Você está na página 1de 10

FICHA DE LITERATURA

ROMANTISMO: A PROSA
Notam-se as seguintes características nos
romances românticos nacionais:
 Maniqueísmo: os sentimentos nobres e os
caracteres elevados se opõem à covardia e à
maldade, com o pleno triunfo do Bem sobre o Mal.
 A literatura passa a exercer um papel moralizante,
influindo nas ideias e no comportamento de sua
época.
 Apresentação de uma realidade que proporciona a
ilusão de que o acontecido é real e verdadeiro.
Entretanto, há a idealização dos sentimentos, dos
personagens e de muitas situações vivenciadas
por eles.
 Valorização do passado histórico, com a
investigação das raízes da nacionalidade.
 Indianismo, afirmação da liberdade, exaltação das
tradições e do presente social e político.
APRESENTAÇÃO  Destaque para a “cor local”, com detalhes dos
Os romances românticos brasileiros tiveram
costumes, da paisagem e da natureza em
grande aceitação pelo público leitor à época. Uma
comunhão com os sentimentos.
série de fatores contribuiu para tal sucesso, dentre
os quais podemos citar:  O que prende o leitor é o emaranhado de
situações mais que as ideias: a narrativa
 A urbanização da cidade do Rio de Janeiro,
normalmente gira em torno de um enredo linear
transformada em corte e com um público leitor
em ritmo acelerado: o que mais vale é a
formado por aristocratas rurais, profissionais
imaginação e o entretenimento, mesmo que às
liberais, jovens estudantes e as moças de “boa
vezes as obras percam certa verossimilhança. O
família”;
objetivo é distrair e descontrair, não o de levar o
 O jornalismo vivia seu primeiro grande impulso no leitor a reflexões mais profundas sobre si mesmo e
Brasil, fato que facilitou bastante a publicação das a sociedade em que vive.
obras. Convém ressaltar que muitos livros
José de Alencar, o maior prosador romântico
românticos foram impressos originalmente sob
brasileiro, criou uma classificação para os seus
forma de folhetim, ou seja, por partes, publicadas
romances que, posteriormente, foi adotada para toda
periodicamente nos jornais. As histórias iam sendo
a ficção romântica. Vejamos:
lidas aos poucos, e isso gerava maior interesse por
parte do público, além de serem acessíveis Urbanos(citadinos A ação se passa na corte
financeiramente a uma maior fatia da população. ou de costumes) (cidade do Rio de Janeiro) ou
 O sentimento nacionalista fez com que surgisse adjacências, onde se encontra
uma literatura com a cor local, pois já não bastava grande parte do público leitor e
uma mera tradução de romances europeus. Os dos escritores.
enredos se desenvolviam em ambientes mais
nacionais, mostrando as coisas do Brasil e da Regionalistas A ação se passa no campo, no
corte em especial, ainda que marcados por uma interior.
visão idealizante.
Indianistas O índio aparece como
O primeiro romance romântico publicado no protagonista, num retrato
Brasil foi O filho do pescador, de Teixeira e Sousa, bastante idealizado.
em 1843, obra de importância mais histórica que
artística. Históricos A ação se ambienta num
passado remoto, pintando com
Características tintas idealizantes.
1
O ESQUEMA
Os romances românticos apresentam, quase
todos, um mesmo esquema básico. Observe:

2
 Inicialmente, temos a caracterização do nosso Aspectos centrais da obra
herói e da nossa heroina. Ambos, pintados com Este autor conseguiu já com o seu primeiro
tintas idealizantes,são possuidores de todas as romance atingir a celebridade. O público leitor – e
virtudes físicas e morais. principalmente as leitoras – vibrou com A
 O casal logo se apaixona. A união é inevitável, moreninha, e Macedo, percebendo que a “fórmula”
pois “até parece que foram feitos um para o outro”. funcionava, desandou a escrever diversos romances
Tudo indica que serão felizes para sempre, repetindo a mesma estruturação básica.
porém... Apesar de ser um bom cronista do Rio de
Janeiro do 2º Reinado, de possuir um estilo
 ... eis que surge um fato inesperado: um conflito
qualquer que impede a realização desse amor, despretensioso e ligeiro, com leves toques de humor,
para o desespero dos leitores. Macedo se mostra preso a esquemas bastante
“batidos”; praticamente todos os seus romances
 Normalmente, os obstáculos mais comuns que
apresentam os seguintes elementos, bastante
surgem na caminhada amorosa dos protagonistas
são os seguintes: previsíveis:
 Um namoro difícil;
 A presença de um antagonista, claramente
caracterizado com essa função e responsável  O mistério sobre o passado nebuloso de um ou
por criar intrigas absolutamente diabólicas; mais personagens;
 A constituição de um triângulo amoroso;  O conflito entre o dever e a paixão;
 Votos de castidade;
 Separação para a carreira sacerdotal;  Os cacoetes de uma personagem secundária
 Diferenças sociais, econômicas ou étnicas; caricatural;
 Promessas anteriores feitas.
 Farras estudantis;
 Mas toda intriga será desmascarada e todo os  Reconhecimento final, com o triunfo do amor sobre
obstáculos superados, pois a verdade tem de todas as coisas.
prevalecer, o amor, de triunfar e o romance, de Para melhor compreensão, vejamos alguns
satisfazer às vontades dos leitores, legítimos
aspectos da principal obra de Joaquim Manuel de
representantes de uma elite econômica.
Macedo, intitulada...
 Desfeita toda a confusão, o par se reconcilia,
agora mais unido do que nunca. E o responsável A moreninha
pela “armação”? Será punido: ou morre, ou é
 Tema – fidelidade a um amor de infância.
preso, ou fica louco, pois o mal deve ser castigado
e o bem, vitorioso.  Par amoroso – Augusto e Carolina.
 Sinopse – Três estudantes – Augusto, Leopoldo e
 Os apaixonados se casam, pois o amor tem de
levar ao casamento. Final feliz, ou como dizem, Fabrício – vão passar um feriado na ilha de
Happy end. Paquetá. Augusto apostou que, se ficasse
apaixonado por uma só mulher durante quinze dias
 Como uma possível variação do esquema, em vez
ou mais, escreveria um romance contando essa
de um final feliz, pode haver justamente o
contrário: um final trágico, o que não deixa de paixão. Nesse passeio conhece Carolina (a
representar uma estrutura tipicamente romântica, Moreninha), por quem se apaixona. Entretanto, os
pois a morte acaba sendo uma espécie de união dois não podiam se unir, pois Augusto havia jurado
de um amor impossível num plano mais sublime. fidelidade a uma menina que conhecera na
infância. Finalmente, descobre que a tal menina
PRINCIPAIS AUTORES/OBRAS era a própria Carolina e com ela se une. Perdeu a
aposta, mas achou o seu grande amor.
Joaquim Manuel de Macedo
Principais romances publicados
Manuel Antônio de Almeida
 A moreninha (1844);
 O moço loiro (1845); Carioca, de família humilde, órfão de pai aos
 A luneta mágica (1869). 10 anos, conheceu de perto a vida da pequena
classe média carioca.Com dificuldades, formou-se
em Medicina. Para custear os estudos, trabalhou no
Correio Mercantil e publicou, em capítulos, seu único
romance, intitulado Memórias de um sargento de
milícias.
Tendo surgido quando os ídolos do público
eram Macedo e Alencar, este livro foi logo
3
esquecido, vindo a ser redescoberto décadas mais  Os ROMANCES HISTÓRICOS: As minas de prata, O
tarde, pelos modernistas da década de 1920. guarani, A guerra dos mascates e outros
Despreocupado de ser escritor, pois escrevia mostram a união da cultura europeia com a
apenas para sobreviver, Almeida apresenta um estilo natureza e a terra americanas para a formação da
descompromissado com a época, crítico, irreverente nação brasileira, numa pintura idealizada do
e satírico. Seu livro pode ser classificado como um passado.
romance satírico de costumes, que destoa do  A vida simples no interior do país, a sensibilidade
Romantismo convencional, pois o protagonista é um das cantigas e da alma do povo, os ruídos dos
anti-herói, os tipos não possuem uma sofisticação campos e das florestas, a pureza da cor local, as
social e toda a ação se passa em ambientes menos tradições e costumes interioranos ficam
nobres. registrados nos ROMANCES REGIONALISTAS: O
A obra focaliza tipos do povo, seus tronco do ipê, O sertanejo, O gaúcho, Til.
personagens não têm o charme da burguesia, o  A formação e o amadurecimento da sociedade
herói Leonardo é um trapalhão que não tem urbana, especialmente a do Rio de Janeiro, ainda
elegância, nem inteligência, nem outras qualidades de fisionomia variada e indefinida, são retratados
dos heróis românticos. através dos geniais perfis femininos criados por
Alencar nos ROMANCES URBANOS: Senhora, Diva,
José de Alencar Lucíola, A pata da gazela e outros.

(...) no Brasil, e em Sinopse das principais obras


toda a América Latina, o
escritor alcançou
reconhecimento social por
sua contribuição “patriótico-
sentimental” a causas
políticas e sociais.
Antonio Candido

Aspectos centrais da obra


A obra de Alencar é um importante
instrumento para o conhecimento da nação
brasileira: com os seus romances, o autor traça um
amplo painel que permite uma visão panorâmica da
terra, do povo, da história e da cultura nacional.
Criou símbolos marcantes para a nossa
cultura (Iracema, o sertanejo, Peri), analisou e
criticou comportamentos (prostituição, casamento
por interesse) e ampliou os limites da língua
portuguesa, criando a língua literária do Brasil (“Eu
escrevo em língua brasileira...”). IRACEMA
Seus diversos romances escritos podem ser
A “lenda do Ceará”, como a denominou o
divididos de acordo com a seguinte classificação,
autor, é escrita em prosa poética ritmada e reflete as
criada por ele:
saudades que Alencar sentia da terra natal.
 As lendas e os mitos da terra selvagem; os Iracema, nome que significa “lábios de mel”, é
costumes e tradições que marcaram o surgimento uma virgem-sacerdotisa da tribo dos Tabajaras, que
da nação brasileira; a vida primitiva antes do não pode casar-se ou ser tocada por homem.
descobrimento, os primeiros contato do índio com Martim, um aventureiro português, perde-se durante
o branco conquistador e colonizador e a união das uma caçada e invade as terras dos tabajaras.
raças branca e indígena estão nos chamados Iracema o fere com uma flecha e o leva à sua tribo
ROMANCES PRIMITIVISTAS ou INDIANISTAS:
para tratar o ferimento. A bela índia se apaixona por
Ubirajara, O guarani e Iracema, com acentuados Martim e se entrega a ele, aproveitando-se de um
acentos históricos. estado de delírio do moço, provocado pela poção
mágica chamada “vinho de Jurema” que a índia lhe
dera para beber.

4
Iracema e Martim fogem da tribo e se amado. Estava grávida, mas o feto morreu em seu
estabelecem numa praia, onde nasce o filho do ventre; mesmo assim se recusou a expelir o bebê já
casal, Moacir, durante uma longa ausência de morto, o que lhe fez adoecer e cair morta.
Martim. Iracema entrega o filho ao pai, pede para ser A morte da protagonista foi uma solução
enterrada ao pé da palmeira e morre. Martim vai com o encontrada para satisfazer o moralista público leitor de
filho para Portugal, sua terra natal, e volta anos depois sua época, avesso a um casamento de um legítimo
trazendo missionários e colonizadores. representante seu, Paulo, com uma prostituta, ainda que
na condição de ex.
O GUARANI
D. Antônio de Mariz,
fidalgo português,
O romance regionalista romântico
estabeleceu-se numa O Brasil é um país de paisagens absolutamente
sesmaria no Rio de Janeiro. distintas. Nossos escritores românticos perceberam isso
Às margens do rio e, para mostrar aos brasileiros as várias faces do Brasil
Paquerer, construiu uma e seus variados tipos humanos – o caboclo, o
casa luxuosa onde passou a fazendeiro, o sertanejo, o pequeno agricultor –,
viver com a família, escreveram romances ambientados em cenários
composta por D. Lauriana interioranos.
(esposa), D. Diogo, filho José de Alencar escreveu alguns romances
jovem e seu braço direito, regionalistas, mas não logrou êxito com eles; coube a
Isabel (sobrinha, outros escritores – que, aliás, tinham um contato mais
descoberta efetivo com a paisagem descrita em suas obras
mais tarde como sua filha) e, principalmente, a filha – desenvolver melhor esse regionalismo: o cearense
Cecília (Ceci), loura de olhos azuis e cabelos Franklin Távora (1842 – 1888), um tanto esquecido
encaracolados, que era objeto de adoração por parte do pelos vestibulares e crítica literária, Bernardo
índio Peri, seu protetor, por Álvaro, que morre Guimarães e Visconde de Taunay.
combatendo os índios, e desejada por Loredano, o É necessário ressaltar que esse filão regionalista
grande vilão da história. servirá de inspiração para outras estéticas literárias que
Peri, jovem índio, renuncia a sua tribo e a sua virão posteriormente, que o desenvolverão bastante.
família para ficar perto de Ceci, a quem adora como sua
deusa. É ele quem evita que os aimorés a matem Teatro da época romântica
em represália pelo crime de D. Diogo (acidentalmente,
numa caçada, matara uma índia). É ele ainda quem
Quase todos os autores românticos
salva Álvaro de ser morto por Loredano e seus
escreveram uma ou mais peças de teatro. Era, na
comparsas.
época, um meio rápido e eficiente
Peri descobre os planos de Loredano de raptar
de se tornar conhecido do
Cecília, incendiar a casa de D. Mariz, antes de ir
público e de conseguir
procurar um tesouro cujo mapa descobrira através do
leitores para outras obras
segredo da confissão de um moribundo. No final da
suas. Foi na época
história, Peri salva Ceci, carregando-a adormecida até
romântica que se tornou
uma canoa e fugindo rio abaixo. De longe, Peri e Ceci
popular o drama, que
assistem à explosão da casa de D. Mariz e lamentam a
misturava elementos da
morte de todos que nela estavam. Os fugitivos são
tragédia com os da comédia
surpreendidos por uma grande enchente e se salvam
clássica. O grande nome do
boiando em cima de uma palmeira, navegando horizonte
teatro romântico brasileiro foi
afora.
Martins Pena (1815 –
LUCÍOLA 1848), que se destacou
Narrada em primeira pessoa em forma de carta, escrevendo comédias, que
tem-se aqui a arrebatadora paixão entre o burguês despertavam o riso fácil e satirizavam os costumes da
Paulo (personagem-narrador) e a prostituta de luxo época.
Lúcia.. A moça foi levada a tal vida para sustentar a
irmã, uma vez que ambas perderam os pais. O amor por
Paulo a redime, mas ela acaba morrendo ao final da
narrativa, nos braços do

5
JOSÉ DE ALENCAR Seus diversos romances escritos podem ser
divididos de acordo com a seguinte classificação, criada
(...) no Brasil, e em toda a por ele:
América Latina, o escritor alcançou  As lendas e os mitos da terra selvagem; os costumes
reconhecimento social por sua e tradições que marcaram o surgimento da nação
contribuição “patriótico-sentimental” a brasileira; a vida primitiva antes do descobrimento, os
causas políticas e sociais. primeiros contato do índio com o branco conquistador
Antonio Candido e colonizador e a união das raças branca e indígena
estão nos chamados ROMANCES PRIMITIVISTAS ou
Biografia mínima
Nasceu em Mecejana (CE), em 1829, pertencente INDIANISTAS: Ubirajara, O guarani e Iracema, com
a uma família tradicional da região. Iniciou seus estudos acentuados acentos históricos.
de Direito em São Paulo e, depois de formado, deu  Os ROMANCES HISTÓRICOS: As minas de prata, O
início efetivo às suas carreiras – advogado, jornalista, guarani, A guerra dos mascates e outros mostram a
político e, principalmente, escritor –, passando a morar união da cultura europeia com a natureza e a terra
no Rio de Janeiro. Teve as suas primeiras histórias americanas para a formação da nação brasileira,
publicadas nos folhetins da época e, aos poucos, foi numa pintura idealizada do passado.
conquistando grande notoriedade junto ao público.  A vida simples no interior do país, a sensibilidade das
Após algumas legislaturas como deputado, foi cantigas e da alma do povo, os ruídos dos campos e
nomeado Ministro da Justiça, em 1868. Um ano depois, das florestas, a pureza da cor local, as tradições e
Alencar se candidatou ao cargo vitalício de Senador e costumes interioranos ficam registrados nos
obteve o primeiro lugar na votação, mas, em virtude de ROMANCES REGIONALISTAS: O tronco do ipê, O
uma série de desavenças que mantinha com D. Pedro sertanejo, O gaúcho, Til.
II, não foi nomeado por ele, o que o levou a fazer  A formação e o amadurecimento da sociedade
oposição ao governo. urbana, especialmente a do Rio de Janeiro, ainda de
Desencantado com a política, Alencar passou a fisionomia variada e indefinida, são retratados através
se dedicar mais ainda à literatura. Seus embates com a dos geniais perfis femininos criados por Alencar nos
crítica literária da época eram grandes. Respondia ROMANCES URBANOS: Senhora, Diva, Lucíola, A pata
sistematicamente às críticas recebidas, mas dava sinais da gazela e outros.
de cansaço. Sinopse das principais obras
1875: agrava-se a tuberculose. Viajou à Europa,
dois anos depois, para se tratar, mas não houve IRACEMA
melhoras. De volta ao Brasil, bastante fragilizado, A “lenda do Ceará”, como
acabou falecendo em 1877, no Rio de Janeiro. Morria a denominou o autor, é escrita
então o maior nome do Romantismo brasileiro. em prosa poética ritmada e
reflete as saudades que Alencar
Aspectos centrais da obra
sentia da terra natal.
A obra de Alencar é um importante instrumento
para o conhecimento da nação brasileira: com os seus Iracema, nome que
significa “lábios de mel”, é uma
romances, o autor traça um amplo painel que permite
virgem-sacerdotisa da tribo dos Tabajaras, que não
uma visão panorâmica da terra, do povo, da história e
pode casar-se ou ser tocada por homem. Martim, um
da cultura nacional.
aventureiro português, perde-se durante uma caçada e
Criou símbolos marcantes para a nossa cultura
(Iracema, o sertanejo, Peri), analisou e criticou invade as terras dos tabajaras. Iracema o fere com uma
comportamentos (prostituição, casamento por interesse) flecha e o leva à sua tribo para tratar o ferimento. A bela
e ampliou os limites da língua portuguesa, criando a índia se apaixona por Martim e se entrega a ele,
língua literária do Brasil (“Eu escrevo em língua aproveitando-se de um estado de delírio do moço,
provocado pela poção mágica chamada “vinho de
brasileira...”).
Jurema” que a índia lhe dera para beber.

6
Iracema e Martim fogem da tribo e se A morte da protagonista foi uma solução
estabelecem numa praia, onde nasce o filho do casal, encontrada para satisfazer o moralista público leitor de
Moacir, durante uma longa ausência de Martim. Iracema sua época, avesso a um casamento de um legítimo
entrega o filho ao pai, pede para ser enterrada ao pé da representante seu, Paulo, com uma prostituta, ainda
palmeira e morre. Martim vai com o filho para Portugal, que na condição de ex.
sua terra natal, e volta anos depois trazendo
missionários e colonizadores. SENHORA
Temática: Crítica ao casamento por interesse; o
O GUARANI
amor que a tudo regenera.
D. Antônio de Mariz, fidalgo
Publicado nos últimos anos de vida do autor, o
português, estabeleceu-se numa
livro aparece dividido em 4 partes:
sesmaria no Rio de Janeiro. Às
margens do rio Paquerer, construiu  Aurélia Camargo, a “senhora” a que se refere o título,
uma casa luxuosa onde passou a era linda, inteligente e íntegra. Um ano antes vivia na
viver com a família, composta por D. miséria e foi abandonada pelo noivo, Fernando
Lauriana (esposa), D. Diogo, filho Seixas, que passou a namorar Adelaide porque o pai
jovem e seu braço direito, Isabel desta oferecia um dote de trinta contos a quem se
(sobrinha, descoberta mais tarde casasse com sua filha. Depois de tomar posse da
como sua filha) e, principalmente, a filha Cecília (Ceci), herança deixada pelo avô, Aurélia, que jurara nunca
loura de olhos azuis e cabelos encaracolados, que era mais se casar, resolve “vingar-se” de Fernando
objeto de adoração por parte do índio Peri, seu protetor, mandando propor-lhe casamento em troca de um dote
por Álvaro, que morre combatendo os índios, e de cem contos. A necessidade e a ganância levaram
desejada por Loredano, o grande vilão da história. o rapaz a aceitar a proposta. Esta é a primeira parte
Peri, jovem índio, renuncia a sua tribo e a sua do romance chamada O preço.
família para ficar perto de Ceci, a quem adora como sua  Após o casamento, Aurélia manda pagar-lhe o
deusa. É ele quem evita que os aimorés a matem em restante do dote, revelando-lhe seu plano de
represália pelo crime de D. Diogo (acidentalmente, vingança. Com uma retrospectiva da vida de ambos e
numa caçada, matara uma índia). É ele ainda quem a retomada da cena interrompida após o casamento,
salva Álvaro de ser morto por Loredano e seus encerra-se a segunda parte da obra: Quitação.
comparsas.
 Os onze meses de casados foram de uma vida de
Peri descobre os planos de Loredano de raptar
aparências: para todos, um lindo casal; para Fernando
Cecília, incendiar a casa de D. Mariz, antes de ir
e Aurélia, um amor retraído, despeito e mágoa. Esta
procurar um tesouro cujo mapa descobrira através do
parte do romance simboliza a Posse do bem
segredo da confissão de um moribundo. No final da
comprado.
história, Peri salva Ceci, carregando-a adormecida até
uma canoa e fugindo rio abaixo. De longe, Peri e Ceci  Na quarta e última parte da obra, intitulada Resgate,
assistem à explosão da casa de D. Mariz e lamentam a desfaz-se o negócio. Fernando consegue juntar
morte de todos que nela estavam. Os fugitivos são dinheiro suficiente para reconquistar a liberdade e a
surpreendidos por uma grande enchente e se salvam dignidade perdidas. O final é a reconciliação, o mútuo
boiando em cima de uma palmeira, navegando perdão e o beijo que ressuscita, regenera e abre o
horizonte afora. caminho para um novo começo, agora calcado no
verdadeiro amor, total, puro e idealizado.
LUCÍOLA
Narrada em primeira pessoa em forma de carta, REGIONALISMO ROMÂNTICO: O
tem-se aqui a arrebatadora paixão entre o burguês BRASIL POR INTEIRO
Paulo (personagem-narrador) e a prostituta de luxo
Lúcia.. A moça foi levada a tal vida para sustentar a O Brasil é um país de paisagens absolutamente
irmã, uma vez que ambas perderam os pais. O amor por distintas. Nossos escritores românticos perceberam isso
Paulo a redime, mas ela acaba morrendo ao final da e, para mostrar aos brasileiros as várias faces do Brasil
narrativa, nos braços do amado. Estava grávida, mas o e seus variados tipos humanos – o caboclo, o
feto morreu em seu ventre; mesmo assim se recusou a fazendeiro, o sertanejo, o pequeno agricultor –,
expelir o bebê já morto, o que lhe fez adoecer e cair escreveram romances ambientados em cenários
morta. interioranos.

7
José de Alencar escreveu alguns romances  No dia do casamento, Álvaro aparece e a salva. Vindo
regionalistas, mas não logrou êxito com eles; coube a ao Rio, o herói pagou todas as dívidas de Leôncio e
outros escritores – que, aliás, tinham um contato mais se tornou seu único credor. Como o vilão não tinha
efetivo com a paisagem descrita em suas obras – como saldar as dívidas, Álvaro tornou-se dono de
desenvolver melhor esse regionalismo: o cearense todas as propriedades dele, inclusive de Isaura.
Franklin Távora (1842 – 1888), um tanto esquecido Leôncio se mata com uma bala na cabeça. Álvaro e
pelos vestibulares e crítica literária, Bernardo Isaura se unem. Final feliz para o para amoroso.
Guimarães e Visconde de Taunay. É necessário
ressaltar que esse filão regionalista servirá de VISCONDE DE TAUNAY
inspiração para outras estéticas literárias que virão
Biografia mínima e aspectos centrais da obra
posteriormente, que o desenvolverão bastante.
Alfredo d´Escragnolle de Taunay, pertencente a
uma aristocrática e culta família francesa, nasceu no Rio
BERNARDO GUIMARÃES de Janeiro e morreu na mesma cidade. Dotado de
Principais obras publicadas: enorme bagagem cultural, além de pertencer a uma
 PROSA – O ermitão de Muquém (1868); O família de artistas, Taunay possuía grande capacidade
garimpeiro (1872); O seminarista (1872); A escrava de conjugar muitas atividades simultaneamente. Ao
Isaura (1875). todo, escreveu mais de cinquenta livros, mas obteve a
Aspectos gerais da obra consagração com dois títulos: A retirada da Laguna e,
Bernardo Guimarães foi um escritor de muito principalmente.
sucesso em sua época; tanto seus romances como
seus poemas eram bastante admirados pelo público INOCÊNCIA
leitor, graças ao seu estilo fácil e leve. Esta é considerada a obra-prima do romance
regionalista romântico. Narrada em 3ª pessoa,
A ESCRAVA ISAURA destacam-se as belas paisagens do Mato Grosso em
 Isaura nasceu no interior do Rio de Janeiro, filha de descrições primorosas e objetivas de fazendas, plantas
um feitor português com uma bela escrava negra. Era típicas e medicinais, animais e insetos da região.
uma linda escrava, mulata clara, que tem uma É nesse ambiente que se desenrola a tragédia da
simplicidade encantadora, de porte esbelto e cintura linda Inocência, que, forçada pelo pai a se casar com
delicada. Isaura tinha os traços finos, a pele morena, Manecão, alimenta uma paixão secreta e proibida por
fora criada e educada por Malvina, sua madrinha e Cirino. O casal pensa numa forma de fazer tudo certo,
esposa de Leôncio, como uma dama da corte. às claras, mas Pereira, pai da moça, já havia prometido
 Leôncio, rapaz devasso, libertino e cruel, quer forçar a filha a Manecão e não voltaria atrás em sua palavra.
Isaura a ser sua amante. Malvina abandona o marido, Cirino resolve procurar o padrinho de Inocência
deixando-o livre para investidas cada vez mais para que este intercedesse em favor do casal junto a
violentas contra a honestidade de Isaura, torturada e Pereira. Ocorre, entretanto, que enquanto Cirino
humilhada por ele. aguardava uma resposta, Manecão fica sabendo do
 Miguel, ex-feitor da fazenda e pai de Isaura, não relacionamento dos dois e resolve, então, lavar a honra:
conseguindo comprar a liberdade da filha, arma um Manecão mata Cirino, mas Inocência acaba morrendo
plano e foge com ela, indo viver nos arredores de também. Aquele amor tão puro não se pôde concretizar
Recife, para fugir de Leôncio. num sertão tão bruto, de valores tão atrasados, em que
 Álvaro, o herói da história, conhece Isaura, apaixona- um pai preferia ver sua filha morta a ter sua palavra
se por ela e, depois de muita insistência, leva-a a um quebrada.
baile da alta sociedade recifense, onde a moça
deslumbra a todos com sua beleza extrema. TEATRO DA ÉPOCA ROMÂNTICA
 Isaura é reconhecida por um anúncio de “recompensa
Quase todos os autores românticos escreveram
para quem entregar escrava fugida”, é capturada e
uma ou mais peças de teatro. Era, na época, um meio
entregue a Leôncio, que a leva de volta para sua
rápido e eficiente de se tornar conhecido do público e de
fazenda no Rio. Isaura ainda se nega às propostas do
conseguir leitores para outras obras suas. O grande
patrão e, no desespero para conseguir a liberdade
nome do teatro romântico brasileiro foi Martins Pena
sua e de seu pai, aceita o terrível castigo que Leôncio
(1815 – 1848), que se destacou escrevendo comédias,
lhe preparou: casar-se com Belchior, o jardineiro anão
que despertavam o riso fácil e satirizavam os costumes
e defeituoso.
da época.
8
TESTES
01. (UERS – RS) – Considere as seguintes assertivas sobre a prosa romântica:
I. Augusto e Carolina são personagens centrais do romance A moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo.
II. A obra de José de Alencar pode ser dividida, didaticamente, da seguinte forma: romances urbanos ou de
costumes; romances históricos e indianistas; romances regionalistas.
III. Manuel Antônio de Almeida, em Memórias de um sargento de milícias, constrói uma narrativa de
costumes, que tem como cenário o Rio de Janeiro, e os personagens pertencem, na maioria, a classes
populares.

A opção que apresenta a resposta correta é:


a) Apenas I; b) Apenas II; c) Apenas III; d) Apenas I e III;

e) I, II e III.

02. (PUCPR) – José de Alencar, na variedade de romances que escreveu (urbanos, indianistas, de costumes,
históricos, perfis de mulher), pretendia construir
a) o novo romance brasileiro;
b) uma descrição da capacidade criativa do escritor brasileiro;
c) uma oposição ao romance brasileiro sem qualidade literária que o precedeu;
d) uma obra romanesca com os aspectos fundamentais da vida brasileira;
e) uma história indianista do Brasil.

03. (UEL – PR) – Tanto na prosa de José de Alencar quanto na poesia de Gonçalves Dias, a figura do
índio é caracterizada
a) com os atributos da honradez de um cavaleiro medieval.
b) enquanto um herói pagão movido pelas forças da natureza.
c) como uma mescla de ingenuidade e violência incontrolável.
d) por meio de uma fiel descrição de seus valores naturais.
e) da mesma forma como o representava Anchieta em suas peças.

04. (UFPE) – No Brasil, o Romantismo é mais do que uma poética, é um projeto civilizatório. Por esse projeto,
que tem em José de Alencar o seu principal expoente, passa a construção das identidades nacional e cultural.
Assim, quais as principais características da obra alencariana?
1) Alencar busca descrever as várias realidades socioculturais do Brasil, a exemplo da realidade do gaúcho e
do sertanejo.
2) Alencar escreveu sobre os primeiros habitantes do Brasil, a exemplo dos indígenas e dos colonizadores
portugueses.
3) Além de romancista, José de Alencar se destacou como um dos principais poetas e contistas da sua
geração.
4) O folclore e a cultura popular são as matérias- primas de todos os romances de José de Alencar.
5) O espaço urbano, particularmente aquele referente à cidade do Rio de Janeiro, foi objeto de várias
obras de Alencar.

Estão corretas apenas:


a) 1, 3 e 4 b) 1, 2 e 5 c) 1, 4 e 5 d) 2, 3 e 4 e) 2, 4 e 5

05. (UERS) – Assinale a alternativa correta sobre a prosa romântica no Brasil:


a) Retrata uma série de transformações econômicas, científicas e ideológicas, decorrentes de uma nova
revolução industrial.
b) Tem como principais características o racionalismo, a imitação dos clássicos, o bucolismo e o pastoralismo.
9
c) Iniciou em meados do século XVI e caracteriza-se pela fluidez do tempo, que coloca o homem diante de um
dilema: viver a vida ou preparar-se para a morte?
d) Há o predomínio da objetividade, da observação, da verossimilhança e, principalmente, de uma visão
cientificista da existência.
e) Tem em José de Alencar um dos seus autores mais expressivos e também nomes como Joaquim Manuel
de Macedo e Bernardo Guimarães, entre outros.

06. (UCS – RS) – No prefácio de Sonhos d'ouro, José de Alencar fixa um programa a partir do qual produz sua
obra de ficção romântica. Nesse programa, ele distingue três fases no período orgânico da literatura brasileira: a
_, constituída por “lendas e mitos da terra selvagem e conquistada (Iracema)”; a
_, representando “o consórcio do povo invasor com a terra americana” (O guarani e As minas
de prata); e a , caracterizada pela valorização da cor local, “expressando em sua pureza,
sem mescla, esse viver singelo de nosso país, tradições, costumes, linguagem, com um sainete todo
brasileiro” (O tronco do Ipê, Til e O gaúcho).
ALENCAR, José de. Sonhos d’ouro

Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas do texto que se refere ao Romantismo:
a) primitiva – urbana – regionalista;
b) primitiva – regionalista – urbana;
c) pré-histórica – histórica – regionalista;
d) histórica – primitiva – urbana;
e) primitiva – histórica – regionalista.

07. (UCS – RS) – José de Alencar, um dos mais importantes ficcionistas brasileiros do século XIX, escreveu
romances históricos, regionais, urbanos e indianistas. Leia o fragmento do romance O Guarani, de José de Alencar:
Caía a tarde.
No pequeno jardim da casa do Paquequer, uma linda moça se embalançava indolentemente numa rede de
palha presa aos ramos de uma acácia silvestre [...].
Os grandes olhos azuis, meio cerrados, às vezes se
abriam languidamente como para se embeberem de luz
[...].
Os lábios vermelhos e úmidos pareciam uma flor da gardênia dos nossos campos, orvalhada pelo sereno da noite
[...].
Os longos cabelos louros, enrolados
negligentemente em ricas tranças, descobriam a fronte alva, e caíam em volta do pescoço presos por uma rendinha
finíssima de fios de palha cor de ouro. [...]
Esta moça era Cecília.
ALENCAR, José de. O guarani. 25. ed. São Paulo: Ática, 2001. p. 32

Em relação à obra O guarani, ou ao fragmento acima descrito, assinale a alternativa correta:


a) Neste trecho, a descrição de Cecília revela um ideal de beleza típico da sociedade do Brasil colonial.
b) A visão de mundo realista está posta no retrato harmonioso entre a beleza da jovem e a beleza da
natureza brasileira.
c) No romance, um dos triângulos amorosos é formado por Cecília, Loredano e Isabel.
d) No fragmento, a languidez dos olhos de Cecília sugere um certo erotismo, desvinculando a obra do
movimento romântico.
e) Na obra, além da idealização da mulher, há elementos da idealização do índio, personificado na figura
de Peri.

1
0