Você está na página 1de 20

Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR IEC 61439-1:2016


ABNT/CB-003
Publicada em 02.05.2017

Conjuntos de manobra e comando de baixa tensão


Parte 1: Regras gerais
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ERRATA 1

Página 141, Figura O.1

Substituir por:

Verificação da elevação de
temperatura 10.10

Verificação baseada em ensaio/derivação Seleção do Verificação baseada em cálculo


método de verficação

O projeto é S S
Verificação por O conjunto é um Verificação por cálculo
coberto por um compartimento
projeto existente derivação 10.10.3 de acordo 10.10.4.2
único até 630A

N N

Seleção da
montagem
representativa Conjunto com S
Verificação por cálculo
10.10.2.2 compartimento de acordo
multiplo até 1 600 A com 10.10.4.3
Montagem única

O conjunto é de Um ensaio único S Método a) verificação do


um projeto único deve ser realizado? conjunto completo
ou modular? com 10.10.2.3.5

N
Modular

Método b) verificação da
O conjunto possui S
unidade funcional separada
unidadades
e do conjunto completo
funcionais
10.10.2.3.6

Método c) verificação das N


unidades funcionais e dos
barramentos separadamente
e do conjunto completo Método a) verificação do
10.10.2.3.7 conjunto completo 10.10.2.3.5

Ref.: ABNT NBR IEC 61439-1:2016/Er1:2017

1
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

NORMA ABNT NBR


BRASILEIRA IEC
61439-1

Primeira edição
16.12.2016
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Conjuntos de manobra e comando de baixa tensão


Parte 1: Regras gerais
Low-voltage switchgear and controlgear assemblies
Part 1: General rules

ICS 29.130.20 ISBN 978-85-07-06745-0

Número de referência
ABNT NBR IEC 61439-1:2016
147 páginas

© IEC 2011 - © ABNT 2016


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

© IEC 2011
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser
reproduzida ou utilizada por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por
escrito da ABNT, único representante da IEC no território brasileiro.

© ABNT 2016
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser
reproduzida ou utilizada por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por
escrito da ABNT.

ABNT
Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar
20031-901 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 3974-2346
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br

ii © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

Sumário Página

Prefácio Nacional.................................................................................................................................x
Introdução...........................................................................................................................................xii
1 Escopo.................................................................................................................................1
2 Referências normativas......................................................................................................2
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

3 Termos e definições............................................................................................................5
4 Símbolos e abreviações...................................................................................................20
5 Características de interface ............................................................................................21
5.1 Generalidades....................................................................................................................21
5.2 Características nominais de tensão................................................................................21
5.2.1 Tensão nominal (Un) (do CONJUNTO)............................................................................21
5.2.2 Tensão nominal de utilização (Ue) (de um circuito de um CONJUNTO)......................21
5.2.3 Tensão nominal de isolamento (Ui) (de um circuito de um CONJUNTO)....................21
5.2.4 Tensão nominal de impulso suportável (Uimp) (do CONJUNTO)..................................21
5.3 Características nominais de corrente ............................................................................21
5.3.1 Corrente nominal do CONJUNTO (InA)............................................................................21
5.3.2 Corrente nominal de um circuito (Inc).............................................................................22
5.3.3 Corrente nominal de pico admissível (Ipk) .....................................................................22
5.3.4 Corrente nominal de curta duração admissível (Icw) (de um circuito do
CONJUNTO) ......................................................................................................................22
5.3.5 Corrente nominal de curto-circuito condicional de um CONJUNTO (Icc)....................22
5.4 Fator de diversidade nominal (RDF)................................................................................22
5.5 Frequência nominal (fn)....................................................................................................23
5.6 Outras características.......................................................................................................23
6 Informações ......................................................................................................................24
6.1 Marcação para identificação dos CONJUNTOS.............................................................24
6.2 Documentação...................................................................................................................24
6.2.1 Informações referentes ao CONJUNTO..........................................................................24
6.2.2 Instruções de manuseio, de instalação, de funcionamento e de manutenção ..........24
6.3 Identificação dos dispositivos e/ou dos componentes.................................................25
7 Condições de serviço.......................................................................................................25
7.1 Condições normais de serviço........................................................................................25
7.1.1 Temperatura do ar ambiente............................................................................................25
7.1.2 Condições de umidade.....................................................................................................26
7.1.3 Grau de poluição...............................................................................................................26
7.1.4 Altitude...............................................................................................................................27
7.2 Condições especiais de serviço......................................................................................27
7.3 Condições durante o transporte, o armazenamento e a instalação.............................28
8 Requisitos de construção................................................................................................28
8.1 Resistência dos materiais e das partes..........................................................................28
8.1.1 Generalidades....................................................................................................................28
8.1.2 Proteção contra a corrosão..............................................................................................28

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados iii


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

8.1.3 Propriedades dos materiais isolantes.............................................................................28


8.1.4 Resistência à radiação ultravioleta.................................................................................29
8.1.5 Resistência mecânica.......................................................................................................29
8.1.6 Dispositivo de içamento...................................................................................................29
8.2 Grau de proteção provido por um invólucro de um CONJUNTO.................................29
8.2.1 Proteção contra os impactos mecânicos.......................................................................29
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

8.2.2 Proteção contra contato com partes vivas, contra a penetração de corpos sólidos
estranhos e água...............................................................................................................29
8.2.3 CONJUNTO com partes removíveis................................................................................30
8.3 Distâncias de isolamento no ar e distâncias de escoamento.......................................30
8.3.1 Generalidades....................................................................................................................30
8.3.2 Distâncias de isolamento no ar.......................................................................................31
8.3.3 Distâncias de escoamento ..............................................................................................31
8.4 Proteção contra choques elétricos.................................................................................32
8.4.1 Generalidades....................................................................................................................32
8.4.2 Proteção básica.................................................................................................................32
8.4.3 Proteção de falta...............................................................................................................33
8.4.4 Proteção por isolação total .............................................................................................36
8.4.5 Limitação da corrente de contato permanente e das cargas elétricas........................37
8.4.6 Condições de funcionamento e manutenção ................................................................37
8.5 Incorporação de dispositivos de manobra e de componentes ...................................39
8.5.1 Partes fixas .......................................................................................................................39
8.5.2 Partes removíveis .............................................................................................................40
8.5.3 Seleção de dispositivos de manobra e de componentes .............................................40
8.5.4 Instalação de dispositivos de manobra e de componentes .........................................40
8.5.5 Acessibilidade ..................................................................................................................41
8.5.6 Barreiras.............................................................................................................................41
8.5.7 Sentido de manobra e indicação de posições de comando.........................................41
8.5.8 Lâmpadas de sinalização e botões de comando ..........................................................41
8.6 Circuitos elétricos internos e conexões ........................................................................41
8.6.1 Circuitos principais...........................................................................................................41
8.6.2 Circuitos auxiliares ..........................................................................................................42
8.6.3 Condutores nus e isolados .............................................................................................42
8.6.4 Seleção e instalação de condutores vivos não protegidos para reduzir a
possibilidade de curtos-circuitos ...................................................................................44
8.6.5 Identificação dos condutores de circuitos principais e auxiliares ..............................44
8.6.6 Identificação do condutor de proteção (PE, PEN) e do condutor neutro (N) dos
circuitos principais ..........................................................................................................44
8.7 Refrigeração .....................................................................................................................44
8.8 Bornes para condutores externos ..................................................................................44
9 Requisitos de desempenho .............................................................................................46
9.1 Propriedades dielétricas...................................................................................................46
9.1.1 Generalidades ...................................................................................................................46

iv © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

9.1.2 Tensão suportável à frequência industrial ....................................................................46


9.1.3 Tensão de impulso suportável ........................................................................................46
9.1.4 Proteção de dispositivos de proteção contra surto .....................................................47
9.2 Limites de elevação de temperatura ..............................................................................47
9.3 Proteção contra os curtos-circuitos e suportabilidade aos curtos-circuitos.............48
9.3.1 Generalidades....................................................................................................................48
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

9.3.2 Informações relativas à corrente suportável de curto-circuito ...................................48


9.3.3 Relação entre corrente de pico e corrente de curta duração ......................................49
9.3.4 Coordenação dos dispositivos de proteção ..................................................................49
9.4 Compatibilidade eletromagnética (EMC) .......................................................................49
10 Verificação de projeto ......................................................................................................49
10.1 Generalidades ...................................................................................................................49
10.2 Resistência dos materiais e das partes..........................................................................51
10.2.1 Generalidades ...................................................................................................................51
10.2.2 Resistência à corrosão ....................................................................................................51
10.2.3 Propriedades de materiais isolantes ..............................................................................53
10.2.4 Resistência à radiação ultravioleta (UV) ........................................................................54
10.2.5 Içamento ............................................................................................................................55
10.2.6 Impacto mecânico ............................................................................................................55
10.2.7 Marcações .........................................................................................................................55
10.3 Grau de proteção dos CONJUNTOS ...............................................................................55
10.4 Distâncias de isolamento no ar e distâncias de escoamento ......................................56
10.5 Proteção contra choque elétrico e integridade dos circuitos de proteção ................56
10.5.1 Eficácia do circuito de proteção .....................................................................................56
10.5.2 Continuidade efetiva do circuito de aterramento entre as partes condutivas
expostas do CONJUNTO e o circuito de proteção ........................................................56
10.5.3 Suportabilidade aos curtos-circuitos do circuito de proteção ....................................57
10.6 Integração dos dispositivos de manobra e dos componentes ....................................57
10.6.1 Generalidades ...................................................................................................................57
10.6.2 Compatibilidade eletromagnética ...................................................................................57
10.7 Circuitos elétricos internos e conexões.........................................................................58
10.8 Bornes para condutores externos ..................................................................................58
10.9 Propriedades dielétricas ..................................................................................................58
10.9.1 Generalidades ...................................................................................................................58
10.9.2 Tensão suportável à frequência industrial ....................................................................58
10.9.3 Tensão de impulso suportável.........................................................................................59
10.9.4 Ensaios dos invólucros em material isolante ...............................................................61
10.9.5 Manoplas de manobra externa em material isolante.....................................................61
10.10 Verificação da elevação de temperatura ........................................................................61
10.10.1 Generalidades ...................................................................................................................61
10.10.2 Verificação por ensaio .....................................................................................................61
10.10.3 Derivação das características nominais para as variantes similares..........................68
10.10.4 Avaliação da verificação ..................................................................................................70

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados v


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

10.11 Suportabilidade aos curtos-circuitos .............................................................................73


10.11.1 Generalidades ...................................................................................................................73
10.11.2 Circuitos dos CONJUNTOS que estejam isentos da verificação da suportabilidade
aos curtos-circuitos .........................................................................................................74
10.11.3 Verificação pela comparação com um projeto de referência – Utilização de uma lista
de verificação....................................................................................................................74
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

10.11.4 Verificação por comparação com um projeto de referência – Utilização de cálculos....


74
10.11.5 Verificação por ensaio .....................................................................................................74
10.12 Compatibilidade eletromagnética (EMC) .......................................................................80
10.13 Funcionamento mecânico ...............................................................................................80
11 Verificação de rotina ........................................................................................................80
11.1 Generalidades ...................................................................................................................80
11.2 Grau de proteção de invólucros .....................................................................................81
11.3 Distâncias de isolamento no ar e distâncias de escoamento ......................................81
11.4 Proteção contra choques elétricos e integridade dos circuitos de proteção ............82
11.5 Integração de componentes incorporados ....................................................................82
11.6 Circuitos elétricos internos e conexões ........................................................................82
11.7 Bornes para condutores externos ..................................................................................82
11.8 Funcionamento mecânico ...............................................................................................82
11.9 Propriedades dielétricas ..................................................................................................82
11.10 Cabeamento, desempenho de funcionamento e função ..............................................83
Anexo A (normativo) Seção mínima e máxima de condutores de cobre adequadas para
conexão aos bornes para condutores externos (ver 8.8)..............................................93
Anexo B (normativo) Método de cálculo da seção de condutores de proteção com relação aos
esforços térmicos causados pelas correntes de curta duração..................................94
Anexo C (informativo) Modelo de informação do usuário...............................................................95
Anexo D (informativo) Verificação de projeto.................................................................................101
Anexo E (informativo) Fator de diversidade nominal ....................................................................103
E.1 Generalidades..................................................................................................................103
E.2 Fator de diversidade nominal de um CONJUNTO .......................................................103
E.3 Fator de diversidade nominal de um grupo de circuitos de saída ............................103
E.4 Fator de diversidade nominal e serviço intermitente ................................................. 110
Anexo F (normativo) Medição das distâncias de isolamento no ar e distâncias
de escoamento................................................................................................................ 112
F.1 Princípios básicos .......................................................................................................... 112
F.2 Uso de nervuras ............................................................................................................. 112
Anexo G (normativo) Correspondência entre a tensão nominal do sistema de alimentação
e a tensão suportável nominal de impulso do equipamento...................................... 117
Anexo H (informativo) Corrente admissível e potência dissipada dos condutores em cobre... 119
Anexo I (Vago)...................................................................................................................................121
Anexo J (normativo) Compatibilidade eletromagnética (EMC).....................................................122
J.1 Generalidades..................................................................................................................122

vi © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

J.2 Termos e definições .......................................................................................................122


J.9.4 Requisitos de desempenho ...........................................................................................123
J.9.4.1 Generalidades .................................................................................................................123
J.9.4.2 Requisito de ensaio .......................................................................................................124
J.9.4.3 Imunidade .......................................................................................................................124
J.9.4.4 Emissão ...........................................................................................................................124
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

J.10.12 Ensaios para EMC ..........................................................................................................125


J.10.12.1 Ensaios de imunidade....................................................................................................125
Anexo K (normativo) Proteção por separação elétrica..................................................................129
K.1 Generalidades .................................................................................................................129
K.2 Separação elétrica ..........................................................................................................129
K.2.1 Generalidades..................................................................................................................129
K.2.2 Fonte de alimentação .....................................................................................................129
K.2.3 Seleção e instalação de fonte de alimentação.............................................................130
K.2.3.1 Tensão .............................................................................................................................130
K.2.3.2 Instalação ........................................................................................................................130
K.2.4 Alimentação de um único dispositivo ..........................................................................130
K.2.5 Alimentação de mais de um dispositivo ......................................................................130
K.3 Equipamento de classe II ou isolação equivalente .....................................................131
Anexo L (informativo) Distâncias de isolamento no ar e de escoamento para a América do
Norte.................................................................................................................................132
Anexo M (informativo) Limites de elevação de temperatura para a América do Norte...............133
Anexo N (normativo) Corrente admissível e potência dissipada nas barras em cobre nu........134
Anexo O (informativo) Diretrizes para a verificação da elevação da temperatura......................137
O.1 Generalidades..................................................................................................................137
O.2 Limites da elevação de temperatura.............................................................................137
O.3 Ensaio...............................................................................................................................138
O.3.1 Generalidades..................................................................................................................138
O.3.2 Método a) verificação do CONJUNTO completo (ver 10.10.2.3.5)..............................138
O.3.3 Método b) – Verificação separada de cada unidade funcional individual e do
CONJUNTO completo (ver 10.10.2.3.6) ........................................................................139
O.3.4 Método c) – Verificação separada de cada unidade funcional individual, do
barramento principal, do barramento de distribuição e do CONJUNTO completo
(ver 10.10.2.3.7) ...............................................................................................................139
O.4 Cálculo.............................................................................................................................140
O.4.1 Generalidades..................................................................................................................140
O.4.2 CONJUNTO de um único compartimento com corrente nominal não excedendo 630
A........................................................................................................................................140
O.4.3 CONJUNTO com correntes nominais não excedendo 1 600 A ..................................140
O.5 Regras de projeto ...........................................................................................................140
Anexo P (normativo) Verificação por cálculo da suportabilidade aos curtos-circuitos das
estruturas dos barramentos por comparação com um projeto
de referência ensaiado...................................................................................................142

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados vii


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

P.1 Generalidades..................................................................................................................142
P.2 Termos e definições........................................................................................................142
P.3 Método de verificação.....................................................................................................143
P.4 Condições de aplicação.................................................................................................144
P.4.1 Geral.................................................................................................................................144
P.4.2 Corrente de curto-circuito de pico................................................................................144
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

P.4.3 Esforços térmicos em curto-circuito.............................................................................144


P.4.4 Suportes dos barramentos.............................................................................................144
P.4.5 Conexões dos barramentos, conexões dos equipamentos........................................144
P.4.6 Configurações de barramentos angulares...................................................................144
P.4.7 Cálculos com consideração especial de oscilação dos condutores ........................145
Bibliografia........................................................................................................................................146

Figuras
Figura E.2 – Exemplo 1: Tabela E.1 – Carga de uma unidade funcional para
um CONJUNTO com um fator de diversidade nominal de 0,8....................................106
Figura E.3 – Exemplo 2: Tabela E.1 – Carga de uma unidade funcional para
um CONJUNTO com um fator de diversidade nominal de 0,8....................................107
Figura E.4 – Exemplo 3: Tabela E.1 – Carga de uma unidade funcional para
um CONJUNTO com um fator de diversidade nominal de 0,8....................................108
Figura E.5 – Exemplo 4: Tabela E.1 – Carga de uma unidade funcional para
um CONJUNTO com um fator de diversidade nominal de 0,8....................................109
Figura E.6 – Exemplo de cálculo do efeito térmico médio........................................................... 110
Figura E.7 – Exemplo gráfico para a relação entre o RDF equivalente e os parâmetros
em serviço intermitente a t1 = 0,5 s, I1 = 7*I2 para diferentes durações de ciclos.... 111
Figura E.8 – E xemplo gráfico para a relação entre o RDF equivalente e os parâmetros
em serviço intermitente a I1 = I2 (sem sobrecorrente de partida)............................... 111
Figura F.1 – Medição das nervuras................................................................................................. 116
Figura O.1 – Método de verificação de elevação de temperatura...............................................141
Figura P.1 – Estrutura de barramento verificada por ensaio (EE)...............................................142
Figura P.2 – Estrutura de barramento que não é verificada por ensaio (ENE)...........................143
Figura P.3 – Configuração de barramento angular com suportes nos cantos...........................145

Tabelas
Tabela 1 – Distâncias mínimas de isolamento no ar a (ver 8.3.2)..................................................83
Tabela 2 – Distâncias mínimas de escoamento (ver 8.3.3).............................................................84
Tabela 3 – Seção de condutor de proteção de cobre (ver 8.4.3.2.2)..............................................85
Tabela 4 – Requisitos para seleção e instalação de condutor (ver 8.6.4).....................................85
Tabela 5 – Capacidade mínima dos bornes para os condutores de proteção de cobre
(PE, PEN) (ver 8.8)............................................................................................................86
Tabela 6 – Limites de elevação de temperatura (ver 9.2)................................................................86
Tabela 7 – Valores para o fator n a (ver 9.3.3)..................................................................................88

viii © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

Tabela 8 – Tensão suportável à frequência industrial para circuitos principais (ver 10.9.2)......88
Tabela 9 – Tensão suportável de frequência industrial para circuitos auxiliares
e de comando (ver 10.9.2)................................................................................................88
Tabela 10 – Tensões de ensaio de impulso suportável (ver 10.9.3) .............................................89
Tabela 11 – Condutores de ensaio de cobre para correntes nominais até 400 A inclusive
(ver 10.10.2.3.2)..................................................................................................................89
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Tabela 12 – Condutores de ensaio de cobre para correntes nominais de 400 A até


4.000 A (ver 10.10.2.3.2)....................................................................................................90
Tabela 13 – Verificação de curto-circuito por comparação com um projeto de referência:
lista de verificação (ver 10.5.3.3, 10.11.3 e 10.11.4)........................................................91
Tabela 14 – Relação entre corrente de fuga presumida e diâmetro do fio de cobre...................92
Tabela A.1 ‒ Seções adequadas de condutores de cobre para a conexão aos bornes para
condutores externos.........................................................................................................93
Tabela B.1 ‒ Valores de k para condutores de proteção isolados não incorporados em cabos,
ou condutores de proteção nus em contato com o revestimento do cabo.................94
Tabela C.1 ‒ Modelo...........................................................................................................................95
Tabela D.1 ‒ Lista das verificações de projeto a realizar.............................................................101
Figura E.1 ‒ CONJUNTO típico.......................................................................................................104
Tabela E.1 ‒ Exemplos de cargas para um CONJUNTO com um fator de diversidade
nominal 0,8.......................................................................................................................105
Tabela E.2 – Exemplo de carga de um grupo de circuitos (Coluna B – Figura E.1)
com um fator de diversidade nominal de 0,9...............................................................109
Tabela E.3 – Exemplo de carga de um grupo de circuitos (Quadro de subdistribuição –
Figura E.1) com um fator de diversidade nominal de 0,9............................................ 110
Tabela F.1 – Largura mínima de ranhuras...................................................................................... 112
Tabela G.1 – Correspondência entre a tensão nominal do sistema de alimentação e a tensão
nominal de impulso
suportável do equipamento........................................................................................... 118
Tabela H.1 – Corrente admissível e potência dissipada dos cabos de cobre unipolares com
uma temperatura admissível do condutor de 70 °C (temperatura ambiente no
interior do CONJUNTO: 55 °C)....................................................................................... 119
Tabela H.2 – Fator de redução k1 para os cabos com uma temperatura admissível do condutor
de 70 °C (removido da IEC 60364-5-52:2009, Tabela B.52-14).....................................120
Tabela J.1 ― Ensaios de imunidade de EMC para Ambiente A
(ver J.10.12.1)...................................................................................................................126
Tabela J.2 – Ensaios de imunidade de EMC para Ambiente B
(ver J.10.12.1)...................................................................................................................127
Tabela J.3 – Critério de aceitação na presença de perturbações eletromagnéticas.................128
Tabela K.1 – Tempos de interrupção máximos para esquema TN...............................................131
Tabela L.1 – Distâncias de isolamento no ar mínimas no ar........................................................132
Tabela L.2 – Distâncias de escoamento mínimas ........................................................................132
Tabela M.1 ‒ Limites de elevação de temperatura na América do Norte....................................133
Tabela N.2 – Fator k4 para diferentes temperaturas do ar no interior do CONJUNTO
e/ou para os condutores.................................................................................................136

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados ix


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

Prefácio Nacional

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas


Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos
de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), são
elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas pelas partes interessadas no tema objeto da
normalização.
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras da Diretiva ABNT, Parte 2.

A ABNT chama a atenção para que, apesar de ter sido solicitada manifestação sobre eventuais direitos
de patentes durante a Consulta Nacional, estes podem ocorrer e devem ser comunicados à ABNT a
qualquer momento (Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996).

Ressalta-se que Normas Brasileiras podem ser objeto de citação em Regulamentos Técnicos. Nestes
casos, os Órgãos responsáveis pelos Regulamentos Técnicos podem determinar outras datas para
exigência dos requisitos desta Norma.

A ABNT NBR IEC 61439-1 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Eletricidade (ABNT/CB-003), pela
Comissão de Estudo de Conjuntos de Manobra e Comando de Baixa Tensão (CE-003:121.002).
O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 09, de 14.09.2016 a 13.10.2016.

Esta Norma é uma adoção idêntica, em conteúdo técnico, estrutura e redação, à IEC  61439-1:2011,
Ed 2.0, que foi elaborada pelo Technical Committee Switchgear and Controlgear (IEC/TC 17),
Subcommittee Low-voltage Switchgear and Controlgear Assemblies for (SC 17D), conforme
ISO/IEC Guide 21-1:2005.

A fim de permitir aos usuários da ABNT NBR IEC 60439-1  tempo  para adequação e atendimento
aos  requisitos  da ABNT NBR IEC 61439 (partes 1 e 2), é previsto que a ABNT NBR IEC 60439-1
permaneça válida por um prazo de 60 meses a partir da publicação da ABNT NBR IEC 61439 (partes 1
e 2). Isto não significa, entretanto, impedimento à adequação e atendimento a estas Normas Brasileiras
por quaisquer partes interessadas que se sintam aptas a utilizá-las a qualquer momento durante este
período.

Neste ínterim, a ABNT NBR IEC 60439-1 continuará válida pelo prazo acima mencionado.

A ABNT NBR IEC 61439, sob o título geral “Conjuntos de manobra e comando de baixa tensão”, tem
previsão de conter as seguintes partes:

—— Parte 1: Regras gerais

—— Parte 2: CONJUNTOS de manobra e comando de potência

—— Parte 3: Quadros de distribuição

—— Parte 4: CONJUNTOS para canteiro de obra

—— Parte 5: CONJUNTOS para distribuição de energia elétrica

—— Parte 6: Linhas elétricas pré-fabricadas

O Escopo desta Norma Brasileira em inglês é o seguinte:

x © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

Scope
NOTE 1 Throughout this Standard, the term ASSEMBLY (see 3.1.1) is used for a low-voltage switchgear
and controlgear assembly.

This Part of ABNT NBR IEC  61439 lays down the definitions and states the service conditions,
construction requirements, technical characteristics and verification requirements for low-voltage
switchgear and controlgear assemblies.
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

This Standard cannot de used alone to specify an ASSEMBLY or used for a purpose of determining
conformity. ASSEMBLIES shall comply with the relevant part of the IEC 61439 series; Parts 2 onwards.

This Standard applies to low-voltage switchgear and controlgear assemblies (ASSEMBLIES) only
when required by the relevant ASSEMBLY standard as follows:

—— ASSEMBLIES for which the rated voltage does not exceed 1 000 V in case of a.c. or 1 500 V in
case of d.c.;

—— stationary or movable ASSEMBLIES with or without enclosure;

—— ASSEMBLIES intended for use in connection with the generation, transmission, distribution and
conversion of electric energy, and for the control of electric energy consuming equipment;

—— ASSEMBLIES designed for use under special service conditions, for example in ships and in rail
vehicles, provided that the other relevant specific requirements are complied with;

NOTE 2 Supplementary requirements for ASSEMBLIES in ships are covered by IEC 60092-302.

—— ASSEMBLIES designed for electrical equipment of machines provided that the other relevant
specific requirements are complied with.

NOTE 3 Supplementary requirements for ASSEMBLIES forming part of a machine are covered by the
IEC 60204 series.

This Standard applies to all ASSEMBLIES whether they are designed, manufactured and verified on a
one-off basis or fully standardised and manufactured in quantity.

The manufacture and/or assembly may be carried out other than by the original manufacturer (see
3.10.1).

This Standard does not apply to individual devices and self-contained components, such as motor
starters, fuse switches, electronic equipment, etc. which will comply with the relevant product standards

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados xi


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

Introdução

O objetivo desta Norma é harmonizar, tanto quanto possível, como praticável, todas as regras e o
requisitos de natureza geral aplicáveis aos conjuntos de dipositivos de baixa tensão (CONJUNTOS)
para obter a uniformidade dos requisitos e a de verificação para os conjuntos e para evitar qualquer
verificação necessária de acordo com outras normas. Todos os requisitos relativos às diferentes normas
aplicáveis aos CONJUNTOS que podem ser consideradas de ordem geral foram substituídos nesta
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Norma de base com os temas específicos de grande interesse e aplicação, por exemplo, elevação
de temperatura, propriedades dielétricas etc.

Para cada tipo de conjunto de manobra e comando de baixa tensão somente duas normas principais são
necessárias para determinar todos os requisitos e todos os métodos correspondentes de verificação:

—— esta Norma de base designada como Parte 1 nas normas específicas cobre os diferentes tipos
de conjuntos de manobra e comando de baixa tensão;

—— a norma específica aplicável a um CONJUNTO é referenciada também como norma pertinente


do CONJUNTO.

Para que uma regra geral seja aplicável a uma norma de CONJUNTOS específica, é conveniente que
ela seja citada explicitamente indicando o número da seção pertinente ou da subseção correspondente
a esta Norma com a denominação “Parte 1”, por exemplo, “9.1.3 da Parte 1”.

Uma norma de CONJUNTO específica pode não exigir e por isto não mencionar na regra geral quando
esta regra não é aplicável ou ela pode adicionar os requisitos se a regra geral é considerada como
inapropriada no caso específico tratado, mas ela não pode introduzir divergências salvo se uma
justificativa técnica importante é indicada nas normas de CONJUNTOS específicas.

Quando nesta Norma for feita referência à outra seção, esta referência deve ser aplicada para a seção
considerada, que modifica a norma do CONJUNTO específica, onde aplicável.

Os requisitos desta Norma que são sujeitos a um acordo entre o montador do CONJUNTO e o usuário
são enumerados no Anexo C (informativo). Esta lista também facilita o fornecimento das informações
sobre as condições básicas e as especificações adicionais do usuário a fim de proporcionar o projeto,
aplicação e utilização adequados de um CONJUNTO.

Para a nova série reestruturada da IEC 61439, as seguintes partes são previstas:

 a) IEC 61439-1: Regras gerais

 b) IEC 61439-2: CONJUNTOS de manobra e comando de potência (CONJUNTOS MCP)

 c) IEC 61439-3: Quadros de distribuição (substitui a IEC 60439-3)

 d) IEC 61439-4: CONJUNTOS para canteiro de obra (substitui a IEC 60439-4)

 e) IEC 61439-5: CONJUNTOS para distribuição de energia elétrica (substitui a IEC 60439-5)

 f) IEC 61439-6: Linhas elétricas pré-fabricadas (substitui a IEC 60439-2)

 g) IEC/TR 61439-0: Guia para especificação dos CONJUNTOS.

Esta lista não é exaustiva; as partes adicionais podem ser elaboradas em função das necessidades.

xii © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR IEC 61439-1:2016

Conjuntos de manobra e comando de baixa tensão


Parte 1: Regras gerais

1 Escopo
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

NOTA 1 Ao longo desta Norma, o termo CONJUNTO (ver 3.1.1) é utilizado para designar conjunto
de manobra e comando de baixa tensão.

Esta Parte da série ABNT NBR IEC 61439 estabelece definições e indica as condições de utilização,
requisitos de construção, características técnicas e requisitos de verificação para conjuntos
de manobra e comando de baixa tensão.

Esta Norma não está apta a ser utilizada de maneira isolada para especificar um CONJUNTO ou a
fim de estabelecer a conformidade. Os CONJUNTOS devem estar de acordo com a parte aplicável da
série ABNT NBR IEC 61439, a partir da Parte 2.

Esta Norma se aplica aos conjuntos de manobra e comando de baixa tensão (CONJUNTOS) somente
quando requerido pela norma do CONJUNTO pertinente, conforme a seguir:

—— CONJUNTOS em que a tensão nominal não exceda 1 000 V em corrente alternada, ou 1 500 V
em corrente contínua;

—— CONJUNTOS fixos ou móveis, com ou sem invólucro;

—— CONJUNTOS destinados para utilização com os equipamentos projetados para a geração,


transmissão, distribuição e conversão de energia elétrica, e para o comando dos equipamentos
que consomem energia elétrica;

—— CONJUNTOS projetados para utilização nas condições de serviços especiais de utilização, como
por exemplo, em navios e em veículos ferroviários, na condição que outros requisitos específicos
pertinentes sejam respeitados;

NOTA 2 Os requisitos suplementares para CONJUNTOS em navios são tratados na IEC 60092-302.

—— CONJUNTOS projetados para equipamento elétrico das máquinas desde que os outros requisitos
específicos correspondentes sejam respeitados.

NOTA 3 Os requisitos suplementares para CONJUNTOS fazendo parte de uma máquina são tratados
na série IEC 60204.

Esta Norma se aplica a todos os CONJUNTOS que são projetados, fabricados e verificados por
unidade ou que constituem um modelo-tipo que seja totalmente ensaiado e fabricado em quantidade.

A fabricação e/ou montagem pode ser realizada por terceiros que não sejam o fabricante original
(ver 3.10.1).

Esta Norma não se aplica a dispositivos individuais e a componentes independentes como chaves
de partida de motores, fusíveis-interruptores, equipamentos eletrônicos etc., que são conforme
as normas dos produtos pertinentes.

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados 1


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

2 Referências normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para refe-
rências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se
as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas).

IEC 60068-2-2:2007, Environmental testing – Part 2-2: Tests – Test B: Dry heat


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

IEC 60068-2-11:1981, Basic environmental testing procedures – Part 2-11: Tests – Test Ka: Salt mist

ABNT NBR IEC 60068-2-30:2006, Ensaios climáticos – Parte 2-30: Ensaios – Ensaio Db: Calor úmido,
Cíclico (ciclo de 12 h + 12 h)

IEC 60073:2002, Basic and safety principles for man-machine interface, marking and identification –
Coding principles for indicators and actuators

ABNT NBR IEC 60085:2012, Isolação elétrica – Avaliação térmica e designação

IEC 60216 (all parts), Electrical insulating materials – Properties of thermal endurance

IEC 60227-3:1993, Polyvinyl chloride insulated cables of rated voltages up to and including 450/750 V
Part 3: Non-sheathed cables for fixed wiring

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição 2.1 consolidada (1997) que compreende a IEC 60227-3 (1993)
e sua emenda 1 (1997).

IEC 60245-3:1994, Rubber insulated cables – Rated voltages up to and including 450/750 V – Part 3:
Heat resistant silicone insulated cables

IEC 60245-4:1994, Rubber insulated cables – Rated voltages up to and including 450/750 V – Part 4:
Cords and flexible cables

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição 3.0 (2011).

IEC 60364 (all parts), Low-voltage electrical installations

IEC 60364-4-41:2005, Low-voltage electrical installations – Part 4-41: Protection for safety – Protection
against electric shock

IEC 60364-4-44:2007, Low-voltage electrical installations – Part 4-44: Protection for safety – Protection
against voltage disturbances and electromagnetic disturbances

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição 2.1 consolidada (2015) que compreende a IEC 60364-4-44 (2007)
e sua emenda 1 (2015).

IEC  60364-5-52:2009, Low-voltage electrical installations – Part 5-52: Selection and erection
of electrical equipment – Wiring systems

IEC 60364-5-53:2001, Electrical installations of buildings – Part 5-53: Selection and erection of electrical
equipment – Isolation, switching and control

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição 2.1 consolidada (2015) que compreende a IEC 60364-5-53 (2001)
e sua emenda 1 (2002) e sua emenda 2 (2015).

2 © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

IEC  60364-5-54:2011, Low-voltage electrical installations – Part 5-54: Selection and erection
of electrical equipment – Earthing arrangements and protective conductors

IEC 60439 (all parts), Low-voltage switchgear and controlgear assemblies

NOTA BRASILEIRA A série IEC 60439 foi cancelada.


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

IEC 60445:2010, Basic and safety principles for man-machine interface, marking and identification –
Identification of equipment bornes conductor terminations and conductors

IEC 60447:2004, Basic and safety principles for man-machine interface, marking and identification –
Actuating principles

ABNT NBR IEC 60529:2009, Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos (código IP)

IEC 60664-1:2007, Insulation coordination for equipment within low-voltage systems – Part 1: Principles,
requirements and tests

IEC 60695-2-10:2000, Fire hazard testing – Part 2-10: Glowing/hot-wire based test methods – Glow-wire
apparatus and common test procedure

NOTA BRASILEIRA A ABNT NBR IEC 60695-2-10:2015 é idêntica a IEC 60695-2-10:2013.

IEC 60695-2-11:2000, Fire hazard testing – Part 2-11: Glowing/hot-wire based test methods – Glow-wire
flammability test method for end-products

NOTA BRASILEIRA A ABNT NBR IEC 60695-2-11:2016 é idêntica a IEC 60695-2-11:2014.

ABNT NBR IEC 60695-11-5:2006, Ensaios relativos ao risco de fogo – Parte 11-5: Ensaio de chama –
Método de ensaio de chama de agulha – Aparelhagem, dispositivo de ensaio de verificação e diretrizes

IEC 60865-1:1993, Short-circuit currents – Calculation of effects – Part 1: Definitions and calculation
methods

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição 3.0 (2011).

IEC 60890:1987, A method of temperature-rise assessment by extrapolation for partially type-tested


assemblies (PTTA) of low-voltage switchgear and controlgear

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição 2.0 (2014).

IEC 60947-1:2007, Low-voltage switchgear and controgear – Part 1: General rules

NOTA BRASILEIRA A ABNT NBR IEC 60947-1:2013 é idêntica a IEC 60947-1:2011.

IEC  61000-4-2:2013, Compatibilidade eletromagnética (EMC) – Parte 4-2: Ensaios e técnicas


de medição – Ensaio de imunidade de descarga eletrostática

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados 3


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

IEC 61000-4-3:2006, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-3: Testing and measurement


techniques – Radiated, radio frequency, electromagnetic field immunity test1

NOTA BRASILEIRA A ABNT NBR IEC 61000-4-3:2014 é idêntica a IEC 61000-4-3:2010.

IEC  61000-4-4:2004, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-4: Testing and measurement
techniques – Electrical fast transient/burst immunity test
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

NOTA BRASILEIRA A ABNT NBR IEC 61000-4-4;2015 é idêntica a IEC 61000-4-4:2012.

IEC 61000-4-5:2005, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-5: Testing and measurement


techniques – Surge immunity test

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição 3.0 (2014).

ABNT NBR IEC  61000-4-6:2011, Compatibilidade eletromagnética (EMC) – Parte 4-6: Técnicas
de medição e ensaio – Imunidade à perturbação conduzida, induzida por campos de radiofrequência

IEC  61000-4-8:2009, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-8: Testing and measurement
techniques – Power frequency magnetic field immunity test

IEC  61000-4-11:2004, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-11: Testing and measurement
techniques – Voltage dips, short interruptions and voltage variations immunity tests

IEC  61000-4-13:2002, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-13: Testing and measurement
techniques – Harmonics and interharmonics including mains signalling at a.c. power port, low-frequency
immunity tests 2

IEC 61000-6-4:2006, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 6-4: Generic standards – Emission


standard for industrial environments 3

IEC 61082-1, Preparation of documents used in electrotechnology – Part 1: Rules

IEC 61180 (all parts), High-voltage test techniques for low-voltage equipment

IEC/TS 61201:2007, Use of conventional touch voltage limits – Application guide

IEC 61439 (all parts), Low-voltage switchgear and controlgear assemblies

ABNT NBR IEC 62208, Invólucros vazios destinados a conjunto de manobra e controle de baixa
tensão – Requisitos gerais

ABNT NBR IEC 62262, Graus de proteção assegurados pelos invólucros de equipamentos elétricos
contra os impactos mecânicos externos (código IK)

1 Existe uma edição consolidada 3.2 (2010) que inclui a IEC 61000-4-3 (2006), a emenda 1 (2007) e a
emenda 2 (2010).
2 Existe uma edição 1.1 consolidada (2009) que compreende a IEC 61000-4-13 (2002) e sua emenda 1 (2009).
3 Existe uma edição 2.1 consolidada (2011) que compreende a IEC 61000-6-4 (2006) e sua emenda 1 (2010).

4 © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

IEC 81346-1, Industrial systems, installations and equipment and industrial Structuring principles and
reference designations – Part 1: Basic rules

IEC 81346-2, Industrial systems, installations and equipment and industrial products – Structuring
principles and reference designations – Part 2: Classification of objects and codes for classes

ABNT NBR IEC/CISPR 11:2012, Equipamentos industriais, científicos e médicos – Características das
perturbações de radiofrequência – Limites e métodos de medição
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC/CISPR 22:2013, Equipamento de tecnologia da informação – Características


de radioperturbação – Limites e métodos de medição

ISO 178:2001, Plastics – Determination of flexural properties

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição ISO 178 (2010) e sua emenda 1 (2013).

ISO 179 (all parts), Plastics – Determination of Charpy impact strength

ISO 2409:2007, Paints and varnishes – Cross-cut test

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição ISO 2409 (2013) e sua emenda 1 (2013).

ABNT NBR ISO 4628-3 :2015, Tintas e vernizes – Avaliação da degradação de revestimento –
Designação da quantidade e tamanho dos defeitos e da intensidade de mudanças uniformes
na aparência – Parte 3: Avaliação do grau de enferrujamento

ISO 4892-2:2006, Plastics – Methods of exposure to laboratory light sources – Part 2: Xenon-arc lamps

NOTA BRASILEIRA Existe uma edição ISO 4892-2 (2013).

3 Termos e definições
Para os efeitos deste documento, aplicam-se os seguintes termos e definições.

3.1 Termos gerais

3.1.1
conjunto de manobra e comando de baixa tensão
CONJUNTO
combinação de um ou mais dispositivos e equipamentos de manobra, comando, medição, sinalização,
proteção, regulação, em baixa tensão, completamente montados, com todas as interconexões internas
elétricas e mecânicas e partes estruturais

3.1.2
sistema do CONJUNTO
gama completa de componentes elétricos e mecânicos (invólucros, barramentos, unidades funcionais
etc.), conforme definido pelo fabricante original, que podem ser montados de acordo com as instruções
do fabricante original para produzir diferentes CONJUNTOS

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados 5


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

3.1.3
circuito principal (de um CONJUNTO)
todas as partes condutoras de um CONJUNTO incluídas em um circuito que é destinado para transmitir
energia elétrica

[IEC 60050-441:1984, 441-13-02]

3.1.4
Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

circuito auxiliar (de um CONJUNTO)


todas as partes condutoras de um CONJUNTO incluídas em um circuito (exceto o circuito principal)
destinado a comandar, medir, sinalizar, regular, processar dados etc.

NOTA Os circuitos auxiliares de um CONJUNTO incluem os circuitos de comando e auxiliares


dos dispositivos de manobra.

[IEC 60050-441:1984, 441-13-03, modificada]

3.1.5
barramento
condutor de baixa impedância ao qual podem ser conectados, separadamente, vários circuitos elétricos

NOTA O termo “barramento” não pressupõe forma geométrica, tamanho ou dimensões do condutor.

3.1.6
barramento principal
barramento no qual podem ser conectados um ou vários barramentos de distribuição e/ou unidades
de entrada e de saída

3.1.7
barramento de distribuição
barramento no interior de uma coluna que é conectado a um barramento principal e a partir do qual
são alimentadas unidades de saída

NOTA Os condutores conectados entre a unidade funcional e o barramento de distribuição não são
considerados como parte integrante dos barramentos de distribuição

3.1.8
unidade funcional
parte de um CONJUNTO compreendendo todos os elementos elétricos e mecânicos, incluindo
os dispositivos de manobra que contribuem para execução de uma mesma função

NOTA Condutores que são conectados a uma unidade funcional mas que são externos ao seu
compartimento ou espaço protegido fechado (por exemplo, cabos auxiliares conectados a um compartimento
comum) não são considerados como fazendo parte da unidade funcional.

3.1.9
unidade de entrada
unidade funcional por meio da qual a energia elétrica é normalmente fornecida para o CONJUNTO

3.1.10
unidade de saída
unidade funcional por meio da qual a energia elétrica é normalmente fornecida para um ou mais
circuitos externos

6 © IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

ABNT NBR IEC 61439-1:2016

3.1.11
dispositivo de proteção contra curtos-circuitos DPCC
dispositivo destinado a proteger um circuito ou as partes de um circuito contra as correntes
de curto-circuito por sua interrupção

[2.2.21 da IEC 60947-1:2007]

3.2 Unidades de construção do CONJUNTO


Documento impresso em 22/07/2019 22:55:41, de uso exclusivo de UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

3.2.1
parte fixa
parte constituída de componentes montados e ligados por condutores sobre um suporte comum,
e que é projetada para instalação fixa

3.2.2
parte removível
parte constituída de componentes montados e cabeados entre si em um suporte comum, e que
é projetada para ser removida completamente do CONJUNTO, podendo ser substituída mesmo que
o circuito ao qual é inserida possa estar energizado

3.2.3
posição inserida
posição de uma parte removível quando está completamente inserida para a sua função prevista

3.2.4
posição removida
posição de uma parte removível quando ela está fora do CONJUNTO, e mecânica e eletricamente
separada dele

3.2.5
intertravamento de inserção
dispositivo que previne a introdução de uma parte removível em um local não pretendido para aquela
parte removível

3.2.6
conexão fixa
conexão que é conectada ou desconectada por meio de uma ferramenta

3.2.7
coluna
unidade de construção de um CONJUNTO entre duas separações verticais sucessivas

3.2.8
subseção da coluna
unidade de construção de um CONJUNTO entre duas separações horizontais ou verticais sucessivas
no interior de uma coluna

3.2.9
compartimento
coluna ou subseção da coluna fechada com exceção das aberturas necessárias para interconexão,
comando ou ventilação

© IEC 2011 - © ABNT 2016 - Todos os direitos reservados 7

Você também pode gostar