Você está na página 1de 3

WIK, Jon-Ansie.

Apartheid South Africa´s Nuclear Weapons Programme and its


impact on southern Africa. Porto Alegre: Autral:Brazilian Journal of Strategy &
International Relations.2014

(:119-119) Abstract

Antiguidade do envolvimento sul africano com artefactos nucleares.Existência de ao


menos seis dispositivos. Área de testes no deserto de Kalahari,Urânio da Namíbia,
estratégia de dissuasão nuclear em contraponto ao MPLA angolano e a URSS.
Objetivo deste artigo:determinar a extensão das atividades nucleares e seu impacto
regional entre meados de 1970 e 1991. Seu efeito dominó regionalmente assim como
a desintegração da URSS e o fim da guerra fria.

(:119-120) Apartheid And The Region

Wik descreve a conjuntura política enfrentada pela África do Sul,então sob o regime
do Partido Nacional (NP).
A queda do Colonialismo Português em 1974 é evidenciada enquanto o epicentro das
inseguranças de Pretoria quanto a manutenção regional do sistema de domínio branco.
Apesar das curtas tentativas no início da década de 1970 do primeiro Ministro John
Vorster de détente do apoio ofertado por países da África austral á oposição Sul
Africana.
O alinhamento ao bloco soviético de estados recém-Independentes sob governos de
maioria negra como Angola(MPLA) e Moçambique(FRELIMO), significou ao
regime racista, a implosão da barreira de contensão - representada pelos estados
colonizados - entre o Apartheid e a pressão política exercida
(financiamento,treinamento,apoio logístico e militar aos movimentos de libertação)
pela África Negra. Alimentando a narrativa de uma suposta ameaça comunista á
Africa do Sul, que justificou a intervenção militar Sul Africana em Angola em 1975.

O embate geopolítico entre as duas super-potência mundiais é descrito pelo autor


enquanto produtor dos conflitos na África austral no período relatado.O apoio
soviético a movimentos negros de libertação nacional foram descritos enquanto
ameaça comunista a estes regimes racistas,sendo usados na narrativa de justificação
de ataques transfronteiriços a países simpáticos a causa dos movimentos de libertação.

Pretória avaliou que deveria se contrapor a influência do urso nuclear soviético na


região. Desta forma,em contraposição a alegada ameaça comunista, o Apartheid
iniciou a construção de seu programa Nuclear.

(:121- 122) The Nuclear laager.

Os principais eventos do histórico Sul Africano com a energia Nuclear ão


evidenciados pelo autor neste Subtópico.
Pode ser datado ate a década de 1940 o interesse Sul Africano na tecnologia.
Exploração de urânio em 1950 com a Agência Anglo Americana e Agencia de
desenvolvimento combinado instalam uma mina para produção de oxido de urânio.
A partir r 1953 inicia-se a exportação de urânio ao R.U e os EUA.
Hendrik Verwoerd, primeiro ministro, inaugura o SAFFARI I (South African
Fundamental Atomic Research Installation I) em 1965.,o apoio de seu regime do
recrudescimento do apartheid gera o isolamento do país.

1976 é inaugurada Valindaba. Com ajuda da Alemanha ocidental é fundada esta que é
a primeira planta de enriquecimento de urânio do país africano.
A natureza dúbia do programa nuclear ao passar do tempo é pontuada por Wik.Até
pelo menos 1977, o estado mantinha o discurso de desenvolvimento para fins
pacíficos, que cambia oficialmente para a posição de desenvolvimento de capacidade
dissuasiva estratégica a partir do momento que a sensação de insegurança do regime
se aprofunda. Neste sentido o primeiro ministro John Vorster aprova em abril de 1978
a estratégia dissuasiva trifásica a seguir:

A escalada da “border war”,a pressão exercida pela cada vez mais vocal oposiçâo
democrática interna, aliado aos frutos do desenvolvimento nuclear do país – primeiros
artefatos em 1978,construídos a partir disto paulatinamente um por ano,primeiro
dispositivo entregue por aeronave em 1982 - deram ao programa nuclear africano o
saldo de 06 dispositivos nativos (De Klerk,1993)

Wik disponibiliza ainda alguns dados sobre as reservas estimadas de uranio mundial
em 1975, onde a Africa do Sul figura em posiçâo de destaque do conhecimento de
suas reservas. O que significa a garantia das bases necessarias ao pais para o
desenvolvimento nuclear pleno.

(:123-124) South Africa´s regional Policy.

Wik brevemente nos informa das ações empreendidas pelos estados da região frente a
politica de desestabilização e armamentista dos sul africanos. O Autor sintetiza
algumas das respostas, que variam em suas palavras do engajamento diplomático no
âmbito da ONU, o apoio ao isolamento diplomático do país passando pelo apoio
logístico-militar aos movimentos oposicionistas ao regime racista do NP .
Wik finaliza o subtópico nos informando da presença de Pretória na Namíbia-entao
sudoeste africano – marcada pela exportação do regime apartheid ao território, açao
condenada nacional e internacionalmente e pela alegação de aquisição ilegal do
urânio namibiano.

Os resultados do caso de 1966 da corte internacional de justiça apresentado por


Libéria e Nigéria contra pretória são vistos pelo apartheid enquanto justificativa a seu
involvimento na namibia.

Botswana: “ So far, and no further”