Você está na página 1de 90

ATOS WEBSERVER

Manual de Programação / Configuração


Ref. 4-0063.120
Manual Rev. 1.20 Abril/2005

Atos Automação Industrial LTDA.


Rua Arnoldo Felmanas, 201
Vila Friburgo - São Paulo – SP
CEP 04774-010

Departamento Comercial:
Tel.: 55 11 5547 7412 - Fax: 55 11 5522 5089
e-mail: comercial@atos.com.br

Fábrica / Assistência Técnica / Engenharia:


Tel.: 55 11 5547 7400 - Fax: 55 11 5686 9194
e-mail: atos@atos.com.br

Call Center: 55 11 5547 7411


e-mail: suportec@atos.com.br

Atos na Internet: www.atos.com.br

1
Este manual não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização por escrito da Atos.

Seu conteúdo tem caráter exclusivamente técnico/informativo e a Atos se reserva no direito, sem qualquer aviso
prévio, de alterar as informações deste documento.

2
Sistema de
Certificado ISO
9001 desde 1996,
com foco na
Satisfação do
Termo de Garantia Cliente

A Atos Automação Industrial LTDA. assegura ao comprador deste produto, garantia


contra qualquer defeito de material ou de fabricação, que nele apresentar no prazo de 360 dias contados a
partir da emissão da nota fiscal de venda.

A Atos Automação Industrial LTDA. restringe sua responsabilidade à substituição de


peças defeituosas, desde que o critério de seu Departamento de Assistência Técnica, se constate falha
em condições normais de uso. A garantia não inclui a troca gratuita de peças ou acessórios que se des-
gastem naturalmente com o uso, cabos, chaves, conectores externos e relés. A garantia também não in-
clui fusíveis, baterias e memórias regraváveis tipo EPROM.

A Atos Automação Industrial LTDA. declara a garantia nula e sem efeito se este pro-
duto sofrer qualquer dano provocado por acidentes, agentes da natureza, uso em desacordo com o manu-
al de instruções, ou por ter sido ligado à rede elétrica imprópria, sujeita a flutuações excessivas, ou com
interferência eletromagnética acima das especificações deste produto. A garantia será nula se o equipa-
mento apresentar sinais de ter sido consertado por pessoa não habilitada e se houver remoção e/ou alte-
ração do número de série ou etiqueta de identificação.

A Atos Automação Industrial LTDA. somente obriga-se a prestar os serviços referidos


neste termo de garantia em sua sede em São Paulo - SP, portanto, compradores estabelecidos em outras
localidades serão os únicos responsáveis pelas despesas e riscos de transportes (ida e volta).

• Serviço de Suporte Atos

A Atos conta com uma equipe de engenheiros e representantes treinados na própria fábrica e oferece
a seus clientes um sistema de trabalho em parceria para especificar, configurar e desenvolver software
usuário e soluções em automação e presta serviços de aplicações e start-up.

A Atos mantém ainda o serviço de assistência técnica em toda a sua linha de produtos, que é prestado
em suas instalações.

Com o objetivo de criar um canal de comunicação entre a Atos e seus usuários, criamos um serviço
denominado CALL CENTER. Este serviço centraliza as eventuais dúvidas e sugestões, visando a exce-
lência dos produtos e serviços comercializados pela Atos.

CALL CENTER
De Segunda a Sexta-feira
Das 7:30 às 12:00 h e das 13:00 às 17:30 h
Telefone: 55 11 5547 7411
E-mail: suportec@atos.com.br

Para contato com a Atos utilize o endereço e telefones mostrados na primeira página deste Manual.

3
CONVENÇÕES UTILIZADAS
• Títulos de capítulos estão destacados no índice e aparecem no cabeçalho das páginas;

• Um capítulo pode ter várias seções. Os títulos dessas seções estão marcados pelo sinal como mos-
trado no exemplo abaixo

Título de uma Seção


• Uma seção pode ter várias subseções. Os títulos dessas subseções estão marcados pelo sinal • como
mostrado no exemplo abaixo:
• Título de uma subseção

• Uma subseção pode ter vários itens. Esses itens iniciam por um marcador “•” ou um número seqüencial.

• Palavras em outras línguas são apresentadas entre aspas (“ ”), porém algumas palavras são emprega-
das livremente por causa de sua generalidade e freqüência de uso. Como por exemplo, às pala-
vras software e hardware.

• Números seguidos da letra h subscrita (ex: 1024h) indicam numeração hexadecimal. Qualquer outra nu-
meração presente deve ser interpretada em decimal.

• O destaque de algumas informações é dado através de ícones localizados sempre à esquerda da pági-
na. Cada um destes ícones caracteriza um tipo de informação diferente, sendo alguns considerados so-
mente com caráter informativo e outros de extrema importância e cuidado. Eles estão identificados mais
abaixo:

NOTA


NOTA: De caráter informativo, mostra dicas de utilização e/ou configuração possí-
veis, ou ressalta alguma informação relevante no equipamento.

OBSERVAÇÃO: De caráter informativo, mostra alguns pontos importantes no


comportamento / utilização ou configuração do equipamento. Ressalta tópicos
OBSERVAÇÃO
necessários para a correta abrangência do conteúdo deste manual.

"IMPORTANTE
IMPORTANTE: De caráter informativo, mostrando pontos e trechos importantes
do manual. Sempre observe e analise bem o conteúdo das informações que são
identificadas por este ícone.

ATENÇÃO: Este ícone identifica tópicos que devem ser lidos com extrema aten-
ção, pois afetam no correto funcionamento do equipamento em questão, podendo
até causar danos à máquina / processo, ou mesmo ao operador, se não forem
observados e obedecidos.

4
ÍNDICE
C A P Í TULO 1 – IN TR O D U Ç Ã O AO W E B S ER VE R . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

• Descrição Geral ................................................ ............................................................... .. 11


• Dimensões ...................................................... ............................................................... ... 11
• Códigos dos produtos ........................................... ............................................................. 11
• Características Gerais........................................................................................................ 12
• Configurações mínimas para rodar o WEB Studio ................................................................ 12
• Configurações recomendadas ............................................................................................. 12
• Esquema de ligação........................................................................................................... 1 3

C APÍTULO 2 – CON F IGU RAÇ ÃO DO WEBSER VER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 5

• Configuração de Hardware ....................................... .......................................................... 17


• Configurando o Webserver ................................................................................................. 17
• Acessando o software de configuração........................................................................................................................ 17
• Telnet via Windows 95, 98, 2000, ME ou XP ............................................................................................................... 18
• Telnet via Windows NT................................................................................................................................................. 20
• Cadastro de usuários.................................................................................................................................................... 22
• Configurar parâmetros de rede..................................................................................................................................... 23
• Configurar parâmetros das seriais................................................................................................................................ 24
• Configuração atual........................................................................................................................................................ 25
• Encerrando as configurações ....................................................................................................................................... 25

C APÍTULO 3 – CO MUN IC AÇ ÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 7

• Meio de transmissão ETHERNET ........................................................................................ 29


• Cabo direto ................................................................................................................................................................... 29
• Cabo cruzado ............................................................................................................................................................... 29
• Cabo de ligação em RS232 (Webserver Ù PLC) .......................................................... ....... 30
• Cabo de ligação em RS485 (rede de PLC’s) ........................................................................ 31
• Características elétricas do cabo para padrão RS485 ................................................................................................. 31
• Ligando o Webserver a uma rede .................................................... ................................... 32
• Topologias ..................................................... ............................................................... .... 33
• Intranet.......................................................................................................................................................................... 33
• Internet.......................................................................................................................................................................... 33

C APÍTULO 4 – W EB ST UD IO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 5

• Sobre o WEB Studio ............................................. ............................................................. 37


• Descrição da interface com o usuário .................................................................................. 37
• Iniciando um novo projeto .................................................................................................. 39
• Criando / formatando sua página inicial ............................................................................... 42
• Propriedades da página................................................................................................................................................ 43
• Inserindo uma imagem background ............................................................................................................................. 43
• Definindo a área de trabalho da imagem ..................................................................................................................... 44

5
• Definição das variáveis utilizadas no projeto ........................................................................ 44
• Declarando um PLC...................................................................................................................................................... 44
Definição de parâmetros do novo PLC........................................................................................................................ 44
• Criando um grupo de variáveis ..................................................................................................................................... 45
Definição de parâmetros do novo grupo ..................................................................................................................... 45
• Declarando as variáveis do projeto............................................................................................................................... 46
Definição de parâmetros da nova variável .................................................................................................................. 46
• Componentes do WEB Studio...................................... ........................................................ 47
• Propriedades comuns dos objetos ....................................................................................... 47
Position........................................................................................................................................................................ 47
Name ........................................................................................................................................................................... 47
Variable ....................................................................................................................................................................... 48
Format ......................................................................................................................................................................... 49
Style............................................................................................................................................................................. 50
Link .............................................................................................................................................................................. 51
• Propriedades exclusivas dos objetos ................................................................................... 52
• Objeto Display............................................................................................................................................................... 52
Text.............................................................................................................................................................................. 53
Declarando variáveis em um Display .......................................................................................................................... 53
• Objeto Dynamic............................................................................................................................................................. 54
Mode............................................................................................................................................................................ 55
Zones........................................................................................................................................................................... 56
• Objeto Edit .................................................................................................................................................................... 57
ReadOnly..................................................................................................................................................................... 58
• Objeto Button ................................................................................................................................................................ 59
Mode............................................................................................................................................................................ 60
States .......................................................................................................................................................................... 60
ReadOnly..................................................................................................................................................................... 61
• Objeto Bar ..................................................................................................................................................................... 62
MaxValue..................................................................................................................................................................... 63
Orientation ................................................................................................................................................................... 64
• Objeto Static Image....................................................................................................................................................... 65
Image........................................................................................................................................................................... 66
• Formatação das folhas de estilo .......................................................................................... 67
• Formatação de texto nos objetos.................................................................................................................................. 67
Tamanho da fonte (font-size) ...................................................................................................................................... 67
Tipo de fonte (font-family)............................................................................................................................................ 68
Cor da fonte (color)...................................................................................................................................................... 68
• Formatação da aparência dos objetos.......................................................................................................................... 69
Cor de fundo (background-color)................................................................................................................................. 69
Tamanho da borda (border-width)............................................................................................................................... 69
Estilo de borda (border-style) ...................................................................................................................................... 70
Cor da borda (border-color)......................................................................................................................................... 71
• Trabalhando com Layers .............................................................................................................................................. 72
• Programação dos alarmes................................................................................................... 74
• Programação de envio automático de e-mails ....................................................................... 75
• Enviando o projeto para o Webserver .................................................................................. 76

6
A P Ê N D IC E A – A T ALHO S D E TEC L AD O D O W EB STUD I O . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 9

• Comandos Gerais do WEB Studio ....................................................................................... 81

A P Ê N D IC E B – SO LU C I O N AN D O PR O BL EM A S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 3

A P Ê N D IC E C – IN D IC A D OR E S D E D I AG N ÓST I C O . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 7

7
8
CAPÍTULO 1
INTRODUÇÃO AO WEBSERVER
CAPÍTULO 1 – INTRODUÇÃO AO WEBSERVER

9
INTRODUÇÃO AO WEBSERVER

10
INTRODUÇÃO AO WEBSERVER

Descrição Geral
O produto 2345.00 – ATOS WEBSERVER – tem a capacidade de armazenar páginas XML em sua memó-
ria flash. Estas páginas podem ser visualizadas a partir de um browser conectado a Intranet ou Internet.
1
O ATOS WEBSERVER é capaz de gerar páginas XML dinamicamente onde operações de escrita e leitura
das variáveis do PLC via http possuem respostas em formato XML. Sua programação é feita pelo aplicati-
vo WEB Studio, o editor de página XML da ATOS.

Além de servidor de páginas, o ATOS WEBSERVER pode operar também como conversor Ethernet / Se-
rial transparente o que permite que qualquer equipamento que possua canal RS232 ou RS485 se conecte
à rede Ethernet. Desta maneira é possível interligar máquinas / processos com sistemas supervisórios via
rede Ethernet.

Dimensões Visão Geral

Códigos dos produtos


Código Características
2345.00 Montado em bastidor do MPC4004 de 1 passo
4004.78W Usado como unidade avulsa do MPC4004
Observação: A alimentação da unidade 4004.78W é feita através de barramento interno

11
INTRODUÇÃO AO WEBSERVER

Características Gerais

1 DESCRIÇÃO DA ALIMENTAÇÃO / OPERAÇÃO


Tensão de alimentação CC 9 a 36Vcc
Temperatura de Armazenagem -20 a +70 °C
Temperatura de Operação 0 a +55 °C
Umidade 0 a 95% (sem condensação)
Vibração 5 a 50Hz / 0,625G (0,1mm pico a pico)
Imunidade a ruído Conforme Nema Standard ICS2-230
Imunidade à descarga eletrostática Conforme IEC 801-2
Capacidade de armazenamento 200 Kbytes

INTERFACES DE COMUNICAÇÃO
ON (vermelho)
STS (vermelho)
Indicadores LED
Link (verde)
Active (vermelho)
Software de configuração HyperTerminal / TelNet
Software de programação ATOS WEB Studio
Canal Ethernet 10 baseT
Interface de Comunicação
2 canais seriais: RS232 e RS485 independentes
Função Keep Alive (1) SIM

(1) - Este parâmetro controla com que frequência o TCP verifica se uma conexão ociosa está intacta envi-
ando um pacote keep-alive. Se o sistema remoto estiver alcançável e operacional, ele irá responder ao
pacote keep-alive. Pacotes Keep-alive não são enviados por padrão. Este recurso pode ser habilitado em
uma conexão por uma aplicação.

Configurações mínimas para rodar o WEB Studio


• Processador: Pentium II com 64 Mb de RAM.
• Vídeo: 800x600 pixels (fontes pequenas)
• Espaço disponível no HD: 25 Mb
• Sistema Operacional: Windows 98, 2000, ME e XP
• Internet Explorer 5.5 (SP2)

NOTA O WEB Studio não é compatível com a plataforma Windows NT.


Durante o desenvolvimento, é necessário que o computador possua o Internet Explorer 5.5
ou uma versão superior instalada, pois o WEB Studio utiliza este browser durante a edição
das páginas XML.
Qualquer browser compatível com o IE 5.5 pode acessar as páginas criadas pelo WEB Stu-
dio.

Configurações recomendadas
• Processador: Pentium III com 128 Mb de RAM.
• Vídeo: 1024x768 pixels
• Sistema Operacional: Windows 2000 ou XP
• Internet Explorer 6

12
INTRODUÇÃO AO WEBSERVER

Esquema de ligação
1
ON

STATU

RJ45 LIN

1 TD+ ACTIV

2 TD-
REDE 3 RD+
4 NC
ETHERNET
5 NC
6 RD-
Ethernet
7 NC
8 NC

RJ11
1 RTS RS232
2 RX
CABO
3 TX
CRS232415 ou
C4004EXXX 4 NC
5 GND DO/ RI
6 CTS DO/ RI RS485
+5Vcc
CN1 GND

1 DO\ RI\
CABO
2 DO RI
C4004AXXX 3 +5Vcc
4 GND

10 a + +24Vcc
36Vcc - 0Vcc
ATERRAMENTO

2345.00

Para a unidade 4004.78W não é necessário alimentação externa de 24Vcc


OBSERVAÇÃO

13
INTRODUÇÃO AO WEBSERVER

14
CAPÍTULO 2 – CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

CAPÍTULO 2
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

15
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

16
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

Configuração de Hardware
JUMPER POSIÇÃO DESCRIÇÃO
A Trabalha com os parâmetros default do webserver
ST1

2
B* Trabalha com os parâmetros personalizados no equipamento
ST2 B* RESERVADO
ST3 B* RESERVADO
* - Posição Default

Configurando o Webserver
O Webserver possui uma região de configuração simples e fácil de utilizar. Os próximos tópicos descre-
vem o software de configuração e seu modo de utilização:

• Acessando o software de configuração


A configuração do Webserver é feita por via rede Ethernet. O software de configuração que utilizaremos
para configurá-lo chama-se Telnet ou HyperTerminal. Ambos pertencem ao próprio sistema operacional
Windows.

Dependendo da versão do Windows utilizada, o Telnet é acessado de maneira diferente,


mas com o mesmo resultado.
Acompanhe a seguir o procedimento utilizado pelos usuários do Windows 95, 98, 2000,
OBSERVAÇÃO ME ou XP.
Para o sistema operacional Windows NT, ver página 20 deste manual.

17
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

• Telnet via Windows 95, 98, 2000, ME ou XP.

Os sistemas operacionais Windows 95, 98, 2000, ME e XP possuem o Telnet agregado ao HyperTerminal,
portanto, a descrição a seguir mostra como acessar as configurações do Webserver através do Hyper-
Terminal:

2
O software HyperTerminal encontra-se no seguinte local:

“INICIAR/PROGRAMAS/ACESSÓRIOS/COMUNICAÇÕES/HYPERTERMINAL.EXE”

Ao entrar no programa, a janela de descrição da conexão será apresentada, como mostra a figura a se-
guir.

Esta janela pede um nome para a nova conexão a ser realizada, e um ícone para identificá-la. No exemplo
utilizado, o nome da conexão será “Telnet”. Clique em “OK” para confirmar.

A próxima janela apresentada chama-se “Conectar-se”. Ela define o tipo de conexão a ser realizada.

18
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

Defina na caixa de seleção “Conectar-se usando” a


opção “TCP/IP (Winsock)”, como mostra a figura ao
lado.

Ao fazer isso, os campos atuais da janela serão substituídos, deixando a janela com a aparência mostrada
2
mais abaixo:
No campo “Endereço do Host”, digite o número IP que o
Webserver foi programado. Caso seja a primeira vez que
o Webserver é acessado, o número IP padrão ao sair de
fábrica é: “192.168.0.238”.

Clique em “OK” para confirmar.


O HyperTerminal iniciará uma conexão com o
Webserver. Uma vez conectado, a primeira tela
apresentada é a tela de login do equipamento (ver figura
abaixo):

Caso seja a primeira conexão com o equipamento, o único login cadastrado é “administrador”. Pressione
“ENTER” para confirmar e no campo “Password” digite a senha do administrador: “1234567890” (sem as-
pas).

" IMPORTANTE
Este login e senha vêm com a configuração padrão do equipamento ao sair de fábrica. É
recomendável trocar essa senha durante a primeira configuração do Webserver (ver
página 22) a fim de garantir a segurança das informações / configurações contidas no
mesmo.

19
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

Após digitar a senha, pressione “ENTER”, neste momento o HyperTerminal mostrará a tela de configura-
ção do equipamento (ver figura abaixo).

As descrições de cada um dos itens da configuração encontram-se a partir da página 22 deste manual.

• Telnet via Windows NT

O acesso ao programa Telnet no Windows NT é feito através do menu “INICIAR / EXECUTAR”. No campo
“Abrir” digite “Telnet” e pressione “ENTER” para confirmar.

O Windows iniciará o programa Telnet, apresentando a seguinte janela:

20
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

Para iniciar uma conexão, no menu “Conectar”, clique em


“Sistema Remoto”. A janela ao lado será apresentada:

No campo “Endereço do Host”, digite o número IP que o

2
Webserver foi programado. Caso seja a primeira vez que
o Webserver é acessado, o número IP padrão ao sair de
fábrica é: “192.168.0.238”. Pressione “ENTER” para
confirmar.

O Telnet iniciará uma conexão com o Webserver. Uma


vez conectado, a primeira tela apresentada é a tela de
login do equipamento (ver figura abaixo):

Caso seja a primeira conexão com o equipamento,


o único login cadastrado é “administrador”.
Pressione “ENTER” para confirmar e no campo
“Password” digite a senha de administrador:
“1234567890” (sem aspas), como mostra a figura
ao lado.

Este login e senha vêm com a configuração padrão


do equipamento ao sair de fábrica.

" IMPORTANTE
É recomendável trocar essa senha durante a primeira configuração do Webserver (ver
página 22) a fim de garantir a segurança das informações / configurações contidas no
mesmo.
Após digitar a senha, pressione “ENTER”, neste momento o TelNet mostrará a tela de
configuração do equipamento (ver figura abaixo).

As descrições de cada um dos itens da configuração encontram-se a partir da página 22 deste manual.

21
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

• Cadastro de usuários
O cadastro de usuários libera os acessos à configuração do Webserver. Ele permite a criação de usuários
de diversos níveis de acesso, definindo ainda, senhas personalizadas para cada usuário.

2 Para acessar o menu de cadastro de usuários, pressione a tecla “1”. A seguinte tela será apresentada:

A parte inferior da tela mostra as instruções para alteração dos dados apresentados. O cursor encontra-se
inicialmente na primeira linha onde está escrito “Administrador”, login padrão do Webserver ao sair de
fábrica. Para manter este login e senha, pressione ENTER até a segunda linha.

Para criar um novo usuário, digite o login desejado na coluna “Nome”, como no exemplo abaixo:

O Webserver não diferencia maiúsculas de minúsculas.


OBSERVAÇÃO

22
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

Pressionando ENTER, uma senha deverá ser digitada para este novo login. Para criar um login sem se-
nha, basta pressionar ENTER sem digitar nada;

Confirme sua senha no próximo campo e pressione ENTER;

No campo permissão, mude de opção utilizando a barra de espaço. As opções disponíveis são:

LEITURA: Permite somente visualizar as configurações do equipamento;


ESCRITA: Controle total sobre as configurações. Não permite alterar o cadastro de usuários;
TOTAL: Controle total sobre as configurações e o cadastro de usuários.
2
Para sair desta tela pressione ESC.

• Configurar parâmetros de rede

Para acessar a configuração dos parâmetros de rede, pressione a tecla “2”. A seguinte tela será apresen-
tada:

Nos campos a seguir definem-se respectivamente a habilitação do DHCP, o endereço IP, máscara de sub-
rede, gateway padrão e os endereços (portas de comunicação) dos canais seriais do Webserver.

DHCP: As configurações do protocolo TCP/IP podem ser definidas manualmente, isto é, configurando
cada um dos equipamentos necessários. Esta é uma solução razoável para pequenas redes, porém pode
ser um problema para redes maiores, com um grande número de equipamentos conectados.

Para redes maiores é recomendado o uso do serviço DHCP – Dynamic Host Configuration Protocol. O
serviço DHCP pode ser instalado em um servidor Windows. Uma vez disponível e configurado, o serviço
DHCP fornece todos os parâmetros de configuração do protocolo TCP/IP para equipamentos conectados
à rede.

Os parâmetros são fornecidos quando o equipamento é inicializado e podem ser renovados em períodos
definidos pelo administrador.

23
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

Com o uso do DHCP uma série de procedimentos de configuração podem ser automatizados, o que facili-
ta a vida do administrador e elimina uma série de erros.

Pressione ENTER para avançar entre as opções disponíveis. A opção DHCP é alterada pressionando-se a
barra de espaço. Para todos os outros itens, deve-se digitar um valor numérico válido por inteiro.

2
TIMEOUT DE CONEXÃO: Esta opção pode ser ajustada de 0 (desabilitado) até 999 segundos. Se a
conexão ficar sem trocar pacotes de dados por um tempo superior ao especificado neste campo a cone-
xão será suspensa.

Para sair desta tela pressione ESC.

• Configurar parâmetros das seriais

Para acessar a configuração dos parâmetros dos canais seriais, pressione a tecla “3”. A seguinte tela
será apresentada:

Pressione ENTER para avançar entre as opções disponíveis. Para alterar qualquer uma das opções dis-
poníveis pressione a barra de espaço. Para todos os outros itens, deve-se digitar um valor numérico válido
por inteiro.

Para sair desta tela pressione ESC.

24
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

• Configuração atual

No menu principal, pressionando-se a tecla “4” pode-se visualizar toda a configuração realizada no equi-

2
pamento, sem precisar entrar nos menus de edição de configuração acima citados.
A figura abaixo mostra as informações contidas neste menu:

Para sair desta tela pressione ESC.

• Encerrando as configurações

Após realizar as alterações desejadas na configuração do Webserver, escolha a opção mais apropriada
para encerrar a configuração:

• Salvar as configurações e encerrar


• Descartar as configurações e encerrar

Utilizando a opção “Salvar as configurações e encerrar”, o Webserver salvará as alterações em FLASH e


será reiniciado para assumir as novas configurações.

Utilizando a opção “Descartar as configurações e encerrar” o Webserver descarta qualquer alteração reali-
zada e sai da configuração sem reiniciar o módulo.

25
CONFIGURAÇÃO DO WEBSERVER

26
CAPÍTULO 3 – COMUNICAÇÃO

CAPÍTULO 3
COMUNICAÇÃO

27
COMUNICAÇÃO

28
COMUNICAÇÃO

Meio de transmissão ETHERNET


O módulo Webserver possui o padrão 10BaseT que consiste na tecnologia de transmissão de sinais digi-
tais através de cabos trançados a uma banda base de 10 Mbps. A conexão entre os componentes de uma
rede Ethernet é feita através de conectores RJ45 e por dois tipos de montagem de cabo:

• Cabo direto

3
Utilizado para conectar o módulo a dispositivos como: hubs, switches, roteadores, etc.

LADO 1 LADO 2
Pino Cor Nome Pino Cor Nome
1 Branco/laranja TD+ 1 Branco/laranja TD+
2 Laranja TD- 2 Laranja TD-
3 Branco/verde RD+ 3 Branco/verde RD+
4 Azul S/F 4 Azul S/F
5 Branco/azul S/F 5 Branco/azul S/F
6 Verde RD- 6 Verde RD-
7 Branco/marrom S/F 7 Branco/marrom S/F
8 Marrom S/F 8 Marrom S/F

• Cabo cruzado
Utilizado para conectar o módulo diretamente a um PC (desktop, laptop, notebook).

LADO 1 LADO 2
Pino Cor Nome Pino Cor Nome
1 Branco/laranja TD+ 1 Branco/verde RD+
2 Laranja TD- 2 Verde RD-
3 Branco/verde RD+ 3 Branco/laranja TD+
4 Azul S/F 4 Azul S/F
5 Branco/azul S/F 5 Branco/azul S/F
6 Verde RD- 6 Laranja TD-
7 Branco/marrom S/F 7 Branco/marrom S/F
8 Marrom S/F 8 Marrom S/F

O tipo de cabo recomendado é o denominado Categoria 5, que pode ser encontrado com
ou sem blindagem, e que permite taxas de transmissão de até 100 Mbps. O comprimento
máximo de um cabo para conectar dois dispositivos, utilizando-se o CAT5 depende do tipo
OBSERVAÇÃO de dispositivo e não deve ser superior a 100 metros.

29
COMUNICAÇÃO

Cabo de ligação em RS232 (Webserver Ù PLC)


RJ11 - MACHO RJ11 - MACHO
6 1 6 1

3
XX,Xm

RJ11 - MACHO RJ11 - MACHO

NC NC
1 1
RX RX
2 2
TX TX
3 3
NC NC
4 4
GND GND
5 5
NC NC
6 6

Fig. 1. - Cabo de Ligação C2RJ11402

"
IMPORTANTE
Os três últimos dígitos expressam o comprimento do cabo:

CABO
C4004E095
COMPRIMENTO [m]
9,5
C4004E195 95,0
C4004E295 950,0

30
COMUNICAÇÃO

Cabo de ligação em RS485 (rede de PLC’s)

3
Fig. 2. - Cabo com código Atos C4004DXXX.

O comprimento máximo do cabo para rede RS485 é de 1000m a 9600bps.


OBSERVAÇÃO

• Características elétricas do cabo para padrão RS485

• Bitola mínima dos condutores: 24 AWG


• 1 par trançado de condutores mais 1 condutor dreno em contato com fita de poliéster metalizada apli-
cada helicoidalmente sobre os pares trançados.
• Capacitância mútua do par trançado máx. 65pF/m
• Resistência de cada condutor máx. 98 Ohms/km
• Impedância característica (Z0) 120Ohms

"
IMPORTANTE
Os resistores de terminação (RT) são recomendados e devem ser instalados nas extremi-
dades da rede. O valor dos resistores de terminação deverá estar próximo da impedância
característica da linha de transmissão, variando entre 120 a 150 ohms (valores práticos e
dependendo do número de receptores acoplados na linha). As dimensões físicas do cabo
são irrelevantes para o cálculo dos resistores de terminação.

31
COMUNICAÇÃO

Ligando o Webserver a uma rede

Fig. 3. - Ligando o Webserver a uma rede RS485.

32
COMUNICAÇÃO

Topologias
Abaixo seguem dois exemplos de topologias que exemplificam as vantagens de ter um Webserver ligado a
uma rede ethernet.

• Intranet

Em uma fábrica, através da rede Ethernet, PC’s podem supervisionar / alterar os programas de CLP’s

3
ligados à intranet da empresa. Para isto basta possuir o endereço IP do módulo Webserver em que o CLP
esteja conectado e configurar a comunicação do WinSUP 2 para uma conexão TCP/IP.

• Internet

Através da rede mundial de computadores, se o Webserver estiver conectado a um servidor que disponibi-
lize um endereço de IP fixo na Internet, de qualquer parte do mundo é possível comunicar com a máquina
/ processo, como exemplificado abaixo:

33
COMUNICAÇÃO

34
CAPÍTULO 4 – WEB STUDIO

CAPÍTULO 4
WEB STUDIO

35
WEB STUDIO

36
WEB STUDIO

Sobre o WEB Studio


O WEB Studio é uma poderosa ferramenta de desenvolvimento XML para programação do ATOS WEB-
SERVER. Sua interface, baseada na plataforma Windows™, foi criada para ser simples e intuitiva, possibi-
litando a criação de “Web Pages” para monitoração de variáveis de máquinas / processos.

Seu editor XML possui uma interface orientada a objetos, ou seja, componentes como bargraphs, botões,
campos de edição / visualização, são inseridos e posicionados no browser com o mouse. A associação
destes campos com as variáveis do sistema é feita pelas propriedades de cada objeto, organizados atra-
vés de uma árvore hierárquica de componentes.

Descrição da interface com o usuário


A interface do WEB Studio proporciona diversos atalhos e opções para que o usuário possa criar sua apli-

4
cação. Sugerimos que você invista alguns minutos de seu tempo para se familiarizar com a área de traba-
lho do WEB Studio.

A. B.

C.
D.
H.

E.

I.

F.

G.

A. Barra de título
A barra de título mostra o nome do projeto que está sendo editado / selecionado no momento. O
WEB Studio pode abrir diversos projetos simultaneamente, listando-os na árvore de projetos;

B.Controles do Windows
São os controles padrão do Windows para toda aplicação (Minimizar, Maximizar, Fechar);

37
WEB STUDIO

C. Barra de menu
Concentra todos os comandos do WEB Studio. A maioria destes comandos está disponível na bar-
ra de ferramentas do aplicativo.

D. Barra de ferramentas
Possui atalhos para os comandos mais utilizados do WEB Studio.

E. Árvore de projetos
Lista os projetos abertos pelo usuário, mostrando o conteúdo de cada página. Usado também para
configurar os objetos inseridos nas páginas da aplicação.

F. Guia da árvore de projetos


Nesta guia define-se o modo de visualização da árvore de projetos, podendo alterar entre a guia
“Projects” que mostra os projetos abertos no momento, e a guia “Properties” que mostra as proprie-
dades do objeto selecionado no momento.

4 G. Barra de status
Informa o percentual de espaço que o WebServer utilizará com o projeto atual. Mostra também men-
sagens de status do Upload do projeto para o Webserver;

H. Guia de páginas
Alterna entre as páginas XML e de configuração abertas no WEB Studio.

I. Browser
Cria uma pré-visualização estática da página XML, da maneira como ela será exibida quando requi-
sitada pelo browser ao WebServer.

38
WEB STUDIO

Iniciando um novo projeto


Após inicializar o WEB Studio, é necessário criar um novo projeto. Para fazer isto existem diversas op-
ções, mostradas logo abaixo:

• No menu “File”, na opção “New”, escolha o item “New project”;


• Na barra de ferramentas, pressione o botão e selecione a opção “New project”;
• Pressione “Ctrl+N”;
• Pressione o botão direito na árvore de projetos e na opção “New”, selecione “New project”;

Ao criar um novo projeto, a árvore de projetos ficará com a aparência mostrada ao lado.

• ATOSWebApp1: Nome do novo projeto, quando criado.


• Index: Página inicial de sua aplicação, gerada automatica-

4
mente ao criar um novo projeto.
• DataDesc: Diretório onde se concentram todas as informa-
ções do PLC associado ao projeto. Aqui são definidas todas
as variáveis utilizadas na aplicação.

Todos estes nomes são gerados automaticamente pelo WEB Studio.


Para alterá-los, de um clique simples com o mouse sobre o nome que
deseje alterar (o foco já deve estar no objeto) e digite o novo nome.

" IMPORTANTE
Não utilize espaços ou acentuação ao trocar o nome do projeto ou de uma página. Estes
caracteres não são válidos. Sua utilização implicará no mau funcionamento dos links
entre páginas do WebServer.

NOTA


Não é necessário adicionar a extensão “.xml” ao nome do projeto. O WEB Studio faz isso
automaticamente ao salvar o mesmo. Este procedimento também é válido para os nomes de
páginas da aplicação. Todas são salvas automaticamente com a extensão “.xml”.

Antes de começar a formatar a página inicial do WebServer, salve seu projeto. Recomendamos que você
faça-o dentro de uma pasta exclusiva onde deve-se concentrar todos os componentes que compõem sua
aplicação como imagens por exemplo.

O principal motivo desta recomendação é o transporte de sua aplicação para outro computador ou mesmo
a mudança do diretório de trabalho. Com as imagens alocadas no mesmo diretório do projeto, o WEB Stu-
dio fará a referência das imagens com as páginas sem precisar saber onde a pasta está alocada no com-
putador. Desta maneira, ao copiar a pasta para outro diretório ou computador, o WEB Studio poderá abrir
o projeto sem erros de leitura.

39
WEB STUDIO

NOTA


Ao ser instalado, o WEB Studio sugere uma pasta para o armazenamento de seus projetos.
Esta pasta está nomeada como “WEB Studio” e pode ser encontrada dentro do diretório
“Meus Documentos” de seu computador.

Para salvar o projeto atual, utilize uma das seguintes opções:

• No menu “File”, escolha a opção “Save”;

• Na barra de ferramentas, pressione o botão ;

• Pressione “Ctrl+S”;

Caso seja a primeira vez que o projeto é salvo, a janela “Salvar como...” será mostrada (ver figura abaixo).

Na janela “Salvar como...” clique sobre o botão “Nova pasta”. Nomeie a pasta como “projeto1”, por exem-
plo, e salve o projeto nesta pasta, também com o nome de “projeto1”. (ver as figuras a seguir).

Botão “Nova pasta”

Nomear a pasta de “projeto1”

40
WEB STUDIO

4
Salvar o projeto como “projeto1”.

41
WEB STUDIO

Criando / formatando sua página inicial

Ao criar um novo projeto a página “index” já é automaticamente inserida


na árvore de projetos (mostrado ao lado) e carregada no browser do WEB
Studio.
O nome “index” é utilizado somente na página inicial de sua aplicação, ou
seja, será a primeira página que o usuário que estiver acessando o Web-
Server irá visualizar.
Para iniciar a edição de qualquer página criada, dê um duplo-clique sobre
seu ícone na árvore de projetos e aguarde o carregamento do browser.
A página “index” inicialmente é apresentada como mostrado abaixo:

Ao acessar o Webserver, digitando via browser seu endereço IP, a primeira página a ser mostrada é a de
nome “index”. Esta página é a “porta de entrada” de toda sua aplicação. Ao renomear esta página, se faz
necessário digitar o endereço da mesma para que ela seja acessada pelo webserver, por exemplo:

Utilizando o webserver com seu endereço IP padrão com a


página “index” renomeada para “principal”, o acesso a esta
página será feito como mostrado ao lado.

42
WEB STUDIO

• Propriedades da página
Observe que ao abrir a página “index”, a guia “Properties” é habilitada na
árvore de projetos. Toda a formatação da página é feita através desta guia.
Clicando sobre ela é possível observar os campos de formatação disponí-
veis. Eles estão descritos abaixo:

Name: Nome da página;


BGColor: Cor do fundo da página. A cor padrão ao criar uma nova página
é azul, como mostrado na página anterior;
Background: Define uma imagem de fundo que será mostrada nesta pági-
na. Preferencialmente utilize arquivos com extensão “.gif ” ou “.jpg ”, pois
estes não ocupam muito espaço no Webserver e são carregados mais fa-
cilmente pelo browser;
CanvasColor: Cor da área de trabalho, ponto de referência de posiciona-
mento dos objetos da página.
Height: Define a altura da área de trabalho (área branca da tela) que a imagem background irá ocupar;
Width: Define a largura da área de trabalho (área branca da tela) que a imagem background irá ocupar.
4
• Inserindo uma imagem background
Necessariamente não é obrigatório utilizar uma imagem background. Para inserir uma imagem, siga as
instruções abaixo:

Pressione este botão para procurar uma imagem

Ao abrir a janela abaixo, procure pela imagem background deseja-


da. Ela não precisa necessariamente estar alocada na pasta do
projeto.

43
WEB STUDIO

• Definindo a área de trabalho da imagem


Ao inserir uma imagem background, ela será posicionada utilizando o
canto superior esquerdo da área de trabalho (retângulo branco) como
ponto de referência. Caso a área de trabalho seja maior que a imagem
background, a mesma será repetida inúmeras vezes até preencher toda a
área de trabalho. Caso a área de trabalho seja menor que a imagem back-
ground, a mesma será cortada.

Para correto dimensionamento da área de trabalho com a imagem back-


ground, na guia “properties” da página “index” defina nas propriedades
“Height” (largura) e “Width” (altura) as dimensões da imagem background
escolhida.

4 Definição das variáveis utilizadas no projeto


A definição do meio de comunicação do Webserver com o PLC é feita atra-
vés do item “DataDesc” (Data Description) na árvore de projetos.

Dentro do “DataDesc” concentram-se todas as declarações de variáveis


que serão utilizadas no PLC. Esta declaração se faz necessária para reali-
zar uma referência-cruzada das variáveis do PLC com os campos mostra-
dos no browser ao usuário. O procedimento utilizado para a declaração de
variáveis está descrito abaixo:

Ao criar um projeto, o “DataDesc” vem sem configuração, devendo o usuá-


rio inserir sua parametrização.

• Declarando um PLC
O WEB Studio permite que um projeto comunique com vários PLCs simul-
taneamente, utilizando uma rede de comunicação via canal B (RS485) ou
mesmo utilizando os dois canais serias do webserver ao mesmo tempo.

Para declarar um PLC, com o foco do cursor sobre o “DataDesc”, siga um


dos procedimentos mostrados abaixo:

• No menu “File”, opção “New”, escolha o item “PLC”;


• Clique com o botão direito do mouse sobre “DataDesc”. Na opção “New” escolha o item “PLC”;

Definição de parâmetros do novo PLC


Automaticamente a janela de propriedades do novo PLC será aberta.
Esta janela possui os seguintes campos:

Name: Nome de identificação do grupo;

NetID: Endereço de rede do PLC (de 1 a 31);

Port: Porta de comunicação que o PLC está conectado. Utilize (a) para
especificar a porta RS232 e (b) para a porta RS485;

44
WEB STUDIO

• Criando um grupo de variáveis


As variáveis utilizadas no projeto podem ser organizadas através de gru-
pos. Cada PLC possui seus grupos separadamente, contendo variáveis
pertencentes à própria máquina, conforme mostrado na figura ao lado.

Para criar um novo grupo, com o foco do cursor sobre o PLC que deseja
inseri-lo , siga um dos procedimentos mostrados abaixo:

• No menu “File”, opção “New”, escolha o item “Group”;


• Clique com o botão direito do mouse sobre um PLC já inseri-
do. Na opção “New” escolha o item “Group”;
• Com um PLC previamente selecionado, pressione ”Ctrl+G”.

Definição de parâmetros do novo grupo 4


A janela apresentada (ver imagem ao lado) define os parâmetros
que o grupo de variáveis terá quando utilizado pelo Webserver.

Name: Nome de identificação para o grupo;

Refresh: Taxa de atualização. Este número define (em ms) com


que velocidade as variáveis declaradas dentro deste grupo serão
atualizadas pelo browser.

NOTA


Para uma melhor otimização da comunicação do Webserver com o PLC, recomendamos que
os grupos sejam organizados / divididos da seguinte maneira:

• Um grupo deve conter somente registros ou somente EI’s. Não misture os dois tipos de
variáveis no mesmo grupo, pois isso leva certo tempo de processamento do Webserver
para pedir dados de composições diferentes ao interpretar as informações do grupo.

• Dê preferência por agrupar EI’s ou registros consecutivos em um mesmo grupo, pois


desta maneira a atualização destas variáveis pode ser feita com mais rapidez pelo Web-
server.

45
WEB STUDIO

• Declarando as variáveis do projeto


As variáveis chamadas também de Tags são a conexão do PLC com seu sistema supervisório. Toda sua
aplicação está envolvida com as variáveis declaradas no DataDesc, portanto deve-se saber configurar
estes Tags corretamente.

As variáveis são armazenadas dentro dos grupos já previamente definidos. A criação e configuração des-
tas variáveis são feitas como mostrado a seguir:

Para criar uma nova variável, com o foco do cursor sobre o grupo que deseja inseri-la , siga um dos pro-
cedimentos mostrados abaixo:

• No menu “File”, opção “New”, escolha o item “Variable”;


• Clique com o botão direito do mouse sobre um Grupo existente. Na opção “New” escolha o i-
tem “Variable”;

4
Com o foco no grupo que deseja inserir a nova variável, pressione ”Ctrl+T”.

Definição de parâmetros da nova variável


A janela apresentada (ver imagem ao lado) define os parâmetros
que a variável terá quando utilizada pelo Webserver.

Name: Nome de identificação para a variável;

Address: Neste campo declare qual o endereço do PLC associado


a esta variável. Qualquer endereço do mapeamento de memória do
CLP utilizado é valido para este campo.

Type: Definição do tipo de variável. Este campo deve ser configura-


do com base na informação contida no campo “Address”. Existem 4
tipos diferentes de variáveis que o WEB Studio interpreta:
• Boolean: Estado interno do PLC. É uma variável binária, is-
to é, pode assumir somente dois valores lógicos, 0 ou 1.
• Byte: Região de memória do PLC que armazena um dado numérico de 8 bits.
• Word: Um registro do PLC, composto por 2 bytes. Se o endereço declarado for “400”, por exem-
plo, o WEB Studio estará realizando a leitura dos endereços 400 e 401 respectivamente.
• DoubleWord: Dois registros do PLC, a Double Word é composta por 4 bytes. Se o endereço de-
clarado for “400”, por exemplo, o WEB Studio estará realizando a leitura dos endereços 400 a
403.

Direction: Definição da direção da variável no controlador. As opções disponíveis são:


• Input: Utilize esta opção quando a variável for uma entrada do PLC, como uma entrada digital ou
efetivo de entrada analógica/temperatura por exemplo.
• Output: Utilize esta opção quando a variável for uma saída do PLC, como uma saída digital ou e-
fetivo de analógica/temperatura por exemplo.
• Memory: Utilize esta opção quando a variável for de uma região do PLC que não é utilizada como

"
entrada ou saída do controlador, como registros e EI’s livres por exemplo.

Não utilize espaços ou acentuação ao nomear qualquer um dos componentes do Data-


Desc. Estes caracteres não são válidos.
IMPORTANTE

46
WEB STUDIO

Componentes do WEB Studio


O WEB Studio trabalha com componentes, ou objetos, que são montados em uma página XML de modo
que o usuário possa interagir com o processo supervisionado. Cada objeto é inserido e configurado de
uma maneira específica, de modo que as próximas páginas mostram todas as parametrizações necessá-
rias para compor uma boa aplicação.

Propriedades comuns dos objetos


Position
A propriedade “Position” define a localização do objeto dentro da página. Deve-se considerar co-
mo coordenada [0,0] ou ponto de referência de posição, o canto superior esquerdo da área branca
do browser, chamada de área de trabalho, identificada no software como “canvas”.

4
Ao expandir esta propriedade (ver figura ao lado), observe os compo-
nentes que definem a posição do objeto. “Left” e “Top”.

Estes valores podem ser editáveis manualmente através destes cam-


pos, refletindo diretamente na posição do componente no browser.

Experimente mudar os valores destas propriedades para Left = 0 e Top = 0. Observe que o objeto
será deslocado para o canto superior esquerdo da área de trabalho, como mostrado abaixo:

Name
A propriedade Name identifica o objeto
criado na página. Ao alterar o nome do
objeto, automaticamente seu respectivo
ícone na árvore de projetos (guia “Pro-
jects”) é alterado, como mostrado ao la-
do.

47
WEB STUDIO

Variable
A propriedade Variable faz a associação do objeto com a variável de memória do PLC. Esta pro-
priedade possui uma caixa de seleção que lista todas as variáveis declaradas no “datadesc” do
projeto.

Sua configuração, apesar de ter a mesma função para todos os componentes do WEB Studio, va-
ria para cada objeto.

Nos casos em que a utilização da propriedade Variable é diferente da mostrada no exemplo a se-
guir, o manual fará uma referência específica para sua configuração, individualmente para cada
objeto do WEB Studio, nas definições das propriedades exclusivas dos objetos descritas a partir
da página 52 deste manual.

O exemplo a seguir mostra a configuração da propriedade Variable nos objetos Edit e Button.
Estes objetos foram escolhidos pela sua simplicidade de configuração e por trabalharem com dois

4
tipos diferentes de variáveis: variáveis booleanas (estados internos), no caso do objeto button e
variáveis numéricas (registros), no caso do objeto Edit.

NOTA


Este exemplo mostra apenas a configuração da propriedade Variable dos objetos citados.
Para mais informações sobre suas configurações, consulte as páginas 59 e 57 referentes
aos objetos Button e Edit respectivamente.

Inicialmente devem-se declarar todas as variáveis utilizadas no projeto


no “datadesc”, como mostrado ao lado.

As variáveis mostradas ao lado possuem a seguinte configuração:

A variável reg_400 está configurada como uma Word, ou seja, um


registro do PLC correspondente ao endereço 400.

Esta variável será utilizada pelo objeto Edit, que trabalho somente
com registros do PLC.

A variável EI_300 está configurada como boolean, ou seja, um es-


tado interno do PLC correspondente ao endereço 300.

Esta variável será utilizada pelo objeto Button, que trabalho somen-
te com estados internos do PLC.

48
WEB STUDIO

Com as variáveis já declaradas, insira os objetos Edit e Button na página (para inserir um Button e
um Edit, consulte as páginas 59 e 57 respectivamente) e acesse suas propriedades.

• Configurando o objeto Button: Abra a caixa


de seleção da propriedade Variable e den-
tro da lista de variáveis existentes, escolha
a opção “EI_300”, como mostrado ao lado.

• Configurando o objeto Edit: Abra a caixa de


seleção da propriedade Variable e dentro
da lista de variáveis existentes, escolha a
opção “reg_400”, como mostrado ao lado.

O objeto “Static Image” não possui a propriedade Variable, pois não faz referência a
nenhuma variável do PLC.
Os objetos “Display” e “Graph” possuem métodos diferentes de configuração da
propriedade Variable. A explicação da configuração destes objetos está descrita nas
4
OBSERVAÇÃO
propriedades exclusivas do mesmo (ver página 52).

Format
Todos os objetos que trabalham com registros possuem a propriedade Format. Esta propriedade
define a aparência que a variável terá ao ser mostrada no browser. Nada mais é do que uma más-
cara colocada no conteúdo do registro.

A propriedade Format possui as seguintes opções:

• Decimals: Define onde o separador de ponto decimal será co-


locado. O valor padrão desta opção é 2, definido a variável
como mostrado ao lado.

• decSeparator: Define o caractere utilizado para mostrar a se-

paração decimal do número. O caractere padrão é “ ”. ,


Qualquer símbolo pode ser utilizado nesta opção, como
mostrado no exemplo ao lado onde o separador decimal foi

modificado para . \
• NumberBase: Indica se o conteúdo do registro no controlador é um valor decimal ou hexade-
cimal. Esta opção informa o browser como ele deve tratar a informação que chega deste re-
gistro, mostrando corretamente no objeto. O valor padrão
desta opção é “Hexadecimal”. Quando configurado para
“Decimal”, o browser irá converter o valor que chega do
PLC para decimal antes de mostrá-lo no objeto. A apresen-
tação do objeto configurado para base decimal está mos-
trada ao lado.

49
WEB STUDIO

• sUnit: Define uma unidade a ser mostrada ao lado da variável. Trabalha em conjunto com a
propriedade unitPosition que define a posição desta unidade de medida.

• thSeparator: Caractere utilizado para mostrar a separação de

.
milhar do número. O caractere padrão é “ ”. Qualquer sím-
bolo pode ser utilizado nesta opção, como mostrado no e-
xemplo ao lado onde o separador de milhar foi modificado


para .

• unitPosition: Define a posição que o texto inserido na propriedade sUnit será mostrada

Style

4 A propriedade Style concentra todas as informações de formatação do objeto, por exemplo, cor de
fundo, tamanho do texto, cor do texto, tipo de fonte, etc. Um objeto recém-criado não possui ne-
nhuma formatação definida. Esta definição é feita utilizando-se folhas de estilo, ou CSS.

As folhas de estilo são comandos interpretados pelo browser para formatar o objeto em questão.
Os componentes desta folha de estilo estão concentrados na caixa de seleção acima das proprie-
dades do objeto, como mostrado ao lado.

Aqui se escolhe o componente da


folha de estilo que será utilizado.

Este manual contém alguns exemplos e dicas básicas de formatação dos objetos. Você pode ob-
servá-las mais abaixo. Para informações mais detalhadas, procure o Help de CSS do WEB Studio,
ou em apostilas na Internet.

50
WEB STUDIO

Link
Esta propriedade permite que qualquer objeto torne-se um hyperlink, ou seja, é possível criar objetos que
façam referência a um endereço (URL) qualquer do Webserver ou da Internet/Intranet, permitindo o usuá-
rio acessar essas referências, não importando se elas estão em outro servidor, no seu PC ou no próprio
Webserver.

O uso de links também facilita a criação de documentos extensos, cujas seções ou tópicos podem ser
rapidamente acessados por meio dos links.

Ao inserir um objeto, por definição, esta propriedade vem sem preenchimento. Quando configurada o obje-
to torna-se um link para a URL declarada.

A propriedade Link pode ser utilizada para acessar outra página do webserver ou um outro endereço qual-
quer. Veja logo abaixo como configurar cada uma destas possibilidades:

• Link entre página do Webserver

O método de criação de um link entre páginas do Webserver é bastante simples e serve para
qualquer objeto do WEB Studio.
4
Supondo que sua aplicação possua 2 páginas (index e pagina1)
como mostrado ao lado.
Para inserir um link, crie/escolha um dos objetos de sua página
“index” e na propriedade Link, abra a caixa de seleção e escolha
uma das páginas listadas, como mostrado abaixo:

• Link para uma página em outro servidor

A propriedade Link pode ser configurada também para acessar qualquer URL válida no ambien-
te Web. Para isto, na propriedade Link do objeto declare a URL desejada como mostrado abai-
xo:

Desta maneira, quando o objeto for selecionado com o mouse o usuário será redirecionado para
a URL declarada em suas propriedades.

Para testar o correto funcionamento dos links de sua aplicação é necessário realizar o Upload
do projeto para o Webserver, testando seu funcionamento on-line.

Para instruções de como fazer o upload, ver página 76.

NOTA


Durante o teste dos links, observe que ao passar o mouse sobre o objeto escolhido,
seu ponteiro muda de formato, indicando que esta região é um link.

51
WEB STUDIO

Propriedades exclusivas dos objetos

• Objeto Display
O objeto Display é utilizado como um campo de visualização de texto / variáveis. Estas variáveis podem
ser somente valores numéricos (registros do controlador). Para inserir um objeto Display, inicialmente se-
lecione o componente utilizando um dos métodos descritos abaixo:

• No menu “Insert”, escolha a opção “Display”;


• Na barra de ferramentas, pressione o botão ;

• Pressione “F3”;

4
Clique com o botão esquerdo do mouse sobre qualquer ponto da área de trabalho. O objeto será criado na
posição escolhida, com um nome e conteúdo padrão, como mostrado abaixo.

A árvore de projetos
mostra o componente,
com nome padrão de
“Display1”.

Ao ser criado, o objeto possui


esta aparência e conteúdo.

Para acessar as propriedades do objeto Display, dê um duplo-clique sobre seu


ícone na árvore de projetos, ou selecione o objeto no browser e clique na guia
“Properties” da árvore de projetos, como mostra a figura ao lado.

Além das propriedades comuns a todos os objetos do WEB Studio, o objeto Display possui a propriedade
Text a ser configurada.

52
WEB STUDIO

Text
O conteúdo do objeto Display é definido na propriedade Text. Para editá-lo
pressione o botão mostrado ao lado.

A janela de edição do objeto Display será apresentada. Digite o texto desejado e pressione “OK” para con-
firmar.

4
Declarando variáveis em um Display
O objeto Display pode mostrar o conteúdo de registros dos PLCs declarados no projeto. Para isto basta
declarar estas variáveis dentro da janela de edição mostrada acima.

Para declarar uma variável, digite o nome dado a ela no datadesc da


aplicação entre colchetes – [ e ] – como mostrado no exemplo ao lado.
A variável reg_400 deve estar declarada no datadesc do projeto. Ao
inseri-la na caixa de texto o WEB Studio interpreta os colchetes e procu-
ra pelo nome declarado dentro do datadesc.

Caso a variável não seja encontrada, o nome dentro dos colchetes será substituído por “UnknownVariable”
e declarado na guia Variable como uma variável indefinida, devendo o usuário associá-la a manualmente a
uma variável válida do datadesc.

Declare manualmente uma das


variáveis existentes no datadesc
do projeto. Ao fazer isto, a variável
será atualizada automaticamente
na caixa de edição da propriedade
Text.
Se a variável não for declarada
corretamente o objeto Display não
funcionará corretamente.

53
WEB STUDIO

• Objeto Dynamic
O objeto Dynamic realiza uma comparação automática do registro ao qual está associado e muda seu
estado, trocando o texto / imagem dinamicamente.

Cada estado é chamado de zona. Estas zonas possuem um valor de máximo e mínimo definido pelo usuá-
rio e podem ser inseridas sem limite de programação.

Para inserir um objeto Dynamic, inicialmente selecione o componente utilizando um dos métodos descritos
abaixo:

• No menu “Insert”, escolha a opção “Dynamic”;

• Na barra de ferramentas, pressione o botão ;

4 • Pressione “F4”;

Clique com o botão esquerdo do mouse sobre qualquer ponto da área de trabalho. O objeto será criado na
posição escolhida, com um nome e conteúdo padrão, como mostrado abaixo.

A árvore de projetos
mostra o componente,
com nome padrão de
“Dynamic1”.

Ao ser criado, o objeto possui


esta aparência e conteúdo.

Para acessar as propriedades do objeto Dynamic, dê um duplo-clique sobre


seu ícone na árvore de projetos, ou selecione o objeto no browser e clique na
guia “Properties” da árvore de projetos, como mostra a figura ao lado.

Além das propriedades comuns a todos os objetos do WEB Studio, o objeto Dynamic possui as proprieda-
des Mode e Zones a serem configuradas.

54
WEB STUDIO

Mode
A transição de zonas do objeto Dynamic pode ser feita utilizando somente imagens, somente texto ou am-
bos os componentes (texto e imagem).

Esta definição é feita nesta propriedade que vem com o valor default “Both” que significa que ambos os
componentes (texto e imagem) são mostrados no browser.

Para modificar estas opções, clique sobre o campo de propriedade


“Mode” e escolha uma das opções disponíveis, como mostrado ao
lado.

• Both: Define que as zonas serão mostradas com texto e imagem;

4
• Image: Define que somente as imagens definidas na propriedade “Zones” serão mostradas;

• Text: Define que somente os textos definidos na propriedade “Zones” serão mostrados.

55
WEB STUDIO

Zones
A propriedade Zones define/configura a quantidade de zonas existentes para o objeto Dynamic. Inicial-
mente o objeto vem com somente uma zona declarada. Para Inserir mais zonas, clique sobre o botão mos-
trado abaixo:

4 Na janela de edição das zonas, clique sobre o ícone mostrado acima para criar novas zonas e feche a
janela para confirmar.

As novas zonas serão listadas na guia de propriedades do objeto, como


mostrado ao lado. Cada zona possui as seguintes opções:

• Text: Definição do texto utilizado pela zona


• Image: Definição das imagens utilizada pela zona
• Max e Min: Definição do range em que esta zona será mostrada
pelo browser.

O exemplo abaixo mostra a definição de 3 zonas cujos valores de máximo e


mínimo estão mostrados a seguir:

ZONA 1 ZONA 2 ZONA 3

Desta forma, o browser mostrará o conteúdo das zonas conforme o valor do registro do PLC seguindo o
gráfico abaixo:

ZONA 1 ZONA 2 ZONA 3

....................................................................
0000 1000 2000 3000 9999

Note que se o registro passar de 3000, a última zona continua a ser mostrada, mesmo que ela tenha sido
definida como até 3000 somente.

56
WEB STUDIO

• Objeto Edit
O objeto Edit é um campo de edição de variáveis do controlador (registros).

Para inserir um objeto Edit, inicialmente selecione o componente utilizando um dos métodos descritos
abaixo:

• No menu “Insert”, escolha a opção “Edit”;

• Na barra de ferramentas, pressione o botão ;

• Pressione “F5”;

Clique com o botão esquerdo do mouse sobre qualquer ponto da área de trabalho. O objeto será criado na
posição escolhida, com um nome e conteúdo padrão, como mostrado abaixo.

A árvore de projetos
mostra o componente,
com nome padrão de
“Edit1”.

Ao ser criado, o objeto possui


esta aparência e conteúdo.

Para acessar as propriedades do objeto Edit, dê um duplo-clique sobre seu


ícone na árvore de projetos, ou selecione o objeto no browser e clique na guia
“Properties” da árvore de projetos, como mostra a figura ao lado.

Além das propriedades comuns a todos os objetos do WEB Studio, o objeto Edit possui propriedades ex-
clusivas a serem configuradas.

57
WEB STUDIO

ReadOnly
Esta propriedade existe somente em objetos que podem editar/controlar variáveis no PLC.
Quando um objeto Edit é inserido em sua aplicação, pode-se observar que o usuário da página não só vê
o status do registro associado ao Edit, mas também pode alterar seu valor. Ao pressionar ENTER, o brow-
ser manda um comando para o Webserver, indicando o novo valor que o registro do PLC deve assumir.

A propriedade ReadOnly possui somente duas opções de configu-


ração: True e False, como mostrado ao lado.

True: Bloqueia o objeto deixando a variável com o status de “somente leitura”;


False: Permite a edição da variável associada ao objeto.

Ao criar o objeto, a propriedade vem originalmente como “false”, ou seja, o objeto button tem permissão
para alterar a variável do PLC declarada na propriedade Variable (ver página 48).

4 Selecionando-se a opção True, o objeto Edit somente mostrará o valor do registro no PLC, desabilitando a
permissão edição via browser. Desta maneira, o objeto será considerado como “somente leitura”.

58
WEB STUDIO

• Objeto Button
Para inserir um objeto Button, inicialmente selecione o componente utilizando um dos métodos descritos
abaixo:

• No menu “Insert”, escolha a opção “Button”;

• Na barra de ferramentas, pressione o botão ;

• Pressione “F6”;

Clique com o botão esquerdo do mouse sobre qualquer ponto da área de trabalho. O objeto será criado na
posição escolhida, com um nome e conteúdo padrão, como mostrado abaixo.

A árvore de projetos
mostra o componente,
com nome padrão de
“Button1”.

Ao ser criado, o objeto possui


esta aparência e conteúdo.

Para acessar as propriedades do objeto Button, dê um duplo-clique sobre seu


ícone na árvore de projetos, ou selecione o objeto no browser e clique na guia
“Properties” da árvore de projetos, como mostra a figura ao lado.

Além das propriedades comuns a todos os objetos do WEB Studio, o objeto Button possui propriedades
exclusivas a serem configuradas.

59
WEB STUDIO

Mode
O objeto Button permite que a informação ON/OFF seja mostrada utilizando somente imagens, somente
texto ou ambos os componentes (texto e imagem).

Esta definição é feita nesta propriedade cujo valor default é “Both” que significa que ambos os componen-
tes (texto e imagem) são mostrados no browser.

Para modificar estas opções, clique sobre o campo da propriedade “Mode”


e escolha uma das opções disponíveis, como mostrado ao lado.

• Both: Define que as zonas serão mostradas com texto e imagem;

4
• Image: Define que somente as imagens definidas na propriedade “Zones” serão mostradas;

• Text: Define que somente os textos definidos na propriedade “Zones” serão mostrados.

States
Principal propriedade do objeto Button, em States declaram-se às informações dos estados do objeto but-
ton. Por trabalhar com variáveis booleanas, o objeto button possui somente 2 estados: true e false (ligado /
desligado).

True: O estado true indica quando o estado interno do PLC está ligado.
False: O estado false indica quando o estado interno do PLC está desligado.

Estas indicações podem ser feitas utilizando-se uma imagem, um texto ou ambos ao mesmo tempo. Den-
tro das definições do estado configura-se o texto e a imagem utilizados para realizar a indicação, como
mostrado abaixo:

Definição das imagens


Texto dos estados True a False
utilizadas nos estado
True a False

60
WEB STUDIO

Para inserir uma imagem, digite o caminho onde a mesma está localizada ou procure clicando no botão
mostrado abaixo:

Pressione este botão para procurar uma imagem

Procure pela figura desejada e confirme para inseri-la na página.

ReadOnly
Esta propriedade existe somente em objetos que podem editar/controlar variáveis no PLC.
Quando um objeto button é inserido em sua aplicação, pode-se observar que o usuário da página não só
vê o status do estado interno associado ao button, mas também pode alterar seu estado, clicando sobre o
objeto no browser. Ao clicar sobre o objeto button, o browser manda um comando para o Webserver, indi-
cando que o EI associado a este button deve ser ligado/desligado, dependendo do estado anterior.

A propriedade ReadOnly possui somente duas opções de configura-


ção: True e False, como mostrado ao lado.

Ao criar o objeto, a propriedade vem originalmente como “false”, ou seja, o objeto button tem permissão
para alterar a variável do PLC declarada na propriedade Variable (ver página 48).

Selecionando-se a opção True, o objeto button somente mostrará o status do EI no PLC, desabilitando a
permissão de mudança de estados via browser. Desta maneira, o objeto será considerado como “somente
leitura”.

61
WEB STUDIO

• Objeto Bar
Para inserir um objeto Bar, inicialmente selecione o componente utilizando um dos métodos descritos a-
baixo:

• No menu “Insert”, escolha a opção “Bar”;

• Na barra de ferramentas, pressione o botão ;

• Pressione “F9”;

Clique com o botão esquerdo do mouse sobre qualquer ponto da área de trabalho. O objeto será criado na
posição escolhida, com um nome e conteúdo padrão, como mostrado abaixo.

A árvore de projetos
mostra o componente,
com nome padrão de
“Bar1”.

Ao ser criado, o objeto possui


esta aparência e conteúdo.

Para acessar as propriedades do objeto Bar, dê um duplo-clique sobre seu


ícone na árvore de projetos, ou selecione o objeto no browser e clique na guia
“Properties” da árvore de projetos, como mostra a figura ao lado.

Além das propriedades comuns a todos os objetos do WEB Studio, o objeto Bar possui propriedades ex-
clusivas a serem configuradas.

62
WEB STUDIO

MaxValue
Esta propriedade define o fundo de escala que o objeto deve considerar para trabalhar no browser. Quan-
do o objeto é definido com certo tamanho, o WEB Studio calcula através deste fundo de escala como de-
verá ser sua movimentação pelo browser, considerando também a configuração da propriedade Orientati-
on.

Os exemplos abaixo mostram a utilização de dois fundos de escala diferentes:

Preenchendo a propriedade MaxValue com 2000 ou 4000, e dimensionando o objeto bar como mostrado
abaixo, o componente irá trabalhar considerando o valor declarado como fundo de escala, como mostrado
nos exemplo abaixo.

Fundo de escala = 2000 Fundo de escala = 4000

4
2000 4000

1000 1000

0000 0000

Esta configuração foi feita utilizando o valor “Up” na propriedade Orientation.

63
WEB STUDIO

Orientation
O objeto Bar pode ter quatro orientações possíveis. Essas orientações definem qual lado do browser deve-
rá ser considerado o fundo de escala. As opções são:

• Down: Padrão do objeto quando inserido no


WEB Studio, o fundo de escala do objeto é
definido em sua parte inferior, fazendo com
que a movimentação do mesmo seja feita
de cima para baixo, como mostrado ao lado.

4 • Left: Quando inserido no WEB Studio, o fundo


de escala do objeto é definido em sua parte
esquerda, fazendo com que a movimenta-
ção do mesmo seja da direita para esquer-
da, como mostrado ao lado.

• Right: Quando inserido no WEB Studio, o


fundo de escala do objeto é definido em sua
parte direita, fazendo com que a movimen-
tação do mesmo seja da esquerda para di-
reita, como mostrado ao lado.

• Up: Quando inserido no WEB Studio, o fundo


de escala do objeto é definido em sua parte
superior, fazendo com que a movimentação
do mesmo seja de cima para baixo, como
mostrado ao lado.

64
WEB STUDIO

• Objeto Static Image


Para inserir um objeto Static Image, inicialmente selecione o componente utilizando um dos métodos des-
critos abaixo:

• No menu “Insert”, escolha a opção “Image”;

• Na barra de ferramentas, pressione o botão ;

• Pressione “F10”;

Clique com o botão esquerdo do mouse sobre qualquer ponto da área de trabalho. O objeto será criado na
posição escolhida, com um nome e conteúdo padrão, como mostrado abaixo.

A árvore de projetos
mostra o componente,
com nome padrão de
“Image1”.

Ao ser criado, o objeto possui


esta aparência e conteúdo.

Para acessar as propriedades do objeto Static Image, dê um duplo-clique so-


bre seu ícone na árvore de projetos, ou selecione o objeto no browser e clique
na guia “Properties” da árvore de projetos, como mostra a figura ao lado.

Além das propriedades comuns a todos os objetos do WEB Studio, o objeto Static Image possui a proprie-
dade Image a ser configurada.

65
WEB STUDIO

Image
A única propriedade exclusiva do objeto “Static Image” tem como função inserir uma imagem à página.
Esta imagem pode ser posteriormente configurada como um hyperlink, utilizando-se da propriedade Link
(ver página 51).

Para inserir uma imagem, digite o caminho onde a mesma está localizada ou procure clicando no botão
mostrado abaixo:

Pressione este botão para procurar uma imagem

4 Procure pela figura desejada e confirme para inseri-la na página.

66
WEB STUDIO

Formatação das folhas de estilo


O WEB Studio permite que você personalize os estilos utilizados em seu projeto. Estes estilos definem a
aparência dos objetos e páginas de toda sua aplicação. O conteúdo deste tópico foi dividido em 3 partes:

• Formatação de texto nos objetos


• Formatação da aparência dos objetos
• Trabalhando com Layers

• Formatação de texto nos objetos


Quando criados, os objetos do WEB Studio assumem alguns “valores padrão” em seus estilos de
texto. É o caso, por exemplo, do tipo, cor e tamanho da fonte utilizada. Os tópicos abaixo mostram

4
como alterar cada um destes atributos:
Os estilos de formatação de texto existem somente para objetos que trabalho com edição de texto.

Tamanho da fonte (font-size)

Para mudar o tamanho da fonte do objeto, na


caixa de seleção de folhas de estilo, procure pe-
lo atributo “font-size”, ou digite-o no próprio cam-
po.
Após encontrá-lo, pressione “ENTER”.

Ao fazer isto, observe que na propriedade “St-


yle” apareceu o novo campo “font-size”.
O foco será direcionado para o atributo recém
inserido, como mostrado ao lado.

Para modificar o tamanho da fonte, insira um valor correspondente ao tamanho de fonte desejado
(30 por exemplo) e pressione ENTER para atualizar o objeto.
Os valores válidos para este atributo estão compreendidos entre 1 e 2863311.

NOTA
A unidade padrão utilizada pelo atributo “font-size” é px (pixels), mas pode-se trabalhar com


outros tipos de unidades. Para isto, basta colocar sua correta abreviação após o número. A
tabela abaixo mostra as unidades de medida suportadas pelo WEB Studio.

ABREV. DESCRIÇÃO
in Polegadas
cm Centímetros
mm Milímetros
em Um “em” é equivalente a um pixel
ex Um “ex”, usualmente é metade do tamanho da fonte em pixels
pt Ponto ( um “pt” equivale a 1/72 polegadas)
pc Pica (um “pc” equivale a 12 “pt”)
px Pixel (um ponto da tela do computador) – Padrão utilizado pelo browser

67
WEB STUDIO

Tipo de fonte (font-family)

Para mudar o tipo da fonte do objeto, na caixa de seleção de folhas de estilo, procure pelo atributo
“font-family”, ou digite-o no próprio campo.
Após encontrá-lo, pressione “ENTER”.
Ao fazer isto, observe que na propriedade “St-
yle” apareceu o novo campo “font-family”.

O foco será direcionado para o atributo recém


inserido, como mostrado ao lado.

Para modificar o tipo de fonte utilizada, digite o


nome da nova fonte que deseje utilizar para o
objeto (“Verdana”, por exemplo) e pressione
ENTER para atualizar o objeto.

A fonte padrão utilizada pelo WEB Studio é “Times New Roman”, que é padrão em todos os sis-

4
temas operacionais Microsoft. É possível utilizar qualquer uma das fontes instaladas no Windows,
mas deve-se observar que a fonte utilizada pode não estar instalada no computador que está a-
cessando o Webserver, Caso ocorra, o browser utilizará a fonte “Times New Roman” para mostrar
o texto do objeto. Certifique-se de estar utilizando uma fonte padrão do Windows antes de inseri-la
no projeto.

Cor da fonte (color)

Para mudar a cor da fonte do objeto, na caixa


de seleção de folhas de estilo, procure pelo atri-
buto “color”, ou digite-o no próprio campo.
Após encontrá-lo, pressione “ENTER”.
Ao fazer isto, observe que na propriedade “St-
yle” apareceu o novo campo “color”.

O foco será direcionado para o atributo recém


inserido, como mostrado ao lado.

Para modificar a cor da fonte do objeto, siga um


dos procedimentos mostrados abaixo:

• Digite o nome da nova cor (em inglês) que o texto do objeto deve assumir (“RED”, por e-
xemplo) e pressione ENTER para atualizá-lo com seu novo parâmetro.
• Clique sobre o botão e escolha a nova cor através da palheta de cores do WEB Stu-
dio, mostrada abaixo, e escolha a nova cor.

68
WEB STUDIO

• Formatação da aparência dos objetos


Da mesma maneira que a formatação de texto funciona, a aparência dos objetos do WEB Studio,
quando criados, assumem alguns “valores padrão” em seus estilos de aparência. É o caso, por
exemplo, da cor de fundo o objeto, tamanho da borda, cor da borda, etc. Os tópicos abaixo mos-
tram como alterar cada um destes atributos:

Cor de fundo (background-color)

Para mudar a cor de fundo do objeto, na caixa de


seleção de folhas de estilo, procure pelo atributo
“background-color”, ou digite-o no próprio campo.

4
Após encontrá-lo, pressione “ENTER”.
Ao fazer isto, observe que na propriedade “Style”
apareceu o novo campo “background-color”.

O foco será direcionado para o atributo recém in-


serido, como mostrado ao lado.

Para modificar a cor de fundo do objeto, siga um dos procedimentos mostrados abaixo:

• Digite o nome da nova cor (em inglês) que o fundo do objeto deve assumir (“ORANGE”,
por exemplo) e pressione ENTER para atualizar o objeto.
• Clique sobre o botão e escolha a nova cor através da palheta de cores do WEB Stu-
dio, mostrada abaixo:

Tamanho da borda (border-width)

Para mudar o tamanho borda do objeto, na caixa de sele-


ção de folhas de estilo, procure pelo atributo “border-width”,
ou digite-o no próprio campo.
Após encontrá-lo, pressione “ENTER”.
Ao fazer isto, observe que na propriedade “Style” apareceu
o novo campo “border-width”.

O foco será direcionado para o atributo recém inserido, co-


mo mostrado ao lado.

69
WEB STUDIO

Para modificar o tamanho da borda, insira um valor numérico entre a partir de “0” e pressione EN-
TER para atualizar o objeto.

Estilo de borda (border-style)

O atributo border-style define a aparência da borda na página. Ela pode assumir os seguintes va-
lores:

• None: Nenhuma borda é aplicada ao objeto;


• Solid: Contorno sólido (padrão);
• Dashed: Contorno tracejado;

Para mudar a aparência da borda do objeto, na caixa de seleção de folhas de estilo, procure pelo
atributo “border-style”, ou digite-o no próprio campo.

Após encontrá-lo, pressione “ENTER”.

4
Ao fazer isto, observe que na propriedade “Style”
apareceu o novo campo “border-style”.

O foco será direcionado para o atributo recém in-


serido, como mostrado ao lado.

Para modificar o estilo de borda utilizado, digite


um dos valores citados e pressione “ENTER” para
atualizar o objeto.

Abaixo se exemplificam os três tipos de estilo de borda existentes no WEB Studio:

Objeto Display configurado como “borda sólida” (padrão)

Objeto Display configurado como “sem borda”

Objeto Display configurado como “borda tracejada”

70
WEB STUDIO

Cor da borda (border-color)

Para mudar a cor da borda do objeto, na caixa de


seleção de folhas de estilo, procure pelo comando
“border-color”, ou digite-o no próprio campo.
Após encontrar o comando, pressione “ENTER”.
Ao fazer isto, observe que na propriedade “Style”
apareceu o novo campo “border-color”.

O foco será direcionado para a propriedade re-


cém-inserida, como mostrado ao lado.

Para modificar a cor da borda do objeto, siga um


dos procedimentos mostrados abaixo:

• Digite o nome da nova cor (em inglês) que a borda do objeto deve assumir (“BLUE”, por
exemplo) e pressione ENTER para atualizar o objeto.
• Clique sobre o botão
dio, mostrada abaixo:
e escolha a nova cor através da palheta de cores do WEB Stu-
4

71
WEB STUDIO

• Trabalhando com Layers


Durante o desenvolvimento de sua aplicação XML, pode-se controlar a ordem de sobreposição dos obje-
tos criados, controlando assim a maneira com que o usuário poderá visualizar a página. Estas divisões de
camadas onde se pode definir a disposição dos objetos chamam-se LAYERS.

Quando criados, os objetos do WEB Studio estão todos em um único layer chamado de layer-padrão.
Desta maneira, conforme novos objetos são inseridos, eles assumem uma posição superior aos antigos
existentes na página, como pode-se observar no exemplo abaixo:

No exemplo acima, foram criados 3 Displays, sendo o “Display 3” o último a ser inserido, tornando-o o
objeto em primeiro plano mostrado no browser.

Para alterar esta formatação utiliza-se o atributo z-index que faz essa ordenação de layers. Utilizando o
mesmo exemplo mostrado acima, definiremos um layer para cada componente da página. Isto é feito nas
propriedades do objeto em questão, como mostrado abaixo:

Propriedades do Display 1 Propriedades do Display 2 Propriedades do Display 3

72
WEB STUDIO

Desta maneira o definiu-se que o Display 2 está em um layer acima dos outros dois, sendo que o Display 1
está no layer mais baixo, resultando na mudança de posicionamento mostrada abaixo:

A qualquer momento é possível mudar o posicionamento destes layers, basta modificar o valor do atributo
z-index. Quanto maior o valor, maior a prioridade que o browser dará para mostrar o objeto.
Somente valores numéricos são aceitos neste campo.

73
WEB STUDIO

Programação dos alarmes


Cada página criada pelo WEB Studio pode monitorar uma série de alarmes definidos pelo usuário na guia
Alarms da árvore de projetos.

A programação destes alarmes é feita da seguinte maneira:

Abra a página de configuração de alarmes da página desejada na árvore de projetos, como mostrado a-
baixo:

4
Nesta janela, deve-se definir qual variável será supervisionada, seu valor máximo e mínimo que caracteri-
zam um alarme e qual mensagem este alarme deverá mostrar quando a variável estiver dentro do range
pré-definido. Veja o exemplo a seguir:

Quando qualquer um dos registros estiver dentro do range pré-definido, a mensagem de alarme configura-
da será mostrada no campo “Message Window” da página, mostrado logo abaixo:

Message Window utilizada para mostrar as mensagens de alarme.

74
WEB STUDIO

Programação de envio automático de e-mails


O Webserver possui a função de envio de alarmes por e-mail. Esta característica consiste em monitorar o
status de um conjunto de estados internos declarados no datadesc do projeto.

Quando se identifica a mudança de status (OFF Æ ON) de um destes EIs, o Webserver manda automati-
camente um e-mail com assunto e mensagem pré-definidos pelo usuário para até 3 destinatários diferen-
tes. Esta configuração é feita como mostrado abaixo:

Na guia de configuração do projeto, habilite a opção Email Alarms. A figura abaixo descreve todos os
componentes a serem configurados para utilizar a opção de envio de alarmes por e-mail.
7

2
4
3 9

10

1. Enabled: Habilita / Desabilita a função “Email Alarms”, ou envio de alarmes por e-mail;

2. Alarm: Esta caixa de seleção permite definir os parâmetros de cada um dos alarmes. Até 8
estados internos podem ser monitorados simultaneamente. Escolha um dos alarmes e
programe-o preenchendo os campos definidos abaixo.

3. Variable: Definição do estado interno monitorado pelo alarme. Cada alarme possui seu pró-
prio estado interno.

4. Destination: Destinatários da mensagem. Cada alarme pode ser configurado para enviar o
mesmo e-mail para até 3 endereços diferentes. Estes endereços são definidos nestes três
campos.

5. Subject: Assunto do email. Pode-se digitar até 32 caracteres.

6. Message: Corpo do e-mail. A mensagem a ser digitada pode ter até 64 caracteres, ou seja,
esta função permite que breves descrições do problema sejam enviadas via e-mail.

7. Scan (sec.): A verificação das variáveis da função “Email Alarms” é feita periodicamente a-
través do intervalo de tempo definido nesta opção. Este período é definido em milesegun-
dos. Durante o processo de leitura das variáveis, o canal serial utilizado por esta função fi-
ca ocupado, impedindo que o WinSUP ou qualquer software supervisório utilize-o.

75
WEB STUDIO

8. Port e NetID: O campo Port define o canal serial que o Webserver utilizará para fazer a lei-
tura das variáveis e o campo NetID informa qual o endereço do PLC que contém estes a-
larmes. O canal serial e o endereço do PLC são os mesmo para todos os alarmes criados.

9. Sender: Destinatário. Definição de um e-mail ou nome remetente desta mensagem. Podem-


se definir nomes diferentes para cada e-mail configurado.

10. SMTP Server: Servidor de e-mails onde o Webserver deve direcionar as mensagens. De-
ve-se inserir o endereço IP do servidor.

Enviando o projeto para o Webserver


Durante o desenvolvimento da aplicação ou ao final do projeto, para realizar o Upload de seus arquivos

4
para o WebServer siga um dos procedimentos mostrados abaixo:

• No menu “File”, escolha a opção “Upload”;


• Na barra de ferramentas, pressione o botão ;

• Pressione “Ctrl+U”;

• Clique com o botão direito do mouse sobre qualquer ponto da árvore de projetos e no
menu que abrir escolha a opção “Upload”.

Como se pode observar existem diversas maneira de realizar o Upload do projeto, a última opção é mais
utilizada quando se trabalha com diversos projetos abertos no aplicativo, como mostrado na figura ao lado.
Desta maneira, quando desejar enviar um dos projetos abertos, basta clicar com o botão direito do mouse
sobre o nome do projeto na árvore de projetos e escolher a opção “Upload”. O WEB Studio identifica qual
projeto deve ser enviado para o Webserver automaticamente.

Para enviar o projeto, devem-se definir alguns parâmetros iniciais, listados na janela abaixo:

• Webserver Address: Endereço do Webserver na rede. Esta


informação já deve ter sido previamente configurada como
mostrado na página 23 do manual.
• Username: Nome de usuário que permite a autorização de
acesso à escrita no Webserver. Esta opção é uma segurança
que o equipamento possui garantindo as informações contidas
no mesmo. Somente usuário cadastrados na configuração do
Webserver com permissão total ou de escrita no equipamento
(ver página 22 para mais informações) podem ter acesso via
FTP aos arquivos existentes no mesmo.
• Password: Senha de acesso do nome de usuário declarado no
campo acima.
• Delete Files no Webserver: Esta opção, quando marcada
limpa a memória de dados do Webserver antes de enviar a a-
plicação. Caso ela não esteja marcada, os arquivos de mesmo
nome serão sobrepostos automaticamente.

O andamento do Upload pode ser observado pela barra de status do


WEB Studio, como mostrado ao lado.

76
WEB STUDIO

77
APÊNDICE A – ATALHOS DE TECLADO DO WEB STUDIO

APÊNDICE A
ATALHOS DE TECLADO DO WEB STUDIO

79
ATALHOS DE TECLADO DO WEB STUDIO

80
ATALHOS DE TECLADO DO WEB STUDIO

Comandos Gerais do WEB Studio


TECLA FUNÇÃO DESCRIÇÃO
Ctrl+N y New Project y Cria um novo projeto
Ctrl+P y New Page y Cria uma nova página XML
Ctrl+G y New Group y Cria um novo grupo de variáveis no DataDesc
Ctrl+T y New Variable y Cria uma nova variável dentro de um grupo
Ctrl+O y Open Project y Abre um projeto existente
Ctrl+S y Save Project y Salva o projeto atual
Ctrl+F4 y Close Page y Fecha a página XML vigente
Exporta os arquivos do projeto em uma pasta para carre-
Ctrl+E y Export y
gamento manual via serviço de FTP
Ctrl+U y Upload y Realiza o Upload do projeto para o Webserver
Ctrl+C y Copy y Copiar (somente texto)
Ctrl+X y Cut y Recortar (somente texto)
Del y Delete y Excluir
Ctrl+V y Paste y Colar (somente texto)
Ctrl+R y Refresh Document y Atualizar página
F2 y Select y Desmarca o foco de qualquer objeto da página em edição
F3
F4
F5
y
y
y
Display Object
Dynamic Object
Edit Object
y
y
y
Inserir um objeto Display (ver página 52)
Inserir um objeto Dynamic (ver página 54)
Inserir um objeto Edit (ver página 57)
A
F6 y Button Object y Inserir um objeto Button (ver página 59)
F9 y Bar Object y Inserir um objeto Bar (ver página 62)
F10 y Image y Inserir uma imagem (ver página 65)
Alt+F4 y Exit y Sair do WEB Studio

" IMPORTANTE
Durante o trabalho de criação / edição da página XML, quando o foco estiver direcionado
na página em questão, não pressione a tecla F5. Isto ocasionará um erro de atualização
na mesma. Para atualizar o conteúdo da página XML em edição no WEB Studio, utilize a
tecla de atalho Ctrl+R.

81
ATALHOS DE TECLADO DO WEB STUDIO

82
APÊNDICE B – SOLUCIONANDO PROBLEMAS

APÊNDICE B
SOLUCIONANDO PROBLEMAS

83
SOLUCIONANDO PROBLEMAS

84
SOLUCIONANDO PROBLEMAS

A região de configuração do Webserver é acessada somente para usuários cadastrados no equipamento


(ver página 22 para mais informações sobre cadastramento de usuários). Em casos de esquecimento da
senha, o Webserver possui um jumper interno de segurança (jumper ST1) que ao ser passado para posi-
ção “A” coloca o cadastro de usuários com a senha e login padrão ao sair de fábrica.

Este procedimento deve ser iniciado com o controlador desligado.


OBSERVAÇÃO

Este procedimento só pode ser realizado via Hardware, impossibilitando o acesso remoto via rede às con-
figurações do Webserver, sem saber um login válido para o equipamento.

Ao colocar o jumper ST1 de volta em sua posição padrão (ST1=B), a lista de usuários original volta a ser
carregada no Webserver.

85
SOLUCIONANDO PROBLEMAS

86
APÊNDICE C – INDICADORES DE DIAGNÓSTICO

APÊNDICE C
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO

87
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO

88
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO

Através dos LED's localizados no frontal é possível verificar o status e diagnóstico do Webserver.

LED SINALIZAÇÃO DIAGNÓSTICO

ON Aceso Vermelho A placa está energizada


Indica que o módulo está operando em es-
STATUS Pisca vermelho
tado normal.
Indica que o módulo está conectado a uma
rede Ethernet. Caso o LED esteja apagado
LINK Aceso verde verifique a conexão do cabo Ethernet, pro-
curando mau contato na conexão do cabo
ou da placa.
Pisca quando um pacote é recebido ou
ACTIVE Pisca vermelho
transmitido.

Fig. 4.- Indicadores


de diagnóstico

89
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO

10

90