Você está na página 1de 3

Fundamentos da Sociologia do Direito

Conceito e caracteres da Sociologia do Direito

A Sociologia é uma ciência que estuda os modos de criação e organização das relações e instituições
sociais, abordando as conexões recíprocas entre os indivíduos e a sociedade. Parte da premissa da
sociabilidade inerente à condição humana, pois o ser humano é um animal social. Surgiu a Sociologia
como ciência autónoma no século XIX, através do positivismo científico de Augusto Comte (1798-1857).

A expressão “Sociologia do Direito”, assim como a expressão substancialmente equivalente ”Sociologia


Jurídica”, designa uma disciplina que tem como objecto o estudo das relações estabelecidas entre o direito
e sociedade .Nesse sentido, o Sociólogo do Direito estuda como os factores económicos, políticos e
ideológicos da realidade social influenciam o funcionamento das instituições jurídicas (por exemplo,
Poder Legislativo, Poder Executivo, Poder Judiciário, Polícia, Advocacia) e a criação das diversas
normas jurídicas (por exemplo, leis, actos administrativos, decisões judiciais, contratos, doutrina,
costumes), bem como examina como a ordem jurídica, enquanto complexo institucional e normativo de
regulação da vida social, interfere na configuração das relações humanas em sociedade .Como bem
assevera Renato Treves (2004, p. 4).

Sociologia do Direito enfoca dois problemas fundamentais. De um lado, o problema da sociedade no


direito, isto é, dos comportamentos sociais conformes ou disformes em relação às normas da considerada
realidade jurídica efectiva, que pode funcionar como um indicador de um direito livre, latente, vivente ou
em formação. Por outro lado, o problema do direito na sociedade, isto é, trata-se de um saber que busca
posição, função, e objectivo do direito na sociedade vista em seu conjunto.

Fundamentos da Sociologia do Direito

Trata-se, portanto, de um ordenamento jurídico que busca investigar a influência da sociedade na


formação do ordenamento jurídico, bem como o influxo do ordenamento jurídico no campo das relações .

Direito Sociedade

A Sociologia do Direito pode ser caracterizada como um saber científico, empírico, zetético e causal.

Trata-se, portanto, de um ordenamento jurídico que busca investigar a influência da sociedade na


formação do ordenamento jurídico, bem como o influxo do ordenamento jurídico no campo das relações
sociais, como se depreende da seguinte

A Sociologia do Direito pode ser caracterizada como um saber científico, empírico, zetético e causal.

Cientifico ,porque a sociologia do direito se apresenta como conhecimento racional ,sistemático e


metódico das conexões existentes entre o fenómeno jurídico e realista social.
Empirico ,porque a sociologia do direito procura estudar o fenómeno jurídico como fato social ,inserido
na realidade concreta das interacções comportamentais ,afastando se de uma abordagem idealista ou
metafísica

Zetetico ,porque a sociologia do direito busca reflectir criticamente sobre as relações mantidas entre o
ordenamento jurídico e a sociedade ,através de constantes questionamentos para a formulação de suas leis
científicas ,não coadunando com uma abordagem dogmática ,que se revela refartaria as indagações
acerca do mundo circundante.

Causal ,porque a sociologia do direito se vale da causalidade para o estabelecimento dos limites entre o
fenómeno jurídico e a realidade social e posterior formulação de seus modelos teóricos ,porem sem o
rigor determinístico que a causalidade apresenta no terreno das ciências naturais .

A efetividade da norma jurídica como tema da Sociologia do Direito

Como já foi assentado,a Sociologia do Direito ou Sociologia Jurídica é um ramo da sociologia geral que
procura estudar as relações existentes entre a sociedade e o ordenamento jurídico. Nesse sentido, busca
examinar de que modo os factores económico, políticos e ideológicos interferem na criação, interpretação
e aplicação das normas jurídicas, bem como na actuação das instituições que se ocupam do direito. Do
mesmo modo estuda a influência que as normas e instituições jurídicas exercem sobre o conjunto da
sociedade. Nessa última dimensão, torna-se possível visualizar o problema da efectividade. Decerto, um
dos grandes campos temáticos da Sociologia do Direito é o estudo acerca da eficácia social ou
efectividade das normas jurídicas, o qual permite explorar a dimensão fática da própria experiência
jurídica.

Com efeito, a eficácia social, também denominada de efectividade, é aquele atributo normativo que
assinala a correspondência da norma jurídica com a realidade circundante, designando a compatibilidade
dos modelos normativos com os fatos sociais. Quando a norma jurídica se apresenta efectiva, os
dispositivos normativos são assimilados concretamente pelos sujeitos de direito. Por sus vez logrará
efectividade a norma jurídica que estiver em dissonância com a realidade social, não sendo cumprida
pelos destinatários da ordem jurídica .Nesse sentido, cabe ao Sociólogo do Direito pesquisar as condições
reais de natureza económica, política ou ideológica que repercutem no cumprimento ou descumprimento
dos preceitos da normatividade jurídica no plano da realidade social.

A título exemplificativo pode-se afirmar que a Lei das Contravenções Penais (DL-003.688-1941),que

carece de efetividade, porquanto, no artigo 58, o jogo do bicho como contravenção penal. Não obstante a
existência de proibição legal expressa, o jogo do bicho, é explorado e praticado livremente por parcelas
significativas da sociedade brasileira, sem que os contraventores venham a sofrer, no plano fático,
quaisquer sanções pelas autoridades constituídas.
No referido caso, a eficácia social ou efetividade do diploma legislativo resta seriamente comprometida,
cabendo ao sociólogo do Direito perquirir as razões que possibilitam a compreensão desse fenômeno so

10Fundamentos da Sociologia do Direito

Métodos da Sociologia do Direito

Métodos são procedimentos intelectuais que permitem ao sujeito cognoscente a apreensão dos objectos do
conhecimento. A Sociologia do Direito utiliza diversos métodos para apreender as conexões da sociedade
com o ordenamento jurídico. Dentre eles, merecem destaque os seguintes métodos: indutivo, dedutivo,
positivista, compreensivo, dialético, estruturalista, funcionalista , desconstrucionista.

O método indutivo, está baseado na observação e na posterior sistematização dos dados particulares
para a construção de modelos conceituais genéricos. Em outras palavras, significa dizer que através da
indução o cientista parte da observação de situações particulares para a formulação de leis ou teorias
dotadas de generalidade e, portanto, de aplicação universal

O método dedutivo ,está baseado na aplicação dos modelos conceituais genéricos para experiências
sociais particulares, utilizando-se assim o raciocínio inverso da O método positivista busca descrever
objetivamente a realidade social, propiciando a exatidão do conhecimento sociológico, através da
preserva-ção do distanciamento entre sujeito e objeto, bem como através da neutralidade valorativa ou
axiológica.

O método compreensivo , está baseado na apreensão dos significados das acções e instituições sociais
existentes em cada cultura. Nesse sentido, ao contrário da abordagem positivista, defende-se um
conhecimento baseado na proximidade do cientista social com a sociedade e aberto às valorações sociais
de cada cultura humana.

O método dialético busca apreender a sociedade a partir da ótica dos conflitos existentes entre grupos
sociais, examinando como essas contradições interferem na configuração normativa e institucional da
ordem jurídica.

O método estruturalista parte da premissa de que haveria uma estrutura única e imodificável de papéis
ou funções sociais, a qual se repetiria nas mais diversas sociedades, embora com diversas fisionomias
culturais.

O método funcionalista busca examinar as conexões entre o direito e a sociedade a partir da ideia de
consenso. A ordem jurídica é então concebida como um instrumento normativo e institucional de
pacificação e resolução dos conflitos sociais ,enfatizando se a harmonia a segurança e a estabilidade das
expectativas comportamentais na rede de interacções humanas .