Você está na página 1de 7

1 FCC/ALESE/2018 O modelo patrimonialista de administração pública

A é contemporâneo ao modelo burocrático, diferindo deste pela separação clara entre


patrimônio público e dos governantes.

B antecede o modelo burocrático e possui, como traço característico, a ausência de separação


entre o patrimônio público e o dos governantes.

C sucede o modelo burocrático e precede o gerencial, sendo caracterizado pela rigidez das
estruturas hierárquicas.

D é uma resposta ao excesso de flexibilidade do modelo gerencial, sucedendo este último e


tendo seu foco principal na responsabilidade fiscal.

E é contemporâneo ao modelo gerencial, dele diferindo pela utilização de modelos de parcerias


público-privadas em lugar da desestatização.

2 FCC/Prefeitura de Recife/2019 Os modelos de Administração pública que se sucederam


apresentam características próprias, que distinguem cada qual dos demais, entre elas

A a gestão horizontal do modelo burocrático, que substituiu a verticalização de estruturas


própria do patrimonialista.

B a ênfase na preservação do patrimônio público, própria do modelo patrimonialista, com clara


separação do patrimônio do governante, o que perdeu força no modelo gerencial a partir das
privatizações.

C a prevalência de controles a priori da atuação pública, de natureza formal, característica do


modelo gerencial e considerada uma evolução em relação ao burocrático, que apenas realiza
controles a posteriori.

D o critério técnico de seleção dos servidores, ausente no modelo burocrático e introduzido pelo
gerencial, que passou a valorizar a estrutura funcional da Administração.

E o formalismo e a estrutura hierárquica rígida, próprios do modelo burocrático, aliados à


meritocracia, esta também presente no modelo gerencial.

3 FCC/Prefeitura de Macapá/2018 A adoção do modelo gerencial de Administração pública


trouxe, entre outras mudanças de paradigma em relação ao modelo burocrático,

A o controle de resultados das ações públicas, exercido a posteriori, adicional ao controle


meramente formal e apriorístico.

B a meritocracia, em substituição ao clientelismo próprio do modelo burocrático.

C a especialização técnica dos servidores, abandonando o patrimonialismo próprio do modelo


burocrático.

D a verticalização das estruturas hierárquicas, como forma de obter ganhos de escala nos
serviços públicos.
E a transferência à iniciativa privada de atividades inseridas no núcleo estratégico público, e não
apenas daquelas não exclusivas de Estado.

4 FCC/Prefeitura de Macapá/2018 No que concerne aos conceitos de Governança e


accountability em organizações públicas, tem-se que:

I. Accountability diz respeito à prestação de contas aos cidadãos e responsabilização dos agentes
públicos.

II. Governança representa um aspecto instrumental da governabilidade e envolve os arranjos


institucionais para implementação de políticas públicas.

III. Ambos os conceitos são aspectos da atuação do poder público, a governança de natureza
política, e accountability de natureza contábil.

Está correto o que se afirma APENAS em

A I e III.

B I e II.

C III.

D II.

E I.

5 FCC/DPE-AM/2018 Ao influxo da Reforma do Aparelho do Estado, implementada em meados


dos anos 1990, buscava-se um novo paradigma para a atuação da Administração pública, com a
aplicação de conceitos como o de accountability, que, em uma de suas acepções correntes,

A significa a governança, entendida como o relacionamento entre todos os agentes públicos


envolvidos.

B é sinônimo de governabilidade, correspondendo às próprias condições de exercício do poder.

C corresponde ao denominado orçamento por resultados, vinculado a ações estratégicas.

D significa obrigação de prestar contas, respondendo por uma responsabilidade outorgada.

E significa a somatória de ações estratégicas, metas e indicadores fixados para melhoria dos
serviços públicos.

6 FCC/DETRAN-MA/2018 Suponha que determinado órgão da Administração pública do Estado


do Maranhão, no afã de implementar uma ação estratégica definida a partir de ampla consulta
pública e que, de fato, beneficiou um enorme contingente de cidadãos, tenha extrapolado
significativamente os custos adequados à sua consecução. Verificou-se que a ação foi concluída
no cronograma previsto, porém, em razão de falhas de gestão, demandou gastos adicionais com
pagamento de horas-extras e aditamentos contratuais. Não obstante, ao final, atendeu aos
anseios da população, beneficiando um significativo contingente de cidadãos. Diante desse
cenário, pode-se concluir que a atuação do referido órgão público mostrou-se
A ineficaz, ineficiente e não efetiva, pois estes parâmetros somente podem ser aferidos
conjuntamente, a partir do binômio resultado/custo.

B eficaz e eficiente, na medida em que atendeu à finalidade pública almejada, sendo despicienda
a avaliação de custo.

C eficiente, porém não efetiva, sendo esta última uma medida exclusivamente de adequação
custo-benefício da ação.

D efetiva e eficiente, dado que chegou ao seu termo final no tempo estimado, porém não eficaz
em razão da majoração de custos.

E dotada de efetividade, porém carecendo de eficiência, eis que não apresentou a melhor
aplicação aos insumos aplicados.

7 FCC/ALESE/2018 Suponha que determinado Estado, em face da superveniência de crise fiscal,


tenha adotado um programa de contenção de gastos e racionalização do uso de recursos
humanos e financeiros para a realização de programas e ações públicas em curso, objeto de um
plano de metas traçado no início da gestão. Nesse cenário, foram descontinuadas algumas
iniciativas em que a relação custo-benefício não se mostrava favorável e outras que não
refletiam as prioridades atualmente indicadas pela população, substituindo-as por outras que
atendiam aos anseios expressados no momento presente. Nesse cenário, constata-se que a ação
estatal pautou-se pela busca de

A eficácia, pelo uso racional de insumos e redução de custos, porém não eficiência, pela
frustração de expectativas de parcela da população.

B economicidade, pela redução dos gastos, porém não eficiência, eis que não cumpridos os
objetivos públicos em sua integralidade.

C efetividade, pela adoção de mecanismos de gerenciamento de prioridades, porém não


eficácia, dada a impossibilidade de suspensão de todas as ações deficitárias.

D economicidade e efetividade, pela contenção de gastos e redução do número de programas,


porém não eficiência, em razão do não cumprimento das metas iniciais.

E eficiência, com o uso racional de insumos na produção de bens e serviços, bem como
efetividade, objetivando atingir as expectativas dos cidadãos com as ações públicas.

8 FCC/DETRAN-MA/2018 Entre os fundamentos de excelência considerados pela Fundação


Nacional de Qualidade − FNQ se insere:

A planejamento estratégico: com o estabelecimento de metas e indicadores para orientarem a


atuação da organização.

B downsizing: enxugamento, com redução de posições e redundâncias, visando a evitar o


retrabalho e aumentar a produtividade.

C reengenharia: que corresponde ao conceito de “folha em branco”, a partir do qual novos


paradigmas podem ser estabelecidos.
D adaptabilidade: flexibilidade e capacidade de mudança em tempo hábil, frente a novas
demandas das partes interessadas e alterações no contexto.

E accountability: dever de responder por uma responsabilidade outorgada, prestando contas à


sociedade.

9 FCC/ALESE/2018 O modelo de excelência predicado pela Fundação Nacional da Qualidade


(FNQ) é consagrado como um referencial para o aprimoramento da gestão nas organizações,
comportando também, com as devidas adaptações, aplicação à Administração pública,

A que deve estar alicerçada no binômio princípios aplicáveis à Administração pública e


fundamentos próprios da gestão de excelência contemporânea.

B que é somente aplicável a pessoas jurídicas de direito privado, ou seja, empresas públicas ou
sociedades de economia mista.

C que é parcialmente aplicável, não comportando adoção dos critérios de excelência


preconizados pela Fundação.

D não admitindo, contudo, a premiação, eis que o sistema de pontuação em que esta se baseia
somente é aplicável a instituições privadas.

E afastando a incidência do regime jurídico próprio da Administração para efeito de atingimento


das metas da Fundação.

10 FCC/ALESE/2018 A gestão por resultados passou a ser um tema relevante na Administração


pública a partir da adoção do modelo gerencial, apresentando, como uma de suas facetas, o
orçamento por resultados, denominado Avança Brasil, que inovou, a partir do PPA 2000-2003,

A introduzindo a obrigatoriedade de auditoria de custos nas ações e projetos governamentais,


para redução de ineficiências.

B assegurando a aplicação de recursos de acordo com os resultados obtidos em exercícios


anteriores.

C impondo a contratualização de resultados entre a União e as entidades integrantes da


Administração indireta.

D estabelecendo os objetivos públicos a serem atingidos por cada um dos órgãos e alocando os
recursos de forma proporcional à importância de cada qual.

E estruturando ações de governo em programas, mensurados por indicadores, com metas


definidas.

11 FCC/ALESE/2018 Conforme enfatiza Augustinho Vicente Paludo, “a questão da excelência em


serviços públicos está atrelada às melhorias acumuladas no decorrer do processo de
modernização, à utilização de ferramentas da qualidade, à situação orçamentário-financeira do
Estado para custeio da prestação dos serviços e ao padrão de relacionamento entre o Estado e
a sociedade” (In: Administração Pública, Elsevier, p. 251-252). Nesse contexto, alguns fatores
podem ser apontados para identificar uma atuação de excelência na Administração, entre os
quais:

I. comunicação com o usuário-cidadão: criação de canais que possibilitem a troca de


informações e oitiva das expectativas e reclamações.

II. capacidade de resposta: prontidão para ajudar os clientes e prestar os serviços dentro do
prazo estabelecido.

III. cultura da inovação: que permite à Administração afastar a aplicação dos princípios
constitucionais em prol da eficiência.

Está correto o que se afirma APENAS em

A II.

B I e III.

C II e III.

D III.

E I e II.

12 FCC/TRT-6ª Região/2018 A excelência nos serviços públicos está atrelada às melhorias


acumuladas no processo de modernização e voltada ao atingimento do grau ótimo de prestação
dos serviços públicos ao cidadão. O conceito de qualidade na Administração pública reflete essa
busca, com a utilização de ferramentas e metodologias, como o modelo de excelência
desenvolvido pela Fundação Nacional de Qualidade (FNQ),

A que permite às organizações avaliarem o grau de excelência atingido, a partir da utilização de


um sistema de pontuação apresentado com base nos critérios de excelência da Fundação.

B que apenas pode ser aplicado a entidades integrantes da Administração que se submetam ao
regime jurídico de direito privado, como as sociedades de economia mista.

C que quando aplicado no setor público, necessita de diagnóstico prévio para identificar os
critérios e fundamentos aderentes ao órgão e entidade, com o desenvolvimento de uma matriz
específica.

D que propicia às entidades da Administração pública e aos servidores o acesso a treinamentos


e serviços, porém não à avaliação propriamente dita, que é voltada apenas ao setor privado.

E que embora não aplicável ao setor público, pode servir de parâmetro para o desenvolvimento
de modelos próprios de excelência, os quais, por seu turno, podem concorrer à premiação
promovida pela Fundação.

13 FCC/TRT-6ª Região/2018 Suponha que determinado cidadão tenha se dirigido a um órgão do


Poder Executivo Federal (“órgão solicitado”) pleiteando a concessão de um benefício previsto
em lei e para o qual preenche os requisitos necessários. Ocorre que a comprovação dos referidos
requisitos legais depende da apresentação de outros documentos e informações detidos por
diferentes órgãos da Administração pública federal. Considerando as disposições do Decreto no
9.094/2017,

A poderá ser dispensada a apresentação de certidão, bem como o reconhecimento de firma, se


o benefício requerido for de natureza previdenciária ou assistencial.

B os órgãos que detêm os documentos e informações estão obrigados a expedir, sem custos, as
certidões e cópias requeridas pelo cidadão, no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis.

C o órgão solicitado deverá obter, diretamente, os documentos e informações constantes da


base de dados dos demais órgãos, vedado exigir do cidadão a apresentação de certidões, salvo
disposição legal em contrário.

D o órgão solicitado deverá buscar, na medida do possível, outras alternativas que dispensem a
apresentação de documentos pelo cidadão, valendo-se da presunção de veracidade das
declarações prestadas pelo mesmo.

E o órgão solicitado, embora não possa dispensar a apresentação dos documentos e certidões
pelo próprio cidadão, está obrigado a diligenciar junto aos demais órgãos para viabilizar o
fornecimento no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis.

14 FCC/TRT-6ª Região/2018 De acordo com o que estabelece a Resolução no 49/2007, do


Conselho Nacional de Justiça, o Núcleo de Estatística e Gestão Estratégica

A deve ser formado por ao menos um magistrado de cada Tribunal e subordina-se diretamente
ao Conselho Nacional de Justiça.

B pode ser instaurado por determinação do Presidente de cada Tribunal, para subsidiar as ações
de política judiciária.

C é órgão integrante da estrutura do Conselho Nacional de Justiça, encarregado da consolidação


de dados enviados pelos Tribunais.

D subordina-se, obrigatoriamente, ao Corregedor de cada Tribunal, subsidiando a atuação do


mesmo.

E possui natureza permanente e integra a estrutura administrativa de cada Tribunal.

15 FCC/TRT 2ª Região/2018 Considere as assertivas abaixo, relativas à atuação da Administração


Pública.

I. A atuação eficiente da Administração relaciona-se com o uso adequado dos insumos na


produção de bens e serviços.

II. Uma ação administrativa é considerada efetiva quando atinge as legítimas expectativas dos
administrados.

III. Eficácia diz respeito à governança no âmbito interno da Administração, traduzindo a relação
entre os diversos agentes envolvidos e a população.

Está correto o que se afirma APENAS em


A II.

B I e II.

C II e III.

D III.

E I.

Gabarito

1B

2E

3A

4B

5D

6E

7E

8D

9A

10 E

11 E

12 A

13 C

14 E

15 B