemas semelhantes, como encontrar o tamanho ótimo de estoques ('estoques'). portanto
cientificismo marcou outra vitória sobre o partido tradicional ou humanista, desta vez no campo
da sociotecnologia.

e / pode a lei tornar-se científica? Nos últimos anos, a criminologia e a jurisprudência, bem como
sua prática nos tribunais, se beneficiaram de biologia, psicologia e sociologia
(ver, por exemplo, Wikström & Sampson, eds., 2006). De fato, o teste de DNA é agora admissível no
tribunais, a justiça criminal juvenil está mudando lentamente à medida que aprendemos que o adolescente frontal
o córtex ainda não está totalmente maduro, e o direito penal, como um todo, está mudando conforme as causas sociais
do crime estão sendo desveladas e as técnicas de reabilitação estão sendo aperfeiçoadas. Todos estes
são realizações do cientificismo.

Página 7

Todos os cinco problemas estão sendo investigados no pressuposto cientificista de que o


método científico é o caminho real para a verdade objetiva e eficiência em todos os aspectos científicos e
campos tecnológicos. Além disso, em todos os cinco casos, mais do que o cientificismo está sendo pressuposto:
realismo, materialismo, sistematismo e humanismo também estão sendo tomados como garantidos (Bunge 2012).
Por exemplo, o estudo da consciência animal assume (a) a hipótese realista de que
processos nos animais experimentais são reais, e não invenções do experimentador
imaginação; (b) a tese materialista de que estados mentais são estados cerebrais; (c) o sistêmico
princípio de que o problema em estudo, como todas as grandes questões, faz parte de um pacote de
problemas a serem abordados anatômica e comportamentalmente; e (d) a liminar humanista
respeitar o bem-estar dos animais - o que, por sua vez, sugere abster-se de estimular aleatoriamente
cérebro do animal só para ver o que acontece.

Eu sugiro que todos os quatro princípios acima se juntem ao cientificismo para constituir não menos que o
matriz filosófica da pesquisa científica:

Se a pesquisa científica pressupõe as teses filosóficas acima mencionadas que caracterizam


cientismo, então esta visão não se opõe às humanidades, como é frequentemente afirmado. O que
Os proponentes do cientificismo se opõem à posição antiscientífica adotada por Hegel, Schopenhauer,
Nietzsche, Bergson, Husserl, Heidegger, a escola de Frankfurt, e os hermenêuticos e
pós-modernistas. Será que os inimigos da racionalidade merecem ser chamados de "humanistas" se aceitarmos
A definição de Aristóteles de "homem" como "o animal racional"?

4 O que há de tão especial sobre ciência?

Por que alguém deveria preferir o cientificismo à sua alternativa "humanista"? A resposta usual é:
porque a abordagem científica funciona muito melhor do que suas alternativas - tradição, intuição ou
intuição (em particular Verstehen), tentativa e erro, e contemplação do umbigo (em particular um
priori modelagem matemática). Mas esta resposta gera por sua vez a pergunta Por que a ciência
funciona melhor?

Minha resposta é a seguinte: a pesquisa científica funciona melhor para encontrar verdades objetivas ou impessoais
porque combina com o mundo e nosso aparato cognitivo. De fato, o mundo não é um
colcha de retalhos de aparências disjuntas, como Hume e Kant acreditavam, mas um sistema de
sistemas; e os humanos podem aprender a usar não apenas seus sentidos - que produzem apenas aparências -
mas também a sua imaginação, bem como verificar de três maneiras diferentes: através da observação,
experiência, e consiliência - ou compatibilidade com outros itens no fundo de antecedente
conhecimento (Bunge 1967).

Página 8

Além disso, ao contrário da superstição e da ideologia, a ciência pode crescer exponencialmente através de um bem-
mecanismo conhecido, ou seja, feedback positivo - em que parte da saída é realimentada
sistema. Mas é claro, a continuação desse processo requer gastos próximos a 3% do
PIB em pesquisa e desenvolvimento (Press 2013) - algo que os políticos vendiam em
O cientificismo não estará preparado para apoiar.

Em suma, a adesão ao cientificismo tem pago generosamente, economicamente, bem como


culturalmente, enquanto apostar em dogmas anti-cientificistas ameaça o crescimento do conhecimento,
processo que vem acontecendo desde a Revolução Científica.

Referências

Boly, Melanie, Anil K. Seth, Melanie Wilke, Paul Ingmundson, Bernard Baars, Steven
Laureys, David B. Edelman e Naotsugu Tsuchiya. (2013). Consciência no ser humano
e animais não humanos: novos avanços e direções futuras. Fronteiras na psicologia
4: 1-20.
Bunge, Mario. 1967. Scientific Research , 2 vols. Berlim, Heidelberg, Nova Iorque: Springer.
Rev. ed. como Filosofia da Ciência , 2 vols., New Brunswick, NJ: Transação
Publishers, 1988.
–––––– 2003 Emergência e Convergência . Toronto: University of Toronto Press.
–––––– 2006. 2006. Perseguindo a realidade . Toronto: University of Toronto Press.
–––––– 2007. Weber praticou a filosofia que ele pregou? Em L. McFalls, ed., In
"Objetividade" de Lawrence Max Weber revisitado, pp. 119-134. Toronto: Universidade de
Toronto Press.
–––––– 2009a. Vantagens e limites do naturalismo. Em JR Shook e P. Kurtz, eds., The
futuro do naturalismo . Amherst, NY, Livros de Humanidades.
––––––, 2010. Matéria e Mente Estudos de Boston na filosofia da ciência, vol. 287
–––––– de 2012. Avaliando Filosofias . Estudos de Boston na filosofia da ciência, vol.
295
Condorcet, Nicolas. 1976. Escritos Selecionados . KM Baker, ed., Indianapolis: Bobbs-Merrill.
Dilthey, Wilhelm. 1959 [1883]. Einleitung in die Geisteswissenschaften. Em Gesammelte
Schriften , vol. 1., Stuttgart: Teubner; Göttingen: Vanderhoeck und Ruprecht.
Durkheim, Emile. 1988 [1895]. Les règles de la méthode Sociologique . Paris: Flammarion.
Gintis, Herbert, Samuel Bowles, Robert Boyd e Ernst Fehr, eds. 2005. Sentimentos morais e
Interesses relevantes Cambridge, MA: MIT Press.
Hacohen, Malachi Haim. 2000. Karl Popper: Os anos formativos, 1902-1945. Cambridge:
Cambridge University Press.
Hayek, Friedrich von. 1952. A Contra-Revolução da Ciência . Glencoe, IL: Free Press.
Israel, Jonathan. 2010. Uma Revolução da Mente. Princeton, NJ: Princeton University Press.
Lalande, André. 1938. Vocabulaire technique e critique de la philosophie, 2ª ed., 3 vols.
Paris: Alcan.
Le Dantec, Félix. 1912. Contre la métaphysique . Paris: Alcan.
Meyerson, Emile. 1931. Du cheminement de la pensée , 3 vols., Paris: Alcan.
Neurath, Otto. 1955. Enciclopédia e ciência unificada. Em Otto Neurath, Rudolf Carnap &
Chales Morris, eds., Vol. I, No. 1, Enciclopédia Internacional da Ciência Unificada , 2
vols. Chicago: University of Chicago Press.
Popper, Karl R. 1960. A Pobreza do Historicismo , 2ª ed. Londres: Routledge e Kegan Paul.
Imprensa, William H. 2013. O que há de tão especial sobre ciência (e quanto devemos gastar em
isto)? Science 342: 817-822.
Página 9

Schöttler, Peter. 2013. Ciência: sur l'histoire d'un concept Difficile. Revue de Synthèse
134: 89-113.
Szyf, Moshe, Patrick McGowan e Michael J. Meaney. 2008. O ambiente social e a
epigenoma. Mutagênese Ambiental e Molecular 49: 46-60.
Gatilho, Bruce G. 2003. Artefatos e Idéias . New Brunswick, NJ: editores de transações.
Weber, máx. 1924. Die sozialen Gründe des Untergangs der antiken Kultur. Em Gesammelte
Aufsätze zur Wirtschafts-und Sozialgeschichte, pp. 289-311. Tübingen: Mohr.
––––– 1976 [1921] Agência de emprego e pesquisa: Grundriss der verstehende Soziologie , 3
volumes. Tübingen: Mohr.
––––– 1988a [1904]. Die “Objektivität” sozialwissenschaftlicher und sozialpolitiker
Erkenntnis. Em Gesammelte Aufsätze zur Wissenschaftslehre , pp.146-214. Tübingen:
Mohr.
––––– 1988b [1913]. Você também pode gostar Kategorien der verstehende Soziologie. Em Gesammelte
Aufsätze zur Wissenschaftslehre , pp.427-74. Tübingen: Mohr.
Wikström, Per-Olof e Robert J. Sampson, editores, The Explanation of Crime . Cambridge:
Cambridge University Press.

* Baseado no artigo da Free Inquiry Vol. 35, No. 1, pp. 24-31, 2015.
Os leitores podem se referir ao artigo de opinião anterior sobre cientificismo em novembro de HPS e ST
Nota.