Você está na página 1de 9

www.cers.com.

br 1
1. (Parte Geral. Personalidade). No que diz respeito à personalidade e à teoria das capacidades, à luz do
Código Civil e das legislações extravagantes, é correto afirmar que:

A) A personalidade da pessoa natural é adquirida desde a concepção, daí porque a lei põe à salvo os direitos do
nascituro, à exemplo do direito deste aos alimentos gravídicos.
B) Por força do Estatuto da Pessoa com Deficiência as pessoas com desenvolvimento mental incompleto passaram
a ser consideradas relativamente incapazes.
C) O menor de dezesseis anos não possui capacidade de direito.
D) Os indígenas possuem a sua capacidade de fato disciplinada em legislação própria.

2. (Parte Geral. Emancipação). A emancipação é expressamente disciplinada no Código Civil Brasileiro, no-
tadamente em seu artigo 5o, parágrafo único. Sobre o tema da emancipação é correto afirmar que:

A) Os genitores poderão emancipar voluntariamente seus filhos a partir dos dezesseis anos de idade, mediante
instrumento público, independente de homologação judicial, hipótese em que não mais terão responsabilidade civil
pelos atos danosos que estes praticarem.
B) Os genitores poderão emancipar voluntariamente seus filhos a partir dos dezesseis anos de idade, mediante
instrumento público, independente de homologação judicial, mas permanecerão com responsabilidade civil pelos
atos danosos que estes praticarem.
C) O casamento emancipa, mas o divórcio poderá acarretar o cancelamento da emancipação.
D) O emancipado é considerado maior de idade, de modo que responderá civil e criminalmente pelos atos que
praticar.

3. (Parte Geral. Extinção da Personalidade). No que diz respeito à extinção da personalidade é correto afir-
mar que:

A) Pode ser declarada a morte presumida, com decretação de ausência, se for extremamente provável a morte de
quem estava em perigo de vida.
B) Se alguém, desaparecido em campanha ou feito prisioneiro, não for encontrado até dois anos após o término da
guerra, será possível declarar a morte presumida, com decretação de ausência, desta pessoal.
C) A morte da parte autora em uma demanda na qual se discute direito personalíssimo gera a sucessão processual.
D) Se dois ou mais indivíduos falecerem na mesma ocasião, não se podendo averiguar se alguém dos comorientes
precedeu aos outros, presumir-se-ão simultaneamente mortos.

4. (Parte Geral. Pessoa Jurídica). Sobre a pessoa jurídica é correto afirmar que:

A) A existência da pessoa jurídica se efetiva a partir da assinatura do seu ato constitutivo.


B) O Código Civil adota a teoria menor da desconsideração, de modo que o mero inadimplemento da obrigação é
suficiente para justificar esta modalidade de intervenção de terceiros.
C) A desconsideração da personalidade da pessoa jurídica exige requerimento da parte e poderá ocorres deste a
petição inicial, como também por meio de incidente, pressupondo a demonstração do abuso, configurado por desvio
de finalidade ou confusão patrimonial.
D) A legislação brasileira não prevê a possibilidade de desconsideração inversa da personalidade da pessoa jurí-
dica.

5. (Parte Geral. Pessoa Jurídica). No que diz respeito aos direitos da personalidade em relação às pessoas
jurídicas, é correto afirmar que:

A) Aplica-se às pessoas jurídicas os direitos da personalidade da mesma forma por meio da qual tais direitos são
aplicados às pessoas naturais.
B) Segundo jurisprudência pacificada no Superior Tribunal de Justiça a pessoa jurídica pode sofrer danos morais.
C) Os direitos da personalidade somente se aplicam às pessoas naturais.
D) Os direitos da personalidade se aplicam, irrestritamente, às pessoas jurídicas.

6. (Parte Geral. Domicílio). Quanto ao tema do domicílio a legislação brasileira assim disciplina:

www.cers.com.br 2
A) O domicílio da pessoa natural é, via de regra, o lugar em que a mesma se encontra ocasionalmente com a
intenção de ali permanecer.
B) Tendo a pessoa natural mais de uma residência, onde alternadamente viva, será considerado domicílio da
mesma a mais antiga.
C) Nos contratos escritos envolvendo bens disponíveis será possível as partes elegerem domicílio contratual, tam-
bém denominado foro de eleição. Contudo, em um processo judicial poderá o magistrado reconhecer de ofício a
ineficácia desta cláusula acaso constate a abusividade da mesma e assim decida até o momento do despacho de
citação.
D) O domicílio do marítimo é o local em que o navio estiver atracado.

7. (Parte Geral. Bens Jurídicos). Lucrécio vendeu à Latércio o seu imóvel e, no dia 30 de novembro de 2017,
transferiu ao adquirente do bem a referida posse, realizando a desocupação, com a retirada dos móveis. Um
mês depois, Lucrécio percebeu que havia esquecido de retirar do imóvel um quadro que se encontrava em
um dos cômodos, razão pela qual informou o problema a Lucrécio que se negou a entregar o referido bem
sob a alegação deste agora lhe pertencer. Sobre a situação hipotética, responda:

A) Lucrécio está com a razão diante do princípio segundo o qual o acessório segue a sorte do principal.
B) Lucrécio está errado porque o quadro tem natureza jurídica de pertença e, portanto, deve ser entrega à Latércio.
C) Lucrécio tem razão porque o bem referido é uma benfeitoria útil.
D) Lucrécio tem razão porque o bem referido é uma benfeitoria voluptuária.

8. (Parte Geral. Bens Jurídicos). No que toca aos bens jurídicos é correto afirmar:

A) Os bens públicos não podem ser usucapidos, à exceção dos dominicais.


B) Os bens públicos dominicais não podem ser alienados.
C) São públicos os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno, à exceção daqueles desafe-
tados, que são privados.
D) De acordo com o entendimento pacificado nos Tribunais Superiores os bens públicos, ainda que dominicais, não
podem ser usucapidos.

9. (Parte Geral. Fato, Ato e Negócio Jurídico). A invalidade dos negócios jurídicos é disciplinada expressa-
mente pelo Código Civil. Sobre o assunto, marque a assertiva INCORRETA.

A) Constatando o magistrado que o absolutamente incapaz praticou um ato da vida civil sem ser devidamente
representado, deverá suprir o vício intimando o representante legal do incapaz, evitando a decisão surpresa, e
convalidando o ato jurídico.
B) O negócio jurídico anulável poderá ser confirmado pelas partes, desde que isto não causa prejuízo à terceiros.
C) A consequência de um negócio jurídico simulado é a nulidade absoluta, modalidade de vício inconvalidável.
D) A nulidade absoluta produz efeitos “erga omnes” e “ex tunc”, não se sujeitando à prescrição, muito menos à
decadência.

10. (Parte Geral. Fato, Ato e Negócio Jurídico). Sobre a interpretação dos negócios jurídicos, marque a al-
ternativa incorreta:

A) Os negócios jurídicos devem ser interpretados e acordo com os costumes do lugar e com a boa-fé.
B) Os negócios jurídicos benéficos e a renúncia devem ser interpretados ampliativamente.
C) Nas declarações de vontade se deverá atentar mais para a verdadeira intenção das partes, do que para o sentido
literal do texto posto.
D) Subsiste, via de regra, o negócio jurídico celebrado com reserva mental.

11. (Parte Geral. Prescrição e Decadência). A prescrição e a decadência são institutos jurídicos tratados
tanto no Código Civil, quanto no Código de Processo Civil. No que diz respeito ao tema, assinale a alterna-
tiva correta.

A) Com o advento do Estatuto da Pessoa com Deficiência as pessoas que, por causa transitória ou permanente,
não puderem expressar a sua vontade não terão contra si o curso do prazo prescricional, muito menos decadencial.
B) Não corre prazo decadencial contra relativamente incapaz.

www.cers.com.br 3
C) As partes podem alterar, por acordo de vontade, o prazo prescricional.
D) É possível o reconhecimento, de ofício, da prescrição pelo Juiz da Causa que deverá, para evitar a decisão
surpresa, intimar as partes a este respeito antes de efetivamente pronunciar a prescrição.

12. (Parte Geral. Prescrição e Decadência). Acerca da decadência, assinale a alternativa correta.

A) Em regra, aplica-se à decadência as normas que suspendem, impedem e interrompem o prazo prescricional,
ante a similitude dos institutos.
B) O juiz da causa pode, de ofício, decretar a decadência.
C) É válida a renúncia à prazo decadencial legal.
D) É vedada por lei a possibilidade de criação de um prazo decadencial convencional.

13. (Parte Especial. Obrigações). No que diz respeito ao tema das obrigações alternativas assinale a asser-
tiva correta.

A) Nas obrigações alternativas a escolha da prestação competirá, em regra, ao credor.


B) O Código Civil não autoriza às partes elegerem terceira pessoa para o fim de escolher qual obrigação alternativa
será adimplida pelo devedor.
C) Se uma das prestações se tornar inexequível, sem culpa das partes, a obrigação alternativa será convertida em
obrigação simples.
D) É possível adimplir parte de uma prestação e parte de outra para, com isto, obter a quitação de uma obrigação
alternativa.

14. (Parte Especial. Obrigações). Sobre as obrigações solidárias é correto afirmar que:

A) A solidariedade não se presume, decorre de lei ou da vontade das partes.


B) Se um devedor solidário for citado nos autos de uma ação judicial poderá, em regra, apresentar no bojo da sua
contestação denunciação da lide quanto aos demais devedores solidários.
C) Em regra, a obrigação de prestar alimentos é solidária entre os parentes, à exceção do estatuto do idoso, que
prevê de modo específico a responsabilidade subsidiária dos devedores de pensão alimentícia.
D) Convertida a obrigação solidária em perdas e danos, cessará a solidariedade a partir deste instante.

15.(Parte Especial. Obrigações). À propósito da teoria do pagamento, é correto afirmar que:

A) Qualquer interessado no pagamento da dívida pode pagá-la, usando, se o credor se opuser, dos meios condu-
centes à exoneração do devedor, à exemplo da ação de consignação em pagamento.
B) Ao terceiro não interessado na extinção da dívida é vedado o pagamento da mesma.
C) O pagamento realizado por terceiro interessado gera direito ao reembolso, mas não a sub-rogação.
D) O pagamento de boa-fé realizado à credor putativo é inválido.

16. (Parte Especial. Obrigações). No que concerne ao instituto da cláusula penal é correto afirmar que:

A) Incorre de pleno direito o devedor no pagamento da cláusula penal desde que o credor comprove o prejuízo
efetivamente sofrido.
B) A cláusula penal não poderá exceder o valor da obrigação principal, salvo quando o magistrado a fixar à título de
multa diária.
C) É possível o magistrado reduzir, de ofício, o valor da cláusula penal.
D) Via de regra, a cláusula penal poderá ser cobrada de maneira cumulativa à indenização suplementar.

17. (Parte Especial. Contratos). Sobre a teoria geral dos contratos, assinale a assertiva verdadeira:

A) Nos contratos atípicos a liberdade de contratar é maior do que nos contratos típicos, de modo que os contratantes
não precisarão se submeter às disposições gerais da teoria geral dos contratos nesta situação.
B) O Código Civil não se refere aos contratos de adesão tendo em vista se tratar de tema alusivo ao Código de
Defesa do Consumidor.
C) O princípio da função social dos contratos previsto no Código Civil aboliu o princípio da autonomia privada.

www.cers.com.br 4
D) É vedado o contrato que tenha como objeto herança de pessoa viva de modo que a celebração deste pacto
configura hipótese de nulidade absoluta.

18. (Parte Especial. Contratos). Sobre a extinção dos contratos, assinale a assertiva verdadeira:

A) Resilição é forma de extinção motivada do contrato e pode ocorrer de maneira expressa, ou tácita.
B) A morte do contratante não poderá ser considerada como causa de extinção dos contratos em nenhuma hipótese.
C) O inadimplemento contratual absoluto autoriza o credor a postular a resilição do contrato, também denominada
de denúncia vazia.
D) A resilição bilateral também é denominada de distrato e deve se dar na mesma forma do contrato.

19. (Parte Especial. Contratos). Sobre a teoria geral dos contratos, assinale a assertiva verdadeira:

A) Nos contratos atípicos a liberdade de contratar é maior do que nos contratos típicos, de modo que os contratantes
não precisarão se submeter às disposições gerais da teoria geral dos contratos nesta situação.
B) O Código Civil não se refere aos contratos de adesão tendo em vista se tratar de tema alusivo ao Código de
Defesa do Consumidor.
C) O princípio da função social dos contratos previsto no Código Civil aboliu o princípio da autonomia privada.
D) É vedado o contrato que tenha como objeto herança de pessoa viva de modo que a celebração deste pacto
configura hipótese de nulidade absoluta.

20. (Parte Especial. Contratos). Sobre a extinção dos contratos, assinale a assertiva verdadeira:

A) Resilição é forma de extinção motivada do contrato e pode ocorrer de maneira expressa, ou tácita.
B) A morte do contratante não poderá ser considerada como causa de extinção dos contratos em nenhuma hipótese.
C) O inadimplemento contratual absoluto autoriza o credor a postular a resilição do contrato, também denominada
de denúncia vazia.
D) A resilição bilateral também é denominada de distrato e deve se dar na mesma forma do contrato.

21. (Parte Especial. Posse). Sobre o tema da posse e das ações possessórias é correta a seguinte assertiva:

A) Ainda que o conflito judicial possessório envolva um considerável número de pessoas, não está o magistrado
obrigado a dar conhecimento da causa ao Ministério Público e à Defensoria Pública.
B) Não obsta o êxito da ação possessória a alegação de domínio apresentada pelo réu.
C) O detentor terá legitimidade ativa para ajuizar ações possessórias.
D) É possível o ajuizamento de interdito proibitório na defesa de direito autoral.

22. (Parte Especial. Direitos Reais. Usucapião). Sobre o tema da usucapião é correta a seguinte assertiva:

A) A usucapião é fora de aquisição da propriedade imóvel apenas e poderá se dar tanto pela via judicial, quanto
pela via administrativa.
B) Bens públicos não podem ser usucapidos, ainda que dominicais.
C) Não é permitida a usucapião administrativa.
D) Na usucapião por abandono do lar o prazo que o cônjuge, ou companheiro, terá a partir do qual poderá ajuizar a
medida é de cinco anos.

23. (Parte Especial. Direitos Reais. Condomínio). Acerca do tema vagas de garagens, é correto afirmar que:

A) No condomínio edilício em regra será permitido ao condômino alugar, ou alienar, a vaga de garagem a terceiro
estranho.
B) A vaga de garagem com matrícula própria não poderá ser objeto de penhora.
C) Somente para o caso de a convenção do condomínio permitir é que poderá o condômino alugar, ou alienar, vaga
de garagem a terceiro estranho.
D) A vaga de garagem sem matrícula própria poderá ser objeto de penhora.

www.cers.com.br 5
24. (Parte Especial. Direito de Laje). Sobre o Direito de Laje e de acordo com o Código Civil Brasileiro assi-
nale a alternativa correta.

A) O direito de laje pode ser constituído sobre superfície particular ou pública.


B) Só é autorizada a constituição de uma laje por construção e sempre no plano vertical.
C) O titular do direito de laje não poderá aliená-lo.
D) Não se aplica ao direito de laje a disciplina supletiva do condomínio edilício em nenhuma hipótese.

25. (Parte Especial. Direitos de Família). Acerca dos impedimentos matrimoniais, é correto afirmar que:

A) Não podem casar os parentes colaterais entre si, até o quarto grau, inclusive.
B) A consequência de um casamento que desrespeita impedimento matrimonial é a nulidade relativa, a ser arguida
por qualquer interessado, ou pelo Ministério Público nas causas em que deva intervir.
C) A consequência de um casamento que desrespeita impedimento matrimonial é a nulidade absoluta, a ser arguida
pelo interessado, ou pelo Ministério Público.
D) Casamento celebrado com pessoa portadora de desenvolvimento mental incompleto é nulo por infringência de
impedimento matrimonial.

26. (Parte Especial. Direitos de Família). Sobre a capacidade núbil, é correto afirmar que:

A) A capacidade para o casamento é adquirida a partir dos dezesseis anos, de modo que não será possível em
hipótese alguma matrimônio envolvendo nubente com data inferior a esta.
B) A autorização para casar concedida pelos genitores ao filho maior de dezesseis anos e menor de dezoito anos
não poderá ser cancelada posteriormente, sob pena de comportamento contraditório e quebra da justa expectativa.
C) A consequência de um casamento realizado por um menor de dezoito anos após suprimento judicial da autori-
zação não obtida dos genitores será o regime da separação obrigatória de bens, que poderá ser alterado após a
maioridade, acaso os cônjuges requeiram, futuramente, ao Poder Judiciário.
D) Casamento celebrado com pessoa portadora de desenvolvimento mental incompleto é nulo por infringência de
impedimento matrimonial.

27. (Parte Especial. Alimentos). No que diz respeito aos idosos, a disciplina dos alimentos apresenta con-
tornos legislativos e jurisprudenciais específicos. Sobre o assunto, assinale a opção correta:

A) Os idosos são credores subsidiários de alimentos em relação aos seus parentes.


B) De acordo com a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça a obrigação alimentar dos avós é subsidiária e
complementar, somente se configurando no caso de impossibilidade total ou parcial de seu cumprimento pelos pais.
C) O Estatuto do Idoso foi omisso quanto à disciplina dos alimentos em benefício dos idosos.
D) De acordo com a legislação em vigor, a disciplina jurídica dos alimentos aos idosos é idêntica à disciplina jurídica
dos alimentos à criança e ao adolescente.

28. (Parte Especial. Sucessões). Acerca do direito das sucessões assinale a alternativa verdadeira:

A) Conforme entendimento atual dos Tribunais Superiores a sucessão na união estável deve se submeter a mesma
disciplina jurídica da sucessão do casamento.
B) A jurisprudência dos Tribunais Superiores reconhece direito sucessório no concubinato, por equipará-lo à família.
C) É anulável a doação realizada por ascendente à descendente, de modo que este pacto não gera nenhum efeito
sucessório.
D) De acordo com o entendimento atual dos Tribunais Superiores o direito sucessório na união estável merece
tratamento distinto do direito sucessório no casamento.

29. (Parte Especial. Sucessões). Lucrécio, solteiro, sem ascendentes, ou descendentes, deseja transmitir
toda a sua herança ao seu amigo Latércio. Nestas condições,

A) Lucrécio poderá celebrar com Latércio um contrato que tenha como objeto a herança de pessoa viva.
B) Lucrécio poderá dispor da sua última vontade por meio de um testamento público, secreto ou cerrado.
C) Lucrécio deverá fazer um codicilo.
D) Lucrécio deverá fazer uma doação de todos os seus bens à Latércio.

www.cers.com.br 6
30. (Parte Especial. Sucessões). Acerca do testamento, assinale a alternativa verdadeira:

A) A partir dos dezesseis anos de idade a pessoa natural estará autorizada a realizar testamento.
B) Codicilo é modalidade de testamento datado e assinado por duas testemunhas.
C) A incapacidade superveniente do testador enseja a invalidade do testamento.
D) A descoberta pelo testador de filho após a celebração do testamento enseja a redução da cláusula testamentária
aos limites da legítima, conservando a validade e eficácia do testamento no restante.

www.cers.com.br 7
GABARITO:

01) D.
02) B.
03) D.
04) C.
05) B.
06) C.
07) B.
08) D.
09) A.
10) B.
11) D.
12) B.
13) C.
14) A.
15) A.
16) C.
17) D.
18) D.
19) D.
20) D.
21) B.
22) B.
23) C.
24) A.
25) C.
26) C.
27) B.
28) A.
29) B.
30) A.

www.cers.com.br 8
www.cers.com.br 9