Você está na página 1de 2

O SIMBOLISMO MAÇÔNICO DE PINÓQUIO

Carlo Collodi escreveu em 1882 um livro chamado “As Aventuras de Pinóquio”, na que conta a
história de um velho Mestre artesão que construiu um boneco de madeira.
Esta história simples é salpicada com considerações de ordem moral e da evolução da pessoa
que faz a história de um relato iniciatico, em que Pinóquio se vai desprendendo de seus muitos
defeitos e se tornar um verdadeiro ser humano, uma criança neste caso.
Poucas pessoas sabem que o Pinóquio, o boneco de madeira saiu da mente e da criatividade
do escritor italiano Carlo Collodi, não é um conto de fadas. Na verdade, seu comprimento é um
romance, mas sua trama infantil suspeita é nada mais do que o veículo através do qual Collodi
destina-se a entregar uma mensagem profundamente espiritual, iniciático, esotérico e
desenvolvimento pessoal.
Na verdade, a primeira coisa que gostaria de salientar é que o autor, Carlo Collodi, foi um
membro da Ordem Maçônica, uma instituição que guarda e estuda as antigas tradições
herméticas atribuídas a Hermes Trismegistus e é considerada a mais importante instituição
esotérica hoje.
Walt Disney, que esta história imortalizada no filme de animação e cujos desenhos
representam mais do que qualquer outro o boneco e os outros personagens, também foi um
irmão maçom.
No contexto conturbado da re-unificação italiana, liderada por outro irmão, José Garibaldi,
Collodi escreveu “As Aventuras de Pinóquio”, publicado em 1882. Uma análise superficial do
trabalho revela uma apologia para a educação e uma denúncia do vício e da ociosidade. Ideais
próprios da cultura ocidental, mas são inevitáveis mandato para encomendas para as ordens
esotéricas.
Vamos rever a história, e marcar em negrito algumas palavras que são muito esclarecedoras
do ponto de vista esotérico e maçônico em particular: Gepetto, um velho mestre que usa o
avental, sempre sonhou em ter uma criança, de modo que, ao ver brilhar no céu a Estrela Azul
fervorosamente pediu que seu desejo fosse concedido (este é entrar em contato com um
maior nível de consciência). Naquela noite, enquanto dormia Gepetto, apareceu a Fada Azul e
deu vida ao boneco advertiu a se comportar bem para se tornar um menino de verdade (o
compreendemos a partir da idéia de ser um homem de verdade, outra idéia inspiradora das
escolas de iniciaticas). Para aconselhamento sobre seu comportamento chamou o Grilo
Falante com sua consciência (o trabalho consciente de desenvolvimento pessoal é também um
ideal hermético).
Não nos esqueçamos de que Pinóquio foi trabalhado à mão pelo carpinteiro que o elaborou a
partir de um pedaço de madeira, criando mesmo um boneco muito bom, graças ao seu esforço
(na Maçonaria se trabalha para dar forma a uma pedra).

Gepetto construindo Pinóquio


Os fios que movem o destino dos bonecos são semelhantes aos fios do destino que movem as
pessoas, daqui para lá e vice-versa quando desenvolvemos a consciência. Assim, então,
Pinóquio com falta de consciência e surdos aos ensinamentos do Grilo Falante (outro mestre)
provou ser amoral e estúpido. Poderia dizer que Pinóquio estava vivo, mas ainda não tinham
livre arbítrio estava dormindo, não usava a sua consciência, desconhecia o sendero da virtude
e a libertação, foi uma espécie de “morto vivo”.
O esoterismo ensina que, infelizmente, a maioria dos seres humanos são como Pinóquio, eles
seguem o caminho mais fácil e não sabe que existe algo melhor, algo que nos conecta com
níveis mais elevados de consciência.
Um pesquisador maçônico, que estudou o assunto, disse: “A verdade é que existem apenas
dois tipos de homens em todo o mundo: os poucos que já perceberam o esquema divino
poderoso, e as imensas massas que ainda não conhece. Os últimos vivem para eles mesmos, e
estão muito escravizados por suas paixões; os primeiros vivem para Deus e para a evolução,
que é a Sua vontade, se eles são chamados Budistas ou hindus, muçulmanos ou cristãos, ou
pensadores judeus.
…Pinóquio é o escravo de seus “eus”, este é um ego hipertrofiado produto de distintos vícios
que foram acumulados. Suas mentiras fazê-lo crescer o nariz e as orelhas de burro depois. Esta
é uma alegoria física de todos os agregados psíquicos que o acompanham.

Pinóquio e Grilo Falante


Uma e outra vez, Pinóquio, pela lei de causa e efeito, sofre as conseqüências de suas más
ações, que o conduzem a uma vida desgraçada, onde o boneco paga com o sofrimento do
karma que há sido gerado. Quando a vida de Pinóquio não poderia ser mais insuportável, é
engolido por uma baleia.
Este episódio, que evoca claramente a história bíblica de Jonas, vem a ser no simbolismo
maçônico a câmara de reflexões que representa a descida ao centro da terra. Que viveu até o
próprio Jesus, se acreditarmos nas palavras de Mateus 12:40: “Pois assim como Jonas esteve
no ventre do grande peixe por três dias e três noites, assim estará o Filho do Homem no seio
da terra três dias e três noites “. Não se esqueça que o Filho do homem, também, como o
Pinóquio, o filho de um Mestre carpinteiro.

Como acontece com qualquer tradição esotérica válida é a morte mística, à luz de uma vela,
Pinóquio medita sobre o seu destino e decide mudar, deixando para trás seu passado de
inconsciência. Finalmente o boneco é expelido pela baleia para o mar, onde a água atua como
um purificador, limpando interna e externamente a Pinóquio.
Diz-se que quando alguém está imerso em uma corrente de água, renasce para uma nova vida.
Esta prática é comum em muitas tradições religiosas e do batismo cristão. Maçônico tem a ver
com a lenda do terceiro grau e o Mar de bronze.
Pinóquio, no entanto, não sobrevive à fúria do oceano e, finalmente, se afoga. Esta morte do
boneco equivale à morte mística do profano ao ser iniciado. Nas palavras do Evangelho lembra
a sentença que está em João 3:3-10: “Em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo
não pode ver o Reino de Deus (…) quem não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no
reino de Deus”.

Ao retornar à vida, Pinóquio vai para um estado mais elevado, que vai adquirir uma
humanidade plena (para ser um menino de verdade).
Vale a pena ver “Pinóquio” e descobrir o profundo conteúdo simbólico e iníciatico de este
trabalho. Especialmente recomendado para aqueles que pertencem a instituições herméticas
filosófica como a Ordem Maçônica, Rosa Cruz, Gnósticos, Teosófica, Antroposófica Biosófica,
Metafísicas e similares.
Mas para o resto dos mortais, que tentamos manter uma vida digna, enquadrada nos limites
moral mais ou menos estável, a aventura de Pinóquio também tem muito a dizer, sobretudo
porque o boneco se parece muito como nós.
Se você acha que nós podemos dizer o quanto à história de Pinóquio corresponde com a
evolução dos seres humanos para alcançar a plena realização da “humanidade”, como seres
humanos completos e particularmente com a nossa própria evolução como maçons.

Você também pode gostar