Você está na página 1de 43

Introdução ao Power BI Versão 2.

INTRODUÇÃO AO POWER BI

1
Direitos desta edição reservados
A Voitto Treinamento e Desenvolvimento
www.voitto.com.br

Supervisão editorial: Raphael Nunes


Preparação de texto: Raphael Nunes

Versão 2.0

É PROIBIDA A REPRODUÇÃO

Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida, copiada, transcrita ou


mesmo transmitida por meios eletrônicos ou gravações sem a permissão,
por escrito, do editor. Os infratores serão punidos pela Lei n° 9.610/98.

2
Sumário

1. Power BI Introdutório .................................................................................. 4


1.1 BI - Business Intelligence.............................................................................................. 4
1.2 Microsoft Power BI ....................................................................................................... 4
1.3 As partes do Power BI .................................................................................................. 5
1.4 Primeiro contato com Power BI ................................................................................... 6
1.5 A primeira impressão do Power BI .............................................................................. 7
1.6 Configurações iniciais ................................................................................................... 8

2.0 Dados no Power BI ................................................................................... 12


2.1 Importando Dados ..................................................................................................... 12
2.2 Tratamento dos Dados ............................................................................................... 17
2.3 Outras Formatações ................................................................................................... 25
2.4 Salvando e Editando Dados ....................................................................................... 25
2.5 Relações no Power BI ................................................................................................. 29
3.0 Relatórios no Power BI ............................................................................. 34
3.1 Relatório e Dashboard................................................................................................ 34
3.2 Construindo um Relatório .......................................................................................... 35

4.0 Finalização ................................................................................................. 42


4

3
1. Power BI Introdutório

1.1 BI - Business Intelligence

Imagine o cenário em que todas as informações que existem em seu trabalho


ou em sua empresa estivessem neste momento a sua disposição, armazenadas
em seu computador e, até mesmo, em seu celular. Lembre-se de todos os
dados que ficam em planilhas do Excel, a papelada que está sobre sua mesa, em
drives que guarda na gaveta, os dados armazenados nos sistemas de
informação da sua organização, das informações externas do mercado, das
informações dos setores da empresa (Financeiro, RH, Marketing etc). Agora
imagine tudo isso disponível para você através de um clique para sua análise e
tomada de decisão. Imaginou? Achou coisa de mágico? Impossível? Pois bem,
isso é real e se chama Business Intelligence (BI).

O BI é um conceito que surgiu na década de 80, a sigla faz referência ao termo


Business Intelligence, que pode ser traduzido como Inteligência Empresarial,
trata-se de todo processo informatizado de coleta, consolidação e análise de
informação que dão suporte a tomada de decisão. O que antes demandava
semanas para criação de relatórios, hoje com o BI, demoram apenas segundos.
Onde antes estavam informações descentralizadas, hoje com a ferramenta tem-
se tudo consolidado. O que antes eram informações voláteis, agora é possível
trabalhar facilmente com bases históricas.

A tecnologia chega ao mercado sempre como um diferencial competitivo, o


risco de fazer a gestão empresarial através da intuição, não é algo tolerado, pois
não é eficiente. As decisões cada vez mais devem ser pautadas em informações
confiáveis e atualizadas, é neste contexto que o BI se apresenta, transformando
os dados em insights valiosos. Esse é um grande diferencial no dia a dia das
organizações, quem trabalha com BI possui velocidade e precisão nas
informações e isso muitas vezes é o que determina quem irá sobreviver neste
mercado cada vez mais competitivo.

1.2 Microsoft Power BI

O Microsoft Power BI é a ferramenta de Business Intelligence da Microsoft, com


ela é possível consolidar, tornar coerente e visual as informações que se
encontram em diversas fontes, desde uma simples pasta de trabalho do
Microsoft Excel, a uma coleção de data warehouses híbridas locais e na nuvem.
Essa informação pode ser facilmente acessada e compartilhada.

4
Figura 1 - Figura esquemática de como funciona o Power BI.

O Power BI pode ser usado de forma simples para pequenos trabalhos no Excel
ou banco de dados local, ou para grandes e robustos trabalhos a nível
empresarial. Com ele é possível uma ampla modelagem, análise em tempo real
e todo um desenvolvimento personalizado à necessidade da organização.
Sendo assim ele funciona tanto para um relatório pessoal e ferramenta de
visualização, quanto como mecanismo de tomada de decisão através da análise
de projetos de grupo, divisões ou empresas inteiras.

1.3 As partes do Power BI

O Power BI se apresenta de três formas, em um aplicativo de área de trabalho


do Microsoft Windows chamado Power BI Desktop, um serviço SaaS online
(Software como serviço) chamado serviço do Power BI e também para
aplicativos móveis do Power BI, podendo ser acessados em telefones ou
tabletes com Windows ou em dispositivos com os sistemas Apple iOS e Google
Android.

Esses três elementos são o grande diferencial do Power BI, com eles é possível
criar, compartilhar e analisar as informações de negócios da maneira mais
conveniente ao usuário. Isso aumenta a velocidade no acesso à informação, que
é um dos principais benefícios de Business Intelligence.

O trabalho se inicia normalmente com o Power BI Desktop, através da criação


de um relatório, em seguida o relatório é publicado no serviço do Power BI e,
por último, compartilhado para que os usuários dos aplicativos do Power BI
Mobile possam consultar as informações. Existem outras formas de se trabalhar
e posteriormente serão apresentadas, por enquanto seguiremos esse fluxo para
facilitar no aprendizado.

5
Figura 2- Figura esquemática dos elementos do Power BI.

1.4 Primeiro contato com Power BI

Agora que você já conhece o que é BI e como funcionam os elementos do


Microsoft Power BI, vamos começar a trabalhar com a ferramenta.

Instalação do Power BI

O Power BI Desktop que vamos trabalhar neste livro está disponível


gratuitamente para download no site da própria plataforma. Você pode acessar
através do link:
https://powerbi.microsoft.com/pt-br/ ou pela Microsoft Store. Pela Microsoft
Store basta pesquisar pelo Power BI em aplicativos e o resultado será conforme
a figura 3.

Estando na plataforma da Microsoft, basta clicar em Obter e fazer o download


do Power BI. Para a instalação é necessário seguir o passo a passo
disponibilizado pela própria Microsoft no momento da instalação. Lembrando
que para realizar o download pela Microsoft Store é necessário possuir uma
conta da Microsoft, geralmente @hotmail.com.

Após a instalação, clique no ícone do Power BI que está localizado no diretório


de instalação ou na sua Área de Trabalho para abrir o programa.

6
Figura 3 - Tela do Microsoft Store.

1.5 A primeira impressão do Power BI

Após a conclusão da instalação, está na hora de começar a utilizar o Power BI.


Assim que aberto o programa somos apresentados a seguinte tela:

Figura 4 - Tela de abertura do Power BI.

7
Vamos passar por cada opção para nos familiarizarmos com a ferramenta:

Aqui podemos importar dados para o Power BI.

É possível também importar dados que já foram utilizados anteriormente em outros


projetos.

Podemos abrir projetos inteiros que foram utilizados anteriormente.

Na parte central da tabela temos a opção de cadastro para colaborar e


compartilhar o conteúdo gerado pelo Power BI. Para isso precisamos ter uma
licença Power BI Pro, aconselho, no momento, não realizar nenhum cadastro e
não utilizar a experimentação gratuita do produto. Quando finalizar a leitura
desse material estará com um maior domínio da ferramenta e assim aproveitará
melhor os benefícios do Power BI Pro.

Na parte da direita temos acesso às novidades, blogs, comunidades e


treinamentos que são disponibilizados pela própria Microsoft. Aconselho a visita
principalmente na comunidade, sempre tem outros usuários que passam por
situações de dúvidas e compartilham as soluções.

Então vamos colocar a mão na massa! Clique no X localizado no canto superior


direito da janela.

1.6 Configurações iniciais

Para garantir que as formatações e as imagens que serão utilizadas neste curso
sejam as mesmas geradas por você, vamos utilizar as seguintes configurações
iniciais:

O primeiro passo é certificar que o idioma do Power BI esteja em Português


(PT-BR), assim facilitaremos as interfaces entre o curso e o aluno.

Com o Power BI já aberto, no canto superior esquerdo em Arquivo, vamos em:


Opções e configurações e em seguida Opções.

8
Figura 5 - Guia da Barra de Ferramentas em Arquivo.

Na lista de opções à esquerda vamos selecionar Configurações regionais. O


importante aqui é garantir que na caixa de seleção esteja Português (Brasil).

Figura 6 - Guia de Opções – Configurações regionais.

9
Na sequência ainda na guia de Opções vamos em “Recursos de visualização.
Todas as caixas deverão estar desmarcadas.

Figura 7 - Guia de Opções – Recursos de visualização.

O próximo passo, também na mesma guia de Opções, iremos selecionar


“Carregamento de Dados”. Neste passo são configuradas as formas de
carregamento das informações que serão importadas para o Power BI, vamos
desmarcar a opção “Detectar automaticamente novos relacionamentos depois
que os dados são carregados”.

Esta é uma das funções mais utilizadas no Power BI, ela faz a relação entre as
tabelas importadas de forma automática. Isto é feito para que as interações
fiquem mais fáceis e intuitivas, porém como o objetivo agora é aprender como
são criadas estas relações, vamos fazer o procedimento de forma manual.

10
Figura 8 - Guia de Opções – Carregamento de dados.

11
2.0 Dados no Power BI

2.1 Importando Dados

Quando falamos em Business Intelligence, o processo de criação de um arquivo


de trabalho se resume em quatro etapas:

1. Importação dos Dados


2. Transformação dos Dados
3. Construção do Controle ou Dashboard
4. Divulgação do Resultado

O Power BI pode se conectar a uma grande variedade de fontes de dados,


incluindo bancos de dados locais, arquivos do Excel e serviços online como
páginas Web e nuvem.

Uma grande vantagem do Power BI é sua semelhança com outras soluções da


Microsoft, com isso fica mais intuitivo o passo a passo quando vamos trabalhar
com ele. Nesta etapa de importação de dados ela é feita de forma muito similar
ao Excel e o Access. Para importar a nossa primeira consulta, vamos na guia
“Página Inicial” e em seguida em “Obter Dados”.

Figura 9 - Guia Página Inicial para Obter Dados.

O Power BI conta com mais de 59 serviços de nuvem diferentes e você pode importar
informações de diversas fontes, incluindo serviços online como blogs, Google Analytics,
Facebook, entre outros.

12
Figura 10 - Obter Dados.

Para o início do nosso curso, vamos importar dados de uma fonte do Excel, para
isto selecionaremos o campo do Excel na janela Obter Dados clique em
Conectar. Após esta etapa você será redirecionado para uma janela de
navegação do Windows, vamos selecionar o arquivo Excel BaseFull.xlsx
localizado no material de apoio.

O próprio Power BI lhe orientará sobre os próximos passos de maneira bastante


intuitiva. Aguarde uma janela de carregamento e veremos o Navegador.

O Navegador exibe as tabelas da fonte de dados e, ao clicar em uma delas, você


verá uma visualização do conteúdo. Em seguida, você pode importar as tabelas
selecionadas imediatamente ou selecionar Editar para transformar e limpar seus
dados antes da importação. Vejamos agora no detalhe como funciona a
visualização do conteúdo.

Repare que aqui temos uma prévia do conteúdo que será importado para o
nosso projeto do Power BI. Dependendo do tamanho da base de dados ela
pode aparecer apenas como uma amostra, na sequência da seguinte
mensagem: “Os dados na visualização foram truncados devido ao limite de
tamanho”, ou seja, isso não significa que sua base terá apenas as informações
exibidas no Navegador.

13
Figura 11 - Navegador de Dados.

Figura 12 - Visualização dos dados no Navegador.

14
Depois de selecionar as tabelas que você gostaria de inserir no Power BI, você
poderá optar por carregá-los selecionando o botão Carregar no canto inferior
direito do Navegador. No entanto, há ocasiões em que você talvez queira fazer
alterações a essas tabelas antes de carregá-las no Power BI. Provavelmente,
você desejará obter apenas um subconjunto de clientes ou filtrá-los em busca
de vendas que ocorreram somente em um país específico, por exemplo. Nesses
casos, é possível selecionar o botão Editar e filtrar ou transformar os dados
antes de enviá-los ao Power BI.

Dica de mestre
Sempre que precisar atualizar as tabelas que já foram carregadas para o Power BI
não é necessário realizar todo o processo de importação novamente, basta clicar
no botão Atualizar localizado logo abaixo da barra de pesquisa do Navegador
através do ícone:

Agora convido você a analisar a informação que foi importada. Utilize a barra de
rolagem do Navegador para observar como as informações estão sendo
carregadas. Abra a planilha do Excel e compare visualmente uma com a outra.
Este é um momento muito importante do curso, curiosidade é fundamental
para garantir o sucesso no aprendizado!

Vamos então importar as informações para o Power BI clicando no botão


Carregar.

Vemos aqui 3 grandes modificações iniciais:

A primeira é a inclusão das colunas da nossa planilha na aba Campos localizada


à direita da área inicial. Repare que o primeiro ícone que aparece é denominado
Plan1, ou seja, é a aba do arquivo de Excel que o Power BI localizou as
informações a serem inseridas. Também existe a barra de pesquisa onde você
pode localizar com facilidade o cabeçalho para poder trabalhar com ele de
forma mais direta, é muito útil em bases de dados com muitas colunas.

15
Figura 13 - Inclusão das informações na coluna Campos.

A segunda é que agora a guia Dados localizada a esquerda foi preenchida com
as informações que trouxemos da nossa planilha do Excel.

Um ponto importante a ser observado são as formatações prévias que são


importadas junto com a tabela, elas podem variar de acordo com as
configurações do seu Power BI, da versão do Office ao qual ela foi importada,
versão do Windows, entre outros.

E por último temos a aba de Relacionamentos. Aqui acontece uma das mágicas
do Power BI, as tabelas importadas elas são relacionadas automaticamente,
assim as informações são associadas e o trabalho fica muito mais fácil. Mas
lembra lá na configuração inicial onde desabilitamos esta função? Para habilitá-
la novamente basta seguir o caminho:

Arquivo > Opções e configurações > Opções > Carregamento de Dados >
Detectar automaticamente novos relacionamentos depois que os dados são
carregados.

16
Figura 14 - Detalhamento da tabela na guia Relacionamentos.

Mas no momento vamos manter desabilitado para aprender como os


relacionamentos dos dados funcionam.

2.2 Tratamento dos Dados

Agora vamos retornar para a guia Dados à esquerda, aonde temos a


visualização da tabela.

17
Figura 15 - Exibição da tabela que foi importada para o Power BI.

Repare que as informações estão brutas e que o cabeçalho não foi reconhecido,
por isso as informações como data ou CPF estão difíceis de reconhecer e as
colunas estão numeradas. Agora vamos aprender como tratar a informação
antes de utilizá-las no Power BI. Para isso vamos deletar a base que já foi
carregada, vá até a guia Relacionamentos, clique com o botão direito do
mouse em cima da tabela, no caso a tabela Plan1, em seguida clique em
Excluir. Repare que a partir de agora não existem mais informações no Power
BI.

18
Figura 16 - Como excluir uma tabela importada para o Power BI.

Lembre-se de confirmar a exclusão da tabela:

Figura 17 - Janela de exclusão de uma tabela.

Vamos mudar a forma de carregamento para poder tratar a informação para


uma forma que fique mais fácil sua identificação e seu detalhamento.

Seguindo os passos anteriores, na guia Página Inicial e em seguida Obter


Dados clique em Conectar. Após esta etapa você será redirecionado para uma
janela de navegação do Windows, vamos selecionar o arquivo Excel
BaseFuncionarios.xlsx localizado no material de apoio.

19
Marque a caixa de seleção da Plan1 para que seja possível ter uma pré-
visualização das informações da base, a diferença agora é que vamos clicar em
Editar, com isso abriremos o Power Query Editor.

O Power Query Editor abre em uma nova janela, isso nos permite trabalhar com
maior flexibilidade, então maximize ou redimensione a janela de acordo com a
sua preferência.

Repare que junto com esta janela vieram novas abas com diversas funções, mas
calma! Vamos seguir um passo a passo para que você possa conhecer o Power
Query Editor com mais naturalidade. Vamos começar alterando o nome da
nossa tabela, já que ‘Plan1’ não é nada intuitivo.

Na aba da direita, no canto superior, em propriedades, vamos alterar o nome da


Plan1 para BaseFuncionarios.

Figura 18 - Visualização dos dados no Navegador.

20
Figura 19 - Visualização do Power Query Editor.

Figura 20 - Alteração do nome da base de dados.

Dica de mestre
Evite colocar acentos, espaços ou caracteres especiais quando for nomear as
bases de dados ou variáveis. Esta prática ajuda a evitar erros de declaração e
também facilita quando utilizamos os relacionamentos automáticos
proporcionados pelo Power BI.

21
Agora que renomeamos a consulta, vamos começar a edição das informações.
O primeiro passo é garantir o cabeçalho, assim evitamos aqueles nomes
padrões: Column1, Column2, etc. O Power BI pode fazer esta etapa de forma
automática, para verificar se isso aconteceu observe em Etapas Aplicadas, logo
abaixo de onde editamos o nome da base, se uma das etapas é Cabeçalhos
Promovidos. Caso não aconteça é simples de resolver, na tabela no meio do
Power Query Editor selecionamos a linha que está com o cabeçalho, no caso a
linha 1, e em seguida nas abas superiores clicamos em Utilizar Primeira Linha
como Cabeçalhos.

Figura 21 – Função - Usar a primeira linha como cabeçalhos.

Com isso as informações passarão a ficar conforme a figura abaixo:

Figura 22 - Cabeçalhos ajustados.

Agora repare que antes do título dos cabeçalhos, o Power BI identifica


previamente qual o tipo de formatação das colunas, com os ícones ABC para
letras e 123 para números.

O próximo passo é classificar as colunas de acordo com o ID, assim temos uma
base mais ordenada para trabalharmos. Para isso vamos clicar no quadro com
uma seta ao lado do ID RH e em seguida em Classificar em Ordem Crescente.

22
Figura 23 - Base de dados classificada.

Agora com a tabela classificada é possível remover as colunas que não possuem
informação, para isso basta clicar com botão direito no cabeçalho da coluna e
em seguida em Excluir. Vamos excluir as colunas Bandeira e Férias
Remuneradas.

Figura 24 - Removendo uma coluna.

Agora vamos excluir as informações que estiverem duplicadas, isto garante que
a matemática fique correta quando formos trabalhar os dados da base. Clique
em na coluna CPF, na aba Página Inicial clique em Remover Linhas e em seguida
Remover Duplicatas.

Figura 25 - Removendo informações duplicadas.

23
Principais Erros:

O que pode acontecer aqui é que além das linhas duplicadas, a base pode vir
com linhas em branco, isso pode gerar um erro na hora de realizar um cálculo
dependendo do tipo de função que for realizada. Recomendo aqui também
remover as Linhas em Branco que fica logo abaixo de Remover Duplicatas.

E para finalizar as importações de dados vamos trabalhar com a formatação das


informações na base de dados. Neste caso clique com o botão direito no
cabeçalho da base em Data de Nascimento > Alterar Tipo > Data:

Figura 26 - Alterando a formatação de uma coluna.

24
NA PRÁTICA...

Altere as formatações das colunas Data de Contratação e Data de Demissão no


formato de Data e as colunas Salário Base, Impostos, Benefícios, VT e VR como
Número Decimal Fixo.

Para concluir o trabalho com esta base de dados precisamos fechar o Power
Query Editor para que ele importe o nosso trabalho para o Power BI, para isso
na guia Página Inicial clique no primeiro ícone: Fechar e Aplicar. Pronto! Você
verá uma página de carregamento e finalizamos esta etapa.

Figura 27 - Alterando a formatação de uma coluna.

2.3 Outras Formatações

O Power BI também conta com outros tipos de formatações, como formatações


de texto, numéricas, condicionais e colunas índice.

2.4 Salvando e Editando Dados

Para salvar a sua consulta no Power Query editor e aplicar as alterações para
que elas possam ser carregadas no Power BI basta clicar no botão localizado no
canto superior esquerdo do Power Query Editor chamado Fechar e Aplicar:

25
Figura 28 – Fechar e aplicar.

Após esta etapa o Power BI carregará a consulta para que ela possa ser
trabalhada, o tempo de carregamento pode variar de acordo com o volume de
informações e com a performance da máquina do usuário. A seguinte imagem
será exibida:

Figura 29 - Aplicar mudanças na consulta.

Agora que a base foi carregada após a edição, garantindo assim que os
cabeçalhos estão corretos, vamos entender as principais diferenças. Na aba
relatórios a direita, já fica nítida a alteração nos Campos, onde as colunas estão
classificadas em ordem alfabética facilitando assim a sua compreensão do que
está sendo trabalhado.

26
Figura 30 - Aba Campos.

Interessante reparar também que na aba de dados as informações também


estão mais claras do que antes pois os campos estão devidamente tratados,
então informações de data neste caso ficam mais fáceis de serem percebidas
logo na primeira visualização.

Repare que visualmente a aba Dados é muito similar ao Power Query Editor, no
entanto na aba Dados não é possível realizar edições na consulta que foi
carregada, aqui no máximo conseguimos classificar a consulta, vamos fazer isto
com o ID RH, assim temos uma base mais ordenada para trabalharmos. Para
isso vamos clicar no quadro com uma seta ao lado do ID RH e em seguida em
Classificar em Ordem Crescente.

27
Figura 31 - Função Classificar em ordem crescente.

Também vamos observar as mudanças na aba Relacionamentos. Repare que o


nome dos cabeçalhos estão todos completos, facilitando a compreensão dos
valores e garantindo o sucesso de quando forem realizados novos
relacionamentos no nosso projeto.

Figura 32 - BaseFuncionarios.

28
E por último vamos salvar o arquivo dando o nome de ‘BaseFuncionarios’. Para
isto basta ir às guias superiores em Arquivo > Salvar Como e salve em seu local
de preferência. Para poder acostumar-se com os padrões de escrita, prefira
sempre títulos sem acentos ou caracteres especiais.

Dica de mestre
Para caráter de exemplo, só salvamos nosso arquivo neste momento, mas é uma
boa prática que você salve seu projeto frequentemente, pois podem ocorrer erros
de cargas durante a importação de dados e o aplicativo pare de funcionar,
perdendo assim todas as alterações realizadas anteriormente.

2.5 Relações no Power BI

O conceito de Relações é muito importante pois ele aplica-se em todas as


ferramentas de BI, não somente no Power BI. Dominar o assunto é essencial
para que o seu modelo funcione adequadamente.
Mas afinal, o que são as Relações e como elas podem nos ajudar a potencializar
ainda mais o seu projeto?

Relacionamento é a existência de uma informação em comum entre duas ou


mais tabelas e as Relações entre essas tabelas são necessárias para calcular os
resultados com precisão e exibir as informações corretas em seus relatórios.
Quando importamos dados no Power BI, é comum carregarmos mais de uma
tabela. Por exemplo: Funcionários, Produto, Região, Vendas, e geralmente cada
tabela contém informações pertinentes em seu título, como: código do cliente,
nome do cliente e sexo do cliente.

O Power BI torna fácil a criação dessas relações. Na verdade, na maioria dos


casos, você não precisará fazer nada, pois o recurso de Detecção Automática
pode fazer isso por você. No entanto, neste curso nós vamos criar estas relações
de forma manual, assim você poderá entender na prática como as relações
funcionam.

29
Para ver as relações na prática será necessário a carga de uma nova base, com
isso vamos utilizar informações que existem em ambas para assim conectá-las.
Procurando uma semelhança do Excel para melhor compreensão temos o
PROCV e o PROCH que fazem exatamente isso, estas funções “procuram” uma
determinada informação de uma tabela em outra para assim “trazer” um novo
campo. A vantagem de fazer este trabalho no Power BI é que podemos fazer
isto com um grande volume de informações ao mesmo tempo sem perda de
performance.

A base que vamos carregar é a BaseCargos.xlsx. Ela contém todas as


informações de detalhes sobre cada cargo.

Para isto vamos seguir os mesmos passos que fizemos para carregar a
BaseFuncionarios.xlsx.

NA PRÁTICA...

Faça a carga da BaseCargos.xlsx utilizando os mesmos passos anteriormente


empregados, lembre-se de Editar a consulta antes de carregá-la e fique atendo
ao cabeçalho.

Figura 33 - Função Usar a Primeira Linha como Cabeçalho.

Após o cabeçalho edite o nome da consulta nas Propriedades de Plan2 para


BaseCargos.
Após cumprido estas etapas, clique em Fechar e Aplicar na guia superiora.
Caso tenha alguma dúvida no processo de carga de uma base, verifique o
procedimento realizado na BaseFuncionarios e pratique algumas vezes, é
muito importante fixar esta etapa.

Para garantir que o relacionamento funcione, é preciso garantir duas etapas:

1. O cabeçalho deve possuir o mesmo nome nas duas tabelas;

30
2. Deve existir correspondência nos valores dos campos nas duas tabelas.

A tabela principal que estamos trabalhando, no caso a BaseFuncionarios é


chamada de tabela Fato, é nesta tabela que existem todas as informações
principais do projeto que estamos construindo.

Repare agora que tanto na guia Relatório e na guia Dados a BaseCargos está
disponível para visualização assim como estava a Base Funcionários, você pode
utilizar a setinha localizada ao lado esquerdo do nome da base para assim
poder recuar ou expandir as colunas:

Figura 34 - Botão recuar ou expandir.

Mas o foco agora é na guia Relacionamentos, repare que a BaseCargos está lá,
mas não há conexão entre elas, isso significa que as informações que
carregamos na BaseCargos ainda não podem ser utilizadas.

O objetivo aqui é unir os “dois Cargos”: o primeiro e o principal presente na


BaseFuncionarios unindo com as informações do segundo que está na
BaseCargos, para isto vamos tornar visível o campo Cargos na
BaseFuncionarios utilizando o scroll do mouse ou a barra de rolagem, clicamos
no campo Cargo da BaseFuncionarios e arrastamos para o campo Cargo da
BaseCargos. Isto mesmo, podemos fazer um relacionamento com um simples
click and drop.

O resultado deverá ser este como o da figura 36.

31
Figura 35 - Aba Relacionar. Bases não relacionadas.

Figura 36 - Aba Relacionar. Bases relacionadas.

Analisando atentamente os relacionamentos, verificamos que em uma ponta


temos uma * (estrela) e na outra o número 1. O que isso quer dizer? Bom,
sabemos que as tabelas possuem relacionamentos quando existem esses

32
campos entre elas, e no caso estamos falando de Cardinalidade. Além de tentar
detectar os relacionamentos, o Power BI também identificará a cardinalidade,
a direção do filtro cruzado e as propriedades de relação ativa.

Existem três tipos de Cardinalidade:

Muitos para um (*:1) – Esse é o tipo padrão mais comum. Isso significa que a
coluna em uma tabela pode ter mais de uma instância de um valor, enquanto a
outra tabela relacionada, geralmente conhecida como a Tabela de pesquisa,
tem apenas uma instância de cada valor.

Um para um (1:1) - Isso significa que a coluna em uma tabela tem apenas uma
instância de um determinado valor e que isso também ocorre na outra tabela
relacionada.

Relações muitos-para-muitos - Com modelos compostos, você pode


estabelecer relações muitos para muitos entre tabelas. Esta abordagem remove
os requisitos de valores exclusivos nas tabelas. Ela também remove as soluções
alternativas anteriores, como introduzir novas tabelas somente para estabelecer
relações.

No curso de Power BI Introdutório falaremos apenas da Cardinalidade, que é


suficiente para iniciar a última etapa que é onde você irá expor estes resultados
através de um relatório através de gráficos e tabelas.

33
3.0 Relatórios no Power BI

3.1 Relatório e Dashboard

Um relatório do Power BI é uma página única, geralmente chamada de tela,


que conta uma história por meio de visualizações. Por ser limitado a uma única
página, um relatório bem projetado contém apenas os elementos mais
importantes da história. Os leitores podem exibir relatórios relacionados para
obter detalhes.

Já os Dashboards são um recurso do serviço do Power BI. Eles não estão


disponíveis no Power BI Desktop. Você não pode criar dashboards em
dispositivos móveis, mas pode exibir e compartilhar os dashboards lá.

Figura 37 - Exemplo de um dashboard.

As visualizações que você vê no dashboard são chamadas


de blocos. Você fixa blocos em um painel de relatórios

E quais as vantagens de criar um relatório bem estruturado ou um dashboard?


Eles são uma ótima maneira de monitorar seus negócios e ver todas as suas
métricas mais importantes rapidamente. Lembre-se que o Power BI tem como

34
objetivo trazer a informação certa, para a pessoa certa e no momento certo,
facilitando assim a tomada de decisão assertiva.

No curso de Power BI Introdutório estamos utilizando o Power BI Desktop que é


um serviço gratuito da Microsoft, e por isto vamos criar Relatórios, tendo em
vista que o Dashboard é um serviço disponível para o Power BI Pro.

3.2 Construindo um Relatório

O segredo do sucesso de um relatório bem feito é saber quais informações


serão inseridas na tela, e depois saber a melhor forma de distribuí-las dentro da
grade. Vamos então a aba Relatório localizado à esquerda.

Existem vários tipos de gráficos que podem ser criados pelo Power BI. Os
modelos estão disponíveis à sua direita dentro da aba de Relatórios em
Visualizações:

Figura 38 - Aba Visualizações.

Aqui você pode passar o cursor do mouse em cima de cada gráfico e o Power BI
informará o nome do gráfico que será utilizado ao clicar.

O Power BI funciona muito bem com “click and drop”, ou seja, clicar e soltar. Isso
torna o trabalho mais simples e dinâmico. Para iniciar expanda a base cargos
em Campos localizado também à sua direita, clique no campo Cargo e arraste
para a tela.

35
Figura 39 - Click and drop.

Ajuste a nova tabela no canto superior esquerdo conforme imagem acima. É


importante manter a formatação neste momento para garantir o mesmo
resultado no final.

Dica de mestre
Caso tenha dificuldade em arrastar um gráfico ou tabela dentro da tela, clique em
algum lugar do item que quer mover e clique nos “três pontinhos” de mais
opções localizado externamente do bloco e arraste para o local desejado.

Agora vamos criar um gráfico chamado Gráfico de Colunas Clusterizado que


está disponível em visualizações. Clique nele e posicione logo abaixo da tabela
de cargos.

36
Figura 40 – Criando um gráfico de Colunas Clusterizado.

Agora com o gráfico selecionado, observe à sua direita, logo abaixo de


Visualizações que foram adicionadas novas opções de edição para o gráfico
gerado, que é o Eixo, Legenda, Valor e Dicas de ferramentas. São nestes
campos que serão inseridas as informações que darão vida aos gráficos
gerados. Mas você também pode utilizar o “click and drop” para gerar os
gráficos, neste caso ajudará muito a entender qual é o resultado das relações na
prática.

À sua direita em Campos, na BaseCargos clique em Área e arraste para o


gráfico cinza gerado anteriormente. Agora na BaseFuncionarios clique em
Salario Base e arraste para o gráfico que agora estará branco e apenas com o
título Área. Ajuste o tamanho do gráfico à sua tabela de cargos. O resultado
deverá ser este:

37
Figura 41 – Gráfico com os dados das bases.

Repare que agora que adicionamos um valor ao gráfico o título mudou


automaticamente, mostrando assim o que está sendo exibido no gráfico.
Outro ponto de atenção é na tabela de edição, repare que agora que o Eixo foi
preenchido pelo campo Área e que o Valor foi preenchido pelo campo Salario
Base:

Figura 42 - Propriedade do gráfico.

Por padrão o valor preenchido no gráfico será a soma dos salários pelas suas
respectivas áreas, caso você precise de um outro tipo de cálculo como média,
máximo, contagem, desvio padrão etc. basta clicar na seta ao lado do nome do
campo e selecionar o cálculo desejado.

Agora vamos criar um Gráfico de Pizza. Utilizando o mesmo método do gráfico


anterior, só que agora vamos verificar a quantidade de funcionários alocados
por Nível.

38
À sua direita em Campos, na BaseCargos clique em Nível e arraste para o
gráfico cinza gerado anteriormente. Agora na BaseFuncionarios clique em ID
RH e arraste para o gráfico que agora estará branco e apenas com o título Área.
Ajuste o tamanho do gráfico de pizza ao lado do gráfico de colunas
clusterizado. O resultado deverá ser este:

Figura 43 - Inserindo o gráfico de pizza.

Aproveitando para entender melhor os blocos e ir caminhando para o conceito


do Dashboard, vamos trazer informações mais diretas ao nosso relatório, como
por exemplo, o valor final gasto com Vale Alimentação e Vale Refeição. Para isto
vamos utilizar um tipo diferente de gráfico que no Power BI chama-se Cartão.

Figura 44 - Cartão de visualizações.

Clique no Cartão em Visualizações. À sua direita em Campos, na


BaseFuncionarios clique em VR e arraste para o Cartão que está cinza. Repita o
mesmo procedimento com o VT e ajuste os cartões abaixo dos gráficos já
criados. O resultado deverá ser este:

39
Figura 45 - Resultado do gráfico editado.

Agora que temos um pequeno relatório concluído já podemos começar a fazer


análises utilizando o Power BI. Experimente clicar dentro do Gráfico de Pizza na
parte verde em Analista todos os resultados dos outros gráficos e tabelas que
foram criados nesta tela serão alterados de acordo com a seleção:

Figura 46 - Função Analista.

Este é um recurso muito precioso do Power BI pois permite que através desse
filtro você pode interagir muito mais com o seu relatório. Mas lembre-se que o
Power BI não se resume apenas a um gerador de relatórios: ele oferece uma
maneira de examinar os dados para que seja possível entender as tendências e
obter insights valiosos acerca do seu próprio mercado.

40
NA PRÁTICA...

Experimente criar gráficos e tabelas utilizando a BaseFuncionarios e a


BaseCargos. Analise os dados obtidos e chegue à determinadas conclusões.

Por exemplo:

1. Qual o salário médio dos funcionários da Área Operacional?


2. Quantas horas extras foram geradas por Área nesta empresa?
3. Quantos funcionários terceirizados estão com férias acumuladas?

A curiosidade é fundamental para o sucesso no seu desenvolvimento dentro do


Power BI. Experimente! Teste! Descubra!

41
4.0 Finalização

Chegamos ao fim do curso Power BI Introdutório. Parabéns por ter chegado até
aqui!

O que aprendemos até agora?

1. O que é Business Intelligence.


2. Ambientação com a interface do Power BI Desktop.
3. Importar, tratar e salvar uma base de dados.
4. Formatar uma consulta.
5. Criar e trabalhar com relações.
6. Criar gráficos, blocos e relatórios.
7. Trabalhar com os gráficos gerados em busca de insights inovadores.

Você aprendeu muito sobre o Power BI...

... Mas não é o suficiente!


Convido você a continuar a sua jornada dentro do mundo de Business
Intelligence com o curso de Formação de Especialistas em Power BI que está
disponível na plataforma do Grupo Voitto.

Mas por que se tornar um Especialista em Power BI?

Na Formação de Especialistas em Power BI você atingirá um novo patamar,


onde uma simples análise de dados se tornará insights para o sucesso do seu
negócio, de qualquer maneira e de qualquer lugar, e o melhor, em uma única
exibição!

O que você poderá fazer?

1. Transformará dados em visuais impressionantes e compartilhá-los com


seus colegas em qualquer dispositivo.
2. Explorará e analisará visualmente dados – locais ou na nuvem – em uma
única exibição.
3. Colaborará em relatórios interativos e dashboards personalizados e
compartilhá-los
4. Dimensionará em sua organização com governança e segurança internas.
5. Aprenderá sobre linguagem DAX e criará novos cálculos poderosos.
6. E muito mais!

Você também verá que Power BI não existe apenas para captar a informação
certa: ele também ajuda a detectar o contrário: encontrar o gargalo e o

42
contraditório, ou seja, as informações que não batem como um fluxo
informacional truncado, um processo interrompido, uma análise que não bate,
entre outras.

Uma coisa eu garanto para você: Business Intelligence é o futuro das empresas,
e a adoção e proliferação de BI nos negócios é inevitável, e o quanto antes você
se capacitar no e aprender como utilizar esta ferramenta mais se destacará no
mercado de trabalho e até mesmo nas suas tarefas comuns, pois fazer uma boa
gestão das informações é vital a sobrevivência de qualquer empresa. Seja você
Analista, Gerente, Psicólogo, Engenheiro, Empreendedor entre outros, o Power
BI vai ajudar muito a potencializar o seu negócio.

E se você é estudante eu tenho uma ótima notícia para você: As vagas nas
empresas que têm como requisito o conhecimento de Business Intelligence está
crescendo muito! Então corra e agarre esta oportunidade de adicionar este
conhecimento ao seu currículo e conquistar seu espaço no mercado de
trabalho.

Espero você no curso de Formação de Especialistas em Power BI.

_____________________________________________________________________________________________

Raphael de Carvalho Pereira Nunes


www.linkedin.com/in/raphaelcpnunes

43