Você está na página 1de 13

A LUTA CONTRA O PECADO

Quando aconteceu nossa conversão, imediatamente fomos colocados num campo de


batalha. Iniciamos uma guerra que seguirá até o fim de nossas vidas neste mundo.
Esta é a guerra contra o pecado. Somente os salvos travam esta batalha. Quando não
éramos filhos de Deus, não oferecíamos resistência ao pecado, pelo contrário, Jesus
disse que éramos escravos dele e, por isso, sempre o servíamos. “Digo- lhes a
verdade: Todo aquele que vive pecando é escravo do pecado.” (Jo.8.34). No momento
de nossa conversão, Jesus nos libertou da escravidão do pecado, nos fez Seus servos
e passamos então a ter o pecado como nosso inimigo.

Se somos verdadeiros cristãos, estamos numa grande batalha e esta é uma batalha
que requer nossa constante atenção. Ainda que não sejamos mais escravos do
pecado, ele continua habitando em nós e quer exercer seu domínio. O apóstolo Paulo,
escrevendo aos Romanos, disse que em sua carne não habitava bem nenhum, pois
sabia que ali era a habitação do pecado (Rm 7:18,20). Nesta batalha nosso inimigo
não está longe, ele está muito perto, está dentro de nós, na nossa carne.

Alguém muito inteligente chamado Jonathan Edwards disse certa vez: “A


perseverança é uma consequência necessária da salvação”. O que isso significa é
que quando alguém é verdadeiramente salvo, quando alguém realmente se torna
cristão, ele continuará por toda a sua vida amando a Jesus e obedecendo a sua
Palavra.

Tais pessoas vão pecar e tropeçar ao longo do caminho, às vezes, eles podem até
mesmo se embaraçar, mas se forem realmente cristãos, se forem verdadeiramente
convertidos, sempre se arrependerão do pecado e voltarão correndo para Jesus. Se
eles não o fizerem, depois de uma semana, depois alguns meses ou mesmo depois de
20 anos, é porque nunca foram realmente cristãos, não importando o que disseram ou
fizeram no passado. Estão mortos em pecado e enfrentarão as consequências do
pecado, que é a ira boa e justa de um Deus santo, no inferno para sempre. A
perseverança é extremamente séria e a falta de perseverança é simplesmente
mortal. Cristãos verdadeiros correm a corrida até o final e, ao fazer isso, recebem a
recompensa pela carreira.

“Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de
testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente
nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta,
olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca
da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da
ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus” (Hb 12.1-2).

O ponto principal deste texto é o único comando: CORRAMOS! Tudo o mais


suporta, explica ou dá motivação para isso. CORRAMOS! Corra a corrida que está
diante de você! Não passeie, não perca tempo, não vagueie sem rumo. Corra a corrida
com perseverança, todo o caminho até a linha de chegada, porque tudo depende
disso.

Vamos dividir o texto em duas partes. Verifiquemos o que vamos fazer e como
devemos fazer isso. O que e como? Hoje nós vamos entrar na primeira seção: o que
devemos fazer? “Corramos”! Lembre-se, esse é o grande ponto da passagem. O que
significa correr de verdade? Não se embarace, não deixe nada entrar no caminho e
não desista.

Amanhã vamos aprender sobre como podemos fazer para vencer a nossa batalha
contra o pecado, então não esqueça de vir amanhã aprender sobre isso!

NÃO SE EMBARACE
O livro de Hebreus foi escrito para uma igreja que havia se tornado muito
confortável no mundo. Eles deixaram de ser distintos e começaram a vagar pela
vida, e agora as circunstâncias em torno deles estavam mudando e estava se
tornando impopular e desconfortável ser um cristão. Havia uma verdadeira tentação de
desistir e retornar ao conforto e à segurança de suas vidas anteriores.

Esse livro foi escrito para alertar as pessoas a não se afastarem de Jesus. Está
repleto de advertências contra a rejeição de Cristo e lembranças das
consequências de rejeitá-lo.

Hebreus 2.1-3 adverte: “Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais
firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos… como
escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação?”. Como crentes
devemos prestar muita atenção às coisas que ouvimos e lemos da Palavra de
Deus. Não é uma brincadeira; não prestar atenção resulta em naufrágio, o que
leva a um julgamento inescapável. Não se embarace em relação a Deus e à sua
Palavra.
Hebreus 3.12-13 adverte novamente: “Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça
haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do
Deus vivo; pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo
que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do
pecado”. Tenham cuidado, não se embaracem, examinem o seu coração, sejam
responsáveis e encorajem-se mutuamente para que não enganem a si mesmos e
venham a se tornar endurecidos quanto ao pecado. A responsabilidade individual e a
responsabilidade coletiva da membresia na igreja são realmente importantes porque o
pecado é enganoso e todo aquele que ler isso é um pecador. Jeremias 17.9 diz:
“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente
corrupto; quem o conhecerá?”.

O autor de Hebreus está preocupado que as pessoas não estejam tomando os


devidos cuidados em sua corrida; está preocupado que eles estejam
desenvolvendo um senso preguiçoso de segurança e conforto. Ele está
preocupado que as pessoas estejam brincando com Deus e ele escreve esse livro
para alertar contra esse tipo de preguiça e insensatez. O autor dessa carta quer
desesperadamente que nós vejamos o perigo de se embaraçar e se desviar na vida
cristã.

“Pois, com efeito, quando devíeis ser mestres, atendendo ao tempo decorrido,
tendes, novamente, necessidade de alguém que vos ensine, de novo, quais são
os princípios elementares dos oráculos de Deus; assim, vos tornastes como
necessitados de leite e não de alimento sólido. Ora, todo aquele que se alimenta
de leite é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança. Mas o alimento
sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm as suas faculdades
exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal” (Hb 5.12-
14).

Deus espera que os cristãos estejam avançando na corrida, crescendo da infância à


maturidade. Devemos passar do leite para os alimentos sólidos: devemos crescer em
retidão, nos tornar mais parecidos com Jesus e ser capazes de discernir o bem do
mal. Não há lugar na corrida cristã para ficar parado, relaxar ou descansar em
realizações ou decisões. A realidade para o crente é que estamos nos movendo em
direção a Jesus ou nos distanciando dele.
Nós nunca permanecemos no mesmo lugar, porque a corrida cristã é subida, como
que contra o fluxo de uma escada rolante. Quando paramos de correr, quando
paramos e começamos a relaxar, começamos a voltar para onde iniciamos.
Perceba, corações caídos querem fugir de Deus, não ir em direção a ele.

João 3.19-20 diz: “O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens
amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. Pois todo
aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não
serem arguidas as suas obras”. Quando deixamos nossas próprias corridas na fé,
nos afastamos de Deus, e vivemos em um mundo cujo fluxo constante também está
longe de Deus e da piedade. E não se esqueça, nós também temos um inimigo que
está mais do que disposto a nos fazer tropeçar na escada rolante ou usar coisas para
nos atrair com coisas agradáveis e nos fazer ficar paralisados.

Brincar e deixar os resultados na incerteza leva ao desastre, e por isso há o


mandamento: CORRAMOS. É necessário um esforço verdadeiro. Cave, cave fundo e
siga em frente.

Então, como avançamos? O que precisamos fazer para nos certificar de que
estamos progredindo em nossa corrida? A resposta está em Hebreus 12.1:
“Deixem de lado todo peso e o pecado que se apega tão de perto”. A chave para
continuar avançando é a rejeição de tudo que nos engana, nos enreda e atrapalha.
Este comando não vem do nada. Como eu disse anteriormente, esse é o ponto de
todo o livro de Hebreus. Corra, lute, fique alerta, fortaleça-se, não se desvie, não
negligencie, permaneça firme, não presuma sobre a sua segurança eterna.
Quando alguém inicia um processo de perder peso, no começo é muito complicado e
uma das coisas que se faz para conseguir isso é correr. É um fato muito engraçado:
quanto mais magro se fica, mais fácil é correr. Nas Olimpíadas, você pode apostar que
nenhum dos corredores terá sobrepeso — isso é parte da razão pela qual eles correm
tão bem.

CORRA, LUTE, ESTEJA ALERTA


Como cristãos, o pecado nos torna espiritualmente embaraçados, também
temos que estar vigilantes contra ele, identificá-lo rapidamente e estarmos
prontos para nos arrependermos dele. O pecado nos arrasta para baixo, nos
prende e nos impede de correr. O pecado nos leva com o fluxo do mundo e nos
afasta de Jesus.
Muitas das coisas que nos atrapalham, atrasam e embaraçam não são realmente
pecaminosas em si mesmas. Muitas vezes são coisas boas, até dons de Deus, que
transformamos em problemas. Pode ser comida e bebida; nossos amigos;
podemos fazer dos nossos filhos a coisa mais importante do mundo; relações
com o sexo oposto. Toda vez que pegamos algo bom e o colocamos acima de
Deus, fazemos um ídolo que nos torna embaraçados, nos desacelera e nos
impede de correr. Outro homem sábio disse: “O coração do homem é uma
constante fábrica de ídolos”. Fazemos ídolos naturalmente, porque é fácil
colocarmos coisas acima de Jesus. Então, se desejamos rejeitar o pecado,
precisamos ser sábios e cuidadosos em nossa corrida. Não podemos simplesmente
lidar com as coisas perguntando: “Isso é pecaminoso ou não?”. Antes, precisamos
fazer uma pergunta mais profunda: “Isso é proveitoso? Isso me fará correr melhor?
Sou maduro e sábio o suficiente para não transformar esse dom em um ídolo?

Mas o importante é: antes de tomar a decisão, faça a pergunta certa. Faça a


pergunta real, que não é “isso é pecaminoso?”, mas sim: “isso é proveitoso?
Isso me ajudará a correr melhor a carreira? Isso me fará melhor na busca por
Jesus?”.

John Piper diz o seguinte: “A carreira da vida cristã não é bem corrida
perguntando, ‘o que há de errado nisso ou naquilo?’, mas perguntando: ‘isso me
conduz à maiores fé, amor, pureza, coragem, humildade, paciência e domínio
próprio?”. Não: “Isso é pecado?”, mas sim: “Isso me ajuda na corrida?”. Se a
resposta a essa pergunta for: “Não, isso não me ajuda a corrida, é uma distração, atrai
os meus olhos e meu coração para longe de Jesus” — então coloque-o de lado, lance-
o fora, não deixe isso lhe atrapalhar. Cabeça para cima, olhos à frente, corra a corrida.

NÃO DESISTA
Então não deixe nada lhe atrapalhar, e o ponto final dessa primeira seção: Não
desista. Portanto, uma vez que estamos cercados por tão grande nuvem de
testemunhas, vamos também deixar de lado todo embaraço e pecado que se apega
tão de perto, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta.

Esta palavra, perseverança, é absolutamente essencial para a tarefa de completar


a corrida. Porque só quem perseverar até o fim e terminar a corrida receberá o
prêmio. Resistência ou perseverança é o verdadeiro teste de autenticidade na vida
cristã. Repetirei a citação de Edwards com a qual comecei: “A perseverança é uma
consequência necessária da salvação”. Lembre-se do significado disso: quando
alguém é verdadeiramente salvo, quando alguém realmente se torna cristão, ele
continuará em toda a sua vida amando Jesus e obedecendo a sua Palavra.
Eu disse anteriormente que o livro de Hebreus está repleto de advertências para
perseverar porque o autor dessa carta desesperadamente quer que percebamos o
perigo de nos afastarmos de Jesus e nos desviarmos dele. Ele quer que corramos, e
não apenas comecemos a correr, mas continuemos correndo até o fim. Agora, eu sei
que não é fácil correr a carreira cristã; na verdade, às vezes, é horrível. Viver como
pessoas caídas em um mundo caído e corrompido pode ser brutal e doloroso. Às
vezes, é necessário tudo o que temos para colocarmos um pé na frente do outro e
prosseguirmos. Deus não espera que você corra como um Usain Bolt. Adoro essas
palavras de Charles Spurgeon: “Pela perseverança, o caracol alcançou a arca”.
Centímetro a centímetro, o caracol arrastou-se adiante e nós também
precisamos fazê-lo.
2 DIA

Então vamos seguir do que para o como. Você pode estar sentado agora mesmo,
sentindo-se um pouco sobrecarregado, e pensando: “Você me disse que eu deveria
correr a carreira sem me embaraçar e sem deixar nada entrar no caminho e que tenho
que perseverar até o fim da corrida, e se eu não perseverar até o fim, estou
condenado, mas na verdade você não me disse como fazer; as maratonas são muito
difíceis e eu nem tenho certeza se isso pode ser feito”. Bem, tenha bom ânimo,
usaremos o resto de nosso tempo para fornecer auxílio quanto a isso.
Mas antes disso você pode estar achando que eu estou dificultando demais o negócio
e que não é bem assim pois a Graça de Cristo Jesus é maior que os nossos pecados.
Então basta no último minuto antes de eu morrer pedir perdão e ops, tá tudo resolvido!

NUNCA OS CONHECI

Você pode estar se perguntando se realmente isso pode existir ou se isso é coisa da
minha cabeça. Como pode um Cristão que um dia levantou a sua mão professando a
sua fé em Cristo não ser convertido? Sim, de acordo com Jesus, na verdade é bem
provável.

Se analisarmos o que o próprio Jesus disse em seu sermão mais famoso e rodeado
de pessoas efetivamente chamadas de discípulos Ele disse:

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele
que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu
nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos
muitas maravilhas?

E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que
praticais a iniqüidade.

Mateus 7:21-23

Essas são algumas das palavras mais assustadoras de toda a Bíblia. Muitas pessoas
que frequentam a igreja aos domingos poderão se surpreender ao comparecerem
diante de Jesus e dele ouvir: “Nunca os conheci. Afastem-se de mim!”

Todos nós estamos propensos ao engano espiritual. Jesus neste texto não está
falando sobre ateus, pagãos, hereges. Está falando sobre pessoas boas e religiosas.
Homens e mulheres que acreditam que tem a eternidade garantida, mas que um dia
serão surpreendidos ao descobrirem que não está. Apesar de terem professado a sua
crença em Jesus e até realizado todo tipo de boa obra em seu nome, jamais o
conheceram verdadeiramente.
O CAMINHO DIFÍCIL

Nós temos a tendência natural de fazer o que é mais fácil, mais confortável e
prazeroso. Mas nesse caso ouçam o alerta do próprio Jesus:

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que
conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;

E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há


que a encontrem.

Mateus 7:13,14

Em outras palavras, há um caminho religioso largo, que é convidativo. Essa estrada


bela, confortável e sempre muito cheia de gente é atraente e confortante. Tudo o que
é exigido de você é que tome a decisão de aceitar a Cristo uma única vez e então não
precisará se preocupar com os seus mandamentos, seus padrões elevados ou sua
missão. Você, então, terá um passaporte para o céu e seu pecado de estimação será
tolerado ao longo do caminho afinal de contas a Graça te basta.

Em primeiro lugar Tito 2: 11 e 12 nos ensina algo diferente. A graça salvadora nos
educa a renegar nossas paixões e impiedades.

Em segundo lugar esse não é o caminho de Jesus. Ele nos chama para um caminho
apertado e estreito. O caminho de Jesus é difícil de seguir e odiado por muitos.

Apenas alguns capítulos depois de Mateus 7, Jesus disse a seus discípulos que eles
sofreriam agressões físicas, traições, maus tratos, isolamento e morte por seguirem o
Mestre. (Mt 10:17, 21 e 22)

Em outra ocasião, logo após Jesus ter elogiado Pedro por sua confissão de fé nele
como “o Cristo, O Filho do Deus vivo”, Jesus o repreendeu por não entender a
magnitude do que isso significa. Como muitas pessoas hoje em dia, Pedro queria um
Cristo sem a cruz e um salvador sem sofrimento. Jesus então olhou para Pedro e os
outros discípulos e disse:

Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim,
renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;

Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida
por amor de mim, achá-la-á.

Mateus 16:24,25
Em cada uma destas passagens do Evangelho de Mateus o convite para morrer é
claro. O caminho que leva ao céu é arriscado, solitário e custoso neste mundo. Poucos
estão dispostos a pagar o preço. Seguir Jesus implica perder a vida e encontrar nova
vida nEle.

GRANDE NUVEM DE TESTEMUNHAS


Sejam encorajados pela grande nuvem de testemunhas, porque elas nos
mostram tanto que a corrida pode ser realizada quanto como realizá-la. Nossa
passagem começa: “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande
nuvem de testemunhas”, referindo-se ao capítulo 11 e os relatos dos santos do Antigo
Testamento. Hebreus 11:4-34

Estas são alguns daqueles que fazem parte da grande nuvem de testemunhas que
agora nos cercam e nos animam a persistir na carreira até o fim, e mais importante,
elas nos provam que a corrida pode realmente ser completada. Você pode estar
pensando: “Mas eu não sou nem um pouco parecido com aqueles gigantes do
passado — sou apenas um corredor comum, e honestamente eu sou um
desastre”, ao que eu responderia: eles eram assim também.

Noé construiu a arca, mas uma das primeiras coisas que ele faz depois de sair da arca
é fazer vinho e embebedar-se. Abraão poderia ser um covarde, Sara riu na face de
Deus quando ouviu a promessa pela primeira vez, Isaque era pouco masculino, Jacó
era um vigarista, Moisés era um assassino, Raabe era uma prostituta, Gideão
precisava de mais um sinal, Barak não faria o que Deus lhe disse a menos que
Deborah fosse com ele, Sansão foi um pesadelo total, Jefté fez o voto mais
tragicamente insensato, Davi era um adúltero e um assassino.

Você vê, a verdade é que esses gigantes da nossa fé estavam tão falhos e
defeituosos quanto você e eu. A única coisa que com que esses homens e mulheres
fossem especiais foi o Deus em quem eles confiaram. Portanto, considere: você pode
não ser Davi, mas você tem o Deus de Davi e, sinceramente, é tudo o que você
precisará. Se você notou a constante repetição do capítulo 11, você aprendeu como
esses antigos heróis correram: Abraão, Moisés, Davi e todos os que já correram o
fizeram pela fé, e é assim que você e eu devemos correr também.
E O ATO DE CRER?
Diante dessa ênfase no preço de seguir Jesus, você pode estar se perguntando sobre
algumas passagens nas quais parece que a salvação envolve simplesmente crer.

Jesus disse a Nicodemos: “Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho
unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”
(João 3:16). Paulo e Silas falam ao carcereiro de Filipos: “Creia no Senhor Jesus
Cristo, e serão salvos, você e os de sua casa” (Atos 16:31). Com base nessas
passagens, pode-se concluir que se tornar ou ser um cristão envolve apenas crer em
Jesus.

Isso é totalmente verdadeiro, mas precisamos considerar o contexto a fim de entender


o que a Bíblia quer dizer com crer. Quando Jesus convida Nicodemos a crer nele, está
convidando-o a nascer de novo, a começar uma vida completamente nova e dedicada
a servi-lo. Da mesma forma, quando o carcereiro de Filipos crê em Cristo, sabe que
está se unindo a uma comunidade de cristãos que são espancados, perseguidos e
aprisionados por sua fé. O preço de seguir Cristo está claro para todos aqueles que
creram em Jesus.

Envolvia muito mais que mera opção intelectual. Afinal até os demônios creem que
Jesus é o filho de Deus crucificado e ressurreto (Tiago 2:19). Essa crença claramente
não os salva. Quantas pessoas que nós conhecemos creem em Jesus?

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele
que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

Mateus 7:21

Claramente, pessoas que afirmam crer em Jesus não têm garantia de eternidade no
céu. Pelo contrário, apenas aqueles que obedecerem a Jesus entrarão em seu Reino.

Agora vou tomar muito cuidado neste ponto, pois poderíamos começar a distorcer
evangelho e transformá-lo em algo que não é. Jesus não está dizendo que nossas
obras são a base para a Salvação. A graça de Deus é o único fundamento para a
nossa salvação. Mas não podemos negligenciar o óbvio que Jesus está dizendo que
somente aqueles que obedecerem a sua palavra entrarão em seu Reino. Se nossas
vidas não refletem o fruto produzido quando se segue Jesus, então é tolice pensar que
realmente somos seguidores de Cristo, antes de qualquer coisa.

Quando alguém realmente se encontra face a face com Jesus, e é tocado


profundamente, sua vida é transformada e a pessoa fica diferente. Muito diferente!
Pessoas que se dizem cristãs e tem vidas que não são diferentes das outras pessoas
do mundo claramente não são cristãs.

A ilusão espiritual é muito perigosa. Qualquer um de nós pode se iludir. Somos seres
pecaminosos, inclinados para nós mesmos, e achamos que somos algo que não
somos. A Bíblia diz em II Cor. 4:4 que o deus deste mundo está cegando o
entendimento dos incrédulos para impedi-los de conhecer a Cristo.
JESUS, O AUTOR E CONSUMADOR DA FÉ
Voltemos ao nosso texto. “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão
grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que
tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está
proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus”. Olhe para
Jesus, o autor e consumador da nossa fé. Eu amo esta frase, e você deveria amar
também, porque é o evangelho. Olhe para Jesus e não para si mesmo, olhe para
aquele que fez por você o que você nunca poderia ter feito por si mesmo.
No coração do evangelho, existem algumas perguntas essenciais:

 Como um Deus santo e justo pode perdoar o pecado e julgar o culpado?


 Como um Deus justo pode justificar o ímpio?
 Como eu, pecador, posso encontrar o padrão exigido por um Deus santo
e justo?
 Como eu, pecador, posso escapar da punição que mereço?

A resposta a estas perguntas é: “Olhe para Jesus, o autor e consumador da nossa


fé”. Olhe para ele, ele viveu a vida perfeita que você não viveu. Ele correu uma corrida
perfeita. Ele atingiu os padrões que um Deus bom, santo e justo requer. Olhe para ele,
ele morreu a morte que você merece, tomou sobre si o seu pecado e a ira de Deus
contra o pecado e os pecadores. Olhe para ele, ele está ressuscitado e glorificado,
vitorioso sobre Satanás, sobre pecado, a morte e a sepultura. Olhe para ele, ele subiu
ao céu e está sentado à direita do Pai, e ali intercede por você como seu Grande
Sumo Sacerdote. Olhe para ele, ele está voltando para estabelecer seu reino, julgar a
terra, punir os culpados e galardoar os fiéis. Olhe para ele e tenha certeza disso:
“Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de
completá-la até ao Dia de Cristo Jesus” (Filipenses 1:6).

Olhe para Jesus, o autor e consumador de nossa fé, e tenha coragem, confiança e
força para correr a carreira com base nessa gloriosa verdade. Jesus não responde
apenas à nossa fé com ajuda. Ele é o autor, criador e fundador da fé, e é ele quem
trabalha para aperfeiçoar a fé que ele cria. Ele trabalha para começá-la e trabalha para
completá-la. Nossa fé se apega a Jesus em busca de ajuda, porque Jesus primeiro se
apegou a nossos corações pela fé. Olhe para Jesus e corra.
O SIGNIFICADO DO ARREPENDIMENTO
Então como uma pessoa se torna um verdadeiro seguidor de Jesus? Mateus 4:17 nos
mostra a primeira palavra proferida por Jesus em seu ministério no novo testamento é
clara: Arrependam-se!

Arrependimento é um termo bíblico rico que significa transformação de mente, coração


e vida de alguém. Quando alguém se arrepende deixa de andar em uma direção para
ir em sentido oposto.

O chamado de Jesus ao arrependimento é uma convocação à renúncia do pecado e


de toda autodependência para a salvação. Somente abandonando o pecado e a nós
mesmos podemos ser salvos.

Portanto o arrependimento envolve, fundamentalmente, a renúncia do antigo modo de


viver em favor de um novo. Morremos para o nosso egocentrismo, nosso
autoconsumo, nossa autojustificação, nosso esforço próprio e nossa autoexaltação.
Nas palavras de Paulo “Já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim”.

Nossos desejos mudam, nossa vontade muda, nossos relacionamentos mudam.


Acima de tudo nossa razão de viver muda. Posses e status não são mais nossas
prioridades. Conforto e estabilidade não são mais nossas preocupações. Segurança
não é mais o nosso objetivo. Quanto mais o glorificamos mas desfrutamos dele, e
mais reconhecemos que é isso que significa biblicamente ser cristão.

A ALEGRIA DO TRIUNFO
Então, quando chegamos ao final de nossa meditação nessa passagem, vimos que
corremos a corrida diante de nós colocando nossa fé e confiança em Jesus, o autor e
consumador da nossa fé, e fazendo isso recebemos a força e perseverança que
precisamos para eliminar qualquer coisa que nos atrapalhe, lutar contra o pecado e
alcançar a linha de chegada. E é na linha de chegada onde encontramos nossa
motivação final para corrermos a corrida, porque é ali que a recompensa espera por
nós. Nossa passagem nos fala que Jesus suportou a cruz pela alegria que lhe foi
proposta, e como nosso Salvador, também devemos suportar as dificuldades, batalhas
e provações que surgem em nosso caminho pela alegria que nos está proposta.

Em Romanos 8.18, o apóstolo Paulo escreve: “Porque para mim tenho por certo
que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória
a ser revelada em nós”.

Há um dia vindouro para aqueles que perseveram até o fim, quando estaremos com
Jesus na habitação da justiça, e todo pecado e seus efeitos miseráveis serão banidos
para sempre e tudo será para o louvor da gloriosa graça de Deus. Esse é um prêmio
pelo qual vale a pena concorrer.

Terminarei com uma citação do puritano Thomas Brooks, para citar um último homem
sábio que já faleceu. Ele disse: “Sua vida é breve, seus deveres são muitos, sua
ajuda é grande e sua recompensa é garantida; portanto, não desanime, fique
firme e persevere em fazer o que é bom, e no céu tudo será retificado”.

QUAL A NOSSA ESCOLHA?

Após ouvir o que a palavra de Deus nos falou hoje nós podemos escolher como
devemos agir. Duas pessoas tiveram um encontro com Jesus e receberam o mesmo
convite e desafio, mas cada um com um final diferente. O jovem rico e Zaqueu tinham
o mesmo deus em suas vidas e foram desafiados por Jesus a abandoná-lo. Um foi
para casa triste, enquanto o outro pulou de uma árvore com alegria. A diferença dos
dois foi o arrependimento. O jovem rico ficou triste porque não abriu mão de suas
posses, Zaqueu abandonou o seu orgulho para seguir alegremente a Jesus. É isso
que Jesus quer de cada um de nós.

Esse é o momento de trocar nossa culpa e tristeza pela alegria do Senhor.