Você está na página 1de 4

Muffin de banana e cacau

Ingredientes:

 1 col. sopa de chia


 1 xícara de aveia
 3 col. sopa de açúcar mascavo
 1 col. sopa de óleo de coco
 1 col. sopa de cacau em pó
 3 bananas
 Canela a gosto
 Macadâmia triturada a gosto (ou nozes)
 1 colher de chá de fermento em pó

Modo de preparo:

 Amassar as bananas.
 Hidratar a chia com 3 colheres de sopa de água e deixar por uns 5 minutos. Vai
virar quase que um gel. Misturar esse “gel de chia” às bananas.
 Misturar o restante dos ingredientes e por último o fermento.
 Pincelar óleo de coco em forminhas de muffin e levar a mistura em forno pré-
aquecido
 Deixar por mais ou menos 20 minutos assando, o tempo vai depender do forno
de cada um, ficar de olho para não passar do ponto.
 Fazer o teste do palito. Se o palito sair limpo o muffin está pronto.

Fonte.

Propriedades:

Óleo de coco: O óleo de coco virgem pode ser produzido a partir da carne de coco
fresco, leite de coco ou resíduo de leite de coco, é rico em triglicerídeos de cadeia
média (TCM) e ácido láurico.

Cacau: Muitos estudos em humanos e animais têm sugerido que o cacau e outros
nutrientes ricos em flavonoides podem ter efeitos protetores cardiovasculares. Um
corpo crescente de estudos demonstra os efeitos favoráveis do chocolate escuro rico
em flavonoide, principalmente na doença da artéria coronária, hipertensão,
insuficiência cardíaca, hiperlipidemia, inflamação, estresse oxidativo, resistência à
insulina e funções das plaquetas através de vários mecanismos.

Gabriela Dors Wilke Rocha


Nutricionista Clínica
CRN 10 4719
Centro Nutrição Ana Paula Pujol
Rua Getúlio Vargas, 112. Sala 207. Centro. Camboriú/SC.
Fone: (47) 3365-5531
Fornece fotoproteção, reduz eritema, aumenta o fluxo sanguíneo dos tecidos cutâneo
e subcutâneo, bem como a densidade e hidratação da pele (redução da aspereza da
pele), além de possuir atividade antioxidante. O único efeito adverso do cacau pode
estar relacionado a doses elevadas por suas sementes conterem cafeína que pode
causar efeitos secundários relacionados, tais como nervosismo, aumento da
frequência urinária, insônia e um aumento no batimento cardíaco.

Aveia: Produtos com aveia são boa fonte dietética amplamente estudada de fibras
solúveis, as betaglucanas, redutoras de colesterol. Alguns estudos mostraram que uma
dieta suplementada com farelo de aveia promove decréscimo do colesterol sérico. Esta
propriedade hipocolesterolêmica da aveia é atribuída principalmente às betaglucanas,
que têm capacidade de aumentar a síntese de ácidos biliares e reduzir a absorção do
colesterol, resultando em diminuição do colesterol sanguíneo.

Elaborado por Letícia Weber. Estagiária de Nutrição do Instituto Ana Paula Pujol.

REFERÊNCIAS

PUJOL, A. P. Manual de Nutricosméticos: Receitas e formulações para a beleza. 1 ed.


Camboriú, SC. IEPN- Instituto de Ensino e Pesquisa em Nutrição, 2012.

COSTA, N.M.B.; ROSA, C.O.B. Alimentos Funcionais: Componentes bioativos e efeitos


fisiológicos. Rio de Janeiro: Editora Rubio, 2010.

YEAP, S.K.; BEH, B.K.; ALI, N.M.; YUSOF, H.M.; HO, W.Y.; KOH, S.P.; ALITHEEN, N.B.;
LONG, K. Antistress and antioxidant effects of virgin coconut oil in vivo. Experimental
and therapeutic medicine. v.9: 39-42, 2015.

FLAMMER AJ, HERMANN F, SUDANO I, SPIEKER L, HERMANN M, COOPER KA, et al.


Dark chocolate improves coronary vasomotion and reduces platelet reactivity.
Circulation 2007; 116:2376-82

SERAFINI M, BUGIANESI R, MAIANI G, VALTUENA S, DE SANTIS S, CROZIER A. Plasma


antioxidants from chocolate. Nature 2003; 424:1013.

Gabriela Dors Wilke Rocha


Nutricionista Clínica
CRN 10 4719
Centro Nutrição Ana Paula Pujol
Rua Getúlio Vargas, 112. Sala 207. Centro. Camboriú/SC.
Fone: (47) 3365-5531
Petisco de grão-de-bico

Ingredientes:

 400g de grão-de-bico
 2 colheres de sopa de azeite de oliva extravirgem
 Condimentos a gosto (orégano, lemon pepper, chilli, pimenta caiena, pimenta-
do-reino, alecrim, tomilho, páprica picante, alho, cebola)
 1 pitada de sal rosa

Modo de Preparo:

Deixe o grão-de-bico de molho por 3 horas. Escorra e cozinhe na panela de pressão


com água e sal, mas deixe al dente. Escorra e reserve. Unte um tabuleiro com azeite e
coloque o grão de bico. Salpique os condimentos que preferir. Misture bem para
envolver os grãos e leve ao forno pré-aquecido, a 230⁰C, por 45 minutos ou até que
fiquem corados e crocantes. Mexa de vez em quando para os grãos dourem por igual.

Propriedades nutricionais

Grão-de-bico:

O grão-de-bico é fonte de proteínas, carboidratos, minerais, vitaminas e fibras.


Diferencia-se das outras leguminosas por sua digestibilidade, baixo teor de substâncias
antinutricionais, além de apresentar a melhor disponibilidade de ferro. Dentre as
diversas leguminosas pesquisadas (feijão comum, feijão-branco, feijão-preto, ervilha,
soja, lentilha e grão-de-bico) foi descoberto que o grão-de-bico possui melhor
disponibilidade de ferro. Ele é uma leguminosa que tem, nutricionalmente, grande
potencial a ser explorado, a fim de minimizar as deficiências proteicas e minerais da
população, uma vez que o grão-de-bico é boa fonte de minerais (P, Mg, Fe, K, Co, Mn).
O consumo do grão-de-bico ainda é muito limitado no Brasil, quando comparado a
outras leguminosas como o feijão. As sementes de grão-de-bico apresentam
considerável quantidade de óleo, cujos valores variam de 3,8 a 10,2%. Seu óleo tem
alto teor de ácidos graxos insaturados, particularmente linoleico e oleico. O grão-de-
bico é excelente fonte de carboidratos e de proteínas, que abrangem cerca de 80% do
peso total das sementes secas. A proteína do grão-de-bico tem sido considerada de
melhor valor nutricional entre as leguminosas.

Gabriela Dors Wilke Rocha


Nutricionista Clínica
CRN 10 4719
Centro Nutrição Ana Paula Pujol
Rua Getúlio Vargas, 112. Sala 207. Centro. Camboriú/SC.
Fone: (47) 3365-5531
REFERÊNCIAS

CANNIATTI–BRAZACA, S.G.; SILVA, F.C. da. Enhancers and inhibitors of iron availability
in legumes. Plant Food for Human Nutrition, v. 58, p. 1-8, 2004.

AVANCINI, S.R.; SALES, A.M.; AGUIRRE, M.; MANTOVANI, D.M.B. Composição química
e valor nutricional de cultivares de grão-de-bico produzidos no Estado de São Paulo.
Coletânea do Instituto de Tecnologia de Alimentos, v. 22, n. 2, p. 145-53, jul./dez.
1992.

BRAGA, N.R. Possibilidades da cultura do grão-de-bico (Cicer arietinum L.) na


microrregião de Viçosa, Minas Gerais: competição entre cultivares e nutrição mineral.
Viçosa, 1997. 101 p. Tese (doutorado). Universidade Federal de Viçosa.

TAVANO, O.L. Avaliação nutricional de frações protéicas do grão-de-bico (Cicer


arietinum L.) var. IAC- Marrocos: estudo in vivo e in vitro. Araraquara, 2002. 94 p.
Dissertação (mestrado) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Universidade Estadual
Paulista (Unesp).

Escrito por:
Mariane Caroline Meurer – CRN 10.5317P
Revisão: Gabriela Dors Wilke Rocha – CRN 10.4719

Gabriela Dors Wilke Rocha


Nutricionista Clínica
CRN 10 4719
Centro Nutrição Ana Paula Pujol
Rua Getúlio Vargas, 112. Sala 207. Centro. Camboriú/SC.
Fone: (47) 3365-5531