Você está na página 1de 5

UDESC - JOINVILLE – CCT – 2016-1 METODOLOGIA DE PESQUISA - MEP

METODOLOGIA DA PESQUISA

METODOLOGIA CIENTÍFICA: “a palavra metodologia vem do grego meta que


significa ao lado; odo, caminho; logo, discurso, estudo [... ] conjunto de procedimentos a
serem utilizados na obtenção do conhecimento. É a aplicação do métodos, através de
processos e técnicas que garantem a legitimidade do saber obtido [...] é uma
metaciência, isto é, um estudo que tem por objeto a própria Ciência e as técnicas
específicas de cada ciência (BARROS; LEHFELD, 2000, p. 2).

METODOLOGIA CIENTÍFICA: estudo dos procedimentos sistemáticos e racionais, base para


o estudioso e para o profissional já que eles atuam na prática, no mundo das ideias. “a prática
nasce da concepção sobre o que deve ser realizado e qualquer tomada de decisão
fundamenta-se naquilo que se afigura como o mais lógico, racional, eficiente e eficaz”
(MARCONI; LAKATOS, 2010, p. 1).

METODOLOGIA CIENTÍFICA: procurar colocar à disposição do acadêmico, que ingressa no


curso superior, o instrumental científico metodológico básico para o seu estudo
universitário. Quando foi introduzida, no início da década de 1970, a bibliografia era orientada
para a Filosofia das Ciências [...] é um instrumento de trabalho que deve servir ao estudo e à
aprendizagem dos mais diferentes conteúdos científicos (CERVO; BERVIAN, 2002, p.1).

METODOLOGIA: é o estudo dos caminhos a serem seguidos para se fazer ciência. É um


conjunto de procedimentos necessários para alcançar os fins de um estudo/trabalho científico.

MÉTODO deriva do grego e quer dizer caminho. É a ordenação de um conjunto de etapas a


serem cumpridas no estudo de uma ciência, na busca de uma verdade ou para se chegar a
um determinado fim. “Passos a serem dados na busca de um conhecimento, uma análise de
uma [...] realidade social” (BARROS; LEHFELD, 2000, p. 2).

TRABALHOS CIENTÍFICOS: documentos que apresentam a proposta ou o resultado de um


estudo científico.
TRABALHO EXPERIMENTAL – TEX – nível técnico
TCC graduação/nível superior ou pós-graduação Lato Sensu – especialização
RELÁTÓRIO DE ESTÁGIO – nível técnico ou graduação/nível superior
DISSERTAÇÃO – mestrado como pós-graduação stricto sensu
TESE – doutorado como pós-graduação stricto sensu

TÉCNICA: é o modo de fazer de forma mais hábil, mais seguro, mais perfeito, algum tipo de
atividade, arte ou ofício.

A METODOLOGIA DA PESQUISA tem como função propor métodos, técnicas e orientações


que possibilitem coletar, pesquisar, organizar, classificar, registrar, interpretar etc., dados e
fatos, que favorecem a maior aproximação possível com a realidade. Isso pode ser feito no
TCC ou Relatório de Estágio.

Quando se reflete sobre conhecimento cientifico não é possível somente considerar o


resultado final, mas também o processo sistemático percorrido para coleta, organização,
análise, interpretação e sistematização desse conhecimento.

Toda e qualquer atividade desenvolvida, seja teórica ou prática, requer procedimentos


adequados, ou seja, é preciso um método.

Página 1 de 5
UDESC - JOINVILLE – CCT – 2016-1 METODOLOGIA DE PESQUISA - MEP

O conhecimento científico é
• um produto resultante investigação científica!
• surge da necessidade de encontrar soluções para problemas de ordem prática da vida
diária, e
• do desejo de fornecer explicações sistemáticas que possam ser testadas e criticadas
através de provas empíricas e da discussão intersubjetiva.
• O conhecimento científico nunca é absoluto ou final, pode ser sempre modificado ou
substituído
• A exatidão sobre um conhecimento nunca é obtida integralmente, mas sim, através de
modelos sucessivamente mais próximos
• Um conhecimento é válido até que novas observações e experimentações o
substituam.
• Razões para produzir conhecimento científico: de ordem intelectual e prática.

O conhecimento científico é
real (factual): porque lida com fatos ou ocorrências;
contingente: porque suas proposições ou hipóteses têm veracidade ou falsidade
conhecida por meio da experimentação e não apenas pela razão;
sistemático: trata de um saber ordenado logicamente que forma (reconstrói) um
sistema de ideias (teoria);
verificável: as afirmações (hipóteses) que não podem ser comprovadas não
pertencem ao âmbito da ciência;
falível: não é definitivo, absoluto ou final;
aproximadamente exato: novas proposições e o desenvolvimento de novas técnicas
podem reformular o conjunto de teoria existente.

Ciência é tudo aquilo que prima pelo conhecimento das causas, é


um modo de conhecer as coisas;
um tipo de abordagem;
um caminho intelectual;
uma maneira de trabalhar e, até mesmo,
uma forma de raciocínio.

“Ciência é todo um conjunto de atitudes e atividades racionais, dirigidas ao sistemático


conhecimento com objeto limitado, capaz de ser submetido à verificação.”
(TRUJILLO FERRARI, 1974, p. 8).

CIÊNCIAS MATEMÁTICAS OU LÓGICO-MATEMÁTICAS: aritmética, geometria, álgebra,


trigonometria, lógica, física, astronomia.
CIÊNCIAS NATURAIS: física, química, biologia, geologia, astronomia, geografia física,
paleontologia, etc.
CIÊNCIAS HUMANAS OU SOCIAIS: psicologia, sociologia, antropologia, geografia humana,
economia, linguística, arqueologia, histórica.
CIÊNCIAS APLICADAS: ciências que conduzem à invenção de tecnologias para intervir na
natureza, na vida humana e nas sociedades – direito, engenharia, medicina, arquitetura,
informática, etc. (HEERDT; LEONEL, 2007, p. 39-40)

Página 2 de 5
UDESC - JOINVILLE – CCT – 2016-1 METODOLOGIA DE PESQUISA - MEP
CIÊNCIA, TEORIA, FATO e LEI
TEORIA: conjunto de princípios fundamentais que se constituem em instrumento científico
apropriado na procura e principalmente na explicação dos fatos.
TEORIA: surgem da necessidade que se tem de encontrar explicações para os fenômenos
(fatos) da realidade. Esses fatos ou fenômenos são apreendidos por meio de suas
manifestações e o estudo dessas manifestações conduzem à descoberta de aspectos
invariáveis comuns aos diferentes fenômenos por meio da classificação e generalização.
(MARCONI; LAKATOS, 2010, p. 106)
TEORIA e FATO: “objetos de interesses dos cientistas; não existe teoria sem ser baseada em
fatos [...] a compilação de fatos ao acaso sem um princípio de classificação (teoria), não
produziria a ciência [...] O desenvolvimento da ciência pode ser considerado como uma inter-
relação constante entre teoria e fato” (MARCONI; LAKATOS, 2010, p. 98).
TEORIA: meio para interpretar, criticar e unificar leis estabelecidas, modificando-as para se
adequarem a dados não previstos quando de sua formulação e para orientar a tarefa de
descobrir generalizações novas e mais amplas (KAPLAN, 1975, citado em MARCONI;
LAKATOS, 2010, p. 106).
A LEI declara a existência de um padrão estável em eventos e coisas, a TEORIA assinala o
mecanismo responsável por esse padrão.
A LEI comporta duas acepções: uma regularidade e um enunciado que pretenda descrevê-la
[...] portanto, UM ENUNCIADO DE LEI.
As LEIS geralmente expressam enunciados de uma classe isolada de fatos ou fenômenos e
as TEORIAS caracterizam-se pela possibilidade de estruturar as uniformidades e
regularidades, explicadas e corroboradas pelas leis, em um sistema cada vez mais amplo e
coerente, relacionando-as, concatenando-as e sistematizando-as com a vantagem de corrigi-
las e aperfeiçoá-las [...] à medida que as teorias se ampliam, passam a explicar, no universo
dos fenômenos, cada vez mais uniformidades e regularidades, mostrando a interdependência
existente entre eles (MARCONI; LAKATOS, 2010, p. 106).

CONCEPÇÕES HISTÓRICAS DA CIÊNCIA (HEERDET; LEONEL, 2007, p. 37-39)


RACIONALISTA:
Ciência como conhecimento racional, dedutivo e demonstrativo.
Objeto científico é a realidade que é racional e inteligível em si mesma.
O objeto científico é uma representação intelectual universal, necessária e verdadeira
das coisas representas que corresponde a própria realidade. [...]
Experiências científicas são realizadas para verificar, confirmar as demonstrações teóricas
e não para produzir o conhecimento do objeto. Razão é o instrumento fundamental para a
compreensão do mundo
Razão = instrumento fundamental para a compreensão do mundo. René Descartes (1596-
1650) = “penso, logo existo”. A garantia da certeza das novas ideias se produzia quando
cumpriam a condição de serem claras, distintas e não contraditórias.
EMPIRISTA:
Ciência como interpretação dos fatos baseada em observação e experimentos, ou seja,
ciência é interpretação dos fatos baseada em observações e experimentos que
permitem estabelecer induções e, ao serem contempladas, oferecem a definição do objeto,
suas propriedades e suas leis de funcionamento.
John Locke (1632-1704) foi um dos grandes sistematizadores do empirismo e negava que
existiam ideias inatas já que para ele a mente era uma página em branco que a
experiência vai preenchendo.
CONSTRUTIVISTA:
Considera a ciência uma construção dos modelos explicativos para a realidade e não
uma representação da realidade.
Combina-se os dois procedimentos, o racionamento e o empirismo e acrescenta-se um
terceiro conhecimento aproximativo e corrigível.
Página 3 de 5
UDESC - JOINVILLE – CCT – 2016-1 METODOLOGIA DE PESQUISA - MEP
O cientista demonstra estruturas e modelos de funcionamento da realidade, explica os
fenômenos observados.
Há três exigências: que haja coerência, ou seja, sem contradições entre os princípios que
orientam a teoria; que os modelos dos objetos sejam construídos com base na observação
e na experimentação; os resultados obtidos possam alterar os modelos construídos e
alterar os próprios princípios da teoria, ou seja, corrigir a teoria.

MÉTODOS DE Base dedutiva


ABOR Base indutiva
DAGEM Hipotético-dedutivo
Base dialética
Histórico
Comparativo
MÉTODOS DE Estudo de caso ou monográfico
PROCEDI Expost-facto
MENTOS Base etnográfica
Pesquisa-ação
Pesquisa participante
Tipológico
Estruturalista
Funcionalista
Estatístico
TÉCNICAS DE Fontes primárias: observação direta por meio de anotações, entrevista,
COLETA DOS questionário, formulário, fotos, gravações, diários, história de vida. São os dados
DADOS obtidos diretamente na fonte ou que não sofreram estudo e análise.
/ Fontes secundárias: estudo histórico que usa documentos originais, dados
INSTRUMEN estatísticos baseados em dados de recenseamento. São dados que já foram
TOS DA objetos de análise.
COLETA DOS
DADOS
FORMA DE Quantitativa: quantificação numérica dos dados obtidos.
ABORDAGEM Qualitativa: descrição e interpretação dos dados obtidos.
DOS DADOS Mista: quantitativa e qualitativa
(ANÁLISE
DOS DADOS)
OBJETIVOS Exploratório
DO ESTUDO Descritivo
Explicativo
NATUREZA Básico: tem como objetivo gerar conhecimentos novos úteis para o avanço da
DO ESTUDO ciência sem aplicação prática prevista. Envolve verdade e interesses universais”
(PINHEIRO, 2010, p.19).
Aplicado: “tem como objetivo gerar conhecimentos para aplicação prática dirigidos
à solução de problemas específicos. Envolve verdades e interesses locais.”
(PINHEIRO, 2010, p. 19).

REFERÊNCIAS

BARROS, Aidil de Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de
metodologia científica. Uma guia para a iniciação científica. 2. ed. São Paulo: Pearson
Makron Books, 2000.

Página 4 de 5
UDESC - JOINVILLE – CCT – 2016-1 METODOLOGIA DE PESQUISA - MEP
CERVO, Amado; BERVIAN, Pedro A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall,
2002.

HEERDT, Mauri Luiz, LEONEL, Vilson. Metodologia Científica. Livro didático. Palhoça:
UnisulVirtual, 2007. Disponível em: <http://busca.unisul.br/pdf/88818_Mauri.pdf>. Acesso em:
2 jul. 2015.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia


científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PINHEIRO, José Maurício dos Santos. Da iniciação científica ao TCC. Uma abordagem
para os cursos de tecnologia. Rio de Janeiro: Ed. Ciência Moderna Ltda., 2010.

TRUJILLO FERRARI, Alonso. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: McGraw-Hill


do Brasil, 1982.

Página 5 de 5