Você está na página 1de 45

Programa de Pós-Graduação em Ciências

Florestais e Ambientais

Aula 02 – Desenho de Técnico


Mestrando: Rodrigo Araújo Fortes
Disciplina: Estágio em Docência
Orientador: Prof. Dr. André Ferreira dos Santos
Principais normas da ABNT
• NBR 10.647 – Desenho técnico
• NBR 10.582 – Apresentação da folha de desenho técnico
• NBR 13.142 – Dobramento de cópias
• NBR 8.403 – Linhas em desenhos
• NBR 10.067 – Representação em desenho técnico
• NBR 8.196 – Emprego de escalas
• NBR 10.126 – Cotagem
• NBR 9.050 – Acessibilidade
Formatos e dimensões do papel
Segundo a NBR 10068:1987 as folhas
utilizadas para desenho técnico devem possuir
características dimensionais padronizadas.
Formato da série A e Margens
A escolha do tamanho do papel deve
considerar o tamanho do desenho que se queira
representar, de forma a obter o menor formato
possível.
Professor: Rodrigo Araújo Fortes
Especialista em Engenharia Ambiental
Caligrafia técnica
A norma NBR 8402:1994 apresenta
algumas convenções para escrita em desenho
técnico.
Rótulo
O rótulo deve fornece informações sobre o
desenho, identificando o projeto. Sua
localização será no canto inferior direito do
papel, facilitando sua visualização quando o
papel estiver dobrado. Outras informações
como convenções devem localizar-se próximas
do rótulo.
Professor: Rodrigo Araújo Fortes
Especialista em Engenharia Ambiental
Linhas de representação
Escalas
A relação entre as medidas do desenho e
as dimensões reais do objeto é conhecida por
escala. A escolha de uma determinada escala
deve considerar o tamanho do objeto a
representar, as dimensões do papel e a
legibilidade do desenho.
Escalas gráficas
Escalas gráficas
A representação de um projeto

Professor: Rodrigo Araújo Fortes –


Especialista em Engenharia Ambiental
Convenções gráficas
• Paredes – duas linhas paralelas, largas e
contínuas (cotas em cm).

• Muros e meias-paredes – duas linhas


paralelas, estreitas e contínuas.
• Desnível – uma linha estreita e contínua
situada em um vão.

• Porta de abrir.
• Porta de correr (com marco embutido).

• Porta sanfonada.
• Janelas – quatro linhas paralelas, estreitas e
contínuas, sendo as duas do meio mais
próximas.

• Janela alta – duas linhas paralelas, estreitas e


tracejadas, situadas entre duas linhas
contínuas.
• Beirais do telhado – linha traço e dois pontos
estreita.

• Norte verdadeiro (cotas em mm) – dimensões


independentes da escala utilizada. O norte
verdadeiro serve para identificar como a
insolação incide nas fachadas. Ele deve ser
orientado para o topo da folha.
• Indicação dos acessos (cotas em mm). Marca
o acesso principal da edificação.

• Indicação de inclinação de telhados (cotas em


mm).
• Cotas de nível em planta (cotas em mm).

• Cotas de nível em corte (cotas em mm).

Onde:
• N.A. – nível acabado
• N.O. – nível em osso
• Numeração e títulos dos desenhos (cotas em
mm).
• Enchimento de piso.

• Terreno.

• Concreto em corte.
Árvores e Arbustos
Árvores e Arbustos
Árvores e Arbustos
Palmeiras
Palmeiras
Trepadeiras
Forrações / Herbáceas
Forrações / Herbáceas
Cactos e Suculentas
Piso Vegetal
Cerca-viva
Referências Bibliografias
GOMES, Adriano Pinto. Desenho arquitetônico. Ouro
Preto: IFMG, 2012.
MONTENEGRO, Gildo. Desenho Arquitetônico. São Paulo:
Edgard Blucher, 1978.
VIZIOLI, Simone; [et al]. Desenho arquitetônico básico.
São Paulo: Pini, 2009.
LIRA FILHO, José Augusto de. Paisagismo: Elaboração de
Projetos de Jardins. Viçosa: Aprenda Fácil, 2012.