Você está na página 1de 3

ESCRITO DE NITIREN DAISHONIN

Sobre Atingir o Estado de Buda nesta Existência

(Os Escritos de Nitiren Daishonin 1, 1–5)

Se o senhor deseja livrar-se dos sofrimentos do nascimento e da

morte que tem suportado desde o tempo sem início e atingir infalivel- mente a suprema iluminação nesta existência, deve despertar para

a verdade mística que sempre existiu inerentemente em todos os se-

res vivos. Essa verdade é Myoho-rengue-kyo. Recitar Myoho-rengue-kyo

o

possibilitará compreender a verdade mística inata em toda vida.

O

Sutra de Lótus é o rei dos sutras, verdadeiro e correto tanto nas

palavras como nos princípios. Suas palavras são a realidade fun-

damental, e esta é a Lei Mística (myoho). É chamada de Lei Mística porque revela o princípio da “relação mútua e inclusiva de um único momento da vida e todos os fenômenos”. Eis por que este sutra constitui a sabedoria de todos os budas.

A vida em cada momento abarca o corpo e a mente, a vida e o meio

ambiente de todos os seres sensíveis nos Dez Mundos 1 como também

1. Dez condições ou estados de vida que qualquer entidade manifesta. São:

Inferno, Fome, Animalidade, Ira, Tranquilidade, Alegria, Erudição, Absorção, Bodhisattva e estado de Buda.

7

SOBRE ATINGIR O ESTADO DE BUDA NESTA EXISTÊNCIA

todos os seres insensíveis nos três mil mundos, incluindo as plantas,

o céu, a terra e até mesmo as minúsculas partículas de pó. A vida

em cada momento permeia todo o mundo fenomenal e é revelada em todos os fenômenos. Despertar para este princípio corresponde à “relação mútua e inclusiva de um único momento da vida e todos os fenômenos”. Contudo, mesmo que recite e acredite no Myoho- rengue-kyo, se pensa que a Lei existe fora de seu coração, o senhor não está abraçando a Lei Mística mas um ensino inferior. “Ensino

inferior” refere-se a outros ensinamentos além deste sutra (Sutra de Lótus), que são todos meios e provisórios. Nenhum desses meios ou ensinos provisórios nos conduz diretamente à iluminação e, sem um caminho direto à iluminação, o senhor não pode atingir

o estado de Buda, mesmo que pratique existência após existência

por incontáveis kalpa. 2 Dessa forma, atingir o estado de Buda nesta vida seria impossível. Portanto, quando o senhor ora myoho e recita rengue, 3 deve ter a profunda fé de que o Myoho-rengue-kyo é sua própria vida. Jamais pense que os oitenta mil ensinos sagrados aos quais o Buda Sakyamuni dedicou toda sua vida ou que os budas e bodhisattvas das dez direções e das três existências encontram-se separados do senhor. A prática dos ensinamentos budistas não o livrará do sofrimento do nascimento e morte se não compreender a verdadeira natureza de sua vida. Se buscar a iluminação fora de si mesmo, então, mesmo que realize dez mil práticas e dez mil boas ações tudo será em vão. É o mesmo caso de um homem pobre que passa dia e noite contando a riqueza de seu vizinho e que não consegue obter sequer um tostão para si. Eis por que o comentário da escola Tient’ai declara: “Se não despertar para a sua própria natureza, não conseguirá erradicar as graves ofensas de sua vida.” 4 Esta passagem significa que, a menos que desperte para a natureza

2. Também denominado aeon. Um período de tempo extremamente

longo proveniente da antiga tradição da Índia.

3. Recitar o Daimoku da Lei Mística, ou Nam-myoho-rengue-kyo.

4. Anotações sobre “Grande Concentração e Discernimento”.

8

ESCRITO DE NITIREN DAISHONIN

da própria vida, a prática se tornará uma austeridade angustiante

e sem fim. Portanto, esses praticantes do budismo são como não-

budistas. Em Grande Concentração e Discernimento, Tient’ai declara que, embora essas pessoas estudem o budismo, suas concepções não diferem daquelas não-budistas.

Se o senhor profere o nome do Buda ,5 recita o sutra, ou simplesmente oferece flores e incenso, todos esses atos virtuosos implantarão benefícios e raízes de benevolência em sua vida. Com essa convicção

o senhor deve se empenhar na fé. O sutra Vimalakirti declara que,

quando se busca a condição de absoluta liberdade do Buda na mente

dos mortais comuns, descobrirá que eles são entidades da iluminação,

e que os sofrimentos do nascimento e da morte são nirvana. Também

afirma que se a mente das pessoas é impura, sua terra será igualmente impura. Mas se sua mente é pura, assim será sua terra. Portanto, não há duas terras, pura e impura ao mesmo tempo. A diferença reside unicamente na mente boa ou má das pessoas. Isso se aplica tanto aos budas como aos mortais comuns. Quando uma pessoa é dominada pela ilusão, é chamada de mortal comum, mas quando iluminada, é chamada de Buda. Isso se assemelha a um espelho embaçado que brilhará como uma jóia quando for polido. A mente que se encontra encoberta pela ilusão da escuridão inata da vida é como um espelho embaçado, mas quando for polida, é certo que se tornará como um espelho límpido, refletindo a natureza essencial dos fenômenos e da realidade. Manifeste uma profunda fé polindo seu espelho dia e noite. Como deve poli-lo? Não há outra forma senão devotar-se à recitação do Nam-myoho-rengue-kyo. Qual é então o significado de myo? Myo é simplesmente a misteriosa natureza de nossa vida a cada instante, que a mente não consegue compreender e que não pode ser expressa em palavras. Quando observamos nossa própria mente em qualquer momento, não percebemos a cor nem a forma para comprovar sua existência. No entanto, não podemos dizer que ela não existe pelo fato de

5. Conforme empregado no texto, “o nome do Buda” representa o Nam-myoho-rengue-kyo.

9