Você está na página 1de 35

Sumário

100 Temas de Redação ................................................................................................................................................. 4


1. Racismo e Discriminação Social........................................................................................................................... 4
2. Desigualdade Social no Brasil .............................................................................................................................. 4
3. Preconceito Linguístico......................................................................................................................................... 5
4. Família Contemporânea ........................................................................................................................................ 5
5. Inclusão Social no Brasil....................................................................................................................................... 5
6.Inclusão Social nas Escolas.................................................................................................................................... 5
7.Desigualdade Social e Exclusão Social.................................................................................................................. 6
8.Exclusão Social no Brasil ...................................................................................................................................... 6
9.Violência no Brasil................................................................................................................................................. 6
10.Feminicídio .......................................................................................................................................................... 7
11.Racismo................................................................................................................................................................ 7
12.Violência Policial ................................................................................................................................................. 7
13.Violência Contra Homossexuais .......................................................................................................................... 8
14.Abuso Infantil ...................................................................................................................................................... 8
15.Violência no Trânsito ........................................................................................................................................... 8
16.Violência no Campo............................................................................................................................................. 8
17.Narcotráfico ......................................................................................................................................................... 8
18.Roubos e Assaltos ................................................................................................................................................ 8
19.Cyberbullying....................................................................................................................................................... 9
20.Bullying x Cyberbullying..................................................................................................................................... 9
21.A Inclusão Digital no Brasil................................................................................................................................. 9
22.Sociedade da Informação vs Sociedade do Conhecimento .................................................................................. 9
23.Sistema Prisional no Brasil ................................................................................................................................ 10
24.Cultura da Prisão no Brasil ................................................................................................................................ 10
25.Soluções para o Sistema Carcerário Brasileiro .................................................................................................. 10
26.Mudança na Legislação de Combate às Drogas ................................................................................................. 11
27.Problemas Sociais do Brasil ............................................................................................................................... 11
28.Desemprego ....................................................................................................................................................... 11
29.Violência e Criminalidade ................................................................................................................................. 12
30.A situação atual da Saúde Pública no Brasil ...................................................................................................... 12
31.Maioridade Penal ............................................................................................................................................... 12
32.Trabalho Infantil no Brasil ................................................................................................................................. 13
33.Educação Ambiental .......................................................................................................................................... 13
34.Orientação Sexual .............................................................................................................................................. 14
35.Identidade de Gênero ......................................................................................................................................... 14
36.Homofobia ......................................................................................................................................................... 15
37.Movimentos Sociais ........................................................................................................................................... 15
38.Movimentos Sociais no Brasil ........................................................................................................................... 15
39.Sincretismo e Religiões Afro-brasileiras ........................................................................................................... 16
40.Arte Urbana ........................................................................................................................................................ 17
41.Arte Urbana no Brasil ........................................................................................................................................ 17
42.Descriminalização das Drogas ........................................................................................................................... 18
43.Descriminalização, Legalização e Liberalização ............................................................................................... 19
44.Sustentabilidade ................................................................................................................................................. 19
45.Sustentabilidade Econômica .............................................................................................................................. 20
46. Aquecimento Global e Efeito Estufa................................................................................................................. 20
47. Analfabetismo no Brasil.................................................................................................................................... 20
48.Mercado de Trabalho ......................................................................................................................................... 20
49. Globalização...................................................................................................................................................... 21
50. Novas Tecnologias ............................................................................................................................................ 21
51. Meios de Comunicação ..................................................................................................................................... 21
52. Redes Sociais .................................................................................................................................................... 21
53. Pedofilia ............................................................................................................................................................ 21
54.Evasão Escolar ................................................................................................................................................... 21
55. Objetificação da Mulher.................................................................................................................................... 21
56. Violência Contra a Mulher ................................................................................................................................ 21
57. Imigrações e a Crise dos Refugiados ................................................................................................................ 22
58. Crise Hídrica e Escassez de Água ..................................................................................................................... 22
59.Alimentação Saudável........................................................................................................................................ 22
60.Questão Indígena no Brasil ................................................................................................................................ 22
61.Ética na Administração Pública ......................................................................................................................... 22
62.A corrupção como um desafio da economia global ........................................................................................... 23
63.Terrorismo.......................................................................................................................................................... 23
64.Cultura do Medo ................................................................................................................................................ 23
65.Refugiados ......................................................................................................................................................... 23
66.Tecnologia e Democracia................................................................................................................................... 24
67.Constituição Cidadã ........................................................................................................................................... 24
68.Crise política no Brasil ....................................................................................................................................... 24
69.Previdência social .............................................................................................................................................. 24
70.Porte de armas .................................................................................................................................................... 25
71.A mulher na sociedade contemporânea.............................................................................................................. 25
72.A democracia brasileira ..................................................................................................................................... 25
73.Reforma Política ................................................................................................................................................ 25
74.Política, Democracia e Cidadania ...................................................................................................................... 25
75.Bitcoin ................................................................................................................................................................ 26
76.China .................................................................................................................................................................. 26
77.Protecionismo de Donald Trump ....................................................................................................................... 26
78.NAFTA .............................................................................................................................................................. 26
79.BRICS ................................................................................................................................................................ 27
80.Desemprego ....................................................................................................................................................... 27
81.Minorias ............................................................................................................................................................. 27
82.Fake News .......................................................................................................................................................... 27
83.A Formação da Cultura Brasileira...................................................................................................................... 28
84.Diversidade Cultural .......................................................................................................................................... 28
85.Globalização Cultural ........................................................................................................................................ 29
86.Identidade Cultural ............................................................................................................................................. 29
87.Identidade Social ................................................................................................................................................ 29
88.Consumismo e Meio Ambiente.......................................................................................................................... 29
89.Globalização no Brasil ....................................................................................................................................... 30
90.Globalização Econômica.................................................................................................................................... 30
91. Direitos coletivos .............................................................................................................................................. 30
92. Atos em nome da religião ................................................................................................................................. 31
93. Mobilidade urbana ............................................................................................................................................ 31
94. Justiça com as próprias mãos ............................................................................................................................ 31
95.Assédio Sexual ................................................................................................................................................... 31
96. Legalização do aborto ....................................................................................................................................... 31
97.Postura do Brasil diante da política externa: ...................................................................................................... 32
98.Greve Dos Caminhoneiros ................................................................................................................................. 32
99.Segurança Pública .............................................................................................................................................. 32
100.Desastres Ambientais ....................................................................................................................................... 33
100 Temas de Redação

1. Racismo e Discriminação Social


Tema focado nos preconceitos relacionado às etnias, raças e as classes sociais e que envolvem
a questão da ―superioridade‖ entre os diversos grupos sociais.
A característica mais marcante do racismo brasileiro é seu caráter não oficial.
Se a lei conferiu liberdade jurídica aos escravos, estes nunca foram de fato integrados à
economia e, sem assistência do Estado, muitos negros caíram em dificuldades após a liberdade.
Assim, desde a "Proclamação da República" (1889), não há referência jurídica a qualquer
distinção de raça.
Outro atributo a escamotear o racismo no Brasil fora a ideologia do branqueamento, apoiada
pelo governo e por correntes científicas, como a corrente do darwinismo raciale do higienismo.
Sendo assim, essa ideologia facilitava a entrada imigrantes europeus e árabes em terras brasileiras.
A mestiçagem, vista como o "clareamento" da população, criou raízes profundas na sociedade
brasileira no início do século XX.
Na prática, muitos negros(as) preferiram se casar com companheiros(as) de pele mais clara,
visto que seus filhos teriam menos probabilidades de sofrer com o racismo. Contudo, a despeito de
décadas de crescimento econômico, as disparidades sociais permanecem.

2. Desigualdade Social no Brasil


Diferenças entre as diversas classes sociais estão intimamente relacionadas com a má
distribuição de renda no país. Importante entender as causas e consequências da desigualdade social.
Causas e Consequências
Embora o Brasil esteja entre os dez países com o PIB mais alto, é o oitavo país com o maior
índice de desigualdade social e econômica do mundo.
Segundo relatório de ONU (2010) as principais causas da desigualdade social são:
 Falta de acesso à educação de qualidade;
 Política fiscal injusta;
 Baixos salários;
 Dificuldade de acesso aos serviços básicos: saúde, transporte público e saneamento
básico.

Decorrente, essencialmente, da má distribuição de renda, as consequências da desigualdade


social no Brasil são observadas pela:
 favelização;
 pobreza;
 miséria;
 desemprego;
 desnutrição;
 marginalização;
 violência.
.

3. Preconceito Linguístico
No Brasil, o preconceito linguístico envolve as diferentes formas de falar e estão ligados com o
conceito de ―superioridade‖.
O preconceito linguístico no Brasil é algo muito notório, visto que muitos indivíduos
consideram sua maneira de falar superior ao de outros grupos.
Isso ocorre sobretudo entre as regiões do país, por exemplo, um sulista que considera sua
maneira de falar superior aos que vivem no norte do país.
Antes de mais nada, devemos salientar que nosso país possui dimensões continentais e embora
todos falamos a língua portuguesa, ela apresenta diversas variações e particularidade regionais.
Importante destacar que o preconceito linguístico acontece no teor de deboche e pode gerar
diversos tipos de violência (física, verbal, psicológica).
Os indivíduos que sofrem com o preconceito linguístico muitas vezes adquirem problemas de
sociabilidade ou mesmo distúrbios psicológicos.

4. Família Contemporânea
Marcada pela diversidade, esse tema relaciona-se com novos modelos de famílias e suas
diversas configurações modernas. Um exemplo é a adoção de crianças por casais homossexuais.

5. Inclusão Social no Brasil


Estudos apontam que o problema da "exclusão social" ainda afeta grande parte da população
brasileira, de forma que o governo, com o intuito de inserir a população excluída, promove
programas, projetos e ações que indicam um movimento de transformações positivas.
O desenvolvimento de políticas públicas e programas de conscientização são essenciais para o
desenvolvimento dessas práticas. O Indicador de Inclusão Social, por exemplo, é uma das
ferramentas de participação e controle social.

6.Inclusão Social nas Escolas


Considerado um importante espaço de criação e desenvolvimento do ser humano, as escolas,
nas últimas décadas tem se voltado para a importância das questões sobre a Inclusão Social, seja no
âmbito das etnias, orientação sexuais, deficiências, dentre outros.
Essa educação inclusiva tem beneficiado inúmeras pessoas, por exemplo, os portadores de
deficiência, entretanto, ainda é um desafio para a maioria das instituições de ensino.
7.Desigualdade Social e Exclusão Social
A desigualdade social e econômica gerada pela miséria, injustiça e exploração econômica, tem
sido um grande problema social enfrentado por diversos países no mundo.
Para muitos, a desigualdade social no mundo começa com a introdução do sistema capitalista,
onde há os produtores e trabalhadores, ou exploradores e explorados.
Nesse sentido, o conceito de exclusão social está intimamente relacionado com o de
desigualdade.

8.Exclusão Social no Brasil


No Brasil, a exclusão social está longe de ser um problema resolvido. Com tantas
desigualdades e comportamentos intolerantes, nosso país tem apresentado diversos casos de
exclusão. Destacam-se as escolhas relacionadas com a sexualidade, religião e culturas.
Por outro lado, podemos comemorar alguns progressos nessa área. Como exemplos, temos o
desenvolvimento de projetos sociais e ainda, a inclusão de disciplinas com temas transversais nas
escolas: pluralidade cultural, orientação sexual e ética.

Tipos de Exclusão Social


 Exclusão Cultural e Étnica: conceito atribuído as minorias étnicas e culturais, por exemplo, a
exclusão dos índios.
 Exclusão Econômica: determina a exclusão de pessoas que possuam rendas inferiores, por
exemplo, os pobres.
 Exclusão Etária: designa a exclusão por idades, por exemplo, crianças e idosos.
 Exclusão Sexual: tipo de exclusão que é determinada pelas diferentes preferências sexuais,
por exemplo, a exclusão dos transexuais.
 Exclusão de Gênero: relativo ao gênero masculino e feminino, por exemplo, a exclusão das
mulheres.
 Exclusão Patológica: exclusão relativa às doenças, por exemplo, os portadores de HIV.
 Exclusão Comportamental: aborda sobre os comportamentos destrutivos, por exemplo, dos
indivíduos toxicodependentes.

9.Violência no Brasil

A violência no Brasil é um fenômeno comportamental de agressividade complexo que envolve


as bases históricas do País e que atinge todas as camadas da sociedade.
O Brasil ocupa a 10.ª posição no ranking dos cem países que mais matam por armas de fogo,
conforme dados da OMS (Organização Mundial de Saúde) divulgados em 2014.
A posse de armas de fogo é fator determinante para a ocorrência da maior parte da violência
registrada no País.
Índice de Violência
De acordo com a OMS, 123 pessoas morrem vítimas de homicídios por armas de fogo todos os
dias no Brasil. São cinco mortes por hora e, somente em 2014, foram registradas 44.861 vítimas.
Os dados foram divulgados e discutidos no primeiro semestre de 2016 pela Flacso (Faculdade
Latino-Americana de Ciências Sociais), que elabora o estudo denominado Mapa da Violência.
O estudo específico sobre as mortes violentas causadas pelo uso de arma de fogo apontaram
que o Brasil mata 207 vezes mais que Alemanha, Áustria, Dinamarca e Polônia.
Para a OMS, o Brasil vive uma epidemia de violência, que tal como um problema de saúde
pública, é um obstáculo para o crescimento econômico.
A OMS passou a caracterizar esse tipo de violência como uma patologia específica que consta
no CID (Código Internacional de Doenças) por conta da quantidade de vítimas.
No Mapa da Violência de 2016, a Flacso apontou que a quantidade de vítimas por arma de
fogo cresceu 592,8% entre 1980 e 2014.
Em 1980 foram registradas 8.710 mortes e, dessas, 6.104 foram homicídios. As demais foram
registradas como suicídios ou acidentes. Já em 2014, houve 967.851 mortes por armas de fogo. Do
montante, 830.420 foram homicídios.

10.Feminicídio
O termo feminicídio foi reconhecido no Brasil a partir de março de 2015, como o mais
adequado para especificar as mortes violentas de mulheres. A Lei Federal n.º 13.104 especifica o
assassinato da mulher pela simples condição de ser mulher como crime hediondo.
Entre 2001 e 2011, 50 mil mulheres foram assassinadas no País, de acordo com dados do Ipea
(Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).
As mortes violentas de mulheres são caracterizadas como o resultado da exposição à violência
doméstica. Para esses casos, a Lei Maria da Penha enquadra criminosos com penas específicas para
condenar a violência de gênero.
Estupro
O Brasil registra 50 mil estupros por ano, conforme o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
As vítimas são de todas as idades e de ambos os sexos. A maior parte, porém, é do sexo feminino. O
Ipea aponta que a cada 11 minutos, uma mulher é estuprada no País.
Esse tipo de violência está entre os que mais geram gastos no SUS (Sistema Único de Saúde).
Segundo o Ministério da Saúde, a cada quatro minutos, uma mulher dá entrada no SUS vítima de
violência sexual.
11.Racismo
A intolerância racial é apontada como motivadora do aumento da violência, principalmente,
contra os negros no Brasil.
De acordo com o Mapa da Violência, enquanto os homicídios contra brancos caíram 27% entre
2003 e 2014, o mesmo tipo de crime praticado contra negros cresceu 9,9% no período.

12.Violência Policial
A polícia brasileira é apontada como uma das mais violentas do mundo, conforme dados da
ONU (Organização das Nações Unidas). Somente no Estado de São Paulo são registradas ao menos
mil mortes por ano cometidas pela Polícia Militar, segundo a Anistia Internacional.
13.Violência Contra Homossexuais
Em 2015, 318 homossexuais foram assassinados no Brasil, segundo a Ong Grupo Gay da
Bahia. A maior parte das vítimas é do sexo masculino, correspondendo a 52% dos assassinatos.

14.Abuso Infantil
Todos os anos, ao menos 91,3 mil crianças e adolescentes têm seus direitos violados no Brasil.
A estimativa é da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. A negligência é o
crime mais registrado, correspondendo a 74% dos casos.
Em seguida, estão a violência psicológica, 49%; violência física, 43%; e violência sexual, 25%.
Os principais violadores são pessoas da própria família, como pais, padrastos, irmãos, mães, tios e
avós.

15.Violência no Trânsito
Os acidentes de trânsito também são considerados pela OMS uma forma de violência e são
elevados à categoria de epidemia.
Isso ocorre porque a maioria dos acidentes é evitável, causada por abuso de álcool na estrada e
desrespeito às regras de circulação de trânsito.
O Brasil registra, em média, 42 mil mortes por acidentes de trânsito todos os anos, segundo o
Ministério da Saúde. A epidemia de acidentes de trânsito gera em torno de R$ 230 milhões de gastos
com o SUS e R$ 30 bilhões de prejuízos para o PIB (Produto Interno Bruto).
O prejuízo econômico ocorre porque a maioria das vítimas é formada por homens jovens em
plena capacidade produtiva. Quando não morrem, ficam temporariamente ou permanentemente
incapacitados e passam a depender da Previdência Social.

16.Violência no Campo
As disputas pela posse de terras são um dos fatores que mais matam no Brasil. A maioria das
vítimas é indígena. Todos os anos, ao menos 130 indígenas são assassinados no País, conforme
dados do Cimi (Conselho Indigenista Missionário).
O elevado número de mortes de indígenas levou a ONU a emitir um alerta para o governo
brasileiro no primeiro semestre de 2016. A entidade cobrava a demarcação de terras para findar com
as históricas disputas de territórios.

17.Narcotráfico
O Brasil é o principal corredor de passagem de drogas para a América do Norte e Europa
Central, conforme o UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes). Esse tipo de
crime representa 70% das prisões no País e aumenta o nível de insegurança.
Facções criminosas controlam a maioria das 11 milhões de favelas no País. Além dos
traficantes, as favelas são alvo de milícias formadas por policiais corruptos.

18.Roubos e Assaltos
Segundo o Sinesp (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e sobre
Drogas), a média anual de mortes em assaltos com o uso de armas de fogo chega a 1,7 mil no Brasil.
São Paulo é o estado que apresenta o maior número de casos de latrocínios (assalto à mão
armada).
Em 2014 foi registrado que um carro era roubado a cada 2 minutos e meio no Brasil, o que
resulta num total de 210 mil carros roubados no ano.
Principais Causas
 Corrupção
 Clientelismo político
 Desigualdades sociais
 Baixo investimento em educação e saúde
 Desemprego

19.Cyberbullying
O termo ―Cyberbullying‖ corresponde às práticas de agressão moral organizadas por grupos,
contra uma determinada pessoa e alimentadas via internet.
Em outras palavras, o ―cyberbullying‖ é um assédio moral que corresponde à manifestação de
práticas hostis (via tecnologias da informação). Esse bullying virtual tem o intuito de ridicularizar,
assediar e/ou perseguir alguém de forma exacerbada.
Com o aumento do uso de redes sociais, esse tipo de prática discriminatória e vexatória tem
aumentado consideravelmente nos últimos anos, sobretudo, entre os jovens.

20.Bullying x Cyberbullying
O ―bullying‖ (tirano, bruto) descreve as agressões praticadas de forma contínua às pessoas que,
segundo os agressores, não se enquadram nos padrões ―normais‖.
O ―cyberbullying‖ ou ―bullying virtual‖ é a versão do mesmo fenômeno, o qual se estendeu
para as redes sociais.

21.A Inclusão Digital no Brasil


Se pensarmos nesse avanço das tecnologias de informação e comunicação (TIC‘s) que se
expandiu rapidamente e hoje faz parte das relações globais, constata-se que a maioria das pessoas
possuem um computador, internet e outras maneiras de interagir com o mundo digital.
Entretanto, não somente no Brasil, ainda há ainda muitos desafios a serem ultrapassados.
Destaca-se aqui, o problema da pobreza que atinge grande parte da população. Esse fator faz com
que muitas pessoas sejam excluídas dessa ―nova linguagem‖ explorada pela sociedade da
informação, o que leva ao afastamento de tais indivíduos da sociedade.

22.Sociedade da Informação vs Sociedade do Conhecimento


Na década de 1990, os debates se aprofundam e surge o termo ―sociedade do conhecimento‖
como uma alternativa ao termo ―sociedade da informação‖.
De toda forma, os tomadores de decisões em todo o mundo notaram que a informação estava
desempenhando um papel cada vez mais central na vida social, cultural e política. Por esse motivo, o
termo foi incorporado pelas forças da globalização neoliberal.
O termo ―Sociedade da Informação‖ é um dos vários conceitos que tentam explicar o mundo
contemporâneo. Outros termos como ―Sociedade do Conhecimento‖ (Unesco) ou ―Nova Economia‖
são, em alguns aspectos, mais precisos para discorrer sobre a sociedade pós-industrial.
O fundamental nesta discussão não é a ―informação‖, mas a ―sociedade‖ que toma proveito
dessa informação. Assim, falar em ―sociedade‖ no singular, leva a crer numa tendência a uma
sociedade unilateral.
Ademais, a palavra ―informar‖ também é unidirecional, tendo em vista que se dirigem a um
receptor passivo com vista a mudar-lhe o comportamento.

23.Sistema Prisional no Brasil


O Brasil é o terceiro país no mundo com maior número de pessoas presas. Em dezembro de
2014, a população carcerária no Brasil era de 622.202. Dois anos depois, em junho de 2016, havia
726.712 prisioneiros.
Especialistas calculam que seria preciso construir um presídio a cada dia do ano para diminuir
o déficit de vagas que ascende a cerca de 250 mil.
Cada presidiário custa para o Estado em torno de 1500 reais. Como não há verba para tanta
gente, são as famílias dos presos que arcam com os custos de alimentação e vestuário dos detentos.
Com a superlotação das prisões, as facções criminosas se apoderaram da organização dos
presídios e agora disputam as cárceres brasileiras.

24.Cultura da Prisão no Brasil


O Brasil encara o confinamento como a única solução para os problemas da criminalidade.
A sociedade civil não interessa se ali o criminoso será tratado com dignidade. Ao contrário.
Muitos aplaudem as rebeliões que acontecem em alguns centros penitenciários brasileiros, pois
acham que assim, haverá menos bandidos nas ruas.
Numa entrevista realizada em 2017, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de
Moraes, comentou sobre as diferenças de penas para crimes tão díspares:
"Prendemos quantitativamente, desde o furto de um botijão que alguém pula o muro, sem violência
ou grave ameaça, até um roubo de carro-forte, com fuzil, um roubo qualificado. Um fica 10 meses e
outro fica 5. Condutas totalmente diferentes, só que a bandidagem violenta, a alta criminalidade,
fica muito pouco tempo na cadeia".
25.Soluções para o Sistema Carcerário Brasileiro
Penas Diferenciadas
Uma alternativa para diminuir a superlotação seria investir em penas diferenciadas em regime
semiaberto ou colônias agrícolas.
No entanto, muitos juízes são contra esta medida porque alegam que não há fiscalização
suficiente para seguir o cumprimento correto dessas penas.
Agilidade na Justiça
Outro problema que contribui para a superlotação das cárceres é que 40% dos presos no Brasil
são provisórios. Ou seja: são pessoas que ainda nem tiveram audiência com o juiz e estão a espera da
sentença. A demora ocorre pois as audiências só podem acontecer na presença de um defensor
público.
Segundo dados da Anadep (Associação Nacional de Defensores Públicos), não existem
defensores públicos em 72% das comarcas do país. Deste modo, o problema se vê agravado pela
falta de funcionários.

26.Mudança na Legislação de Combate às Drogas


O aumento do número de prisões efetuadas nas primeiras décadas do século XXI no Brasil se
deve a vários fatores como o próprio crescimento populacional.
Por outra parte, segundo estudos, o crescimento da população carcerária brasileira se deu pelas
mudanças na legislação com a Lei de Drogas de 2006 (nº 11.343). O número de pessoas presas por
tráfico de drogas cresceu 348% a partir da publicação desta lei.
Isto aconteceu porque a lei não determina claramente qual é a quantidade de droga que uma
pessoa pode levar consigo para caracterizá-la como usuário ou como traficante.
Igualmente, há processos onde as únicas testemunhas de acusação são os policiais que fizeram
o flagrante. O Tribunal de Justiça do Rio emitiu a súmula 70, em 2004, que autoriza juízes a
condenarem acusados por tráfico de drogas tendo como única prova a palavra do policial que efetuou
o flagrante.
Uma pesquisa conduzida pela USP, em 2012, revelou que 74% das prisões por tráfico de
entorpecentes em São Paulo tinham apenas policiais militares como únicas testemunhas no processo.

27.Problemas Sociais do Brasil

Desemprego, violência, criminalidade, educação, moradia, saúde, racismo, fome são alguns
dos grandes problemas sociais do Brasil.
Muitos brasileiros vivem excluídos da sociedade na medida em que, dentre tantos fatores de
origem, a falta de dinheiro é dos principais inibidores para o acesso aos meios essenciais que
permitem às pessoas usufruir das condições básicas de vida, que apesar de essenciais, nem todos têm
acesso.
―A gente não quer só comida A gente quer comida, diversão e arte A gente não quer só comida
A gente quer saída para qualquer parte (...) A gente não quer só comida A gente quer a vida como a
vida quer‖ COMIDA – Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Sérgio Britto
Apesar de ter sido lançada em 1987, a música acima retrata alguns problemas sociais que ainda
afetam o Brasil mais de 30 anos depois.
Quais as suas Causas?
 Falta de planejamento familiar;
 Falta de compromisso dos governantes;
 Corrupção.

28.Desemprego
Essa é uma realidade vivida cotidianamente, visto que raramente alguém não têm contato com
pessoas em situações de desemprego. Para os jovens, especialmente do ensino médio, que vão
criando nessa altura grandes expectativas quanto ao mercado de trabalho, esse tema é causa de
grande perturbação.
Os índices mostram um aumento progressivo nas taxas de desemprego e os estudos indicam
que a baixa escolarização e a pouca qualificação profissional são os maiores obstáculos para a
ocupação das vagas existentes no mercado de trabalho.

29.Violência e Criminalidade
Na lista dos países mais violentos, o Brasil ocupa um lugar de destaque.
Ultimamente os debates acerca da violência nas ruas deu lugar às situações de violência
naqueles que deveriam ser os locais mais seguros para se estar. Em casa ou na escola os atos de
violência física e bullying ganharam proporções tais ao ponto de se tornarem crimes.
Em 2015, a maioridade penal passou a ser tema de diversos debates no Brasil quando a
Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou a emenda que considera a maioridade penal a
partir dos dezesseis anos. A providência traz à tona uma série de discussões na medida em que há
quem seja contra à redução da idade que responsabiliza os jovens com menos de 18 anos por atos
criminosos.

30.A situação atual da Saúde Pública no Brasil


O Sistema Único de Saúde (SUS) foi uma grande conquista da população brasileira, sendo
reconhecido como um dos maiores do mundo e usado como modelo em muitos outros países.
Entretanto, a saúde pública no Brasil sofre desafios do mau gerenciamento e de falta de
investimentos financeiros. Como resultado, temos um sistema em colapso, na maioria das vezes
insuficiente e com pouca qualidade para atender a população.
Os principais desafios da saúde pública no Brasil são:
 Falta de médicos: O Conselho Federal de Medicina estima que exista 1 médico para cada 470
pessoas.
 Falta de leitos: Em muitos hospitais faltam leitos para os pacientes. A situação é ainda mais
complicada quando trata-se de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).
 Falta de investimentos financeiros: Em 2018, apenas 3,6% do orçamento do governo federal
foi destinado à saúde. A média mundial é de 11,7%.
 Grande espera para atendimento: Agendar consultas com médicos especialistas pode demorar
até meses, mesmo para os pacientes de precisam de atendimento imediato. O mesmo
acontece com a marcação de exames.

31.Maioridade Penal

Maioridade penal é o estabelecimento de uma idade a partir da qual os cidadãos sejam


inteiramente responsáveis pelos atos criminosos que cometem.
A maioridade penal no Brasil e na maioria dos países ocidentais é de 18 anos.
O que é?
O estabelecimento de uma idade mínima que determina que uma pessoa se torna adulta varia
de acordo com a cultura, momento histórico, gênero e religiões.
Na maioria dos países ocidentais, a maioridade vem a partir dos 18 anos. No entanto, no Japão,
essa idade é 21 anos. Igualmente em algumas tribos indígenas a iniciação para a vida adulta começa
aos 13 anos.
Para as meninas, em muitas culturas, o sinal da vida adulta seria a chegada da primeira
menstruação quando ela teria se transformado em mulher com capacidades reprodutivas.
Por isso, devemos entender a maioridade em múltiplos aspectos. No Brasil, apesar da
maioridade penal vir aos 18 anos, o voto é facultativo para os menores de 16 a 18 anos, por exemplo.
Desta maneira, o conceito de maioridade pode vir ou não acompanhado de mais
responsabilidades na vida pública, social e política.

32.Trabalho Infantil no Brasil

A legislação brasileira define como trabalho infantil toda atividade laboral desenvolvida por
pessoas com idade inferior a 16 anos.
A lei prevê que podem exercer atividades laborais os adolescentes que já completaram 14 anos,
mas somente na condição de aprendiz. Já o trabalho doméstico é totalmente vedado para quem não
completou 18 anos.
O Brasil ratificou a Convenção nº 182 da OIT (Organização Internacional do Trabalho) que
proíbe a atividade laboral para crianças e condena atividades como o trabalho infantil doméstico. No
País, a Convenção é regulamentada pelo Decreto 6.481, de 2008.
A proteção ocorre porque a criança e o adolescente ainda são pessoas em formação e não
devem ser submetidas a atividades que limitem seu desenvolvimento pleno. O trabalho, além de
limitar o desenvolvimento infantil, é sectário, impede a redução das diferenças sociais e impõe a falta
de perspectivas.
Ao estabelecer a idade mínima para o início da atividade laboral, as crianças e adolescentes
também têm a integridade física protegidas.
No caso do trabalho infantil doméstico, o Brasil foi signatário da Convenção nº 182 porque
comprovadamente, a atividade submete a criança à exploração sexual, abuso físico, isolamento social
e psicológico.
O trabalho doméstico é insalubre, marcado por movimentos repetitivos que podem causar
lesões de difícil tratamento e mesmo permanentes.
Nessa atividade, os trabalhadores estão sujeitos a tendinites, bursites, contusões, fraturas,
queimaduras e deformidades lombares.

33.Educação Ambiental

A Educação Ambiental representa um conjunto de ações sustentáveis voltadas para a


conservação do meio ambiente.
Dada sua importância, no dia 03 de junho é comemorado o Dia Nacional da Educação
Ambiental.
Objetivos
A educação ambiental objetiva a compreensão dos conceitos relacionados com o meio
ambiente, sustentabilidade, preservação e conservação.
Sendo assim, ela busca a formação de cidadãos conscientes e críticos, fortalecendo práticas
cidadãs.
Aliado a isso, trabalha com a inter-relação entre o ser humano e o meio ambiente,
desenvolvendo um espírito cooperativo e comprometido com o futuro do planeta.
Importância da Educação Ambiental
Ao lado de seus princípios e objetivos, a grande importância da educação ambiental reside na
atuação consciente dos cidadãos. Ela visa, portanto, o aumento de práticas sustentáveis bem como a
redução de danos ambientais.
Sendo assim, ela promove a mudança de comportamentos tidos como nocivos tanto para o
ambiente, como para a sociedade.
No ambiente escolar ela possui grande importância visto que desde cedo as crianças aprendem
a lidar com o desenvolvimento sustentável.
Com o crescimento e aprofundamento desses temas na atualidade, diversos cursos de
graduação e pós-graduação foram criados nessa área de conhecimento.

34.Orientação Sexual

Orientação sexual é um termo que está relacionado com as diferentes formas de atração afetiva
e sexual de cada um.
Esse conceito veio substituir o de ―opção sexual‖ visto que as pessoas não escolhem sua
orientação, ou seja, elas desenvolvem sua sexualidade ao longo da vida. Nesse sentido, uma pessoa
não opta por ser heterossexual ou homossexual.
Tipos
 Heterossexual ou heteroafetivo: quando uma pessoa se atrai por um gênero diferente do seu.
 Homossexual ou homoafetivo: quando a atração ocorre entre pessoas do mesmo gênero.
Nessa categoria estão as lésbicas (atração e relacionamento entre mulheres) e os gays
(afetividade e atração entre homens).
 Bissexual ou biafetivo: quando a pessoa se sente atraída por ambos os gêneros: feminino e
masculino.
 Obs: Para além dessa categorização, há ainda os assexuados, ou seja, aqueles que não
possuem interesse e nem se sentem atraídos por nenhum dos gêneros.

35.Identidade de Gênero

O gênero é um termo que corresponde ao sexo biológico do indivíduo o qual é classificado de


duas maneiras: feminino e masculino. Já os intergêneros não se identificam com nenhum dos
gêneros.
A identidade de gênero é um conceito que está relacionado com o sentimento que alguém
possui sobre si mesmo, independentemente de sua anatomia.
Nesse caso, há pessoas que nascem com um gênero biológico específico e não se identificam
com ele. Como exemplo, temos os transgêneros ou transexuais. Geralmente, esses indivíduos se
submetem a cirurgias para modificar o sexo.
Diferente deles, estão os travestis, que possuem também uma identificação com o gênero
oposto ao do nascimento, porém não se submetem a cirurgias de mudança de sexo.
Para os travestis, há uma alteração dos papéis de gêneros, ou seja, uma mudança no
comportamento que a pessoa desempenha na sociedade.

36.Homofobia

A homofobia designa um tipo de preconceito em relação às pessoas que possuem relações


homo afetivas, sejam entre homens ou mulheres.
Do grego, a palavra homofobia é formado pelos termos ―homo‖ (semelhante, igual) e ―fobia‖
(medo, aversão), que significa aversão às relações semelhantes.
Dessa maneira, podemos concluir que a homofobia corresponde a qualquer ato ou
manifestação de ódio, aversão, repulsa, rejeição ou medo (muitas vezes irracional) contra os
homossexuais, gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais, o que tem levado a muitos tipos de
violência, seja social, psicológica ou física.

37.Movimentos Sociais

Os Movimentos Sociais podem ser definidos como um ato combativo dos agentes das classes
sociais ou como fruto de práticas sociais incoerentes com a ordem social.
Esses movimentos são capazes de alterar a estrutura do sistema do poder estatal, seja por meio
de intervenções revolucionárias ou pacíficas.
Via de regra, os movimentos surgem da iniciativa pública, tendo sua motivação e origem nas
inúmeras injustiças sociais.
Aação coletiva de um grupo organizado tem como finalidade conseguir transformações sociais
a partir da luta política.
Devemos destacar que os movimentos sociais possuem uma relação conflituosa com oEstado.
Isto porque eles desejam alterar a própria composição do mesmo.O objetivo é alcançar alguma
melhoria social e alterar o "status quo" que favorece as elites estabelecidas.
São o modo como os cidadãos encontram para protestar ou reivindicar direitos que lhes são
garantidos por lei. Assim, eles tendem a surgir quando um determinado grupo nota que faz parte de
um agrupamento comum, levando-os a defenderem politicamente as causas que acham pertinentes e
essenciais.
Outro ponto a ser destacado é o fato de que as marchas, paradas ou ocupações podem ser
percebidas como formas de comunicação simbólica. Elas utilizam metáforas para quebrarem
provisoriamente a rotina e reconstruírem a ordem social com suas identidades e papéis sociais.

38.Movimentos Sociais no Brasil


No Brasil, os movimentos sociais ganharam destaque a partir da década de 1960. Uma parcela
muito grande da sociedade tinha sido contra o regime militar.
No Brasil, merecem destaque o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST),
o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MSTS), os movimentos em defesa dos índios e os
movimentos negros.
Note ainda que fazem parte dos movimentos sociais no Brasil os movimentos populares,
sindicais e a organizações não governamentais (ONGs).
Os Tipos de Movimentos
 Em termos de classificação podemos dividir os movimentos sociais em:
 Movimentos reivindicatórios, os quais focam sua ação em exigências de questões imediatas.
Utilizam-se da pressão pública para pressionar instituições que possam modificar os
dispositivos legais que possam lhes favorecer.
 Movimentos políticos, os quais buscam influenciar a população na participação política direta
enquanto garantia para transformações estruturais na sociedade.
 Movimentos de classe, os quais buscam subverter a ordem social e, consequentemente,
alterar as relações entre distintos fatores na conjuntura nacional.

39.Sincretismo e Religiões Afro-brasileiras

O Sincretismo se caracteriza pela a união de várias religiões e ideologias que formam outra.
Atualmente, o sincretismo mais visível é o religioso, mas o ideológico também está presente
em várias áreas das ciências sociais e humanas.
Religioso
O sincretismo está presente na religião onde é possível visualizar elementos de várias religiões
que influenciaram determinada crença.
O catolicismo, por exemplo, nasceu do judaísmo. Afinal, um dos livros judaicos, a Torá, está
presente nos ensinamentos cristãos.
A grande festa judaica, a Páscoa, recebeu outro significado com os cristãos.
Da mesma forma, a Igreja Católica absorveu a organização romana e instituiu um líder
máximo, auxiliado por bispos e padres.
Isto pode ser observado em todas as religiões, pois não existe uma religião pura.
No Brasil
No Brasil, o sincretismo é evidente entre as religiões de matriz africana que incorporaram
elementos do catolicismo. Importante ressaltar que esta mistura se processou de maneira diferente
nos diversos pontos do país.
O principal motivo que explica este fenômeno é a forma de poder exercida em Portugal na
época da colonização.
Como a coroa e a Igreja estavam unidos no projeto de colonização, a conversão ao Catolicismo
é imposta aos povos conquistados. Assim como os índios, os negros escravizados foram obrigados a
adotar a religião católica.
Portugal só admitia o envio para a colônia do Brasil de católicos dentro do grupo denominado
"gente da renascença" - criminosos, fracassados e marginalizados.
A mesma exigência era feita aos fidalgos ou representantes da pequena nobreza que
emigravam de Portugal.
Diante da conquista de território como Angola, a colônia passou a explorar a escravidão dos
negros africanos, pois isto resultava num lucrativo comércio.
Assim, a escravidão entre indígenas e negros passou a coexistir, embora a Igreja condenasse o
uso da mão de obra indígena não remunerada.
Pela determinação de conversão, os escravos capturados passavam a ter contato com a religião
católica ainda nos navios que os transportavam até o Brasil.

40.Arte Urbana

A Arte Urbana (street art, em inglês) designa uma arte encontrada nos meios urbanos, seja por
meio de intervenções, performances artísticas, grafite, dentre outras.
Note que essa manifestação artística pública que interage com o ser humano, é encontrada onde
o cidadão comum poderá se deparar com a diversidade cultural que abrigam os centros urbanos, sem
necessariamente ter se dirigido a um centro cultural.
Com efeito, a Arte Urbana representa o encontro da vida com a arte, ou melhor, a fusão de
ambas.
Origem da Arte Urbana
Esse tipo de expressão artística espalhada por todo o mundo, surgiu nos Estados Unidos, na
década de 70, e possui um caráter dinâmico e efêmero, os quais podem ser imortalizadas
pela fotografia.
No entanto, estudiosos afirmam que essa arte remonta períodos muito antigos, uma vez que os
gregos e romanos já transmitiam mensagens pelas ruas da cidade bem como possuíam muitos artistas
nos centros urbanos (música, teatro, dança).
A central proposição da arte urbana é justamente sair dos lugares ditos ―consagrados‖, ou seja,
destinados à exposição e apresentações artísticas (equipamentos culturais: teatro, cinemas,
bibliotecas, museus), para dar visibilidade a arte cotidiana, espalhada pelas ruas.
Os temas utilizados pelos artistas de rua são bem diversos, no entanto, muitos trabalhos estão
pautados em críticas sociais, políticas e econômicas.
Importante analisar o crescimento da arte urbana nos últimos tempos, de forma que passa a ser
vista como um ―valor cultural‖ muito importante das minorias que vivem nos centros urbanos, e
anseiam em mostrar sua arte.
Assim, essas manifestações populares permitem o encontro com a arte independente, apesar de
muitos artistas de ruas, terem se consagrado mundialmente, reconhecidos pela mídia, indústria e
diversos meios de comunicação em massa.

41.Arte Urbana no Brasil


No Brasil, a arte de rua surge na década de 70, mais precisamente com as obras de grafite nas
paredes da cidade de São Paulo. Curiosamente surgiu numa época conturbada da história do país,
com o advento da Ditadura Militar.
Note que no início era uma arte marginalizada, entretanto, adquiriu posição de destaque no
mercado de arte, com diversos artistas do país consagrados pelo mundo.
Ainda que o trabalho do artista de rua não seja reconhecido por muitos, importante destacar a
importância e relevância do artista para a sociedade.
Importante notar que muitos problemas são enfrentados pelos artistas de rua, tal qual a
proibição de manifestações artísticas em locais públicos.
Entretanto, conforme o artigo 5 º da Constituição do nosso país, todo cidadão é livre para se
manifestar artisticamente:
“Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos
brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à
igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,
independentemente de censura ou licença;”
Sobre esse tema, algumas leis foram introduzidas nas cidades brasileiras com o objetivo de
tornar livre a rua, para que assim, os artistas possam trabalhar e apresentar seus trabalhos.
De tal modo, em 19 de julho de 2011, o Decreto Nº 52.504 regulamentou o exercício artístico
nas vias públicas da cidade de São Paulo, e a Lei Nº 10.277/11, através do Decreto Nº 14.589,
regulamentou essas manifestações na capital de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Exemplos de Arte Urbana
Diversas técnicas são utilizadas pelos artistas de rua, embora a intervenção ―grafite‖ seja a
mais associada ao tema de arte de rua. Segue abaixo alguns exemplos de arte urbana.
 Grafite: desenhos estilizados geralmente feitos com sprays nas paredes de edifícios, túneis,
ruas. Há muitas técnicas de grafite e atualmente os trabalhos em 3d chamam a atenção dos
críticos.
 Estêncil: parecido com o grafite, esse tipo de técnica utiliza o papel recortado como molde e
o spray para fixar as ilustrações e desenhos nas ruas, postes, paredes.
 Poemas: qualquer tipo de manifestação literária que surge no ambiente urbano, seja nos
bancos, paredes, postes.
 Autocolantes e Colagem: chamado de ―sticker art‖ (arte em adesivo), esse tipo de arte utiliza
a aplicação de adesivos pela cidade.
 Cartazes: Muito comum esse tipo de intervenção urbana, também chamada de "cartazes
lambe-lambe", donde se fixam cartazes (papel e cola) pela cidade, sejam em postes, praças,
edifícios, feitos manualmente ou impressos.
 Estátuas Vivas: muito encontrado nas grandes cidades como forma de entretenimento
turístico, as estátuas vivas realizam um importante trabalho com o corpo, os quais
permanecem estáticos durante longo tempo, realizando pequenos movimentos. Geralmente
estão pintados e caracterizados.
 Apresentações: essas apresentações de rua podem ser de caráter teatral, musical, circense
(malabaristas, palhaços, etc.), sendo trabalhos solos ou em grupos.
 Instalações: são inúmeros tipos de instalações artísticas como exemplos de arte de rua, sejam
objetos, materiais distintos, com o intuito de provocar uma mudança no cenário já existente.

42.Descriminalização das Drogas

A descriminalização das drogas consiste em não punir penalmente os usuários que consumam
substâncias consideradas nocivas à saúde.
Vários países já adotaram essa legislação como Uruguai, Portugal, Holanda, Espanha e Canadá
como maneira de reduzir o número de presos, o consumo de entorpecentes e incrementar a
prevenção.
Descriminalização
A luta contra as drogas adquiriu proporções gigantescas no século XX. Desde a invenção da
Lei Seca, nos Estados Unidos, o único modo que os países encontraram para combater certas
substâncias ilícitas foi a punição com a cadeia.
Em 1961 e 1971, um grande pacto entre as nações, liderado pelos Estados Unidos e
coordenado pela ONU, declarou guerra à produção de entorpecentes. Deste modo, tanto o usuário
como o traficante eram criminalizados.
Alguns presidentes americanos como Richard Nixon (1969-1974) e Ronald Reagan (1981-
1989) destinaram grandes somas de dinheiro em armar a polícia a fim de combater o narcotráfico.
Faziam discursos contundentes alertando sobre a punição e clamando a população a apoiar naquilo
que se chamou de Guerra às Drogas.
No entanto, por mais que se gastassem milhões de dólares em armas ou inteligência policial, a
guerra das drogas foi vencida pelo narcotráfico. O consumo de drogas só aumentou em todo mundo e
vários países começaram a rever suas políticas em relação a estas substâncias.
A primeira postura foi enfocar na prevenção. Acreditava-se que dando informação para as
crianças e adolescentes, essas automaticamente não iriam consumir drogas. Contudo, observa-se que
mesmo informados, alguns adolescentes ainda desejam experimentar drogas e acabam se envolvendo
em situações de risco.
A segunda foi a mudança de legislação em relação ao usuário de drogas. A Holanda foi
pioneira na liberalização do uso da maconha em estabelecimentos previamente escolhidos.
Num primeiro momento, o país havia permitido o consumo de certas drogas ilícitas em espaços
públicos. Contudo, várias cidades holandesas voltaram a proibi-las, devido ao abuso de alguns
usuários.

43.Descriminalização, Legalização e Liberalização


Antes de começar o debate em torno das substâncias tóxicas é preciso diferenciar os termos:
1. Descriminalização - é abolir qualquer tipo de punição ao usuário de drogas. Assim, se tira do
Direito Penal a responsabilidade de lidar com este consumidor.
2. Legalização - todo o processo das drogas seria controlado pela legislação desde o plantio,
passando pela produção e sua distribuição. Tal qual acontece com as bebidas alcoólicas e o
tabaco.
3. Liberalização - seria deixar todos ou certos tipos de drogas liberadas, circulando de forma
legal.
Brasil
Até o ano de 2006 qualquer pessoa que fosse pega com drogas era considerada criminosa e
portanto estava sujeita à pena de prisão.
Com a aprovação a Lei 11.343/2006, conhecida como Anti-Drogas, determinava que se uma
pessoa portasse uma pequena quantidade de maconha para uso pessoal, não deveria ser presa e sim
caminhada à penas alternativas. No entanto, a mesma lei não precisa quanto é uma "pequena
quantidade" e fica nas mãos dos policiais decidirem.
Segundo dados do Ministério da Justiça divulgados em 2017, existem 726 mil detentos hoje no
Brasil e um a cada três responde por tráficos de drogas.

44.Sustentabilidade
Sustentabilidade é a capacidade de sustentação ou conservação de um processo ou sistema.
A palavra sustentável deriva do latim sustentare e significa sustentar, apoiar, conservar e
cuidar.
O conceito de sustentabilidade aborda a maneira como se deve agir em relação à natureza.
Além disso, ele pode ser aplicado desde uma comunidade até todo o planeta.
A sustentabilidade é alcançada através do Desenvolvimento Sustentável, definido como:
"o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade
das gerações futuras de satisfazerem suas próprias necessidades".
O desenvolvimento sustentável tem como objetivo a preservação do planeta e atendimento das
necessidades humanas. Isso quer dizer que um recurso natural explorado de modo sustentável durará
para sempre e com condições de também ser explorado por gerações futuras.
Tripé da Sustentabilidade
O chamado tripé da sustentabilidade é baseado em três princípios: o social, o ambiental e o
econômico. Esses três fatores precisam ser integrados para que a sustentabilidade de fato aconteça.
Sem eles, a sustentabilidade não se sustenta.
Social: Engloba as pessoas e suas condições de vida, como educação, saúde, violência, lazer,
dentre outros aspectos.
Ambiental: Refere-se aos recursos naturais do planeta e a forma como são utilizados pela
sociedade, comunidades ou empresas.
Econômico: Relacionado com a produção, distribuição e consumo de bens e serviços. A
economia deve considerar a questão social e ambiental.
O tripé da sustentabilidade: aspectos sociais, ambientais e econômicos precisam trabalhar em conjunto

45.Sustentabilidade Econômica
A sustentabilidade econômica é fundamentada num modelo de gestão sustentável. Isso implica
na gestão de adequada dos recursos naturais, que objetivam o crescimento econômico, o
desenvolvimento social e melhoria da distribuição de renda.
Em resumo, corresponde à capacidade de produção, de distribuição e de utilização das riquezas
produzidas pelo homem, buscando uma justa distribuição de renda.

46. Aquecimento Global e Efeito Estufa


Destaca-se o crescimento do aquecimento global e do efeito estufa no mundo. Vale
compreender os conceitos, causas e consequências desses fenômenos. O texto pode citar os acordos e
as propostas atuais sobre isso.

47. Analfabetismo no Brasil


Focar nas causas, consequências e as taxas de analfabetismo no Brasil. O chamado
"analfabetismo funcional" envolve aqueles que sabem ler, mas não conseguem interpretar um texto.

48.Mercado de Trabalho
Nesse caso, o estudante deve compreender as características do mercado de trabalho na
atualidade desde a Inserção dos jovens, exclusão dos velhos e as novas tendências.

49. Globalização
Esse tema abrange o conceito de globalização e suas consequências econômicas, sociais e
culturais. Vale saber a história, as causas e os efeitos desse fenômeno.

50. Novas Tecnologias


Englobam as novas tecnologias de informação e comunicação, por exemplo, os computadores,
a internet, a televisão, as câmeras, etc. Temas associados são a democratização da informação e a
inclusão digital.

51. Meios de Comunicação


Aliado ao conceito de novas tecnologias temos o avanço e os desafios dos meios de
comunicação atuais: rádio, televisão, telefone, jornal, revista, internet, cinema, etc.

52. Redes Sociais


Compreender o conceito, a evolução, as vantagens e desvantagens do uso das redes sociais são
importantes para desenvolver o tema. Além disso, vale estar atento aos impactos das redes sociais na
vida das pessoas.

53. Pedofilia
A atração de adultos por crianças é um debate muito atual. Esse transtorno sexual pode
envolver o uso da internet para divulgação de imagens, vídeos ou mesmo para encontros entre as
partes.

54.Evasão Escolar
A evasão escolar é um conceito associado ao afastamento de crianças e jovens das escolas.
Esse problema pode ocorrer por diversas razões, desde pobreza, falta de escolas, trabalho,
dificuldade de acesso, dentre outros.

55. Objetificação da Mulher


No mundo moderno é muito comum ver propagandas sexistas onde a mulher é vista como um
objeto. Essa banalização da mulher é muito recorrente nas propagandas destinadas ao público
masculino, sejam de carros, cervejas, etc.

56. Violência Contra a Mulher


Violência doméstica e a disseminação de práticas machistas são assuntos que estão
relacionados com as práticas de violência contra a mulher. Note que ela pode ser física, verbal, moral
ou psicológica.

57. Imigrações e a Crise dos Refugiados


Aqui, vale ter o foco no conceito, problemas, causas e consequências da imigração no Brasil e
no mundo. Atualmente, destaca-se-se a crise dos refugiados onde um grande número de imigrantes
busca condições melhores de vida na Europa e em outros continentes.

58. Crise Hídrica e Escassez de Água


Entender as causas e as consequências da crise hídrica no Brasil é fundamental para escrever
sobre o tema. É importante abordar a importância da água e indicar propostas para o desperdício
desse bem essencial para a vida na Terra.

59.Alimentação Saudável
Novas formas de alimentação aliadas a nova pirâmide alimentar são temas que podem estar
presentes nas provas de redação. Junto a isso, podemos citar os benefícios de consumir alimentos
orgânicos e abordar a questão dos alimentos transgênicos.

60.Questão Indígena no Brasil


Luta dos índios pelo reconhecimento de seus territórios originais é o principal foco desse tema.
Vale lembrar o problema do desmatamento na Amazônia legal, onde vive grande parte dos povos
indígenas, e a violência contra esses grupos.

61.Ética na Administração Pública


Existem muitas inquietações quando se fala de ética na administração pública, pois logo se
pensa em corrupção, extorsão, ineficiência, etc. Deve-se ter como ponto de referência em relação ao
serviço público, um padrão a partir do comportamento da atuação dos servidores públicos ou
daqueles que estiverem envolvidos na vida pública, tendo em vista ser necessário que esse padrão
seja ético, um comportamento que viabilize o julgamento de valores
A questão da ética pública deve estar relacionada aos princípios fundamentais da Constituição
Federal de 1988, relacionando o comportamento do ser humano em seu meio social, no
condicionamento da Administração Pública pelos princípios da: legalidade, impessoalidade,
moralidade, publicidade e eficiência.
Nos meios de comunicação, a corrupção no Brasil é um dos principais problemas no setor
público, afetando assim, a ética. Não se pode falar de ética e impessoalidade, sendo sinônimos de
igualdade, sem falar de moralidade.
O principio da moralidade na administração pública deve abranger a ideia de que o fim é
sempre o bem comum, ou seja, compreender que não deve limitar-se à motivações individuais de
particulares e sim da sociedade como um todo.
Hoje a opinião pública cobra um comportamento ético no serviço público. A crítica feita pela
sociedade, de certo, como todo senso comum é imediatista e baseada em uma visão superficial da
realidade, que entre outras coisas, trabalha com generalizações, colocando no mesmo rol: servidores,
gerentes e políticos. De fato, sabe-se que essa é uma realidade complexa e que precisa ser analisada
com cautela e visão histórica.

62.A corrupção como um desafio da economia global


A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, disse que a corrupção,
evasão fiscal, financiamento do terrorismo e a exclusão financeira são os grandes desafios da
economia global.
Em um discurso inaugural diante do plenário do Grupo de Ação Financeira contra lavagem de
dinheiro, ela pediu para "intensificar a luta contra a corrupção e evasão fiscal". Na sua opinião, o
efeito dominó que provoca a falta de pagamento de impostos é um fator importante para um
"descontentamento popular e instabilidade econômica".
A evasão fiscal, lembrou, faz com que "aumente a dívida pública e diminua o investimento em
educação, saúde e outros serviços públicos. Significa mais desigualdade, já que os mais vulneráveis
são os mais afetados pela forte queda das despesas sociais".
Christine Lagarde anunciou que o FMI publicará um relatório sobre o impacto da corrupção no
crescimento econômico e elogiou o trabalho do Grupo de Ação Financeira, presidido pelo espanhol
Juan Manuel Vega-Serrano, a favor da transparência.

63.Terrorismo
O terrorismo é o nome dado a protestos violentos realizados por grupos ou indivíduos que
objetivam transformar ordens do governo, bem como o próprio governo, por meio do pânico,
gerando decisões precipitadas e radicais.
Nos dias atuais o terrorismo é visto e praticado de forma diferente com que se manifestava
antigamente, pois exige planejamento, objetivos em foco, recursos financeiros e a presença de
guerreiros. Acredita-se que atos terroristas são financiados por pessoas bem sucedidas que
simpatizam com o movimento, por pessoas ligadas ao governo que tentam secretamente destruir algo
e ainda pessoas envolvidas com o tráfico de drogas. Os terroristas utilizam explosivos, gases
nocivos, vírus, bactérias, materiais radioativos, armamentos atômicos e ainda sequestros e
assassinatos.
64.Cultura do Medo
O medo é uma reação obtida a partir do contato com algum estímulo físico ou mental que gera
um alerta no organismo. Este processo dispara uma resposta fisiológica que libera hormônios do
estresse, como adrenalina e cortisol, preparando o indivíduo para lutar ou fugir.
Antes dessa reação temos a ansiedade, onde o indivíduo teme e sofre por antecipação. Na
verdade crescemos familiarizados com o medo e desde pequenos nossos pais nos incutem algum tipo
de medo, como o medo do escuro, das pessoas desconhecidas, do homem do saco, do bicho-papão,
das bruxas, dos fantasmas e assim por diante. Quando crescemos, continuamos sob a cultura do
medo: medo da morte, medo de se perder numa rua vazia, medo do pecado, medo da inflação, medo
de tudo.
A cultura do medo é a melhor forma de manipular as pessoas e muito utilizada para controle
das massas. Já Maquiavel aconselhava o Príncipe a instigar o medo nos seus súditos, porque este era
mais potente e duradouro que o amor. Governar pelo medo! Esta era a sua orientação, sempre
seguida fielmente pelos tiranos e opressores.

65.Refugiados
O êxodo de refugiados para a Europa, o deslocamento dos Rohingyas e a entrada dos
venezuelanos no Brasil são eventos que retratam a triste situação de milhares de pessoas que, de uma
hora para a outra, veem suas vidas desmoronar diante dos olhos.
São vítimas dos ‗efeitos colaterais‘ das guerras civis, religiosas, política. Guerras que
movimentam uma corrente que migra em busca de um porto seguro, de um paraíso onde possam ser
aceitas como seres humanos e apenas recomeçar sua história.
Este assunto já foi tema de provas anteriores e, por se mostrarem tão atuais, podem aparecer
novamente em sua prova, como novos contextos.

66.Tecnologia e Democracia
A tecnologia tem aumentado a democratização dos meios de comunicação, de
entretenimento e educação no Brasil. Exemplos disso são as empresas WhatsApp, Netflix e
plataformas online de educação, difundindo informação e conhecimento para muitas pessoas. Essa
mudança de comportamento dos usuários de internet que buscam, cada vez, conhecimento online
(seja uma receita culinária até artigos acadêmicos) é um bom ponto de reflexão.

67.Constituição Cidadã
O lançamento da atual Constituição marcou o processo de redemocratização do País após 21
anos de regime militar. O documento trouxe mecanismos para evitar abusos do poder do Estado,
visando evitar os excessos ocorridos durante a ditadura.
―A Constituição brasileira deve ser vista dentro de um contexto histórico. Ela espelha o
momento em que foi criada, após anos de ditadura. Procurou proteger os cidadãos do Estado e, ao
mesmo tempo, colocar limites no Estado. Por isso visa a garantia dos direitos.
Entre os avanços importantes feitos pela Constituição, destaca-se a garantia de direitos
fundamentais, como saúde, educação, moradia e o sistema de previdência social para a população,
além de afirmar a legitimidade dos direitos civis e políticos no Brasil. Para isso, vinculou-se
contribuições via impostos e tributos que subsidiam esses direitos.

68.Crise política no Brasil


Desde 2016 o Brasil vive o momento de maior instabilidade política e econômica da sua
história recente. Tivemos o impeachment de Dilma Rousseff, a Operação Lava-Jato (que denunciou
um esquema de pagamentos de propinas bilionárias envolvendo grandes empresas e vários partidos
políticos) e demais escândalos envolvendo vários políticos (ministros, deputados, senadores e o atual
presidente da República, Michel Temer, acabaram arrolados nas denúncias sobre corrupção e
pagamento de propinas).

69.Previdência social
O Congresso Nacional discute uma reforma na Previdência Social do Brasil, um dos pontos
mais polêmicos e importante para o país tentar amenizar a atual crise econômica. Muitas pessoas
hoje consideram a previdência social (que é uma poupança feita pelo governo para garantir ao
cidadão uma renda ao parar de trabalhar) como um grande problema por gerar muitos custos para a
máquina pública. Entretanto é preciso lembrar que esse sistema garante uma vida digna para os
inativos – e impulsiona o consumo para essas classes.

70.Porte de armas
Tema polêmico, mas cheio de pontos de vista para a argumentação. Nos EUA, mortes em
escolas por armas de fogo seguem ocorrendo. No Brasil, a discussão sobre o desarmamento voltou à
tona. Reflita sobre os riscos de as armas caírem nas mãos de criminosos e a importância de combater
o problema por meio de políticas de segurança pública e educação.

71.A mulher na sociedade contemporânea


Apesar de ser um polêmico e com diversos apontamentos, a violência contra a mulher em casa,
a discrepância de salário no mercado de trabalho são problemas que ainda não foram superados.
O processo de empoderamento da mulher se iniciou na década de 60 e ainda há muito
por fazer. Sobre o assunto, pode-se abordar sobre costumes antigos que ainda perduram na
sociedade, a mulher no poder e em cargos de alto nível (empreendedorismo e independência) e o
preconceito por parte da parcela masculina.

72.A democracia brasileira


Uma sequência da ideia relacionada ao aniversário de 30 anos da CF. O que mudou desde
então? Quais os caminhos que devemos tomar para reforçar a democracia brasileira? Quais os
principais problemas?
O tema é um prato cheio, mas evite cair em argumentos polêmicos como manifestar
posicionamento político e replicar um discurso raivoso contra governo ou oposição. Seja crítico, mas
lembre-se da Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência.

73.Reforma Política
Por longos meses, não soubemos bem como seriam as eleições de 2018. Surgiram duas
propostas de reforma política no Congresso, como uma continuação da minirreforma eleitoral de
2015. Os principais impasses estavam no modelo de voto (distrital, distrital misto, distritão), nas
formas de financiamento e no fim das coligações de partidos. A urgência da reforma, para ser
aprovada até um ano antes da próximas eleições, fez com que muitos itens fossem aprovados, mas
que o resultado final entre Câmara e Senado não alterasse tanto assim o sistema para o eleitor. Já
para os partidos, estão proibidas as coligações para deputados e vereadores, a partir de 2020, por
exemplo.

74.Política, Democracia e Cidadania


A Instituição escolar não pode abster-se do mundo da política, porque isso provocaria a
impossibilidade total da cidadania e democracia. Estas palavras e ações se aproximam. Os
conhecimentos de política estão apoiados em um vocábulo grego, polis (cidade) e cidadania se
fundamenta em uma expressão latina correspondente, civitatem. Os dois termos indicam que se
reflita na atuação da vida em sociedade.
Quando falamos em cidadania , nós a enaltecemos como se fosse uma dimensão superior à
política. Não devemos desmerecer a política, como se fosse pertencente a um campo menos
expressivo e inferior à cidadania. Através da política é possível construir a cidadania e a democracia,
na definição política do termo: bem comum, igualdade social e dignidade coletiva. E, nesse sentido a
cidadania e a democracia se revigoram e se reinventam. Como afirma Boff: "o ser humano é um ser
de participação, um ator social, um sujeito histórico e coletivo de construção de relações sociais o
mais igualitárias, justas, livres e fraternas possíveis dentro de determinadas condições histórico-
sociais".

75.Bitcoin
A bitcoin animou a comunidade financeira nos últimos meses de 2017, sobretudo depois de o
controverso presidente do gigante JPMorgan Chase, Jamie Dimon, ter afirmado que a criptomoeda é
uma ―fraude‖ e que só um ―estúpido‖ compraria. Tenha Dimon razão ou não, a verdade é que
existem cada vez mais ―estúpidos‖ a apostar na moeda digital. Fala-se muito de manipulação do
preço da bitcoin. já que, segundo a Bloomberg, cerca de 1.000 pessoas têm 40% de todas
as bitcoin em circulação (e estima-se que cerca de um terço das bitcoin existentes estejam perdidas
para sempre, em discos rígidos avariados ou em donos falecidos) mas ninguém nega que há cada vez
mais interessados e investidores nesta e noutras criptomoedas.
Potencialmente, trata-se da maior bolha financeira desde a ―mania das Tulipas holandesas‖, ou
até maior do que essa.

76.China
Durante décadas, com mão de obra barata e um modelo econômico puramente baseado na
exportação a baixos preços, a China teve um efeito deflacionista para as principais economias
mundiais. Mas o país está a mudar o modelo econômico, com o objetivo de aumentar a componente
do consumo interno e, por essa razão, o cenário pode mudar: a China pode dar um contributo líquido
positivo para fazer acelerar a inflação nos principais blocos económicos, onde a inflação se tem
revelado fugidia.
O risco associado a esta mudança no modelo econômico é que tem sido acompanhada por um
rápido aumento dos níveis de endividamento, sobretudo nas empresas, que continua sendo uma
preocupação latente.

77.Protecionismo de Donald Trump


Um dos slogans mais importantes da campanha de Donald Trump para a presidência dos EUA
foi ―America First―, ou seja, ―a América [os EUA] em primeiro lugar‖. Quase um ano depois da
tomada de posse, a agenda de Trump tem sido dominada por outros temas, mas continuam em cima
da mesa possíveis iniciativas protecionistas, seja por via de medidas concretas ou através de
iniciativas diplomáticas. Os riscos de protecionismo acabaram por não ser um tema tão quente, em
2017, quanto se poderia prever, mas as negociações da NAFTA, na primeira metade de 2018, são um
barómetro do verdadeiro risco de uma ameaça protecionista para o crescimento global.

78.NAFTA
A NAFTA é o acordo comercial entre os EUA, o Canadá e o México (de 1994) que,
basicamente, eliminou as taxas alfandegárias entre estes países da América do Norte, criando uma
zona de comércio livre que já foi muito criticada por Donald Trump — antes e depois da presidência.
Trump já veio dizer, em mais do que uma ocasião, que o México está a matar a economia norte-
americana ―no emprego e no comércio‖. ―Um acordo preliminar [na renegociação] da NAFTA no
primeiro semestre é uma possibilidade, mas uma atitude intransigente por parte dos EUA poderá
levar a um colapso das negociações.

79.BRICS
Há 16 anos, o britânico Jim O'Neill, então executivo do banco de investimentos Goldman
Sachs, cunhou um termo que se consolidaria como um novo verbete no dicionário de economistas ao
redor do mundo: Bric, o grupo formado por Brasil, Rússia, Índia e China (mais tarde, Brics, com a
adesão da África do Sul).
A menção à sigla constava de um estudo no qual O'Neill assinalava a importância cada vez
maior desses países, sobretudo, da China, para o crescimento da economia mundial.
No entanto, os últimos anos não foram muito prósperos para os Brics, levando muito
especialistas a colocar em xeque o futuro do bloco. De um lado, Brasil e Rússia desapontaram e têm
registrado crescimento bem abaixo da média mundial. De outro, ainda que continue alto, o
desempenho da própria China arrefeceu.

80.Desemprego
Apesar de a taxa de desemprego ter começado a cair em 2017, muitos brasileiros ainda não
sentem uma melhora efetiva do mercado de trabalho. Uma das razões é que, durante o ano, a grande
maioria dos postos de trabalho criados no Brasil foi composta de vagas informais.
No entanto, mesmo nesse cenário, o pior do desemprego já ficou para trás, e segundo analistas,
é possível que a taxa de desemprego encerre 2018 em 11,9%.

81.Minorias
Além disso, neste momento em que a internet é uma ferramenta de propagação de ódios,
polarizações e rancores diversos, minorias e representatividade são sempre temas prováveis.
E aí você pergunta: certo, mas quais são as atualidades específicas?
Infelizmente, não existe uma resposta exata para essa pergunta. Dentro das notícias atuais do Brasil,
não há um único dia em que não ocorra algum ato de discriminação racial ou social.
Negros, mulheres, homossexuais, pobres, portadores de necessidades especiais, idosos, crianças
abandonadas, indígenas e um sem fim de minorias, sem representatividade.
Não importa se será na redação ou espalhados em várias outras questões do Enem, o fato é que esses
temas estarão lá, como sempre estão, todos os anos.
Isso está até mesmo na cultura pop, com os recentes filmes da Mulher Maravilha e principalmente do
Pantera Negra, sendo uma prova da necessidade de discutir o assunto.

82.Fake News
O primeiro equívoco está justamente em generalizar toda desinformação sob a nomenclatura de
―fake news‖. Essa expressão, importada da língua inglesa nos últimos dois anos, partia de
personalidades e instituições que queriam descreditar críticas feitas a elas por jornalistas. Essa prática
tem como objetivo desviar de potenciais polêmicas e evitar responder sérias investigações. Pensar na
segurança e no respeito pelas informações verídicas também é resguardar a diferença entre o termo
pejorativo ―fake news‖, que carrega consigo um peso censor, e desinformação e notícias falsas.
Notícias falsas têm o poder de caminhar com os próprios pés, apelando para o emocional humano.
Quando uma notícia falsa com um título sensacionalista ou com um corpo de texto que careça de
fontes concorda com determinadas opiniões pré-estabelecidas, ela tem mais chances de ser
compartilhada porque, num momento de intensa polarização ideológica, as pessoas estão em busca
de cada vez mais argumentos que justifiquem seus posicionamentos. Em resumo, os produtores de
notícias falsas se aproveitam da ingenuidade e da falta de autocrítica e de checagem de informações.
À custa dessa ingenuidade, produtores de notícias falsas têm lucrado grandes cifras em apenas alguns
meses. De uma maneira muito simples, eles só precisam incorporar plug-ins de propaganda à
programação do seu site. Conforme a audiência no site aumenta, maior será sua arrecadação. A
disseminação dessas notícias é feita pelas redes sociais, por anúncios pagos, pessoas, bots e perfis
falsos. Hoje, considera-se que o Whatsapp deve ser a mais problemática das redes sociais quando se
fala em desinformação. Quando as mensagens circulam diretamente entre pessoas, e não num
ciberespaço público, não existe um regulador dessas mensagens que possa classificar o que é
verdadeiro ou não.

83.A Formação da Cultura Brasileira


A formação da cultura brasileira resultou da integração de elementos das culturasindígena,
do português colonizador, do negro africano, como também dos diversosimigrantes.
Cultura Indígena
Foram muitas as contribuições dos índios brasileiros para a nossa formação cultural e social.
Do ponto de vista étnico, contribuíram para o surgimento de um indivíduo tipicamente brasileiro: o
caboclo (mestiço de branco e índio).
Na formação cultural, os índios contribuíram com o vocabulário, o qual possui inúmeros
termos de origem indígena, como pindorama, anhanguera, ibirapitanga, Itamaracá, entre outros. Com
o folclore, permaneceram as lenda como o curupira, o saci-pererê, o boitatá, a iara, dentre outros.
A influência na culinária se fez mais presente em certas regiões do país onde alguns grupos
indígenas conseguiram se enraizar. É exemplo a região norte, onde os pratos típicos estão presentes,
entre eles, o tucupi, o tacacá e a maniçoba.
Raízes como a mandioca é usada para preparar a farinha, a tapioca e o beiju. Diversosutensílios
de caça e pesca, como a arapuca e o puçá. Por fim, diversos utensílios domésticos, foram deixados
como herança, entre eles, a rede, a cabaça e a gamela.

84.Diversidade Cultural

A diversidade cultural representa o conjunto das distintas culturas que existem no planeta.
A cultura compreende o conjunto de costumes e tradições de um povo os quais são
transmitidos de geração em geração.
Como elementos culturais representativos de um determinado povo destacam-se: língua,
crenças, comportamentos, valores, costumes, religião, folclore, dança, culinária, arte, dentre outros.

O que diferencia uma cultura das outras são os elementos constitutivos, que consequentemente,
compõem o conceito de identidade cultural.
Isso significa que o individuo pertencente a determinado grupo se identifica com os fatores que
determinam sua cultura.
A diversidade cultural engloba o conjunto de culturas que existem. Esses fatores de identidade
distinguem o conjunto dos elementos simbólicos presentes nas culturas e são eles que reforçam as
diferenças culturais que existem entre os seres humanos.
Muitos pesquisadores afirmam que o processo de globalização interfere na diversidade
cultural. Isso porque há um intenso intercâmbio econômico e cultural entre os países, os quais muitas
vezes, buscam a homogeneidade.
A "Declaração Universal da UNESCO sobre a Diversidade Cultural" foi aprovada em 2001 por
185 Estados-Membros. Ela representa o primeiro instrumento destinado a preservar e promover a
diversidade cultural dos povos e o diálogo intercultural.
Importa referir que a diversidade é reconhecida como ―herança comum da humanidade‖.

85.Globalização Cultural
Com a abertura de mercados, o consumidor (que passa a ser uma nova categoria de cidadão)
tem acesso a produtos importados de qualidade a baixo custo.
Este processo contribui ainda para a universalização do acesso aos meios de comunicaçãopelo
barateamento das tecnologias e dos métodos de produção.
A globalização tem como seu ícone mais notável a Internet, a rede planetária de computadores.
Ela tornou-se possível graças a pactos entre diferentes entidades públicas e privadas por todo mundo.
Deste modo, a língua inglesa torna-se fundamental na Internet, como uma forma rápida
eficiente e totalmente nova para se relacionar com pessoas de outros países.
No entanto, não deixa de ser uma forma de colonização cultural, pois outros idiomas e
expressões culturais são deslocados ou sub-valorizados

86.Identidade Cultural
A Identidade Cultural é um conceito das áreas da sociologia e antropologia, que indica a
cultura em que o indivíduo está inserido. Ou seja, a que ele compartilha com outros membros do
grupo, seja tradições, crenças, preferências, dentre outros.
Além disso, determinados fatores de identidade são decisivos para que um grupo faça parte de
tal cultura, por exemplo, a história, o local, a raça, a etnia, o idioma e a crença religiosa.
O conceito de diversidade cultural está intimamente ligado ao de identidade. Ele aponta para a
variedade de culturas existentes no mundo, as quais foram surgindo pela interação desenvolvida
entre os seres e o meio ambiente.

87.Identidade Social
Além da identidade cultural, há outro conceito utilizado na área da sociologia denominado de
identidade social.
Este, designa o sentimento de pertencimento à determinado grupo social e vai sendo
construindo através das interações sociais que os indivíduos desenvolvem durante a vida.
Interessante notar que pertencemos a diversos grupos sociais por exemplo, a família, o
trabalho, a religião, dentre outros.

88.Consumismo e Meio Ambiente


As relações de consumo nas sociedades modernas tem chamado a atenção para os problemas
ambientais que vem gerando no planeta.
O consumo excessivo leva ao acúmulo de objetos e ao excesso de lixo. Isso ocorre porque os
processos de consumismo estimulam cada vez mais os consumidores a consumirem novamente.
A ―Obsolescência Programada‖, nome atribuído ao tempo de ―vida‖ dos objetos de consumo,
tem sido planejada por especialistas com o intuito de limitar o tempo de uso dos objetos de consumo,
o que leva às pessoas a trocarem seus objetos ―velhos‖ por um mais atualizado. A obsolescência
programada tem gerado uma grande produção de lixo pelo planeta.
Por outro lado, o consumo consciente é desenvolvido por indivíduos que conseguem enxergar
e distinguir o problema da necessidade e do consumismo. De tal modo, os consumistas conscientes
compram somente aquilo que necessitam para viver.
Além disso, não sofrem de transtornos acumulativos e quando descartam os objetos que não
necessitam mais, recorrem à coleta seletiva, que causa menor impacto ambiental.

89.Globalização no Brasil
Da mesma maneira que nos países colonizados por outros europeus, a globalização no Brasil
tem início com a chegada dos portugueses no país.
Isso porque começam as relações econômicas, sociais, culturais e políticas entre os povos que
aqui viviam e os colonizadores.
No entanto, foi somente no século XX que esse processo teve maior impacto na economia do
Brasil. Destacam-se a implementação do neoliberalismo através do Plano Collor e as privatizações
das empresas estatais.
Além disso, a expansão das indústrias e das empresas multinacionais foram essenciais para
reforçar o processo de globalização no país.

90.Globalização Econômica
Um fato notável da globalização é o acúmulo de conhecimentos. Isso provoca aumento no
compasso das transformações nos meios de produção e tem como consequência o barateamento do
método produtivo das indústrias.
Assim, desde os primórdios, notamos uma dispersão da cadeia de produção, através da qual os
produtos são fabricados em vários países.
O objetivo principal é reduzir os custos pela exploração da mão de obra, matéria-prima e
energia nos países em desenvolvimento.
Podemos também imaginar a globalização como um processo que visa constituir e aperfeiçoar
uma rede de conexões.
O intuito é encurtar as distâncias, facilitando as afinidades culturais e econômicas, posto que
estabelece a conexão entre os países e as pessoas de todo mundo.
Nesse sentido, as instituições financeiras (bancos, casas de câmbio) criaram um sistema eficaz
para beneficiar a transferência de capital e comercializar ações em escala mundial.

91. Direitos coletivos


O Brasil e a América do Sul como um todo vivem uma onda de conservadorismo no momento
atual. Isso se reflete nas ações e políticas implementadas por governos mais conservadores.
Nesse cenário, pode ocorrer retrocesso em alguns direitos. Além do casamento, pode-se pensar
em liberdade de expressão, liberdade religiosa (que inclui o direito de não ter religião) e direito à
informação.
Para a argumentação, você pode contrapor as ideias de individualidade e coletividade: quem
tem direito a que, em dado contexto, e que coletivos podem interferir em crenças individuais.
Lembre-se de que o objetivo é dar sua opinião, não xingar esse ou aquele grupo.

92. Atos em nome da religião


Até pouco tempo, o foco das notícias sobre intolerância religiosa era em grupos religiosos
extremistas, em especial os islâmicos. Atualmente, o debate sobre o Estado laico e a imposição de
posições tidas como religiosas sobre membros de fora das congregações têm ganhado relevância.
Por um lado, quais são os riscos à liberdade religiosa, principalmente aos grupos pacíficos? E
como combater essa intolerância? Por outro lado, é interessante levantar a questão sobre o respeito a
quem não tem religião, ou quem pratica suas crenças de maneira não vinculada a uma denominação
religiosa específica. Busque refletir sobre como a crença religiosa, uma crença que é individual,
torna-se debate público.

93. Mobilidade urbana


A cidade de São Paulo vive uma revolução na mobilidade urbana. Ações para melhorar o
trânsito e a construção de centenas de quilômetros de ciclovias nos últimos anos mostram uma
mudança na forma como nos deslocaremos nas cidades. Além disso, a chegada de serviços de
transporte usando aplicativos de celular tem tido grande impacto na maneira como as pessoas
pensam suas opções de transporte.
Pense nos problemas dos conglomerados urbanos e na importância de movimentos sociais na
reivindicação e inserção de medidas, como a melhoria dos metrôs e a implantação de ciclovias.
Também vale pensar sobre a velha distinção entre transporte individual e coletivo, políticas de
caronas e em como a segurança pública tem relação com essas escolhas

94. Justiça com as próprias mãos


O problema da segurança pública no Brasil foi um dos focos da última campanha eleitoral. No
debate – e na própria discussão do Estatuto do Desarmamento –, uma parcela grande de eleitores e
pleiteantes a cargos públicos manifestou-se de modo mais extremo sobre a criminalidade. Já em
2015 uma pesquisa mostrava que 50% da população brasileira acredita que ―bandido bom é bandido
morto‖.
Esses fatos indicam, por um lado, um colapso do nosso sistema de segurança pública. Por
outro, mostram uma descrença no restabelecimento da paz por vias civilizadas. Além disso, pode-se
abordar a insuficiência do sistema judiciário e penitenciário brasileiro, a falta de ressocialização nas
prisões e o despreparo da polícia.

95.Assédio Sexual
Os anos de 2017 e 2018 foram marcados pela explosão de denúncias de assédio sexual
envolvendo pessoas famosas. Esses acontecimentos tiveram enorme repercussão e deram início a um
debate a nível global sobre o assunto. Com tantas abordagens possíveis envolvendo o assédio sexual,
este é um tema forte para a Redação

96. Legalização do aborto


O aborto vem sendo discutido há tempos por diversos setores da sociedade. Alguns
especialistas acreditam que o aborto é uma questão de saúde pública. Neste ano, o Senado da
Argentina chegou a votar a legalização do aborto, mas o Congresso do país decidiu que prática ainda
deve ser considerada ilegal. Para Adriano Chan, professor de Redação da Oficina do Estudante, a
prática "mata mulheres pobres sem condições de pagar pelo serviço em clínicas clandestinas".

97.Postura do Brasil diante da política externa:


Imaginemos que o tema apresentado trate de assuntos como: Refugiados, Deslocamentos
Populacionais, Crises Migratórias, Brasil e Terrorismo, entre tantas outras possibilidades, vale a pena
considerar:
A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes
princípios:
- independência nacional;
- prevalência dos direitos humanos;
- autodeterminação dos povos;
- não-intervenção;
- igualdade entre os Estados;
- defesa da paz;
- solução pacífica dos conflitos;
- repúdio ao terrorismo e ao racismo;
- cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;
- concessão de asilo político.
A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural
dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações.

98.Greve Dos Caminhoneiros


A escalada do preço do barril de petróleo e a alta do dólar escancararam uma série de gargalos
e problemas setoriais que desembocaram na greve dos caminhoneiros nesta semana. A paralisação
põe em questão a política de preços da Petrobras, o modelo de exploração do petróleo, as limitações
logísticas do transporte no país e os impactos da concessão de créditos setoriais. Tudo isso em meio a
um processo de recuperação econômica que, mais lento do que o esperado, não permite aos governos
federal e estaduais abrir mão de impostos que representam cerca de 45% do preço da gasolina e 29%
do diesel. Mesmo assim, o Congresso Nacional promete aprovar reduções de alíquotas na marra.

99.Segurança Pública
Crise no Sistema Carcerário, Segurança Pública, Problemas na Segurança entre outras
abordagens, são temáticas prováveis. Abaixo observamos a formação das ideias que conciliam a
Constituição Federal e a lei 11.530/07, que instituiu o PRONASCI – Programa Nacional de
Segurança Pública e Cidadania
A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a
preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.
O Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) destina-se à prevenção,
controle e repressão da criminalidade, atuando em suas raízes sócio-culturais, além de articular ações
de segurança pública com políticas sociais por meio da integração entre União, estados e municípios.
As ações levarão em conta as diretrizes do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP).
Foi lançado em julho de 2007, pelo Ministério da Justiça.
Eixos do Pronasci

1. Formação e a valorização dos profissionais de segurança pública;

2. A reestruturação do sistema penitenciário;

3. O combate à corrupção policial;

4. Envolvimento da comunidade na prevenção da violência.

O Pronasci é composto por 94 ações, que envolvem a União, estados, municípios e a própria
comunidade.

100.Desastres Ambientais
Momentos marcantes, como o rompimento da barragem da mineradora Samarco, localizada em
Mariana, Minas Gerais, fazem a sociedade refletir sobre os impactos das tragédias ambientais!
Tanto é que esse desastre ambiental é considerado pelo Governo Federal como sendo a maior
tragédia ambiental da história do nosso país.
Embora essa seja a mais recente, ela ainda é apenas uma de muitas que já foram causadas no
país nos últimos 30 anos.
Quer se aprofundar nesse assunto? Então continue lendo o artigo a seguir e entenda melhor
alguns dos principais casos e seus impactos!
O que são desastres ambientais

Não há como negar que nos últimos anos a degradação do meio ambiente está se elevando e, por
isso, discutir esse assunto tem sido algo realmente muito importante.
De maneira geral, impacto ambiental consiste em todo e qualquer tipo de alteração que seja
significativa para o meio ambiente em si, podendo ser provocada por meio de uma ação humana ou
por fenômenos de caráter natural. Esses impactos podem ser considerados adversos ou até mesmo
positivos.
No caso dos que podem ser vistos como algo positivo, pode-se citar atividades focadas na
gestão de unidades para conservação, como ocorre em áreas como parques ou reservas.
Isso também pode ser associado ao reflorestamento de áreas que sejam consideradas
degradadas, culturas de animais e plantas e até mesmo os denominados ―Negócios Verdes‖ focados
em processo de reciclagem.
Já quando o assunto trata de impactos adversos, pode-se mencionar casos que acabam ficando
mais em destaque na mídia, envolvendo poluição, destruição de áreas verdes, água contaminada, e
outros.
Infelizmente, no decorrer da nossa história os desastres ambientais não são uma novidade, mas
algo recorrente. Muitos, inclusive, acabam marcando drasticamente nosso país.
Causas e consequências
Não somente pode-se afirmar que o resultado desses casos proporciona uma grande quantidade
de prejuízos ambientais, como também gera um impacto negativo e em grande escala para a nossa
sociedade, para a economia e até mesmo para a cultura.
As dimensões provocadas pelos desastres são constantes e dificilmente deixaremos de ver na
história do Brasil seus efeitos, mesmo em casos de desastres ambientais de anos atrás!