Você está na página 1de 33

LABORATORIO DE PESQUISAS JURÍDICAS

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

2006
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 2
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

Exame da Ordem
129º Exame de Ordem
07/05/2006
Prova 1ª fase - Tipo 1

DIREITO CONSTITUCIONAL
01. Ao receber projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional, é vedado, ao Presidente da
República, vetá-lo (A) por ilegalidade.
(B) por contrariedade ao interesse público.
(C) por inconstitucionalidade.
(D) totalmente.

02. O instrumento clássico de manutenção da unidade do pacto federativo é


(A) o estado de sítio.
(B) a intervenção federal.
(C) o estado de defesa.
(D) o estado de guerra.

03. A decisão proferida por juízo singular estadual, em mandado de segurança individual,
que declara a inconstitucionalidade de determinada lei da União,
(A) é nula, porque o juízo estadual só pode declarar a inconstitucionalidade de leis
estaduais.
(B) é nula, porque o juízo singular não pode declarar a inconstitucionalidade das leis,
cabendo, a declaração, somente aos Tribunais.
(C) é válida e produz apenas efeitos entre as partes do processo.
(D) é válida e produz efeitos erga omnes.

04. A defesa de direitos frente aos Poderes Públicos poderá ser promovida,
extrajudicialmente, por meio
(A) de reclamação, para preservar a autoridade da decisão do Supremo Tribunal Federal e
de habeas data.
(B) de habeas data e do direito de petição.
(C) de reclamação, para preservar a autoridade da decisão do Supremo Tribunal Federal, e
do direito de certidão.
(D) dos direitos de petição e de certidão.

05. Com a vigência da Emenda Constitucional n.º 45/2004, as súmulas do Supremo Tribunal
Federal, até então aprovadas,
(A) passaram a ter efeito vinculante, somente em relação aos demais órgãos do Poder
Judiciário.
(B) passaram a ter efeito vinculante, em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à
administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal.
(C) passaram a ter efeito vinculante, em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário, à
administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal e ao
Congresso Nacional.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 3
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(D) não passaram a ter efeito vinculante.

06. Segundo a Constituição Federal, ao Poder Reformador é permitido extinguir


(A) a impenhorabilidade da pequena propriedade rural.
(B) as competências exclusivas do Congresso Nacional.
(C) o monopólio da União sobre a refinação de petróleo.
(D) o voto secreto, para escolha do Presidente da República pelos cidadãos.

07. O "quinto constitucional" corresponde


(A) ao quorum de um quinto dos membros do Supremo Tribunal Federal, para a declaração
de inconstitucionalidade das leis.
(B) à composição de um quinto dos Tribunais de Justiça dos Estados e os Tribunais
Regionais Federais, por membros do Ministério Público e advogados.
(C) ao quorum de um quinto dos membros do Congresso Nacional para aprovação de
Emenda à Constituição Federal.
(D) ao transcurso do período de um quinto da sessão legislativa, para reapresentação de
novo projeto de lei arquivado por inconstitucionalidade.

08. O Tribunal de Contas da União é órgão auxiliar


(A) do Congresso Nacional, na fiscalização contábil e financeira da União, cujas decisões
possuem natureza administrativa.
(B) do Poder Judiciário Federal, na apuração de improbidades administrativas, cujas
decisões possuem natureza jurisdicional.
(C) da Presidência da República, na fiscalização contábil e financeira da União, dos Estados
e dos Municípios, cujas decisões possuem natureza administrativa.
(D) do Ministério Público da União, na fiscalização de ilícitos penais ligados à administração
pública, cujas decisões possuem natureza jurisdicional.

09. O sistema brasileiro de controle da constitucionalidade permite


(A) a impugnação de lei municipal, em face da Constituição da República, por meio de Ação
Direta de Inconstitucionalidade Federal.
(B) a verificação de inconstitucionalidade durante o processo de elaboração da lei.
(C) o saneamento da omissão inconstitucional, obrigando-se o Poder competente a adotar
as providências necessárias.
(D) a propositura de Ação Declaratória de Constitucionalidade Federal pelo Conselho
Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil.

10. A Constituição Federal é considerada rígida porque


(A) não pode ser modificada.
(B) não pode ser modificada, exceto nos casos de estado de sítio e de estado de defesa.
(C) não pode ser modificada, exceto quando declarada inconstitucional pelo Supremo
Tribunal Federal.
(D) pode ser modificada por meio de processo mais complexo e dificultoso que o processo
de elaboração das leis infraconstitucionais.

DIREITO ADMINISTRATIVO
11. O posicionamento doutrinário contrário à participação da Administração Pública em
processos privados de solução de litígio (arbitragem, por exemplo) não se funda:
(A) na competência regulatória do Poder Público.
(B) na indisponibilidade do interesse público.
(C) na indispensabilidade de autorização legislativa específica.
(D) na inafastabilidade do acesso ao Judiciário.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 4
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

12. No campo da Responsabilidade Extracontratual do Estado, diz-se que este não se


converte em Segurador Universal, visto que o direito brasileiro não adota a teoria
(A) do Risco Administrativo.
(B) da Responsabilidade objetiva nos casos de nexo causal.
(C) do Risco Integral.
(D) da Responsabilidade subjetiva por condutas comissivas.

13. A Emenda Constitucional n.º 9/95 flexibilizou o monopólio da atividade do petróleo,


permitindo que empresas privadas participem, por exemplo, da atividade de pesquisa e lavra
do petróleo, em regime de livre concorrência. Para tanto, as empresas privadas devem
(A) celebrar com a Agência Nacional do Petróleo - ANP contrato de concessão de serviço
público.
(B) celebrar com a União contrato de concessão de exploração de bem público.
(C) ser autorizadas pela Petrobras para exploração de atividade econômica, após regular
procedimento licitatório.
(D) celebrar contrato de concessão para exploração de atividade econômica com a União,
via Agência Nacional de Petróleo - ANP.

14. A frase "A decisão adotada por ocasião da aplicação da lei não reflete avaliações livres e
ilimitadas do administrador, mas traduz a concretização da solução mais adequada e
satisfatória, tomando em vista critérios abstratamente previstos em lei ou derivados do
conhecimento técnico-científico ou da prudente avaliação da realidade" reflete, em relação
ao agente público, os limites
(A) da fiscalização do Tribunal de Contas competente.
(B) da sua competência vinculada.
(C) do controle externo cabível sobre sua competência arbitrária.
(D) da sua ação discricionária.

15. A Lei n.º 11.107, de 06.04.2005, regulamentando o artigo 241 da Constituição Federal,
disciplinou a gestão associada de atividades entre os entes federados mediante
transferência total ou parcial de encargos, pessoal e bens essenciais à continuidade de
serviços públicos. O instituto disciplinado por essa lei chama-se
(A) contrato de gestão.
(B) parceria público-privada.
(C) convênio privado.
(D) consórcio público.

16. Um contrato a ser celebrado entre o Poder Público e o privado não poderá ser
considerado parceria público-privada se
(A) o seu objeto for exclusivamente execução de obras.
(B) envolver contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado.
(C) o seu valor for superior a R$ 20.000.000,00.
(D) o seu prazo de duração for de 10 anos.

17. Ao cabo de um contrato de concessão, os bens afetados à prestação do serviço serão


revertidos ao ente público concedente, em função do princípio da continuidade do serviço
público. Essa reversão ao patrimônio público implica indenização à concessionária?
(A) Sim, desde que os investimentos nesses bens não tenham sido amortizados pelas
tarifas.
(B) Não, porque no regime da concessão de serviço público os bens não são da
concessionária, mas sim do Poder Público.
(C) Sim, desde que tenha havido revisão no contrato para restabelecer o seu equilíbrio
econômico-financeiro.
(D) Nunca, porque o prazo da concessão foi estabelecido no edital de licitação, e
indenização a seu final implicaria enriquecimento ilícito da concessionária.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 5
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

18. Decisões do STJ em Mandados de Segurança impetrados por Rádios Comunitárias


determinaram aos órgãos administrativos competentes que se abstivessem de tolher a
atuação das impetrantes, enquanto não decidissem seus pleitos de autorização de
funcionamento, formulados há mais de 3 anos. Tais decisões, que permitiram o exercício
precário de serviço de radiodifusão sonora sem as devidas autorizações,
(A) não têm sustento jurídico, porque não há nenhum princípio ou norma constitucional que
determine à Administração agir rapidamente.
(B) foram calcadas nos princípios da eficiência e da razoabilidade, exigidos da atuação do
administrador público.
(C) foram calcadas nos princípios da legalidade e da supremacia do interesse público
primário.
(D) afrontam as normas do processo administrativo.

19. Uma Prefeitura realizou concurso público para provimento dos cargos públicos de
escriturário. O edital do concurso exigia que o candidato tivesse o 2.º Grau completo. Após
10 anos da nomeação dos candidatos aprovados, necessitando a Prefeitura prover,
urgentemente, cargos de advogado, realizou concurso interno entre os escriturários que
tivessem completado o curso de direito. Esse procedimento está correto?
(A) Não, porque isso caracterizaria readaptação de cargo, possível apenas se previsto no
edital do primeiro concurso.
(B) Sim, porque os candidatos possuem o requisito necessário e já haviam sido aprovados
em concurso público anterior.
(C) Não, porque o ingresso em cargo público só pode ocorrer após aprovação em concurso
público.
(D) Sim, porque havia urgência para o provimento dos cargos e a seleção interna respeitou
os requisitos necessários para o provimento de cargo de advogado.

20. Um secretário municipal, sob o argumento de reestruturar o sistema de ensino do


Município, removeu uma diretora de escola municipal para um bairro distante. Inconformada,
a diretora recorreu ao Prefeito, alegando que a sua remoção ocorrera unicamente porque
seu marido teria brigado com o secretário. O que deve o Prefeito fazer, se confirmado o
alegado pela diretora?
(A) Editar ato administrativo avocatório, desconcentrando a eficácia do ato de remoção.
(B) Convalidar o ato, com efeito retroativo, corrigindo o desvio de poder.
(C) Revogar o ato, com efeito retroativo.
(D) Declarar nulo o ato da remoção, com efeito retroativo.

DIREITO CIVIL
21. Sobre as pertenças, é correto afirmar que
(A) são bens acessórios e por isso seguem a sorte do principal.
(B) constituem parte integrante do bem principal e destinam-se ao seu aformoseamento.
(C) são benfeitorias úteis.
(D) apesar de consideradas bens acessórios, não seguem a sorte do principal.

22. Sobre a teoria das nulidades, é errado afirmar:


(A) negócio nulo pode ser objeto de conversão, a fim de que o novo negócio ganhe validade
e eficácia.
(B) são nulos os negócios em que a lei proíbe sua prática sem cominar sanção.
(C) em regra, é de 4 anos o prazo para pleitear-se a nulidade absoluta do negócio jurídico.
(D) negócio anulável admite ratificação tácita.

23. São formas de adimplemento:


(A) novação subjetiva passiva por expromissão, remissão e imputação.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 6
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(B) compensação, confusão e comistão.


(C) pagamento direto, consignação e adjunção.
(D) estipulação em favor de terceiro, dação e pagamento com sub-rogação.

24. Sobre a Responsabilidade Civil, é errado afirmar:


(A) o Código Civil possibilita a redução da indenização no caso de desproporção entre a
gravidade da culpa do agente e o dano sofrido pela vítima.
(B) o patrão é presumivelmente culpado pelo ato ilícito praticado pelo empregado no
exercício de suas funções.
(C) o absolutamente incapaz pode vir a ser condenado no âmbito civil pessoalmente pelos
danos que causar.
(D) o agente pode responder objetivamente pelos danos que causar se a atividade por ele
desenvolvida implicar risco.

25. Sobre os direitos reais, é errado afirmar:


(A) mesmo que convencionada a indivisibilidade de um bem em condomínio por prazo certo,
o juiz poderá dividir a coisa comum dentro desse prazo.
(B) confusão e adjunção são modos de aquisição da propriedade móvel.
(C) o menor prazo de usucapião previsto pelo Código é de 5 anos.
(D) penhor é um direito real sobre coisa alheia de garantia.

26. Devedor transfere a posse de seu imóvel ao credor, a fim de que este possa se pagar do
crédito do qual é titular, utilizando para tanto os frutos e rendimentos do imóvel. Verifica-se,
neste caso,
(A) enfiteuse.
(B) anticrese.
(C) penhor.
(D) hipoteca.

27. Quanto ao Direito de Família, assinale a alternativa correta.


(A) Presunção pater is est foi abolida do Código Civil de 2002.
(B) O Código Civil prevê expressamente que a criança concebida com material genético de
Beatriz e de um terceiro
pode ser considerada para todos os efeitos como filha de Beatriz e de seu marido, desde
que este autorize a inseminação.
(C) Adultério confessado pela esposa afasta a presunção de que o seu filho, nascido na
época da traição, é do seu marido.
(D) Prova da impotência do marido para gerar, à época da concepção, não afasta a
presunção da paternidade.

28. Quanto à União Estável, é errado afirmar:


(A) é possível que ocorra União Estável entre uma mulher solteira e um homem casado,
mas separado de fato.
(B) as relações não eventuais entre o homem e a mulher, impedidos de casar, constituem
concubinato.
(C) aplicam-se analogicamente para o convivente da União Estável as regras sucessórias
do cônjuge casado sob comunhão parcial.
(D) as causas suspensivas do casamento não impedem a caracterização da união estável.

29. Sobre o Direito das Sucessões, é errado afirmar:


(A) os filhos do herdeiro renunciante herdam por representação.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 7
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(B) é lícito a José ceder os direitos que possui na sucessão do seu pai, Joaquim, que já
faleceu.
(C) Pedro pode nomear como herdeira testamentária sua sobrinha, que nem sequer foi
concebida.
(D) as testemunhas do testamento não podem ser nomeadas herdeiras.

30. Sobre a Sucessão testamentária, é errado afirmar:


(A) são espécies de substituição testamentária: a vulgar singular, a fideicomissária e a
compendiosa.
(B) o testador pode estabelecer cláusula de inalienabilidade sobre os bens da parte legítima,
desde que exponha uma justa causa para tanto.
(C) é possível o filho deserdar seu pai da herança.
(D) se o legado de coisa determinada pelo gênero não existir no patrimônio do testador, a
disposição testamentária caducará.

DIREITO PROCESSUAL CIVIL


31. Com a ação cautelar de exibição de documentos, é correto afirmar que
(A) a medida foi revogada pelo atual sistema processual em razão da inserção no parágrafo
7.º do art. 273 do CPC.
(B) não se admite a busca e apreensão da coisa, mas só de pessoas.
(C) não há busca e apreensão incidente na pendência de processo principal, pois a medida
é mero incidente e medida de instrução.
(D) uma vez deferida a exibição em caráter cautelar, o requerente deve propor a ação no
prazo de 30 dias a contar da satisfação da ordem.

32. Com relação à ação de execução, é incorreto afirmar:


(A) a competência para apreciar e julgar os embargos à execução é determinada na forma
estabelecida pela regra geral de competência, portanto, no foro do domicílio do executado
(art. 94, CPC).
(B) os embargos têm natureza jurídica de ação, portanto, a petição deve obedecer aos
requisitos dos art. 282 e 283 do CPC.
(C) se fundados os embargos em execução de título extrajudicial, o devedor poderá alegar
toda e qualquer matéria relativa ao processo de execução ou de conhecimento.
(D) os embargos de retenção de benfeitorias são uma subespécie dos embargos do devedor
e estão limitados à execução por título extrajudicial.

33. Em razão da Emenda Constitucional n.º 45/2004, se um ex empregado pretender


ingressar com ação de revisão de benefício previdenciário e ação de indenização por danos
decorrentes de acidente do trabalho, deverá propor sua pretensão na seguinte
conformidade:
(A) ambas poderão ser formuladas na Justiça do Trabalho, trazendo como litisconsorte
necessário o ex-empregador e o INSS, pois a competência é absoluta desse juízo.
(B) deverá ingressar com duas ações distintas, pois a regra é de competência absoluta,
sendo que a Justiça do Trabalho tem competência para a ação de revisão de benefício,
mas não a tem para a acidentária.
(C) deverá ingressar com duas ações distintas, pois a regra é de competência absoluta,
sendo que a Justiça do Trabalho tem competência para a ação de acidentária, mas não a
tem para a de revisão de benefício que deve ser intentada contra o empregador.
(D) deverá ingressar com duas ações distintas, pois a regra é de competência absoluta,
sendo que a Justiça do Trabalho tem competência para a ação de acidentária, mas não a
tem para a de revisão de benefício, que deve ser intentada contra o INSS, podendo o
empregador ingressar nessa relação como assistente simples.

34. Tem legitimidade para requerer a ação de restauração de autos:


(A) qualquer das partes do processo originário, seja autor ou réu.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 8
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(B) qualquer das partes do processo originário, seja autor ou réu, bem como o Juiz titular da
Vara em que os autos foram extraviados.
(C) qualquer das partes do processo originário, seja autor ou réu, bem como o Juiz titular da
Vara em que os autos foram extraviados, desde que fique caracterizada desídia na
administração da Vara.
(D) qualquer das partes do processo originário, seja autor ou réu, ou por ato de ofício da
Corregedoria ou do Conselho Nacional da Justiça.

35. Assinale a alternativa correta quanto à jurisdição voluntária.


(A) Terá competência para apreciar e julgar a ação de emancipação o Juiz da Vara ou
Tribunal da comarca onde residir o menor interessado.
(B) Não importa que a causa seja submetida a jurisdição contenciosa ou voluntária, as
regras gerais sobre competência devem ser respeitadas.
(C) As causas submetidas a jurisdição voluntária não dependem, para serem julgadas
validamente, de nenhuma regra sobre competência, pois são feitos em que não há de se
falar em jurisdição propriamente dita.
(D) A competência para conhecer e julgar a ação de sub-rogação não será,
necessariamente, do juiz que determinou o gravame do bem, podendo ser inclusive do
Tribunal de Justiça do Estado.

36. Quanto ao processo de interdição, é correto afirmar:


(A) somente os pais, tutores e curadores têm legitimidade para requerer a interdição cuja
ação deverá ser proposta no foro do domicílio deles, requerentes.
(B) os parentes mais próximos, ou seja, aqueles que estiverem incluídos no rol sucessório,
também têm legitimidade para requerer a interdição cuja ação deverá ser proposta no foro
do domicílio do interditando.
(C) tanto o cônjuge como o companheiro têm legitimidade para requerer a interdição, e a
ação deverá ser proposta no foro do domicílio do casal.
(D) o cônjuge tem legitimidade ad causam, mas não tem ad processum para requerer a
interdição do respectivo parceiro e a ação deve correr no foro do domicílio do interditando.

37. Acerca do processo monitório, é correto afirmar:


(A) acolhida a inicial, o juiz ordenará a citação do réu para pagar ou entregar a coisa no
prazo de 15 dias.
(B) acolhida a inicial, o juiz ordenará a intimação do réu para pagar ou entregar a coisa no
prazo de 15 dias.
(C) desnecessária a intimação ou citação do réu para pagar ou entregar a coisa no prazo de
15 dias, pois basta a expedição do mandado monitório.
(D) o mandado monitório é idêntico ao relativo à ação executiva, de modo que o prazo para
cumprimento da obrigação deve ser de 24 horas.

38. Analise as proposições quanto à medida cautelar de produção antecipada de provas:


I. é procedimento cautelar que consiste em assegurar certa prova, antes do momento
adequado de sua produção, que corre o risco de não se concretizar ante a possibilidade de
seu perecimento;
II. o objeto da ação pode ser quaisquer fatos ou cirscuntâncias que tenham importância para
a solução da lide;
III. por ser medida cautelar, exige uma situação de emergência para que seja deferida, sem
o que não será deferida;
IV. legitimado para promover a ação pode ser o autor, o réu ou terceiro que tenha interesse
jurídico, motivo pelo qual prescinde do requisito do fumus boni iuris, ganhando maior
destaque o receio de lesão.
É correto afirmar que
(A) somente as afirmativas I e IV estão corretas.
(B) somente as afirmativas I, II e IV estão corretas.
(C) estão incorretas as afirmativas II e III.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 9
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(D) todas as afirmativas estão corretas.

39. Quanto aos embargos de terceiro, é correto afirmar que


(A) se a decisão que ordenou a penhora for proferida por juiz absolutamente incompetente,
o terceiro prejudicado
não tem necessidade de embargar, pois não produzirá qualquer efeito aquela decisão com
relação ao seu direito. Dessa forma, no cumprimento do mandado, o oficial poderá deixar de
cumprir a ordem do juiz, mediante a simples alegação do terceiro de que a decisão é nula e
de nenhum efeito.
(B) o compromisso de compra e venda desprovido de registro é negócio nulo e, por isso,
não poderá ser fundamento de embargos de terceiro.
(C) somente por embargos de terceiro se anula ato jurídico por fraude contra credores.
(D) é admissível a oposição de embargos de terceiro fundados em alegação de posse
advinda do compromisso de compra e venda de imóvel, ainda que desprovido de registro.

40. Considere as afirmações a seguir, concernentes à ação de consignação em pagamento.


I. Se o devedor tiver dúvidas sobre quem deve receber o crédito, deverá propor a ação
contra, necessariamente, todos os credores que disputam o crédito.
II. Se o juiz concluir pela insuficiência do depósito, deverá determinar na sentença, sempre
que possível, o montante devido, condenando o consignante ao respectivo pagamento
ou depósito da coisa, valendo tal decisão como título executivo judicial que favorece o réu
consignado. Isso se dá em razão da natureza dúplice da ação.
III. Não cabe consignatória de prestação de coisa indeterminada. Se o devedor pretende ver
a situação resolvida, deve valer-se da ação para tutela específica (art. 461, CPC), única
forma de provocar o credor para que venha escolher a coisa.
IV. Admite-se a consignatória nas obrigações de trato sucessivo, podendo o devedor
consignar o pagamento das prestações vencidas e das prestações vincendas . Quanto a
estas, o devedor poderá depositar as prestações que forem vencendo no mesmo processo,
desde que os depósitos sejam realizados no prazo de 5 dias contados da data dos
respectivos vencimentos.
Pode-se dizer que
(A) todas as afirmações estão corretas.
(B) somente as afirmações I, II e III estão corretas.
(C) somente as afirmações I, II e IV estão corretas.
(D) todas as afirmações estão erradas.

DIREITO COMERCIAL
41. É legitimado(a) para requerer a falência do devedor
(A) o cotista ou acionista do devedor, na forma da lei ou do ato constitutivo da sociedade.
(B) a Fazenda Pública, pelos débitos tributários vencidos e não pagos.
(C) qualquer credor, independentemente do valor do título de crédito, desde que vencido,
protestado e não pago.
(D) o próprio devedor, mediante confissão, apenas após a ocorrência de protesto de título
por ele devido, vencido e não pago.

42. É ineficaz em relação à massa falida


(A) a constituição de direito real de garantia, dentro do termo legal da falência, por dívida
contraída anteriormente.
(B) o pagamento de dívidas não vencidas, realizado dentro do termo legal da falência, desde
que demonstrado que o credor tinha conhecimento do estado de dificuldades do devedor.
(C) o pagamento de dívidas vencidas e exigíveis, realizado dentro do termo legal da
falência, mediante redução de seu valor.
(D) a prática de atos a título gratuito, desde 2 anos antes do termo legal da falência.

43. De acordo com os princípios do Direito de Propriedade Industrial, a marca disponível e


visualmente perceptível não é registrável quando
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 10
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(A) for composta de sinal de caráter não genérico e não simplesmente descritível em relação
ao produto ou serviço a distinguir.
(B) reproduzir ou imitar elemento não característico de título de estabelecimento de terceiro,
suscetível de causar confusão ou associação com a marca em questão.
(C) for composta de sinal ou expressão empregados apenas como meio de propaganda.
(D) se trate de título de obra literária de terceiro, suscetível de causar confusão, com o
consentimento do autor ou titular.

44. A Lei de Propriedade Industrial prevê a possibilidade de ser outorgada uma licença
compulsória de patente quando ocorrerem algumas circunstâncias específicas. Assinale a
circunstância em que uma licença compulsória de patente pode ser obtida, desde que todos
os demais requisitos estejam presentes.
(A) Para fabricação de produtos exclusivamente destinados à exportação.
(B) Na hipótese de o potencial licenciado comprometer-se a fabricar o produto licenciado em
setores prioritários de regiões menos desenvolvidas da Agência de Desenvolvimento do
Nordeste - ADENE e da Agência de Desenvolvimento da Amazônia - ADA (áreas de atuação
das extintas SUDENE e SUDAM).
(C) Na hipótese de o potencial licenciado ter vencido licitação para fornecimento, ao
Ministério da Defesa, de produtos ou serviços cobertos por patente.
(D) No caso de não ter havido exploração do objeto da patente no território brasileiro por
falta de fabricação ou fabricação incompleta do produto.

45. Considera-se arrendamento mercantil operacional a modalidade de contrato em que


(A) as contraprestações a serem pagas pela arrendatária contemplem o custo de
arrendamento do bem e os serviços
inerentes à sua colocação à disposição da arrendatária, não podendo o total dos
pagamentos a serem feitos, a título de arrendamento, ultrapassar 75% do custo do bem
arrendado.
(B) as contraprestações e demais pagamentos previstos no contrato, devidos pela
arrendatária, sejam normalmente suficientes para que a arrendadora recupere o custo do
bem arrendado durante o prazo contratual da operação e, adicionalmente, obtenha um
retorno sobre os recursos investidos.
(C) as contraprestações e demais pagamentos previstos no contrato, devidos pela
arrendatária, sejam normalmente suficientes para que a arrendadora recupere o custo do
bem arrendado durante o prazo contratual da operação e, adicionalmente, obtenha um
retorno sobre os recursos investidos, nunca inferior a 20% desses custos.
(D) as contraprestações a serem pagas pela arrendatária contemplem o custo de
arrendamento do bem e os serviços inerentes à sua colocação à disposição da arrendatária,
não podendo o total dos pagamentos a serem feitos, a título de arrendamento, ultrapassar o
total do custo do bem arrendado.

46. O contrato de concessão comercial entre produtores e distribuidores de veículos resolve-


se
(A) pela expiração do prazo determinado estabelecido no início da concessão, se nenhuma
das partes manifestar à outra a intenção de não prorrogá-lo, antes de 180 dias de seu termo
final e mediante notificação por escrito, devidamente comprovada.
(B) pela expiração do prazo determinado estabelecido no início da concessão, se nenhuma
das partes manifestar à outra a intenção de não prorrogá-lo, antes de 90 dias de seu termo
final e mediante notificação por escrito, devidamente comprovada.
(C) pela expiração do prazo determinado estabelecido no início da concessão, salvo se uma
das partes manifestar à outra a intenção de prorrogá-lo, antes de 180 dias de
seu termo final e mediante notificação por escrito, devidamente comprovada.
(D) pela expiração do prazo determinado estabelecido no início da concessão, salvo se uma
das partes manifestar à outra a intenção de prorrogá-lo, antes de 90 dias de seu termo final
e mediante notificação por escrito, devidamente comprovada.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 11
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

47. Assinale a afirmativa falsa.


(A) A certidão dos atos de constituição e de alteração de sociedade empresária, passada
pela Junta Comercial, será o documento hábil para a transferência, por transcrição no
Cartório de Registro de Imóveis, do bem imóvel que o subscritor tiver contribuído para a
formação ou aumento do capital social.
(B) A sociedade empresária que não proceder a qualquer arquivamento no período de 5
anos consecutivos deverá comunicar à Junta Comercial que deseja manter-se em
funcionamento, sob pena do cancelamento de seu registro e a conseqüente perda da
proteção ao nome empresarial.
(C) Os atos levados a arquivamento nas Juntas Comerciais são dispensados de
reconhecimento de firma, exceto quando se tratar de procuração.
(D) Não pode ser arquivada a alteração do contrato social depois de findo o prazo nele
fixado, salvo se os sócios, sem oposição de qualquer deles, deliberarem prorrogá-lo
por prazo indeterminado.

48. Assinale a afirmativa verdadeira.


As debêntures emitidas por uma sociedade anônima conferem aos seus titulares direitos de
crédito contra elas, nas condições (A) estabelecidas em lei.
(B) constantes da escritura de emissão e, se houver, do certificado.
(C) estabelecidas pelo Banco Central.
(D) negociadas entre o seu titular e a companhia.

49. É possível a ação de execução de uma duplicata de venda mercantil, desde que
(A) não aceita, protestada e acompanhada da respectiva fatura.
(B) não aceita e protestada.
(C) aceita, protestada ou não.
(D) não aceita e não protestada, porém acompanhada da prova da entrega e recebimento
da mercadoria.

50. Prescreve a ação de execução do cheque em 6 meses, contados da


(A) data de seu protesto.
(B) data de sua emissão.
(C) data de sua apresentação.
(D) expiração do prazo de apresentação.

DIREITO PENAL
51. Verifique a seguinte afirmação: Quaisquer das condições que compõem a totalidade dos
antecedentes é causa do resultado, pois a sua inocorrência impediria a produção do evento.
Trata se da teoria da
(A) equivalência das condições, adotada pelo Código Penal.
(B) equivalência das condições, não adotada pelo Código Penal.
(C) causalidade adequada, adotada pelo Código Penal.
(D) causalidade adequada, não adotada pelo Código Penal.

52. Segundo a teoria da atividade, considera-se tempo do crime


(A) o momento da conduta.
(B) o momento da consumação do crime.
(C) o momento em que se realiza o efeito da ação ou omissão.
(D) o momento da conduta ou o momento do resultado.

53. Se alguém causa a morte de outrem porque, tendo o dever jurídico de agir para impedir
o resultado, omitiu-se, comete crime
(A) omissivo próprio.
(B) omissivo puro.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 12
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(C) comissivo próprio.


(D) comissivo por omissão.

54. Os delitos de roubo e de estupro são considerados pela doutrina como espécies de
(A) crimes complexos em sentido estrito.
(B) crimes complexos em sentido amplo.
(C) crime complexo em sentido estrito (roubo) e crime complexo em sentido amplo (estupro).
(D) crime complexo em sentido estrito (estupro) e crime complexo em sentido amplo (roubo).

55. Em caso de reincidência,


(A) sobre a pena privativa de liberdade incidirá causa de aumento de um terço.
(B) o condenado não poderá iniciar o cumprimento de pena privativa de reclusão em regime
aberto.
(C) não caberá a substituição da pena privativa de liberdade em restritiva de direitos.
(D) não caberá livramento condicional.

56. Dispõe o Código Penal: "Nos crimes dolosos, contra vítimas diferentes, cometidos com
violência ou grave ameaça à pessoa, poderá o juiz, considerando a culpabilidade, os
antecedentes, a conduta social e a personalidade do agente, bem como os motivos e as
circunstâncias do crime, aumentar a pena de um só dos crimes, se idênticas, ou a mais
grave, se diversas, até o triplo." Dispõe, aí, o Código a respeito de uma espécie de
(A) crime continuado que a doutrina denomina de específico.
(B) concurso formal que a doutrina denomina de específico.
(C) concurso material que a doutrina denomina de impróprio.
(D) concurso ideal que a doutrina denomina de específico.

57. A pena privativa do crime de falsificação de documento particular é de 1 a 5 anos de


reclusão. Em caso de acusação por dois crimes dessa espécie em continuação,
(A) não caberá, segundo jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, a suspensão
condicional do processo.
(B) se houver condenação, ainda que à pena mínima, não caberá suspensão condicional da
pena.
(C) caberá, segundo jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a transação penal.
(D) se houver condenação a uma pena superior a 2 anos, não caberá fiança.

58. Quem imputa falsamente a outrem a prática de contravenção penal,


(A) comete calúnia.
(B) não comete calúnia, mas poderá cometer difamação, se o fato ofender a dignidade ou o
decoro da vítima.
(C) não comete calúnia, não poderá cometer difamação, mas poderá cometer injúria, se o
fato for desonroso à vítima.
(D) não comete calúnia e nem poderá cometer difamação ou injúria.

59. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal entendeu que a vedação de progressão de


regime pela Lei dos Crimes Hediondos ofendia, essencialmente, determinado princípio
constitucional. Trata-se do princípio da
(A) legalidade.
(B) individualização da pena.
(C) dignidade humana.
(D) vedação de prisão perpétua.

60. O crime de incêndio não


(A) é espécie de crime contra a incolumidade pública.
(B) admite a forma culposa.
(C) contém hipóteses de aumento de pena.
(D) contempla forma qualificada.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 13
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

DIREITO PROCESSUAL PENAL


61. A retratação na ação penal pública condicionada
(A) é admitida, expressamente, pelo Código de Processo Penal, tanto em relação à
representação do ofendido quanto no tocante à requisição do Ministro da Justiça.
(B) é admitida, expressamente, pelo Código de Processo Penal, em relação à representação
do ofendido, sendo largamente admitida pela doutrina e pela jurisprudência no tocante à
requisição do Ministro da Justiça.
(C) não é admitida, expressamente, pelo Código de Processo Penal, tanto em relação à
representação do ofendido quanto no tocante à requisição do Ministro da Justiça, mas, por
construção de jurisprudência, é aceita nas duas hipóteses.
(D) é admitida, expressamente, pelo Código de Processo Penal em relação à representação
do ofendido, mas não o é no tocante à requisição do Ministro da Justiça.

62. O acusado poderá oferecer defesa prévia, no procedimento ordinário, no prazo de


(A) 2 dias após o interrogatório.
(B) 3 dias após o interrogatório.
(C) 3 dias após a sua citação.
(D) 5 dias após a sua citação.

63. Nos procedimentos do júri,


(A) o libelo é feito em conformidade com a denúncia, ainda que diversa da pronúncia.
(B) o defensor, ao apresentar contrariedade ao libelo, poderá arrolar até 5 testemunhas para
depor em plenário.
(C) se não houver a presença de 21 jurados, não será instalada a sessão.
(D) o tempo para a réplica é de uma hora.

64. Se o juiz reconhecer a possibilidade de nova definição jurídica do fato, em conseqüência


de prova existente nos autos de circunstância elementar, não contida, explícita ou
implicitamente, na denúncia ou queixa, e que implique aplicação de pena mais grave,
(A) baixará o processo, a fim de que a defesa, no prazo de 8 dias, fale e, se quiser, produza
prova, podendo ser ouvidas até três testemunhas.
(B) baixará o processo, a fim de que a defesa, no prazo de 8 dias, fale e, se quiser, produza
prova, podendo ser ouvidas até cinco testemunhas.
(C) baixará o processo, a fim de que o Ministério Público possa aditar a denúncia, abrindo-
se, em seguida, o prazo de 3 dias à defesa, que poderá oferecer prova, arrolando até três
testemunhas.
(D) baixará o processo, a fim de que o Ministério Público possa aditar a denúncia, abrindo-
se, em seguida, o prazo de 3 dias à defesa, que poderá oferecer prova, arrolando até cinco
testemunhas.

65. Assinale a alternativa incorreta.


(A) Da decisão que não recebe a denúncia cabe recurso em sentido estrito, conforme o
Código de Processo Penal.
(B) Cabe protesto por novo júri em caso de condenação a pena privativa de liberdade igual
ou superior a 20 anos, ainda que a pena seja resultado da soma de duas penas em
concurso material de crimes.
(C) Os embargos infringentes, no Código de Processo Penal, podem ser interpostos pelo
acusado e não pelo Ministério Público.
(D) Os embargos de declaração interpostos com base na Lei dos Juizados Especiais
Criminais podem ser formulados no prazo de 5 dias.

66. Sobre habeas corpus, é correto afirmar que


(A) ele não serve para declarar a nulidade do processo porque, nesse caso, não há violação
à liberdade de locomoção.
(B) o paciente menor não tem capacidade postulatória para, sem advogado, impetrar ordem
de habeas corpus em seu favor.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 14
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(C) o impetrante deve ser o paciente.


(D) é expedido salvo conduto quando a ordem for concedida para evitar ameaça de
violência ou coação ilegal.

67. Das decisões proferidas pelo Juiz da Execução Penal, caberá recurso de
(A) agravo sem efeito suspensivo.
(B) agravo com efeito suspensivo.
(C) apelação sem efeito suspensivo.
(D) apelação com efeito suspensivo.

68. Segundo o Código de Processo Penal, é nulidade sanável a resultante de


(A) omissão de formalidade que constitua elemento essencial do ato.
(B) falta do exame de corpo de delito nas infrações que deixam vestígios.
(C) falta de libelo nos processos de competência do júri.
(D) falta do dispositivo na sentença.

69. Aponte a alternativa correta em relação ao reconhecimento no Código de Processo


Penal.
(A) O reconhecimento não está previsto, em qualquer de suas modalidades.
(B) Estão previstos, expressamente, os reconhecimentos de pessoas, coisas, vozes e
imagens.
(C) Estão previstos, expressamente, os reconhecimentos de pessoas e de coisas, mas não
o de vozes e o de imagens.
(D) Estão previstos, expressamente, os reconhecimentos de vozes e de imagens, mas não
estão previstos os de pessoas e de coisas.

70. A revisão criminal é considerada pela doutrina mais recente e majoritária


(A) recurso, como está tratada no Código de Processo Penal.
(B) ação impugnativa, como está tratada no Código de Processo Penal.
(C) ação impugnativa porque, apesar de mencionada como recurso no Código de Processo
Penal, não tem essa natureza.
(D) recurso porque, apesar de mencionada como ação impugnativa no Código de Processo
Penal, não tem essa natureza.

DIREITO DO TRABALHO
71. O valor corretamente pago ao empregado como participação nos lucros
(A) constitui base de incidência de FGTS e de contribuição ao INSS.
(B) não constitui base de incidência de FGTS nem de contribuição ao INSS.
(C) constitui base de incidência de FGTS, mas não de contribuição ao INSS.
(D) não constitui base de incidência de FGTS, mas sim de contribuição ao INSS.

72. A conversão das férias em dinheiro é


(A) proibida.
(B) permitida, mediante autorização da Delegacia Regional do Trabalho.
(C) permitida, mediante negociação com o sindicato.
(D) permitida em parte, até o limite de 1/3, independentemente de autorização da Delegacia
Regional do Trabalho ou de negociação com o sindicato.

73. A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes é composta de representantes


(A) do Ministério do Trabalho e Emprego, dos empregados e dos empregadores.
(B) dos empregados e dos empregadores.
(C) dos sindicatos de empregados e dos sindicatos de empregadores.
(D) do Ministério do Trabalho e Emprego, dos sindicatos de empregados e dos sindicatos de
empregadores.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 15
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

74. São consideradas atividades perigosas, em linhas gerais, aquelas que impliquem
(A) exposição a risco de grave dano à saúde ou integridade física.
(B) contato com inflamáveis, explosivos, rede elétrica de potência ou radiações ionizantes.
(C) contato com inflamáveis ou explosivos.
(D) contato com explosivos.

75. Verificando o Auditor Fiscal do Trabalho prática contrária a preceito de lei, deve, em
situações normais,
(A) notificar o empregador, para que apresente defesa, no prazo de 10 dias, sob pena de
autuação.
(B) notificar o Delegado Regional do Trabalho, para instauração de procedimento
administrativo.
(C) lavrar auto de infração.
(D) fixar prazo razoável, não superior a 30 dias, para correção da irregularidade, sob pena
de autuação.

76. A Comissão de Enquadramento Sindical, prevista no art. 576, da CLT,


(A) não mais funciona.
(B) atua apenas de forma consultiva, sem que suas decisões tenham força vinculante.
(C) profere decisões sujeitas a recurso administrativo, no âmbito do Ministério do Trabalho e
Emprego.
(D) profere decisões sujeitas a reexame pelo Poder Judiciário.

77. As custas, no processo de execução,


(A) não são devidas.
(B) são devidas, a cargo do executado, no importe de 2% do valor do crédito exeqüendo,
para pagamento ao final.
(C) são devidas, no importe de 2% do valor do crédito exeqüendo, e devem ser pagas pela
parte sucumbente, como condição para admissibilidade do recurso, salvo concessão do
benefício da justiça gratuita.
(D) são devidas, em valores variáveis, para pagamento ao final, pelo executado.

78. A decisão de Turma do Tribunal Regional do Trabalho que, em julgamento de recurso


ordinário, anula sentença, por cerceamento de defesa, determinando a realização, em
primeiro grau, da diligência indeferida,
(A) comporta recurso de revista, para o Tribunal Superior do Trabalho.
(B) comporta recurso de embargos, para o Pleno ou Seção Especializada, do próprio
Tribunal Regional do Trabalho.
(C) comporta recurso de agravo, sob a forma retida.
(D) não comporta, de imediato, recurso.

79. Na audiência designada logo após a distribuição da reclamação, o reclamado, estando


ausente, embora presente o seu advogado, com procuração, é considerado
(A) revel, mas não confesso.
(B) confesso, mas não revel.
(C) não é considerado nem confesso nem revel.
(D) é considerado revel e confesso.

80. No processo do trabalho são recebidas, com suspensão do feito, as exceções de


(A) incompetência, impedimento, litispendência, coisa julgada e suspeição.
(B) incompetência, coisa julgada e suspeição.
(C) incompetência e suspeição.
(D) suspeição.

DIREITO TRIBUTÁRIO
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 16
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

81. Em relação à edição de medidas provisórias sobre matéria tributária, é correto afirmar
que
(A) o aumento da alíquota do imposto sobre a renda por meio de medida provisória produz
efeitos no próprio exercício em que for editada a medida provisória.
(B) medida provisória que implique instituição ou majoração de impostos só produz efeitos,
em qualquer hipótese, no exercício financeiro seguinte se houver sido convertida em lei até
o último dia daquele em que foi editada.
(C) em caso de relevância e urgência, o Presidente da República pode adotar medida
provisória para instituir ou aumentar impostos.
(D) é vedado tratar de matéria tributária por meio de medida provisória.

82. No que se refere ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS, é correto
afirmar que
(A) não incide na importação de serviços do exterior.
(B) ação complementar estabeleceu uma alíquota máxima de 5%.
(C) incide nas exportações de serviços para o exterior.
(D) é um tributo não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação com
o montante cobrado nas anteriores.

83. Das alternativas apresentadas, assinale aquela que cuida de hipótese de isenção
tributária e não de imunidade.
(A) Não tributação, por impostos, do patrimônio, renda ou serviços das entidades sindicais
dos trabalhadores.
(B) Não tributação pelo IPI dos produtos industrializados destinados ao exterior.
(C) Não tributação pelo Imposto sobre transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato
oneroso, de bens imóveis e de direitos reais sobre imóveis - ITBI, na transmissão de bens
ou direitos incorporados ao patrimônio de pessoa jurídica em realização de capital, nem
sobre a transmissão de bens ou direitos decorrente de fusão, incorporação, cisão ou
extinção de pessoa jurídica.
(D) Não tributação pelo IPI dos automóveis de passageiros de fabricação nacional
adquiridos por pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental, severa ou profunda,
ou autistas.

84. No que se refere aos princípios gerais de tributação e às chamadas limitações do poder
de tributar previstas na Constituição Federal, é correto afirmar que
(A) a União, dentro de sua competência tributária residual, pode instituir impostos não
previstos na Constituição Federal e utilizá-los com efeito de confisco.
(B) o princípio da irretroatividade veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos
Municípios cobrar tributos em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência
da lei que os houver instituído ou aumentado, mas tal vedação não se aplica ao empréstimo
compulsório para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade pública,
de guerra externa ou sua iminência; imposto de importação; imposto de exportação; imposto
sobre produtos industrializados - IPI; imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro,
ou relativas a títulos ou valores mobiliários - IOF; e imposto extraordinário na iminência ou
no caso de guerra externa.
(C) pelo princípio da capacidade contributiva é vedada a adoção de alíquotas progressivas
nos impostos de competência da União.
(D) o chamado princípio da igualdade ou da isonomia veda à União, aos Estados, ao Distrito
Federal e aos Municípios instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem
em situação equivalente, proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou
função por eles exercida, independentemente da denominação jurídica dos rendimentos,
títulos ou direitos.

85. Assinale a alternativa correta.


(A) Compete, exclusivamente, à União legislar sobre direito tributário.
(B) É vedado à União instituir isenção de tributos de sua competência.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 17
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

(C) Compete aos Municípios instituir e arrecadar os tributos de sua competência.


(D) É de competência da União a instituição de imposto sobre propriedade de veículos
automotores.

86. O Código Tributário Nacional - CTN prevê que


(A) a competência tributária, também chamada de capacidade tributária ativa, pode ser
delegada nas hipóteses previstas em lei.
(B) imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação que depende de
uma atividade estatal específica relativa ao contribuinte.
(C) as taxas têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, ou a utilização,
efetiva ou potencial, de serviço público específico e divisível, prestado ao contribuinte ou
posto à sua disposição.
(D) a contribuição de melhoria é instituída para fazer face ao custo de obras públicas de que
decorra valorização imobiliária, sendo que, nas hipóteses previstas em lei, seu limite total
pode superar o montante da despesa realizada.

87. Na ausência de disposição expressa, o Código Tributário Nacional - CTN estabelece que
a autoridade competente para aplicar a legislação tributária utilizará, sucessivamente, na
ordem indicada:
(A) a analogia; as decisões dos órgãos singulares ou coletivos de jurisdição administrativa e
as súmulas do Supremo Tribunal Federal - STF.
(B) a eqüidade, os princípios gerais de direito tributário e os princípios gerais de direito
público.
(C) as decisões dos órgãos singulares ou coletivos de jurisdição administrativa; as práticas
reiteradamente observadas pelas autoridades administrativas e a eqüidade.
(D) a analogia; os princípios gerais de direito tributário; os princípios gerais de direito público
e a eqüidade.

88. Assinale a alternativa incorreta relativa às contribuições de intervenção no domínio


econômico.
(A) Não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação.
(B) Podem incidir sobre a importação de produtos estrangeiros ou serviços.
(C) Terão alíquotas máximas fixadas pelo Poder Judiciário.
(D) Podem ter incidência única, conforme definido em lei.

89. O imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de


serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS
(A) não incide sobre operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de
propriedade de estabelecimento industrial, comercial ou de outra espécie.
(B) incide sobre operações relativas à circulação de mercadorias, exceto o fornecimento de
alimentação e bebidas em bares, restaurantes e estabelecimentos similares, que fica sujeito
ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS.
(C) é um imposto cumulativo, sendo vedada a compensação do ICMS devido em cada
operação com o montante cobrado nas anteriores.
(D) é devido com base na alíquota interestadual em relação às operações e prestações que
destinem bens e serviços a consumidor final localizado em outro Estado, quando o
destinatário não for contribuinte dele.

90. Das taxas relacionadas, não se enquadra nas disposições do artigo 78 do Código
Tributário Nacional - CTN:
(A) taxa de controle e fiscalização de produtos químicos.
(B) taxa judiciária.
(C) taxa de fiscalização de anúncios publicitários.
(D) taxa de licença de funcionamento.

ÉTICA PROFISSIONAL E ESTATUTO


Exame de ordem 128 - 28/08/2005 18
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

91. O processo disciplinar


(A) não pode ser instaurado em razão de denúncia anônima.
(B) será obrigatoriamente instaurado, em razão de denúncia anônima, desde que
acompanhado da prova dos fatos alegados.
(C) será obrigatoriamente instaurado, em razão de denúncia anônima, desde que se trate de
infração disciplinar apenável com suspensão.
(D) será obrigatoriamente instaurado, em razão de denúncia anônima, desde que se trate de
infração disciplinar apenável com exclusão.

92. As penas de advertência e censura impostas pelo Tribunal de Ética


(A) não podem ser suspensas.
(B) podem ser suspensas, desde que o infrator primário, dentro do prazo de 120 dias, passe
a freqüentar e conclua, comprovadamente, curso, simpósio, seminário ou atividade
equivalente, sobre Ética Profissional do Advogado, realizado por entidade de notória
idoneidade.
(C) podem ser suspensas, desde que o infrator primário esteja prestando serviços
voluntários à Seccional onde se encontra inscrito.
(D) podem ser suspensas, desde que o infrator primário desista da interposição de qualquer
recurso e aceite a aplicação de pena alternativa, que consistirá na prestação de assistência
jurídica gratuita, em favor de entidade beneficente, por prazo não superior a 120 dias.

93. Todos os recursos, em processo disciplinar, têm efeito suspensivo, exceto quando se
tratar de suspensão
(A) preventiva, da prática de crime infamante e de conduta incompatível com a advocacia.
(B) preventiva e de exclusão.
(C) preventiva e da prática de crime infamante.
(D) preventiva.

94. O Presidente da Junta Comercial


(A) está impedido de exercer a advocacia contra a Fazenda Pública.
(B) está incompatibilizado para o exercício da advocacia, salvo em causa própria.
(C) está incompatibilizado para o exercício da advocacia, mesmo em causa própria.
(D) não sofre qualquer impedimento para o exercício da advocacia.

95. A sociedade de advogados


(A) pode funcionar com sócio não inscrito como advogado, desde que tenha participação
minoritária no capital social.
(B) não pode funcionar com sócio não inscrito como advogado.
(C) pode funcionar com sócio não inscrito como advogado, desde que, além da participação
minoritária no capital social, não integre a sua administração.
(D) pode funcionar com sócio não inscrito como advogado, desde que a aquisição da
participação decorra de sucessão legítima pelo falecimento de sócio advogado.

96. O substabelecimento de procuração, com reservas de poderes, para agir em Juízo,


(A) não permite ao substabelecido a cobrança de honorários sem a intervenção daquele que
lhe conferiu o substabelecimento.
(B) não permite ao substabelecido a cobrança de honorários, sendo tal iniciativa reservada
unicamente àquele que lhe conferiu o substabelecimento.
(C) permite ao substabelecido a cobrança de honorários, independentemente da intervenção
daquele que lhe conferiu o substabelecimento.
(D) permite ao substabelecido a cobrança de honorários, independentemente da intervenção
daquele que lhe conferiu o substabelecimento, desde que lhe reserve a metade dos
honorários que venha a receber.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 19
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

97. É dever do advogado:


(A) não assumir a defesa criminal se não tiver formado a sua própria opinião sobre a culpa
ou inocência do acusado.
(B) assumir a defesa criminal, desde que tenha formado a sua própria opinião sobre a
inocência do acusado.
(C) não assumir a defesa criminal, desde que tenha formado a sua própria opinião sobre a
culpa do acusado.
(D) assumir a defesa criminal, sem considerar sua própria opinião sobre a culpa do acusado.

98. É prerrogativa do advogado:


(A) retirar autos de processos findos, desde que mediante procuração, pelo prazo de 10
dias.
(B) retirar autos de processos findos, mesmo sem procuração, pelo prazo de 10 dias.
(C) retirar autos de processos findos, mesmo sem procuração, inclusive que tenham
tramitado em segredo de justiça, pelo prazo de 10 dias.
(D) retirar autos de processos findos, mesmo sem procuração, desde que justificadamente,
pelo prazo de 10 dias.

99. O pedido de reabilitação


(A) não é permitido.
(B) é permitido ao advogado que tenha sofrido censura ou advertência, que venha a
requerer 1 ano após o seu cumprimento, fazendo a prova efetiva de bom comportamento.
(C) é permitido ao advogado que tenha sofrido qualquer sanção disciplinar, que venha a
requerer 3 anos após o seu cumprimento, fazendo a prova efetiva de bom comportamento.
(D) é permitido ao advogado que tenha sofrido qualquer sanção disciplinar, que venha a
requerer 1 ano após o seu cumprimento, fazendo prova efetiva de bom comportamento.

100. O pagamento da contribuição anual à OAB


(A) isenta os inscritos nos seus quadros do pagamento obrigatório da contribuição sindical,
desde que se trate de profissional liberal.
(B) não isenta os inscritos nos seus quadros do pagamento obrigatório da contribuição
sindical.
(C) isenta os inscritos nos seus quadros do pagamento obrigatório da contribuição sindical.
(D) isenta os inscritos nos seus quadros do pagamento obrigatório da contribuição sindical,
desde que se trate de profissional empregado.

GABARITO 1º FASE

129º EXAME DE ORDEM

COMUNICADO
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 20
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

A Comissão Permanente de Estágio e Exame de Ordem no exercício de suas funções, tendo


constatado erro de transcrição, resolve, de ofício, anular a questão:

- de nº 82, do tipo 1;

- de nº 62, do tipo 2;

- de nº 22, do tipo 3; e,

- de nº 12, do tipo 4.

Por conseguinte, determina à VUNESP que, ao realizar a leitura ótica na correção das questões,
atribua à mesma a respectiva pontuação no cômputo dos 50% de acerto exigido para a aprovação.

São Paulo, 8 de maio de 2006

IVETTE SENISE FERREIRA Presidente da Comissão Permanente de Estágio e Exame de


Ordem

129.° EXAME DE ORDEM


07.05.2006

Gabarito de Conhecimentos Específicos - Versão 1

5-D 6-C 7-B 8-A 9-B 10 - D


1-A 2-B 3-C 4-D
11 - A 12 - C 13 - B 14 - D 15 - D 16 - A 17 - A 18 - B 19 - C 20 - D
21 - D 22 - C 23 - A 24 - B 25 - C 26 - B 27 - B 28 - C 29 - A 30 - D
31 - C 32 - A 33 - D 34 - A 35 - B 36 - B 37 - A 38 - D 39 - D 40 - C
41 - A 42 - A 43 - C 44 - D 45 - A 46 - A 47 - B 48 - B 49 - C 50 - D
51 - A 52 - A 53 - D 54 - C 55 - B 56 - A 57 - A 58 - B 59 - B 60 - D
61 - D 62 - B 63 - B 64 - C 65 - B 66 - D 67 - A 68 - A 69 - C 70 - C
71 - B 72 - D 73 - B 74 - B 75 - C 76 - A 77 - D 78 - D 79 - D 80 - C
81 - C 82 - N 83 - D 84 - D 85 - C 86 - C 87 - D 88 - C 89 - A 90 - B
91 - A 92 - B 93 - D 94 - C 95 - B 96 - A 97 - D 98 - B 99 - D 100 - C

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DE SÃO PAULO

PROVA 2ª FASE
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 21
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

PRÁTICO-PROFISSIONAL
CADERNO – CIVIL

PONTO 1

Israel Lima, proprietário e possuidor de uma fazenda em Presidente Prudente (SP),


depara-se, no dia 18.10.2005, com uma barraca montada em frente à sua Fazenda.
Nesse dia, apenas uma família chega ao local, monta a barraca e passa a ali
“residir”. Uma semana depois, chegam ao local mais duas famílias e, ao final de um
mês, o acampamento conta com pelo menos quarenta famílias, todas com bandeiras
e designações do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra. Israel toma
conhecimento de que a maioria das Fazendas, naquela região, já sofreu invasões do
grupo. Preocupado, Israel procura um advogado para realizar uma consulta e saber
se é possível precaver-se contra a ameaça que está sentindo. Na consulta, informa
o advogado que, até aquele momento, nenhum dos trabalhadores do movimento
atravessou sua propriedade ou chegou até ela. Em fevereiro de 2006, Israel já não
consegue prever o número de pessoas que moram no acampamento. Israel é
domiciliado em Campinas e decide tomar uma medida que possa lhe dar proteção.
QUESTÃO: Elabore a ação cabível.

PONTO 2
Arlindo Luz é empregado da Metalúrgica Boa Esperança, fabricante de Peças para
Automóveis. Foi contratado em julho de 1990, e em abril de 2004 sofre acidente do
trabalho. A empresa providencia todos os documentos necessários, tanto para
comunicação ao órgão previdenciário, como para o tratamento de saúde. Em agosto
de 2005, Arlindo recebe alta médica, mas está incapacitado para as funções que
vinha exercendo na empresa. Ainda sem retornar ao trabalho, se dá conta de que o
INSS lhe paga auxílio doença, tendo entendido aquela Instituição que não houve
acidente do trabalho, mas sim doença profissional. Pretendendo rever o benefício e
o enquadramento da função, decide ingressar com a respectiva ação, pois o INSS
alega que não há qualquer situação para ser corrigida, pois tudo foi feito com base
nos laudos médicos e documentos passados pelo seu empregador. Além de sentir-
se prejudicado pelo enquadramento equivocado e pagamento a menor daquilo que
teria direito, Arlindo tem necessidade de receber tratamento fisioterápico que lhe
vem sendo negado em razão da afirmação da entidade de que teria se recuperado.
O fato é que, segundo se constata nos atestados particulares, a demora no
tratamento poderá ocasionar-lhe, quiçá, a perda definitiva do membro atingido.
Arlindo reside em São Bernardo do Campo (SP) e procura um advogado para agir
em sua defesa, de modo a assegurar-lhe, não só a discussão pelo benefício
buscado, como também a garantia do tratamento fisioterápico.
QUESTÃO: Elabore a petição inicial.

PONTO 3
João Antunes, casado com Beatriz Valença, compra um imóvel junto à CEF, em
leilão de imóveis, por ela realizado, que passaram à sua propriedade em razão do
não pagamento do contrato de financiamento dos anteriores proprietários. O casal
paga pelo imóvel a importância de R$ 208.000,00 e, diante da quitação do valor,
recebe a chave do imóvel com a respectiva escritura pública. O imóvel situa-se em
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 22
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

Bauru, e o negócio concretiza-se em junho de 2005. Em julho de 2005, quando


decidem tomar posse do imóvel, lá encontram residindo o anterior proprietário, Sr.
Arruda Albuquerque, sua esposa Naifa Tâmela e dois filhos, um com 18 e outro com
16 anos. Frustradas todas as tentativas para desocupação voluntária do imóvel,
João e Beatriz não conseguem tomar posse do que é deles e temem perder,
inclusive, a quantia paga pelo imóvel. Procuram um advogado para ver efetivado o
contrato e ter garantido o direito de tomar posse do imóvel ou, caso isso não seja
deferido, que o valor pago seja restituído.
QUESTÃO: Como advogado de João e Beatriz, proponha a ação cabível.

QUESTÕES PRÁTICAS
1. Em julho de 2000, o veículo de João estava estacionado corretamente na margem
direita de uma tranqüila rua de São Paulo, quando foi abalroado por um caminhão
em alta velocidade, cujo motorista estava alcoolizado. Na época estava em vigência
o Código Civil de 1916, que estipulava um prazo prescricional de vinte (20) anos
para pleitear tal indenização (art. 177 do CC/1916).
O Novo Código Civil – que entrou em vigência em 2003 – diminuiu tal prazo para
três (3) anos (art. 206 § 3.°, V). Levando-se em conta que João ainda não intentou a
competente ação, pergunta-se:
Em que ano estará consumada a prescrição da pretensão de João para cobrar tal
dívida? Justifique.

2. Carlos, arquiteto, realizou um extenso trabalho de pesquisa, desenhos e


viabilidade geográfica para um grupo de cinco (5) amigos que pretendiam comprar
um terreno. Ficou acertado em contrato escrito que: “os contratantes deverão pagar
ao contratado, a título de honorários, o valor de dez mil reais, trinta dias após a
conclusão do serviço”.
Passados trinta dias após o serviço prestado, não ocorreu o pagamento, e Carlos
deseja agora cobrar toda a quantia de um só cliente, posto ser o mais rico de todos.
Os demais amigos não têm meios para arcar com a dívida.
Com base em nosso Código Civil, pode Carlos efetuar a cobrança de um só dos
devedores? Explique juridicamente.

3. João celebra contrato de aluguel residencial com Pedro pelo prazo de trinta (30)
meses sem averbá-lo junto à matrícula do imóvel. Passados seis (6) meses, João,
concedendo antes preferência a Pedro, vende a casa para Roberto, que agora
deseja ingressar na posse do imóvel.
Com base na lei do inquilinato, explique se tal pretensão é possível.

4. Vivian foi companheira de Alessandro durante vinte (20) anos, constituindo com
ele uma típica União Estável, e tendo com ele uma filha. Nesse período, Alessandro
adquiriu onerosamente – e em decorrência de seu trabalho – todo o seu patrimônio,
estimado em dois (2) milhões de reais. Alessandro faleceu no ano de 2005, e a
metade do patrimônio, atribuída a Vivian, somou um (1) milhão de reais.
Posto isso, pergunta-se: Além dessa metade, corretamente atribuída, Vivian terá
ainda algum direito sucessório?

5. Para desviar de criança que atravessa inopinadamente a rua, no semáforo


vermelho, e fora da faixa de pedestres, Fernando, que trafegava prudentemente por
uma rua de São Paulo, é obrigado a lançar seu automóvel em cima da papelaria de
Pedro, quebrando toda a vitrine, e causando um prejuízo de quatro (4) mil reais. A
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 23
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

criança não foi atingida e saiu correndo depois do acidente, não sendo mais
encontrada por Fernando nem por Pedro.
Nesse caso, a lei concede a Pedro o direito de receber indenização? Justifique.

CADERNO – PENAL

PONTO 1
João, sócio da firma “Antenados”, revendedora de componentes eletrônicos, foi
denunciado, nesta capital, em 05 de dezembro de 2005, por crime previsto no artigo
1.°, inciso II, da Lei n.o 8.137/90, acusado de ter fraudado a fiscalização tributária,
omitindo operação de compra e venda em livro contábil. O MM. Juiz da _Vara
Criminal da Comarca da Capital recebeu a denúncia. Em seu interrogatório,
realizado no dia 13 de abril de 2006, João alegou que a operação inexistiu e que o
débito fiscal era objeto de impugnação em recurso administrativo, ainda pendente de
julgamento, interposto perante o Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São
Paulo, comprovando tal alegação com certidão emitida pelo referido Tribunal.
QUESTÃO: Como advogado de João, escolha o melhor meio para a sua defesa.
Redija a peça.

PONTO 2
Em 18 de maio de 2004, João e Antonio foram denunciados pelo crime de tráfico de
substâncias entorpecentes, em concurso de agentes, porque transportavam, para
fins de comércio, a quantia de 10 (dez) pílulas da droga conhecida como “ecstasy” e
25 (vinte e cinco) gramas de maconha. Recebida a denúncia, o MM. Juiz da _Vara
Criminal da Comarca da Capital determinou a citação dos acusados, observando o
rito da Lei n.o 6.368/76. João e Antonio, no interrogatório, negaram a intenção de
comerciar as drogas apreendidas, afirmando que se destinavam a uso próprio.
Ouvidos os policiais responsáveis pela prisão dos acusados, aqueles relataram que
passavam pela rua quando viram os acusados colocando malas no interior de um
veículo estacionado em frente à casa de João. Suspeitando dos jovens, os policiais
revistaram o carro, que era de propriedade de Antonio, e encontraram, no porta-
luvas, as drogas apreendidas. João e Antonio disseram aos policiais que se dirigiam
a uma festa em cidade do litoral paulista. Com base na quantidade de droga
apreendida e no destino dos acusados, o juiz, em 22 de maio de 2006, condenou
João e Antonio às penas mínimas, pelos crimes previstos nos artigos 12, caput, e
14, da Lei n.º 6.368/76, em concurso material, a serem cumpridas integralmente em
regime fechado.
QUESTÃO: Como advogado de João, intimado da sentença no dia 26 de maio de
2006, escolha o melhor meio para a sua defesa. Redija a peça.

PONTO 3
João, primário e de bons antecedentes, foi denunciado pelo crime previsto no artigo
171, § 2.°, VI, combinado com o artigo 69 (por três vezes), ambos do Código Penal,
porque teria emitido cheques sem provisão de fundos. Consta do inquérito policial
lavrado em razão dos fatos que João, no dia 05 de setembro de 2005, emitira cinco
cheques, para serem descontados mensalmente, sendo o primeiro para pagamento
à vista, referentes a prestações de uma máquina de lavar que João teria comprado
de Antonio. Antonio recebera o valor relativo aos dois primeiros meses, não
recebendo os valores dos demais (três últimos cheques) por insuficiência de fundos.
Ao ser citado para a ação penal em curso, João não foi encontrado, pois havia se
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 24
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

mudado para lugar desconhecido. Com base na revelia do acusado, o MM. Juiz da
_Vara Criminal da Comarca da Capital, em 24 de abril de 2006, determinou a
suspensão do processo, decretando a prisão preventiva de João.
QUESTÃO: Como advogado de João, escolha o melhor meio para a sua defesa.
Redija a peça.

QUESTÕES PRÁTICAS
1. Que são escusas absolutórias? Fundamente e indique as suas conseqüências.

2. O juiz pode receber apenas parcialmente a denúncia oferecida pelo Ministério


Público? Fundamente a resposta.

3. Que é competência por prerrogativa de função? Em relação ao co-autor particular,


estende-se a ele essa competência? Fundamente.

4. Se alguém, para matar, fere a vítima, segundo a doutrina ele só será punido pelo
crime de homicídio. Neste caso, que tipo de conflito existe e qual o critério utilizado
para resolvê-lo?

5. O acusado apelou de uma condenação pelo Tribunal do Júri, alegando que se


tratava de decisão manifestamente contrária à prova dos autos. No dia seguinte,
ainda dentro do prazo, ingressa com nova apelação, sustentando que a decisão,
além de manifestamente contrária à prova dos autos, era nula. É admissível essa
segunda apelação? Por quê?

CADERNO – TRABALHO

PONTO 1
Em ação civil pública, proposta por sindicato, é pedido, a todos os empregados da
categoria, o pagamento de horas extras, com requerimento de concessão de liminar.
A liminar é deferida pelo juiz da Vara do Trabalho, antes mesmo da citação do
reclamado, com imposição à empresa da obrigação de pagamento de horas extras a
todos os empregados da categoria, indistintamente.
QUESTÃO: Apresente, como advogado da empresa, a medida processual
adequada para cassar a liminar.

PONTO 2
Em reclamação proposta por antigo empregado, com pedido de pagamento de horas
extras e férias dobradas não gozadas, celebram as partes, logo na primeira
audiência designada, acordo, com quitação geral do extinto contrato de trabalho. O
pagamento é feito a título de férias dobradas não gozadas. Homologado o acordo, é
intimado o INSS, que impugna, por meio de recurso, o fato de haver sido o
pagamento feito a título de férias dobradas não gozadas, cobrando os recolhimentos
de contribuição previdenciária que entende devidos.
QUESTÃO: Intimado da interposição de recurso pelo INSS, apresente, como
advogado da empresa reclamada, a medida processual adequada.

PONTO 3
Certa empresa é condenada, por decisão de primeiro grau, a pagar horas extras e
adicional de insalubridade a determinado empregado, calculado o adicional sobre o
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 25
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

salário pago ao empregado. Interpõe a empresa recurso, discutindo apenas o


pagamento de horas extras. Julgado o recurso ordinário três anos depois, a
condenação é mantida e transita em julgado. Ajuíza então a empresa ação
rescisória, para desconstituir a condenação que lhe foi imposta, no tocante ao
pagamento do adicional de insalubridade sobre o salário pago ao empregado e não
sobre o salário mínimo.
QUESTÃO: Julgada procedente a ação rescisória, apresente, como advogado do
empregado, quando intimado dessa decisão, a medida processual adequada.

QUESTÕES PRÁTICAS
1. Sendo duas as empresas reclamadas, condenadas ambas solidariamente,
interposto o recurso também por ambas, apenas com a alegação de ser
insubsistente a condenação, diante das provas produzidas, as custas devem ser
pagas por ambas ou o pagamento feito por uma favorece a outra? Justifique.

2. O empregado que pede demissão pode ser readmitido na empresa antes de


transcorridos 60 dias da rescisão de seu contrato de trabalho? Fundamente.

3. Pode o empregado reclamar, ao mesmo tempo, adicional de insalubridade e


adicional de periculosidade? Por quê?

4. O empregado, contratado por 90 dias, após 50 dias de trabalho, afasta-se por dez
dias, em virtude de licença médica, voltando, após, ao trabalho. Caso o empregador
deseje rescindir o contrato no prazo ajustado, deverá fazer isso após 30 dias do
retorno do empregado ou após 40 dias desse retorno? Por quê?

5. É obrigatório o registro do empregado no período de experiência do contrato de


trabalho? Justifique.

CADERNO – TRIBUTÁRIO

PONTO 1 O município em que está estabelecida a empresa X editou lei instituindo


taxa de limpeza pública para o custeio do serviço público municipal de limpeza de
logradouros públicos. Sua base de cálculo é o faturamento das empresas
estabelecidas no município e sua alíquota é de 0,5%. Referida taxa passará a ser
exigida no dia 1.º de janeiro do próximo ano.
QUESTÃO: Na qualidade de advogado da empresa X, tome as medidas judiciais
cabíveis para questionar a exigência dessa taxa.

PONTO 2
A empresa X aderiu ao Programa de Recuperação Fiscal – REFIS, em março de
2000. Além do recolhimento das parcelas mensais do REFIS, a empresa deveria
manter o pagamento regular dos demais tributos em dia. Ocorre que a empresa
recolheu pontualmente, por 4 (quatro) meses consecutivos, PIS e COFINS, porém,
com os códigos de receita invertidos. Por tal motivo, a empresa foi notificada da
lavratura de auto de infração relativo à falta de recolhimento integral da COFINS. A
impugnação ao auto de infração foi protocolada extemporaneamente, resultando na
inscrição do débito em dívida ativa e intimação da empresa para imediato
pagamento do débito, sob pena de exclusão do REFIS.
QUESTÃO: Como advogado, adote as medidas judiciais cabíveis, visando
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 26
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

assegurar a reinclusão da empresa no REFIS.

PONTO 3
Ex-procurador de empresa estrangeira foi citado por edital para pagar dívida fiscal
de empresa sediada no Brasil, controlada pela empresa estrangeira da qual foi
procurador, decorrente de falta de recolhimento de ICMS. Ao apreciar os autos da
execução fiscal, constata-se a revelia da empresa brasileira que, citada, teve seus
bens penhorados e silenciou. A sentença nos autos da execução transitou em
julgado. Diante da insuficiência de bens da executada, porém, o juiz acatou petição
da Procuradoria do Estado e determinou fosse citado, também, o ex-procurador de
empresa estrangeira.
QUESTÃO: Como advogado, adote as medidas judiciais cabíveis, visando
assegurar o patrimônio do ex-procurador da empresa.

QUESTÕES PRÁTICAS
1. A empresa X pretende participar de processo licitatório para a prestação de
serviços de engenharia para uma empresa pública. Uma das exigências legais para
a sua habilitação na licitação em questão é a regularidade fiscal, cuja prova deve ser
feita mediante a apresentação de certidão negativa de débito ou certidão positiva
com efeito de negativa. Quando da solicitação de relatório de informações de apoio
para emissão de certidão junto à Secretaria da Receita Federal – SRF, a empresa X
deparou-se com a existência de um débito em aberto de COFINS, declarado e não
pago. Como advogado da empresa, oriente o departamento fiscal sobre a alternativa
ou as alternativas existentes para a obtenção de certidão positiva com efeito de
negativa, sem que haja a necessidade de a empresa X ingressar com medida
judicial.

2. A empresa X ingressou com mandado de segurança para questionar a exigência


de um determinado tributo e obteve medida liminar, desobrigando-a do recolhimento
do tributo em questão. Posteriormente, a empresa X foi fiscalizada e o agente fiscal
lavrou auto de infração referente ao não recolhimento do referido tributo, embora a
empresa X estivesse desobrigada de seu pagamento por força da mencionada
liminar. O diretor jurídico da empresa X consulta-o para saber se o procedimento do
agente fiscal está correto.

3. A empresa X pretende transferir recursos financeiros mantidos em conta corrente


de depósito no Banco A para conta de idêntica natureza no Banco B, onde já possui
conta corrente aberta, pois este último ofereceu à empresa isenção de tarifas
bancárias. O diretor financeiro da empresa X questiona-o, na qualidade de consultor
tributário da empresa, se é devida a Contribuição Provisória sobre Movimentação ou
Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira – CPMF
sobre os valores envolvidos na transferência em questão.

4. A empresa X prometeu a venda de imóvel seu para a empresa Y. O preço foi


parcialmente pago. A escritura definitiva de venda e compra, portanto, não foi
lavrada. Passados três anos, a empresa Y resolve vender o imóvel para a empresa
Z. Além da alienação do imóvel, cede a dívida, com garantia hipotecária que
mantinha com X. Ao lavrar a escritura definitiva da operação imobiliária, o tabelião
exige o pagamento do imposto de transmissão relativo aos três atos. Sob a ótica do
disposto no artigo 156, II, da Constituição Federal, estará correta essa exigência?
Por quê?
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 27
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

5. A empresa X contratou os serviços da empresa Y para costura de etiquetas em


confecções suas. A empresa Y receberia, por peça costurada, preço relativo aos
serviços prestados. Sobre o valor dos serviços de beneficiamento, foi pago IPI, nos
termos da legislação vigente. O Município local, porém, ao fiscalizar a empresa
tomadora dos serviços, exige dela o pagamento do ISS devido sobre idêntico fato
gerador. Nesse contexto, que orientação você daria ao seu cliente quanto ao
pagamento dos mencionados tributos?

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DE SÃO PAULO

EXAME DE ORDEM 129

GABARITOS 2ª FASE
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 28
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

CIVIL - GABARITO

PONTO 1

INTERDITO PROIBITÓRIO COM PEDIDO DE LIMINAR NO FORUM DE


PRESIDENTE PRUDENTE.
CAUSA DE PEDIR: O JUSTO RECEIO DE SER MOLESTADO NA SUA POSSE –
ART. 932 CPC

PONTO 2

AÇÃO ACIDENTÁRIA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA–


PROCEDIMENTO SUMÁRIO – (ART. 129, II L. 8213/91 c/c ART. 275, CPC).
COMPETÊNCIA: JUSTIÇA COMUM.
RÉU- INSS.
TUTELA ANTECIPADA: PARA O INSS GARANTIR O TRATAMENTO
FISIOTERÁPICO
PEDIDO: MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO FISIOTERÁPICO E REVISÃO DO
BENEFÍCIO COM PAGAMENTO DAS DIFERENÇAS QUE ADVIEREM DO NOVO
ENQUADRAMENTO

PONTO 3

AÇÃO DE IMISSÃO NA POSSE CONTRA OS OCUPANTES DO IMÓVEL E


DENUNCIAÇÃO DA LIDE EM FACE DA CEF. ATENTAR PARA O FORO DA
PROPOSITURA DA AÇÃO (BAURU) E PARA A FORMAÇÃO DO POLO PASSIVO,
POIS AS PARTES SÃO CASADAS E A AÇÃO DE IMISSÃO É PETITÓRIA (ART. 10,
CPC).

CIVIL – QUESTÕES PRÁTICAS


GABARITOS
1. O art. 2.028 estabeleceu regra de direito intertemporal para prazos já iniciados,
mas ainda não consumados, quando da entrada em vigor do Código.
Para esses casos, só permitiu o uso dos prazos do Código de 1916 se o mesmo
tivesse sofrido diminuição e também se já tivesse transcorrido pela metade.
O caso mencionado no enunciado da questão envolve diminuição de prazo, mas não
o transcurso de metade do prazo. Deve-se então utilizar o Código Civil de 2002
para conceder prazo de (três) 3 anos, contados a partir da entrada em vigor do novo
diploma legislativo. Dessa forma, a resposta é que o prazo se consumará em janeiro
de 2006, três anos após a entrada em vigor do novo Código.
2. O enunciado é propositalmente omisso quanto à eventual solidariedade entre os
devedores. Diferentemente dos sistemas italiano, alemão e argentino, o sistema
brasileiro prevê que a solidariedade não se presume, decorrendo apenas da lei ou
da vontade das partes (art. 265). Logo, sendo “vários devedores de uma mesma
obrigação, esta presume-se dividida em tantos quantos forem os devedores”,
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 29
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

conforme o art. 257 do Código Civil. Assim sendo, Carlos deverá cobrar
individualmente cada um dos devedores, não podendo cobrar a totalidade do crédito
de apenas um deles. Se os demais forem insolventes, Carlos assumirá o prejuízo.
3. A pretensão de Roberto é possível, pois a lei do inquilinato (art. 8°) possibilita a
denuncia do contrato pelo novo proprietário. O inquilino só teria direito de opor-se a
tanto se houvesse cláusula de vigência no contrato e averbação no registro de
imóveis, o que foi descartado pelo enunciado.
4. Sim, Vivian terá ainda direito de herdar no restante dos bens adquiridos
onerosamente na constância da União Estável dividindo com a filha em igualdade de
quotas, por força do art. 1.790, I do Código Civil.
5. Nesse caso, ocorreu o ato lícito em que há dever de indenizar, denominado
estado de necessidade, como preceituam os artigos 188, II, combinado com o art.
929 e 930 todos do Código Civil. Pedro poderá ingressar com ação de indenização
em face de Fernando para reaver o prejuízo. Ao causador do dano, Fernando, só
restará a via regressiva em face dos pais da criança que atravessou a Rua.

PENAL - GABARITO

PONTO 1
Peça: Habeas Corpus.
Endereçamento: Tribunal de Justiça de São Paulo.
Pedido: trancamento da ação penal por falta de justa causa.
Fundamentos: sem decisão administrativa definitiva não se pode falar em débito
fiscal e, conseqüentemente, em justa causa para o oferecimento da denúncia;
orientação do Supremo Tribunal Federal.

PONTO 2
Peça: Apelação.
Endereçamento: Tribunal de Justiça de São Paulo.
Pedido: nulidade do processo, desclassificação para o crime de porte ilegal de
entorpecentes para uso próprio e remessa ao Juizado Especial Criminal em razão
da possibilidade de transação penal, e, subsidiariamente, afastamento do artigo 14
da Lei 6.368/76 e progressão de regime.
Fundamentos:
a) preliminarmente, nulidade do processo em razão da inobservância do rito previsto
na Lei 10.409/02, que alterou a Lei de Tóxicos;
b) no mérito, sustentar a inexistência de prova do fim comercial que não se pode
basear apenas na quantidade da droga e no fato de os acusados se dirigirem a uma
festa em outra localidade;
c) subsidiariamente, pugnar pelo afastamento do crime de associação para fins de
tráfico, uma vez que não há prova do vínculo associativo permanente;
d) alegar, ainda, a impossibilidade de fixação de regime integralmente fechado, nos
termos do art. 2°, §1°, da Lei 8.072/90, declarado inconstitucional pelo plenário do
Supremo Tribunal Federal (sessão realizado de 23.02.2006, HC 82.959/SP).

PONTO 3
Peça: Habeas Corpus.
Endereçamento: Tribunal de Justiça de São Paulo.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 30
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

Pedido: declaração de ilegalidade do decreto de prisão preventiva e trancamento da


ação penal.
Fundamentos:
a) quanto à prisão preventiva, ausência dos requisitos previstos na lei (artigos 311 e
312 do Código de Processo Penal), não podendo o decreto sustentar-se em simples
revelia do acusado;

PENAL - QUESTÕES PRÁTICAS


GABARITOS
1. As escusas absolutórias, também conhecidas como imunidades absolutas, são
circunstâncias de caráter pessoal, referentes a laços familiares ou afetivos entre os
envolvidos, que, por razões de política criminal, o legislador houve por bem afastar a
punibilidade. Trata-se de condição negativa de punibilidade ou causa de exclusão de
pena. Estão previstas nos arts. 181, incisos I e II, e 348, § 2.°, do Código Penal.
2. A maioria da doutrina entende ser possível o recebimento parcial da denúncia
pelo juiz, tendo em vista a inexistência de vedação legal.
Ressalte-se, ainda, que, havendo imputações cumulativas e recebendo o juiz a
denúncia apenas em relação a algumas, haverá rejeição quanto às outras e, neste
ponto, caberá recurso em sentido estrito.
3. É a competência determinada em razão da função ou cargo exercido por
determinadas pessoas. Tal determinação é feita tendo em vista a dignidade de
alguns cargos e funções públicas e não das pessoas que os ocupam.
Segundo a doutrina a competência por prerrogativa de função abrange também as
pessoas que não gozam de foro especial, sempre que houver concurso de pessoas
(arts. 77, I, e 78, III). É também o entendimento da jurisprudência. Entretanto,
rejeitada a denúncia contra a pessoa que goza de foro privilegiado, a competência
para o julgamento dos demais retorna para o 1° grau de jurisdição.
Em alguns casos, não se observa a regra de extensão da competência por estarem
envolvidas normas constitucionais, hierarquicamente superiores às regras sobre
conexão do Código de Processo Penal.
4. Trata-se de conflito aparente de normas, resolvido pelo princípio da consunção,
pois ocorre a relação consuntiva, ou de absorção, quando um fato definido por uma
norma incriminadora é meio necessário ou normal fase de preparação ou execução
de outro crime, bem como quando constitui conduta anterior ou posterior do agente,
cometida com a mesma finalidade prática atinente àquele crime, a exemplo do que
ocorre no denominado crime progressivo, como é o caso do crime de homicídio, o
qual pressupõe a lesão corporal como resultado anterior.

5. O fundamento utilizado pelo juiz para não receber a apelação no caso aventado
poderia ser o da ocorrência de preclusão consumativa, alegando a perda da
faculdade processual em decorrência do seu exercício com o ingresso da primeira
apelação.
Contudo, entende a doutrina que tal decisão não seria acertada, pois a regra da
preclusão consumativa não se aplica ao caso, visto se tratar de simples
suplementação do recurso interposto, realizada tempestivamente.

TRABALHO - GABARITO
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 31
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

PONTO 1
A peça processual a ser apresentada corresponde ao mandado de segurança, a ser
apresentado perante o Tribunal Regional do Trabalho, com pedido de concessão de
liminar. No mandado de segurança deve-se invocar o descabimento da tutela
antecipada deferida, tendo em conta a irreversibilidade de seus efeitos, bem como a
impossibilidade de determinar-se, em caráter geral, o pagamento de horas extras a
empregados, sem exame das peculiaridades de cada contrato de trabalho.

PONTO 2
A peça processual a ser apresentada corresponde às contra-razões ao recurso
ordinário do INSS. Nelas, deve o advogado argumentar que o acordo observou os
pedidos deduzidos. Não havendo sentença, as partes são livres para indicar os
títulos ou as rubricas do pagamento feito.

PONTO 3
A peça processual a ser apresentada corresponde ao recurso ordinário, interposto
perante o Tribunal Regional do Trabalho e dirigido ao Tribunal Superior do Trabalho.
No recurso, deve ser invocada a ocorrência de decadência, na forma da Súmula
100, do Tribunal Superior do Trabalho, tendo em vista que a condenação, no tocante
ao adicional de insalubridade, transitou em julgado mais de dois anos antes do
ajuizamento da ação rescisória.

TRABALHO - QUESTÕES PRÁTICAS

1. As custas pagas por uma parte favorecem a outra, quando não haja pedido de
exclusão da lide, até por serem elas fixadas para o processo e não por partes. Pode-
se aplicar, por analogia, a solução da Súmula 128, III, do TST.
2. Sim. A lei não proíbe a readmissão do empregado e nem fixa intervalo mínimo de
tempo para que isso ocorra, como se infere, inclusive, do disposto no art. 133, I, da
CLT.
3. Sim. A lei não impede que sejam deduzidos cumulativamente os pedidos. O que
não pode haver, em princípio, é o pagamento de ambos os adicionais, cabendo ao
empregado optar pelo que lhe for mais favorável
4. O período de suspensão ou de interrupção do contrato não é, em regra, deduzido
do prazo do contrato. Logo, a rescisão deve ocorrer após 30 dias do retorno do
empregado ao trabalho.
5. Sim. Não existe prazo de experiência sem registro do contrato de trabalho.

TRIBUTÁRIO

PONTO 1

- Mandado de segurança preventivo ou ação declaratória de inexistência de relação


jurídico-tributária.
- Os serviços públicos em questão são executados em benefício da população em
geral, sem possibilidade de individualização dos respectivos usuários e,
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 32
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

conseqüentemente, da referibilidade a contribuintes determinados, não se prestando


para custeio mediante taxa, conforme entendimento jurisprudencial.
- A base de cálculo eleita pela lei em questão não é própria de taxa, que deve ser o
valor suficiente para ressarcir o Estado pelo exercício do poder de polícia ou pela
prestação de serviços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou
postos a sua disposição, jamais o faturamento das empresas estabelecidas no
município, como determina a Constituição Federal no §2º do artigo 145 e confirma a
jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Igualmente é cabível o argumento de
que a taxa em questão implica na utilização de tributo com efeito de confisco,
também vedada pelo artigo 150, IV, da Constituição Federal.

PONTO 2
Ajuizamento da ação anulatória de débito em divida ativa, com pedido de
antecipação dos efeitos da tutela jurisdicional, ou mandado de segurança repressivo,
com pedido de liminar, pleiteando a anulação do ato de inscrição do débito em dívida
ativa.

PONTO 3
Interposição de exceção de pré-executividade com pedido de exclusão do nome do
ex-procurador do pólo passivo da execução fiscal.

TRIBUTÁRIO - QUESTÕES PRÁTICAS

1. As modalidades de suspensão do crédito tributário previstas no artigo 151 do


Código Tributário Nacional – CTN permitem a obtenção de certidão positiva com
efeito de negativa. No entanto, a única das hipóteses previstas no referido artigo que
depende de uma iniciativa da empresa X e que não envolve uma medida judicial é o
parcelamento do débito em questão.
A certidão negativa de débito poderia ser obtida em qualquer das hipóteses de
extinção do crédito tributário previstas no artigo 156 do Código Tributário Nacional,
mas o enunciado da questão faz referência apenas à certidão positiva com efeito
de negativa.
2. A suspensão da exigibilidade do crédito tributário por meio de medida liminar
concedida em mandado de segurança não impede o Fisco de proceder à
constituição do crédito tributário para prevenir a decadência do direito de lançar,
conforme jurisprudência pacífica e maioria doutrinária.
3. Não é devida CPMF sobre os valores envolvidos na transferência em questão. O
artigo 8º, II da Lei nº 9.311/96 estabelece que a alíquota dessa contribuição fica
reduzida a zero “nos lançamentos relativos a movimentação de valores de conta
corrente de depósito, para conta de idêntica natureza, dos mesmos titulares, exceto
nos casos de lançamentos a crédito na hipótese de que trata o inciso II do art. 2°”,
que se refere a “lançamento a crédito, por instituição financeira, em contas correntes
que apresentem saldo negativo, até o limite de valor da redução do saldo devedor”,
o que não é o caso descrito no enunciado da questão.
4. O Município pode exigir imposto de transmissão inter vivos dos dois atos de
alienação de bem imóvel.
Exame de ordem 128 - 28/08/2005 33
LABORATORIO DE PESQUISAS JURIDICAS
FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

5. Orientar o cliente a recolher o ISS sobre os serviços de beneficiamento.