Você está na página 1de 13

15SHl413·3891 Temas 811 P~icologia da SBP-20el, VaI 9 n'l, 63·J5

Apesquisa qualitativa em psicologia do desenvolvimento:


questões epistemológicas e implicações metodológicas

Ana Flá"ia do Amaral Madureira e Angela Uc hôa Branco


Unil'erllidade de Bra.!ília

Resumo
A pesquisa qualitativa cm psicologia do desenvolvimento, a partir da pçr.;pectiva sociocultural conslnltivista.
é carackri7.aua pda compreens1o do desenvolvimento humano como fenômeno complexo e dinâmico que
deve ser estudado de forma contextua,lizada. a partir de uma perspectiva de caosalidade sistêmica. Em termos
metodológicos, caracteri7.a-Se pela compreensão da metodologia como processo cielico que engloba as
concepções de mundo e a experiência intuitiva do pçsquisador. o fenômeno. o método, os dado, e a teona
I'orlaoto a entrevista n~o representa um "meio" para sc accssarcm os conteúdos intrapsiquicOl:i do sujeito
investigado. como se os mesmos já es!Í\C5sem "promos em sua cabeça". O momento da ~-ntTcvista consiste
em um espaço dialógico. IX'lllassado pelos significados co-construidos pelo pesquisadOT e entrevistado.l:iso
será ilustrado com um trecho de entrevista de estudo cmplneo realil..ado em nosso Laboratório - LABM!S
(Universidade de I3rasilia). No final do artigo, silo discutidas as vantagens e limitações da entrevista.
fJ(aflIHhrt: perspectiva sociocultural. pesquisa qualitativa, co.. con~truçi'io de significados.

Gualitativeresearchandthepsychologyofhumandevelopment:
epiSlemologicalandmelhodologicalissues
Ahlracl

Qualitative research in dcvelopmcntal psychology, analyzcd [ram a social-cultural constructive perspçctive,


is charactcnzcd by Ihc undcrslanding of hwnan devclopment as a complex phenomenon which muSI bc
studied in a systcmie, contcxtualizcd invcstigati,'e approa~h. The melhodology is considcrcd as a cyclical
process involving lhe rcseareher's assumptions of lhe world, the theol)'. his/hcr intuitive experienees. the
phenomenon. the mclhcxls. and the data. Therefore, the interview docs not represem a "way" to unravelth e
intr:t·psychological content of lhe sohject studied, as if it wcrc already "ready in hislh"" mind". nata
coll e.: tion dunng the imerview is seen as a dialogical space, impregnated of mcanings lhat are 1>cing
co-constructoo by both interviewee and interviewer. nus approach is illustrated here with excerpts of
intervie...,; Ihat took place dunng the empirical studies carricd out in "ur Laboratory at lhe Univcrsity of
Bra~ilia. The adv3ntages and constraints oflhis approach are analyzed and discussed
lfr ......:socialculluralperspective.qoalitativeresearch.mcaning.co-construction

"É assim que a investigação de cada adequada aos objdivos do projeto. Uma me-
problema ou questão relacionada ao tópico todologia qne seja suficientemente clara c
do desenvolvimento s.:mpn: representa um precisa e, ao mesmo tempo, flexível e capaz
desafio a exigir II criatividade do pesquisador de adaptar-se a cada etapa do proccsso de in-
no sentido de conslnlÍT uma metodologia vesti gação". (Branco c Rocha, 1998.1'.252)

Endereço para correspondência: Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento. Instituto de l'sicolo!!la -


Universidade de Brasília. CEP 7091 0-900 Bra.sília. DF. c-mail: afam2001 @terra.com.br e e-mail: amuhraoco@ao1.com
A,f,A,Md.llilllA.U.8111Ce

o presente artigo] tem como objetivos: esta visão metodológica instrumentalista e os pressu-
a. Analisar as limitações epist~mulógi<:as da postos epistemológicos que a sustcntam é,justamen-
perspectiva positivista, bem como do instru- te, o ponto dc panida da presente análise.
mentalismo metudulúgku ue<:orrente de tal
perspectiva:
b. Analisar as implicações metodológicas de E,istemologia positivista e
uma proposta epistemológica qualitativa c sua instrumentalismo metodológico
pertinência no cstudo do desenvolvimento
humanu; A perspectiva epistemológica positivista é
marcada pela visão elementarista e deteoninista
c. Analisar as potencialidades e limitaçõcs de
sobre a realidade, próprias à fisica newtoniana, onde
um instrumento metodológico especifico, a
li mctáfora utilizada para descrever o universu, cumu
entrevista,
wna máquina perfeita, é marcada pelo pcnsamcnto
Para a elaboração desse artigo, foi de suma im-
cartesiano (Capra, 1982).
ponâneia a leitura tanto de autores, cuja produção
Certamente, a concepçao de uma realidade
teórica e empírica estão diretamente relacionadas à
absoluta, supra-histórica, governada por leis imutá-
área de investigação do desenvolvimento humano,
veis, apresenta uma longa história no pensamento
como de autores provenientes de outras áreas de in-
ocidental. De acordo com Mahoney (1991, citadopor
vestigação psicológica. Na realidade, o fio condutor
Ncubcrn, 1999), a concepção de uma realidade está-
da presente análise epistemológica c metodológica se
vel, fixa, na qual a mudança é uma ilusão, está rela-
caracteriz~ muitu mais pela adoção de uma persreeti-
cionada ao pensamento filosófico pré-socrático de
va desenvolvimcntal, marcada por uma concepção
Parménidcs, em oposição à concepção de uma reali-
dinâmica sobre o fenômeno humano, que pela rigida
dade Iluida, processual, na qual o estável é uma
demarcação de áreas de saber (psi<:ologia do desen-
ilusão, defendida por Henic1ito de Éfeso (considera-
volvimento, social, clínica).
do o "pai" do pensamento dialético).
Certamente, a tentativa de estabelecer um diá-
Nu decorrer da história do pensamento
logo entre autores diferentes, de áreas de produção
filosófioo ocidental, a noção de tuna realidade imutável,
cicntífica distintas, é um cmpreendimento <:omplexo,
externa ao sujeito do conhecimcnto tornou-se
marcado por possíveis alianças, por confrontos, acor-
uominante. Nesse sentido, nos séculos XVII eXVUl, as
dos e rupturas epistemológicas. Apesar de ser um
dilas perspectivas epistemológicas majoritárias, o
exercício analítico arriscado (em que o ecletismo
racionalismo e o empirismo, apesar de todas as suas
sempre nos espreita ... ), estabelecer relações entre as
divergências, oompartilhavam duas premissas básicas:
propostas epistemulógicas e mdudulógi<:as ue auto-
separação radical entre o sujeito e o objeto do
res distintos é uma aona poderosa contra a tcndência
de simplificação e redução da discussão metodológi- conhecimento; c
ca, a partir de uma visão instrwnentalista baseada em b o conhecimento estabelece uma relação linear
"receituários" de como usar os métodos científicos a e isomórfica com a realidade (Gonz.ález Rey_
fim de se obter uma pesquisa "objetiva", baseada em 1997)
"dados empiricos" (Brancu e Rocha, 1998: Branco e Tais premissas sãu retomadas e rddicalizadas.
Valsincr, 1997; Gon7..ález Rey, 1997, 1998, 1999; no século XIX, pela perspectiva positivista que se
Kindennan e Valsiner, 1989). A insatisfaçãO com torna a rcferência epistemológica dominante nas

I. Estc artigo é uma versão modificada do capitulo sobre metodologia da dissertação de mestrado: "A construção das
identidades sexuais não-hegemónicas: gênero, linguagem e constituição da suhjetividade', derendida no Institutu d"
Psicologia da Univ"rsidad~ de Brasilia, em dezembro de 2000 (Autora: Ana Flávia do Amaral Madureira I Orientadora:
Angcla Uchôa Branco)
ciências modernas. Em linhas gerais, o positivismo de acordo com este marco cpistemológico, e conside-
(tanto o ingênuo quanto o lógico), apresenta as rado o reflexo da realidade, uma realidade externa ao
seguintes earactcristicas (González Rey, 1997): investigador c sujeitos investigados. Ao pesquisador
cabe a descrição fidedigna das leis quc regem o com-
• Separação excludente entre sujeito (pesquisador)
portamento, ou mesmo a consciência humana. Em
e objeto de estudo;
contrapartida, os sujeitos investigados (freqüente-
• A subjetividade e a afetividade são consideradas mente denominados organismos), são considcrados
de forma pejorativa, como fonte de erro (noise, na seres passivos, "ingênuos" em relação ás leis cientifi-
linguagem da eomputação); cas a quc cstão submetidos.
• Supcryalorizaçào do método e desprezo pela Nessa perspectiva, tanto os investigadores
teoria e interpretação: visão instrumentalista do como os sujeitos investigados são passivos no pro-
conhecimento; cesso de construção de eonheçimento (González
Rey, 1997). Contudo há uma diferença fundamental:
• Crença no empreendimento cientifico como algo os pesquisadores são aqueles treinados pela acade-
neUlro,objetivo; mia, durante anos, na aquisição de uma terminologia
• O método cientifico é considerado de forma cientifica e, principalmente, da metodologia cientifi-
monolítica. O que varia são os objetos de estudo, o ca, o quc lhcs garanteoaccsso ás leis que regem a rea-
método de investigação é o mesmo para todas as lidade (tisica, biológica, social, psicológica), en-
ciências; quanto os sujeitos investigados 5110 desprovidos de
tal conhecimento. Pode-se observar claramente uma
• Os objetivos da ciência seriam a descrição impar-
aliança entre saber e poder, na medida cm que um
cial, a predição e o controle sobre a realidade.
grupo sclcto detém as chaves para chegar á verdade,
Coerente com a premissa da separação o que lhes confere o direito de intervenção na realida-
exclusiva entre sujeito e objeto do conhecimento, a de (entendida como previsão e controle). É exata-
perspectiva epistemológica positivista assume uma mente dentro deste contextO histórico amplo, em que
conotação legalista (Prigogine, 1996): a natureza durante séculos a verdade foi concebida como com-
segue leis simples, imutáveis; cabendo aos cientistas pletamente externa ao ser humano, que se insere o
a descrição de tais leis, a partir de métodos validados culto á metodologia científica como o "caminho para
cientificamente. Dentro dessa lógica, a complexida- a verdade". Certamente, este culto á metodologia
de, os processos fluidos são meras ilusões; a realida- cicntífica não se refere apenas ao universo acadêmico,
de seria ordenada por leis simples que regem os fenô- mas perpassa nossa sociedade tão marcada pelo pen-
menos fisicos, biológicos e sociais, cuja descrição samento cientificista e tecnocrático (Capra, 1982).
fidedigna pressupõc a adoção de instrumentos váli- Na comunidade cientifica, o caráter de cen-
dos, prescindindo do sujeito do conhecimento, bem tralidade conferido á metodologia teve profundas
como do contexto cultural em que se insere a ati vida- repercussões na produção de conhecimentos e sua
dc de pesquisa. A tcntativa dc eliminação tanto da divulgação em periódiws científicos, bem como na
dimensão contextuaI como subjetiva, insustentável a formação das novas gCnlçõcs de pesquisadores.
partir de uma análise teórica mais aprofundada, Primeiramente, ao se converter a metodologia
acaba por fortalecer o mito da neutralidade cientifica às "formas corretas de produzir conhecimento objeti-
e do controle dos pesquisadores em relação aos fenô- \'0", o discurso cientifico voltou-se, primordialmen-
menos estudados (Branco e Rocha, 1998) te, para discussões meramente metodológicas,
É intcressante obscrvar como a tradição epis- tomando secundárias as discussões epistemológicas
temológica positivista na psicologia representou um e teóricas. Em poucas palavras, a metodologia foi
duplo aniquilamento do sujeito na produção de alienada do processo mais amplo de produção de
conhecimento: do sujeito investigado e do próprio conhecimento, tornando-se uma espécic de "caixa de
investigador. Em outras palavras, o conhecimcnto, ferramentas" para o acesso às leis que regem os fenô-
A.F,A.MlfureinlA.H.lnlu

menos estudados e os métodos de pesquisa (experi- nuam no mesmo marco epistemológico: o positivis-
mental, observacional etc) tomardm-se as "ferra- mo (González Rey, 1997, 1998, 1999),
mentas" para a produção do eonhedrnento cientifico No presente artigo, a metodologia é considera-
(Branco e Valsiner, 1997). Esta concepçllo metodo- da como processo dclico articulado <;om o processo
lógica foi denominada por González Rey (1997) de amplo de construçflo de conhecimento (Branco e
concepção instrumentalista da ciência, justamente Valsiner, 1997; Branco e Rocha, 1998). Portanto a
por cnfatizar os mcios, o aprimoramento dos méto- discussão sobre a pesquisa qualitativa não focalizará
dos e técnicas de pesquisa e desvalorizar a produção essencialmente os métodos utilizados, mas sim a
teórica e questionamentos filosóficos (epistcmológi- artíçulaçilo entre metodologia c uma proposta
cos, ontológicos, éticos, entre outros). epistemológíça alternativa ao positivismo: a cpis-
Na realidade, o dcscaso em relação à promo- temologia qualitativa. Em poucas palavras, nllo é no
çllo do questionamento cpistcmológiço articulado método que devcm ser buscadas as diferenças entre
com a discuss1lo ntetodológica nos mais diversos investigação qualitativa e investigação quantitativa,
planos, nos periódicos c cvcntos cientificos, nas mas sim em seus referenciais epistemológicos
disciplinas de graduação e pós-graduaçilo, está rela- (González Rey, 1997, 1991!, 1999). Mas o que vem a
cionado ii própria institucionalização do positivismo ser epistemologia qualilativa? Quais as implicações
no contexto acadêmico e, especialmente, na psicolo- de uma metodologia coerente com esta proposta
gia (González Rey, 1997, 1999). Afinal. a concepção epistemológica?
instrumentalista da metodologia é coerente com a
perspectiva positivista, scndo quc e sob esta ótica
epistemológica que se tem, de forma dominante, Epistemologia qualitativa e
definido o limite entre ciência e nlio-ciência, bem
como entre psicologia científica e psicologismo metodologia comllprocesso ciclico
especulativo. Nesse sentido. muitos questionam:
"por que discutir epistemologia se já sabemos de "A epistemologia qualitativa é um
antemão o que é ciência? Por que não investir nosso esforço na busca de formas diferentes de
tempo no aprimoramento de nossas técnicas de cole- produçilo do conhecimento na Psicologia
la de dados, para assim podermos olhar melhor e ana- que permitam a criação teórica accrca da
lisarmos de forma mais fidedigna a realidade?" realidade plurideterminada, diferenciada,
Nas ciências sociais e psicologia, a disputa irregular, interativa e histórica, quc rcprc-
entre os defensores da metodologia quantitativa e senta a subjetividade humana" (González
qualitativa também tem-se caracterizado pela preo- Rey,I999, p.35)
cupação em defender cenos métodos em oposição a Um dos pressupostos epistemológicos cen-
outros, como o meio mais adequado de se produ- trais que diferenciam o positivismo de uma proposta
zirem conhedmentos cientificos. Nessa disputa, o epistemológica qualitativa diz respeito à compreen-
que está em xeque não slIo os pressupostos epistemo- são da realii:lade cm sua complexidade e nilo como
lógicos, o espaço da teoria na produção de conhed· algo simples que possa ser descrito a partir de poucas
mento, mas sim os métodos e sua validade na coleta Icis univcf<iais
de dados (Gon7..ález Rey, 1999). Portanto a discussilo De acordo com Branco e Rocha (1998), a mu-
metodológica continua aI iCllada do processo de cons- dança de paradigma epistemológico torna-se uma ne-
trução do conhecimento e, por extensilo, a diferença cessidade se desejarmos compreender uma realidade
entre pesquisa qualitativa e pesquisa quantitativa se dinâmica, organizada de forma sistemica e comple-
reduz ii natureza dus métodos utilizados. Em outros xa, em que os contextos hist6rico-culturais apresen-
termos, muitos dos pesquisadores qualitativos e tcm uma importância fundamental na constituição de
quantitativos, apesar de suas divergências, conti- tal realidade. Em outras palavras, tal proposta episte-
moJógica considera seriamente o papel da cultura no mesmo sua história flsica. É importante esclarecer
desenvolvimento humano, deixando de ser apenas que a tentativa de integrar as várias "histórias" que
uma variável interveniente, uma espécie de solução constituem o desenvolvimento do individuo não t,
do estilo "caixa preta" (Valsiner, 1997), bem como a <:ertamente, uma tarefa simples, ou seja, transcende a
subjetividade deixa de ser vista como epifenõmeno mera adição de todas estas ·'histórias". Nãodiscutire-
ou fonte de erro (GonzálezRey, 1997, 1998, 1999). mos de fonnamais detalhada tal questão, contudo, de
A proposta epistemológica qualitativa mos- acordo com os objctivos do presente artigo, é impor-
tra-se bastante coerente, portanto, com a natureza tante enfatizar que o estudo da gênese e desenvolvi-
complexa e dinâmica que caracteriza o desenvolvi- mento dos processos psicológicos deve considenrr
mento humano, como pode ser observado na seguin- seriamente a inclusão do elemento temporal.
te afinnaçll.o: O carater eminentemente dinâmico do desen-
volvimento humano, portanto, nãu é cuntemplado de
"O desenvolvimento humano indi- fonna satisfatória a partir da perspectiva epistemol6-
viduai envolve processo de incremento e gica positivista, considerando sua tradição de cons-
transfonnaçlio que, através do fluxo de troção de categorias analiticas que privilegiam a
intcraçõcsentreascaracteristicasatuaisda descrição de atributos estáticos. Em última instância,
pessoa e contextos em que está inserida, o positivismo acabou por privar de inteligibilidadc
produz uma sucessão de mudanças rela- fenômenos que envolvem relações dinâmicas, tais
tivamente duradouras que elaboram ou como: a relação entre o pensamento e a linguagem, a
aumentamadiversidadedasearacteristicas rclaçao cntre a cognição e o afeto,a relaçlio entre o
estruturais e funcionais da pessoa e os indivíduo easociedadc, ou seja, fenômenos re1evan-
padrões de suas interações com o am- tcs no campo de estudo da psicologia do desenvolvi-
biente, ao mesmo tempo em que ffiHotem a
organização coerente c unidadc cstrotu- Nesse sentido, será questionada, posterior-
ral-funcional da pessoa como um todo." mente, a pertinência de alguns conceitos que têm nor-
(Ford e Lemer, 1992) teado a pesquisa na ciência psicológica, inclusive a
pesquisa na psiCOlogia do desenvolvimento, concei-
O estudo do desenvolvim ento pressupõe uma tos tais como coleta de dados, teste empirico, instru-
compreensão dinâmica do fenômeno humano, bem mentosdcpcsquisa.Paratanto,enecessariorealizar
\:Omu uma perspectiva de causalidade sistêmica algumas considerações sobre a pesquisa qualitativa,
(Branco e Valsiner, 1997; Kindennan e Valsiner, enquanto proposta epistemológica, bem como o pa-
1989; Valsiner, 1989, 1997), o que representa um pei da mctodologia e momento empirico no processo
grande desafio metodológico, ainda mais se for con- amplode construr,:àu de conhecimento na psicologia,
siderada a tradição epistemológica positivista na psi- A nccessidade, apontada anterionnente, de
cologia de lidar com uma compreensãu estatica e de- transformação do paradigma epistemológico a fun de
ternlinistada realidade (causalidade linear). compreender a narureza complexa da realidade nlio é
Portanto na investigação do desenvolvimento um movimento apenas na psicologia, mas em várias
humano, é de suma import:lncia a consideraçao da ir- ciências, como tem sido discutido por Capra (1982),
reversibilidade do tempo (Valsiner. 19!\9). Partindo Morin (1990, 1996, 1999) e Santos (2001). Na psico-
do pressuposto de que a irreversibilidade do tempo logia,GonzalezRey(1997, 1998, 1999) tem sido um
cumpre um papel eonstrotivo primordial na natureza dos autores que se têm dedicado à sistematização c
(Prigogine, 1996), é importante considerar que o de- elaboração de uma proposta epistemológica alterna-
senvolvimcnto do individuo é constituido não só por tiva ao positivismo que contemple as especificidades
sua história mierogenética (no aqui-c-agora), mas do campo de estudo psicológico. Segundo González
também por sua história ontogenética, antropogené- Rey (1999), os pressupostos centnlis de uma episte-
tica (dimensão histórico-cultural), filogenética e mologiaqualitativasão:
A. F. A. MdIlM.A.U.11aet

• o conhecimento como uma produção construti- vcnçãoutilizados pelo pesquisador em sua


va-intcrpretativa,ouseja,ocaráterinterpretativo interução com o fenômeno investigado, o
doeonhecimento está intrinsecamcntc relaciona- qual conduz à construção de um novo
doà necessidade de dar sentido às exprcssõcs e conhedmento" (Branco e Valsiner, 1997,
eonstruções do(s) sujeilo(s) estudado(s) cUJa sig- p.39).
nificaçllo em relação aos fenômenos investigados
De acordo com esta compreensão metodoló-
é apenas indiretae implícita.
gica e os pressupostos de uma epistemologia qualita-
• O carnler interativo do processo de produção de tiva, torna-se desprovido de sentido o tenno "eoleta
conhecimento. Em oUlras palavras, o caráter de dados", tão freqUente no vocabulário dos pesqui-
interati\'o não se restringe apenas às relaçõcs sadores em psicologia. O tenno eoleta de dados
estabelecidas entre pesquisador-panicipante(s), implica a noção de uma relação isomórfica entre
considcrandoqucadimensãointerativa(incluin- fenômeno eSludadoe os dados empiricos, ou seja, os
do as relaçõcs entre os pesquisadores) é essencial dados seriam o reflexo de uma realidadeextema ao
no processo amplo de produção de conhecimento, investigador. Cabe ressaltar que, historicamente, a
pois é um atributo constitutivo deste processo. epistemologia positivista constituiu-se em uma radi-
calização do empirismo. Portanto tanto opositivismo
• A singularidade como nivellegítimo de produção
como o empirismo apresentam pontos em comum,
de conhecimento. É importante destacar que a
como, por exemplo, a supervalorização do observá-
noção desingularidadc não é idêntica à noção de
vel como o critério último para a produção de
individualidade, pois a singul3ridade é construída
conhecimentos válidos cientificamente. Não é de se
como realidade diferenciada na história da consti-
estranhar, nesse sentido, que os dados empiricos,
tuição subjetiva do individuo. Nesse sentido, o
conjuntamente com os métodos "validados" eicntifi-
estudo da singularidade adquire relevância no
camente, assumissem um papel central na pesquisa
contexlodapesquisaqualitaliva.
psicológica marcada pelo positivismo. Mais do que
É a panir desses pressupostos epistemológicos isso: como vários autores têm questionado, o dado,
amplos qu.: podemos situar a pesquisa qualitativa, através de um processo de reificação,tornou-se uma
nãocomoa mera aplicação de certos métodos (como, espécie de entidade desvinculada do processo amplo
por exemplo, a entrevista). mas sim como um estilo dcconslrução do conhecimento, como discutido an-
de investigação comprometido com as rupturas epis- teriormente (Branco e Valsiner, 1997; Valsiner,
temológicas mencionadas anlerionnente. Certamen- 1997; Kindennan e Valsiner, 1989; González Rey,
te,desenvolvcr investigações na psicologia que con- 1997,1999).
templem tais pressupostos epistemológicos implica a A idéia comumentedifundidaentreospesqui-
refonnulação do espaço conCerido :I metodologia, sadores de que "os dados falam por si só" (Valsiner,
bem como do conceito chave de "coleta de dados". 1989,1997)refleteJustamenleesteprocessodereifi-
Primeiramente, a metodologia deixa de ser caçãodo dado empirico, em que o espaço da teoria na
vislacolfloo conjunto de procedimentos que definem construção do conhecimento é reduzido à descrição e
o "como utilizar" os métodos científicos, para ser organização dos dados coletados na pesquisa em-
compn:endida como processo cíclico, dinâmico, que pírica.Outraeonseqüênciadareificaçãodosdados
engloba: as concepçOes de mundo e experiência cmpiricosdizrcspeitoàminimizaçãodopapclativo
inlllitiva do pesquisador, o renômeno, o método, os do pesquisador no processo de construção do conhe-
dados (entendidos como indicadores empíricos) c a cimento, pois suas idéias se tomarão legítimas
teoria (Branco e Valsiner, 1997). Em outros tennos, a apenas no momento em que forem verificadas empi-
metodologia é compreendida como um processo ricamente (González Rcy, 1999).
"(... ) de pensamento orientado cm uma Coerente com uma epistemologia qualitativa,
certa direção de procedimentos de inter- o empirico não é considerado como o momento últi-
mo de legitimação (vcrilkação) de hipóteses rigida- gador do marco epistemológico, teórico e infor-
mente delimitadas, mas sim como um dos momentos mações produzidas no momento empírico (Branco e
da pesquisa quc adquire sentido e relevância a partir Valsiner, 1997; Kinderman e Valsiner, 1989;
de uma perspectiva epistemológica, de um marco Valsiner, 1997).
teórico, das perguntas e questionamentos levantados O tenno "dado empírico", por sua longa histó-
pelo pesquisador. Portanto a produção empírica e ria de associação ao empirismo positivista, toma-se,
teórica se encontram indissociavclmente intcrl igadas ponanto, inadequado nn contexto amplo de fonnula-
(Branco e Valsiner, 1997; Branco e Rocha, 1998; ções de uma epistemologia qualitativa. É justamente
González Rey , 1997, 1998, 1999; Kindennan c para marcar, conceitualmente, a diferença de com-
Valsiner, 1989; Valsiner, 1997). precnsão do papel do empirico na produção de
Conmdo é importante ressaltar que a relação conhecimento científico, que González Rey (1997,
entre o teórico e o empírico nilo é uma relação direta, 1999)propôt otenno: indicadores empíricos. O con-
como afinna González Rey (1999)' ceito de indicadores empiricos aponta para a unidade
°
indissociãvel entre o empirico c teórico, pois é
"A relação entre o empírico e o teó- somente dentro de um contexto teórico que as infor-
rico é implícita, indirela, mediada e, com mações produzidas no momento empírico adquirem
frcqüêneia, contraditória. No momento significação.
empirico são produzidas categorias e ela- É imponante esclarcccr que a epistemologia
boram-se questões que mantêm uma inde- qualitativa de~en\'oJvida por Gonzã\ez Rey (1997,
pendência relativa com o marco teórico 1999) assegura as diferenças ontológicas entre sujei-
geral, questões estas que só gradualmente to e realidade. Tal perspectiva está em sintonia com a
aparecem em tennos da teoria geral, com psicologia histórico-cultural soviética. Quando
freqüência, como extensão daquela, mas Vygo1Sky (1991) concebe a relação entre sujeito c
que, podem converter-SoC, no processo de realidade como uma relação mediada semiolicamen-
desenvolvimento da teoria, em elementos te, ele assegura - mesmo que niío seja explicitado em
que entrem em contradiçilo com alguns de sua obra - as diferenças ontológicas entre ambos.
seus pressupostos gcrais" (pp. 69-70). Cenamente, para esse autor, a linguagem não apre-
senta apenas uma função comunicativa, mas também
A produção teórica, portanto, ocupa um lugar constitutiva. Para Vygotsky, a linguagem constitui
dedestaquenaepistemologiaqualitativa,oquedife- nossa compreensão sobre a realidade e sobre nós
rencia as invcstigações qualitativas fundamentadas mesmos, mas realidade e sujeito psicológico não se
em tal perspectiva epistemológica das investigações esgotam na linguagem.
qualitativas inspiradas nos critérios positivistas A necessidade de garantir a dimensão onlológi-
(González Rey, 1999). A produção empirica, por ex- ea do suj eito e da realidade, aproxima a epistemologia
tensão, passa a ser considerada como um dos vários qualitativa do pensamento eonstrutivista critico:
momentos que con.stituem o processo de construção
do conhecimento. Em tennos metafóricos, pode-se "Mahoney (1991), adolando uma
afinnar que o momento empirico configura-se como postUT'd no construtivismo critico, sustenta
umaespéciedediãlogoentreoinvestigador - media- que sua tendência também pode ser
do por sua intuição, seus pressupostos cpistemoló- denominada de realismo hipotético, ou seja,
gicos e teóricos - e os fcnômenos estudados. Neste tece hipóteses sobre objetos do universo,
sentido, os "dados empiriços" nunca são dados ao embora sustente que não se pode estabelecer
investigador a partir da utilização dos métodos de um conhecimento direto dos mesmos
pesquisa. Ao contrário, os "dados" são sempre eons- Segundo cle, 3 realidade participa cm algum
truidos a partir da integração realizada pelo investi- nivel da construção do sujeito, wna VC'.l que
impõe limitações sobre as mesmas. No quisas cm psicologia, como podc scr obscrvado nas
entanto Pascual-Leone (1995) c Dcval seguintesafirmaçiks:
(1995) reconhecem que, nas perspectivas
dialéticas, cm algwn nível, dcvc-sc conccber "'Apesar da grande diversidade dos
uma ontologia do real, wna vez que sua detalhes de procedimento, virtualmentc
participação no processo do conhecimento todos os experimentos psicológicos
opõe resistências às construções do sujcito" baseiam-se no que chamaremos de uma
(Ncubern, 1999, p.23). estrutura e~tímulo-resposta. Com isso
queremos dizer que, independentemente
Para a epistemologia qualitativa, a relação cn- do processo psicológico em discussão, o
trc o sujeito c o objcto configura-se como dois pólos psicólogo procura confrontara sujeito com
indissociavelmente ligados na produção de conhcci- algum tipo de situação-estímulo planejada
mentos (Gonzãlez Rey, 1997). Disto decorre o valor para influenciá-lo dc uma dctcrminada
do empírico na construção teórica, pois a produção mancirae, então, examinare analisara(s)
dc indicadores empíricos pode representar uma fonte resposta(s) elieiada(s) por aquela situação
de questionamento da própria teoria, bem como indi- estimuladora. ( ... )"(p. 67)
car a ncccssidade de reformulaçãu de alguns de seus
pressupostos "Todos 05 métodos do tipo estimu-
Por outru lado, o papel do investigador na lo-resposta partilham da inadcquabilidade
construção de novos conhecimentos é de suma im- que Engelsattibui à abordagem naruralís-
portância, pois a símplcs observância dus princípios tica da história. Nota-se, em ambos que a
lógicos da dedução e indução não garante, dc forma relação entre comportamento e natureza é
alguma, o carátcr inovador de determinada pesquisa. unidirecionalmentereativa.Entretantoeue
Nesse sentido, Valsiner (1997), coerente com uma meus colaboradores acreditamos que o
perspectiva d~senvolvimental, discute a importância comportamento humano tem aquela 'rca-
dos processos de abdução na ernergência de novos ção transformadora sobre a natureza' que
conhecimentos: Engels atribuiu aos instrumentos. Portanto
tcmos que procurar métodos adequados à
"A dedução constrói o mundo como
nossaconccpção. Conjuntamcnte, como os
deve ser, a induç~o ajuda-nos a revelar
novos métodos, necessitamos de uma nova
como el~ é atualm~me ~ a abdução permi-
estruturaanalitica"(p. 70)
te-nos considerar como ele podcria scr (... )
abdução é, então, a prin\.:ipalligação cntre
A critica de Vygotsky (1991) à estrutura me-
a:; linhas indutivas e dedulÍvas" (p. 68).
todológica do tipo estímulo-resposta, como funda-
mentadaemumaconcepçãodcsujeitounidirecional-
o conceito dc abdução se aproxima do \.:oncei-
mente reativo, foi aprofundada por González Rey
to de sintesedialéticadc Vygotsky, cm que anovida-
(1997, 1991l, 1999). Talestruturamctodológica, tão
de é considerad3 nocuntexto de fiuniliaridade, sendo
comum nas pesquisas psicológicas, apresenta uma
qu~ a novidade nunca se resume à mera soma de ele-
série de implicaç5es:
mentos previamente cunhecidos.
A psicologia histórico-cultural soviética re- • Supervalori7.ação dos instrumentos de pesquisa
presentou um marco tcórico importante nas formula- (obsessão por critérios estatísticos de validação).
ções de González Rey ( 1997) sobre a proposta cpiste- Os instnlmentos tomam-se, praticamente, um fim
mológica qualitativa. Nes~e sentido, Vygotsky em si mesmos, sendo a legitimidade da informa-
(1991), nas décadas dc vintcc trinta do séculoXX,jã ção produ/.ida nO momento empírico diretamentc
qu~stionava a estrutura mctodológica básica das pes- relacionada à sua procedência instrumcntal.
· o instrumento divide radicalmente sujeito e objc- 1999) foi de suma importância na realização do pre-
to do conhecimento, estabelecendo um vinculo sente trabalho.
despersonalizado entre ambos. Ao pesquisador Em poucas palavras, a metodologia, coerente
eabe aplicar o instrumento e ao sujeito estudado, com a proposta epistemológica qualitativa, substitui
responder. Nesse sentido, investigador e sujeito a resposta pela construção, a suposta neutralidade do
invesügados cumprem uma função, rigidamente pesquisador pela participação c a verificação pela
especificada, diante do instrumento. elaboração (González Rey, 1998).
A partir da análise empreendida anterionnente
• São desconsideradas as especificidades do objeto
sobre a construção metodológiea na pesquisa qual ita-
de estudo da psieologia, uu seja, um sujeito inten-
tiva, é possível refletinnos sobre potencialidades e
cional, interativo, consciente, capaz de produzir
limites de um instrumento metodológico especifico:
sentido subjetivo :is suas ações, inclusive à sua
a entrevista.
participação em determinado projeto de pesquisa.
• O excesso de fonnalização que acompanha a apli-
cação dos instrumentos associada à tendência de Aentrevista enquanto recurso metodológico
tais instrumentos em apresentar possibilidades
Tradicionalmente, a entrevista - principalmente
fechadas de resposta representa um empobreci-
a entrevista semi-estrutorada e não-estruturada - tem
mento da qualidade das informações produzidas -
sido considerada pela psicologia como um método de
o que se configura em uma estratégia metodológi -
ca reducionista, se considcramos a complexidade investigação de valor secundário na produção de
conhecimento cientifico (González Rey, 1999;
do fenõmeno humano.
GortLález Rey e Mitiáns, 1989). A entrevista tem sido
Na pesquisa qualitativa, ftmdamentad1 em uma comumcntc associada à prática clínica, como um dos
epistemologia qualitativa, os instrumentos deixam de instrumentos de trabalho do psicólogo, mas nilo como
ser viSIOS como um fnn em si mesmos (instrumentalis- instrumento metodológico válido na produção de
mo positivista) para se tomarem uma ferramenta intcra- conhecimentos (González Rey e Mitjáns, 1989).
tiva entre investigador e sujeito investigado. Em outros Dentro de uma estrutura metodológica marca-
termos, o instrumento deixa dc ser considerado a via de da pelo binômio estimulo-resposta, como foi discuti-
estudo das respostas do sujeito, para englobar os proce- do anterionnente, não é de se estranhar ovalorsecun-
dimentos usados pelo pesquisador para estimular a dário conferido à entrevista na construção do conhe-
expressão e a construção de rdlexõcs pelo sujeito que cimento psicológico, uma vez que as possibilidades
estão além das possibilidades definidas a priori pelos de respostas (ou melhor, construções) do sujeito
instrumentos (GollL.ález Rey, 1999). investigado diante de uma entrevista são muito mais
A proposta dc definição da pesquisa qualitati- amplas que diante de um instrumento fechado como,
va a partir de um referencial epistemológico qualita- por cx:emplo, um questionário com questões "objeti-
tivo e não mais a partir da definição de certos instru- vas". Além disso. a interpretação de uma entrevista
mentos de pesquisa, possibilita um questionamemo pressupõe, por parte do pesquisador, uma atitude
profundo sohre a própria construção metodológica mais flexível em relaçãu à categurilllção das re spos-
em psicologia. Tal proposta epistemológica-teórica tas construidas pelo entrevistado - o que contradiz o
mostra-se bastante pertinente no que se refere à psi- idcal de pesquisa positivista, em que as categorias de
cologia do desenvolvimento, pois suas análises - análise devem ser fechadas e, de preferência, previa-
para serem coerentes com seu ubjeto de estudo - de- mente definidas.
vcm considcrar scriamentc os processos dinâmicos e Outro questionamento em relação aosratus da
complexos de constituição do sujeito psicológico entrevista como instrumento metodológico diz res-
concreto. A análise da proposta de investigação qua- peito à validade das respostas do entrevistado em re-
litativa desenvolvida por González Rey (1997, 1998, lação aos problemas de investigação definidos pelos
Melo, C. S. (1996). Crenças maternas robrede.\e>rvt>lvimerJtoe Prigogine, L (1996). O lim da ciência? Em D. F. Sr.hnitman,
educw,:iio du aiunça em contata de baixa renda Navos paradigmas, cultura esubjeli1:idade (pp. 25-58)
DissertaçãodeMestrado, Universidade&: Brasilia. Bmsilia. Porto Alegrc: Artcs Médicas.

Morin, E. (1990). lntroductivn à lu p.:ns.:e complexe (O. Sall1os, ll. S. (2001). Um discurso sobre as ciênciru.
Matos, Tmd.). Paris: ESF Éditcur Porto: Edições Afrontamento.

Morin, E. (19%). Epistemologia dacomplexidade. Em O. F Valsiner,]. (1989). Human de"'e1opment und culture: 171"
Schoitman, NUVill paradigmas, cultura e subjetividade social nature ofpersonaliry and ;15 5tUdy. Lexington,
(pp. 274-289). Porto Akgre: Arte" Médicas MA: Lcxingtnn Books.

Morin,E.(I999).Porumarefonnadopensamento. Em A Valsiner. J. (1997). Culture and the development of


P~71a-Veja tl F.. P. Nascimento (orgs.), O pensar chi/dren'sactions. (2 nd . cd.). Ncw York: Wiley.
complexo: Edgar Morin e a cri<e da modernidade
Vygotsky. L. S. (1991). A!ormo,'uv svnúl du m"nle: O
(pp. 21-34). Rio de Janeiro: Garamond
desenvolvimento dos processos psicológicos
Neubern, M. S. (1999). Fragmenlos para uma superiori!$. São Paulo: Martins Fontes
cumpreensiio ~vmplaa da t"rupiafami/iar: Diálogos
epistemológicos sobre a sub;eti ..idad" e as emoções no
sistema terapêutico. Oissertação de Me,trado, Rccebidocm 13/07/0/
Uni ..ersidadc dc Brasília, Brasilia Aceito em 25111102