Você está na página 1de 288

Prefeitura do Rio de Janeiro–RJ

Secretaria Municipal de Educação

SME - Professor Adjunto de Educação Infantil

Língua Portuguesa
Compreensão de textos contemporâneos. ................................................................................................................... 1
1.1 Localização de informações explícitas e implícitas no texto. ............................................................................ 3
1.2 Significado de vocábulos e expressões em função do contexto. 1.3 Uso significativo dos diferentes
recursos gramaticais no texto. 1.4 Denotação e conotação – figuras de linguagem. ................................................ 5
2. Estrutura e formação de palavras; emprego das diferentes classes de palavras. 2.1 Valor semântico de
elementos mórficos. 2.2 Uso e função do artigo, dos pronomes e numerais. 2.3 Valor substantivo, adjetivo e
adverbial dos vocábulos portugueses. 2.4 Emprego de preposições e conjunções que conferem coesão e
coerência ao texto escrito. 3. Relações de sentido entre segmentos do texto. ........................................................ 14
4. Variação linguística e adequação no uso da língua às situações de comunicação. ....................................... 37
5. Ortografia. 5.1 Emprego de letras. ........................................................................................................................... 40
5.2 Acentuação gráfica (conforme o atual Acordo Ortográfico). ........................................................................... 47
6. Flexão verbal – valor semântico de tempos e modos. 6.1 Correlação entre tempos verbais. 6.2.
Concordância verbal. 7. Concordância nominal. ............................................................................................................ 49
8. Regência nominal e verbal – o fenômeno da crase. ............................................................................................. 55
9. Uso e função dos sinais de pontuação. .................................................................................................................... 62

Matemática
1. Números reais: Resolução de problemas envolvendo as operações de adição, subtração, multiplicação e
divisão. ........................................................................................................................................................................................ 1
2. Divisibilidade: Múltiplos e Divisores. ......................................................................................................................... 2
3. Proporcionalidade: Regra de três simples e porcentagem. .................................................................................. 5
4. Sistema Legal de Medidas: Medidas de comprimento, área, volume, capacidade, massa e tempo. ............ 8
5. Princípio Multiplicativo. .............................................................................................................................................. 10
6. Volumes dos principais sólidos geométricos. ........................................................................................................ 11
7. Conservação, redução ou ampliação de perímetros e áreas das principais figuras planas usando malhas
quadriculadas. Cálculo de áreas e perímetros. ................................................................................................................ 15
8. Relacionar figuras tridimensionais com suas respectivas planificações. 9. Reconhecer arestas, vértices e
faces de um sólido geométrico. ........................................................................................................................................... 20
Legislação
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei no 9394, Brasília,
1996 ............................................................................................................................................................................................. 1
_______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, capítulo III, seção I, 1988. _______. Emenda
constitucional no 59 de 11 de novembro de 2009.......................................................................................................... 15
_______. Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (Lei no 8.069), Brasília 1990 ........................................... 17
_______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a
Educação Infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010...................................................... 50
________. Lei no 13.005 de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação. Meta 1 e respectivas estratégias
- Brasília, 2014 ........................................................................................................................................................................ 59
________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular/
Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB ..................................................................................................... 62
RIO DE JANEIRO. Lei no 6.362 de 28 de maio de 2018, Meta 1 e respectivas estratégias. RIO DE JANEIRO
..................................................................................................................................................................................................... 76

Conhecimentos Específicos de Educação Infantil


1. Práticas e concepções de Educação Infantil ............................................................................................................. 1
2. Currículo na Educação Infantil .................................................................................................................................... 7
3. Espaço e tempo no cotidiano da Educação Infantil............................................................................................... 20
4. Observação e registro na Educação Infantil ........................................................................................................... 24
HORN, Maria da Graça Souza. Brincar e interagir nos espaços da escola infantil. Porto Alegre: Penso, 2017
..................................................................................................................................................................................................... 25
OSTETTO, Luciana Esmeralda. Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas:
Papirus, 2012 ........................................................................................................................................................................... 25
________. Registros na Educação Infantil. Pesquisa e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2018 .............. 26
RAMOS, Zilma. Educação Infantil: fundamentos e métodos. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2011 ............................ 26
RIO DE JANEIRO. Orientações Curriculares para a Educação Infantil. Secretaria Municipal de Educação do
Rio de Janeiro, 2010 ............................................................................................................................................................... 29
_____________. Orientações para profissionais da Educação Infantil. Secretaria Municipal de Educação do Rio
de Janeiro, 2010 ...................................................................................................................................................................... 51
_____________. Planejamento na Educação Infantil. Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, 2011
..................................................................................................................................................................................................... 58
______________. Orientações para organização da sala na Educação Infantil: ambiente para a criança criar,
mexer, interagir e aprender. Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, 2013 .................................... 72
______________. A avaliação na Educação Infantil. Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, 2013
..................................................................................................................................................................................................... 79
______________. Orientações ao professor de Pré-escola I e II. Secretaria Municipal de Educação do Rio de
Janeiro, 2013 ............................................................................................................................................................................ 89
______________. O fazer das artes plásticas na Educação Infantil. Secretaria Municipal de Educação do Rio de
Janeiro, 2012 ......................................................................................................................................................................... 103
A apostila OPÇÃO não está vinculada a empresa organizadora do concurso público a que se destina,
assim como sua aquisição não garante a inscrição do candidato ou mesmo o seu ingresso na carreira
pública.

O conteúdo dessa apostila almeja abordar os tópicos do edital de forma prática e esquematizada,
porém, isso não impede que se utilize o manuseio de livros, sites, jornais, revistas, entre outros meios
que ampliem os conhecimentos do candidato, visando sua melhor preparação.

Atualizações legislativas, que não tenham sido colocadas à disposição até a data da elaboração da
apostila, poderão ser encontradas gratuitamente no site das apostilas opção, ou nos sites
governamentais.

Informamos que não são de nossa responsabilidade as alterações e retificações nos editais dos
concursos, assim como a distribuição gratuita do material retificado, na versão impressa, tendo em vista
que nossas apostilas são elaboradas de acordo com o edital inicial. Porém, quando isso ocorrer, inserimos
em nosso site, www.apostilasopcao.com.br, no link “erratas”, a matéria retificada, e disponibilizamos
gratuitamente o conteúdo na versão digital para nossos clientes.

Caso haja dúvidas quanto ao conteúdo desta apostila, o adquirente deve acessar o site
www.apostilasopcao.com.br, e enviar sua dúvida, que será respondida o mais breve possível, assim como
para consultar alterações legislativas e possíveis erratas.

Também ficam à disposição do adquirente o telefone (11) 2856-6066, dentro do horário comercial,
para eventuais consultas.

Eventuais reclamações deverão ser encaminhadas por escrito, respeitando os prazos instituídos no
Código de Defesa do Consumidor.

É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila, de


acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a opção certa para a sua realização.


LÍNGUA PORTUGUESA
APOSTILAS OPÇÃO

de coesão, a melhor atitude é ler atentamente o seu texto,


procurando estabelecer as possíveis relações entre palavras
que formam a oração e as orações que formam o período e,
finalmente, entre os vários períodos que formam o texto. Um
texto bem trabalhado sintática e semanticamente resulta num
texto coeso.
Compreensão de textos Coerência
contemporâneos.
A coerência está diretamente ligada à possibilidade de
estabelecer um sentido para o texto, ou seja, ela é que faz com
COMPREENSÃO DO TEXTO que o texto tenha sentido para quem lê. Na avaliação da
coerência será levado em conta o tipo de texto. Em um texto
Há duas operações diferentes no entendimento de um texto. dissertativo, será avaliada a capacidade de relacionar os
A primeira é a apreensão, que é a captação das relações que argumentos e de organizá-los de forma a extrair deles
cada parte mantém com as outras no interior do texto. No conclusões apropriadas; num texto narrativo, será avaliada
entanto, ela não é suficiente para entender o sentido integral. sua capacidade de construir personagens e de relacionar ações
Uma pessoa que conhecesse todas as palavras do texto, mas e motivações.
não conhecesse o universo dos discursos, não entenderia o
significado do mesmo. Por isso, é preciso colocar o texto Tipos de Composição
dentro do universo discursivo a que ele pertence e no interior
do qual ganha sentido. Alguns teóricos chamam o universo Descrição: é representar verbalmente um objeto, uma
discursivo de “conhecimento de mundo”, mas chamaremos essa pessoa, um lugar, mediante a indicação de aspectos
operação de compreensão. característicos, de pormenores individualizantes. Requer
E assim teremos: observação cuidadosa, para tornar aquilo que vai ser descrito
um modelo inconfundível. Não se trata de enumerar uma série
Apreensão + Compreensão = Entendimento do texto de elementos, mas de captar os traços capazes de transmitir
uma impressão autêntica. Descrever é mais que apontar, é
Para ler e entender um texto é preciso atingir dois níveis muito mais que fotografar. É pintar, é criar. Por isso, impõe-se
de leitura, sendo a primeira a informativa e a segunda à de o uso de palavras específicas, exatas.
reconhecimento.
A primeira deve ser feita cuidadosamente por ser o Narração: é um relato organizado de acontecimentos reais
primeiro contato com o texto, extraindo-se informações e se ou imaginários. São seus elementos constitutivos:
preparando para a leitura interpretativa. Durante a personagens, circunstâncias, ação; o seu núcleo é o incidente,
interpretação grife palavras-chave, passagens importantes; o episódio, e o que a distingue da descrição é a presença de
tente ligar uma palavra à ideia central de cada parágrafo. personagens atuantes, que estão quase sempre em conflito. A
A última fase de interpretação concentra-se nas perguntas narração envolve:
e opções de respostas. Marque palavras como não, exceto, - Quem? Personagem;
respectivamente, etc., pois fazem diferença na escolha - Quê? Fatos, enredo;
adequada. - Quando? A época em que ocorreram os acontecimentos;
Retorne ao texto mesmo que pareça ser perda de tempo. - Onde? O lugar da ocorrência;
Leia a frase anterior e posterior para ter ideia do sentido global - Como? O modo como se desenvolveram os
proposto pelo autor. acontecimentos;
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias - Por quê? A causa dos acontecimentos;
seletas e organizadas, através dos parágrafos que é composto
pela ideia central, argumentação e/ou desenvolvimento e a Dissertação: é apresentar ideias, analisá-las, é estabelecer
conclusão do texto. um ponto de vista baseado em argumentos lógicos; é
A alusão histórica serve para dividir o texto em pontos estabelecer relações de causa e efeito. Aqui não basta expor,
menores, tendo em vista os diversos enfoques. narrar ou descrever, é necessário explanar e explicar. O
Convencionalmente, o parágrafo é indicado através da raciocínio é que deve imperar neste tipo de composição, e
mudança de linha e um espaçamento da margem esquerda. quanto maior a fundamentação argumentativa, mais brilhante
Uma das partes bem distintas do parágrafo é o tópico será o desempenho.
frasal, ou seja, a ideia central extraída de maneira clara e
resumida. Sentidos Próprio e Figurado
Atentando-se para a ideia principal de cada parágrafo,
asseguramos um caminho que nos levará à compreensão do Comumente afirma-se que certas ocorrências de discurso
texto. têm sentido próprio e sentido figurado. Geralmente os
Produzir um texto é semelhante à arte de produzir um exemplos de tais ocorrências são metáforas. Assim, em “Maria
tecido, o fio deve ser trabalhado com muito cuidado para que é uma flor” diz-se que “flor” tem um sentido próprio e um
o trabalho não se perca. Por isso se faz necessária a sentido figurado. O sentido próprio é o mesmo do enunciado:
compressão da coesão e coerência. “parte do vegetal que gera a semente”. O sentido figurado é o
mesmo de “Maria, mulher bela, etc.” O sentido próprio, na
Coesão acepção tradicional não é próprio ao contexto, mas ao termo.
O sentido tradicionalmente dito próprio sempre
É a amarração entre as várias partes do texto. Os principais corresponde ao que definimos aqui como sentido imediato do
elementos de coesão são os conectivos e vocábulos enunciado. Além disso, alguns autores o julgam como sendo o
gramaticais, que estabelecem conexão entre palavras ou sentido preferencial, o que comumente ocorre.
partes de uma frase. O texto deve ser organizado por nexos O sentido dito figurado é o do enunciado que substitui a
adequados, com sequência de ideias encadeadas logicamente, metáfora, e que em leitura imediata leva à mesma mensagem
evitando frases e períodos desconexos. Para perceber a falta que se obtém pela decifração da metáfora.

Língua Portuguesa 1
APOSTILAS OPÇÃO

O conceito de sentido próprio nasce do mito da existência Na verdade, não existe o leitor absolutamente ingênuo, que
da leitura ingênua, que ocorre esporadicamente, é verdade, se comporte como uma máquina de ler, o que faz do conceito
mas nunca mais que esporadicamente. de leitura imediata apenas um pressuposto metodológico. O
Não há muito que criticar na adoção dos conceitos de que existe são ocorrências eventuais que se aproximam de
sentido próprio e sentido figurado, pois ela abre um caminho uma leitura imediata, como quando alguém toma o sentido
de abordagem do fenômeno da metáfora. O que é passível de literal pelo figurado, quando não capta uma ironia ou fica
crítica é a atribuição de status diferenciado para cada uma das perplexo diante de um oximoro.
categorias. Tradicionalmente o sentido próprio carrega uma Há quem chame o discurso que admite leitura imediata de
conotação de sentido “natural”, sentido “primeiro”. grau zero da escritura, identificando-a como uma forma mais
Invertendo a perspectiva, com os mesmos argumentos, primitiva de expressão. Esse grau zero não tem realidade, é
poderíamos afirmar que “natural”, “primeiro” é o sentido apenas um pressuposto. Os recursos de Retórica são
figurado, afinal, é o sentido figurado que possibilita a correta anteriores a ele.
interpretação do enunciado e não o sentido próprio. Se o
sentido figurado é o “verdadeiro” para o enunciado, por que Sentido Preferencial
não chamá-lo de “natural”, “primeiro”? Para compreender o sentido preferencial é preciso
Pela lógica da Retórica tradicional, essa inversão de conceber o enunciado descontextualizado ou em contexto de
perspectiva não é possível, pois o sentido figurado está dicionário. Quando um enunciado é realizado em contexto
impregnado de uma conotação desfavorável. O sentido muito rarefeito, como é o contexto em que se encontra uma
figurado é visto como anormal e o sentido próprio, não. Ele palavra no dicionário, dizemos que ela está
carrega uma conotação positiva, logo, é natural, primeiro. descontextualizada. Nesta situação, o sentido preferencial é o
A Retórica tradicional é impregnada de moralismo e que, na média, primeiro se impõe para o enunciado. Óbvio, o
estetização e até a geração de categorias se ressente disso. sentido que primeiro se impõe para um receptor pode não ser
Essa tendência para atribuir status às categorias é uma o mesmo para outro. Por isso a definição tem de considerar o
constante do pensamento antigo, cuja índole era resultado médio, o que não impede que pela necessidade
hierarquizante, sempre buscando uma estrutura piramidal momentânea consideremos o significado preferencial para
para o conhecimento, o que se estende até hoje em algumas dado indivíduo.
teorias modernas. Algumas regularidades podem ser observadas nos
Ainda hoje, apesar da imparcialidade típica e necessária ao significados preferenciais. Por exemplo: o sentido preferencial
conhecimento científico, vemos conotações de valor sendo da palavra porco costuma ser: “animal criado em granja para
atribuídas a categorias retóricas a partir de considerações abate”, e nunca o de “indivíduo sem higiene”. Em outras
totalmente externas a ela. Um exemplo: o retórico que tenha palavras, geralmente o sentido que admite leitura imediata se
para si a convicção de que a qualidade de qualquer discurso se impõe sobre o que teve origem em processos metafóricos,
fundamenta na sua novidade, originalidade, imprevisibilidade, alegóricos, metonímicos. Mas esta regra não é geral. Vejamos
tenderá a descrever os recursos retóricos como “desvios da o seguinte exemplo: “Um caminhão de cimento”. O sentido
normalidade”, pois o que lhe interessa é pôr esses recursos preferencial para a frase dada é o mesmo de “caminhão
retóricos a serviço de sua concepção estética. carregado com cimento” e não o de “caminhão construído com
cimento”. Neste caso o sentido preferencial é o metonímico, o
Sentido Imediato que contrapõe a tese que diz que o sentido “figurado” não é o
“primeiro significado da palavra”. Também é comum o sentido
Sentido imediato é o que resulta de uma leitura imediata mais usado se impor sobre o menos usado.
que, com certa reserva, poderia ser chamada de leitura Para certos termos é difícil estabelecer o sentido
ingênua ou leitura de máquina de ler. preferencial. Um exemplo: Qual o sentido preferencial de
Uma leitura imediata é aquela em que se supõe a existência manga? O de fruto ou de uma parte da roupa?
de uma série de premissas que restringem a decodificação tais
como: Questões
- As frases seguem modelos completos de oração da língua.
- O discurso é lógico. 01. (SEDS/PE - Sargento Polícia Militar -
- Se a forma usada no discurso é a mesma usada para MS/CONCURSOS) O preenchimento adequado da manchete:
estabelecer identidades lógicas ou atribuições, então, tem-se, “Pelé afirma que a seleção está bem, ______Portugal e Espanha
respectivamente, identidade lógica e atribuição. também estão bem preparadas.” faz parte de um recurso de:
- Os significados são os encontrados no dicionário. (A) Adequação vocabular.
- Existe concordância entre termos sintáticos. (B) Falta de coesão.
- Abstrai-se a conotação. (C) Incoerência.
- Supõe-se que não há anomalias linguísticas. (D) Coesão.
- Abstrai-se o gestual, o entoativo e editorial enquanto (E) Coerência.
modificadores do código linguístico.
- Supõe-se pertinência ao contexto. 02. (SEDUC/PI - Professor - NUCEP) O sentido da frase:
- Abstrai-se iconias. Equivale dizer, ainda, que nós somos sujeitos de nossa história
- Abstrai-se alegorias, ironias, paráfrases, trocadilhos, etc. e de nossa realidade, considerando-se a palavra destacada,
- Não se concebe a existência de locuções e frases feitas. continuará inalterado, em:
- Supõe-se que o uso do discurso é comunicativo. Abstrai- (A) Equivale dizer, talvez, que nós somos sujeitos de nossa
se o uso expressivo, cerimonial. história e de nossa realidade.
(B) Equivale dizer, por outro lado, que nós somos sujeitos
Admitindo essas premissas, o discurso será indecifrável, de nossa história e de nossa realidade.
ininteligível ou compreendido parcialmente toda vez que nele (C) Equivale dizer, preferencialmente, que nós somos
surgirem elipses, metáforas, metonímias, oximoros, ironias, sujeitos de nossa história e de nossa realidade.
alegorias, anomalias, etc. Também passam despercebidas as (D) Equivale dizer, novamente, que nós somos sujeitos de
conotações, as iconias, os modificadores gestuais, entoativos, nossa história e de nossa realidade.
editoriais, etc. (E) Equivale dizer, também, que nós somos sujeitos de
nossa história e de nossa realidade.

Língua Portuguesa 2
APOSTILAS OPÇÃO

03. (TJ/SP - Agente de Fiscalização Judiciária - O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no
VUNESP) texto – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em
outro homem. –, é empregado com sentido:
No fim da década de 90, atormentado pelos chás de cadeira (A) próprio, equivalendo a inspiração.
que enfrentou no Brasil, Levine resolveu fazer um (B) próprio, equivalendo a conquistador.
levantamento em grandes cidades de 31 países para descobrir (C) figurado, equivalendo a ave de rapina.
como diferentes culturas lidam com a questão do tempo. A (D) figurado, equivalendo a alimento.
conclusão foi que os brasileiros estão entre os povos mais (E) figurado, equivalendo a predador.
atrasados - do ponto de vista temporal, bem entendido - do
mundo. Foram analisadas a velocidade com que as pessoas Gabarito
percorrem determinada distância a pé no centro da cidade, o 01.D / 02.E / 03.D / 04.E
número de relógios corretamente ajustados e a eficiência dos
correios. Os brasileiros pontuaram muito mal nos dois
primeiros quesitos. No ranking geral, os suíços ocupam o 1.1 Localização de
primeiro lugar. O país dos relógios é, portanto, o que tem o
povo mais pontual. Já as oito últimas posições no ranking são informações explícitas e
ocupadas por países pobres. implícitas no texto.
O estudo de Robert Levine associa a administração do
tempo aos traços culturais de um país. "Nos Estados Unidos,
por exemplo, a ideia de que tempo é dinheiro tem um alto valor INFORMAÇÕES IMPLÍCITAS E EXPLÍCITAS
cultural. Os brasileiros, em comparação, dão mais importância
às relações sociais e são mais dispostos a perdoar atrasos", diz Para que seja possível compreender o que vem a ser
o psicólogo. Uma série de entrevistas com cariocas, por informação explícita1 em um texto, é preciso compreender que
exemplo, revelou que a maioria considera aceitável que um a linguagem verbal é polissêmica: um mesmo enunciado pode
convidado chegue mais de duas horas depois do combinado a assumir diferentes sentidos em diferentes contextos e
uma festa de aniversário. Pode-se argumentar que os diferentes leitores podem atribuir sentidos distintos a um
brasileiros são obrigados a ser mais flexíveis com os horários texto, segundo Kátia Lomba Bräkling. Vejamos a interação a
porque a infraestrutura não ajuda. Como ser pontual se o seguir:
trânsito é um pesadelo e não se pode confiar no transporte
público? Aluno: [levantando a mão] Professora, você pode me dizer
(Veja, 2009.)
que horas são?
Há emprego do sentido figurado das palavras em: Professora: [olha no relógio e responde] Podem guardar o
(A) ... os brasileiros estão entre os povos mais atrasados... material, pessoal!
(B) No ranking geral, os suíços ocupam o primeiro lugar. Aluno: Êba! [rapidamente, guarda o material, seguido por
(C) Os brasileiros ... dão mais importância às relações outros colegas]
sociais...
(D) Como ser pontual se o trânsito é um pesadelo... Podemos observar que o aluno não perguntou se poderia
(E) ... não se pode confiar no serviço público? guardar o material. No entanto, pela reação dele era o que
queria saber. A professora, interpretando a sua intenção,
04. (UNESP - Assistente Administrativo - autorizou a guarda do material, encerrando a aula. Nesse caso,
VUNESP/2016) o sentido dos enunciados foi definido por fatores externos ao
texto, autorizados pelas características da situação
O gavião comunicativa e pelo conhecimento mútuo dos interlocutores
sobre si mesmos e sobre as regras de convivência colocadas.
Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco Se o texto tivesse sido compreendido no sentido literal –
voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a ou seja, se tivessem sido consideradas as suas informações
lua. Olhamos todos para o céu em busca de algo mais explícitas– a resposta da professora teria que ser outra- como,
sensacional e comovente – o gavião malvado, que mata por exemplo, “São cinco para as 11”. Nesse caso, as
pombas. autorizações não teriam sido dadas e os alunos continuariam
O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à executando as tarefas.
contemplação de um drama bem antigo, e há o partido das Podemos dizer, então, que o sentido de um texto é
pombas e o partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros constituído tanto por informações que são apresentadas
(qualquer palavra é melhor que “columbófilo”) querem matar explicitamente na superfície ou linearidade do texto, quanto
o gavião. Os amigos deste dizem que ele não é malvado tal; na por outras, que se encontram implícitas. As primeiras são
verdade come a sua pombinha com a mesma inocência com facilmente localizáveis no texto, pois se encontram escritas
que a pomba come seu grão de milho. com todas as letras. Já as segundas são dependentes do
Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das repertório prévio dos interlocutores e das características da
pombas e também o lance magnífico em que o gavião se situação comunicativa.
despenca sobre uma delas. Comer pombas é, como diria Saint- A capacidade de localizar informações explícitas no texto é
Exupéry, “a verdade do gavião”, mas matar um gavião no ar fundamental para a constituição da proficiência leitora e deve
com um belo tiro pode também ser a verdade do caçador. ser objeto de ensino, desde os primeiros anos de escolarização,
Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente já no processo de alfabetização.
o gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, Muitos consideram essa capacidade a mais simples de
pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro todas. No entanto, é preciso considerar que nenhuma
homem. capacidade de leitura é mobilizada no vazio, mas sempre em
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999) função da materialidade textual. Assim, se o texto for mais
complexo ou extenso, o processo de localização da informação

1http://educacao.globo.com/portugues/assunto/estudo-do-texto/implicitos-e-

pressupostos.html (Adaptado)

Língua Portuguesa 3
APOSTILAS OPÇÃO

solicitada – e a decorrente atribuição de sentido - poderá ser Questão


igualmente mais complexo.
01. Texto I
Informações Implícitas

Muitos candidatos ao ENEM se perguntam como melhorar


sua capacidade de interpretação dos textos. Primeiramente, é
preciso ter em mente que um texto é formado por informações
explícitas e implícitas. As informações explícitas são aquelas
manifestadas pelo autor no próprio texto. As informações
implícitas não são manifestadas pelo autor no texto, mas
podem ser subentendidas. Muitas vezes, para efetuarmos uma
leitura eficiente, é preciso ir além do que foi dito, ou seja, ler
nas entrelinhas.
Por exemplo, observe este enunciado:

- Patrícia parou de tomar refrigerante.


A informação explícita é “Patrícia parou de tomar
refrigerante”. A informação implícita é “Patrícia tomava
refrigerante antes”.
Agora, veja este outro exemplo: (Época. 12 out. 2009 - Foto: Reprodução/Enem)
- Felizmente, Patrícia parou de tomar refrigerante.
A informação explícita é “Patrícia parou de tomar Texto II
refrigerante”. A palavra “felizmente” indica que o falante tem Conexão Sem Fio no Brasil
uma opinião positiva sobre o fato – essa é a informação Onde haverá cobertura de telefonia celular para baixar
implícita. publicações para o Kindle.
Com esses exemplos, mostramos como podemos inferir
informações a partir de um texto. Fazer uma inferência
significa concluir alguma coisa a partir de outra já conhecida.
Nos vestibulares, fazer inferências é uma habilidade
fundamental para a interpretação adequada dos textos e dos
enunciados.
A seguir, veremos dois tipos de informações que podem ser
inferidas: as pressupostas e as subentendidas.

Pressupostos
Uma informação é considerada pressuposta quando um
enunciado depende dela para fazer sentido.
Considere, por exemplo, a seguinte pergunta: “Quando
Patrícia voltará para casa?”. Esse enunciado só faz sentido se
considerarmos que Patrícia saiu de casa, ao menos
temporariamente – essa é a informação pressuposta. Caso
Patrícia se encontre em casa, o pressuposto não é válido, o que (Época. 12 out. 2009 - Foto: Reprodução/Enem)
torna o enunciado sem sentido.
Repare que as informações pressupostas estão marcadas A capa da revista Época de 12 de outubro de 2009 traz um
através de palavras e expressões presentes no próprio anúncio sobre o lançamento do livro digital no Brasil. Já o texto
enunciado e resultam de um raciocínio lógico. Portanto, no II traz informações referentes à abrangência de acessibilidade
enunciado “Patrícia ainda não voltou para casa”, a palavra das tecnologias de comunicação e informação nas diferentes
“ainda” indica que a volta de Patrícia para casa é dada como regiões do país. A partir da leitura dos dois textos, infere-se
certa pelo falante. que o advento do livro digital no Brasil
(A) possibilitará o acesso das diferentes regiões do país às
Subentendidos informações antes restritas, uma vez que eliminará as
Ao contrário das informações pressupostas, as distâncias, por meio da distribuição virtual.
informações subentendidas não são marcadas no próprio (B) criará a expectativa de viabilizar a democratização da
enunciado, são apenas sugeridas, ou seja, podem ser leitura, porém esbarra na insuficiência do acesso à internet por
entendidas como insinuações. telefonia celular, ainda deficiente no país.
O uso de subentendidos faz com que o enunciador se (C) fará com que os livros impressos tornem-se obsoletos,
esconda atrás de uma afirmação, pois não quer se em razão da diminuição dos gastos com os produtos digitais
comprometer com ela. Por isso, dizemos que os subentendidos gratuitamente distribuídos pela internet.
são de responsabilidade do receptor, enquanto os (D) garantirá a democratização dos usos da tecnologia no
pressupostos são partilhados por enunciadores e receptores. país, levando em consideração as características de cada
Em nosso cotidiano, somos cercados por informações região no que se refere aos hábitos de leitura e acesso à
subentendidas. A publicidade, por exemplo, parte de hábitos e informação.
pensamentos da sociedade para criar subentendidos. Já a (E) impulsionará o crescimento da qualidade da leitura dos
anedota é um gênero textual cuja interpretação depende a brasileiros, uma vez que as características do produto
quebra de subentendidos. permitem que a leitura aconteça a despeito das adversidades
geopolíticas.

Gabarito
01.B

Língua Portuguesa 4
APOSTILAS OPÇÃO

ocorre por meio de palavras de radicais diferentes, com


1.2 Significado de prefixo negativo ou com prefixos de significação contrária.
Exemplos:
vocábulos e expressões em - Ordem e anarquia.
função do contexto. 1.3 Uso - Soberba e humildade.
significativo dos diferentes - Louvar e censurar.
- Mal e bem.
recursos gramaticais no texto.
1.4 Denotação e conotação – A antonímia pode originar-se de um prefixo de sentido
figuras de linguagem. oposto ou negativo.
Exemplos:
- bendizer/maldizer
- simpático/antipático
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS - progredir/regredir
- concórdia/discórdia
O significado das palavras2 é estudado pela semântica, a - explícito/implícito
parte da gramática que estuda não só o sentido das palavras - ativo/inativo
como as relações de sentido que as palavras estabelecem entre - esperar/desesperar
si: relações de sinonímia, antonímia, paronímia, homonímia...
Compreender essas relações nos proporciona o Questões
alargamento do nosso universo semântico, contribuindo para
uma maior diversidade vocabular e maior adequação aos 01. (MPE/SP – Biólogo – VUNESP) McLuhan já alertava
diversos contextos e intenções comunicativas. que a aldeia global resultante das mídias eletrônicas não
implica necessariamente harmonia, implica, sim, que cada
Sinônimos participante das novas mídias terá um envolvimento
gigantesco na vida dos demais membros, que terá a chance de
Trata3 de palavras diferentes na forma, mas com sentidos meter o bedelho onde bem quiser e fazer o uso que quiser das
iguais ou aproximados. Tudo depende do contexto e da informações que conseguir. A aclamada transparência da coisa
intenção do falante. pública carrega consigo o risco de fim da privacidade e a
Vale lembrar também que muitas palavras são sinônimas, superexposição de nossas pequenas ou grandes fraquezas
se levarmos em conta as variações geográficas (aipim = morais ao julgamento da comunidade de que escolhemos
macaxeira; mexerica = tangerina; pipa = papagaio; aipo = participar.
salsão...). Não faz sentido falar de dia e noite das redes sociais,
Exemplos de sinônimos: apenas em número de atualizações nas páginas e na
- Brado, grito, clamor. capacidade dos usuários de distinguir essas variações como
- Extinguir, apagar, abolir, suprimir. relevantes no conjunto virtualmente infinito das
- Justo, certo, exato, reto, íntegro, imparcial. possibilidades das redes. Para achar o fio de Ariadne no
labirinto das redes sociais, os usuários precisam ter a
Na maioria das vezes não tem diferença usar um sinônimo habilidade de identificar e estimar parâmetros, aprender a
ou outro. Embora tenham sentido comum, os sinônimos extrair informações relevantes de um conjunto finito de
diferenciam-se, entretanto, uns dos outros, por nuances de observações e reconhecer a organização geral da rede de que
significação e certas propriedades que o escritor não pode participam.
desconhecer. O fluxo de informação que percorre as artérias das redes
Com efeito, estes têm sentido mais amplo, aqueles, mais sociais é um poderoso fármaco viciante. Um dos neologismos
restrito (animal e quadrúpede); uns são próprios da fala recentes vinculados à dependência cada vez maior dos jovens
corrente, vulgar, outros, ao invés, pertencem à esfera da a esses dispositivos é a “nomobofobia” (ou “pavor de ficar sem
linguagem culta, literária, científica ou poética (orador e conexão no telefone celular”), descrito como a ansiedade e o
tribuno, oculista e oftalmologista, cinzento e cinéreo). sentimento de pânico experimentados por um número
Exemplos: crescente de pessoas quando acaba a bateria do dispositivo
- Adversário e antagonista. móvel ou quando ficam sem conexão com a Internet. Essa
- Translúcido e diáfano. informação, como toda nova droga, ao embotar a razão e abrir
- Semicírculo e hemiciclo. os poros da sensibilidade, pode tanto ser um remédio quanto
- Contraveneno e antídoto. um veneno para o espírito.
- Moral e ética. (Vinicius Romanini, Tudo azul no universo das redes.
- Colóquio e diálogo. Revista USP, no 92. Adaptado)
- Transformação e metamorfose.
- Oposição e antítese. As expressões destacadas nos trechos – meter o bedelho
/ estimar parâmetros / embotar a razão – têm sinônimos
O fato linguístico de existirem sinônimos chama-se adequados respectivamente em:
sinonímia, palavra que também designa o emprego de (A) procurar / gostar de / ilustrar
sinônimos. (B) imiscuir-se / avaliar / enfraquecer
(C) interferir / propor / embrutecer
Antônimos (D) intrometer-se / prezar / esclarecer
(E) contrapor-se / consolidar / iluminar
Trata de palavras, expressões ou frases diferentes na
forma e com significações opostas, excludentes. Normalmente 02. (Pref. Itaquitinga/PE – Psicólogo – IDHTEC) A
entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os combatentes

2 https://www.normaculta.com.br/significacao-das-palavras/ 3 Pestana, Fernando. A gramática para concursos públicos / Fernando

Pestana. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

Língua Portuguesa 5
APOSTILAS OPÇÃO

contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; - Concerto (harmonia, sessão musical) e conserto (ato de


comoviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, consertar).
naquele armistício transitório, uma legião desarmada, - Cegar (tornar cego) e segar (cortar, ceifar).
mutilada faminta e claudicante, num assalto mais duro que o - Apreçar (determinar o preço, avaliar) e apressar
das trincheiras em fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela (acelerar).
gente inútil e frágil saísse tão numerosa ainda dos casebres - Cela (pequeno quarto), sela (arreio) e sela (verbo selar).
bombardeados durante três meses. Contemplando-lhes os - Censo (recenseamento) e senso (juízo).
rostos baços, os arcabouços esmirrados e sujos, cujos - Cerrar (fechar) e serrar (cortar).
molambos em tiras não encobriam lanhos, escaras e - Paço (palácio) e passo (andar).
escalavros – a vitória tão longamente apetecida decaía de - Hera (trepadeira), era (época), era (verbo).
súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. Era, com - Caça (ato de caçar), cassa (tecido) e cassa (verbo cassar =
efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos gastos anular).
de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apresamento - Cessão (ato de ceder), seção (divisão, repartição) e sessão
daquela caqueirada humana – do mesmo passo angulhenta e (tempo de uma reunião ou espetáculo).
sinistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos olhos,
num longo enxurro de carcaças e molambos... Homófonos Homográficos: iguais na escrita e na
Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender uma pronúncia.
arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: - Caminhada (substantivo), caminhada (verbo).
mulheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças - Cedo (verbo), cedo (advérbio).
envelhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, - Somem (verbo somar), somem (verbo sumir).
escaveiradas e sujas, filhos escanchados nos quadris - Livre (adjetivo), livre (verbo livrar).
desnalgados, filhos encarapitados às costas, filhos suspensos - Pomos (substantivo), pomos (verbo pôr).
aos peitos murchos, filhos arrastados pelos braços, passando; - Alude (avalancha), alude (verbo aludir).
crianças, sem-número de crianças; velhos, sem-número de
velhos; raros homens, enfermos opilados, faces túmidas e Parônimos
mortas, de cera, bustos dobrados, andar cambaleante.
(CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. São palavras parecidas na escrita e na pronúncia:
Edição Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.) - coro e couro,
- cesta e sesta,
Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de - eminente e iminente,
sinônimos? - degradar e degredar,
(A) Armistício – destruição - cético e séptico,
(B) Claudicante – manco - prescrever e proscrever,
(C) Reveses – infortúnios - descrição e discrição,
(D) Fealdade – feiura - infligir (aplicar) e infringir (transgredir),
(E) Opilados – desnutridos - sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder),
- comprimento e cumprimento,
Gabarito - deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente,
divergir, adiar),
01.B / 02.A - ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir),
- vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e
Homônimos vultuoso (congestionado: rosto vultuoso).

Trata de palavras iguais na pronúncia e/ou na grafia, mas Questões


com significados diferentes. Exemplos:
- São (sadio), são (forma do verbo ser) e são (santo). 01. (Pref. Lauro Muller/SC – Auxiliar Administrativo –
- Aço (substantivo) e asso (verbo). FAEPESUL) Atento ao emprego dos Homônimos, analise as
palavras sublinhadas e identifique a alternativa CORRETA:
Só o contexto é que determina a significação dos (A) Ainda vivemos no Brasil a descriminação racial. Isso é
homônimos. A homonímia pode ser causa de ambiguidade, crime!
por isso é considerada uma deficiência dos idiomas. (B) Com a crise política, a renúncia já parecia eminente.
O que chama a atenção nos homônimos é o seu aspecto (C) Descobertas as manobras fiscais, os políticos irão
fônico (som) e o gráfico (grafia). Daí serem divididos em: agora expiar seus crimes.
(D) Em todos os momentos, para agir corretamente, é
Homógrafos Heterofônicos: iguais na escrita e diferentes preciso o bom censo.
no timbre ou na intensidade das vogais. (E) Prefiro macarronada com molho, mas sem estrato de
- Rego (substantivo) e rego (verbo). tomate.
- Colher (verbo) e colher (substantivo).
- Jogo (substantivo) e jogo (verbo). 02. (Pref. Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico
- Apoio (verbo) e apoio (substantivo). e Mecânico – Instituto Excelência) Assinale a alternativa em
- Para (verbo parar) e para (preposição). que as palavras podem servir de exemplos de parônimos:
- Providência (substantivo) e providencia (verbo). (A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem
- Pelo (substantivo), pelo (verbo) e pelo (contração de gentil).
per+o). (B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo).
(C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se
Homófonos Heterográficos: iguais na pronúncia e senta).
diferentes na escrita. (D) Nenhuma das alternativas.
- Acender (atear, pôr fogo) e ascender (subir).
- Concertar (harmonizar) e consertar (reparar, emendar). 03. (TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis –
UFMT) Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas,

Língua Portuguesa 6
APOSTILAS OPÇÃO

seja no modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por Polissemia


exemplo, assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada
uma apresenta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, A palavra polissêmica é aquela que, dependendo do
grafias diferentes, denomina-se homônimo heterográfico. contexto, muda de sentido (mas não muda de classe
Assinale a alternativa em que todas as palavras se encontram gramatical!). Por exemplo, veja os sentidos de “peça”: “peça de
nesse caso. automóvel”, “peça de teatro”, “peça de bronze”, “és uma boa
(A) taxa, cesta, assento peça”, “uma peça de carne” etc.
(B) conserto, pleito, ótico Agora, observe mais estes exemplos:
(C) cheque, descrição, manga Desculpe o bolo que te dei ontem.
(D) serrar, ratificar, emergir Comemos um bolo delicioso na casa da Jéssica.
Tenho um bolo de revistas lá em casa.6
Gabarito
Monossemia é o oposto de polissemia, ou seja, quando a
01.C / 02.A / 03.A palavra tem um único significado.

Hiperonímia e Hiponímia É possível perceber que alguns desses contextos passaram


a fazer sentido por questões sociais, culturais ou históricas
Partindo do princípio de que as palavras estabelecem adquiridas ao longo do tempo. Vale ressaltar, no entanto, que
entre si uma relação de significado, observe este enunciado4: o sentido original descrito no dicionário é o que prevalece,
Fomos à feira e compramos maçã, banana, abacaxi, melão... sendo os demais atribuídos pela analise contextual.
Nossa! Como estavam baratas, pois são frutas da estação.
Atenção aos vocábulos “maçã”, “banana”, “abacaxi”, Polissemia e Homonímia
“melão” e também “frutas”, perguntamo-nos: existe alguma Não confunda polissemia e homonímia. Polissemia remete
relação entre eles? Toda, não é verdade? Desse modo, ao a uma palavra que apresenta diversos significados que se
observar o conceito de hiperonímia e hiponímia, chegaremos encaixam em diversos contextos, enquanto homonímia refere-
à conclusão pretendida. Note: se as duas ou mais palavras que apresentam origens e
significados distintos, mas possuem grafia e fonologia
Hiperonímia5 - como o próprio prefixo já nos indica, esta idênticas.
palavra confere-nos uma ideia de um todo, sendo que deste Por exemplo, “manga” é uma palavra que representa um
todo se originam outras ramificações, como é o caso de frutas. caso de homonímia. O termo designa tanto uma fruta quanto
Palavras e expressões de sentido mais geral. uma parte da camisa. Não se trata de uma polissemia por que
os dois significados são próprios da palavra e têm origens
Hiponímia - demarcando o oposto do conceito da palavra diferentes. Por esse motivo, muitos especialistas defendem
anterior, podemos afirmar que ela representa cada parte, cada que a palavra “manga” deveria possuir duas entradas distintas
item de um todo, no caso: maçã, banana, abacaxi, melão. Sim, no dicionário.
essas são palavras hipônimas. Palavras e expressões com
sentido mais restrito, mas estão associadas ao conjunto maior Polissemia e Ambiguidade
que são as frutas. Tanto a polissemia quanto a ambiguidade são elementos
da linguagem que podem provocar confusões na interpretação
Questões de frases. No caso da ambiguidade, geralmente, o enunciado
apresenta uma construção de palavras que permite mais de
01. Os vocábulos destacados em “Na banca da feira da uma interpretação para a frase em questão.
vinte e cinco, havia cupuaçu, bacuri, taperebá e outras frutas Nem sempre se trata de uma palavra que tenha mais de um
regionais.”, têm relação entre si por possuírem o mesmo significado, mas de como as palavras estão dispostas na frase,
campo semântico, isto é, todos são frutas inclusive típicas da permitindo que as informações sejam interpretadas de mais
Amazônia. de uma maneira. Ex. Jorge criticou severamente a prima de sua
Tais termos destacados, em relação à palavra “fruta”, são amiga, que frequentava o mesmo clube que ele. Nesse caso, o
designados como: pronome que pode estar referindo-se a amiga ou a prima.
(A) hiperônimos. Já no caso da polissemia, por uma mesma palavra possuir
(B) hipônimos. mais de um significado, ela pode fazer com que as pessoas não
(C) cognatos. compreendam o sentido usado no primeiro contato com a
(D) polissêmicos. frase e interpretem o enunciado de uma maneira diferente do
(E) parônimos. que ele era intencionado. Neste caso, para que isso não ocorra,
é importante que fique claro qual é o contexto em que a
02. “O caminhão atravessou a pista e bateu na mureta de palavra foi usada.
proteção, o veículo ficou totalmente destruído”. Na frase acima
a palavra “veículo” representa um caso de: Questão
(A) polissemia;
(B) antonímia; 01. (SANEAGO/GO - Agente de Saneamento - CS/2018)
(C) hiponímia;
(D) hiperonímia; Predestinação
(E) heteronímia.
Tinha no nome seu destino líquido: mar, rio e lago.
Gabarito Pois chamava-se Mário Lago.
Viu a luz sob o signo de Piscis.
01.B / 02.D Brilhava no céu a constelação de Aquário.
Veio morar no Rio.

4 https://portugues.uol.com.br/gramatica/hiperonimia-hiponimia.html 6 PESTANA, Fernando. A gramática para concursos. Elsevier. 2013.


5 https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/gramatica/hiperonimia-
hiponimia.htm

Língua Portuguesa 7
APOSTILAS OPÇÃO

Quando discutia, sempre levava um banho.


Pois era um temperamento transbordante.
Sua arte preferida: água-forte.
Seu provérbio predileto: "Quem tem capa, escapa".
Sua piada favorita: "Ser como o rio:
seguir o curso sem deixar o leito".
Pois estudava: engenharia hidráulica.
Quando conheceu uma moça de primeira água.
Foi na onda. Considerando-se a representação semântica da palavra
Teve que desistir dos estudos quando “vendo” no contexto da tirinha abaixo, é CORRETO afirmar
já estava na bica para se formar. que ocorre:
Então arranjou um emprego em Ribeirão das Lajes. (A) Denotação.
Donde desceu até ser leiteiro. (B) Conotação.
Encarregado de pôr água no leite. (C) Homonímia.
Ficou noivo e deu à moça uma água-marinha. (D) Homofonia.
Mas ela o traiu com um escafandrista. (E) Sinonímia.
E fugiu sem dizer água vai.
Foi aquela água. 04. (Pref. Videira/SC - Agente Administrativo -
Desde então ele só vivia na chuva ASSCONPP/2016) Observe as frases abaixo:
Virou pau de água. I. A mãe vela pelo sono do filho doente.
Portanto, com hidrofobia. II. O barco à vela foi movido pelo vento.
Foi morar numa água-furtada.
Deu-lhe água no pulmão. A palavra vela presenta vários sentidos, esta propriedade
Rim flutuante. das palavras é denominada:
Água no joelho. (A) Homonímia;
Hidropsia. (B) Polissemia;
Bolha d’água. (C) Sinonímia;
Gota. (D) Antonímia;
Catarata. (E) Nenhuma das alternativas anteriores.
Morreu afogado.
FERNANDES, Millôr. Trinta anos de mim mesmo. Editora 05. (Pref. Fronteira/MG - Contador - MÁXIMA/2016)
Círculo do Livro: São Paulo, 1975.

O humor do texto é construído por meio do jogo entre


palavras denotativas e conotativas. O principal recurso de
sentido usado, portanto, foi a:
(A) polissemia.
(B) ironia.
(C) intertextualidade. A mensagem dessa tirinha apoia-se no duplo sentido de
(D) ambiguidade. uma palavra através de um recurso:
(A) Vida - homonímia;
02. (SEDUC/PI - Professor Temporário - Língua (B) Balanço - polissemia;
Portuguesa - NUCEPE/2018) (C) Balanço - sinonímia;
(D) Vida - polissemia.

Gabarito

01.D / 02.B / 03.C / 04.B / 05.B

Sentido Próprio e Sentido Figurado


O efeito de humor, na tirinha, é explorado pelo recurso
semântico da: As palavras podem ser empregadas no sentido próprio ou
(A) Sinonímia. no sentido figurado. Exemplos:
(B) Polissemia - Construí um muro de pedra. (Sentido próprio).
(C) Contradição. - Ênio tem um coração de pedra. (Sentido figurado).
(D) Antonímia. - As águas pingavam da torneira. (Sentido próprio).
(E) Ambiguidade. - As horas iam pingando lentamente. (Sentido figurado).
03. (SAMAE de Caxias do Sul/RS - Assistente de Denotação e Conotação
Planejamento - OBJETIVA/2017)
Denotação é o sentido da palavra interpretada ao pé da
letra, isto é, de acordo com o sentido geral que ela tem na
maioria dos contextos em que ocorre. É o sentido próprio da
palavra, aquele encontrado no dicionário. Exemplo: “Uma
pedra no meio da rua foi a causa do acidente.”
A palavra “pedra” aqui está usada em sentido literal, ou
seja, o objeto mesmo.

Língua Portuguesa 8
APOSTILAS OPÇÃO

Conotação é o sentido da palavra desviado do usual, isto é, Questões


aquele que se distancia do sentido próprio e costumeiro.
Exemplo: “As pedras atiradas pela boca ferem mais do que as 01. (PC/CE – Delegado de Polícia Civil – VUNESP)
atiradas pela mão.”
“Pedras”, nesse contexto, não está indicando o que A morte do narrador
usualmente significa, mas um insulto, uma ofensa produzida
pelas palavras. Recentemente recebi um e-mail de uma leitora
perguntando a razão de eu ter, segundo ela, uma visão tão dura
Ampliação de Sentido para com os idosos. O motivo da sua pergunta era eu ter dito,
Fala-se em ampliação de sentido quando a palavra passa a em uma de minhas colunas, que hoje em dia não existiam mais
designar uma quantidade mais ampla de significado do que o vovôs e vovós, porque estavam todos na academia querendo
seu original. parecer com seus netos.
“Embarcar”, por exemplo, que originariamente era usada Claro, minha leitora me entendeu mal. Mas o fato de ela ter
para designar o ato de viajar em um barco, ampliou me entendido mal, o que acontece com frequência quando se
consideravelmente o sentido e passou a designar a ação de discute o tema da velhice, é comum, principalmente porque o
viajar em outros veículos. Hoje se diz, por ampliação de próprio termo “velhice" já pede sinônimos politicamente
sentido, que um passageiro: corretos, como “terceira idade", “melhor idade", “maturidade",
- embarcou em um trem. entre outros.
- embarcou no ônibus das dez. Uma característica do politicamente correto é que, quando
- embarcou no avião da força aérea. ele se manifesta num uso linguístico específico, é porque esse
- embarcou num transatlântico. uso se refere a um conceito já considerado como algo ruim. A
marca essencial do politicamente correto é a hipocrisia
“Alpinista”, na origem, era usado para indicar aquele que articulada como gesto falso, ideias bem comportadas.
escala os Alpes (cadeia montanhosa europeia). Depois, por Voltando à velhice. Minha leitora entendeu que eu dizia
ampliação de sentido, passou a designar qualquer tipo de que idosos devem se afundar na doença, na solidão e no
praticante de escalar montanhas. abandono, e não procurar ser felizes. Mas, quando eu dizia que
eles estão fugindo da condição de avós, usava isso como
Restrição de Sentido metáfora da mentira (politicamente correta) quanto ao medo
Ao lado da ampliação de sentido, existe o movimento que temos de afundar na doença, antes de tudo psicológica,
inverso, isto é, uma palavra passa a designar uma quantidade devido ao abandono e à solidão, típicos do mundo
mais restrita de objetos ou noções do que originariamente. É o contemporâneo. Minha crítica era à nossa cultura, e não às
caso, por exemplo, das palavras que saem da língua geral e vítimas dela. Ela cultua a juventude como padrão de vida e está
passam a ser usadas com sentido determinado, dentro de um intimamente associada ao medo do envelhecimento, da dor e
universo restrito do conhecimento. da morte. Sua opção é pela “negação", traço de um dos
A palavra aglutinação, por exemplo, na nomenclatura sintomas neuróticos descritos por Freud.
gramatical, é bom exemplo de especialização de sentido. Na Walter Benjamim, filósofo alemão do século XX, dizia que
língua geral, ela significa qualquer junção de elementos para na modernidade o narrador da vida desapareceu. Isso quer
formar um todo, porém em Gramática designa apenas um tipo dizer que as pessoas encarregadas, antigamente, de narrar a
de formação de palavras por composição em que a junção dos vida e propor sentido para ela perderam esse lugar. Hoje os
elementos acarreta alteração de pronúncia, como é o caso de mais velhos querem “aprender" com os mais jovens (aprender
pernilongo (perna + longa). a amar, se relacionar, comprar, vestir, viajar, estar nas redes
Se não houver alteração de pronúncia, já não se diz mais sociais). Esse fenômeno, além de cruel com o envelhecimento,
aglutinação, mas justaposição. A palavra Pernalonga, por é também desorganizador da própria juventude. Ouço
exemplo, que designa uma personagem de desenhos cotidianamente, na sala de aula, os alunos demonstrarem seu
animados, não se formou por aglutinação, mas por desprezo por pais e mães que querem aprender a viver com
justaposição. eles.
Em linguagem científica é muito comum restringir-se o Alguns elementos do mundo moderno não ajudam a
significado das palavras para dar precisão à comunicação. combater essa desvalorização dos mais velhos. As ferramentas
A palavra girassol, formada de gira (do verbo girar) + sol, de informação, normalmente mais acessíveis aos jovens,
não pode ser usada para designar, por exemplo, um astro que aumentam a percepção negativa dos mais velhos diante do
gira em torno do Sol, seu sentido sofreu restrição, e ela serve acúmulo de conhecimento posto a serviço dos consumidores,
para designar apenas um tipo de flor que tem a propriedade que questionam as “verdades constituídas do passado". A
de acompanhar o movimento do Sol. própria estrutura sobre a qual se funda a experiência moderna
Há certas palavras que, além do significado explícito, – ciência, técnica, superação de tradição – agrava a
contêm outros implícitos (ou pressupostos). Os exemplos são invisibilidade dos mais velhos. Em termos humanos, o passado
muitos. É o caso do adjetivo outro, por exemplo, que indica (que “nada" serve ao mundo do progresso) tem um nome:
certa pessoa ou coisa, pressupondo necessariamente a idoso. Enfim, resta aos vovôs e vovós ir para a academia ou
existência de ao menos uma além daquela indicada. para as redes sociais.
Prova disso é que não faz sentido, para um escritor que (Luiz Felipe Pondé, Somma, agosto 2014, p. 31. Adaptado)
nunca lançou um livro, dizer que ele estará autografando seu
outro livro. O uso de outro pressupõe necessariamente ao O termo empregado com sentido figurado está em
menos um livro além daquele que está sendo autografado. destaque na seguinte passagem do texto:
(A) Mas o fato de ela ter me entendido mal, o que acontece
com frequência quando se discute o tema da velhice…
(segundo parágrafo).
(B) O motivo da sua pergunta era eu ter dito, em uma de
minhas colunas, que hoje em dia não existiam mais vovôs e
vovós… (primeiro parágrafo).

Língua Portuguesa 9
APOSTILAS OPÇÃO

(C) Walter Benjamim, filósofo alemão do século XX, dizia Transplantei-o para o exíguo canteiro na frente da casa.
que na modernidade o narrador da vida desapareceu. Secaram as pequenas folhas, pensei que fosse morrer. Mas ele
(Penúltimo parágrafo). reagiu. Quando estava do tamanho de um palmo, veio um
(D) A própria estrutura sobre a qual se funda a experiência amigo e declarou desdenhosamente que na verdade aquilo era
moderna – ciência, técnica, superação de tradição – agrava a capim. Quando estava com dois palmos veio outro amigo e
invisibilidade dos mais velhos. (Último parágrafo). afirmou que era cana.
(E) Minha leitora entendeu que eu dizia que idosos devem Sou um ignorante, um pobre homem da cidade. Mas eu
se afundar na doença, na solidão e no abandono… (quarto tinha razão. Ele cresceu, está com dois metros, lança as suas
parágrafo). folhas além do muro – e é um esplêndido pé de milho. Já viu o
leitor um pé de milho? Eu nunca tinha visto. Tinha visto
02. (PC/CE – Escrivão de Polícia Civil – VUNESP) centenas de milharais – mas é diferente. Um pé de milho
sozinho, em um anteiro, espremido, junto do portão, numa
Ficção universitária esquina de rua – não é um número numa lavoura, é um ser vivo
e independente. Suas raízes roxas se agarra mão chão e suas
Os dados do Ranking Universitário publicados em folhas longas e verdes nunca estão imóveis.
setembro de 2013 trazem elementos para que tentemos Anteontem aconteceu o que era inevitável, mas que nos
desfazer o mito, que consta da Constituição, de que pesquisa e encantou como se fosse inesperado: meu pé de milho pendoou.
ensino são indissociáveis. É claro que universidades que fazem Há muitas flores belas no mundo, e a flor do meu pé de milho
pesquisa tendem a reunir a nata dos especialistas, produzir não será a mais linda. Mas aquele pendão firme, vertical,
mais inovação e atrair os alunos mais qualificados, tornando- beijado pelo vento do mar, veio enriquecer nosso canteirinho
se assim instituições que se destacam também no ensino. vulgar com uma força e uma alegria que fazem bem. É alguma
O Ranking Universitário mostra essa correlação de forma coisa de vivo que se afirma com ímpeto e certeza. Meu pé de
cristalina: das 20 universidades mais bem avaliadas em milho é um belo gesto da terra. E eu não sou mais um medíocre
termos de ensino, 15 lideram no quesito pesquisa (e as demais homem que vive atrás de uma chata máquina de escrever: sou
estão relativamente bem posicionadas). Das 20 que saem à um rico lavrador da Rua Júlio de Castilhos.
frente em inovação, 15 encabeçam também a pesquisa. Daí não (Rubem Braga. 200 crônicas escolhidas, 2001)
decorre que só quem pesquisa, atividade estupidamente cara,
seja capaz de ensinar. Assinale a alternativa em que, nas duas passagens, há
O gasto médio anual por aluno numa das três termos empregados em sentido figurado.
universidades estaduais paulistas, aí embutidas todas as
despesas que contribuem direta e indiretamente para a boa (A) ... beijado pelo vento do mar... (3º §) / Meu pé de milho
pesquisa, incluindo inativos e aportes de Fapesp, CNPq e é um belo gesto da terra. (3º §)
Capes, é de R$ 46 mil (dados de 2008). Ora, um aluno do (B) Mas ele reagiu. (1º §) / ... na verdade aquilo era capim.
ProUni custa ao governo algo em torno de R$ 1.000 por ano em (1º §)
renúncias fiscais. (C) Secaram as pequenas folhas... (1º §) / Sou um
Não é preciso ser um gênio da aritmética para perceber ignorante... (2º §)
que o país não dispõe de recursos para colocar os quase sete (D) Ele cresceu, está com dois metros... (2º §) / Tinha visto
milhões de universitários em instituições com o padrão de centenas de milharais... (2º §)
investimento das estaduais paulistas. E o Brasil precisa (E) ... lança as suas folhas além do muro... (2º §) / Há muitas
aumentar rapidamente sua população universitária. Nossa flores belas no mundo... (3º §)
taxa bruta de escolarização no nível superior beira os 30%,
contra 59% do Chile e 63% do Uruguai. 04. (IF/SC – Técnico de Laboratório)
Isso para não mencionar países desenvolvidos como EUA Assinale a opção em que NÃO há palavra usada em sentido
(89%) e Finlândia (92%). Em vez de insistir na ficção conotativo.
constitucional de que todas as universidades do país precisam
dedicar-se à pesquisa, faria mais sentido aceitar o mundo (A) Tuas atitudes são o espelho do teu caráter.
como ele é e distinguir entre instituições de elite voltadas para
a produção de conhecimento e as que se destinam a difundi-lo. (B) Regras podem ser estabelecidas para uma convivência
O Brasil tem necessidade de ambas. pacífica.
(Hélio Schwartsman,: http://www1.folha.uol.com.br, 2013.) (C) Pipocavam palavras no texto, como se fossem rabiscos
coloridos do próprio pensamento
Assinale a alternativa em que a expressão destacada é (D) Choviam risadas naquela peça de humor.
empregada em sentido figurado. (E) A sabedoria abre as portas do conhecimento.
(A) ... universidades que fazem pesquisa tendem a reunir a
nata dos especialistas... 05. (FAPESE - Assistente em Administração -
(B) Os dados do Ranking Universitário publicados em UFS/2018) No período “Tomara que a revolta que eu e muitos
setembro de 2013...
(C) Não é preciso ser um gênio da aritmética para perceber sentiram não morra nas redes sociais”, a forma verbal “morra”
que o país não dispõe de recursos... (do verbo morrer) é:
(D) ... das 20 universidades mais bem avaliadas em termos
de ensino... (A) usada em sentido denotativo;
(E) ... todas as despesas que contribuem direta e (B) 3ª. pessoa do singular do pretérito perfeito, do modo
indiretamente para a boa pesquisa... indicativo;
(C) uma flexão regular da 3ª. pessoa do singular, do
03. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP) pretérito imperfeito, do modo subjuntivo;
Leia o texto para responder a questão. (D) a flexão de 3ª. pessoa do singular, do futuro do
pretérito, do modo indicativo;
Um pé de milho (E) usada em sentido conotativo.

Aconteceu que no meu quintal, em um monte de terra Gabarito


trazido pelo jardineiro, nasceu alguma coisa que podia ser um
pé de capim – mas descobri que era um pé de milho. 01.D / 02.A / 03.A / 04.B / 05.E

Língua Portuguesa 10
APOSTILAS OPÇÃO

FIGURAS DE LINGUAGEM7 - O lugar pelo produto. Exemplo: Gosto muito de tomar


um Porto. (= a vinho da cidade do Porto).
Também chamadas de Figuras de Estilo. Podemos
classificá-las em quatro tipos: - O símbolo ou sinal pela coisa significada. Exemplo: Os
- Figuras de Palavras (ou tropos); revolucionários queriam o trono. (= império, o poder).
- Figuras de Harmonia;
- Figuras de Construção (ou de sintaxe); - A parte pelo todo. Exemplo: Não há teto para os
- Figuras de Pensamento. necessitados. (= a casa).

Figuras de Palavra - O indivíduo pela classe ou espécie. Exemplo: Ele foi o


judas do grupo. (= espécie dos homens traidores).
São as que dependem do uso de determinada palavra com
sentido novo ou com sentido incomum. Vejamos: - O singular pelo plural. Exemplo: O homem é um animal
racional. (o singular homem está sendo usado no lugar do
Metáfora: é um tipo de comparação (mental) sem uso de plural homens).
conectivos comparativos, com utilização de verbo de ligação
explícito na frase. Exemplo: - O gênero ou a qualidade pela espécie. Exemplo: Nós
“Sua boca era um pássaro escarlate.” (Castro Alves) mortais, somos imperfeitos. (= seres humanos).

Catacrese: consiste em transferir a uma palavra o sentido - A matéria pelo objeto. Exemplo: Ele não tem um níquel.
próprio de outra, utilizando-se formas já incorporadas aos (= moeda).
usos da língua. Se a metáfora surpreende pela originalidade da
associação de ideias, o mesmo não ocorre com a catacrese, que Observação: os últimos 5 casos recebem também o nome
já não chama a atenção por ser tão repetidamente usada. de Sinédoque.

Exemplos: Sinédoque: significa a troca que ocorre por relação de


Batata da perna Azulejo vermelho compreensão e que consiste no uso do todo, pela parte do
Pé da mesa Cabeça de alho plural pelo singular, do gênero pela espécie, ou vice-versa.
Exemplo: O mundo é violento. (= os homens)
Comparação ou Símile: é a comparação entre dois
elementos comuns; semelhantes. Normalmente se emprega Perífrase: é a substituição de um nome por uma expressão
uma conjunção comparativa: como, tal qual, assim como, que que facilita a sua identificação.
nem. Exemplo: Exemplo: O país do futebol acredita no seu povo. (país do
“Como um anjo caído, fiz questão de esquecer...” (Legião futebol = Brasil)
Urbana)
Figuras de Harmonia
Sinestesia: é a fusão de no mínimo dois dos cinco sentidos
físicos. Exemplos: São as que reproduzem os efeitos de repetição de sons,
“De amargo e então salgado ficou doce, - Paladar ou ainda quando se busca representa-los. São elas:
Assim que teu cheiro forte e lento - Olfato
Fez casa nos meus braços e ainda leve - Tato Aliteração: repetição consonantal fonética (som da letra)
E forte e cego e tenso fez saber - Visão geralmente no início da palavra.
Que ainda era muito e muito pouco.” (Legião Urbana) Exemplo: “Sonhei que estava sonhando um sonho
sonhado...” (Martinho da Vila)
Antonomásia: quando substituímos um nome próprio
pela qualidade ou característica que o distingue. Exemplos: Assonância: repetição da mesma vogal no decorrer de um
O Águia de Haia (= Rui Barbosa) verso ou poema. Exemplo:
O Pai da Aviação (= Santos Dumont) “Sou Ana, da cama
Da cana, fulana bacana
Metonímia: troca-se uma palavra por outra com a qual ela Sou Ana de Amsterdã.” (Chico Buarque)
se relaciona. Ocorre a metonímia quando substituímos:
- O autor ou criador pela obra. Exemplo: Gosto de ler Paronomásia: reprodução de sons semelhantes através
Jorge Amado (observe que o nome do autor está sendo usado de palavras de significados diferentes. Exemplos:
no lugar de suas obras). “Berro pelo aterro pelo desterro
Berro por seu berro pelo seu erro
- O efeito pela causa e vice-versa. Exemplo: Ganho a vida Quero que você ganhe que você me apanhe
com o suor do meu rosto. (o suor é o efeito ou resultado e está Sou o bezerro gritando mamãe...”
sendo usado no lugar da causa, ou seja, o “trabalho”). (Caetano Veloso)

- O continente pelo conteúdo. Exemplo: Ela comeu uma Figuras de Construção


caixa de doces. (= doces).
Dizem respeito aos desvios de padrão de concordância
- O abstrato pelo concreto e vice-versa. Exemplo: A quer quanto à ordem, omissões ou excessos. Dividem-se em:
velhice deve ser respeitada. (= pessoas velhas).
Omissão
- O instrumento pela pessoa que o utiliza. Exemplo: Ele Assíndeto: ocorre por falta ou supressão de conectivos.
é bom volante. (= piloto ou motorista). Exemplos:
"Saí, bebi, enfim, vivi." (Nel de Moraes)

7
SCHICAIR. Nelson M. Gramática do Português Instrumental. 2ª. ed Niterói:
Impetus, 2007.

Língua Portuguesa 11
APOSTILAS OPÇÃO

"Vim, vi e venci." (Júlio César) “Enquanto manda as ninfas amorosas pôr grinaldas de
rosas na cabeça.”
Elipse: supressão de vocábulo(s) que são facilmente Sínquise: há uma inversão violenta de distantes partes da
identificável(is). Exemplos: oração. É um hipérbato "hiperbólico". Exemplos:
"(Eu) Queria ser um pássaro dentro da noite." “...entre vinhedo e sebe
"No céu, (há) estrelas que brilham indômitas." corre uma linfa e ele no seu de faia
de ao pé do Alfeu Tarro escultado bebe.”
Zeugma: elipse especial que consiste na supressão de um (Alberto de Oliveira)
termo já, anteriormente, expresso no contexto. Exemplos: “Uma linfa corre entre vinhedo e sebe, e ele bebe no seu
"Nós nos desejamos e (nós) não nos possuímos." Tarro escultado, de faia, ao pé do Alfeu.”
"Foi saqueada a vila, e (foram) assassinados os partidários
dos Filipes." (Camilo Castelo Branco) Quiasmo: inversão de palavras que se repetem. Exemplos:
"Tinha uma pedra no meio do meu caminho. / No meio do meu
Repetição caminho tinha uma pedra."
Anáfora: é a repetição intencional de palavras, no início de (G. D. Andrade)
um período, frase ou verso. Exemplos:
“Eu quase não saio Concordância Ideológica
Eu quase não tenho amigo Silepse: é a concordância feita pela ideia, e não através das
Eu quase não consigo prerrogativas das classes das palavras. São três:
Ficar na cidade sem viver contrariado."
(Gilberto Gil) a) De Gênero: masculino e feminino não concordam. Ex.:
"A vítima era lindo e o carrasco estava temerosa quanto à
Polissíndeto: repetição enfática de conjunções reação da população."
coordenativas (geralmente e). Exemplos: Perceba que vítima e carrasco não receberam de seus
"E saber, e crescer, e ser, e haver adjetivos lindo e temerosa a 'atenção' devida, por quê? Isso se
E perder, e sofrer, e ter horror." deve à ideia de que os substantivos sobrecomuns designam
(Vinícius de Morais) ambos os sexos, e não ambos os gêneros, portanto, por
questões estilísticas, o autor do texto preferiu a ideia à regra
Pleonasmo: repetição da ideia, isto é, redundância gramatical rígida que impõe que adjetivos concordem em
semântica e sintática, divide-se em: gênero com o substantivo, não em sexo.
a) Gramatical: com objetos direto ou indireto redundantes,
chamam-nos pleonásticos. Exemplos: b) De Número: singular e plural não concordam entre si.
"Perdoo-te a ti, meu amor." Ex.: "O esquadrão sobrevoaram o céu azul daquela manhã
"O carro velho, eu o vendi ontem." de verão."
Ocorre algo semelhante na silepse de número, apenas se
b) Vicioso: deve ser evitado por não acrescentar ressalve que nesses casos o 'desprezo' se dá quanto à
informação nova ao que já havia sido dito anteriormente. concordância verbal, afinal, esquadrão é palavra de natureza
Exemplos: subir para cima; descer para baixo; repetir de novo; coletiva (coletivo de aviões) e, mais uma vez por questões
hemorragia sanguínea; protagonista principal; monopólio estilísticas, o autor preferiu à regra, na qual se baseia a
exclusivo. Gramática Normativa, o livre voar de suas ideias.

Ruptura c) De Pessoa: sujeito e verbo não concordam entre si. Ex.:


Anacoluto: a construção do período deixa um ou mais “A gente não sabemos escolher presidente.”
termos sem função sintática. Dê atenção especial porque o “A gente não sabemos tomar conta da gente."
anacoluto é parecido com o pleonasmo, ou melhor, na (Ultraje a Rigor)
tentativa de um pleonasmo sintático, muitas vezes, acaba-se Nos casos de silepse de pessoa há, por parte do autor, uma
por criar a ruptura. Exemplo: clara intromissão, característica do discurso indireto livre,
"Os meus vizinhos, não confio mais neles." - a função quando, ao informar, o emissor se coloca como parte da ação.
sintática de os meus vizinhos é nula, não há; entretanto, se
houvesse preposição (Nos meus vizinhos, não confio mais Figuras de Pensamento
neles), o termo seria objeto indireto, enquanto neles seria o
objeto indireto pleonástico. São recursos de linguagem que se referem ao aspecto
semântico, ou seja, ao significado dentro de um contexto.
Inversão
Anástrofe: inversão sintática leve. Exemplos: Antítese: é a aproximação de palavras de sentidos
"Tão leve estou que já nem sombra tenho." (ordem contrários, antagônicos. Exemplos:
inversa) (Mário Quintana) "Onde queres prazer, sou o que dói
"Estou tão leve que já não tenho sombra." (ordem direta) E onde queres tortura, mansidão
Onde, queres um lar, Revolução
Hipálage: inversão de um adjetivo (uma qualidade que E onde queres bandido, sou herói."
pertence a um é atribuída a outro substantivo). Exemplos: (Caetano Veloso)
“A mulher degustava lânguida cigarrilha.”
Lânguida = sensual, portanto lânguida é a mulher, e não a Paradoxo ou Oximoro: é mais que a aproximação
cigarrilha como faz supor. antitética; é a própria ideia que se contradiz. Exemplos:
"Em cada olho um grito castanho de ódio." (Dalton Trevisan) "O mito é o nada que é tudo." (Fernando Pessoa)
Castanhos são os olhos, e não o grito. "Mas tão certo quanto o erro de seu barco a motor é insistir
em usar remos."
(Legião Urbana)
Hipérbato: inversão complexa de termos da frase.
Exemplos:
Apóstrofe: é a evocação, o chamamento. Identifica-se
"Enquanto manda as ninfas amorosas grinaldas nas
facilmente na função sintática do VOCATIVO. Exemplos:
cabeças pôr de rosas." (Camões)

Língua Portuguesa 12
APOSTILAS OPÇÃO

"Ó lindo mar verdejante, "Você está exagerando. Não subestime a sua inteligência."
tuas ondas entoam cantos, - porque ela é inteligente.
és tu o dono reinante
das brancas marés espumantes..." Questões
(Nel de Moraes)
01. (IF/PA - Assistente em Administração - FUNRIO/2016)
Perífrase: designação dos objetos, acidentes geográficos, “Quero um poema ainda não pensado, / que inquiete as marés
indivíduos e outros que não queremos simplesmente nomear. de silêncio da palavra ainda não escrita nem pronunciada, /
Exemplos: que vergue o ferruginoso canto do oceano / e reviva a ruína
"Última Flor do Lácio8, inculta e bela, que são as poças d’água. / Quero um poema para vingar minha
és a um tempo esplendor e sepultura." insônia.” (Olga Savary, “Insônia”)
(Olavo Bilac)
Cidade Luz [z: Paris)
Nesses versos finais do poema, encontramos as seguintes
Veneza Brasileira (= Recife)
figuras de linguagem:
Cidade Maravilhosa (= Rio de Janeiro)
(A) silepse e zeugma
Rei dos Animais (= leão)
(B) eufemismo e ironia.
(C) prosopopeia e metáfora.
Gradação: é uma sequência de palavras ou ideias que
(D) aliteração e polissíndeto.
servem de intensificação numa sequência temporal. Ex.:
(E) anástrofe e aposiopese.
"Dissecou-a a tal ponto, e com tal arte, que ela, rota, baça,
nojenta, vil."
(Raimundo Corrêa)
02. (IF/PA - Auxiliar em Administração - FUNRIO/2016)
“Eu sou de lá / Onde o Brasil verdeja a alma e o rio é mar / Eu
Ironia: consiste em dizer o oposto do que se pensa, com sou de lá / Terra morena que eu amo tanto, meu Pará.” (Pe. Fábio
de Melo, “Eu Sou de Lá”)
intenção sarcástica ou depreciativa. Exemplos:
"A excelente Dona lnácia era mestra na arte de judiar de
Nesse trecho da canção gravada por Fafá de Belém,
criança." (Monteiro Lobato)
encontramos a seguinte figura de linguagem:
"Dona Clotilde, o arcanjo do seu filho quebrou minhas
(A) antítese.
vidraças."
(B) eufemismo.
(C) ironia
Hipérbole: é a figura do exagero, a fim de proporcionar
(D) metáfora
uma imagem chocante ou emocionante. Exemplos:
(E) silepse.
"Rios te correrão dos olhos, se chorares!" (Olavo Bilac)
"Existem mil maneiras de preparar Neston."
03. (Pref. de Itaquitinga/PE - Técnico em Enfermagem
- IDHTEC/2016)
Eufemismo: Figura que atenua ideias desagradáveis ou
penosas. Exemplos:
MAMÃ NEGRA (Canto de esperança)
"E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir
Deus lhe pague." (Chico Buarque)
Tua presença, minha Mãe - drama vivo duma Raça, Drama
Paz derradeira = morte
de carne e sangue Que a Vida escreveu com a pena dos séculos!
Pelo teu regaço, minha Mãe, Outras gentes embaladas à voz da
"Aquele homem de índole duvidosa apropriou-se (ladrão)
ternura ninadas do teu leite alimentadas de bondade e poesia
indevidamente dos meus pertences." (roubou)
de música ritmo e graça... santos poetas e sábios... Outras
gentes... não teus filhos, que estes nascendo alimárias
Disfemismo: expressão grosseira em lugar de outra,
semoventes, coisas várias, mais são filhos da desgraça: a
suave, branda. Exemplo:
enxada é o seu brinquedo trabalho escravo - folguedo... Pelos
“Você não passa de um porco ... um pobretão.”
teus olhos, minha Mãe Vejo oceanos de dor Claridades de sol-
posto, paisagens Roxas paisagens Mas vejo (Oh! se vejo! ...) mas
Personificação ou Prosopopeia: Consiste em dar vida a
vejo também que a luz roubada aos teus [olhos, ora esplende
seres inanimados. Exemplos:
demoniacamente tentadora - como a Certeza... cintilantemente
"O vento beija meus cabelos
firme - como a Esperança... em nós outros, teus filhos, gerando,
As ondas lambem minhas pernas
formando, anunciando - o dia da humanidade.
O sol abraça o meu corpo." (Viriato da Cruz. Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império)
(Lulu Santos - Nelson Motta)

O poema, Mamã Negra:


"Sob o sol respira o mar,
(A) É uma metáfora para a pátria sendo referência de um
dedilhando as ondas, belo olhar.
país africano que foi colonizado e teve sua população
Faiscando espumas, lágrimas
escravizada.
saúdam sereias amantes:
(B) É um vocativo e clama pelos efeitos negativos da
Te escutam, te amam, te lambem."
(Nel de Moraes)
escravização dos povos africanos.
(C) É a referência resumida a todo o povo que compõe um
Reificação: consiste em 'coisificar' os seres humanos. país libertado depois de séculos de escravidão.
Exemplo: "Tia, já botei os candidatos na lista." (D) É o sofrimento que acometeu todo o povo que ficou na
terra e teve seus filhos levados pelo colonizador.
Lítotes: consiste em negar por afirmação ou vice-versa. (E) É a figura do colonizador que mesmo exercendo o
Exemplos: poder por meio da opressão foi “ninado “ela Mamã Negra.
"Ela até que não é feia." -logo, é bonita!

8
Flor do Lácio (= Língua Portuguesa)

Língua Portuguesa 13
APOSTILAS OPÇÃO

04. (Pref. de Florianópolis/SC - Auxiliar de Sala - Percebemos9 que há um elemento comum a todas elas: a
FEPESE/2016) Analise as frases abaixo: forma escol-. Além disso, em todas há elementos destacáveis,
responsáveis por algum detalhe de significação. Compare, por
1. “Calções negros corriam, pulavam durante o jogo.” exemplo, escola e escolar: partindo de escola, formou-se
2. A mulher conquistou o seu lugar! escolar pelo acréscimo do elemento destacável: ar.
3. Todo cais é uma saudade de pedra. Por meio desse trabalho de comparação entre as diversas
4. Os microfones foram implacáveis com os novos artistas. palavras que selecionamos, podemos depreender a existência
de diferentes elementos formadores. Cada um desses
Assinale a alternativa que corresponde correta e elementos formadores é uma unidade mínima de significação,
sequencialmente às figuras de linguagem apresentadas: um elemento significativo indecomponível, a que damos o
(A) metáfora, metonímia, metáfora, metonímia nome de morfema.
(B) metonímia, metonímia, metáfora, metáfora
(C) metonímia, metonímia, metáfora, metonímia Classificação dos Morfemas
(D) metonímia, metáfora, metonímia, metáfora
(E) metáfora, metáfora, metonímia, metáfora Radical: há um morfema comum a todas as palavras que
estamos analisando: escol-.
05. (COMLURB - Técnico de Segurança do Trabalho - É esse morfema comum - o radical - que faz com que as
IBFC/2016) Leia o poema abaixo e assinale a alternativa que consideremos palavras de uma mesma família de significação.
indica a figura de linguagem presente no texto: - Nos cognatos o radical é a parte da palavra responsável
por sua significação principal.
Amor é fogo que arde sem se ver
Amor é fogo que arde sem se ver; Afixos: como vimos, o acréscimo do morfema - ar - cria
É ferida que dói e não se sente; uma nova palavra a partir de escola. De maneira semelhante, o
É um contentamento descontente; acréscimo dos morfemas sub e arização à forma escol
É dor que desatina sem doer; criou subescolarização. Esses morfemas recebem o nome de
(Camões) afixos.
Quando são colocados antes do radical, como acontece
(A) Onomatopeia com sub, os afixos recebem o nome de prefixos. Quando, como
(B) Metáfora arização, surgem depois do radical os afixos são chamados
(C) Personificação de sufixos.
(D) Pleonasmo - Prefixos e Sufixos, além de operar mudança de classe
gramatical, são capazes de introduzir modificações de
Respostas significado no radical a que são acrescentados.
01.C / 02.D / 03.A / 04.C / 05.B
Desinências: quando se conjuga o verbo amar, obtêm-se
formas como amava, amavas, amava, amávamos, amáveis,
2. Estrutura e formação de amavam. Essas modificações ocorrem à medida que o verbo
vai sendo flexionado em número (singular e plural) e pessoa
palavras; emprego das (primeira, segunda ou terceira). Também ocorrem se
diferentes classes de palavras. modificarmos o tempo e o modo do verbo (amava, amara,
2.1 Valor semântico de amasse, por exemplo).
Assim, podemos concluir, que existem morfemas que
elementos mórficos. 2.2 Uso e indicam as flexões das palavras. Esses morfemas sempre
função do artigo, dos surgem no fim das palavras variáveis e recebem o nome de
pronomes e numerais. 2.3 desinências, no qual podem ser divididos em:
Valor substantivo, adjetivo e a) Desinências nominais: indicam o gênero e o número
adverbial dos vocábulos dos nomes. Para a indicação de gênero, o português costuma
portugueses. 2.4 Emprego de opor as desinências -o/-a: garoto/garota; menino/menina.
Para a indicação de número, costuma-se utilizar o
preposições e conjunções que morfema –s, que indica o plural em oposição à ausência de
conferem coesão e coerência morfema, que indica o singular: garoto/garotos;
ao texto escrito. 3. Relações de garota/garotas; menino/meninos; menina/meninas.
No caso dos nomes terminados em –r e– z, a desinência de
sentido entre segmentos do plural assume a forma -es:
texto. mar/mares;
revólver/revólveres;
cruz/cruzes.
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS
b) Desinências verbais: em nossa língua, as desinências
Observe as seguintes palavras: verbais pertencem a dois tipos distintos. Há aqueles que
escol-a indicam o modo e o tempo (desinências modo-temporais) e
escol-ar aquelas que indicam o número e a pessoa dos verbos
escol-arização (desinência número-pessoais):
escol-arizar cant-á-va-mos
sub-escol-arização cant-á-sse-is

9
http://www.brasilescola.com/gramatica/estrutura-e-formacao-de-palavras-
i.htm

Língua Portuguesa 14
APOSTILAS OPÇÃO

cant: radical Derivação por Acréscimo de Afixos


cant: radical É o processo pelo qual se obtêm palavras novas
-á-: vogal temática (derivadas) pela anexação de afixos à palavra primitiva. A
-á-: vogal temática derivação pode ser: prefixal, sufixal e parassintética.

-va-: desinência modo-temporal(caracteriza o pretérito a) Prefixal (ou prefixação): a palavra nova é obtida por
imperfeito do indicativo). acréscimo de prefixo.
-sse-: desinência modo-temporal (caracteriza o pretérito In------ --feliz des----------leal
imperfeito do subjuntivo). Prefixo radical prefixo radical
-mos: desinência número-pessoal (caracteriza a primeira
pessoa do plural). b) Sufixal (ou sufixação): a palavra nova é obtida por
-is: desinência número-pessoal (caracteriza a segunda acréscimo de sufixo.
pessoa do plural). Feliz---- mente leal------dade
Radical sufixo radical sufixo
Vogal Temática: observe que, entre o radical cant- e as
desinências verbais, surge sempre o morfema– a. c) Parassintética: a palavra nova é obtida pelo acréscimo
Esse morfema, que liga o radical às desinências, é chamado simultâneo de prefixo e sufixo (não posso retirar o prefixo nem
de vogal temática. Sua função é ligar-se ao radical, o sufixo que estão ligados ao radical, pois a palavra não
constituindo o chamado tema. É ao tema (radical + vogal “existiria”). Por parassíntese formam-se principalmente
temática) que se acrescentam as desinências. Tanto os verbos verbos.
como os nomes apresentam vogais temáticas. En-- -----trist- ----ecer
Prefixo radical sufixo
Vogais Temáticas Nominais: são -a, -e, e -o, quando
átonas finais, como em mesa, artista, busca, perda, escola, en----- ---tard--- --ecer
triste, base, combate. Nesses casos, não poderíamos pensar que prefixo radical sufixo
essas terminações são desinências indicadoras de gênero, pois
a mesa, a escola, por exemplo, não sofrem esse tipo de flexão. Outros Tipos de Derivação
É a essas vogais temáticas que se liga a desinência indicadora Há dois casos em que a palavra derivada é formada sem
de plural: que haja a presença de afixos. São eles: a derivação regressiva
mesa-s, escola-s, perda-s. Os nomes terminados em vogais e a derivação imprópria.
tônicas (sofá, café, cipó, caqui, por exemplo) não apresentam
vogal temática. a) Derivação regressiva: a palavra nova é obtida por
redução da palavra primitiva. Ocorre, sobretudo, na formação
Vogais temáticas verbais: são -a, -e e- i, que caracterizam de substantivos derivados de verbos.
três grupos de verbos a que se dá o nome de conjugações. Por exemplo: A pesca está proibida. (pescar). Proibida a
Assim, os verbos cuja vogal temática é -a pertencem à primeira caça. (caçar)
conjugação; aqueles cuja vogal temática é -e pertencem à
segunda conjugação e os que têm vogal temática -i pertencem b) Derivação imprópria: a palavra nova (derivada) é
à terceira conjugação. obtida pela mudança de categoria gramatical da palavra
primitiva. Não ocorre, pois, alteração na forma, mas tão
primeira conj. segunda conj. terceira conj. somente na classe gramatical. Por exemplo:
govern-a-va estabelec-e-sse defin-i-ra Não entendi o porquê da briga. (o substantivo porquê
atac-a-va cr-e-ra imped-i-sse deriva da conjunção porque)
realiz-a-sse mex-e-rá g-i-mos Seu olhar me fascina! (o verbo olhar tornou-se, aqui,
substantivo)
Vogal ou consoante de ligação: as vogais ou consoantes
de ligação são morfemas que surgem por motivos eufônicos, Outros processos de formação de palavras
ou seja, para facilitar ou mesmo possibilitar a leitura de uma - Hibridismo: é a palavra formada com elementos
determinada palavra. Temos um exemplo de vogal de ligação oriundos de línguas diferentes.
na palavra escolaridade: o - i - entre os sufixos- ar- e -dade automóvel (auto: grego; móvel: latim)
facilita a emissão vocal da palavra. Outros exemplos: sociologia (socio: latim; logia: grego)
gasômetro, alvinegro, tecnocracia, paulada, cafeteira, chaleira, sambódromo (samba: dialeto africano; dromo: grego)
tricota.
- Abreviação vocabular: cujo traço peculiar manifesta-se
Processos de Formação de Palavras por meio da eliminação de um segmento de uma palavra no
intuito de se obter uma forma mais reduzida, geralmente
Composição aquelas mais longas. Vejamos alguns exemplos:
Haverá composição quando se juntarem dois ou mais metropolitano – metrô
radicais para formar nova palavra. Há dois tipos de extraordinário – extra
composição: justaposição e aglutinação. otorrinolaringologista – otorrino
a) Justaposição: ocorre quando os elementos que formam telefone – fone
o composto são postos lado a lado, ou seja, justapostos. Por pneumático – pneu
exemplo: Corre-corre, guarda-roupa, segunda-feira, girassol.
- Onomatopeia: consiste em criar palavras, tentando
b) Aglutinação: ocorre quando os elementos que formam imitar sons da natureza ou sons repetidos. Por
o composto se aglutinam e pelo menos um deles perde sua exemplo: zum-zum, cri-cri, tique-taque, pingue-pongue, blá-
integridade sonora. Por exemplo: Aguardente (água + blá-blá.
ardente), planalto (plano + alto), pernalta (perna + alta),
vinagre (vinho + acre) - Siglas: as siglas são formadas pela combinação das letras
iniciais de uma sequência de palavras que constitui um nome.

Língua Portuguesa 15
APOSTILAS OPÇÃO

Por exemplo: IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Usa-se o artigo definido:


Estatística); IPTU (Imposto Predial, Territorial e Urbano). - com a palavra ambos: falou-nos que ambos os culpados
As siglas escrevem-se com todas as letras maiúsculas, a não foram punidos.
ser que haja mais de três letras e a sigla seja - com nomes próprios geográficos de estado, país, oceano,
pronunciável sílaba por sílaba. montanha, rio, lago: o Brasil, o rio Amazonas, a Argentina, o
Por exemplo: Unicamp, Petrobras. oceano Pacífico. Ex.: Conheço o Canadá mas não conheço
Brasília.
Questões - depois de todos/todas + numeral + substantivo: Todos
os vinte atletas participarão do campeonato.
01. Assinale a opção em que todas as palavras se formam - com o superlativo relativo: Mariane escolheu as mais
pelo mesmo processo: lindas flores da floricultura.
A) ajoelhar / antebraço / assinatura - com a palavra outro, com sentido determinado: Marcelo
B) atraso / embarque / pesca tem dois amigos: Rui é alto e lindo, o outro é atlético e
C) o jota / o sim / o tropeço simpático.
D) entrega / estupidez / sobreviver - antes dos nomes das quatro estações do ano: Depois da
E) antepor / exportação / sanguessuga primavera vem o verão.
- com expressões de peso e medida: O álcool custa um real
02. A palavra “aguardente” formou-se por: o litro. (=cada litro)
A) hibridismo
B) aglutinação Não se usa o artigo definido:
C) justaposição - antes de pronomes de tratamento iniciados por
D) parassíntese possessivos: Vossa Excelência, Vossa Senhoria. Ex.: Vossa
E) derivação regressiva Alteza estará presente ao debate?
- antes de nomes de meses: O campeonato aconteceu em
03. Que item contém somente palavras formadas por maio de 2002.
justaposição? - alguns nomes de países, como Espanha, França,
A) desagradável - complemente Inglaterra, Itália podem ser construídos sem o artigo,
B) vaga-lume - pé-de-cabra principalmente quando regidos de preposição. Ex.: “Viveu
C) encruzilhada - estremeceu muito tempo em Espanha.”
D) supersticiosa - valiosas - antes de todos / todas + numeral: Eles são, todos
E) desatarraxou - estremeceu quatro, amigos de João Luís e Laurinha.
- antes de palavras que designam matéria de estudo,
04. “Sarampo” é: empregadas com os verbos: aprender, estudar, cursar,
A) forma primitiva ensinar. Ex.: Estudo Inglês e Cristiane estuda Francês.
B) formado por derivação parassintética
C) formado por derivação regressiva O uso do artigo é facultativo:
D) formado por derivação imprópria - antes do pronome possessivo: Sua / A sua incompetência
E) formado por onomatopeia é irritante.
- antes de nomes próprios de pessoas: Você já visitou
05. As palavras são formadas através de derivação Luciana / a Luciana?
parassintética em - “Daqui para a frente, tudo vai ser diferente.” (Para a
A)infelizmente, desleal, boteco, barraco. frente: exige a preposição)
B)ajoelhar, anoitecer, entristecer, entardecer.
C)caça, pesca, choro, combate. Formas combinadas do artigo definido: Preposição + o = ao
D)ajoelhar, pesca, choro, entristecer. / de + o, a = do, da / em + o, a = no, na / por + o, a = pelo, pela.

Gabarito Usa-se o artigo indefinido:


01.B / 02.B / 03.B / 04.C / 05.B - para indicar aproximação numérica: Nicole devia ter uns
oito anos.
CLASSES DE PALAVRAS - antes dos nomes de partes do corpo ou de objetos em
pares: Usava umas calças largas e umas botas longas.
Em Classes de Palavras, estudaremos artigo, substantivo, - em linguagem coloquial, com valor intensivo: Rafaela é
adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, uma meiguice só.
interjeição e conjunção. E dentro de cada uma, abordaremos - para comparar alguém com um personagem célebre: Luís
seu emprego e quando houver, sua flexão. August é um Rui Barbosa.

Artigo O artigo indefinido não é usado:


- em expressões de quantidade: pessoa, porção, parte,
É a palavra que acompanha o substantivo, indicando-lhe o gente, quantidade. Ex.: Reservou para todos boa parte do lucro.
gênero e o número, determinando-o ou generalizando-o. Os - com adjetivos como: escasso, excessivo, suficiente. Ex.:
artigos podem ser: Não há suficiente espaço para todos.
Definidos: o, a, os, as; determinam os substantivos, trata de - com substantivo que denota espécie. Ex.: Cão que ladra
um ser já conhecido; denota familiaridade: “A grande reforma não morde.
do ensino superior é a reforma do ensino fundamental e do
médio.” Formas combinadas do artigo indefinido: Preposição de e
Indefinidos: um, uma, uns, umas; Trata-se de um ser em + um, uma = num, numa, dum, duma.
desconhecido, dá ao substantivo valor vago: “...foi chegando
um caboclinho magro, com uma taquara na mão.” (A. Lima) O artigo (o, a, um, uma) anteposto a qualquer palavra
transforma-a em substantivo. O ato literário é o conjunto do
ler e do escrever.

Língua Portuguesa 16
APOSTILAS OPÇÃO

Questões II - Artigo é a palavra que antecede o substantivo,


definindo-o ou indefinindo-o. Numeral é a palavra que
01. (Banestes - Analista Econômico Financeiro - Gestão expressa quantidade exata de pessoas ou coisas, ou lugar que
Contábil - FGV/2018) A frase abaixo em que o emprego do elas ocupam numa determinada sequência.
artigo mostra inadequação é: III - Os numerais classificam-se em: cardinais (designam
(A) Todas as coisas que hoje se creem antiquíssimas já uma quantidade de seres); ordinais (indicam série, ordem,
foram novas; posição); multiplicativos (expressam aumento proporcional a
(B) Cuidado com todas as coisas que requeiram roupas um múltiplo da unidade); fracionários (denotam diminuição
novas; proporcional a divisões, frações da unidade).
(C) Todos os bons pensamentos estão presentes no IV - O numeral pode referir-se a um substantivo ou
mundo, só falta aplicá-los; substituí-lo; no primeiro caso, é numeral substantivo; no
(D) Em toda a separação existe uma imagem da morte; segundo, numeral adjetivo.
(E) Alegria de amor dura apenas um instante, mas
sofrimento de amor dura toda a vida. (A) Apenas II, III e IV estão corretas.
(B) Apenas I, III e IV estão corretas.
02. (IF/AP – Auxiliar em Administração – (C) Apenas I, II e III estão corretas.
FUNIVERSA/2016) (D) Apenas I, II e IV estão corretas.

Gabarito

01.D / 02.E / 03.C / 04.C

Substantivo

É a palavra que dá nomes aos seres. Inclui os nomes de


pessoas, de lugares, coisas, entes de natureza espiritual ou
mitológica: vegetação, sereia, cidade, anjo, árvore, respeito,
criança.

Classificação
- Comuns: nomeiam os seres da mesma espécie. Ex.:
menina, piano, estrela, rio, animal, árvore.
- Próprios: referem-se a um ser em particular. Ex.: Brasil,
América do Norte, Deus, Paulo, Lucélia.
- Concretos: são aqueles que têm existência própria; são
independentes; reais ou imaginários. Ex.: mãe, mar, água, anjo,
alma, Deus, vento, saci.
- Abstrato: são os que não têm existência própria; depende
Internet: <http://educacaoepraxis.blogspot.com.br>.
sempre de um ser para existir. Designam qualidades,
sentimentos, ações, estados dos seres: dor, doença, amor, fé,
No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a
beijo, abraço, juventude, covardia. Ex.: É necessário alguém ser
substantivo, pronome, artigo e advérbio:
ou estar triste para a tristeza manifestar-se.
(A) “guerra”, “o”, “a” e “por que”.
(B) “mundo”, “a”, “o” e “lá”.
Formação
(C) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.
- Simples: são aqueles formados por apenas um radical:
(D) “por que”, “não”, “a” e “quando”.
chuva, tempo, sol, guarda.
(E) “guerra”, “quando”, “a” e “não”.
- Compostos: são os que são formados por mais de dois
radicais: guarda-chuva, girassol, água-de-colônia.
03. (SESAP/RN - Técnico em Enfermagem -
- Primitivos: são os que não derivam de outras palavras;
COMPERVE/2018)
vieram primeiro, deram origem a outras palavras. Ex.: ferro,
Pedro, mês, queijo.
Nas décadas subsequentes, vários estudos
- Derivados: são formados de outra palavra já existente;
correlacionaram os hábitos dos pacientes como fatores de
vieram depois. Ex.: ferradura, pedreiro, mesada, requeijão.
risco para doenças cardiovasculares. Sedentarismo,
- Coletivos: os substantivos comuns que, mesmo no
tabagismo, obesidade, entre outros, aumentam drasticamente
singular, designam um conjunto de seres de uma mesma
as chances de enfarte.
espécie. Ex.:
Com relação à quantidade de artigos no trecho, há Álbum de fotografias Colmeia de abelhas
(A) cinco. de bispos em
(B) três. Alcateia de lobos Concílio
assembleia
(C) quatro. de textos
(D) dois. Antologia Conclave de cardeais
escolhidos
Arquipélago ilhas Cordilheira de montanhas
04. (Prefeitura Tanguá/RJ - Técnico de Enfermagem -
MS Concursos/2017) Considere as afirmações sobre artigo e Reflexão do Substantivo
numeral e assinale a alternativa correta: Os substantivos apresentam variações ou flexões de gênero
I - Algumas palavras que atendem o substantivo, como um, (masculino/feminino), de número (plural/singular) e de grau
em “um dia”, podem modificar-lhe o sentido. Podemos (aumentativo/diminutivo).
entender a expressão como “um dia qualquer” e também como
“um único dia.” Na primeira situação, a palavra um é artigo; na
segunda, um é numeral. ]

Língua Portuguesa 17
APOSTILAS OPÇÃO

Gênero (masculino/feminino) - ão por ãe: pão, pães / charlatão, charlatães / alemão,


Na língua portuguesa há dois gêneros: masculino e alemães / cão, cães.
feminino. A regra para a flexão do gênero é a troca de o por a, - il por is (oxítonas): funil, funis / fuzil, fuzis / canil, canis /
ou o acréscimo da vogal a, no final da palavra: mestre, mestra. pernil, pernis.
- por eis (paroxítonas): fóssil, fósseis / réptil, répteis /
Formação do Feminino projétil, projéteis.
O feminino se realiza de três modos: - m por ns: nuvem, nuvens / som, sons / vintém, vinténs /
- Flexionando-se o substantivo masculino: filho, filha / atum, atuns.
mestre, mestra / leão, leoa; - zito, zinho - 1º coloca-se o substantivo no plural: balão,
- Acrescentando-se ao masculino a desinência “a” ou um balões. 2º elimina-se o S + zinhos.
sufixo feminino: autor, autora / deus, deusa / cônsul, Balão – balões – balões + zinhos: balõezinhos.
consulesa / cantor, cantora / reitor, reitora. Papel – papéis – papel + zinhos: papeizinhos.
- Utilizando-se uma palavra feminina com radical Cão – cães - cãe + zitos: Cãezitos.
diferente: pai, mãe / homem, mulher / boi, vaca / carneiro,
ovelha / cavalo, égua. Alguns substantivos terminados em X são invariáveis
(valor fonético = cs): os tórax, os tórax / o ônix, os ônix / a fênix,
Substantivos Uniformes as fênix / uma Xerox, duas Xerox / um fax, dois fax.
- Epicenos: designam certos animais e têm um só gênero,
quer se refiram ao macho ou à fêmea. – jacaré macho ou fêmea Substantivos terminados em ÃO com mais de uma forma
/ a cobra macho ou fêmea. no plural:
- Comuns de dois gêneros: apenas uma forma e designam aldeão, aldeões, aldeãos;
indivíduos dos dois sexos. São masculinos ou femininos. A verão, verões, verãos;
indicação do sexo é feita com uso do artigo masculino ou anão, anões, anãos;
feminino: o, a intérprete / o, a colega / o, a médium / o, a guardião, guardiões, guardiães;
pianista. corrimão, corrimãos, corrimões;
- Sobrecomuns: designam pessoas e têm um só gênero ancião, anciões, anciães, anciãos;
para homem ou a mulher: a criança (menino, menina) / a ermitão, ermitões, ermitães, ermitãos.
testemunha (homem, mulher) / o cônjuge (marido, mulher).
Metafonia - apresentam o “o” tônico fechado no singular e
Alguns substantivos que mudam de sentido, quando se aberto no plural: caroço (ô), caroços (ó) / imposto (ô),
troca o gênero: impostos (ó).
o lotação (veículo) - a lotação (efeito de lotar);
o capital (dinheiro) - a capital (cidade); Substantivos que mudam de sentido quando usados no
o cabeça (chefe, líder) - a cabeça (parte do corpo); plural: Fez bem a todos (alegria); Houve separação de bens.
o guia (acompanhante) - a guia (documentação). (Patrimônio); Conferiu a féria do dia. (Salário); As férias foram
maravilhosas. (Descanso).
São masculinos: o eclipse, o dó, o dengue (manha), o
champanha, o soprano, o clã, o alvará, o sanduíche, o clarinete, Substantivos empregados somente no plural: Arredores,
o Hosana, o espécime, o guaraná, o diabete ou diabetes, o tapa, belas-artes, bodas (ô), condolências, cócegas, costas, exéquias,
o lança-perfume, o praça (soldado raso), o pernoite, o férias, olheiras, fezes, núpcias, óculos, parabéns, pêsames,
formicida, o herpes, o sósia, o telefonema, o saca-rolha, o viveres, idos, afazeres, algemas.
plasma, o estigma.
Plural dos Substantivos Compostos
São femininos: a dinamite, a derme, a hélice, a aluvião, a
análise, a cal, a gênese, a entorse, a faringe, a cólera (doença), Somente o segundo (ou último) elemento vai para o plural:
a cataplasma, a pane, a mascote, a libido (desejo sexual), a rês,
a sentinela, a sucuri, a usucapião, a omelete, a hortelã, a fama, - palavra unida sem hífen: pontapé = pontapés / girassol
a Xerox, a aguardente. = girassóis / autopeça = autopeças.
- verbo + substantivo: saca-rolha = saca-rolhas / arranha-
Número (plural/singular) céu = arranha-céus / bate-bola = bate-bolas / guarda-roupa =
Acrescentam-se: guarda-roupas / guarda-sol = guarda-sóis / vale-refeição =
- S – aos substantivos terminados em vogal ou ditongo: vale-refeições.
povo, povos / feira, feiras / série, séries. - elemento invariável + palavra variável: sempre-viva =
- S – aos substantivos terminados em N: líquen, liquens / sempre-vivas / abaixo-assinado = abaixo-assinados / recém-
abdômen, abdomens / hífen, hífens. Também: líquenes, nascido = recém-nascidos / ex-marido = ex-maridos / auto-
abdômenes, hífenes. escola = auto-escolas.
- ES – aos substantivos terminados em R, S, Z: cartaz, - palavras repetidas: o reco-reco = os reco-recos / o tico-
cartazes / motor, motores / mês, meses. Alguns terminados em tico = os tico-ticos / o corre-corre = os corre-corres.
R mudam sua sílaba tônica, no plural: júnior, juniores / caráter, - substantivo composto de três ou mais elementos não
caracteres / sênior, seniores. ligados por preposição: o bem-me-quer = os bem-me-queres /
- IS – aos substantivos terminados em al, el, ol, ul: jornal, o bem-te-vi = os bem-te-vis / o sem-terra = os sem-terra / o
jornais / sol, sóis / túnel, túneis / mel, meles, méis. Exceções: fora-da-lei = os fora-da-lei / o João-ninguém = os joões-ninguém
mal, males / cônsul, cônsules / real, réis. / o ponto-e-vírgula = os ponto e vírgulas / o bumba meu boi =
- ÃO – aos substantivos terminados em ão, acrescenta S: os bumba meu bois.
cidadão, cidadãos / irmão, irmãos / mão, mãos. - quando o primeiro elemento for: grão, grã (grande), bel:
grão-duque = grão-duques / grã-cruz = grã-cruzes / bel-prazer
Trocam-se: = bel-prazeres.
- ão por ões: botão, botões / limão, limões / portão, portões
/ mamão, mamões.

Língua Portuguesa 18
APOSTILAS OPÇÃO

Somente o primeiro elemento vai para o plural: um significado novo: portão, cartão, fogão, cartilha, folhinha
(calendário).
- substantivo + preposição + substantivo: água de colônia - As palavras proparoxítonas e as palavras terminadas em
= águas-de-colônia / mula-sem-cabeça = mulas-sem-cabeça / sílabas nasal, ditongo, hiato ou vogal tônica recebem o sufixo
pão-de-ló = pães-de-ló / sinal-da-cruz = sinais-da-cruz. zinho(a): lâmpada (proparoxítona) = lampadazinha; irmão
- quando o segundo elemento limita o primeiro ou dá (sílaba nasal) = irmãozinho; herói (ditongo) = heroizinho; baú
ideia de tipo, finalidade: samba-enredo = sambas-enredo / (hiato) = bauzinho; café (voga tônica) = cafezinho.
pombo-correio = pombos-correio / salário-família = salários- - As palavras terminadas em s ou z, ou em uma dessas
família / banana-maçã = bananas-maçã / vale-refeição = vales- consoantes seguidas de vogal recebem o sufixo inho: país =
refeição (vale = ter valor de, substantivo+especificador) paisinho; rapaz = rapazinho; rosa = rosinha; beleza =
belezinha.
Os dois elementos ficam invariáveis quando houver: - Há ainda aumentativos e diminutivos formados por
prefixação: minissaia, maxissaia, supermercado,
- verbo + advérbio: o ganha-pouco = os ganha-pouco / o minicalculadora.
cola-tudo = os cola-tudo / o bota-fora = os bota-fora
- os compostos de verbos de sentido oposto: o entra-e-sai Questões
= os entra-e-sai / o leva-e-traz = os leva-e-traz / o vai-e-volta
= os vai-e-volta. 01. Assinale o par de vocábulos que fazem o plural da
mesma forma que “balão” e “caneta-tinteiro”:
Os dois elementos, vão para o plural: (A) vulcão, abaixo-assinado;
(B) irmão, salário-família;
- substantivo + substantivo: decreto-lei = decretos-leis / (C) questão, manga-rosa;
abelha-mestra = abelhas-mestras / tia-avó = tias-avós / (D) bênção, papel-moeda;
tenente-coronel = tenentes-coronéis / redator-chefe = (E) razão, guarda-chuva.
redatores-chefes.
- substantivo + adjetivo: amor-perfeito = amores- 02. Assinale a alternativa em que está correta a formação
perfeitos / capitão-mor = capitães-mores / carro-forte = do plural:
carros-fortes / obra-prima = obras-primas / cachorro-quente (A) cadáver – cadáveis;
= cachorros-quentes. (B) gavião – gaviães;
- adjetivo + substantivo: boa-vida = boas-vidas / curta- (C) fuzil – fuzíveis;
metragem = curtas-metragens / má-língua = más-línguas / (D) mal – maus;
- numeral ordinal + substantivo: segunda-feira = (E) atlas – os atlas.
segundas-feiras / quinta-feira = quintas-feiras.
03. A palavra livro é um substantivo
Composto com a palavra guarda só vai para o plural se (A) próprio, concreto, primitivo e simples.
for pessoa: guarda-noturno = guardas-noturnos / guarda- (B) comum, abstrato, derivado e composto.
florestal = guardas-florestais / guarda-civil = guardas-civis / (C) comum, abstrato, primitivo e simples.
guarda-marinha = guardas-marinha. (D) comum, concreto, primitivo e simples.

Plural dos nomes próprios personalizados: os Almeidas 04. Assinale a alternativa em que todos os substantivos são
/ os Oliveiras / os Picassos / os Mozarts / os Kennedys / os masculinos:
Silvas. (A) enigma – idioma – cal;
(B) pianista – presidente – planta;
Plural das siglas, acrescenta-se um s minúsculo: CDs / (C) champanha – dó(pena) – telefonema;
DVDs / ONGs / PMs / Ufirs. (D) estudante – cal – alface;
(E) edema – diabete – alface.
Grau (aumentativo/diminutivo)
Os substantivos podem ser modificados a fim de exprimir 05. Sabendo-se que há substantivos que no masculino têm
intensidade, exagero ou diminuição. A essas modificações é um significado; e no feminino têm outro, diferente. Marque a
que damos o nome de grau do substantivo. Os graus alternativa em que há um substantivo que não corresponde ao
aumentativos e diminutivos são formados por dois processos: seu significado:
(A) O capital = dinheiro;
- Sintético: com o acréscimo de um sufixo aumentativo ou A capital = cidade principal;
diminutivo: peixe – peixão; peixe-peixinho; sufixo inho ou (B) O grama = unidade de medida;
isinho. A grama = vegetação rasteira;
(C) O rádio = aparelho transmissor;
- Analítico: formado com palavras de aumento: grande, A rádio = estação geradora;
enorme, imensa, gigantesca (obra imensa / lucro enorme / (D) O cabeça = o chefe;
carro grande / prédio gigantesco); e formado com as palavras A cabeça = parte do corpo;
de diminuição (diminuto, pequeno, minúscula, casa pequena, (E) A cura = o médico.
peça minúscula, saia diminuta). O cura = ato de curar.

- Sem falar em aumentativo e diminutivo alguns Gabarito


substantivos exprimem também desprezo, crítica, indiferença
em relação a certas pessoas e objetos: gentalha, mulherengo, 01.C / 02.E / 03.D / 04.C / 05.E
narigão, gentinha, coisinha, povinho, livreco.
- Já alguns diminutivos dão ideia de afetividade: filhinho, Adjetivo
Toninho, mãezinha.
- Em consequência do dinamismo da língua, alguns É a palavra variável em gênero, número e grau que
substantivos no grau diminutivo e aumentativo adquiriram modifica um substantivo, atribuindo-lhe uma qualidade,

Língua Portuguesa 19
APOSTILAS OPÇÃO

estado, ou modo de ser: laranjeira florida; céu azul; mau tempo. - as locuções adjetivas formadas de cor + de + substantivo,
Os adjetivos classificam-se em: ficam invariáveis: papel cor-de-rosa = papéis cor-de-rosa /
- simples: apresentam um único radical, uma única palavra olho cor-de-mel = olhos cor-de-mel.
em sua estrutura: alegre, medroso, simpático. - são invariáveis os adjetivos raios ultravioleta / alegrias
- compostos: apresentam mais de um radical, mais de duas sem-par, piadas sem-sal.
palavras em sua estrutura: estrelas azul-claras; sapatos
marrom-escuros. Grau
- primitivos: são os que vieram primeiro; dão origem a
outras palavras: atual, livre, triste, amarelo, brando. O grau do adjetivo exprime a intensidade das qualidades
- derivados: são aqueles formados por derivação, vieram dos seres. O adjetivo apresenta duas variações de grau:
depois dos primitivos: amarelado, ilegal, infeliz, comparativo e superlativo.
desconfortável.
- pátrios: indicam procedência ou nacionalidade, referem- O grau comparativo é usado para comparar uma
se a cidades, estados, países. Amapá: amapaense; Amazonas: qualidade entre dois ou mais seres, ou duas ou mais
amazonense ou baré; Anápolis: anapolino; Angra dos Reis: qualidades de um mesmo ser. Pode ser de igualdade, de
angrense; Aracajú: aracajuano ou aracajuense; Bahia: baiano. superioridade e de inferioridade:

Pode-se utilizar os adjetivos pátrios compostos, como: - de igualdade: iguala duas coisas ou duas pessoas: Sou
afro-brasileiro; Anglo-americano, franco-italiano, sino- tão alto quão / quanto / como você. (As duas pessoas têm a
japonês (China e Japão); Américo-francês; luso-brasileira; mesma altura)
nipo-argentina (Japão e Argentina); teuto-argentinos
(alemão). - de superioridade: iguala duas pessoas / coisas sendo que
uma é mais do que a outra: Minha amiga Manu é mais
Locução Adjetiva: é a expressão que tem o mesmo valor elegante do que / que eu. (Das duas, a Manu é mais) Podem
de um adjetivo. É formada por preposição + um substantivo. ser:
Vejamos algumas locuções adjetivas: Analítico: mais bom / mais mau / mais grande / mais
pequeno: O salário é mais pequeno do que / que justo (salário
Angelical de anjo Etário de idade pequeno e justo). Quando comparamos duas qualidades de um
Abdominal de abdômen Fabril de fábrica mesmo ser, podemos usar as formas: mais grande, mais mau,
Apícola de abelha Filatélico de selos mais bom, mais pequeno.
Aquilino de águia Urbano da cidade Sintético: bom, melhor / mau, pior / grande, maior /
pequeno, menor: Esta sala é melhor do que / que aquela.
Flexões do Adjetivo
Como palavra variável, sofre flexões de gênero, número e - de inferioridade: um elemento é menor do que outro:
grau: Somos menos passivos do que / que tolerantes.

Gênero O grau superlativo apresenta característica intensificada.


Pode ser absoluto ou relativo:
- uniformes: têm forma única para o masculino e o
feminino. Funcionário incompetente = funcionária - Absoluto: atribuída a um só ser; de forma absoluta. Pode
incompetente. ser:
- biformes: troca-se a vogal “o” pela vogal “a” ou com o Analítico: advérbio de intensidade muito, intensamente,
acréscimo da vogal “a” no final da palavra: ator famoso = atriz bastante, extremamente, excepcionalmente + adjetivo (Nicola é
famosa / jogador brasileiro = jogadora brasileira. extremamente simpático).
Sintético: adjetivo + issimo, imo, ílimo, érrimo (Minha
Os adjetivos compostos recebem a flexão feminina apenas comadre Mariinha é agradabilíssima).
no segundo elemento: sociedade luso-brasileira / festa cívico-
religiosa / são – sã. - o sufixo -érrimo é restrito aos adjetivos latinos
Às vezes, os adjetivos são empregados como substantivos terminados em r; pauper (pobre) = paupérrimo; macer
ou como advérbios: Agia como um ingênuo. (adjetivo como (magro) = macérrimo;
substantivo: acompanha um artigo). A cerveja que desce - forma popular: radical do adjetivo português + íssimo
redondo. (adjetivo como advérbio: redondamente). (pobríssimo);
- adjetivos terminados em vel + bilíssimo: amável =
Número amabilíssimo;
- adjetivos terminados em eio formam o superlativo
O plural dos adjetivos simples flexiona de acordo com o apenas com i: feio = feíssimo / cheio = cheíssimo.
substantivo a que se referem: menino chorão = meninos - os adjetivos terminados em io forma o superlativo em
chorões / garota sensível = garotas sensíveis. iíssimo: sério = seriíssimo / necessário = necessariíssimo /
frio = friíssimo.
- quando os dois elementos formadores são adjetivos, só o
segundo vai para o plural: questões político-partidárias, olhos Usa-se também, no superlativo:
castanho-claros, senadores democrata-cristãos.
- composto formado de adjetivo + substantivo referindo-se - prefixos: maxinflação / hipermercado /
a cores, o adjetivo cor e o substantivo permanecem invariáveis, ultrassonografia / supersimpática.
não vão para o plural: terno azul-petróleo = ternos azul- - expressões: suja à beça / pra lá de sério / duro que nem
petróleo (adjetivo azul, substantivo petróleo); saia amarelo- sola / podre de rico / linda de morrer / magro de dar pena.
canário = saias amarelo-canário (adjetivo, amarelo; - adjetivos repetidos: fofinho, fofinho (=fofíssimo) /
substantivo canário). linda, linda (=lindíssima).
- diminutivo ou aumentativo: cheinha / pequenininha /
grandalhão / gostosão / bonitão.

Língua Portuguesa 20
APOSTILAS OPÇÃO

- linguagem informal, sufixo érrimo, em vez de íssimo: 04. (Banestes - Analista Econômico Financeiro - Gestão
chiquérrimo, chiquetérrimo, elegantérrimo. Contábil - FGV/2018) Na escrita, pode-se optar
- Relativo: ressalta a qualidade de um ser entre muitos, frequentemente entre uma construção de substantivo +
com a mesma qualidade. Pode ser: locução adjetiva ou substantivo + adjetivo (esportes da água =
De Superioridade: Wilma é a mais prendada de todas as esportes aquáticos).
suas amigas. (Ela é a mais de todas)
De Inferioridade: Paulo César é o menos tímido dos filhos. O termo abaixo sublinhado que NÃO pode ser substituído
por um adjetivo é:
Questões (A) A indústria causou a poluição do rio;
(B) As águas do rio ficaram poluídas;
01. (COMPESA - Analista de Gestão - Advogado - (C) As margens do rio estão cheias de lama;
FGV/2016) A substituição da oração adjetiva por um adjetivo (D) Os turistas se encantam com a imagem do rio;
de valor equivalente está feita de forma inadequada em: (E) Os peixes do rio são bem saborosos.
(A) “Quando você elimina o impossível, o que sobra, por
mais improvável que pareça, só pode ser a verdade”. / restante 05. (Pref. Paulínia/SP - Engenheiro Agrônomo -
(B) “Sábio é aquele que conhece os limites da própria FGV/2016) “O povo, ingênuo e sem fé das verdades, quer ao
ignorância”. / consciente dos limites da própria ignorância. menos crer na fábula, e pouco apreço dá às demonstrações
(C) “A única coisa que vem sem esforço é a idade”. / científicas.” (Machado de Assis)
indiferente
(D) “Adoro a humanidade. O que não suporto são as No fragmento acima, os dois adjetivos sublinhados
pessoas”. / insuportável possuem, respectivamente, os valores de
(E) “Com o tempo não vamos ficando sozinhos apenas (A) qualidade e estado.
pelos que se foram: vamos ficando sozinhos uns dos outros”. / (B) estado e relação.
falecidos (C) relação e característica.
(D) característica e qualidade.
02. (SEPOG/RO - Técnico em Tecnologia da Informação (E) qualidade e relação.
e Comunicação - FGV/2018) Temos uma notícia triste: o
coração não é o órgão do amor! Ao contrário do que dizem, não Gabarito
é ali que moram os sentimentos. Puxa, para que serve ele,
afinal? Calma, não jogue o coração para escanteio, ele é 01.C / 02.A / 03.E / 04.A / 05.E
superimportante. “É um órgão vital. É dele a função de
bombear sangue para todas as células de nosso corpo”, explica Numeral
Sérgio Jardim, cardiologista do Hospital do Coração.
O coração é um músculo oco, por onde passa o sangue, e Os numerais exprimem quantidade, posição em uma série,
tem dois sistemas de bombeamento independentes. Com essas multiplicação e divisão. Daí a sua classificação,
“bombas” ele recebe o sangue das veias e lança para as respectivamente, em:
artérias. Para isso contrai e relaxa, diminuindo e aumentando
de tamanho. E o que tem a ver com o amor? “Ele realmente - Cardinal - indica número, quantidade: um, dois, três,
bate mais rápido quando uma pessoa está apaixonada. O corpo quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, onze, doze, treze,
libera adrenalina, aumentando os batimentos cardíacos e a catorze ou quatorze, quinze, dezesseis, vinte..., trinta..., cem...,
pressão arterial”. duzentos..., oitocentos..., novecentos..., mil.
(O Estado de São Paulo, 09/06/2012, caderno suplementar, p. 6)
- Ordinal - indica ordem ou posição: primeiro, segundo,
Nas frases “ele é superimportante” e “Ele realmente bate terceiro, quarto, quinto, sexto, sétimo, oitavo, nono, décimo,
mais rápido quando uma pessoa está apaixonada”, há dois décimo primeiro, vigésimo..., trigésimo..., quingentésimo...,
exemplos de variação de grau. sexcentésimo..., septingentésimo..., octingentésimo...,
nongentésimo..., milésimo.
Sobre essas variações, assinale a afirmativa correta.
(A) Apenas na primeira frase há uma variação de grau de - Fracionário - indica uma fração ou divisão: meia, metade,
adjetivo. terço, quarto, décimo, onze avos, doze avos, vinte avos..., trinta
(B) Nas duas ocorrências ocorre o superlativo de adjetivos. avos..., centésimo..., ducentésimo..., trecentésimo..., milésimo.
(C) Apenas na segunda ocorrência ocorre o grau
comparativo do adjetivo. - Multiplicativo - indica a multiplicação de um número:
(D) Na primeira ocorrência, a variação de grau ocorre por dobro, triplo, quádruplo, quíntuplo, sêxtuplo, sétuplo, óctuplo,
meio de um sufixo. nônuplo, décuplo, undécuplo, duodécuplo, cêntuplo.
(E) Apenas na primeira frase há variação de grau.
Os numerais que indicam conjunto de elementos de
03. (Banestes - Técnico Bancário - FGV/2018) O quantidade exata são os coletivos:
adjetivo ilimitado corresponde à locução “sem limites”; a
locução com igual estrutura que NÃO corresponde ao adjetivo BIMESTRE: período de dois meses
abaixo destacado é: CENTENÁRIO: período de cem anos
(A) Os turistas ficaram inertes durante a ação policial / DECÁLOGO: conjunto de dez leis
sem ação; DECÚRIA: período de dez anos
(B) O turista incauto ficou assustado com a ação policial / DEZENA: conjunto de dez coisas
sem cautela; LUSTRO: período de cinco anos
(C) O vocalista da banda saiu ileso do acidente / sem MILÊNIO: período de mil anos
ferimento; MILHAR: conjunto de mil coisas
(D) O presidente da Coreia passou incógnito pela França / NOVENA: período de nove dias
sem ser percebido; QUARENTENA: período de quarenta dias
(E) O novo livro do autor estava ainda inédito / sem editor. QUINQUÊNIO: período de cinco anos
RESMA: quinhentas folhas de papel

Língua Portuguesa 21
APOSTILAS OPÇÃO

SEMESTRE: período de seis meses (portaria oitava); emprega-se o numeral cardinal, a partir de
TRIÊNIO: período de três anos dez: O artigo 16 não foi justificado. (artigo dezesseis)
TRINCA: conjunto de três coisas - enumeração de casa, páginas, folhas, textos,
apartamentos, quartos, poltronas, emprega-se o numeral
Algarismos cardinal: Reservei a poltrona vinte e oito. / O texto quatro está
Arábicos e Romanos, respectivamente: 1-I, 2-II, 3-III, 4-IV, na página sessenta e cinco.
5-V, 6-VI, 7-VII, 8-VIII, 9-IX, 10-X, 11-XI, 12-XII, 13-XIII, 14-XIV, - se o numeral vier antes do substantivo, emprega-se o
15-XV, 16-XVI, 17-XVII, 18-XVIII, 19-XIX, 20-XX, 30-XXX, 40- ordinal. Paulo César é adepto da 7ª Arte. (sétima)
XL, 50-L, 60-LX, 70-LXX, 80-LXXX, 90-XC, 100-C, 200-CC, 300- - não se usa o numeral um antes de mil: Mil e duzentos
CCC, 400-CD, 500-D, 600-DC, 700-DCC, 800-DCCC, 900-CM, reais é muito para mim.
1.000-M. - o artigo e o numeral, antes dos substantivos milhão,
milhar e bilhão, devem concordar no masculino:
Flexão dos Numerais - emprega-se, na escrita das horas, o símbolo de cada
Gênero unidade após o numeral que a indica, sem espaço ou ponto:
- os numerais cardinais um, dois e as centenas a partir de 10h20min – dez horas, vinte minutos.
duzentos apresentam flexão de gênero: Um menino e uma
menina foram os vencedores. / Comprei duzentos gramas de Questões
presunto e duzentas rosquinhas.
- os numerais ordinais variam em gênero: Marcela foi a 01. Marque o emprego incorreto do numeral:
nona colocada no vestibular. (A) século III (três)
- os numerais multiplicativos, quando usados com o valor (B) página 102 (cento e dois)
de substantivos, são Invariáveis: A minha nota é o triplo da sua. (C) 80º (octogésimo)
(Triplo – valor de substantivo) (D) capítulo XI (onze)
- quando usados com valor de adjetivo, apresentam flexão (E) X tomo (décimo)
de gênero: Eu fiz duas apostas triplas na loto fácil. (Triplas
valor de adjetivo) 02. Indique o item em que os numerais estão corretamente
- os numerais fracionários concordam com os cardinais empregados:
que indicam o número das partes: Dois terços dos alunos foram (A) Ao Papa Paulo seis sucedeu João Paulo primeiro.
contemplados. (B) após o parágrafo nono, virá o parágrafo dez.
- o fracionário meio concorda em gênero e número com o (C) depois do capítulo sexto, li o capítulo décimo primeiro.
substantivo no qual se refere: O início do concurso será meio- (D) antes do artigo décimo vem o artigo nono.
dia e meia. (Hora) / Usou apenas meias palavras. (E) o artigo vigésimo segundo foi revogado.

Número 03. (Pref. Chapecó/SC - Procurador Municipal -


- os numerais cardinais milhão, bilhão, trilhão, e outros, IOBV/2016) Quanto à classificação dos numerais, os que
variam em número: Venderam um milhão de ingressos para a indicam o aumento proporcional de quantidade, podendo ter
festa do peão. / Somos 180 milhões de brasileiros. valor de adjetivo ou substantivo são os numerais:
- os numerais ordinais variam em número: As segundas (A) Multiplicativos.
colocadas disputarão o campeonato. (B) Ordinais.
- os numerais multiplicativos são invariáveis quando (C) Cardinais.
usados com valor de substantivo: Minha dívida é o dobro da (D) Fracionários.
sua. (Valor de substantivo – invariável)
- os numerais multiplicativos variam quando usados como 04. (Pref. Barra de Guabiraba/PE - IDHTEC/2016)
adjetivos: Fizemos duas apostas triplas. (Valor de adjetivo – Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por
variável) extenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase:
- os numerais fracionários variam em número, (A) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP),
concordando com os cardinais que indicam números das temem que suas casas desabem após uma cratera se abrir na
partes. Avenida Papa Pio X. (décima)
- Um quarto de litro equivale a 250 ml; três quartos (B) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401
equivalem a 750 ml. (quatrocentas e uma)
(C) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve
Grau a sua página Classitêxtil reformulada. (vigésima segunda)
Na linguagem coloquial é comum a flexão de grau dos (D) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem
numerais: Já lhe disse isso mil vezes. / Aquele quarentão é um ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em
“gato”! / Morri com cincão para a “vaquinha”, lá da escola. erro, mediante artifício, ardil. (centésimo setésimo primeiro)
(E) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do
Emprego dos Numerais século XX. (século ducentésimo)
- para designar séculos, reis, papas, capítulos, cantos (na
poesia épica), empregam-se: os ordinais até décimo: João Paulo 05. (MPE/SP - Oficial de Promotoria I - VUNESP/2016)
II (segundo), Canto X (décimo), Luís IX (nono); os cardinais
para os demais: Papa Bento XVI (dezesseis), Século XXI (vinte O SBT fará uma homenagem digna da história de seu
e um). proprietário e principal apresentador: no próximo dia 12
- se o numeral vier antes do substantivo, usa-se o ordinal. [12.12.2015] colocará no ar um especial com 2h30 de duração
O XX século foi de descobertas científicas. (vigésimo século) em homenagem a Silvio Santos. É o dia de seu aniversário de
- com referência ao primeiro dia do mês, usa-se o numeral 85 anos.
ordinal: O pagamento do pessoal será sempre no dia primeiro. (http://tvefamosos.uol.com.br/noticias)
- na enumeração de leis, decretos, artigos, circulares,
portarias e outros textos oficiais, emprega-se o numeral As informações textuais permitem afirmar que, em
ordinal até o nono: O diretor leu pausadamente a portaria 8ª 12.12.2015, Sílvio Santos completou seu
(A) octogenário quinquagésimo aniversário.

Língua Portuguesa 22
APOSTILAS OPÇÃO

(B) octogésimo quinto aniversário. me, te, lhe, nos, vos: quando colocado com verbos
(C) octingentésimo quinto aniversário. transitivos diretos (TD), têm sentido possessivo, equivalendo
(D) otogésimo quinto aniversário. a meu, teu, seu, dele, nosso, vosso: Os anos roubaram-lhe a
(E) oitavo quinto aniversário. esperança. (sua, dele, dela possessivo)

Gabarito Os pronomes pessoais oblíquos nos, vos, e se recebem o


nome de pronomes recíprocos quando expressam uma ação
01.A / 02.B / 03.A / 04.C / 05.B mútua ou recíproca: Nós nos encontramos emocionados.
(pronome recíproco, nós mesmos). Nunca diga: Eu se apavorei.
Pronome / Eu jà se arrumei; Eu me apavorei. / Eu me arrumei. (certos)
- Os pronomes pessoais retos eu e tu serão substituidos
É a palavra que acompanha ou substitui o nome, por mim e ti após preposição: O segredo ficará somente entre
relacionando-o a uma das três pessoas do discurso. As três mim e ti.
pessoas do discurso são: - É obrigatório o emprego dos pronomes pessoais eu e tu,
1ª pessoa: eu (singular) nós (plural): aquela que fala ou quando funcionarem como sujeito: Todos pediram para eu
emissor; relatar os fatos cuidadosamente. (pronome reto + verbo no
2ª pessoa: tu (singular) vós (plural): aquela com quem se infinitivo). Lembre-se de que mim não fala, não escreve, não
fala ou receptor; compra, não anda.
3ª pessoa: ele, ela (singular) eles, elas (plural): aquela de - As formas oblíquas o, a, os, as são sempre empregadas
quem se fala ou referente. como complemento de verbos transitivos diretos ao passo
que as formas lhe, lhes são empregadas como complementos
Os pronomes são classificados em: pessoais, de tratamento, de verbos transitivos indiretos: Dona Cecília, querida amiga,
possessivos, demonstrativos, indefinidos, interrogativos e chamou-a. (verbo transitivo direto, VTD); Minha saudosa
relativos. comadre, Nircléia, obedeceu-lhe. (verbo transitivo
indireto,VTI)
Pronomes Pessoais
Os pronomes pessoais dividem-se em: - É comum, na linguagem coloquial, usar o brasileiríssimo
- Retos - exercem a função de sujeito da oração. a gente, substituindo o pronome pessoal nós: A gente deve
- Oblíquos - exercem a função de complemento do verbo fazer caridade com os mais necessitados.
(objeto direto / objeto indireto). São: tônicos com preposição - Chamam-se pronomes pessoais reflexivos os pronomes
ou átonos sem preposição. que se referem ao sujeito: Eu me feri com o canivete. (eu- 1ª
pessoa- sujeito / me- pronome pessoal reflexivo)
Pessoas do Retos Oblíquos - Os pronomes pessoais oblíquos se, si e consigo devem ser
Discurso Átonos Tônicos empregados somente como pronomes pessoais reflexivos e
Singular 1ª pessoa eu me mim, funcionam como complementos de um verbo na 3ª pessoa,
2ª pessoa tu te comigo cujo sujeito é também da 3ª pessoa: Nicole levantou-se com
3ª pessoa ele/ela se, o, a, ti, contigo
elegância e levou consigo (com ela própria) todos os olhares.
lhe si, ele,
consigo
(Nicole- sujeito, 3ª pessoa / levantou- verbo, 3ª pessoa /
Plural 1ª pessoa nós nos nós, se- complemento, 3ª pessoa / levou- verbo, 3ª pessoa /
2ª pessoa vós vos conosco consigo- complemento, 3ª pessoa).
3ª pessoa eles/elas se, os, as, vós, - Os pronomes oblíquos me, te, lhe, nos, vos, lhes (formas de
lhes convosco Objeto Indireto) juntam-se a o, a, os, as (formas de Objeto
si, eles, Direto), assim:
consigo me+o (mo). Ex.: Recebi a carta e agradeci ao jovem, que ma
trouxe.
- Colocados antes do verbo, os pronomes oblíquos da 3ª nos+o (no-lo). Ex.: Venderíamos a casa, se no-la exigissem.
pessoa, apresentam sempre a forma: o, a, os, as: Eu os vi saindo te+o: (to). Ex.: Dei-te os meus melhores dias. Dei-tos.
do teatro. lhe+o: (lho). Ex.: Ofereci-lhe flores. Ofereci-lhas.
- As palavras “só” e “todos” sempre acompanham os vos+o: (vo-lo). E.: Pedi-vos conselho. Pedi vo-lo.
pronomes pessoais do caso reto: Eu vi só ele ontem.
- Colocados depois do verbo, os pronomes oblíquos da 3ª No Brasil, quase não se usam essas combinações (mo, to,
pessoa apresentam as formas: lho, no-lo, vo-lo), são usadas somente em escritores mais
o, a, os, as: se o verbo terminar em vogal ou ditongo oral: sofisticados.
Encontrei-a sozinha. Vejo-os diariamente.
o, a, os, as, precedidos de verbos terminados em: R/S/Z, Pronomes de Tratamento
assumem as formas: lo, Ia, los, las, perdendo, São usados no trato com as pessoas. Dependendo da
consequentemente, as terminações R, S, Z. Preciso pagar ao pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, idade, título, o
verdureiro. (= pagá-lo); Fiz os exercícios a lápis. (= Fi-los a tratamento será familiar ou cerimonioso.
lápis)
lo, la, los, las: se vierem depois de: eis / nos / vos - Eis a Vossa Alteza - V.A. - príncipes, duques;
prova do suborno. (= Ei-la); O tempo nos dirá. (= no-lo dirá). Vossa Eminência - V.Ema - cardeais;
(eis, nos, vos perdem o S) Vossa Excelência - V.Ex.a - altas autoridades, presidente,
no, na, nos, nas: se o verbo terminar em ditongo nasal: m, oficiais;
ão, õe: Deram-na como vencedora; Põe-nos sobre a mesa. Vossa Magnificência - V.Mag.a - reitores de universidades;
lhe, lhes colocados depois do verbo na 1ª pessoa do plural, Vossa Majestade - V.M. - reis, imperadores;
terminado em S não modificado: Nós entregamoS-lhe a cópia Vossa Santidade - V.S. - Papa;
do contrato. (o S permanece) Vossa Senhoria -V.Sa - tratamento cerimonioso.
nos: colocado depois do verbo na 1ª pessoa do plural, - São também pronomes de tratamento: o senhor, a
perde o S: Sentamo-nos à mesa para um café rápido. senhora, a senhorita, dona, você.
- Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico.

Língua Portuguesa 23
APOSTILAS OPÇÃO

Nas comunicações oficiais devem ser utilizados somente Esta afirmação me deixou surpresa: gostava de química.
dois fechos: O homem e a mulher são massacrados pela cultura atual,
Respeitosamente: para autoridades superiores, inclusive mas esta é mais oprimida.
para o presidente da República. esse, essa, esses, essas
Ex.:
Atenciosamente: para autoridades de mesma hierarquia
Não gostei desse livro que está em tuas mãos.
ou de hierarquia inferior. Nesse último ano, realizei bons negócios.
Gostava de química. Essa afirmação me deixou surpresa.
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada aquele, aquela, aquilo, aqueles, aquelas
quando se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não Ex.:
compareceu à reunião dos sem-terra? (falando com a pessoa) Não gostei daquele livro que a Roberta trouxe.
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando Tenho boas recordações de 1960, pois naquele ano realizei
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou para bons negócios.
um congresso. (falando a respeito do cardeal) O homem e a mulher são massacrados pela cultura atual,
mas esta é mais oprimida que aquele.
- Os pronomes de tratamento com a forma Vossa (Senhoria,
Excelência, Eminência, Majestade), embora indiquem a 2ª
pessoa (com quem se fala), exigem que outros pronomes e o - para retomar elementos já enunciados, usamos aquele (e
verbo sejam usados na 3ª pessoa. Vossa Excelência sabe que variações) para o elemento que foi referido em 1º Iugar e este
seus ministros o apoiarão. (e variações) para o que foi referido em último lugar. Ex.: Pais
e mães vieram à festa de encerramento; aqueles, sérios e
Pronomes Possessivos orgulhosos, estas, elegantes e risonhas.
São os pronomes que indicam posse em relação às pessoas - dependendo do contexto os demonstrativos também
da fala. servem como palavras de função intensificadora ou
depreciativa. Ex.: Júlia fez o exercício com aquela calma!
Masculino Feminino (=expressão intensificadora). Não se preocupe; aquilo é uma
Singular Plural Singular Plural tranqueira! (=expressão depreciativa)
meu meus minha minhas - as formas nisso e nisto podem ser usadas com valor de
teu teus tua tuas então ou nesse momento. Ex.: A festa estava desanimada; nisso,
seu seus sua suas a orquestra tocou um samba e todos caíram na dança.
nosso nossos nossa nossas - os demonstrativos esse, essa, são usados para destacar um
vosso vossos vossa vossas elemento anteriormente expresso. Ex.: Ninguém ligou para o
seu seus sua suas incidente, mas os pais, esses resolveram tirar tudo a limpo.

Emprego dos Pronomes Possessivos Pronomes Indefinidos


São aqueles que se referem à 3ª pessoa do discurso de
- O uso do pronome possessivo da 3ª pessoa pode modo vago indefinido, impreciso: Alguém disse que Paulo
provocar, às vezes, a ambiguidade da frase. Ex.: João Luís disse César seria o vencedor. Alguns desses pronomes são variáveis
que Laurinha estava trabalhando em seu consultório. O em gênero e número; outros são invariáveis.
pronome seu toma o sentido ambíguo, pois pode referir-se Variáveis: algum, nenhum, todo, outro, muito, pouco,
tanto ao consultório de João Luís como ao de Laurinha. No certo, vários, tanto, quanto, um, bastante, qualquer.
caso, usa-se o pronome dele, dela para desfazer a ambiguidade. Invariáveis: alguém, ninguém, tudo, outrem, algo, quem,
- Os possessivos, às vezes, podem indicar aproximações nada, cada, mais, menos, demais.
numéricas e não posse: Cláudia e Haroldo devem ter seus
trinta anos. Emprego dos Pronomes Indefinidos
- Na linguagem popular, o tratamento seu como em: Seu
Ricardo, pode entrar!, não tem valor possessivo, pois é uma - O indefinido cada deve sempre vir acompanhado de um
alteração fonética da palavra senhor. substantivo ou numeral, nunca sozinho: Ganharam cem
- Referindo-se a mais de um substantivo, o possessivo dólares cada um. (inadequado: Ganharam cem dólares cada.)
concorda com o mais próximo. Ex.: Trouxe-me seus livros e - Certo, certa, certos, certas, vários, várias, são indefinidos
anotações. quando colocados antes dos substantivos, e adjetivos quando
- Usam-se elegantemente certos pronomes oblíquos: me, colocados depois do substantivo: Certo dia perdi o controle da
te, lhe, nos, vos, com o valor de possessivos. Vou seguir-lhe os situação. (antes do substantivo= indefinido); Eles voltarão no
passos. (os seus passos) dia certo. (depois do substantivo=adjetivo).
- Deve-se observar as correlações entre os pronomes - Todo, toda (somente no singular) sem artigo, equivale a
pessoais e possessivos. “Sendo hoje o dia do teu aniversário, qualquer: Todo ser nasce chorando. (=qualquer ser;
apresso-me em apresentar-te os meus sinceros parabéns; indetermina, generaliza).
Peço a Deus pela tua felicidade; Abraça-te o teu amigo que te - Outrem significa outra pessoa. Ex.: Nunca se sabe o
preza.” pensamento de outrem.
- Não se emprega o pronome possessivo (seu, sua) quando - Qualquer, plural quaisquer. Ex.: Fazemos quaisquer
se trata de parte do corpo. Ex.: Um cavaleiro todo vestido de negócios.
negro, com um falcão em seu ombro esquerdo e uma espada
em sua, mão. (usa-se: no ombro; na mão) Locuções Pronominais Indefinidas: são locuções
pronominais indefinidas duas ou mais palavras que equivalem
Pronomes Demonstrativos ao pronome indefinido: cada qual / cada um / quem quer que
Indicam a posição dos seres designados em relação às seja / seja quem for / qualquer um / todo aquele que / um ou
pessoas do discurso, situando-os no espaço ou no tempo. outro / tal qual (=certo).
Apresentam-se em formas variáveis e invariáveis.
Pronomes Relativos
este, esta, isto, estes, estas São aqueles que representam, numa 2ª oração, alguma
Ex.: palavra que já apareceu na oração anterior. Essa palavra da
Não gostei deste livro aqui. oração anterior chama-se antecedente: Comprei um carro que
Neste ano, tenho realizado bons negócios.
é movido a álcool e à gasolina. É Flex Power. Percebe-se que o

Língua Portuguesa 24
APOSTILAS OPÇÃO

pronome relativo que, substitui na 2ª oração, o carro, por isso Em "Mas ele não tinha muitas chances", as palavras
a palavra que é um pronome relativo. Dica: substituir que por classificam-se, morfologicamente, na ordem em que aparecem,
o, a, os, as, qual / quais. como
Os pronomes relativos estão divididos em variáveis e (A) preposição, pronome, advérbio, ação, nome e adjetivo.
invariáveis. (B) conjunção, pronome, advérbio, verbo, pronome e
Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja, substantivo.
cujas, quanto, quantos; (C) interjeição, pronome, nome, verbo, artigo e adjetivo.
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde. (D) conector, nome, adjetivo, verbo, pronome e nome.
(E) conjunção, substantivo, advérbio, verbo, advérbio e
Emprego dos Pronomes Relativos adjetivo.
- O relativo que, por ser o mais usado, é chamado de
relativo universal. Ele pode ser empregado com referência à 02. (IF/PA - Auxiliar em Administração -
pessoa ou coisa, no plural ou no singular. Ex.: Este é o CD novo FUNRIO/2016) O emprego do pronome relativo está de
que acabei de comprar; João Adolfo é o cara que pedi a Deus. acordo com as normas da língua-padrão em:
- O relativo que pode ter por seu antecedente o pronome (A) Finalmente aprovaram o decreto que lutamos tanto
demonstrativo o, a, os, as. Ex.: Não entendi o que você quis por ele.
dizer. (o que = aquilo que). (B) Nas próximas férias, minha meta é fazer tudo que tenho
- O relativo quem refere se a pessoa e vem sempre direito.
precedido de preposição. Ex.: Marco Aurélio é o advogado a (C) Eu aprovaria o texto daquele parecer que o relator
quem eu me referi. apresentou ontem.
- O relativo cujo e suas flexões equivalem a de que, do qual, (D) Existe um escritor brasileiro que todos os brasileiros
de quem e estabelecem relação de posse entre o antecedente e nos orgulhamos.
o termo seguinte. (cujo, vem sempre entre dois substantivos) (E) Na política, às vezes acontecem traições onde mostram
- O pronome relativo pode vir sem antecedente claro, muita sordidez.
explícito; é classificado, portanto, como relativo indefinido, e
não vem precedido de preposição. Ex.: Quem casa quer casa; 03. (Eletrobras/Eletrosul - Técnico de Segurança do
Feliz o homem cujo objetivo é a honestidade; Estas são as Trabalho - FCC/2016)
pessoas de cujos nomes nunca vou me esquecer.
- Só se usa o relativo cujo quando o consequente é Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a
diferente do antecedente. Ex.: O escritor cujo livro te falei é energia solar
paulista.
- O pronome cujo não admite artigo nem antes nem depois Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extremo.
de si. Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente por
- O relativo onde é usado para indicar lugar e equivale a: causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma das
em que, no qual. Ex.: Desconheço o lugar onde vende tudo maiores usinas de energia solar do mundo.
mais barato. (= lugar em que) Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas
- Quanto, quantos e quantas são relativos quando usados renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
depois de tudo, todos, tanto. Ex.: Naquele momento, a querida por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e
comadre Naldete, falou tudo quanto sabia. poluir menos. Uma aposta no futuro.
A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do
Pronomes Interrogativos papel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do
São os pronomes em frases interrogativas diretas ou planejado está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que
indiretas. Os principais interrogativos são: que, quem, qual, deixa os carros de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas
quanto: são bem estreitas para que um prédio faça sombra no outro. É
- Afinal, quem foram os prefeitos desta cidade? perfeito para o deserto. Os revestimentos das paredes isolam o
(interrogativa direta, COM o ponto de interrogação) calor. E a direção dos ventos foi estudada para criar corredores
- Gostaria de saber quem foram os prefeitos desta cidade. de brisa.
(interrogativa indireta, SEM a interrogação) (Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a
energia solar”. Disponível
em:http://g1.globo.com/globoreporter/noticia/2016/04/abu-dhabi-constroi-
Questões cidade-do-futuro-com-tudo-movido-energia-solar.html)

01. (CRP 2º Região/PE - Psicólogo Orientador - Fiscal - Considere as seguintes passagens do texto:
Quadrix/2018) I. E foi exatamente por causa da temperatura que foi
construída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia
solar do mundo. (1º parágrafo)
II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
III. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros de
fora. (3º parágrafo)
IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça
sombra no outro. (3º parágrafo)

O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o


qual” APENAS em
(A) I e II.
(B) II e III.
(C) I, II e IV.
(D) I e IV.
(E) III e IV.

Língua Portuguesa 25
APOSTILAS OPÇÃO

04. (Pref. Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo - esper é o radical do verbo esperar;


IDHTEC/2016) brinc é o radical do verbo brincar.

Se tirarmos as terminações ar, er, ir do infinitivo dos


verbos, teremos o radical desses verbos. Também podemos
antepor prefixos ao radical: desnutrir / reconduzir.

Vogal Temática: é o elemento mórfico que designa a qual


conjugação pertence o verbo. Há três vogais temáticas: 1ª
conjugação: a; 2ª conjugação: e; 3ª conjugação: i.

Tema: é o elemento constituído pelo radical mais a vogal


temática. Ex.: contar - cont (radical) + a (vogal temática) =
tema. Se não houver a vogal temática, o tema será apenas o
radical (contei = cont ei).
O emprego do pronome “aquela” na charge:
Desinências: são elementos que se juntam ao radical, ou
(A) Dá uma conotação irônica à frase.
ao tema, para indicar as flexões de modo e tempo, desinências
(B) Representa uma forma indireta de se dirigir ao casal.
modo temporais e desinências número pessoais.
(C) Permite situar no espaço aquilo a que se refere.
(D) Indica posse do falante.
Contávamos
(E) Evita a repetição do verbo.
Cont = radical
a = vogal temática
05. (Pref. Florianópolis/SC - Auxiliar de Sala -
va = desinência modo temporal
FEPESE/2016) Analise a frase abaixo:
mos = desinência número pessoal
“O professor discutiu............mesmos a respeito da
Flexões Verbais
desavença entre .........e ........ .
Flexão de número e de pessoa: o verbo varia para indicar
o número e a pessoa.
Assinale a alternativa que completa corretamente as
- eu estudo – 1ª pessoa do singular;
lacunas do texto.
- nós estudamos – 1ª pessoa do plural;
(A) com nós - eu - ti
- tu estudas – 2ª pessoa do singular;
(B) conosco - eu - tu
- vós estudais – 2ª pessoa do plural;
(C) conosco - mim - ti
- ele estuda – 3ª pessoa do singular;
(D) conosco - mim - tu
- eles estudam – 3ª pessoa do plural.
(E) com nós - mim - ti
- Algumas regiões do Brasil, usam o pronome tu de forma
Gabarito
diferente da fala culta, exigida pela gramática oficial, ou seja,
tu foi, tu pega, tu tem, em vez de: tu fostes, tu pegas, tu tens.
01.B / 02.C / 03.B / 04.C / 05.E
- O pronome vós aparece somente em textos literários ou
bíblicos.
Verbo
- Os pronomes: você, vocês, que levam o verbo na 3ª
pessoa, é o mais usado no Brasil.
É a palavra que indica ação, movimento, fenômenos da
natureza, estado, mudança de estado. Flexiona-se em:
Flexão de tempo e de modo: os tempos situam o fato ou a
- número (singular e plural);
ação verbal dentro de determinado momento; pode estar em
- pessoa (primeira, segunda e terceira);
plena ocorrência, pode já ter ocorrido ou não. Essas três
- modo (indicativo, subjuntivo e imperativo, formas
possibilidades básicas, mas não únicas, são: presente,
nominais: gerúndio, infinitivo e particípio);
pretérito e futuro.
- tempo (presente, passado e futuro);
- e apresenta voz (ativa, passiva, reflexiva).
O modo indica as diversas atitudes do falante com relação
ao fato que enuncia. São três os modos:
De acordo com a vogal temática, os verbos estão agrupados
- Modo Indicativo: a atitude do falante é de certeza,
em três conjugações:
precisão. O fato é ou foi uma realidade. Apresenta presente,
1ª conjugação – ar: cantar, dançar, pular.
pretérito perfeito, imperfeito e mais que perfeito, futuro do
2ª conjugação – er: beber, correr, entreter.
presente e futuro do pretérito.
3ª conjugação – ir: partir, rir, abrir.
- Modo Subjuntivo: a atitude do falante é de incerteza, de
dúvida, exprime uma possibilidade. O subjuntivo expressa
O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor,
uma incerteza, dúvida, possibilidade, hipótese. Apresenta
compor, impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua
presente, pretérito imperfeito e futuro. Ex: Tenha paciência,
origem latina poer.
Lourdes; Se tivesse dinheiro compraria um carro zero;
Quando o vir, dê lembranças minhas.
Elementos Estruturais do Verbo
- Modo Imperativo: a atitude do falante é de ordem, um
As formas verbais apresentam três elementos em sua
desejo, uma vontade, uma solicitação. Indica uma ordem, um
estrutura: radical, vogal temática e tema.
pedido, uma súplica. Apresenta imperativo afirmativo e
Radical: elemento mórfico (morfema) que concentra o
imperativo negativo.
significado essencial do verbo. Observe as formas verbais da
1ª conjugação: contar, esperar, brincar. Flexionando esses
Emprego dos Tempos do Indicativo
verbos, nota-se que há uma parte que não muda, e que nela
- Presente do Indicativo: para enunciar um fato
está o significado real do verbo.
momentâneo. Ex.: Estou feliz hoje. Para expressar um fato que
cont é o radical do verbo contar;

Língua Portuguesa 26
APOSTILAS OPÇÃO

ocorre com frequência. Ex.: Eu almoço todos os dias na casa de - Futuro: é empregado para indicar um fato hipotético,
minha mãe. Na indicação de ações ou estados permanentes, pode ou não acontecer. Quando você fizer o trabalho, será
verdades universais. Ex.: A água é incolor, inodora, insípida. generosamente gratificado.
- Pretérito Imperfeito: para expressar um fato passado,
não concluído. Ex.: Nós comíamos pastel na feira; Eu cantava 1ª Conjugação –AR
muito bem. Presente: que eu dance, que tu dances, que ele dance, que
- Pretérito Perfeito: é usado na indicação de um fato nós dancemos, que vós danceis, que eles dancem.
passado concluído. Ex.: Cantei, dancei, pulei, chorei, dormi... Pretérito Imperfeito: se eu dançasse, se tu dançasses, se
- Pretérito Mais-Que-Perfeito: expressa um fato passado ele dançasse, se nós dançássemos, se vós dançásseis, se eles
anterior a outro acontecimento passado. Ex.: Nós cantáramos dançassem.
no congresso de música. Futuro: quando eu dançar, quando tu dançares, quando ele
- Futuro do Presente: na indicação de um fato realizado dançar, quando nós dançarmos, quando vós dançardes,
num instante posterior ao que se fala. Ex.: Cantarei domingo quando eles dançarem.
no coro da igreja matriz.
- Futuro do Pretérito: para expressar um acontecimento 2ª Conjugação -ER
posterior a um outro acontecimento passado. Ex.: Compraria Presente: que eu coma, que tu comas, que ele coma, que
um carro se tivesse dinheiro nós comamos, que vós comais, que eles comam.
Pretérito Imperfeito: se eu comesse, se tu comesses, se ele
1ª Conjugação: -AR comesse, se nós comêssemos, se vós comêsseis, se eles
Presente: danço, danças, dança, dançamos, dançais, comessem.
dançam. Futuro: quando eu comer, quando tu comeres, quando ele
Pretérito Perfeito: dancei, dançaste, dançou, dançamos, comer, quando nós comermos, quando vós comerdes,
dançastes, dançaram. quando eles comerem.
Pretérito Imperfeito: dançava, dançavas, dançava,
dançávamos, dançáveis, dançavam. 3ª conjugação – IR
Pretérito Mais-Que-Perfeito: dançara, dançaras, dançara, Presente: que eu parta, que tu partas, que ele parta, que
dançáramos, dançáreis, dançaram. nós partamos, que vós partais, que eles partam.
Futuro do Presente: dançarei, dançarás, dançará, Pretérito Imperfeito: se eu partisse, se tu partisses, se ele
dançaremos, dançareis, dançarão. partisse, se nós partíssemos, se vós partísseis, se eles
Futuro do Pretérito: dançaria, dançarias, dançaria, partissem.
dançaríamos, dançaríeis, dançariam. Futuro: quando eu partir, quando tu partires, quando ele
partir, quando nós partirmos, quando vós partirdes,
2ª Conjugação: -ER quando eles partirem.
Presente: como, comes, come, comemos, comeis, comem.
Pretérito Perfeito: comi, comeste, comeu, comemos, Emprego do Imperativo
comestes, comeram. Imperativo Afirmativo
Pretérito Imperfeito: comia, comias, comia, comíamos, - Não apresenta a primeira pessoa do singular.
comíeis, comiam. - É formado pelo presente do indicativo e pelo presente do
Pretérito Mais-Que-Perfeito: comera, comeras, comera, subjuntivo.
comêramos, comêreis, comeram. - O Tu e o Vós saem do presente do indicativo sem o “s”.
Futuro do Presente: comerei, comerás, comerá, - O restante é cópia fiel do presente do subjuntivo.
comeremos, comereis, comerão.
Futuro do Pretérito: comeria, comerias, comeria, Presente do Indicativo: eu amo, tu amas, ele ama, nós
comeríamos, comeríeis, comeriam. amamos, vós amais, eles amam.
Presente do subjuntivo: que eu ame, que tu ames, que ele
3ª Conjugação: -IR ame, que nós amemos, que vós ameis, que eles amem.
Presente: parto, partes, parte, partimos, partis, partem. Imperativo afirmativo: (X), ama tu, ame você, amemos
Pretérito Perfeito: parti, partiste, partiu, partimos, nós, amai vós, amem vocês.
partistes, partiram.
Pretérito Imperfeito: partia, partias, partia, partíamos, Imperativo Negativo
partíeis, partiam. - É formado através do presente do subjuntivo sem a
Pretérito Mais-Que-Perfeito: partira, partiras, partira, primeira pessoa do singular.
partíramos, partíreis, partiram. - Não retira os “s” do tu e do vós.
Futuro do Presente: partirei, partirás, partirá, partiremos,
partireis, partirão. Presente do Subjuntivo: que eu ame, que tu ames, que ele
Futuro do Pretérito: partiria, partirias, partiria, ame, que nós amemos, que vós ameis, que eles amem.
partiríamos, partiríeis, partiriam. Imperativo negativo: (X), não ames tu, não ame você, não
amemos nós, não ameis vós, não amem vocês.
Emprego dos Tempos do Subjuntivo
Além dos três modos citados (Indicativo, Subjuntivo e
- Presente: é empregado para indicar um fato incerto ou
Imperativo), os verbos apresentam ainda as formas nominais:
duvidoso, muitas vezes ligados ao desejo, à suposição. Ex.:
infinitivo – impessoal e pessoal, gerúndio e particípio.
Duvido de que apurem os fatos; Que surjam novos e honestos
políticos.
- Pretérito Imperfeito: é empregado para indicar uma Infinitivo Impessoal10
condição ou hipótese. Ex.: Se recebesse o prêmio, voltaria à Quando se diz que um verbo está no infinitivo impessoal,
universidade. isso significa que ele apresenta sentido genérico ou indefinido,
não relacionado a nenhuma pessoa, e sua forma é invariável.

10 https://www.soportugues.com.br/secoes/morf/morf69.php

Língua Portuguesa 27
APOSTILAS OPÇÃO

Assim, considera-se apenas o processo verbal. Ex.: Amar é assumindo a mesma forma do impessoal; nas demais, flexiona-
sofrer. se da seguinte maneira:
Podendo ter valor e função de substantivo. Ex.: Viver é 2ª pessoa do singular: radical + ES. Ex.: teres (tu)
lutar. (= vida é luta); É indispensável combater a corrupção. (= 1ª pessoa do plural: radical + mos. Ex.: termos (nós)
combate à) 2ª pessoa do plural: radical + dês. Ex.: terdes (vós)
O infinitivo impessoal pode apresentar-se no presente 3ª pessoa do plural: radical + em. Ex.: terem (eles)
(forma simples) ou no passado (forma composta). Ex.: É
preciso ler este livro; Era preciso ter lido este livro. Por exemplo: Foste elogiado por teres alcançado uma boa
Observe que, embora não haja desinências para a 1ª e 3ª colocação.
pessoas do singular (cujas formas são iguais às do infinitivo
impessoal), elas não deixam de referir-se às respectivas Quando se diz que um verbo está no infinitivo pessoal, isso
pessoas do discurso (o que será esclarecido apenas pelo significa que ele atribui um agente ao processo verbal,
contexto da frase). Ex.: Para ler melhor, eu uso estes óculos. flexionando-se.
(1ª pessoa); Para ler melhor, ela usa estes óculos. (3ª pessoa) O infinitivo deve ser flexionado nos seguintes casos:

O infinitivo impessoal é usado: - Quando o sujeito da oração estiver claramente


expresso. Exs.:
- Quando apresenta uma ideia vaga, genérica, sem se Se tu não perceberes isto...
referir a um sujeito determinado. Ex. Querer é poder. Convém vocês irem primeiro.
Fumar prejudica a saúde. É proibido colar cartazes neste O bom é sempre lembrarmos (sujeito desinencial, sujeito
muro. implícito = nós) desta regra.
- Quando tem valor de Imperativo. Ex. Soldados,
marchar! (= Marchai!) Esquerda, volver! - Quando tiver sujeito diferente daquele da oração
- Quando é regido de preposição (geralmente principal. Exs.:
precedido da preposição “de”) e funciona como O professor deu um prazo de cinco dias para os alunos
complemento de um substantivo, adjetivo ou verbo da estudarem bastante para a prova.
oração anterior. Ex.: Eles não têm o direito de gritar assim. Perdoo-te por me traíres.
As meninas foram impedidas de participar do jogo. Eu os O hotel preparou tudo para os turistas ficarem à vontade.
convenci a aceitar. O guarda fez sinal para os motoristas pararem.

No entanto, na voz passiva dos verbos "contentar", - Quando se quiser indeterminar o sujeito (utilizado na
"tomar" e "ouvir", por exemplo, o Infinitivo (verbo auxiliar) terceira pessoa do plural). Exs.:
deve ser flexionado. Exs.: Faço isso para não me acharem inútil.
Eram pessoas difíceis de serem contentadas. Temos de agir assim para nos promoverem.
Aqueles remédios são ruins de serem tomados. Ela não sai sozinha à noite a fim de não falarem mal da sua
Os jogos que você me emprestou são agradáveis de serem conduta.
jogados.
- Quando apresentar reciprocidade ou reflexibilidade
- Nas locuções verbais. Ex.: Queremos acordar bem cedo de ação. Exs.:
amanhã. Eles não podiam reclamar do colégio. Vamos pensar Vi os alunos abraçarem-se alegremente.
no seu caso. Fizemos os adversários cumprimentarem-se com
- Quando o sujeito do infinitivo é o mesmo do verbo da gentileza.
oração anterior. Ex. Eles foram condenados a pagar pesadas Mandei as meninas olharem-se no espelho.
multas. Devemos sorrir ao invés de chorar. Tenho ainda alguns
livros por (para) publicar. Gerúndio
Pode funcionar como adjetivo ou advérbio. Ex.: Saindo de
Observação: quando o infinitivo preposicionado, ou não, casa, encontrei alguns amigos. (Função de advérbio); Nas ruas,
preceder ou estiver distante do verbo da oração principal havia crianças vendendo doces. (Função adjetivo)
(verbo regente), pode ser flexionado para melhor clareza do Na forma simples, o gerúndio expressa uma ação em curso;
período e também para se enfatizar o sujeito (agente) da ação na forma composta, uma ação concluída. Ex.: Trabalhando,
verbal. Exs.: aprenderás o valor do dinheiro; Tendo trabalhado, aprendeu o
Na esperança de sermos atendidos, muito lhe valor do dinheiro.
agradecemos.
Foram dois amigos à casa de outro, a fim de jogarem Particípio
futebol. Quando não é empregado na formação dos tempos
Para estudarmos, estaremos sempre dispostos. compostos, o particípio indica geralmente o resultado de uma
Antes de nascerem, já estão condenadas à fome muitas ação terminada, flexionando-se em gênero, número e grau. Ex.:
crianças. Terminados os exames, os candidatos saíram. Quando o
particípio exprime somente estado, sem nenhuma relação
- Com os verbos causativos "deixar", "mandar" e temporal, assume verdadeiramente a função de adjetivo
"fazer" e seus sinônimos que não formam locução verbal (adjetivo verbal). Ex.: Ela foi a aluna escolhida para
com o infinitivo que os segue. Ex.: Deixei-os sair cedo hoje. representar a escola.
- Com os verbos sensitivos "ver", "ouvir", "sentir" e
sinônimos, deve-se também deixar o infinitivo sem flexão. 1ª Conjugação –AR
Ex.: Vi-os entrar atrasados. Ouvi-as dizer que não iriam à Infinitivo Impessoal: dançar.
festa. Infinitivo Pessoal: dançar eu, dançares tu; dançar ele,
dançarmos nós, dançardes vós, dançarem eles.
Infinitivo Pessoal Gerúndio: dançando.
É o infinitivo relacionado às três pessoas do discurso. Na Particípio: dançado.
1ª e 3ª pessoas do singular, não apresenta desinências,

Língua Portuguesa 28
APOSTILAS OPÇÃO

2ª Conjugação –ER que, diante dos apuros, como a perda do emprego, algumas
Infinitivo Impessoal: comer. tentem manter o mesmo padrão de vida em lugar de cortar
Infinitivo pessoal: comer eu, comeres tu, comer ele, gastos para se encaixar na nova realidade. Pedir um
comermos nós, comerdes vós, comerem eles. empréstimo para quitar outra dívida é um comportamento
Gerúndio: comendo. recorrente entre os endividados.
Particípio: comido. Para sair do vermelho, aceitar o vício é o primeiro passo.
Uma vez que o devedor reconhece o problema, a próxima
3ª Conjugação –IR etapa é se planejar.
(Felipe Machado e Tatiana Babadobulos, Veja, 04.04.2018. Adaptado)
Infinitivo Impessoal: partir.
Infinitivo pessoal: partir eu, partires tu, partir ele, Assinale a alternativa em que os verbos estão conjugados
partirmos nós, partirdes vós, partirem eles. de acordo com a norma-padrão, em substituição aos trechos
Gerúndio: partindo. destacados na passagem – É comum que, diante dos apuros,
Particípio: partido. como a perda do emprego, algumas tentem manter o mesmo
padrão de vida.
Questões (A) Poderia acontecer que ... mantêm
(B) Pôde acontecer que ... mantessem
01. (UNEMAT - Psicólogo - 2018) (C) Podia acontecer que ... mantivessem
(D) Pôde acontecer que ... manteram
(E) Podia acontecer que ... mantiveram

03. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2018) A vida


de Dorinha Duval foi, ____ . O processo ainda não havia ido a
Júri quando a tese da defesa foi mudada. Não seria mais
violenta emoção, mas legítima defesa. Ela não teria atirado no
Disponível marido por ter sido ___ e chamada de velha, mas ______ o marido
https://www.facebook.com/tirasamandinho/photos/a.488361671209144.11396 passou a agredi-la. De fato, o exame pericial de corpo de delito
3.
488356901209621/1568398126538821/?type=3&theater.
realizado em Dorinha constatou a existência de _______ em seu
Acesso em: fev.2018. corpo. A versão da legítima defesa era ______ .
(Luiza Nagib Eluf, A paixão no banco dos réus. Adaptado)
Na tirinha, Fê conversa com Camilo sobre o que ela
considera ser machismo na cerimônia de casamento, enquanto As expressões verbais empregadas em tempo que exprime
Pudim diz a Armandinho que tudo aquilo que a garota a ideia de hipótese são:
questiona é algo natural. (A) seria e teria.
Nas falas atribuídas à menina, o verbo ter aparece em Tem (B) foi e seria.
casamentos [...] (quadro 1) e em [...] essas coisas têm (C) teria e ter sido.
significados! (quadro 2). (D) foi e constatou.
(E) ter sido e passou.
Em relação a esses empregos do verbo ter, assinale a
alternativa correta. 04. (Pref. Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo -
(A) Em ambos, o verbo é impessoal. IDHTEC/2016) Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi
(B) Ambos estão na terceira pessoa do plural do presente não __________culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe
do modo indicativo. Bianchi afirma que a verdade nunca vai aparecer, pois os
(C) Ambos estão na terceira pessoa do singular do presente pilotos __________ medo de falar. "Um piloto não vai dizer nada
do modo indicativo. se existir uma câmera, mas quando não existem câmeras,
(D) Ambos estão no presente do modo indicativo, embora todos __________ até mim e me dizem. Jules Bianchi bateu com
o primeiro esteja na terceira pessoa do singular e o segundo na seu carro em um trator durante um GP, aquaplanou e não
terceira pessoa do plural. conseguiu __________para evitar o choque.
(E) Ambos estão no presente do modo subjuntivo, embora (http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilotos-da-f-1-
temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-de-bianchi)
o primeiro esteja na terceira pessoa do singular e o segundo na
terceira pessoa do plural.
Complete com a sequência de verbos que está no tempo,
modo e pessoa corretos:
02. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2018)
(A) Tem – tem – vem - freiar
(B) Tem – tiveram – vieram - frear
O drama dos viciados em dívidas
(C) Teve – tinham – vinham – frenar
(D) Teve – tem – veem – freiar
Apesar dos sinais de recuperação da economia, o número
(E) Teve – têm – vêm – frear
de brasileiros endividados chegou a 61,7 milhões em fevereiro
passado – o equivalente a 40% da população adulta. O número
05. (Prefeitura Florianópolis/SC - Auxiliar de Sala -
é alto porque o hábito de manter as contas em dia não é apenas
FEPESE/2016) Assinale a alternativa em que está correta a
uma questão financeira decorrente do estado geral da
correlação entre os tempos e os modos verbais nas frases
economia – pode ser uma questão comportamental. Por isso,
abaixo.
há grupos especializados que promovem reuniões semanais
(A) A entonação correta ao falarmos colabora com o
com devedores, com a finalidade de trocar experiências sobre
entendimento que o outro tem do assunto tratado e reforçaria
consumo impulsivo e propensão a viver no vermelho. Uma
a nossa persuasão.
dessas organizações é o Devedores Anônimos (DA), que
(B) Para falar bem em público, organize as ideias de acordo
funciona nos mesmos moldes do Alcoólicos Anônimos (AA).
com o tempo que você terá e, antes de falar, ensaie sua
Pertencer a uma classe social mais alta não livra ninguém
apresentação.
do problema. As pessoas de maior renda são justamente as que
(C) A capacidade de os adolescentes virem a falar em
têm maior resistência em admitir a compulsão. Pior. É comum
público, teria dependido dos bons ensinamentos da escola.

Língua Portuguesa 29
APOSTILAS OPÇÃO

(D) Quem vier a comparar a fala dos jovens de hoje com os Questões
da geração passada, haveria de concluir que os jovens de hoje
leem muito menos. 01. (CISSUL/MG - Condutor Socorrista - IBGP/2017)
(E) O contato visual também é importante ao falar em
público. Passa empatia e envolveria o outro.

Gabarito

01.D / 02.C / 03.A / 04.E / 05.B

Locução Verbal

Uma locução verbal11 é a combinação de um verbo


auxiliar e um verbo principal. Esses dois verbos, aparecendo
juntos na oração, transmitem apenas uma ação verbal,
desempenhando o papel de um único verbo. Exemplo:
Assinale a alternativa que contém uma locução verbal
- estive pensando
extraída do cartum.
- quero sair
(A) Não terão.
- pode ocorrer
(B) Como andar.
- tem investigado
(C) Vai chegar.
- tinha decidido
(D) Todos terão.
Função dos verbos auxiliares nas locuções verbais
02. (CRQ 4ª REGIÃO/SP - Fiscal - QUADRIX)
Apenas o verbo auxiliar é flexionado. Verbo auxiliar é o
que perdendo significado próprio, é utilizado para auxiliar na
conjugação de outro, o verbo principal. Assim, o tempo, o
modo, o número, a pessoa e o aspecto da ação verbal são
indicados pelo verbo auxiliar.

Os auxiliares mais comuns são: “Ter, Haver, Ser e Estar”.


Contudo, outros verbos também atuam como verbos auxiliares
nas locuções verbais, como os verbos poder, dever, querer,
começar a, deixar de, voltar a, continuar a, entre outros.

Função dos verbos principais nas locuções verbais


Nas locuções verbais o verbo auxiliar aparece conjugado e
o principal numa das formas nominais: no gerúndio, no
infinitivo ou no particípio.

Locução verbal com verbo principal no gerúndio


Ex.: Estou escrevendo
verbo auxiliar flexionado: estou Qual forma verbal substituiria, sem causar alteração de
verbo principal no gerúndio: escrevendo sentido, a locução verbal "vou ter", que aparece no primeiro
quadrinho?
Locução verbal com verbo principal no infinitivo (A) "terei".
Ex.: Quero sair (B) "teria".
verbo auxiliar flexionado: quero (C) "tivera".
verbo principal no infinitivo: sair (D) "tenha".
(E) "tinha".
Locução verbal com verbo principal no particípio
Ex.: Tinha decidido 03. (Pref. João Pessoa/PB - Professor Língua
verbo auxiliar flexionado: tinha Portuguesa - FGV) Uma locução verbal é o conjunto formado
verbo principal no particípio: decidido por um verbo auxiliar + um verbo principal, este último
sempre em forma nominal. Nas frases a seguir as formas
Em todos os exemplos a ideia central é expressa pelo verbo verbais sublinhadas constituem uma locução verbal, à exceção
principal, os verbos auxiliares apenas indicam flexões de de uma. Assinale‐a.
tempo, modo, pessoa, número e voz. Sem os verbos principais, (A) Todos podem entrar assim que chegarem.
os auxiliares não teriam sentido algum. (B) Se os grevistas querem trabalhar menos, não vou
atendê‐los.
(C) Deixem entrar todos os atrasados.
(D) Elas não sabem cozinhar como antigamente.
(E) A plantação foi‐se expandindo para os lados

Gabarito

01.C / 02.A / 03.C

11
https://www.conjugacao.com.br/locucao-verbal/

Língua Portuguesa 30
APOSTILAS OPÇÃO

Advérbio - Bastante - antes de substantivo, é adjetivo, portanto vai


para o plural, equivale a muitos / as: Contei bastantes estrelas
É a palavra invariável que modifica um verbo (Chegou no céu.
cedo), um outro advérbio (Falou muito bem), um adjetivo - Não confunda mal (advérbio, oposto de bem) com mau
(Estava muito bonita). (adjetivo, oposto de bom): Mal cheguei a casa, encontrei-a de
mau humor.
De acordo com a circunstância que exprime, o advérbio - Antes de verbo no particípio, diz-se mais bem, mais mal:
pode ser de: Ficamos mais bem informados depois do noticiário notumo.
Tempo: ainda, agora, antigamente, antes, amiúde - Em frase negativa o advérbio já equivale a mais: Já não se
(=sempre), amanhã, breve, brevemente, cedo, diariamente, fazem professores como antigamente. (=não se fazem mais)
depois, depressa, hoje, imediatamente, já, lentamente, logo, - Na locução adverbial a olhos vistos (=claramente), o
novamente, outrora. particípio permanece no masculino plural: Minha irmã Zuleide
Lugar: aqui, acolá, atrás, acima, adiante, ali, abaixo, além, emagrecia a olhos vistos.
algures (=em algum lugar), aquém, alhures (= em outro lugar), - Dois ou mais advérbios terminados em mente, apenas no
dentro, defronte, fora, longe, perto. último permanece mente: Educada e pacientemente, falei a
Modo: assim, bem, depressa, aliás (= de outro modo ), todos.
devagar, mal, melhor, pior, e a maior parte dos advérbios que - A repetição de um mesmo advérbio assume o valor
termina em mente: calmamente, suavemente, rapidamente, superlativo: Levantei cedo, cedo.
tristemente.
Afirmação: certamente, decerto, deveras, efetivamente, Palavras e Locuções Denotativas: São palavras
realmente, sim, seguramente. semelhantes a advérbios e que não possuem classificação
Negação: absolutamente, de modo algum, de jeito especial. Não se enquadram em nenhuma das dez classes de
nenhum, nem, não, tampouco (=também não). palavras. São chamadas de denotativas e exprimem:
Intensidade: apenas, assaz, bastante, bem, demais, mais, Afetividade: felizmente, infelizmente, ainda bem. Ex.: Ainda
meio, menos, muito, quase, quanto, tão, tanto, pouco. bem que você veio.
Dúvida: acaso, eventuamente, por ventura, quiçá, Designação, Indicação: eis. Ex.: Eis aqui o herói da turma.
possivelmente, talvez. Exclusão: exclusive, menos, exceto, fora, salvo, senão,
sequer: Ex.: Não me disse sequer uma palavra de amor.
Locuçoes Adverbiais: são duas ou mais palavras que têm Inclusão: inclusive, também, mesmo, ainda, até, além disso,
o valor de advérbio: às cegas, às claras, às toa, às pressas, às de mais a mais. Ex.: Também há flores no céu.
escondidas, à noite, à tarde, às vezes, ao acaso, de repente, de Limitação: só, apenas, somente, unicamente. Ex.: Só Deus é
chofre, de cor, de improviso, de propósito, de viva voz, de perfeito.
medo, com certeza, por perto, por um triz, de vez em quando, Realce: cá, lá, é que, sobretudo, mesmo. Ex.: Sei lá o que ele
sem dúvida, de forma alguma, em vão, por certo, à esquerda, à quis dizer!
direta, a pé, a esmo, por ali, a distância. Retificação: aliás, ou melhor, isto é, ou antes. Ex.: Irei à
- De repente o dia se fez noite. Bahia na próxima semana, ou melhor, no próximo mês.
- Por um triz eu não me denunciei. Explicação: por exemplo, a saber. Ex.: Você, por exemplo,
- Sem dúvida você é o melhor. tem bom caráter.

Graus dos Advérbios: o advérbio não vai para o plural, são Questões
palavras invariáveis, mas alguns admitem a flexão de grau:
comparativo e superlativo. 01. Assinale a frase em que meio funciona como advérbio:
(A) Só quero meio quilo.
Comparativo de: (B) Achei-o meio triste.
Igualdade - tão + advérbio + quanto, como: Sou tão feliz (C) Descobri o meio de acertar.
quanto / como você. (D) Parou no meio da rua.
Superioridade - Analítico: mais do que. Ex.: Raquel é mais (E) Comprou um metro e meio.
elegante do que eu.
- Sintético: melhor, pior que. Ex.: 02. Só não há advérbio em:
Amanhã será melhor do que hoje. (A) Não o quero.
Inferioridade - menos do que: Falei menos do que devia. (B) Ali está o material.
(C) Tudo está correto.
Superlativo Absoluto: (D) Talvez ele fale.
Analítico - mais, muito, pouco,menos: O candidato (E) Já cheguei.
defendeu-se muito mal.
Sintético - íssimo, érrimo: Localizei-o rapídíssimo. 03. Qual das frases abaixo possui advérbio de modo?
(A) Realmente ela errou.
Emprego do Advérbio (B) Antigamente era mais pacato o mundo.
- Na linguagem coloquial, familiar, é comum o emprego do (C) Lá está teu primo.
sufixo diminutivo dando aos advérbios o valor de superlativo (D) Ela fala bem.
sintético: agorinha, cedinho, pertinho, devagarinho, (E) Estava bem cansado.
depressinha, rapidinho (bem rápido). Exs.: Rapidinho chegou
a casa; Moro pertinho da universidade. 04. Classifique a locução adverbial que aparece em
- Frequentemente empregamos adjetivos com valor de "Machucou-se com a lâmina".
advérbio: A cerveja que desce redondo. (redondamente) (A) modo
- Bastante - antes de adjetivo, é advérbio, portanto, não vai (B) instrumento
para o plural; equivale a muito / a: Aquelas jovens são bastante (C) causa
simpáticas e gentis. (D) concessão
(E) fim

Língua Portuguesa 31
APOSTILAS OPÇÃO

05. (PC/SP - Investigador de Polícia - VUNESP/2018) através de, defronte de, em favor de, em lugar de, em vez de,
Nos EUA, a psicanálise lembra um pouco certas seitas – as (=no lugar de), ao invés de (=ao contrário de), para com, até a.
ideias do fundador são institucionalizadas e defendidas por - Não confunda locução prepositiva com locução adverbial.
discípulos ferrenhos, mas suas instituições parecem não Na locução adverbial, nunca há uma preposição no final, e sim
responder às necessidades atuais da sociedade. Talvez porque no começo: Vimos de perto o fenômeno do “tsunami”.
o autor das ideias não esteja mais aqui para atualizá-las. (locução adverbial); O acidente ocorreu perto de meu atelier.
Freud era um neurologista, e queria encontrar na Biologia (locução prepositiva)
as bases do comportamento. Como a tecnologia de então não - Uma preposição ou locução prepositiva pode vir com
lhe permitia avançar, passou a elaborar uma teoria, criando a outra preposição: Abola passou por entre as pernas do
psicanálise. Cientista que era, contudo, nunca se apaixonou por goleiro. Mas é inadequado dizer: Proibido para menores de até
suas ideias, revisando sua obra ao longo da vida. Ele chegou a 18 anos; Financiamento em até 24 meses.
afirmar: “A Biologia é realmente um campo de possibilidades
ilimitadas do qual podemos esperar as elucidações mais Combinações e Contrações
surpreendentes. Portanto, não podemos imaginar que Combinação: ocorre quando não há perda de fonemas:
respostas ela dará, em poucos decêndios, aos problemas que a+o, os= ao, aos / a+onde = aonde.
formulamos. Talvez essas respostas venham a ser tais que Contração: ocorre quando a preposição perde fonemas:
farão o edifício de nossas hipóteses colapsar”. Provavelmente, de+a, o, as, os, esta, este, isto = da, do, das, dos, desta, deste,
é sua frase menos citada. Por razões óbvias. disto.
(Galileu, novembro de 2017. Adaptado) - em+ um, uma, uns, umas, isto, isso, aquilo, aquele, aquela,
aqueles, aquelas = num, numa, nuns, numas, nisto, nisso,
Nos trechos – … Talvez porque o autor das ideias não esteja naquilo, naquele, naquela, naqueles.
mais aqui… – ; – … nunca se apaixonou por suas ideias… – ; – A - de+ entre, aquele, aquela, aquilo = dentre, daquele,
Biologia é realmente um campo de possibilidades ilimitadas… daquela, daquilo.
– e – Provavelmente, é sua frase menos citada. –, os advérbios - para+ a = pra.
destacados expressam, correta e respectivamente, A contração da preposição a com os artigos ou pronomes
circunstância de: demonstrativos a, as, aquele, aquela, aquilo recebe o nome de
(A) lugar; tempo; modo; afirmação. crase e é assinalada na escrita pelo acento grave ficando assim:
(B) lugar; tempo; afirmação; dúvida. à, às, àquele, àquela, àquilo.
(C) lugar; negação; modo; intensidade.
(D) afirmação; negação; afirmação; afirmação. Valores das Preposições
(E) afirmação; negação; modo; dúvida.
A
Gabarito (movimento=direção): Foram a Lucélia comemorar os
Anos Dourados.
01.B / 02.C / 03.D / 04.B / 05.B Modo: Partiu às pressas.
Tempo: Iremos nos ver ao entardecer.
Preposição Apreposição a indica deslocamento rápido: Vamos à praia.
(ideia de passear)
É a palavra invariável que liga um termo dependente a um
termo principal, estabelecendo uma relação entre ambos. As Ante
preposições podem ser: essenciais ou acidentais. (diante de): Parou ante mim sem dizer nada, tanta era a
emoção.
As preposições essenciais atuam exclusivamente como Tempo (substituída por antes de): Preciso chegar ao
preposições. São: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, encontro antes das quatro horas.
entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás. Exs.: Não dê
atenção a fofocas; Perante todos disse, sim. Após (depois de): Após alguns momentos desabou num
choro arrependido.
As preposições acidentais são palavras de outras classes
que atuam eventualmente como preposições. São: como (=na Até
qualidade de), conforme (=de acordo com), consoante, exceto, (aproximação): Correu até mim.
mediante, salvo, visto, segundo, senão, tirante. Ex.: Agia Tempo: Certamente teremos o resultado do exame até a
conforme sua vontade. (= de acordo com) semana que vem.
Atenção: Se a preposição até equivaler a inclusive, será
- O artigo definido a que vem sempre acompanhado de um palavra de inclusão e não preposição. Os sonhadores amam
substantivo, é flexionado: a casa, as casas, a árvore, as árvores, até quem os despreza. (inclusive)
a estrela, as estrelas. A preposição a nunca vai para o plural e
não estabelece concordância com o substantivo. Ex.: Fiz todo o Com (companhia): Rir de alguém é falta de caridade;
percurso a pé. (não há concordância com o substantivo deve-se rir com alguém.
masculino pé) Causa: A cidade foi destruída com o temporal.
- As preposições essenciais são sempre seguidas dos Instrumento: Feriu-se com as próprias armas.
pronomes pessoais oblíquos: Despediu-se de mim Modo: Marfinha, minha comadre, veste-se sempre com
rapidamente. Não vá sem mim. elegância.

Locuções Prepositivas: é o conjunto de duas ou mais Contra


palavras que têm o valor de uma preposição. A última palavra (oposição, hostilidade): Revoltou-se contra a decisão do
é sempre uma preposição. Veja quais são: abaixo de, acerca de, tribunal.
acima de, ao lado de, a respeito de, de acordo com, dentro de, Direção a um limite: Bateu contra o muro e caiu.
embaixo de, em cima de, em frente a, em redor de, graças a,
junto a, junto de, perto de, por causa de, por cima de, por trás De (origem): Descendi de pais trabalhadores e honestos.
de, a fim de, além de, antes de, a par de, a partir de, apesar de, Lugar: Os corruptos vieram da capital.

Língua Portuguesa 32
APOSTILAS OPÇÃO

Causa: O bebê chorava de fome. No 3º quadrinho, nas três ocorrências, o sentido da


Posse: Dizem que o dinheiro do povo sumiu. preposição “sem” e o das expressões que ela forma são,
Assunto: Falávamos do casamento da Mariele. respectivamente, de
Matéria: Era uma casa de sapé. (A) negação e causa.
A preposição de não deve contrair-se com o artigo, que (B) adição e condição.
precede o sujeito de um verbo. É tempo de os alunos (C) ausência e modo.
estudarem. (e não: dos alunos estudarem) (D) falta e consequência.
(E) exceção e intensidade.
Desde
(afastamento de um ponto no espaço): Essa neblina vem 02. (Pref. Itaquitinga/PE - Técnico em Enfermagem -
desde São Paulo. IDHTEC/2016)
Tempo: Desde o ano passado quero mudar de casa.
MAMÃ NEGRA (Canto de esperança)
Em
(lugar): Moramos em Lucélia há alguns anos. Tua presença, minha Mãe - drama vivo duma Raça, Drama
Matéria: As queridas amigas Nilceia e Nadélgia moram em de carne e sangue Que a Vida escreveu com a pena dos séculos!
Curitiba. Pelo teu regaço, minha Mãe, Outras gentes embaladas à voz da
Especialidade: Minha amiga Cidinha formou-se em Letras. ternura ninadas do teu leite alimentadas de bondade e poesia
Tempo: Tudo aconteceu em doze horas. de música ritmo e graça... santos poetas e sábios... Outras
gentes... não teus filhos, que estes nascendo alimárias
Entre (posição entre dois limites): Convém colocar o vidro semoventes, coisas várias, mais são filhos da desgraça: a
entre dois suportes. enxada é o seu brinquedo trabalho escravo - folguedo... Pelos
teus olhos, minha Mãe Vejo oceanos de dor Claridades de sol-
Para posto, paisagens Roxas paisagens Mas vejo (Oh! se vejo!...) mas
Direção: Não lhe interessava mais ir para a Europa. vejo também que a luz roubada aos teus [olhos, ora esplende
Tempo: Pretendo vê-lo lá para o final da semana. demoniacamente tentadora - como a Certeza... cintilantemente
Finalidade: Lute sempre para viver com dignidade. firme - como a Esperança... em nós outros, teus filhos, gerando,
A preposição para indica permanência definitiva. Vou formando, anunciando -o dia da humanidade.
para o litoral. (ideia de morar) (Viriato da Cruz. Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império)

Perante (posição anterior): Permaneceu calado perante Em qual das alternativas o acento grave foi mal
todos. empregado, pois não houve crase?
(A) “Milena Nogueira foi pela primeira vez à quadra da
Por (percurso, espaço, lugar): Caminhava por ruas
escola de samba Império Serrano, na Zona Norte do Rio.”
desconhecidas.
Causa: Por ser muito caro, não compramos um pendrive (B) "Os relatos dos casos mostram repetidas violações dos
novo. direitos à moradia, a um trabalho digno, à integridade cultural,
Espaço: Por cima dela havia um raio de luz. a vida e ao território."
(C) “O corpo de Lucilene foi encontrado próximo à ponte
Sem (ausência): Eu vou sem lenço sem documento. do Moa no dia 11 de maio.”
(D) “Fifa afirma que Blatter e Valcke enriqueceram às
Sob (debaixo de / situação): Prefiro cavalgar sob o luar. custas da entidade.”
Viveu, sob pressão dos pais. (E) “Doriva saiu e Milton Cruz fez às vezes de técnico até a
chegada de Edgardo Bauza no fim do ano passado.”
Sobre
(em cima de, com contato): Colocou as taças de cristal 03. (TJ/AL - Analista Judiciário - Oficial de Justiça
sobre a toalha rendada. Avaliador - FGV/2018)
Assunto: Conversávamos sobre política financeira.
Além do celular e da carteira, cuidado com as figurinhas
Trás (situação posterior; é preposição fora de uso. É da Copa
substituída por atrás de, depois de): Por trás desta carinha Gilberto Porcidônio – O Globo, 12/04/2018
vê-se muita falsidade.
Questões A febre do troca-troca de figurinhas pode estar atingindo
uma temperatura muito alta. Preocupados que os mais afoitos
01. (PC/SP - Papiloscopista Policial - VUNESP/2018) pelos cromos possam até roubá-los, muitos jornaleiros estão
levando seus estoques para casa quando termina o expediente.
Pode parecer piada, mas há até boatos sobre quadrilhas de
roubo de figurinha espalhados por mensagens de celular.

No texto aparecem três ocorrências da preposição DE.


1. “troca-troca de figurinhas”;
2. “roubo de figurinha”;
3. “mensagens de celular”.

Sobre o emprego dessa preposição nesses casos, é correto


afirmar que:
(A) os termos precedidos da preposição DE indicam
pacientes dos vocábulos anteriores;
(B) os termos precedidos da preposição DE indicam
agentes dos termos anteriores;
(C) os termos “de figurinha” e “de celular” são
complementos dos termos anteriores;

Língua Portuguesa 33
APOSTILAS OPÇÃO

(D) os termos “de figurinhas” e “de celular” são adjuntos Classificaçao das Interjeições e Locuções Interjetivas
dos vocábulos precedentes; As intejeições e as locuções interjetivas são classificadas de
(E) os termos “de figurinhas” e “de figurinha” são acordo com o sentido que elas expressam em determinado
complementos dos vocábulos precedentes. contexto. Assim, uma mesma palavra ou expressão pode
exprimir emoções variadas.
04. Assinale a alternativa em que a preposição destacada Admiração ou Espanto: Oh!, Caramba!, Oba!, Nossa!, Meu
estabeleça o mesmo tipo de relação que na frase matriz: Deus!, Céus!
Criaram-se a pão e água. Advertência: Cuidado!, Atenção!, Alerta!, Calma!, Alto!,
(A) Desejo todo o bem a você. Olha lá!
(B) A julgar por esses dados, tudo está perdido. Alegria: Viva!, Oba!, Que bom!, Oh!, Ah!;
(C) Feriram-me a pauladas. Ânimo: Avante!, Ânimo!, Vamos!, Força!, Eia!, Toca!
(D) Andou a colher alguns frutos do mar. Aplauso: Bravo!, Parabéns!, Muito bem!
(E) Ao entardecer, estarei aí. Chamamento: Olá!, Alô!, Psiu!, Psit!
Aversão: Droga!, Raios!, Xi!, Essa não!, lh!
05. (TJ/AL - Técnico Judiciário - FGV/2018) Medo: Cruzes!, Credo!, Ui!, Jesus!, Uh! Uai!
Pedido de Silêncio: Quieto!, Bico fechado!, Silêncio!,
Ressentimento e Covardia Chega!, Basta!
Saudação: Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!
Tenho comentado aqui na Folha em diversas crônicas, os Concordância: Claro!, Certo!, Sim!, Sem dúvida!
usos da internet, que se ressente ainda da falta de uma Desejo: Oxalá!, Tomara!, Pudera!, Queira Deus! Quem me
legislação específica que coíba não somente os usos mas os dera!
abusos deste importante e eficaz veículo de comunicação. A
maioria dos abusos, se praticados em outros meios, seriam Observe na relação acima, que as interjeições muitas vezes
crimes já especificados em lei, como a da imprensa, que pune são formadas por palavras de outras classes gramaticais:
injúrias, difamações e calúnias, bem como a violação dos Cuidado! Não beba ao dirigir! (cuidado é substantivo).
direitos autorais, os plágios e outros recursos de apropriação
indébita. Questões
No fundo, é um problema técnico que os avanços da
informática mais cedo ou mais tarde colocarão à disposição 01. Assinale o par de frases em que as palavras destacadas
dos usuários e das autoridades. Como digo repetidas vezes, me são substantivo e pronome, respectivamente:
valendo do óbvio, a comunicação virtual está em sua pré- (A) A imigração tornou-se necessária. / É dever cristão
história. praticar o bem.
Atualmente, apesar dos abusos e crimes cometidos na (B) A Inglaterra é responsável por sua economia. / Havia
internet, no que diz respeito aos cronistas, articulistas e muito movimento na praça.
escritores em geral, os mais comuns são os textos atribuídos (C) Fale sobre tudo o que for preciso. / O consumo de
ou deformados que circulam por aí e que não podem ser drogas é condenável.
desmentidos ou esclarecidos caso por caso. Um jornal ou (D) Pessoas inconformadas lutaram pela abolição. /
revista é processado se publicar sem autorização do autor um Pesca-se muito em Angra dos Reis.
texto qualquer, ainda que em citação longa e sem aspas. Em (E) Os prejudicados não tinham o direito de reclamar. /
caso de injúria, calúnia ou difamação, também. E em caso de Não entendi o que você disse.
falsear a verdade propositadamente, é obrigado pela justiça a
desmentir e dar espaço ao contraditório. 02. Assinale o item que só contenha preposições:
Nada disso, por ora, acontece na internet. Prevalece a lei do (A) durante, entre, sobre
cão em nome da liberdade de expressão, que é mais expressão (B) com, sob, depois
de ressentidos e covardes do que de liberdade, da verdadeira (C) para, atrás, por
liberdade. (Carlos Heitor Cony, Folha de São Paulo, 16/05/2006 – adaptado) (D) em, caso, após
(E) após, sobre, acima
O segmento do texto em que o emprego da preposição EM
indica valor semântico diferente dos demais é: 03. Observe as palavras grifadas da seguinte frase:
(A) “Tenho comentado aqui na Folha em diversas “Encaminhamos a V. Senhoria cópia autêntica do Edital nº
crônicas”; 19/82.” Elas são, respectivamente:
(B) A maioria dos abusos, se praticados em outros meios”; (A) verbo, substantivo, substantivo
(C) “... seriam crimes já especificados em lei”; (B) verbo, substantivo, advérbio
(D) “...a comunicação virtual está em sua pré-história”; (C) verbo, substantivo, adjetivo
(E) “...ainda que em citação longa e sem aspas”. (D) pronome, adjetivo, substantivo
(E) pronome, adjetivo, adjetivo
Gabarito
04. Assinale a opção em que a locução grifada tem valor
01.C / 02.E / 03.E / 04.C / 05.D adjetivo:
(A) “Comprei móveis e objetos diversos que entrei a
Interjeição utilizar com receio.”
(B) “Azevedo Gondim compôs sobre ela dois artigos.”
É a palavra invariável que exprime emoções, sensações, (C) “Pediu-me com voz baixa cinquenta mil réis.”
estados de espírito ou apelos. (D) “Expliquei em resumo a prensa, o dínamo, as serras...”
(E) “Resolvi abrir o olho para que vizinhos sem
Locução Interjetiva: é o conjunto de duas ou mais escrúpulos não se apoderassem do que era delas.”
palavras com valor de uma interjeição: Muito bem! Que pena!
Quem me dera! Puxa, que legal! 05. O "que" está com função de preposição na alternativa:
(A) Veja que lindo está o cabelo da nossa amiga!
(B) Diz-me com quem andas, que eu te direi quem és.

Língua Portuguesa 34
APOSTILAS OPÇÃO

(C) João não estudou mais que José, mas entrou na Exemplos:
Faculdade. Não leia no escuro, que faz mal à vista.
(D) O Fiscal teve que acompanhar o candidato ao banheiro. Compre estas mercadorias, pois já estamos ficando sem.
(E) Não chore que eu já volto.
Conjunções Subordinativas
Gabarito
Ligam uma oração principal a uma oração subordinativa,
01.E / 02.A / 03.C / 04.E / 05.D com verbo flexionado.

Conjunções 1. Integrantes: iniciam a oração subordinada substantiva


– Que / Se / Como
Exercem a função de conectar as palavras dentro de uma
oração. Desta forma, elas estabelecem uma relação de Exemplos:
coordenação ou subordinação e são classificadas em: Todos perceberam que você estava atrasado.
Conjunções Coordenativas e Conjunções Subordinativas. Aposto como você estava nervosa.

Conjunções Coordenativas 2. Temporais (Tempo) – Quando / Enquanto / Logo que /


Assim que / Desde que
1. Aditivas (Adição) Exemplos:
E Logo que chegaram, a festa acabou.
Nem Quando eu disse a verdade, ninguém acreditou.
Não só... Mas também
Mas ainda 3. Finais (Finalidade) – Para que / A fim de que
Senão Exemplo:
Foi embora logo, a fim de que ninguém o perturbasse.
Exemplos:
Viajamos e descansamos. 4. Proporcionais (Proporcionalidade) – À proporção que
Eu não só estudo, mas também trabalho. / À medida que / Quanto mais ... mais / Quanto menos... menos
Exemplos:
2. Adversativas (posição contrária) À medida que se vive, mais se aprende.
Quanto mais se preocupa, mais se aborrece.
Mas
Porém 5. Causais (Causa) – Porque / Como / Visto que / Uma vez
Todavia que
Exemplo: Como estivesse doente, não pôde sair.
Entretanto
No entanto
6. Condicionais (Condição) – Se / Caso / Desde que
Exemplos:
Exemplos:
Comprarei o livro, desde que esteja disponível.
Ela era explorada, mas não se queixava.
Se chover, não poderemos ir.
Os alunos estudaram, no entanto não conseguiram as
notas necessárias.
7. Comparativas (Comparação) – Como / Que / Do que /
Quanto / Que nem
3. Alternativas (alternância)
Exemplos:
Os filhos comeram como leões.
Ou, ou A luz é mais veloz do que o som.
Ora, ora
Quer, quer 8. Conformativas (Conformidade) – Como / Conforme /
Já, já Segundo
Exemplos:
Exemplos: As coisas não são como parecem.
Ou você vem agora, ou não haverá mais ingressos. Farei tudo, conforme foi pedido.
Ora chovia, ora fazia sol.
9. Consecutivas (Consequência) – Que (precedido dos
4. Conclusivas (conclusão) termos: tal, tão, tanto...) / De forma que
Logo Exemplos:
Portanto A menina chorou tanto, que não conseguiu ir para a escola.
Por conseguinte Ontem estive viajando, de forma que não consegui
Pois (após o verbo) participar da reunião.

Exemplos: 10. Concessivas (Concessão) – Embora / Conquanto /


O caminho é perigoso; vá, pois, com cuidado! Ainda que / Mesmo que / Por mais que
Estamos nos esforçando, logo seremos recompensados. Exemplos:
Todos gostaram, embora estivesse mal feito.
5. Explicativas (explicação) Por mais que gritasse, ninguém o socorreu.
Que
Porque
Porquanto
Pois (antes do verbo)

Língua Portuguesa 35
APOSTILAS OPÇÃO

Questões mormaço com M maiúsculo. Mormaço, para mim, era um velho


que pegava crianças! Ia pra dentro logo. E ainda hoje, quando
01. (PC/SP - Papiloscopista Policial - VUNESP/2018) leio que alguém se viu perseguido pelo clamor público, vejo
com estes olhos o Sr. Clamor Público, magro, arquejante, de
preto, brandindo um guarda-chuva, com um gogó
protuberante que se abaixa e levanta no excitamento da
perseguição. E já estava devidamente grandezinho, pois devia
contar uns trinta anos, quando me fui, com um grupo de
colegas, a ver o lançamento da pedra fundamental da ponte
Uruguaiana-Libres, ocasião de grandes solenidades, com os
presidentes Justo e Getúlio, e gente muita, tanto assim que
fomos alojados os do meu grupo num casarão que creio fosse
a Prefeitura, com os demais jornalistas do Brasil e Argentina.
Era como um alojamento de quartel, com breve espaço entre
as camas e todas as portas e janelas abertas, tudo com os
alegres incômodos e duvidosos encantos, um vulto junto à
minha cama, senti-me estremunhado e olhei atônito para um
tipo de chiru, ali parado, de bigodes caídos, pala pendente e
chapéu descido sobre os olhos. Diante da minha muda
interrogação, ele resolveu explicar-se, com a devida calma:
– Pois é! Não vê que eu sou o sereno…
E eis que, por milésimo de segundo, ou talvez mais, julguei
Na fala do personagem no segundo quadrinho “Apesar da que se tratasse do sereno noturno em pessoa. [...]
aparência, sou um homem ultramoderno!”, a expressão (Mário Quintana. Caderno H. 5. ed. São Paulo: Globo, 1989, p. 153-154.)
destacada estabelece entre as informações relação de sentido
de Após a leitura do texto e considerando seu conteúdo, pode-
(A) comparação. se afirmar quanto ao emprego da conjunção em relação à
(B) finalidade. titulação do texto que o sentido produzido indica
(C) consequência. (A) compensação de um elemento em relação ao outro.
(D) conclusão. (B) acrescentamento de um elemento em relação ao outro.
(E) concessão. (C) sobreposição do último elemento em detrimento do
primeiro.
02. (Prefeitura Trindade/GO - Auxiliar Administrativo (D) estabelecimento de uma relação de um elemento para
- FUNRIO/2016) com o outro.

OMS recomenda ingerir menos de cinco gramas de sal 04. (IF/PE - Técnico em Enfermagem - 2016)
por dia
Crônica da cidade do Rio de Janeiro
Se você tem o hábito de pegar no saleiro e polvilhar a
comida com umas pitadas de sal, é melhor pensar duas vezes. No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o
A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou esta Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os
quinta-feira que um adulto consuma por dia menos de dois netos dos escravos encontram amparo.
gramas de sódio – ou seja, menos de cinco gramas de sal – para Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e
reduzir os níveis de pressão arterial e as doenças apontando seu fulgor, diz, muito tristemente:
cardiovasculares. - Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar
Pela primeira vez, a OMS faz recomendações também para Ele daí.
as crianças com mais de dois anos de idade, para que as - Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se
doenças relacionadas com a alimentação não se tornem preocupe: Ele volta.
crônicas na idade adulta. Neste caso, a OMS diz que os valores A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na
devem ainda ser mais baixos do que os dois gramas de sódio, cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques,
devendo ser adaptados tendo em conta o tamanho, a idade e ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses
as necessidades energéticas. africanos. Cristo sozinho não basta.
Teresa Firmino Adaptado de publico.pt/ciencia (GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM Pocket,
2009.)
Em para reduzir os níveis de pressão arterial e as doenças
cardiovasculares, a palavra para expressa o seguinte Na construção “A polícia mata muitos, e mais ainda mata a
significado: economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as
(A) oposição orações,
(B) finalidade (A) uma relação de adição.
(C) causalidade (B) uma relação de oposição.
(D) comparação (C) uma relação de conclusão.
(E) temporalidade (D) uma relação de explicação.
(E) uma relação de consequência.
03. (SEDUC/PA - Professor Classe I - Português -
CONSULPLAN/2018) 05. (COPASA - Analista de Saneamento - Administrador
- FUMARC/2018)
Coisas & Pessoas
Se você não corresponde ao figurino neoliberal é porque
Desde pequeno, tive tendência para personificar as coisas. sofre de algum transtorno. As doenças estão em moda.
Tia Tula, que achava que mormaço fazia mal, sempre gritava: Respiramos a cultura da medicalização. Não nos perguntamos
“Vem pra dentro, menino, olha o mormaço!”. Mas eu ouvia o por que há tantas enfermidades e enfermos. Esta indagação

Língua Portuguesa 36
APOSTILAS OPÇÃO

não convém à indústria farmacêutica nem ao sistema cujo marelo (amarelo), margoso (amargoso), características na
objetivo primordial é a apropriação privada da riqueza. linguagem oral coloquial.
- A redução de proparoxítonas a paroxítonas: Petrópis
Sobre os itens lexicais destacados no fragmento, estão (Petrópolis), fórfi (fósforo), porva (pólvora), todas elas formas
corretas as afirmativas, EXCETO: típicas de pessoas de baixa condição social.
(A) A conjunção “nem” liga dois itens (indústria / sistema) - A pronúncia do “l” final de sílaba como “u” (na maioria das
indicando oposição entre eles. regiões do Brasil) ou como “l” (em certas regiões do Rio
(B) A conjunção “porque” introduz uma relação de Grande do Sul e Santa Catarina) ou ainda como “r” (na
causalidade entre as partes do período de que faz a ligação. linguagem caipira): quintau, quintar, quintal; pastéu, paster,
(C) O conectivo “se” poderia ser substituído por “caso” e pastel; faróu, farór, farol.
indica condicionalidade. - Deslocamento do “r” no interior da sílaba: largato,
(D) O pronome “algum” transfere sua indefinitude ao preguntar, estrupo, cardeneta, típicos de pessoas de baixa
substantivo que acompanha, “transtorno”. condição social.

Gabarito Variações Morfológicas


São as que ocorrem nas formas constituintes da palavra.
01.E / 02.B / 03.D / 04.B / 05.A Nesse domínio, as diferenças entre as variantes não são tão
numerosas quanto as de natureza fônica, mas não são
desprezíveis. Como exemplos, podemos citar:
4. Variação linguística e - O uso do prefixo hiper- em vez do sufixo -íssimo para criar
o superlativo de adjetivos, recurso muito característico da
adequação no uso da língua às linguagem jovem urbana: um cara hiper-humano (em vez de
situações de comunicação. humaníssimo), uma prova hiperdifícil (em vez de dificílima),
um carro hiperpossante (em vez de possantíssimo).
- A conjugação de verbos irregulares pelo modelo dos
VARIAÇÃO LINGUÍSTICA regulares: ele interviu (interveio), se ele manter (mantiver), se
ele ver (vir) o recado, quando ele repor (repuser).
Todas as pessoas que falam uma determinada língua - A conjugação de verbos regulares pelo modelo de
conhecem as estruturas gerais, básicas, de funcionamento irregulares: vareia (varia), negoceia (negocia).
podem sofrer variações devido à influência de inúmeros - Uso de substantivos masculinos como femininos ou vice-
fatores. Tais variações, que às vezes são pouco perceptíveis e versa: duzentas gramas de presunto (duzentos), a champanha
outras vezes bastante evidentes, recebem o nome genérico de (o champanha), tive muita dó dela (muito dó, mistura do cal /
variedades ou variações linguísticas. da cal).
Nenhuma língua é usada de maneira uniforme por todos os - A omissão do “s” como marca de plural de substantivos e
seus falantes em todos os lugares e em qualquer situação. adjetivos (típicos do falar paulistano): os amigo e as amiga, os
Sabe-se que, numa mesma língua, há formas distintas para livro indicado, as noite fria, os caso mais comum.
traduzir o mesmo significado dentro de um mesmo contexto. - O enfraquecimento do uso do modo subjuntivo: Espero
Suponham-se, por exemplo, os dois enunciados a seguir: que o Brasil reflete (reflita) sobre o que aconteceu nas últimas
eleições; Se eu estava (estivesse) lá, não deixava acontecer;
1º Veio me visitar um amigo que eu morei na casa dele faz Não é possível que ele esforçou (tenha se esforçado) mais que
tempo. eu.
2º Veio visitar-me um amigo em cuja casa eu morei há anos.
Variações Sintáticas
Qualquer falante do português reconhecerá que os dois Dizem respeito às correlações entre as palavras da frase.
enunciados pertencem ao seu idioma e têm o mesmo sentido, No domínio da sintaxe, como no da morfologia, não são tantas
mas também que há diferenças. Pode dizer, por exemplo, que as diferenças entre uma variante e outra. Como exemplo,
o segundo é de uma pessoa mais “estudada”. podemos citar:
Isso é prova de que, ainda que intuitivamente e sem saber - O uso de pronomes do caso reto com outra função que não
dar grandes explicações, as pessoas têm noção de que existem a de sujeito: encontrei ele (em vez de encontrei-o) na rua; não
muitas maneiras de falar a mesma língua. É o que os teóricos irão sem você e eu (em vez de mim); nada houve entre tu (em
chamam de variações linguísticas. vez de ti) e ele.
As variações que distinguem uma variante de outra se - O uso do pronome lhe como objeto direto: não lhe (em vez
manifestam em quatro planos distintos, a saber: fônico, de “o”) convidei; eu lhe (em vez de “o”) vi ontem.
morfológico, sintático e lexical. - a ausência da preposição adequada antes do pronome
relativo em função de complemento verbal: são pessoas que
Tipos de Variações Linguísticas (em vez de: de que) eu gosto muito; este é o melhor filme que
(em vez de a que) eu assisti; você é a pessoa que (em vez de em
Variações Fônicas que) eu mais confio.
São as que ocorrem no modo de pronunciar os sons - A substituição do pronome relativo “cujo” pelo pronome
constituintes da palavra. Os exemplos de variação fônica são “que” no início da frase mais a combinação da preposição “de”
abundantes e, ao lado do vocabulário, constituem os domínios com o pronome “ele” (=dele): É um amigo que eu já conhecia a
em que se percebe com mais nitidez a diferença entre uma família dele (em vez de cuja família eu já conhecia).
variante e outra. Entre esses casos, podemos citar: - A mistura de tratamento entre tu e você, sobretudo
- A queda do “r” final dos verbos, muito comum na quando se trata de verbos no imperativo: Entra, que eu quero
linguagem oral no português: falá, vendê, curti (em vez de falar com você (em vez de contigo); Fala baixo que a sua (em
curtir), compô. vez de tua) voz me irrita.
- O acréscimo de vogal no início de certas palavras: eu me - Ausência de concordância do verbo com o sujeito: Eles
alembro, o pássaro avoa, formas comuns na linguagem chegou tarde (em grupos de baixa extração social); Faltou
clássica, hoje frequentes na fala caipira. naquela semana muitos alunos; Comentou-se os episódios.
- A queda de sons no início de palavras: ocê, cê, ta, tava,

Língua Portuguesa 37
APOSTILAS OPÇÃO

Variações Léxicas jornalistas é comum o uso do verbo repercutir como transitivo


É o conjunto de palavras de uma língua. As variantes do direto: __ Vá lá repercutir a notícia de renúncia! (esse uso é
plano do léxico, como as do plano fônico, são muito numerosas considerado errado pela gramática normativa).
e caracterizam com nitidez uma variante em confronto com
outra. Eis alguns, entre múltiplos exemplos possíveis de citar: - Gíria: é o vocabulário especial de um grupo que não
- A escolha do adjetivo maior em vez do advérbio muito deseja ser entendido por outros grupos ou que pretende
para formar o grau superlativo dos adjetivos, características marcar sua identidade por meio da linguagem. Existe a gíria de
da linguagem jovem de alguns centros urbanos: maior legal; grupos marginalizados, de grupos jovens e de segmentos
maior difícil; Esse amigo é um carinha maior esforçado. sociais de contestação, sobretudo quando falam de atividades
- As diferenças lexicais entre Brasil e Portugal são tantas e, proibidas. A lista de gírias é numerosíssima em qualquer
às vezes, tão surpreendentes, que têm sido objeto de piada de língua: ralado (no sentido de afetado por algum prejuízo ou
lado a lado do Oceano. Em Portugal chamam de cueca aquilo má-sorte), ir pro brejo (ser malsucedido, fracassar, prejudicar-
que no Brasil chamamos de calcinha; o que chamamos de fila se irremediavelmente), cara ou cabra (indivíduo, pessoa),
no Brasil, em Portugal chamam de bicha; café da manhã em bicha (homossexual masculino), levar um lero (conversar).
Portugal se diz pequeno almoço; camisola em Portugal traduz
o mesmo que chamamos de suéter, malha, camiseta. - Preciosismo: diz-se que é preciosista um léxico
excessivamente erudito, muito raro, afetado: Escoimar (em vez
Designações das Variantes Lexicais de corrigir); procrastinar (em vez de adiar); discrepar (em vez
- Arcaísmo: diz-se de palavras que já caíram de uso e, por de discordar); cinesíforo (em vez de motorista); obnubilar (em
isso, denunciam uma linguagem já ultrapassada e envelhecida. vez de obscurecer ou embaçar); conúbio (em vez de
É o caso de reclame, em vez de anúncio publicitário; na década casamento); chufa (em vez de caçoada, troça).
de 60, o rapaz chamava a namorada de broto (hoje se diz
gatinha ou forma semelhante), e um homem bonito era um - Vulgarismo: é o contrário do preciosismo, ou seja, o uso
pão; na linguagem antiga, médico era designado pelo nome de um léxico vulgar, rasteiro, obsceno, grosseiro. É o caso de
físico; um bobalhão era chamado de coió ou bocó; em vez de quem diz, por exemplo, de saco cheio (em vez de aborrecido),
refrigerante usava-se gasosa; algo muito bom, de qualidade se ferrou (em vez de se deu mal, arruinou-se), feder (em vez de
excelente, era supimpa. cheirar mal), ranho (em vez de muco, secreção do nariz).

- Neologismo: é o contrário do arcaísmo. Trata-se de Atenção: as variações mais importantes, para o interesse
palavras recém-criadas, muitas das quais mal ou nem do concurso público são: a sociocultural, a geográfica, a
entraram para os dicionários. A moderna linguagem da histórica e a de situação.
computação tem vários exemplos, como escanear, deletar,
Assim vejamos:
printar; outros exemplos extraídos da tecnologia moderna são
- Sociocultural: esse tipo de variação pode ser percebido
mixar (fazer a combinação de sons), robotizar, robotização.
com certa facilidade. Por exemplo, alguém diz a seguinte frase:
- Estrangeirismo: trata-se do emprego de palavras
“Tá na cara que eles não teve peito de encará os ladrão.”
emprestadas de outra língua, que ainda não foram
(frase 1)
aportuguesadas, preservando a forma de origem. Nesse caso,
há muitas expressões latinas, sobretudo da linguagem jurídica,
Que tipo de pessoa comumente fala dessa maneira? Vamos
tais como: habeas-corpus (literalmente, “tenhas o corpo” ou,
caracterizá-la, por exemplo, pela sua profissão: um advogado?
mais livremente, “estejas em liberdade”), ipso facto (“pelo
Um trabalhador braçal de construção civil? Um médico? Um
próprio fato de”, “por isso mesmo”), ipsis litteris (textualmente,
garimpeiro? Um repórter de televisão?
“com as mesmas letras”), grosso modo (“de modo grosseiro”,
E quem usaria a frase abaixo?
“impreciso”), sic (“assim, como está escrito”), data venia (“com
sua permissão”).
“Obviamente faltou-lhe coragem para enfrentar os ladrões.”
As palavras de origem inglesas são inúmeras: insight
(frase 2)
(compreensão repentina de algo, uma percepção súbita),
Sem dúvida, associamos à frase 1 os falantes pertencentes
feeling (“sensibilidade”, capacidade de percepção), briefing
a grupos sociais economicamente mais pobres. Pessoas que,
(conjunto de informações básicas), jingle (mensagem
muitas vezes, não frequentaram nem a escola primária, ou,
publicitária em forma de música).
quando muito, fizeram-no em condições não adequadas.
Do francês, hoje são poucos os estrangeirismos que ainda
Por outro lado, a frase 2 é mais comum aos falantes que
não se aportuguesaram, mas há ocorrências: hors-concours
tiveram possibilidades socioeconômicas melhores e puderam,
(“fora de concurso”, sem concorrer a prêmios), tête-à-tête
por isso, ter um contato mais duradouro com a escola, com a
(palestra particular entre duas pessoas), esprit de corps
leitura, com pessoas de um nível cultural mais elevado e, dessa
(“espírito de corpo”, corporativismo), menu (cardápio), à la
forma, “aperfeiçoaram” o seu modo de utilização da língua.
carte (cardápio “à escolha do freguês”), physique du rôle
Convém ficar claro, no entanto, que a diferenciação feita
(aparência adequada à caracterização de um personagem).
acima está bastante simplificada, uma vez que há diversos
outros fatores que interferem na maneira como o falante
- Jargão: é o vocabulário típico de um campo profissional
escolhe as palavras e constrói as frases. Por exemplo, a
como a medicina, a engenharia, a publicidade, o jornalismo. No
situação de uso da língua: um advogado, num tribunal de júri,
jargão médico temos uso tópico (para remédios que não devem
jamais usaria a expressão “tá na cara”, mas isso não significa
ser ingeridos), apneia (interrupção da respiração), AVC ou
que ele não possa usá-la numa situação informal (conversando
acidente vascular cerebral (derrame cerebral). No jargão
com alguns amigos, por exemplo).
jornalístico chama-se de gralha, pastel ou caco o erro
Da comparação entre as frases 1 e 2, podemos concluir que
tipográfico como a troca ou inversão de uma letra. A palavra
as condições sociais influem no modo de falar dos indivíduos,
lide é o nome que se dá à abertura de uma notícia ou
gerando, assim, certas variações na maneira de usar uma
reportagem, onde se apresenta sucintamente o assunto ou se
mesma língua. A elas damos o nome de variações
destaca o fato essencial. Quando a lide é muito prolixa, é
socioculturais.
chamada de nariz-de-cera. Furo é notícia dada em primeira
mão. Quando o furo se revela falso, foi uma barriga. Entre os

Língua Portuguesa 38
APOSTILAS OPÇÃO

- Geográfica: no Brasil pode ser considerada a mais Texto II


abrangente e é facilmente notada. Ela se caracteriza pelo
acento linguístico, que é o conjunto das qualidades fisiológicas Entre Palavras
do som (altura, timbre, intensidade), por isso é uma variante
cujas marcas se notam principalmente na pronúncia. Ao Entre coisas e palavras – principalmente entre palavras –
conjunto das características da pronúncia de uma circulamos. A maioria delas não figura nos dicionários de há
determinada região dá-se o nome de sotaque: sotaque trinta anos, ou figura com outras acepções. A todo momento
mineiro, sotaque nordestino, sotaque gaúcho etc. A variação impõe-se tornar conhecimento de novas palavras e
geográfica, além de ocorrer na pronúncia, pode também ser combinações.
percebida no vocabulário, em certas estruturas de frases e nos Você que me lê, preste atenção. Não deixe passar nenhuma
sentidos diferentes que algumas palavras podem assumir em palavra ou locução atual, pelo seu ouvido, sem registrá-la.
diferentes regiões do país. Amanhã, pode precisar dela. E cuidado ao conversar com seu
Leia, como exemplo de variação geográfica, o trecho avô; talvez ele não entenda o que você diz.
abaixo, em que Guimarães Rosa, no conto “São Marcos”, recria O malote, o cassete, o spray, o fuscão, o copião, a Vemaguet,
a fala de um típico sertanejo do centro-norte de Minas: a chacrete, o linóleo, o nylon, o nycron, o ditafone, a informática,
a dublagem, o sinteco, o telex... Existiam em 1940?
“__ Mas você tem medo dele... [de um feiticeiro chamado Ponha aí o computador, os anticoncepcionais, os mísseis, a
Mangolô!]. motoneta, a Velo-Solex, o biquíni, o módulo lunar, o antibiótico,
__ Há-de-o!... Agora, abusar e arrastar mala, não faço. Não o enfarte, a acupuntura, a biônica, o acrílico, o ta legal, a
faço, porque não paga a pena... De primeiro, quando eu era apartheid, o som pop, as estruturas e a infraestrutura.
moço, isso sim!... Já fui gente. Para ganhar aposta, já fui, de noite, Não esqueça também (seria imperdoável) o Terceiro Mundo,
foras d’hora, em cemitério... (...). Quando a gente é novo, gosta a descapitalização, o desenvolvimento, o unissex, o bandeirinha,
de fazer bonito, gosta de se comparecer. Hoje, não, estou o mas media, o Ibope, a renda per capita, a mixagem.
percurando é sossego...” Só? Não. Tem seu lugar ao sol a metalinguagem, o
servomecanismo, as algias, a coca-cola, o superego, a
- Histórica: as línguas não são estáticas, fixas, imutáveis. Futurologia, a homeostasia, a Adecif, a Transamazônica, a
Elas se alteram com o passar do tempo e com o uso. Muda a Sudene, o Incra, a Unesco, o Isop, a Oea, e a ONU.
forma de falar, mudam as palavras, a grafia e o sentido delas. Estão reclamando, porque não citei a conotação, o
Essas alterações recebem o nome de variações históricas. conglomerado, a diagramação, o ideologema, o idioleto, o ICM,
Os dois textos a seguir são de Carlos Drummond de a IBM, o falou, as operações triangulares, o zoom, e a guitarra
Andrade. Neles, o escritor, meio em tom de brincadeira, elétrica.
mostra como a língua vai mudando com o tempo. No texto I, ele Olhe aí na fila – quem? Embreagem, defasagem, barra
fala das palavras de antigamente e, no texto II, fala das palavras tensora, vela de ignição, engarrafamento, Detran, poliéster,
de hoje. filhotes de bonificação, letra imobiliária, conservacionismo,
carnet da girafa, poluição.
Texto I Fundos de investimento, e daí? Também os de incentivos
fiscais. Knon-how. Barbeador elétrico de noventa
Antigamente microrranhuras. Fenolite, Baquelite, LP e compacto. Alimentos
super congelados. Viagens pelo crediário, Circuito fechado de TV
Antigamente, as moças chamavam-se mademoiselles e eram Rodoviária. Argh! Pow! Click!
todas mimosas e prendadas. Não fazia anos; completavam Não havia nada disso no Jornal do tempo de Venceslau Brás,
primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo não sendo ou mesmo, de Washington Luís. Algumas coisas começam a
rapagões, faziam-lhes pé-de-alferes, arrastando a asa, mas aparecer sob Getúlio Vargas. Hoje estão ali na esquina, para
ficavam longos meses debaixo do balaio. E se levantam tábua, o consumo geral. A enumeração caótica não é uma invenção
remédio era tirar o cavalo da chuva e ir pregar em outra crítica de Leo Spitzer. Está aí, na vida de todos os dias. Entre
freguesia. (...) Os mais idosos, depois da janta, faziam o quilo, palavras circulamos, vivemos, morremos, e palavras somos,
saindo para tomar a fresca; e também tomava cautela de não finalmente, mas com que significado?
apanhar sereno. Os mais jovens, esses iam ao animatógrafo, e (Carlos Drummond de Andrade, Poesia e prosa,
Rio de Janeiro, Nova Aguiar, 1988)
mais tarde ao cinematógrafo, chupando balas de alteia. Ou
sonhavam em andar de aeroplano; os quais, de pouco siso, se - De Situação: aquelas que são provocadas pelas
metiam em camisas de onze varas, e até em calças pardas; não alterações das circunstâncias em que se desenrola o ato de
admira que dessem com os burros n’agua. comunicação. Um modo de falar compatível com determinada
(...) Embora sem saber da missa a metade, os presunçosos situação é incompatível com outra.
queriam ensinar padre-nosso ao vigário, e com isso punham a Ex.: Ô mano, ta difícil de te entendê.
mão em cumbuca. Era natural que com eles se perdesse a
tramontana. A pessoa cheia de melindres ficava sentida com a Esse modo de dizer, que é adequado a um diálogo em
desfeita que lhe faziam quando, por exemplo, insinuavam que situação informal, não tem cabimento se o interlocutor é o
seu filho era artioso. Verdade seja que às vezes os meninos eram professor em situação de aula.
mesmo encapetados; chegavam a pitar escondido, atrás da Assim, um único indivíduo não fala de maneira uniforme
igreja. As meninas, não: verdadeiros cromos, umas teteias. em todas as circunstâncias, excetuados alguns falantes da
(...) Antigamente, os sobrados tinham assombrações, os linguagem culta, que servem invariavelmente de uma
meninos, lombrigas; asthma os gatos, os homens portavam linguagem formal, sendo, por isso mesmo, considerados
ceroulas, bortinas a capa de goma (...). Não havia fotógrafos, excessivamente formais ou afetados.
mas retratistas, e os cristãos não morriam: descansavam. São muitos os fatores de situação que interferem na fala de
Mas tudo isso era antigamente, isto é, doutora. um indivíduo, tais como o tema sobre o qual ele discorre (em
princípio ninguém fala da morte ou de suas crenças religiosas
como falaria de um jogo de futebol ou de uma briga que tenha
presenciado), o ambiente físico em que se dá um diálogo (num
templo não se usa a mesma linguagem que numa sauna), o
grau de intimidade entre os falantes (com um superior, a

Língua Portuguesa 39
APOSTILAS OPÇÃO

linguagem é uma, com um colega de mesmo nível, é outra), o Emprego das Letras e Fonemas
grau de comprometimento que a fala implica para o falante
(num depoimento para um juiz no fórum escolhem-se as Emprego das letras K, W e Y
palavras, num relato de uma conquista amorosa para um Utilizam-se nos seguintes casos:
colega fala-se com menos preocupação). 1) Em antropônimos originários de outras línguas e seus
As variações de acordo com a situação costumam ser derivados. Exemplos: Kant, kantismo; Darwin, darwinismo;
chamadas de níveis de fala ou, simplesmente, variações de Taylor, taylorista.
estilo e são classificadas em duas grandes divisões:
- Estilo Formal: aquele em que é alto o grau de reflexão 2) Em topônimos originários de outras línguas e seus
sobre o que se diz, bem como o estado de atenção e vigilância. derivados. Exemplos: Kuwait, kuwaitiano.
É na linguagem escrita, em geral, que o grau de formalidade é
mais tenso. 3) Em siglas, símbolos, e mesmo em palavras adotadas como
- Estilo Informal (ou coloquial): aquele em que se fala com unidades de medida de curso internacional. Exemplos: K
despreocupação e espontaneidade, em que o grau de reflexão (Potássio), W (West), kg (quilograma), km (quilômetro), Watt.
sobre o que se diz é mínimo. É na linguagem oral íntima e
familiar que esse estilo melhor se manifesta. Emprego do X
Como exemplo de estilo coloquial vem a seguir um Se empregará o “X” nas seguintes situações:
pequeno trecho da gravação de uma conversa telefônica entre 1) Após ditongos.
duas universitárias paulistanas de classe média, transcrito do Exemplos: caixa, frouxo, peixe.
livro Tempos Linguísticos, de Fernando Tarallo. As reticências Exceção: recauchutar e seus derivados.
indicam as pausas.
2) Após a sílaba inicial “en”.
Eu não sei tem dia... depende do meu estado de espírito, tem Exemplos: enxame, enxada, enxaqueca.
dia que minha voz... mais ta assim, sabe? taquara rachada? Fica Exceção: palavras iniciadas por “ch” que recebem o prefixo
assim aquela voz baixa. Outro dia eu fui lê um artigo, lê?! Um “en-”. Ex.: encharcar (de charco), enchiqueirar (de chiqueiro),
menino lá que faiz pós-graduação na, na GV, ele me, nóis ficamo encher e seus derivados (enchente, enchimento, preencher...)
até duas hora da manhã ele me explicando toda a matéria de
economia, das nove da noite. 3) Após a sílaba inicial “me-”.
Exemplos: mexer, mexerica, mexicano, mexilhão.
Como se pode notar, não há preocupação com a pronúncia Exceção: mecha.
nem com a continuidade das ideias, nem com a escolha das
palavras. Para exemplificar o estilo formal, eis um trecho da 4) Se empregará o “X” em vocábulos de origem indígena ou
gravação de uma aula de português de uma professora africana e em palavras inglesas aportuguesadas.
universitária do Rio de Janeiro, transcrito do livro de Dinah Exemplos: abacaxi, xavante, orixá, xará, xerife, xampu,
Callou. A linguagem falada culta na cidade do Rio de Janeiro. As bexiga, bruxa, coaxar, faxina, graxa, lagartixa, lixa, lixo, puxar,
pausas são marcadas com reticências. rixa, oxalá, praxe, roxo, vexame, xadrez, xarope, xaxim, xícara,
xale, xingar, etc.
O que está ocorrendo com nossos alunos é uma
fragmentação do ensino... ou seja... ele perde a noção do todo... e Emprego do Ch
fica com uma série... de aspectos teóricos... isolados... que ele não Se empregará o “Ch” nos seguintes vocábulos: bochecha,
sabe vincular a realidade nenhuma de seu idioma... isto é válido bucha, cachimbo, chalé, charque, chimarrão, chuchu, chute,
também para a faculdade de letras... ou seja... né? há uma série... cochilo, debochar, fachada, fantoche, ficha, flecha, mochila,
de conceitos teóricos... que têm nomes bonitos e sofisticados... pechincha, salsicha, tchau, etc.
mas que... na hora de serem empregados... deixam muito a
desejar... Emprego do G
Se empregará o “G” em:
Nota-se que, por tratar-se de exposição oral, não há o grau 1) Substantivos terminados em: -agem, -igem, -ugem.
de formalidade e planejamento típico do texto escrito, mas Exemplos: barragem, miragem, viagem, origem, ferrugem.
trata-se de um estilo bem mais formal e vigiado que a do Exceção: pajem.
exemplo anterior.
2) Palavras terminadas em: -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio.
Exemplos: estágio, privilégio, prestígio, relógio, refúgio.
5. Ortografia. 5.1 Emprego
de letras. 3) Em palavras derivadas de outras que já apresentam “G”.
Exemplos: engessar (de gesso), massagista (de massagem),
vertiginoso (de vertigem).
ORTOGRAFIA
Observação - também se emprega com a letra “G” os
Alfabeto seguintes vocábulos: algema, auge, bege, estrangeiro, geada,
gengiva, gibi, gilete, hegemonia, herege, megera, monge,
O alfabeto da língua portuguesa é formado por 26 letras. A – rabugento, vagem.
B–C–D–E–F–G–H–I–J–K–L–M–N–O–P–Q–R–S–
T – U – V – W – X – Y – Z. Emprego do J
Para representar o fonema “j’ na forma escrita, a grafia
Observação: emprega-se também o “ç”, que representa o considerada correta é aquela que ocorre de acordo com a
fonema /s/ diante das letras: a, o, e u em determinadas palavras. origem da palavra, como por exemplo no caso da na palavra jipe
que origina-se do inglês jeep. Porém também se empregará o “J”
nas seguintes situações:

Língua Portuguesa 40
APOSTILAS OPÇÃO

1) Em verbos terminados em -jar ou -jear. Exemplos: Exemplos: civilizar – civilização / hospitalizar –


Arranjar: arranjo, arranje, arranjem hospitalização / colonizar – colonização / realizar – realização.
Despejar: despejo, despeje, despejem
Viajar: viajo, viaje, viajem 4) Nos derivados em -zal, -zeiro, -zinho, -zinha, -zito, -zita.
Exemplos: cafezal, cafezeiro, cafezinho, arvorezinha, cãozito,
2) Nas palavras de origem tupi, africana, árabe ou exótica. avezita.
Exemplos: biju, jiboia, canjica, pajé, jerico, manjericão, Moji.
5) Nos seguintes vocábulos: azar, azeite, azedo, amizade,
3) Nas palavras derivadas de outras que já apresentam “J”. buzina, bazar, catequizar, chafariz, cicatriz, coalizão, cuscuz,
Exemplos: laranja –laranjeira / loja – lojista / lisonja – proeza, vizinho, xadrez, verniz, etc.
lisonjeador / nojo – nojeira / cereja – cerejeira / varejo –
varejista / rijo – enrijecer / jeito – ajeitar. 6) Em vocábulos homófonos, estabelecendo distinção no
contraste entre o S e o Z. Exemplos:
Observação - também se emprega com a letra “J” os Cozer (cozinhar) e coser (costurar);
seguintes vocábulos: berinjela, cafajeste, jeca, jegue, majestade, Prezar (ter em consideração) e presar (prender);
jeito, jejum, laje, traje, pegajento. Traz (forma do verbo trazer) e trás (parte posterior).

Emprego do S Observação: em muitas palavras, a letra X soa como Z.


Utiliza-se “S” nos seguintes casos: Como por exemplo: exame, exato, exausto, exemplo, existir,
1) Palavras derivadas de outras que já apresentam “S” no exótico, inexorável.
radical. Exemplos: análise – analisar / catálise – catalisador /
casa – casinha ou casebre / liso – alisar. Emprego do Fonema S
Existem diversas formas para a representação do fonema “S”
2) Nos sufixos -ês e -esa, ao indicarem nacionalidade, título no qual podem ser: s, ç, x e dos dígrafos sc, sç, ss, xc, xs. Assim
ou origem. Exemplos: burguês – burguesa / inglês – inglesa / vajamos algumas situações:
chinês – chinesa / milanês – milanesa.
1) Emprega-se o S: nos substantivos derivados de verbos
3) Nos sufixos formadores de adjetivos -ense, -oso e –osa. terminados em -andir, -ender, -verter e -pelir.
Exemplos: catarinense / palmeirense / gostoso – gostosa / Exemplos: expandir – expansão / pretender – pretensão /
amoroso – amorosa / gasoso – gasosa / teimoso – teimosa. verter – versão / expelir – expulsão / estender – extensão /
suspender – suspensão / converter – conversão / repelir –
4) Nos sufixos gregos -ese, -isa, -osa. repulsão.
Exemplos: catequese, diocese, poetisa, profetisa,
sacerdotisa, glicose, metamorfose, virose. 2) Emprega-se Ç: nos substantivos derivados dos verbos ter
e torcer.
5) Após ditongos. Exemplos: ater – atenção / torcer – torção / deter – detenção
Exemplos: coisa, pouso, lousa, náusea. / distorcer – distorção / manter – manutenção / contorcer –
contorção.
6) Nas formas dos verbos pôr e querer, bem como em seus
derivados. 3) Emprega-se o X: em casos que a letra X soa como Ss.
Exemplos: pus, pôs, pusemos, puseram, pusera, pusesse, Exemplos: auxílio, expectativa, experto, extroversão, sexta,
puséssemos, quis, quisemos, quiseram, quiser, quisera, sintaxe, texto, trouxe.
quiséssemos, repus, repusera, repusesse, repuséssemos.
4) Emprega-se Sc: nos termos eruditos.
7) Em nomes próprios personativos. Exemplos: acréscimo, ascensorista, consciência, descender,
Exemplos: Baltasar, Heloísa, Inês, Isabel, Luís, Luísa, discente, fascículo, fascínio, imprescindível, miscigenação,
Resende, Sousa, Teresa, Teresinha, Tomás. miscível, plebiscito, rescisão, seiscentos, transcender, etc.

Observação - também se emprega com a letra “S” os 5) Emprega-se Sç: na conjugação de alguns verbos.
seguintes vocábulos: abuso, asilo, através, aviso, besouro, brasa, Exemplos: nascer - nasço, nasça / crescer - cresço, cresça /
cortesia, decisão, despesa, empresa, freguesia, fusível, maisena, Descer - desço, desça.
mesada, paisagem, paraíso, pêsames, presépio, presídio,
querosene, raposa, surpresa, tesoura, usura, vaso, vigésimo, 6) Emprega-se Ss: nos substantivos derivados de verbos
visita, etc. terminados em -gredir, -mitir, -ceder e -cutir.
Exemplos: agredir – agressão / demitir – demissão / ceder –
Emprego do Z cessão / discutir – discussão/ progredir – progressão /
Se empregará o “Z” nos seguintes casos: transmitir – transmissão / exceder – excesso / repercutir –
1) Palavras derivadas de outras que já apresentam Z no repercussão.
radical.
Exemplos: deslize – deslizar / razão – razoável / vazio – 7) Emprega-se o Xc e o Xs: em dígrafos que soam como Ss.
esvaziar / raiz – enraizar /cruz – cruzeiro. Exemplos: exceção, excêntrico, excedente, excepcional,
exsudar.
2) Nos sufixos -ez, -eza, ao formarem substantivos abstratos
a partir de adjetivos. Atenção - não se esqueça que uso da letra X apresenta
Exemplos: inválido – invalidez / limpo – limpeza / macio – algumas variações. Observe:
maciez / rígido – rigidez / frio – frieza / nobre – nobreza / pobre 1) O “X” pode representar os seguintes fonemas:
– pobreza / surdo – surdez. “ch” - xarope, vexame;
“cs” - axila, nexo;
3) Nos sufixos -izar, ao formar verbos e -ização, ao formar “z” - exame, exílio;
substantivos. “ss” - máximo, próximo;

Língua Portuguesa 41
APOSTILAS OPÇÃO

“s” - texto, extenso. sempre são grafados com h, como por exemplo: herbívoro,
hispânico, hibernal.
2) Não soa nos grupos internos -xce- e -xci-
Exemplos: excelente, excitar. Questões

Emprego do E 01. (FIOCRUZ – Assistente Técnico de Gestão em Saúde


Se empregará o “E” nas seguintes situações: – FIOCRUZ/2016)
1) Em sílabas finais dos verbos terminados em -oar, -uar
Exemplos: magoar - magoe, magoes / continuar- continue, O FUTURO NO PASSADO
continues.
1 Poucas previsões para o futuro feitas no passado se
2) Em palavras formadas com o prefixo ante- (antes, realizaram. O mundo se mudava do campo para as cidades, e
anterior). era natural que o futuro idealizado então fosse o da cidade
Exemplos: antebraço, antecipar. perfeita. Mas o helicóptero não substituiu o automóvel
particular e só recentemente começou-se a experimentar
3) Nos seguintes vocábulos: cadeado, confete, disenteria, carros que andam sobre faixas magnéticas nas ruas, liberando
empecilho, irrequieto, mexerico, orquídea, etc. seus ocupantes para a leitura, o sono ou o amor no banco de
trás. As cidades não se transformaram em laboratórios de
Emprego do I convívio civilizado, como previam, e sim na maior prova da
Se empregará o “I” nas seguintes situações: impossibilidade da coexistência de desiguais.
1) Em sílabas finais dos verbos terminados em -air, -oer, -uir. 2 A ciência trouxe avanços espetaculares nas lides de
Exemplos: guerra, como os bombardeios com precisão cirúrgica que não
Cair- cai poupam civis, mas não trouxe a democratização da
Doer- dói prosperidade antevista. Mágicas novas como o cinema
Influir- influi prometiam ultrapassar os limites da imaginação.
Ultrapassaram, mas para o território da banalidade
2) Em palavras formadas com o prefixo anti- (contra). espetaculosa. A TV foi prevista, e a energia nuclear intuída,
Exemplos: anticristo, antitetânico. mas a revolução da informática não foi nem sonhada. As
revoluções na medicina foram notáveis, certo, mas a
3) Nos seguintes vocábulos: aborígine, artimanha, chefiar, prevenção do câncer ainda não foi descoberta. Pensando bem,
digladiar, penicilina, privilégio, etc. nem a do resfriado. A comida em pílulas não veio - se bem que
a nouvelle cuisine chegou perto. Até a colonização do espaço,
Emprego do O/U como previam os roteiristas do “Flash Gordon”, está atrasada.
A oposição o/u é responsável pela diferença de significado Mal chegamos a Marte, só para descobrir que é um imenso
de algumas palavras. Veja os exemplos: comprimento terreno baldio. E os profetas da felicidade universal não
(extensão) e cumprimento (saudação, realização) soar (emitir contavam com uma coisa: o lixo produzido pela sua visão.
som) e suar (transpirar). Nenhuma previsão incluía a poluição e o aquecimento global.
- Grafam-se com a letra “O”: bolacha, bússola, costume, 3 Mas assim como os videntes otimistas falharam, talvez o
moleque. pessimismo de hoje divirta nossos bisnetos. Eles certamente
- Grafam-se com a letra “U”: camundongo, jabuti, Manuel, falarão da Aids, por exemplo, como nós hoje falamos da gripe
tábua. espanhola. A ciência e a técnica ainda nos surpreenderão.
Estamos na pré-história da energia magnética e por fusão
Emprego do H nuclear fria.
Esta letra, em início ou fim de palavras, não tem valor 4 É verdade que cada salto da ciência corresponderá a um
fonético. Conservou-se apenas como símbolo, por força da passo atrás, rumo ao irracional. Quanto mais perto a ciência
etimologia e da tradição escrita. A palavra hoje, por exemplo, chegar das últimas revelações do Universo, mais as pessoas
grafa-se desta forma devido a sua origem na forma latina hodie. procurarão respostas no misticismo e refúgio no tribal. E
Assim vejamos o seu emprego: quanto mais a ciência avança por caminhos nunca antes
sonhados, mais leigo fica o leigo. A volta ao irracional é a birra
1) Inicial, quando etimológico. do leigo.
Exemplos: hábito, hesitar, homologar, Horácio. (VERÍSSIMO. L. F. O Globo. 24/07/2016, p. 15.)

2) Medial, como integrante dos dígrafos ch, lh, nh. “e era natural que o futuro IDEALIZADO então fosse o da
Exemplos: flecha, telha, companhia. cidade perfeita.” (1º §) O vocábulo em destaque no trecho
acima grafa-se com a letra Z, em conformidade com a norma
3) Final e inicial, em certas interjeições. de emprego do sufixo–izar.
Exemplos: ah!, ih!, eh!, oh!, hem?, hum!, etc.
Das opções abaixo, aquela em que um dos vocábulos está
4) Em compostos unidos por hífen, no início do segundo INCORRETAMENTE grafado por não se enquadrar nessa
elemento, se etimológico. norma é:
Exemplos: anti-higiênico, pré-histórico, super-homem, etc. (A) alcoolizado / barbarizar / burocratizar.
(B) catalizar / abalizado / amenizar.
Observações: (C) catequizar / cauterizado / climatizar.
1) No substantivo Bahia, o “h” sobrevive por tradição. Note (D) contemporizado / corporizar / cretinizar
que nos substantivos derivados como baiano, baianada ou (E) esterilizar / estigmatizado / estilizar.
baianinha ele não é utilizado.
02. (Pref. De Biguaçu/SC – Professor III – Inglês/2016)
2) Os vocábulos erva, Espanha e inverno não possuem a letra De acordo com a Língua Portuguesa culta, assinale a
“h” na sua composição. No entanto, seus derivados eruditos alternativa cujas palavras seguem as regras de ortografia:

Língua Portuguesa 42
APOSTILAS OPÇÃO

(A) Preciso contratar um eletrecista e um encanador para 05. (Pref. De Quixadá/CE – Agente de Combate às
o final da tarde. Endemias – Serctam/2016) Marque a opção em
(B) O trabalho voluntário continua sendo feito que TODOS os vocábulos se completam com a letra “s”:
prazerosamente pelos alunos. (A) pesqui__a, ga__olina, ali__erce.
(C) Ainda não foram atendidas as reinvindicações dos (B) e__ótico, talve__, ala__ão.
professores em greve. (C) atrá__, preten__ão, atra__o.
(D) Na lista de compras, é preciso descriminar melhor os (D) bati__ar, bu__ina, pra__o.
produtos em falta. (E) valori__ar, avestru__, Mastru__.
(E) Passou bastante desapercebido o caso envolvendo um
juiz federal. Gabarito

03. (PC/PA – Escrivão de Polícia Civil – FUNCAB/2016) 01.B / 02.B / 03.C / 04.D / 05.C
Dificilmente, em uma ciência-arte como a Psicologia-
Psiquiatria, há algo que se possa asseverar com 100% de Emprego das Iniciais Maiúsculas e Minúsculas
certeza. Isso porque há áreas bastante interpretativas, sujeitas
a leituras diversas, a depender do observador e do observado. Inicial Maiúscula
Porém, existe um fato na Psicologia-Psiquiatria forense que é Utiliza-se inicial maiúscula nos seguintes casos:
100% de certeza e não está sujeito a interpretação ou a 1) No começo de um período, verso ou citação direta.
dissimulação por parte de quem está a ser examinado. E
revela, objetivamente, dados do psiquismo da pessoa ou, em Disse o Padre Antônio Vieira: “Estar com Cristo em qualquer
outras palavras, mostra características comportamentais lugar, ainda que seja no inferno, é estar no Paraíso.”
indissimuláveis, claras e objetivas. O que pode ser tão exato,
em matéria de Psicologia-Psiquiatria, que não admite “Auriverde pendão de minha terra,
variáveis? Resposta: todos os crimes, sem exceção, são como Que a brisa do Brasil beija e balança,
fotografias exatas e em cores do comportamento do indivíduo. Estandarte que à luz do sol encerra
E como o psiquismo é responsável pelo modo de agir, por As promessas divinas da Esperança…”
conseguinte, tem os em todos os crimes, obrigatoriamente e (Castro Alves)
sempre, elementos objetivos da mente de quem os praticou.
Por exemplo, o delito foi cometido com multiplicidade de 2) Nos antropônimos, reais ou fictícios.
golpes, com ferocidade na execução, não houve ocultação de Exemplos: Pedro Silva, Cinderela, D. Quixote.
cadáver, não se verifica cúmplice, premeditação etc. Registre-
se que esses dados já aconteceram. Portanto, são insimuláveis, 3) Nos topônimos, reais ou fictícios.
100% objetivos. Basta juntar essas características Exemplos: Rio de Janeiro, Rússia, Macondo.
comportamentais que teremos algo do psiquismo de quem o
praticou. Nesse caso específico, infere-se que a pessoa é 4) Nos nomes mitológicos.
explosiva, impulsiva e sem freios, provável portadora de Exemplos: Dionísio, Netuno.
algum transtorno ligado à disritmia psicocerebral, algum
estreitamento de consciência, no qual o sentimento invadiu o 5) Nos nomes de festas e festividades.
pensamento e determinou a conduta. Exemplos: Natal, Páscoa, Ramadã.
Em outro exemplo, temos homicídio praticado com um só
golpe, premeditado, com ocultação de cadáver, concurso de 6) Em siglas, símbolos ou abreviaturas internacionais.
cúmplice etc. Nesse caso, os dados apontam para o lado do Exemplos: ONU, Sr., V. Ex.ª.
criminoso comum, que entendia o que fazia.
Claro que não é possível, apenas pela morfologia do crime, 7) Nos nomes que designam altos conceitos religiosos,
saber-se tudo do diagnóstico do criminoso. Mas, por outro políticos ou nacionalistas.
lado, é na maneira como o delito foi praticado que se Exemplos: Igreja (Católica, Apostólica, Romana), Estado,
encontram características 100% seguras da mente de quem o Nação, Pátria, União, etc.
praticou, a evidenciar fatos, tal qual a imagem fotográfica
revela-nos exatamente algo, seja muito ou pouco, do momento Observação: esses nomes escrevem-se com inicial
em que foi registrada. Em suma, a forma como as coisas foram minúscula quando são empregados em sentido geral ou
feitas revela muito da pessoa que as fez. indeterminado.
PALOMBA, Guido Arturo. Rev. Psique: n° 100 (ed. comemorativa), p. 82. Exemplo: Todos amam sua pátria.

Tal como ocorre com “interpretaÇÃO ” e “dissimulaÇÃO”, Emprego Facultativo da Letra Maiúscula
grafa-se com “ç” o sufixo de ambas as palavras arroladas em: 1) No início dos versos que não abrem período, é facultativo
(A) apreenção do menor - sanção legal. o uso da letra maiúscula, como por exemplo:
(B) detenção do infrator - ascenção ao posto.
(C) presunção de culpa - coerção penal. “Aqui, sim, no meu cantinho,
(D) interceção do juiz - contenção do distúrbio. vendo rir-me o candeeiro,
(E) submição à lei - indução ao crime. gozo o bem de estar sozinho
e esquecer o mundo inteiro.”
04. (Câmara Municipal de Araraquara/SP – Assistente
de Tradução e Interpretação – IBFC/2016) 2) Nos nomes de logradouros públicos, templos e edifícios.
Leia as opções abaixo e assinale a alternativa que não Exemplos: Rua da Liberdade ou rua da Liberdade / Igreja do
apresenta erro ortográfico. Rosário ou igreja do Rosário / Edifício Azevedo ou edifício
(A) Plocrastinar - idiossincrasia - abduzir Azevedo.
(B) Proclastinar - idiosincrasia - abduzir
(C) Plocrastinar- idiossincrasia - abiduzir Inicial Minúscula
(D) Procrastinar - idiossincrasia - abduzir Utiliza-se inicial minúscula nos seguintes casos:
1) Em todos os vocábulos correntes da língua portuguesa.

Língua Portuguesa 43
APOSTILAS OPÇÃO

Exemplos: carro, flor, boneca, menino, porta, etc. genética de seus pais e que lhe confere enorme envergadura?
Diga para quê serve? Ao primeiro sinal de perigo, debique e
2) Depois de dois-pontos, não se tratando de citação direta, pouse na cerca mais próxima. Ora, não venha com desculpas
usa-se letra minúscula. esfarrapadas e vamos dona Gaivota, espante a preguiça, bata
Exemplo: “Chegam os magos do Oriente, com suas dádivas: as asas e saia do ninho! Não tenha medo de voar. Pois, como é
ouro, incenso, mirra.” (Manuel Bandeira) de conhecimento dos "Mestres dos ares e da Terra", longe é um
lugar que não existe para quem voa rente ao céu e viaja léguas
3) Nos nomes de meses, estações do ano e dias da semana. e mais léguas de distância com a mochila nas costas, olhar no
Exemplos: janeiro, julho, dezembro, etc. / segunda, sexta, horizonte e os pés socados em terra firme.
domingo, etc. / primavera, verão, outono, inverno. Longe é a porta de entrada do lugar que não existe? Não
deve ser, não; pois as Gaivotas sacodem a poeira das asas,
4) Nos pontos cardeais. limpam os resquícios de alimentos dos bicos e batem o toc-toc
Exemplos: “Percorri o país de norte a sul e de leste a oeste.” lá.
/ “Estes são os pontos colaterais: nordeste, noroeste, sudeste, <http://www.recantodasletras.com.br/contosdefantasia/6031227>
sudoeste.”
O uso do termo “Gaivota” sempre com letra maiúscula ao
Observação: quando empregados em sua forma absoluta, longo do texto se deve ao fato de que
os pontos cardeais são grafados com letra maiúscula. (A) o autor busca, com isso, fazer uma conexão mais
Exemplos: Nordeste (região do Brasil) / Ocidente (europeu) próxima entre o leitor e o animal.
/Oriente (asiático). (B) o autor quis dar destaque ao termo, apesar de não
haver importância da referência ao animal para o texto.
Emprego Facultativo da Letra Minúscula (C) há uma mudança no texto, em que, no início, as
1) Nos vocábulos que compõem uma citação bibliográfica. personagens eram duas pessoas e, a partir do segundo
Exemplos: parágrafo, é uma gaivota.
Crime e Castigo ou Crime e castigo (D) o texto faz uma reflexão sobre a ação humana de viajar,
Grande Sertão: Veredas ou Grande sertão: veredas porém comparando os seres humanos com gaivotas.
Em Busca do Tempo Perdido ou Em busca do tempo perdido (E) o autor utiliza o termo “Gaivota” como símbolo de
imponência, o que se relaciona à forma como os seres
2) Nas formas de tratamento e reverência, bem como em humanos são tratados no texto.
nomes sagrados e que designam crenças religiosas.
Exemplos: 02. (MGS – Todos os Cargos de Nível Fundamental
Governador Mário Covas ou governador Mário Covas Completo – IBFC/2017)
Papa João Paulo II ou papa João Paulo II
Excelentíssimo Senhor Reitor ou excelentíssimo senhor Estranhas Gentilezas
reitor (Ivan Angelo)
Santa Maria ou santa Maria
Estão acontecendo coisas estranhas. Sabe-se que as
c) Nos nomes que designam domínios de saber, cursos e pessoas nas grandes cidades não têm o hábito da gentileza.
disciplinas. Não é por ruindade, é falta de tempo. Gastam a paciência nos
Exemplos: ônibus, no trânsito, nas filas, nos mercados, nas salas de
Português ou português espera, nos embates familiares, e depois economizam com a
Línguas e Literaturas Modernas ou línguas e literaturas gente.
modernas Comigo dá-se o contrário, é o que estou notando de uns
História do Brasil ou história do Brasil dias para cá. Tratam-me com inquietante delicadeza. Já
Arquitetura ou arquitetura captava aqui e ali sinais suspeitos, imprecisos, ventinho de
asas de borboleta, quase nada. A impressão de que há algo
Questões estranho tomou meu corpo mesmo foi na semana passada. Um
vizinho que já fora meu amigo telefonou-me desfazendo o
01. (Câmara de Maringá/PR – Assistente Legislativo engano que nos afastava, intriga de pessoa que nem conheço e
– Instituto) que afinal resolvera esclarecer tudo. Difícil reconstruir a
amizade, mas a inimizade morria ali.
Longe é um lugar que existe? Como disse, eu vinha desconfiando tenuemente de
algumas amabilidades. O episódio do vizinho fez surgir em
Voamos algum tempo em silêncio, até que finalmente ele meu espírito a hipótese de uma trama, que já mobilizava até
disse: "Não entendo muito bem o que você falou, mas o que pessoas distantes. E as próximas?
menos entendo é o fato de estar indo a uma festa." Tenho reparado. As próximas telefonam amáveis, sem
— Claro que estou indo à festa. — respondi. — O que há de motivo. Durante o telefonema fico aguardando o assunto que
tão difícil de se compreender nisso? estaria embrulhado nos enfeites da conversa, e ele não sai. Um
Enfim, sem nunca atingir o fim, imaginando-se uma número inesperado de pessoas me cumprimenta na rua, com
Gaivota sobrevoando o mar, viajar é sentir-se ainda mais acenos de cabeça. Mulheres, antes esquivas, sorriem
pássaro livre tocado pelas lufadas de vento, contraponto, de transitáveis nas ruas dos Jardins1. Num restaurante caro, o
uma ave mirrada de asas partidas numa gaiola lacrada, maître2, com uma piscadela, fura a demorada fila de executivos
sobrevivendo apenas de alpiste da melhor qualidade e água à espera e me arruma rapidinho uma mesa para dois. Um
filtrada. Ou ainda, pássaros presos na ambivalência homem de pasta que parecia impaciente à minha frente me
existencial... fadado ao fracasso ou ao sucesso... ao ser livre ou cede o último lugar no elevador. O jornaleiro larga sua banca
viver presos em suas próprias armadilhas... na avenida Sumaré e vem ao prédio avisar-me que o jornal
Fica sob sua escolha e risco, a liberdade para voar os ventos chegou. Os vizinhos de cima silenciam depois das dez da noite.
ascendentes; que pássaro quer ser; que lugares quer [...]
sobrevoar; que viagem ao inusitado mais lhe compraz. Por Que significa isso? Que querem comigo? Que complô é
mais e mais, qual a serventia dessas asas enormes, herança este? Que vão pedir em troca de tanta gentileza?

Língua Portuguesa 44
APOSTILAS OPÇÃO

Aguardo, meio apreensivo, meio feliz. Apreender: O fiscal apreendeu a carteirinha do menino.
Interrompo a crônica nesse ponto, saio para ir ao banco, (prender)
desço pelas escadas porque alguém segura o elevador lá em
cima, o segurança do banco faz-me esvaziar os bolsos antes de Baixar: os preços quando não há objeto direto; os preços
entrar na porta giratória, enfrento a fila do caixa, não aceitam funcionam como sujeito: Baixaram os preços (sujeito) nos
meus cheques para pagar contas em nome de minha mulher, supermercados. Vamos comemorar, pessoal!
saio mal-humorado do banco, atravesso a avenida arriscando Abaixar: os preços empregado com objeto direto: Os postos
a vida entre bólidos3 , um caminhão joga-me água suja de uma (sujeito) de combustível abaixaram os preços (objeto direto)
poça, o elevador continua preso lá em cima, subo a pé, entro no da gasolina.
apartamento, sento-me ao computador e ponho-me de novo a
sonhar com gentilezas. Bebedor: Tornei-me um grande bebedor de vinho. (pessoa
que bebe)
Vocabulário: Bebedouro: Este bebedouro está funcionando bem.
1 bairro Jardim Paulista, um dos mais requintados de São (aparelho que fornece água)
Paulo
2 funcionário que coordena agendamentos entre outras Bem-Vindo: Você é sempre bem-vindo aqui, jovem.
coisas nos restaurantes (adjetivo composto)
3 carros muito velozes Benvindo: Benvindo é meu colega de classe. (nome
próprio)
Em “nas ruas dos Jardins1" (4º§), a palavra em destaque
foi escrita com letra maiúscula por se tratar de: Câmara: Ficaram todos reunidos na Câmara Municipal.
(A) um erro de grafia. (local de trabalho)
(B) um destaque do autor Câmera: Comprei uma câmera japonesa. (aparelho que
(C) um substantivo próprio. fotografa)
(D) um substantivo coletivo.
Champanha/Champanhe (do francês): O
Gabarito champanha/champanhe está bem gelado.

01.D / 02.C Cessão: Foi confirmada a cessão do terreno. (ato de doar)


Sessão: A sessão do filme durou duas horas. (intervalo de
Palavras ou Expressões que geram dificuldades tempo)
Seção/Secção: Visitei hoje a seção de esportes. (repartição
Algumas palavras ou expressões costumam apresentar pública, departamento)
dificuldades colocando em maus lençóis quem pretende falar
ou redigir português culto. Esta é uma oportunidade para você Demais: Vocês falam demais, caras! (advérbio de
aperfeiçoar seu desempenho. Preste atenção e tente intensidade)
incorporar tais palavras certas em situações apropriadas. Demais: Chamaram mais dez candidatos, os demais devem
aguardar. (equivale a “os outros”)
A anos: Daqui a um ano iremos à Europa. (a indica tempo De mais: Não vejo nada de mais em sua decisão. (opõe-se a
futuro) “de menos”)
Há anos: Não o vejo há meses. (há indica tempo passado)
Atenção: Há muito tempo já indica passado. Não há Descriminar: O réu foi descriminado; pra sorte dele.
necessidade de usar atrás, isto é um pleonasmo. (inocentar, absolver de crime)
Discriminar: Era impossível discriminar os caracteres do
Acerca de: Falávamos acerca de uma solução melhor. (a documento. (diferençar, distinguir, separar)
respeito de) Descrição: A descrição sobre o jogador foi perfeita.
Há cerca de: Há cerca de dias resolvemos este caso. (faz (descrever)
tempo) Discrição: Você foi muito discreto. (reservado)

Ao encontro de: Sua atitude vai ao encontro da verdade. Entrega em domicílio: Fiz a entrega em domicílio. (lugar)
(estar a favor de) Entrega a domicílio: Enviou as compras a domicílio. (com
De encontro a: Minhas opiniões vão de encontro às suas. verbos de movimento)
(oposição, choque)
Espectador: Os espectadores se fartaram da apresentação.
A fim de: Vou a fim de visitá-la. (finalidade) (aquele que vê, assiste)
Afim: Somos almas afins. (igual, semelhante) Expectador: O expectador aguardava o momento da
chamada. (que espera alguma coisa)
Ao invés de: Ao invés de falar começou a chorar. (oposição,
ao contrário de) Estada: A estada dela aqui foi gratificante. (tempo em algum
Em vez de: Em vez de acompanhar-me, ficou só. (no lugar lugar)
de) Estadia: A estadia do carro foi prolongada por mais
algumas semanas. (prazo concedido para carga e descarga)
A par: Estamos a par das boas notícias. (bem informado,
ciente) Fosforescente: Este material é fosforescente. (que brilha
Ao par: O dólar e o euro estão ao par. (de igualdade ou no escuro)
equivalência entre valores financeiros – câmbio) Fluorescente: A luz branca do carro era fluorescente.
(determinado tipo de luminosidade)
Aprender: O menino aprendeu a lição. (tomar
conhecimento de) Haja: É preciso que não haja descuido. (verbo haver – 1ª
pessoa singular do presente do subjuntivo)

Língua Portuguesa 45
APOSTILAS OPÇÃO

Aja: Aja com cuidado, Carlinhos. (verbo agir – 1ª pessoa 02. (Detran/CE – Vistoriador – UCE-CEV/2018) Na frase
singular do presente do subjuntivo) “... as penalidades são as previstas pelo bom senso...”, a palavra
destacada é homônima de censo. Assinale a opção em que o
Houve: Houve um grande incêndio no centro de São emprego dos homônimos destacados está adequado.
Paulo. (verbo haver - 3ª pessoa do singular do pretérito (A) O reitor da faculdade solicitou que todos os
perfeito) funcionários participassem do censo anual para verificar
Ouve: A mãe disse: ninguém me ouve. (verbo ouvir - 3ª quem realmente está na ativa.
pessoa singular do presente do indicativo) (B) Foi pedido para que todos os motoristas respondessem
ao senso, a fim de se obter o número real de carros no pátio da
Mal: Dormi mal. (oposto de bem) universidade.
Mau: Você é um mau exemplo. (oposto de bom) (C) Os infratores são penalizados com a “multa moral” por
não demonstrarem censo crítico.
Mas: Telefonei-lhe mas ela não atendeu. (ideia contrária) (D) Se o infrator tiver censo, saberá o que dizer na hora da
Mais: Há mais flores perfumadas no campo. (opõe-se a punição.
menos)
Gabarito
Nem um: Nem um filho de Deus apareceu para ajudá-la.
(equivale a nem um sequer) 01.A / 02.A
Nenhum: Nenhum jornal divulgou o resultado do concurso.
(oposto de algum) Emprego do Porquê

Onde: Onde fica a farmácia mais próxima? (lugar em que se Orações Interrogativas Exemplo:
está) (pode ser substituído Por que devemos nos
Aonde: Aonde vão com tanta pressa? (ideia de movimento) por: por qual motivo, por preocupar com o meio
qual razão) ambiente?
Por ora: Por ora chega de trabalhar. (por este momento) Por
Por hora: Você deve cobrar por hora. (cada sessenta Que
Exemplo:
minutos) Equivalendo a “pelo Os motivos por que não
qual” respondeu são
Senão: Não fazia coisa nenhuma senão criticar. (caso desconhecidos.
contrário)
Se não: Se não houver homens honestos, o país não sairá Exemplos:
desta situação crítica. (se por acaso não) Você ainda tem coragem de
Por Final de frases e seguidos
perguntar por quê?
Tampouco: Não compareceu, tampouco apresentou Quê de pontuação
Você não vai? Por quê?
qualquer justificativa. (Também não) Não sei por quê!
Tão pouco: Encontramo-nos tão pouco esta semana.
(intensidade) Exemplos:
A situação agravou-se porque
Conjunção que indica
ninguém reclamou.
Trás ou Atrás: O menino estava atrás da árvore. (lugar) explicação ou causa
Ninguém mais o espera,
Traz: Ele traz consigo muita felicidade. (verbo trazer) Porque porque ele sempre se atrasa.

Vultoso: Fizemos um trabalho vultoso aqui. (volumoso) Conjunção de Finalidade Exemplos:


Vultuoso: Sua face está vultuosa e deformada. (congestão – equivale a “para que”, Não julgues porque não te
no rosto) “a fim de que”. julguem.

Questão Exemplos:
Função de substantivo –
Não é fácil encontrar o
vem acompanhado de
01. (TCM/RJ – Técnico de Controle Externo – Porquê porquê de toda confusão.
artigo ou pronome
Dê-me um porquê de sua
IBFC/2016) Analise as afirmativas abaixo, dê valores saída.
Verdadeiro (V) ou Falso (F) quanto ao emprego do acento
circunflexo estabelecido pelo Novo Acordo Ortográfico.
( ) O acento permanece na grafia de 'pôde' (o verbo 1. Por que (pergunta);
conjugado no passado) para diferenciá-la de 'pode' (o verbo 2. Porque (resposta);
conjugado no presente). 3. Por quê (fim de frase: motivo);
( ) O acento circunflexo de 'pôr' (verbo) cai e a palavra terá 4. O Porquê (substantivo).
a mesma grafia de 'por' (preposição), diferenciando-se pelo
contexto de uso. Questões
( ) a queda do acento na conjugação da terceira pessoa do
plural do presente do indicativo dos verbos crer, dar, ler, ter, 01. (TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - VUNESP)
vir e seus derivados. Que mexer o esqueleto é bom para a saúde já virou até
sabedoria popular. Agora, estudo levanta hipóteses sobre
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de ........................ praticar atividade física..........................benefícios
cima para baixo. para a totalidade do corpo. Os resultados podem levar a novas
(A) V F F terapias para reabilitar músculos contundidos ou mesmo para
(B) F V F .......................... e restaurar a perda muscular que ocorre com o
(C) F F V avanço da idade.
(D) F V V (Ciência Hoje, março de 2012)

Língua Portuguesa 46
APOSTILAS OPÇÃO

As lacunas do texto devem ser preenchidas, correta e res- são pronunciadas com menos intensidade, são denominadas
pectivamente, com: de átonas.
(A) porque … trás … previnir De acordo com a tonicidade, as palavras são classificadas
(B) porque … traz … previnir como oxítona, paroxítona e proparoxítonas, independente de
(C) porquê … tras … previnir levar acento gráfico:
(D) por que … traz … prevenir
(E) por quê … tráz … prevenir Oxítonas – São aquelas cuja sílaba tônica recai sobre a
última sílaba. Ex.: café – coração – cajá – atum – caju – papel
02. Pref. de Salvador/BA - Técnico de Nível Médio II –
FGV/2017) Paroxítonas – São aquelas em que a sílaba tônica se
evidencia na penúltima sílaba. Ex.: útil – tórax – táxi – leque –
Por que sentimos calafrios e desconforto ao ouvir certos retrato – passível
sons agudos – como unhas arranhando um quadro-negro?
Proparoxítonas - São aquelas em que a sílaba tônica se
Esta é uma reação instintiva para protegermos nossa evidencia na antepenúltima sílaba. Ex.: lâmpada – câmara –
audição. A cóclea (parte interna do ouvido) tem uma tímpano – médico – ônibus
membrana que vibra de acordo com as frequências sonoras
que ali chegam. A parte mais próxima ao exterior está ligada à Como podemos observar, mediante todos os exemplos
audição de sons agudos; a região mediana é responsável pela mencionados, os vocábulos possuem mais de uma sílaba, mas
audição de sons de frequência média; e a porção mais final, por em nossa língua existem aqueles com uma sílaba somente, no
sons graves. As células da parte inicial, mais delicadas e frágeis, qual são os chamados de monossílabos, que quando
são facilmente destruídas – razão por que, ao envelhecermos, pronunciados apresentam certa diferenciação quanto à
perdemos a capacidade de ouvir sons agudos. Quando intensidade.
frequências muito agudas chegam a essa parte da membrana, Tal diferenciação só é percebida quando os pronunciamos
as células podem ser danificadas, pois, quanto mais alta a em uma dada sequência de palavras. Assim como podemos
frequência, mais energia tem seu movimento ondulatório. Isso, observar no exemplo a seguir:
em parte, explica nossa aversão a determinados sons agudos,
mas não a todos. Afinal, geralmente não sentimos calafrios ou “Sei que não vai dar em nada, seus segredos sei de cor.”
uma sensação ruim ao ouvirmos uma música com notas
agudas. Os monossílabos em destaque classificam-se como
tônicos; os demais, como átonos (que, em e de).
Aí podemos acrescentar outro fator. Uma nota de violão
tem um número limitado e pequeno de frequências – Acentos Gráficos
formando um som mais “limpo”. Já no espectro de som
proveniente de unhas arranhando um quadro-negro (ou de Acento agudo (´) – colocado sobre as letras “a”, “i”, “u” e
atrito entre isopores ou entre duas bexigas de ar) há um sobre o “e” do grupo “em” - indica que estas letras representam
número infinito delas. Assim, as células vibram de acordo com as vogais tônicas de palavras como Amapá, caí, público,
muitas frequências e aquelas presentes na parte inicial da parabéns.
cóclea, por serem mais frágeis, são lesadas com mais
facilidade. Daí a sensação de aversão a esse sons agudos e Acento circunflexo (^) – colocado sobre as letras “a”, “e”
“crus”. e “o” indica, além da tonicidade, timbre fechado. Ex.: tâmara –
Ronald Ranvaud, Ciência Hoje, nº 282. Atlântico – pêssego – supôs

Assinale a frase em que a grafia do vocábulo sublinhado Acento grave (`) – indica a fusão da preposição “a” com
está equivocada. artigos e pronomes. Ex.: à – às – àquelas – àqueles
(A) Por que sentimos calafrios?
(B) A razão porque sentimos calafrios é conhecida. Trema)¨( – de acordo com a nova regra, foi totalmente
(C) Qual o porquê de sentirmos calafrios? abolido das palavras. Há uma exceção: é utilizado em palavras
(D) Sentimos calafrios porque precisamos defender nossa derivadas de nomes próprios estrangeiros. Ex.: mülleriano (de
audição. Müller)
(E) Sentimos calafrios por quê?
Til (~) – indica que as letras “a” e “o” representam vogais
Gabarito nasais. Ex.: coração – melão – órgão – ímã

01.D / 02.B Regras Fundamentais

Palavras oxítonas - acentuam-se todas as oxítonas


5.2 Acentuação gráfica terminadas em: “a”, “e”, “o”, “em”, seguidas ou não do plural(s):
Pará – café(s) – cipó(s) – armazém(s).
(conforme o atual Acordo
Ortográfico). Essa regra também é aplicada aos seguintes casos:

Monossílabos tônicos - terminados em “a”, “e”, “o”,


ACENTUAÇÃO seguidos ou não de “s”. Ex.: pá – pé – dó – há

Acentuação Tônica Formas verbais - terminadas em “a”, “e”, “o” tônicos,


seguidas de lo, la, los, las. Ex.: respeitá-lo – percebê-lo – compô-
Implica na intensidade com que são pronunciadas as lo
sílabas das palavras. Aquela que se dá de forma mais
acentuada, conceitua-se como sílaba tônica. As demais, como

Língua Portuguesa 47
APOSTILAS OPÇÃO

Paroxítonas - acentuam-se as palavras paroxítonas - Agora memorize a palavra CREDELEVÊ. São os verbos
terminadas em: que, no plural, dobram o “e”, mas que não recebem mais
- i, is acento como antes: CRER, DAR, LER e VER.
táxi – lápis – júri
- us, um, uns Repare:
vírus – álbuns – fórum 1) O menino crê em você
- l, n, r, x, ps Os meninos creem em você.
automóvel – elétron - cadáver – tórax – fórceps 2) Elza lê bem!
- ã, ãs, ão, ãos Todas leem bem!
ímã – ímãs – órfão – órgãos 3) Espero que ele dê o recado à sala.
Esperamos que os dados deem efeito!
Dica: Memorize a palavra LINURXÃO. Repare que essa 4) Rubens vê tudo!
palavra apresenta as terminações das paroxítonas que são Eles veem tudo!
acentuadas: L, I N, U (aqui inclua UM), R, X, Ã, ÃO. Assim ficará
mais fácil a memorização! Cuidado! Há o verbo vir:
Ele vem à tarde!
- ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido ou não de Eles vêm à tarde!
“s”. Ex.: água – pônei – mágoa – jóquei
Acentuam-se os verbos pertencentes à terceira pessoa do
Regras Especiais plural de:
ele tem – eles têm
Os ditongos de pronúncia aberta “ei”, “oi” (ditongos ele vem – eles vêm (verbo vir)
abertos), que antes eram acentuados, perderam o acento de
acordo com a nova regra, mas desde que estejam em palavras A regra prevalece também para os verbos conter, obter,
paroxítonas. reter, deter, abster.
Cuidado: Se os ditongos abertos estiverem em uma ele contém – eles contêm
palavra oxítona (herói) ou monossílaba (céu) ainda são ele obtém – eles obtêm
acentuados. Mas caso não forem ditongos perdem o acento. ele retém – eles retêm
Ex.: ele convém – eles convêm
Antes Agora
Não se acentuam mais as palavras homógrafas que antes
assembléia assembleia
eram acentuadas para diferenciá-las de outras semelhantes
idéia ideia
(regra do acento diferencial). Apenas em algumas exceções,
jibóia jiboia
como:
apóia (verbo apoiar) apoia
Pôde (terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do
indicativo).
Quando a vogal do hiato for “i” ou “u” tônicos,
Pode (terceira pessoa do singular do presente do
acompanhados ou não de “s”, haverá acento. Ex.: saída – faísca
indicativo). Ex.:
– baú – país – Luís
Ela pode fazer isso agora.
Elvis não pôde participar porque sua mãe não deixou.
Observação importante: Não serão mais acentuados “i” e
“u” tônicos, formando hiato quando vierem depois de
O mesmo ocorreu com o verbo pôr para diferenciar da
ditongo. Ex.:
preposição por. Ex.:
Faço isso por você.
Antes Agora
Posso pôr (colocar) meus livros aqui?
bocaiúva bocaiuva
feiúra feiura
Questões
Não se acentuam o “i” e o “u” que formam hiato quando
01. “Cadáver” é paroxítona, pois:
seguidos, na mesma sílaba, de l, m, n, r ou z: Ra-ul, ru-im, con-
(A) Tem a última sílaba como tônica.
tri-bu-in-te, sa-ir, ju-iz
(B) Tem a penúltima sílaba como tônica.
(C) Tem a antepenúltima sílaba como tônica.
Não se acentuam as letras “i” e “u” dos hiatos se estiverem
(D) Não tem sílaba tônica.
seguidas do dígrafo nh: ra-i-nha, ven-to-i-nha.
02. Indique a alternativa em que todas as palavras devem
Não se acentuam as letras “i” e “u” dos hiatos se vierem
receber acento.
precedidas de vogal idêntica: xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba
(A) virus, torax, ma.
(B) caju, paleto, miosotis.
As formas verbais que possuíam o acento tônico na raiz,
(C) refem, rainha, orgão.
com “u” tônico precedido de “g” ou “q” e seguido de “e” ou “i”
(D) papeis, ideia, latex.
não serão mais acentuadas. Ex.:
(E) lotus, juiz, virus.
Antes Agora
03. Em “O resultado da experiência foi, literalmente,
apazigúe (apaziguar) apazigue
aterrador.” a palavra destacada encontra-se acentuada pelo
argúi (arguir) argui
mesmo motivo que:
(A) túnel
O acento pertencente aos encontros “oo” e “ee” foi abolido.
(B) voluntário
Ex.:
(C) até
Antes Agora
(D) insólito
crêem creem
(E) rótulos
vôo voo

Língua Portuguesa 48
APOSTILAS OPÇÃO

04. Analise atentamente a presença ou a ausência de ponto do passado; o mais-que-perfeito, uma ação passada em
acento gráfico nas palavras abaixo e indique a alternativa em relação a outra ação, também passada. Ex.:
que não há erro: Eu cantei aquela música. (perfeito)
(A) ruím - termômetro - táxi – talvez. Eu cantava aquela música. (imperfeito)
(B) flôres - econômia - biquíni - globo. Quando ele chegou, eu já cantara. (mais-que-perfeito)
(C) bambu - através - sozinho - juiz
(D) econômico - gíz - juízes - cajú. c) Futuro:
(E) portuguêses - princesa - faísca. - Do presente: estudaremos
- Do pretérito: estudaríamos
05. Todas as palavras abaixo são hiatos, EXCETO:
(A) saúde Obs.: No modo subjuntivo, com relação aos tempos
(B) cooperar simples, temos apenas o presente, o pretérito imperfeito e o
(C) ruim futuro (sem divisão). Os tempos compostos serão estudados
(D) creem mais adiante.
(E) pouco
5) Vozes: são três.
Gabarito a) Ativa: o sujeito pratica a ação verbal.
1.B / 2.A / 3.B / 4.C / 5.E Ex.: O carro derrubou o poste.

b) Passiva: o sujeito sofre a ação verbal.


6. Flexão verbal – valor - Analítica ou verbal: com o particípio e um verbo auxiliar.
Ex.: O poste foi derrubado pelo carro.
semântico de tempos e modos.
6.1 Correlação entre tempos - Sintética ou pronominal: com o pronome apassivador se.
verbais. 6.2. Concordância Ex.: Derrubou-se o poste.
verbal. 7. Concordância Obs.: Estudaremos bem o pronome apassivador (ou
nominal. partícula apassivadora) na sétima lição: concordância verbal.

c) Reflexiva: o sujeito pratica e sofre a ação verbal; aparece


um pronome reflexivo. Ex.: O garoto se machucou.
FLEXÃO VERBAL
Formação do Imperativo
1) Número: singular ou plural
1) Afirmativo: tu e vós saem do presente do indicativo
Ex.: ando, andas, anda → singular
menos a letra s; você, nós e vocês, do presente do subjuntivo.
andamos, andais, andam → plural
Ex.: Imperativo afirmativo do verbo beber
Bebo → beba
2) Pessoas: são três.
bebes → bebe (tu) bebas
a) A primeira é aquela que fala; corresponde aos pronomes
bebe beba → beba (você)
eu (singular) e nós (plural).
bebemos bebamos → bebamos (nós)
Ex.: escreverei, escreveremos.
bebeis → bebei (vós) bebais
bebem bebam → bebam (vocês)
b) A segunda é aquela com quem se fala; corresponde aos
Reunindo, temos: bebe, beba, bebamos, bebei, bebam.
pronomes tu (singular) e vós (plural).
Ex.: escreverás, escrevereis.
2) Negativo: sai do presente do subjuntivo mais a palavra
não.
c) A terceira é aquela acerca de quem se fala; corresponde
Ex.: beba
aos pronomes ele ou ela (singular) e eles ou elas (plural).
bebas → não bebas (tu)
Ex.: escreverá, escreverão.
beba → não beba (você)
bebamos → não bebamos (nós)
3) Modos: são três.
bebais → não bebais (vós)
a) Indicativo: apresenta o fato verbal de maneira positiva,
bebam → não bebam (vocês)
indubitável. Ex.: vendo.
Assim, temos: não bebas, não beba, não bebamos, não
bebais, não bebam.
b) Subjuntivo: apresenta o fato verbal de maneira
duvidosa, hipotética. Ex.: que eu venda.
Observações:
a) No imperativo não existe a primeira pessoa do singular,
c) Imperativo: apresenta o fato verbal como objeto de uma
eu; a terceira pessoa é você.
ordem. Ex.: venda!
b) O verbo ser não segue a regra nas pessoas que saem do
4) Tempos: são três.
presente do indicativo. Eis o seu imperativo:
a) Presente: falo
- Afirmativo: sê, seja, sejamos, sede, sejam.
- Negativo: não sejas, não seja, não sejamos, não sejais, não
b) Pretérito:
sejam.
- Perfeito: falei
- Imperfeito: falava
c) O tratamento dispensado a alguém numa frase não pode
- Mais-que-perfeito: falara
mudar. Se começamos a tratar a pessoa por você, não podemos
passar para tu, e vice-versa.
Obs.: O pretérito perfeito indica uma ação extinta; o
Ex.: Pede agora a tua comida. (tratamento: tu)
imperfeito, uma ação que se prolongava num determinado
Peça agora a sua comida. (tratamento: você)

Língua Portuguesa 49
APOSTILAS OPÇÃO

d) Os verbos que têm z no radical podem, no imperativo 2) Mais-que-perfeito composto: imperfeito do auxiliar
afirmativo, perder também a letra e que aparece antes da mais particípio do principal.
desinência s. Ex.: tinha falado → mais-que-perfeito composto do
Ex.: faze (tu) ou faz (tu) indicativo.
dize (tu) ou diz (tu) tivesse falado → mais-que-perfeito composto do
subjuntivo.
e) Procure ter “na ponta da língua” a formação e o emprego
do imperativo. É assunto muito cobrado em concursos 3) Demais tempos: basta classificar o verbo auxiliar.
públicos. Ex.: terei falado → futuro do presente composto (terei é
futuro do presente).
Tempos Primitivos e Tempos Derivados
1) O presente do indicativo é tempo primitivo. Da primeira Verbos Irregulares Comuns em Concursos
pessoa do singular sai todo o presente do subjuntivo. É importante saber a conjugação dos verbos que seguem.
Ex.: digo → que eu diga, que tu digas, que ele diga etc. Eles estão conjugados apenas nas pessoas, tempos e modos
dizes mais problemáticos.
diz 1) Compor, repor, impor, expor, depor etc.: seguem
Obs.: isso não ocorre apenas com os poucos verbos que integralmente o verbo pôr.
não apresentam a desinência o na primeira pessoa do singular. Ex.: ponho → componho, imponho, deponho etc.
Ex.: eu sou → que eu seja. pus → compus, repus, expus etc.
eu sei → que eu saiba.
2) Deter, conter, reter, manter etc.: seguem integralmente
2) O pretérito perfeito é tempo primitivo. Da segunda o verbo ter.
pessoa do singular saem: Ex.: tivermos → contivermos, mantivermos etc.
tiveste → retiveste, mantiveste etc.
a) o mais-que-perfeito.
Ex.: coubeste → coubera, couberas, coubera, coubéramos, 3) Intervir, advir, provir, convir etc.: seguem
coubéreis, couberam. integralmente o verbo vir.
Ex.: vierem → intervierem, provierem etc.
b) o imperfeito do subjuntivo. vim → intervim, convim etc.
Ex.: coubeste → coubesse, coubesses, coubesse,
coubéssemos, coubésseis, coubessem. 4) Rever, prever, antever etc.: seguem integralmente o
verbo ver.
c) o futuro do subjuntivo. Ex.: vi → revi, previ etc.
Ex.: coubeste → couber, couberes, couber, coubermos, víssemos → prevíssemos, antevíssemos etc.
couberdes, couberem.
Observações:
3) Do infinitivo impessoal derivam: - Como se vê nesses quatro itens iniciais, o verbo derivado
segue a conjugação do seu primitivo. Basta conjugar o verbo
a) o imperfeito do indicativo. primitivo e recolocar o prefixo. Há outros verbos que dão
Ex.: caber → cabia, cabias, cabia, cabíamos, cabíeis, cabiam. origem a verbos derivados. Por exemplo, dizer, haver e fazer.
Para eles, vale a mesma regra explicada acima.
b) o futuro do presente. Ex.: eu houve → eu reouve (e não reavi, como normalmente
Ex.: caber → caberei, caberás, caberá, caberemos, cabereis, se fala por aí).
caberão.
- Requerer e prover não seguem integralmente os verbos
c) o futuro do pretérito. querer e ver. Eles serão mostrados mais adiante.
Ex.: caber → caberia, caberias, caberia, caberíamos,
caberíeis, caberiam. 5) Crer, no pretérito perfeito do indicativo: cri, creste, creu,
cremos, crestes, creram.
d) o infinitivo pessoal.
Ex.: caber → caber, caberes, caber, cabermos, caberdes, 6) Estourar, roubar, aleijar, inteirar etc.: mantém o ditongo
caberem. fechado em todos os tempos, inclusive o presente do
indicativo. Ex.: A bomba estoura. (e não estóra, como
e) o gerúndio. normalmente se diz).
Ex.: caber → cabendo.
7) Aderir, competir, preterir, discernir, concernir, impelir,
f) o particípio. expelir, repelir:
Ex.: caber → cabido. a) presente do indicativo: adiro, aderes, adere, aderimos,
aderimos, aderem.
Tempos Compostos
Formam-se os tempos compostos com o verbo auxiliar (ter b) presente do subjuntivo: adira, adiras, adira, adiramos,
ou haver) mais o particípio do verbo que se quer conjugar. adirais, adiram.
Obs.: Esses verbos mudam o e do infinitivo para i na
1) Perfeito composto: presente do verbo auxiliar mais primeira pessoa do singular do presente do indicativo e em
particípio do verbo principal. todas do presente do subjuntivo.
Ex.: tenho falado ou hei falado → perfeito composto do
indicativo tenha falado ou haja falado → perfeito composto do 8) Aguar, desaguar, enxaguar, minguar:
subjuntivo. a) presente do indicativo: águo, águas, água; enxáguo,
enxáguas, enxágua.

Língua Portuguesa 50
APOSTILAS OPÇÃO

b) presente do subjuntivo: águe, águes, águe; enxágue, Questões


enxágues, enxágue.
01. (FAPERP - Agente Administrativo - SeMAE)
9) Arguir, no presente do indicativo: arguo, argúis, argúi,
arguimos, arguis, argúem. HÁBITOS SAUDÁVEIS E QUALIDADE DE VIDA12

10) Apaziguar, averiguar, obliquar, no presente do Para um indivíduo ter uma boa qualidade de vida, é
subjuntivo: apazigúe, apazigúes, apazigúe, apaziguemos, fundamental a busca de hábitos saudáveis. Esses, não devem ser
apazigueis, apazigúem. feitos esporadicamente, mas sim com frequência (para toda
vida). A adoção desses hábitos saudáveis tem por objetivos a
11) Mobiliar: manutenção da saúde física e psicológica, aumentando a
a) presente do indicativo: mobílio, mobílias, mobília, qualidade de vida.
mobiliamos, mobiliais, mobíliam.
PRINCIPAIS HÁBITOS SAUDÁVEIS:
b) presente do subjuntivo: mobílie, mobílies, mobílie,
mobiliemos, mobilieis, mobíliem. - Alimentação balanceada, nutritiva e de acordo com as
necessidades de cada organismo;
12) Polir, no presente do indicativo: pulo, pules, pule, - Prática regular de atividades físicas; - Atividades ao ar livre
polimos, polis, pulem. e contato com a natureza;
- Não ter vícios (álcool, cigarro e outras drogas);
13) Passear, recear, pentear, ladear (e todos os outros - Buscar se envolver em atividades sociais prazerosas e
terminados em ear) construtivas;
a) presente do indicativo: passeio, passeias, passeia, - Controlar e, na medida do possível, evitar o estresse;
passeamos, passeais, passeiam. - Valorizar a convivência social positiva;
b) presente do subjuntivo: passeie, passeies, passeie, - Estimular o cérebro com atividades intelectuais (leitura,
passeemos, passeeis, passeiem. teatro etc.);
- Buscar ajuda de profissionais da saúde quando apresentar
Observações: doenças ou problemas psicológicos.
- Os verbos desse grupo (importantíssimo) apresentam o
ditongo ei nas formas risotônicas, mas apenas nos dois Os verbos “buscar”, “controlar”, “valorizar” e “estimular”,
presentes. presentes no texto, foram empregados no infinitivo. Observe
- Os verbos estrear e idear apresentam ditongo aberto. as alternativas abaixo e assinale aquela que contiver a
Ex.: estreio, estreias, estreia; ideio, ideias, ideia. adequada análise da relação forma verbal / flexão de tempo e
modo.
14) Confiar, renunciar, afiar, arriar etc.: verbos regulares. (A) Buscaria: futuro do subjuntivo.
Ex.: confio, confias, confia, confiamos, confiais, confiam. (B) Controlo: presente do imperativo.
(C) Valorizou: pretérito mais-que-perfeito do indicativo.
Observações: (D) Estimularemos: futuro do presente do indicativo.
- Esses verbos não têm o ditongo ei nas formas risotônicas.
- Mediar, ansiar, remediar, incendiar, odiar e intermediar, 02. (Pref. Itaquitinga/PE - Psicólogo - IDHTEC/2016)
apesar de terminarem em iar, apresentam o ditongo ei. Em qual dos trechos a seguir a flexão do verbo reflete um uso
Ex.: medeio, medeias, medeia, mediamos, mediais, adequado da língua
medeiam, medeie, medeies, medeie, mediemos, medieis, (A) “Enquanto a campanha de vacinação contra o H1N1
medeiem. não começa, especialistas recomendam que a população se
precavenha redobrando os cuidados com a higiene e evitando
15) Requerer: só é irregular na 1ª pessoa do singular do aglomerações e o contato com muitas pessoas
presente do indicativo e, consequentemente, em todo o (B) “Cinco pássaros receberam transmissores para
presente do subjuntivo. monitorar sua adaptação à vida selvagem e se obter
Ex.: requeiro, requeres, requer financiamento para cinco novos transmissores, dez novos
requeira, requeiras, requeira pássaros serão libertados.”
requeri, requereste, requereu (C) “A mulher requereu o benefício em abril de 2014. Ela
apresentou diversos atestados médicos que comprovavam sua
16) Prover: conjuga-se como verbo regular no pretérito situação delicada e seu histórico de risco, mas o pedido foi
perfeito, no mais-que-perfeito, no imperfeito do subjuntivo, no indeferido.”
futuro do subjuntivo e no particípio; nos demais tempos, (D) “A polícia interviu nos confrontos entre adeptos
acompanha o verbo ver. ingleses, russos e franceses‟, disse o chefe local da polícia, que
Ex.: Provi, proveste, proveu; provera, proveras, provera; teve de dispersar os apoiantes das duas seleções e cidadãos
provesse, provesses, provesse etc. franceses pelo terceiro dia consecutivo.”
provejo, provês, provê; provia, provias, provia; proverei, (E) “A cada dois meses acumulados, ele sugere que
proverás, proverá etc. investidor se presentei com algo que deseja, para se sentir
17) Reaver, precaver-se, falir, adequar, remir, abolir, motivado a manter a reserva.”
colorir, ressarcir, demolir, acontecer, doer são verbos
defectivos. Estude o que falamos sobre eles na lição anterior, 03. Leia o trecho:
no item sobre a classificação dos verbos. Ex.: Reaver, no Toda a gente dormia com a mulher do Jaqueira. Era só
presente do indicativo: reavemos, reaveis. empurrar a porta. Se a mulher não abria logo, Jaqueira ia abrir,
bocejando e ameaçando:

- Um dia eu mato um peste.

12 http://www.todabiologia.com/saude/habitos_saudaveis.htm

Língua Portuguesa 51
APOSTILAS OPÇÃO

Matou. Escondeu-se por detrás de um pau e descarregou a 2- Adjetivo anteposto funcionando como predicativo:
lazarina bem no coração do freguês. concorda com o mais próximo ou vai para o plural.
(Graciliano Ramos, São Bernardo) Estavam feridos o pai e os filhos. / Estava ferido o pai e os
filhos.
A forma verbal grifada:
(A) está no pretérito, indicando uma ação durativa ou c) Um substantivo e mais de um adjetivo
repetitiva que começa num passado mais ou menos distante e 1- antecede todos os adjetivos com um artigo. Falava
perdura ainda no momento da fala. fluentemente a língua inglesa e a espanhola.
(B) está no futuro do pretérito, indicando uma ação 2- coloca o substantivo no plural. Falava fluentemente as
hipotética. línguas inglesa e espanhola.
(C) está no presente, indicando que a ação se dará num
tempo futuro. d) Pronomes de tratamento
(D) está no futuro, indicando que a ação se dará num futuro Sempre concordam com a 3ª pessoa. Vossa Santidade
do presente. esteve no Brasil.
(E) está no presente, indicando uma ação momentânea ou
pontual. e) Anexo, incluso, próprio, obrigado
Concordam com o substantivo a que se referem.
04. (IESES - Auxiliar em Administração - IFC-SC) As cartas estão anexas. / A bebida está inclusa.
Assinale a alternativa correta quanto à flexão dos verbos.
(A) Quando não disporem de tempo, precavenham-se, f) Um(a) e outro(a), num(a) e noutro(a)
adiantando alguns de seus compromissos. Após essas expressões o substantivo fica sempre no
(B)Se o governo propor mudanças e intervier em favor da singular e o adjetivo no plural.
população, será possível melhorar sua imagem. Renato advogou um e outro caso fáceis. / Pusemos numa e
(C) Ele reaviu seus pertences apreendidos pela polícia. noutra bandeja rasas o peixe.
(D) Mesmo que as autoridades interviessem, perceber-se-
ia logo que o candidato não previra as consequências que g) É bom, é necessario, é proibido
adviriam de sua conduta. Essas expressões não variam se o sujeito não vier
precedido de artigo ou outro determinante.
Gabarito É necessário sua presença. / É necessária a sua presença.
É proibido entrada de pessoas não autorizadas. / A entrada
1.D / 2.C / 3.C / 4.D é proibida.

CONCORDÂNCIA NOMINAL h) Muito, pouco, caro


1- Como adjetivos: seguem a regra geral.
Concordância nominal é que o ajuste que fazemos aos Comi muitas frutas durante a viagem. / Pouco arroz é
demais termos da oração para que concordem em gênero e suficiente para mim.
número com o substantivo. Teremos que alterar, portanto, o
artigo, o adjetivo, o numeral e o pronome. Além disso, temos 2- Como advérbios: são invariáveis.
também o verbo, que se flexionará à sua maneira. Comi muito durante a viagem. / Pouco lutei, por isso perdi
a batalha.
Regra geral: o artigo, o adjetivo, o numeral e o pronome
concordam em gênero e número com o substantivo. i) Mesmo, bastante
A pequena criança é uma gracinha. / O garoto que encontrei 1- Como advérbios: invariáveis
era muito gentil e simpático. Preciso mesmo da sua ajuda.
Fiquei bastante contente com a proposta de emprego.
Casos especiais: veremos alguns casos que fogem à regra
geral mostrada acima. 2- Como pronomes: seguem a regra geral.
Seus argumentos foram bastantes para me convencer.
a) Um adjetivo após vários substantivos Os mesmos argumentos que eu usei, você copiou.
1- Substantivos de mesmo gênero: adjetivo vai para o
plural ou concorda com o substantivo mais próximo. j) Menos, alerta
Irmão e primo recém-chegado estiveram aqui. / Irmão Em todas as ocasiões são invariáveis.
e primo recém-chegados estiveram aqui. Preciso de menos comida para perder peso. / Estamos alerta
para com suas chamadas.
2- Substantivos de gêneros diferentes: vai para o
plural masculino ou concorda com o substantivo mais k) Tal Qual
próximo. “Tal” concorda com o antecedente, “qual” concorda com o
Ela tem pai e mãe louros. / Ela tem pai e mãe loura. consequente.
As garotas são vaidosas tais qual a tia. / Os pais vieram
3- Adjetivo funciona como predicativo: vai fantasiados tais quais os filhos.
obrigatoriamente para o plural.
O homem e o menino estavam perdidos. / O homem e sua l) Possível
esposa estiveram hospedados aqui. Quando vem acompanhado de “mais”, “menos”, “melhor” ou
“pior”, acompanha o artigo que precede as expressões.
b) Um adjetivo anteposto a vários substantivos A mais possível das alternativas é a que você expôs.
1- Adjetivo anteposto normalmente concorda com o mais Os melhores cargos possíveis estão neste setor da empresa.
próximo. As piores situações possíveis são encontradas nas favelas da
Comi delicioso almoço e sobremesa. / Provei deliciosa fruta cidade.
e suco.

Língua Portuguesa 52
APOSTILAS OPÇÃO

m) Meio Respostas
1- Como advérbio: invariável. 01.D / 02.D / 03.B / 04. a) necessária b) alerta c)
Estou meio (um pouco) insegura. bastantes d) vazia e) meio / 05. C
2- Como numeral: segue a regra geral.
Comi meia (metade) laranja pela manhã. CONCORDÂNCIA VERBAL

n) Só Ao falarmos sobre a concordância verbal, estamos nos


1- apenas, somente (advérbio): invariável. referindo à relação de dependência estabelecida entre um
Só consegui comprar uma passagem. termo e outro mediante um contexto oracional.
2- sozinho (adjetivo): variável.
Estiveram sós durante horas. Casos Referentes a Sujeito Simples
1) Sujeito simples, o verbo concorda com o núcleo em
Questões número e pessoa: O aluno chegou atrasado.

01. Indique o uso INCORRETO da concordância verbal ou 2) O verbo concorda no singular com o sujeito coletivo do
nominal: singular, o verbo permanece na terceira pessoa do
(A) Será descontada em folha sua contribuição sindical. singular: A multidão, apavorada, saiu aos gritos.
(B) Na última reunião, ficou acordado que se realizariam Observação: no caso de o coletivo aparecer seguido de
encontros semanais com os diversos interessados no assunto. adjunto adnominal no plural, o verbo permanecerá no singular
(C) Alguma solução é necessária, e logo! ou poderá ir para o plural: Uma multidão de pessoas saiu aos
(D) Embora tenha ficado demonstrado cabalmente a gritos. / Uma multidão de pessoas saíram aos gritos.
ocorrência de simulação na transferência do imóvel, o pedido
não pode prosperar. 3) Quando o sujeito é representado por expressões
(E) A liberdade comercial da colônia, somada ao fato de D. partitivas, representadas por “a maioria de, a maior parte de, a
João VI ter também elevado sua colônia americana à condição metade de, uma porção de, entre outras”, o verbo tanto pode
de Reino Unido a Portugal e Algarves, possibilitou ao Brasil concordar com o núcleo dessas expressões quanto com o
obter certa autonomia econômica. substantivo que a segue: A maioria dos alunos resolveu ficar.
/ A maioria dos alunos resolveram ficar.
02. Aponte a alternativa em que NÃO ocorre silepse (de
gênero, número ou pessoa): 4) No caso de o sujeito ser representado por expressões
(A) “A gente é feito daquele tipo de talento capaz de fazer aproximativas, representadas por “cerca de, perto de”, o verbo
a diferença.” concorda com o substantivo determinado por elas: Cerca de
(B) Todos sabemos que a solução não é fácil. vinte candidatos se inscreveram no concurso de piadas.
(C) Essa gente trabalhadora merecia mais, pois acordam às
cinco horas para chegar ao trabalho às oito da manhã. 5) Em casos em que o sujeito é representado pela
(D) Todos os brasileiros sabem que esse problema vem de expressão “mais de um”, o verbo permanece no singular: Mais
longe... de um candidato se inscreveu no concurso de piadas.
(E) Senhor diretor, espero que Vossa Senhoria seja mais Observação: no caso da referida expressão aparecer
compreensivo. repetida ou associada a um verbo que exprime reciprocidade,
o verbo, necessariamente, deverá permanecer no plural: Mais
03. A concordância nominal está INCORRETA em: de um aluno, mais de um professor contribuíram na campanha
(A) A mídia julgou desnecessária a campanha e o de doação de alimentos. / Mais de um formando se
envolvimento da empresa. abraçaram durante as solenidades de formatura.
(B) A mídia julgou a campanha e a atuação da empresa
desnecessária. 6) O sujeito for composto da expressão “um dos que”, o
(C) A mídia julgou desnecessário o envolvimento da verbo permanecerá no plural: Paulo é um dos que mais
empresa e a campanha. trabalhar.
(D) A mídia julgou a campanha e a atuação da empresa
desnecessárias. 7) Quanto aos relativos à concordância com locuções
pronominais, representadas por “algum de nós, qual de vós,
04. Complete os espaços com um dos nomes colocados nos quais de vós, alguns de nós”, entre outras, faz-se necessário
parênteses. nos atermos a duas questões básicas:
(A) Será que é ____ essa confusão toda? (necessário/ - No caso de o primeiro pronome estar expresso no plural,
necessária) o verbo poderá com ele concordar, como poderá também
(B) Quero que todos fiquem ____. (alerta/ alertas) concordar com o pronome pessoal: Alguns
(C) Houve ____ razões para eu não voltar lá. (bastante/ de nós o receberemos. / Alguns de nós o receberão.
bastantes) - Quando o primeiro pronome da locução estiver expresso
(D) Encontrei ____ a sala e os quartos. (vazia/vazios) no singular, o verbo também permanecerá no singular: Algum
(E) A dona do imóvel ficou ____ desiludida com o inquilino. de nós o receberá.
(meio/ meia)
8) No caso de o sujeito aparecer representado pelo
05. Quanto à concordância nominal, verifica-se ERRO em: pronome “quem”, o verbo permanecerá na terceira pessoa do
(A) O texto fala de uma época e de um assunto polêmicos. singular ou poderá concordar com o antecedente desse
(B) Tornou-se clara para o leitor a posição do autor sobre pronome: Fomos nós quem contou toda a verdade para ela. /
o assunto. Fomos nós quem contamos toda a verdade para ela.
(C) Constata-se hoje a existência de homem, mulher e
criança viciadas. 9) Em casos nos quais o sujeito aparece realçado pela
(D) Não será permitido visita de amigos, apenas a de palavra “que”, o verbo deverá concordar com o termo que
parentes. antecede essa palavra: Nesta empresa somos nós
que tomamos as decisões. / Em casa sou eu que decido tudo.

Língua Portuguesa 53
APOSTILAS OPÇÃO

10) No caso de o sujeito aparecer representado por (A) Os Estados Unidos é considerado, hoje, a maior
expressões que indicam porcentagens, o verbo concordará potência econômica do planeta, mas há quem aposte que a
com o numeral ou com o substantivo a que se refere essa China, em breve, o ultrapassará.
porcentagem: 50% dos funcionários aprovaram a decisão da (B) Em razão das fortes chuvas haverão muitos candidatos
diretoria. / 50% do eleitorado apoiou a decisão. que chegarão atrasados, tenho certeza disso.
Observações: (C) Naquela barraca vendem-se tapiocas fresquinhas, pode
- Caso o verbo aparecer anteposto à expressão de comê-las sem receio!
porcentagem, esse deverá concordar com o numeral: (D) A multidão gritaram quando a cantora apareceu na
Aprovaram a decisão da diretoria 50% dos funcionários. janela do hotel!
- Em casos relativos a 1%, o verbo permanecerá no
singular: 1% dos funcionários não aprovou a decisão da 02. Uma pergunta
diretoria.
- Em casos em que o numeral estiver acompanhado de Frequentemente cabe aos detentores de cargos de
determinantes no plural, o verbo permanecerá no plural: Os responsabilidade tomar decisões difíceis, de graves
50% dos funcionários apoiaram a decisão da diretoria. consequências. Haveria algum critério básico, essencial, para
amparar tais escolhas? Antonio Gramsci, notável pensador e
11) Quando o sujeito estiver representado por pronomes político italiano, propôs que se pergunte, antes de tomar a
de tratamento, o verbo deverá ser empregado na terceira decisão: - Quem sofrerá?
pessoa do singular ou do plural: Vossas Para um humanista, a dor humana é sempre prioridade a
Majestades gostaram das homenagens. Vossas Excelência agiu se considerar.
com inteligência. (Salvador Nicola, inédito)

12) Casos relativos a sujeito representado por substantivo O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se no
próprio no plural se encontram relacionados a alguns aspectos singular para preencher adequadamente a lacuna da frase:
que os determinam: (A) A nenhuma de nossas escolhas ...... (poder) deixar de
- Diante de nomes de obras no plural, seguidos do verbo corresponder nossos valores éticos mais rigorosos.
ser, este permanece no singular, contanto que o predicativo (B) Não se ...... (poupar) os que governam de refletir sobre
também esteja no singular: Memórias póstumas de Brás o peso de suas mais graves decisões.
Cubas é uma criação de Machado de Assis. (C) Aos governantes mais responsáveis não ...... (ocorrer)
- Nos casos de artigo expresso no plural, o verbo também tomar decisões sem medir suas consequências.
permanece no plural: Os Estados Unidos são uma potência (D) A toda decisão tomada precipitadamente ......
mundial. (costumar) sobrevir consequências imprevistas e injustas.
- Casos em que o artigo figura no singular ou em que ele (E) Diante de uma escolha, ...... (ganhar) prioridade,
nem aparece, o verbo permanece no singular: Estados Unidos recomenda Gramsci, os critérios que levam em conta a dor
é uma potência mundial. humana.

Casos Referentes a Sujeito Composto 03. Em um belo artigo, o físico Marcelo Gleiser, analisando
1) Nos casos relativos a sujeito composto de pessoas a constatação do satélite Kepler de que existem muitos
gramaticais diferentes, o verbo deverá ir para o plural, estando planetas com características físicas semelhantes ao nosso,
relacionado a dois pressupostos básicos: reafirmou sua fé na hipótese da Terra rara, isto é, a tese de que
- Quando houver a 1ª pessoa, esta prevalecerá sobre as a vida complexa (animal) é um fenômeno não tão comum no
demais: Eu, tu e ele faremos um lindo passeio. Universo.
- Quando houver a 2ª pessoa, o verbo poderá flexionar na Gleiser retoma as ideias de Peter Ward expostas de modo
2ª ou na 3ª pessoa: Tu e ele sois primos. / Tu e ele são primos. persuasivo em “Terra Rara”. Ali, o autor sugere que a vida
microbiana deve ser um fenômeno trivial, podendo pipocar até
2) Nos casos em que o sujeito composto aparecer em mundos inóspitos; já o surgimento de vida multicelular na
anteposto (antes) ao verbo, este permanecerá no plural: O pai Terra dependeu de muitas outras variáveis físicas e históricas,
e seus dois filhos compareceram ao evento. o que, se não permite estimar o número de civilizações extra
terráqueas, ao menos faz com que reduzamos nossas
3) No caso em que o sujeito aparecer posposto (depois) ao expectativas.
verbo, este poderá concordar com o núcleo mais próximo ou Uma questão análoga só arranhada por Ward é a da
permanecer no plural: Compareceram ao evento o pai e seus inexorabilidade da inteligência. A evolução de organismos
dois filhos. Compareceu ao evento o pai e seus dois filhos. complexos leva necessariamente à consciência e à
inteligência?
4) Nos casos relacionados a sujeito simples, porém com Robert Wright diz que sim, mas seu argumento é mais
mais de um núcleo, o verbo deverá permanecer no singular: matemático do que biológico: complexidade engendra
Meu esposo e grande companheiro merece toda a felicidade do complexidade, levando a uma corrida armamentista entre
mundo. espécies cujo subproduto é a inteligência.
Stephen J. Gould e Steven Pinker apostam que não. Para
5) Casos relativos a sujeito composto de palavras eles, é apenas devido a uma sucessão de pré-adaptações e
sinônimas ou ordenado por elementos em gradação, o verbo coincidências que alguns animais transformaram a capacidade
poderá permanecer no singular ou ir para o plural: Minha de resolver problemas em estratégia de sobrevivência. Se
vitória, minha conquista, minha premiação são frutos de meu rebobinássemos o filme da evolução e reencenássemos o
esforço. / Minha vitória, minha conquista, minha premiação é processo mudando alguns detalhes do início, seriam grandes
fruto de meu esforço. as chances de não chegarmos a nada parecido com a
inteligência.
Questões (Hélio Schwartsman. Folha de S. Paulo, 2012.)

01. A concordância realizou-se adequadamente em qual A frase em que as regras de concordância estão
alternativa? plenamente respeitadas é:

Língua Portuguesa 54
APOSTILAS OPÇÃO

(A) Podem haver estudos que comprovem que, no passado, "Cheguei no metrô", popularmente usada a fim de indicar o
as formas mais complexas de vida - cujo habitat eram oceanos lugar a que se vai, possui, no padrão culto da língua,
ricos em nutrientes - se alimentavam por osmose. sentido diferente. Aliás, é muito comum existirem
(B) Cada um dos organismos simples que vivem na divergências entre a regência coloquial, cotidiana de alguns
natureza sobrevivem de forma quase automática, sem se verbos, e a regência culta.
valerem de criatividade e planejamento.
(C) Desde que observe cuidados básicos, como obter Para estudar a regência verbal, agruparemos os verbos de
energia por meio de alimentos, os organismos simples podem acordo com sua transitividade. A transitividade, porém, não é
preservar a vida ao longo do tempo com relativa facilidade. um fato absoluto: um mesmo verbo pode atuar de diferentes
(D) Alguns animais tem de se adaptar a um ambiente cheio formas em frases distintas.
de dificuldades para obter a energia necessária a sua
sobrevivência e nesse processo expõe- se a inúmeras ameaças. Verbos Intransitivos
(E) A maioria dos organismos mais complexos possui um Os verbos intransitivos não possuem complemento. É
sistema nervoso muito desenvolvido, capaz de se adaptar a importante, no entanto, destacar alguns detalhes relativos
mudanças ambientais, como alterações na temperatura. aos adjuntos adverbiais que costumam acompanhá-los.
a) Chegar, Ir;
04. De acordo com a norma-padrão da língua portuguesa, Normalmente vêm acompanhados de adjuntos adverbiais
a concordância verbal está correta em: de lugar. Na língua culta, as preposições usadas para
(A) Ela não pode usar o celular e chamar um taxista, pois indicar destino ou direção são: a, para.
acabou os créditos. Fui ao teatro.
(B) Esta empresa mantêm contato com uma rede de táxis Adjunto Adverbial de Lugar
que executa diversos serviços para os clientes.
(C) À porta do aeroporto, havia muitos táxis disponíveis Ricardo foi para a Espanha.
para os passageiros que chegavam à cidade. Adjunto Adverbial de Lugar
(D) Passou anos, mas a atriz não se esqueceu das calorosas
lembranças que seu tio lhe deixou. b) Comparecer;
(E) Deve existir passageiros que aproveitam a corrida de O adjunto adverbial de lugar pode ser introduzido
táxi para bater um papo com o motorista. por em ou a.
Comparecemos ao estádio (ou no estádio) para ver o último
Respostas jogo.
01.C / 02.C / 03.E / 04.C
Verbos Transitivos Diretos
Os verbos transitivos diretos são complementados por
8. Regência nominal e objetos diretos. Isso significa que não exigem preposição para
o estabelecimento da relação de regência. Ao empregar esses
verbal – o fenômeno da crase. verbos, devemos lembrar que os pronomes oblíquos o, a, os,
as atuam como objetos diretos. Esses pronomes podem
assumir as formas lo, los, la, las (após formas verbais
REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL terminadas em -r, -s ou -z) ou no, na, nos, nas (após formas
verbais terminadas em sons nasais), enquanto lhe e lhes são,
Regência Verbal quando complementos verbais, objetos indiretos.
São verbos transitivos diretos: abandonar, abençoar,
A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre aborrecer, abraçar, acompanhar, acusar, admirar, adorar,
os verbos e os termos que os complementam (objetos diretos alegrar, ameaçar, amolar, amparar, auxiliar, castigar,
e objetos indiretos) ou caracterizam (adjuntos adverbiais). condenar, conhecer, conservar, convidar, defender, eleger,
O estudo da regência verbal permite-nos ampliar nossa estimar, humilhar, namorar, ouvir, prejudicar, prezar,
capacidade expressiva, pois oferece oportunidade de proteger, respeitar, socorrer, suportar, ver, visitar, dentre
conhecermos as diversas significações que um verbo pode outros.
assumir com a simples mudança ou retirada de uma Na língua culta, esses verbos funcionam exatamente como
preposição. o verbo amar:
Observe: Amo aquele rapaz. / Amo-o.
A mãe agrada o filho. -> agradar significa acariciar, Amo aquela moça. / Amo-a.
contentar. Amam aquele rapaz. / Amam-no.
A mãe agrada ao filho. -> agradar significa "causar agrado Ele deve amar aquela mulher. / Ele deve amá-la.
ou prazer", satisfazer.
Obs.: os pronomes lhe, lhes só acompanham esses verbos
Logo, conclui-se que "agradar alguém" é diferente de para indicar posse (caso em que atuam como adjuntos
"agradar a alguém". adnominais).
Quero beijar-lhe o rosto. (= beijar seu rosto)
Saiba que: Prejudicaram-lhe a carreira. (= prejudicaram sua carreira)
O conhecimento do uso adequado das preposições é um Conheço-lhe o mau humor! (= conheço seu mau humor)
dos aspectos fundamentais do estudo da regência verbal (e
também nominal). As preposições são capazes de modificar Verbos Transitivos Indiretos
completamente o sentido do que se está sendo dito. Veja os Os verbos transitivos indiretos são complementados por
exemplos: objetos indiretos. Isso significa que esses verbos exigem uma
Cheguei ao metrô. preposição para o estabelecimento da relação de regência. Os
Cheguei no metrô. pronomes pessoais do caso oblíquo de terceira pessoa que
podem atuar como objetos indiretos são o "lhe", o "lhes", para
No primeiro caso, o metrô é o lugar a que vou; no segundo substituir pessoas. Não se utilizam os pronomes o, os, a,
caso, é o meio de transporte por mim utilizado. A oração as como complementos de verbos transitivos indiretos. Com

Língua Portuguesa 55
APOSTILAS OPÇÃO

os objetos indiretos que não representam pessoas, usam-se Obs.: a mesma regência do verbo informar é usada para os
pronomes oblíquos tônicos de terceira pessoa (ele, ela) em seguintes: avisar, certificar, notificar, cientificar, prevenir.
lugar dos pronomes átonos lhe, lhes.
Os verbos transitivos indiretos são os seguintes: Comparar
a) Consistir - tem complemento introduzido pela Quando seguido de dois objetos, esse verbo admite as
preposição "em". preposições "a" ou "com" para introduzir o complemento
A modernidade verdadeira consiste em direitos iguais para indireto.
todos. Comparei seu comportamento ao (ou com o) de uma
criança.
b) Obedecer e Desobedecer - possuem seus complementos
introduzidos pela preposição "a". Pedir
Devemos obedecer aos nossos princípios e ideais. Esse verbo pede objeto direto de coisa (geralmente na
Eles desobedeceram às leis do trânsito. forma de oração subordinada substantiva) e indireto de
pessoa.
c) Responder - tem complemento introduzido pela Pedi-lhe favores.
preposição "a". Esse verbo pede objeto indireto para indicar "a Objeto Indireto Objeto Direto
quem" ou "ao que" se responde.
Respondi ao meu patrão. Pedi-lhe que mantivesse em silêncio.
Respondemos às perguntas. Objeto Indireto Oração Subordinada Substantiva
Objetiva Direta
Respondeu-lhe à altura.
Obs.: o verbo responder, apesar de transitivo indireto
Saiba que:
quando exprime aquilo a que se responde, admite voz passiva
1) A construção "pedir para", muito comum na linguagem
analítica. Veja: O questionário foi respondido corretamente. /
cotidiana, deve ter emprego muito limitado na língua culta. No
Todas as perguntas foram respondidas satisfatoriamente.
entanto, é considerada correta quando a
palavra licença estiver subentendida.
d) Simpatizar e Antipatizar - Possuem seus complementos
introduzidos pela preposição "com".
Peço (licença) para ir entregar-lhe os catálogos em casa.
Antipatizo com aquela apresentadora.
Simpatizo com os que condenam os políticos que governam
Observe que, nesse caso, a preposição "para" introduz uma
para uma minoria privilegiada.
oração subordinada adverbial final reduzida de infinitivo
(para ir entregar-lhe os catálogos em casa).
Verbos Transitivos Diretos e Indiretos
Os verbos transitivos diretos e indiretos são
2) A construção "dizer para", também muito usada
acompanhados de um objeto direto e um indireto. Merecem
popularmente, é igualmente considerada incorreta.
destaque, nesse grupo:
Preferir
Agradecer, Perdoar e Pagar
Na língua culta, esse verbo deve apresentar objeto
São verbos que apresentam objeto direto
indireto introduzido pela preposição "a". Por Exemplo:
relacionado a coisas e objeto indireto relacionado a pessoas.
Prefiro qualquer coisa a abrir mão de meus ideais.
Veja os exemplos:
Prefiro trem a ônibus.
Agradeço aos ouvintes a audiência.
Objeto Indireto Objeto Direto
Obs.: na língua culta, o verbo "preferir" deve ser usado
sem termos intensificadores, tais como: muito, antes, mil vezes,
Cristo ensina que é preciso perdoar o pecado ao pecador. um milhão de vezes, mais. A ênfase já é dada pelo prefixo
Objeto Direto Objeto Indireto existente no próprio verbo (pre).
Paguei o débito ao cobrador.
Objeto Direto Objeto Indireto Mudança de Transitividade versus Mudança de
Significado
- O uso dos pronomes oblíquos átonos deve ser feito com Há verbos que, de acordo com a mudança de
particular cuidado. Observe: transitividade, apresentam mudança de significado. O
Agradeci o presente. / Agradeci-o. conhecimento das diferentes regências desses verbos é um
Agradeço a você. / Agradeço-lhe. recurso linguístico muito importante, pois além de permitir a
Perdoei a ofensa. / Perdoei-a. correta interpretação de passagens escritas, oferece
Perdoei ao agressor. / Perdoei-lhe. possibilidades expressivas a quem fala ou escreve. Dentre os
Paguei minhas contas. / Paguei-as. principais, estão:
Paguei aos meus credores. / Paguei-lhes.
Agradar
Informar - Agradar é transitivo direto no sentido de fazer carinhos,
- Apresenta objeto direto ao se referir a coisas e objeto acariciar.
indireto ao se referir a pessoas, ou vice-versa. Sempre agrada o filho quando o revê. / Sempre o agrada
Informe os novos preços aos clientes. quando o revê.
Informe os clientes dos novos preços. (ou sobre os novos Cláudia não perde oportunidade de agradar o gato. /
preços) Cláudia não perde oportunidade de agradá-lo.
- Agradar é transitivo indireto no sentido de causar agrado
- Na utilização de pronomes como complementos, veja as a, satisfazer, ser agradável a. Rege complemento introduzido
construções: pela preposição "a".
Informei-os aos clientes. / Informei-lhes os novos preços. O cantor não agradou aos presentes.
Informe-os dos novos preços. / Informe-os deles. (ou sobre O cantor não lhes agradou.
eles)

Língua Portuguesa 56
APOSTILAS OPÇÃO

Aspirar b) Ter como consequência, trazer como consequência,


- Aspirar é transitivo direto no sentido de sorver, inspirar acarretar, provocar
(o ar), inalar. Liberdade de escolha implica amadurecimento político de
Aspirava o suave aroma. (Aspirava-o) um povo.
- Aspirar é transitivo indireto no sentido de desejar, ter
como ambição. - Como transitivo direto e indireto, significa comprometer,
Aspirávamos a melhores condições de vida. (Aspirávamos a envolver
elas) Implicaram aquele jornalista em questões econômicas.
Obs.: como o objeto direto do verbo "aspirar" não é Obs.: no sentido de antipatizar, ter implicância, é transitivo
pessoa, mas coisa, não se usam as formas pronominais átonas indireto e rege com preposição "com".
"lhe" e "lhes" e sim as formas tônicas "a ele (s)", " a ela (s)". Veja Implicava com quem não trabalhasse arduamente.
o exemplo:
Aspiravam a uma existência melhor. (= Aspiravam a ela) Proceder
- Proceder é intransitivo no sentido de ser decisivo, ter
Assistir cabimento, ter fundamento ou portar-se, comportar-se,
- Assistir é transitivo direto no sentido de ajudar, prestar agir. Nessa segunda acepção, vem sempre acompanhado de
assistência a, auxiliar. Por Exemplo: adjunto adverbial de modo.
As empresas de saúde negam-se a assistir os idosos. As afirmações da testemunha procediam, não havia como
As empresas de saúde negam-se a assisti-los. refutá-las.
- Assistir é transitivo indireto no sentido de ver, Você procede muito mal.
presenciar, estar presente, caber, pertencer. - Nos sentidos de ter origem, derivar-se (rege a
preposição" de") e fazer, executar (rege complemento
Exemplos: introduzido pela preposição "a") é transitivo indireto.
Assistimos ao documentário. O avião procede de Maceió.
Não assisti às últimas sessões. Procedeu-se aos exames.
Essa lei assiste ao inquilino. O delegado procederá ao inquérito.
Obs.: no sentido de morar, residir, o verbo "assistir" é
intransitivo, sendo acompanhado de adjunto adverbial de Querer
lugar introduzido pela preposição "em". - Querer é transitivo direto no sentido de desejar, ter
Assistimos numa conturbada cidade. vontade de, cobiçar.
Querem melhor atendimento.
Chamar Queremos um país melhor.
- Chamar é transitivo direto no sentido de convocar, - Querer é transitivo indireto no sentido de ter afeição,
solicitar a atenção ou a presença de. estimar, amar.
Por gentileza, vá chamar sua prima. / Por favor, vá chamá- Quero muito aos meus amigos.
la. Ele quer bem à linda menina.
Chamei você várias vezes. / Chamei-o várias vezes. Despede-se o filho que muito lhe quer.
- Chamar no sentido de denominar, apelidar pode
apresentar objeto direto e indireto, ao qual se refere Visar
predicativo preposicionado ou não. - Como transitivo direto, apresenta os sentidos de mirar,
A torcida chamou o jogador mercenário. fazer pontaria e de pôr visto, rubricar.
A torcida chamou ao jogador mercenário. O homem visou o alvo.
A torcida chamou o jogador de mercenário. O gerente não quis visar o cheque.
A torcida chamou ao jogador de mercenário. - No sentido de ter em vista, ter como meta, ter como
objetivo, é transitivo indireto e rege a preposição "a".
Custar O ensino deve sempre visar ao progresso social.
- Custar é intransitivo no sentido de ter determinado valor Prometeram tomar medidas que visassem ao bem-estar
ou preço, sendo acompanhado de adjunto adverbial. público.
Frutas e verduras não deveriam custar muito.
- No sentido de ser difícil, penoso, pode ser intransitivo ou Regência Nominal
transitivo indireto.
É o nome da relação existente entre
Muito custa viver tão longe da família. um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) e os termos
Verbo Oração Subordinada Substantiva Subjetiva regidos por esse nome. Essa relação é sempre intermediada
Intransitivo Reduzida de Infinitivo por uma preposição. No estudo da regência nominal, é preciso
levar em conta que vários nomes apresentam exatamente o
Custa-me (a mim) crer que tomou realmente aquela mesmo regime dos verbos de que derivam. Conhecer o regime
atitude. de um verbo significa, nesses casos, conhecer o regime dos
Objeto Indireto Oração Subordinada Substantiva -
Subjetiva Reduzida de Infinitivo nomes cognatos. Observe o exemplo: Verbo obedecer e os
nomes correspondentes: todos regem complementos
Obs.: a Gramática Normativa condena as construções que introduzidos pela preposição "a". Veja:
atribuem ao verbo "custar" um sujeito representado por Obedecer a algo/ a alguém.
pessoa. Observe o exemplo abaixo: Obediente a algo/ a alguém.
Custei para entender o problema.
Forma correta: Custou-me entender o problema. Apresentamos a seguir vários nomes acompanhados da
preposição ou preposições que os regem. Observe-os
Implicar atentamente e procure, sempre que possível, associar esses
- Como transitivo direto, esse verbo tem dois sentidos: nomes entre si ou a algum verbo cuja regência você conhece.
a) dar a entender, fazer supor, pressupor
Suas atitudes implicavam um firme propósito.

Língua Portuguesa 57
APOSTILAS OPÇÃO

Substantivos Suspeito de
Admiração a, por Desejoso de
Devoção a, para, com, por Natural de
Medo a, de Vazio de
Aversão a, para, por
Doutor em Advérbios
Obediência a - Longe de;
Atentado a, contra - Perto de.
Dúvida acerca de, em, sobre
Ojeriza a, por Obs.: os advérbios terminados em -mente tendem a seguir
Bacharel em o regime dos adjetivos de que são formados: paralela à;
Horror a paralelamente a; relativa a; relativamente a.13
Proeminência sobre
Capacidade de, para Questões
Impaciência com
Respeito a, com, para com, por 01. (Administrador - FCC)
... a que ponto a astronomia facilitou a obra das outras
Adjetivos ciências ...
Acessível a O verbo que exige o mesmo tipo de complemento que o
Diferente de grifado acima está empregado em:
Necessário a (A) ...astros que ficam tão distantes...
Acostumado a, com (B) ...que a astronomia é uma das ciências...
Entendido em (C) ...que nos proporcionou um espírito...
Nocivo a (D) ...cuja importância ninguém ignora...
Afável com, para com (E) ...onde seu corpo não passa de um ponto obscuro...
Equivalente a
Paralelo a 02. (Agente de Apoio Administrativo - FCC)
Agradável a ...pediu ao delegado do bairro que desse um jeito nos filhos
Escasso de do sueco.
Parco em, de O verbo que exige, no contexto, o mesmo tipo de
Alheio a, de complementos que o grifado acima está empregado em:
Essencial a, para (A) ...que existe uma coisa chamada EXÉRCITO...
Passível de (B) ...como se isso aqui fosse casa da sogra?
Análogo a (C) ...compareceu em companhia da mulher à delegacia...
Fácil de (D) Eu ensino o senhor a cumprir a lei, ali no duro...
Preferível a (E) O delegado apenas olhou-a espantado com o
Ansioso de, para, por atrevimento.
Fanático por
Prejudicial a 03. (Agente de Defensoria Pública - FCC)
Apto a, para ... constava simplesmente de uma vareta quebrada em partes
Favorável a desiguais...
Prestes a O verbo que exige o mesmo tipo de complemento que o
Ávido de grifado acima está empregado em:
Generoso com (A) Em campos extensos, chegavam em alguns casos a
Propício a extremos de sutileza.
Benéfico a (B) ...eram comumente assinalados a golpes de machado nos
Grato a, por troncos mais robustos.
Próximo a (C) Os toscos desenhos e os nomes estropiados desorientam,
Capaz de, para não raro, quem...
Hábil em (D) Koch-Grünberg viu uma dessas marcas de caminho na
Relacionado com serra de Tunuí...
Compatível com (E) ...em que tão bem se revelam suas afinidades com o
Habituado a gentio, mestre e colaborador...
Relativo a
Contemporâneo a, de 04. (Agente Técnico - FCC)
Idêntico a ... para lidar com as múltiplas vertentes da justiça...
Satisfeito com, de, em, por O verbo que exige o mesmo tipo de complemento que o da
Contíguo a frase acima se encontra em:
Impróprio para (A) A palavra direito, em português, vem de directum, do
Semelhante a verbo latino dirigere...
Contrário a (B) ...o Direito tem uma complexa função de gestão das
Indeciso em sociedades...
Sensível a (C) ...o de que o Direito [...] esteja permeado e regulado pela
Curioso de, por justiça.
Insensível a (D) Essa problematicidade não afasta a força das aspirações
Sito em da justiça...
Descontente com (E) Na dinâmica dessa tensão tem papel relevante o
Liberal com sentimento de justiça.

13 www.soportugues.com.br/secoes/sint/sint61.php

Língua Portuguesa 58
APOSTILAS OPÇÃO

05. Leia a tira a seguir. 08. (Analista de Sistemas - VUNESP) Assinale a


alternativa que completa, correta e respectivamente, as
lacunas do texto, de acordo com as regras de regência.
Os estudos _______ quais a pesquisadora se reportou já
assinalavam uma relação entre os distúrbios da imagem
corporal e a exposição a imagens idealizadas pela mídia.
A pesquisa faz um alerta ______ influência negativa que a
mídia pode exercer sobre os jovens.
(A) dos … na
(B) nos … entre a
(C) aos … para a
(D) sobre os … pela
(E) pelos … sob a

09. (Analista em Planejamento, Orçamento e Finanças


Públicas - VUNESP) Considerando a norma-padrão da língua,
assinale a alternativa em que os trechos destacados estão
corretos quanto à regência, verbal ou nominal.
(A) O prédio que o taxista mostrou dispunha de mais de
dez mil tomadas.
(B) O autor fez conjecturas sob a possibilidade de haver
um homem que estaria ouvindo as notas de um oboé.
Considerando as regras de regência da norma-padrão da
(C) Centenas de trabalhadores estão empenhados de criar
língua portuguesa, a frase do primeiro quadrinho está
logotipos e negociar.
corretamente reescrita, e sem alteração de sentido, em:
(D) O taxista levou o autor a indagar no número de
(A) Ter amigos ajuda contra o combate pela depressão.
tomadas do edifício.
(B) Ter amigos ajuda o combate sob a depressão.
(E) A corrida com o taxista possibilitou que o autor
(C) Ter amigos ajuda do combate com a depressão.
reparasse a um prédio na marginal.
(D) Ter amigos ajuda ao combate na depressão.
(E) Ter amigos ajuda no combate à depressão.
10. (Assistente de Informática II - VUNESP) Assinale a
alternativa que substitui a expressão destacada na frase,
06. (Escrevente TJ SP - VUNESP) Assinale a alternativa
conforme as regras de regência da norma-padrão da língua e
em que o período, adaptado da revista Pesquisa Fapesp de
sem alteração de sentido.
junho de 2012, está correto quanto à regência nominal e à
Muitas organizações lutaram a favor da igualdade de
pontuação.
direitos dos trabalhadores domésticos.
(A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
(A) da
seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
(B) na
notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em
(C) pela
outros.
(D) sob a
(B) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam
E) sobre a
rapidamente seu espaço na carreira científica; ainda que o
avanço seja mais notável, em alguns países, o Brasil é um
Respostas
exemplo!, do que em outros.
1.D / 2.D / 3.A / 4.A / 5.E / 6.D / 7.A / 8.C / 9.A / 10.C
(C) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam
rapidamente seu espaço, na carreira científica, ainda que o
CRASE
avanço seja mais notável, em alguns países: o Brasil é um
exemplo, do que em outros.
É de grande importância a crase da preposição “a” com o
(D) Não há dúvida de que as mulheres ampliam
artigo feminino “a” (s), com o “a” inicial dos pronomes
rapidamente seu espaço na carreira científica, ainda que o
aquele(s), aquela (s), aquilo e com o “a” do relativo a qual (as
avanço seja mais notável em alguns países - o Brasil é um
quais).
exemplo - do que em outros.
Na escrita, utilizamos o acento grave ( ` ) para indicar a
(E) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente,
crase. O uso apropriado do acento grave depende da
seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais
compreensão da fusão das duas vogais. É fundamental
notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em
também, para o entendimento da crase, dominar a regência
outros.
dos verbos e nomes que exigem a preposição “a”.
Aprender a usar a crase, portanto, consiste em aprender a
07. (Papiloscopista Policial - VUNESP) Assinale a
verificar a ocorrência simultânea de uma preposição e um
alternativa correta quanto à regência dos termos em destaque.
artigo ou pronome.14 Observe:
(A) Ele tentava convencer duas senhoras a assumir a
Vou a + a igreja.
responsabilidade pelo problema.
Vou à igreja.
(B) A menina tinha o receio a levar uma bronca por ter se
perdido.
No exemplo acima, temos a ocorrência da preposição “a”,
(C) A garota tinha apenas a lembrança pelo desenho de
exigida pelo verbo ir (ir a algum lugar) e a ocorrência do artigo
um índio na porta do prédio.
“a” que está determinando o substantivo feminino igreja.
(D) A menina não tinha orgulho sob o fato de ter se
Quando ocorre esse encontro das duas vogais e elas se unem,
perdido de sua família.
a união delas é indicada pelo acento grave. Observe outros
(E) A família toda se organizou para realizar a procura à
exemplos:
garotinha.

14 www.soportugues.com.br/secoes/sint/sint76.php

Língua Portuguesa 59
APOSTILAS OPÇÃO

Conheço a aluna. à vontade à beça à larga à escuta


Refiro-me à aluna.
às avessas à revelia à exceção de à imitação de
No primeiro exemplo, o verbo é transitivo direto (conhecer
algo ou alguém), logo não exige preposição e a crase não pode à esquerda às turras às vezes à chave
ocorrer. No segundo exemplo, o verbo é transitivo indireto
à direita à procura à deriva à toa
(referir-se a algo ou a alguém) e exige a preposição “a”.
Portanto, a crase é possível, desde que o termo seguinte seja à luz à sombra de à frente de à proporção que
feminino e admita o artigo feminino “a” ou um dos pronomes
já especificados. à semelhança de às ordens à beira de

Casos em que a crase NÃO ocorre


Crase diante de Nomes de Lugar
1) Diante de substantivos masculinos:
Alguns nomes de lugar não admitem a anteposição do
Andamos a cavalo.
artigo “a”. Outros, entretanto, admitem o artigo de modo que
Fomos a pé.
diante deles haverá crase, desde que o termo regente exija a
preposição “a”. Para saber se um nome de lugar admite ou não
2) Diante de verbos no infinitivo:
a anteposição do artigo feminino “a”, deve-se substituir o
A criança começou a falar.
termo regente por um verbo que peça a preposição “de” ou
Ela não tem nada a dizer.
“em”. A ocorrência da contração “da” ou “na” prova que esse
nome de lugar aceita o artigo e, por isso, haverá crase. Por
Obs.: como os verbos não admitem artigos, o “a” dos
exemplo:
exemplos acima é apenas preposição, logo não ocorrerá crase.
Vou à França. (Vim da[ de+a] França. Estou na[ em+a]
3) Diante da maioria dos pronomes e das expressões de
França.)
tratamento, com exceção das formas senhora, senhorita e
Cheguei à Grécia. (Vim da Grécia. Estou na Grécia.)
dona:
Retornarei à Itália. (Vim da Itália. Estou na Itália)
Diga a ela que não estarei em casa amanhã.
Vou a Porto Alegre. (Vim de Porto Alegre. Estou em Porto
Entreguei a todos os documentos necessários.
Alegre.)
Ele fez referência a Vossa Excelência no discurso de ontem.
- Minha dica: use a regrinha “Vou A volto DA, crase HÁ; vou
Os poucos casos em que ocorre crase diante dos pronomes
A volto DE, crase PRA QUÊ?”
podem ser identificados pelo método: troque a palavra
Ex.: Vou a Campinas. = Volto de Campinas.
feminina por uma masculina, caso na nova construção surgir a
Vou à praia. = Volto da praia.
forma ao, ocorrerá crase. Por exemplo:
Refiro-me à mesma pessoa.
- ATENÇÃO: quando o nome de lugar estiver especificado,
(Refiro-me ao mesmo indivíduo.)
ocorrerá crase. Veja:
Informei o ocorrido à senhora.
Retornarei à São Paulo dos bandeirantes. = mesmo que,
(Informei o ocorrido ao senhor.)
pela regrinha acima, seja a do “VOLTO DE”.
Peça à própria Cláudia para sair mais cedo.
(Peça ao próprio Cláudio para sair mais cedo.)
Crase diante dos Pronomes Demonstrativos (Aquele (s),
Aquela (s), Aquilo)
4) Diante de numerais cardinais:
Haverá crase diante desses pronomes sempre que o termo
Chegou a duzentos o número de feridos
regente exigir a preposição “a”. Por exemplo:
Daqui a uma semana começa o campeonato.

Casos em que a crase SEMPRE ocorre Refiro-me a + aquele atentado.

1) Diante de palavras femininas: Preposição Pronome


Amanhã iremos à festa de aniversário de minha colega.
Sempre vamos à praia no verão. Refiro-me àquele atentado.
Ela disse à irmã o que havia escutado pelos corredores. O termo regente do exemplo acima é o verbo transitivo
indireto referir (referir-se a algo ou alguém) e exige
2) Diante da palavra “moda”, com o sentido de “à moda de” preposição, portanto, ocorre a crase.
(mesmo que a expressão moda de fique subentendida:
O jogador fez um gol à (moda de) Pelé. Observe este outro exemplo:
Usava sapatos à (moda de) Luís XV. Aluguei aquela casa.
O menino resolveu vestir-se à (moda de) Fidel Castro. O verbo “alugar” é transitivo direto (alugar algo) e não
exige preposição. Logo, a crase não ocorre nesse caso.
3) Na indicação de horas:
Acordei às sete horas da manhã. Crase com os Pronomes Relativos (A Qual, As Quais)
Elas chegaram às dez horas. A ocorrência da crase com os pronomes relativos a qual e
Foram dormir à meia-noite. as quais depende do verbo. Se o verbo que rege esses
pronomes exigir a preposição a, haverá crase.
4) Em locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas de É possível detectar a ocorrência da crase nesses casos
que participam palavras femininas. Por exemplo: utilizando a substituição do termo regido feminino por um
termo regido masculino. Por exemplo:
à tarde às ocultas às pressas à medida que
A igreja à qual me refiro fica no centro da cidade.
à noite às claras às escondidas à força O monumento ao qual me refiro fica no centro da cidade

Língua Portuguesa 60
APOSTILAS OPÇÃO

Caso surja a forma ao com a troca do termo, ocorrerá a Questões


crase. Veja outros exemplos:
São normas às quais todos os alunos devem obedecer. 01. No Brasil, as discussões sobre drogas parecem limitar-
Esta foi a conclusão à qual ele chegou. se ______aspectos jurídicos ou policiais. É como se suas únicas
consequências estivessem em legalismos, tecnicalidades e
Crase com o Pronome Demonstrativo (a) estatísticas criminais. Raro ler ____respeito envolvendo
A ocorrência da crase com o pronome demonstrativo “a” questões de saúde pública como programas de esclarecimento
também pode ser detectada através da substituição do termo e prevenção, de tratamento para dependentes e de
regente feminino por um termo regido masculino. Veja: reintegração desses____ vida. Quantos de nós sabemos o nome
Minha revolta é ligada à do meu país. de um médico ou clínica ____quem tentar encaminhar um
Meu luto é ligado ao do meu país. drogado da nossa própria família?
As orações são semelhantes às de antes. (Ruy Castro, Da nossa própria família. Folha de S.Paulo, 2012)
Os exemplos são semelhantes aos de antes.
As lacunas do texto devem ser preenchidas, correta e
Crase com a Palavra Distância respectivamente, com:
- Se a palavra distância estiver especificada ou (A) aos … à … a … a
determinada, a crase deve ocorrer. Por exemplo: (B) aos … a … à … a
Sua casa fica à distância de 100 Km daqui. (A palavra está (C) a … a … à … à
determinada) (D) à … à … à … à
Todos devem ficar à distância de 50 metros do palco. (A (E) a … a … a … a
palavra está especificada.)
02. Leia o texto a seguir.
- Se a palavra distância não estiver especificada, a crase Foi por esse tempo que Rita, desconfiada e medrosa, correu
não pode ocorrer. Por exemplo: ______ cartomante para consultá-la sobre a verdadeira causa do
Os militares ficaram a distância. procedimento de Camilo. Vimos que ______ cartomante restituiu-
Gostava de fotografar a distância. lhe ______ confiança, e que o rapaz repreendeu-a por ter feito o
Ensinou a distância. que fez.
(Machado de Assis. A cartomante. In: Várias histórias. Rio de Janeiro: Globo,
1997,)
Observação: por motivo de clareza, para evitar
ambiguidade, pode-se usar a crase. Veja: Preenchem corretamente as lacunas da frase acima, na
Gostava de fotografar à distância. ordem dada:
Ensinou à distância. (A) à – a – a
Dizem que aquele médico cura à distância. (B) a – a – à
(C) à – a – à
Casos em que a ocorrência da crase é FACULTATIVA (D) à – à – a
(E) a – à – à
1) Diante de nomes próprios femininos: é facultativo o uso
da crase porque é facultativo o uso do artigo. Observe: 03 “Nesta oportunidade, volto ___ referir-me ___ problemas
Paula é muito bonita; ou A Paula é muito bonita. já expostos ___ V. Sª ___ alguns dias”.
Laura é minha amiga; ou A Laura é minha amiga. (A) à - àqueles - a - há
(B) a - àqueles - a - há
Como podemos constatar, é facultativo o uso do artigo (C) a - aqueles - à - a
feminino diante de nomes próprios femininos, então podemos (D) à - àqueles - a - a
escrever as frases abaixo das seguintes formas: (E) a - aqueles - à - há
Entreguei o cartão a Paula; ou Entreguei o cartão à Paula.
Entreguei o cartão a Roberto; ou Entreguei o cartão ao 04. Leia o texto a seguir.
Roberto.
Comunicação
2) Diante de pronome possessivo feminino: é facultativo o
uso da crase porque é facultativo o uso do artigo. Observe: O público ledor (existe mesmo!) é sensorial: quer ter um
Minha avó tem setenta anos; ou A minha avó tem setenta autor ao vivo, em carne e osso. Quando este morre, há uma
anos. queda de popularidade em termos de venda. Ou, quando
Minha irmã está esperando por você; ou A minha irmã está teatrólogo, em termos de espetáculo. Um exemplo: G. B. Shaw.
esperando por você. E, entre nós, o suave fantasma de Cecília Meireles recém está
se materializando, tantos anos depois.
Sendo facultativo o uso do artigo feminino diante de Isto apenas vem provar que a leitura é um remédio para a
pronomes possessivos femininos, então podemos escrever as solidão em que vive cada um de nós neste formigueiro. Claro
frases abaixo das seguintes formas: que não me estou referindo a essa vulgar comunicação festiva
Cedi o lugar a minha avó; ou Cedi o lugar à minha avó. e efervescente.
Cedi o lugar a meu avô; ou Cedi o lugar ao meu avô. Porque o autor escreve, antes de tudo, para expressar-se.
Sua comunicação com o leitor decorre unicamente daí. Por
3) Depois da preposição até: afinidades. É como, na vida, se faz um amigo.
Fui até a praia; ou Fui até à praia. E o sonho do escritor, do poeta, é individualizar cada
Acompanhe-o até a porta; ou Acompanhe-o até à porta. formiga num formigueiro, cada ovelha num rebanho - para que
A palestra vai até as cinco horas da tarde; ou A palestra vai sejamos humanos e não uma infinidade de xerox infinitamente
até às cinco horas da tarde. reproduzidos uns dos outros.
Mas acontece que há também autores xerox, que nos
invadem com aqueles seus best-sellers...
Será tudo isto uma causa ou um efeito?

Língua Portuguesa 61
APOSTILAS OPÇÃO

Tristes interrogações para se fazerem num mundo que já 2) Separa partes de frases que já estão separadas por
foi civilizado. vírgulas.
Ex.: Alguns quiseram verão, praia e calor; outros
(Mário Quintana. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1. ed., montanhas, frio e cobertor.
2005.)

3) Separa itens de uma enumeração, exposição de motivos,


Claro que não me estou referindo a essa vulgar comunicação
decreto de lei, etc. Ex.:
festiva e efervescente.
- Ir ao supermercado;
O vocábulo a deverá receber o sinal indicativo de crase se
- Pegar as crianças na escola;
o segmento grifado for substituído por:
- Caminhada na praia;
(A) leitura apressada e sem profundidade.
- Reunião com amigos.
(B) cada um de nós neste formigueiro.
(C) exemplo de obras publicadas recentemente.
Dois Pontos
(D) uma comunicação festiva e virtual.
(E) respeito de autores reconhecidos pelo público.
1) Antes de uma citação.
Ex.: Vejamos como Afrânio Coutinho trata este assunto:...
05. O Instituto Nacional de Administração Prisional (INAP)
também desenvolve atividades lúdicas de apoio______
2) Antes de um aposto.
ressocialização do indivíduo preso, com o objetivo de prepará-
Ex.: Três coisas não me agradam: chuva pela manhã, frio à
lo para o retorno______ sociedade. Dessa forma, quando em
tarde e calor à noite.
liberdade, ele estará capacitado______ ter uma profissão e uma
vida digna.
(www.metropolitana.com.br. 2012)
3) Antes de uma explicação ou esclarecimento.
Ex.: Lá estava a deplorável família: triste, cabisbaixa,
Assinale a alternativa que preenche, correta e vivendo a rotina de sempre.
respectivamente, as lacunas do texto, de acordo com a norma-
padrão da língua portuguesa. 4) Em frases de estilo direto. Ex.:
(A) à … à … à Maria perguntou:
(B) a … a … à - Por que você não toma uma decisão?
(C) a … à … à
(D) à … à ... a Ponto de Exclamação
(E) a … à … a
1) Usa-se para indicar entonação de surpresa, cólera, susto,
Gabarito súplica, etc.
1.B / 2.A / 3.B / 4.A / 5.D Ex.: - Sim! Claro que eu quero me casar com você!

2) Depois de interjeições ou vocativos.


9. Uso e função dos sinais Ex.: - João! Há quanto tempo!
de pontuação. Ponto de Interrogação

Usa-se nas interrogações diretas e indiretas livres.


PONTUAÇÃO
“Então? Que é isso? Desertaram ambos?”
(Artur Azevedo)
Os sinais de pontuação são marcações gráficas que servem
para compor a coesão e a coerência textual além de ressaltar Reticências
especificidades semânticas e pragmáticas. Vejamos as
principais funções dos sinais de pontuação conhecidos pelo 1) Indica que palavras foram suprimidas.
uso da língua portuguesa.15 Ex.: Comprei lápis, canetas, cadernos...
Ponto 2) Indica interrupção violenta da frase.
Ex.: Não... quero dizer... é verdade... Ah!
1) Indica o término do discurso ou de parte dele.
Ex.: Façamos o que for preciso para tirá-la da situação em 3) Indica interrupções de hesitação ou dúvida
que se encontra. / Gostaria de comprar pão, queijo, manteiga Ex.: Este mal... pega doutor?
e leite.
4) Indica que o sentido vai além do que foi dito
2) Usa-se nas abreviações. Ex.: Deixa, depois, o coração falar...
Ex.: V.Exª (Vossa Exelencia) , Sr. (Senhor), S.A (Sociedade
Anonima). Vírgula

Ponto e Vírgula Não se usa Vírgula


Separando termos que, do ponto de vista sintático, ligam-
1) Separa várias partes do discurso, que têm a mesma se diretamente entre si:
importância.
Ex.: “Os pobres dão pelo pão o trabalho; os ricos dão pelo 1) Entre sujeito e predicado.
pão a fazenda; os de espíritos generosos dão pelo pão a vida; Todos os alunos da sala foram advertidos.
os de nenhum espírito dão pelo pão a alma...” sujeito predicado
(Vieira)

15 http://tudodeconcursosevestibulares.blogspot.com/2013/04/pontuacao-

resumo-com-questoes.html

Língua Portuguesa 62
APOSTILAS OPÇÃO

2) Entre o verbo e seus objetos. “Quando se trata de trabalho científico ___ duas coisas
O trabalho custou sacrifício aos realizadores. devem ser consideradas ____ uma é a contribuição teórica que o
V.T.D.I .O.D .O.I. trabalho oferece ___ a outra é o valor prático que possa ter.
(A) dois pontos, ponto e vírgula, ponto e vírgula
3) Entre nome e complemento nominal; entre nome e (B) dois pontos, vírgula, ponto e vírgula;
adjunto adnominal. (C) vírgula, dois pontos, ponto e vírgula;
A surpreendente reação do governo contra os sonegadores (D) pontos vírgula, dois pontos, ponto e vírgula;
despertou reações entre os empresários. (E) ponto e vírgula, vírgula, vírgula.
adj. adnominal nome adj. adn. Compl. nominal
03. Os sinais de pontuação estão empregados
Usa-se a Vírgula corretamente em:
1) Para marcar intercalação: (A) Duas explicações, do treinamento para consultores
a) Do adjunto adverbial: O café, em razão da sua iniciantes receberam destaque, o conceito de PPD e a
abundância, vem caindo de preço. construção de tabelas Price; mas por outro lado, faltou falar
b) Da conjunção: Os cerrados são secos e áridos. Estão das metas de vendas associadas aos dois temas.
produzindo, todavia, altas quantidades de alimentos. (B) Duas explicações do treinamento para consultores
c) Das expressões explicativas ou corretivas: As indústrias iniciantes receberam destaque: o conceito de PPD e a
não querem abrir mão de suas vantagens, isto é, não querem construção de tabelas Price; mas, por outro lado, faltou falar
abrir mão dos lucros altos. das metas de vendas associadas aos dois temas.
(C) Duas explicações do treinamento para consultores
2) Para marcar inversão: iniciantes receberam destaque; o conceito de PPD e a
a) Do adjunto adverbial (colocado no início da oração): construção de tabelas Price, mas por outro lado, faltou falar
Depois das sete horas, todo o comércio está de portas fechadas. das metas de vendas associadas aos dois temas.
b) Dos objetos pleonásticos antepostos ao verbo: Aos (D) Duas explicações do treinamento para consultores
pesquisadores, não lhes destinaram verba alguma. iniciantes, receberam destaque: o conceito de PPD e a
c) Do nome de lugar anteposto às datas: Recife, 15 de maio construção de tabelas Price, mas, por outro lado, faltou falar
de 1982. das metas de vendas associadas aos dois temas.
(E) Duas explicações, do treinamento para consultores
3) Para separar entre si elementos coordenados (dispostos iniciantes, receberam destaque; o conceito de PPD e a
em enumeração): Era um garoto de 15 anos, alto, magro. / A construção de tabelas Price, mas por outro lado, faltou falar
ventania levou árvores, e telhados, e pontes, e animais. das metas, de vendas associadas aos dois temas.

4) Para marcar elipse (omissão) do verbo: Nós queremos 04. Assinale a alternativa em que o período, adaptado da
comer pizza; e vocês, churrasco. revista Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto
à regência nominal e à pontuação.
5) Para isolar: (A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
a) O aposto: São Paulo, considerada a metrópole brasileira, seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
possui um trânsito caótico. notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em
b) O vocativo: Ora, Thiago, não diga bobagem. outros.
(B) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam
Questões rapidamente seu espaço na carreira científica; ainda que o
avanço seja mais notável, em alguns países, o Brasil é um
01. Assinale a alternativa em que a pontuação está exemplo!, do que em outros.
corretamente empregada, de acordo com a norma-padrão da (C) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam
língua portuguesa. rapidamente seu espaço, na carreira científica, ainda que o
(A) Diante da testemunha, o homem abriu a bolsa e, avanço seja mais notável, em alguns países: o Brasil é um
embora, experimentasse, a sensação de violar uma intimidade, exemplo, do que em outros.
procurou a esmo entre as coisinhas, tentando encontrar algo (D) Não há dúvida de que as mulheres ampliam
que pudesse ajudar a revelar quem era a sua dona. rapidamente seu espaço na carreira científica, ainda que o
(B) Diante, da testemunha o homem abriu a bolsa e, avanço seja mais notável em alguns países - o Brasil é um
embora experimentasse a sensação, de violar uma intimidade, exemplo - do que em outros.
procurou a esmo entre as coisinhas, tentando encontrar algo (E) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente,
que pudesse ajudar a revelar quem era a sua dona. seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais
(C) Diante da testemunha, o homem abriu a bolsa e, notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em
embora experimentasse a sensação de violar uma intimidade, outros.
procurou a esmo entre as coisinhas, tentando encontrar algo
que pudesse ajudar a revelar quem era a sua dona. 05. Assinale a alternativa em que a frase mantém-se
(D) Diante da testemunha, o homem, abriu a bolsa e, correta após o acréscimo das vírgulas.
embora experimentasse a sensação de violar uma intimidade, (A) Se a criança se perder, quem encontrá-la, verá na
procurou a esmo entre as coisinhas, tentando, encontrar algo pulseira instruções para que envie, uma mensagem eletrônica
que pudesse ajudar a revelar quem era a sua dona. ao grupo ou acione o código na internet.
(E) Diante da testemunha, o homem abriu a bolsa e, (B) Um geolocalizador também, avisará, os pais de onde o
embora, experimentasse a sensação de violar uma intimidade, código foi acionado.
procurou a esmo entre as coisinhas, tentando, encontrar algo (C) Assim que o código é digitado, familiares cadastrados,
que pudesse ajudar a revelar quem era a sua dona. recebem automaticamente, uma mensagem dizendo que a
criança foi encontrada.
02. Assinale a opção em que está corretamente indicada a (D) De fabricação chinesa, a nova pulseirinha, chega
ordem dos sinais de pontuação que devem preencher as primeiro às, areias do Guarujá.
lacunas da frase abaixo: (E) O sistema permite, ainda, cadastrar o nome e o telefone
de quem a encontrou e informar um ponto de referência

Língua Portuguesa 63
APOSTILAS OPÇÃO

Respostas
1.C / 2.C / 3.B / 4.D / 5.E

Anotações

Língua Portuguesa 64
MATEMÁTICA
APOSTILAS OPÇÃO

e divisão. Relacionamos, em seguida, uma série de


recomendações úteis para operar com números reais.

Intervalos reais
O conjunto dos números reais possui também
subconjuntos, denominados intervalos, que são determinados
por meio de desiguladades. Sejam os números a e b , com a < b.

Em termos gerais temos:


1. Números reais: - A bolinha aberta = a intervalo aberto (estamos excluindo
Resolução de problemas aquele número), utilizamos os símbolos:
envolvendo as operações de > ;< ou ] ; [
adição, subtração, - A bolinha fechada = a intervalo fechado (estamos
incluindo aquele número), utilizamos os símbolos:
multiplicação e divisão
≥ ; ≤ ou [ ; ]

Podemos utilizar ( ) no lugar dos [ ] , para indicar as


O conjunto dos números reais1 R será a união entre os
números racionais Q e os números irracionais I. Assim temos: extremidades abertas dos intervalos.

R = Q U I , sendo Q ∩ I = Ø (Se um número real é racional,


não irracional, e vice-versa).
Lembrando que N Ϲ Z Ϲ Q , podemos construir o diagrama
abaixo:

Às vezes, aparecem situações em que é necessário


registrar numericamente variações de valores em sentidos
opostos, ou seja, maiores ou acima de zero (positivos), como
as medidas de temperatura ou reais em débito ou em haver
etc... Esses números, que se estendem indefinidamente, tanto
para o lado direito (positivos) como para o lado esquerdo
O conjunto dos números reais apresenta outros (negativos), são chamados números relativos.
subconjuntos importantes:
- Conjunto dos números reais não nulos: R* = {x ϵ R| x ≠ 0} Valor absoluto de um número relativo é o valor do número
- Conjunto dos números reais não negativos: R+ = {x ϵ R| x que faz parte de sua representação, sem o sinal.
≥ 0}
- Conjunto dos números reais positivos: R*+ = {x ϵ R| x > 0} Valor simétrico de um número é o mesmo numeral,
- Conjunto dos números reais não positivos: R- = {x ϵ R| x ≤ diferindo apenas o sinal.
0}
- Conjunto dos números reais negativos: R*- = {x ϵ R| x < 0} Operações com números relativos
Representação Geométrica dos números reais 1) Adição e subtração de números relativos
a) Se os numerais possuem o mesmo sinal, basta adicionar
os valores absolutos e conservar o sinal.
b) Se os numerais possuem sinais diferentes, subtrai-se o
numeral de menor valor e dá-se o sinal do maior numeral.
Ordenação dos números reais Exemplos:
A representação dos números reais permite definir uma 3+5=8
relação de ordem entre eles. Os números reais positivos são 4-8=-4
maiores que zero e os negativos, menores. Expressamos a - 6 - 4 = - 10
relação de ordem da seguinte maneira: Dados dois números -2+7=5
reais a e b,
a≤b↔b–a≥0 2) Multiplicação e divisão de números relativos
a) O produto e o quociente de dois números relativos de
Exemplo: -15 ≤ ↔ 5 – (-15) ≥ 0 mesmo sinal são sempre positivos.
5 + 15 ≥ 0 b) O produto e o quociente de dois números relativos de
sinais diferentes são sempre negativos.
Operações com números reais Exemplos:
Operando com as aproximações, obtemos uma sucessão de - 3 x 8 = - 24
intervalos fixos que determinam um número real. É assim que - 20 (-4) = + 5
vamos trabalhar as operações adição, subtração, multiplicação - 6 x (-7) = + 42
28 2 = 14

1 IEZZI, Gelson – Matemática - Volume Único


IEZZI, Gelson - Fundamentos da Matemática Elementar – Vol. 01 – Conjuntos
e Funções

Matemática 1
APOSTILAS OPÇÃO

Questões
2. Divisibilidade: Múltiplos
01. Mário começou a praticar um novo jogo que adquiriu
para seu videogame. Considere que a cada partida ele e Divisores
conseguiu melhorar sua pontuação, equivalendo sempre a 15
pontos a menos que o dobro marcado na partida anterior. Se
na quinta partida ele marcou 3.791 pontos, então, a soma dos Sabemos que 30 : 6 = 5, porque 5 x 6 = 30.
algarismos da quantidade de pontos adquiridos na primeira Podemos dizer então que:
partida foi igual a “30 é divisível por 6 porque existe um número natural (5)
(A) 4. que multiplicado por 6 dá como resultado 30.”
(B) 5. Um número natural a é divisível por um número natural b,
(C) 7. não-nulo, se existir um número natural c, tal que c . b = a.
(D) 8.
(E) 10. Conjunto dos múltiplos de um número natural: É
obtido multiplicando-se esse número pela sucessão dos
02. Considere m um número real menor que 20 e avalie as números naturais: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6,...
afirmações I, II e III: Para acharmos o conjunto dos múltiplos de 7, por exemplo,
I- (20 – m) é um número menor que 20. multiplicamos por 7 cada um dos números da sucessão dos
II- (20 m) é um número maior que 20. naturais:
III- (20 m) é um número menor que 20. 7x0=0
É correto afirmar que: 7x1=7
A) I, II e III são verdadeiras. 7 x 2 = 14
B) apenas I e II são verdadeiras. 7 x 3 = 21
C) I, II e III são falsas. ⋮
D) apenas II e III são falsas.
O conjunto formado pelos resultados encontrados forma o
03. Na figura abaixo, o ponto que melhor representa a conjunto dos múltiplos de 7: M(7) = {0, 7, 14, 21, ...}.
3 1
diferença − na reta dos números reais é:
4 2
Observações:
- Todo número natural é múltiplo de si mesmo.
- Todo número natural é múltiplo de 1.
- Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos
(A) P. múltiplos.
(B) Q. - O zero é múltiplo de qualquer número natural.
(C) R. - Os múltiplos do número 2 são chamados de números
(D) S. pares, e a fórmula geral desses números é 2k (k N). Os demais
são chamados de números ímpares, e a fórmula geral desses
Comentários números é 2k + 1 (k N).
O mesmo se aplica para os números inteiros, tendo k  Z.
01. Resposta: D.
Pontuação atual = 2 . partida anterior – 15 Critérios de divisibilidade
* 4ª partida: 3791 = 2.x – 15 São regras práticas que nos possibilitam dizer se um
2.x = 3791 + 15 número é ou não divisível por outro, sem efetuarmos a divisão.
x = 3806 / 2
x = 1903 Divisibilidade por 2: Um número é divisível por 2 quando
termina em 0, 2, 4, 6 ou 8, ou seja, quando ele é par.
* 3ª partida: 1903 = 2.x – 15 Exemplo:
2.x = 1903 + 15 9656 é divisível por 2, pois termina em 6, e é par.
x = 1918 / 2
x = 959 Divisibilidade por 3: Um número é divisível por 3 quando
a soma dos valores absolutos de seus algarismos é divisível por
* 2ª partida: 959 = 2.x – 15 3.
2.x = 959 + 15 Exemplo:
x = 974 / 2 65385 é divisível por 3, pois 6 + 5 + 3 + 8 + 5 = 27, e 27 é
x = 487 divisível por 3.
* 1ª partida: 487 = 2.x – 15
2.x = 487 + 15 Divisibilidade por 4: Um número é divisível por 4 quando
x = 502 / 2 seus dois algarismos são 00 ou formam um número divisível
x = 251 por 4.
Portanto, a soma dos algarismos da 1ª partida é 2 + 5 + 1 = Exemplos:
8. a) 536400 é divisível por 4, pois termina em 00.
b) 653524 é divisível por 4, pois termina em 24, e 24 é
02. Resposta: C. divisível por 4.
I. Falso, pois m é Real e pode ser negativo.
II. Falso, pois m é Real e pode ser negativo. Divisibilidade por 5: Um número é divisível por 5 quando
III. Falso, pois m é Real e pode ser positivo. termina em 0 ou 5.
Exemplos:
03. Resposta: A. a) 35040 é divisível por 5, pois termina em 0.
3 1 3−2 1 b) 7235 é divisível por 5, pois termina em 5.
− = = = 0,25
4 2 4 4

Matemática 2
APOSTILAS OPÇÃO

Divisibilidade por 6: Um número é divisível por 6 quando Fatoração numérica


é divisível por 2 e por 3 ao mesmo tempo. Essa fatoração se dá através da decomposição em fatores
Exemplos: primos. Para decompormos um número natural em fatores
a) 430254 é divisível por 6, pois é divisível por 2 e por 3 (4 primos, dividimos o mesmo pelo seu menor divisor primo,
+ 3 + 0 + 2 + 5 + 4 = 18). após pegamos o quociente e dividimos o pelo seu menor
b) 80530 não é divisível por 6, pois não é divisível por 3 (8 divisor, e assim sucessivamente até obtermos o quociente 1. O
+ 0 + 5 + 3 + 0 = 16). produto de todos os fatores primos representa o número
fatorado.
Divisibilidade por 7: Um número é divisível por 7 quando Exemplo:
o último algarismo do número, multiplicado por 2, subtraído
do número sem o algarismo, resulta em um número múltiplo
de 7. Neste, o processo será repetido a fim de diminuir a
quantidade de algarismos a serem analisados quanto à
divisibilidade por 7.
Exemplo: 41909 é divisível por 7 conforme podemos
conferir: 9.2 = 18 ; 4190 – 18 = 4172 → 2.2 = 4 ; 417 – 4 = 413 Divisores de um número natural
→ 3.2 = 6 ; 41 – 6 = 35 ; 35 é multiplo de 7. Vamos pegar como exemplo o número 12 na sua forma
fatorada:
Divisibilidade por 8: Um número é divisível por 8 quando 12 = 22 . 31
seus três últimos algarismos forem 000 ou formarem um O número de divisores naturais é igual ao produto dos
número divisível por 8. expoentes dos fatores primos acrescidos de 1.
Exemplos: Logo o número de divisores de 12 são:
a) 57000 é divisível por 8, pois seus três últimos 22 . 3⏟1 → (2 + 1) .(1 + 1) = 3.2 = 6 divisores naturais

algarismos são 000. (2+1) (1+1)
b) 67024 é divisível por 8, pois seus três últimos
algarismos formam o número 24, que é divisível por 8. Para sabermos quais são esses 6 divisores basta pegarmos
cada fator da decomposição e seu respectivo expoente natural
Divisibilidade por 9: Um número é divisível por 9 quando que varia de zero até o expoente com o qual o fator se
a soma dos valores absolutos de seus algarismos formam um apresenta na decomposição do número natural.
número divisível por 9. Exemplo:
Exemplos: 12 = 22 . 31 → 22 = 20,21 e 22 ; 31 = 30 e 31, teremos:
a) 6253461 é divisível por 9, pois 6 + 2 + 5 + 3 + 4 + 6 + 1 = 20 . 30=1
27 é divisível por 9. 20 . 31=3
b) 325103 não é divisível por 9, pois 3 + 2 + 5 + 1 + 0 + 3 = 21 . 30=2
14 não é divisível por 9. 21 . 31=2.3=6
22 . 31=4.3=12
Divisibilidade por 10: Um número é divisível por 10 22 . 30=4
quando seu algarismo da unidade termina em zero. O conjunto de divisores de 12 são: D(12) = {1, 2, 3, 4, 6, 12}
Exemplo: A soma dos divisores é dada por: 1 + 2 + 3 + 4 + 6 + 12 = 28
563040 é divisível por 10, pois termina em zero.
Observação
Divisibilidade por 11: Um número é divisível por 11 Para sabermos o conjunto dos divisores inteiros de 12, basta
quando a diferença entre a soma dos algarismos de posição multiplicarmos o resultado por 2 (dois divisores, um negativo e
ímpar e a soma dos algarismos de posição par resulta em um o outro positivo).
número divisível por 11 ou quando essas somas forem iguais. Assim teremos que D(12) = 6.2 = 12 divisores inteiros.
Exemplo:
- 43813: Questões
1º 3º 5º  Algarismos de posição ímpar.(Soma dos
algarismos de posição impar: 4 + 8 + 3 = 15.) 01. O número de divisores positivos do número 40 é:
4 3 8 1 3 (A) 8
2º 4º  Algarismos de posição par.(Soma dos (B) 6
algarismos de posição par:3 + 1 = 4) (C) 4
(D) 2
15 – 4 = 11  diferença divisível por 11. Logo 43813 é (E) 20
divisível por 11.
02. O máximo divisor comum entre dois números naturais
Divisibilidade por 12: Um número é divisível por 12 é 4 e o produto dos mesmos 96. O número de divisores
quando é divisível por 3 e por 4 ao mesmo tempo. positivos do mínimo múltiplo comum desses números é:
Exemplo: (A) 2
) 78324 é divisível por 12, pois é divisível por 3 ( 7 + 8 + 3 (B) 4
+ 2 + 4 = 24) e por 4 (termina em 24). (C) 6
(D) 8
Divisibilidade por 15: Um número é divisível por 15 (E) 10
quando é divisível por 3 e por 5 ao mesmo tempo.
Exemplo: 03. Considere um número divisível por 6, composto por 3
a) 650430 é divisível por 15, pois é divisível por 3 ( 6 + 5 + algarismos distintos e pertencentes ao conjunto
0 + 4 + 3 + 0 =18) e por 5 (termina em 0). A={3,4,5,6,7}.A quantidade de números que podem ser
formados sob tais condições é:
(A) 6
(B) 7

Matemática 3
APOSTILAS OPÇÃO

(C) 9 MMC
(D) 8
(E) 10 O mínimo múltiplo comum(MMC) de dois ou mais
números é o menor número positivo que é múltiplo comum de
Respostas todos os números dados. Consideremos:

01. Resposta: A. - O número 6 e os seus múltiplos positivos:


Vamos decompor o número 40 em fatores primos. M*+ (6) = {6, 12, 18, 24, 30, 36, 42, 48, 54, ...}
40 = 23 . 51 ; pela regra temos que devemos adicionar 1 a
cada expoente: - O número 8 e os seus múltiplos positivos:
3 + 1 = 4 e 1 + 1 = 2 ; então pegamos os resultados e M*+ (8) = {8, 16, 24, 32, 40, 48, 56, 64, ...}
multiplicamos 4.2 = 8, logo temos 8 divisores de 40.
Podemos descrever, agora, os múltiplos positivos comuns:
02. Resposta: D. M*+ (6) M*+ (8) = {24, 48, 72, ...}
Sabemos que o produto de MDC pelo MMC é:
MDC (A, B). MMC (A, B) = A.B, temos que MDC (A, B) = 4 e Observando os múltiplos comuns, podemos identificar o
o produto entre eles 96, logo: mínimo múltiplo comum dos números 6 e 8, ou seja: MMC (6,
4 . MMC (A, B) = 96 → MMC (A, B) = 96/4 → MMC (A, B) = 8) = 24
24, fatorando o número 24 temos:
24 = 23 .3 , para determinarmos o número de divisores, Outra técnica para o cálculo do MMC:
pela regra, somamos 1 a cada expoente e multiplicamos o
resultado: Decomposição isolada em fatores primos
(3 + 1).(1 + 1) = 4.2 = 8 Para obter o MMC de dois ou mais números por esse
processo, procedemos da seguinte maneira:
03. Resposta: D. - Decompomos cada número dado em fatores primos.
Para ser divisível por 6 precisa ser divisível por 2 e 3 ao - O MMC é o produto dos fatores comuns e não-comuns,
mesmo tempo, e por isso deverá ser par também, e a soma dos cada um deles elevado ao seu maior expoente.
seus algarismos deve ser um múltiplo de 3. Exemplo:
Logo os finais devem ser 4 e 6:
354, 456, 534, 546, 564, 576, 654, 756, logo temos 8
números.

MDC

O máximo divisor comum(MDC) de dois ou mais números


é o maior número que é divisor comum de todos os números O produto do MDC e MMC é dado pela fórmula abaixo:
dados. Consideremos:
MDC(A, B).MMC(A,B)= A.B
- o número 18 e os seus divisores naturais:
D+ (18) = {1, 2, 3, 6, 9, 18}. Questões

- o número 24 e os seus divisores naturais: 01. Um professor quer guardar 60 provas amarelas, 72
D+ (24) = {1, 2, 3, 4, 6, 8, 12, 24}. provas verdes e 48 provas roxas, entre vários envelopes, de
modo que cada envelope receba a mesma quantidade e o
Podemos descrever, agora, os divisores comuns a 18 e 24: menor número possível de cada prova. Qual a quantidade de
D+ (18) ∩ D+ (24) = {1, 2, 3, 6}. envelopes, que o professor precisará, para guardar as provas?
(A) 4;
Observando os divisores comuns, podemos identificar o (B) 6;
maior divisor comum dos números 18 e 24, ou seja: MDC (18, (C) 12;
24) = 6. (D) 15.

Outra técnica para o cálculo do MDC: 02. O policiamento em uma praça da cidade é realizado por
Decomposição em fatores primos um grupo de policiais, divididos da seguinte maneira:
Para obtermos o MDC de dois ou mais números por esse
processo, procedemos da seguinte maneira: Grupo Intervalo de passagem
Policiais a pé 40 em 40 minutos
- Decompomos cada número dado em fatores primos. Policiais de moto 60 em 60 minutos
- O MDC é o produto dos fatores comuns obtidos, cada um Policiais em viaturas 80 em 80 minutos
deles elevado ao seu menor expoente.
Exemplo: Toda vez que o grupo completo se encontra, troca
informações sobre as ocorrências. O tempo mínimo em
minutos, entre dois encontros desse grupo completo será:
(A) 160
(B) 200
(C) 240
(D) 150
(E) 180

Matemática 4
APOSTILAS OPÇÃO

03. Na linha 1 de um sistema de Metrô, os trens partem 2,4 Grandezas Relação Descrição
em 2,4 minutos. Na linha 2 desse mesmo sistema, os trens Nº de MAIS funcionários
partem de 1,8 em 1,8 minutos. Se dois trens partem, funcionário x Direta contratados demanda MAIS
simultaneamente das linhas 1 e 2 às 13 horas, o próximo serviço serviço produzido
horário desse dia em que partirão dois trens simultaneamente Nº de MAIS funcionários
dessas duas linhas será às 13 horas, funcionário x Inversa contratados exigem MENOS
(A) 10 minutos e 48 segundos. tempo tempo de trabalho
(B) 7 minutos e 12 segundos. Nº de MAIS eficiência (dos
(C) 6 minutos e 30 segundos. funcionário x Inversa funcionários) exige MENOS
(D) 7 minutos e 20 segundos. eficiência funcionários contratados
(E) 6 minutos e 48 segundos. Nº de Quanto MAIOR o grau de
funcionário x dificuldade de um serviço,
Respostas Direta
grau MAIS funcionários deverão
dificuldade ser contratados
01. Resposta: D. MAIS serviço a ser produzido
Fazendo o mdc entre os números teremos: Serviço x
Direta exige MAIS tempo para
60 = 2².3.5 tempo
realiza-lo
72 = 2³.3³ Quanto MAIOR for a
48 = 24.3 Serviço x
Direta eficiência dos funcionários,
Mdc(60,72,48) = 2².3 = 12 eficiência
MAIS serviço será produzido
60/12 = 5 Quanto MAIOR for o grau de
72/12 = 6 Serviço x grau dificuldade de um serviço,
48/12 = 4 Inversa
de dificuldade MENOS serviços serão
Somando a quantidade de envelopes por provas teremos: produzidos
5 + 6 + 4 = 15 envelopes ao todo.
Quanto MAIOR for a
eficiência dos funcionários,
02. Resposta: C. Tempo x
Inversa MENOS tempo será
Devemos achar o mmc (40,60,80) eficiência
necessário para realizar um
determinado serviço
Quanto MAIOR for o grau de
dificuldade de um serviço,
Tempo x grau
Direta MAIS tempo será necessário
de dificuldade
para realizar determinado
serviço

𝑚𝑚𝑐(40,60,80) = 2 ∙ 2 ∙ 2 ∙ 2 ∙ 3 ∙ 5 = 240 Exemplos:


1) Um carro faz 180 km com 15L de álcool. Quantos litros
03. Resposta: B. de álcool esse carro gastaria para percorrer 210 km?
Como os trens passam de 2,4 e 1,8 minutos, vamos achar o O problema envolve duas grandezas: distância e litros de
mmc(18,24) e dividir por 10, assim acharemos os minutos álcool.
Indiquemos por x o número de litros de álcool a ser
consumido.
Coloquemos as grandezas de mesma espécie em uma
mesma coluna e as grandezas de espécies diferentes que se
correspondem em uma mesma linha:

Mmc(18,24)=72 Distância (km) Litros de álcool


Portanto, será 7,2 minutos 180 ---- 15
1 minuto---60s 210 ---- x
0,2--------x
x = 12 segundos Na coluna em que aparece a variável x (“litros de álcool”),
Portanto se encontrarão depois de 7 minutos e 12 vamos colocar uma flecha:
segundos

3. Proporcionalidade: Regra
de três simples e porcentagem Observe que, se duplicarmos a distância, o consumo de
álcool também duplica. Então, as grandezas distância e litros
de álcool são diretamente proporcionais. No esquema que
REGRA DE TRÊS SIMPLES estamos montando, indicamos esse fato colocando uma flecha
na coluna “distância” no mesmo sentido da flecha da coluna
Os problemas que envolvem duas grandezas diretamente “litros de álcool”:
ou inversamente proporcionais podem ser resolvidos através
de um processo prático, chamado regra de três simples.
Vejamos a tabela abaixo:

Matemática 5
APOSTILAS OPÇÃO

Armando a proporção pela orientação das flechas, temos: Se duplicarmos a velocidade inicial do carro, o tempo gasto
para fazer o percurso cairá para a metade; logo, as grandezas
180 15 são inversamente proporcionais. Assim, os números 180 e 300
=
210 𝑥 são inversamente proporcionais aos números 20 e x.
→ 𝑜𝑚𝑜 180 𝑒 210 𝑝𝑜𝑑𝑒𝑚 𝑠𝑒𝑟 𝑠𝑖𝑚𝑝𝑙𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎𝑑𝑜𝑠 𝑝𝑜𝑟 30, 𝑡𝑒𝑚𝑜𝑠: Daí temos:
180: 30 15 1806 15 3600
= = 180.20 = 300. 𝑥 → 300𝑥 = 3600 → 𝑥 =
210: 30 𝑥 2107 𝑥 300
𝑥 = 12
→ 𝑚𝑢𝑙𝑡𝑖𝑝𝑙𝑖𝑐𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑐𝑟𝑢𝑧𝑎𝑑𝑜(𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑡𝑜 𝑑𝑜 𝑚𝑒𝑖𝑜 𝑝𝑒𝑙𝑜𝑠 𝑒𝑥𝑡𝑟𝑒𝑚𝑜𝑠) Conclui-se, então, que se o competidor tivesse andando em
105 300 km/h, teria gasto 12 segundos para realizar o percurso.
→ 6𝑥 = 7.156𝑥 = 105 → 𝑥 = = 𝟏𝟕, 𝟓
6
Resposta: O carro gastaria 17,5 L de álcool. Questões

2) Viajando de automóvel, à velocidade de 50 km/h, eu 01. (PM/SP – Oficial Administrativo – VUNESP) Em 3 de


gastaria 7 h para fazer certo percurso. Aumentando a maio de 2014, o jornal Folha de S. Paulo publicou a seguinte
velocidade para 80 km/h, em quanto tempo farei esse informação sobre o número de casos de dengue na cidade de
percurso? Campinas.

Indicando por x o número de horas e colocando as


grandezas de mesma espécie em uma mesma coluna e as
grandezas de espécies diferentes que se correspondem em
uma mesma linha, temos:

Velocidade (km/h) Tempo (h)


50 ---- 7
80 ---- x

Na coluna em que aparece a variável x (“tempo”), vamos


colocar uma flecha:

Observe que, se duplicarmos a velocidade, o tempo fica


reduzido à metade. Isso significa que as grandezas velocidade
e tempo são inversamente proporcionais. No nosso De acordo com essas informações, o número de casos
esquema, esse fato é indicado colocando-se na coluna registrados na cidade de Campinas, até 28 de abril de 2014,
“velocidade” uma flecha em sentido contrário ao da flecha da teve um aumento em relação ao número de casos registrados
coluna “tempo”: em 2007, aproximadamente, de
(A) 70%.
(B) 65%.
(C) 60%.
(D) 55%.
(E) 50%.
Na montagem da proporção devemos seguir o sentido das
flechas. Assim, temos: 02. (FUNDUNESP – Assistente Administrativo –
7 80 7 808 VUNESP) Um título foi pago com 10% de desconto sobre o
= , 𝑖𝑛𝑣𝑒𝑟𝑡𝑒𝑚𝑜𝑠 𝑒𝑠𝑡𝑒 𝑙𝑎𝑑𝑜 → = 5 → 7.5 = 8. 𝑥 valor total. Sabendo-se que o valor pago foi de R$ 315,00, é
𝑥 50 𝑥 50
correto afirmar que o valor total desse título era de
35 (A) R$ 345,00.
𝑥= → 𝑥 = 4,375 ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 (B) R$ 346,50.
8
(C) R$ 350,00.
Como 0,375 corresponde 22 minutos (0,375 x 60 minutos), (D) R$ 358,50.
então o percurso será feito em 4 horas e 22 minutos (E) R$ 360,00.
aproximadamente.
03. (PREF. IMARUÍ – AGENTE EDUCADOR – PREF.
3) Ao participar de um treino de fórmula Indy, um IMARUÍ) Manoel vendeu seu carro por R$27.000,00(vinte e
competidor, imprimindo a velocidade média de 180 km/h, faz sete mil reais) e teve um prejuízo de 10%(dez por cento) sobre
o percurso em 20 segundos. Se a sua velocidade fosse de 300 o valor de custo do tal veículo, por quanto Manoel adquiriu o
km/h, que tempo teria gasto no percurso? carro em questão?
(A) R$24.300,00
Vamos representar pela letra x o tempo procurado. (B) R$29.700,00
Estamos relacionando dois valores da grandeza velocidade (C) R$30.000,00
(180 km/h e 300 km/h) com dois valores da grandeza tempo (D)R$33.000,00
(20 s e x s). (E) R$36.000,00
Queremos determinar um desses valores, conhecidos os
outros três.

Matemática 6
APOSTILAS OPÇÃO

Respostas A forma percentual é:

01. Resposta: E.
Utilizaremos uma regra de três simples:
ano %
11442 ------- 100
17136 ------- x
11442.x = 17136 . 100 x = 1713600 / 11442 = 149,8% Exemplo:
(aproximado) Um objeto custa R$ 75,00 e é vendido por R$ 100,00.
149,8% – 100% = 49,8% Determinar:
Aproximando o valor, teremos 50% a) a porcentagem de lucro em relação ao preço de custo;
b) a porcentagem de lucro em relação ao preço de venda.
02. Resposta: C.
Se R$ 315,00 já está com o desconto de 10%, então R$ Resolução:
315,00 equivale a 90% (100% - 10%). Preço de custo + lucro = preço de venda → 75 + lucro =100
Utilizaremos uma regra de três simples: → Lucro = R$ 25,00
$ %
315 ------- 90 𝑙𝑢𝑐𝑟𝑜
𝑎) . 100% ≅ 33,33%
x ------- 100 𝑝𝑟𝑒ç𝑜 𝑑𝑒 𝑐𝑢𝑠𝑡𝑜
90.x = 315 . 100 x = 31500 / 90 = R$ 350,00
𝑙𝑢𝑐𝑟𝑜
𝑏) . 100% = 25%
03. Resposta: C. 𝑝𝑟𝑒ç𝑜 𝑑𝑒 𝑣𝑒𝑛𝑑𝑎
Como ele teve um prejuízo de 10%, quer dizer 27000 é
90% do valor total. - Aumento e Desconto Percentuais
Valor % A) Aumentar um valor V em p%, equivale a multiplicá-lo
𝒑
27000 ------ 90 por (𝟏 + ).V .
𝟏𝟎𝟎
X ------- 100 Logo:
𝒑
27000 909 27000 9
VA = (𝟏 + ).V
𝟏𝟎𝟎
= 10 → = → 9.x = 27000.10 → 9x = 270000
𝑥 100 𝑥 10
→ x = 30000. Exemplo:
1 - Aumentar um valor V de 20%, equivale a multiplicá-lo
PORCENTAGEM por 1,20, pois:
20
(1 + ).V = (1+0,20).V = 1,20.V
Razões de denominador 100 que são chamadas de 100

razões centesimais ou taxas percentuais ou simplesmente de


B) Diminuir um valor V em p%, equivale a multiplicá-lo
porcentagem. Servem para representar de uma 𝒑
maneira prática o "quanto" de um "todo" se está por (𝟏 − ).V.
𝟏𝟎𝟎
referenciando. Logo:
𝒑
Costumam ser indicadas pelo numerador seguido do V D = (𝟏 − ).V
𝟏𝟎𝟎
símbolo % (Lê-se: “por cento”).
Exemplo:
𝒙
𝒙% = Diminuir um valor V de 40%, equivale a multiplicá-lo por
𝟏𝟎𝟎 0,60, pois:
40
Exemplo: (1 − ). V = (1-0,40). V = 0, 60.V
100
Em uma classe com 30 alunos, 18 são rapazes e 12 são
𝒑 𝒑
moças. Qual é a taxa percentual de rapazes na classe? A esse valor final de (𝟏 + ) ou (𝟏 − ), é o que
𝟏𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎
Resolução: A razão entre o número de rapazes e o total de chamamos de fator de multiplicação, muito útil para
18
alunos é . Devemos expressar essa razão na forma resolução de cálculos de porcentagem. O mesmo pode ser um
30
centesimal, isto é, precisamos encontrar x tal que: acréscimo ou decréscimo no valor do produto.

18 𝑥 - Aumentos e Descontos Sucessivos


= ⟹ 𝑥 = 60 São valores que aumentam ou diminuem sucessivamente.
30 100
Para efetuar os respectivos descontos ou aumentos, fazemos
E a taxa percentual de rapazes é 60%. Poderíamos ter uso dos fatores de multiplicação.
divido 18 por 30, obtendo:
Vejamos alguns exemplos:
18 1) Dois aumentos sucessivos de 10% equivalem a um
= 0,60(. 100%) = 60% único aumento de...?
30
𝑝
Utilizando VA = (1 + ).V → V. 1,1 , como são dois de
100
- Lucro e Prejuízo 10% temos → V. 1,1 . 1,1 → V. 1,21 Analisando o fator de
É a diferença entre o preço de venda e o preço de custo. multiplicação 1,21; concluímos que esses dois aumentos
Caso a diferença seja positiva, temos o lucro(L), caso seja significam um único aumento de 21%.
negativa, temos prejuízo(P). Observe que: esses dois aumentos de 10% equivalem a
21% e não a 20%.
Lucro (L) = Preço de Venda (V) – Preço de Custo (C).
2) Dois descontos sucessivos de 20% equivalem a um
Podemos ainda escrever: único desconto de:
C + L = V ou L = V - C
P = C – V ou V = C - P
Matemática 7
APOSTILAS OPÇÃO
𝑝
Utilizando VD = (1 − ).V → V. 0,8 . 0,8 → V. 0,64 . . 03. Resposta: D.
100
Analisando o fator de multiplicação 0,64, observamos que 15% de 1130 = 1130.0,15 ou 1130.15/100 → 169,50
esse percentual não representa o valor do desconto, mas sim
o valor pago com o desconto. Para sabermos o valor que
representa o desconto é só fazermos o seguinte cálculo: 4. Sistema Legal de
100% - 64% = 36% Medidas: Medidas de
Observe que: esses dois descontos de 20% equivalem a comprimento, área, volume,
36% e não a 40%.
capacidade, massa e tempo
Referências
IEZZI, Gelson – Fundamentos da Matemática – Vol. 11 – Financeira e
Estatística Descritiva
IEZZI, Gelson – Matemática Volume Único Sistema de Medidas Decimais
http://www.porcentagem.org Um sistema de medidas é um conjunto de unidades de
http://www.infoescola.com medida que mantém algumas relações entre si. O sistema
métrico decimal é hoje o mais conhecido e usado no mundo
Questões todo. Na tabela seguinte, listamos as unidades de medida de
comprimento do sistema métrico. A unidade fundamental é o
01. Marcos comprou um produto e pagou R$ 108,00, já metro, porque dele derivam as demais.
inclusos 20% de juros. Se tivesse comprado o produto, com
25% de desconto, então, Marcos pagaria o valor de:
(A) R$ 67,50
(B) R$ 90,00
(C) R$ 75,00
(D) R$ 72,50

02. O departamento de Contabilidade de uma empresa tem Há, de fato, unidades quase sem uso prático, mas elas têm
20 funcionários, sendo que 15% deles são estagiários. O uma função. Servem para que o sistema tenha um padrão: cada
departamento de Recursos Humanos tem 10 funcionários, unidade vale sempre 10 vezes a unidade menor seguinte.
sendo 20% estagiários. Em relação ao total de funcionários Por isso, o sistema é chamado decimal.
desses dois departamentos, a fração de estagiários é igual a
(A) 1/5. E há mais um detalhe: embora o decímetro não seja útil na
(B) 1/6. prática, o decímetro cúbico é muito usado com o nome popular
(C) 2/5. de litro.
(D) 2/9. As unidades de área do sistema métrico correspondem às
(E) 3/5. unidades de comprimento da tabela anterior.
São elas: quilômetro quadrado (km2), hectômetro
03. Quando calculamos 15% de 1.130, obtemos, como quadrado (hm2), etc. As mais usadas, na prática, são o
resultado quilômetro quadrado, o metro quadrado e o hectômetro
(A) 150 quadrado, este muito importante nas atividades rurais com o
(B) 159,50; nome de hectare (há): 1 hm2 = 1 há.
(C) 165,60; No caso das unidades de área, o padrão muda: uma
(D) 169,50. unidade é 100 vezes a menor seguinte e não 10 vezes, como
nos comprimentos. Entretanto, consideramos que o sistema
Comentários continua decimal, porque 100 = 102.
Existem outras unidades de medida mas que não
01. Resposta: A. pertencem ao sistema métrico decimal. Vejamos as relações
Como o produto já está acrescido de 20% juros sobre o seu entre algumas essas unidades e as do sistema métrico
preço original, temos que: decimal (valores aproximados):
100% + 20% = 120% 1 polegada = 25 milímetros
Precisamos encontrar o preço original (100%) da 1 milha = 1 609 metros
mercadoria para podermos aplicarmos o desconto. 1 légua = 5 555 metros
Utilizaremos uma regra de 3 simples para encontrarmos: 1 pé = 30 centímetros
R$ %
108 ---- 120
X ----- 100
120x = 108.100 → 120x = 10800 → x = 10800/120 → x =
90,00
O produto sem o juros, preço original, vale R$ 90,00 e
representa 100%. Logo se receber um desconto de 25%,
significa ele pagará 75% (100 – 25 = 75%) → 90. 0,75 = 67,50
Então Marcos pagou R$ 67,50. A nomenclatura é a mesma das unidades de comprimento
acrescidas de quadrado.
02. Resposta: B. Agora, vejamos as unidades de volume. De novo, temos a
15 30
* Dep. Contabilidade: . 20 = = 3 → 3 (estagiários) lista: quilômetro cúbico (km3), hectômetro cúbico (hm3), etc.
100 10
Na prática, são muitos usados o metro cúbico(m3) e o
* Dep. R.H.:
20
. 10 =
200
= 2 → 2 (estagiários) centímetro cúbico(cm3).
100 100 Nas unidades de volume, há um novo padrão: cada unidade
vale 1000 vezes a unidade menor seguinte. Como 1000 = 103,
𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜𝑠 𝑒𝑠𝑡𝑎𝑔𝑖á𝑟𝑖𝑜𝑠 5 1
∗ 𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙 = = = o sistema continua sendo decimal.
𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜𝑠 𝑑𝑒 𝑓𝑢𝑛𝑐𝑖𝑜𝑛á𝑟𝑖𝑜𝑠 30 6

Matemática 8
APOSTILAS OPÇÃO

água que havia no filtro no início da manhã, pode-se concluir


que a água que restou dentro dele, no final do dia, corresponde
a uma porcentagem de
(A) 60%.
(B) 55%.
(C) 50%.
(D) 45%.
A noção de capacidade relaciona-se com a de volume. Se o (E) 40%.
volume da água que enche um tanque é de 7.000 litros,
dizemos que essa é a capacidade do tanque. A unidade 03. Admita que cada pessoa use, semanalmente, 4 bolsas
fundamental para medir capacidade é o litro (l); 1l equivale a plásticas para embrulhar suas compras, e que cada bolsa é
1 dm3. composta de 3 g de plástico. Em um país com 200 milhões de
Cada unidade vale 10 vezes a unidade menor seguinte. pessoas, quanto plástico será utilizado pela população em um
ano, para embrulhar suas compras? Dado: admita que o ano é
formado por 52 semanas. Indique o valor mais próximo do
obtido.
(A) 108 toneladas
(B) 107 toneladas
(C) 106 toneladas
O sistema métrico decimal inclui ainda unidades de (D) 105 toneladas
medidas de massa. A unidade fundamental é o grama(g). (E) 104 toneladas

Unidades de Massa e suas Transformações Respostas

01. Resposta: B.
Vamos chamar de x a capacidade total da jarra. Assim:
3 1
. 𝑥 − 495 = . 𝑥
4 5
Dessas unidades, só têm uso prático o quilograma, o grama
e o miligrama. No dia-a-dia, usa-se ainda a tonelada (t). 3
.𝑥 −
1
. 𝑥 = 495
Medidas Especiais: 4 5

1 Tonelada(t) = 1000 Kg 5.3.𝑥 − 4.𝑥=20.495


1 Arroba = 15 Kg 20
1 Quilate = 0,2 g
15x – 4x = 9900
Relações entre unidades: 11x = 9900
x = 9900 / 11
x = 900 mL (capacidade total)
Como havia 1/5 do total (1/5 . 900 = 180 mL), a quantidade
adicionada foi de 900 – 180 = 720 mL

02. Resposta: B.
4 litros = 4000 ml; 1,2 litros = 1200 ml; meio litro = 500
ml
Temos que: 4000 – 800 – 500 + 700 – 1200 = 2200 ml (final do dia)
1 kg = 1l = 1 dm3 Utilizaremos uma regra de três simples:
1 hm2 = 1 ha = 10.000m2 ml %
1 m3 = 1000 l 4000 ------- 100
2200 ------- x
Questões 4000.x = 2200 . 100 x = 220000 / 4000 = 55%
3
01. O suco existente em uma jarra preenchia da sua 03. Resposta: D.
4
capacidade total. Após o consumo de 495 mL, a quantidade de 4 . 3 . 200000000 . 52 = 1,248 . 1011 g = 1,248 . 105 t
1
suco restante na jarra passou a preencher da sua capacidade
5 MEDIDAS DE TEMPO
total. Em seguida, foi adicionada certa quantidade de suco na
jarra, que ficou completamente cheia. Nessas condições, é Não Decimais
correto afirmar que a quantidade de suco adicionada foi igual,
em mililitros, a Medidas de Tempo (Hora) e suas Transformações
(A) 580.
(B) 720.
(C) 900.
(D) 660.
(E) 840.

02. Em uma casa há um filtro de barro que contém, no Desse grupo, o sistema hora – minuto – segundo, que mede
início da manhã, 4 litros de água. Desse filtro foram retirados intervalos de tempo, é o mais conhecido. A unidade utilizada
800 mL para o preparo da comida e meio litro para consumo como padrão no Sistema Internacional (SI) é o segundo.
próprio. No início da tarde, foram colocados 700 mL de água
dentro desse filtro e, até o final do dia, mais 1,2 litros foram 1h → 60 minutos → 3 600 segundos
utilizados para consumo próprio. Em relação à quantidade de

Matemática 9
APOSTILAS OPÇÃO

Para passar de uma unidade para a menor seguinte, 02. A tabela a seguir mostra o tempo, aproximado, que um
multiplica-se por 60. professor leva para elaborar cada questão de matemática.
Questão (dificuldade) Tempo (minutos)
Exemplo: Fácil 8
0,3h não indica 30 minutos nem 3 minutos, quantos Média 10
minutos indica 0,3 horas? Difícil 15
Muito difícil 20

Efetuando temos: 0,3 . 60 = 1. x → x = 18 minutos. O gráfico a seguir mostra o número de questões de


Concluímos que 0,3horas = 18 minutos. matemática que ele elaborou.

- Adição e Subtração de Medida de tempo


Ao adicionarmos ou subtrairmos medidas de tempo,
precisamos estar atentos as unidades. Vejamos os exemplos:

A) 1 h 50 min + 30 min

Observe que ao somar 50 + 30, obtemos 80 minutos, como O tempo, aproximado, gasto na elaboração dessas questões
sabemos que 1 hora tem 60 minutos, temos, então foi
(A) 4h e 48min.
acrescentamos a hora +1, e subtraímos 80 – 60 = 20 minutos,
(B) 5h e 12min.
é o que resta nos minutos:
(C) 5h e 28min.
(D) 5h e 42min.
(E) 6h e 08min.

03. Para obter um bom acabamento, um pintor precisa dar


duas demãos de tinta em cada parede que pinta. Sr. Luís utiliza
uma tinta de secagem rápida, que permite que a segunda
demão seja aplicada 50 minutos após a primeira. Ao terminar
Logo o valor encontrado é de 2 h 20 min. a aplicação da primeira demão nas paredes de uma sala, Sr.
Luís pensou: “a segunda demão poderá ser aplicada a partir
B) 2 h 20 min – 1 h 30 min das 15h 40min.”
Se a aplicação da primeira demão demorou 2 horas e 15
minutos, que horas eram quando Sr. Luís iniciou o serviço?
(A) 12h 25 min
(B) 12h 35 min
Observe que não podemos subtrair 20 min de 30 min,
(C) 12h 45 min
então devemos passar uma hora (+1) dos 2 para a coluna
(D) 13h 15 min
minutos.
(E) 13h 25 min

Respostas

01. Resposta: C.

Então teremos novos valores para fazermos nossa


subtração, 20 + 60 = 80:
Como 1h tem 60 minutos.
Então a diferença entre as duas é de 60+28=88 minutos.

02. Resposta: D.
Logo o valor encontrado é de 50 min. T = 8 . 4 + 10 . 6 + 15 . 10 + 20 . 5 =
= 32 + 60 + 150 + 100 = 342 min
Questões Fazendo: 342 / 60 = 5 h, com 42 min (resto)

01. Joana levou 3 horas e 53 minutos para resolver uma 03. Resposta: B.
prova de concurso, já Ana levou 2 horas e 25 minutos para 15 h 40 – 2 h 15 – 50 min = 12 h 35min
resolver a mesma prova. Comparando o tempo das duas
candidatas, qual foi a diferença encontrada?
(A) 67 minutos.
(B) 75 minutos. 5. Princípio Multiplicativo
(C) 88 minutos.
(D) 91 minutos.
(E) 94 minutos. O princípio multiplicativo ou fundamental da
contagem constitui a ferramenta básica para resolver
problemas de contagem sem que seja necessário enumerar
seus elementos, através da possibilidades dadas.

Matemática 10
APOSTILAS OPÇÃO

Exemplos: Questões
1) Imagine que, na cantina de sua escola, existem cinco
opções de suco de frutas: pêssego, maçã, morango, caju e 01. (Câmara de Chapecó/SC – Assistente de Legislação
mamão. Você deseja escolher apenas um desses sucos, mas e Administração – OBJETIVA) Quantos são os gabaritos
deverá decidir também se o suco será produzido com água ou possíveis para uma prova com 6 questões, sendo que cada
leite. Escolhendo apenas uma das frutas e apenas um dos questão possui 4 alternativas, e apenas uma delas é a
acompanhamentos, de quantas maneiras poderá pedir o suco? alternativa correta?
(A) 1.296
(B) 3.474
(C) 2.348
(D) 4.096

02. (Câmara de São Paulo/SP – Técnico Administrativo


– FCC) São lançados dois dados e multiplicados os números de
pontos obtidos em cada um deles. A quantidade de produtos
distintos que se pode obter nesse processo é
(A) 36.
(B) 27.
2) Para ir da sua casa (cidade A) até a casa do seu de um (C) 30.
amigo Pedro (que mora na cidade C) João precisa pegar duas (D) 21.
conduções: A1 ou A2 ou A3 que saem da sua cidade até a B e (E) 18.
B1 ou B2 que o leva até o destino final C. Vamos montar o
diagrama da árvore para avaliarmos todas as possibilidades: 03. (Corpo de Bombeiros Militar/MT – Oficial
Bombeiro Militar – COVEST – UNEMAT) A maioria das
pizzarias disponibilizam uma grande variedade de sabores aos
seus clientes. A pizzaria “Vários Sabores” disponibiliza dez
sabores diferentes. No entanto, as pizzas pequenas podem ser
feitas somente com um sabor; as médias, com até dois sabores,
e as grandes podem ser montadas com até três sabores
diferentes.
Imagine que um cliente peça uma pizza grande.
De quantas maneiras diferentes a pizza pode ser montada
no que diz respeito aos sabores?
(A) 10
De forma resumida, e rápida podemos também montar
(B) 720
através do princípio multiplicativo o número de
(C) 100
possibilidades:
(D) 820
(E) 730

Respostas

01. Resposta: D.
4 . 4 . 4 . 4 . 4 . 4 = 4096
2 x 3 = 6
02. Resposta: E.
__
3) De sua casa ao trabalho, Silvia pode ir a pé, de ônibus ou
6.6=36
de metrô. Do trabalho à faculdade, ela pode ir de ônibus, metrô,
Mas, como pode haver o mesmo produto por ser dois
trem ou pegar uma carona com um colega.
dados, 36/2=18
De quantos modos distintos Silvia pode, no mesmo dia, ir
de casa ao trabalho e de lá para a faculdade?
03. Resposta: D.
As pizzas grandes podem ser montadas com ATÉ 3
Vejamos, o trajeto é a junção de duas etapas:
sabores:
1º) Casa → Trabalho: ao qual temos 3 possibilidades
* 1 sabor: 10 maneiras
2º) Trabalho → Faculdade: 4 possibilidades.
* 2 sabores: 10 . 9 = 90 maneiras
Multiplicando todas as possibilidades (pelo PFC), teremos:
* 3 sabores: 10 . 9 . 8 = 720 maneiras
3 x 4 = 12.
Como as pizzas podem ter 1 OU 2 OU 3 sabores, basta
No total Silvia tem 12 maneiras de fazer o trajeto casa –
SOMAR cada uma das possibilidades, temos: 10 + 90 + 720 =
trabalho – faculdade.
820 maneiras.
Podemos dizer que, um evento B pode ser feito de n
maneiras, então, existem m • n maneiras de fazer e executar
o evento B. 6. Volumes dos principais
sólidos geométricos
Referências
IEZZI, Gelson – Matemática – Volume Único

Sólidos Geométricos são figuras geométricas que possui


três dimensões. Um sólido é limitado por um ou mais planos.
Os mais conhecidos são: prisma, pirâmide, cilindro, cone e
esfera.

Matemática 11
APOSTILAS OPÇÃO

- Sólidos geométricos

I) PRISMA: é um sólido geométrico que possui duas bases


iguais e paralelas.

Temos três dimensões: a= comprimento, b = largura e c =


altura.

Fórmulas:
- Área Total: At = 2.(ab + ac + bc)

- Volume: V = a.b.c
Elementos de um prisma:
a) Base: pode ser qualquer polígono. - Diagonal: D = √a2 + b 2 + c 2
b) Arestas da base: são os segmentos que formam as
bases. b) Hexaedro Regular (Cubo): é um prisma que tem as 6
c) Face Lateral: é sempre um paralelogramo. faces quadradas.
d) Arestas Laterais: são os segmentos que formam as
faces laterais.
e) Vértice: ponto de intersecção (encontro) de arestas.
f) Altura: distância entre as duas bases.

Classificação:
Um prisma pode ser classificado de duas maneiras: As três dimensões de um cubo comprimento, largura e
altura são iguais.
1- Quanto à base:
- Prisma triangular...........................................................a base é Fórmulas:
um triângulo. - Área Total: At = 6.a2
- Prisma quadrangular.....................................................a base é
um quadrilátero. - Volume: V = a3
- Prisma pentagonal........................................................a base é
um pentágono. - Diagonal: D = a√3
- Prisma hexagonal.........................................................a base é
um hexágono. II) PIRÂMIDE: é um sólido geométrico que tem uma base
E, assim por diante. e um vértice superior.
2- Quanta à inclinação:
- Prisma Reto: a aresta lateral forma com a base um
ângulo reto (90°).
- Prisma Obliquo: a aresta lateral forma com a base um
ângulo diferente de 90°.

Elementos de uma pirâmide:


Fórmulas:
A pirâmide tem os mesmos elementos de um prisma: base,
- Área da Base
arestas da base, face lateral, arestas laterais, vértice e altura.
Como a base pode ser qualquer polígono não existe uma
Além destes, ela também tem um apótema lateral e um
fórmula fixa. Se a base é um triângulo calculamos a área desse
apótema da base.
triângulo; se a base é um quadrado calculamos a área desse
Na figura acima podemos ver que entre a altura, o apótema
quadrado, e assim por diante.
da base e o apótema lateral forma um triângulo retângulo,
- Área Lateral:
então pelo Teorema de Pitágoras temos: ap2 = h2 + ab2.
Soma das áreas das faces laterais
- Área Total:
Classificação:
At=Al+2Ab
- Volume: Uma pirâmide pode ser classificado de duas maneiras:
1- Quanto à base:
V = Abh
- Pirâmide triangular...........................................................a base é
um triângulo.
Prismas especiais: temos dois prismas estudados a parte
- Pirâmide quadrangular.....................................................a base é
e que são chamados de prismas especiais, que são:
um quadrilátero.
- Pirâmide pentagonal........................................................a base é
a) Hexaedro (Paralelepípedo reto-retângulo): é um
um pentágono.
prisma que tem as seis faces retangulares.
- Pirâmide hexagonal.........................................................a base é
um hexágono.
E, assim por diante.

Matemática 12
APOSTILAS OPÇÃO

2- Quanta à inclinação: áreas de suas bases, o modelo matemático para o volume do


- Pirâmide Reta: tem o vértice superior na direção do tronco é:
centro da base.
- Pirâmide Obliqua: o vértice superior está deslocado em
relação ao centro da base.
Onde,
V → é o volume do tronco
h → é a altura do tronco
SB → é a área da base maior
Sb → é a área da base menor

III) CILINDRO: é um sólido geométrico que tem duas bases


iguais, paralelas e circulares.
Fórmulas:
- Área da Base: 𝐴𝑏 = 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑜 𝑝𝑜𝑙í𝑔𝑜𝑛𝑜, como a base
pode ser qualquer polígono não existe uma fórmula fixa. Se a
base é um triângulo calculamos a área desse triângulo; se a
base é um quadrado calculamos a área desse quadrado, e
assim por diante.
- Área Lateral: 𝐴𝑙 =
𝑠𝑜𝑚𝑎 𝑑𝑎𝑠 á𝑟𝑒𝑎𝑠 𝑑𝑎𝑠 𝑓𝑎𝑐𝑒𝑠 𝑙𝑎𝑡𝑒𝑟𝑎𝑖𝑠

- Área Total: At = Al + Ab

1
- Volume: 𝑉 = . 𝐴𝑏 . ℎ Elementos de um cilindro:
3
a) Base: é sempre um círculo.
- TRONCO DE PIRÂMIDE b) Raio
O tronco de pirâmide é obtido ao se realizar uma secção c) Altura: distância entre as duas bases.
d) Geratriz: são os segmentos que formam a face lateral,
transversal numa pirâmide, como mostra a figura:
isto é, a face lateral é formada por infinitas geratrizes.

Classificação: como a base de um cilindro é um círculo, ele


só pode ser classificado de acordo com a inclinação:
- Cilindro Reto: a geratriz forma com o plano da base um
ângulo reto (90°).
- Cilindro Obliquo: a geratriz forma com a base um ângulo
diferente de 90°.
O tronco da pirâmide é a parte da figura que apresenta as
arestas destacadas em vermelho.
É interessante observar que no tronco de pirâmide as
arestas laterais são congruentes entre si; as bases são
polígonos regulares semelhantes; as faces laterais são
trapézios isósceles, congruentes entre si; e a altura de
qualquer face lateral denomina-se apótema do tronco. Fórmulas:
- Área da Base: Ab = π.r2
→ Cálculo das áreas do tronco de pirâmide.
Num tronco de pirâmide temos duas bases, base maior e - Área Lateral: Al = 2.π.r.h
base menor, e a área da superfície lateral. De acordo com a
base da pirâmide, teremos variações nessas áreas. Mas - Área Total: At = 2.π.r.(h + r) ou At = Al + 2.Ab
observe que na superfície lateral sempre teremos trapézios
isósceles, independente do formato da base da pirâmide. Por - Volume: V = π.r2.h ou V = Ab.h
exemplo, se a base da pirâmide for um hexágono regular,
teremos seis trapézios isósceles na superfície lateral. Secção Meridiana de um cilindro: é um “corte” feito pelo
A área total do tronco de pirâmide é dada por: centro do cilindro. O retângulo obtido através desse corte é
chamado de secção meridiana e tem como medidas 2r e h. Logo
St = Sl + SB + Sb a área da secção meridiana é dada pela fórmula: ASM = 2r.h.
Onde:
St → é a área total
Sl → é a área da superfície lateral
SB → é a área da base maior
Sb → é a área da base menor

→ Cálculo do volume do tronco de pirâmide.


A fórmula para o cálculo do volume do tronco de pirâmide
é obtida fazendo a diferença entre o volume de pirâmide maior
e o volume da pirâmide obtida após a secção transversal que
produziu o tronco. Colocando em função de sua altura e das

Matemática 13
APOSTILAS OPÇÃO

Cilindro Equilátero: um cilindro é chamado de equilátero constituição de uma nova figura geométrica espacial
quando a secção meridiana for um quadrado, para isto temos denominada Tronco de Cone.
que: h = 2r.

IV) CONE: é um sólido geométrico que tem uma base


circular e vértice superior.

Elementos
- A base do cone é a base maior do tronco, e a seção
transversal é a base menor;
Elementos de um cone: - A distância entre os planos das bases é a altura do tronco.
a) Base: é sempre um círculo.
b) Raio
c) Altura: distância entre o vértice superior e a base.
d) Geratriz: segmentos que formam a face lateral, isto é, a
face lateral e formada por infinitas geratrizes.

Classificação: como a base de um cone é um círculo, ele só


tem classificação quanto à inclinação.
- Cone Reto: o vértice superior está na direção do centro
da base. Diferentemente do cone, o tronco de cone possui duas
- Cone Obliquo: o vértice superior esta deslocado em bases circulares em que uma delas é maior que a outra, dessa
relação ao centro da base. forma, os cálculos envolvendo a área superficial e o volume do
tronco envolverão a medida dos dois raios. A geratriz, que é a
medida da altura lateral do cone, também está presente na
composição do tronco de cone.
Não devemos confundir a medida da altura do tronco de
cone com a medida da altura de sua lateral (geratriz), pois são
elementos distintos. A altura do cone forma com as bases um
ângulo de 90º. No caso da geratriz os ângulos formados são um
agudo e um obtuso.
Fórmulas:
- Área da base: Ab = π.r2
Área da Superfície e
Volume
- Área Lateral: Al = π.r.g

- Área total: At = π.r.(g + r) ou At = Al + Ab

1 1
- Volume: 𝑉 = . 𝜋. 𝑟 2 . ℎ ou 𝑉 = . 𝐴𝑏 . ℎ Onde:
3 3
h = altura
- Entre a geratriz, o raio e a altura temos um triângulo g = geratriz
retângulo, então: g2 = h2 + r2.

Secção Meridiana: é um “corte” feito pelo centro do cone. V) ESFERA


O triângulo obtido através desse corte é chamado de secção
meridiana e tem como medidas, base é 2r e h. Logo a área da
secção meridiana é dada pela fórmula: ASM = r.h.

Cone Equilátero: um cone é chamado de equilátero


quando a secção meridiana for um triângulo equilátero, para
isto temos que: g = 2r. Elementos da esfera
- Eixo: é um eixo imaginário, passando pelo centro da
- TRONCO DE CONE esfera.
Se um cone sofrer a intersecção de um plano paralelo à sua - Polos: ponto de intersecção do eixo com a superfície da
base circular, a uma determinada altura, teremos a esfera.

Matemática 14
APOSTILAS OPÇÃO

- Paralelos: são “cortes” feitos na esfera, determinando 03. Um prisma hexagonal regular tem aresta da base igual
círculos. a 4 cm e altura 12 cm. O volume desse prisma é:
- Equador: “corte” feito pelo centro da esfera, (A) 288√3 cm3
determinando, assim, o maior círculo possível. (B) 144√3 cm3
(C) 200√3 cm3
Fórmulas
(D) 100√3 cm3
(E) 300√3 cm3

Comentários
01. Resposta: B.
Em um cilindro equilátero temos que h = 2r e do enunciado
r = 5 cm.
h = 2r → h = 2.5 = 10 cm
- na figura acima podemos ver que o raio de um paralelo Al = 2.π.r.h
(r), a distância do centro ao paralelo ao centro da esfera (d) e Al = 2.π.5.10
o raio da esfera (R) formam um triângulo retângulo. Então, Al = 100π
podemos aplicar o Teorema de Pitágoras: R2 = r2 + d2.
- Área: A = 4.π.R2 02. Respostas: Al = 12π cm2, At = 20π cm2 e V = 12π cm3
Aplicação direta das fórmulas sendo r = 2 cm e h = 3 cm.
4
- Volume: V = . π. R3 Al = 2.π.r.h At = 2π.r(h + r) V = π.r2.h
3
Al = 2.π.2.3 At = 2π.2(3 + 2) V = π.22.3
Fuso Esférico: Al = 12π cm2 At = 4π.5 V = π.4.3
At = 20π cm2 V = 12π cm2

03. Resposta: A.
O volume de um prisma é dado pela fórmula V = Ab.h, do
enunciado temos que a aresta da base é a = 4 cm e a altura h =
12 cm.
A área da base desse prisma é igual a área de um hexágono
regular
6.𝑎2 √3
Fórmula da área do fuso: 𝐴𝑏 =
4

𝛼. 𝜋. 𝑅2 6.42 √3 6.16√3
𝐴𝑓𝑢𝑠𝑜 = 𝐴𝑏 =  𝐴𝑏 =  𝐴𝑏 = 6.4√3  𝐴𝑏 = 24√3
90° 4 4
cm2

Cunha Esférica: V = 24√3.12


V = 288√3 cm3

7. Conservação, redução ou
ampliação de perímetros e
áreas das principais figuras
planas usando malhas
Fórmula do volume da cunha: quadriculadas. Cálculo de
𝛼. 𝜋. 𝑅3 áreas e perímetros
𝑉𝑐𝑢𝑛ℎ𝑎 =
270°
As malhas nada mais são que diversas variações e
Referências deformações possíveis do papel quadriculado, e sua função é
IEZZI, Gelson – Matemática Volume Único ajudar o aluno na observação das formas geométricas e nos
DOLCE, Osvalo; POMPEO, José Nicolau – Fundamentos da matemática elementar – desenhos que ele fará a partir das propriedades da figura que
Vol 10 – Geometria Espacial, Posição e Métrica – 5ª edição – Atual Editora
observou.
www.brasilescola.com.br
As malhas podem ser utilizadas desde as séries iniciais,
proporcionando aos alunos a oportunidade de familiarizar-se
Questões
com os desenhos, as formas geométricas, as ampliações e
reduções de figuras (proporcionalidade), a simetria, o conceito
01. Dado o cilindro equilátero, sabendo que seu raio é igual
de área e volume e o ladrilhamento formado por motivos
a 5 cm, a área lateral desse cilindro, em cm2, é:
geométricos”.
(A) 90π
As malhas quadriculadas é um recurso de trabalho, e a sua
(B) 100π
função é ajudar o aluno na observação das formas geométricas
(C) 80π
e nos desenhos que ela fará a partir das propriedades da figura
(D) 110π
que observou e montou no geoplano.
(E) 120π
Podem ser utilizadas desde as séries iniciais até no ensino
médio, no trabalho com a geometria (formas, área, perímetro),
02. Seja um cilindro reto de raio igual a 2 cm e altura 3 cm.
operações (especialmente a multiplicação), funções e
Calcular a área lateral, área total e o seu volume.
estatística (gráficos).

Matemática 15
APOSTILAS OPÇÃO

Exemplo: (A) Duas


(B) Três
(C) Quatro
(D) Nove

02. (Prova Brasil) A figura a seguir mostra o projeto


original da árvore de natal da cidade em que Roberto mora.

- Ampliação e Redução de desenhos utilizando malha


quadriculada

Na figura abaixo, você pode ver o desenho de um pátio na


forma de U feito numa grade quadriculada. O pequeno
quadrado colorido de cinza é a unidade de medida para fazer
essa figura.
Como consideraram a árvore muito grande, fizeram um
novo projeto, de modo que suas dimensões se tornaram duas
vezes menores que as do projeto original.
Para o novo projeto, as dimensões foram:
(A) multiplicadas por 2.
(B) divididas por 2.
(C) subtraídas em 2 unidades.
(D) adicionada em 2 unidades.
Na próxima figura, você vê o desenho do mesmo pátio, 03. Observe os desenhos abaixo:
agora, usando como unidade de medida, para fazer essa figura,
o novo quadrado colorido de cinza que nela aparece. Observe
que o lado desse novo quadrado mede duas vezes o lado do
quadrado da figura acima. Essa figura é uma ampliação da
figura.

A área da Figura I é:
(A) duas vezes a área da figura II.
(B) quatro vezes a área da figura II.
(C) seis vezes a área da figura II.
(D) oito vezes a área da figura II.

Em matemática se diz que dois polígonos são semelhantes 04. (Projeto conseguir – DC) Durante a aula de Educação
se: existir uma igualdade entre as razões dos segmentos que Física o professor pediu que os alunos dessem uma volta em
ocupam as correspondentes posições relativas nas figuras. torno da quadra. Calcule quantos metros cada aluno correu,
Duas figuras são semelhantes quando elas têm a mesma sabendo que cada lado do quadrado equivale a 1 metro.
forma, preservando os mesmos ângulos e a proporcionalidade
dos lados. Isto significa que existe uma proporção constante
entre elas sem ocorrência de deformação. A figura final e a
figura original são chamadas figuras semelhantes.
Tanto a ampliação quanto a redução podemos utilizar o
mesmo conceito.

Questões
A figura abaixo representa a quadra.
01. Observe o painel de Carol. A figura 2 é uma ampliação (A) 58m
da figura 1. (B) 190m
(C) 10m
(D) 25m

05. (SEPR) Os desenhos a seguir representam o formato


de um jardim que será construído em uma praça da cidade.
Inicialmente pensou-se num jardim pequeno, mas devido ao
grande entusiasmo que causou na população da cidade, o
prefeito solicitou que fizessem um novo projeto, com desenho
maior.

Quantas vezes o perímetro da figura 2 é maior que o


perímetro da figura 1?

Matemática 16
APOSTILAS OPÇÃO

O novo projeto terá área:


(A) 2 vezes maior que o primeiro.
(B) 3 vezes maior que o primeiro.
(C) 4 vezes maior que o primeiro.
(D) 6 vezes maior que o primeiro.

06. (Projeto conseguir – DC) Lucas está pintando um


mosaico no papel quadriculado. Observe:

Quantos quadrados foram pintados na figura amarela? Quais crianças conseguiram cumprir a tarefa?
(A) 6 (A) Bia e Carol
(B) 4 (B) Léo e Carol
(C) 5 (C) Lucas e Bia
(D) 2 (D) Léo e Lucas
07. (Projeto conseguir – DC) Algumas crianças Respostas
escolheram a figura abaixo para ampliar:
01. Resposta: B.
A base da figura 1 tem 3 quadradinhos inteiros, já o da
figura 2 tem 9 , isso significa que se pegarmos a base da figura
2 e dividirmos pela figura 1, teremos a quantidade de vezes
que foi aumentada.

02. Resposta: B.
Veja as ampliações feitas por algumas delas: Para tornar um projeto menor ou reduzi-lo

03. Resposta: B.
Basta utilizarmos o mesmo conceito da questão1.Logo:
Figura I = 4 x 4 = 16 e Figura II = 2 x 2 = 4, 16/4 = 4 vezes maior.

04. Resposta: A.
Como cada lado do quadrado da malha equivale a 1 m,
temos como figura um retângulo ao qual sabemos que o
perímetro é dado por: 2.a + 2.b , considerando a =
comprimento = 19 quadrados = 19 metros e b = altura = 10
quadrados. Logo:
2.19 + 2.10 = 38 + 20 = 58 m

05. Resposta: C.
O jardim menor tem área de 3 x 2 = 6
O jardim maior tem área de 6 x 4 = 24
Dividindo 24/6 = 4 , logo o jardim maior é 4 vezes maior
Quem ampliou corretamente a figura? que o menor.
(A) Júlia
(B) Pedro 06. Resposta: C.
(C) Maria Basta contarmos quantos quadrados amarelos a figura
(D) Vítor possui. Não podemos esquecer o que fica no meio.

08. (Projeto conseguir – DC). A professora pediu que seus 07. Resposta: A.
alunos desenhassem o retângulo abaixo na malha Observando as figuras, a única que conseguiu manter a
quadriculada, ampliando, reduzindo ou mudando a figura de proporcionalidade da figura em questão foi a Júlia.
posição. Veja:

Matemática 17
APOSTILAS OPÇÃO

08. Resposta: D. 5. Quadrado


Léo ampliou a figura e Lucas mudou-a de posição - sendo l o lado:
mantendo a mesma proporção.

PERÍMETRO E ÁREA DAS FIGURAS PLANAS

Perímetro: é a soma de todos os lados de uma figura plana. 6. Triângulo: essa figura tem 6 fórmulas de área,
Exemplo: dependendo dos dados do problema a ser resolvido.

I) sendo dados a base b e a altura h:

II) sendo dados as medidas dos três lados a, b e c:


Perímetros de algumas das figuras planas:

III) sendo dados as medidas de dois lados e o ângulo


formado entre eles:

Área: é a medida da superfície de uma figura plana.


A unidade básica de área é o m2 (metro quadrado), isto é, IV) triângulo equilátero (tem os três lados iguais):
uma superfície correspondente a um quadrado que tem 1 m de
lado.

Fórmulas de área das principais figuras planas: V) circunferência inscrita:

1) Retângulo
- sendo b a base e h a altura:

VI) circunferência circunscrita:

2. Paralelogramo
- sendo b a base e h a altura:

Questões

3. Trapézio 01. A área de um quadrado cuja diagonal mede 2√7 cm é,


- sendo B a base maior, b a base menor e h a altura: em cm2, igual a:
(A) 12
(B) 13
(C) 14
(D) 15
(E) 16
4. Losango
- sendo D a diagonal maior e d a diagonal menor: 02. Corta-se um arame de 30 metros em duas partes. Com
cada uma das partes constrói-se um quadrado. Se S é a soma
das áreas dos dois quadrados, assim construídos, então o
menor valor possível para S é obtido quando:
(A) o arame é cortado em duas partes iguais.
(B) uma parte é o dobro da outra.
(C) uma parte é o triplo da outra.
(D) uma parte mede 16 metros de comprimento.

Matemática 18
APOSTILAS OPÇÃO

03. Um grande terreno foi dividido em 6 lotes retangulares 03. Resposta: D.


congruentes, conforme mostra a figura, cujas dimensões Observando a figura temos que cada retângulo tem lados
indicadas estão em metros. medindo x e 0,8x:
Perímetro = x + 285
8.0,8x + 6x = x + 285
6,4x + 6x – x = 285
11,4x = 285
x = 285:11,4
x = 25
Sendo S a área do retângulo:
S= b.h
Sabendo-se que o perímetro do terreno original, delineado S= 0,8x.x
em negrito na figura, mede x + 285, conclui-se que a área total S = 0,8x2
desse terreno é, em m2, igual a: Sendo St a área total da figura:
(A) 2 400. St = 6.0,8x2
(B) 2 600. St = 4,8.252
(C) 2 800. St = 4,8.625
(D) 3000. St = 3000
(E) 3 200.
ÁREA DO CIRCULO E SUAS PARTES
Respostas
I- Círculo:
01.Resposta: C. Quem primeiro descreveu a área de um círculo foi o
Sendo l o lado do quadrado e d a diagonal: matemático grego Arquimedes (287/212 a.C.), de Siracusa,
mais ou menos por volta do século II antes de Cristo. Ele
concluiu que quanto mais lados tem um polígono regular mais
ele se aproxima de uma circunferência e o apótema (a) deste
polígono tende ao raio r. Assim, como a fórmula da área de um
polígono regular é dada por A = p.a (onde p é semiperímetro e
2𝜇𝑟
a é o apótema), temos para a área do círculo 𝐴 = . 𝑟, então
Utilizando o Teorema de Pitágoras: 2
d2 = l2 + l2 temos:
2
(2√7) = 2l2
4.7 = 2l2
2l2 = 28
28
l2 =
2
A = 14 cm2 II- Coroa circular:
É uma região compreendida entre dois círculos
02. Resposta: A. concêntricos (tem o mesmo centro). A área da coroa circular é
- um quadrado terá perímetro x igual a diferença entre as áreas do círculo maior e do círculo
x
o lado será l = e o outro quadrado terá perímetro 30 – x menor. A = 𝜋R2 – 𝜋r2, como temos o 𝜋 como fator comum,
4
o lado será l1 =
30−x
, sabendo que a área de um quadrado podemos colocá-lo em evidência, então temos:
4
é dada por S = l , temos:
2

S = S1 + S2
S=l²+l1²
x 2 30−x 2
S=( ) +( )
4 4
x2 (30−x)2
S= + , como temos o mesmo denominador 16:
16 16
III- Setor circular:
x 2 + 302 − 2.30. x + x 2 É uma região compreendida entre dois raios distintos de
S=
16 um círculo. O setor circular tem como elementos principais o
x 2 + 900 − 60x + x 2 raio r, um ângulo central 𝛼 e o comprimento do arco l, então
S=
16 temos duas fórmulas:
2x2 60x 900
S= − + ,
16 16 16

sendo uma equação do 2º grau onde a = 2/16; b = -60/16


e c = 900/16 e o valor de x será o x do vértice que e dado pela
−b
fórmula: x = , então:
2a

−60 60
−( )
16 = 16
xv =
2 4 IV- Segmento circular:
2.
16 16 É uma região compreendida entre um círculo e uma corda
xv =
60 16
. =
60
= 15, (segmento que une dois pontos de uma circunferência) deste
16 4 4 círculo. Para calcular a área de um segmento circular temos
que subtrair a área de um triângulo da área de um setor
logo l = 15 e l1 = 30 – 15 = 15. circular, então temos:

Matemática 19
APOSTILAS OPÇÃO

𝐴𝑐𝑖𝑟𝑐
𝐴 = 𝐴𝑐𝑖𝑟𝑐 + 𝐴𝑡𝑟𝑖𝑎𝑛𝑔 +
2
𝐴𝑐𝑖𝑟𝑐
𝐴= + 𝐴𝑡𝑟𝑖𝑎𝑛𝑔
2
𝜋𝑟 2
𝐴= + 𝐴𝑡𝑟𝑖𝑎𝑛𝑔
2

𝜋𝑟 2 𝑙 2 √3
𝐴= +
2 4
Questões (3,14 ∙ 102 ) 202 ∙ 1,73
𝐴= +
2 4
01. A figura abaixo mostra três círculos, cada um com 10 400 ∙ 1,73
𝐴 = 1,57 ∙ 100 +
cm de raio, tangentes entre si. 4
𝐴 = 157 + 100 ∙ 1,73 = 157 + 173 = 330

02. Resposta: A.
A fórmula do comprimento de uma circunferência é C =
2π.r, Então:
Considerando √3 ≅ 1,73 e 𝜋 ≅ 3,14, o valor da área C = 20π
sombreada, em cm2, é: 2π.r = 20π
20π
(A) 320. r=

(B) 330. r = 10 cm
(C) 340. A = π.r2 → A = π.102 → A = 100π cm2
(D) 350.
(E) 360. 03. Resposta: D.
Primeiro calculamos a área do retângulo (A = b.h)
02. A área de um círculo, cuja circunferência tem Aret = 24,8.20
comprimento 20𝜋 cm, é: Aret = 496 m2
(A) 100𝜋 cm2.
(B) 80 𝜋 cm2. 2
4.Acirc = .Aret
(C) 160 𝜋 cm2. 5
(D) 400 𝜋 cm2. 2
4.πr2 = .496
5
03. Quatro tanques de armazenamento de óleo, cilíndricos 4.3,1.r2 =
992
e iguais, estão instalados em uma área retangular de 24,8 m de 5

comprimento por 20,0 m de largura, como representados na 12,4.r2 = 198,4


figura abaixo. r2 = 198,4 : 12, 4 → r2 = 16 → r = 4
d = 2r =2.4 = 8

8. Relacionar figuras
tridimensionais com suas
respectivas planificações.
9. Reconhecer arestas,
Se as bases dos quatro tanques ocupam
2
da área vértices e faces de um sólido
5
retangular, qual é, em metros, o diâmetro da base de cada geométrico
tanque?
Dado: use 𝜋=3,1
(A) 2. Diedros
(B) 4. Sendo dois planos secantes (planos que se cruzam) α e β, o
(C) 6. espaço entre eles é chamado de diedro. A medida de um diedro
(D) 8. é feita em graus, dependendo do ângulo formado entre os
(E) 16. planos.

Comentários

01. Resposta: B.
Unindo os centros das três circunferências temos um
triângulo equilátero de lado 2r ou seja l = 2.10 = 20 cm. Então
a área a ser calculada será:

Poliedros
São sólidos geométricos ou figuras geométricas espaciais
formadas por três elementos básicos: faces, arestas e
vértices. Chamamos de poliedro o sólido limitado por quatro
ou mais polígonos planos, pertencentes a planos diferentes e
que têm dois a dois somente uma aresta em comum. Veja
alguns exemplos:

Matemática 20
APOSTILAS OPÇÃO

Pela relação de Euler: V – A + F = 2 → 8 - 12 + F = 2 → F = 6


(o poliedro possui 6 faces). Assim o poliedro com essas
características é:

2) Vamos aplicar a relação de Euler em um Poliedro não


Os polígonos são as faces do poliedro; os lados e os vértices convexo.
dos polígonos são as arestas e os vértices do poliedro.
Cada vértice pode ser a interseção de três ou mais arestas.
Observando a figura abaixo temos que em torno de cada um
dos vértices forma-se um triedro.

V – A + F = 2 → 14 – 21 + 9 = 2 → 2 = 2
Assim podemos comprovar que para alguns poliedros não
convexos, podemos utilizar a relação de Euler.

Soma dos ângulos poliédricos: as faces de um poliedro


são polígonos. Sabemos que a soma dos ângulos internos de
Convexidade um polígono é dada
Um poliedro é convexo se qualquer reta (não paralela a
nenhuma de suas faces) o corta em, no máximo, dois pontos. S = (v – 2).360º
Ele não possuí “reentrâncias”. E caso contrário é dito não
convexo. Poliedros de Platão
São poliedros que satisfazem as seguintes condições:
- todas as faces têm o mesmo número n de arestas;
- todos os ângulos poliédricos têm o mesmo número m de
arestas;
- for válida a relação de Euler (V – A + F = 2).

Exemplos:
1) O prisma quadrangular da figura a seguir é um poliedro
de Platão.
Relação de Euler
Em todo poliedro convexo sendo V o número de vértices, A
o número de arestas e F o número de faces, valem as seguintes
relações de Euler:

1) Poliedro Fechado: V – A + F = 2

2) Poliedro Aberto: V – A + F = 1
Vejamos se ele atende as condições:
Observação: Para calcular o número de arestas de um - todas as 6 faces são quadriláteros (n = 4);
poliedro temos que multiplicar o número de faces F pelo - todos os ângulos são triédricos (m = 3);
número de lados de cada face n e dividir por dois. Quando - sendo V = 8, F = 6 e A = 12, temos: 8 – 12 + 6 = 14 -12 = 2
temos mais de um tipo de face, basta somar os resultados.
𝑛. 𝐹 2) O prisma triangular da figura abaixo é poliedro de
𝐴=
2 Platão?

Podemos verificar a relação de Euler para alguns poliedros


não convexos. Assim dizemos:

Todo poliedro convexo é euleriano, mas nem todo poliedro


euleriano é convexo.

Exemplos:
As faces são 2 triangulares e 3 faces são quadrangulares,
1) O número de faces de um poliedro convexo que possui
logo não é um poliedro de Platão, uma vez que atende a uma
exatamente oito ângulos triédricos é?
das condições.
A cada 8 vértices do poliedro concorrem 3 arestas, assim o
número de arestas é dado por
- Propriedade: existem exatamente cinco poliedros de
𝑛. 𝐹 3.8 Platão (pois atendem as 3 condições). Determinados apenas
𝐴= →𝐴= = 12 pelos pares ordenados (m,n) como mostra a tabela abaixo.
2 2

Matemática 21
APOSTILAS OPÇÃO

m n A V F Poliedro Cilindro: tem duas bases geometricamente iguais


3 3 6 4 4 Tetraedro definidas por curvas fechadas em superfície lateral curva.
3 4 12 8 6 Hexaedro Cone: tem uma só base definida por uma linha curva
4 3 12 6 8 Octaedro fechada e uma superfície lateral curva.
3 5 30 20 12 Dodecaedro Esfera: é formada por uma única superfície curva.
5 3 30 12 20 Icosaedro
- Planificações de alguns Sólidos Geométricos

Poliedro Planificação Elementos

- 4 faces
triangulares
- 4 vértices
- 6 arestas

Tetraedro

Poliedros Regulares
Um poliedro e dito regular quando:
- suas faces são polígonos regulares congruentes;
- seus ângulos poliédricos são congruentes;
Por essas condições e observações podemos afirmar que - 6 faces
todos os poliedros de Platão são ditos Poliedros Regulares. quadrangular
Observação: es
- 8 vértices
Todo poliedro regular é poliedro de Platão, mas nem todo - 12 arestas
poliedro de Platão é poliedro regular.
Hexaedro
Por exemplo, uma caixa de bombom, como a da figura a
seguir, é um poliedro de Platão (hexaedro), mas não é um
poliedro regular, pois as faces não são polígonos regulares e
congruentes.

- 8 faces
triangulares
- 6 vértices
- 12 arestas

Octaedro
A figura se compara ao paralelepípedo que é um hexaedro,
e é um poliedro de Platão, mas não é considerado um poliedro
regular:

-12 faces
pentagonais
- 20 vértices
- 30 arestas

- Não Poliedros
Dodecaedro

Os sólidos acima são: Cilindro, Cone e Esfera, são


considerados não planos pois possuem suas superfícies
curvas.

Matemática 22
APOSTILAS OPÇÃO

03. Resposta: A.
Temos 2 faces triangulares, 2 faces quadrangulares e 4
faces pentagonais.
F=2+2+4
F=8
- 20 faces 𝟐.𝟑+𝟐.𝟒+𝟒.𝟓 𝟔+𝟖+𝟐𝟎 𝟑𝟒
triangulares 𝑨= = = = 𝟏𝟕
𝟐 𝟐 𝟐
- 12 vértices
- 30 arestas V–A+F=2
V – 17 + 8 = 2
V = 2 + 17 – 8
Icosaedro V = 11
A soma é:
S = (v – 2).260°
S = (11 – 2).360°
Referências S = 9.360°
http://educacao.uol.com.br S = 3240°
http://www.uel.br/cce/mat/geometrica/php/gd_t/gd_19t.php
http://www.infoescola.com

Questões

01. (PUC RS) Um poliedro convexo tem cinco faces


Anotações
triangulares e três pentagonais. O número de arestas e o
número de vértices deste poliedro são, respectivamente:
(A) 30 e 40
(B) 30 e 24
(C) 30 e 8
(D) 15 e 25
(E) 15 e 9

02. (ITA – SP) Considere um prisma regular em que a


soma dos ângulos internos de todas as faces é 7200°. O número
de vértices deste prisma é igual a:
(A) 11
(B) 32
(C) 10
(D) 22
(E) 20

03. (CEFET – PR) Um poliedro convexo possui duas faces


triangulares, duas quadrangulares e quatro pentagonais. Logo
a soma dos ângulos internos de todas as faces será:
(A) 3240°
(B) 3640°
(C) 3840°
(D) 4000°
(E) 4060°
Respostas

01. Resposta: E.
O poliedro tem 5 faces triangulares e 3 faces pentagonais,
logo, tem um total de 8 faces (F = 8). Como cada triângulo tem
3 lados e o pentágono 5 lados. Temos:

5.3+3.5 15+15 30
𝐴= = = = 15
2 2 2

V–A+F=2
V – 15 + 8 = 2
V = 2 + 15 – 8
V=9

02. Resposta: D.
Basta utilizar a fórmula da soma dos ângulos poliédricos.
S = (V – 2).360°
7200° = (V – 2).360° (passamos o 360° dividindo)
7200° : 360° = V – 2
20 = V – 2
V = 20 + 2
V = 22

Matemática 23
APOSTILAS OPÇÃO

Matemática 24
LEGISLAÇÃO
APOSTILAS OPÇÃO

XII - consideração com a diversidade étnico-racial.


XIII - garantia do direito à educação e à aprendizagem ao
longo da vida. (Incluído pela Lei nº 13.632, de 2018)

TÍTULO III
Do Direito à Educação e do Dever de Educar

Art. 4º O dever do Estado com educação escolar pública


será efetivado mediante a garantia de:
I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro)
BRASIL. Ministério da aos 17 (dezessete) anos de idade, organizada da seguinte
forma:
Educação e Cultura. Diretrizes e a) pré-escola;
Bases da Educação Nacional. Lei b) ensino fundamental;
no 9394, Brasília, 1996 c) ensino médio;
II - educação infantil gratuita às crianças de até 5 (cinco)
anos de idade;
LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 19961 III - atendimento educacional especializado gratuito aos
LEI DAS DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO educandos com deficiência, transtornos globais do
NACIONAL desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação,
transversal a todos os níveis, etapas e modalidades,
Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. preferencialmente na rede regular de ensino;
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o IV - acesso público e gratuito aos ensinos fundamental e
Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: médio para todos os que não os concluíram na idade própria;
V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa
TÍTULO I e da criação artística, segundo a capacidade de cada um;
Da Educação VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às
condições do educando;
Art. 1º A educação abrange os processos formativos que se VII - oferta de educação escolar regular para jovens e
desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no adultos, com características e modalidades adequadas às suas
trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos necessidades e disponibilidades, garantindo-se aos que forem
movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas trabalhadores as condições de acesso e permanência na
manifestações culturais. escola;
§ 1º Esta Lei disciplina a educação escolar, que se VIII - atendimento ao educando, em todas as etapas da
desenvolve, predominantemente, por meio do ensino, em educação básica, por meio de programas suplementares de
instituições próprias. material didático-escolar, transporte, alimentação e
§ 2º A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do assistência à saúde;
trabalho e à prática social. IX - padrões mínimos de qualidade de ensino, definidos
como a variedade e quantidade mínimas, por aluno, de
TÍTULO II insumos indispensáveis ao desenvolvimento do processo de
Dos Princípios e Fins da Educação Nacional ensino-aprendizagem.
X - vaga na escola pública de educação infantil ou de ensino
Art. 2º A educação, dever da família e do Estado, inspirada fundamental mais próxima de sua residência a toda criança a
nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade partir do dia em que completar 4 (quatro) anos de idade.
humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do
educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua Art. 4º-A. É assegurado atendimento educacional, durante
qualificação para o trabalho. o período de internação, ao aluno da educação básica
internado para tratamento de saúde em regime hospitalar ou
Art. 3º O ensino será ministrado com base nos seguintes domiciliar por tempo prolongado, conforme dispuser o Poder
princípios: Público em regulamento, na esfera de sua competência
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na federativa. (Incluído pela Lei nº 13.716, de 2018).
escola;
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a Art. 5º O acesso à educação básica obrigatória é direito
cultura, o pensamento, a arte e o saber; público subjetivo, podendo qualquer cidadão, grupo de
III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; cidadãos, associação comunitária, organização sindical,
IV - respeito à liberdade e apreço à tolerância; entidade de classe ou outra legalmente constituída e, ainda, o
V - coexistência de instituições públicas e privadas de Ministério Público, acionar o poder público para exigi-lo.
ensino; § 1º O poder público, na esfera de sua competência
VI - gratuidade do ensino público em estabelecimentos federativa, deverá:
oficiais; I - recensear anualmente as crianças e adolescentes em
VII - valorização do profissional da educação escolar; idade escolar, bem como os jovens e adultos que não
VIII - gestão democrática do ensino público, na forma desta concluíram a educação básica;
Lei e da legislação dos sistemas de ensino; II - fazer-lhes a chamada pública;
IX - garantia de padrão de qualidade; III - zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela frequência à
X - valorização da experiência extraescolar; escola.
XI - vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as § 2º Em todas as esferas administrativas, o Poder Público
práticas sociais. assegurará em primeiro lugar o acesso ao ensino obrigatório,

1http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em
28/01/2019.

Legislação 1
APOSTILAS OPÇÃO

nos termos deste artigo, contemplando em seguida os demais exercendo função normativa, redistributiva e supletiva em
níveis e modalidades de ensino, conforme as prioridades relação às demais instâncias educacionais.
constitucionais e legais. § 2º Os sistemas de ensino terão liberdade de organização
§ 3º Qualquer das partes mencionadas no caput deste nos termos desta Lei.
artigo tem legitimidade para peticionar no Poder Judiciário, na
hipótese do § 2º do art. 208 da Constituição Federal, sendo Art. 9º A União incumbir-se-á de:
gratuita e de rito sumário a ação judicial correspondente. I - elaborar o Plano Nacional de Educação, em colaboração
§ 4º Comprovada a negligência da autoridade competente com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios;
para garantir o oferecimento do ensino obrigatório, poderá ela II - organizar, manter e desenvolver os órgãos e
ser imputada por crime de responsabilidade. instituições oficiais do sistema federal de ensino e o dos
§ 5º Para garantir o cumprimento da obrigatoriedade de Territórios;
ensino, o Poder Público criará formas alternativas de acesso III - prestar assistência técnica e financeira aos Estados, ao
aos diferentes níveis de ensino, independentemente da Distrito Federal e aos Municípios para o desenvolvimento de
escolarização anterior. seus sistemas de ensino e o atendimento prioritário à
escolaridade obrigatória, exercendo sua função redistributiva
Art. 6º É dever dos pais ou responsáveis efetuar a e supletiva;
matrícula das crianças na educação básica a partir dos 4 IV - estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito
(quatro) anos de idade. Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a
educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que
Art. 7º O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as nortearão os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a
seguintes condições: assegurar formação básica comum;
I - cumprimento das normas gerais da educação nacional e IV-A - estabelecer, em colaboração com os Estados, o
do respectivo sistema de ensino; Distrito Federal e os Municípios, diretrizes e procedimentos
II - autorização de funcionamento e avaliação de qualidade para identificação, cadastramento e atendimento, na educação
pelo Poder Público; básica e na educação superior, de alunos com altas habilidades
III - capacidade de autofinanciamento, ressalvado o ou superdotação; (Incluído pela Lei nº 13.234, de 2015)
previsto no art. 213 da Constituição Federal. V - coletar, analisar e disseminar informações sobre a
educação;
VI - assegurar processo nacional de avaliação do
Prezado(a) Candidato(a), o Artigo 7-A foi acrescido pela rendimento escolar no ensino fundamental, médio e superior,
Lei nº 13.796, de 3 de janeiro de 2019), entrando em em colaboração com os sistemas de ensino, objetivando a
vigência apenas após 60 (sessenta) dias de sua publicação definição de prioridades e a melhoria da qualidade do ensino;
oficial, sendo assim no dia 04 de março de 2019. VII - baixar normas gerais sobre cursos de graduação e
pós-graduação;
“Art. 7º-A Ao aluno regularmente matriculado em VIII - assegurar processo nacional de avaliação das
instituição de ensino pública ou privada, de qualquer nível, é instituições de educação superior, com a cooperação dos
assegurado, no exercício da liberdade de consciência e de sistemas que tiverem responsabilidade sobre este nível de
crença, o direito de, mediante prévio e motivado requerimento, ensino;
ausentar-se de prova ou de aula marcada para dia em que, IX - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e
segundo os preceitos de sua religião, seja vedado o exercício de avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de
tais atividades, devendo-se-lhe atribuir, a critério da instituição educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de
e sem custos para o aluno, uma das seguintes prestações ensino.
alternativas, nos termos do inciso VIII do caput do art. 5º da § 1º Na estrutura educacional, haverá um Conselho
Constituição Federal: Nacional de Educação, com funções normativas e de
I - prova ou aula de reposição, conforme o caso, a ser supervisão e atividade permanente, criado por lei.
realizada em data alternativa, no turno de estudo do aluno ou § 2° Para o cumprimento do disposto nos incisos V a IX, a
em outro horário agendado com sua anuência expressa; União terá acesso a todos os dados e informações necessários
II - trabalho escrito ou outra modalidade de atividade de de todos os estabelecimentos e órgãos educacionais.
pesquisa, com tema, objetivo e data de entrega definidos pela § 3º As atribuições constantes do inciso IX poderão ser
instituição de ensino. delegadas aos Estados e ao Distrito Federal, desde que
§ 1º A prestação alternativa deverá observar os parâmetros mantenham instituições de educação superior.
curriculares e o plano de aula do dia da ausência do aluno.
§ 2º O cumprimento das formas de prestação alternativa de Art. 10. Os Estados incumbir-se-ão de:
que trata este artigo substituirá a obrigação original para todos I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições
os efeitos, inclusive regularização do registro de frequência. oficiais dos seus sistemas de ensino;
§ 3º As instituições de ensino implementarão II - definir, com os Municípios, formas de colaboração na
progressivamente, no prazo de 2 (dois) anos, as providências e oferta do ensino fundamental, as quais devem assegurar a
adaptações necessárias à adequação de seu funcionamento às distribuição proporcional das responsabilidades, de acordo
medidas previstas neste artigo. (Vide Lei nº 13.796, de 2019) com a população a ser atendida e os recursos financeiros
§ 4º O disposto neste artigo não se aplica ao ensino militar a disponíveis em cada uma dessas esferas do Poder Público;
que se refere o art. 83 desta Lei.” III - elaborar e executar políticas e planos educacionais, em
consonância com as diretrizes e planos nacionais de educação,
TÍTULO IV integrando e coordenando as suas ações e as dos seus
Da Organização da Educação Nacional Municípios;
IV - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e
Art. 8º A União, os Estados, o Distrito Federal e os avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de
Municípios organizarão, em regime de colaboração, os educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de
respectivos sistemas de ensino. ensino;
§ 1º Caberá à União a coordenação da política nacional de V - baixar normas complementares para o seu sistema de
educação, articulando os diferentes níveis e sistemas e ensino;

Legislação 2
APOSTILAS OPÇÃO

VI - assegurar o ensino fundamental e oferecer, com VI - colaborar com as atividades de articulação da escola
prioridade, o ensino médio a todos que o demandarem, com as famílias e a comunidade.
respeitado o disposto no art. 38 desta Lei;
VII - assumir o transporte escolar dos alunos da rede Art. 14. Os sistemas de ensino definirão as normas da
estadual. gestão democrática do ensino público na educação básica, de
Parágrafo único. Ao Distrito Federal aplicar-se-ão as acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes
competências referentes aos Estados e aos Municípios. princípios:
I - participação dos profissionais da educação na
Art. 11. Os Municípios incumbir-se-ão de: elaboração do projeto pedagógico da escola;
I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições II - participação das comunidades escolar e local em
oficiais dos seus sistemas de ensino, integrando-os às políticas conselhos escolares ou equivalentes.
e planos educacionais da União e dos Estados;
II - exercer ação redistributiva em relação às suas escolas; Art. 15. Os sistemas de ensino assegurarão às unidades
III - baixar normas complementares para o seu sistema de escolares públicas de educação básica que os integram
ensino; progressivos graus de autonomia pedagógica e administrativa
IV - autorizar, credenciar e supervisionar os e de gestão financeira, observadas as normas gerais de direito
estabelecimentos do seu sistema de ensino; financeiro público.
V - oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas, e,
com prioridade, o ensino fundamental, permitida a atuação em Art. 16. O sistema federal de ensino compreende:
outros níveis de ensino somente quando estiverem atendidas I - as instituições de ensino mantidas pela União;
plenamente as necessidades de sua área de competência e com II - as instituições de educação superior criadas e mantidas
recursos acima dos percentuais mínimos vinculados pela pela iniciativa privada;
Constituição Federal à manutenção e desenvolvimento do III - os órgãos federais de educação.
ensino.
VI - assumir o transporte escolar dos alunos da rede Art. 17. Os sistemas de ensino dos Estados e do Distrito
municipal. Federal compreendem:
Parágrafo único. Os Municípios poderão optar, ainda, por I - as instituições de ensino mantidas, respectivamente,
se integrar ao sistema estadual de ensino ou compor com ele pelo Poder Público estadual e pelo Distrito Federal;
um sistema único de educação básica. II - as instituições de educação superior mantidas pelo
Poder Público municipal;
Art. 12. Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as III - as instituições de ensino fundamental e médio criadas
normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a e mantidas pela iniciativa privada;
incumbência de: IV - os órgãos de educação estaduais e do Distrito Federal,
I - elaborar e executar sua proposta pedagógica; respectivamente.
II - administrar seu pessoal e seus recursos materiais e Parágrafo único. No Distrito Federal, as instituições de
financeiros; educação infantil, criadas e mantidas pela iniciativa privada,
III - assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula integram seu sistema de ensino.
estabelecidas;
IV - velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada Art. 18. Os sistemas municipais de ensino compreendem:
docente; I - as instituições do ensino fundamental, médio e de
V - prover meios para a recuperação dos alunos de menor educação infantil mantidas pelo Poder Público municipal;
rendimento; II - as instituições de educação infantil criadas e mantidas
VI - articular-se com as famílias e a comunidade, criando pela iniciativa privada;
processos de integração da sociedade com a escola; III - os órgãos municipais de educação.
VII - informar pai e mãe, conviventes ou não com seus
filhos, e, se for o caso, os responsáveis legais, sobre a Art. 19. As instituições de ensino dos diferentes níveis
frequência e rendimento dos alunos, bem como sobre a classificam-se nas seguintes categorias administrativas:
execução da proposta pedagógica da escola; I - públicas, assim entendidas as criadas ou incorporadas,
VIII - notificar ao Conselho Tutelar do Município a relação mantidas e administradas pelo Poder Público;
dos alunos que apresentem quantidade de faltas acima de 30% II - privadas, assim entendidas as mantidas e
(trinta por cento) do percentual permitido em lei; (Redação administradas por pessoas físicas ou jurídicas de direito
dada pela Lei nº 13.803, de 2019) privado.
IX - promover medidas de conscientização, de prevenção e
de combate a todos os tipos de violência, especialmente a Art. 20. As instituições privadas de ensino se enquadrarão
intimidação sistemática (bullying), no âmbito das escolas; nas seguintes categorias: (Regulamento)
(Incluído pela Lei nº 13.663, de 2018) I - particulares em sentido estrito, assim entendidas as que
X - estabelecer ações destinadas a promover a cultura de são instituídas e mantidas por uma ou mais pessoas físicas ou
paz nas escolas. (Incluído pela Lei nº 13.663, de 2018) jurídicas de direito privado que não apresentem as
características dos incisos abaixo;
Art. 13. Os docentes incumbir-se-ão de: II - comunitárias, assim entendidas as que são instituídas
I - participar da elaboração da proposta pedagógica do por grupos de pessoas físicas ou por uma ou mais pessoas
estabelecimento de ensino; jurídicas, inclusive cooperativas educacionais, sem fins
II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a lucrativos, que incluam na sua entidade mantenedora
proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; representantes da comunidade;
III - zelar pela aprendizagem dos alunos; III - confessionais, assim entendidas as que são instituídas
IV - estabelecer estratégias de recuperação para os alunos por grupos de pessoas físicas ou por uma ou mais pessoas
de menor rendimento; jurídicas que atendem a orientação confessional e ideologia
V - ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, específicas e ao disposto no inciso anterior;
além de participar integralmente dos períodos dedicados ao IV - filantrópicas, na forma da lei.
planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional;

Legislação 3
APOSTILAS OPÇÃO

TÍTULO V c) possibilidade de avanço nos cursos e nas séries


Dos Níveis e das Modalidades de Educação e Ensino mediante verificação do aprendizado;
CAPÍTULO I d) aproveitamento de estudos concluídos com êxito;
Da Composição dos Níveis Escolares e) obrigatoriedade de estudos de recuperação, de
preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo
Art. 21. A educação escolar compõe-se de: rendimento escolar, a serem disciplinados pelas instituições
I - educação básica, formada pela educação infantil, ensino de ensino em seus regimentos;
fundamental e ensino médio; VI - o controle de frequência fica a cargo da escola,
II - educação superior. conforme o disposto no seu regimento e nas normas do
respectivo sistema de ensino, exigida a frequência mínima de
CAPÍTULO II setenta e cinco por cento do total de horas letivas para
DA EDUCAÇÃO BÁSICA aprovação;
Seção I VII - cabe a cada instituição de ensino expedir históricos
Das Disposições Gerais escolares, declarações de conclusão de série e diplomas ou
certificados de conclusão de cursos, com as especificações
Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver cabíveis.
o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável § 1º A carga horária mínima anual de que trata o inciso I do
para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para caput deverá ser ampliada de forma progressiva, no ensino
progredir no trabalho e em estudos posteriores. médio, para mil e quatrocentas horas, devendo os sistemas de
ensino oferecer, no prazo máximo de cinco anos, pelo menos
Art. 23. A educação básica poderá organizar-se em séries mil horas anuais de carga horária, a partir de 2 de março de
anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de 2017. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
períodos de estudos, grupos não-seriados, com base na idade, § 2º Os sistemas de ensino disporão sobre a oferta de
na competência e em outros critérios, ou por forma diversa de educação de jovens e adultos e de ensino noturno regular,
organização, sempre que o interesse do processo de adequado às condições do educando, conforme o inciso VI do
aprendizagem assim o recomendar. art. 4º. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 1º A escola poderá reclassificar os alunos, inclusive
quando se tratar de transferências entre estabelecimentos Art. 25. Será objetivo permanente das autoridades
situados no País e no exterior, tendo como base as normas responsáveis alcançar relação adequada entre o número de
curriculares gerais. alunos e o professor, a carga horária e as condições materiais
§ 2º O calendário escolar deverá adequar-se às do estabelecimento.
peculiaridades locais, inclusive climáticas e econômicas, a Parágrafo único. Cabe ao respectivo sistema de ensino, à
critério do respectivo sistema de ensino, sem com isso reduzir vista das condições disponíveis e das características regionais
o número de horas letivas previsto nesta Lei. e locais, estabelecer parâmetro para atendimento do disposto
neste artigo.
Art. 24. A educação básica, nos níveis fundamental e médio,
será organizada de acordo com as seguintes regras comuns: Art. 26. Os currículos da educação infantil, do ensino
I - a carga horária mínima anual será de oitocentas horas fundamental e do ensino médio devem ter base nacional
para o ensino fundamental e para o ensino médio, distribuídas comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e em
por um mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar, cada estabelecimento escolar, por uma parte diversificada,
excluído o tempo reservado aos exames finais, quando houver; exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017) cultura, da economia e dos educandos.
II - a classificação em qualquer série ou etapa, exceto a § 1º Os currículos a que se refere o caput devem abranger,
primeira do ensino fundamental, pode ser feita: obrigatoriamente, o estudo da língua portuguesa e da
a) por promoção, para alunos que cursaram, com matemática, o conhecimento do mundo físico e natural e da
aproveitamento, a série ou fase anterior, na própria escola; realidade social e política, especialmente do Brasil.
b) por transferência, para candidatos procedentes de § 2º O ensino da arte, especialmente em suas expressões
outras escolas; regionais, constituirá componente curricular obrigatório da
c) independentemente de escolarização anterior, mediante educação básica. (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
avaliação feita pela escola, que defina o grau de § 3º A educação física, integrada à proposta pedagógica da
desenvolvimento e experiência do candidato e permita sua escola, é componente curricular obrigatório da educação
inscrição na série ou etapa adequada, conforme básica, sendo sua prática facultativa ao aluno:
regulamentação do respectivo sistema de ensino; I - que cumpra jornada de trabalho igual ou superior a seis
III - nos estabelecimentos que adotam a progressão regular horas;
por série, o regimento escolar pode admitir formas de II - maior de trinta anos de idade;
progressão parcial, desde que preservada a sequência do III - que estiver prestando serviço militar inicial ou que, em
currículo, observadas as normas do respectivo sistema de situação similar, estiver obrigado à prática da educação física;
ensino; IV - amparado pelo Decreto-Lei nº 1.044, de 21 de outubro
IV - poderão organizar-se classes, ou turmas, com alunos de 1969;
de séries distintas, com níveis equivalentes de adiantamento V - (Vetado)
na matéria, para o ensino de línguas estrangeiras, artes, ou VI - que tenha prole.
outros componentes curriculares; § 4º O ensino da História do Brasil levará em conta as
V - a verificação do rendimento escolar observará os contribuições das diferentes culturas e etnias para a formação
seguintes critérios: do povo brasileiro, especialmente das matrizes indígena,
a) avaliação contínua e cumulativa do desempenho do africana e europeia.
aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os § 5º No currículo do ensino fundamental, a partir do sexto
quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de ano, será ofertada a língua inglesa. (Redação dada pela Lei nº
eventuais provas finais; 13.415, de 2017)
b) possibilidade de aceleração de estudos para alunos com § 6º As artes visuais, a dança, a música e o teatro são as
atraso escolar; linguagens que constituirão o componente curricular de que

Legislação 4
APOSTILAS OPÇÃO

trata o § 2º deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 13.278, de Seção II


2016). Da Educação Infantil
§ 7º A integralização curricular poderá incluir, a critério
dos sistemas de ensino, projetos e pesquisas envolvendo os Art. 29. A educação infantil, primeira etapa da educação
temas transversais de que trata o caput. (Redação dada pela básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da
Lei nº 13.415, de 2017) criança de até 5 (cinco) anos, em seus aspectos físico,
§ 8º A exibição de filmes de produção nacional constituirá psicológico, intelectual e social, complementando a ação da
componente curricular complementar integrado à proposta família e da comunidade.
pedagógica da escola, sendo a sua exibição obrigatória por, no
mínimo, 2 (duas) horas mensais. Art. 30. A educação infantil será oferecida em:
§ 9º Conteúdos relativos aos direitos humanos e à I - creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até
prevenção de todas as formas de violência contra a criança e três anos de idade;
ao adolescente serão incluídos, como temas transversais, nos II - pré-escolas, para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco)
currículos escolares de que trata o caput deste artigo, tendo anos de idade.
como diretriz a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto
da Criança e do Adolescente), observada a produção e Art. 31. A educação infantil será organizada de acordo com
distribuição de material didático adequado. as seguintes regras comuns:
§ 9º-A. A educação alimentar e nutricional será incluída I - avaliação mediante acompanhamento e registro do
entre os temas transversais de que trata o caput. (Incluído pela desenvolvimento das crianças, sem o objetivo de promoção,
Lei nº 13.666, de 2018) mesmo para o acesso ao ensino fundamental;
§ 10. A inclusão de novos componentes curriculares de II - carga horária mínima anual de 800 (oitocentas) horas,
caráter obrigatório na Base Nacional Comum Curricular distribuída por um mínimo de 200 (duzentos) dias de trabalho
dependerá de aprovação do Conselho Nacional de Educação e educacional;
de homologação pelo Ministro de Estado da Educação. III - atendimento à criança de, no mínimo, 4 (quatro) horas
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) diárias para o turno parcial e de 7 (sete) horas para a jornada
integral;
Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e IV - controle de frequência pela instituição de educação
de ensino médio, públicos e privados, torna-se obrigatório o pré-escolar, exigida a frequência mínima de 60% (sessenta por
estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena. cento) do total de horas;
§ 1º O conteúdo programático a que se refere este artigo V - expedição de documentação que permita atestar os
incluirá diversos aspectos da história e da cultura que processos de desenvolvimento e aprendizagem da criança.
caracterizam a formação da população brasileira, a partir
desses dois grupos étnicos, tais como o estudo da história da Seção III
África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas Do Ensino Fundamental
no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o
índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas Art. 32. O ensino fundamental obrigatório, com duração de
contribuições nas áreas social, econômica e política, 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6
pertinentes à história do Brasil. (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do
§ 2º Os conteúdos referentes à história e cultura afro- cidadão, mediante:
brasileira e dos povos indígenas brasileiros serão ministrados I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo
no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do
educação artística e de literatura e história brasileiras. cálculo;
II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema
Art. 27. Os conteúdos curriculares da educação básica político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se
observarão, ainda, as seguintes diretrizes: fundamenta a sociedade;
I - a difusão de valores fundamentais ao interesse social, III - o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem,
aos direitos e deveres dos cidadãos, de respeito ao bem tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a
comum e à ordem democrática; formação de atitudes e valores;
II - consideração das condições de escolaridade dos alunos IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de
em cada estabelecimento; solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se
III - orientação para o trabalho; assenta a vida social.
IV - promoção do desporto educacional e apoio às práticas § 1º É facultado aos sistemas de ensino desdobrar o ensino
desportivas não-formais. fundamental em ciclos.
§ 2º Os estabelecimentos que utilizam progressão regular
Art. 28. Na oferta de educação básica para a população por série podem adotar no ensino fundamental o regime de
rural, os sistemas de ensino promoverão as adaptações progressão continuada, sem prejuízo da avaliação do processo
necessárias à sua adequação às peculiaridades da vida rural e de ensino-aprendizagem, observadas as normas do respectivo
de cada região, especialmente: sistema de ensino.
I - conteúdos curriculares e metodologias apropriadas às § 3º O ensino fundamental regular será ministrado em
reais necessidades e interesses dos alunos da zona rural; língua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas a
II - organização escolar própria, incluindo adequação do utilização de suas línguas maternas e processos próprios de
calendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições aprendizagem.
climáticas; § 4º O ensino fundamental será presencial, sendo o ensino
III - adequação à natureza do trabalho na zona rural. a distância utilizado como complementação da aprendizagem
Parágrafo único. O fechamento de escolas do campo, ou em situações emergenciais.
indígenas e quilombolas será precedido de manifestação do § 5o O currículo do ensino fundamental incluirá,
órgão normativo do respectivo sistema de ensino, que obrigatoriamente, conteúdo que trate dos direitos das crianças
considerará a justificativa apresentada pela Secretaria de e dos adolescentes, tendo como diretriz a Lei no 8.069, de 13
Educação, a análise do diagnóstico do impacto da ação e a de julho de 1990, que institui o Estatuto da Criança e do
manifestação da comunidade escolar.

Legislação 5
APOSTILAS OPÇÃO

Adolescente, observada a produção e distribuição de material § 3º O ensino da língua portuguesa e da matemática será
didático adequado. obrigatório nos três anos do ensino médio, assegurada às
§ 6º O estudo sobre os símbolos nacionais será incluído comunidades indígenas, também, a utilização das respectivas
como tema transversal nos currículos do ensino fundamental. línguas maternas. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 4º Os currículos do ensino médio incluirão,
Art. 33. O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte obrigatoriamente, o estudo da língua inglesa e poderão ofertar
integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina outras línguas estrangeiras, em caráter optativo,
dos horários normais das escolas públicas de ensino preferencialmente o espanhol, de acordo com a
fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural disponibilidade de oferta, locais e horários definidos pelos
religiosa do Brasil, vedadas quaisquer formas de proselitismo. sistemas de ensino. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 1º Os sistemas de ensino regulamentarão os § 5º A carga horária destinada ao cumprimento da Base
procedimentos para a definição dos conteúdos do ensino Nacional Comum Curricular não poderá ser superior a mil e
religioso e estabelecerão as normas para a habilitação e oitocentas horas do total da carga horária do ensino médio, de
admissão dos professores. acordo com a definição dos sistemas de ensino. (Incluído pela
§ 2º Os sistemas de ensino ouvirão entidade civil, Lei nº 13.415, de 2017)
constituída pelas diferentes denominações religiosas, para a § 6º A União estabelecerá os padrões de desempenho
definição dos conteúdos do ensino religioso. esperados para o ensino médio, que serão referência nos
processos nacionais de avaliação, a partir da Base Nacional
Art. 34. A jornada escolar no ensino fundamental incluirá Comum Curricular. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
pelo menos quatro horas de trabalho efetivo em sala de aula, § 7º Os currículos do ensino médio deverão considerar a
sendo progressivamente ampliado o período de permanência formação integral do aluno, de maneira a adotar um trabalho
na escola. voltado para a construção de seu projeto de vida e para sua
§ 1º São ressalvados os casos do ensino noturno e das formação nos aspectos físicos, cognitivos e sócio emocionais.
formas alternativas de organização autorizadas nesta Lei. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 2º O ensino fundamental será ministrado § 8º Os conteúdos, as metodologias e as formas de
progressivamente em tempo integral, a critério dos sistemas avaliação processual e formativa serão organizados nas redes
de ensino. de ensino por meio de atividades teóricas e práticas, provas
orais e escritas, seminários, projetos e atividades on-line, de
Seção IV tal forma que ao final do ensino médio o educando demonstre:
Do Ensino Médio (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
I - domínio dos princípios científicos e tecnológicos que
Art. 35. O ensino médio, etapa final da educação básica, presidem a produção moderna; (Incluído pela Lei nº 13.415,
com duração mínima de três anos, terá como finalidades: de 2017)
I - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos II - conhecimento das formas contemporâneas de
adquiridos no ensino fundamental, possibilitando o linguagem. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
prosseguimento de estudos;
II - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do Art. 36. O currículo do ensino médio será composto pela
educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de Base Nacional Comum Curricular e por itinerários formativos,
se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou que deverão ser organizados por meio da oferta de diferentes
aperfeiçoamento posteriores; arranjos curriculares, conforme a relevância para o contexto
III - o aprimoramento do educando como pessoa humana, local e a possibilidade dos sistemas de ensino, a saber:
incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
intelectual e do pensamento crítico; I - linguagens e suas tecnologias; (Redação dada pela Lei nº
IV - a compreensão dos fundamentos científico- 13.415, de 2017)
tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria II - matemática e suas tecnologias; (Redação dada pela Lei
com a prática, no ensino de cada disciplina. nº 13.415, de 2017)
III - ciências da natureza e suas tecnologias; (Redação dada
Art. 35-A. A Base Nacional Comum Curricular definirá pela Lei nº 13.415, de 2017)
direitos e objetivos de aprendizagem do ensino médio, IV - ciências humanas e sociais aplicadas; (Redação dada
conforme diretrizes do Conselho Nacional de Educação, nas pela Lei nº 13.415, de 2017)
seguintes áreas do conhecimento: (Incluído pela Lei nº 13.415, V - formação técnica e profissional. (Incluído pela Lei nº
de 2017) 13.415, de 2017)
I - linguagens e suas tecnologias; (Incluído pela Lei nº § 1º A organização das áreas de que trata o caput e das
13.415, de 2017) respectivas competências e habilidades será feita de acordo
II - matemática e suas tecnologias; (Incluído pela Lei nº com critérios estabelecidos em cada sistema de ensino.
13.415, de 2017) (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
III - ciências da natureza e suas tecnologias; (Incluído pela I - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
Lei nº 13.415, de 2017) II - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
IV - ciências humanas e sociais aplicadas. (Incluído pela Lei III - (revogado).
nº 13.415, de 2017) § 2º (Revogado pela Lei nº 11.741, de 2008)
§ 1º A parte diversificada dos currículos de que trata o § 3º A critério dos sistemas de ensino, poderá ser
caput do art. 26, definida em cada sistema de ensino, deverá composto itinerário formativo integrado, que se traduz na
estar harmonizada à Base Nacional Comum Curricular e ser composição de componentes curriculares da Base Nacional
articulada a partir do contexto histórico, econômico, social, Comum Curricular - BNCC e dos itinerários formativos,
ambiental e cultural. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) considerando os incisos I a V do caput. (Redação dada pela Lei
§ 2º A Base Nacional Comum Curricular referente ao nº 13.415, de 2017)
ensino médio incluirá obrigatoriamente estudos e práticas de § 4º (Revogado pela Lei nº 11.741, de 2008)
educação física, arte, sociologia e filosofia. (Incluído pela Lei nº § 5º Os sistemas de ensino, mediante disponibilidade de
13.415, de 2017) vagas na rede, possibilitarão ao aluno concluinte do ensino

Legislação 6
APOSTILAS OPÇÃO

médio cursar mais um itinerário formativo de que trata o educando, poderá prepará-lo para o exercício de profissões
caput. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) técnicas.
§ 6º A critério dos sistemas de ensino, a oferta de formação Parágrafo único. A preparação geral para o trabalho e,
com ênfase técnica e profissional considerará: (Incluído pela facultativamente, a habilitação profissional poderão ser
Lei nº 13.415, de 2017) desenvolvidas nos próprios estabelecimentos de ensino médio
I - a inclusão de vivências práticas de trabalho no setor ou em cooperação com instituições especializadas em
produtivo ou em ambientes de simulação, estabelecendo educação profissional.
parcerias e fazendo uso, quando aplicável, de instrumentos
estabelecidos pela legislação sobre aprendizagem Art. 36-B. A educação profissional técnica de nível médio
profissional; (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) será desenvolvida nas seguintes formas:
II - a possibilidade de concessão de certificados I - articulada com o ensino médio;
intermediários de qualificação para o trabalho, quando a II - subsequente, em cursos destinados a quem já tenha
formação for estruturada e organizada em etapas com concluído o ensino médio.
terminalidade. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) Parágrafo único. A educação profissional técnica de nível
§ 7º A oferta de formações experimentais relacionadas ao médio deverá observar:
inciso V do caput, em áreas que não constem do Catálogo I - os objetivos e definições contidos nas diretrizes
Nacional dos Cursos Técnicos, dependerá, para sua curriculares nacionais estabelecidas pelo Conselho Nacional
continuidade, do reconhecimento pelo respectivo Conselho de Educação;
Estadual de Educação, no prazo de três anos, e da inserção no II - as normas complementares dos respectivos sistemas de
Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, no prazo de cinco anos, ensino;
contados da data de oferta inicial da formação. (Incluído pela III - as exigências de cada instituição de ensino, nos termos
Lei nº 13.415, de 2017) de seu projeto pedagógico.
§ 8º A oferta de formação técnica e profissional a que se
refere o inciso V do caput, realizada na própria instituição ou Art. 36-C. A educação profissional técnica de nível médio
em parceria com outras instituições, deverá ser aprovada articulada, prevista no inciso I do caput do art. 36-B desta Lei,
previamente pelo Conselho Estadual de Educação, será desenvolvida de forma:
homologada pelo Secretário Estadual de Educação e I - integrada, oferecida somente a quem já tenha concluído
certificada pelos sistemas de ensino. (Incluído pela Lei nº o ensino fundamental, sendo o curso planejado de modo a
13.415, de 2017) conduzir o aluno à habilitação profissional técnica de nível
§ 9º As instituições de ensino emitirão certificado com médio, na mesma instituição de ensino, efetuando-se
validade nacional, que habilitará o concluinte do ensino médio matrícula única para cada aluno;
ao prosseguimento dos estudos em nível superior ou em II - concomitante, oferecida a quem ingresse no ensino
outros cursos ou formações para os quais a conclusão do médio ou já o estejam cursando, efetuando-se matrículas
ensino médio seja etapa obrigatória. (Incluído pela Lei nº distintas para cada curso, e podendo ocorrer:
13.415, de 2017) a) na mesma instituição de ensino, aproveitando-se as
§ 10. Além das formas de organização previstas no art. 23, oportunidades educacionais disponíveis;
o ensino médio poderá ser organizado em módulos e adotar o b) em instituições de ensino distintas, aproveitando-se as
sistema de créditos com terminalidade específica. (Incluído oportunidades educacionais disponíveis;
pela Lei nº 13.415, de 2017) c) em instituições de ensino distintas, mediante convênios
§ 11. Para efeito de cumprimento das exigências de intercomplementaridade, visando ao planejamento e ao
curriculares do ensino médio, os sistemas de ensino poderão desenvolvimento de projeto pedagógico unificado.
reconhecer competências e firmar convênios com instituições
de educação a distância com notório reconhecimento, Art. 36-D. Os diplomas de cursos de educação profissional
mediante as seguintes formas de comprovação: (Incluído pela técnica de nível médio, quando registrados, terão validade
Lei nº 13.415, de 2017) nacional e habilitarão ao prosseguimento de estudos na
I - demonstração prática; (Incluído pela Lei nº 13.415, de educação superior.
2017) Parágrafo único. Os cursos de educação profissional
II - experiência de trabalho supervisionado ou outra técnica de nível médio, nas formas articulada concomitante e
experiência adquirida fora do ambiente escolar; (Incluído pela subsequente, quando estruturados e organizados em etapas
Lei nº 13.415, de 2017) com terminalidade, possibilitarão a obtenção de certificados
III - atividades de educação técnica oferecidas em outras de qualificação para o trabalho após a conclusão, com
instituições de ensino credenciadas; (Incluído pela Lei nº aproveitamento, de cada etapa que caracterize uma
13.415, de 2017) qualificação para o trabalho.
IV - cursos oferecidos por centros ou programas
ocupacionais; (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) Seção V
V - estudos realizados em instituições de ensino nacionais Da Educação de Jovens e Adultos
ou estrangeiras; (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
VI - cursos realizados por meio de educação a distância ou Art. 37. A educação de jovens e adultos será destinada
educação presencial mediada por tecnologias. (Incluído pela àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos
Lei nº 13.415, de 2017) nos ensinos fundamental e médio na idade própria e
§ 12. As escolas deverão orientar os alunos no processo de constituirá instrumento para a educação e a aprendizagem ao
escolha das áreas de conhecimento ou de atuação profissional longo da vida. (Redação dada pela Lei nº 13.632, de 2018)
previstas no caput. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) § 1º Os sistemas de ensino assegurarão gratuitamente aos
jovens e aos adultos, que não puderam efetuar os estudos na
Seção IV-A idade regular, oportunidades educacionais apropriadas,
Da Educação Profissional Técnica de Nível Médio consideradas as características do alunado, seus interesses,
condições de vida e de trabalho, mediante cursos e exames.
Art. 36-A. Sem prejuízo do disposto na Seção IV deste § 2º O Poder Público viabilizará e estimulará o acesso e a
Capítulo, o ensino médio, atendida a formação geral do permanência do trabalhador na escola, mediante ações
integradas e complementares entre si.

Legislação 7
APOSTILAS OPÇÃO

§ 3º A educação de jovens e adultos deverá articular-se, III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação
preferencialmente, com a educação profissional, na forma do científica, visando o desenvolvimento da ciência e da
regulamento. tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo,
desenvolver o entendimento do homem e do meio em que
Art. 38. Os sistemas de ensino manterão cursos e exames vive;
supletivos, que compreenderão a base nacional comum do IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais,
currículo, habilitando ao prosseguimento de estudos em científicos e técnicos que constituem patrimônio da
caráter regular. humanidade e comunicar o saber através do ensino, de
§ 1º Os exames a que se refere este artigo realizar-se-ão: publicações ou de outras formas de comunicação;
I - no nível de conclusão do ensino fundamental, para os V - suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento
maiores de quinze anos; cultural e profissional e possibilitar a correspondente
II - no nível de conclusão do ensino médio, para os maiores concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo
de dezoito anos. adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do
§ 2º Os conhecimentos e habilidades adquiridos pelos conhecimento de cada geração;
educandos por meios informais serão aferidos e reconhecidos VI - estimular o conhecimento dos problemas do mundo
mediante exames. presente, em particular os nacionais e regionais, prestar
serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta
CAPÍTULO III uma relação de reciprocidade;
DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VII - promover a extensão, aberta à participação da
Da Educação Profissional e Tecnológica população, visando à difusão das conquistas e benefícios
resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e
Art. 39. A educação profissional e tecnológica, no tecnológica geradas na instituição.
cumprimento dos objetivos da educação nacional, integra-se VIII - atuar em favor da universalização e do
aos diferentes níveis e modalidades de educação e às aprimoramento da educação básica, mediante a formação e a
dimensões do trabalho, da ciência e da tecnologia. capacitação de profissionais, a realização de pesquisas
§ 1o Os cursos de educação profissional e tecnológica pedagógicas e o desenvolvimento de atividades de extensão
poderão ser organizados por eixos tecnológicos, que aproximem os dois níveis escolares. (Incluído pela Lei nº
possibilitando a construção de diferentes itinerários 13.174, de 2015)
formativos, observadas as normas do respectivo sistema e
nível de ensino. Art. 44. A educação superior abrangerá os seguintes cursos
§ 2o A educação profissional e tecnológica abrangerá os e programas:
seguintes cursos: I - cursos sequenciais por campo de saber, de diferentes
I - de formação inicial e continuada ou qualificação níveis de abrangência, abertos a candidatos que atendam aos
profissional; requisitos estabelecidos pelas instituições de ensino, desde
II - de educação profissional técnica de nível médio; que tenham concluído o ensino médio ou equivalente;
III - de educação profissional tecnológica de graduação e II - de graduação, abertos a candidatos que tenham
pós-graduação. concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido
§ 3o Os cursos de educação profissional tecnológica de classificados em processo seletivo;
graduação e pós-graduação organizar-se-ão, no que concerne III - de pós-graduação, compreendendo programas de
a objetivos, características e duração, de acordo com as mestrado e doutorado, cursos de especialização,
diretrizes curriculares nacionais estabelecidas pelo Conselho aperfeiçoamento e outros, abertos a candidatos diplomados
Nacional de Educação. em cursos de graduação e que atendam às exigências das
instituições de ensino;
Art. 40. A educação profissional será desenvolvida em IV - de extensão, abertos a candidatos que atendam aos
articulação com o ensino regular ou por diferentes estratégias requisitos estabelecidos em cada caso pelas instituições de
de educação continuada, em instituições especializadas ou no ensino.
ambiente de trabalho. § 1º Os resultados do processo seletivo referido no inciso
II do caput deste artigo serão tornados públicos pelas
Art. 41. O conhecimento adquirido na educação instituições de ensino superior, sendo obrigatória a divulgação
profissional e tecnológica, inclusive no trabalho, poderá ser da relação nominal dos classificados, a respectiva ordem de
objeto de avaliação, reconhecimento e certificação para classificação, bem como do cronograma das chamadas para
prosseguimento ou conclusão de estudos. matrícula, de acordo com os critérios para preenchimento das
vagas constantes do respectivo edital.
Art. 42. As instituições de educação profissional e § 2º No caso de empate no processo seletivo, as instituições
tecnológica, além dos seus cursos regulares, oferecerão cursos públicas de ensino superior darão prioridade de matrícula ao
especiais, abertos à comunidade, condicionada a matrícula à candidato que comprove ter renda familiar inferior a dez
capacidade de aproveitamento e não necessariamente ao nível salários mínimos, ou ao de menor renda familiar, quando mais
de escolaridade. de um candidato preencher o critério inicial. (Incluído pela Lei
nº 13.184, de 2015)
CAPÍTULO IV § 3º O processo seletivo referido no inciso II considerará
Da Educação Superior as competências e as habilidades definidas na Base Nacional
Comum Curricular. (Incluído pela lei nº 13.415, de 2017)
Art. 43. A educação superior tem por finalidade:
I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do Art. 45. A educação superior será ministrada em
espírito científico e do pensamento reflexivo; instituições de ensino superior, públicas ou privadas, com
II - formar diplomados nas diferentes áreas de variados graus de abrangência ou especialização.
conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais
e para a participação no desenvolvimento da sociedade Art. 46. A autorização e o reconhecimento de cursos, bem
brasileira, e colaborar na sua formação contínua; como o credenciamento de instituições de educação superior,

Legislação 8
APOSTILAS OPÇÃO

terão prazos limitados, sendo renovados, periodicamente, b) a publicação deve ser feita até 1 (um) mês antes do início
após processo regular de avaliação. das aulas; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
§ 1º Após um prazo para saneamento de deficiências c) caso haja mudança na grade do curso ou no corpo
eventualmente identificadas pela avaliação a que se refere este docente até o início das aulas, os alunos devem ser
artigo, haverá reavaliação, que poderá resultar, conforme o comunicados sobre as alterações; (Incluída pela lei nº 13.168,
caso, em desativação de cursos e habilitações, em intervenção de 2015)
na instituição, em suspensão temporária de prerrogativas da V - deve conter as seguintes informações: (Incluído pela lei
autonomia, ou em descredenciamento. nº 13.168, de 2015)
§ 2º No caso de instituição pública, o Poder Executivo a) a lista de todos os cursos oferecidos pela instituição de
responsável por sua manutenção acompanhará o processo de ensino superior; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
saneamento e fornecerá recursos adicionais, se necessários, b) a lista das disciplinas que compõem a grade curricular
para a superação das deficiências. de cada curso e as respectivas cargas horárias; (Incluída pela
§ 3º No caso de instituição privada, além das sanções lei nº 13.168, de 2015)
previstas no § 1o deste artigo, o processo de reavaliação c) a identificação dos docentes que ministrarão as aulas em
poderá resultar em redução de vagas autorizadas e em cada curso, as disciplinas que efetivamente ministrará naquele
suspensão temporária de novos ingressos e de oferta de curso ou cursos, sua titulação, abrangendo a qualificação
cursos. (Alterado pela Lei 13.530/2017). profissional do docente e o tempo de casa do docente, de forma
§ 4º É facultado ao Ministério da Educação, mediante total, contínua ou intermitente. (Incluída pela lei nº 13.168, de
procedimento específico e com aquiescência da instituição de 2015)
ensino, com vistas a resguardar os interesses dos estudantes, § 2º Os alunos que tenham extraordinário aproveitamento
comutar as penalidades previstas nos §§ 1o e 3o deste artigo nos estudos, demonstrado por meio de provas e outros
por outras medidas, desde que adequadas para superação das instrumentos de avaliação específicos, aplicados por banca
deficiências e irregularidades constatadas. (Alterado pela Lei examinadora especial, poderão ter abreviada a duração dos
13.530/2017). seus cursos, de acordo com as normas dos sistemas de ensino.
§ 5º Para fins de regulação, os Estados e o Distrito Federal § 3º É obrigatória a frequência de alunos e professores,
deverão adotar os critérios definidos pela União para salvo nos programas de educação a distância.
autorização de funcionamento de curso de graduação em § 4º As instituições de educação superior oferecerão, no
Medicina.” (Incluído pela Lei 13.530/2017). período noturno, cursos de graduação nos mesmos padrões de
qualidade mantidos no período diurno, sendo obrigatória a
Art. 47. Na educação superior, o ano letivo regular, oferta noturna nas instituições públicas, garantida a
independente do ano civil, tem, no mínimo, duzentos dias de necessária previsão orçamentária.
trabalho acadêmico efetivo, excluído o tempo reservado aos
exames finais, quando houver. Art. 48. Os diplomas de cursos superiores reconhecidos,
§ 1º As instituições informarão aos interessados, antes de quando registrados, terão validade nacional como prova da
cada período letivo, os programas dos cursos e demais formação recebida por seu titular.
componentes curriculares, sua duração, requisitos, § 1º Os diplomas expedidos pelas universidades serão por
qualificação dos professores, recursos disponíveis e critérios elas próprias registrados, e aqueles conferidos por instituições
de avaliação, obrigando-se a cumprir as respectivas condições, não-universitárias serão registrados em universidades
e a publicação deve ser feita, sendo as 3 (três) primeiras indicadas pelo Conselho Nacional de Educação.
formas concomitantemente: (Redação dada pela lei nº 13.168, § 2º Os diplomas de graduação expedidos por
de 2015). universidades estrangeiras serão revalidados por
I - em página específica na internet no sítio eletrônico universidades públicas que tenham curso do mesmo nível e
oficial da instituição de ensino superior, obedecido o seguinte: área ou equivalente, respeitando-se os acordos internacionais
(Incluído pela lei nº 13.168, de 2015) de reciprocidade ou equiparação.
a) toda publicação a que se refere esta Lei deve ter como § 3º Os diplomas de Mestrado e de Doutorado expedidos
título “Grade e Corpo Docente”; (Incluída pela lei nº 13.168, de por universidades estrangeiras só poderão ser reconhecidos
2015) por universidades que possuam cursos de pós-graduação
b) a página principal da instituição de ensino superior, bem reconhecidos e avaliados, na mesma área de conhecimento e
como a página da oferta de seus cursos aos ingressantes sob a em nível equivalente ou superior.
forma de vestibulares, processo seletivo e outras com a mesma
finalidade, deve conter a ligação desta com a página específica Art. 49. As instituições de educação superior aceitarão a
prevista neste inciso; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015) transferência de alunos regulares, para cursos afins, na
c) caso a instituição de ensino superior não possua sítio hipótese de existência de vagas, e mediante processo seletivo.
eletrônico, deve criar página específica para divulgação das Parágrafo único. As transferências ex officio dar-se-ão na
informações de que trata esta Lei; (Incluída pela lei nº 13.168, forma da lei.
de 2015)
d) a página específica deve conter a data completa de sua Art. 50. As instituições de educação superior, quando da
última atualização; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015) ocorrência de vagas, abrirão matrícula nas disciplinas de seus
II - em toda propaganda eletrônica da instituição de ensino cursos a alunos não regulares que demonstrarem capacidade
superior, por meio de ligação para a página referida no inciso de cursá-las com proveito, mediante processo seletivo prévio.
I; (Incluído pela lei nº 13.168, de 2015)
III - em local visível da instituição de ensino superior e de Art. 51. As instituições de educação superior credenciadas
fácil acesso ao público; (Incluído pela lei nº 13.168, de 2015) como universidades, ao deliberar sobre critérios e normas de
IV - deve ser atualizada semestralmente ou anualmente, de seleção e admissão de estudantes, levarão em conta os efeitos
acordo com a duração das disciplinas de cada curso oferecido, desses critérios sobre a orientação do ensino médio,
observando o seguinte: (Incluído pela lei nº 13.168, de 2015) articulando-se com os órgãos normativos dos sistemas de
a) caso o curso mantenha disciplinas com duração ensino.
diferenciada, a publicação deve ser semestral; (Incluída pela
lei nº 13.168, de 2015) Art. 52. As universidades são instituições
pluridisciplinares de formação dos quadros profissionais de

Legislação 9
APOSTILAS OPÇÃO

nível superior, de pesquisa, de extensão e de domínio e cultivo § 1º No exercício da sua autonomia, além das atribuições
do saber humano, que se caracterizam por: (Regulamento) asseguradas pelo artigo anterior, as universidades públicas
I - produção intelectual institucionalizada mediante o poderão:
estudo sistemático dos temas e problemas mais relevantes, I - propor o seu quadro de pessoal docente, técnico e
tanto do ponto de vista científico e cultural, quanto regional e administrativo, assim como um plano de cargos e salários,
nacional; atendidas as normas gerais pertinentes e os recursos
II - um terço do corpo docente, pelo menos, com titulação disponíveis;
acadêmica de mestrado ou doutorado; II - elaborar o regulamento de seu pessoal em
III - um terço do corpo docente em regime de tempo conformidade com as normas gerais concernentes;
integral. III - aprovar e executar planos, programas e projetos de
Parágrafo único. É facultada a criação de universidades investimentos referentes a obras, serviços e aquisições em
especializadas por campo do saber. geral, de acordo com os recursos alocados pelo respectivo
Poder mantenedor;
Art. 53. No exercício de sua autonomia, são asseguradas às IV - elaborar seus orçamentos anuais e plurianuais;
universidades, sem prejuízo de outras, as seguintes V - adotar regime financeiro e contábil que atenda às suas
atribuições: peculiaridades de organização e funcionamento;
I - criar, organizar e extinguir, em sua sede, cursos e VI - realizar operações de crédito ou de financiamento, com
programas de educação superior previstos nesta Lei, aprovação do Poder competente, para aquisição de bens
obedecendo às normas gerais da União e, quando for o caso, do imóveis, instalações e equipamentos;
respectivo sistema de ensino; VII - efetuar transferências, quitações e tomar outras
II - fixar os currículos dos seus cursos e programas, providências de ordem orçamentária, financeira e patrimonial
observadas as diretrizes gerais pertinentes; necessárias ao seu bom desempenho.
III - estabelecer planos, programas e projetos de pesquisa § 2º Atribuições de autonomia universitária poderão ser
científica, produção artística e atividades de extensão; estendidas a instituições que comprovem alta qualificação
IV - fixar o número de vagas de acordo com a capacidade para o ensino ou para a pesquisa, com base em avaliação
institucional e as exigências do seu meio; realizada pelo Poder Público.
V - elaborar e reformar os seus estatutos e regimentos em
consonância com as normas gerais atinentes; Art. 55. Caberá à União assegurar, anualmente, em seu
VI - conferir graus, diplomas e outros títulos; Orçamento Geral, recursos suficientes para manutenção e
VII - firmar contratos, acordos e convênios; desenvolvimento das instituições de educação superior por ela
VIII - aprovar e executar planos, programas e projetos de mantidas.
investimentos referentes a obras, serviços e aquisições em
geral, bem como administrar rendimentos conforme Art. 56. As instituições públicas de educação superior
dispositivos institucionais; obedecerão ao princípio da gestão democrática, assegurada a
IX - administrar os rendimentos e deles dispor na forma existência de órgãos colegiados deliberativos, de que
prevista no ato de constituição, nas leis e nos respectivos participarão os segmentos da comunidade institucional, local
estatutos; e regional.
X - receber subvenções, doações, heranças, legados e Parágrafo único. Em qualquer caso, os docentes ocuparão
cooperação financeira resultante de convênios com entidades setenta por cento dos assentos em cada órgão colegiado e
públicas e privadas. comissão, inclusive nos que tratarem da elaboração e
§ 1º Para garantir a autonomia didático-científica das modificações estatutárias e regimentais, bem como da escolha
universidades, caberá aos seus colegiados de ensino e de dirigentes.
pesquisa decidir, dentro dos recursos orçamentários
disponíveis, sobre: (Redação dada pela Lei nº 13.490, de 2017) Art. 57. Nas instituições públicas de educação superior, o
I - criação, expansão, modificação e extinção de cursos; professor ficará obrigado ao mínimo de oito horas semanais de
(Redação dada pela Lei nº 13.490, de 2017) aulas.
II - ampliação e diminuição de vagas; (Redação dada pela
Lei nº 13.490, de 2017) CAPÍTULO V
III - elaboração da programação dos cursos; (Redação dada DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
pela Lei nº 13.490, de 2017)
IV - programação das pesquisas e das atividades de Art. 58. Entende-se por educação especial, para os efeitos
extensão; (Redação dada pela Lei nº 13.490, de 2017) desta Lei, a modalidade de educação escolar oferecida
V - contratação e dispensa de professores; (Redação dada preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos
pela Lei nº 13.490, de 2017) com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e
VI - planos de carreira docente. (Redação dada pela Lei nº altas habilidades ou superdotação.
13.490, de 2017) § 1º Haverá, quando necessário, serviços de apoio
§ 2º As doações, inclusive monetárias, podem ser dirigidas especializado, na escola regular, para atender às
a setores ou projetos específicos, conforme acordo entre peculiaridades da clientela de educação especial.
doadores e universidades. (Incluído pela Lei nº 13.490, de § 2º O atendimento educacional será feito em classes,
2017) escolas ou serviços especializados, sempre que, em função das
§ 3º No caso das universidades públicas, os recursos das condições específicas dos alunos, não for possível a sua
doações devem ser dirigidos ao caixa único da instituição, com integração nas classes comuns de ensino regular.
destinação garantida às unidades a serem beneficiadas. § 3º A oferta de educação especial, nos termos do caput
(Incluído pela Lei nº 13.490, de 2017) deste artigo, tem início na educação infantil e estende-se ao
longo da vida, observados o inciso III do art. 4º e o parágrafo
Art. 54. As universidades mantidas pelo Poder Público único do art. 60 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 13.632,
gozarão, na forma da lei, de estatuto jurídico especial para de 2018)
atender às peculiaridades de sua estrutura, organização e
financiamento pelo Poder Público, assim como dos seus planos
de carreira e do regime jurídico do seu pessoal.

Legislação 10
APOSTILAS OPÇÃO

Art. 59. Os sistemas de ensino assegurarão aos educandos Parágrafo único. A formação dos profissionais da
com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e educação, de modo a atender às especificidades do exercício
altas habilidades ou superdotação: de suas atividades, bem como aos objetivos das diferentes
I - currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e etapas e modalidades da educação básica, terá como
organização específicos, para atender às suas necessidades; fundamentos:
II - terminalidade específica para aqueles que não puderem I - a presença de sólida formação básica, que propicie o
atingir o nível exigido para a conclusão do ensino fundamental, conhecimento dos fundamentos científicos e sociais de suas
em virtude de suas deficiências, e aceleração para concluir em competências de trabalho;
menor tempo o programa escolar para os superdotados; II - a associação entre teorias e práticas, mediante estágios
III - professores com especialização adequada em nível supervisionados e capacitação em serviço;
médio ou superior, para atendimento especializado, bem como III - o aproveitamento da formação e experiências
professores do ensino regular capacitados para a integração anteriores, em instituições de ensino e em outras atividades.
desses educandos nas classes comuns;
IV - educação especial para o trabalho, visando a sua Art. 62 A formação de docentes para atuar na educação
efetiva integração na vida em sociedade, inclusive condições básica far-se-á em nível superior, em curso de licenciatura
adequadas para os que não revelarem capacidade de inserção plena, admitida, como formação mínima para o exercício do
no trabalho competitivo, mediante articulação com os órgãos magistério na educação infantil e nos cinco primeiros anos do
oficiais afins, bem como para aqueles que apresentam uma ensino fundamental, a oferecida em nível médio, na
habilidade superior nas áreas artística, intelectual ou modalidade normal. (Redação dada pela lei nº 13.415, de
psicomotora; 2017)
V - acesso igualitário aos benefícios dos programas sociais § 1º A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios,
suplementares disponíveis para o respectivo nível do ensino em regime de colaboração, deverão promover a formação
regular. inicial, a continuada e a capacitação dos profissionais de
magistério.
Art. 59-A. O poder público deverá instituir cadastro § 2º A formação continuada e a capacitação dos
nacional de alunos com altas habilidades ou superdotação profissionais de magistério poderão utilizar recursos e
matriculados na educação básica e na educação superior, a fim tecnologias de educação a distância.
de fomentar a execução de políticas públicas destinadas ao § 3º A formação inicial de profissionais de magistério dará
desenvolvimento pleno das potencialidades desse alunado. preferência ao ensino presencial, subsidiariamente fazendo
(Incluído pela Lei nº 13.234, de 2015) uso de recursos e tecnologias de educação a distância.
§ 4º A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios
Art. 60. Os órgãos normativos dos sistemas de ensino adotarão mecanismos facilitadores de acesso e permanência
estabelecerão critérios de caracterização das instituições em cursos de formação de docentes em nível superior para
privadas sem fins lucrativos, especializadas e com atuação atuar na educação básica pública.
exclusiva em educação especial, para fins de apoio técnico e § 5º A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios
financeiro pelo Poder Público. incentivarão a formação de profissionais do magistério para
Parágrafo único. O poder público adotará, como alternativa atuar na educação básica pública mediante programa
preferencial, a ampliação do atendimento aos educandos com institucional de bolsa de iniciação à docência a estudantes
deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas matriculados em cursos de licenciatura, de graduação plena,
habilidades ou superdotação na própria rede pública regular nas instituições de educação superior.
de ensino, independentemente do apoio às instituições § 6º O Ministério da Educação poderá estabelecer nota
previstas neste artigo. mínima em exame nacional aplicado aos concluintes do ensino
médio como pré-requisito para o ingresso em cursos de
TÍTULO VI graduação para formação de docentes, ouvido o Conselho
Dos Profissionais da Educação Nacional de Educação - CNE.
§ 7º (Vetado).
Art. 61. Consideram-se profissionais da educação escolar § 8º Os currículos dos cursos de formação de docentes
básica os que, nela estando em efetivo exercício e tendo sido terão por referência a Base Nacional Comum
formados em cursos reconhecidos, são: Curricular. (Incluído pela lei nº 13.415, de 2017)
I - professores habilitados em nível médio ou superior para
a docência na educação infantil e nos ensinos fundamental e Art. 62-A. A formação dos profissionais a que se refere o
médio; inciso III do art. 61 far-se-á por meio de cursos de conteúdo
II - trabalhadores em educação portadores de diploma de técnico-pedagógico, em nível médio ou superior, incluindo
pedagogia, com habilitação em administração, planejamento, habilitações tecnológicas.
supervisão, inspeção e orientação educacional, bem como com Parágrafo único. Garantir-se-á formação continuada para
títulos de mestrado ou doutorado nas mesmas áreas; os profissionais a que se refere o caput, no local de trabalho ou
III - trabalhadores em educação, portadores de diploma de em instituições de educação básica e superior, incluindo
curso técnico ou superior em área pedagógica ou afim. cursos de educação profissional, cursos superiores de
IV - profissionais com notório saber reconhecido pelos graduação plena ou tecnológicos e de pós-graduação.
respectivos sistemas de ensino, para ministrar conteúdos de
áreas afins à sua formação ou experiência profissional, Art. 62-B. O acesso de professores das redes públicas de
atestados por titulação específica ou prática de ensino em educação básica a cursos superiores de pedagogia e
unidades educacionais da rede pública ou privada ou das licenciatura será efetivado por meio de processo seletivo
corporações privadas em que tenham atuado, exclusivamente diferenciado. (Incluído pela Lei nº 13.478, de 2017)
para atender ao inciso V do caput do art. 36; (Incluído pela lei § 1º Terão direito de pleitear o acesso previsto no caput
nº 13.415, de 2017) deste artigo os professores das redes públicas municipais,
V - profissionais graduados que tenham feito estaduais e federal que ingressaram por concurso público,
complementação pedagógica, conforme disposto pelo tenham pelo menos três anos de exercício da profissão e não
Conselho Nacional de Educação. (Incluído pela lei nº 13.415, sejam portadores de diploma de graduação. (Incluído pela Lei
de 2017) nº 13.478, de 2017)

Legislação 11
APOSTILAS OPÇÃO

§ 2º As instituições de ensino responsáveis pela oferta de públicos para provimento de cargos dos profissionais da
cursos de pedagogia e outras licenciaturas definirão critérios educação.
adicionais de seleção sempre que acorrerem aos certames
interessados em número superior ao de vagas disponíveis TÍTULO VII
para os respectivos cursos. (Incluído pela Lei nº 13.478, de Dos Recursos financeiros
2017)
§ 3º Sem prejuízo dos concursos seletivos a serem Art. 68. Serão recursos públicos destinados à educação os
definidos em regulamento pelas universidades, terão originários de:
prioridade de ingresso os professores que optarem por cursos I - receita de impostos próprios da União, dos Estados, do
de licenciatura em matemática, física, química, biologia e Distrito Federal e dos Municípios;
língua portuguesa. (Incluído pela Lei nº 13.478, de 2017) II - receita de transferências constitucionais e outras
transferências;
Art. 63. Os institutos superiores de educação manterão: III - receita do salário-educação e de outras contribuições
I - cursos formadores de profissionais para a educação sociais;
básica, inclusive o curso normal superior, destinado à IV - receita de incentivos fiscais;
formação de docentes para a educação infantil e para as V - outros recursos previstos em lei.
primeiras séries do ensino fundamental;
II - programas de formação pedagógica para portadores de Art. 69. A União aplicará, anualmente, nunca menos de
diplomas de educação superior que queiram se dedicar à dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, vinte
educação básica; e cinco por cento, ou o que consta nas respectivas
III - programas de educação continuada para os Constituições ou Leis Orgânicas, da receita resultante de
profissionais de educação dos diversos níveis. impostos, compreendidas as transferências constitucionais, na
manutenção e desenvolvimento do ensino público.
Art. 64. A formação de profissionais de educação para § 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida pela
administração, planejamento, inspeção, supervisão e União aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, ou
orientação educacional para a educação básica, será feita em pelos Estados aos respectivos Municípios, não será
cursos de graduação em pedagogia ou em nível de pós- considerada, para efeito do cálculo previsto neste artigo,
graduação, a critério da instituição de ensino, garantida, nesta receita do governo que a transferir.
formação, a base comum nacional. § 2º Serão consideradas excluídas das receitas de impostos
mencionadas neste artigo as operações de crédito por
Art. 65. A formação docente, exceto para a educação antecipação de receita orçamentária de impostos.
superior, incluirá prática de ensino de, no mínimo, trezentas § 3º Para fixação inicial dos valores correspondentes aos
horas. mínimos estatuídos neste artigo, será considerada a receita
estimada na lei do orçamento anual, ajustada, quando for o
Art. 66. A preparação para o exercício do magistério caso, por lei que autorizar a abertura de créditos adicionais,
superior far-se-á em nível de pós-graduação, prioritariamente com base no eventual excesso de arrecadação.
em programas de mestrado e doutorado. § 4º As diferenças entre a receita e a despesa previstas e as
Parágrafo único. O notório saber, reconhecido por efetivamente realizadas, que resultem no não atendimento dos
universidade com curso de doutorado em área afim, poderá percentuais mínimos obrigatórios, serão apuradas e corrigidas
suprir a exigência de título acadêmico. a cada trimestre do exercício financeiro.
§ 5º O repasse dos valores referidos neste artigo do caixa
Art. 67. Os sistemas de ensino promoverão a valorização da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
dos profissionais da educação, assegurando-lhes, inclusive nos ocorrerá imediatamente ao órgão responsável pela educação,
termos dos estatutos e dos planos de carreira do magistério observados os seguintes prazos:
público: I - recursos arrecadados do primeiro ao décimo dia de cada
I - ingresso exclusivamente por concurso público de provas mês, até o vigésimo dia;
e títulos; II - recursos arrecadados do décimo primeiro ao vigésimo
II - aperfeiçoamento profissional continuado, inclusive dia de cada mês, até o trigésimo dia;
com licenciamento periódico remunerado para esse fim; III - recursos arrecadados do vigésimo primeiro dia ao final
III - piso salarial profissional; de cada mês, até o décimo dia do mês subsequente.
IV - progressão funcional baseada na titulação ou § 6º O atraso da liberação sujeitará os recursos a correção
habilitação, e na avaliação do desempenho; monetária e à responsabilização civil e criminal das
V - período reservado a estudos, planejamento e avaliação, autoridades competentes.
incluído na carga de trabalho;
VI - condições adequadas de trabalho. Art. 70. Considerar-se-ão como de manutenção e
§ 1º A experiência docente é pré-requisito para o exercício desenvolvimento do ensino as despesas realizadas com vistas
profissional de quaisquer outras funções de magistério, nos à consecução dos objetivos básicos das instituições
termos das normas de cada sistema de ensino. educacionais de todos os níveis, compreendendo as que se
§ 2º Para os efeitos do disposto no § 5º do art. 40 e no § destinam a:
8o do art. 201 da Constituição Federal, são consideradas I - remuneração e aperfeiçoamento do pessoal docente e
funções de magistério as exercidas por professores e demais profissionais da educação;
especialistas em educação no desempenho de atividades II - aquisição, manutenção, construção e conservação de
educativas, quando exercidas em estabelecimento de instalações e equipamentos necessários ao ensino;
educação básica em seus diversos níveis e modalidades, III - uso e manutenção de bens e serviços vinculados ao
incluídas, além do exercício da docência, as de direção de ensino;
unidade escolar e as de coordenação e assessoramento IV - levantamentos estatísticos, estudos e pesquisas
pedagógico. visando precipuamente ao aprimoramento da qualidade e à
§ 3º A União prestará assistência técnica aos Estados, ao expansão do ensino;
Distrito Federal e aos Municípios na elaboração de concursos V - realização de atividades-meio necessárias ao
funcionamento dos sistemas de ensino;

Legislação 12
APOSTILAS OPÇÃO

VI - concessão de bolsas de estudo a alunos de escolas do art. 11 desta Lei, em número inferior à sua capacidade de
públicas e privadas; atendimento.
VII - amortização e custeio de operações de crédito
destinadas a atender ao disposto nos incisos deste artigo; Art. 76. A ação supletiva e redistributiva prevista no artigo
VIII - aquisição de material didático-escolar e manutenção anterior ficará condicionada ao efetivo cumprimento pelos
de programas de transporte escolar. Estados, Distrito Federal e Municípios do disposto nesta Lei,
sem prejuízo de outras prescrições legais.
Art. 71. Não constituirão despesas de manutenção e
desenvolvimento do ensino aquelas realizadas com: Art. 77. Os recursos públicos serão destinados às escolas
I - pesquisa, quando não vinculada às instituições de públicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias,
ensino, ou, quando efetivada fora dos sistemas de ensino, que confessionais ou filantrópicas que:
não vise, precipuamente, ao aprimoramento de sua qualidade I - comprovem finalidade não-lucrativa e não distribuam
ou à sua expansão; resultados, dividendos, bonificações, participações ou parcela
II - subvenção a instituições públicas ou privadas de de seu patrimônio sob nenhuma forma ou pretexto;
caráter assistencial, desportivo ou cultural; II - apliquem seus excedentes financeiros em educação;
III - formação de quadros especiais para a administração III - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra
pública, sejam militares ou civis, inclusive diplomáticos; escola comunitária, filantrópica ou confessional, ou ao Poder
IV - programas suplementares de alimentação, assistência Público, no caso de encerramento de suas atividades;
médico-odontológica, farmacêutica e psicológica, e outras IV - prestem contas ao Poder Público dos recursos
formas de assistência social; recebidos.
V - obras de infraestrutura, ainda que realizadas para § 1º Os recursos de que trata este artigo poderão ser
beneficiar direta ou indiretamente a rede escolar; destinados a bolsas de estudo para a educação básica, na forma
VI - pessoal docente e demais trabalhadores da educação, da lei, para os que demonstrarem insuficiência de recursos,
quando em desvio de função ou em atividade alheia à quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede
manutenção e desenvolvimento do ensino. pública de domicílio do educando, ficando o Poder Público
obrigado a investir prioritariamente na expansão da sua rede
Art. 72. As receitas e despesas com manutenção e local.
desenvolvimento do ensino serão apuradas e publicadas nos § 2º As atividades universitárias de pesquisa e extensão
balanços do Poder Público, assim como nos relatórios a que se poderão receber apoio financeiro do Poder Público, inclusive
refere o § 3º do art. 165 da Constituição Federal. mediante bolsas de estudo.

Art. 73. Os órgãos fiscalizadores examinarão, TÍTULO VIII


prioritariamente, na prestação de contas de recursos públicos, Das Disposições Gerais
o cumprimento do disposto no art. 212 da Constituição
Federal, no art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Art. 78. O Sistema de Ensino da União, com a colaboração
Transitórias e na legislação concernente. das agências federais de fomento à cultura e de assistência aos
índios, desenvolverá programas integrados de ensino e
Art. 74. A União, em colaboração com os Estados, o Distrito pesquisa, para oferta de educação escolar bilíngue e
Federal e os Municípios, estabelecerá padrão mínimo de intercultural aos povos indígenas, com os seguintes objetivos:
oportunidades educacionais para o ensino fundamental, I - proporcionar aos índios, suas comunidades e povos, a
baseado no cálculo do custo mínimo por aluno, capaz de recuperação de suas memórias históricas; a reafirmação de
assegurar ensino de qualidade. suas identidades étnicas; a valorização de suas línguas e
Parágrafo único. O custo mínimo de que trata este artigo ciências;
será calculado pela União ao final de cada ano, com validade II - garantir aos índios, suas comunidades e povos, o acesso
para o ano subsequente, considerando variações regionais no às informações, conhecimentos técnicos e científicos da
custo dos insumos e as diversas modalidades de ensino. sociedade nacional e demais sociedades indígenas e não-
índias.
Art. 75. A ação supletiva e redistributiva da União e dos
Estados será exercida de modo a corrigir, progressivamente, Art. 79. A União apoiará técnica e financeiramente os
as disparidades de acesso e garantir o padrão mínimo de sistemas de ensino no provimento da educação intercultural
qualidade de ensino. às comunidades indígenas, desenvolvendo programas
§ 1º A ação a que se refere este artigo obedecerá a fórmula integrados de ensino e pesquisa.
de domínio público que inclua a capacidade de atendimento e § 1º Os programas serão planejados com audiência das
a medida do esforço fiscal do respectivo Estado, do Distrito comunidades indígenas.
Federal ou do Município em favor da manutenção e do § 2º Os programas a que se refere este artigo, incluídos nos
desenvolvimento do ensino. Planos Nacionais de Educação, terão os seguintes objetivos:
§ 2º A capacidade de atendimento de cada governo será I - fortalecer as práticas socioculturais e a língua materna
definida pela razão entre os recursos de uso de cada comunidade indígena;
constitucionalmente obrigatório na manutenção e II - manter programas de formação de pessoal
desenvolvimento do ensino e o custo anual do aluno, relativo especializado, destinado à educação escolar nas comunidades
ao padrão mínimo de qualidade. indígenas;
§ 3º Com base nos critérios estabelecidos nos §§ 1º e 2º, a III - desenvolver currículos e programas específicos, neles
União poderá fazer a transferência direta de recursos a cada incluindo os conteúdos culturais correspondentes às
estabelecimento de ensino, considerado o número de alunos respectivas comunidades;
que efetivamente frequentam a escola. IV - elaborar e publicar sistematicamente material didático
§ 4º A ação supletiva e redistributiva não poderá ser específico e diferenciado.
exercida em favor do Distrito Federal, dos Estados e dos § 3º No que se refere à educação superior, sem prejuízo de
Municípios se estes oferecerem vagas, na área de ensino de sua outras ações, o atendimento aos povos indígenas efetivar-se-á,
responsabilidade, conforme o inciso VI do art. 10 e o inciso V nas universidades públicas e privadas, mediante a oferta de

Legislação 13
APOSTILAS OPÇÃO

ensino e de assistência estudantil, assim como de estímulo à § 1º A União, no prazo de um ano a partir da publicação
pesquisa e desenvolvimento de programas especiais. desta Lei, encaminhará, ao Congresso Nacional, o Plano
Nacional de Educação, com diretrizes e metas para os dez anos
Art. 79-A. (Vetado) seguintes, em sintonia com a Declaração Mundial sobre
Educação para Todos.
Art. 79-B. O calendário escolar incluirá o dia 20 de § 2º (Revogado)
novembro como ‘Dia Nacional da Consciência Negra’. § 3º O Distrito Federal, cada Estado e Município, e,
supletivamente, a União, devem:
Art. 80. O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a I - (Revogado)
veiculação de programas de ensino a distância, em todos os a) (Revogado)
níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada. b) (Revogado)
§ 1º A educação a distância, organizada com abertura e c) (Revogado)
regime especiais, será oferecida por instituições II - prover cursos presenciais ou a distância aos jovens e
especificamente credenciadas pela União. adultos insuficientemente escolarizados;
§ 2º A União regulamentará os requisitos para a realização III - realizar programas de capacitação para todos os
de exames e registro de diploma relativos a cursos de professores em exercício, utilizando também, para isto, os
educação a distância. recursos da educação a distância;
§ 3º As normas para produção, controle e avaliação de IV - integrar todos os estabelecimentos de ensino
programas de educação a distância e a autorização para sua fundamental do seu território ao sistema nacional de avaliação
implementação, caberão aos respectivos sistemas de ensino, do rendimento escolar.
podendo haver cooperação e integração entre os diferentes § 4º (Revogado)
sistemas. § 5º Serão conjugados todos os esforços objetivando a
§ 4º A educação a distância gozará de tratamento progressão das redes escolares públicas urbanas de ensino
diferenciado, que incluirá: fundamental para o regime de escolas de tempo integral.
I - custos de transmissão reduzidos em canais comerciais § 6º A assistência financeira da União aos Estados, ao
de radiodifusão sonora e de sons e imagens e em outros meios Distrito Federal e aos Municípios, bem como a dos Estados aos
de comunicação que sejam explorados mediante autorização, seus Municípios, ficam condicionadas ao cumprimento do art.
concessão ou permissão do poder público; 212 da Constituição Federal e dispositivos legais pertinentes
II - concessão de canais com finalidades exclusivamente pelos governos beneficiados.
educativas;
III - reserva de tempo mínimo, sem ônus para o Poder Art. 87-A. (Vetado).
Público, pelos concessionários de canais comerciais.
Art. 88. A União, os Estados, o Distrito Federal e os
Art. 81. É permitida a organização de cursos ou instituições Municípios adaptarão sua legislação educacional e de ensino
de ensino experimentais, desde que obedecidas as disposições às disposições desta Lei no prazo máximo de um ano, a partir
desta Lei. da data de sua publicação.
§ 1º As instituições educacionais adaptarão seus estatutos
Art. 82. Os sistemas de ensino estabelecerão as normas de e regimentos aos dispositivos desta Lei e às normas dos
realização de estágio em sua jurisdição, observada a lei federal respectivos sistemas de ensino, nos prazos por estes
sobre a matéria. estabelecidos.
Parágrafo único. (Revogado). (Redação dada pela Lei nº § 2º O prazo para que as universidades cumpram o
11.788, de 2008) disposto nos incisos II e III do art. 52 é de oito anos.

Art. 83. O ensino militar é regulado em lei específica, Art. 89. As creches e pré-escolas existentes ou que venham
admitida a equivalência de estudos, de acordo com as normas a ser criadas deverão, no prazo de três anos, a contar da
fixadas pelos sistemas de ensino. publicação desta Lei, integrar-se ao respectivo sistema de
ensino.
Art. 84. Os discentes da educação superior poderão ser
aproveitados em tarefas de ensino e pesquisa pelas Art. 90. As questões suscitadas na transição entre o regime
respectivas instituições, exercendo funções de monitoria, de anterior e o que se institui nesta Lei serão resolvidas pelo
acordo com seu rendimento e seu plano de estudos. Conselho Nacional de Educação ou, mediante delegação deste,
pelos órgãos normativos dos sistemas de ensino, preservada a
Art. 85. Qualquer cidadão habilitado com a titulação autonomia universitária.
própria poderá exigir a abertura de concurso público de
provas e títulos para cargo de docente de instituição pública Art. 91. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
de ensino que estiver sendo ocupado por professor não
concursado, por mais de seis anos, ressalvados os direitos Art. 92. Revogam-se as disposições das Leis nºs 4.024, de
assegurados pelos arts. 41 da Constituição Federal e 19 do Ato 20 de dezembro de 1961, e 5.540, de 28 de novembro de 1968,
das Disposições Constitucionais Transitórias. não alteradas pelas Leis nºs 9.131, de 24 de novembro de 1995
e 9.192, de 21 de dezembro de 1995 e, ainda, as Leis nºs 5.692,
Art. 86. As instituições de educação superior constituídas de 11 de agosto de 1971 e 7.044, de 18 de outubro de 1982, e
como universidades integrar-se-ão, também, na sua condição as demais leis e decretos-lei que as modificaram e quaisquer
de instituições de pesquisa, ao Sistema Nacional de Ciência e outras disposições em contrário.
Tecnologia, nos termos da legislação específica.
Brasília, 20 de dezembro de 1996; 175º da Independência
TÍTULO IX e 108º da República.
Das Disposições Transitórias FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Paulo Renato Souza
Art. 87. É instituída a Década da Educação, a iniciar-se um
ano a partir da publicação desta Lei.

Legislação 14
APOSTILAS OPÇÃO

Questões (D) educação básica obrigatória e gratuita a todos que


desejarem cursá-la;
01. (SEAP/DF - Professor - IBFC) De acordo com o que (E) educação básica obrigatória e gratuita dos quatro aos
disserta a Lei 9.394/96, Lei de Diretrizes e Bases da Educação dezessete anos de idade.
Brasileira (LDB), julgue os itens a seguir: 04. (Pref. Mun. de Palhoça/SC - Professor de Educação
I. A LDB reconhece que a educação abrange os processos Infantil) Assinale a alternativa FALSA:
formativos que se desenvolvem na vida familiar, na (A) A educação superior somente será ministrada em
convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino, instituições de ensino superior públicas, com variados graus
nos movimentos sociais e nas manifestações culturais. Por de abrangência ou especialização.
isso, a lei disserta, expressamente, que a educação escolar (B) Os cursos de pós-graduação serão oferecidos em
deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social. diversas instituições públicas ou privadas.
II. A educação básica é obrigatória e gratuita dos 6 anos aos (C) A educação superior será oferecida tanto em
17 anos de idade, organizada da seguinte forma: pré-escola, instituições públicas como nas privadas.
ensino fundamental e ensino médio. Sendo a educação infantil (D) A educação superior será ministrada em instituições
gratuita às crianças de até 6 anos de idade de ensino superior, públicas ou privadas, com variados graus
III. O atendimento ao educando é previsto, em todas as de abrangência ou especialização.
etapas da educação básica, por meio de programas
suplementares de material didático-escolar e alimentação. 05. (Pref. Mun. de Nova Friburgo/RJ - Secretário
Transporte e assistência à saúde não estão expressamente Escolar - EXATUS/PR) A questão é concernente a Lei de
previstos na LDB 9394/96, sendo deixados à lei ordinária. Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB, Nº 9394/96)”.
IV. É garantida a vaga na escola pública de educação Segundo a LDB, a educação escolar compõe-se de:
infantil ou de ensino fundamental mais próxima da residência (A) Educação Básica e Educação Infantil.
a toda criança a partir do dia em que completar 4 anos de (B) Educação Infantil e Ensino Fundamental.
idade. (C) Educação Básica e Educação Superior.
V. É garantido acesso público e gratuito aos ensinos (D) Educação Básica, Educação Infantil e Educação
fundamental e médio para todos os que não os concluíram na Superior.
idade própria, porém vedado acesso aos níveis mais elevados
do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a Gabarito
capacidade de cada um.
É correto o que afirma em: 01.B / 02.E / 03.E / 04.A / 05.C
(A) I, II e III, apenas.
(B) I e IV, apenas.
(C) II, III e V, apenas. _______. Constituição da
(D) I, IV e V, apenas. República Federativa do Brasil.
02. (Prefeitura Municipal de Alumínio/SP - Auxiliar de
Brasília, capítulo III, seção I,
Desenvolvimento Infantil - VUNESP) A Lei Federal nº 9.394, 1988. _______. Emenda
de 20.12.1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação constitucional no 59 de 11 de
Nacional), introduziu uma série de inovações em relação à novembro de 2009
Educação Básica, dentre as quais,
(A) a construção de identidade das creches e pré-escolas
com base nas diferenciações em relação à classe social das Prezado (a) Candidato (a), neste tópico é trabalhada
crianças. Emenda Constitucional Nº 59/2009 juntamente com a Seção I
(B) o atendimento obrigatório e gratuito no ensino do Capítulo III da Constituição Federal. Esta emenda altera
fundamental e gratuidade extensiva apenas à Educação justamente os Incisos I e VII do Art. 208, o § 4º do Art. 211, o §
Infantil das crianças a partir dos 4 anos de idade. 3º do Art. 212 e o caput do Art. 214 acrescido do Inciso VI.
(C) o atendimento em creches e pré-escolas pelos órgãos Portanto com objetivo de evitar repetições e redundâncias, o
de assistência social, prioritariamente. conteúdo será abordado uma única vez com a redação vigente
(D) o entendimento da creche e pré-escola como um favor e devidamente atualizada.
aos socialmente menos favorecidos.
(E) a integração das creches nos sistemas de ensino, CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO
compondo, junto com as pré-escolas, a primeira etapa da BRASIL DE 19882.
Educação Básica.
PREÂMBULO
03. (TJ/GO - Analista Judiciário - Pedagogia - FGV) A
educação escolar, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em
Educação Nacional (LDB), Lei nº 9.394/96, é dever da família Assembleia Nacional Constituinte para instituir um Estado
e do Estado. Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos
Cabe ao Estado garantir, a partir da nova redação do Art. sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o
4º da LDB instituída pela Lei nº 12.796, de 2013: desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores
(A) educação básica obrigatória e gratuita dos seis aos supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem
quatorze anos de idade; preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na
(B) educação infantil e ensino fundamental obrigatórios e ordem interna e internacional, com a solução pacífica das
gratuitos; controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a
(C) ensino fundamental e ensino médio obrigatórios e seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO
gratuitos; BRASIL.

2 Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm
Acesso em: 08/01//2019 às 16h30min.

Legislação 15
APOSTILAS OPÇÃO

CAPÍTULO III § 3º - Compete ao Poder Público recensear os educandos


DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO no ensino fundamental, fazer-lhes a chamada e zelar, junto aos
SEÇÃO I pais ou responsáveis, pela frequência à escola.
DA EDUCAÇÃO
Art. 209. O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e seguintes condições:
da família, será promovida e incentivada com a colaboração da I - cumprimento das normas gerais da educação nacional;
sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu II - autorização e avaliação de qualidade pelo Poder
preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para Público.
o trabalho.
Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino
Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum
princípios: e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na regionais.
escola; § 1º - O ensino religioso, de matrícula facultativa,
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o constituirá disciplina dos horários normais das escolas
pensamento, a arte e o saber; públicas de ensino fundamental.
III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e § 2º - O ensino fundamental regular será ministrado em
coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; língua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas
IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos também a utilização de suas línguas maternas e processos
oficiais; próprios de aprendizagem.
V - valorização dos profissionais da educação escolar,
garantidos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os
exclusivamente por concurso público de provas e títulos, aos Municípios organizarão em regime de colaboração seus
das redes públicas; (Redação dada pela Emenda Constitucional sistemas de ensino.
nº 53, de 2006) § 1º A União organizará o sistema federal de ensino e o dos
VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei; Territórios, financiará as instituições de ensino públicas
VII - garantia de padrão de qualidade. federais e exercerá, em matéria educacional, função
VIII - piso salarial profissional nacional para os redistributiva e supletiva, de forma a garantir equalização de
profissionais da educação escolar pública, nos termos de lei oportunidades educacionais e padrão mínimo de qualidade do
federal. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006) ensino mediante assistência técnica e financeira aos Estados,
Parágrafo único. A lei disporá sobre as categorias de ao Distrito Federal e aos Municípios;
trabalhadores considerados profissionais da educação básica § 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino
e sobre a fixação de prazo para a elaboração ou adequação de fundamental e na educação infantil.
seus planos de carreira, no âmbito da União, dos Estados, do § 3º Os Estados e o Distrito Federal atuarão
Distrito Federal e dos Municípios. prioritariamente no ensino fundamental e médio.
§ 4º Na organização de seus sistemas de ensino, a União, os
Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático- Estados, o Distrito Federal e os Municípios definirão formas de
científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, colaboração, de modo a assegurar a universalização do ensino
e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, obrigatório.
pesquisa e extensão. § 5º A educação básica pública atenderá prioritariamente
§ 1º É facultado às universidades admitir professores, ao ensino regular.
técnicos e cientistas estrangeiros, na forma da lei.
§ 2º O disposto neste artigo aplica-se às instituições de Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de
pesquisa científica e tecnológica. dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios vinte
e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de
Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado impostos, compreendida a proveniente de transferências, na
mediante a garantia de: manutenção e desenvolvimento do ensino.
I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) § 1º - A parcela da arrecadação de impostos transferida
aos 17 (dezessete) anos de idade, assegurada inclusive sua pela União aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios,
oferta gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na ou pelos Estados aos respectivos Municípios, não é
idade própria; considerada, para efeito do cálculo previsto neste artigo,
II - progressiva universalização do ensino médio gratuito; receita do governo que a transferir.
III - atendimento educacional especializado aos portadores § 2º - Para efeito do cumprimento do disposto no "caput"
de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino; deste artigo, serão considerados os sistemas de ensino federal,
IV - educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças estadual e municipal e os recursos aplicados na forma do art.
até 5 (cinco) anos de idade; 213.
V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa § 3º A distribuição dos recursos públicos assegurará
e da criação artística, segundo a capacidade de cada um; prioridade ao atendimento das necessidades do ensino
VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às obrigatório, no que se refere a universalização, garantia de
condições do educando; padrão de qualidade e equidade, nos termos do plano nacional
VII - atendimento ao educando, em todas as etapas da de educação.
educação básica, por meio de programas suplementares de § 4º - Os programas suplementares de alimentação e
material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde previstos no art. 208, VII, serão financiados
assistência à saúde. com recursos provenientes de contribuições sociais e outros
§ 1º - O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito recursos orçamentários.
público subjetivo. § 5º A educação básica pública terá como fonte adicional
§ 2º - O não-oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder de financiamento a contribuição social do salário-educação,
Público, ou sua oferta irregular, importa responsabilidade da recolhida pelas empresas na forma da lei. (Vide Decreto nº
autoridade competente. 6.003, de 2006)

Legislação 16
APOSTILAS OPÇÃO

§ 6º As cotas estaduais e municipais da arrecadação da (B) O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito
contribuição social do salário-educação serão distribuídas público subjetivo do cidadão.
proporcionalmente ao número de alunos matriculados na (C) O não-oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder
educação básica nas respectivas redes públicas de ensino. Público, ou de sua oferta irregular, importa responsabilidade
da autoridade competente.
Art. 213. Os recursos públicos serão destinados às escolas (D) É vedado às instituições de pesquisa científica e
públicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias, tecnológica admitir professores, técnicos e cientistas
confessionais ou filantrópicas, definidas em lei, que: estrangeiros.
I - comprovem finalidade não-lucrativa e apliquem seus (E) A gestão democrática do ensino público é um dos
excedentes financeiros em educação; princípios do sistema educacional brasileiro.
II - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra
escola comunitária, filantrópica ou confessional, ou ao Poder Gabarito
Público, no caso de encerramento de suas atividades.
§ 1º - Os recursos de que trata este artigo poderão ser 01.C / 02.D.
destinados a bolsas de estudo para o ensino fundamental e
médio, na forma da lei, para os que demonstrarem
insuficiência de recursos, quando houver falta de vagas e _______. Estatuto da Criança e
cursos regulares da rede pública na localidade da residência
do educando, ficando o Poder Público obrigado a investir
do Adolescente – ECA (Lei no
prioritariamente na expansão de sua rede na localidade. 8.069), Brasília 1990
§ 2º As atividades de pesquisa, de extensão e de estímulo e
fomento à inovação realizadas por universidades e/ou por
instituições de educação profissional e tecnológica poderão LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 19903
receber apoio financeiro do Poder Público. (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 85, de 2015) Dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente e
dá outras providências.
Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação,
de duração decenal, com o objetivo de articular o sistema O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o
nacional de educação em regime de colaboração e definir Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
diretrizes, objetivos, metas e estratégias de implementação
para assegurar a manutenção e desenvolvimento do ensino em Título I
seus diversos níveis, etapas e modalidades por meio de ações Das Disposições Preliminares
integradas dos poderes públicos das diferentes esferas
federativas que conduzam a: Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a proteção integral à criança
I - erradicação do analfabetismo; e ao adolescente.
II - universalização do atendimento escolar;
III - melhoria da qualidade do ensino; Art. 2º Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a
IV - formação para o trabalho; pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente
V - promoção humanística, científica e tecnológica do País. aquela entre doze e dezoito anos de idade.
VI - estabelecimento de meta de aplicação de recursos Parágrafo único. Nos casos expressos em lei, aplica-se
públicos em educação como proporção do produto interno excepcionalmente este Estatuto às pessoas entre dezoito e
bruto. vinte e um anos de idade.

Questões Art. 3º A criança e o adolescente gozam de todos os direitos


fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da
01. (IF/PI - Professor - Administração) A Constituição proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se lhes,
Federal de 1988, também denominada de Constituição Cidadã, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e
estabeleceu no Capítulo III, especificamente no Art. 206, os facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico,
princípios que regem o ensino no Brasil. Dentre estes, a gestão mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e
do ensino público passou a ser: de dignidade.
(A) Autônoma e livre de qualquer poder, considerando os Parágrafo único. Os direitos enunciados nesta Lei aplicam-
princípios de igualdade e liberdade do ensino. se a todas as crianças e adolescentes, sem discriminação de
(B) Democrática em todos estabelecimentos de ensino nascimento, situação familiar, idade, sexo, raça, etnia ou cor,
públicos e privados. religião ou crença, deficiência, condição pessoal de
(C) Democrática do ensino público, na forma da lei. desenvolvimento e aprendizagem, condição econômica,
(D) Oligárquica em todas as escolas em conformidade com ambiente social, região e local de moradia ou outra condição
o projeto pedagógico de cada escola. que diferencie as pessoas, as famílias ou a comunidade em que
(E) Participativa e democrática em todas as instituições de vivem. (incluído pela Lei nº 13.257, de 2016)
ensino, em consonância com o que preconiza o direito público.
Art. 4º É dever da família, da comunidade, da sociedade em
02. (IF/TO - Técnico de laboratório - 2017) geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a
Considerando as normas constitucionais sobre a educação, efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à
assinale a alternativa INCORRETA. alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à
(A) As instituições de pesquisa científica e tecnológica profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à
gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de liberdade e à convivência familiar e comunitária.
gestão financeira e patrimonial e obedecerão ao princípio de Parágrafo único. A garantia de prioridade compreende:
indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.

3 Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069Compilado.htm - Acesso em
24/01/2019

Legislação 17
APOSTILAS OPÇÃO

a) primazia de receber proteção e socorro em quaisquer estimular o desenvolvimento integral da criança. (Incluído
circunstâncias; pela Lei nº 13.257, de 2016)
b) precedência de atendimento nos serviços públicos ou de § 8o A gestante tem direito a acompanhamento saudável
relevância pública; durante toda a gestação e a parto natural cuidadoso,
c) preferência na formulação e na execução das políticas estabelecendo-se a aplicação de cesariana e outras
sociais públicas; intervenções cirúrgicas por motivos médicos. (Incluído pela
d) destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas Lei nº 13.257, de 2016)
relacionadas com a proteção à infância e à juventude. § 9o A atenção primária à saúde fará a busca ativa da
gestante que não iniciar ou que abandonar as consultas de pré-
Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de natal, bem como da puérpera que não comparecer às consultas
qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, pós-parto. (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016)
violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei § 10. Incumbe ao poder público garantir, à gestante e à
qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos mulher com filho na primeira infância que se encontrem sob
fundamentais. custódia em unidade de privação de liberdade, ambiência que
atenda às normas sanitárias e assistenciais do Sistema Único
Art. 6º Na interpretação desta Lei levar-se-ão em conta os de Saúde para o acolhimento do filho, em articulação com o
fins sociais a que ela se dirige, as exigências do bem comum, os sistema de ensino competente, visando ao desenvolvimento
direitos e deveres individuais e coletivos, e a condição peculiar integral da criança. (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016)
da criança e do adolescente como pessoas em
desenvolvimento. Art. 8º-A. Fica instituída a Semana Nacional de Prevenção
da Gravidez na Adolescência, a ser realizada anualmente na
Título II semana que incluir o dia 1º de fevereiro, com o objetivo de
Dos Direitos Fundamentais disseminar informações sobre medidas preventivas e
Capítulo I educativas que contribuam para a redução da incidência da
Do Direito à Vida e à Saúde gravidez na adolescência. (Incluído pela Lei nº 13.798, de
2019)
Art. 7º A criança e o adolescente têm direito a proteção à Parágrafo único. As ações destinadas a efetivar o disposto
vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais no caput deste artigo ficarão a cargo do poder público, em
públicas que permitam o nascimento e o desenvolvimento conjunto com organizações da sociedade civil, e serão
sadio e harmonioso, em condições dignas de existência. dirigidas prioritariamente ao público adolescente. (Incluído
pela Lei nº 13.798, de 2019)
Art. 8o É assegurado a todas as mulheres o acesso aos
programas e às políticas de saúde da mulher e de Art. 9º O poder público, as instituições e os empregadores
planejamento reprodutivo e, às gestantes, nutrição adequada, propiciarão condições adequadas ao aleitamento materno,
atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao puerpério e inclusive aos filhos de mães submetidas a medida privativa de
atendimento pré-natal, perinatal e pós-natal integral no liberdade.
âmbito do Sistema Único de Saúde. (Redação dada pela Lei nº § 1o Os profissionais das unidades primárias de saúde
13.257, de 2016) desenvolverão ações sistemáticas, individuais ou coletivas,
§ 1o O atendimento pré-natal será realizado por visando ao planejamento, à implementação e à avaliação de
profissionais da atenção primária. (Redação dada pela Lei nº ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno
13.257, de 2016) e à alimentação complementar saudável, de forma contínua.
§ 2o Os profissionais de saúde de referência da gestante (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016)
garantirão sua vinculação, no último trimestre da gestação, ao § 2o Os serviços de unidades de terapia intensiva neonatal
estabelecimento em que será realizado o parto, garantido o deverão dispor de banco de leite humano ou unidade de coleta
direito de opção da mulher. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de leite humano. (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016)
de 2016)
§ 3o Os serviços de saúde onde o parto for realizado Art. 10. Os hospitais e demais estabelecimentos de atenção
assegurarão às mulheres e aos seus filhos recém-nascidos alta à saúde de gestantes, públicos e particulares, são obrigados a:
hospitalar responsável e contra referência na atenção I - manter registro das atividades desenvolvidas, através
primária, bem como o acesso a outros serviços e a grupos de de prontuários individuais, pelo prazo de dezoito anos;
apoio à amamentação. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de II - identificar o recém-nascido mediante o registro de sua
2016) impressão plantar e digital e da impressão digital da mãe, sem
§ 4o Incumbe ao poder público proporcionar assistência prejuízo de outras formas normatizadas pela autoridade
psicológica à gestante e à mãe, no período pré e pós-natal, administrativa competente;
inclusive como forma de prevenir ou minorar as III - proceder a exames visando ao diagnóstico e
consequências do estado puerperal. terapêutica de anormalidades no metabolismo do recém-
§ 5o A assistência referida no § 4o deste artigo deverá ser nascido, bem como prestar orientação aos pais;
prestada também a gestantes e mães que manifestem IV - fornecer declaração de nascimento onde constem
interesse em entregar seus filhos para adoção, bem como a necessariamente as intercorrências do parto e do
gestantes e mães que se encontrem em situação de privação de desenvolvimento do neonato;
liberdade. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016) V - manter alojamento conjunto, possibilitando ao neonato
§ 6o A gestante e a parturiente têm direito a 1 (um) a permanência junto à mãe.
acompanhante de sua preferência durante o período do pré- VI - acompanhar a prática do processo de amamentação,
natal, do trabalho de parto e do pós-parto imediato. (Incluído prestando orientações quanto à técnica adequada, enquanto a
pela Lei nº 13.257, de 2016) mãe permanecer na unidade hospitalar, utilizando o corpo
§ 7o A gestante deverá receber orientação sobre técnico já existente. (Incluído pela Lei nº 13.436, de 2017)
aleitamento materno, alimentação complementar saudável e
crescimento e desenvolvimento infantil, bem como sobre Art. 11. É assegurado acesso integral às linhas de cuidado
formas de favorecer a criação de vínculos afetivos e de voltadas à saúde da criança e do adolescente, por intermédio
do Sistema Único de Saúde, observado o princípio da equidade

Legislação 18
APOSTILAS OPÇÃO

no acesso a ações e serviços para promoção, proteção e § 5º É obrigatória a aplicação a todas as crianças, nos seus
recuperação da saúde. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de primeiros dezoito meses de vida, de protocolo ou outro
2016) instrumento construído com a finalidade de facilitar a
§ 1o A criança e o adolescente com deficiência serão detecção, em consulta pediátrica de acompanhamento da
atendidos, sem discriminação ou segregação, em suas criança, de risco para o seu desenvolvimento psíquico.
necessidades gerais de saúde e específicas de habilitação e (Incluído pela Lei nº 13.438, de 2017)
reabilitação. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016)
§ 2o Incumbe ao poder público fornecer gratuitamente, Capítulo II
àqueles que necessitarem, medicamentos, órteses, próteses e Do Direito à Liberdade, ao Respeito e à Dignidade
outras tecnologias assistivas relativas ao tratamento,
habilitação ou reabilitação para crianças e adolescentes, de Art. 15. A criança e o adolescente têm direito à liberdade,
acordo com as linhas de cuidado voltadas às suas necessidades ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo
específicas. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016) de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos
§ 3o Os profissionais que atuam no cuidado diário ou e sociais garantidos na Constituição e nas leis.
frequente de crianças na primeira infância receberão
formação específica e permanente para a detecção de sinais de Art. 16. O direito à liberdade compreende os seguintes
risco para o desenvolvimento psíquico, bem como para o aspectos:
acompanhamento que se fizer necessário. (Incluído pela Lei nº I - ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços
13.257, de 2016) comunitários, ressalvadas as restrições legais;
II - opinião e expressão;
Art. 12. Os estabelecimentos de atendimento à saúde, III - crença e culto religioso;
inclusive as unidades neonatais, de terapia intensiva e de IV - brincar, praticar esportes e divertir-se;
cuidados intermediários, deverão proporcionar condições V - participar da vida familiar e comunitária, sem
para a permanência em tempo integral de um dos pais ou discriminação;
responsável, nos casos de internação de criança ou VI - participar da vida política, na forma da lei;
adolescente. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016) VII - buscar refúgio, auxílio e orientação.

Art. 13. Os casos de suspeita ou confirmação de castigo Art. 17. O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da
físico, de tratamento cruel ou degradante e de maus-tratos integridade física, psíquica e moral da criança e do
contra criança ou adolescente serão obrigatoriamente adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da
comunicados ao Conselho Tutelar da respectiva localidade, identidade, da autonomia, dos valores, ideias e crenças, dos
sem prejuízo de outras providências legais. espaços e objetos pessoais.
§ 1o As gestantes ou mães que manifestem interesse em
entregar seus filhos para adoção serão obrigatoriamente Art. 18. É dever de todos velar pela dignidade da criança e
encaminhadas, sem constrangimento, à Justiça da Infância e da do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento
Juventude. (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016) desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou
§ 2o Os serviços de saúde em suas diferentes portas de constrangedor.
entrada, os serviços de assistência social em seu componente
especializado, o Centro de Referência Especializado de Art. 18-A. A criança e o adolescente têm o direito de ser
Assistência Social (Creas) e os demais órgãos do Sistema de educados e cuidados sem o uso de castigo físico ou de
Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente deverão tratamento cruel ou degradante, como formas de correção,
conferir máxima prioridade ao atendimento das crianças na disciplina, educação ou qualquer outro pretexto, pelos pais,
faixa etária da primeira infância com suspeita ou confirmação pelos integrantes da família ampliada, pelos responsáveis,
de violência de qualquer natureza, formulando projeto pelos agentes públicos executores de medidas socioeducativas
terapêutico singular que inclua intervenção em rede e, se ou por qualquer pessoa encarregada de cuidar deles, tratá-los,
necessário, acompanhamento domiciliar. (Incluído pela Lei nº educá-los ou protegê-los.
13.257, de 2016) Parágrafo único. Para os fins desta Lei, considera-se:
I - castigo físico: ação de natureza disciplinar ou punitiva
Art. 14. O Sistema Único de Saúde promoverá programas aplicada com o uso da força física sobre a criança ou o
de assistência médica e odontológica para a prevenção das adolescente que resulte em:
enfermidades que ordinariamente afetam a população infantil, a) sofrimento físico; ou
e campanhas de educação sanitária para pais, educadores e b) lesão;
alunos. II - tratamento cruel ou degradante: conduta ou forma
§ 1º É obrigatória a vacinação das crianças nos casos cruel de tratamento em relação à criança ou ao adolescente
recomendados pelas autoridades sanitárias. (Renumerado do que:
parágrafo único pela Lei nº 13.257, de 2016) a) humilhe;
§ 2º O Sistema Único de Saúde promoverá a atenção à b) ameace gravemente; ou
saúde bucal das crianças e das gestantes, de forma transversal, c) ridicularize.
integral e inter setorial com as demais linhas de cuidado
direcionadas à mulher e à criança. (Incluído pela Lei nº 13.257, Art. 18-B. Os pais, os integrantes da família ampliada, os
de 2016) responsáveis, os agentes públicos executores de medidas
§ 3º A atenção odontológica à criança terá função educativa socioeducativas ou qualquer pessoa encarregada de cuidar de
protetiva e será prestada, inicialmente, antes de o bebê nascer, crianças e de adolescentes, tratá-los, educá-los ou protegê-los
por meio de aconselhamento pré-natal, e, posteriormente, no que utilizarem castigo físico ou tratamento cruel ou
sexto e no décimo segundo anos de vida, com orientações degradante como formas de correção, disciplina, educação ou
sobre saúde bucal. (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016) qualquer outro pretexto estarão sujeitos, sem prejuízo de
§ 4º A criança com necessidade de cuidados odontológicos outras sanções cabíveis, às seguintes medidas, que serão
especiais será atendida pelo Sistema Único de Saúde. (Incluído aplicadas de acordo com a gravidade do caso:
pela Lei nº 13.257, de 2016) I - encaminhamento a programa oficial ou comunitário de
proteção à família;

Legislação 19
APOSTILAS OPÇÃO

II - encaminhamento a tratamento psicológico ou § 3º A busca à família extensa, conforme definida nos


psiquiátrico; termos do parágrafo único do art. 25 desta Lei, respeitará o
III - encaminhamento a cursos ou programas de prazo máximo de 90 (noventa) dias, prorrogável por igual
orientação; período. (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
IV - obrigação de encaminhar a criança a tratamento § 4º Na hipótese de não haver a indicação do genitor e de
especializado; não existir outro representante da família extensa apto a
V - advertência. receber a guarda, a autoridade judiciária competente deverá
Parágrafo único. As medidas previstas neste artigo serão decretar a extinção do poder familiar e determinar a colocação
aplicadas pelo Conselho Tutelar, sem prejuízo de outras da criança sob a guarda provisória de quem estiver habilitado
providências legais. a adotá-la ou de entidade que desenvolva programa de
acolhimento familiar ou institucional. (Incluído pela Lei nº
Capítulo III 13.509, de 2017)
Do Direito à Convivência Familiar e Comunitária § 5º Após o nascimento da criança, a vontade da mãe ou de
Seção I ambos os genitores, se houver pai registral ou pai indicado,
Disposições Gerais deve ser manifestada na audiência a que se refere o § 1º do art.
166 desta Lei, garantido o sigilo sobre a entrega. (Incluído pela
Art. 19. É direito da criança e do adolescente ser criado e Lei nº 13.509, de 2017)
educado no seio de sua família e, excepcionalmente, em família § 6º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, § 7º Os detentores da guarda possuem o prazo de 15
em ambiente que garanta seu desenvolvimento integral. (quinze) dias para propor a ação de adoção, contado do dia
(Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016) seguinte à data do término do estágio de convivência. (Incluído
§ 1º Toda criança ou adolescente que estiver inserido em pela Lei nº 13.509, de 2017)
programa de acolhimento familiar ou institucional terá sua § 8º Na hipótese de desistência pelos genitores -
situação reavaliada, no máximo, a cada 3 (três) meses, manifestada em audiência ou perante a equipe
devendo a autoridade judiciária competente, com base em interprofissional - da entrega da criança após o nascimento, a
relatório elaborado por equipe interprofissional ou criança será mantida com os genitores, e será determinado
multidisciplinar, decidir de forma fundamentada pela pela Justiça da Infância e da Juventude o acompanhamento
possibilidade de reintegração familiar ou pela colocação em familiar pelo prazo de 180 (cento e oitenta) dias. (Incluído pela
família substituta, em quaisquer das modalidades previstas no Lei nº 13.509, de 2017)
art. 28 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 13.509, de 2017) § 9º É garantido à mãe o direito ao sigilo sobre o
§ 2º A permanência da criança e do adolescente em nascimento, respeitado o disposto no art. 48 desta Lei.
programa de acolhimento institucional não se prolongará por (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
mais de 18 (dezoito meses), salvo comprovada necessidade § 10 (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
que atenda ao seu superior interesse, devidamente
fundamentada pela autoridade judiciária. (Redação dada pela Art. 19-B. A criança e o adolescente em programa de
Lei nº 13.509, de 2017) acolhimento institucional ou familiar poderão participar de
§ 3º A manutenção ou a reintegração de criança ou programa de apadrinhamento. (Incluído pela Lei nº 13.509, de
adolescente à sua família terá preferência em relação a 2017)
qualquer outra providência, caso em que será esta incluída em § 1º O apadrinhamento consiste em estabelecer e
serviços e programas de proteção, apoio e promoção, nos proporcionar à criança e ao adolescente vínculos externos à
termos do § 1º do art. 23, dos incisos I e IV do caput do art. 101 instituição para fins de convivência familiar e comunitária e
e dos incisos I a IV do caput do art. 129 desta Lei. (Redação colaboração com o seu desenvolvimento nos aspectos social,
dada pela Lei nº 13.257, de 2016) moral, físico, cognitivo, educacional e financeiro. (Incluído pela
§ 4º Será garantida a convivência da criança e do Lei nº 13.509, de 2017)
adolescente com a mãe ou o pai privado de liberdade, por meio § 2º (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
de visitas periódicas promovidas pelo responsável ou, nas § 3º Pessoas jurídicas podem apadrinhar criança ou
hipóteses de acolhimento institucional, pela entidade adolescente a fim de colaborar para o seu desenvolvimento.
responsável, independentemente de autorização judicial. (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
§ 5º Será garantida a convivência integral da criança com a § 4º O perfil da criança ou do adolescente a ser
mãe adolescente que estiver em acolhimento institucional. apadrinhado será definido no âmbito de cada programa de
(Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017) apadrinhamento, com prioridade para crianças ou
§ 6º A mãe adolescente será assistida por equipe adolescentes com remota possibilidade de reinserção familiar
especializada multidisciplinar. (Incluído pela Lei nº 13.509, de ou colocação em família adotiva. (Incluído pela Lei nº 13.509,
2017) de 2017)
§ 5º Os programas ou serviços de apadrinhamento
Art. 19-A. A gestante ou mãe que manifeste interesse em apoiados pela Justiça da Infância e da Juventude poderão ser
entregar seu filho para adoção, antes ou logo após o executados por órgãos públicos ou por organizações da
nascimento, será encaminhada à Justiça da Infância e da sociedade civil. (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
Juventude. (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017) § 6º Se ocorrer violação das regras de apadrinhamento, os
§ 1º A gestante ou mãe será ouvida pela equipe responsáveis pelo programa e pelos serviços de acolhimento
interprofissional da Justiça da Infância e da Juventude, que deverão imediatamente notificar a autoridade judiciária
apresentará relatório à autoridade judiciária, considerando competente. (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
inclusive os eventuais efeitos do estado gestacional e
puerperal. (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017) Art. 20. Os filhos, havidos ou não da relação do casamento,
§ 2º De posse do relatório, a autoridade judiciária poderá ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações,
determinar o encaminhamento da gestante ou mãe, mediante proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à
sua expressa concordância, à rede pública de saúde e filiação.
assistência social para atendimento especializado. (Incluído
pela Lei nº 13.509, de 2017) Art. 21. O poder familiar será exercido, em igualdade de
condições, pelo pai e pela mãe, na forma do que dispuser a

Legislação 20
APOSTILAS OPÇÃO

legislação civil, assegurado a qualquer deles o direito de, em § 1º Sempre que possível, a criança ou o adolescente será
caso de discordância, recorrer à autoridade judiciária previamente ouvido por equipe interprofissional, respeitado
competente para a solução da divergência. seu estágio de desenvolvimento e grau de compreensão sobre
as implicações da medida, e terá sua opinião devidamente
Art. 22. Aos pais incumbe o dever de sustento, guarda e considerada
educação dos filhos menores, cabendo-lhes ainda, no interesse § 2º Tratando-se de maior de 12 (doze) anos de idade, será
destes, a obrigação de cumprir e fazer cumprir as necessário seu consentimento, colhido em audiência.
determinações judiciais. § 3º Na apreciação do pedido levar-se-á em conta o grau de
Parágrafo único. A mãe e o pai, ou os responsáveis, têm parentesco e a relação de afinidade ou de afetividade, a fim de
direitos iguais e deveres e responsabilidades compartilhados evitar ou minorar as consequências decorrentes da medida.
no cuidado e na educação da criança, devendo ser resguardado § 4º Os grupos de irmãos serão colocados sob adoção,
o direito de transmissão familiar de suas crenças e culturas, tutela ou guarda da mesma família substituta, ressalvada a
assegurados os direitos da criança estabelecidos nesta Lei. comprovada existência de risco de abuso ou outra situação que
(Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016) justifique plenamente a excepcionalidade de solução diversa,
procurando-se, em qualquer caso, evitar o rompimento
Art. 23. A falta ou a carência de recursos materiais não definitivo dos vínculos fraternais.
constitui motivo suficiente para a perda ou a suspensão do § 5o A colocação da criança ou adolescente em família
poder familiar. substituta será precedida de sua preparação gradativa e
§ 1o Não existindo outro motivo que por si só autorize a acompanhamento posterior, realizados pela equipe
decretação da medida, a criança ou o adolescente será mantido interprofissional a serviço da Justiça da Infância e da
em sua família de origem, a qual deverá obrigatoriamente ser Juventude, preferencialmente com o apoio dos técnicos
incluída em serviços e programas oficiais de proteção, apoio e responsáveis pela execução da política municipal de garantia
promoção. (Redação dada pela Lei nº 13.257, de 2016) do direito à convivência familiar.
§ 2º A condenação criminal do pai ou da mãe não implicará § 6ºEm se tratando de criança ou adolescente indígena ou
a destituição do poder familiar, exceto na hipótese de proveniente de comunidade remanescente de quilombo, é
condenação por crime doloso sujeito à pena de reclusão contra ainda obrigatório.
outrem igualmente titular do mesmo poder familiar ou contra I - que sejam consideradas e respeitadas sua identidade
filho, filha ou outro descendente. (Redação dada pela Lei nº social e cultural, os seus costumes e tradições, bem como suas
13.715, de 2018) instituições, desde que não sejam incompatíveis com os
direitos fundamentais reconhecidos por esta Lei e pela
Art. 24. A perda e a suspensão do poder familiar serão Constituição Federal;
decretadas judicialmente, em procedimento contraditório, nos II - que a colocação familiar ocorra prioritariamente no
casos previstos na legislação civil, bem como na hipótese de seio de sua comunidade ou junto a membros da mesma etnia;
descumprimento injustificado dos deveres e obrigações a que III - a intervenção e oitiva de representantes do órgão
alude o art. 22. federal responsável pela política indigenista, no caso de
crianças e adolescentes indígenas, e de antropólogos, perante
Seção II a equipe interprofissional ou multidisciplinar que irá
Da Família Natural acompanhar o caso.

Art. 25. Entende-se por família natural a comunidade Art. 29. Não se deferirá colocação em família substituta a
formada pelos pais ou qualquer deles e seus descendentes. pessoa que revele, por qualquer modo, incompatibilidade com
Parágrafo único. Entende-se por família extensa ou a natureza da medida ou não ofereça ambiente familiar
ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e adequado.
filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos
com os quais a criança ou adolescente convive e mantém Art. 30. A colocação em família substituta não admitirá
vínculos de afinidade e afetividade. transferência da criança ou adolescente a terceiros ou a
entidades governamentais ou não-governamentais, sem
Art. 26. Os filhos havidos fora do casamento poderão ser autorização judicial.
reconhecidos pelos pais, conjunta ou separadamente, no
próprio termo de nascimento, por testamento, mediante Art. 31. A colocação em família substituta estrangeira
escritura ou outro documento público, qualquer que seja a constitui medida excepcional, somente admissível na
origem da filiação. modalidade de adoção.
Parágrafo único. O reconhecimento pode preceder o
nascimento do filho ou suceder-lhe ao falecimento, se deixar Art. 32. Ao assumir a guarda ou a tutela, o responsável
descendentes. prestará compromisso de bem e fielmente desempenhar o
encargo, mediante termo nos autos.
Art. 27. O reconhecimento do estado de filiação é direito
personalíssimo, indisponível e imprescritível, podendo ser Subseção II
exercitado contra os pais ou seus herdeiros, sem qualquer Da Guarda
restrição, observado o segredo de Justiça.
Art. 33. A guarda obriga a prestação de assistência
Seção III material, moral e educacional à criança ou adolescente,
Da Família Substituta conferindo a seu detentor o direito de opor-se a terceiros,
Subseção I inclusive aos pais.
Disposições Gerais § 1º A guarda destina-se a regularizar a posse de fato,
podendo ser deferida, liminar ou incidentalmente, nos
Art. 28. A colocação em família substituta far-se-á procedimentos de tutela e adoção, exceto no de adoção por
mediante guarda, tutela ou adoção, independentemente da estrangeiros.
situação jurídica da criança ou adolescente, nos termos desta § 2º Excepcionalmente, deferir-se-á a guarda, fora dos
Lei. casos de tutela e adoção, para atender a situações peculiares

Legislação 21
APOSTILAS OPÇÃO

ou suprir a falta eventual dos pais ou responsável, podendo ser Subseção IV


deferido o direito de representação para a prática de atos Da Adoção
determinados.
§ 3º A guarda confere à criança ou adolescente a condição Art. 39. A adoção de criança e de adolescente reger-se-á
de dependente, para todos os fins e efeitos de direito, inclusive segundo o disposto nesta Lei.
previdenciários. § 1º A adoção é medida excepcional e irrevogável, à qual se
§ 4º Salvo expressa e fundamentada determinação em deve recorrer apenas quando esgotados os recursos de
contrário, da autoridade judiciária competente, ou quando a manutenção da criança ou adolescente na família natural ou
medida for aplicada em preparação para adoção, o extensa, na forma do parágrafo único do art. 25 desta Lei.
deferimento da guarda de criança ou adolescente a terceiros § 2º É vedada a adoção por procuração.
não impede o exercício do direito de visitas pelos pais, assim § 3º Em caso de conflito entre direitos e interesses do
como o dever de prestar alimentos, que serão objeto de adotando e de outras pessoas, inclusive seus pais biológicos,
regulamentação específica, a pedido do interessado ou do devem prevalecer os direitos e os interesses do adotando.
Ministério Público. (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)

Art. 34. O poder público estimulará, por meio de Art. 40. O adotando deve contar com, no máximo, dezoito
assistência jurídica, incentivos fiscais e subsídios, o anos à data do pedido, salvo se já estiver sob a guarda ou tutela
acolhimento, sob a forma de guarda, de criança ou adolescente dos adotantes.
afastado do convívio familiar.
§ 1º A inclusão da criança ou adolescente em programas de Art. 41. A adoção atribui a condição de filho ao adotado,
acolhimento familiar terá preferência a seu acolhimento com os mesmos direitos e deveres, inclusive sucessórios,
institucional, observado, em qualquer caso, o caráter desligando-o de qualquer vínculo com pais e parentes, salvo os
temporário e excepcional da medida, nos termos desta Lei. impedimentos matrimoniais.
§ 2º Na hipótese do § 1º deste artigo a pessoa ou casal § 1º Se um dos cônjuges ou concubinos adota o filho do
cadastrado no programa de acolhimento familiar poderá outro, mantêm-se os vínculos de filiação entre o adotado e o
receber a criança ou adolescente mediante guarda, observado cônjuge ou concubino do adotante e os respectivos parentes.
o disposto nos arts. 28 a 33 desta Lei. § 2º É recíproco o direito sucessório entre o adotado, seus
§ 3º A União apoiará a implementação de serviços de descendentes, o adotante, seus ascendentes, descendentes e
acolhimento em família acolhedora como política pública, os colaterais até o 4º grau, observada a ordem de vocação
quais deverão dispor de equipe que organize o acolhimento hereditária.
temporário de crianças e de adolescentes em residências de
famílias selecionadas, capacitadas e acompanhadas que não Art. 42. Podem adotar os maiores de 18 (dezoito) anos,
estejam no cadastro de adoção. (Incluído pela Lei nº 13.257, de independentemente do estado civil.
2016) § 1º Não podem adotar os ascendentes e os irmãos do
§ 4º Poderão ser utilizados recursos federais, estaduais, adotando.
distritais e municipais para a manutenção dos serviços de § 2º Para adoção conjunta, é indispensável que os
acolhimento em família acolhedora, facultando-se o repasse de adotantes sejam casados civilmente ou mantenham união
recursos para a própria família acolhedora. (Incluído pela Lei estável, comprovada a estabilidade da família.
nº 13.257, de 2016) § 3º O adotante há de ser, pelo menos, dezesseis anos mais
velho do que o adotando.
Art. 35. A guarda poderá ser revogada a qualquer tempo, § 4º Os divorciados, os judicialmente separados e os ex
mediante ato judicial fundamentado, ouvido o Ministério companheiros podem adotar conjuntamente, contanto que
Público. acordem sobre a guarda e o regime de visitas e desde que o
estágio de convivência tenha sido iniciado na constância do
Subseção III período de convivência e que seja comprovada a existência de
Da Tutela vínculos de afinidade e afetividade com aquele não detentor da
guarda, que justifiquem a excepcionalidade da concessão.
Art. 36. A tutela será deferida, nos termos da lei civil, a § 5º Nos casos do § 4º deste artigo, desde que demonstrado
pessoa de até 18 (dezoito) anos incompletos. efetivo benefício ao adotando, será assegurada a guarda
Parágrafo único. O deferimento da tutela pressupõe a compartilhada, conforme previsto no art. 1.584 da Lei nº
prévia decretação da perda ou suspensão do poder familiar e 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil
implica necessariamente o dever de guarda. § 6o A adoção poderá ser deferida ao adotante que, após
inequívoca manifestação de vontade, vier a falecer no curso do
Art. 37. O tutor nomeado por testamento ou qualquer procedimento, antes de prolatada a sentença.
documento autêntico, conforme previsto no parágrafo único
do art. 1.729 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Art. 43. A adoção será deferida quando apresentar reais
Código Civil, deverá, no prazo de 30 (trinta) dias após a vantagens para o adotando e fundar-se em motivos legítimos.
abertura da sucessão, ingressar com pedido destinado ao
controle judicial do ato, observando o procedimento previsto Art. 44. Enquanto não der conta de sua administração e
nos arts. 165 a 170 desta Lei. saldar o seu alcance, não pode o tutor ou o curador adotar o
Parágrafo único. Na apreciação do pedido, serão pupilo ou o curatelado.
observados os requisitos previstos nos arts. 28 e 29 desta Lei,
somente sendo deferida a tutela à pessoa indicada na Art. 45. A adoção depende do consentimento dos pais ou
disposição de última vontade, se restar comprovado que a do representante legal do adotando.
medida é vantajosa ao tutelando e que não existe outra pessoa § 1º O consentimento será dispensado em relação à criança
em melhores condições de assumi-la. ou adolescente cujos pais sejam desconhecidos ou tenham sido
destituídos do poder familiar.
Art. 38. Aplica-se à destituição da tutela o disposto no art. § 2º Em se tratando de adotando maior de doze anos de
24. idade, será também necessário o seu consentimento.

Legislação 22
APOSTILAS OPÇÃO

Art. 46. A adoção será precedida de estágio de convivência igual período, mediante decisão fundamentada da autoridade
com a criança ou adolescente, pelo prazo máximo de 90 judiciária. (Incluído pela Lei nº 13.509, de 2017)
(noventa) dias, observadas a idade da criança ou adolescente
e as peculiaridades do caso. (Redação dada pela Lei nº 13.509, Art. 48. O adotado tem direito de conhecer sua origem
de 2017) biológica, bem como de obter acesso irrestrito ao processo no
§ 1º O estágio de convivência poderá ser dispensado se o qual a medida foi aplicada e seus eventuais incidentes, após
adotando já estiver sob a tutela ou guarda legal do adotante completar 18 (dezoito) anos.
durante tempo suficiente para que seja possível avaliar a Parágrafo único. O acesso ao processo de adoção poderá
conveniência da constituição do vínculo. ser também deferido ao adotado menor de 18 (dezoito) anos,
§ 2º A simples guarda de fato não autoriza, por si só, a a seu pedido, assegurada orientação e assistência jurídica e
dispensa da realização do estágio de convivência. psicológica.
§ 2º-A. O prazo máximo estabelecido no caput deste artigo
pode ser prorrogado por até igual período, mediante decisão Art. 49. A morte dos adotantes não restabelece o poder
fundamentada da autoridade judiciária. (Incluído pela Lei nº familiar dos pais naturais.
13.509, de 2017)
§ 3º Em caso de adoção por pessoa ou casal residente ou Art. 50. A autoridade judiciária manterá, em cada comarca
domiciliado fora do País, o estágio de convivência será de, no ou foro regional, um registro de crianças e adolescentes em
mínimo, 30 (trinta) dias e, no máximo, 45 (quarenta e cinco) condições de serem adotados e outro de pessoas interessadas
dias, prorrogável por até igual período, uma única vez, na adoção.
mediante decisão fundamentada da autoridade judiciária. § 1º O deferimento da inscrição dar-se-á após prévia
(Redação dada pela Lei nº 13.509, de 2017) consulta aos órgãos técnicos do juizado, ouvido o Ministério
§ 3o-A. Ao final do prazo previsto no § 3o deste artigo, Público.
deverá ser apresentado laudo fundamentado pela equipe § 2º Não será deferida a inscrição se o interessado não
mencionada no § 4o deste artigo, que recomendará ou não o satisfazer os requisitos legais, ou verificada qualquer das
deferimento da adoção à autoridade judiciária. (Incluído pela hipóteses previstas no art. 29.
Lei nº 13.509, de 2017) § 3º A inscrição de postulantes à adoção será precedida de
§ 4º O estágio de convivência será acompanhado pela um período de preparação psicossocial e jurídica, orientado
equipe interprofissional a serviço da Justiça da Infância e da pela equipe técnica da Justiça da Infância e da Juventude,
Juventude, preferencialmente com apoio dos técnicos preferencialmente com apoio dos técnicos responsáveis pela
responsáveis pela execução da política de garantia do direito à execução da política municipal de garantia do direito à
convivência familiar, que apresentarão relatório minucioso convivência familiar.
acerca da conveniência do deferimento da medida. § 4º Sempre que possível e recomendável, a preparação
§ 5º O estágio de convivência será cumprido no território referida no § 3º deste artigo incluirá o contato com crianças e
nacional, preferencialmente na comarca de residência da adolescentes em acolhimento familiar ou institucional em
criança ou adolescente, ou, a critério do juiz, em cidade condições de serem adotados, a ser realizado sob a orientação,
limítrofe, respeitada, em qualquer hipótese, a competência do supervisão e avaliação da equipe técnica da Justiça da Infância
juízo da comarca de residência da criança. (Incluído pela Lei nº e da Juventude, com apoio dos técnicos responsáveis pelo
13.509, de 2017) programa de acolhimento e pela execução da política
municipal de garantia do direito à convivência familiar.
Art. 47. O vínculo da adoção constitui-se por sentença § 5º Serão criados e implementados cadastros estaduais e
judicial, que será inscrita no registro civil mediante mandado nacional de crianças e adolescentes em condições de serem
do qual não se fornecerá certidão. adotados e de pessoas ou casais habilitados à adoção.
§ 1º A inscrição consignará o nome dos adotantes como § 6º Haverá cadastros distintos para pessoas ou casais
pais, bem como o nome de seus ascendentes. residentes fora do País, que somente serão consultados na
§ 2º O mandado judicial, que será arquivado, cancelará o inexistência de postulantes nacionais habilitados nos
registro original do adotado. cadastros mencionados no § 5º deste artigo.
§ 3º A pedido do adotante, o novo registro poderá ser § 7º As autoridades estaduais e federais em matéria de
lavrado no Cartório do Registro Civil do Município de sua adoção terão acesso integral aos cadastros, incumbindo-lhes a
residência.