Você está na página 1de 36

Auditoria Ambiental Compulsória

 Auditoria Ambiental
 Auditorias ambientais voluntárias (a maioria)
 Auditoria ambiental para certificação

 Auditoria ambiental compulsória


 Auditoria Ambiental obrigatória
 Deve ser realizada devido a existências de
leis/decretos/resoluções que exigem a sua realização
Legislações sobre Auditoria Ambiental
 Resolução CONAMA 306/2002  Federal
 Resolução CONAMA 381/2006  Federal
 Lei nº 13448 / 2002  Paraná
 Decreto Estadual 2076/2003  Paraná
 Portaria IAP nº 145 / 2005  Paraná
 Lei 1898 / 1991  Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010  Rio de Janeiro
 Lei nº 10626 / 1992  Minas Gerais
 Lei nº 4802 / 1993  Espírito Santo
 Entre outras...
Resolução CONAMA 306/2002
 CONAMA  Em nível Federal
 Foi alterada através da resolução CONAMA 381/2006
 Esta resolução estabelece:
 Requisitos mínimos e termo de referência para
realização de auditorias ambientais
 Focada para avaliar sistemas de gestão e controle
ambiental em:
(a) Portos e instalações portuárias;
(b) Plataformas, instalações de apoio e refinarias
Resolução CONAMA 306/2002
 Quanto às atividades de pós-auditoria, esta resolução
estabelece as seguintes responsabilidade:
 Relatório de auditoria ambiental  Equipe de auditoria

 Elaboração e implementação do Plano de ação 


Empreendedores auditados
 Relatórios de auditoria + Planos de ação devem ser
apresentados a cada 2 anos ao órgão ambiental
competente, para incorporação ao processo de
licenciamento ambiental da instalação auditada
Resolução CONAMA 306/2002
 Critérios de auditoria
1. Cumprimento da legislação ambiental aplicável
 Identificação da legislação ambiental federal, estadual e
municipal e normas ambientais aplicáveis e verificação da
conformidade da instalação com estas leis e normas
 Identificação da existência e validade das licenças
ambientais e verificação do cumprimento das condições
estabelecidas nas licenças
 Identificação da existência de acordos e compromissos
(e.g. TAC) e verificação do cumprimento das obrigações
assumidas
Resolução CONAMA 306/2002
 Critérios de auditoria
1. Cumprimento da legislação ambiental aplicável

2. Avaliar o desempenho da gestão ambiental


 Política ambiental  existência, documentada,
implementada, mantida, difundida, adequabilidade com
relação à natureza e escala dos impactos ambientais
 Planejamento ambiental  Identificação e acesso à
legislação ambiental, identificação e atendimento de
objetivos e metas, procedimentos para identificar aspectos
ambientais significativos, etc...
 ...
 Muito próximo dos critérios de SGA (ISO 14001)
Resolução CONAMA 306/2002
 Estabelece diretrizes para o Plano de Auditoria
Resolução CONAMA 306/2002
 Estabelece diretrizes para o Plano de Auditoria
Resolução CONAMA 306/2002
 Estabelece diretrizes para o Relatório de Auditoria
Resolução CONAMA 306/2002
 Estabelece diretrizes para o Plano de ação
Legislação do Paraná
 Lei nº 13448 / 2002
 Auditoria Ambiental Compulsória é a realização de
avaliações e estudos destinados a verificar:
 Cumprimento das normas legais ambientais em vigor
 Níveis efetivos ou potenciais de poluição e/ou degradação
ambiental
 Condições de operação e manutenção de equipamentos e
sistemas de controle de poluição
 Medidas necessárias para assegurar a proteção do meio
ambiente, saúde humana e minimizar impactos negativos e
recuperar o meio ambiente
Legislação do Paraná
 Lei nº 13448 / 2002
 As auditorias ambientais serão realizadas às custas da
pessoa jurídica pública ou privada objeto de auditoria
 Os auditores deverão ser cadastrados no órgão estadual
do meio ambiente  Portaria IAP nº 145 de 2005
 Listagem dos auditores cadastrados:
http://celepar7.pr.gov.br/sia/auditoria/relatorios/listagem.asp
Legislação do Paraná
 Decreto Estadual nº 2076 / 2003
 A auditoria ambiental será realizada por equipe
tecnicamente habilitada nos aspectos da auditagem
ambiental e cadastrada junto ao IAP
 Quando a auditoria ambiental for realizada por equipe
da própria empresa auditada, e pertencente ao seu
quadro funcional, esta não poderá ser composta por
técnicos responsáveis pela unidade operacional sob
auditoria
 Princípio da independência (ISO19011)
Legislação do Paraná
 Portaria IAP nº 145/2005
 Os auditores ambientais são classificados como:
 Auditor Júnior:
 Formação superior + Curso de Auditoria Ambiental (≥40h) +
Cursos complementares (≥ 1) + Atuação profissional na área
ambiental (≥ 6 meses)
 Auditor Líder:
 Formação superior + Curso de Auditoria Ambiental (≥40h) +
Cursos complementares (≥ 2) + Atuação profissional na área
ambiental (≥ 6 meses) + Atuação profissional em auditorias
ambientais (≥ 60 horas de auditoria)
Legislação do Paraná
 Portaria IAP nº 145/2005
 Os auditores ambientais são classificados como:
 Auditor Especialista:
 Formação superior + Curso de Auditoria Ambiental (≥40h) +
Cursos complementares (≥ 2) + Atuação profissional na área
ambiental (≥ 6 meses) + Atuação profissional na área de
especialidade:
 Especialista em atividades Industriais
 Especialista em atividades Florestais
 Especialista em atividades de Saneamento Ambiental
 Especialista em atividades Minerarias
 Especialista em atividades Agropecuárias
 Especialista em atividades Portuárias
 Especialista em atividades de Geração e Transmissão de Energia
 Entre outras
Legislação do Paraná
 Decreto Estadual nº 2076 / 2003
 Entre outras providências, determina diretrizes para
formação de equipe de auditoria, dependendo do porte
dos empreendimentos:
 Pequeno e médio porte: No mínimo 1 auditor ambiental
devidamente cadastrado no IAP
 Grande porte: No mínimo 2 cadastrado no IAP, sendo 1 deles
especialista (ou com experiência neste setor de no mínimo 3 anos)
 Porte excepcional: No mínimo 3 auditores ambientais
devidamente cadastrados no IAP, sendo 1 deles especialista ou com
experiência de 3 ou mais auditorias ambientais do mesmo tipo
Legislação do Paraná
 Lei nº 13448 / 2002
 Atividades de elevado potencial poluidor ou degradador
do meio ambiente deverão realizar auditorias ambientais
compulsórias periódicas, com intervalo de 4 anos:
Legislação do Paraná
 Lei nº 13448 / 2002
 Critérios de auditoria:
 Cumprimento das normas legais
 Cumprimento das condições estabelecidas nas licenças
ambientais e no EIA/RIMA
 Dinâmicas dos processos operacionais (manejo de produtos e
resíduos)
 Impacto sobre o meio ambiente
 Avaliação de riscos de acidentes e planos de contingência
 Avaliação de alternativas tecnológicas disponíveis
 Avaliação dos efeitos dos poluentes sobre trabalhadores e
população próxima ao local
Legislação do Paraná
 Decreto Estadual nº 2076 / 2003
 A auditoria ambiental compulsória deve conter os itens abaixo:
1. Aspectos gerais
 Aspectos técnicos  cumprimento de normas ambientais; avaliação
de riscos; etc (slide anterior)
 Aspectos de desempenho  similar aos critérios de SGA (ISO 14001)
 Aspectos de gestão  similar aos critérios de SGA (ISO 14001)
 Inspeções técnicas
2. Plano de auditoria
 Escopo; Preparação; Execução: Definição das conclusões; Elaboração
do relatório final
Legislação do Paraná
 Decreto Estadual nº 2076 / 2003
 A auditoria ambiental compulsória deve conter os itens abaixo:
3. Itens de verificação
• Processos produtivos • Gerenciamento de resíduos
• Atividades exploratórias • Controle de águas pluviais
• Tubulações • Controle de efluentes industriais
• Tanques de estocagem • Controle de emissões atmosféricas
• Matéria-prima, produtos, combustíveis: • Segurança
transporte, carga e descarga
• Manuseio de materiais e produtos
• Terminais terrestres e marítimos químicos
Legislação do Paraná
 Decreto Estadual nº 2076 / 2003
 A auditoria ambiental compulsória deve conter os itens abaixo:
4. Relatório final
 Identificação do auditado
 Descrição das atividades da pessoa jurídica Similar a Resolução
Conama 306/2002
 Objetivos, escopo e plano de auditoria
 Período coberto pela auditoria
 Sumário e metodologia do processo de auditoria
 Lista de documentos legais, normas e regulamentos de referência
 Lista de documentos analisados e unidades auditadas
 Constatações de auditoria
 Conclusões de auditoria
 Equipe de auditoria
Legislação do Paraná
 Decreto Estadual nº 2076 / 2003 e Lei nº 13448 / 2002
 A auditoria ambiental compulsória deve conter os itens abaixo:
5. Plano de correções das não conformidades
 O empreendedor deverá apresentar ao IAP o plano de
correções das não conformidades, com ações específicas para
corrigi-las, em no máximo 90 dias
 O plano deverá conter, no mínimo:
 As correções propostas para as não conformidades
(devidamente justificadas)  estarão sujeitas à análise e
aprovação do IAP
 E o cronograma físico de implantação
Legislação do Paraná
 Lei nº 13448 / 2002
 Constatadas infrações ambientais, poderão ser realizadas auditorias
ambientais compulsórias ocasionais
 A renovação da licença ambiental ficará condicionada a
apresentação do último relatório de auditoria ambiental
 A não realização de auditorias ambientais compulsórias, bem como
a não implementação do Plano de correção das não conformidades,
sujeitarão as seguintes penalidades, que poderão ser aplicadas
isolada ou cumulativamente:
 Multa
 Não renovação da licença ambiental
 Interdição parcial ou total da atividade
Legislação do Rio de Janeiro
 Lei 1898 / 1991 + Lei 3471/2000
 Deverão obrigatoriamente realizar auditorias ambientais
anuais, empresas ou atividades de elevado potencial
poluidor, como:
 Refinarias, oleodutos e terminais de petróleo
 Instalações portuárias
 Instalações aeroviárias
 Indústrias petroquímicas e siderúrgicas
 Indústrias químicas e metalúrgicas
Legislação do Rio de Janeiro
 Lei 1898 / 1991 + Lei 3471/2000
 Deverão obrigatoriamente realizar auditorias ambientais
anuais, empresas ou atividades de elevado potencial
poluidor, como (continuação):
 Instalações de processamento e disposição final de resíduos tóxicos
ou perigosos
 Unidades de geração de energia elétrica (fontes térmicas e
radioativas)
 Instalações de tratamento e os sistemas de disposição final de esgotos
domésticos
 Instalações destinadas à estocagem de substâncias tóxicas e perigosas
Legislação do Rio de Janeiro
 Lei 1898 / 1991 + Lei 3471/2000
 Quando houver infrações, deverão ser realizadas
auditorias trimestrais até a correção da irregularidade
 As diretrizes para a realização das auditorias poderão
incluir avaliações nos seguintes aspectos:
 Impactos sobre o meio ambiente provocados pelas atividades de
rotina
 Avaliação de riscos de acidentes e planos de contingência
 Atendimento aos regulamentos e normas técnicas em vigor
 Alternativas tecnologias
 Saúde dos trabalhadores e da população vizinha
Legislação do Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010
 Algumas definições:
 Auditoria ambiental de controle:
 Realizada a cada requerimento ou renovação de licença
ambiental, para uma verificação detalhada
 Realizada em intervalos não superiores a 4 anos
 Auditoria ambiental de acompanhamento:
 Realizada a cada ano, nos intervalos da auditoria ambiental de
controle, com ênfase no acompanhamento do Plano de Ação
da última auditoria ambiental
Legislação do Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010
 Deverão realizar auditorias ambientais periódicas anuais
as seguintes organizações:
 As já determinadas pela Lei 1898 / 1991 + Lei 3471/2000 +
 Instalações hoteleiras de grande porte
 Indústrias farmacêuticas e de produtos veterinários
 Indústrias têxteis com tingimento
 Produção de álcool e açúcar
 Estaleiros
 Entre outras...
Legislação do Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010
 A auditoria ambiental se dará às expensas da organização
auditada
 O órgão ambiental poderá determinar, extraordinariamente, a
realização de auditoria ambiental de controle por equipe
independente, quando houver constatação de infração
ambiental
 Portanto, normalmente podem ser auditorias de 1ª parte
 Sempre que julgar necessário, o órgão ambiental poderá indicar
técnicos para acompanhar as auditorias ambientais (controle
ou acompanhamento)
Legislação do Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010
 Requisitos básicos (critérios de auditoria)
 Política ambiental e SGA
 Estrutura gerencial e treinamento
 Conformidade legal
 Processos de produção e operação
 Gestão de energia e água
 Gestão de materiais
 Gestão de efluentes líquidos
Legislação do Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010
 Requisitos básicos (critérios de auditoria) (continuação)
 Gestão de emissões atmosféricas
 Gestão de ruídos
 Gestão de resíduos
 Gestão do uso de agrotóxicos
 Limpeza e higienização de reservatórios de água
 Gestão de riscos ambientais
 Gestão de passivo ambiental
Legislação do Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010
 Relatório de auditoria ambiental de controle deve ter:
 Introdução (identificação, período da auditoria, etc)
 Características das unidades auditadas
 Requisitos legais
 Evidências e avaliação do desempenho ambiental
 Conclusões
 Plano de auditoria ambiental (anexo)
 Plano de ação
Legislação do Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010
 Relatório de auditoria ambiental de acompanhamento deve ter:
 Introdução (identificação, período da auditoria, etc)
 Características das unidades auditadas
 Evidências e avaliação do desempenho ambiental
 Conclusões
 Plano de ação
Legislação do Rio de Janeiro
 Resolução CONEMA nº 21 / 2010
 O Plano de Ação deverá conter no mínimo:
 As evidências de não-conformidades e oportunidades de melhoria
identificadas
 O requisito gerador das não-conformidades
 Identificação da(s) causa(s) das não conformidades
 Ações corretivas e preventivas associadas às não conformidades e
oportunidades de melhorias
 Prazos de execução das ações previstas + cronograma físico
 Responsável pelo cumprimento das ações propostas
Próxima aula
 Estudo dirigido sobre Auditoria Ambiental Compulsória

 Imprimir os 2 artigos enviados por e-mail OU trazer laptop


com os 2 arquivos já salvos

 Questionário a ser respondido sobre estes 2 artigos


 O questionário será entregue na próxima aula
 Atividade individual

Você também pode gostar