Você está na página 1de 28

Cálculo Numérico

Interpolação Polinomial
Ajuste de Curvas (Parte II)

Prof. Jorge Cavalcanti – jorge.cavalcanti@univasf.edu.br


MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO
NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/
Ajuste de Curvas - Introdução
 y

Interpolação Polinomial 

 

Estratégia de manipulação 

de uma função definida por






uma tabela de valores 






xi 1 2 3 4 5 6

y i 1,3 3,5 4,2 5,0 7,0 8,8 
xi 6 7 8 9 10 11 

yi 8,8 10,1 12,5 13,0 15,6 16,1 


x
           
2
Ajuste de Curvas - Introdução

 Inconvenientes
 Necessidade de obtenção de um valor
aproximado da função em algum ponto fora do
intervalo de tabelamento (extrapolação);
 Existênciade erros inerentes, não previsíveis,
associados aos valores tabelados
 Resultados de experimentos físicos ou dados
resultantes de pesquisas

3
Ajuste de Curvas - Introdução
y
 Problemática I 

X Y 

0 6
1 10

2 22
3 ?

x
   

4
Ajuste de Curvas - Introdução
 Problemática II
 Geração de uma aproximação confiável para
os valores tabelados
 Possibilidade de extrapolação com certa margem
de segurança
 Casos
 Discreto- a função é conhecida para m pontos
 Contínuo – a função é conhecida para todos os
pontos.

5
Ajuste de Curvas – Caso Discreto
 Problemática III
 Ajuste de uma função a um conjunto de
pontos
 Contenção ou maior proximidade possível de todos
os pontos à função que modela a constelação de
pontos de interesse
y


(27,3)
(8,2)
(1,1)
x
     

6
Ajuste de Curvas – Caso Contínuo
 y
 Problemática
 Representação de uma 
função complexa a partir
de outra mais simples

 Simplificação do
problema

 Facilidade de resolução

f(x)  x 3  3,6x 2  3,44x  0,728


g(x)  2x  1 

0,5;1,7
x
   

7
Ajuste de Curvas – Caso discreto
 Problemática
 Representação de uma função complexa a partir de outra
mais simples
 Extrapolação com aproximação razoável.
 Simplificação de cálculos de novos pontos aproximados.

8
Ajuste de Curvas – Caso discreto

 Seja um conjunto de pontos (xi, f(xi)), i=0,1,2..., m,


e as funções g1(x), ..., gn(x), determinadas de alguma
forma, com n  m.

 O que se procura é a função g  x , dada por

g  x   c1 g1  x   c2 g2  x     c n gn  x  (1)

n
g(x)   c g (x )
i 1
i i

tal que g(xi) passe o mais próximo possível dos pontos (xi,
f(xi)).
9
Ajuste de Curvas

 A ideia mais simples para ajustar g à f e impormos a


condição que g coincida com f nos pontos (xi, f(xi))
dados; ou seja g(xi)=f(xi). i  1,..., m
 Teríamos então:

c1g1 x 0   c2g2 x 0     cngn x 0   f(x 0 )


c1g1 x1   c2g2 x1     cngn x1   f(x1 )
...
c1g1 xm   c2g2 x m     cngn x m   f(x m )

10
Ajuste de Curvas

 Deseja-se minimizar a diferença entre g(xi) e


f(xi), i= 0, 1, 2...m.

 Para definir as funções f(xi), i= 0, 1, 2...m é


necessário determinar os coeficientes ci para que
essas diferenças sejam as menores possíveis.
 Configuração de um problema de minimização.

11
Ajuste de Curvas - Mínimos Quadrados
 Método dos Mínimos Quadrados
 Seja f dada pela tabela abaixo:
x x0 x1 x2
f(x) F(x0) F(x1) F(x2)

 Objetivo
 Obter uma função g(x) que aproxime dados tabelados (xi,
f(xi)) afetados por erros inerentes.
 A função g(x) não precisa passar pelos pontos da tabela,
g(xi)  f(xi), mas fornece o melhor ajuste no sentido dos
mínimos quadrados.
 Determinar uma reta g(x) = c0+ c1x que melhor se
ajusta à f.

12
Ajuste de Curvas
 Vamos considerar dk=g(xi)-f(xi). Observando a figura
abaixo, com a reta g(x) = c0+ c1x, devemos escolher
as constantes c0 e c1 de modo que d0, d1 e d2 sejam o
menor possível.

 Devemos, então, minimizar a soma dos desvios.


2
Minimizar d k
k 0 13
Ajuste de Curvas
 Obtenção da melhor reta  Minimização da
soma das diferenças entre os valores de f(x)
tabelados yi e os valores da função de ajuste
(a+bxi) em cada ponto.
 Resoluçãoda aproximação pela minimização
do somatório dos “erros” na expressão
m
Minimizar d k
k 1

m
S   dk onde d k   f xk   g xk  (2)
k 1
14
Ajuste de Curvas
 Possibilidade de obtenção de diferença
positiva ou negativa

 Possibilidade de ocorrência de uma soma nula


das diferenças, mesmo com os valores muito
distantes da reta.
 Modo de evitar o cancelamento  Minimização do
quadrado da diferença 2
m
Minimizar d k
k 1

15
Ajuste de Curvas

 Assim, a expressão de S é substituída pela expressão


abaixo, que será mínima quando o somatório (2)
também for:
m m

d  f x   gx 
2
S k  k k
(3)
k 1 k 1

 Considerando g(x) dada pela expressão (1), o somatório


a ser minimizado toma a forma mostrada em (4).

gx   c1g1 x   c 2 g 2 x     cn g n x  (1)


m
S  Sc1, c2 ,..., cn    f xk   c1g1 xk   ...  cngn xk 
2
(4)
k 1
16
Ajuste de Curvas
 Notar que S é função apenas dos coeficientes ci, i=1,
..., n, pois f(xk) é conhecido e g(xk) pode ser arbitrado.
 Para minimizar S, é necessário que:

S C i  0 , i  1,..., n

 Do cálculo diferencial, sabe-se que para determinar o valor


mínimo de uma função (ou seu valor crítico), deve-se derivar
parcialmente esta função em relação às variáveis
independentes.
 Então, para se obter um ponto de mínimo de S, temos que
encontrar seus pontos críticos, derivando (4).
S m
 2  f  x k   c1 g1  x k   ...  c n gn  x k . gi x k , i  1,..., n (5)
C1 k 1

 A partir dessa condição, gera-se o sistema de equações


lineares mostrado em (5).
17
Ajuste de Curvas
 Expandindo a expressão anterior, obtém-se o sistema
(6a), colocado na forma simplificada mostrada em
(6b).

 m  m  m

   g1  x k .g1  x k .c1  ...    gn  x k .g1  x k .c n   f x .g x 


k 1 k
  k 1   k 1  k 1
(6a)
 
 m  m  m

  1 k g  x .g n  x 
k .c1  ...   n k g  x .g n  x 
k .c n   f x .g x 
k n k
  k 1   k 1  k 1

 a11c1  ...  a1n c n  b1





 an1c1  ...  ann c n  bn (6b)

m m
aij   g x .g x   a
k 1
1 k j k ji (Simétricos) bi   f x .g x 
k 1
k i k
18
Ajuste de Curvas
 Esse sistema é chamado de Normal e pode ser escrito assim:
m m m

 g1 g1  g g ... g g
1 2 1 m   m


g1. f x1  
 k 1 k 1 k 1
  c1  
....   ... 
k 1
 ... ...
m m m    
 g m g1  g m g 2 ... g m g m  cn   m 
 k 1 k 1 k 1   m g . f  x 
m 
   k 1 

 A montagem do sistema normal é facilitada com a construção da


seguinte tabela:
i xi g1(xi) g2(xi) ... gm(xi) f(xi)
1 x1 g1(x1) g2(x1) ... gm(x1) f(x1)
2 x2 g1(x2) g2(x2) ... gm(x2) f(x2)
... ... ... ... ... ... ...
n xn g1(xn) g2(xn) ... gm(x0) f(xn)
g12 g1 g2 ... g1 gm g1 f
g2 g1 g22 ... g2 gm g2 f A partir desses valores,
gm g1 gm g2 ... gm2 gm f constrói-se o sistema
linear. 19
Ajuste de Curvas
 Exemplo 01
 Como resultado de algum experimento, foram obtidos os
seguintes valores para uma função f:
i 1 2 3 4
xi 2 4 6 8
yi 2 11 28 40

 Deseja-se determinar a reta que melhor se ajusta a estes pontos


pelo MMQ.

20
Ajuste de Curvas
y
i 1 2 3 4
xi 2 4 6 8 

yi 2 11 28 40


g x   c1 g1 x   c2 g 2 x     cn g n x 

 Neste caso: 

n2 (O ajuste será por uma reta)


g x   c1 g1 x   c2 g 2 x  

g x   c1  c2 x
g1 x   1


g 2 x   x x

  

21
Ajuste de Curvas g  x   c1  c2 x ;
i 1 2 3 4 n  2;
xi 2 4 6 8 g1  x   1;
yi 2 11 28 40 g2  x   x ;
 O sistema a ser resolvido é:
m m

 g1 g1 g g 1 2   m
 g . f  x  
 k 1 k 1
  c1   k 1 1 1 
 .    
m m    
 g 2 g1  
 g 2 g 2  c 2 
 
m
g . f  x 
2 
 k 1 k 1  2
 
 
k 1

i xi g1(xi) g2(xi) f(xi) i xi g1(xi) g2(xi) f(xi)


1 x1 g1(x1) g2(x1) f(x1) 1 2 1 2 2
2 x2 g1(x2) g2(x2) f(x2) 2 4 1 4 11
3 x3 g1(x3) g2(x3) f(x3) 3 6 1 6 28
4 x4 g1(x4) g2(x4) f(x4) 4 8 1 8 40
g12 g1 g2 g1 f g12 = 4 g1 g2 =20 g1 f=81
g2 g1 g22 g2 f g2 g1 =20 g22 = 120 g2 f = 536

22
Ajuste de Curvas

 Substituindo-se os valores da tabela obtém-se:

 4 20   c1   81 
 .c    
20 120  2  536
 Resolvendo-se o sistema obtém-se c1=-12,5 e c2=6,55.

 A reta procurada é, portanto:

gx   12,5  6,55 x

23
Ajuste de Curvas
 Exemplo 02
 Seja uma função f, cujos dados que foram obtidos
experimentalmente são:
i 1 2 3
xi 1 2 3
f(x i ) 1 3 1,5

 Deseja-se determinar a reta g(x) = c1 + c2x que melhor se ajusta


a estes pontos pelo MMQ.

24
i 1 2 3
xi 1 2 3
f(x i ) 1 3 1,5

i xi g1(xi) g2(xi) f(xi) i xi g1(xi) g2(xi) f(xi)


1 x1 g1(x1) g2(x1) f(x1) 1
2 x2 g1(x2) g2(x2) f(x2) 2
3 x3 g1(x3) g2(x3) f(x3) 3
g12 g1 g2 g1 f
g2 g1 g22 g2 f

25
Ajuste de Curvas
 Exemplo 03
 Seja uma função f, cujos dados que foram obtidos
experimentalmente são:
i 1 2 3 4 5
x 0 1 2 3 4
f(x) 0.98 -3.01 -6.99 -11.01 -15

 Deseja-se determinar a reta g(x) = c1 + c2x que melhor se ajusta


a estes pontos pelo MMQ.

m m

 g1 g1 g g 1 2   m
 g . f  x  
 k 1 k 1
  c1   k 1 1 1 
 .    
m m    
 g 2 g1  
 g 2 g 2  c 2 
 
m
g . f  x 
2 
 k 1 k 1  2
 
 
k 1

26
i 1 2 3 4 5
x 0 1 2 3 4
f(x) 0.98 -3.01 -6.99 -11.01 -15

i xi g1(xi) g2(xi) f(xi) i xi g1(xi) g2(xi) f(xi)


1 x1 g1(x1) g2(x1) f(x1) 1
2 x2 g1(x2) g2(x2) f(x2) 2
3 x3 g1(x3) g2(x3) f(x3) 3
4 x4 g1(x4) g2(x4) f(x4) 4
5 x5 g1(x5) g2(x5) f(x5) 5
g12 g1 g2 g1 f
g2 g1 g22 g2 f

27
Ajuste de Curvas

 Referências
 RUGGIERO, M. A. G. & LOPES, V. L.
R. Cálculo numérico: aspectos teóricos e
computacionais. 2.ed. São Paulo, Makron,
1997.

28